sábado, 23 de julho de 2005

Guiné 63/74 - P121: Bibliografia da guerra no feminino (1) (Jorge Santos)

1. Caro Luís Graça:

Como há várias coisas escritas por mulheres sobre a Guerra Colonial (algumas já enviei), não seria uma boa ideia criar um espaço no blogue só para elas? Por exemplo, com a designação "Escrita feminina e Guerra Colonial", "As Mulheres e a Guerra Colonial", etc., ou mesmo uma outra que tenhas em mente. É apenas e só uma sugestão.

Um abraço e bom fim de semana.
Jorge Santos (1º Grumete Fuzileiro, DFA, Companhia de Fuzileiros nº 4, Moçambique > Niassa, 1968/70)

2. Respondi-lhe que sim, que podia ser "a guerra no feminino" ou qualquer coisa do género. Que tinha todo o meu apoio. E que fosse mandando coisas. Pois aqui vão as primeiras sobre a "bibliografia da guerra no feminino". A guerra ? A nossa, a colonial, que era só uma... Selecção e notas do Jorge Santos. L.G.

TÍTULO: Uma História de Regressos: Império, Guerra Colonial e Pós-Colonialismo
AUTORA: Margarida Calafate Ribeiro
EDITORA: Afrontamento
ANO: 2004

NOTA: Margarida Calafate Ribeiro é investigadora associada do Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra e é doutorada em Literatura Portuguesa pelo King's College, Universidade de Londres. Foi professora convidada na Holanda e no Brasil. Co-organizou, com Ana Paula Ferreira, a obra colectiva Fantasmas e Fantasias Imperiais no Imaginário Contemporâneo (Campo das Letras, Porto,).

SINOPSE: Em entrevista publicada no jornal Público, de 3 de Julho de 2004, a autora respondeu a uma pergunta do jornalista ("Ao ler-se o seu livro "Uma História de Regressos - Império, Guerra Colonial e Pós-Colonialismo" fica-se com a ideia inquietante de que Portugal é um manicómio. É verdade?"):

"Há momentos na nossa História e na nossa História recente - os que têm a ver com os regressos - em que podemos utilizar essa linguagem da psiquiatria. Há loucura e loucura trágica que envolve a nossa identidade. Refiro-me à guerra colonial e à literatura da guerra colonial. Houve então supressão do humano. Nessa medida pode falar-se de loucura. A guerra colonial foi a grande tragédia da nossa contemporaneidade, não só para os rapazes que nela participaram, mas também para os pais que os viam partir e para as irmãs, namoradas e esposas que ficavam à espera. A insistência com que o Estado Novo impôs a guerra colonial mais longa em que um país europeu participou, a imposição de uma vontade, de uma maneira de estar no mundo podem também ser consideradas dementes. A poesia de Fernando Assis Pacheco (in "Musa Irregular") mostra isso, na sua componente autobiográfica: família salazarista, filho de um "Menino da Luz", apanhado por uma engrenagem. Mas o pai, que ameaçara alistar-se como oficial médico se ele desertasse, acabou por rever as suas posições quando Assis Pacheco foi o primeiro evacuado da frente de combate por razões neuro-psiquiátricas. Essa ruptura entre o Governo de Salazar e o país foi-se aprofundando. O ministro dos Negócios Estrangeiros Franco Nogueira escreveu uma carta a Marcello Caetano muito significativa a esse respeito: acusa a burguesia de ser invertebrada, de retirar o seu apoio ao esforço africano quando se tratava de enviar os filhos para as frentes de combate e de se interessar mais pelos negócios possíveis com a Europa do que com as colónias africanas".

Há uma versão mais reduzida, em formato.pdf, de 40 páginas, deste estudo, disponível na Net.

sexta-feira, 22 de julho de 2005

Guiné 63/74 - P120: Bibliografia de uma guerra (9): a invasão de Conacri (Marques Lopes)

TÍTULO: De Conakry ao M.D.L.P.: dossier secreto
AUTOR: Alpoím Calvão
EDITORA: Intervenção
ANO: 1976

Este livro foi publicado em 1976 pela Editorial Intervenção. Na sua segunda parte, o comandante Alpoím Calvão faz o relatório detalhado da preparação e do desenrolar da operação Mar Verde que levou ao ataque a Conacri.

Tem outros relatos sobe a sua infância em Moçambique, sobre o MDLP e sobre o 25 de Abril, do qual diz muito mal (embora, semanas antes, tivesse sido convidado pelo então comandante Pinheiro de Azevedo a aderir ao MFA, recusou-se).

Mas trago-o aqui porque terá interesse à nossa tertúlia saber em pormenor como é que sucedeu aquela acção. Este relatório tem 36 páginas e, é claro, não o trancrevo aqui. Algumas operações prepararam aquela principal: a operação Hitler (curioso!), junto do rio Camexibó, a operação Nebulosa, junto ao rio Inxanxe e a operação Gata Brava em Kadigné.

No seu relatório das acções em Conacri faz uma descrição detalhada delas, mas, curiosamente, faz apenas uma breve referência à libertação dos 26 prisioneiros portugueses que se encontravam na prisão "La Montaigne", feita pelo 1º tenente Cunha e Silva. Não foi este, de facto, o objectivo da operação Mar Verde. Se dúvidas houvesse sobre os objectivos dessa operação, ele próprio diz, a páginas 84, que "o insucesso do golpe de Estado ficou-se devendo à manifesta carência de informação, que falhou completamente no que toca à presença da aviação de caça em Conakry [ os Migs da Guiné-Conacri, tinham mudado de Conacri para outra base poucos dias antes; ele não refere, mas as suas forças ainda foram sobrevoadas por um Mig] aos apoios activos internos que não existiam ou, se existiam, não se concretizaram".

De acordo em não me meter nas questões internas do povo da Guiné-Bissau. Mas não deixa de ser curioso o que vai dizer amanhã o semanário Expresso: "O engenheiro Daniel Nunes participa, com o antigo oficial da Marinha Alpoím Calvão e o empresário Manuel Macedo (que tinha negócios com a Indonésia no regime de Suharto e é amigo do ex-Presidente Nino Vieira), num projecto de industrialização da castanha de caju - uma aposta do Governo para o relançamento da economia da Guiné. O empreendimento, que arranca este ano, prevê a instalação de unidades de processamento de castanha de caju em Bolola, na capital, na ilha de Bolama, no Sul do país, e em Binta."

A perspectiva de Nino Vieira em Presidente?

Guiné 63/74 - P119: Antologia (10): Dossiê Guiné (Vida Mundial, 1971) (conclusão) (A. Marques Lopes)

Prosseguimos a publicação de "Para um dossier Guiné - A guerrilha e o contra-ataque". Vida Mundial. 19 de Fevereiro de 1971. 3ª e última parte. Selecção e notas do nosso amigo e camarada de tertúlia A. Marques Lopes.

OPERAÇÃO FANTA

O exército do P. A.I.G.C. está organizado e estruturado conforme noutro local se revela. O planeamento dos ataques a diferentes objectivos processa-se do mesmo modo do que num exército regular, como se pode demonstrar no caso da operação Fanta, que foi desencadeada, em 1965, na frente Este, e cujas ordens de execução, emanadas do estado-maior do exército, foram assinadas por Amílcar Cabral.

Trata-se de um exemplo extraído dos arquivos do P.A.I.G.C. e consta das ordens endereçadas aos bigrupos 3 e 4 (constituídos cada um por 50-60 homens), as quais eram completadas e esclarecidas em cartas topográficas do estado-maior.

Operação Fanta

Ordem de participação dos bigrupos números 3 e 4 na frente Este (sector P)

Fase l — Destruição da ponte M.

Barragem de estrada:
1 — Estrada número 10 (perto do ponto B): grupo do camarada Sory Djalo, que deverá minar a estrada.
2 - Estrada numero 11 A (perto do ponto B): grupo do camarada N'Bare Tchuda, que deverá minar a estrada.
3 — Estrada número 11 B; perto de G: grupo do camarada Kemessene Camará, que deverá minar a estrada; perto de T: grupo do camarada Temna Kebeque, que deverá minar a estrada.
Destruição da ponte: camarada Malam Sanhá, com quatro outros camaradas, um de cada grupo.
Controle de estradas:
Após a destruição da ponte:
O bigrupo Numo-Hilário deverá assegurar a vigilância nas estradas 10 e 11 (emboscadas).
O bigrupo Sanhá-Luís deverá retirar-se para o sector T, para repouso e preparação do ataque de P, que será feito no dia seguinte, à tarde.

Fase 2 - Ataque a P

Barragem de estradas
Ataque ao campo entrincheirado de P: grupo dos camaradas Kemessene Camará e Temna Kebeque.
N.B. - Na mesma noite deve ser bombardeado o campo entrincheirado de C (morteiros dirigidos pelo camarada Cirilo).
Para atacar P seguir o plano da operação Fanta tendo em conta as mudanças exigidas pelo reforço em combatentes e em material.

Após o ataque a P:
O bigrupo Numo-Hilário. deverá vigiar as estradas convergentes para P.
Ataque ao campo entrincheirado de B:
Barragem de estradas:
1 - Estrada número 10 (cruzamento D): grupo de Sory Djaló com Malam-Numo.
2 - Estrada número 11 A (cruzamento C): grupo de M'Bare Tchuda com Hilário.
3 - Estrada número 12:5 combatentes do grupo Kemessene Camará (1 ML(x), 2 PM(x) e l bazooca).
Ataque ao campo entrincheirado de B:
Grupos Temna Kebeque e Kemessene Camará, apoiados por 1 morteiro e 1 bazooca.
N.B. - Antes do ataque, as estradas devem ser minadas.
Depois do ataque, o bigrupo Numo-Hilário deve prosseguir a vigilância das estradas, com patrulhas e emboscadas.

Fase 3 - Libertação de OM e de outras tabancas da zona.

Reforço do isolamento de C. Ataque ao campo entrincheirado de OM.
Barragem de estradas
Libertação das outras tabancas - Seguir o plano de vigilância nas estradas de P e de B — bigrupo Numo

Fase 4 — Ordenamento com outras forças para atacar C

Fase 5 - Ordenamento com outras forças para libertar todas as outras tabancas desta zona e isolar BT totalmente.

Fase 6 - Ordenamento com outras forças para atacar BT.

N.B. - A ordenação de forças nas fases 4, 5 e 6 será dirigida pelo camarada Domingos Ramos.

Amílcar Cabral

(x) M.L.-Metralhadora ligeira; P.M.-Pistola-metralhadora.

Esta ordem de operações - segundo uma fonte militar - não é mais do que o relatório escrito de instruções verbais e causa uma certa admiração ter sido assinado pelo chefe máximo dos guerrilheiros.


A ACTIVIDADE DOS GUERRILHEIROS


A acção dos guerrilheiros na Guiné tem-se feito sentir, ao longo dos anos, desde que o P.A.I.G.C. resolveu, em princípios de 1963, desencadear a luta no Sul daquele território, muito embora se saiba que já antes, em 1961, vários elementos dos grupos subversivos atacavam instalações localizadas na Guiné.

Com efeito, na noite de 23-24 de Julho de 1961, segundo uma notícia divulgada na Imprensa portuguesa, um grupo calculado em cerca de 200 indivíduos, vindos do Senegal, entrou na praia de Varela, tendo cortado o fio telefónico e causado estragos em algumas moradias de veraneantes, mas não atacou ninguém. Mais tarde, em 3 de Agosto do mesmo ano, era revelado que um outro grupo de indivíduos, proveniente do Senegal, atacou o porto de Bigene.

Como noutro local assinalamos, o primeiro contingente de tropas saído da Metrópole para o Ultramar, desde o início das operações militares nos territórios africanos, foi, exactamente, para a Guiné. Registe-se, ainda, que em 25 de Agosto de 1962 (Portaria 19 363) se constituiu a esquadrilha de lanchas de fiscalização da Guiné e, um ano mais tarde, em Outubro (Portaria 20 092), era reforçada com uma companhia móvel [1] o corpo de Polícia da Guiné.

