domingo, 25 de setembro de 2016

Guiné 63/74 - P16523: Os nossos seres, saberes e lazeres (175): Vou à Guiné-Bissau, quase todo os anos, desde 2005... Tenho um lugar, na próxima viagem, por terra, em VW Tiguam, de 30 a 35 dias, com partida a 13 de novembro... Se houver alguém interessado, que me contacte (José Carlos Carlos, telemóvel 934 148 787)




1. Mensagem do  nosso leitor José Carlos Carlos (e camarada, fez a um comissão de serviço em 1970/73 , em Angola):

De: José Carlos Carlos <josematos1949@gmail.com>
Data: 25 de setembro de 2016 às 11:24
Assunto: ida a Guiné-Bissau

Bons dias,  camarada

Sou um ex-combatente da guerra colonial, mas estive em Angola, de 70/73.

Já vou quase todos os anos á Guiné desde o ano de 2005, o ultimo ano que estive na Guiné foi em 2014 e em 2015 fui só até ao Senegal, pais de que gosto muito.

As minhas idas por África são todas por terra de jeep ou de vw tiguan, acompanhado pela minha esposa e sozinhos. Este ano como ela não me pode acompanhar, estou a enviar para o
camarada Luís o convite ou para alguém que queira dividir a despesa nesta ida até á Guiné-Bissau.

A viagem será feita de VW TIGUAM, passando por Marrocos (na ida só para cruzar mas na vinda com passagem por Merzouga, Marrackech, Fez, etc), Mauritânia (ida e vinda só para cruzar)  Senegal (será para ver a fauna selvagem dos vários parques e reservas, lago rosa, Dakar, etc; ida e vinda), e Guiné (será para se recordar): Varela,  Saltinho, Guidaje, Quinhamel com as suas ostras, etc.

Viagem para 30 a 35 dias com as despesas a meias onde penso gastar:
2 pessoas (a 2500 euros a 3000 euros cada) entre 5000 a 6000 euros.

Isto já inclui gasóleo, barco, fronteiras e hotéis em regime de meia pensão.

Desde já um grande abraço.

O meu contacto:  telemóvel 934 148 787
email: josematos1949@gmail.com

José Carlos Carlos

PS - Esqueci de lhe dizer:

A partida seria para o dia 13 de Novembro, porque assim teríamos a companhia, só na ida.  de um grupo de padres do Porto que vão levar um jipe  para as freiras na Guiné.


2. Comentário do editor:

O José Carlos Carlos não se apresentou aqui com um foto, nem um pequeno CV, como seria desejável... Recolhemos da Net, do fórum Landmania, e do seu tópico Africa Negra 2012/2013,  o seguinte comentário, da sua autoria:

 josematos » quinta,  mai 17, 2012 10:02 pm

(...) Tenho 63 anos feitos a 2 de abril, encontro-me aposentado há 12 anos e sempre gostei de TT [Todo o Terreno] com a aquisição do meu primeiro jipe em 1977. Já tive um Land Rover 300 e neste momento (há 14 anos) possuo um Toyota Land Cruiser kzj95 e um Opel Monterei com motor Izuzu.


Comecei por fazer as minhas incursões por terras de África, só Marrocos,  a partir de 1982,  e outros horizontes a partir da aposentação. Quanto a países visitados: Marrocos, Argélia, Tunísia, Líbia, Egito, Sudão ( estive quando rebentou a guerra em Darfur em dezembro de 2006), Etiópia, Mauritânia, Senegal, Gâmbia, Mali, Burkina Fasso, Costa do Marfim, Guiné Conacri e Guiné Bissau.

Costumo viajar a solo ou acompanhado com a esposa, salvo quando algum grupo me pede ajuda para os acompanhar. Fui em dezembro de 2010 com camiões Kamaz Tolva (russos e polacos) e levei-os até ao Burkina a titulo gratuito com regresso de avião; em abril de 2011 levei até á Guiné-Bissau um grupo, também gratuitamente, só me pagando os hotéis e alimentação, o Club Nattuga de Viana do Castelo (grupo impecável). (...)

Aqui fica o convite do José Carlos Carlos, pode ser que haja algum leitor, amigo ou camarada da Guiné,  que queira partilha esta aventura.  Ficam os contactos (nº de telemóvel e email).

Fica também o nosso convite para o José Carlos Carlos se juntar, formalmente, à nossa Tabanca Grande, já que é um apaixonado da África (setentrional)  e da Guiné-Bissau, em particular. Para isso precisamos das 2 fotos da praxe: uma do tempo da tropa e outra atual, e uma pequena apresentação. Espero que ele tenha e queira partilhar connosco fotos e notas das suas viagens.

_________________

Guiné 63/74 - P16522: Blogpoesia (470): "Naquele olhar..."; Se tivesse o poder de amainar as tempestades..." e "Horas luminosas de sol...", poemas de J.L. Mendes Gomes, ex-Alf Mil da CCAÇ 728

1. O nosso camarada Joaquim Luís Mendes Gomes (ex-Alf Mil da CCAÇ 728, Cachil, Catió e Bissau, 1964/66) vai-nos enviando ao longo da semana belíssimos poemas da sua autoria, dos quais publicamos estes, ao acaso, com prazer:


Naquele olhar...

Havia grinaldas,
Esmeraldas azuis.
Reluziam ao sol,
Cintilavam as cores,
Rubis e safiras.

Que regalo de vê-las
Num rosto sorrindo.

Perfume de campos.
Searas de vento.
Um rio correndo.
As aves cantando.

Tão doce magia
Brotava serena
Quando passavas na estrada,
De açafate à cabeça,
e ias para a feira.

Faces rosadas.
Com blusa de arminho
E saias rodadas.

Que linda Maria
De socas nos pés.
A vida sorria
Com sonhos de amor...

Mafra, 19 de Setembro de 2016
17h22m
Jlmg

************

Se tivesse o poder de amainar as tempestades...

O mundo seria um mar de paz,
Se eu tivesse o poder de amainar as tempestades.

