sexta-feira, 14 de abril de 2006

Guiné 63/74 - P698: A emboscada na fonte de Mansambo (19 de Setembro de 1968) (Carlos Marques dos Santos)

Textos do Carlos Marques dos Santos:

1. Luís:

Estou com o Jorge Cabral (1) na apreciação que faz da guerra. A guerra não foi igual para todos.

Fico, às vezes, espantado com a fluência de histórias que aparecem contadas e, muito mais, vividas. Eu que estive sempre, mas sempre, entre quatro arames farpados, que estórias tenho para contar!? Nenhumas.

Nada, rigorosamente nada, a não ser, o ter comido mancarra verde para matar a fome de três dias, mandioca apanhada da terra, água dos charcos das picadas, feijão frade durante um mês, a ração de combate deitada fora porque era doce e salgada ao mesmo tempo.

Sede. O banho, aproveitando a água das chuvas. Ou, então, sem água durante um mês em destacamentos isolados. 5 ou 10 litros de água bebida em sofreguidão quando chegava ao aquartelamento.

Nota: O Pel Caç Nat 63, de Fá Mandinga (nossa primeira sede), esteve em várias operações connosco, CART 2339, nomeadamente as Cabeça Rapadas, Pato Rufia, Lança Afiada.

CMS


2. Luís:

Ninguém te deixa um segundo de descanso. Envio um esclarecimento e ao mesmo tempo algumas dúvidas em relação a anteriores entradas no blogue.

Tempos e factos às vezes não jogam. Duas notas pessoais, registadas em 11/07/1968:

(i) Chegou o novo furriel de transmissões. Fui a Bambadinca saber se haveria transporte para Bissau para ir tratar dos dentes. Quininos e mais quininos destruiram o meu aparelho mastigador, mas convenhamos, seria mais uma tentativa de afastamento do cenário de guerra. Há que aproveitar.

Fui informado que, em Mansambo, tinha desaparecido um nosso soldado, na fonte, concerteza levado pelos turras. Logo de seguida a Companhia saíu para uma batida, na área e o Alferes de Mílicia de Moricanhe morreu com o rebentamento de uma mina A/P.

Continuo a aguardar transporte. Só a 19 saí para Bissau, de barco - chamado Corubal... Rápido, pois demorou só 5 h e meia.

Dia 20 fui ao Hospital. Marcaram consulta para 22. Lá estava eu. O médico queria arrancar-me 5 dentes. Não concordei. Tive alta. Fui para a guerra outra vez.

O episódio relatado do ataque na fonte em que o Saagum ficou ferido seria a 19/09/1968 e nessa altura não houve desaparecidos.

(ii) 07 h. Pequeno almoço. 8.30 h, rebentamentos na direcção da fonte. O 1.º Pelotão estava à água (o Saagum era do 1.º Pel). Ataque IN do cimo da copa das árvores. Reacção imediata do Pelotão, apesar do insólito.

Das árvores? Nunca tinha acontecido. Feridos! Antevê-se a tragédia. 1 morto e 11 feridos, 5 deles gravemente feridos.

Evacuação urgente. 3 Hélis evacuaram os feridos graves para Bissau e os menos graves para Bambadinca. Chegou coluna do Batalhão em ajuda. Reconhecimento da Zona. Trilhos, vestígios de sangue. Mau dia, este.

Dia 20. Comandante em Chefe, Governador da Província - Spínola. Trouxe notícias dos feridos e conforto moral.
__________

Nota de L.G.

(1) Vd. post de 12 de Abril de 2006 > Guiné 63/74 - DCXCVIII: Reflexão de Jorge Cabral (Pel Caç Nat 63): recordar ou esquecer a Guiné ? E qual delas ?

Guiné 63/74 - P697: Força, Zé, contra o tabaco marchar, marchar (5) (David Guimarães)

1. Texto do David Guimarães:

A ajuda para deixar de fumar (que coisa chata mesmo!): muita vontade mesmo e nunca por nunca mais pegar nele, no cigarro...

Não sei se serve - um dia alguém me tinha dito que o ti-no-nim (ambulância a tocar) dava uma preciosa ajuda ao abandono do tabaco... Foi mesmo assim que eu consegui: um dia fui parar ao hospital com 6,5 de hemoglobina... Nunca mais peguei no cigarro...