A situação naquele território tem dado azo a várias controvérsias e, por isso, o Serviço de Informação Pública das Forças Armadas, em 20 de Julho de 1963, divulgou o seguinte esclarecimento:

«O Diário Popular, ao entrevistar o ministro da Defesa Nacional, perguntou-lhe qual a província ultramarina em que a situação militar causa maiores preocupações ao ministro e porquê. O ministro, na sua resposta, analisou a situação interna e externa em cada uma das províncias. Ora, verifica-se que os termos em que o ministro examinou a situação interna da Guiné foram, por vezes, mal interpretadas, porquanto parece haver quem ficasse com a noção de que aquela província foi invadida e de que 15 por cento do seu território está na posse dos terroristas. Torna-se, por isso, indispensável restabelecer a verdade, esclarecendo melhor a situação e, portanto, aqueles termos, porquanto nem houve invasão da província nem os terroristas estão na posse da mínima parcela daquele território.

«A situação - continua o comunicado do S.I.P.F.A. - é, rigorosamente, a seguinte: Em 85 por cento da província, a vida é inteiramente normal. Nos restantes 15 por cento processaram-se, nos últimos meses, infiltrações de terroristas vindos da República da Guiné, que actuam na clandestinidade, a partir de refúgios nas matas e procuram iludir a presença das forças militares na execução de acções de vandalismo sobre aldeias nativas e instalações económicas. No entanto, grande parte das populações e os postos administrativos e povoações continuam a sua vida habitual e as vias de comunicação estão desimpedidas.

«Nem estas infiltrações - conclui o referido comunicado - insidiosas se podem classificar de invasão nem a presença de terroristas numa ou noutra mata que, repete-se, procuram subtrair-se à acção das forças que têm por missão a manutenção da ordem, pode permitir afirmar-se que há qualquer parcela do território, por mínima que seja, na sua posse.»

A entrevista do ministro da Defesa fora a primeira informação oficial da existência de uma situação alarmante na Guiné e, no dia 25, a ANI desmentia uma notícia dada pela Rádio Conakry segundo a qual «os terroristas teriam, afundado com explosivos, no Sul da província, quatro barcos a motor encarregados no transporte de mercadorias». O telegrama daquela agência de informações esclarecia: «Sabe-se que apenas um desses barcos desapareceu e que outro, descoberto no fundo mas a pouca profundidade, foi imediatamente recuperado, encontrando-se já de novo a navegar.»

Entretanto, nesse mesmo dia circulou a notícia de um ataque a Pirada e no ano seguinte, em 11 de Maio, a Imprensa divulgava um boletim informativo das Forças Armadas da Guiné no qual se assinalava que o inimigo «flagelou, à distância, Jabadá, Barro (fronteira norte) e Madina do Boé (fronteira leste)» e que tinham sido destruídos acampamentos na região de Ohio (em Camam e Queré), a sudeste de Farim, em Salancaur Fula (no Sul), em Flaque Cibe, onde foram inutilizadas ou capturadas treze canoas de que o inimigo se servia ilegalmente.

As flagelações ao território da Guiné têm continuado, cada vez com maior apoio, acentuando-se num outro comunicado das F.A. que «na fronteira norte, o inimigo, irradiando das bases de Samine [2] e Yaram, localizadas em território senegalês, atacou as povoações de Bigene e Barro, flagelando as povoações com bases de fogos situadas na República do Senegal [3]; nas fronteiras leste e sul, o inimigo, irradiando das bases de Kandiafara, Sansalé e Bidel Pavi (área de Massira Fulamansa), localizadas em território da República da Guiné, flagelou as povoações de Canquelifá e Gadamel Porto, e na flagelação a esta última povoação foi apoiado por fogos de artilharia do Exército da República da Guiné, instalada dentro do seu território».

Muito embora os ataques se tenham mantido, em 27 de Dezembro de 1969 o S.I.P.F.A. informava que «no dia 23 a povoação de Guidage havia sido flagelada pelo fogo de armas pesadas» e acentuava que «era a quarta flagelação depois do dia 8».

Com efeito, em 17 e 19, fora atacada à povoação de São Domingos e no dia 18 a de Ingoré. Em 4 e 6 de Janeiro de 1970 a flagelação atingia Gadamael, e no dia 5 coubera a vez a Guilege. Nestes ataques foram, assinalados, pelo menos, 150 rebentamentos. No mês de Fevereiro (11), a povoação de Guilege é atingida (6 feridos); rio dia seguinte, fogo de morteiros causa 15 mortos em Guidage, e 2 dias mais tarde. São Domingos e Gadamel sofrem os efeitos das armas pesadas do inimigo. Em 27 e 28 de Março, o fogo de armas pesadas atinge, a intervalos regulares, Buruntuma, causando 1 morto e 12 feridos.

Entretanto, no dia 15 de Julho, era distribuído à imprensa o seguinte comunicado:

«O Serviço de Informação Pública das Forças Armadas informa que, segundo notícias recebidas ontem, 14, do Comando-Chefe das Forças Armadas da Guiné, um grupo inimigo com efectivo superior a 300 combatentes, atacou Pirada na noite de 12 para 13 do corrente, com apoio de foguetões, canhões anticarro, morteiros e outras armas pesadas. A acção foi de apreciável envergadura e o inimigo que realizou o assalto entrou na povoação e saqueou e incendiou 50 moranças.

«Toda a acção foi desencadeada de território senegalês, onde estiveram implantadas as bases de fogos dos canhões anticarro rebocados e dos foguetões e morteiros.

«O inimigo causou na população 15 mortos e 41 feridos tendo desaparecido um militar europeu".

____________

[1] O capitão Manuel Carlos da Conceição Guimarães, que foi o primeiro comandante da CART 1690, e que morreu na estrada de Geba para Banjara, fez parte desta companhia móvel. (ML)


[2] Samine fica no Senegal a cerca de 6 km de Barro. Também lá os fomos atacar. E eles também iam a Barro, é claro. (ML)

[3] É verdade que, às vezes, nem saíam do Senegal, disparando com os morteiros 82 e canhões sem recuo. (ML)

Guiné 63/74 - P118: Antologia (9): Dossiê Guiné (Vida Mundial, 1971) (2ª parte) (Marques Lopes)

Prosseguimos a publicação de "Para um dossier Guiné - A guerrilha e o contra-ataque". Vida Mundial. 19 de Fevereiro de 1971. 2ª parte. Selecção e notas do nosso amigo e camarada de tertúlia A. Marques Lopes.


O CENTRO DE ESTUDOS AFRICANOS DE LISBOA

Em 1948, três estudantes africanos - que viviam, como muitos outros, em Lisboa, na Casa dos Estudantes do Império - decidiram formar um centro de estudos africanos. Curiosamente, regista-se que esses três estudantes eram Agostinho Neto, Amílcar Cabral e Mário de Andrade.

Manifestaram o interesse que tinham pelas línguas africanas para conseguir as necessárias autorizações para a fundação do Centro e adquiriram, assim, os meios para, com toda a legalidade, se reunirem, discutirem e, ainda, reafricanizarem-se, aprendendo as línguas dos povos de onde eram originários.

Entretanto, Andrade revelou-se um poeta na sua língua natal – o quimbundo -, Cabral continua os seus estudos sobre hidráulica, para se formar em Engenharia, e Neto, outro estudante de quimbundo, pretende formar-se em Medicina. As suas discussões levaram-nos à conclusão, por convicção, de que uma revolução, sob uma forma ou outra, seria necessária em qualquer momento para libertar cada um dos seus territórios e acreditaram que esse momento estava já próximo. Tornaram-se, portanto, revolucionários e separaram-se.

Agostinho Neto esteve várias vezes preso. Andrade refugiou-se em Paris, onde viveu conforme podia, até desempenhar o cargo de chefe da redacção da revista «Presença Africana». Cabral, por sua vez, volta à Guiné, como engenheiro-agrónomo, onde trabalha na Administração local.

Durante dois anos (1952 a 1954), Amílcar Cabral trabalha na Guiné percorrendo o território em todas as direcções e adquirindo um conhecimento local detalhado. No entanto, em 1953, pronuncia um discurso contra a dominação portuguesa, facto que lhe causa alguns dissabores, pelo que regressa a Lisboa onde consegue arranjar colocação para uma plantação de açúcar em Angola. Ali, em Dezembro de 1956, com o seu antigo condiscípulo Agostinho Neto, torna-se fundador do M.P.L.A. (Movimento Popular para a Libertação de Angola), evidentemente, na clandestinidade.

Amílcar Cabral, que nunca deixara de estar em contacto com os seus conterrâneos, alguns meses antes da fundação do M.P.L.A., no decorrer de uma reunião efectuada em Bissau, tomou a direcção da organização do P.A.I.G.C., igualmente na clandestinidade. Abandonou Angola c dirigiu-se a Bissau. Nesta cidade despede-se da mãe e desaparece da cena legal.

Sabe-se, no entanto, mais tarde, que em 19 de Setembro de 1959 - um domingo -, os chefes do P.A.I.G.C. se reuniram, secretamente, num arrabalde de Bissau e declararam-se a favor do combate contra os portugueses, por todos os meios possíveis, até mesmo a luta armada.

Entre os assistentes a essa reunião encontravam-se, entre outros, Aristides Pereira, Rafael Barbosa, Luís Cabral e Fernando Fortes, tendo presidido Amílcar Cabral, desde logo reconhecido como chefe.


PROGRAMA DE ACÇÃO

Não existe qualquer documento do que se passou nessa reunião mas, segundo um relatório confidencial do partido, redigido imediatamente depois o seu teor e conclusões foram os seguintes:

«Tendo passado em revista a experiência de três anos de luta política clandestina e depois de analisar a situação política, na reunião de 19 de Setembro de 1959, constatou-se à luz da experiência de Pidgiguiti que, pela própria natureza do colonialismo português, a luta por todos os meios, compreendendo a armada, é a única via que pode conduzir à libertação do país. Em resultado da passagem a nova fase e seguindo o princípio «esperar o melhor preparando-se para o pior» adoptou-se o programa de acção seguinte:

1 - Mobilizar e organizar rapidamente as massas de trabalhadores que se têm revelado, segundo a experiência, a força principal da luta de libertação nacional;
2 - Reforçar a organização nos meios urbanos, mantendo-a na clandestinidade, evitando-se qualquer manifestação pública;
3 - Desenvolver e reforçar a unidade dos africanos de todos os grupos étnicos, de todas as origens e categorias sociais, em redor do partido;
4 - Preparar o maior número de quadros, tanto no interior como no exterior, para a direcção política da organização e para o desenvolvimento vitorioso da luta;
5 - Mobilizar os emigrantes nos territórios vizinhos, para servirem na luta da liberalização e no futuro do povo:
6 - Lutar pela obtenção de meios indispensáveis que conduzam a vitória na luta.
Para garantir a segurança de uma parte dos dirigentes e para assegurar o desenvolvimento da luta no exterior, o partido decidiu mudar o seu secretariado-geral para o estrangeiro.»


DISCREPÂNCIAS

Afirma que «Cabral, nascido em Bafatá, filho de pais cabo-verdianos, é engenheiro-agrónomo, tem cerca de 40 anos e é casado com uma senhora europeia, natural da Metrópole. Quando estudante, além de ter sido vice-presidente da Casa dos Estudantes do Império, terá fundado em 1949, em Lisboa, juntamente com Agostinho Neto e Mário de Andrade, o organismo denominado Centro de Estudos, Africanos. Após ter concluído o seu curso, regressou a Guiné onde exerceu funções nos serviços de agricultura e publicou alguns interessantes artigos da sua especialidade no «Boletim Cultural da Guiné Portuguesa». Parece possível que, durante o período que exerceu funções públicas, tivesse sido alvo de quaisquer agravos da parte de um ou outro irresponsável que o tivessem levado a negar-se a si próprio e a deixar-se arrastar por impulsos de amor-próprio ferido.