Não se ouviria gritos de fome e desespero.
Porque reinaria a harmonia e a justiça.

Se extinguiria a guerra e a avareza.
Cada um seria o que desejaria ser
Conforme as forças e a sabedoria.

Daria gosto viver num mundo assim...

Mafra, 21 de Setembro de 2016
17h40m
Jlmg

************

Horas luminosas de sol...

Foram radiantes e luminosas as horas de viagem
Desde Valadolid até Girona.

Um céu aberto e imenso.
Nuvens altas. Em carrossel.

Vastas terras secas com a palha já recolhida.
Se não fossem os rios Douro e Ebro,
Cujas águas são genialmente aproveitadas,
Através duma rede de canais,
Tudo seria um deserto.

Mas não!...
Há grandes zonas de campos verdes,
Bem irrigadas.
Um mar de verde em contraste a terra brava
Que suaviza os olhos de quem por aqui passa...

Girona, 24 de Setembro de 2016
18h5m
Jlmg
____________

Nota do editor

Último poste da série de 18 de setembro de 2016 > Guiné 63/74 - P16501: Blogpoesia (469): "O alpendre"; "Vou abrir minhas janelas" e "Melro na gaiola", poemas de J.L. Mendes Gomes, ex-Alf Mil da CCAÇ 728

Guiné 63/74 - P16521: Álbum fotográfico de Adelaide Barata Carrêlo, a filha do ten SGE Barata (CCS/BCAÇ 2893, Nova Lamego, 1969/71): um regresso emocionado - Parte X: Bambadinca... "Uma viagem não tem fim, começa um dia e só acaba quando encheres a alma"



Guiné-Bissau > Região de Quínara > Buba > 26 de outubro de 2015 > Anúncio à beira da estrada da operadora de telemóveis MTN



Guiné-Bissau > Região de Bafatá > Bambadinca > 27 de outubro de 2015 > Vendedeira de mangas


Guiné-Bissau > Região de Bafatá > Bambadinca > 27 de outubro de 2015 > Cartaz ao projeto de eletrificação "Bambadinca sta claro" (*)



Guiné-Bissau > Região de Bafatá > Bambadinca > 27 de outubro de 2015 >  No jipe


Guiné-Bissau > Região de Bafatá > Bambadinca > 27 de outubro de 2015 > Mercado local



Guiné-Bissau > Região de Bafatá > Bambadinca > 27 de outubro de 2015 > "Feira do sabão"


Fotos: © Adelaide Barata Carrêlo (2016) Todos os direitos reservados.
[Edição: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Continuação da publicação do álbum fotográfico e das notas de viagem de Adelaide Barata Carrelo, à Guiné-Bissau, em outubro-novembro de 2015 (**): mensagem com data de 17 do corrente:


Uma viagem não tem fim, começa um dia e só acaba quando encheres a alma. Como tal não é possível, ficaremos sempre dependentes do que nos toca o coração e tal pode ser uma paisagem, uma pessoa ou uma situação...e todas elas compõe uma pensamento que nos aproxima e nos permite reentrar na estrada para continuar a viagem.

As pessoas passam e os lugares permanecem e não há fotos perfeitas para mostrar os sentimentos e os afectos que sentimos.

BAMBANDINCA


Pequena, simples e com vontade de crescer. 
Olha para trás 
e com toda a certeza sabe 
que sempre foi importante para muitos de nós.

_________________

Notas do editor:

(*) Vd. poste de 4 de março de 2015 > Guiné 63/74 - P14322: Ser solidário (179): "Bambadinca Sta Claro", projeto-piloto na Guiné-Bissau, de uma central híbrida fotovoltaica, leva luz a 8 mil habitantes de Bambadinca. Documentário produzido pela ONG TESE e entrevista da Antena 1 a Sara Dourado

(**) Último poste da série > 6 de setembro de  2016 > Guiné 63/74 - P16455: Álbum fotográfico de Adelaide Barata Carrêlo, a filha do ten SGE Barata (CCS/BCAÇ 2893, Nova Lamego, 1969/71): um regresso emocionado - Parte IX: "Bafatá: Este sol que nos enche a alma, / numa terra escura em que a noite nos abraça, se deita connosco até de manhã, / sonhei que te guardava só para mim. / Quando acordei, gritei, chamei por ti / e tu continuaste a viver, sempre linda e bela"

sábado, 24 de setembro de 2016

Guiné 63/74 - P16520: (Ex)citações (318): Ponte Balana e/ou Porto Balana (Idálio Reis, ex-Alf Mil At Inf da CCAÇ 2317 / BCAÇ 2835, Gandembel e Ponte Balana, Nova Lamego, 1968/69)

1. Mensagem do nosso camarada Idálio Reis (ex-Alf Mil At Inf da CCAÇ 2317/BCAÇ 2835 Gandembel e Ponte Balana, Nova Lamego, 1968/69), com data de 22 de Setembro de 2016:


Ponte Balana e/ou Porto Balana 

O nosso grande camarigo Miguel Pessoa, deu-nos a conhecer um relato do T.Gen. Pil.Av. José Nico, que se refere ao abate de um Fiat G-91 a 28 de Julho, sob o comando do então T.Cor. Costa Gomes, e que titularia de “Marte, saia a Força Aérea, o Pirata ejectou-se em Gandembel”[1].

E porque assisti pessoalmente a este desastre, já tive a oportunidade de o transmitir no nosso Blogue, ínsito no P1864, de 21 de Junho de 2007, subtitulado “28 de Julho de 1968: é abatido um dos Fiat G-91 que bombardeavam Salancaur”[2].

Ambas opiniões de há muito formuladas, de um mesmo significado, obviamente convergentes, ainda que as situações de detalhe sejam um pouco diferenciadas: José Nico sobrevoava os céus de Nova Lamego, e toma conhecimento via rádio, enquanto eu, militar da Companhia de Gandembel, fui sua testemunha visual e procurei ajudar a trazer o piloto ejectado para o aquartelamento, libertando-o das amarras de um incontido pesadelo.

