quarta-feira, 26 de julho de 2017

Guiné 61/74 - P17620: Fotos à procura de...uma legenda (87): o luxo de um "petromax" da Casa Hipólito nas noites escuras como breu...



Guiné > Região leste > Bambadinca > Setor L1 > Destacamento da Ponte do Rio Udunduma > Setembro de 1973 > CART 3494 (Xime e Mansambo, 1971/74) > "A mesa polivalente, onde se comia, escrevia, li, jogava e conversava. Em suma: o espaço de socialização e de partilha. Da esquerda para a direita: Gregório Santos, José Sebastião, Ricardo Teixeira e eu [, Jorge Araújo,] participando no 'matabicho' das tardes, preparando-nos para mais uma noite de muitas estrelas."

[Assinalado a amarelo está um candeeiro a petróleo de camisa ou "petromax", cuja marca se desconhece. Seria da Casa Hipólito, de Torres Vedras, do modelo 350? "Petromax" era uma marca registada, de origem alemã, que  entrou no nosso vocabulário... O vocábulo foi grafado e é usado em diversos postes publicados no nosso blogue.]

Foto (e legenda): © Jorge Araújo  (2017). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem complementar:  Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Comentário do nosso editor LG ao poste P17616  (*):

"Candeeiro antigo a petróleo Hipólito 350'"
(Com a devida vénua, OLX)
ID do anúncio: 514081809

Jorge:

Em relação ao 'resort' da ponte do Rio Udunduma, onde também passei algumas belas noites de céu estrelado, com miríades de insetos, deixa-me dar-te conta da minha inveja e admiração: quatro anos depois, já havia, em meados de 1973,  "minibar" e, de vez em quando, "arroz de pato da bolanha"... além de jipe às ordens e petromax!...

Melhor que nada, a verdade se vocês tivessem que pagar IMI, já tinham, na avaliação do "prédio urbano" mais uns pontozinhos a melhorar o coeficiente de qualidade e conforto...

Parabéns pela vossa imaginação e vontade de dar a volta às contrariedades: não me lembro de, na minha companhia, haver um raio de um petromax, da Casa Hipólito (que se exportava para Cuba!)... Ou então alguém se abotoava com os petromaxes que, em África, eram um tesouro!...


Petromax (marca registada) era um candeeiro a petróleo de camisa. Era usado na iluminação pública, doméstica e na pesca ao candeio.

Segundo a descrição da Wikipédia, "consta de um depósito, onde está introduzida uma bomba de pressão, do qual sai um tubo tendo na extremidade um vaporizador e fixa a este uma camisa em seda em forma de lâmpada, protegida por um cilindro em vidro. No cimo tem uma chaminé por onde saem os gases."

[Imagem à esquerda: 

"Autocolante s/ data. As lanternas de incandescência começaram a ser fabricadas pela Casa Hipólito em 1949. Em 1950 iniciou-se a sua comercialização." Foto de perfil da página do Facebook Memórias da Casa Hipólito de Torres Vedras. Com a devida vénia ao autor da página Joaquim Moedas Duarte, criada no âmbito do Mestrado em Estudos do Património, da Universidade Aberta de Lisboa.]


2. Tudo indica que nos primeiros anos da guerra na Guiné o uso do "petromax" (ou lanterna de incandescência...)  fosse mais generalizado, servindo inclusive para iluminar o perímetro de defesa dos aquartelamentos, como no caso de Bedanda, por exemplo, ao tempo do nosso camarada Rui Santos, em 1963.

Em Binta, em 1964, no tempo do JERO, jogava-se o "King" à luz do "petromax"... Em muitos abrigos, deveria haver "petromaxes"... Em Beli, o Armindo Alves, 1.º cabo enf da CCAÇ 1589 (1966/68), prestava primeiros socorros, à noite, à luz do "petromax"... Depois vieram os geradores e passou a haver luz elétrica, pelo menos à noite... Mas, nos destacamentos, como o Biombo, em 1970, ou Banjara, em 1967, continuava a recorrer-se ao "petromax"...

Em sítios isolados (destacamentos, tabancas em autodefesa, etc.), o uso do "petromax" levantava questões de segurança... De qualquer modo, as companhias deviam ter, em "stock", este precioso utensílio... mas era preciso garantir a disponibilidade de petróleo e de "camisas"...

Não me lembro no meu tempo (CCAÇ 12, Bambadinca, 1969/71),  de alguma vez ter levado  um "petromax" para o destacamento da ponte do Rio Udunduma ou para tabancas fulas (onde íamos, por vezes, reforçar o sistema de autodefesa).

