sábado, 4 de fevereiro de 2006

Guiné 63/74 - P481: Os dias felizes na ponte do Rio Undunduma (CCAÇ 12) (Luís Graça)


Guiné > Rio Undunduma > 1970 > A estrada Xime (à direita) - Bambadina (à esquerda), com a respectiva ponte. Vísivel também o troço da nova estrada que estava em construção, a cargo da empresa Tecnil, e que implicou a construção de uma nova ponte. © Humberto Reis(2006)


Guiné-Bissau > Região de Bafatá > Estrada Xime - Bambadinca > 1997 : Ponte (velha) do Rio Undunduma. Em 1969/71, no tempo da CCAÇ 12, a segurança desta ponte, construída em 1952, era de importância estratégica para toda a região leste. Ficava a 4 km de Bambadinca e a 7 do Xime. No ataque em força, a Bambadinca, em 31 de Maio de 1969, os guerrilheiros do PAIGC tentara dinamitá-la. Embora parcialmente destruída (era de bom cimento armado...), continuou operacional. Já sabemos que a partir daí passou a ser defendida permanentemente por uma força a nível de pelotão, a cargo das unidades do BCAÇ 2852.

A partir de 16 de Dezembro de 1969 a segurança permanente passou a ser feita pelos Gr Comb da CCAÇ 12 e pelo PEL CAÇ NAT 53 (Bambadinca). Havia apenas abrigos individuais, extremamente precários: bidões de areia com cobertura de chapa de zinco, e valas comunicando entre os abrigos individuais.

© Humberto Reis (2005) (com a colaboração do Braima Samá, professor em Bambadinca)

Comentava há dias o Jorge Cabral, com uma ponta de fina ironia, que nós - aqui no blogue - somos demasiado sérios e que escrevemos como se a guerra (da Guiné) ainda não tivesse acabado para nós. Os nossos relatos são dramáticos. As nossas memórias estão carregadas da tensão dos dias, do cansaço dos meses e do silêncio dos anos.

Guiné > Rio Undunduma > Destacamento da CCAÇ 12, 2º Grupo de Combate > 1970 > O Humberto, à ré, mais um soldado de transmissões, à proa, treinando as suas perícias na difícil modalidade da canoagem local... "Era o António Dias Santos, de alcunha, não sei porquê, O Bacalhau. Quando estava em Bambadinca normalmente andava pela tabanca ao cheiro das bajudas e quase sempre com uma varinha na mão a imitar um pingalim. Há uns anos, quando organizei um dos primeiros almoços da rapaziada, procurei na lista telefónica o nome dele na zona da Régua, pois sabia que ele tinha sido funcionário da CP e que morava ali. Descobri-o, mas quando falei com a senhora é que fiquei a saber que ela já era viúva do Bacalhau" (HR)
© Humberto Reis (2006)

Se calhar o Jorge tem razão. Pelo menos, alguma razão. Os nossos sentimentos são contraditórios. Alguns de nós conseguem ter (ou mostrar) uma visão mais diurna e positiva da Guiné do tempo da guerra. São capazes de se encantar com as imagens e as recordações da Guiné. Alguns conseguiram até lá voltar e fazer as pazes com os jagudis ou os sinistros fantasmas que os perseguiam. O Humberto, o Marques, o Guimarães, o Albano, o Teixeira, o Allen, o Camilo, o algarvio, voltaram lá (O Camilo, que ainda não pertence à nossa tertúlia, prepara-se, em Fevereiro de 2006, para voltar à Guiné-Bissau, com um novo grupo de camaradas e os jipes carregados de material escolar)... . O Paulo vive lá, como cooperante.
Outros ainda querem lá voltar ou andam a arranjar coragem para fazer a viagem de retorno, divididos entre uma certa imagem mítica do passado e o medo (traumático) do desencanto e do pesadelo dos dias de hoje.

Guiné > Rio Undunduma > Destacamento da CCAÇ 12, 2º Grupo de Combate > 1970 > Passados mais de meio ano, ainda eram visíveis os sinais da tentativa de destruição da ponte... © Humberto Reis (2006)

Enfim, outros continuarão a ter uma visão mais nocturna e negativa dos acontecimentos que os marcaram: as emboscadas, as minas, os ataques e as flagelações, a morte, a dor, o sofrimento, a solidão, a angústia, o absurdo da guerra que fomos obrigados a fazer...

Guiné > Rio Undunduma > Destacamento da CCAÇ 12, 2º Grupo de Combate > 1970 > O Tony (Levezinho) e o Humberto sentados na manjedoura... Era ali, protegidos da canícula, que tomavámos em conjunto as nossas refeições, escrevíamos as nossas cartas e aerogramas, jogávamos à lerpa, bebíamos um copo, matávamos o tédio... © Humberto Reis (2006)

Guiné > Ponte sobre o Rio Undunduma > Saltos para a água... Soldados africanos da CCAÇ 12. Uma cena idílica... © Humberto Reis(2006)

Já deixámos, porém, aqui provas do nosso bom humor, já aqui contámos estórias, mais pícaras, mais divertidas ou mais banais, tentando dar cor, cheiro e sabor àqueles 700 ou mais dias das nossas vidas que passámos na Guiné... O próprio Jorge deu o exemplo, deliciando-nos com as suas pequenas estórias que eu chamei cabralianas... O Jorge sempre teve uma maneira muito própria, desalinhada, talvez até marginal, de ser e de estar na tropa e, por extensõa, na guerra... O nosso convívio era esporádico mas foi o suficiente para eu o sinalizar como uma das figuras impagáveis que passaram por Bambadinca... Felizmente, que está de regresso e que podemos relembrar, em conjunto, velhas estórias...

Guiné > Ponte do Rio Undunduma > 1970 > Pesca à linha, banho à fula, um dia descontraído ... © Humberto Reis(2006)

Tens razão, Jorge. Nem todos os dias eram sofridos, dramáticos, tensos, esgotantes... Nem todos os dias eram de vida ou de morte... Também houve dias ou tardes ou manhãs, calmos, poéticos, bem dispostos e até felizes. Por exemplo, os dias que passávamos no destacamento da Ponte do Rio Undunduma (e tu em Fá Mandinga). Eu, pessoalmente, não guardo nem boas nem más memórias dos dias em que era obrigado a lá ficar (2). À noite, aquilo era um pesadelo... Já o Humberto, a avaliar pelas suas fotos, soube tirar partido da situação: por exemplo, pescava, que era uma coisa que eu não sabia fazer...
_________

(1) Vd. post do Carlos Marques dos Santos, de 4 de Janeiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDXIX: Os Solitários da CART 2339 na Ponte do Rio Undunduma e em Fá

"Em 28 de Maio de 1969 ouvimos rebentamentos para aqueles lados e pensámos ser na tabanca Moricanhe. Afinal, para nosso espanto, era mesmo em Bambadinca, sede do Batalhão.

"Dia 29, pela 05.30 da manhã, seguimos para reforço da sede de Batalhão. 15 dias. Salvo erro com o Pel Caç Nat 63 estivemos em tendas (panos de tenda com botões), em vigília constante, àquela que era uma passagem importante [,a ponte sobre o Rio Undunduma, na estrada Xime-Bambadinca]" (...).

Guiné > Rio Undunduma > Destacamento da CCAÇ 12, 2º Grupo de Combate > 1970 > Da esquerda para a direita: O soldado Arménio e os Furriéis Milicianos Humberto Reis e Tony Levezinho... © Humberto Reis (2006).

(2) Vd post de Luís Graça, de 3 de Janeiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDXVI: Herr Spínola na ponte do Rio Undunduma

"Ponte do Rio Undunduma, 3 de Fevereiro de 1971: De visita aos trabalhos da estrada Bambadinca-Xime, esteve aqui de passagem, com uma matilha de cães grandes atrás, Sexa General António de Spínola, Governador-Geral e Comandante-Chefe (vulgo, o Homem Grande). Eu gosto mais de chamar-lhe Herr Spínola, tout court. De monóculo, luvas pretas e pingalim, dá-me sempre a impressão de ser um fantasma da II Guerra Mundial, um sobrevivente da Wermacht nazi (...).Cumprimentou-me mecanicamente. Eu devia ter um aspecto miserável. Eu e os meus nharros, vivendo como bichos em valas protegidas por bidões de areia e chapa de zinco. O coronel (?) que vinha atrás do General chamou-me depois à parte e ordenou-me que, no regresso a Bambadinca, cortasse o cabelo e a barba"...

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2006

Guiné 63/74 - P480: Memórias de Guileje (1967/68) (Zé Neto) (5): Ecumenismo e festa do fanado

V parte das memórias do primeiro-sargento da CART 1613 (Guileje, 1967/68), o então 2º Sargento José Afonso da Silva Neto (hoje, capitão reformado) (1).

Uma das boas características do meu pessoal era a de que não gostavam de estar parados nos intervalos das operações. Cada um, nas suas profissões ou aptidões, ia bulindo e foi assim que se reconstruíram e melhoraram abrigos, se implantou uma horta que aproveitava a água, depois de decantada, dos chuveiros das praças e se construiu a obra mais emblemática que deixámos em Guileje: a Capela.

Guiné > Guileje > CART 1613 (1967/68) > Aqui também se rezava, num espírito de ecumenismo e de tolerância religiosa entre cristãos e muçulmanos. Foto da capelinha (cristã) erguida pelas NT . 
© José Neto (2006)

Por sugestão do capelão, Padre João Batista Alves de Magalhães, que apenas pediu um coberto para oficiar a missa quando ia a Guileje, pois dava a volta a toda a área da responsabilidade do batalhão, os Furriéis Maurício (Transmissões) e Arclides Mateus (Atirador), ambos com conhecimentos de desenho de construção civil, planearam e dirigiram a construção do pequeno templo.

Vinte ou trinta anos depois muito se falou em ecumenismo e outras ideias do mesmo sentido, mas nas profundezas da Guiné isso já se praticava.

Guiné > Guileje > CART 1613 (1967/68) > Interior da capela © José Neto (2006)

Na pequena festa de inauguração da Capela e a convite do Capitão Corvacho, o Régulo Suleimane compareceu com toda a sua família e vestido a rigor, embora fosse muçulmano.

As portas da Capela nunca se fecharam. Os europeus iam lá fazer as suas orações e nunca constou que alguém tivesse mexido fosse no que fosse.

Do mesmo modo, quando da celebração do fim do Ramadão, com rituais próprios, mas completamente desconhecidos para a quase totalidade dos rapazes, estes comportaram-se com respeito, a que não faltou uma ponta de curiosidade, é certo.

Guiné > Guileje > CART 1613 (1967/68) > Cerimónia do fim do Ramadão. Um grupo de militares observa com curiosidade mas com respeito. 
© José Neto (2006)

Saliento o facto ocorrido durante a festa do fanado em que as meninas foram preparadas para a, para nós bárbara, ablação de parte dos seus órgãos genitais (2).

Atraídos pela música, os militares metropolitanos acercaram-se do local onde decorria o ritual – as meninas postadas à volta do enorme almofariz enquanto as mulheres, com o pilão, moíam cereais cuja farinha se derramava sobre as cabeças das ainda crianças – e sem quaisquer constrangimentos dançaram e cantaram como se fossem parte da cerimónia.

Houve nesta festa uma excepção que me apraz referir: Eu fui o único fotógrafo autorizado a registar as cenas preliminares. Na palhota onde se procedeu à cirurgia nem pensar.

Guiné > Guileje > CART 1613 (1967/68) > Preparativos para a fsta do fanado. O nosso sargenti foi o fotógrafo oficial, mas a fanateca não o deixou entrar na sala da cirurgia... 
© José Neto (2006)

Tal deferência nada tinha a ver com o meu cargo ou posição na companhia, mas sim porque quando o correio me trazia os slides revelados, eu montava o cenário e mostrava à população as suas caras e os seus lugares que provocavam grandes ovações e expressões de alegria dos visados. Era o que chamavam de cenima do nosso sargenti.
______

Notas de L.G.