Ao justificar .esta última afirmação, Pereira Neto baseia-se no «Boletim Geral do Ultramar» (Ano XL1, número 482, Agosto de 1965, pág. 268) e num artigo de Dutra Faria intitulado «Na Guiné Portuguesa junto à Cortina de Ferro».

ESTRUTURA RELATIVAMENTE SÓLIDA

Ao referir-se às ajudas recebidas pelo P.A.l.G.C., Hélio Felgas assinala que cerca de um quarto do auxílio recebido pelo Comité de Libertação da O.U.A. para os movimentos africanos reverte hoje a favor do P.A.l.G.C. que, de longe, e considerado o movimento mais bem estruturado de toda a África. Da Rússia, o P.A.l.G.C. recebe a maior parte do armamento e dos fundos e nela são treinados elementos combatentes e pessoal sanitário, etc. Muitos encarregados dos reabastecimentos, civis e militares, estagiaram na Alemanha Oriental, na Jugoslávia, na Checoslováquia, na Roménia e em Cuba. Neste ultimo país são feitos os fardamentos, embora parte do tecido empregue seja proveniente da China Popular. E é Cuba que fornece os mercenários, quer militares quer civis (médicos e enfermeiros, em especial). Alguns dos principais chefes militares do P.A.I.G.C. estagiaram em Pequim - de onde o partido recebeu, também, armamento, medicamentos, etc.

A Coreia do Norte e a Frente de Libertação Nacional (Vietcong) do Vietname parece forneceram treino militar a alguns elementos do P.A.I.G.C. Não há dúvidas sobre a presença na Guiné de «observadores» vietcongs. «E pessoalmente - termina o coronel Hélio Folgas - acreditamos que mercenários vietcongs venham a substituir os cubanos (que poucos resultados têm conseguido). Com eles aparecerão, talvez, na Guiné os foguetões e a inegável eficiência técnico-militar com que os norte-americanos têm deparado no Vietname.»

P.A.I.G.C. - MOVIMENTO QUE COMBATE NA GUINÉ

O coronel, Hélio Folgas publicou, recentemente, na «Revista Militar» um estudo subordinado ao tema «Os movimentos subversivos africanos» no qual se refere, entre outros, ao movimento designado por P.A.I.G.C.

Num dos capítulos desse trabalho, aquele oficial do Exercito, ao tecer considerações acerca dos movimentos subversivos do Ultramar Português acentua, num passo designado por «generalidades»:

«Estes movimentos actuam nas três províncias continentais e são, actualmente, dos mais antigos da África. O de Angola exteriorizou a sua acção a partir de 4 de Fevereiro de 1961. O da Guiné começou em meados do mesmo ano e o de Moçambique desencadeou os primeiros actos terroristas em Setembro de 1964. São, também, os mais importantes da África, tanto no aspecto político internacional como na estrutura interna e no potencial militar (ver noutro local «Como funciona o «exército» do P.A.I.G.C.») dos seus grupos combatentes. Não há, praticamente, reunião internacional africana alguma onde os seus dirigentes não sejam acolhidos como representantes dos respectivos territórios.»

Ao descrever a actuação do P.A.I.G.C. na Guiné, o coronel Hélio Felgas acentua: «Actos esporádicos de terrorismo tiveram lugar no Noroeste da nossa Guiné, junto da fronteira senegalesa, desde meados de 1961. Estavam a cargo do M.L.G. e foram rapidamente dominados pelas forças portuguesas bem auxiliadas pelas populações locais. Reiniciados em 1963, não tiveram êxito diferente, dissolvendo-se na primeira metade de 1964.

«A verdadeira luta começou no Sul, no princípio de 1963, desencadeada pelo P.A.I.G.C., dirigido por Amílcar Cabral e amplamente auxiliado pelo Governo de Conakry.

«Os grupos combatentes do P.A.I.G.C. surgiram logo muito bem armados e, dada a exiguidade da ocupação militar da província, não tiveram dificuldade em se infiltrar até ao rio Geba, cortando os principais itinerários e montando emboscadas às forças que procuravam manter a ordem. Actuando pela persuasão, nuns casos, pela força, noutros, e pelo terror, nos restantes, o P.A.I.G.C. conseguiu levar grande parte das populações locais a acompanhar os seus grupos até aos locais de refugio habilmente camuflados nas florestas ou até à República da Guiné.»

Acrescenta, ainda, o coronel Hélio Folgas no seu trabalho a que nos vimos reportando:

«Em Julho de 1963, o P.A.I.G.C. estendeu as suas infiltrações até às espessas matas de Oio, já a norte do rio Geba, e em Janeiro de 1964 começou a actuar na área de Farim. Em Agosto deste ano realizou algumas acções terroristas no Gabu, no canto nordeste da província, e apareceu no Boé, no Sudeste, no final do ano. Mas, a primeira tentativa de chegar ao chão manjaco, a oeste, foi eficientemente desfeita pelas forças militares, em Novembro de 1964, e só conseguiu concretizar-se em meados de 1965.

«A actuação ao norte do rio Geba só ganhou alguma eficiência depois do P.A.I.G.C. ter estabelecido com o Governo senegalês o acordo de 21 de Março de 1966 . Até aí, a maior parte dos reabastecimentos para aquela região era transportada desde o Sul, atravessando quase toda a Guiné e sofrendo ataques das tropas portuguesas.»

O P.A.I.G.C. constituiu-se em 1956 e, em 1961, o movimento não era mais do que uma guarda avançada composta por homens e mulheres muito resolutos, ao qual se juntavam depois centenas de jovens voluntários que, pouco a pouco, adquiriram experiência e funções de direcção. Entre 13 e 17 de Fevereiro de 1964, os chefes do partido julgaram oportuno proceder à reorganização e à democratização do movimento. Reuniram-se num congresso, algures nas florestas do Sul, e nele foram tomadas grandes decisões. O território - segundo a mesma fonte - foi dividido em regiões e zonas, respectivamente para a administração política e comando militar, e a reestruturaçâo do partido assentou nas bases seguintes:

l - Secretariado político de 20 membros (15 efectivos e 5 suplentes) para eleição de um «comité» executivo de 7 membros (Amilcar Cabral foi designado secretário-geral, sendo os restantes elementos Aristides Pereira, Luís Cabral, Osvaldo Vieira, Bernardo Vieira «Nino» e dois outros cuja identidade não foi revelada. A idade média daqueles elementos, em 1964, era de 31 anos);
2- «Comité» executivo de 65 membros (dos quais, 20 eram candidatos), dividido em 7 departamentos:
a) - forças armadas;
b) - negócios estrangeiros;
c) - «controle» político das forças armadas e aparelho do partido;
d) - secretariado dos quadros políticos, para a informação e para a propaganda;
e) - segurança;
O - economia e finanças; e,
g) - desenvolvimento e coordenação da organização do partido no meio da população; constituição de «comités» de aldeias e integração nos «comités» regionais.

A esta reorganização outras se seguiram e, assim, os departamentos foram reduzidos a cinco, em 1967, controlados, na prática, pelo «comité» executivo:

1 - Comissão de «controle» - encarregada de verificar o trabalho concreto em cada estrato da estrutura do partido; desenvolvimento que se considere oportuno em resultado da multiplicação dos membros e das actividades do partido;
2 - Comissão de segurança - que se encarregará, principalmente, da informação;
3-Comissão dos Negócios Estrangeiros;
4 — Comissão para a reconstrução nacional — a qual se ocupará, especialmente, da h

AS FORÇAS ARMADAS DO P.A.I.G.C.

No sector armado do P.A.I.G.C. - escreveu Dutra Faria, na sua série de reportagens publicada no «Diário da Manhã» subordinada ao título «Guiné - Sol e Suor» - há, pois, que distinguir entre exército e milícia (por vezes passa a guerrilheiro o homem de qualquer tabanca controlada pelo P.A.I.G.C. que dá alguma evidente prova de valentia. À população dessas tabancas - segundo cálculos dignos de crédito, não mais de 30 mil pessoas em toda a Guiné — distribuem os guerrilheiros, de resto, armas para sua defesa, velhas Mauser e Kropatchek, quando não, mesmo, espingardas de caça. Os canhangulos é que já desapareceram de todo.

Milicianos são todos os homens das tabancas controladas pelo inimigo e que possuem uma arma. Em regra, os milicianos não participam nas operações ofensivas e, mesmo como força defensiva, o seu valor é escasso e o seu moral muito baixo. (Pode anotar-se, como elemento elucidativo, que em 1969 se verificaram 1734 apresentações de nativos e, até Julho de 1970, já ocorreram 1862 apresentações).

O exército por sua vez, é constituído pelos guerrilheiros (uns 5 mil, talvez) enquadrados em grupos cujo efectivo, em princípio, é de 50 homens, mais os oficiais — habitualmente 4 ou 5 por grupo, incluindo o comandante ou chefe de guerra e o comissário político, este destinado ao controle ideológico de cada elemento, inclusive o comandante.

Na actuação, a unidade táctica é, porém, quase sempre o bigrupo (2 grupos) de infantaria, apoiado por um grupo dotado de armas pesadas. Mas, na realidade, o efectivo de qualquer dessas unidades raramente soma os 150 homens.

Quando, todavia, dois bigrupos de infantaria actuam em regiões vizinhas, acontece que utilizam, alternadamente, o apoio do mesmo grupo de armas pesadas.

Num outro passo daquela reportagem, o seu autor refere que entre as armas apreendidas ao inimigo se encontram canhões sem recuo; morteiros; metralhadoras 14,5 antiaéreas sobre rodas, que horizontalmente também podem disparar granadas anticarro; «bazoocas»; metralhadoras antiaéreas quádruplas; metralhadora pesadas Gurianov; lança-granadas RPG-2 e RPG-7, este com um alcance que vai até aos 500 metros; metralhadoras ligeiras Degtyarev; espingardas automáticas Kalashnikov (adaptada pelo Exército soviético) e Siminov; carabinas Mosin Nagan; pistolas-metralhadoras Sudayev M-23 e M-25; pistolas Tokarev e Ceskae; pistolas-metralhadoras Berette.

Quanto aos instrutores - continua Dutra Faria a revelar na sua reportagem — de princípio foram, ao que parece, exclusivamente guinéus e cabo-verdianos treinados na Rússia e na Checoslováquia, os quais têm sido substituídos por instrutores estrangeiros: primeiro, supõe-se que argelinos e, agora, cubanos.

Numa entrevista concedida ao mesmo jornalista pelo general Spínola há uma referência a «um inimigo numeroso e persistente a quem não faltam nem armamento do mais moderno nem munições», e numa outra com o oficial cubano feito prisioneiro em 20 de Novembro do ano passado [1970], quando lhe foi perguntado se havia outros cubanos com os guerrilheiros do P.A.I.G.C., a resposta foi um simples acrescentada de alguns (instrutores militares, médicos e enfermeiros). Noutro passo, segundo afirma Dutra Faria, aquele oficial teria dito que conheceu, mesmo, um médico radiologista jugoslavo num dos hospitais do P.A.I.G.C.

Há guerrilheiros do P.A.I.G.C. que estão em armas, no mato, ininterruptamente, desde 1962 - escreve, ainda, Dutra Faria – e que adquiriram uma experiência de luta que faltará, quase sempre, aos seus adversários. O inimigo, indubitavelmente, move-se mais à vontade no mato (está no seu meio ambiente), por mais espesso, e na bolanha, por mais pantanosa, do que o combatente de origem metropolitana. Alguns dos chefes de guerra de Amílcar Cabral têm revelado qualidades de inteligência e de energia que os tornam temíveis como inimigos e que os têm enormemente prestigiado aos olhos dos que os seguem. Esses chefes de guerra são todos guinéus e o seu prestígio entre guerrilheiros deve seriamente preocupar tanto Amílcar Cabral como os cabo-verdianos que constituem, em Conakry, o estado-maior político do P.A.I.G.C. Segundo Dutra Faria, essa deve ter sido a razão por que Amílcar Cabral pediu a seu irmão Luís que fosse a Havana solicitar envio de instrutores cubanos.