Será que alguém ainda se lembra do velho "petromax" a iluminar as noites escuras como breu da Guiné? (**)


Guiné > Zona leste > Geba > Banjara > CART 1690 (1967/69) > Excerto de uma requisição de material, com data de 9/6/67, feita pelo alf mil Afredo Reis, da CART 1690 (Geba, 1967/69), na altura a comandar o destacamento de Banjara.

Alguns dos artigos requisitados: fósforos, palha de aço, camisas para petromax de 150 velas, torcida e vidro (?) para o frigorífico,  pregos (...), aerogramas,  selos, 12 esferográficas (uma vermelha e as outras azuis),  bloco de cartas, Omo e sabão, uma garrafa de whisky, Sumol ou outros sumos [...]

Foto: © Alfredo Reis (2007). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


2. O Jorge Araújo, em férias, já respondeu nestes termos (*):

(...) No 'resort' da Ponte do Rio Udunduma não havia "jipe às ordens". Ele era utilizado, sempre que possível, apenas para o transporte dos alimentos confeccionados na CCS, entre Bambadinca e o Destacamento.

(...) O reforço de "pato da bolanha" não tinha arroz. Ele era cozido durante mais ou menos 3 horas, pois a carne era muito dura devido às suas características morfológicas, utilizando-se a chama de uma palmeira seca que se regava previamente com petróleo numa extremidade.

O tacho tinha de recuar à medida que a dita cuja (palmeira) se ia transformando em cinza. Depois de cozido e cortado em pedaços, o pato era frito adicionando-se depois um pouco de malagueta, como único condimento. (...)

(...) Quanto à pergunta sobre o "petromax", não faço a mínima ideia da sua marca ou origem. O importante para nós era, naturalmente, a sua função... a de nos dar alguma claridade em especial nas noites de lua nova. Obrigado... foi quanto nos custou o objecto, depois de termos feito um "choradinho" no comando do BART 3873, no sentido de nos cederem um exemplar. (...)
____________


Guiné 61/74 - P17619: Os nossos seres, saberes e lazeres (223): De Lisboa para Lovaina, daqui para Valeta: À procura do grão-mestre António Manoel de Vilhena (2) (Mário Beja Santos)



1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70) com data de 12 de Abril de 2017:

Queridos amigos,
Foi a primeira incursão por La Valetta.
Como se tem sete dias inteiros para deambular pelos 246 quilómetros quadrados de Malta e 67 quilómetros de Gozo, como se não pretende ir nem à Sicília nem mesmo à Líbia, como se tem tempo para ouvir o Maltês que é uma língua semítica parente do árabe e do hebraico e que é a única língua semítica escrita com o alfabeto latino, e onde felizmente o inglês é língua nacional e os italianos se fazem facilmente entender, há mais do que tempo para bisbilhotar sem ânsias, La Valetta tem muito para oferecer e guarda lembranças dos portugueses. Aqui se fala do Marquês de Niza, que resistiu à armada napoleónica. Vamos encontrar referências a um grão-mestre que foi determinante na ilha, António Manoel de Vilhena, e há referências ao albergue de Castela e Portugal, aqui se domiciliavam espanhóis e portugueses, cavaleiros da Ordem de Malta, os Hospitalários a quem o Imperador Carlos V ofereceu este espaço para resistir aos turcos. O imperador fez muito bem, a Ordem de Malta, extinta por Napoleão, lavrou aqui páginas imorredouras que a História agradece.

Um abraço do
Mário


De Lisboa para Lovaina, daqui para Valeta: 
À procura do grão-mestre António Manoel de Vilhena (2)

Beja Santos

Tivesse o viandante aqui chegado para uma estadia curtíssima, cumpria aquele ritual de andar a correr entre o melhor museu, a igreja mais sublime, o café mais emblemático, os panoramas retumbantes, com visitas à mistura de palácios e até uma viagem de autocarro para dizer que tinha ficado a conhecer La Valetta, património mundial da humanidade, sobretudo devido à Ordem de Malta, ao domínio britânico e à omnipresente cultura italiana. Mas não, o viandante vem por sete dias limpos, tem tempo para farejar cantos e recantos, comprou um bilhete de autocarro que dura sete dias em Malta e Gozo. Veio para se inteirar, do significante ao pormenor que lhe cala o coração. Quem diria que este espaço é de uma banda filarmónica maltesa criada no século passado, geminada com a de Como, do Norte de Itália, agora é um restaurante com brilho descendente onde o viandante pediu uma cerveja e depois um esparguete com molho de tomate, a que se seguiu um digestivo. Um espaço bonito, uma saudade de dias melhores…



A coluna vertebral de La Valeta cosmopolita é a Republic Street, esta escultura está bem perto da Concatedral de S. João, aqui se alberga um notabilíssimo quadro de Caravaggio. Isto é só para dizer ao leitor que o viandante nunca viu nas suas andanças tanta escultura a corpo inteiro ou busto, nas cidades, vilas e aldeias, fica-se mesmo com a ideia de que Malta está profundamente agradecida a políticos, músicos, heróis, religiosos. É com este orgulho que se passa para o orgulho do próprio viandante com as lápides que se seguem.