Mas que custa, custa, muito mesmo... Bem, nenhum médico me proibiu, eu é que achei giro deixar de fumar. Curado do hospital da maleita que me chegou, aí vou para casa... Ena, cigarro, não senhor, eu podia, eu queria e eu era forte...

Bem, não dormi uns dias, acordava em sobressaltos, enfim, aos dias 24 de cada mês dava-me cada crise de ansiedade ... Poça, e durou bastante tempo!!!

Vale a pena, a saúde nem sei se ganhei mais, mas uma coisa garanto: fiquei a respirar bem melhor mas só ao fim de um ano é que comecei a ver os resultados... Enrouquecemos, etc., etc., e depois tudo passa.... O cheirinho do cigarro que o meu filho fumava, ui, que me sabia tão bem... Mas não pequei mais e valeu a pena.... É que durante o processo de limpeza tens estes inconvenientes ...

Em religião, para quem acredita, há uma máxima de Cristo no perdão: "Vai e não voltes a pecar".

Eu digo para o Zé: "Vai e não voltes a fumar"... Bom conselho... de quem, como eu, que fumou até aos 47 anos, seguidinhos. E olha que logo bem cedo comecei: com 14 anos já tinha autorização expressa por escrito para fumar no colégio onde eu andava...

Se ajuda alguma coisa, valeu a pena; se não ajudou, paciência... Mas a história é simples, não fomos feitos com nenhuma chaminé na cabeça, para que havemos de fazer de nosso nariz e boca chaminés... à força ?

Um abraço Guimarães.


2. Novo texto do David Guimarães:

Mais uma ajuda, agora volto a ser operacional, vamos para a guerra... Uma das coisas que fiz, mal cheguei ao mato, foi saber onde estavam os cigarros... Muito bem, tomámos conta e haviam lá uns cigarritos ainda da CART [ 2413] que íamos render... Maravilha, dava para quem fumava... Cigarros Porto e Português Suave... Verdade mesmo: não estou a falar de futebol, falo dos cigarros que na altura encontrei no Xitole... picados já pela humidade (enfim, enfim, fumava-se tudo!)....

Rara excepção - mas sempre quando se ia dar um passeio pelo mato... de caçadeira G3, ração reforçada de combate tipo E... E, claro, sempre uns dois ou três macitos de cigarros no bolso... O cantil cheio de água, onde já se tinha metido uma patilha de halozone (creio que é assim que se escreve) e depois uma pastilha antigosto que ia tirar aquele gosto a cloro com que a água ficava, do desinfetante...

Uma preocupação de retirar daquela refeição - aquelas geleias... sim senhor, nunca levei... Não que nem gostasse mas o raio das formigas também gostavam e depois não me deixavam em paz...

Também o cigarro teve uma acção pedagócica de não agressão - eu sempre que ia passear á tabanca lá levava os cigarros no bolso para dar um à mulher do chefe de Tabanca, outro a outra e ainda mais um ao chefe...

- Manga de bom Furrié!
- Jamtum - (a pronúncia é esta, não sei se era assim escrito)...

E pronto, uma conversa e toca a colocar o crioulo em dia.... E Furrié manga de bom - isso interessava: enquanto bom, era bem recebido, mau eu nada ganharia... E era mesmo manga de bom: para me dizerem isso outra vez, mais cigarros se leva para eles.... Quem sabe se algum cigarro substituiu uma bala na minha cabeça no meio do mato... É que lá, eles deveriam me conhecer e bem... Deveriam não, conheciam mesmo, pois eram eles que pela noite viviam juntos de nós ...

Pronto, como posso eu dizer mal do cigarro? Mas vale a pena deixar de fumar, sim. E só sente quem já fumou, mas que custa deixar custa e, cuidado, é que depois para suprir a falta às vezes apetece beber mais um copo ou umas imperiais ou finos (conforme Sul ou Norte de Portugal...) Essa é a pura verdade....

Um abraço.
David Guimarães

Guiné 63/74 - P696: Força, Zé, contra o tabaco marchar, marchar (4) (Carlos Vinhal)

Caro Luis, parabéns pela luta contra o tabaco.

Fundamentalismos à parte, esclarecimentos quantos mais melhor.

Aqui vai o meu testemunho.

Iniciei aos 16 anos quando comecei a ter algum dinheirito para investir. A média era um maço por semana.