Registe-se que Amílcar Cabral, numa entrevista concedida, recentemente, à revista norte-americana «Newsweek», sublinhou que «em 1962 encontrávamo-nos prontos para lutar, primeiro nas regiões do Sul e, depois, gradualmente, em todo o país. «No começo aprendemos táctica militar debaixo de fogo. Mais tarde montámos campos de treino. O nosso maior problema era criar um exército móvel formado por grupos de guerrilheiros locais.»

Aliás, Dutra Faria, numa das suas reportagens para a ANI, refere que «dos comandantes que dispõem, evidentemente, de larga autonomia de acção quando em operações, hoje, o de mais prestígio entre os guerrilheiros é um antigo cabo africano, o Nino, uma espécie de Ministro da guerra de Amilcar Cabral.

Na referida entrevista dada à «Newsweek», Amílcar Cabral revela ainda, a par de uma metodologia chinesa, que «é difícil dar uma ideia da grandeza actual do exército regular porque, num certo sentido, o nosso exercito é o povo inteiro. Apesar de tudo, não poderíamos prosseguir a nossa luta sozinhos. Além de outras nações africanas, os países socialistas - e em especial a União Soviética - forneceram-nos armas. Alguns países ocidentais, a Suécia por exemplo, têm-nos ajudado no campo humanitário».

O exército do P.A.I.G.C. divulga também - por intermédio dos serviços de Propaganda - comunicados referentes às acções que desenvolveu, na Guiné.

Guiné 63/74 - P117: Antologia (8): Dossiê Guiné (Vida Mundial, 1971) (1ª Parte) (Marques Lopes)

Texto enviado pelo A. Marques Lopes, em 30 de Junho de 2005, na véspera de ir de férias.

Caros camaradas de tertúlia:

Vejam este dossiê que extraí de um longo artigo ("Para um dossier Guiné - A guerrilha e o contra-ataque") da extinta revista Vida Mundial, de 19 de Fevereiro de 1971.

Mesmo este extracto é um pouco longo também, mas vale a pena lê-lo, sobretudo no aspecto da organização do PAIGC, o seu exército regular e a forma como actuavam, bem como a fase preparativa da sublevação. Por exemplo, no plano da Operação Fanta é evidente que não atacavam ao acaso, e nós sabemo-lo. Há também uns comunicados do SIPFA (Serviço de Informação Pública das Forças Armadas) com interesse.

É um documento feito no tempo da velha senhora, mas considero-o uma boa peça jornalística, com intenção de elucidar sobre muita coisa, embora condimentada com algumas citações para dar uns posinhos da objectividade do regime.

Nas circunstâncias e limitações que havia, [a Vida Mundial] foi uma revista com alguns trabalhos de interesse, e muitos jornalistas democratas e antifascistas trabalharam nela, fazendo o possível para que alguma coisa passasse nas malhas da censura.

A. Marques Lopes

_________________

A ORIGEM DA PALAVRA GUINÉ

Qual a origem e o que se entende, exactamente, pela palavra Guiné? João Ameal, no seu estudo «Perspectiva histórica sobre a Guiné e Cabo Verde», responde a essa pergunta nos termos seguintes:

«No curso dos tempos, diversos significados lhe têm sido atribuídos. A sua origem estará, porventura, no nome de um aglomerado que, segundo alguns, data do século XI - mais precisamente de 1040 - aglomerado sito junto às margens do Alto Níger, a cerca de 14 graus de latitude Norte. Por ser um centro bastante frequentado pelas caravanas de mercadores sudaneses e outros, que andavam em constante negócio com os povos da Arábia, espalhou-se, muito cedo, a suafama e chegou mesmo até países da orla mediterrânica. Aparecia designado por modos diferentes: Geny, Gena, Ginya, Genni, Gineva, Djienné, Djenné, Gynoia – tantos como as pronunciações fantasiosas dos caravaneiros de múltiplas raças e origens (João de Barros chamou-lhe, por sua vez, Guinauhá). E acabou por cristalizar, entre nós, de preferência, na forma Guiné, às vezes, também, Guinee ou Guinea.»

Por sua vez, António de Almeida, num trabalho intitulado «Das Etnias da Guiné Portuguesa, do Arquipélago de Cabo Verde e das Ilhas de São Tomé e Príncpe» refere que «o topónimo Guiné figura na grande maioria dos idiomas das gentes nativas desta província e nos crioulos do Cacheu, de Bolama e de Bissau - os mais importantes e praticamente idênticos; com efeito, o nome Guine dado aos territórios habitados por negros da África Ocidental, ao norte do Equador, após o descobrimento pelos portugueses, em 1446, é equivalente, embora evidenciando amiúde alterações fonéticas que, alias, não conseguem encobrir a sua etimologia».

Acrescenta, ainda, António de Almeida que, de acordo com informações colhidas «in loco», o vocábulo toma as formas Ghiné ou Djiné (felupes e baiotes); Ghiné (mandingas, manjacos e saracolés); Njiné (naius de Catió); -Njini Bo-portuguêsse (papéis, querendo dizer «Guiné dos Portugueses»); Njiné (brames de Bula); Njiné e Ghiné (futa-fulas e . no crioulo de Bissau); Guiné (fulas-forros); Guiné Portuguisse (cassangas); Guiné Portuguêsse (brames de Bolama e nos crioulos de Bolame e Cacheu); Guiné Portuguêsse, La Guiné (fulas-pretos) e Guiné Bo-portuguêsse (biafadas).

Referindo-se ao termo Guiné, António de Almeida acentua que «seja qual for o motivo da adopção da palavra Guiné, provenha ou não de Guinéus (derivado de Ghináweu - Fernando Rogado Quintino) ou da denominação do remoto e prestigioso reino de Gana (Ghana, Ghanah, Ganata) dos Árabes e Kumbi dos Negros, e se filie, ou não, no Guinauha do topónimo do centro urbano Jenné ou Ujenné, quer derive, ainda, do nome do império e cidade de Ghana (Manuel Dias Belchior), do que não restam dúvidas é de que os antepenúltimo e penúltimo vocábulos se revelam análogos, morfológica e foneticamente, às designações correntemente empregadas, ainda hoje, pelos naturais da Guiné Portuguesa nos próprios idomas ou nos crioulos».

(...)

ORGANIZAÇÕES QUE LUTAM (OU LUTARAM) NA GUINÉ

É muito frequente aparecer no noticiário referente aos acontecimentos da Guiné uma série de siglas identificadoras das organizações a que pertencem os guerrilheiros que lutam (ou lutaram) naquele território, os quais, dispõem de bases nas nações vizinhas.

Pouco mais se sabe, todavia, do que a tradução dessas siglas, desconhecendo-se, quase em absoluto, quais as motivações determinantes do aparecimento das respectivas organizações. Para uma mais esclarecida informação apresentamos, esquematicamente, a indicação das referidas siglas e alguns elementos que permitem saber os porquês da sua existência.

P. A. I. G. (Partido Africano para a Independência da Guiné) - Fundado antes de 1957 por Amílcar Cabral, este agrupamento, que antecedeu o P.A.I.G.C., colaborava com os organizadores do M.P.L.A. (Movimento para a Libertação de Angola) e com alguns revolucionários de Cabo Verde, de Moçambique e de São Tomé e Príncipe no seio do M.A.C.

M.A.C. (Movimento Anti-Colonialista) - Movimento que foi dado como extinto, em Tunes [Tunísia], em Janeiro de 1960, por ocasião da II Conferência dos Povos Africanos. Deu origem ao F.R.A.I.N.

F.R.A.I.N. (Frente Revolucionária Africana para a Independência Nacional das Colónias Portuguesas) - Esta organização englobava, após a extinção do M.A.C., os movimentos conhecidos por P.A.I.G.C., M.P.L.A. e a U.P.A. Foi extinto em Abril de 1961 para surgir com a designação de C.O.N.C.P.

C.O.N.C.P. (Conferência das Organizações Nacionalistas das Colónias Portuguesas) - Como o próprio nome indica, este movimento resultou de uma associação dos vários movimentos existentes para conseguirem a «Independência Nacional das Colónias Portuguesas» e apareceu com esta designação após várias alterações já anteriormente assinaladas.

M.L.G.C. (Movimento de Libertação da Guiné e Cabo Verde) - Este partido dividiu-se em dois porque os naturais da Guiné (cerca de 60 mil), residentes no Senegal, não desejavam qualquer associação com os cabo-verdianos. Surgiu, assim, o M.L.G.

M. L. G. (Movimento de Libertação da Guiné) – Organização constituída quase exclusivamente por manjacos (...). Este movimento tinha por chefe François Mendy, estudante de Direito, de ascendência manjaca, nascido no Senegal e que cumprira o serviço militar no Exército francês. A organização estava dividida em duas, pois tinha uma filial em Conakry (M.L.G.-Conakry) e uma outra delegação, embora rudimentarmente estruturada, em Bissau (M.L.G.-Bissau), segundo revelou, em Agosto de 1963, o jornal Le Monde Diplomatique.

U.P.L.G. (União Popular para a Libertação da Guiné dita Portuguesa) - Este movimento enquadrava alguns fulas residentes no Senegal.

R.D.A.L.(Reagrupamento Democrático Africano para a Libertação da Guiné dita Portuguesa) - Esta organização parecia englobar os mandingas existentes no Senegal.

U.P.G. (Unido das Populações da Guiné dita Portuguesa) – Esta associação apareceu após a dissolução do M.L.G.C, e tinha uma secção formada por naturais da Guine, em Kolda, província senegalesa do Casamansa.

U.G.T.G. (União Geral dos Trabalhadores Guineenses) – Órgão paralelo à U.N.T.G. (União Nacional dos Trabalhadores Guineenses) e que forma uma secção do P.A.I.G.C. Estes agrupamentos têm carácter sindicalista.

U.N.G.P. - Alguns elementos do M.L.G.-Bissau e do U.P.G. aderiram ao U.N.G.P., mas o comité da Organização da Unidade Africana considerou-o como movimento que, efectivamente, não combatia a presença portuguesa. Após a decisão da O.U.A. acima referida, o U.N.G.P. viu decrescer a sua importância.

Alguns destes movimentos, como o M.A.C., o F.R.A.I.N. e o C.O.N.C.P. não chegaram a lutar e, presentemente, só o P.A.I.G.C. parece dispor de força na Guiné. A esse movimento, pela importância de que se reveste, nos referiremos mais em pormenor noutro local deste dossier. Acentue-se, no entanto, que o P.A.I.G.C. foi fundado em 1956 e o seu chefe é Amilcar Cabral.


A LUTA NA GUINÉ: PORQUÊ... COMO...


A Guiné - escreve João Baptista Nunes Pereira Neto, no seu estudo «Movimentos subversivos da Guiné, Cabo Verde c São Tomé e Príncipe - Tentativa de esboço sociopolítico», publicado pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Política Ultramarina - foi, durante muito tempo, teatro de agitação que, praticamente, só cessou no continente, em 1915, devido à acção decisiva de Teixeira Pinto, embora, nas duas décadas subsequentes, tivesse, por vezes, havido necessidade de submeter as populações de algumas ilhas do arquipélago de Bijagós.

Terminadas estas últimas operações, gozou (a Guiné), praticamente, um quarto de século de paz - acrescenta o mesmo autor, que continua, assim, o seu estudo: «No entanto, pouco depois da independência da República da Guiné, conseguida em fins de Novembro de 1958, esta província portuguesa passou a ser citada nos órgãos da informação internacionais como sendo alvo das atenções conjuntas de N'Krumâ e Sekou Touré, que desejariam criar a Federação dos Estados Unidos da África Ocidental, a qual englobaria, além daquela parcela do território português, a Libéria, a Serra Leoa, a Gâmbia, a Costa do Marfim, o Gana, a República da Guiné e a Nigéria.