Numa das paredes do palácio presidencial, guarda-se o registo da concessão, em Abril de 1942, por Jorge VI da George Cross, condecoração extraordinária por atos heróicos. Os alemães estão no auge, julgam que vão dominar o Mediterrâneo, ainda não perderam o Norte de África completamente, consideram Malta uma base naval estratégica, bombardeiam a capital sem dó nem piedade. Malta resistirá, não esqueçamos que é domínio britânico, nos subterrâneos destes imensos fortins funciona a célula nervosa de transmissões aéreas e aeronavais. Quem vê hoje a bandeira nacional de Malta reparará que para além dos panos com duas cores está lá a George Cross.


Passeia-se agora o viandante num espaço magnífico, os Jardins Superiores Barrakka, daqui se desfruta um panorama único sobre o porto grande de La Valetta cercado por poderosíssimas muralhas, a Ordem de Malta recebeu doações de vulto de muitas nações para que a ilha fosse inexpugnável às arremetidas do sultão otomano. Por ironia, quando se constrói esta fortaleza gigantesca, que nos corta a respiração, já o império otomano está exangue, incapaz de querer controlar o Mediterrâneo. Nestes jardins presta-se homenagem a diferentes heróis e a diferentes eventos. Por exemplo, o encontro entre Churchill e Roosevelt, a caminho da conferência de Ialta. E há uma lápide que agradece ao Marquês de Niza e aos seus heróicos marinheiros. E há razão segura para tanta exaltação. A armada napoleónica tenta conquistar a cidade, o Marquês de Niza agradeceu muito as condições de rendição propostas mas disse aos franceses que só por cima do seu cadáver. Resistiu heroicamente, Nelson não lhe regateou os mais rasgados elogios. Para um português, esta lápide e as circunstâncias da dedicatória, é sobejo motivo de orgulho.


É portanto nestes Jardins Superiores Barrakka que se pode tomar a dimensão do porto de La Valeta, estas peças de artilharia são hoje um número turístico, as varandas enchem-se de curiosos para ouvir o disparo do meio-dia da bateria de salvação de artilharia.


Os jardins são aprazíveis, por aqui o viandante cirandou, já gratificado com o comportamento heróico do Marquês de Niza, que não deu abébias à poderosa esquadra napoleónica. Vale a pena insistir que há esculturas de todos os formatos e evocações. Chamou à atenção do viandante os Gavroches, alusivo à criançada de Os Miseráveis, de Vítor Hugo.


Atenda-se a este pormenor, ao fundo um edifício de indiscutível traçado à italiana, à direita um hotel com janelas avarandadas, é assim por toda a ilha e mesmo em Gozo. Ao fundo percebe-se bem, é uma tradição que vem dos árabes, janelas com ripas inclinadas, permitem ver para fora sem ser visto. A janela avarandada aformoseia qualquer fachada simplória, altera as dimensões, dá-lhe uma relativa imponência, não é por acaso que este mundo maltês tem uma natural garridice, no seu calcário amarelado e o sol a fulgir em tanta cor viva das fachadas.


Impõe-se uma nova pausa, há que decidir em visitar o museu, as fortificações, o Palácio do Grão-Mestre. Depois de alguma hesitação, o viandante encaminha-se para a Igreja do Naufrágio de S. Paulo, um dos locais de culto de Malta mais distinguidos. Nada de especial no exterior, com a sua fachada neogótico oitocentista, o estarrecedor é o interior do templo. Malta, para além de bustos e escultura em quase todas as ruas distingue-se pelas suas cúpulas enormes. Há qualquer coisa de transcendente nesta, ou então trata-se da ilusão do viandante, que não vem à procura das relíquias de S. Paulo, uma delas, dizem é um osso do pulso direito, e outra um fragmento da coluna em que terá sido decapitado, o que para o caso interessa é que o viandante ali ficou especado a interrogar os céus e a saudar a existência que lhe tem permitido contemplar tanta beleza. Antes daqui se fazer uma paragem, recorde-se que vem nos Atos dos Apóstolos que Paulo naufragou em Malta no ano 60 quando ia a caminho de Roma. A Bíblia diz que ele libertou a ilha de cobras venenosas e que o seu zelo evangélico e poder curativos levaram à importante conversão do governador romano, passo decisivo para semear o cristianismo na ilha. Seja como for, quaisquer que tenha sido a libertação das cobras venenosas, é aqui que o viandante está a ganhar forças para continuar a viagem.