Aos 18 era já um fumador profissional porque, como trabalhava, tinha dinheiro para fumar um maço por dia.

Na tropa já era licenciado na matéria, maço e meio por dia era a média.

Na Guiné a média subiu ligeiramente. Como eu não era 100% operacional, de três em três dias fazia sargento de ronda (voluntariamente) pelo que estes dias tinham exactamente 24 horas de actividade. Logo a média subia para os TRÊS maços. Nos outros dias a média era quase dois.

Voltando à vida civil a dose diária era de quase dois maços. Aos 30 anos tive um problema num restaurante. Enquanto esperava pelo almoço tomei um aperitivo e fumei um cigarro. Antes de começar a refeição, senti-me mal, desmaiando duas vezes em escassos segundos. A minha mulher ficou assustadíssima, foi uma confusão total à minha volta e eu muito envergonhado no meio daquilo tudo.

Nessa hora decidi que iria deixar de fumar. Fora precisos cerca de 15 a 20 dias até deixar abandonar definitivamente. Não fumo há cerca de 28 anos. Nos primeiros tempos tinha pesadelos comigo a fumar. Cafezinho sem cigarro era um verdadeiro martírio. Os primeiros anos de abstinência foram muito difíceis. Ninguém me diga que é fácil deixar de fumar. Disso percebo eu.

Já agora, para ser honesto, fiz duas tentativas anteriores para deixar de fumar. Na primeira tive 1 ano de abstinência e na segunda 2 anos, mas acabei vencido pelo vício.

Há uma ideia de que quando se deixa de fumar há tendência para engordar um pouco. Comigo não aconteceu isso. Mantenho ainda hoje o peso dos meus 20 anos.

Como o nosso tertuliano Hugo Ferreira, quando compro carro novo, a primeira coisa que faço é retirar os cinzeiros amovíveis. Em casa não há cinzeiros porque, não fumando eu, ninguém está autorizado a fazê-lo.

Por favor não fumem. Queimar saúde e dinheiro é mesmo uma atitude estúpida. Quem se lembra disso?

Um abraço e boa Páscoa para todos
Carlos Vinhal

quinta-feira, 13 de abril de 2006

Guiné 63/74 - P695: Do Porto a Bissau (9): Entrevistados na rádio (Pepito)

Guiné-Bissau > Bissau > Rádio Comunitária Voz de Quelele > Os jovens repórteres do Porto foram notícia... Na foto, o Hugo e a Inês...

© Pepito (2006)


1. Acabei de chegar ao Porto onde vou passar as miniférias da Páscoa. Na minha caixa de correio, deparei com uma mensagem do nosso amigo e tertuliano Pepito, director executivo da AD - Acção para o Desenvolvimento, com a data de hoje, 13 de Abril, 13h32.

Guiné-Bissau > Bissau > Rádio Comunitária Voz de Quelele > O nosso coronel A. Marques Lopes, aos microfones da rádio local, sob o olhar (e o ouvido) atento do Manuel Costa e do Armindo Pereira...

© Pepito (2006)


O Pepito recebeu, na sua morança, os nossos mosqueteiros, esta manhã. Mandou-me também várias fotos dos nossos tertulianos, a serem entrevistados pela Rádio Comunitária Voz de Quelele (bairro de Bissau), que é uma das belas iniciativas que ele, através da sua ONG, apoia e acarinha.

Aqui ficam algumas dessas imagens que me chegaram de Bissau, que nos enchem de alegria e que também já reencaminhei para o Albano (tive inicialmente algumas dificuldades técnicas em inseri-las no blogue, já que não estava a trabalhar com o meu PC, em Lisboa).


Guiné-Bissau > Bissau > Rádio Comunitária Voz de Quelele > O Xico Allen, o coração e o cérebro, do rali Porto-Bissau, visivelmente bem disposto, a falar com o locutor de serviço da rádio local, que é um das meninas bonitas da AD- Acção para o Desenvolvimento...

© Pepito (2006)


Aproveito para desejar Boas Festas a todos, em Bissau, em Lisboa ou no Porto, onde quer que os nossos amigos e camaradas da Guiné, membros da nossa tertúlia, estejam a passar estes dias. Eu regresso a Lisboa na segunda-feira ao fim da tarde. E dia 22, parto para Itália (Roma-Nápoles-Palermo-Roma), pelo que o nosso blogue irá provavelmente ficar às escuras... até ao dia 1 de Maio.