No meu livro "A C.CAÇ. 2317 na guerra da Guiné. Gandembel/Ponte Balana" dou a devida relevância a este facto, mas de todo o modo, faço transcrever o que o “Luís Graça & Camaradas da Guiné” absorveu.

28 de Julho de 1968: é abatido um dos Fiat G-91 que bombardeavam Salancaur

"Mas já há muito tempo, e quase todos os dias, pela tarde, vinham 2 Fiats G-91 a descarregarem bombas sobre a zona de Salancaur, de que se dizia terem abrigos inexpugnáveis. E destas tentativas intimidantes da aviação militar, surge a 28 de Julho mais um dos casos inesperados, e que seria o primeiro a acontecer na Província nestas circunstâncias.
Neste dia, parte da Companhia tinha ido montar protecção a uma coluna de reabastecimentos, de modo que em Gandembel restavam apenas 2 grupos – o meu e o Pelotão de Caçadores Nativos. Ouve-se, vindo de longe e dos lados da fronteira, uns estampidos de metralhadora pesada. E passados alguns momentos, um soldado chama-me a atenção que se notava uma chama na cauda de um dos Fiats. Prontamente, via rádio, deu-se conhecimento ao piloto. E vejo nos céus, o avião a fazer uma curva acentuada, direccionando-se para o lado da fronteira. E quando a aeronave, já com chamas bem visíveis, passava sobre Gandembel, distingue-se um pára-quedas que se ejecta do mesmo, e que vem a cair cerca de 3 a 4 centenas de metros a sul do aquartelamento, com o Fiat a despedaçar-se em parte incerta, mas muito próximo da fronteira. Um documento oficial, refere que o piloto era um tenente-coronel, de nome Costa Gomes.

Aparentemente, o local da queda, não oferecia perigos para o seu resgate, desde que se conhecessem os locais das armadilhas em volta do cercado do arame farpado.

Procurei de imediato arranjar um grupo com metade dos efectivos disponíveis, e então fomos ao encontro do piloto. Escondido num arbusto, estava o homem sem distinção da sua patente, e despojado da sua pistola de cintura [mais tarde foi encontrada, e julgo que era uma Walther].
Já vínhamos a caminho do aquartelamento, e algumas aeronaves com helicópteros e T-6 o sobrevoava, pelo que, franqueada a entrada, logo um dos helicópteros aterrava para o levar rumo a Bissau.

Perícia e sangue-frio do piloto do Fiat abatido

O abate desta aeronave teve uma certa repercussão a nível da Província, e muito certamente reforçou os ânimos dos combatentes locais do PAIGC. Contudo, não deixarei de notar, que a probabilidade de uma bala anti-aérea, em acertar num desses supersónicos Fiats, era ínfima. Mas, o que é inegável, é que o avião se perdeu, e a perícia do piloto também foi notável para a integridade da sua própria pessoa, pois se tivesse caído em local fora do nosso horizonte de referência (não mais de 2 km), não dispunha de condições para ir à sua procura. E muito provavelmente, o piloto seria capturado pelo inimigo".

Quer, José Nico ou Costa Gomes, haveriam de nos cumprimentar amiudadas vezes, pois os Fiats eram fundamentais para o baloiço da nossa vivência colectiva em Gandembel/Ponte Balana, em constante perigo, porquanto só a 28 de Janeiro de 1969, é que aqueles sítios ficam sem a presença em permanência de qualquer militar, pois que na alvorada desse dia, o armamento pesado é desactivado, a bandeira nacional é arriada, o gerador é colocado num Unimog, e eis que partimos em definitivo de Gandembel, passámos por Ponte Balana (ali ao lado) a buscar o grupo que aí estava e seguimos para Aldeia Formosa.

Em definitivo, Spínola resolvera arquivar o dossiê de Gandembel/Ponte Balana. Mas, que razões o terão levado a tomar este propósito, de mandar evacuar estes postos militares, quando a situação geral tinha melhorado substancialmente nos últimos tempos?

Tento entrevê-las, ler-lhes o significado para poder emitir o meu juízo, obviamente muito subjectivo. Spínola sempre julgou que a construção daquele aquartelamento, naquele tempo e naquelas condições, fora um colossal erro estratégico. Gandembel, fora o grande palco da guerra a que a Guiné no ano de 1968 esteve sujeita, e sempre na lista negra das más notícias.

Não se conseguiu travar ou mesmo minimizar as acções que o PAIGC mantinha no interior da Província, mesmo nas regiões do Oeste, o que comprova que o abastecimento oriundo da Guiné-Conacri, continuou a processar-se sem grandes constrangimentos.

Fez acirrar ódios nas zonas envolventes a Aldeia Formosa, levando o PAIGC a agir de forma violenta e brutal, semeando o pavor nas populações indígenas que povoavam esses chãos. E, para tornar estas áreas mais sossegadas, é obrigado a fazer uso de tropa de elite, um bem demasiado escasso e tão necessário na vastidão da Província.

Em suma, Spínola julga que, de todo, Gandembel/Ponte Balana, não são garantes para a estratégia que urdira para a Guiné. De modo, que aproveita-se um pouco da situação de maior alívio, conquistada recentemente, e prefere sair sem o amargo travo da humilhação, mas com uma pequena dose de honra e glória. 

Utilizou os estratagemas que estavam à sua mão. E decidiu, porventura angustiado, por que não desejava que houvesse outros maus exemplos, apesar de sentir que a evolução da guerra crescia de forma exponencial.

Foi uma decisão acertada? Se se atender aos factos que ocorreram posteriormente, claramente julgo que não. O PAIGC fica quase inteiramente livre, e amplifica seu arco de actuação, de modo retumbante, com uma forte actuação nas zonas de Buba, Aldeia Formosa e Guileje. Os casos mais conhecidos nos tempos imediatos, como o brutal desastre de Madina do Boé, a morte dos 3 majores, o aprisionamento do capitão cubano Peralta, a odisseia que foi a construção da estrada Buba-Aldeia Formosa, são bastante paradigmáticos.