(Continua)
____________

Nota do editor

Último poste da série de 19 de julho de 2017 > Guiné 61/74 - P17600: Os nossos seres, saberes e lazeres (222): De Lisboa para Lovaina, daqui para Valeta: À procura do grão-mestre António Manoel de Vilhena (1) (Mário Beja Santos)

terça-feira, 25 de julho de 2017

Guiné 61/74 - P17618: (De)Caras (92): "We Want You", Manuel Maria Candeias Macias, natural de Aldeia Nova de São Bento (Serpa), presença regular na Tabanca da Linha, ex-fur mil 4º Gr Comb da CART 2479 / CART 11, "Os Lacraus», Contuboel, Nova Lamego, Paunca 1969/70 (Valdemar Queiroz / Manuel Resende / Abílio Duarte)


Foto nº 1 >  Tabanca da Linha > Carcavelos > 20 de julho de 2017 >O Manuel Macias, que vive em Algés,  Oeiras. É presença assídua na Tabanca da Linha.


Foto nº 2 > Tabanca da Linha > Carcavelos > 20 de julho de 2017 > Manuel Macias e Miguel Rocha


Fotos (e legendas): © Manuel Resende (2017). Todos os direitos reservados. [edição; Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


Foto nº 3 > Tabhanca da Linha > XXII Convívio > Oitavos, Cascais, 19 de novembro de 2015 > Da esquerda para a para direita, Manuel Macias, Armando Pires e Miguel Rocha

Foto (e legenda): © Manuel Resende (2015). Todos os direitos reservados. [Edição; Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]



Foto º 4  > Tabanca da Linha > Oitavos, Cascais > 11/9/2014 > Manuel Macias

Foto (e legenda): © Manuel Resende (2014).  Todos os direitos reservados. [edição; Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


Foto nº  5 > Nelas > Canas de Senhorim > 31 de maio de 2014 > 24º convívio da CART 2479 / CART 11 (Contuboel, Nova Lamego, Canquelifá, Paunca, Guiro Iero Bocari, 1969/71) > A referir nesta foto o 4º. Pelotão, com o ex-alf  mil Pina Cabral sentado, mais o Valdemar; à esquerda o ex-1º cabo at  Altino, mais o Manuel Macias, o Abílio Duarte Pinto, o Aurélio e a ainda o ex-fur  mil trms Silva-


Foto (e legenda): © Abílio Duarte (2014). Todos os direitos reservados. [Edição; Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


Foyo nº 6 > Espinho > c. 1968 > CART 2479 (futura CART 11 e depois CCAÇ 11) > IAO - Instrução de Aperfeiçoamento Operacional > Legenda:

(i) na 4ª fila, fila. de pé o Valdemar Queiroz (1) e á sua direita o Bento (4);

(ii) o Cândido Cunha está no centro da foto (3) [, "na segunda fila, de pé, facilmente identificado por ser o que se está a rir, se calhar por todos os outros estarem tão sérios";

(iii) na 3ª fila. à esquerda do Cunha, o Renato Monteiro (2);

(iv) o  segundo, a contar da direita, na 1ª fila é Abílio Duarte (5): seguido do Pechincha (6) e do Manuel Macias (7).

O Renato, o Valdemar e o Abílio são membros da nossa Tabanca Grande.  Esperemos que o próximo venha  a ser o Manuel Macias,

Foto (e legenda): © Abílio Duarte (2014). Todos os direitos reservados. (Edição e legendagem complementar: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné.)



Foto nº 7 > Guiné > Zona leste > Região de Gabu > Nova Lamego > CART 2479 / CART 11 (1969/70) > O Valdemar Queiroz (12) ao lado do alf mil Pina Cabral (13) e o 4º.Pelotão... Restantes furriéis: Pinto (5) e Macias (9).

(...) Esta é uma grande (e enigmática) fotografia em que cada observador pode fazer ou conjecturar muitos comentários, provavelmente perguntar se o Alseine, Saliu, Camará, Mutaro, Bácar, Arfan, Macias, Bonco, Tamaiana, Silva, a ‘Judy’, Adulo, Altino, Jarga, Pinto, Lobo, Tagundé, Boi, Pina Cabral, Queiroz, Mamadu, Ussumane, Fode, Aliu e Rocha estarão vivos. Não sabemos.