Uma especial saudação aos nossos amigos e camaradas que já estão na Guiné (Allen & Companhia) e para os que lá vão ter este fim de semana (Almeida & Companhia).

Sei, pelo Albano, que a vida está caríssima em Bissau, o que é uam boa notícia para os nossos turistas da saudade... Pede-se 12 contos (!) para dormir em Bissau...

Também sei que os heróis da estrada foram o Allen, a Inês, o Hugo e o Manuel Costa. O Marques Lopes e o Armindo foram poupados... O Manuel Costa, que esteve em Quinhamel no tempo da guerra, já tinha ido à Guiné, em 2000, com o Albano e outros.

Guiné-Bissau > Bissau > Rádio Comunitária Voz de Quelele > Os nossos seis mosqueteiros, esta manhã, no estúdio da rádio local... Em primeiro plano, o A. Marques Lopes (de costas) e o Manuel Costa, que é de Guifões (Matosinhos) e é primo do Albano Costa.

© Pepito (2006)



Um abraço especial para o Pepito, o Jorge Neto, o Paulo e a São Salgado, que vivem em Bissau. Para o o Allen, a Inês, o Hugo, o Marques Lopes, o Armindo e o Manuel Costa - tudo gente do Norte ou aculturada, como é o caso do lisboeta e alentejano Marques Lopes - vou-lhes depois mandar um cheirinho da Páscoa cá de cima, uma quadra festiva que aqui tem outro encanto (LG).
__________

2. Mensagem do Pepito:

Olá, Luís

O pessoal do Porto-Bissau esteve esta manhã, aqui na nossa ONG, a visitar a Escola de Artes e Ofícios, o Centro Juvenil Multimédia e a Rádio Comunitária Voz de Quelele.

Guiné-Bissau > Bissau > O jipe está de partida para Quinhamel: o Manuel Costa esteve lá na tropa e quer matar saudades ... O grupo vai lá almoçar.

© Pepito (2006)


Mando-te fotos da entrevista que eles deram à Rádio, antes de seguirem para Quinhamel onde foram almoçar. Os reporteres do grupo (o Hugo e a Inês) também foram notícia.

É pessoal muito porreiro. Não lhes vão chegar os dias para tantas coisas que querem fazer. Na 3ª feira vão a Guileje e à Mata de Cantanhez.

Boa Páscoa

pepito

3. Realizou-se recentemente, de 14 a 20 de Março de 2006, o 1º Festival das Rádios Comunitárias da Guiné-Bissau "Ondas da Cidadania", iniciativa que teve o apoio, entre outras ONG, da AD- Acção para o Desenvolvimento. Pela sua importância cívica e cultural para a Guiné-Bissau e o resto da CPLP, a notícia merece um pequeno destaque no nosso blogue (vd. Declaração de Bissau, a seguir).


Guiné-Bissau > Bissau > Cartaz do 1º Festival das Rádios Comunitárias da Guiné-Bissau "Ondas da Cidadania" (14-20 de Março de 2006).

Declaração de Bissau

Dia 19 de Março de 2006

Reunidos de 13 a 19 de Março de 2006, em Bissau, representantes de rádios comunitárias e de organizações não-governamentais da CPLP – Comunidade dos Países de Língua Portuguesa declaram:

Consideramos que…

- …as rádios comunitárias são fundamentais no processo de democratização das comunicações e na busca da inclusão social dos sectores sociais menos favorecidos;

- …as verdadeiras rádios comunitárias promovem a educação, saúde, consciência ambiental e o protagonismo das mulheres e dos jovens;

- …é notória a mudança de cenário nas regiões nas quais as rádios comunitárias funcionam, pois criam um ambiente de cidadania e participação popular;

- …em alguns países da CPLP, por pressão das emissoras privadas ou dos partidos políticos no poder, as rádios comunitárias são reprimidas, fechadas e, em alguns casos, seus integrantes são presos ou multados;

- …ao mesmo tempo, muitos ministérios das áreas sociais (educação, saúde, meio ambiente, etc…) destes mesmos governos utilizam as rádios comunitárias para suas campanhas sociais, o que não deixa de ser uma forma de reconhecimento da relevância destas emissoras.