(1) Vd posts anteriores do Zé Neto, respeitantes às suas Memórias de Guileje:

23 de Janeiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDLXXIII: Memórias de Guileje (1967/68) (Zé Neto)(4): os azares dos sargentos

21 de Janeiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDLXVII: Memórias de Guileje (1967/68) (Zé Neto) (3): Dauda, o Viegas

13 de Janeiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDXLVII: Memórias de Guileje (1967/68) (Zé Neto) (2): Ordem de marcha

10 de Janeiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDXXXVII: Memórias de Guileje (1967/68) (Zé Neto) (1): Prelúdio(s)

(2) vd post de Luís Graça > 4 de Maio de 2005 > Guiné 69/71 - XII: O silêncio dos tugas face à MGF (Mutilação Genital Feminina)

Guiné 63/74 - P479: Salgueiro Maia e os seus bravos da CCAV 3420 (Guidage, Maio/Junho de 1973)

Guiné > Maio de 1973 > Op Ametista Real > Croquis do plano de operações. Fonte: José Afonso (2006)

Texto do José Afonso (ex-furriel miliciano da CCAV 3420) que me chegou através do Albano Costa (ex-militar da CCAÇ 4150, Guidaje, 1973/74):

«Foi através do blogue que um dia recebi um e-mail do ex-furriel José Afonso, da CCAV 3420, a tal de que era seu comandante Salgueiro Maia, e que um belo dia foi chamada para a zona do conflito que o PAIGC fez a Guidage, no norte da Guiné, em Maio de 73.

"O José Afonso, que é do Fundão, tem tudo registado e facultou-me e autorizou-me que fosse transcrita o que aconteceu naquele período em que foram chamados para irem em defesa do destacamento que na altura corria perigo de ocupação por parte do PAIGC. Ele esteve na altura da porrada em Guidage e enviou-me toda a história"...
_____________

Situação Militar no Zona de Guidage > Maio / Junho de 1973 > Intervenção da Companhia de Cavalaria 3420 > Zonas de Acção da Companhia: Binta / Guidage


Em Maio de 1973, Guidage e Guilege constituíram a prova mais dura a que as Forças Armadas Portuguesas foram sujeitas nos três Teatros de Operações (Angola, Moçambique e Guiné). Para aliviar a pressão sobre Guidage, preparou-se um ataque à base inimiga de Kumbamory, situada a 4 - 6 km da linha de fronteira do Senegal, tendo em vista desarticular o IN e, se possível, destruir a Base, provocando o maior numero possível de baixas.

No início de Maio de 1973 a Guarnição de Guidage era constituída pela CCAÇ 19 e pelo Pelotão de Artilharia 24, equipado com Obuses 10,5 e estava sob o Comando COP3 com sede em Bigene. Do lado Português, Guidage em termos de efectivos teria cerca de 200 homens, na maioria recrutados na Província que com os seus familiares viviam numa pequena aldeia junto ao Quartel. Do lado PAIGC estimava-se que o numero de elementos se situava entre os 650 e os 700 homens, comandados por Francisco Mendes (Chico Te) e pelo Comissário Político Manuel Santos.

As Forças do PAIGC tinham uma das suas bases em Kumbamory podendo fazer reabastecimentos por viatura a partir de Zinguichor, Yeran ou Kolda, permitindo assim manter o cerco a Guidage por largo período de tempo. O PAIGC mantinha na Zona as seguintes forças:

- Corpo de Exército com 4 Bigrupos de Infantaria e uma Bateria também de infantaria;
- Corpo de Exército com 5 Bigrupos de Infantaria e um grupo de Foguetes com 4 rampas de lançamento;
- 3 Bigrupos de Infantaria, um grupo de Reconhecimento e uma bateria de Artilharia deslocada da Zona Leste;
- Um Pelotão de Morteiros 120 mm;
- Um Grupo Especial de Sapadores.

O isolamento de Guidage iniciou-se com o abate de um avião T6, duas DO-27 e um Fiat G91 e o cerco terrestre acentuou-se em 8 de Maio quando uma coluna que partiu de Farim, escoltada por forças do Batalhão de CAÇ4512, accionou uma mina e foi emboscada sofrendo 12 feridos.

A 9 de Maio a mesma força foi de novo emboscada mantendo o contacto com IN por 4 horas. As NT sofreram 4 mortos, 8 feridos graves, 10 feridos ligeiros e 4 viaturas destruídas, tendo a coluna sido forçada a recuar para Binta em vez de seguir para Guidage. Das viaturas destruídas o IN retirou durante a noite algum material de guerra. Na manhã seguinte a nossa aviação destruiu o que restava destas 4 viaturas e material.

A 10 de Maio no deslocamento Binta / Guidage as unidades envolvidas, sob o comando do Comandante do Batalhão de Farim, sofrem 1 morto e 2 feridos e a picada encontrava-se cortada por abatises. Uma coluna que havia saído de Guidage (CCAÇ 19) para proteger o itinerário sofreu 5 emboscadas, de que resultaram 8 mortos e 9 feridos.

Nesta data com o agravamento da situação em Guidage, o PAIGC conseguiu isolar por alguns dias esta guarnição dado os campos de minas lançados, as emboscadas montadas e a impossibilidade dos nossos meios aéreos actuarem, devido ao dispositivo antiaéreo montado pelo inimigo com os Mísseis Strella. Devido à situação crítica o Comandante do COP3, Tenente Coronel Correia Campos, deslocou-se para Guidage onde se manteve até 11 de Junho.

A 12 de Maio chega a Guidage uma coluna de reabastecimento constituída pelo destacamento de Fuzileiros 3 e 4. A 15 de Maio no regresso dos Fuzileiros a Farim, as NT accionam 2 minas sofrendo 2 feridos graves e uma emboscada entre Binta e Guidage de que resultaram 5 feridos. Uma coluna que entretanto saiu de Binta conseguiu chegar a Guidage no mesmo dia.

A 16 de Maio o Comando Chefe informa Almeida Bruno (Comandante do Centro de Operações Especiais) da situação que se passa em Guidage. Almeida Bruno tinha sido o 1.º Comandante do Batalhão de Comandos Africanos entre Maio de 1968 e Julho de 1970. Este batalhão tinha como principal missão actuar fora do Território da Guiné. Assim, as suas actuações situavam-se em território da Guiné-Conacri e do Senegal, pelo que o seu armamento era o melhor armamento soviético capturado ao IN, Kalashinikov, Degtyarev, e RPG2 e RPG7.

A operação mais significativa dos comandos Africanos foi a Operação Ametista Real (1) e foi comandada pelo Chefe de Operações Especiais, Major Almeida Bruno. A 18 de Maio o BataIhão de Comandos saiu de Bissau numa LDG (Lancha de Desembarque Grande com guarnição de cerca de 20 homens e que pode transportar cerca de 400 homens) apoiada por duas LFG (Lancha de Fiscalização Grande com guarnição de cerca de 33 homens) e desembarcam em Ganturé.

Nessa tarde deslocam-se para Bigene com a finalidade de lançar uma operação de curta duração por forma a atacar a Base do PAIGC, situada em território do Senegal. Como não era possível a evacuação de feridos por via aérea, os mesmos seriam transportados para Guidage e o reabastecimento teria de ser feito com material retirado dos Paióis do IN.

O Batalhão de Comandos era constituído por 3 agrupamentos com uma Companhia cada, comandados por:

- Agrupamento BOMBOX (Capitão Matos Gomes);
- Agrupamento CENTAURO (Capitão Raul Fo lques);
- Agrupamento ROMEU (Capitão António Ramos).

Às 5h30 de 19 de Maio, a testa da coluna alcançou itinerário que apoiava a base de Kumbamory. Na Companhia do Capitão António Ramos estava integrado um Grupo Especial do Centro de Operações Especiais (25 homens), especialistas em demolições e neste agrupamento estava integrado o Major Almeida Bruno.

A 19 de Maio, o Batalhão de Comandos Africanos entra em território senegalês às 6 horas. Entretanto a Artilharia de Bigene desencadeou vários disparos sobre a área onde era suposto existir a Base IN. Às 7H30 os agrupamentos estavam dispostos na Base de ataque escolhida, a sul da povoação Senegalesa de Kumbamory. Foi necessário cortar a estrada paralela à fronteira e reter o comandante senegalês dos paraquedistas, que ali chegara em missão de reconhecimento de fronteira. Travou-se com ele uma conversa cordial, chegando o mesmo a afirmar que a Base do PAIGC se situava em território português.

Às 8h20, iniciou-se o ataque aéreo com aviões Fiat G-91 que efectuou um pesado bombardeamento, a que se se seguiu o assalto à área onde se presumia que estivesse a Base do IN. Às 9h05 o Agrupamento BOMBOX executa o assalto inicial provocando o primeiro contacto com o PAIGC.

O factor sorte foi decisivo. Os 2 agrupamentos que cercaram em 1.º Escalão, detectaram de imediato uma série de depósitos de material de guerra, enquanto o 3.º Agrupamento teve violento combate com um forte grupo inimigo apoiado por Canhões sem Recuo e Metralhadoras Pesadas que defendiam o depósito principal, o dos Foguetes 120 mm. A confusão gerou-se já que se enfrentavam adversários da mesma cor, trajando de igual e com armas iguais.

Os combates desenrolam-se até 14h10, quando o Major Almeida Bruno dá ordem para o agrupamento CENTAURO apoiar uma ruptura de contacto entre as NT e as Forças do PAIGC. Este agrupamento comandado pelo Capitão ao Raul Folques (foi ferido gravemente) estava praticamente sem munições. Assim, foi dada ordem de continuação da acção em direcção a Guidage. O movimento foi lento e com várias emboscadas pelo meio.

Pelas 16 horas o IN abandonou o terreno. As 18h20 os primeiros homens do Batalhão de Comandos começam a chegar a Guidage.

Após esta operação, a pressão sobre Guidage foi levantada. Resultados da Operação Ametista Real:

Destruídos:

- 22 Depósitos de Material de Guerra;
- 2 Metralhadoras antiaéreas;
- 50 mil Munições de Armas Ligeiras;
- 300 Espingardas Kalashnikov;
- 112 Pistolas PPSH;
- 560 Granadas de Mão;
- 400 Granadas Anti-Pessoal;
- 100 Morteiros 60;
- 11 Morteiros 82;
- 1100 Granadas de Morteiro 82;
-138 RPG7;
- 450 RPG2;
-21 Ramas de Foguetes 122;
Mortos:
-67 (entre os quais uma médica e um cirurgião cubanos e 4 elementos mauritanos).

As nossas tropas sofreram:
- 10 Mortos (2 Oficiais);
- 23 Feridos graves (3 Oficiais e 7 Sargentos);
- 3 Desaparecidos.

Durante a operação os Comandos Africanos consumiram:

- 26700 Munições 7,62 (G3);
- 4600 Munições 7,62 (Kalash);
- 292 Granadas Lança-Foguetes 6 e 8,9;
-71 Granada RPG2 e RPG7;
- 195 Granadas de Morteiro;
- 269 Granadas Defensivas.

Por volta do dia 20 de Maio estavam cercadas em Guidage as seguintes sub-unidades:

Companhia de Guidage, a Companhia que escoltou o últímo reabastecimento de Bissa, uma Companhia de Farim (que teve de abandonar as viaturas que posteriormente foram bombardeadas e destruídas pela força aérea quando o inimigo as descarregava), uma Companhia de Paraquedistas, o Destacamento de Fuzileiros e o efectivo de cerca de uma Companhia de Comandos Africanos que tinha actuado no Senegal.

Guiné > Guidage > CCAÇ 4150 (1973/74) > Vista panorâmica do quartel de Guidage. Dezembro de 1973 (seis meses depois do cerco do PAIGC)

© Albano M. Costa (2005)

Uma nova coluna de reabastecimentos ficou retida em Farim devido a ter sido a atacada uma coluna entre Mansoa e Farim de que resultou a destruição de três viaturas que ficaram no terreno, tendo as NT sofrido 4 mortos, 16 feridos, sendo 9 graves.