O Macias, Silva, Altino, Pinto, Pina Cabral, Queiroz, Rocha e até o Boi Colubali estão vivos, os outros, agora com idades de mais de sessenta anos e até mais de setenta, não sabemos. A única coisa que sabemos é que esta fotografia existe e retrata vinte e nove jovens que estiveram na guerra da Guiné. (...)




Foto nº 8 > Guiné > Zona leste > Região de Gabu > Nova Lamego > CART 2479 / CART 11 (1969/70) > Da esquerda para a direita, furriéis Queiroz, Macias e Pinto.


Fotos (e legendas): © Valdemar Queiroz (2014). Todos os direitos reservados [Edição: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. O Manuel Macias, que vive em Algés, esteve comigo em Contuboel, cerca de dois meses, em junho/julho de 1969: ele era da CART 2479/CART 11 (, mais tarde, CCAÇ 11), eu da CCAÇ 2590 / CCAÇ 12... Lamentavelmente não temos recordações um do outro dessa época... Ele deu instrução de recruta à malta do recrutamento local que depois foi parar à nossa subunidade,  a CCAÇ 2590 (mais tarde, CCAÇ 12)... Cada um foi para o seu sítio, eles para Nova Lamego, nós para Bambadinca... Reencontrámo-nos na Tabanca da Linha, há uns tempos atrás.

Voltámos a estar juntos, há dias, na Tabanca da Linha (*), e a recordar alguns nomes de malta da sua subunidade, que integram a nossa Tabanca Grande: Valdemar Queiroz, Abílio Duarte, Renato Monteiro... Ao mesmo tempo, verifico que ele, o Manuel Macias, tem sido um presença assídua na Tabanca da Linha, mas ainda não faz parte da Tabanca Grande, que é a mãe de todas as tabancas... Está na altura de o desafiar ou convidar... Fica aqui o retrato dele, feito a corpo inteiro pelo seu amigo e e camarada de pelotão, o Valdemar Queiroz. Depois deste alto elogio, o nosso convite (o meu e o do Queiroz) é irrecusável (**):


(...) Eu,  o Abílio Pinto e o Manuel Macias éramos os furriéis do 4º. Pelotão. Praticamente, por o alf. Pina Cabral ter problemas de saúde ao ponto de deixar a Companhia, eu por ser o mais velho e o Macias é que fomos os verdadeiros comandantes do Pelotão.

O Macias, Manuel Maria Candeias Macias, da Aldeia Nova de S. Bento (Serpa), é um alentejano chapado e foi a pessoa mais completa que conheci.

Era rapaz para dar mais de 20 carambolas seguidas a jogar bilhar, era um extraordinário jogador de qualquer jogo de cartas, era o melhor atirador da Companhia quer com a sua caçadeira ou com a G3, sabia jogar bem à bola e era um às aos matrecos, cantava à alentejano nos vários tons do cante, até com o acordeão do Cunha já dava uns acordes e, só reparei há tempos num nosso convívio, também dança muito bem. 

Era e deve continuar a ser um ferrenho alentejano, ao ponto de quando nós dizíamos que o Alentejo não tem praias ele dizia que na costa alentejana havia várias praias com quilómetros de areal, pois, tá bem, mas não têm vinhas, ele dizia que o maior vinhedo do país é o da zona do Redondo, pois, tá bem,  mas não têm nenhum jogador da bola de jeito, ele dizia que Vital do Lusitano d' Évora foi o guarda-redes que mais vezes jogou na selecção (era militar) e assim sucessivamente, e o Alqueva ainda não existia.

Agora, dentro deste tema de comes e bebes,  o Macias quando, em Nova Lamego, ia à caça com o Pais de Sousa trazia sempre grandes 'caçadas', galinholas, perdizes, lebres, pombos verdes, que depois o Pereira,  cozinheiro,  tratava de arranjar grandes petiscos. Ficou-lhe em débito nunca ter apanhado nenhuma gazela (pra grande contentamento do Cunha). (...) (*)

(...) O [fulano] de farto cabelo branco, óculos, camisa aos quadrados vermelhos, com uma grande 'cebola' no pulso, risonho e braços cruzados é o ex-Fur.Mil. Manuel Maria Candeias Macias, da CART 2479/CART 11, «Os Lacraus», Contuboel, Nova Lamego, Paunca e mais algumas do Leste, 1969/70. 