Spínola, ao aperceber-se da situação de desastre a que a Companhia estava votada, do forte poder bélico que o PAIGC demonstrava possuir, seria mais ousado na antecipação da retirada. E evitaria as perdas sofridas de mais alguns militares.

Na qualidade de ex-militar que viveu todos os dias de Gandembel/Ponte Balana, sinto que, os homens desta Companhia, foram uns meros joguetes de uma estratégia macabra, hedionda, vergonhosa. Jamais teve, até à chegada dos paraquedistas, o apoio que merecia E tenho de reconhecer em Spínola, um militar de uma enorme dimensão, pois que se não fora a sua persuasão, talvez poucos homens desta Companhia restariam. 

E talvez por isso, reconheço que havia felicidade estampada nos nossos rostos quando deixámos Gandembel, não o nego. Mas, para trás, ficava definitivamente um palco infernal, e já bastava de tanto castigo.

Mas o abandono não foi da nossa laia. E hoje, ao escrever estas linhas, perpassa algum frémito de emoção, porquanto os momentos dramáticos foram tantos e tão intensos quanto as marcas profundas de sofrimento ou as incontornáveis mazelas taciturnas e dolentes. As violências pessoais, só contaram para o inventário de nós mesmos.

Resistimos sem vacilações ou soçobros, mas tudo parece ter-se volatilizado num ápice, quando o que ocorreu, se prolongou por quase 11 meses. E talvez por isto, porque não sabemos descrever de outro modo, por lá restaram as nossas sombras ou mesmo os fantasmas que tantas vezes nos assolam.

De todo, a odisseia de Gandembel/Ponte Balana ficava encerrada, e cabe-vos agora a vez de lerem a transcrição de uma parte da reportagem do Diário Popular:

A fixação em Gandembel não foi, de modo algum, obra fácil. Pelo contrário, exigiu esforços e sacrifícios indizíveis. Para que o leitor possa fazer uma ideia aproximada, dir-lhe-emos apenas o seguinte: Gandembel tem a superfície de 40 decâmetros quadrados e está toda minada de valas e cercada de arame farpado com espaços armadilhados; os soldados vivem em abrigos fortificados, construídos com milhares de toneladas de toros de árvores, pedra e terra removida. Pois tudo isso foi feito a braços, visto que os nossos rapazes só dispunham de uma moto-serra e duas viaturas. No gigantesco trabalho participaram todos os soldados, com a respectiva arma numa das mãos e, na outra, uma pá, um machado, uma picareta ou, simplesmente, nada! Trabalharam continuamente, de dia e de noite, mas apenas nos intervalos dos combates que eram obrigados a travar ou que eles procuravam por força das circunstâncias, pois Gandembel nunca deixou de constituir alvo permanente para o inimigo, que contra ele ainda hoje dirige brutais ataques, quase sempre apoiados por armas pesadas.

No conjunto das fotografias que consegui obter, e que vou enviando, faço ressair uma que efectivamente é bastante elucidativa do que intentei dar-vos nota: Gandembel, entre pequenos e grandes, de maior ou menor duração, mais ou menos sofridos, sofreu 372 ataques.

O ano de 1969 tinha-se iniciado. E o Cor. PilAv. Miguel Pessoa, também um piloto dos Fiats abatido não muito longe destes poisos, talvez na ordem das 2 dezenas de quilómetros, cumpre a sua comissão de serviço muito mais tardiamente, mais de 5 anos após, e o rio Balana lá permanecia, mas muito provavelmente diferente na sua utilização pela guerrilha do PAIGC, onde viria a localizar pontos de apoio, e entre eles um de maior visibilidade, que requeria a aviação tomar a necessária atenção, e daí o surgimento de Porto Balana. E a localização deste, era bem distinta do nosso destacamento de Ponte Balana.

Contudo, de referir, que o rio Balana era uma linha de água sujeita intensamente ao período das chuvas, já que durante um largo período não viabilizava utilização de um qualquer tipo de navegação, já que apresentava uma acentuada variabilidade dos seus caudais, pois que na parte final da época seca, os débitos são nulos.

Eis pois o Corredor de Guileje e o rio Balana como um dos fortes suportes logísticos de ambas as partes. E por toda a Guiné, a guerrilha em determinada zona, alterava-se substancialmente.

Caloroso abraço do Idálio Reis
____________

Notas do editor

[1] - Vd. postes de:

16 de Setembro de 2016 > Guiné 63/74 - P16296: FAP (98): "Pedaços das nossas vidas" - "Marte, saia a Força Aérea, o Pirata ejetou-se em Gandembel", por TGeneral PilAv José Nico - I Parte (Miguel Pessoa)
e
16 de setembro de 2016 > Guiné 63/74 - P16496: FAP (98): "Pedaços das nossas vidas" - "Marte, saia a Força Aérea, o Pirata ejetou-se em Gandembel", por TGeneral PilAv José Nico - II Parte (Miguel Pessoa)

[2] - Vd. poste de 21 de Junho de 2007 > Guiné 63/74 - P1864: Fotobiografia da CCAÇ 2317 (1968/70) (Idálio Reis) (7): do ataque aterrador de 15 de Julho de 1968 ao Fiat G-91 abatido a 28

Último poste da série de 18 de setembro de 2016 > Guiné 63/74 - P16500: (Ex)citações (317): Porto Balana era uma designação da Força Aérea, julgo que o Exército nunca lá terá ido (Miguel Pessoa, Coronel PilAv Reformado)

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Guiné 63/74 - P16519: Manuscrito(s) (Luís Graça) (97): O 'prisioneiro' Malan Mané... a quem cedo, talvez demasiado cedo, deram um arma e uma bandeira e um hino


Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Mansambo > CART 2339 (1968/69) > Interrogatório a um prisioneiro, o guerrilheiro Malan Mané. Quem preside ao interrogatório é o slf mil at art Torcato Mendonça. A foto é do alf mil Cardoso, e chegou-nos à mão através do ex-fur mil Carlos Marques dos Santos, de Coimbra. "Pela disposição dos presentes é fácil imaginar a brutalidade do interrogatório. O militar das patilhas sou eu, na escrita, Torcato Mendonça".