«Um ministro deste último país - continua Pereira Neto - parecia mesmo ter projectos mais audaciosos a esse respeito, pois sugeria que nessa federação entrassem, além daqueles países e territórios, o Togo, o Níger, o actuai Mali, a República do Alto Volta, os Camarões, o Daomé e o Senegal.»

Prosseguindo o referido estudo, o aludido autor acentua que «esses projectos de reagrupamento, que tanta tinta fizeram correr nos primeiros meses após a ascensão à independência de alguns países, depressa caíram no esquecimento e, assim, a Guiné deixa, novamente, de despertar as atenções dos órgãos da informação internacional mas, infelizmente, por alguns meses, pois, em 3 de Agosto de 1959, deu-se um grave incidente no porto de Bissau, devido a uma paralisação de trabalho, em virtude do qual houve alguns mortos e feridos.

«Após um pequeno surto de interesse provocado por esse incidente e pelo subsequente envio, poucos dias depois, de um reduzido contingente de tropas - que foi o primeiro que na actual conjuntura se teve de deslocar para o Ultramar - tudo se manteve calmo.»

Fonte: "Para um dossier Guiné - A guerrilha e o contra-ataque". Vida Mundial. 19 de Fevereiro de 1971.

Selecção e notas de A. Marques Lopes.

Guiné 63/74 - P116: Bibliografia de uma guerra (8): A Guerra Colonial, o MFA e o 25 de Abril (A. Marques Lopes)

Texto do A. Marques Lopes (ex-alferes miliciano da CART 1690, Geba, 1967, e da CCAÇ 3, Barro, 1968; actualmente Coronel, DFA, na situação de reforma):


TÍTULO: Guiné, três vezes vinte e cinco
AUTOR: Luís Ataíde Banazol, tenente-coronel
EDITOR: Prelo
ANO: 1974

Neste livro, em linguagem coloquial e aliterária, narram-se algumas situações no período imediatamente antes e depois do 25 de Abril na Guiné.

O tenente-coronel Banazol, que foi mandado para a Guiné à frente de um batalhão que se recusara a embarcar, mas que a isso fora obrigado, e com destino a Bambadinca, convocou uma reunião de oficiais, em Fevereiro de 1974, quando já estava em Bissau.

A reunião realizou-se em Nhacra e , entre outros, estavam os capitães do quadro Matos Gomes (o Carlos Viale Ferraz, do Nó Cego ) e José Manuel Barroso e o capitão miliciano Franco. A ideia transmitida pelo tenente-coronel Banazol era cercar o Comando-Chefe com o seu batalhão e tomar o poder na Guiné.

Embora entusiasmados, os participantes acharam que seria uma acção prematura e que poderia pôr em risco o "Movimento" já em andamento na metrópole. Mas o Banazol,insatisfeito, fez uma circular, "Movimento de Resistência das Forças Armadas", em Março de 1974, apelando à rebelião para Maio de 1974. O tenente-coronel Banazol estivera desde o início na formação do Movimento das Forças Armadas.

E a verdade é que o MFA já decidira que, se falhasse o 25 de Abril na metrópole, a rebelião se deveria dar na Guiné. Mas o 25 de Abril teve sucesso. De qualquer modo, e para garantir, o MFA da Guiné tomou imediatamente o poder em 26 de Abril de 1974, "destronando" o brigadeiro Bettencourt Resende, então Comandante-Chefe do CTIG.

O tenente-coronel Banazol é também autor do livro As Origens do Movimento das Forças Armadas. O Guiné-Bissau Três Vezes Vinte e Cinco não é o relato desse período pré-insurreccional, mas dá umas pinceladas do espírito vivido nesse período.


TÍTULO: Uma Noite na Guerra
AUTOR: Carlos Coutinho
EDITOR: Campo das Letras
ANO: 2003

Vai mais um para a bibliografia. É Uma Noite na Guerra, de Carlos Coutinho. Além da nota biográfica que envio e que é a que consta na contracapa do livro, acrescento mais um dado: o Carlos Coutinho foi preso pela PIDE/DGS em Fevereiro de 1973 porque fazia parte da ARA (Acção Revolucionária Armada), que era, digamos, e para facilitar, o braço armado do PCP.

Na bibliografia que consta da página do Jorge Santos, está lá este livro como tendo sido editado pela Editora Caminho em 1978. Alguma coisa deve estar mal, pois esta é a primeira edição da obra, publicada pela editora Campo das Letras em 2003. Admito, no entanto, que a Caminho tenha editado uma versão anterior, não tão completa.

"Sendo ficção, Uma Noite na Guerra assenta, assumidamente, uma certa historicidade, que é a característica de quase toda a obra literária de Carlos Coutinho. Concebida como uma novela atípica, ao gosto de um certo experimentalismo dos anos 70, aproxima-se às vezes da crónica antropológica, do testemunho, da reportagem psicológica e mesmo da literatura oral dos antigos rapsodos, colhendo sinais díspares de um clima psicológico desagregado, próprio de uma pequena cidade sertaneja moçambicana que teimava em sobreviver no coração da guerra colonial no dilacerado planalto do Niassa. Aí se cruzam vidas apressadas ou breves de bichos e homens, militares e civis, crianças e adultos, vítimas e carrascos, resistentes e cúmplices, oportunistas e angustiados, mãos limpas e mãos sujas, temperando aquele caldo espesso e azedo que foi idêntico em Moçambique, Angola e Guiné e em que levedaram algumas das energias do Movimento das Forças Armadas e da gesta popular que sucedeu ao 25 de Abril de 1974.» (Texto da contracapa).


Nota sobre o autor:

"Carlos Alberto da Silva Coutinho nasceu em 1943. Mobilizado para a guerra colonial, passou dois anos em Moçambique como enfermeiro militar de Neuropsiquiatria.

"Muito empenhado na agitação política, participou num movimento espontâneo e nunca articulado de criadores de cantigas de protesto que esteve na origem do Cancioneiro do Niassa. Regressado a Lisboa em 1969, enveredou pelo jornalismo e integrou-se mais profundamente na luta política contra o fascismo e a guerra colonial, vindo a ser preso em Fevereiro de 1973. Foi libertado em 26 de Abril de 1974, com a Revolução dos Cravos, tendo retomado a sua carreira jornalística em paralelo com uma actividade literária diversificada".

Guiné 63/74 - P115: Bibliografia de uma guerra (7) (Luís Graça)

Os textos, de diversos autores, que temos vindo a inserir no blogue, reportam-se à experiência de guerra da Guiné, a qual decorreu entre 1963 e 1974 (11 anos)... Faz, pois, todo o sentido, alterarmos o nosso o título inicial "Guiné 69/71" (a época em que eu e a malta da CCAÇ 12 estivemos lá) para Guiné 63/74 (um período de tempo mais abrangente, onde cabemos todos, a velhice e os periquitos...).

Continuamos a publicar sugestões bibliográficas do Jorge Santos, que é autor de uma excelente página sobre a guerra colonial e nosso muito estimado companheiro de tertúlia (foi fuzileiro naval no Niassa, em Moçambique). L.G.

TÍTULO: Os Heróis e o Medo
AUTOR: Magalhães Pinto
EDITORA: Âncora
ANO: 2003

Nota sobre o autor:

Magalhães Pinto nasceu no Porto. Economista por formação académica tem, contudo, na escrita, a sua paixão. Magalhães Pinto publicou Belmiro - História de Uma Vida (editora: Âncora, 2001), que relata com rigor a vida privada e o percurso essencial do empresário Belmiro de Azevedo, de quem é amigo pessoal (trata-se de uma biografia autorizada pelo próprio). Em Os Heróis e o Medo, o seu segundo romance, Magalhães Pinto revisita a guerra colonial que ele viveu, no seu período crítico, na Guiné.

RESUMO: "Não há heróis sem medo. A heroicidade não se mede pelo número de adversários mortos. Há outra heroicidade na capacidade de guardar, no meio da tragédia que é a guerra, um profundo sentido de humanidade, de solidariedade, de ausência total de racismo. Há uma outra heroicidade na capacidade de não deixar que o medo abafe a noção de que em ambos os lados de uma arma estão seres humanos. É dessa heroicidade e desse medo que aqui se fala". (Apresentação da editora).

terça-feira, 19 de julho de 2005

Guiné 63/74 - P114: Bibliografia de uma guerra (6) (Jorge Santos)

O Jorge Santos, autor de uma excelente página sobre a guerra colonial e nosso companheiro de tertúlia (foi fuzileiro naval no Niassa, em Moçambique) continua a enviar-nos referências bibliográficas sobre a guerra colonial na Guiné. Em breve iremos alargar a bibliografia a outras frentes. Afinal, a guerra (colonial) era só uma...


TITULO: Guiné – A cobardia ali não tinha lugar
AUTOR: José Silveira da Rosa
EDITORA: Autor (Horta, Faial, Açores)
ANO: 2003

NOTA: O autor fez parte da Companhia de Artilharia 1688 (BART 1913) em Biambi, tendo feito a comissão entre 1967 e 1968.

RESUMO: O autor navegou cerca de 20 meses entre duas emoções fortes: o jogo da vida e o jogo da morte. E para enfrentar qualquer um deles, é preciso coragem e teimosia. Fazendo bem as contas, a cobardia ali não podia ter mesmo lugar. Portanto, teve que cerrar dentes e dizer: "alma até almeida". Quem sabia dominar-se, libertava-se de um jugo que a natureza lhe tinha colocado ao pescoço.


© Carlos Alberto dos Santos Serra Fonte: Página pessoal do autor TÍTULO: Scherno ou Memórias da Guerra na Guiné
AUTOR: Carlos Serra
EDITORA: Autor
ANO: 2003

RESUMO: "É um depoimento vivo e corajoso, de uma época que muitos fazem por esquecer, e muitos outros por ignorar. É um discurso corrido, no característico idioma da tropa, directo e sem artifícios de linguagem, um misto de testemunho despojado, jornal de caserna, crónica de um universo circunscrito ao aquartelamento improvisado nas matas - como o eram todos os aquartelamentos da guerra colonial - e às surtidas pelas picadas, pelas tabancas e os seus amores efémeros, bolanhas e terras de ninguém. São pedaços de um quotidiano agridoce, onde se partilha a respiração daqueles homens ainda meninos que entraram na idade adulta, a confrontarem-se com os pequenos e grandes dramas de quem se vê despejado no turbilhão do império que se esboroava, com as perversões e contradições tecidas por uma guerra madrasta, fruto de um tempo histórico desacertado e moribundo.

"Sente-se o cheiro a óleo de limpeza das armas, o restolhar entre o capim, à mistura com o fedor da transpiração entranhada nos camuflados, o odor acre da terra ensopada por chuvas e cacimbos e esventrada pelas morteiradas. É uma espécie de uma Crónica da Guiné dos tempos modernos, que se lê de um fôlego e com todos os sentidos". (Fernando Torres - 2002 Dezembro)

Scherno ou Memórias de Guerra na Guiné pode ser consultado e lido na Net, na página do autor (vd. a capa do livro e o respectivo índice). Tem um capítulo sobre Conakri, mas pouco adianta.


TÍTULO: Guiné, Sempre – Testemunho de uma Guerra
AUTOR: Piçarra Mourão
EDITORA: Quarteto
ANO: 2001

Nota sobre o autor: Fez uma comissão de serviço na Guiné na Companhia de Artilharia 1525 (BISSORÃ), e duas em Angola.

RESUMO: "Mais do que um testemunho de um conflito que envolveu toda uma Nação em Armas e uma geração de Homens devotadas a uma causa, cujas origens e consequência estão hoje sancionadas pela História, estas crónicas encerram narrativas exemplares, pessoais e directas, vividas no contexto de uma das mais violentas e duras guerras com que essa mesma geração se debateu no teatro africano.