Propomos:

- Que os governos dos países nos quais existe repressão às rádios comunitárias suspendam imediatamente essa prática autoritária;

- Que nos países em que ainda não há rádios comunitárias sejam criadas condições políticas e legislativas para estimular o desenvolvimento deste modelo democrático de radiodifusão;

- Que as rádios comunitárias sejam apoiadas pelos governos como emissoras fundamentais na promoção da pluralidade, inclusão social e busca de qualidade de vida;

- Que os governos dos países da CPLP garantam critérios democráticos de autorização de frequências para as rádios comunitárias;

- Que essas rádios sejam reconhecidas pela legislação dos países como espaço de garantia do direito de comunicar, que é um direito humano básico;

- Que essas emissoras, para o pleno exercício do direito acima citado, não tenham restrições para o acesso ao microfone, independentemente dos diplomas de jornalismo ou radialismo;

- Que a rádio comunitária seja reconhecida como instituição do terceiro sector da comunicação, com gestão colectiva e democrática;

- Que as rádios comunitárias da CPLP promovam uma permanente politica de intercâmbio e construção colectiva;

- Que as rádios da CPLP se unam às emissoras dos demais países e continentes para o fortalecimento do movimento mundial pelo direito à comunicação. ,


Bissau, 19 de Março de 2006

Guiné 63/74 - P694: Do Porto a Bissau (8): Já chegaram! (Albano Costa)

Guiné-Bissau > Chegada à capital, Bissau, depois de uma longa viagem, de jipe, desde o Porto, que teve início em 5 de Abril de 2006 (1)...


Guiné-Bissau > Capital Bissau > Os nossos mosqueteiros à chegada: cansados e sujos mas felizes...

Guiné-Bissau > O nossos mosqueteiros com a São e o Paulo Salgado (que camaradagem, que simpatia, que amizade!).

Créditos fotográficos:
© Albano Costa / Hugo Costa (2006)


Mensagem do Albano Costa (12 de Abril de 2006,

Caro amigo LG

Os mosqueteiros já chegaram a Bissau pelas 19 horas e foram logo, logo, recebidos pelo Paulo e Conceição Salgado que têm sido de uma simpatia muito grande para com eles e sempre prontos para ajudar...(Ó Luís a tua ideia do blogue a falar da Guiné foi genial, e eu um dia disse que isto nunca mais parava e não, porque a solidariedade entre nós, guineenses, que na marioria nem nos conhecemos, e somos logo solidário, que bonito!).

Eu estou esperando por imagens para enviar da chegada deles a Bissau.

Só mais uma pequena coisinha sem grande importância mas que a mim me deixa muito feliz: quando um dia li no blogue o António Almeida a dizer que gostava de ir à Guiné, e eu logo entrei em contacto com ele para o ajudar a realizar o seu sonho, e finalmente isso vai acontecer já na sexta-feira.

Um abraço,
Albano

 
2. Notícias de 13 de Abril de 2006, 00H37:
Caro amigo LG

Aqui vão as fotos da chegada dos mosqueteiros a Bissau: dá para ver que estão radiantes de felicidade (ah!, como eu gostava de lá estar!), estão todos mais velhos de aspecto, bem sempre demorou uma semana a lá chegar e dá para perceber, pelo aspecto, que estão de barba grande e todos sujos mas felizes.

Também daqui quero agradecer mais uma vez ao Paulo e Conceição Salgado pela sua simpatia e hospitalidade que tiveram para com eles.

Agora só falta juntar o resto do grupo que são quatro ex-combatentes (2 de Lisbao e 2 do Porto). Os mosqueteiros vão estar na sexta-feira, dia 14, no aeroporto, à espera deles.

Um abraço,
Albano
___________

Nota de L.G.

(1) Vd. post de 6 de Abril de 2006 > Guiné 63/74 - DCLXXVI: Do Porto a Bissau (2): a partida (Albano Costa)

Guiné 63/74 - P693: Força, Zé, contra o tabaco marchar, marchar! (3) (Hugo Moura Ferreira)

Amigo José Neto:

PARABÉNS!!

Isso de se conseguir deixar aquele mau hábito de fumar, quando se consegue, é motivo de parabéns!

Espero que a obra seja levada até ao fim. Pela minha parte, com a intenção de ajudar posso contar algo de mim, de forma sucinta.