Foto: © Carlos Marques dos Santos (2006) / Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné. Todos os direitos reservados


O 'prisioneiro' Malan Mané

por Luís Graça (*)


Guiné. 
Bambadinca. 
3 de Setembro de 1969.


Malan Mané 
(**)
terás vinte anos, vinte luas ? 
Menos de vinte ? 
Talvez sejas da idade dos nossos soldados mais novos,
temos alguns com dezasseis ou dezassete. 
Não tenho qualquer jeito para adivinhar idades,
muito menos dos africanos. 
Mas tu próprio não saberias responder-me: 
aqui ninguém tem 
certidão de nascimento, 
cédula pessoal, 
bilhete de identidade
Os nossos, esses, sim,
têm (ou vão ter) caderneta militar...
Para a tropa, do recrutamento local, 
é-se escolhido a olhómetro: 
etnia,
altura, 
peso, 
massa muscular… 
A idade não conta,
é o régulo de Badora, quem põe e dispõe,
o poderoso Mamadu Bonco Sanhá,
tenente de 2ª linha...
Experiência de combate,
quase todos a têm, 
os fulas desta região,
de Badora e de Cossé…


Malan Mané: 
mandinga do regulado do Cuor, 
a norte de Bambadinca, para lá do Rio Geba,
podias ter sido nosso soldado, 
temos dois mandingas 
na nossa companhia,  a CCAÇ 12,
Malan Nanqui e Ussumane Sissé… 
Mas há mais outros dois Malan,
de etnia fula: 
Malan Baldé e Malan Jau…


Malan Mané: 

com que então
eras o roqueteiro do bigrupo de Mamadu Indjai, 
o terrível, 
o famigerado comandante de guerrilha,
também ele de etnia mandinga 
(ou talvez biafada ?)...
Não me sabes ou não me queres responder,
não importa,
à pergunta sobre o teu chefe.


Olhando,  para ti de alto a baixo,
sem sobranceria, com empatia,
vejo que vestes um dolmen, velho, 
de cor já irreconhecível, 
calças rotas no joelho…
Estás descalço…,
perdeste as chanatas ? 
Por outro lado, estás com ar deprimido, 
talvez mesmo aterrorizado,
não consigo ler as emoções do teu rosto impassível.
Tal como os nossos fulas, usas um amuleto,
contra a bala do tuga
e os demónios da floresta.
Tens razão, djubi, 
cair, vivo, nas mãos dos tugas 
pode ser pior desgraça 
do que morrer em combate, 
aos vinte anos, vinte luas
 – deves ter pensado tu muitas vezes no mato. 
Ou se calhar nunca pensaste nisso. 
Na guerra quem pensa na morte, 
morre mesmo,
dizem que dá azar.
Aliás, na guerra, não convém pensar muito.
É uma pergunta que tu não entendes 
ou a que não queres responder. 
Pelo menos, em público, 
neste cenário de circo, 
enjaulado como um animal selvagem, 
rodeado de homens, brancos e pretos... 
Os páras do BCP 12 / COP 7, esses, 
não tiveram grande dificuldade em desatar-te a língua:
bastou-lhes encostar a faca de mato à tua barriga. 
Foste apanhado com o teu RPG-2,
boquiaberto, 
aparvalhado,
com o helicanhão por cima da tua cabeça,  
numa clareira da mata do Rio Biesse, 
na região de Camará, 
lá para os lados de Candamã, 
quando o céu desabou em cima de ti.


Estás agora às ordens do comando do sector L1,
de mãos algemadas, 
metido numa espécie de gaiola de jardim zoológico. 
Espetáculo degradante, 
para mim, para alguns de nós
que nos consideramos uns gajos decentes…
A Convenção de Genebra
sobre os prisioneiros de guerra 
não se aplica aqui:
oficialmente o meu país não está em guerra,
com ninguém do planeta, 
com nenhum outro estado soberano. 
Oficialmente não há, 
nem pode haver, 
prisioneiros de guerra 
no meu país, 
do Minho a Timor, passando pela Guiné.
Oficialmente tu, Malan Mané,  não és
nem podes ser prisioneiro de guerra
nem tratado como tal.


Malan Mané,  és bandido, 
homem do mato,
fora da lei e da ordem,
turra. 
Fazes-me lembrar o moçambicano Gungunhana, 
passeado em gaiola por Lisboa, 
em 1896, 
como troféu de caça do Mouzinho de Albuquerque. 
Estás aqui mesmo ao lado 
das instalações do rancho, 
o refeitório dos praças,
entre a escola e o posto administrativo.


Há um correpio de gente que vem ver o turra (sic),
capturado pelos páras, 
na Op Nada Consta, em 18 de agosto de 1969, 
no subsector de Mansambo. 
Participámos na operação,
mas a nós, 
mais ao Pelotão de Caçadores Nativos 53
e aos camaradas de Mansambo 
os velhinhos da CART 2339,
coube-nos fazer o papel da tropa-macaca.
montando o cerco à alcateia de lobos
que aterroriza o chão fula,
desde o início da estação das chuvas.
O lobo alfa é o teu comandante, Mamadu Indjai: 
conseguiu escapar-nos, 
embora gravemente ferido.


Repara na plateia de mirones:
básicos, 
cozinheiros, 
padeiros, 
pintores, 
carpinteiros, 
fiéis de depósito de géneros, 
faxinas de bar, 
maqueiros, 
corneteiros, 
mecânicos, 
desempanadores, 
condutores auto, 
malta das daimlers,
escriturários, 
amanuenses, 
contabilistas, 
quarteleiros, 
sapadores, 
ajudantes de capelania, 
sacristães,
operadores de transmissões, 
radiolegrafistas, 
cabos cripto, 
municiadores e apontadores de metralhadora Browning, 
cipaios,
crianças e bajudas, 
caçadores e suas presas, 
todo o mundo tem hoje espetáculo de borla. 
Até os jagudis.
Até o chefe de posto.
Até a senhora professora.