"Sem menosprezar os episódios do combate verdadeiro, onde a fronteira entre a Vida e a Morte era por vezes muito ténue, ou outras referências a pequenas mas gratificantes histórias que só o percurso ali traçado pode contemplar e permitir, o livro é, a cada passo, enriquecido com a tremenda experiência humana resultante da profusa vivência que, num e noutro ambiente, todos os interlocutores permutaram.
A uma distância histórica e temporal conveniente, sem preconceitos ou falsas reservas, admitindo erros, virtudes, precariedades e sucessos, os relatos traçados consentem uma abordagem isenta, justa e rigorosa de um conflito sério e constituem, para além de todos os aspectos políticos circunstanciais, um prodigioso contributo para a nossa memória colectiva" (Texto da responsabilidade da editora).

Índice:

Prefácio; I. Apresentação; II. A Preparação

III. No Mato Profundo: O Amigo Americano; Uma Oportunidade Perdida; Uma Santa Bárbara Negra; Elefantes, 4!; O Fernando; Um Autêntico Bambúrrio; Duas Flâmulas;
Um Caixote de Peso.

IV. Crónicas Avulsas: Um Piloto Certeiro; A Visita do Papa; O Máximo; O "Zaire"; O Baptismo de Fogo; As Vacas da Companhia; Minas Gerais; O Senhor dos Céus; O jipe do "Ronco"

V. As Milícias de Bissorã; VI. Bissorã; VII. O Regresso; VIII. Final

Glossário e Código de Abreviaturas.

É ainda autor do livro Da Guiné a Angola.

Guiné 63/74 - P113: Piçarra Mourão, militar e escritor (CART 1525, Bissorã, 1966/67) (Marques Lopes)

Texto do A. Marques Lopes:

Não conheço o coronel Piçarra MOURÃO, mas li o livro [Guiné, sempre: testemunho de uma guerra. Quarteto, 2001]. A companhia com que foi inicialmente, uma CART, foi colocada em Bissau às ordens do Comando Chefe (noto que ele nunca diz o nome das companhias, é cumpridor das normas, não é como eu).

Conta que uma vez a companhia foi mandada para o Queré com um pendura, um tenente-coronel americano que vinha ver como era a guerra na Guiné e que, parece, iria depois para o Vietnam. Conta a sua atrapalhação, pois que o deram à sua responsabilidade pessoal. Acabaram por cair numa emboscada e o pendura desatou a tirar fotografias e a filmar de máquina em punho, em vez de usar a G3 (a melhor da companhia) que lhe fora distribuída. Não aconteceu nada e ele pergunta-se se aquelas imagens lhe terão valido alguma coisa no Vietnam.

A sua companhia ficou, depois, adida a um Batalhão colocado em Mansoa, colocada no Olossato. Diz que durante 1966 foi quatro vezes ao Morés, com o apoio de outras forças. Da primeira vez conseguiram capturar material. Na segunda, em Junho, o guia fugiu na altura decisiva e valeu-lhe um segundo guia para indicar o caminho da retirada. A terceira investida foi em Setembro, com o apoio dos páras e de artilharia; tiveram dificuldades, levaram porrada antes de lá chegar, e os páras não quizeram mais e retiraram para Mansabá. Em Outubro chegaram a Morés, mas a base estava abandonada. Diz ele que: "Era visivelmente uma base em fim de estação, com certeza tinha conhecido melhores dias. Ou então a ficção tinha-se sobreposto à realidade e a imaginação dos homens composto um cenário surrealista!..."

Ele é de opinião que o IN abandonara o Morés por questões tácticas e colocara a base numa mata profunda. No meu tempo, em 1967, pensámos que se mudara para Sinchã Jobel. Era, de facto, a táctica do PAIGC: mudar com frequência as suas bases, sobretudo qundo as via em perigo ou demasiado recomhecidas.

A companhia dele esteve depois no Biambe.

Em resumo, gostei do livro escrito por este militar de carreira. Tem um olhar crítico sobre a preparação antes de ir para a Guiné. Curiosamente, fez o IAO, como eu, na serra de Sintra e na Carregueira. Foi uma lástima para ele, como foi para mim. Como profissional fez a guerra, mas reconhece que esteve envolvido num processo sem saída. O livro, com um traço de humanidade sentida, procura transmitir os sentimentos dos intervenientes, tem relatos de actividade opracional, tem um perspectiva correcta sobre o povo da Guiné, o IN é um combatente sério e motivado. Vale a pena ler.

Curiosamente (para mim), quem assina o texto do prefácio é o Gen Octávio de Cerqueira Rocha, que era Oficial de Operações do BCAÇ 1857, o tal para onde a companhia do coronel Piçarra Mourão foi como adida. O "Vidrão" (a alcunha que foi dada ao Gen Cerqueira Rocha quando foi Chefe do Estado-Maior do Exército) diz que a companhia do coronel Piçarra Mourão era a CART 1525.

A. Marques Lopes

segunda-feira, 18 de julho de 2005

Guiné 63/74 - P112: Mais estórias do Xitole (CART 2716, 1970/72) (David Guimarães)

A grande árvore que dominava o aquartelamento do Xitole. Lá continua de pé, mais de trinta anos depois.

© David J. Guimarães (2001)

Texto do David J. Guimarães (ex-Furriel Mil. da CART 2716, Xitole, 1970-72):

Junto mais quatro fotografias à nossa página do Xitole. Como é óbvio estou a contar as coisas mais ou menos encadeadas no tempo. Uma das fotografias que em estou com cotos (ou invólucros) de granadas de canhão sem recuo, é algo que conto em breve. Talvez coloque um título: "Nino e os seus canhões" ou "Uma rajada de canhões -a primeira de várias"... São os episódios da nossa guerra. Só que mais histórias surgirão ainda antes desses bombardeamentos...

O camarada Quaresma é esse aí que aparece ao meu lado: eu estou a dedilhar a viola e ele parece que canta o fado... Se repararem ele usa um colar ao pescoço. Isso era mesinha, que era pressuposto protegê-lo daquilo que lhe veio a acontecer... E lá cai a crença de rastos: negam-se os amuletos pela sua funcionalidade. Ironia das ironias, o fado (ou o destino) diz que contra a morte, afinal, não há nada a fazer...

Os negros da Guiné crêem muito nas mesinhas, como vocês sabem... Um dia em Bissau fui ver um jogo de futebol: era o Benfica contra os Balantas... Não é que a bola batia na trave, chegava à linha de golo e não entrava!... Enfim, aqueles casos de se gritar golo e a bola nunca entrar!... Foi lindo: de seguida começou tamanha cena de porrada, que só só visto... Tudo por que o guarda redes tinha mesinha num canto da baliza.

São os intervalos da guerra.

David J. Guimarães

2.O nosso amigo e camarada Guimarães é uma caixinha de surpresas. Aqui o vemos, à direita, tocando viola, quando há 3 anos esteve na Índia (Panjim, Goa, Damão) com um grupo de fados de Coimbra.

© David J. Guimarães (2005)

Diz ele: "Dediquei-me sempre a isto após a guerra e sou convidado por eles para tocar aqui ou ali. Nesta caso foi a Fundação Oriente.

"O poeta, o Camões, tinha aquela frase famosa Numa mão a espada e noutra a pena... Na Guiné, eu bem poderia dizer, a respeito de mim próprio: Numa mão a G3 e noutra a viola... É que também no Xitole era eu quem dava uma certa alegria àquela gente com a minha viola - não esta, que vocês vêem na foto, em Panjim, mas uma que comprei na Rua do Carmo, em Lisboa, para fazer a comissão. No fim vendi-a por 80 escudos... Engraçado!... É essa mesma que vocês podem ver na foto com o Quaresma".

Guiné 63/74 - P111: Bibliografia de uma guerra (5): "Uma campanha na Guiné, 1965/67", de Manuel Domingues (ex-alf mil op esp, cmdt pel rec inf, CCS/BCAÇ 1856, Nova Lamego, 1965/67)... Noat de leitura de A. Marques Lopes

Texto de A. Marques Lopes (ex-alferes miliciano da CART 1690, Geba, 1967, e da CCAÇ 3, Barro, 1968, e actulamente corononel, DFA, na situação de reforma).

1. Caros amigos:

Estou de regresso das minhas férias e tenho visto no blogue a excelente iniciativa do Jorge Santos em divulgar a bibliografia da guerra. Achei, por isso, que podia dar um contributo com mais uma achega para esta bibliografia: "Uma campanha na Guiné, 1965/67: hiatória de uma guerra", de Manuel Domingues.

Trata-se de uma edição do autor. Conheci-o quando ele teve a amabilidade de oferecer um exemplar da obra à biblioteca da Delegação do Norte da Associação 25 de Abril e nos enviou alguns exemplares para vendermos, com uma boa percentagem para os nossos fundos (sempre tão no fundo que mal se vêem...).

Como ele próprio diz na "Apresentação", faz um historial do BCAÇ 1856, que esteve no Leste, Sector L3:

(i) o Comando e CCS sedeados em Nova Lamego [Gabu];

(ii) as companhias operacionais em Madina do Boé (CCAÇ 1416, com um destacamento em Béli)), em Bajocunda (CCAÇ 1417, com um destacamento em Copá) e em Buruntuma (CCAÇ 1418, com um destacamento em Ponte Caiúm).

Mas o que acho mais interessante é que ele dá, neste livro, voz a vários combatentes:

- "Diário de um combatente", por um desconhecido, que mostra ser poeta, da CCAÇ 1417;

- "Afinal o que é Madina do Boé?", por Jorge Monteiro, Cap Mil da CCAÇ 1416;

- "Agruras de um sapador", por João Silvestre Carvalho, Fur Mil sapador da CCS;

- "Retalhos de uma campanha", por António Sousa Madureira, Fur Mil da CCAÇ 1416;

- "Aconteceu em Madina do Boé", por José Miranda Alves, 1º Cabo da CCAÇ 1416;

- "Recordações", por António Manuel Santos Reis, radiomontador da CCS;

- "Aspectos caricatos de uma guerra", por António Araújo, da CCAÇ 1416;

- "Coisas que o capelão passou na Guiné", por Mota Tavares, capelão do BCAÇ 1856 (mais um a quem disseram: "Senhor capelão, o senhor sabe por que está aqui? Veja lá como me fala" - diz ele que "fiquei a saber que a PIDE e a minha história de revolta cristã tinham chegado ao Batalhão primeiro que eu");

- "Uma amizade que o tempo não apagou", por Fernando Pereira, Fur Mil da CCAÇ 1417 (o menino Óscar Baldé, que foi quando crescido lutador pela liberdade e que, alcançada esta, se licenciou e foi Director-Geral das Pescas da Guiné-Bissau);

- "Epílogo: valeu a pena?", pelo próprio Manuel Domingues, que voltou à Guiné em 1981, que sentiu a dor e o desencanto por aquele povo não estar agora como todos desejávamos, melhor e mais feliz.

Só por estes testemunhos directos e pessoais vale a pena ler.


2. Apresentação da obra pelo próprio autor (incluída na edição):

«A ideia deste trabalho surgiu perante a constatação de que, passadas três décadas e meia sobre o fim da comissão do BCAÇ 1856, os encontros de confraternização, que tiveram origem num despretensioso almoço levado a efeito em Luanda em 1972, onde o acaso nos juntou a meia dúzia de elementos da mesma Unidade, continuam a reunir cerca de duas centenas de pessoas, incluindo filhos e netos dos antigos Combatentes.

"Todos os anos muitos destes elementos fazem centenas de quilómetros para se encontrarem com antigos camaradas e recordar tempos idos. Este Encontro Geral é ainda completado por outros a nível de companhia ou de região, num exemplo notável de manutenção de laços adquiridos na flor da idade e que nenhum obstáculo tem conseguido quebrar.