Exímio atirador/caçador, excelente jogador de bilhar e de todos os jogos de cartas e, acima de tudo, um grande alentejano que sabia cantar a três vozes. Quando algum de nós lisboeta ou nortenho diziam que no Alentejo não havia, por exemplo praias, ela dizia que só uma chegava para resposta, a que ia de Troia a Sines um dos maiores areais da Europa, ou que no Alentejo não havia vinho, logo respondia que na zona de Reguengos estava a maior vinhedo de Portugal, até desistirmos de arranjar outras comparações.

Mas como é que ele foi parar a esse vosso encontro? (Foto nº  4) (...)

2. Mensagem do nosso editor LG, enviada ao Manuel Macias:


Camarada Manuel Macias:

Ficas sem alibi, estás em toda a parte... Não tens desculpas...Manda lá as "duas chapas" da ordem (fotografia atual e outra de há meio século...) para o Valdemar te poder apresentar formalmente  à Tabanca Grande... (Nem isso é preciso, temos tudo)...
Passarás a ser o grã-tabanqueiro nº 749... Ou seja, tens um lugar à sombra do nosso simbólico, secular, mágico e protetor poilão... É à sua volta que partilhamos memórias e afetos...Temos mais malta da CCAÇ 12 que esteve contigo/convosco em Contuboel, alguns dos quais são da Tabanca da Linha: o Humberto Reis, o António Marques...

Espero numa próxima oportunidade falar mais tempo contigo... Tenho o teu telemóvel (...). Ficas com o meu (...) O Manuel Resende pode atualizar a base de dados da Tabanca da Linha: falta lá  a tua subunidade, localidade, período....

Eu, para além de Contuboel e da rapaziada leal e valente que tu e os demais instrutores da CART 2479 prepararam na recruta, tenho por certo mais coisas em comum contigo: Serpa, o cante, os amigos de Vila Verde de Ficalho, o fabuloso grupo de cantadores da tua terra, Aldeia Nova de São Bento, o (e)terno Alentejo... Temos um amigo comum, o José Saúde, teu conterrâneo, nosso camarada da Guiné, membro da nossa Tabanca Grande, e notável escritor, já com meia dúzia de obras publicadas (, a última das quais  "AVC Recuperação do Guerreiro da Liberdade", livro sob a chancela da Chiado Editora, a ser lançada  no dia 10 de setembro, 17h30, domingo, nas instalações da Editora, Avenida da Liberdade, em Lisboa; já me contactou para, nessa data, fazer a apresentação do livro, tendo eu lhe dado o meu acordo de princípio.)

Sou estremenho, da Lourinhã, vivo em Alfragide, Amadora, com 40 e tal anos de Lisboa.
______________

Notas do editor

(*) Vd. poste da série > 22 de julho de  2017 >  Guiné 61/74 - P17611: (De) Caras (90): Gente da "Linha", gente "magnífica"... Nos bastidores da Tabanca da Linha, Carcavelos, 32º almoço-convívio, 20 de julho de 2017 - Parte I

(**) Último poste da série >  24 de julho de 2017 > Guiné 61/74 - P17616: (De)Caras (91): Américo Russa, ex-fur mil vagomestre, CCS/BART 3873: de Bambadinca (1972/74) a Tondela (2017)... Amigos para sempre (Jorge Araújo)

Guiné 61/74 - P17617: "Tite (1961/1962/1963) Paz e Guerra", brochura de 2002, da autoria do nosso camarada Gabriel Moura do Pel Mort 19 (8): Págs. 57 a 64

Capa da brochura "Tite (1961/1962/1963) Paz e Guerra"

Gabriel Moura

1. Continuação da publicação do trabalho em PDF do nosso camarada Gabriel Moura, "Tite (1961/1962/1963) Paz e Guerra", enviado ao Blogue por Francisco Gamelas (ex-Alf Mil Cav, CMDT do Pel Rec Daimler 3089, Teixeira Pinto, 1971/73).


(Continua)
____________

Nota do editor

Último poste da série de 21 de julho de 2017 > Guiné 61/74 - P17608: "Tite (1961/1962/1963) Paz e Guerra", brochura de 2002, da autoria do nosso camarada Gabriel Moura do Pel Mort 19 (7): Págs. 49 a 56

segunda-feira, 24 de julho de 2017

Guiné 61/74 - P17616: (De)Caras (91): Américo Russa, ex-fur mil vagomestre, CCS/BART 3873: de Bambadinca (1972/74) a Tondela (2017)... Amigos para sempre (Jorge Araújo)













_______________

Nota do editor:

Último poste da série > 22 de julho de  2017 > Guiné 61/74 - P17611: (De) Caras (90): Gente da "Linha", gente "magnífica"... Nos bastidores da Tabanca da Linha, Carcavelos, 32º almoço-convívio, 20 de julho de 2017 - Parte I

Guiné 61/74 - P17615: Efemérides (261): D. Manuel II (1889-1932), último rei de Portugal, no Vimeiro, Lourinhã, em 21/8/1908, para a inauguração do monumento comemorativo do 1º centenário da batalha do Vimeiro (1808): Reconstituição histórica.