Também ela é alvo
de curiosidade mórbida,
a única mulher branca que ainda reside,
com a sua mãe, 
dentro do perímetro do aquartelamento.
Espreita à janela da escola,
deve estar a olhar para ti 
como o bicho do mato 
que lhe apareceu nos pesadelos noturnos. 
Ou talvez não. 
Nunca lhe soube a idade nem o nome. 
Vejo-a agora de relance
e pergunto-me como terá reagido ela 
ao ataque ao aquartelamento em 28 de maio de 1969. 
Se calhar portou-se com mais dignidade 
do que alguns dos militares 
que deveriam saber defender a sua unidade
e este pedaço de terra verde e rubra
onde flutua a bandeira portuguesa.


Malan Mané, 
desculpa-me este devaneio,
este aparte:
não deves ter visto muitos brancos
na tua vida,
talvez o médico cubano do Fiofioli
e poucos mais...
Intriga-me a situação desta estranha personagem,
uma mulher branca, 
mestre escola, 
de meia idade,
ainda longe  da reforma, 
que insiste em viver aqui, 
no cú do mundo,
numa terra inóspita, 
em Bambadinca,
a "cova do lagarto",
como se diz na  língua mandinga. 
Não sei donde veio nem por que veio,
a senhora professora,
em tempo de guerra,
dizem-me que é caboverdiana,
o chefe de posto é de Cabo Verde, 
como manda a tradição. 
Desde, pelo menos, os tempos de Honório Pereira Barreto, 
dono de escravos,
tenente-coronel de Artilharia de segunda linha, 
governador de Bissau, 
de Cacheu 
e da província da Guiné, 
herói nacional,
comendador da Ordem de Cristo, 
cavaleiro da ordem da Torre e Espada.


Na realidade, a Guiné é (ou foi) 
uma subcolónia, 
uma colónia de Cabo Verde,
um arquipélago, como os Bijagós,
que tu não conheces
nem aonde irás algum dia. 
Missionários e missionárias, 
oriundos da Europa, 
nem sequer os há aqui. 
Já os houve, italianos,
mas foram expulsos,
também eram turras...
Samba Silate, deves ter ouvido falar,
tabanca balanta
em que o pessoal foi para o mato,
a tropa cercou Samba Silate,
missionário turra foi preso…
Comerciantes tugas, só dois, 
que eu conheça,
perfeitamente cafrealizados, 
como se dizia no vocabulário colonial e racista 
dos europeus do séc. XIX 
que demandavam estas paragens inóspitas.


Os dois comerciantes tugas 

vivem fora do perímetro do quartel. 
Um deles tem um bando de filhos, 
de mãe negra, mandinga como tu, 
de sangue azul, 
filha e neta de régulo...
Já me convidou, a mim e outros camaradas,
para lá ir comer 
o seu famoso chabéu de galinha
e beber uns bons uísques. 
Fala dos filhos com ternura, 
uma das raparigas está a estudar na Metrópole. 
Contou-nos a sua história:
veio da Murtosa, salvo erro, 
muito jovem ainda, 
aos dezassete anos. 
Compra mancarra, vende arroz. 
Procura cultivar boas relações com a tropa, 
mas eu acho-o demasiado afável.


Malan Mané: 
uns mandam-te uns piropos, 
outros dão-te um cigarro, 
e outros ainda oferecem-te  garrafas de cerveja, 
que tu recusas, delicadamente, 
como bom muçulmano que deves ser. 
Não entendes as provocações que te dirigem:
 Então, pá, quantos tugas 
já mataste com o teu RPG 2 ?


Há ordens, do comando do batalhão, 
os "homens grandes" dos tugas, 
para te tratar bem. 
Afinal tens-te mostrado colaborante
E, depois de uns meses na ilha das Galinhas,
irás tornar-te um bom guinéu
e um melhor português. 
E, para começar,
nada como um bom prato de bianda, 
arroz com mafé,
filetes de cavala,
comida gourmet.
Comes com dignidade,
a mão servindo de faca e garfo. 
No mato a vida é dura:
uma refeição por dia, 
um maço de cigarros russos por mês, 
farda e botas novas só para os chefes,
bajudas, manga di sabe, 
também só para os chefes,
o Mamadu Indjai, o Mário Mendes...
Todos iguais, diz o camarada Cabral, 
mas uns mais iguais do que outros, 
Malan Mané...


Tinhas começado a aprender o português 
há pouco tempo, 
na escola do mato,
lá no Fiofioli, 
foi isso que eu percebi.
Sabes algumas letras do alfabeto latino,
o suficiente para alinhar as cinco letrinhas do teu nome:
M-A-L-A-N.
Não sei se chegaste a aprender o Alcorão,
nas tabuinhas de algum cherno,
à noite, à volta da fogueira... 
Com a guerra, 
a tua gente, a tua tabanca, desintegrou-se. 
Muitos mandingas foram no mato, 
com os balantas e os biafadas. 
Só falas o crioulo e o teu dialeto mandinga 
O crioulo é a língua tanto do colonizador
como dos inimigos que o combatem.
Ninguém se entende nesta Babel, Malan, 
sem o crioulo,
que é uma genial criação dos homens, 
de diferentes grupos étnicos, 
que querem comunicar entre si,
brancos e pretos.
O exército dos tugas não faz, porém, qualquer esforço 
para nos ensinar o crioulo.
Mas o teu Amílcar Cabral
quer que tu aprendas o português.


Malan,  falas pouco, a custo. 