- Comecei a fumar às escondidas, aos 9 anos;
- Só assumi a qualidade de fumador perante Pais e Sociedade, quando fui para a tropa;
- Deixei de fumar quando os meus filhos mais velhos eram pequenitos por 3 vezes, e voltei sempre no mesmo;
- Há alguns anos (já nem me lembro) quando fumava 3 maços/dia, de Português Suave sem filtro, deixei de fumar de um dia para o outro;
- Hoje o fumo dos outros já me incomoda e sinto-me perfeitamente bem;
- Deixei de ter catarro, a resistência ao cansaço aumentou visivelmente e quando faço os check ups habituais já nada se nota nos pulmões.;
- Passei a sentir-me outro.

Naturalmente que ainda me recordo que quando deixei o tabaco foi difícil mas com uns rebuçaditos (que não custaram nada pois sou um guloso assumido) e uma quanta dose de boa vontade, consegui, posso dizer, sem muito esforço.

E depois vêm os exemplos e os ambientes que nos envolvem...

- O meu filho mais velhos deixou de fumar quando foi para a tropa (Comando);
- Os outros dois nunca fumaram, portanto nem a tropa os afectou;
- As minhas 3 noras não fumam;
- As cunhadas, os sogros e todas as famílias envolventes não fumam;
- Em minha casa não se fuma, nem as visitas (não há cinzeiros);
- Os meus carros, por opção não trazem cinzeiros quando adquiridos.

Mais haveria para dizer, mas como prometi ser sucinto...

Espero que com estes exemplos possa ajudar.

Afinal isto é também uma faceta que nós por lá, nos anos da Guiné adquirimos um pouco. A Psico!

Continue e crie defesas pessoais para não cair na tentação outra vez.

Um abraço.

Hugo Moura Ferreira
Ex-Alf.Mil.Inf.(1966/1968)
CCAÇ 1621 e CCAÇ 6

Guiné 63/74 - P692: Força, Zé, contra o tabaco marchar, marchar (2) (Humberto Reis)

Texto do Humberto Reis:

Amigo Zé Neto, bom dia!

Vi agora a tua mensagem que me chegou do nosso correio-mor Luís.

Isto do cigarrinho é muito bonito de dar conselhos para quem nunca passou por elas. Eu fumei durante mais de 30 anos e na Guiné então foi uma maravilha. Para uma operação de 3 dias eram 5 ou 6 maços de cigarros nos bolsos e 2 cantis com água. Podia faltar de comer mas água, cigarros e munições é que não podiam faltar.

Há quase 12 anos, num fim de semana, comecei a experimentar (de minha autoria, pois ninguém me encomendou o sermão, nem valia a pena) parar com os cigarros. Foi um corte radical pois não acredito no tratamento com base na diminuição progressiva dos cigarros diários. Até hoje continuo a dizer que não fumo há quase 12 anos, o que é diferente de dizer que deixei de fumar.

Ainda hoje tenho maços de cigarros no carro, em casa e no escritório. Eles a olharem para mim e eu a olhar para eles. Isto só depende do próprio. Não vale a pena os outros andarem a chatear a cabeça. Agora que é verdade que me sinto bem melhor, lá isso é verdade.

Lembro-me de quando passei no Xime em 1969, a companhia que lá estava à espera de ser rendida pela CART 2520, que foi connosco no Niassa, tinha um lençol a servir de cartaz de boas vindas onde diziam que O QUE CUSTA MAIS SÃO OS PRIMEIROS 21 MESES.

Aplicado ao nosso tema (deixar de fumar), não é verdade isso mas de facto as primeiras semanas, ou o 1º trimestre, são um pouco difíceis. Roí algumas pastilhas de chiclets mas nunca fui ao médico procurar qualquer terapia.

Se já conseguiste ultrapassar os primeiros dias ou semanas, FORÇA COM ISSO!

Um abraço
Humberto Reis

Guiné 63/74 - P691: Força, Zé, contra o tabaco marchar (1)

1. Texto de um Zé Neto desalentado...

Luís:

O meu Endereço mudou porque passei para a Clix o mês passado. Julgava que tinhas recebido a mensagem que enviei a todos os meus correspondentes. Falhou... Mas não foi só a tua.

Ando muito chocho com a falta dos cigarros e não tenho cabeça para nada. Mas hei-de conseguir!!!