 Lourinhã > Vimeiro > Centro de Interpretação da Batalha do Vimeiro [1808] > 14 de julho de 2017 > Reconstituição histórica da chegada de D. Manuel II que  veio inaugurar, em 21/8/1908, o monumento comemorativo do 1º centenário da batalha do Vimeiro.

Vídeo (0' 42'') > You Tube > Luís Graça (2017)




Foto nº 1


Foto nº 2  

Foto nº 3


Foto nº 4


Foto nº 5


Foto nº 6


Foto nº 7



Foto nº 8



Foto nº 9


Foto nº 10



Foto nº 11


Foto nº 12


Foto nº 13


Foto nº 14

Lourinhã > Vimeiro > Local do Centro de Interpretação da Batalha do Vimeiro [1808] e Monumento do 1º Centenário da Batalha do Vimeiro > 14 de julho de 2017 > Reconstituição da chegada de D. Manuel que inaugurou, em 21/8/1908, o monumento comemorativo do 1º centenário da batalha do Vimeiro.


Vídeo, fotos e legendas: © Luís Graça (2017). Todos os direitos reservados. [Edição: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]


1. Foi um evento que atraiu ao Vimeiro, Lourinhã, milhares de turistas, a recriação da batalha do Vimeiro (1808) e o mercado oitocentista, nos dias 14, 15 e 16 do corrente. (*)

Fomos lá inauguração do evento, eu, o Jaime Bonifácio Marques da Silva e o Joaquim Pinto de Carvalho (mais as "respetivas": Alice, Dina e Maria do Céu) e tivemos oportunidade de dar um abraço ao nosso amigo e camarada Eduardo Jorge Ferreira [ex-alf mil, Polícia Aérea, BA 12, Bissalanca, 1973/74, presidente da assembleia geral da Associação para a Memória da Batalha do Vimeiro  e um dos naturais da terra mais entusiastas desta recriação. É ele, de resto, quem dá a instrução militar aos voluntários do Vimeiro que fazem parte das forças portuguesas (Fotos nº 2, 3, 4).

O Eduardo tem subido rápido na hierarquia militar, começou como  simples 1º cabo exército português, foi promovido por mérito a sargento, agora deve ser alferes:  ainda não vi o seu CV militar atualizado. Mas a responsabilidade é grande, a de comandar homens... para a glória e para a morte (foto nº 4). Sei que empunha uma enorme lança com mais de 3 metros: "Infelizmente não é para usar contra os franceses, sim contra os portugueses, metade dos quais aproveita a mais pequena oportunidade para desertar!!!"... Ontem como hoje, o patriotismo é uma "folha de tipo excel" com duas colunas, o deve e o haver... Os figurões não morriam no campo de batalha e o seu patriotismo era da treta. (Parece que não era o caso do D. Manuel II que, mesmo no exílio, pouco dourado, não deixou esmorecer o amor à sua Pátria.).

Assistimos, mais de 100 anos depois, à chegada do nosso pobre rei D. Manuel II  que vinha inaugurar o monumento do 1º centenário da batalha (fotos nº 11 a 14), na sua primeira visita oficial fora de Lisboa.  Parece que na época o concelho da Lourinhã não lhe era muito favorável, nem a ele nem à casa de Bragança, nem à bandeira azul e branca. Mesmo assim foi recebido pelas "forças vivas" da terra (nobreza, clero e povo....) com vivas à Monarquia (fotos nº 6 a 10). 


O jovem rei Dom Manuel II (Lisboa, 15/11/1889-Londres, 2 de julho
de 1932).

Fonte: Arquivo da Junta de Freguesia do Vimeiro,
Lourinhã,disponível aqui
.
2. O jovem, que as trágicas circunstâncias do regicídio de 1908, obrigaram a ser rei, terá proferido o seguinte discurso, depois dos discursos oficiais, em que intervieram o gen João Carlos Rodrigues da Costa, presidente da Comissão Nacional das Comemorações do Centenário da Guerra Peninsular, e o gen Sebastião Custódio de Sousa Teles, ministro da guerra:
«Meus senhores (**):

Celebra-se, hoje, o centenário do combate do Vimeiro.