As tuas respostas às minhas perguntas são lacónicas, 
arrancadas a ferro 
e misturadas com um leve sorriso resignado. 
Eu bem procuro, em vão, 
transmitir-te sinais de simpatia e de compaixão.
Afinal, Malan, tu és um homem, não és um bicho.
Se bem percebi, 
foste no mato ainda djubi, 
talvez em 1962...
Se sim, não podes ter vinte anos, vinte luas... 
Não deves ter conhecido outra vida. 
Chefe da tabanca levara menino e mulher 
para o Morès 
com medo de avião dos tugas...
Foi a história que te contaram…
Mas no Morés ganhaste ainda mais medo dos aviões.
Mal cresceste,
deram-te uma semi-automática Simonov,
uma arma bem melhor que a nossa velha Mauser 
que está distribuída ao pessoal das tabancas, fulas, 
em autodefesa. 
Começaste como milícia, traduz o Abibo:
fazias segurança à tabanca 
e ao pessoal que ia lavrar a bolanha. 
Mais tarde, és promovido a combatente 
como municiador do RPG-2. 
Passarias depois a apontador,
substituindo o teu camarada que morreu. 
Há um ano atrás 
foste ferido por estilhaço de obus, 
no Xime, 
quando atacavas barco em Ponta Varela.


Não sabias quem era o novo homem grande de Bissau.

– E home grandi di bó ? – perguntei-te eu.
 Amílcar Cabral! – respondeste-me, de pronto, 
não sem uma certa expressão de orgulho 
(ou foi impressão minha,
se calhar foi impressão minha). 
Não, nunca o tinhas visto no mato,
só o conhecias de nome e de retrato,
no livro de leitura da 2ª classe. 
Comissário político falava dele 
e da "luta di partido africano".


O intérprete é o Abibo Jau, 
o bom gigante,  epilético, da CCAÇ 12, 
com o seu metro e noventa e tal de altura 
e os seus mais de 100 quilos de peso. 
Não sei quem lhe descobriu o seu talento 
para intérprete e... torcionário. 
É visível o medo que o Abibo te inspira,
pobre Malan Mané. 
Um fula e um mandinga, frente a frente, 
velhos ajustes de contas 
com a memória coletiva e a história de cada grupo 
a virem provavelmente ao de cima.
Malan,
fulas e mandingas já foram os donos destas terras,
cada um no seu tempo. 
Foram  os vencedores,
orgulhosos, 
de lutas contra os animistas,
os povos ribeirinhos.
Teixeira Pinto vingou os aristocráticos mandingas, 
ao subjugar os nómadas, místicos e guerreiros fulas. 
Em contrapartida, deixou a estes 
os papéis subalternos, 
mais sujos, 
da pacificação
e do aparelho de repressão... administrativo-militar. 
Os pobres dos fulas tornam-se os maus da fita, 
aos olhos dos outros povos da Guiné. 
Amílcar Cabral, dizem,  odeia-os.
Os mandingas e os balantas odeiam-os.
Aqui, pelo menos na zona leste, 
os mandingas e os balantas têm um ódio de estimação 
aos fulas. 
Um ódio que é recíproco. 
Não sei se concordas
mas sabes, Malan, 
o poder sempre soube dividir 
(e aterrorizar) para reinar.


Malan, olhando para ti, 
vejo que  és um bocado franzino e frágil, 
embora de estatura normal. 
És uma criança crescida na guerra... 
Não adianta, 
procuro tranquilizar-te,
mas vejo que já vêm  buscar-te
para mais interrogatórios. 
O interrogador  da CCS
é um famigerado sargento, chico
conhecido pelo seu cavalo marinho...  
Alguém tem de fazer o trabalho sujo, 
diz-me , a meu lado,
um homem das informações e operações,
E daqui vais para a PIDE de Bafatá, Malan.



Explorando o teu cansaço físico e psicológico, 
e talvez sob tortura ou ameaças
(que eu, a essa parte, não assisti...), 
acabarás por dar com a língua nos dentes, 
pobre Malan
arrancam-te mais algumas informações preciosas, 
comprometendo a segurança dos teus companheiros.
Para nós, CCAÇ 12,
e para as unidades de quadrícula,
vão ser mais dias infernais, 
de operações no mato. 


Confesso que foi minha primeira grande deceção 
em relação aos guerrilheiros do PAIGC. 
Ingenuamente, julgava-os 
da estatura  humanal, moral e até intelectual
de um 'Che' Guevara ou de um Amílcar Cabral.
Que pateta, que ingénuo, sou eu!, 
apanhado como um cão nesta maldita guerra!
Acreditava, romanticamente,
antes de embarcar,
que a escola de guerrilha do PAIGC 
tenha formado já grandes combatentes e comandantes. 
Mas tu, Malan Mané, não és muito diferente 
dos meus soldados e de mim próprio: 
fomos todos apanhados na rede como cães vadios, 
somos todos vítimas da História, 
nascemos no sítio e na data errados… 
Se eu fosse guinéu, 
muito provavelmente estaria a combater, 
com ou sem convicção, 
num dos dois lados da barricada.
Como tu, como os meus soldados,
sem convição,
e muito menos sem grande hipóteses 
de escolha.


Malan Mané:
se hoje ainda fores vivo, 
o que me parece de todo improvável,
terás 60 e tal anos. 
Há muito que ultrapassaste a esperança média de vida, 
à nascença, 
estimada para os homens 
da tua terra e da tua geração. 
Se alguém te descobrir, 
lá para os lados do Enxalé,
na tua enxerga de moribundo, 
ou nalguma outra tabanca do antigo regulado do Cuor, 
peço que te mandem um abraço meu,
de tuga para turra,
de soldado para soldado, 
de homem para homem.


A última vez que te vi, 
ias preso por uma corda, 
à guarda do Iero Jaló.
Foste gravemente ferido por um dilagrama nosso, 
um estúpido dilagrama nosso,
no assalto a um das tuas 'barracas',
como vocês chamavam aos vossos acampamentos,
perto da antiga estrada Xime-Ponta do Inglês. 
Lembro-me muito bem,
foi na madrugada do dia 7 de setembro de 1969,
foi o meu batismo de fogo. 
O Iero Jaló morreu,
morreu a meu lado. 
Tu, também a meu lado, ficaste gravemente ferido 
e foste evacuado para Bissau. 
Mesmo que tenhas sobrevivido 
(e o Torcato Mendonça disse-me que sim,
que te viu dois meses depois, 
em Bissau,  no hospital militar)...
mesmo que tenhas chegado a ver a independência 
da tua terra, por que tanto lutaste, 
não sei o que te terá acontecido depois. 
Não sei como é que o teu partido,  
organizado à boa maneira marxista-leninista, 
terá lidado com o teu  caso e outros casos 
de colaboracionismo...
de antigos militantes e combatentes, 
feitos prisioneiros dos tugas,
e que, na prisão, deram à língua. 
Fraqueza humana ?
Colaboracionismo ? 
Delação ? 
Traição ?
Crime de lesa-pátria ?