Um abraço do Zé Neto

2. Comentário do L.G.:

Grande Zé:

(i) Vais conseguir!!! Afinal, já venceste outras batalhas de outras guerras! Há outros prazeres na vida, muito melhores do que o cigarro. Tabaco e saúde não combinam. Mas, como eu costumo dizer, a saúde não é um fim em si, é apenas uma meio para a gente ser (ou sentir-se) livre e feliz!
(ii) Obrigado pela tua resposta ao meu mail. Andava preocupado contigo. Não sabia do teu paradeiro. Vou actualizar os teus dados.

(iii) Amigos & camaradas: Actualizem, por favor, o endereço de e-mail do Zé Neto e, já agora, mandem-lhe uma mensagem de apoio. Ele está a precisar de uma palavra amiga. Na Guiné, aprendemos a ser solidários, aprendemos o valor da amizade e da camaradagem. Nas pequenas coisas do quotidiano.

Guiné 63/74 - P690: Estórias cabralianas (8): Fá Mandinga no Conde Redondo ou o meu Amigo Travesti

Fá no Conde Redondo - O meu Amigo Travesti

Autor: Jorge Cabral (ex-Alferes Miliciano de Artilharia, comandante do Pel Caç Nat 63, destacado em Fá Mandinga e depois em Missirá, Sector L1 - Bambadinca, Zona Leste, 1969/71; hoje, advogado e professor universitário).

Na década de 80, dava aulas nocturnas numa Escola na Duque de Loulé e costumava descer a Avenida para tomar o Metro. Eis que uma noite, me vejo perseguido por um Travesti que me grita:
- Meu Alferes! Meu Alferes! Alferes Cabral!

Tomado de terror homofóbico parei, negando conhecer a criatura, de longas pernas e fartíssimos seios.
- Estive consigo em Fá - diz-me ela/ele e começa a desfiar aventuras comuns nas quais eu aparecia retratado, como o mais louco e divertido comandante.

Fomos tomar um copo. Um camarada é sempre um camarada, pensei. A conversa durou horas. Ele perdeu clientes. Eu, a reputação. Muita gente me viu, principalmente alunos. Na aula seguinte senti a turma crítica, gozona, mesmo agressiva. Falei da guerra, da amizade. Ninguém acreditou.

Repeti os encontros com o meu Amigo-Travesti, tendo conhecido outra face da vida. Fiquei-lhe grato, mas um dia ele desapareceu. Mal sabia eu então que lhe ficara a dever muito mais do que alguma sabedoria. Livrara-me de uma sova. É que na altura, tinha uma amiga, cujo marido ciumento desconfiava que a mulher gostava demasiado das minhas estórias. Contratara até um detective, que espiando-me lhe apresentara um Relatório, com a seguinte conclusão: "Inofensivo, até frequenta Travestis”. Pude pois continuar a satisfazer a senhora… com as minhas estórias, é claro.

Obrigado, Camarada Travesti. É assim… Temos que ser uns para os outros…

Jorge Cabral

quarta-feira, 12 de abril de 2006

Guiné 63/74 - P689: Boa viagem para o Almeida e o Saagum (CART 2339) (Hugo Moura Ferreira)

Guiné > Zona Leste > Mansambo > CART 2339 (1968/69) > O regresso à metrópole, em Dezembro de 1969, com escolta (de honra) da CCAç 12 (2º Grupo de Combate, o do Humberto Reis).

Arquivo pessoal de Humberto Reis (ex-furriel miliciano de operações especiais, CCAÇ 12, Bambadinca, 1969/71).

© Humberto Reis (2006)


1. Mensagem do Hugo Moura Ferreira:

Caro Dr. Santos Almeida (1)

Não cheguei a conhecê-lo quando da passagem dos nossos aventureiros pelo Porto Alto, onde me desloquei para lhes desejar boa viagem até à Guiné (2).

Sei que tinha estado com o Francisco Allen dias antes, no Norte, pelo que naquele dia tão chuvoso não pode aparecer.

Gostaria da mesma forma de me deslocar ao aeroporto na próxima 6ª feira para transmitir os mesmos votos, a si e ao outros camaradas tertulianos que vão seguir no mesmo vôo (3).

Com muita tristeza minha não me vai ser possível pois que nesse dia estarei em Arganil.

Não deixo, no entanto passar esta oportunidade, para lhe desejar, e aos outros camaradas, as melhores venturas e aventuras, na deslocação que vão iniciar no dia 14.