"Nesses encontros, ao ouvir relatos e histórias, apercebemo-nos dos efeitos da erosão que o tempo decorrido provocou, tornando confusos e imprecisos os limites do contexto em que tiveram lugar.

"Assim entendemos que seria útil sistematizar aspectos desta experiência colectiva, referindo os factos principais ocorridos durante a existência do BCAÇ 1856, e sobretudo os acontecimentos que rodearam a Comissão de Serviço na Guiné Portuguesa, mediante uma inventariação rigorosa dos mesmos.

"No entanto, e porque que cada um viveu os acontecimentos de forma diferente, era importante que antigos componentes da nossa Unidade descrevessem as suas memórias face à vivência dessa situação de guerra e aos valores que os guiavam como jovens da década de sessenta, traçando desta forma um quadro das emoções e sentir humanos que uma simples cronologia dos factos não podia conseguir. Só com estes dois aspectos complementares se poderá reconstituir e interpretar o ambiente geral e o contexto em que decorreu aquele período tão marcante das nossas vidas.

"Os objectivos são simples e claros:

"1°- Facilitar o enquadramento das nossas memórias pessoais no trabalho colectivo desenvolvido pela Unidade de que fizemos parte, podendo explicar aos mais novos em que consistiu o esforço anónimo, e por vezes mal compreendido, de muitos da nossa geração para um período importante da história de Portugal;

"2°- Ressalvar a nossa própria vivência porque nem sempre nos identificamos com a generalização de factos reais ou imaginários contados por outros;

"3°- Recordar aqueles 12 companheiros que na flor da juventude pagaram com a vida o cumprimento da sua Missão na Guiné e mostrar a nossa solidariedade com os que foram marcados por traumas que os acompanharão durante a sua existência.

"Embora não seja nossa intenção analisar aqui as causas da guerra em que esta Campanha se inseriu, não podemos deixar de constatar que neste conflito a explicação assenta na clássica trilogia: cegueira, ou falta de visão estratégica, surdez ou insensibilidade à voz da razão e do bom senso, e mudez ou ausência de diálogo, como instrumento de resolução de divergências. Num ambiente de impreparação geral para o tipo de guerra em causa, emergia a única palavra de ordem possível: AGUENTAR.

"A nível da superstrutura político-militar era notória a falta de visão estratégica dos decisores acabando por arrastar a guerra durante treze longos anos e que culminou com a descolonização exemplar. Neste contexto a interrogação dos militares do BCAÇ 1856 no final da Comissão de Serviço, sobre a utilidade do seu esforço, fazia todo o sentido.

"Os protagonistas relatam dificuldades sentidas desde o início, não só devido à sua impreparação e desconhecimento da realidade, mas também à de muitos dos intervenientes no processo da guerra, e às falhas do sistema nos aspectos de programação, logística, meios disponibilizados e sensibilidade às condições existentes no terreno operacional. São referidos ainda conflitos que algumas hierarquias tentavam camuflar ou resolver através do RDM [Regulamento de Disciplina Militar].

"Igualmente somos levados a concluir que na fase pós-libertaçao tudo se resume na mesma trilogia. O processo de aprendizagem do uso da independência não tem sido fácil nem pacífico, quer nas antigas possessões portuguesas, quer na generalidade dos territórios descolonizados.

"A falta de preparação de elites e as interferências externas são duas das principais causas das dificuldades que afectam os novos países. No caso da Guiné as lutas internas e a ambição desmesurada dos dirigentes tem desbaratado o enorme potencial oferecido pela comunidade internacional, colocando as populações numa situação de extrema penúria e o País entre os dez mais pobres do Mundo. A inexistência de um sentimento geral de nação entre os vários grupos étnicos nunca foi resolvido pelo PAIGC, que tentou cativar os habitantes da Guiné para o conceito aglutinador de libertação .

"Obtida esta, os antigos combatentes instalam-se no poder e progressivamente vão-se afastando dos restantes grupos, que constituem a maioria da população.

"O regime torna-se autoritário, senão ditatorial, de partido único. Os benefícios da libertação só chegam a alguns, enquanto a grande maioria contínua a viver na mais extrema pobreza. A corrupção e o despotismo generalizaram-se. Foi esta realidade que pudemos constatar, que nos levou a referir o caso de alguém que, não pertencendo aos que utilizaram armas contra o colonizador, tem uma visão diferente da seguida pelos antigos guerrilheiros.

"O trabalho que a seguir se apresenta, não pode ser encarado como uma obra acabada, mas antes como um estímulo para que mais se decidam a compartilhar as suas memórias e vivências. A linguagem e os critérios de análise utilizados na descrição da Campanha basearam-se em parâmetros vigentes na época em que ocorreram e foram vividos, recusando-se qualquer avaliação fora desse contexto que ditou o comportamento dos mais de 670 combatentes que integraram o BCAÇ 1856. Não pretendemos justificar o que fizemos mas apenas relatar os factos e a forma como os vivemos. Temos direito à nossa memória, que não deve ser apropriada por ninguém.

"Assim, e em resumo, estruturamos o trabalho da seguinte forma:

"- Na 1ª Parte, da nossa inteira responsabilidade, enumeram-se, por ordem cronológica, e com o maior rigor possível, os factos mais importantes da existência do Batalhão, desde a sua constituição em 16 de Janeiro de 1965, até ao desembarque no cais de Alcântara, em Lisboa, em 21 de Abril de 1967, bem como dados informativos relativamente à Guiné, no período em que decorreu a Comissão de Serviço do BCAÇ 1856. Em cada fase importante do BCAÇ 1856 tentamos analisar alguns dos factores e condicionalismos que enquadraram a actividade operacional e comportamental dos elementos que o integraram.

"- Na 2ª Parte, os intervenientes na guerra evocam factos e emoções então vividos e que o decorrer do tempo não apagou. Inclui histórias relacionadas com o ambiente de guerra e memórias desde factos do dia a dia do combatente até pequenos incidentes que o tempo parece ter reduzido à insignificância ou tornado caricatos, mas que na altura apareciam como importantes a quem os viveu.

"Mantivemos, no essencial, a forma como cada um entendeu descrevê-los, pelo que a verdade pode coexistir com o imaginário e o rigor pode atenuar-se com o passar das décadas. No entanto, e também por isso, aquilo que é relembrado foi o mais importante para cada um.»

3. O autor, Manuel Domingues:

(i) nasceu em Castro Laboreiro, em 1941;

(ii) frequentou o Liceu da Póvoa de Varzim e o de Braga;

(iii) fez os estudos universitários e um curso de pós-graduação em gestão financeira na Universidade Técnica de Lisboa;

(iv)  como bolseiro do Governo Francês realizou uma pós-graduação em Desenvolvimento Económico, em Paris;

(v) dirigiu um Centro de Formação Internacional da UNESCO.

(vi) Incorporado no serviço militar, frequentou o Curso de Rangers e integrou o BCAÇ 1856;

(vii) foi destacado para a Guiné, de 31/07/1965 até 15/04/1967;

(viii) como Alferes Mil foi Cmdt do Pel Rec e Informação e desempenhou as funções de oficial de Informações e, durante alguns meses, a de Oficial de Operações com louvor pelo seu desempenh

(ix) passa à disponibilidade em Maio de 1967 e integra a direcção de um grupo económico multinacional, realizando vários estudos e missões em diversos Países da CEE e no Ultramar Português;

(x) ingressou no Grupo CUF, onde foi consultor especializado em Planeamento a Longo Prazo, Gestão por Objectivos e Organização e Gestão de Empresas, tendo dirigido a reorganização e modernização de grandes empresas e serviços públicos;

(xi) coordenou o suplemento económico do jornal A Capital, as publicações da Associação Comercial de Lisboa - Câmara de Comércio e outras de carácter económico;

(xii) desempenhou vários cargos de Direcção Geral. Foi director do Desenvolvimento Organizacional de grandes empresas e Secretário Geral do Ministério da Agricultura durante 8 anos e da TAP durante 3 anos;

(xiii) conselheiro da Comissão Empresas Administração até à sua extinção em 1995 e expert independente da OCDE;

(xiv) foi Relator do 1° Congresso de Modernização Administrativa, docente universitário e Consultor de Formação durante cerca de 20 anos;

(xv) possui ainda o Curso de Auditor da Defesa Nacional;

(xvi) publicou vários livros e artigos sobre assuntos ligados ao Planeamento e Gestão Estratégica das organizações;

(xvii) está reformado.

domingo, 17 de julho de 2005

Guiné 63/74 - P110: Bibliografia de uma guerra (4)

1. O Jorge Santos, autor de uma excelente página sobre a guerra colonial e nosso companheiro de tertúlia (embora tenha sido combatente noutra frente, em Moçambique) continua a alimentar a bibliografia sobre a guerra colonial na Guiné, com destaque para as obras de ficção. Hoje aqui vão mais três referências, duas de ficção e uma de natureza mais jornalística.

© Padre Mário (2005) TÍTULO: Mas à África, Senhores, Por Que Lhe Dais Tantas Dores...
AUTOR: Padre Mário de Oliveira
EDITORA: Campo das Letras(Porto)
ANO: 1997

Nota sobre o autor: Em Novembro de 1967 desembarca na Guiné, como alferes capelão do Exército, integrado no Batalhão 1912, na região de Mansoa. Em Março de 1968 é expulso de capelão militar, por ter ousado pregar, nas missas, o direito dos povos colonizados à autonomia e independência. É rotulado pelo bispo castrense de então como "padre irrecuperável".

RESUMO: "27 anos depois de ter sido expulso de capelão militar da guerra colonial, o autor voltou à Guiné-Bissau, e foi terrível o choque que sofreu. Ao todo são oito crónicas. De dor e de cólera. Também de esperança. Valem como um grito. Que ninguém pode deixar de ouvir-acolher-divulgar. Foram escritas, durante uma semana, na Guiné-Bissau. Mas remetem-nos para todo o continente africano. Um continente tragicamente crucificado. Que urge descrucificar.

"Primeiro, foram os muitos anos de escravatura, de colonialismo e de guerra colonial. Um crime sem nome, que o Ocidente cometeu. Impunemente. Agora, é o abandono. E o silêncio. Como se todos aqueles povos já não existissem. E como se a dramática situação em que presentemente se encontram não tivesse nada a ver connosco. Aceita uma sugestão? Deixe-se peregrinar por estas páginas. Comungue da vigorosa emoção que por elas perpassa.

"Experimentará, no final, uma incontida vontade de nascer de novo e de passar a ser para sempre uma mulher/um homem universalmente fraterno e solidário. Também uma alegria sem fim" (Apresentação do editor).


TÍTULO: Relação de Bordo (1964-1988)
AUTOR: Cristóvão de Aguiar
EDITORA: Campo das Letras (Porto)
ANO: 1999

Nota sobre o autor: Foi Alferes Miliciano na Guiné (Contuboel e Dunane), entre Abril de 1965 e Janeiro de 1967.

RESUMO: Esta obra foi Grande Prémio Literatura Biográfica – APE/Câmara Municipal do Porto. É um testemunho de muitos tempos e muitos lugares: o tempo e o lugar da Coimbra dos anos 60, o regresso episódico às origens açoreanas do autor, a passagem pelos lugares da emigração americana, a guerra colonial, os entusiasmos da revolução de 74.

Encontrando-se na Guerra Colonial contra sua vontade, comparava as zonas onde esteve a uma morte lenta. Foi informado de que o Comando emitiu uma ordem de ensinarem localmente e com grande rapidez os três primeiros anos da escola primária aos soldados portugueses, sob pena de não serem desmobilizados. Falsifica então o exame a dez soldados.

O autor publicou já a Relação de Bordo II (1989-1992), na mesma editora,em 2000.

No Jornal de Letras, de 8 de Setembro de 1999, o crítico literário Carlos Reis saudou de forma expressiva o primeiro volume de Relação de Bordo, de Cristovão de Aguiar, dizendo que se tratava de "outro passo importante na obra de um escritor porventura ainda insuficientemente valorizado, mas a quem devemos já uma obra ficcional coerente, tecnicamente elaborada e bem representativa de tendências da ficção portuguesa contemporânea".