Malan Mané, um homem não nasce herói,

um homem não feito para matar e morrer,
um homem não foi feito para ser 
aprisionado e torturado,
mas pode ter dignidade,
e eu posso testemunhar que tu 
tentaste resistir, 
tentaste ludibriar-nos. 
Não demos com o acampamento à primeira, 
em 25 de agosto de 1969. 
Tu alegaste que o capim estava muito alto 
e que te perderas. 
O tanas! 
Tu conhecias aquilo de cor e salteado, 
de olhos vendados,
tinhas lá estado há três meses atrás. 
Enfim, resististe enquanto pudeste, 
meu pobre diabo,
par dares tempo aos teus camaradas
para se porem na alheta. 
Arriscaste a vida, brincaste com o fogo...
Só lá voltaríamos, à toca do lobo, 
para um golpe de mão, 
no dia 7 de setembro,
o primeiro dia do resto da tua vida:
chamámos-lhe a Operação Pato Rufia.


Os espíritos da floresta 
(bons ou maus, quem saberá distingui-los ?) 
não te perdoaram. 
Se tu morreste, 
de morte natural, 
em consequência dos teus ferimentos de guerra, 
ou de morte matada, 
mais tarde,
sob as balas das Kalash raivosas dos vencedores,
dentro da lógica infernal dos movimentos revolucionários 
que acabam sempre por devorar os seus filhos, 
espero ao menos 
que o teu fantasma continue a vaguear, 
agora mais tranquilo, 
e definitivamente livre,
pela orla da bolanha do Poindon, 
com o teu RPG-2 ao ombro, 
ou a tua velha Simonov a tiracolo, 
transformadas em peças de museu,
ou brinquedos de madeira,
que nunca tiveste quando criança,
guardando desta vez os bons espíritos da terra, 
da bolanha, 
da floresta-galeria do Fiofioli,
e do selvagem e majestoso rio Corubal,
o único verdadeiro rio da Guiné, 
como nos dizia o teu homem grande,
Amílcar Cabral.
Para que eles, os bons irãs,
iluminem o presente e o futuro 
daquela terra 
onde um dia nasceste,
e foste djubi 
e puseram-te o nome de Malan Mané, 
e a quem cedo, 
talvez demasiado cedo, 
deram uma arma e uma bandeira e um hino. 


PS – Olha, ao Abibo Jau, da CCAÇ 12, 
não lhe perdoaram,
os teus antigos camaradas do PAIGC:
crivaram-no de balas
contra o poilão de Madina Colhido, em 1975.
E o teu antigo comandante, Mamadu Indjai,
já antes havia sido executado sumariamente,
no Boé, em 1973, por alta traição,
por ter as mãos sujas de sangue 
do pai da Pátria...
Tu terás tido melhor sorte, Malan Mané ?
Oxalá / Inshallah / Enxalé!

Versão original: 3/9/1969 | Última versão: 21/9/2016

______________

Notas do editor:

(*) Último poste da série > 15 de setembro de 2016 > Guiné 63/74 - P16491: Manuscrito(s) (Luís Graça) (96): Em Bambadinca, à noite, íamos ao nimas e sonhávamos com gajas boas...

(**) Sobre o Malan Mané, vd,  os postes:

28 de setembro de 2010 > Guiné 63/74 - P7048: A minha CCAÇ 12 (7): Op Pato Rufia, 7 de Setembro de 1969: golpe de mão a um acampamento IN, perto da antiga estrada Xime-Ponta do Inglês, morte do Sold Iero Jaló, e ferimentos graves no prisioneiro-guia Malan Mané e no 1º Cabo António Braga Rodrigues Mateus (Luís Graça)

14 de setembro de 2010 > Guiné 63/74 - P6984: (Ex)citações (97): Tinha 22 anos e ainda sonhava... quando levei o prisioneiro Malan Mané a jantar comigo no café do Sr. Regala, em Galomaro (Jorge Félix, ex-Alf Mil Pil Heli AL III, BA 12, Bissalanca, 1968/70)

8 de Setembro de 2010 > Guiné 63/74 - P6953: Estórias avulsas (94): A captura do incaracterístico guerrilheiro Malan Mané, no decurso da Op Nada Consta (Salvador Nogueira)

7 de Setembro de 2010 > Guiné 63/74 - P6948: A minha CCAÇ 12 (6): Agosto de 1969: As desventuras de Malan Mané e de Mamadu Indjai... (Luís Graça).

26 de Março de 2008 > Guiné 63/74 - P2683: Estórias de Dulombi (Rui Felício, CCAÇ 2405) (9): O Jorge Félix e o Prisioneiro

15 de maio de 2006 > Guiné 63/74 - P753: O Nosso Livro de Visitas: Torcato Mendonça, ex-Alf Mil da CART 2339 - O Malan Mané estava vivo em Novembro de 1969 e eu abracei-o

(...) O [Carlos] Marques dos Santos deu-me a conhecer este blogue. Há muito que a guerra acabou para mim, só que quase diariamente ela aparece…! Não resisti, fui à Net e tenho navegado pelo blogue.

Fui alferes miliciano na CART 2339 [Fá Mandinga e Mansambo, 1968/69](1). Li certos eventos que os vivi: por exemplo, o Malan Mané (...)  estava vivo em Novembro de 1969 e recebia tratamento no Hospital Militar de Bissau. Abracei-o, causando espanto ao fuzo que o guardava. Só que eu estive na mata com o Malan Mané, soube que foi ferido (... Eu usava como arma, quando se justificava, o dilagrama)... (...)