Na luta por Guidage o PAIGC utilizou artilharia pesada e ligeira apoiada por Infantaria além de um grupo especial de mísseis terra-ar. Em armamento o inimigo utilizou peças de 120 mm de tiro rápido, foguetões 122 mm, morteiro 120 e 82, canhões sem recuo de 5,7 e 7,5, RPG2, PG7, armamento ligeiro e mísseis Strella.

A 22 de Maio a Companhia de Cavalaria 3420 tem a sua comissão terminada. Tudo estava pronto para no dia seguinte partir para o Cumoré, com vista a aguardar o regresso à Metrópole. A Companhia depois de uma comissão quase sempre a actuar como unidade de intervenção dá largas à sua satisfação. Pelas 19 horas, o Comandante de Companhia, Salgueiro Maia, recebe uma chamada de Bissau, informando que iria ser recebida uma mensagem, ordenando que a Companhia 3420 não seguisse para o Cumoré mas para os Adidos.


Guiné > 1965/66 > A jangada que atravessava o Rio Mansoa em João Landim, ligando Bissau com a região do Cacheu
© Virgínio Briote (2005)

A 23 de Maio a CCAV 3420 às 6 da manhã inicia a travessia do rio Mansoa em João Landim. As 8h30 está no Comando de Bissau onde recebe de novo material de combate. A missão dada é uma operação de 6 dias e teria como destino a zona de Guidage, ja que os ataques a este aquartelamento passaram de 50 em Abril para 167 em Maio.

A 25 de Maio a Companhia segue para Farim e a 26 de Maio para Binta com vista a juntamente com 38.ª Companhia de Comandos, uma Companhia de Africanos e uma Companhia do Batalhão CCAÇ 4512 de Farim abrir o cerco a Guidage, ao mesmo tempo que os sitiados tentavam também abrir caminho para Binta.

A ida da CCAV 3420 para a zona mais crítica da Guiné ficou a dever-se ao facto de ter ao longo de toda a comissão um bom comportamento em combate. Estando o itinerário Binta / Guidage bastante minado em Bissau, dão ordem para que a companhia leve quase uma tonelada de explosivos para fazer rebentar as minas montadas entre Binta e Guidage. Para não entrar em conflito com o comando de Bissau, Salgueiro Maia apenas decide levar cerca 100Kg, que nunca chegaram a ser utilizados. Para garantir o transporte do pessoal com o mínimo de segurança, em Farim, a Companhia teve de “roubar” uma Berliet à Companhia de transportes de Bissau.

A 26 de Maio a Companhia chega a Binta onde já se encontravam outras forças. A 29 de Maio inicia-se a abertura do itinerário Binta / Guidage. Cerca das 10 horas, ao ser feita a picagem, foi accionada uma mina anti-carro de que resultou um morto, um furriel cego e 2 feridos ligeiros que foram evacuados para Binta, escoltados por 2 Unimog e cerca de 30 homens que, chegados a Binta, nunca mais regressaram como estava decidido (não foram por isso punidos).

Guiné-Bissau > 1998> Picada que vai de Bigene a Ganturé, no Rio Cacheu, numa distância de 3 km. © Francisco Allen / Albano M. Costa (2006)

Após este incidente e conforme planeado iniciou-se a progressão a corta-mato, levando à frente uma viatura T6 (caterpillar) que abriu o caminho junto com uma Berliet. Outra Berliet seguia a 300 m levando apenas o condutor com um homem a seu lado e tinha a caixa de carga cheia de cunhetes abertos com todo o tipo de munições prontas a serem utilizadas (era a arma secreta como dizia o Capitão Salgueiro Maia).

A táctica do PAIGC era a de ataques frontais em linha com forte potencial de fogo. Os ataques decorriam em vagas sucessivas até as NT, esgotadas as munições, terem de retirar. Com a “arma secreta” estava-se sempre pronto a responder. Pelas 12 horas um grupo estimado em 120 homens fez uma emboscada e ao mesmo tempo batia a zona com Morteiro 82. Pouco depois repete um novo ataque, mas as tropas da coluna já se encontravam remuniciadas. Voltaram pela terceira vez tendo as NT adoptado um dispositivo em L, porque se previa um envolvimento da parte do IN. Os ataques duraram mais de uma hora.

Pelas 14 horas tinham desmaiado 6 homens, vítimas de cansaço e insolação, visto estarem desde as 5 da manha a pé, ao sol, carregados de todo o material bélico possível e com apenas um cantil de água. Como a coluna de reabastecimento de Bissau vinha avançando para aproveitar o novo itinerário aberto, houve a hipótese de alguns elementos da CCAV 3420 subirem para as viaturas, continuando a Companhia de Comandos e a de Farim na frente da coluna.

Ao ser atingido a Bolanha do Cufeu, a coluna de Binta entra em contacto com a companhia de paraquedistas, que se deslocava de Guidage. Na zona de Ujeque as tropas entram na antiga picada, que apresentava chão firme e sinais de abandono pelo que tentam seguir por ela. Pouco tempo depois rebenta uma mina debaixo de um Unimog 404. Quando o pessoal salta para o lado, um milícia acciona uma mina anti-pessoal, ficando sem uma perna. De novo se volta a seguir a corta-mato. Pouco depois entra-se em contacto com o destacamento de Fuzileiros, que estavam retidos em Guidage e que vêm em apoio dos movimentos da coluna.

Cerca das 18 horas a coluna é de novo emboscada, mas desta vez sem consequências para as NT. Pelas 19 horas a coluna chega finalmente a Guidage. Pelas 21 horas Guidage é flagelado por Morteiro 82 com granadas a cair em grupos de 5 (granadas do Morteiro 81, capturadas à coluna de reabastecimento, que a 9 de Maio se deslocava de Binta para Guidage).

De 29 de Maio a 11 de Junho a CCAV 3420 permaneceu em Guidage, sendo neste período de tempo o aquartelamento bombardeado diariamente. A 8 de Junho Guidage esteve debaixo de fogo 5 vezes num total de 2 horas e a 9 sofreu 4 ataques.

Em Guidage as refeições eram tomadas às horas mais diversas, já que às horas normais o IN costumava atacar com armas pesadas. Todos os edifícios do quartel de Guidage estavam destruídos. No depósito de géneros praticamente inteiros estavam apenas alguns sacos de arroz, farinha e latas de salsichas. Dormia-se e vivia-se em valas abertas em redor do quartel. Água só havia de vez em quando e luz só esporadicamente, porque o gasóleo para os motores era escasso.

Em Guidage havia farinha, mas não havia fermento para fazer o pão, pelo que se tentavam fazer várias misturas de medicamentos triturados e cerveja (quando a havia), para tentar levedar a massa do pão, mas, mesmo assim os pães eram de tal forma que pareciam broas de Natal. A ração diária para cada militar era de um punhado de arroz e uma pequena salsicha de aperitivo ao almoço e ao jantar, isto porque não havia outra coisa para comer.

Em Guidage existia a cerca de 2 km para o interior do Senegal uma estrada paralela à fronteira, que durante a noite era percorrida por colunas do PAIGC, escoltadas por blindados de origem russa. Como o quartel de Guidage se encontrava construído sobre a fronteira com o Senegal, a pista de aviação encontrava-se em parte neste território.

A CCAV 3420 saiu de Guidage a 11 de Junho mas manteve- se emboscada na bolanha do Cufeu e na manhã de 12 regressou a Binta.

As baixas das colunas de e para Guidage de 8 de Maio a 8 de Junho foram de:
- 22 mortos;
- 70 feridos;
- e 6 viaturas destruidas.

De 8 de Maio a 29 de Junho, Guidage sofreu 43 flagelações com artilharia, foguetes e morteiro. Logo no dia 8 esteve debaixo de fogo 5 vezes, no total de 2 horas. No dia 9 sofreu 4 ataques, no dia 10, 3 ataques e, até final todos os dias foi atacado. No total dos 43 ataques a guarnição de Guidage sofreu 7 mortos, 30 feridos militares e 15 feridos entre a população civil e todos os edifícios do quartel ficaram bastante destruídos.

Até 29 de Junho a Companhia permaneceu em Binta e, neste período fez no dia 17 escolta a uma coluna de 6 viaturas de Binta para Guidage e em 25 fez emboscada no Alabato, dando protecção a uma coluna para Guidage.A 29 de Junho a Companhia regressou a Farim e a 30 a Bissau.

Já em Bissau fez ainda uma protecção a coluna com 28 viaturas até Farim. E enquanto aguardava regresso à metrópole fez protecção ao perímetro de Bissau, bem como outros serviços esporádicos.E porque inicialmente a Companhia tinha por missão uma operação de 6 dias, os homens nao tiveram outra roupa para além da que tinham no corpo.

Os elementos da Companhia 3420 quando a 30 de Junho regressaram a Bissau, pareciam um grupo de salteadores, já que a operação não decorreu nos 6 dias previstos, mas durou 37 dias, na zona Binta / Guidage.

Apesar de ao longo de toda a comissão a CCAV 3420 ter sido uma Companhia de Intervenção, o período de 26 de Maio a 30 de Junho foi sem dúvida, o mais difícil e aquele que provavelmente os elementos mais recordam, pelos momentos críticos por que passaram, mas, que com a disciplina, a que desde o início se habituaram e pelo Comandante que tinham , souberam contornar todas as situações e em 2 de Outubro regressaram à Metrópole, com a satisfação de terem sido comandados por um homem como Salgueiro Maia (2).

Ex-Furriel Afonso, 3.º Grupo de Combate da CCAV 3420 (1971/73) (3) .
____________

Notas de L.G.

(1) Vd. post de 16 de Agosto de 2005 > Guiné 63/74 - CLXXV: Antologia (16): Op Ametista Real (Senegal, 1973)

"Ametista Real, por João de Almeida Bruno (1995): A operação mais importante que comandei foi, no entanto, na Guiné. O nome de código foi Ametista Real - eu sempre dei nomes de pedras preciosas às operações que comandei. Penso que, na altura, foi a operação de maior envergadura daquele tipo, fora do território nacional. Comandava então o Batalhão de Comandos Africanos (...)".

(2) Vd. testemunho do tenente coronel J. Sales Golias> A descolonização da Guiné-Bissau, no sítio do centro de Documentação 25 de Abril, Universidade de Coimbra: "As Nossas Tropas(NT) iam somando insucessos, alguns dos quais muito graves como o abandono de Gadamael Porto, a dramática retirada do inferno de Guileje, em cuja consequência foi preso o Major Coutinho e Lima, por ter decidido salvar as vidas dos seus homens e o cerco de Guidage. No rompimento deste cerco foi decisiva a acção do meu camarada Salgueiro Maia, cuja Companhia de Cavalaria já tinha acabado a sua comissão e aguardava embarque para Lisboa, mas à qual estava guardado o pior bocado.

"Estavam empenhadas neste cerco as três Companhias de Comandos Africanos, uma delas comandada pelo Capitão Carlos Matos Gomes, um dos principais oficiais do MFA na Guiné.

"Só um Comandante natural como o Salgueiro Maia conseguiria mobilizar novamente os seus homens para uma das mais violentas campanhas de guerra e da qual saíu com muitos mortos e feridos.

"Salgueiro Maia regressou a Lisboa já no mês de Outubro de 1973".

(3) A Companhia de Cavalaria 3420 (Guiné, 1971/73) tem um encontro de convívio marcado, para Fátima, no dia 21 de Maio próximo. Contacto: Telemóvel > 91 776 87 21.

Guiné 63/74 - P478: Efemérides: Madina do Boé: 37º aniversário do desastre de Cheche (José Martins)

Guiné > Canjadude > 1973 > Restos de uma autometralhadora Daimler no itinerário entre Canjadude e Cheche.

Fonte: João Carvalho / Wikipédia > Guerra do Ultramar (2006)

Texto escrito e enviado pelo José Martins, "para lembrar o 37º aniversário do desastre do Cheche", occorido no Rio Corubal, em 6 de Fevereiro de 1969, na operação de retirada de Madina do Boé (1)

Madina do Boé: contributo para sua história

OS HOMENS

Falar de Madina do Boé é falar dos homens que ao longo do tempo, e muito concretamente entre Maio de 1965 e 6 Fevereiro de 1969, estiveram em quadrícula naquela parcela do território português, hoje independente, e sobre o qual flutuou a Bandeira de Portugal.

Consultando o terceiro volume da Resenha Histórica-Militar das Campanhas de África (1961-1974) (Dispositivo das Nossas Forças - Guiné), e encontrei os seguintes elementos sobre as companhias que passaram/estiveram/permanecem para sempre, nos factos que constituem a história desta zona da actual Guiné-Bissau.

A primeira unidade a instalar-se em Madina do Boé, foi a Companhia de Cavalaria nº 702 – Batalhão de Cavalaria nº 705 - formada no Regimento de Cavalaria 7 em Lisboa (já extinto) que chegou à Guiné em Julho de 1964 e ficou instalada em Bissau. Posteriormente foi transferida para Bula (Janeiro de 1965) e Contubuel (Março de 1965). Foi colocada em Madina do Boé em Maio de 1965 onde permaneceu até Abril de 1966, quando terminou a sua comissão de serviço.

Foi substituída pela Companhia de Caçadores nº 1416 – Batalhão de Caçadores nº 1856 - formada no Regimento de Infantaria 1 e ainda instalado na Serra da Carregueira na região de Lisboa e onde, actualmente, se encontra o Regimento de Comandos, foi colocada em Nova Lamego em Agosto de 1965. Posteriormente, em Maio de 1966 foi substituir a CCAV 702 em Madina do Boé, onde permaneceu até Abril de 1967, quando terminou a sua comissão de serviço.
A Companhia de Caçadores nº 1589 – Batalhão de Caçadores nº 1894, formada no Regimento de Infantaria 15, em Tomar (uma das unidades que mobilizou militares para a I Grande Guerra), chegou à Guiné em Agosto de 1966 ficando instalada em Bissau. Daqui foi enviada para Fá Mandinga em Dezembro de 1966 e para Madina do Boé, para substituir a CCaç 1416, em Abril de 1967, onde permaneceu até Janeiro de 1968, altura em que foi transferida para Nova Lamego, e, em Março de 1968 foi enviada para Bissau onde permaneceu até Maio de 1968, altura em que terminou a sua comissão de serviço.

Em Pirada, em Março de 1965, foi criada a Companhia de Milícias nº 15 que foi enviada em Junho de 1967 para Madina do Boé para reforço das forças ali estacionadas. Não existe registo para onde foi transferida depois de retirada de Madina. Foi desactivada em Dezembro de 1971.

A última unidade a permanecer naquela zona foi a Companhia de Caçadores nº 1790 – Batalhão de Caçadores nº 1933, formada no Regimento de Infantaria 15 em Tomar. Quando chegou à Guiné em Outubro de 1967 ficou estacionada em Fá Mandinga. Daqui foi transferida para Madina do Boé em Janeiro de 1968 onde permaneceu até Fevereiro de 1969, seguindo nesta data para Nova Lamego e em Abril de 1969 foi transferida para S. Domingos, onde se manteve até ao final da sua comissão de serviço em Julho de 1969. Esta unidade tinha um destacamento em Beli, que foi mandado regressar e juntar-se à companhia em Junho de 1968.

O LOCAL

Conheci Madina do Boé numa altura em que regressava ao aquartelamento do minha unidade, a Companhia de Caçadores nº 5 estacionada em Canjadude, indo de Nova Lamego onde tinha estado, já não me recordo, se em serviço ou no regresso de férias. Viajava numa Dornier e conheci o aquartelamento do ar. Sei que só aterramos depois de dois bombardeiros T 6, que nos escoltaram a partir da altura do Rio Corubal, terem feito uma observação dos locais onde era normal estarem e/ou atacarem o aquartelamento os elementos do PAIGC. Íamos buscar o Padre Libório, Alferes/Capelão do Batalhão de Caçadores nº 2835, que tinha estado junto daquela unidade durante alguns dias.

As instruções do Furriel que pilotava a aeronave foram precisas: assim que o aparelho parar saltas e corres para junto dos abrigos.

Assim fizemos e, ao chegar junto dos militares que não tinham saído de junto dos abrigos, fomos recebidos com algumas dezenas de abraços e palmadas nas costas daqueles homens que, só muito raramente, viam alguém que não fossem os seus camaradas habituais. Das manifestações havidas, já não sei se foram de boas vindas ou de despedida, pois o tempo de permanência da DO em terra teria que ser mínimo.

Do local ficou-me a sensação de que era uma terra inóspita, sem população civil, e, portanto, apenas a teimosia de alguém que não sabe o que é “estar no terreno de operações” fazia permanecer tropas naquele local.

A guerra que travávamos tinha como primeiro objectivo captar a simpatia e apoio das populações, transmitir-lhe alguns ensinamentos, e, sobretudo, prepará-los para “Um Futuro numa Guiné melhor”. Neste cenário não havia razão para sacrificar aqueles homens ao isolamento e ao sofrimento da incerteza da sorte das armas.

A RETIRADA

A saída da zona do Boé começou em Junho de 1968, com o desmantelamento do destacamento de Beli, guarnecido por uma força destacada de Madina de Boé. Participei nessa operação, como pira já que ainda não tinha um mês de Guiné, para visitar os destacamentos de Canjadude e Cheche, locais que se encontravam guarnecidos por forças da CCAÇ 5, unidade em que fora colocado como Sargento de Transmissões.

A minha missa terminava no Cheche. Aí ficaria a aguardar o regresso da coluna que, depois de proceder ao desmantelamento de Beli e deslocar a guarnição para Madina do Boé, voltaria, pelo mesmo e único caminho, a Nova Lamego.

Presenciei o nervosismo, e porque não dizer o medo, do pessoal que ia em primeiro lugar, na jangada, ocupar posições na outra margem, para montar a segurança para a passagem do restante da coluna.

Só os meios aéreos poderiam antecipar dados que permitissem cambar o rio com relativa segurança.

Já não assisti ao regresso da coluna nem aos trabalhos da passagem para a margem norte do Corubal, pois a primeira crise de paludismo originou novo baptismo: a evacuação aérea para Nova Lamego. Dias mais tarde assisti ao regresso da coluna e, naturalmente, à descompressão das tropas utilizadas nessa operação.

Toda esta manobra obedecia a uma directiva, a nº 1/68, do Comandante Chefe recentemente empossado, o então Brigadeiro António de Spínola que previa o estabelecimento de uma grande base operacional na região do Cheche. Nessa região ficariam instaladas forças de intervenção, seria construída uma pista para aviões do tipo Dakota, além de uma jangada para a travessia do rio. As canoas, que seriam a estrutura base dessa jangada, passariam mais tarde por Canjadude, em mais uma das muitas colunas que por lá passaram, tendo como destino o Cheche.

Assim, mesmo sem que a base tivesse sido instalada, a guarnição de Madina do Boé seria retirada desse destacamento, numa operação montada e que seria realizada no início de Fevereiro de 1969. A coluna constituída por cinquenta e seis viaturas foi escoltada, entre outras forças, por elementos da Companhia de Caçadores nº 2405 – Batalhão de Caçadores nº 2852 (2)rmado no Regimento de Infantaria nº 2.

DESASTRE DO CHECHE

Constou, na altura, que tinha havido uma alteração na "ordem de operações". Previa-se que, aquando da travessia do Corubal, as últimas unidades a atravessar o rio seriam as de armas pesadas, ao contrário do que se verificou, que foram tropas de infantaria.

Imagino que, ao verem na outra margem do rio Corubal e para a qual se deslocavam, uma série de morteiros e canhões-sem-recuo prontos a responder a qualquer ataque, os militares tivessem descomprimido um pouco, podendo eventualmente ter tentado encher os cantis com água do rio, cuja falta se fazia sentir naquela altura do ano, desconhecendo que um Unimog, guarnecido por uma secção que eu próprio comandava, se encontrava muito próximo para reabastecer quem necessitasse, uma vez que a companhia retirada e as que haviam procedido à sua escolta, não entrariam no perímetro militar de Canjadude, não só por questões logísticas mas também operacionais.

A determinada altura, conforme se refere num filme realizado por José Manuel Saraiva, de 1995, e editado em cassete vídeo pelo Diário de Notícias, um som abafado, muito semelhante "à saída de uma morteirada ", teria gerado agitação entre os elementos que eram transportados na jangada, e eram bastantes. Da agitação resultou o desequilíbrio da jangada e a queda nas águas de uma parte substancial dos homens que estavam a ser transportados na mesma. O receio era de que tivessem sido seguidos à distância por forças IN e que as mesmas estivessem a preparar um ataque à jangada, que se deslocava lentamente.

A grande preocupação foi a ajuda aos que tinham caído à água, pois que transportavam consigo todo o equipamento normal numa missão de patrulhamento que, além da arma, do cantil e do bornal, munições de reserva não só para as armas ligeiras, mas também para as bazucas e para os morteiros.

Não foi só o equipamento individual que foi o responsável pelo afogamento de tantos homens. Os habitantes daquele rio também tiveram uma intervenção pouco amigável. Diz quem também esteve no centro daquele acontecimento, que as águas tomaram um tom avermelhado.

Naquela tarde de 6 de Fevereiro de 1969, o Corubal roubou a todos e a cada um de nós, quarenta e sete amigos e camaradas dos quais, poucos, viriam a ser encontrados e sepultados nas margens do Rio Corubal.

OS HERÓIS/MÁRTIRES

É com emoção que, quando falo ou escrevo sobre este tema, me perfilo em continência, os meus lábios murmuram uma breve oração, e me curvo perante a memória daqueles que não voltaram e cujo espírito permanece sobre as águas do Rio Corubal:

Furriéis Milicianos:

Carlos Augusto da Rocha, natural de Angústias – Horta – Açores – CCAÇ 1790
Gregório dos Santos Corvelo Rebelo, natural de Terra Chã – Angra do Heroísmo – Açores – CCAÇ 2405


Primeiros-cabos:

Alfredo António Rocha Guedes, natural de Vila Jusa – Mesão Frio – CCAÇ 2405
Augusto Maria Gamito, natural de S. Francisco da Serra – Santiago do Cacém – CCAÇ 1790
Francisco de Jesus Gonçalves Ferreira, natural de Tortosendo - Covilhã – CCAÇ 1790
Joaquim Rita Coutinho, natural de Samora Correia - Benavente – CCAÇ 1790José Antunes Claudino, natural de Alcanhões - Santarém – CCAÇ 2405
José Simões Correia de Araújo, natural de Telhado – Vila Nova de Famalicão – CCAÇ 1790
Luís Francisco da Conceição Jóia, natural de Alvor - Portimão – CCAÇ 1790

Soldados:

Alberto da Silva Mendes, natural de Sande - Guimarães – CCAÇ 2405
Alfa Jau, natural da Guiné – CCAÇ 1790
Américo Alberto Dias Saraiva, natural de S. Sebastião da Pedreira - Lisboa – CCAÇ 1790
Aníbal Jorge da Costa, natural de Rossas – Vieira do Minho – CCAÇ 1790António Domingos Nascimento, natural de Santa Maria - Trancoso – CCAÇ 2405
António dos Santos Lobo, natural de Favaios do Douro - Alijó – CCAÇ 1790
António dos Santos Marques, natural de Lorvão - Penacova – CCAÇ 2405
António Jesus da Silva, natural de Arazedo – Montemor-o-velho – CCAÇ 2405
António Marques Faria, natural de Telhado – Vila Nova de Famalicão – CCAÇ 1790António Martins de Oliveira, natural de Rio Tinto - Gondomar – C.Caç 1790
Augusto Caril Correia, natural de Santa Cruz - Coimbra – CCAÇ 1790
Avelino Madail de Almeida, natural de Glória - Aveiro – CCAÇ 1790
Celestino Gonçalves Sousa, natural de Poiares – Ponte de Lima – CCAÇ 1790
David Pacheco de Sousa, natural de Lustosa - Lousada – CCAÇ 1790
Francisco da Cruz, natural de Lebução - Valpaços – CCAÇ 2405
Joaquim Nunes Alcobia, natural de Igreja Nova – Ferreira do Zêzere – CCAÇ 1790
Joel Santos Silva, natural de Guisande – Vila da Feira – CCAÇ 1790
José da Silva Coelho, natural de Recarei - Paredes – CCAÇ 1790
José da Silva Góis, natural de Meãs do Campo – Montemor-o-novo – CCAÇ 2405
José da Silva Marques, natural de Marmeleira - Mortágua – CCAÇ 2405
José de Almeida Mateus, natural de Santa Comba Dão – CCAÇ 1790
José Fernando Alves Gomes, natural de Carvalhosa – Paços de Ferreira – CCAÇ 1790
José Ferreira Martins, natural de Pousada de Saramagos – Vila Nova de Famalicão – CCAÇ 1790
José Loureiro, natural de S. João de Fontoura Resende – CCAÇ 2405
José Maria Leal de Barros, natural de Vilela - Paredes – CCAÇ 1790
José Pereira Simão, natural de Salzedas - Tarouca – CCAÇ 2405
Judite Embuque, natural de Guiné – CCAÇ 1790
Laurentino Anjos Pessoa, natural de Sonim - Valpaços – CCAÇ 2405
Manuel António Cunha Fernandes, natural de Arão – Valença do Minho – CCAÇ 1790
Manuel Conceição Silva Ferreira, natural de Pombalinho - Santarém – CCAÇ 2405
Manuel da Silva Pereira, natural de Penude - Lamego – CCAÇ 1790
Octávio Augusto Barreira, natural de Suçães - Mirandela – CCAÇ 2405
Ricardo Pereira da Silva, natural de Serzedo – Vila Nova de Gaia – CCAÇ 1790
Tijane Jaló, natural de Piche – Gabu – CCAÇ 1790
Valentim Pinto Faria, natural de Valdigem - Lamego – CCAÇ 2405
Victor Manuel Oliveira Neto, natural de Buarcos – Figueira da Foz – CCAÇ 2405

Civis:

Um caçador nativo não identificado

José Martins – Sócio da L.C. [ Liga dos Combatentes] nº 80.393
(ex-furriel miliciano de transmissões, CCAÇ 5, Canjadude, 1969/70)
Janeiro de 2006
_________

Notas de L.G.

(1) Vd posts anteriores sobre este tópico:

17 de Julho de 2005 > Guiné 69/71 - CIX: Antologia (7): Os bravos de Madina do Boé (CCAÇ 1790)
"Apresentação do livro de Gustavo Pimenta, sairómeM - Guerra Colonial (Palimage Editores, 1999), no Porto, Cooperativa Árvore, em 10 de Dezembro de 1999. Autor do texto: José Manuel Saraiva, jornalista do Expresso" (...)

2 de Agosto de 2005 > Guiné 63/74 - CXXXIII: O desastre do Cheche, na retirada de Madina ...

"Este documento, que me chegou às mãos através do Humberto Reis, relata aa dramática operação em que participou a CCAÇ 2405, sedeada em Galomaro, e pertencente ao BCAÇ 2852 (Bambadinca, 1968/70), operação essa que tinha em vista operação essa que tinha em vista retirar as NT da posição insustentável de Madina do Boé, cercada pelo PAIGC"...

8 de Janeiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDXXX: A retirada de Madina do Boé (José Martins)

"O mês de Fevereiro de 1969 tivera inicio há poucos dias quando passou, no aquartelamento de Canjadude, uma coluna cuja missão era retirar a Companhia de Caçadores nº 1790 do seu destacamento de Madina do Boé. Paralelamente a guarnição do posto do Cheche, pertencente à Companhia de Caçadores nº 5, também retiraria e juntar-se-ia à nossa companhia em Canjadude" (...)

8 de Janeiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDXXXI: Comentário de Afonso Sousa ao texto sobre a retirada de Madina do Boé

"Emociona este seu testemunho. Eu só faço uma pequena ideia do sofrimento de todos vocês, naquele momento trágico, nas horas e nos dias seguintes - em terras de solidão, em paragens dos confins da Guiné" (...).

(2) O BCAÇ 2852 estava sediado em Bambadinca, e a CCAÇ 2405 era a unidade de quadrícula de Galomaro

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2006

Guiné 63/74 - P477: O segredo do Mário Dias, ex-sargento comando

1. Pedi para os amigos e camaradas de tertúlia lerem, comentarem e divulgarem o segredo que o Mário Dias aceitou partilhar connosco… Comentei que a nossa tertúlia se orgulhava de de ter um camarada como o Mário… Os comentários não se fizeram esperar...

2. Do Virgínio Briote:

Luís, eu não te dizia que o Mário é de facto uma mais valia? Foi meu instrutor nos comandos e foi um tipo que me marcou estes anos todos. Para mim foi uma referência! Ele não te contou, mas encontrou-se uns anos depois com o Domingos Ramos de armas na mão, cada um do seu lado, claro. E no meio dos tiros e dos apitos, acabaram por se verem!

O Blogue-Fora-Nada está rico, ganhou muito com a entrada em cena do Teixeira, enfermeiro, médico, um amigo daquelas gentes. E do capitão Neto. Que pontas de lança o fora-nada arranjou. Tens material para arrumar, por locais, por datas, eu sei lá. Uma obra que vai necessitar de um grupo de trabalho e que desde já me ofereço para colaborar no que for preciso.

Parabéns pelo excelente blogue!

Um abraço,
vb

3. Do Carlos Marques dos Santos:

Luís: Em resposta só me apetece dizer que a guerra não era nossa, se bem que a vivessemos todos os dias. Era daqueles que nunca estiveram, viveram ou perceberam a realidade.

Há, concerteza, muitas destas situações, vividas e não descritas oficalmente, como já tive ocasião de referir em anteriores entradas no Blogue.

Um abraço ao Mário Dias, através deste espaço importantíssimo que faz, efectivamente, a HISTÓRIA VIVIDA e REAL.

Uma lembrança ainda para os COMBATENTES IN.

Verticalidade é uma palavra e uma postura que se vai perdendo.

Um Abraço do CMS

4. Do João Tunes:

Caro Luís,

Fiquei siderado de encantamento com a história do Mário Dias. O texto dele vale uma guerra (ou seja, explica a guerra, até no seu absurdo, mais a humanidade que pode habitar a desumanidade maior). Parabéns aos dois. Espero que um e outro não levem a mal a minha transcrição no meu blogue Água Lisa (5).
Continências.
João Tunes

... O João escreveu estas duas linhas (belíssimas) de introdução ao relato do encontro do Mário com o Domingos: "O que pode acontecer a dois amigos a quem a guerra, tendo sido a arte da guerra que os fez amigos, os faz reencontrar face-to-face, de armas na mão, para matar ou morrer, com as contas trocadas entre o nós e os outros? Tudo. O melhor e o pior. Até isto (o sublime):" (segue-se um excerto do texto do Mário)

5. Do Leopoldo Amado:

Caro Luís,

Gostaria de ler essa história mas acontece que não sei em que site a mesma foi publicada.

Um abraço,
Leopoldo Amado

6. Do Albano Costa:

Fiquei paralizado ao ler esta história, do Mário Dias. Eu já fui para a guerra muito mais tarde, quase no fim, por isso acho que nunca passaria por uma estória assim, mas que foi um marco muito bonito na vida dos dois, aí isso foi!?...

Ó Mário, e tu tinhas essas memórias guardadas só para ti... não, não faças mais uma maldade dessas, conta-nos as tuas estórias, são estas coisas que é preciso passar cá para fora!... Só assim é que a guerra acaba de vez. Eu falo na guerra psicológica que ainda continua na mente de muito camaradas nossos e deles que estivemos inseridos nela.

Eu sempre pensei que, com todas a atrocidades que se fizeram, nunca houve nem da parte dos turras nem dos tugas a ideia de matar, mas claro sempre ia acontecendo, assim como sempre achei que a Guiné não era nossa.

Quanto à linha dura do PAIGC, isso não te preocupes:os camaradas e amigos do Domingos Ramos ao lerem, até vão aproveitar para contar também as estórias deles, e que bom que era.

O meu obrigado ao Mário Dias pela homenagem que prestou ao Domingo Ramos, de que os guineenses devem sentir-se orgulhosos.

Luís, o Mário precisa de ver os nossos encontros na Guiné com elementos do PAIGC, para lá ir prestar a sua homenagem ao seu amigo, empresta o DVD, para ele ver.

Um abraço,
Albano Costa

7. Do Jorge Neto (Africanidades):

UMA ESTÓRIA DE GUERRA E DE RESPEITO

Não é ficção, aconteceu na Guiné-Bissau em plena guerra de libertação (ou colonial, como lhe queiram chamar). Dois amigos (Domingos Ramos, hoje herói nacional) e Mário Dias (comando do exército português) lutavam em campos opostos. Um dia encontraram-se em plena mata e respeitaram-se, como amigos (e inimigos) que eram. A estória chega via BLOGUEFORANADA e demonstra como até na guerra o respeito e a amizade são duas armas poderosíssimas. Vale a pena ler. AQUI.

Guiné 63/74 - P476: Domingos Ramos e Mário Dias, a bandeira da amizade (Luís Graça / Mário Dias)

Guiné > Bissau > 1959 > Os 1ºs Cabos Milicianos Mário Dias (o primeiro, de pé, do lado direito) e Domingos Ramos (o primeiro da frente, do lado esquerdo)

© Mário Dias(2006)
 
1. Ontem publiquei um texto (que qualifiquei de notável), assinado pelo nosso Mário Dias, sobre o seu relacionamento com o Domingos Ramos, guineense, futuro comandante da guerrilha do PAIGC. Eles estiveram juntos na tropa, entre 1959 e 1960, até ao dia (Novembro de 1960) em que o Domingos Ramos desertou, passando-se para o lado dos nacionalistas e independentistas do Amílcar Cabral (1).

O Mário, como sabem, irá tornar-se comando e, e nessa qualidade, fez a guerra até 1966. Nesse ano regressa à Metrópole, donde tinha saído em 1952, ainda adolescente. No meu texto introdutório, perguntava, com natural e humaníssima curiosidade, "se alguma vez o Mário Dias, enquanto sargento comando, esteve frente a frente com o seu antigo camarada e amigo, que acabaria por morrer, prematuramente, em 1966, em combate, em Madina do Boé" (em circunstâncias, aliás, pouco ou mal conhecidas)...

Ele, Mário Dias, acaba de me responder, nestes termos: "

"Caro Luis: Li os teus comentários sobre o meu post relativo ao Domingos Ramos. Não posso deixar de responder à tua pertinente dúvida sobre se nos teríamos ou não encontrado posteriormente na condição de combatentes em campos opostos. A resposta é: sim.

"Porém, atendendo ao delicado da situação - como é sabido, o PAIGC tinha (e tem) uma disciplina férrea e não pactuava com actos altruistas - resolvi não o divulgar, especialmente tendo em conta que a atitude que ambos tivemos na ocorrência poderá alterar o justo conceito que o Domingos Ramos tem entre os guineenses. Elementos mais radicais e fanáticos, que os há, dentro do PAIGC, não compreenderiam tal atitude. Apenas por isso, não gostaria de ver divulgado no blogue - que chega, e ainda bem, aos nossos amigos da Guiné - o relato do feliz encontro" (...).

A seguir o Mário relata-me esse inusitado (e, necessariamente, dramático) encontro, no sul da Guiné, cinco anos mais tarde, em 1965... Mário Dias, sargento comando do exército dos tugas, Domingos Ramos, comandante dos turras...
2. A minha resposta, imediata, foi a seguinte:

Mário:

Estou em total desacordo contigo neste ponto: acho que tens a obrigação (histórica, moral…) de divulgar este momento (raro, se não único…) em que dois antigos camaradas e amigos se encontram, de armas na mão, em campos opostos... Esta história é fabulosa e diz muito dos grandes seres humanos (e dos grandes profissionais) que vocês eram (e tu continuas a ser, agora paisano)…

Guiné-Bissau > 1975 > Efígie de Domingos Ramos, em nota de banco de 100 pesos (que já não circula hoje)... Herói nacional, morreu em Madina do Boé, em 1966...

Não creio que os fanáticos do PAIGC ou dos teus comandos saibam entender estas coisas da grandeza da alma... Que faria o Domingos Ramos, se fosse vivo ? Morreria com este segredo ? Eu acho que esta história já não te pertence mais, desde o momento em que a partilhas comigo ou com outros amigos… Fazia-te bem divulgá-la… Mas eu respeito inteiramente a tua decisão…

PS – O Comandante Gazela já fez confidências deste tipo ao A. Marques Lopes, e que este revelou no nosso blogue… Vão de novo encontrar-se em Abril próximo.


3. Um minuto depois, na volta do e-mail, o Mário reconsiderou a sua decisão anterior:

Guiné > Brá > 1965 > O Mário Dias, sargento comando...

© Mário Dias(2005)

Caro Luis: De acordo. Pode então ser divulgada, embora continue com algun receio de incompreensões. Que se danem, como dizem os brasileiros. Um abraço

(...) Foi assim:

Estando com o meu grupo de comandos no Xitole, sensivelmente em meados de 1965, fomos fazer uma patrulha de reconhecimento pois o inimigo há muito mostrava sinais de intensificar a sua actividade na região. Porém, as informações eram escassas. Desconhecia-se com precisão por onde andavam os guerrilheiros e as possíveis localizações dos acampamentos. Por tal facto, foi-nos dada a missão de efectuar um reconhecimento ofensivo, tentando localizar o destruir o inimigo.

Por volta das 3 horas da madrugada saímos no maior silêncio, a pé, pela estrada que liga o Xitole a Mampatá, Aldeia Formosa, etc. Alcançada a bifurcação da picada para Amedalai, internámo-nos no mato, constituido quase só por palmeiras mas bastante denso, e aí aguardámos o romper do dia.

Reiniciada a marcha, com as habituais cautelas e as indispensáveis medidas de segurança, fomos progredindo pelo mato, acompanhando de perto o traçado da picada.
Andar um pouco, parar, escutar, analisar pistas e vestígios de presença humana, comsumiu uma boa parte da manhã. Era quase meio dia quando ouvimos, vindos da nossa esquerda, alguns tiros. Não foram muitos.Por não terem sido dirigidos com precisão e sobretudo com intenção de nos atingir, concluimos que se tratava de tiros de reconhecimento (eles também os faziam). Devem ter presentido algo mas não tinham a certeza da nossa posição nem, possivelmente, da nossa presença.

Desta forma, e como nos interessava obter informações sobre a actividade do inimigo, deixei o grupo instalado defensivamente e fui, com a minha equipa (5 homens) em direcção à zona de onde os tiros tinham partido fazer o reconhecimento. O que essa progressão teve de cautelas, expectativas e adrenalina é fácil de imaginar para quen viveu situações semelhantes.

De repente, ouvimos pessoas a conversar e o ruido característico de movimentação. Querendo observar melhor o que se estava a passar, ergui-me acima do arbusto que me ocultava. Foi então que aconteceu. Do outro lado, a cerca de vinte ou trinta metros, um vulto se ergueu também e olhou na minha direcção. Espanto dele! Espanto meu! Era o Domingos Ramos.

Ficámos ambos como petrificados. Não falámos, apenas nos limitámos a sorrir e houve como que uma espécie de telepatia. Mas, mesmo sem falar, as expressões de contentamento de ambos (espero que ele tivesse entendido que também eu estava contente com o inesperadao mas feliz encontro) tornaram mágicos aqueles breves momentos que jamais esquecerei.

Mas era preciso regressar à terra. De imediato ouvi as suas ordens:
- Nó bai, nó bai -. E internou-se ainda mais, desparecendo na densa mata. Voltei para trás, para junto do resto do grupo:
- Não há problema. Era um pequeno grupo mas já fugiram.

E continuámos a patrulha sem mais percalços. Claro que este episódio não constou do relatório. E foi assim.

Um abraço
Mário Dias
_______

Nota de L.G.:

(1) Vd. post de 1 de Fevereiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDXCI: Domingos Ramos, meu camarada e amigo (Mário Dias)

Guiné 63/74 - P475: O Conde de Lippe, o sargento e a licença disciplinar (Zé Neto)

Guine > Guileje > 1968 > Bajudas da tabanca transportando o precioso líquido... Imagem (diapositivo digitalizado) do arquivo pessoal do capitão, reformado, José Neto (ex-1º sargento da CART 1613, Guileje, 1967/68)
© José Neto (2006)

Meus amigos, especialmente o David Guimarães e Marques Lopes (1):

Eu prometi ao Luis que ia ficar aqui quietinho no meu canto até a alfândega desembaraçar a muita mercadoria que aguarda vez de entrar no blogue (2). Mas vocês parecem pertencer à nobreza e por isso...Por isso eu vou citar de memória uma das ordenações do Conde de Lippe, que reorganizou o nosso exército no século XVIII, salvo erro: "O primeiro sargento da companhia tem de saber ler e escrever porque o capitão pode ser nobre e não saber"...

Este vosso amigo alcançou o posto de capitão, mas de modo nenhum enjeita, antes se orgulha, de ter cerca de vinte anos de sargento, nove dos quais, com as três divisas, sempre a desempenhar as funções de 1º sargento (mais económico para o erário, tal como os cabos milicianos).

Pois bem: O RDM (atenção que já foi remodelado em 1976 e, para além duns parágrfos ficou igual) previa no seu Artigo 109º que aos militares PODIAM ser concedidos 30 dias de licença em cada ano civil, desde que no ano anterior não tivessem sofrido qualquer pena disciplinar.

Esta licença só podia ser concedida SEM PREJUIZO DO SERVIÇO.Um dos tais § de 1976 foi acabar com esta última condição, o que aliás já estava estatuído, por circular do então ME [Ministério do Exército], desde meados dos anos sessenta.

Guiné > Guileje > 1968 > Aqui também havia crianças felizes, capazes de um sorriso do tamanho do mundo, apesar da guerra, do medo, da falta de água e de alimentos... Imagem (diapositivo digitalizado) do arquivo pessoal do capitão, reformado, José Neto (ex-1º sargento da CART 1613, Guileje, 1967/68)
© José Neto (2006)

Portanto as férias na Metrópole para quem andava por esse mundo de Cristo, acrescidas de 5 dias da alínea a) (sei lá de que artigo) eram sagradas e tive-as nas minhas três comissões em África. Há que acrescentar que as Unidades (tipo batalhão ou outro escalão independente) tinham de organizar no mês de Janeiro o Mapa das Licenças que por vezes era objecto de acertos para garantir o efectivo operacional.

Daí: RDM + Folha limpa de castigos = licença disciplinar. Chega ou querem que vos conte a história do capitão que ganhou uma Cruz de Guerra por ter trocado o seu previsto mês de licença com o comandante? Nem pensar!

Um abração do
Zé Neto
___________

Notas de L.G.

(1) Vd. post de 1 de Fevereiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDLXXXIX: O Guimarães no gozo da sua licença disciplinar (Lisboa, Bissau, Bambadinca)

(2) Além de muitas imagens (de que se divulgam hoje duas...), a continuação das Memórias de Guileje (1967/68), do Zé Neto... Vd post de 23 de Janeiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDLXXIII: Memórias de Guileje (1967/68) (Zé Neto)(4): os azares dos sargentos

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2006

Guiné 63/74 - P474: Domingos Ramos, meu camarada e amigo (Mário Dias)

Guiné-Bissau > A efígie de Domingos Ramos numa nota de 100 pesos. Emissão de 1975.

Fonte (com a devida vénia): © Kristian CHIDUCH > Billetes del moundo / Wordbanknotes > Guinea-Bissau (2003)

Texto (notável) do nosso camarada Mário Dias que foi camarada e amigo do Domingos Ramos, um dos nomes míticos da fase inicial da guerrilha do PAIGC. Fizeram juntos a recruta e depois o 1º Curso de Sargentos Milicianos que se realizou em Bissau, em 1959, e no qual participaram os os primeiros filhos da Guiné. Domingos Ramos era filho de um quadro local da administração colonial portuguesa, com o estatuto de assimilado, expressão cínica usada na época pelas autoridades portuguesas.

Mário Dias sugere que ele ter-se-á alistado nas fileiras do PAIGC, em Novembro de 1960, depois de ter sido vítima de uma grave injustiça enquanto 1º cabo miliciano. Não sei se alguma vez o Mário Dias, enquanto sargento comando, esteve frente a frente com o seu antigo camarada e amigo, que acabaria por morrer, prematuramente, em 1966, em combate, em Madina do Boé (1).

O Mário tem palavras de grande apreço e admiração pelo Domingos Ramos, reveladoras da sua grandeza como homem e como português e que a mim muito me orgulham, na minha qualidade de membro desta tertúlia (Estou certo que os demais me acompanham neste sentimento). Diz ele: "Se um dia tiver a oportunidade de regressar à Guiné, é meu firme propósito ir visitar a sua campa e prestar-lhe merecida homenagem. Não é pelo facto de termos combatido em campos opostos que deixei de ser seu amigo e de o admirar"(sic).

São palavras sinceras que nos tocam a todos, e reforçam a ideia de que esta tertúlia é muito mais do que um simpls rede virtual de veteranos de guerra, saudosistas...


Eu, Domingos Ramos e outros (por Mário Dias, sargento Comando, Brá, 1963/66)

Manhã de 8 de Maio de 1959. Na parada do quartel da Bateria de Artilharia de Campanha em Bissau, Santa Luzia, defronte ao que viria a ser o QG [Quartel General], mancebos agrupavam-se segundo indicações de alguns oficiais e sargentos e preparavam-se para iniciar a sua vida militar. Eu era um deles. Com receio, mas também com alguma expectativa pelo que iria acontecer.

Foi nas instalações desse quartel que funcionou pela primeira vez uma escola de recrutas seguida de um CSM [ Curso de Sargentos Milicianos ] para europeus e guineenses considerados civilizados ou assimilados, já com formação escolar de, pelo menos, o 2º ano do liceu, na época chamado 1º ciclo liceal.

Até essa data, a recruta era separada e, sendo os europeus um pequeno número que não justificava uma incorporação anual, iam ficando esperados alguns anos e, quando havia suficientes mancebos para formar um ou mais pelotões, realizava-se a recruta que tinha lugar em Bolama. Portanto, esta incorporação de 1959, foi a primeira na Guiné que juntou europeus e africanos.

Curiosamente, a unidade chamava-se Centro de Instrução de Civilizados (CIC) por se destinar a africanos considerados civilizados. O comandante era o capitão Teixeira, pai do conhecido historiador Severiano Teixeira. Nos anos seguintes, talvez devido ao caricato da designação, passou a chamar-se Centro de Instrução Militar (CIM) e foi transferido para Bolama.

Guiné > Bissau > 1959 > Centro de Instrução Militar (CIM)

Aqui está o 1º pelotão do CIC da incorporação de 1959 em Bissau. Eu estou à esquerda, na 3ª fila (de óculos). Uma pequena chamada de atenção para o facto de os homens situados à esquerda do pelotão serem europeus. Tal não se deve a qualquer espécie de discriminação ou elitismo. Aconteceu que, formando-se, como sabem, por alturas, nós, os tugas éramos os mais pequenos. Dos elementos africanos, alguns foram para o PAIGC após a passagem à disponibilidade. De entre eles, quero aqui destacar o Domingos Ramos (segundo à direita na fila de pé).

O Domingos Ramos era um indivíduo bem constituído fisicamente e, sobretudo, moralmente. Aquilo que se pode chamar, um bondoso gigante. Desde o início da nossa vivência comum que por ele tive uma especial estima. Tornámo-nos bons amigos em todas as situações e na caserna, nas horas de descanso, trocávamos opiniões sobre os mais variados assuntos, com especial interesse da minha parte por tudo relacionado com os usos e costumes dos guineenses. Muito aprendi com ele. Recordo ainda com saudade e emoção as paródias, próprias da irreverência da nossa juventude. E da célebre água pú que ele me ensinou e a que aderi com entusiasmo.
Eu explico: Água pú era uma bebida/comida energética, fácil de fazer, fruto do desenrascanço e instinto de sobrevivência dos africanos e que eu desconhecia. Trata-se de um tigela ou caneca com água onde se dissolve açúcar, quanto mais melhor, e nessa calda se vão molhando pedaços de pão quase como se de açorda se tratasse. Que bem que sabia! Fiquei cliente viciado desde a primeira vez que, pela mão do Domingos Ramos provei. No final da 3ª refeição, metíamos no bolso (à socapa) o casqueiro sobrante que guardávamos no armário da caserna onde, para o efeito, não faltava o respectivo açúcar. Saída para Bissau - as garotas ou bajudas estavam à espera - e, após o recolher, lá íamos repor energias com a água pú. Mal o sargento de dia dava a ordem de destroçar, era uma correria, direitos aos armários gritando com todo o entusiasmo: Água púuuuu…
Nesse ambiente de sã camaradagem se passou o tempo até ao juramento de bandeira que teve lugar em 10 de Agosto de 1959, alguns dias após os célebres acontecimentos do Pidjiguiti (2). Sobre eles falarei numa próxima vez.

Terminada a recruta, teve início a 14 de Agosto de 1959 o 1º Curso de Sargentos Milicianos (CSM) que houve na Guiné. Nesta fase, já que os instruendos do CSM eram menos que durante a recruta (alguns foram para a Escola de Cabos e outros ficaram como soldados) os nossos laços de amizade estreitaram-se ainda mais.

Guiné > Bissau > 1959 > 1º Curso de Sargentos Milicianos (CSM)
© Mário Dias,

Alunos do CSM / 59 da Guiné. Em baixo, a partir da esquerda: eu; Domingos Ramos apontando a velha Mauser; Pinhel; Orlando; e Laurentino Pedro Gomes que, tal como eu, após passagem à disponibilidade, regressou ao serviço como furriel do quadro, seguindo a carreira militar. Segundo me disseram, faleceu num acidente de viação nas proximidades de Cacheu já depois da independência.

De pé, também a partir da esquerda, está um (não me lembro o nome) que veio a ser professor de trabalhos manuais no liceu de Bissau; a seguir o Telmo que acabou por se formar em economia e já faleceu; o Armindo Birges; depois é o alferes Vigário, um dos nossos instrutores que viria a falecer em combate em Angola; segue-se o Coelho, exímio acordeonista, sobrinho de um conhecido comerciante de Cacine e que acabou emigrando para o Brasil; finalmente o 1º cabo Cerqueira, que já pertencia ao QP [Quadro Permanente] e que fez o CSM para obter condições de promoção a furriel.

Guiné > Bissau > 1959 > 1º Curso de Sargentos Milicianos (CSM)> O Domingos Ramos montando a tenda...
© Mário Dias(2006)

Aqui está o Domingos Ramos nos exercícios finais do CSM (semana de campo), atarefado na montagem da barraca que era feita com 3 panos de tenda ligados entre si por botões metálicos. Certamente que alguns tertulianos se recordam deste primitivo sistema. A fotografia não tem grande qualidade mas não deixo de mostrá-la, por se tratar de uma pessoa que muito estimei.

Guiné > Bissau > 1959 > 1º Curso de Sargentos Milicianos (CSM)> O Domingos Ramos na Semana de Campo...
© Mário Dias(2006)

Aqui, como se pode ver pelos apetrechos que levam nas mãos (cantil e marmita) iam a caminho do carro que nos trazia o almoço durante a semana de campo. O Domingos Ramos é o segundo da direita.

O CSM terminou 28 de Novembro e a 29 fomos promovidos a 1ºs cabos milicianos que era uma forma de o regime de então poupar umas massas. Fazíamos sargentos de dia, frequentávamos a messe e tínhamos as responsabilidades inerentes mas… ganhavamos como cabos.

A seguir ao CSM, tivemos que dar uma recruta como monitores. Alguns, entre os quais o Domingos Ramos, foram colocados para o efeito em Bolama, ficando outros, como eu, em Bissau. Creio que algo se passou em Bolama que o tornou permeável aos apelos do PAIGC e o levou a aderir à luta. Na verdade, enquanto com ele convivi em Bissau, nem o mais leve indício de descontentamento, nem o mais pequeno sinal de revolta ou discordância com o status quo existente demonstrou. Se algo havia na sua mente, disfarçava muito bem, o que não creio, dada a sua rectidão de carácter.

O mesmo já não se passava com outros como, por exemplo, o Rui Demba Jassi, que tinha atitudes incorrectas para com os europeus sem que houvesse razões para tal e não conseguia disfarçar animosidade contra nós.

Este Rui Jassi era filho do capitão de 2ª linha Jassi que morava no lado direito da estrada de Santa Luzia, perto da capela aí existente. Era uma figura incontornável nas cerimónias e festividades às quais comparecia orgulhosamente com a sua farda branca. Quando soube que o filho tinha passado para o PAIGC, segundo constava, dizia que oferecia tudo quanto tinha a quem lhe trouxesse o seu cadáver. Talvez isto não passe de mais uma das muitas lendas que se foram gerando.

Mas, regressando ao Domingos Ramos, tema principal desta minha intervenção, creio que foi um acontecimento em Bolama que o fez mudar de ideias.

Um dia, já próximo da nossa passagem à situação de licença registada, que ocorreu em Outubro de 1960, seguindo-se a disponibilidade em Fevereiro de 1971, o Laurentino mostrou-me uma espécie de memorando que o Domingos Ramos havia escrito em Bolama respeitante a uma tremenda injustiça por parte de um superior hierárquico que o levou à prisão durante uns dias. Foi uma daquelas situações tão frequentes, infelizmente, na vida militar que levam a que muitos inocentes sejam punidos apenas porque a corda parte sempre pelo lado mais fraco e a máxima de que "palavra de oficial faz fé" é uma realidade. Nesse memorando, era bem patente o desgosto que ele sentia por ter sido vítima de tal injustiça e, mais do que um desgosto, notava-se o destruir das convicções que até ali o tinham norteado.

E foi isso, creio, que o levou a juntar-se ao PAIGC. Nos primeiros dias de Novembro [de 1960], juntamente com o Rui Jassi, Constantino Teixeira e outros cujos nomes já não me ocorrem, partiu para Pequim, Praga, Moscovo e demais escolas de guerrilha tornando-se um dos primeiros e mais importantes chefes de guerrilha daquele movimento.

Morreu em combate num dos ataques ao quartel de Boé onde está sepultado. Se um dia tiver a oportunidade de regressar à Guiné, é meu firme propósito ir visitar a sua campa e prestar-lhe merecida homenagem. Não é pelo facto de termos combatido em campos opostos que deixei de ser seu amigo e de o admirar.

Guiné > Bissau > 1959 > 1ºs Cabos Milicianos Mário Dias, Domingos Ramos e outros...
© Mário Dias(2006)

De cócoras, a partir da esquerda: Domingos Ramos; um outro cujo nome não me lembro mas que também foi para a guerrilha; Laurentino Pedro Gomes.

De pé: não me recordo o nome mas também foi para a guerrilha; Garcia, filho do administrador Garcia, muito conhecido e estimado em Bissau; mais um de cujo nome não me recordo; eu; e mais outro guerrilheiro.

Como se pode concluir, o recrutamento de 1959 do CIC, foi um autêntico alfobre para o PAIGC.

Guiné > Bissau > 1960 > O 1º Curso de Sargentos Milicianos foi uma alfobre de quadros para o PAIGC...
© Mário Dias(2006)

Alguns dos outros que foram meus camaradas na recruta. De poucos nomes me recordo mas muitos também foram guerrilheiros. Dos dois que estão mais altos, o da direita é o Constantino Teixeira, mais conhecido por Chucho ou Axon, que foi igualmente figura importante do PAIGC. Chegou a ser ministro da segurança interna, salvo erro, no tempo imediatamente a seguir à independência. Apareceu, algum tempo depois, morto dentro do carro numa rua de Bissau. Daquele gordinho de óculos escuros que está com a mão no bolso da camisa, só me recordo da sua alcunha que era Diblondi. O porquê de tal alcunha, não sei.

Peço desculpa por omitir tantos nomes, embora me lembre das pessoas. Nunca tive o cuidado de ir anotando os acontecimentos nem de escrever no verso das fotos os nomes das pessoas. Péssimo hábito de que agora me arrependo.

Guiné > Bissau > 1959 > Um pelotão de recrutas africanos, de pé descalço...
© Mário Dias(2006)

Termino com esta foto dos meus primeiros recrutas porque ela constitui o testemunho de um facto que, possivelmente, muitos desconhecem e outros certamente acham impossível se apenas contado.

Reparem bem nestes soldados indígenas na Guiné em 1959. É isso mesmo que estão a ver: descalços. Era assim que faziam toda a recruta e só depois de prontos lhes eram distribuídas as botas. Dizia-se que eles preferiam andar descalços. Mesmo sendo verdade, e muitos de nós se devem lembrar que, de facto, o andar descalço era um hábito muito arreigado, não se justifica e é humilhante que soldados assim andassem.
_________

Nota de L.G.

(1) Domingos Ramos. morto em Madina do Boé em 1966, é um herói nacional da Guiné-Bissau, figurando em notas de banco (por exemplo, de 100 pesos), nomes de ruas e instituições de ensino... Foi um dos pioneiros da luta de libertação, sob a liderança de Amílcar Cabral:

Domingos Ramos > The son of a senior bureaucrat in the Portuguese administration of Guinea-Bissau, Domingos Ramos was a member of the pioneers who commenced the initial phase of guerilla activity under the leadership of Amilcar Cabral in the early 1960s. In 1964 Ramos established the first military centre of the PAIGC in the eastern region of Guinea-Bissau. Responsible for creating and organizing many of the early fighting units, Ramos was one of the more important of the early military leaders of the PAIGC. He was killed in action during an attack on Madina on 10 November 1966.

Vd. referência ao Domingos Ramos no post de 23 de Julho de 2005 > Guiné 63/74 - CXIX: Antologia (10): Dossiê Guiné (Vida Mundial, 1971) (conclusão).
(2) Local do porto de Bissau onde, a 3 de Agosto de 1959, se deu o massacre, perpretado pela autoridades portuguesas, de 50 dos marinheiros, estivadores e outros trabalhadores portuários que tinham desencadeado uma greve, reivindicando aumentos salariais e melhores condiçõs de trabalho. Esta data (histórica) passou a ser considerada pelo PAIGC como o início (oficial ou oficioso) da luta de libertação da Guiné.

Guiné 63/74 - P473: Crónicas de Bissau (ou o 'bombolom' do Paulo Salgado)(11): Beethoven e batuque no Olossato

Aconteceu: ouvíamos Beethoven - a quinta (por acaso?!); eram cerca das oito da noite. Preparava-me para sair com o meu grupo de combate; ao longe, o batuque de festa: seria casamento, seria chur, seria certamente uma festa. Batuque e Beethoven...Contraste? Só quem não estivesse (e esteja) com atenção às coisas... os homens exprimem as suas emoções de forma semelhante, com intensidade, com carinho, com receio, com esperança!Ali, no Olossato, Beethovem e Batuque. Que emoções!

Agora, em 2006, quase trinta seis anos depois, ouço a moda: Mozart, e, ali ao lado, bem perto, um batuque no bairro de Belém, onde fica a Universidade de Amílcar Cabral (UAC). Podeis acreditar: naquela noite saí para o mato, e naquela noite de breu (nem sei como resistíamos) ribombou o tiroteio...

Hoje estou aqui: ouvindo Mozart, enquanto a Maria da Conceição lê a Mistida, de Abdulai Silá, entusiasmada - e eu metido comigo mesmo a repensar o passado, a ver os meus companheiros (tão jovens!) em fila indiana, cheios de medo como eu... que raio de coisa esta, eu para aqui a falar enquanto o Mozart me traz calma... e eu aqui ao computador escrevinhando que bom seria rever os meus companheiros sãos - eles que acreditavam em mim (acreditariam, verdadeiramente?!).

Que raiva, Mozart! Que tristeza me invade. Leva-me nos braços. Deixa-me esquecer.

Paulo Salgado

Guiné 63/74 - P472: O Guimarães no gozo da sua licença disciplinar (Lisboa, Bissau, Bambadinca)

Guiné > Bambadinca > 1970 > Vista área da tabanca (reordenada) de Bambadincazinho e da estrada Bambadinca - Xitole.

© Humberto Reis (2006)

Guiné > Bambadinca > 1970 > Vista aéra da povoação e aquartelamento de Bambadinca. Do lado direito, a pista de aviação.
© Humberto Reis (2006)

Guiné > Bambadinca > 1970 > A famosa rampa de acesso ao aquartelamento (lado leste) . Era por aqui que se saía em direcção a Bafatá.
© Humberto Reis (2006)

Fotos do arquivo de Humberto Reis (ex-furriel miliciano de operações especiais, CCAÇ 12, Bambadinca, 1969/71)
Texto de David J. Guimarães (ex-furriel miliciano da CART 2716, aquartelada no Xitole, 1970/1972, e pertencente ao BART 2917, sediado em Bambadinca).

Lá porque usas sacola
e só por isso te dão esmola..
Porque ninguém sofre o mal
Que o outro tem e é daí que o mal provém...

Vem sentar-te á minha mesa,
Bebe do meu vinho,
Come do meu pão, mendigo
Meu amigo, meu irmão…


Em 6 de Abril de 1971 - ai foi há dias ! - , regressava eu das férias que tinha vindo gozar à metrópole… Chamava-se licença disciplinar - alguém me saberá explicará porquê, o Marques Lopes pelo menos saberá, teve tempo de aprender, poça !.... - mas era assim que se chamava...

E Lisboa ficava para trás, víamos as luzes, lindas. Voltávamos ao escuro... O Branquinho e eu... Sim, sim, esse mesmo que estava em Fá Mandinga e era mais Alentejano que eu - pois ele era de lá e eu não... No ar, a ver Lisboa ainda, diz-me o Branquinho:
- Guimarães, dói-me a cabeça...
- Chama a hospedeira, toca nessa campainha! - Que linda bajuda veio até à nossa beira...
- Faz favor...
- Olhe, fazia o favor, dói-me a cabeça...
- Momento - disse a hospedeira, linda (ou ... nós achávamo-la linda).

Daqui a pouco aí vem ela com um copo de água e uma pastilha que entrega delicadamente ao Branquinho, dizendo-lhe:
- Se não passar com isso chame que eu dou-lhe outra coisa... - E lá foi...

Ele vira-se para mim e pergunta:
- Que será? - Eu respondi, a rir, claro:
- Dorme...

Daqui a pouco, ilha do Sal e logo depois Bissalanca... e lá estávamos nós outra vez na Guiné... Caminho para a pensão Chantra - ou Chantre, já não me lembro… Bom, não interessa, era uma residencial onde se dormia. Que não era má e sobretudo não era cara, aliás nada era caro naquela terra ... para quem tinha dinheiro. E isso havia. Uma coisa: os graduados tinham, os outros nem tanto, parecia injusto, mas enfim...

Café Portugal ... que lindo, comprámos uma navalha cada um, três estalos (é que as havia de cinco). Aquela era de três. Mais um ronco... Aproveitei e comprei um relógio Seiko: que maravilha, trabalhava bem, o outro que eu tinha já havia apanhado água do rio Poulom… Mas, curioso, quem mo vendeu ficou com ele.... Esta do relógio nem conto, é mesmo de combatente e ignorante nestas merdas: não tinha rubi nenhum, mas funcionava, que se dane ! E dizia 17 ... Made in Japan. Fui a saber e parece que era made in Canarias....

À noite uma volta... Sim lá para o escuro, para lados de Pilão... Porra, a certa altura uma mulher a gritar por não sei quem... Poça, vamos lá, era o único lugar com luz... De trás da árvore surge uma voz:
- Oh furriel, furriel!?

Furriel ?... Mas nós estávamos à civil !... Bem, lá atendemos às solicitações da mulher, nem sei o que ela queria, e afastámo-nos rapidamente para os lados da luz, os canivetes de 3 estalos abertos no bolso… Correu tudo bem, lá chegámos à residencial... Bem, aconteceu nada, mas como é que nós éramos furriéis, vestidos à civil? Fiquei a matutar nessa:
- Mistério…

E aí vou eu, passados dois dias. Lá aparece transporte para Bambadinca.... Barco civil, partida às três horas da manhã quando do macaréu… Tive tempo de levar o capitão do barco para o Bento e lhe dar vinho q.b. para ver se ele não ia... Bem, mas foi, levou o barco o ajudante dele... Mais duas garrafas de Casal Garcia para eles, pró caminho....

Passadas 13 horas estava em Bambadinca.... Lembrei-me do Camões, em perigos e guerras esforçados, pois que passei em cada sítio mais estreito do Geba!... Ainda bem que estava num barco a que chamávamos o barco dos turras, senão tinha apanhado um balázio na cabeça... A guerra existia aí, ao lado, Ponta do Inglês, Ponta Varela, do outro lado o Enxalé, mais à frente o Mato Cão… Mais isto e mais aquilo onde tanta porrada havia e eu, ali, num barco pequeno, cheio de géneros, o capitão caído de bêbado e foi o imediato que conseguiu atracar ao cais de Bambadinca...

Segui um cabo da intendência que era o responsável por aquele material.... Não, para o Branquinho tinham arranjado outro transporte, não me lembro agora. Coisas do destino: queriam que eu fosse naquele cruzeiro...

Finalmente, passadas 13 horas, estava eu dentro do Quartel em Bambadinca a fazer a barba para me ir apresentar ao segundo comandante… Merda, parecia a prova de matemática da maioria dos alunos de agora… Estava cansado e derrotado... Vou ter com o Alferes de Serviço, um rapaz do batalhão que me levou ao AC [Anjos de Carvalho]:
- Meu Major, eu venho de tal parte e vou para tal parte…

Ena, que sermão!
- Vá aprender a apresentar-se!

Lá saí eu do gabinete, envergonhado, porra que o homem era maluco....
O Alferes dizia:
- Guimarães, ele faz sempre isto....

A seguir fui ao Saúl... aquele bom 1º Sargento que bebia muita aguardente e perguntei:
- Meu primeiro, como é que me eu vou me safar deste caralho?
- Guimarães - dizia ele no seu inconfundível sotaque açoreano - tens que dizer como na recruta: Apresenta-se o Furriel tal, nº tal , que vem de tal parte e se destina-se a tal parte, por motivos de ....
- Vamos lá - disse eu para o alferes -, vamos lá ver se cola agora…
- V. Ex.ª dá-me licença, meu major ?
- Sim, senhor! - responde ele, perfilado.
- Apresenta-se a V. Excia o Furriel miliciano n.º 17345368 Guimarães, pertencente à CART 2716 que se encontra em trânsito para a Companhia por motivos de ter cessado a sua licença disciplinar...

O Major, agora mais calmo, diz:
- Poça, vocês sabem apresentar-se porque não o fazem de imediato ?!
- Saiba V. Ex.ª que venho de barco civil de Bissau há 13 horas e ainda não me encontro refeito da viagem… Para além disso ando medicado com Valium e a falta de descanso, de um cigarro e de um bom sono teria sido a causa da minha má apresentação.

O homem senta-se e diz:
- Guimarães, calma que nós já nos conhecemos da Pesada 2 [Vila Nova de Gaia] … Tome um cigarro e depois vá descansar… Agora sente-se aí...

Ai, quando saí de lá e contei ao Oficial de Dia, ele ficou espantado:
- O quê, ele fez-te isso?

E lá fui eu para a Tabanca do Brito.... Sim, foi lá que eu fiquei dois ou três dias até ter transporte para o Xitole...

E, pelo fim de tarde, o Machado e o Vacas de Carvalho, este à viola, cantavam a cantiga com que comecei o texto... Era assim: o Vacas de Carvalho tocava e cantava e o Machado cantava com ele:

Lá porque usas sacola
e só por isso te dão esmola...
etc., etc.


Foi a primeira vez que ouvi esta tão linda cantiga e lembrei-me de mim, pelo meio dia, em frente ao temível Major, aquele Major a quem o Luís chamou uns nomes bem apropriados (1)… Mas era assim... E mais me lembrava daqueles que, no mato, lutavam por aquilo que era deles, e lembrava-me de mim e de nós que ali andávamos... A fazer o quê, afinal ?

E eu que, quando estava com cerveja a mais, só tocava o silêncio por preferência - aquilo que os outros gostavam e pediam… Agora, mesmo sem uma cerveja, tocava esta também, no Xitole:

Lá porque usas sacola
e só por isso te dão esmola...


Porque era linda e fazia mais sentido ....
Um abraço....
David Guimarães

PS - Na altura tinha eu no aquartelamento um livro - Repórter no Vietname.... Porra, se o gajo tivesse ido à Guiné morreria mesmo, não de uma bala na cabeça mas só de susto....

 
2. Comentário do A. Marque Lopes:

Passo dar a minha explicação sobre a licença disciplinar. Os militares nunca tiveram CCT ou ACT... só desde 1990 passaram a ter o chamado EMFAR (Estatuto dos Militares das Forças Armadas) que prevê a concessão de 30 dias de férias.

No antigamente só existia o RDM (Regimento de Disciplina Militar)(2) que regia tudo, punições e recompensas, e definia quem tinha competência para punir e recompensar. E a recompensa lá referida é a licença por mérito, 25 dias dados pelo General de 4 estrelas, 20 pelo de 3 estrelas, etc. "Nos batalhões, companhias e unidades ou destacamentos equivalentes, quando independentes ou isolados, a competência dos respectivos comandantes ou de quem os substituir é a do posto imediatamente superior". Isto é, quem merecesse podia ter a benesse de uma licença à luz do RDM. O Guimarães mereceu. Eu, por exemplo, não devo ter merecido, pois não tive licença nenhuma. Acho que consideraram nessa conta os nove meses que estive no hospital...

Mas acho que o nosso camarada e amigo José Neto, mais dentro dos meandros administrativos, certamente, é que pode explicar isto cabalmente. Eu nunca fui dado a essas coisas.

A. Marques Lopes

 
3. Comentário do Humberto Reis:

David:

Já lá vai um ror de anos mas agora fizeste-me recordar esse 1º sargento da CCS do teu Batalhão [o BART 2917], o Saúl. De facto o estado normal dele era um pouco apático (ou avinhático, que também rima).

Já não me lembro do nome do resto do pessoal a não ser do outro 1º sargento, o Brito, e do ex-alferes miliciano Machado que tive o prazer de visitar, em 1972 ou 73, já na peluda, quando ele ainda morava em Riba d'Ave. E, claro, lembro-me muito bem do meu amigo e vizinho – durante anos! - J.L. Vacas de Carvalho, do pelotão Daimler.

Se te lembrares de mais nomes vai dizendo.
Um abraço
Humberto Reis
_________

Nota de L.G.

(1) Vd post de 26 de Maio de 2005 > Guiné 69/71 - XXVI: A malta do triângulo Xime-Bambadinca-Xitole (6)

(2) Vd o novo RDM, democrático (Decreto-Lei nº 142/77, de 9 de Abril de 1977)