TÍTULO: O Paparratos: Novas Crónicas da Guiné 1969-1971
AUTOR: José Pardete Ferreira
EDITORA: Prefácio
ANO: 2004

Nota sobre o autor: Fez a comissão na Guiné, tendo recebido a Medalha Militar do Ultramar com a menção Guiné 1969/70. Foi igualmente o autor do discurso proferido na Cerimónia Comemorativa do Dia do Combatente, organizada pelo Núcleo de Setúbal da Liga dos Combatentes (9/4/1998).

RESUMO: "O Paparratos é um confessado momento de divertimento. É bom sentir o prazer da memória na escrita de Pardete Ferreira. As situações caricatas e cómicas são saborosos pitéus oferecidos ao leitor.

"Mas o livro é muito mais do que o prazer da memória. Escrevendo um romance histórico sobre as revoltas estudantis dos anos sessenta e sobre a Guerra Colonial, Pardete Ferreira esquematiza o que foram os destinos marcados a toda uma juventude portuguesa: o pequeno número dos privilegiados com condições de acesso ao ensino e o grosso da coluna que de todos os cantos e recantos foram trazidos a Alcântara para irem fazer as guerras de África sob a chefia dos primeiros, melhor dito, daqueles dos primeiros que não escaparam ao imenso rol dos milicianos". (Resendes Ventura, in Prefácio)

Guiné 63/74 - P109: Antologia (7): Os bravos de Madina do Boé (CCAÇ 1790)

Apresentação do livro de Gustavo Pimenta, sairómeM - Guerra Colonial (Palimage Editores, 1999), no Porto, Cooperativa Árvore, em 10 de Dezembro de 1999. Autor do texto: José Manuel Saraiva, jornalista do Expresso.

Devo dizer, em primeiro lugar, que estou muito sensibilizado pelo convite de Gustavo Pimenta [n. 1944, em Ponta de Lima] para fazer a apresentação do seu primeiro livro. Suponho, aliás, que o convite tem sobretudo a ver, para além da sólida amizade que nos liga, com o facto de o autor saber do meu interesse pelo tema que trata o livro – a guerra colonial – e da minha relação com o período mais penoso da geração a que ambos pertencemos.

No final dos anos 60, na Guiné, eu e ele cruzámo-nos sem nos cruzarmos, percorremos trilhos da mesma aventura, navegámos os mesmos rios, pisámos a mesma terra, vivemos os mesmos perigos, suportámos os mesmos sacrifícios, socorremos os nossos feridos, chorámos os nossos mortos, colhemos experiências comuns, e chegámos até a frequentar os mesmos quartéis. Quando – já não sei em que data – a companhia de Gustavo Pimenta esteve em trânsito pela sede do meu batalhão, embora por muito pouco tempo, certamente chegámos a estar tão próximos um do outro quanto estamos agora aqui, nesta sala, a celebrar um acontecimento extremamente importante: a celebração de um novo livro. Quer-se dizer: a celebração do seu primeiro livro. Mas ainda que tenhamos estado na mesma unidade, nunca porém nos encontrámos.

Só mais tarde, devido a uma circunstância feliz, viemos a conhecer-nos em Lisboa, para – já então reconciliados com o nosso passado de guerreiros transitórios – voltarmos à Guiné como homens livres, na companhia de um amigo comum, o tenente-coronel José Aparício, seu antigo comandante. Foi nessa viagem de trabalho e depois dela que nasceu e se desenvolveu a nossa amizade. Uma amizade que ficou para a vida inteira.

Para a maioria dos presentes, senão mesmo para todos, Gustavo Pimenta dispensaria apresentações. Mas, se me permitem, gostaria ainda assim de fazer algumas considerações acerca do autor de sairòmeM. Além de amigo exemplar, Gustavo Pimenta é também um homem de fino trato na relação com os outros, senhor de uma extraordinária verticalidade no confronto com a vida e o mundo que o rodeia.

Durante quase vinte anos fui, na qualidade de jornalista, regularmente à Assembleia da República. E posso dizer, sem qualquer favor prestado, que Gustavo Pimenta foi um dos deputados [pelo Partido Socialista, na mais discretos que algum dia conheci nas sucessivas legislaturas que acompanhei. E ser-se discreto não significa, neste caso, ao contrário de muitos outros, infelizmente, um menor empenhamento nos trabalhos do plenário ou nas comissões parlamentares. Esteve sempre onde devia estar, com o mesmo espírito de missão e sentido de dever com que no passado lutou por uma causa em que ele próprio não acreditava.

No seu livro, o autor escreve, a propósito. Passo a citar: "Mais do que não sentirmos nosso o que defendíamos, o dilema estava em não sabermos, não entendermos, o que estávamos a defender. Aquela terra, aquelas gentes, por mais hospitaleiras que se nos oferecessem, nada nos diziam. Não éramos dali. Fôramos parar à Guiné como, na roleta das mobilizações, poderíamos ter ido parar a qualquer outra colónia. Coubera-nos em rifa o cu do mundo, dizíamos. Porque o cu do mundo, se existe, é sempre o sítio da nossa perplexa angústia".

(...) Além da atitude simples e discreta deste homem perante a vida, dos sentimentos de solidariedade que o habitam, das qualidades humanas a que já fiz referência, e só não me alonguei por respeito à modéstia que o caracteriza, Gustavo Pimenta é também um herói. E não sou eu a dizê-lo.

Há cerca de três anos, a SIC passou um documentário sobre a guerra colonial. Nesse documentário, que relata um dos episódios mais tristes e violentos da guerra em África, participaram, entre outros antigos combatentes, Gustavo Pimenta, o tenente-coronel José Aparício, seu antigo comandante, e vários oficiais dos exércitos português e guineense.

O filme conta a história da operação militar da retirada da Companhia 1790 do aquartelamento de Madina do Boé, durante a qual morreram 46 militares, 15 dos quais pertencentes ao pelotão comandado pelo ex-alferes miliciano Gustavo Pimenta. A tragédia, de incomensuráveis proporções, ocorreu quando a jangada que ligava as duas margens do rio Corubal, para o transporte dos homens e das viaturas, se virou inexplicavelmente. Muitos salvaram-se, muitos morreram. Vinham de Madina – essa região vasta e despovoada no leste do território, junto à fronteira com a República da Guiné-Conacri – onde a companhia de caçadores, de que fazia parte Gustavo Pimenta, estivera estacionada durante treze meses. E em treze meses, não contando com o número de ataques da forças do PAIGC de duração inferior a dez minutos, que em muitos casos só serviam para causar desestabilização e afectar psicologicamente os militares, o quartel foi bombardeado por 243 vezes.

Sobre a vida tormentosa dos homens que pertenceram à Companhia de Caçadores 1790, desses soldados anónimos que viveram no confronto permanente com a morte, pronunciaram-se no documentário que atrás citei quatro antigos combatentes: dois oficiais portugueses e outros dois guineenses.

Num depoimento emocionado, o brigadeiro Hélio Felgas, que era o comandante da operação e comandante do sector, diz o seguinte: "Quando o general Spínola deixou o helicóptero e foi ter comigo, eu estava a chorar. Porque realmente pareceu-me injusto que homens que tanto tinham sofrido, que militarmente haviam sido uns heróis, acabassem por morrer afogados".

Também o general Almeida Bruno se refere aos militares da Companhia 1790 em termos que não deixam margem para dúvidas. Passo a citá-lo: "Quero aqui prestar uma homenagem – a minha homenagem pessoal, como comandante que fui – a todos os militares, oficiais sargentos e praças, que viveram e combateram em Madina, que, com uma coragem notável, resistiram não só ao adversário, ao inimigo, como às condições adversas em que viveram. E julgo que um dia a história vai fazer dos militares que viveram em Madina o exemplo típico do soldado português, que é verdadeiramente de excepção".

Sobre a capacidade de resistência e heroísmo dos militares que, como Gustavo Pimenta, viveram e combateram em Madina do Boé, Ierro Camará, antigo guerrilheiro e actual tenente-coronel do exército guineense afirma também. E cito-o: "Todos aqueles que combateram em Madina do Boé, tanto da parte portuguesa como da parte do PAIGC, podem ser considerados heróis. São heróis mesmo!".

Ainda no mesmo documentário, o coronel Aliú Camará, ex-comandante da unidade de artilharia que regularmente bombardeava o quartel, falando por si e pelos seus antigos camaradas, diz. Passo a citar: "Nós rendemos homenagem aos ocupantes de Madina, porque era muito difícil viver naquelas circunstâncias. Sempre à espera dos bombardeamentos, em horas alternadas, às vezes à meia-noite, às vezes ao meio-dia, às vezes no período da tarde, tantas vezes que ninguém pode imaginar aquele sacrifício".

(...) No seu livro, Gustavo Pimenta lembra o episódio mas, como noutros que relata, fá-lo com a serenidade e o distanciamento de quem acha haver cumprido uma simples missão, sem aclarar, no entanto, que essa e outras tarefas exigiram dele e dos restantes camaradas sacrifícios impensáveis. É do autor s seguinte frase. Cito-o: "Em cima da jangada vinham dezenas de homens que, durante cerca de treze meses se haviam habituado a mergulhar para a vala mais próxima ou a correr para o abrigo mais à mão, sempre que o som cavo das granadas à saída da boca dos morteiros ou dos canhões sem recuo anunciavam mais um ataque com armas pesadas".

O livro de Gustavo Pimenta não é um romance. É um livro de memórias. Um livro que exclui a existência de heróis – ainda que o tenham sido todos quantos viveram e combateram em Madina do Boé –, um livro que reflecte sobre a existência do sacrifício na sua expressão mais brutal e nos ajuda a reflectir, à distância de 30 anos, acerca da dimensão de uma das maiores tragédias do nosso tempo, à escala nacional. Gustavo Pimenta escreve sobre o império do delírio da guerra com um sentimento que nos emociona. Está ali uma parte da sua vida, a partida e o regresso a casa; o relato dos anos perdidos da juventude num país longe, a mais de quatro mil quilómetros de sua casa. É dele a seguinte frase. Passo a citar: "Não desejávamos a morte, nossa ou deles, mas ninguém abdica do direito à valentia. Cada combate era sempre uma questão pessoal onde não se prescindia do melhor desempenho. É por isso que os portugueses serão sempre bons soldados".

Sinceramente, nunca li, nas dezenas de livros até hoje publicados em Portugal sobre a guerra colonial, todos ou quase todos ficcionados, uma reflexão desta natureza. Gustavo Pimenta odiava a guerra, combatia contra a sua própria guerra, não queria morrer nem desejava a morte dos outros, dos que lutavam do lado de lá, mas ainda assim não deixa de reconhecer que nem ele nem ninguém abdicaria do direito à vitória de um combate – nem que para isso fosse preciso pôr em causa a própria vida.
Escrever isto, no registo em que o faz, constitui uma atitude de coragem digna de louvor. Li o primeiro esboço do sairòmeM em Julho passado, quando Gustavo Pimenta me consentiu esse privilégio. É um livro comovente, escrito num registo elegante e poético. E só um homem como Gustavo Pimenta, despretensioso, simples, naturalmente simples, poderia escrever um livro destes.

Não sou crítico literário e por isso não me atreverei a tecer quaisquer considerações técnicas à boa maneira dos críticos literários. No entanto, como leitor atento, permitam-me que aconselhe a leitura desta obra, não apenas às pessoas particularmente sensíveis ao tema, mas a todas em geral. Porque além das emoções que se revelam em cada página, há também a beleza da linguagem que nos prende e nos seduz. Felicitemos pois o autor e marquemos desde já com ele um novo encontro para a apresentação do seu segundo título.

José Manuel Saraiva

Fonte: Extractos de Palimage Editores - A Imagem e A Palavra