quarta-feira, 29 de Dezembro de 2010

Guiné 63/74 - P7518: (In)citações (23): Guiné-Bissau, país de história e de cultura: O Festival Quilombola Cacheu, Caminho de Escravos, Novembro de 2010 (AD - Acção para o Desenvolovimento)

(**)


Guiné-Bissau > Bissau > AD - Acção para o Desenvolvimento > Foto da semana > Título: Jovem quilombola de regresso à terra dos seus tetravós... > Data de publicação > 12 de Dezembro de 2010 >Data da fotografia > 21 de Novemnro de 2010 > Legenda:
"A jovem Maria do Carmo Ribeiro Baima, quilombola de 8 anos de idade, veio à Guiné-Bissau para conhecer os seus irmãos, tios e avós de quem se tinha separado há mais de 400 anos.

"O tráfico negreiro transatlântico levou os seus antepassados desta costa da Guiné, para o Maranhão, no Brasil. De um lado e de outro ninguém mais soube o que aconteceu aos que ficaram e aos que partiram: Resistiram? Chegaram ao Brasil? Casaram? Tiveram filhos?... Hoje, Maria Baima, veio contar o que aconteceu aos que foram para o Brasil e saber o que fizeram e como ultrapassaram a dor da perda, os que ficaram na Guiné.
"Porque a força dos tambores permaneceu, ela dança a música de tina, ao som doce saído das cabaças tocadas pela mandjuandade das mulheres de Calequisse".

Foto: © AD - Acção para o Desenvolvimento (2010) (com a devida vénia...) 


No quadro do seu programa “Vamos contar a nossa História”, a AD participou na organização do Festival Quilombola “Cacheu, Caminho de Escravos”, que decorreu  [, entre 18 e 25 de ] Novembro de 2010, [, com o patrocínio da Comunidade Europeia e o Instituto Marquês Valle Flôr, de Portugal]

A adesão das comunidades locais, grupos de mandjuandades (*) artistas e grupos culturais de raiz étnica, foi um dos aspectos mais marcantes deste Festival, pelo que o governo guineense decidiu passar a promovê-lo anualmente, sempre nesta data.

Para os guineenses foi um grande orgulho poder apresentar e ver consagrada a sua cultura diversificada, aparecendo aos olhos de todos como um país de História e Cultura, elemento de unidade e de reforço da identidade nacional.



_________________

Notas de L.G.:


(*) Mandjuandades, na Guiné-Bissau, são "organizações associativas, [femininas],  de base voluntária e igualitária, sustentadas pela solidariedade e partilha de interesses individuais e coletivos"...O fenómeno parece-me ter algumas parecenças com a Kixikila amgolana, termo que, em kimbundu, quer dizer contribuição, em dinheiro, para um dado fim colectivo. Em África, em geral, e em Angola, em particular, é aquilo que se designa pela expressão inglesa Rotating Savings and Credit Associations (ROSCA), um sistema informal de poupança e crédito, um grupo de ajuda mútua, liderado em geral por uma mulher, a "mãe de kixikila". O pequeno grupo, de cinco a dez elementos, tende a ser constituído por pessoas que estão ligadas entre si por laços de amizade, parentesco, vizinhança ou profissão. Cada elemento faz periodicamente uma determinada contribuição para um fundo comum que é depois utilizado rotativamente por cada um, com uma taxa de juro nula ou de valor reduzido. Na ausência de sistemas de crédito bancário acessíveis à generalidade da população, o kixikila voltou aos hábitos dos kaluandas como forma de atenuar ou reduzir o impacto da pobreza. O kixikila está hoje vulgarizado, não só entre as vendedeiras, quitandandeiras e kinguilas, mas também nos serviços públicos e nas empresas (vd. Neto, S. - Kixikila não é uma lotaria.Economia & Mercado. 19 (Maio-Junho de 2004). 40-42). Vd. também: Ducados, H.L.; Ferreira, M.E. (1998) - O financiamento informal e as estratégias de sobrevivência económica das mulheres em Angola : a Kixikila no caso do município do Sambizanga (Luanda). Lisboa: CEsA - Centro de Estudos sobre África e do Desenvolvimento. Instituto Superior de Economia e Gestão. Universidade Técnica de Lisboa. 1998 (Documentos de Trabalho, 53). 


Sem comentários: