sábado, 25 de março de 2006

Guiné 63/74 - P633: Esquadrão de Reconhecimento Fox 2640 (Bafatá, 1969/71) (Manuel Mata) (3)

Guiné > Zona Leste > Bafatá > 1970 > Vista aérea da sede de concelho de Bafatá, elevada a cidade em Março de 1970. Vista da bela mesquita local.

Arquivo pessoal de Humberto Reis (ex-furriel miliciano de operações especiais, CCAÇ 12, Bambadinca, 1969/71).

© Humberto Reis (2006).





Texto do Manuel Mata, ex-1º cabo apontador de Carros de Combate M 47 > III Parte da História do Esquadrão de Reconhecimento Fox 2640 (Bafatá, 1969/71) (*)


Guiné > Bafatá > 1970 > Vista aérea em época seca, vendo-se a posição do aquartelamento do comando do Agrupamento e do Esquadrão na parte superior da foto. © Manuel Mata (2006)


Guiné > Bafatá > Vista parcial do quartel do Esquadrão. À esquerda oficina, messe de sargentos e messe de oficiais ao fundo e gabinete do Comandante, onde ocorreu o acidente do Furriel H. Sertório (vd. sinalética na foto seguinte). © Manuel Mata (2006)

Guné > Bafatá > Vista parcial do quartel. À direita depósito de géneros e caserna do pessoal de comando e serviços. Ao fundo duas casernas dos pelotões operacionais e residência do comandante junto das árvores. © Manuel Mata (2006)



O Esquadrão de Reconhecimento Fox 2640 (Bafatá, 1969/71) era constituído por:

1 Pelotão de Comando e Serviços;
3 Pelotões de Reconhecimento, equipados com as seguintes viaturas:

- Três Auto Metralhadoras DAIMLER
- Duas Auto Metralhadoras FOX
- Um Granadeiro com blindagem lateral sendo a sua guarnição composta por atiradores.
- Um Unimog cuja secção tinha um morteiro 81.



Guiné > Bafatá > Esq Rec Fox 2640 > Vista parcial. Entrada da cozinha e refeitório do lado esquerdo; viatura Fox frente à oficina e paiol ao fundo do lado direito. © Manuel Mata (2006)


Pelo Comando do Agrupamento Leste 2957 foi entregue o plano de operações Cavalo Veloz das quais faziam parte entre outras, (i) efectuar patrulhamentos de reconhecimento, (ii) manter contactos com as populações, (iii) participar na defesa próxima de Bafatá em colaboração com o Batalhão aí sediado, (iv) ter em permanência um pelotão de Reconhecimento em Piche em coordenação com o Batalhão ali estacionado, (v) realizar escoltas solicitadas pelo Comando do Agrupamento, (vi) fazer segurança à pista de aviação, (vii) assegurar a liberdade de movimento nos itinerários que irradiam de Bafatá, com destaque a estrada de Bambadinca – Bafatá – Nova Lamego, sempre em estreita colaboração com a rapaziada do Batalhão de Bafatá e de Galomaro, no sentido de controle das populações num raio considerável. Exercendo assim um esforço de acção psicológica sobre as populações, tendo sempre por objectivo uma campanha educativa e de formação social.


Guiné > Bafatá > Esq Rec Fox 2640 > Vista parcial, canto da sucata e parte do ringue de futebol 5 ao fundo do lado direito. Pista de aviação ao fundo e casa do serviço meteorológico.
© Manuel Mata (2006)

Em 26 de Novembro de 1969 segue para Piche o 3º Pelotão para render o Pelotão ali destacado pelo Esq 2350 (certamente terão também estes camaradas muito para nos contar da sua passagem pela Guiné, aguardamos…), pelotão esse que veio a ser rendido em 26 de Dezembro acusando um enorme esforço pelo trabalho efectuado ao longo do mês, salientando as patrulhas efectuadas às tabancas de: Madina Bonco, Sinchã, Assumani e Tabatô, onde foram detectadas e levantadas 21 minas A/P e uma A/C. O esforço reflectiu-se particularmente nas viaturas pois algumas vieram a reboque, tal era o seu estado!

No dia 29 de Dezembro de 1969 este Pelotão, destacado em Piche, teve o seu baptismo de fogo, foi uma flagelação com certa gravidade, não tendo os nossos homens sofrido qualquer baixa ou ferido. Estes mostraram a sua garra, patrulharam activamente as picadas da tabanca de Piche, no sentido de expulsar o IN infiltrado durante a flagelação. As tropas estacionadas em Piche sofreram 3 mortes e 2 feridos graves.

Em Janeiro de 1970 recebe o Esq a missão e montar guarda permanente à ponte do Rio Colufe, perto de Bafatá, com alguma estranheza pois estava o Esq preparado e motivado para actividades mais dinâmicas.


Guiné > Bafatá > Ponte do Rio Colufe com a sua celebre estrutura em troncos de palmeira, junto da qual foram encontrados os dois dilagramas. © Manuel Mata (2006)


Dia 29 de Janeiro é rendido o Pelotão Rec. destacado em Piche, continuou a acentuar-se significativamente o esforço dispendido por homens e viaturas, assim foi continuando a vida do Esq. (mina aqui e acolá, levantada ou destruída sem estragos pessoais, patrulhas e escoltas permanentemente).

Nesta mesma data o Comandante-chefe General Spínola visita as tropas de Bafatá reunindo em formatura geral na sede do Esq. Rec. Feita a apresentação da formatura, ditas algumas palavras pelo General Spínola, de boas-vindas, juntou os militares ao seu redor e ali falou ao coração dos praças, chegando mesmo a comentar a dificuldade em homens e material de guerra para a defesa da zona. Era a decadência visível do sistema aos olhos de todos!

Lá foram decorrendo as semanas, os meses, com muitas escoltas, patrulhas, psicos, flagelações constantes na zona de Piche, felizmente continuavam os nossos destemidos homens com as viaturas a cair em pedaços, a fazer o que parecia impossível, mas sempre havia tempo para ir ao Café do Tofico, beber uma cerveja!

Quando se chagava a Bafatá, para retemperar forças lá vinha um fim-de-semana, uma folga, que era reconfortante, com uma ida ao cinema, ao café da D. Rosa, do Teófilo (1), da Transmontana, ao Bataclã, à piscina da nossa bela Bafatá que, em 12 e 13 de Março de 1970, teve as cerimónias de elevação a cidade, onde esteve presente o Ministro do Ultramar.


Guiné > Bafatá > Bataclã, um dos pontos de lazer e divertimento da rapaziada.
© Manuel Mata (2006)
(Continua)
__________
Nota do autor
(1) Café do Teófilo: À saída de Bafatá, na estrada para Bambadinca. Este homem era sobrevivente de um grupo desterrado para a Guiné nos anos 30. No período da guerra era apontado como sendo informador do IN. Foi pessoa com quem me dei particularmente bem, pois tinha pelos alentejanos (em especial de Portalegre) um carinho especial. Era sítio que eu visitava com alguma regularidade, tomava-se uma cerveja gelada, com alguma descrição, acompanhada de uma breve conversa. Era uma pessoa de parcas palavras.
_____

Nota de L-.G.

(*) Vd post anteriores:

2 de Março de 2006 > Guiné 63/74 - DXCVII: Esquadrão de Reconhecimento Fox 2640 (Bafatá, 1969/71) (Manuel Mata) (1)

"No ano de 1969, mês de Agosto, com a apresentação no Regimento de Cavalaria 8, em Castelo Branco, foram mobilizados, para o T.O. da Guiné, os 142 militares que vieram a formar o Esq Rec Fox 2640, mais o Pelotão Rec Fox 2175, este independente e composto por 38 militares.

"Terminado o período de organização do Q.O. da unidade, veio a I.A.O. [Instrução de Aperfeiçoamento Operacional] durante o mês de Setembro de 1969. Aí começou a guerra: o exército não tinha viaturas AM Fox, disponíveis para instrução na Metrópole, as poucas AM Daimler tinham feito Pum!!!, na última instrução de especialidade de 1969.

"Ficámos então esclarecidos da razão que levou à nossa mobilização, os 16 apontadores de Carros de Combate M47, coisa que ainda não tinha acontecido até então, em todo o período de guerra. Como não podia haver especialidade de apontador AM Fox e AM Daimler, socorreram-se dos apontadores CCM47, do RC 4, de Santa Margarida, grupo de especialidade terminada em Maio de 1969 (...)"

3 de Março de 2006 > Guiné 63/74 - DCIII: Esquadrão de Reconhecimento Fox 2640 (Manuel Mata) (2)

Guiné 63/74 - P632: A madeirense CART 2732 (Mansabá, 1970/72) (Carlos Vinhal)

Guiné > Região do Oio > Mansaba > CART 2732 (Mansabá, 1970/72)> 1970 > : 3º Pelotão, secção do Fur Mil Vinhal (primeira fila, à direita, ladeado pelo seu amigo Ornelas). © Carlos Vinhal (2006)


Guiné > Região do Oio > Mansaba > CART 2732 (Mansabá, 1970/72)> 1970 > 3º Pelotão a que pertencia o Fur Mil Vinhal (na primeira fla, à esquerda).© Carlos Vinhal (2006)



Amigos e camaradas de tertúlia: Abram aulas para receber mais um camarada da Guiné. Aqui vai o testemunho do Carlos Vinhal, ex-furriel miliciano da CART 2732 (Mansabá, 1970/72):

Caro Luis Graça


Entrei recentemente no seu site e, como antigo combatente da Guiné, queria deixar o meu modesto contributo para aumentar o número daqueles que não têm complexos em assumir-se como antigos combatentes de uma guerra que, a não querendo, dela não fugiram.

A propósito, lembro-me que após o 25 de Abril foi um tal de aparecerem heróis que fizeram a "guerra colonial" em França, na Suécia e outros países similares que albergavam aqueles que tinham mais coragem para fugir do que para enfrentarem a dura realidade de uma guerra sem fim. Questões ideológicas? Talvez.

Passo a apresentar-me:

(i) chamo-me Carlos Esteves Vinhal, fui Furriel Miliciano Atirador com a especialidade de Minas e Armadilhas;

(ii) fui incorporado como instruendo do CSM em Abril de 1969 nas Caldas da Rainha (RI5);

(iii) a especialidade de Atirador tirei-a em Vendas Novas (EPA);

(iv) em Novembro fui para Tancos (EPE) onde tirei o 33.º Curso de Minas e Armadilhas;

(v) em Dezembro rumei para o Funchal onde ajudei a dar a Especialidade de Atirador a um grupo de militares madeirenses com os quais se formaram as duas primeiras Companhias do Grupo de Artilharia de Guarnição n.º 2 (GAG2) a irem para o Ultramar: a CART2731 foi para Angola e a minha, a CART2732, embarcou no Cais do Funchal para a Guiné no dia 13 de Abril de 1970, chegando a 17;

(vi) uns quantos dias em Brá e no dia 21 do mesmo mês seguimos para Mansabá, situada entre Mansoa e Farim, onde permanecemos até finais de Fevereiro de 1972.

Como se tratava de uma Companhia independente ficámos dependentes administrativa e operacionalmente ao BCAÇ 2885, sediado em Mansoa. Os Oficiais, Sargentos, Cabos e Soldados especialistas eram todos continentais. Os madeirenses, homens de comprovada bravura, eram aquilo que poderíamos chamar a carne para canhão. A verdade é que muitos deles foram feridos em combate mais de uma vez e nunca viraram a cara à luta. Verdadeiros heróis anónimos, embora alguns reconhecidos e louvados até pelo General e Comandante-Chefe das Forças Armadas da Guiné.

Perdemos três militares madeirenses, dois em combate quase no fim da comissão (o Vieira e o Barbosa) e um por acidente (o Silvestre). O soldado Malcata, oriundo do continente, morreu de doença. Perdemos também o Alferes Couto que, tendo como eu o Curso de Minas e Armadilhas, viu-lhe rebentar nas mãos uma mina antipessoal.

Futuramente escreverei mais umas coisas, porque memórias não faltam.

É com muita honra e a título de homenagem aos meus valorosos camaradas madeirenses da CART2732 e em particular ao meu 3º Pelotão que anexo duas fotografias. Na de cima a minha Secção e na de baixo o meu Pelotão.

Refira-se que nesta altura - e só tínhamos 6 meses de comissão - já a Companhia se encontrava desfalcada. Já havia morrido o Alferes Couto e estava hospitalizado o Alferes Bento comandante do meu Pelotão, vítimas do mesmo incidente. Por que estou presente nas fotografias, na Secção estou em baixo à direita, ladeado pelo meu grande amigo Ornelas e, no Pelotão, em baixo à esquerda.

Cordiais saudações para todos os camaradas combatentes da Guiné. Espero e agradeço futuros contactos.

Leça da Palmeira

Carlos Esteves Vinhal

sexta-feira, 24 de março de 2006

Guiné 63/74 - P631: Preocupação com a situação humanitária em Susana e Varela (região do Cacheu)

Guiné-Bissau > Região do Cacheu > Varela > Iale > 2004 > Festa da saída da cerimónia de circuncisão ("fanado") da etnia felupe. © AD - Acção para o Desenvolvimento (2006)

1. Anteontem demos conhecimento, através de e-mail, aos nossos amigos & camaradas da Guiné, membros da nossa tertúlia, do teor de um comunicado de imprensa do Conselho de Concertação Nacional da Plataforma de Concertação das ONG Nacionais e Internacionais na Guiné-Bissau (PLACON-GB), sobre a situação, sobre o ponto de humanitária e da protecção dos direitos humanos, resultante dos violentos combates na fronteira Norte do País com a Província de Casamance (ou Casamança, em português), enclave da República do Senegal, entalado entre a Guiné-Bissau e a Gâmbia (até à constituição da África Ocidental Francesa, fazia parte da Senegâmbia; a presença portuguesa chegou a ser forte até ao Séc. XVII e a língua portuguesa ainda é falada naquela região do sul do Senegal)(1).

Em princípio, não queremos transformar o nosso blogue num portal (noticioso ou outro) sobre a Guiné-Bissau, sob pena de desvirtuarmos o espírito que nos mantém unidos, à volta da nossa experiência comum da guerra colonial e da nossa amizade para com o povo da Guiné-Bissau.

Tal não significa que não estejamos seriamente preocupados com a situação criada pelos confrontos (que já não são de hoje, são cíclicos) das forças armadas guineenses com os rebeldes autonomistas de Casamança (um território que chegou a fazer parte da antiga colónia portuguesa)… Pelo contrário, estamos solidários com os povos de um e de outro lado da fronteira que estão a sofrer com este conflito armado (que, recorde-se, é uma das mais antigas guerras civis latentes em África, há mais de mais vinte anos), bem como com os homens e mulheres de boa vontade que trabalham nas organizaçõ3s não-governamentais, nacionais e internacionais…

Podemos (e até devemos) utilizar o e-mail para trocar informações, factos e opiniões sobre a actualidade guineense, mas não devemos saturar o nosso blogue com informação noticiosa, os comunicados e contra-comunicados, os boatos e os desmentidos, os faits-divers, etc. A Guiné-Bissau é hoje um país independente, que faz parte da comunidade internacional. Não podemos (nem queremos) interferir sobre os seus assuntos internos, independentemente do nosso direito a ter opiniões e a expressá-las, em privado.

Há outros sítios (2) que fazem muito melhor do que nós a cobertura noticios e a reflexão crítica sobre a Guiné-Bissau de hoje e a região em que está inserida...É o caso, por exemplo, do nosso amigo Jorge Neto, jornalista free-lancer em Bissau, e animador do blogue Africanidades, que acaba de deslocar-se para a região de Cacheu, a caminho de Susana. Segundo leio no seu blogue, uma viatura accionou uma mina ao final da tarde de ontem, na estrada que liga S. Domingos a Suzana, no noroeste da Guiné-Bissau.

É o regresso das malditas minas anticarro que foram um dos nossos pesadelos durante a guerra colonial. Neste acidente morrerram dois soldados guineenses e quatro ficaram feridos. Há uma semana atrás, houve outro acidente do género: uma viatura de transporte público despoletou um engenho explosivo semelhante, tendo morrido 11 pessoas.

2. Também o nosso camarada João Tunes se referiu, no seu blogue Água Lisa (6),em post de 20 de Março de 2006, às "nuvens sobre a Guiné", nestes termos:

"De novo, a Guiné-Bissau, em vez da paz e progresso, vê-se a contas com o ferro e o fogo, em que ressaltam as fugas em ondas de refugiados. Agora é no norte, numa teia bélica pouco clara que mete fracções dos separatistas de Casamança (Senegal) e o exército guineense.

"O Jorge Neto não perde a vivência das alegrias (poucas) e dos dramas (muitos) dos guineenses, como se fosse (ele que é alentejano) um fula ou balanta de gema. E vai-nos dando notícias e imagens. Sempre em cima dos acontecimentos. Fazendo a blogo-ponte com os que amam África e que só podem desejar que (mais) esta nuvem negra nos céus da Guiné-Bissau passe depressa. Bem hajas, Jorge".


3. Registe-se, por fim, a mensagem (que é de preocupação, esperança e solidariedade) do Albano Costa:

Caro amigo Luís:

Mais uma vez está na berlinda, por más razões, a «nossa» Guiné... Digo "nossa" porque no fundo, nós portugueses, também a sentimos como nossa... Temos sentimentos e como tal lá estamos nós mais uma vez a lamentar o sofrimento daquele povo, eu pelo menos sinto o sofrimento deles, não merecem, são tão afáveis, tão amigos do seu amigo... Como é possível não poderem viver a sua vida em paz e prosperidade ?!

Fiquei mais uma vez desiludido com tudo o que se está a passar, mas não se pode abandonar aquele povo, temos de os ajudar e eles, povo, merecem. Não vai ser por isso que não vou deixar o meu filho ir à Guiné, claro ele também admira os guineenses, e está já tudo pronto para a viagem que vai ser no dia 5 de Abril. Só que não podem entrar por S. Domingos, irão entrar por outra fronteira mais a leste, Kolda (Farim), ou Cuntima também a leste, por Pirada... O resto da Guiné continua belo e sem problemas.

Em relação ao comunicado, eu também concordo que o nosso blogue não deve ser politizado, deve ser para falarmos sobre o que foi a guerra colonial e para unir os dois povos ainda mais. Bem hajas pelo teu desenpenho.

Um abraço
Albano
_____

Notas de L.G.

(1) Vd., por exemplo, o interessante paper do senegalês Mamadou Mané sobre a presença portuguesa na Senegâmbia até ao Séc. XVII, disponível no sítio do Instituto Camões (originalmente publicado na Revista ICALP, vol.18, Dezembro de 1989, pp.

(2) Vd. por exemplo:
Notícias Lusófonas > Guiné-Bissau
Expresso > África

quarta-feira, 22 de março de 2006

Guiné 63/74 - P630: Álbum fotográfico de Humberto Reis (1): Bambadinca, vista aérea

Post nº 649 (DCXLIX)



Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > 1970 > Espectacular vista aérea do aquartelamento, tirada no sentido leste-oeste, ou seja, do lado da grande bolanha de Bambadinca.

Do lado esquerdo da imagem, para oeste, era a pista de aviação (1) e o cruzamento das estradas para Nhabijões (a oeste), o Xime (a sudoeste) e Mansambo e Xitole (a sudeste). Vê-se ainda uma nesga do heliporto (2) e o campo de futebol (3). A CCAÇ 12 começou também a construir um campo de futebol de salão (4), com cimento roubado à engenharia nas colunas logísticas para o Xitole.

De acordo com a fotografia, em frente, pode ver-se o conjunto de edifícios em U: constituía o complexo do comando do batalhão (5) e as instalações de oficiais (6) e sargentos (8), para além da messe e bar dos oficiais (8) e dos sargentos (9). Apesar do apartheid (leia-se: segregação sócio-espacial) que vigorava, não só na sede dos batalhões, como em muitas unidades de quadrícula, uns e outros, oficiais e sargentos, tinham uma cozinha comum (19).

Do lado direito, ao fundo, a menos de um quilómetro corria o Rio Geba, o chamado Geba Estreito, entre o Xime e Bafatá. O aquartelamento de Bambadinca situava-se numa pequena elevação de terreno, sobranceira a uma extensa bolanha (a leste). São visíveis as valas de protecção (22), abertas ao longo do perímetro do aquartelamento que era todo, ele, cercado de arame farpado e de holofotes (24). A luz eléctrica era produzida por gerador... Junto ao arame farpado, ficavam vários abrigos (26), o espaldão de morteiro (23), o abrigo da metralhadora pesada Browning (25). Em 1969/71, na altura em que lá estuivémos, ainda não havia artilharia (obuses 14).




Guiné-Bissau > Região de Bafatá > Bambadinca > 2001: Uma presença fantasmagórica da guerra colonial... Restos de peças de artilharia (dois obuses 14) que os tugas não quiseram ou não tiveram tempo de desmontar ou destruir. No tempo da primeira comissão da CCAÇ 12 (1969/71) ainda não existia artilharia. (LG)

Foto: © David J. Guimarães (2005). Direitos reservados


A caserna das praças da CCS (11) ficava do lado oeste, junto ao campo de futebol (3). Julgava-se que o pessoal do pelotão de morteiros e/ou do pelotão Daimler ficava instalado no edifício (12), que ficava do outro lado da parada, em frente ao edifício em U. Mais à direita, situava-se a capela (13) e a secretaria da CCAÇ 12 (14). Creio que por detrás ficava o refeitório das praças. Em frente havia um complexo de edifícios de que é possível identificar o depósito de engenharia (15) e as oficinas auto (16); à esquerda da secretaria, eram as oficinas de rádio (17).

Do lado leste do aquartelamento, tínhamos o armazém de víveres (20), a parada e os memoriais (18), a escola primária antiga (19) e depósito da água (de que se vê apenas uma nesga). Ainda mais para esquerda, o edifício dos correios, a casa do administrador de posto, e outras instalações que chegaram a ser utilizadas por camaradas nossos que trouxeram as esposas para Bambadinca (foi o caso, por exemplo, do Alf Mil Carlão, nosso camarada da CCAÇ 12).
Esta reconstituição foi feita pelo Humberto Reis, completada por mim (LG).

Foto: © Humberto Reis (2006). Direitos reservados

Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > 1970 > Outra vista aérea do aquartelamento, tirada no sentido noroeste-sudeste. Em primeiro plano, a pista de aviação, o perímetro em L de arame farpado, o campo de futebol, a antena das transmissões...

Foto: © Humberto Reis (2006). Direitos reservados

Guiné-Bissau > REgfião de Bafatá > Bambadinca > 1997 : Antigas instalações dos oficiais (à direita) e dos sargentos (à esquerda). A messe de sargentos ao fundo, do lado esquerdo. Eram excelentes instalações hoteleiras, para a época e por comparações com outros outros aquartelamentos. A regra geral era a "bunkerização" (por ex., Mansambo).

Em 31 de Maio de 1969, quando o pessoal metropolitano da futura CCAÇ 12 estava a chegar à Guiné, Bambadinca sofreu um grande ataque do PAIGC. Quando lá passámops uns dias depois, eram ainda visíveis os impactes das granadas de morteiro (por ex., num dos quartos dos sargentos, à esquerda). Bambadinca foi palco de trágicos acontecimentos a seguir à independência: julgamento e execução, por fuzilamento, de régulos fulas, além de combatentes que estiveram integrados nas NT. (LG)

Foto: © Humberto Reis (2005) (com a colaboração do Braima Samá, professor em Bambadinca, em 1997). Direitos reservados.

Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > 1970 > A escola primária (no telhado, ainda vísiveis as letras pintadas a branco com o nome da localidade...), frente à parada, o pau da bandeira e os memoriais das unidades que por lá passaram; à direita, a árvore de maior porte que lá existia no nosso tempo, a casa do chefe de posto (se não me engano) e, por detrás, o depósito de água... (LG)

Foto: © Humberto Reis (2006). Direitos reservados.

Guiné-Bissau > Região de Bafatá > Bambadinca > 1997 : Capela de Bambadinca e, à direita, as antigas instalações da secretaria da CCAÇ 12 (1969/71)

Foto: © Humberto Reis (2005) (com a colaboração do Braima Samá, professor local). Direitos reservados.



Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > 1970 > O Humberto Reis junto ao pau da bandeira e aos memoriais das unidades que por ali passaram... A foto foi tirada ainda no tempo do BCAÇ 2852 (1968/70). O único brasão que se consegue identificar é o do BCAÇ 1888 (à direita), presumivelmente da época de 1966/68... (LG)

Foto: © Humberto Reis (2006). Direitos reservados.

Guiné-Bissau > Região de Bafatá > Bambadinca > 1997 : Vinte e sete anos depois, a escola, já em completa ruína... Em 1970, a professora portuguesa chamava-se Dona Violeta...

Foto: © Humberto Reis (2005) (com a colaboração do Braima Samá, professor local). Direitos reservados.


Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > 1970 > Vista aérea da tabanca de Bambadinca, tirada no sentido sul-norte. Em primeiro plano, a saída (nordeste) do aquartelamento, a ligação (B) à estrada (alcatroada) Bambadinca-Bafatá (C), paralela à antiga estrada (A) que cortava a tabanca ao meio. Ao fundo, o Rio Geba Estreito (E). Junto ao rio, as instalações do Pelotão de Intendência (D).

Foto: © Humberto Reis (2006)



Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > 1970 > Entrada principal, pelo lado leste (sentido Bafatá), do aquartelamento... Uma rampa bastante íngreme, poeirenta e movimentada, onde se verificaram alguns acidentes, por falha das viaturas ou erro de condução. Recordo-me, nomeadamente, do acidente com o jipe conduzido pelo major Eléctrico (alcunha). Este oficial superior, que deslocava-se sempre de jipe e que conduzia de uma maneira frenética, um dia perdeu o controlo da viatura nesta rampa, o que lhe custou a fractura dos membros inferiores e o regresso mais cedo à Metrópole... (LG)

Foto: © Humberto Reis (2006)

Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > 1970 > Vista aérea da tabanca de Bambadincazinha (D), a sudoeste de Bambadinca, a escassas centenas de metros do centro (A)....
Em primeiro plano, a estrada nova (C) para o Xime (posteriormente alcatroada) e, mais acima, a antiga estrada (B), paralela à pista de aviação.... Atravessando a tabanca de Bambadincazinho (D), seguia-se em estrada (picada...) até aos aquartelamentos de Mansambo, Xitole e Saltinho (E). Vê-se ao fundo a bolanha de Bambadinca...

Foto: © Humberto Reis (2006)

Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > 1970 > Vista parcial da tabanca de Bambadinca, cortada ao meio pela antiga estrada com acesso (muito íngreme) ao aquartelamento (entrada principal, de leste). Foi aberta a uma nova estrada que contornava o aquartelamento pelo lado da tabanca (a leste) e da bolanha (a sul).

Do lado direito são vísíveis casas comerciais, de estilo colonial, a última das quais era a do Zé Maria (onde comíamos os famosos camarões do Rio Geba, ao fundo). São também visíveis, junto ao ancoradouro do Rio Geba, as instalações do Pelotão de Intendência. Os barcos, de pequeno calado, e nomedamenmte civis (da Casa Gouveia e outros), chegavam facilmente aqui, transportando víveres e outras mercadorias, ao serviço da intendência militar. Era a partir de Bambadinca que se fazia o abastecimento de grande parte das NT instaladas na Zona Leste (Bafatá e Gabu). (LG).

Foto: © Humberto Reis (2006). Direitos reservados.

Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > 1970 > Outra vista parcial da tabanca de Bambadinca, tirada do lado da entrada leste do aquartelamento. Como se pode ver pelos sinais de queimadas, esta foto toi tirada no tempo seco... Ainda se vê ao fundo uma nesga do Rio Geba (Estreito). Emn primeiro plano, a cerca de arame farpado e um conjunto de moranças desta populosa tanbanca, de maioria fula (com mandingas à mistura) (LG).

Foto: © Humberto Reis (2006). Direitos reservados.



Fotos do arquivo pessoal de Humberto Reis (ex-furriel miliciano de operações especiais, CCAÇ 12, Bambadinca, 1969/71)

terça-feira, 21 de março de 2006

Guiné 63/74 - P629: Estórias do Zé Teixeira (6): Abelhas, inimigas de guerra (José Teixeira, ex-1.º Cabo Aux Enf)

Abelhas, inimigas de guerra

Por José Teixeira (ex- 1º cabo enfermeiro, CCAÇ 2381, Buba, Quebo, Mampatá, Empada, 1968/70).

A primeira vez que caímos num ataque de abelhas foi o caos.

A coluna com trinta viaturas carregadas e três obuses de 14 mm, protegida pela CCAÇ 2381 e pelos pelotões da Companhia do Capitão Rei, estacionada em Aldeia Formosa que nos tinha vindo buscar a Buba, ficou na sua maior parte à mercê do IN, perto de Sinchã Cherno.

Só que este, o IN, não tinha na sua agenda atacar naquele local, mas mais à frente. Atacou só no dia seguinte depois de nos fazer um morto numa A/C [mina anticarro] comandada que rebentou só na quinta viatura, a do rádio.

Também eu, aqui, fui um homem de sorte. O milícia que ia a meu lado, ao ver as abelhas aos milhões, agarrou-me por um braço e metemo-nos atrás de um arbusto:
- Fermero fica quieto, abelha, não faz mal ! Não meche, não respira, nem que lhe passe um c... pela boca.
Assim quieto senti-as à minha volta. Pude ver os meus colegas todos a fugir, a sacudir, a coçar e a desaparecer. Ficaram apenas as viaturas e os obuses, na picada. Passados alguns minutos, foram começando a aparecer e tudo voltou ao normal. Eu apenas com duas picadelas, ria-me dos colegas que apareceram a gemer por todos os lados, mas aprendi a lição e preparei-me para um possível segundo ataque que sucedeu meses depois.

Andávamos a montar segurança à engenharia que construía a estrada Buba / Aldeia Formosa. Sentado ao lado do manobrador do caterpillar apreciava como esta máquina derrubava árvores gigantescas, quando de lá de cima cai um grande enxame. Formou-se uma nuvem e toda a gente a gritar pernas para que vos quero. Até uma cadelinha, nossa mascote, que nos acompanhava desapareceu, até hoje. Numa fracção de segundos vejo-me só.

Quico atravessado na cabeça, para me proteger do zumbido, braços cruzados, impávido e sereno (a tremer por todos os lados), sentado no caterpillar a aguardar o ataque. Imaginem o Zé Teixeira como que vestido com um fato novo. Fiquei coberto de abelhas da cabeça aos pés. Só o zumbido me incomodava.

Passado algum tempo começaram a levantar, pois eu não dava luta e com este gajo é melhor não se meterem. Deixaram-me sem uma beliscadura. Os camaradas foram-se aproximando todos picados. Ficaram mais espantados que eu, por me verem são e salvo de um ataque de abelhas. Pomada para toda a gente. Tive inclusive de injectar anti-histamínicos ao Ferraz para evitar a morte por asfixia devido ao facto de ser alérgico.

Ainda hoje tenho mais medo das formigas, mas essas tem outras histórias já contadas.

Zé Teixeira

Guiné 63/74 - P628: Estórias do Zé Teixeira (5): O lugar do morto (José Teixeira, ex-1.º Cabo Aux Enf)

Mensagem de José Teixeira:

Luís: Saúde, paz e felicidade.

Já pensavas em te veres livre de mim, mas estás enganado, eh ! eh! eh!

Aí vão mais duas estórias para a malta digerir: (i) Às vezes é preciso ter sorte; (ii)abelhas, inimigas de guerra.

Um abraço
Zé Teixeira


Às vezes é preciso ter sorte

A coluna arrancou de Buba, de madrugada.

Dois pelotões tinham partido antes, a bater a zona por onde o IN costumava aparecer.
Dois pelotões seguiam pela mata, um de cada lado, à frente da coluna para refrear os ânimos dos nossos amigos.

Eu ia com o pelotão dos picadores à frente da coluna. Por segurança, seguia atrás da primeira viatura, no trilho do seu rodado, pois o seguro morreu de velho e eu não queria morrer tão novo.

Dá-se uma avaria numa viatura da rectaguarda e a coluna retém a sua marcha. Os picadores seguiram em frente e este vosso amigo sentou-se no sítio do rodado da viatura.

Dada ordem de recomeço de marcha, os picadores já iam a quilómetros. Estando o caminho livre, as viaturas aceleraram a marcha. A primeira viatura (o arrebenta-minas) ia carregada de bebidas e sacos de areia à frente e … africanos em cima. Até os assentos eram sacos de areia, o que concerteza não é novidade para os camaradas bloguistas.

Para não desatar a correr como fizeram os camaradas da segurança à coluna, sentei-me no lugar do morto, na dita rebenta-minas, mas de repente tive um rebate de consciência:
- Então tu que, servindo-te da tua categoria de enfermeiro, nunca deixas ir um colega na primeira viatura e agora colocas-te lá tu, todo refastelado! - E saltei, pondo-me à frente da viatura em marcha de corrida, para não ser atropelado.

Passados uns segundos apenas, dá-se um grande estrondo e sou projectado para o chão. Sinto algo a cair-me nas costas e pensei:
- Já estou ! É desta que vou de vez ! - Espero reacções de dor e nada. Passo a mão pelas costas e trago lama e terra.
- Alto lá, parece que escapei !

Então começam a chover pretos à minha frente. Três dos que vinha em cima da viatura. Os outros, e eram vários, também foram ao ar, mas estavam bem. Felizmente só um se feriu com alguma gravidade e um outro apareceu com um olho ao dependuro (2).

A mina rebentou do lado de onde eu tinha saltado uns momentos antes e o condutor foi ao ar e regressou ao lugar de onde saiu pela impulsão, sem qualquer ferimento.

Fiquei apavorado, sem saber o que fazer. Tinha feridos para tratar, tremia por todos os lados e a bolsa de enfermeiro tinha ficado na viatura. As minas podiam estar lá e estavam mesmo. Lá fui à viatura buscar a bolsa e entretanto apareceu outro enfermeiro.

Lavei muito bem a zona ocular do gajo, que estava cheia de lama, coloquei-lhe o olho no sítio e mandei-o para Buba para ser evacuado.

Tudo resolvido, o capitão dá ordem de marcha e . . . pum ! uma anti-pessoal rebenta debaixo de um pneu de um atrelado, também este carregado de bebidas. Tinha sido colocada na berma, fora da linha de actuação dos picadores. O atrelado ao desviar-se do buraco feito pela anti-carro foi descobri-la a cerca um metro do sítio para onde eu tinha sido projectado e naturalmente pisada por muita gente, ao atender os feridos e naquela azáfama de sacar bebidas (2).
_____________

Notas do autor

(1) Encontrei-o depois em Bissau e pude constatar que ficou bem. O nervo óptico não tinha sido afectado.

(2) Logo após o primeiro acidente foi um fartar vilanagem : toda a gente saltou para a viatura e começou a sacar bebidas. Tudo desapareceu rapidamente.

Guiné 63/74 - P627: Para compreender o conflito de Casamança (Jorge Neto)

Guiné-Bissau > "A população da zona fronteiriça de S. Domingos, norte da Guiné-Bissau, está a fugir da região. Os confrontos que ocorreram na madrugada e manhã de hoje [17 de Março de 2006] entre os rebeldes separatistas do sul do Senegal (MFDC) e as forças guineenses estão a fazer aumentar a apreensão no norte do país" (JN)...

Mais uma vez, a população guineense - as mulheres, as crianças, os velhos, os mais pobres e os mais indefesos - têm de fugir das suas casas, por causa das rivalidades dos senhores da guerra... Infelizmente, na origem deste conflito estão causas remotas ou condições antecedentes a que os governos portugueses e franceses da época colonial, que (re)desenharam regiões inteiras a régua e esquadro, não serão alheios (LG)...

Com a devida vénia: Fonte: Africanidades, blogue do nosso amigo Jorge Neto, membro da nossa tertúlia:

17.3.06 > Conflito de Casamança

Os confrontos entre forças guineenses e rebeldes de Casamança são cíclicos. Acontecem sempre que o Exército da Guiné tem a dirigi-lo alguém hostil à guerrilha, como acontece neste momento. Tagmé Na Wai, chefe de Estado Maior General das Forças Armadas da Guiné-Bissau tem um passado de lutas com o movimento rebelde.

Mas nem sempre foram hostis as relações entre as autoridades guineenses e a guerrilha. A Guiné já foi um dos principais fornecedores de armamento ao Movimento das Forças Democráticas de Casamança (MFDC). Diversos relatórios de política internacional asseguram que foi o tráfico de armamento de Bissau para a região do sul do Senegal que despoletou a guerra civil que opôs Nino Vieira a Ansumane Mané.

A guerrilha casamancence reclama, no essencial, a independência do território; um pedaço de terra do tamanho do Alentejo, encravado entre a Gâmbia e a Guiné-Bissau.

O movimento surgiu em 1982 pela mão de um ex-padre católico. Os diversos acordos de paz assinados desde há 24 anos não conseguiram colocar fim ao conflito mais antigo da África Ocidental e um dos mais antigos de toda a África.

Na sua actuação, os rebeldes servem-se da permeabilidade da fronteira da Guiné com o Senegal. Os guerrilheiros usam este facto e o isolamento da região, para fugir às autoridades dos dois países. Por detrás da disputa do território de Casamança há questões económicas: a costa marítima possui importantes reservas petrolíferas. Mas há também questões culturais: os casamancences não se assumem como senegaleses porque desde logo falam outras línguas, o djola, língua étnica, e o crioulo, herança da passagem portuguesa por ali até finais do século 19.

Jorge Neto

Guiné 63/74 - P626: Estilo de comando e espírito de casta (João Tunes)

Comentário do João Tunes ao comentário do Luis Graça:

Tens razão, Luís, toda a razão. Nem sempre evitamos o risco das generalizações ou assim sermos entendidos. Confirmo aquilo que contas – houve muitas vezes, se calhar a mais das vezes, uma disponibilidade de correr riscos, todos, para ajudar outros camaradas de outras unidades em apuros. Até porque NT era NT e IN era IN. E deste um exemplo através de uma narrativa do Humberto Reis (1).

Mas havia o contrário, também. Não porque tenha havido um qualquer acaso a conglomerar almas egoístas. Apenas pelas circunstâncias e, sobretudo, pelo estilo de comando. E, como se sabe, na vida militar e sobretudo em guerra, para mais em situações de isolamento, o estilo de comando é a pedra de toque para os padrões de comportamentos e até da modelagem dos sentimentos.

Pela minha parte, vi de tudo na guerra. Preto, branco, cinzento. E o que mais vi foi cinzento. Sobretudo cinzentos e numa miríade de tonalidades. Como na sociedade. Como dentro de nós, que nunca somos todos bons nem todos maus, puxando a mor das vezes assim a fugir para um tom de cinzento. No fundo, o que mais rareia são os santos e os malvados.

O particularismo do gregarismo grupal-militar e a sua predominância em situações de absoluto isolamento, nas circunstâncias em que estivemos, era inevitável. E como a dureza da situação tinha sempre os seus gradientes, natural que, com o tempo, se acentuassem os fenómenos de hiper-identificação com os seus e o afastamento, que podia ir da frieza até ao escárnio, com os outros (e as praxes dos velhinhos para com os periquitos foi talvez o rosto mais benigno das fracturas de casta).

Com o tempo, os operacionais criavam o seu espírito de casta relativamente aos do apoio, os do mato contra os do ar condicionado em Bissau, cada companhia ou destacamento largava raízes no chão onde éramos atirados à terra.

Eu senti isso porque vivi isso. Na chegada à Guiné havia um predomínio do chamado espírito de batalhão, a guerra estava para vir e as diferenças estavam menorizadas, sentíamos que íamos todos ao mesmo e passar pelo mesmo; depois quando o batalhão avançou para a sua quadrícula, espalhando as companhias, cada uma com a sua própria realidade local, foram-se construindo, sem quase se dar por isso, identificações e diferenças; com o passar do tempo, as sinalizações de rivalidades foram-se acentuando - os da CCS eram os lordes vistos pelos que não lhe pertenciam, cada especialidade ia-se cristalizando na sua especificidade (os da saúde, os rodinhas, os das transmissões, sobretudo os cripto, um subgrupo, os operacionais, os artilheiros, por aí fora). E também se iam construindo os castelos na implantação no terreno – os do Pelundo estavam no bem-bom; os de Jolmete sentiam-se os mais sacrificados (por mais isolados); os de Có, idem idem, aspas aspas.

E são identidades que ficam para o resto da vida, pois ainda se assiste aos ecos disso nos convívios de hoje entre ex-combatentes, passados que são trinta anos e picos.

Mas, se foi como penso, o fundamental, mais determinante, entre tudo, estava no estilo de comando. E se havia uma filosofia de comando global, com pautas de comportamento, vi de tudo, entre o óptimo e o miserável. Vi oficiais e sargentos/furriéis que puxavam pelo melhor dos seus homens, desenvolvendo-lhes comportamentos saudáveis e abrangentes. E vi o oposto disto. Confirmando, num caso ou noutro, que a tropa tendia a identificar-se com o estilo do comando. Para mais, na nossa altura, havia um medonho gap cultural-social que segmentava a sociedade portuguesa. E muita da maturação e socialização dos soldados (sobretudo o grosso, os de origem camponesa) era feita em contacto, e sob batuta, dos exemplos recebidos dos oficiais e furriéis mais próximos, os seus.

Abraço. Como costume, para ti e restantes tertulianos.
João Tunes (2)
___________

Notas de L.G.

(1) Vd post de 17 de Março de 2006 > Guiné 63/74 - DCXXXVIII: O espírito de união dos operacionais: uma coluna de socorro à malta da CCAÇ 12

(2) Sempre lúcido e oportuno este nosso camarada !...Que pena não o ter apanhado lá para os meus lados, na zona leste!... Apesar de vizinhos (ele mora na outra banda do Rio Tejo e eu estou no lado de cá), e com duas tentativas para marcar um encontro, ainda não nos conhecemos... Ou melhor: já falámos duas vezes ou três ao telefone...

De facto, João, é(era) a liderança que faz(ia) a diferença... Os franceses têm a palavra commandement... Nós tínhamos a expressão estilo de comando... Os anglo-saxónicos falam em leadership, que não é uma atributo (como chefia) mas uma relação... Líder (do inglês antigo laeder), é aquele que vai à frente, mostrando o caminho.... Líder é aquele que se assume como tal e que é reconhecido pelo grupo como tal. Chefia (do latim, caput, que deu o francês antigo, chief, chef, cabeça)é um atributo, um cargo, uma função: etimologicamente falando, chefe é aquele cuja cabeça sobressai da multidão... Daí ter um penacho, uma coroa, um trono (muitas vezes para compensar a falta de atributos físicos, como a altura...) ou, mais prosaicamente, galões, divisas ou outros símbolos da autoridade (que é outro conceito diferente de poder, sociologicamente falando)...

Creio que só no exército de Israel os comandantes operacionais (de grupos de combate) são escolhidos, não em função de atributos sócio-económicos (como a escolaridade) mas por qualidades pessoais como liderança e por provas dadas, no terreno... Em Israel um professor universitário pode ser um simples soldado e um operário da construção civil ser um tenente... Na Guiné era raro encontrar-se militares de carreira com formação, treino e qualidades de liderança: homens como o Salgueiro Maio, já referido e citado vários vezes por camaradas nossos que estiveram no Olossato (Paulo Salgado) ou em Guidage (Albano Costa)...Milicianos conheci alguns, poucos, com capacidade de liderança...

No terreno, nunca vi nenhum oficial superior, a caminhar ao meu lado e dos meus soldados (já não digo à minha frente...). Uma única excepção: o tenente-coronel Polidoro Monteiro, um spinolista, que um belo dia me acompanhou num passeio para os lados do temível Poindon...

Todos os oficiais superiores dos batalhões a que esteve afecta a CCAÇ 12 durante o meu tempo - BCAÇ 2852 (1968/1970) e BART 2917 (1970/1972) - comandavam (!) as nossas operações através do famoso PCV (posto de comando a partir de um avioneta tipo Dornier-27)...

O estilo de comando dos oficiais militares do Estado Novo era de opereta: as excepções confirmavam a regra!... Não falo do Spínola, uma vez que nunca estive com ele em actividades operacionais... Foi-me apenas cumprimentar uma vez, já no final da minha comissão, à Ponte do Rio Undunduma! (1)...

Dos africanos que estavam connosco (da tropa-macaca aos comandos) é difícil falar: eles estavam ao serviço do exército colonial... Sempre foram auxiliares ou subalternos dos tugas, desde Teixeira Pinto... Os meus soldados eram de 2ª classe (só por que não tinham a escolaridade obrigatória!). A liderança entre eles também passava pelo estatuto social, pela linhagem... Mas havia homens com qualidades pessoais: determinação, capacidade de influenciar o comportamento do grupo, coragem física...

Quanto ao PAIGC, gostava de saber mais... Por exemplo, como é que um homem como Nino chegou aonde chegou... Há muitos mitos à volta da sua actuação como comandante... Mitos alimentados por nós mas também pelos seus homens... Eis um excelente tema para uma próxima discussão... Alguém o conheceu na frente de combate ? O PAIGC teria sido diferente com Amílcar Cabral vivo ? Mas Cabral não foi um operacional, um verdadeiro guerrilheiro como o Nino...

Como se faz um bom líder (incluindo na frente de batalha), ninguém sabe, não há receitas. A liderança continua a ser, em grande parte, um conceito de tipo caixa preta... Em todo o caso, o homem que mais sabe destes coisas em Portugal (e que, de resto, foi pioneiro na introdução do tema da liderança na formação dos oficiais portugueses durante a guerra colonial) é o meu amigo Jorge Correia Jesuíno, comandante da Marinha e professor universitário (Confessou-me há dias que nunca esteve na Guiné, e do nosso antigo império só terá conhecido, de passagem, Cabo Verde).

Enfim, eu falo destas coisas, com reserva e humildade: nunca passei de um simples comandante de secção (suplente, saltitão, sem secção certa, pião de nhicas...) e, além disso, era um combatente passivo, de arma calada, mais presa do que predador... No exército de Israel, não passaria de um soldado raso, se é que me aceitariam nas fileiras deles...

(3) Vd. post de 3 de Janeiro de 2005 > Guiné 63/74 - CDXVI: Herr Spínola na ponte do Rio Undunduma

segunda-feira, 20 de março de 2006

Guine 63/74 - P625: Projecto Guileje (10): obus 14, procura-se! (Hugo Moura Ferreira)

Guine > Guileje > c. 1970 > Dois militares portugueses, junto ao Obus 140. Segundo informação do Carlos Schwarz (mais conhecido por Peito), fundador e director executivo da AD, esta fotografia do Obus 14 foi-lhe dada por um militar português que lá esteve entre 1970 e e 1971, e qpe pertencia à CCAÇ 2617. É um dos militares que aparece na imagem, de seu nome Abílio Alberto Pimentel da Assunção. A esta companhia seguiu-se a CCAV 8350 (1972/73), a que pertenceu o Fur Mil Op Especiais Carvalho, membro da nossa tertúlia (José Casimiro Carvalho), e que foi a última, a defender Guileje.

Foto gentilmente cedida por © AD - Acção para o Desenvolvimento > Projecto Guileje (2005)


Texto do Hugo Moura Ferreira:

Caros tertulianos, Carlos Schwarz (Pepito), Jorge D. Neto e José Neto:

Como tertuliano que também sou e interessado em tudo o que se relaciona com a nossa Guiné-Bissau, viajo muito para ali através da Net, mas como são tantos os locais relacionados, de certo modo, me perdi.

Parece-me ter lido algures, no que se refere à reabilitação do quartel do Guileje, que algum dos intervenientes teria solicitado informação de alguém que soubesse onde podia existir um Obus 14, para que pudesse ali ser colocado (1).

Depois de ter lido essa solicitação (?), estive uns dias afastado da Net e próximo de um quartel de artilharia. Mais propriamente o do Campo Militar de Sta Margarida.

Ocorrendo-me precisamente o que tinha lido, desloquei-me ali e pedi informações acerca da melhor forma de obter o pretendido. Fui então levado à presença de um Major que, por impossibilidade de me facultar informação objectiva, me colocou em ligação directa com o EME [Estado Maior do Exército].

Fui atendido por um Capitão que me informou, após ouvir as minhas explicações e qual o objectivo que se pretendia, que para se obter o material em questão e outro que porventura fosse necessário (o que, em função da conversa, se me afigurou absolutamente viável), teria que ser dirigido ao Exmº. General Chefe do Estado Maior do Exercito, à atenção do Exmº. Ten-Cor Pimenta Couto, o pedido formal, por quem detenha a responsabilidade da execução do projecto.

Mais me disse que tal pedido poderia ser enviado por correio electrónico para o seguinte endereço: info@mail.exercito.pt.

Espero ter dado alguma ajuda, pois essa foi a intenção.

Abraço.
Hugo Moura Ferreira
Ex-Alf.Mil.Inf. (1965/1968)
CCaç.1621 e CCaç 6
_____________

Nota do autor:

A CCAÇ 1621, depois de estar em Cufar e Cachil, foi terminar a comissão em Sangonhá (2). Portanto tembém está de certo modo ligada a este projecto. Eu para ali não acompanhei a Companhia porque fui transferido para Bedanda (CCAÇ 6 - antiga 4ª CC) (3)(4).

Notas de L.G.:

(1) Vd post de 16 de Fevereiro de 2006 > Guiné 63/74 - DXXXIX: Projecto Guileje (9): obus 14, precisa-se!

(2) Fica a sul de Gadamael Porto (vd mapa de Cacoca)

(3) Vd post de 22 de Dezembro de 2005 > Guiné 63/74 - CCCXCV: CCAÇ 16121 (Cufar); CCAÇ 6 (Bedanda) (1966/68)

(4) Vd post de 10 de Fevereiro de 2006 > Guiné 63/74 - DXVII: Cufar, a Bissalanca do Sul (Moura Ferreira)

Guiné 63/74 - P624: Com a CART 730 em Bissorã e Olossato (1965) (João Parreira)

Texto do João Parreira (ex-Furriel Miliciano) (CART 730 e Comandos, Bissorã e Brá, 1964/66) (1)

Caro Luís Graça & Camaradas:

Estava em Bissorã, nos idos anos de 1965, e naquele dia resolvi pelo cair da tarde ir até à tabanca da Binto Danfa, que era a minha lavadeira...

Já depois de ter feito conversa gira (ai que ricos momentos!) convenci-a a tirar a foto.


Guiné > Região do Oio > Bissorã > CART 730 > 1965 > O Parreira e a Danfa © João Parreira (2006)

Mais tarde chegaram três soldados da minha secção a que se juntaram alguns africanos que posaram para a foto...

E não é que no dia seguinte o Capitão mandou-me chamar e passou-me uma valente piçada por andar à noite nas tabancas na companhia de soldados!!! Fiquei revoltado, mas tive que aguentar e calar.

Guiné > Região do Oio > Bissorã > CART 730 > 1965 > © João Parreira (2006)


Com 2 bajudas e o Furriel Ribeiro (transmissões) e, por trás, o Furriel Amadeu (minas e armadilhas) que mais tarde ficou a tratar da nossa alimentação...

Ao Furriel SAM Nelson que tinha o curso de vagomestre enfiaram-lhe uma G-3 nas mãos e passou a operacional e assim a ter de ir para o mato.

Guiné > Regiãodo Oio > Bissorã > CART 730 > 1965 > © João Parreira (2006)



Nesta altura o Nelson ainda não sabia a sorte que o esperava e eu não cheguei a usar o pilão


Guiné > Regiãodo Oio > Bissorã > 1965 > CART 730 > © João Parreira (2006)


E agora que ando por Bissorã, aqui fica o relato de uma operação naquela zona.



Bissorã > 9 de Janeiro de 1965, Sábado > Operação em Cancongo
Saímos (CART 730) do aquartelamento de Bissorã ao fim da tarde e fomos até ao Olossato, donde partimos às 22H00 para a operação. No caminho para o objectivo avistou-se ao longe uma enorme tabanca pelo que a Companhia, em fila de pirilau, dirigiu-se para ela.

À medida que íamos avançando e dado o silêncio total, pareceu-nos que se encontrava abandonada. Assim era de facto, pelo que os soldados, ou descontrolados ou com ordem
de algum oficial, pois nunca cheguei a averiguar, começaram a revistá-la numa grande
desorganização, com grande alarido e alvoroço, e seguidamente incendiaram-na.


Com os Furriéis Prates (que foi para Brá, para os comandos, mas desistiu), e o Reis (da manutenção-auto), em amena conversa na ponte Bissorã-Barro, tendo como fundo uma manada de vacas.

Guiné > Regiãodo Oio > Bissorã > CART 730 > 1965 > © João Parreira (2006)


Com as labaredas, na escuridão da noite, a avistarem-se a vários quilómetros de distância o Capitão não sei o que é que lhe teria passado pela cabeça, mandou-me chamar a mim e ao Alf Mil Francisco Ferreira que chefiava o meu Pelotão, e disse-nos - acho que como pretexto para não argumentarmos - que, como tinhamos os dois o COE [Curso de Operações Especiais], levássemos os guias e fossemos atacar as casas de mato de Catancó, que ficavam a alguns quilómetros mais à frente. Ele ficaria ali com os restantes Pelotões.

Como o Alf Mil Ferreira nada disse, respondi-lhe que não era prudente pois as chamas denunciavam a nossa presença, e o IN podia estar mais à frente a montar-nos uma emboscada. No entanto ele olhou para o Alf Mil Ferreira depois para mim, e em resposta disse-me para obedecer à ordem que tinha dado.

Como ordens são ordens e não se podem discutir, como nos diziam, e uma vez que fazia parte da 1ª Secção lá fui à frente do Pelotão com os guias.

Estávamos já embrenhados na floresta quando de repente os guias pararam e apontaram na direcção de palhotas que se viam ao longe e onde se podia ouvir,
embora tenuamente, o ruído de vários utensílios que não conseguimos identificar, e notava-se grande agitação, o que não era de estranhar depois do espalhafato e das labaredas que ainda se podiam ver no ar.

Assim a prudência aconselhou-nos a não atacar e montámos de imediato uma emboscada.
Passados cerca de 30 minutos, quando tudo estava calmo e em silêncio total entrámos nelas cautelosamente e iniciámos as buscas de palhota a palhota, mas não encontrámos nenhum material de guerra.

Para não complicar mais a situação e não dar conhecimento ao IN da nossa posição,
decidiu-se que as mesmas não fossem incendiadas e regressámos ao seio da Companhia onde relatámos ao Capitão o que tinha acontecido e ele então deu ordem de regressar a Bissorã.

Nesta altura soube que a revista à tabanca foi infrutífera pois não foi descoberto nenhum material, contudo numa das moranças saíu um africano já velho e porventura mais lento, que foi feito prisioneiro.

Já de regresso, e quase de imediato, eram cerca das 03h00, quando ouvimos barulho que nos pareceu de animais a aproximar-se e, subitamente, apareceu uma manada de vacas que saindo do mato passou perto de nós, e no meio delas escondia-se o IN que,
como é natural, nos atacou.

Com o Furriel enfermeiro Zaupa da Silva junto à tabuleta Olossato-Farim. Distâncias: Olossato: 11 km; Farim: 43 km.

Tenho pena de não me recordar o que continha o cesto que a pequenita tinha à cabeça.


Guiné > Regiãodo Oio > Bissorã > CART 730 > 1965 > © João Parreira (2006)


Como resultado o meu Pelotão que seguia à frente da Companhia sofreu 4 feridos com estilhaços de granadas:

- Alf Mil Francisco Ferreira (Comandante de Pelotão, com gravidade, tendo sido levado para o Hospital;

- Sold José Maria S. Gonçalves (evacuado para o HMP - Hospital Militar Principal);

- Fur Mil Parreira (ferido num braço);

- Sold José Francisco Maçarico Gonçalves (ferido num braço).

O Fur Enfº Zaupa fez-nos de imediato um tratamento sumário.

Guiné > Bissau > Fevereiro de 1965 > O Furriel Miliciano Comando João Parreira, já depois de ter saído da CART 730... "Esta foto foi tirada numa esplanada em frente ao Hotel Portugal, creio que se chamava Café Universal".

© João Parreira (2005)


Naquele momento, e ao ver aqueles camaradas tão ensanguentados, fiquei tão exaltado com o Capitão que, sem medir as consequências, lhe disse frontalmente que a culpa era toda dele e que por isso ia sair da Companhia (2).

Ele ficou a olhar para mim com um ar estupefacto, mas não disse nada. No Olossato, apesar do ferimento não ter sido grave, fui tratado pelo Ten médico que depois me deu uma injecção de Anatoxina, dos Laboratórios Berna.

O certo é que a ferida infectou e teve que ser o Ten médico Jaime Afonso, da CART 730, a curar-me.

Um abraço
João Parreira
____________

(1) Vd post de 3 de Dezembro de 2005 > Guiné 63/74- CCCXXX: Velhos comandos de Brá: Parreira, o últimos dos três mosqueteiros

Segundo o Virgínio Briote, o João Parreira é "uma das lendas vivas dos velhos comandos de Brá. Andou pela Guiné toda, viu camaradas a morrer mesmo ao lado dele, foi evacuado no mesmo heli que transportou para Bissau o corpo do Furriel Morais" (...).

(2) Vd post de 6 de Dezembro de 2005 > Guiné 63/74 - CCCXLI: O 'puto' Parreira, do grupo de comandos Apaches (1965/66)

O Mário Dias e o João Parreira pertenceram ambos ao grupo de comandos Apaches que saiu do 2º curso de comandos realizado na Guiné, em Brá. "Entre nós era conhecido por puto Parreira pela sua aparência um pouco imberbe que, aliás, ainda hoje conserva" (MD).

Guiné 63/74 - P623: Um domingo no Xitole (David Guimarães)


Texto do David Guimarães:


Luís: Não temos sangue de barata, é verdade, mas temos o gosto delas....

Lá, naquele aquartelamento onde vivi durante muito tempo (Xitole, sede da CART 2716 do BART 2917), a refeição principal era muitas vezes filete de cavala com arroz... À noite, eram cavalas com arroz. Sim, sempre os filetes, especialmente nos períodos de isolamento, em que não havia as colunas de reabastecimento de Bambadinca.

Esses períodos eram no meu tempo um descanso para a CCAÇ 12, especialmente para eles, que não nos vinham visitar ao Xitole. Pois era, quando a estrada se tornava intransitável, determinava-se, mandava-se publicar e pronto: não haveria colunas naquela época para o Xitole e consequentemente para o Saltinho...

Só que os do Saltinho, esses tinham coisas que vinham de Galomaro... E nós, pronto, tínhamos chuva, muita chuva... E, claro, tínhamos os filetes de cavala e ainda por cima os canhões sem recuo. Ai, senhor, que coisa, do outro lado do Corubal... Aproveitando a trovoada - ai, ai, ai! - aí vinha granada de canhão...

Já contei anteriormente, no blogue, os bombardeamentos a que fomos sujeitos, quando se experimentava o morteiro 107 mm. Era o 1º Sargento Calha, o instrutor: ai, até que enfim que me lembrei do nome do homem!... Instrução de manhã e à noite aulas práticas: aí vem o Nino e os seus canhões amestrados...

Porra, que aquilo só ouvido (e vivido) !... Passava a trovoada, acabavam as canhoadas e lá íamos nós: primeiro, uma cerveja para celebrar mais um fim de um aatque ou flagelação; e depois outra, para acalmar, deitar.... Ninguém ainda pensou que todos celebrávamos mais um dia, aquele em que não tinha morrido ninguém, com as granadas a cairem na pista e pronto...

Mesmo aí, depois disso tudo, ainda se ia à tabanca... Tudo bem e pronto, cada um com a sua... Só a guerra explica isto.... E, pronto, vamos à refeição da manhã.... Exactamente, lá andavam as baratas a passear no pão que íamos comer... E como elas fugiam, com um sopro, um beijo no pão e lá ia... Com café e era muito bom !

Eu muito gostava da refeição com baratas e tudo ... Saibam que acabamos todos por ter um pedaço de sangue de barata. Luís, é que elas eram tantas !... E mais: muitos comeram o pão com baratas sem ver. Nada mau, eu vi.... e comi!...

Era domingo, que bom !... No intervalo da chuva, vinha o sol... Não poucas vezes, aí vai o pessoal, uns para as tabancas vizinhas para além de Xitole, era norma, acção psico.... Levava-se um calção de banho ou então nem isso, nu mesmo... Cambessé! E vamos para o banho em Cussilinta, maravilha !...

Outros iam pavonear-se entre as bajudas do Xitole, na zona civil:
- Jamtum ! - A pronúncia era esta, e pronto, maço de cigarros, conversa com pessoal e logo à tarde temos o relato: o Benfica joga contra o Porto... Ena, coisa boa!... Punha-se umas calças de bombazina e, pronto, lá andávamos nós a passear a roupa uns para os outros, afinal... Elegantemente vestidos à moda europeia., aquela que tínhamos deixado cá...

O almoço hoje era galinha, que bom !... Era domingo, está visto, mas que bem mesmo, pão, vinho da Manutenção e o prato.... Cuidado, que o pão já não tinha baratas: elas só vinham de noite, curioso... E agora uma sesta e lá vem o relato, golo deste e golo daquele... E no Porto o Lemos já marcou dois... E depois parece que marcou mais dois!

Uns dias mais felizes, outros mais chateados, mais cerveja e ficava tudo por igual... Desculpem-me os benquistas mas eu fiquei muito contente, o Porto tinha ganho, até eu me senti rei, quando o verdadeiro Rei, de nome, era um camarada que vive por Azeitão, e até é benfiquista...

Bem, depois íamos recrear o futebol, fazer uma jogatana bem ao lado da pista... Que maravilha, ganhavam uns e perdiam os outros... Prenda ? Vamos lá todos beber depois do banho... E o domingo terminava assim, merda....

Olhávamos para o cifra - desculpem os de transmissões, os atiradores lá chamávamos isto mesmo ao cabo cripto que levava ao fim do dia um papel para o comandante de companhia:
- Não é que o gajo se deslocou pelas nove até ao Capitão ?! - Pensávamos nós - Mas se coluna não é, foda-se, que raio vai ele fazer com aquele papel na mão ?... Será que... já, com esta chuva ainda... !?

Por isso, os nativos já tinham colocado tantos sacos de coconote na entrada do aquartelamento... - Meus senhores - dizia o Capitão Espinha de Almeida -, amanhã há coluna - Não se contava mas parece que a estrada já está transitável e pronto. Estávamos no fim da época das chuvas, os grandes intervalos fizeram com que a estrada secasse o suficiente.
- Antes isso que uma operação, afinal, poça!, como passaríamos a bolanha???

Um abraço

David Guimarães

PS - E o pão até sabia mesmo a barata... E a coluna não foi ao Saltinho, deixou tudo no Xitole. Os do Saltinho é que fizeram depois uma coluna para virem buscar os géneros....

domingo, 19 de março de 2006

Guiné 63/74 - P622: Ponta do Inglês, Janeiro de 1970 (CCAÇ 12 e CART 2520): capturados 15 elementos da população e um guerrilheiro armado (Luís Graça)

Guiné > Zona Leste > Sector L1 > CCAÇ 12 > Sinchã Mamajai > Janeiro de 1970 > A secção do Humberto Reis (2º Gr Comb) na tabanca em autodefesa da Sinchã Mamajai. Em primeiro plano, o 1º cabo Alves (mais conhecido pela sua alcunha, Alfredo).

Guiné > Zona Leste > Sector L1 > CCAÇ 12 > Janeiro de 1970 > Mais uma coluna logística ao Xitole. Estava-se no tempo seco...

Arquivo pessoal de Humberto Reis (ex-furriel miliciano de operações especiais, CCAÇ 12, Bambadinca, 1969/71).

© Humberto Reis (2006).

Extractos de:

História da CCAÇ. 12: Guiné 1969/71. Bambadinca: Companhia de Caçadores 12. 1971. Capítulo II. 24-26.



(7.3) Op Safira Única: recuperados 15 elementos da população sob controlo IN e capturado um guerrilheiro armado na Ponta do Inglês


Na última operação (1), o IN mostrara-se particularmente agressivo, reagindo a acção das NT durante mais de meia-hora. E o prisioneiro [Jomel Nanquitande] tentara despistá-las com manobras de diversão. A frustração era profunda, sobretudo entre os [soldados] africanos [da CCAÇ 12]. Mas foi imediatamente compensada pelo êxito espectacular da operação seguinte.

Sabia-se que na Ponta do Inglês o IN controlava um aglomerado [populacional]. Segundo as informaçõees do prisioneiro Jomel Nanquitande, a população não estava armada, sendo a segurança aos trabalhos agrícolas feita por um grupo que todos os dias se deslocava do Baio (onde há um acampamento com 50 homens armados), fazendo a cambança do Rio Buruntoni em canoa.

Em face destes elementos, foi decidido fazer uma batida cuidadosa à área da Ponta do Inglês, a fim de aniquilar os grupos IN eventualmente detectados, aprisionar a população que nela vivesse e destruir todos os meios de vida existentes.

0 conceito da operação era executar a progressão e batida com o Dest A (CCAÇ 12, a 3 Gr Comb) e o Dest B (forças da CART 2520) apoiando-se mutuamente, sobretudo a partir de Gundagué Beafada.


Desenrolar da acção:
Em 20 de Janeiro de 1970, pelas 23.30h, a Artilharia do Xime executa uma concentração de 4 tiros sobre a Ponta do Inglês [na margen direita do Rio Corubal, vd. mapa de Fulacunda].

Em 21, ao amanhecer, saem os 2 Destacamentos do Xime, apoiando-se mutuamente e progredindo com o auxílio de bússola através dum itinerário previamente estudado, de maneira a evitar os trilhos que o IN utiliza.

Por volta das 15. 30h, já nas proximidades do objectivo, foram notados indícios de presença humana: trilhos batidos, moringas nas palmeiras para recolha de vinho e um cesto de arroz.

Seguindo um dos trilhos, avistou-se um homem desarmado que seguia em direcção contrárias às NT. Capturado, informou que ia recolher vinho de palma, que a tabanca ficava próxima, que não havia elementos armados e que a maior parte da população estava àquela hora a trabalhar na bolanha.

Feita a aproximação com envolvimento, capturaram-se mais 2 homens, 5 mulheres e 6 crianças. Um dos homens capturados disse chamar-se Festa Na Lona, de etnia Balanta, estar alí a passar férias e pertencer a uma unidade combatente do Gabu. Foi-lhe apreendido uma pistola Tokarev (7,62, m/ 1933) e vários documentos.

Uma pistola de origem soviética, Tokarev, de 7,62, igual ou parecida à que que foi apreendida ao guerrilheiro Festa Na Lona, na Ponta do Inglês, no decurso da Op Safira Única ... Pelo que me recordo, esta pistola ficou à guarda do Alf Mil Abel Maria Rodrigues, comandante do 3º Grupo de Combate, que a tomou como ronco... Não sei se a conseguiu trazer para o Continente e legalizá-la... Ao que parece, esta arma teve a sua estreia na Guerra Civil de Espanha, em 1936, nas fileiras do exército republicano, estando distribuída a pilotos e tripulações de tanques, entre outros... (LG). Fonte: Kentaur, República Checa (2006)
Havia 2 tabancas, cada uma com 4-5 casas, afastadas umas das outras cerca de 200 metros. Cada casa era revestida de chapa de bidon e coberta de capim. Para o efeito foram aproveitados os bidons existentes no antigo aquartelamento da Ponta do Inglês que as NT retiraram em Novembro de 1968.

Foram destruídos todos os meios de vida encontrados e incendiadas casas, a excepção das que ficaram armadilhadas.

Os 2 Dest executaram toda a acção sem disparar um único tiro.

A retirada fez-se igualmente a corta-mato em direcção de Gundagué Beafada, tendo-se chegado ao Xime pelas 18.30h.

Durante a noite, a Artilharia fez fogo de concentração sobre os acampamentos IN do Baio/Buruntoni e Ponta Varela/Poindon.

Guiné > Zona Leste > Contuboel > Julho de 1969 > CCAÇ 2590/CCAÇ 12 > O alferes miliciano de operações especiais Moreira, no meio do Humberto Reis (à sua direita) e do Tony Levezinho (à sua esquerda). O nosso Moreira era o homem de confiança do comandante da companhia, o Cap Brito.

Guiné > Zona Leste > Contuboel > 15 de Julho de 1969 > CCAÇ 2590/CCAÇ 12 > O alferes miliciano Moreira, à esquerda, acompanhado pelo Tony Levezinho (furriel), o Humberto Reis (furriel), o Rodrigues (alferes, já falecido) e o Fernandes (furriel), preparando-se para sair até Sonaco (a nordeste de Contuboel).
Arquivo pessoal de Humberto Reis (ex-furriel miliciano de operações especiais, CCAÇ 12, Bambadinca, 1969/71).

© Humberto Reis (2006).

A 27 do mesmo mês, um grupo IN não estimado flagelaria durante 2 horas o destacamento de Taibatá utilizando 2 canhões s/r, mort 60 e lança-rockets.

E ainda de destacar durante o mês a Op Rubi Tosco que foi o primeiro patrulhamento ofensivo que a CCAÇ 12 efectuou na área do Enxalé, depois desta ter passado a pertencer ao Sector L1, a partir de Outubro último, sendo até então da responsabilidade de Mansoa.

A 27, a CCAÇ 12, a 3 Grupos de Combate, saiu de Bambadinca pelas 7. 30h e cambou o Rio Geba em Samba Silate. Seguiu depois de S. Belchior para o aquartelamento do Enxalé onde foi reforçada com 1 seção de um pelotão da CART 2520.

Dirigindo-se na direcção NW as NT atravessaram a ponte do Rio Malafo e descerram até ao ponto de confluência com o Rio Geba. A foz do Rio Malafo está referenciada como um local de cambança das canoas IN que vêm das regiões de Xime e Quínara com reabastecimentos. Foram detectados, de resto, muitos vestígios do IN.

Após o reconhecimento da zona, os Gr Comb ficaram ali emboscados até de manhã mas sem resultados. Depois do Oficial de Operações Especiais da CCAÇ 12 [Alferes Miliciano Moreira] ter armadilhado o local, regressou-se ao Enxalé, seguindo-se ao longo da margem direita do Rio Geba.

Durante o mês a CCAÇ 12 realizaria quatro acções, tendo nomeadamente montado linhas descontínuas de emboscadas entre Bambadinca e Nhabijões, e uma coluna de reabastecimento para o Xitole.

Entretanto a secção [da CCAÇ 12] destacada em Sinchã Mamadjai foi transferida (em 24) para Sansancuta a fim de controlar os trabalhos de auto-defesa da tabanca, regressando definitivamente a Bambadinca a 12 do mês seguinte (1).
__________

Notas de L.G.:

(1) Vd posts anteriores, relativos à actividade operacional da CAÇ 12 durante o mês de Janeiro de 1970:

7 de Março de 2006 > Guiné 63/74 - DCXII: Assalto ao destacamento IN de Seco Braima, na margem direita do Rio Corubal (Janeiro de 1970, CCAÇ 12, CAÇ 2404, CART 2413)

13 de Março de 2006 > Guiné 63/74 - DCXXIII: Op Borboleta Destemida: uma emboscada de meia-hora (Poindon/Ponta Varela, CCAÇ 12, Janeiro de 1970)
(2) Sinchã Mamajã (e não Mamadjai, segundo a carta de Bambadinca) e Sansancuta ficavam a leste da estrada Bambadinca-Mansambo, na parte norte do Regulado do Corubal.

Guiné 63/74 - P621: Estórias de Dulombi (Rui Felício, CCAÇ 2405) (3): O dia em que o homem foi à lua


Jantar a bordo do Uíge, a caminho da Guiné > Finais de Julho/princípios de Agosto de 1968 > Os quatros alferes milicianos da CCAÇ 2405: David e Raposo, do lado esquerdo; Felício e Rijo, do lado direito. © Paulo Raposo (1997) (O meu testemunho e visão da guerra de África, de que iremos publicar em breve uma série de excertos)

Lisboa > Março de 2006 > A lua, o satélite do nosso planeta, vista do Lumiar, ainda de madrugada... © Luís Graça (2006)


Texto de Rui Felício

Guiné > Zona Leste > Subsector de Galomaro >Samba Cumbera> Destacamento > 3º Grupo de Combate da CCAÇ 2405


20 de Julho de 1969

Era domingo… Durante todo o dia a rádio ia noticiando a chegada do homem à Lua… A célebre frase do astronauta afirmando que o passo que acabara de dar em solo lunar era um passo de gigante para a humanidade, era escutada repetidamente nos pequenos transistores que nos mantinham ligados ao mundo (1).

Claro que não havia televisão na Guiné e, mesmo que houvesse, jamais seria vista em Samba Cumbera (2), pequena tabanca onde a luz nos era fornecida através de garrafas de cerveja cheias de petróleo, nas quais se embebiam torcidas de desperdício que, depois de acesas, nos enchiam os pulmões de fuligem e fumo.

Mas nos confins da mata, longe de toda a civilização, a importante notícia precisava de ser partilhada e divulgada... Os soldados se encarregariam de o fazer à sua maneira, junto das bajudas.

Por mim, preferia meditar sobre o assunto, silenciosamente... Afinal os nossos avós jamais imaginariam que alguma vez o homem pudesse chegar à Lua, apesar de Júlio Verne, o visionário do século anterior, já o ter previsto…

E, longe das mais modernas evoluções da ciência e da tecnologia, os naturais da Guiné que nasciam e morriam na sua aldeia da selva sem nunca sairem do pequeno perímetro onde viviam, muito menos sonhariam com essa utópica possibilidade de o homem chegar à Lua.

Como muitas vezes fazia, depois de jantar, sentei-me numa cadeira de fula, onde descansava semi deitado, olhando o céu, nessa noite muito limpo e estrelado…

Bem alto, a luz branca da lua, em quarto crescente, derramava-se pela orla da floresta e pelos cones de capim dos telhados das tabancas, desenhando sombras fantasmagóricas pelo terreno limpo do centro da aldeia.

E mantive-me assim deitado, o olhar fixo na lua, tentando prescrutar o mais pequeno sinal da presença do homem que eu sabia estar ali vagueando, em qualquer lugar do Mar das Tempestades…

Não sei quanto tempo assim me mantive, absorto, atento e quieto… Despertei e voltei à realidade com a voz do meu simpático amigo Samba, Chefe da Tabanca de Samba Cumbera, que me perguntava se podia sentar-se a meu lado, para o qual arrastara uma cadeira semelhante à minha…

Era um homem de grande cultura árabe, que conhecia muito da história do islamismo, que sabia com um estranho rigor a exacta direcção de Meca, que lia e escrevia árabe, que conhecia em pormenor toda a história dos Fulas e da razão de ser da sua permanência na terra da Guiné… Para onde, dizia, foram empurrados em sucessivas lutas tribais com os seus rivais Mandingas…

As nossas conversas eram normalmente muito agradáveis e, posso dizer, sempre aprendi mais com ele do que ele comigo…

Temos a tendência e o preconceito de avaliar os outros, pelos nossos parâmetros e pela nossa cultura, catalogando-os de bárbaros e analfabetos só porque não têm o conhecimento e a instrução, medidos pelos nossos padrões.

Aprendi que no meio daquela gente, existiam homens com conhecimento mais vasto e aprofundado que muitos dos nossos soldados… O Samba era um deles…

Perguntou-me porque estava tão pensativo e quieto… Respondi-lhe que aquela noite era muito especial para o mundo, porque estava se passando algo que nunca antes tinha acontecido…

Franziu o rosto, comentando que, pelo meu ar, não devia ser coisa boa… Sorri, dizendo-lhe que era exactamente o contrário…

E, embora sabendo de antemão a resposta, perguntei-lhe apenas como forma de iniciar a revelação do que estava acontecendo:

- Sabes que neste preciso momento um homem como nós caminha na lua que está ali em cima diante dos nossos olhos?

A reacção foi inesperada e contrária a tudo o que eu teria imaginado:

- Alfero! Não é um homem como nós, não! É o profeta Maomé que, juntamente com Alá dali nos vigia a todos, para nos proteger, nos ensinar o caminho justo e para nos castigar quando dele nos desviamos…

E prosseguiu:

- Como é possivel que homem grande e instruido como o Alfero, só hoje soubesse isso? Não entendo mesmo!...

Pensei durante uns segundos se devia argumentar, puxar dos meus galões de homem civilizado, e demonstrar-lhe a minha superioridade, provando-lhe que não era nada daquilo que ele dizia. Desisti de o fazer…

Afinal, ambos nos estávamos alimentando de sonhos… e, cada um à sua maneira, sentiamo-nos felizes pela beleza insubstituível de um luar africano em noite calma e limpída…

Independentemente de quem lá estava caminhando naquele momento…

P.S. - Passados dias, com a chegada de um jornal de Lisboa, mostrei-lhe as fotografias do astronauta pisando a Lua. E, então expliquei-lhe o que realmente se tinha passado naquela noite… Pelo seu ar meio trocista, ainda hoje não sei se o convenci…

Mas como ele também não me convenceu que por lá andavam Alá e o Maomé, ficamos quites, cada um na sua... em paz!

Rui Felício
Ex-Alf Mil Inf.
3º Grupo de Combate
CCAÇ 2405 (Dulombi, 1968/70)
_____________

Notas de L.G.

(1) O astronauta Neil Armstrong foi o primeiro homem a pisar a Lua... Ficou célebre a sua frase: "Este é um pequeno passo para o homem, mas um grande salto para a humanidade". Os outros dois tripulantes da nave Apolo 11 eram Edwin Aldrin e Michael Collins.

(2) Samba Cumbera (vd. mapa de Duas Fontes): fica entre Moricanhe (mapa do Xime) e Galomaro, a nordeste de Candamã...