Aqui nos reunimos para solenemente consagrar imorredoiro padrão ao brilhante feito de armas, primeiro, dessa longa série, através da qual se afirmaram o patriotismo dos nossos maiores e a sublime decisão do nosso povo na defesa da sua independência e libertação do solo sagrado da Pátria!

O General Rodrigues da Costa e o meu Ministro da Guerra, sr. General Sebastião Teles, deram-nos a impressão quente e sentida de que foi essa Guerra Peninsular, esses período doloroso da nossa história, dos mais difíceis que Portugal tem ultrapassado e do qual ressurgiu coberto de louros e de glória, colhidos pelo seu exército, alcançados pelo seu povo!

Angustiosa mas extraordinária época, em que
Vimeiro, 14/7/2017.  "E vivó o Rei!"!... Foto de LG.
 tivemos a lutar a nosso lado, quem não posso, nem quero neste momento esquecer, a Inglaterra, a grandiosa Nação, desde séculos nossa aliada e empenhada na mesma contenda, e a vizinha e amiga Espanha, nossa irmã na Península.

Não me cabe, nem me proponho fazer o quadro brilhante, que perante os vossos olhos foi posto nas orações precedentes. Mas, não podia faltar neste lugar e nesta ocasião, e vindo, não me consinta o meu coração de verdadeiro Português o indiferente silêncio.

Aqui se reúne o Povo em piedosa e patriótica romagem; e, vindo o Povo com ele vem o seu Rei para o acompanhar nas suas patrióticas expansões que em absoluto sente, para proferir estas singelas palavras à memória daqueles que há cem anos neste mesmo lugar e neste mesmo dia, aqui pelejaram e venceram o combate do Vimeiro!

Honra e Glória aos libertadores da Pátria!

Meus senhores:

Quando releio e relembro toda a nossa História, a formação da nossa nacionalidade, as nossas descobertas e conquistas, a nossa expansão e domínio, a áspera defesa da nossa independência, por vezes ameaçada e sempre mantida, e como foi durante esta Guerra Peninsular, de que hoje celebramos o primeiro episódio, sinto evadir-me o orgulho, de um modo tão sublime, expresso nos versos do nosso grande épico:

“E julgareis qual é mais excelente,
Se ser do mundo Rei, se de tal gente.”
Sim: Rei de tal gente! Com ela e ao lado dela sempre.» (***)

Para saber mais ver aqui a página do Facebook do Centro de Interpretação da Batalha do Vimeiro.



Lourinhã > Vimeiro > 21 de agosto de 1908 > O Zé Povinho que nunca tinha visto o rei... O mesmo Zé Povinho que lutou com toscas armas (foto nº 5) contra o invasor francês (e seus aliados), no  âmbito da guerra peninsular (1807-1814). Em 1908 alguns dos seus filhos combatiam em África no âmbito das "guerras de pacificação",  na sequência do Ultimato Inglês de 1890 e da Conferência de Berlim de 1884/85 que apressaram o fim da  monarquia em Portugal (5 de outubro de 1910). E, meio século depois, eram mobilizados para a "guerra do ultramar" (1961-1974). Um dos camaradas que morrerá em combate, na Guiné, será o soldado paraquedista da 3ª CCP / BCP 12, Carlos Alberto Ferreira Martins (1950-1971), natural de Toledo, freguesia do Vimeiro, concelho de Lourinhã.


Foto:  Arquivo da Junta de Freguesia do Vimeiro, Lourinhã,disponível aqui. (Com a devida vénia...)

____________

Notas do editor:

(*) Vd. poste de 5 de julho de 2017 > Guiné 61/74 - P17546 Agenda cultural (571): Recrição da batalha do Vimeiro, de 1808, e mercado oitocentista: Vimeiro, Lourinhã, 14, 15 e 16 de julho de 2017 (Eduardo Jorge Ferreira, ex-alf mil, Polícia Aérea, BA 12, Bissalanca, 1973/74; presidente da assembleia geral da Associação para a Memória da Batalha do Vimeiro)

(**) In: CIPRIANO, Rui Marques -  Comemorações do Primeiro Centenário da Batalha do Vimeiro. Lourinhã: Câmara Municipal da Lourinhã, 2008.

Vd. também a página de Ribamar - Agrupamento de Escolas > A República na Lourinhã

(***) Último poste da série > 17 de julho de 2017 > Guiné 61/74 - P17592: Efemérides (260): O dia em que entrei para a tropa... Foi há 50 anos, em 10/7/1967, na EPC, Santarém (Valdemar Queiroz, CART 2479 / CART 11, Contuboel, Nova Lamego, Canquelifá, Paunca, Guiro Iero Bocari, 1969/70]