Mais agradeço que transmita aos viajantes de superfície (Francisco Allen, A. Marques Lopes, Inês, Hugo, Manuel Costa e o Armindo Pereira) os mesmos votos e um abraço de amizade.

Para si, naturalmente, outro abraço.
Hugo Moura Ferreira
Ex-Alf.Mil.Inf.(1966/1968)
CCaç. 1621 e CCaç 6


2. Comentário de L.G.:

Quero, naturalmente, desejar boa viagem ao nosso tertuliano António Santos Almeida e ao seu infortunado camarada Saagum, ambos da CART 2339, e desejar-lhes uma óptimo (re)encontro com o passado e o com presente da Guiné, para eles e os restantes companheiros (do Porto).

A estória (singular) do Almeida já aqui ficou registada no blogue, em post de 9 de Junho de 2005... Por outro lado, o Saagum ficou gravemente ferido (tendo perdido uma vista) na famigerada emboscada ao pessoal da fonte de Mansambo (19 de Setembro de 1968). Recorde-se que houve um outro camarada que foi apanhado pelo PAIGC nessa ocasião e de quem nunca se fala (segundo informação do Almeida).

Aliás, o Almeida acabou, agora mesmo, de me ligar da sua casa em Samora Correia, perto do Porto Alto, Vila Franca de Xira. Anda atarefadíssimo, como se imagina, com os preparativos da viagem ( na próxima sexta-feira, 14 de Abril) e tem recebidos muitos e-mails dos nossos tertulianos e de outros camaradas. Através de mim, ele quis-se despedir da nossa tertúlia. Vai estar 15 dias na Guiné, com o Saagum e mais dois camaradas do Porto. Lá encontrar-se-ão com o outro nosso grupo (Allen & companhia).

Quanto ao Hugo, só posso louvar a sua simpática iniciativa. Mas, se ele me permite um pequeno reparo (protocolar), aqui na tertúlia a regra (tacitamente assumida) é a do tratamento por tu... Entre camaradas de caserna, deixa-se lá fora os títulos (académicos ou outros) que nos podem separar ou inibir... Mas, claro, todas as regras têm excepções... E nem isso é o mais importante. O mais importante é comunicar (do latim, communicare, pôr em comum)...

A propósito, tomem nota do novo endereço de e-mail do António Santos Almeida.
___________

Notas de L.G.

(1) Vd. post de 9 de Junho de 2005 > Guiné 63/74 - LIII: Notícias da CART 2339 ('Os Viriatos', Fá e Mansambo, 1968/69)

(...) "O Almeida [, hoje jurista, reformado dos seguros,] era, na altura, soldado de artilharia. Tinha habilitações literárias superiores à 4ª classe mas chumbou no curso de milicianos (sargentos ou oficiais, não sei ao certo).

"Recorda-se de também haver em Bambadinca um médico que estava na mesma situação, como soldado raso, e com quem ele convivia, quando lá ia à sede de batalhão (BCAÇ 2852).

"Lembra-se de ir beber, de vez em quando, um copo, acompanhado da boa mancarra, na esplanada do bar de um dos dois comerciantes brancos que havia em Bambadinca, com vista para o rio. Esse mesmo que era suspeito, no nosso tempo, de estar feito com os turras. Eu e malta da CCAÇ 12 íamos lá sempre que o homem arranjava uns camarões tigres, do Rio Geba, pescados em zona de risco... Fazia-nos pagá-los a preço de ouro (50 pesos o quilo, se a memória me não falha; o equivalente ao que te pedia uma bajuda de mama firme para partir catota contigo)" (...).

(2) Vd post de 6 de Abril de 2006 > Guiné 63/74 - DCLXXVII: Do Porto a Bissau (3): o pequeno almoço no Porto Alto (Moura Ferreira)

(3) Vd. post de 20 de Janeiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDLXIII: O Rali Porto-Bissau (1): Jantar em Moreira de Cónegos

(...) "Esta iniciativa, do Allen, teve como objectivo juntar os elementos que vão participar no, já anunciado, Rali Porto-Bissau, a fim de afinar alguns aspectos da sua preparação. E os participantes serão: Allen, M. Lopes, Hugo Costa (filho do Albano), Manuel Costa (primo do mesmo Albano) e Armindo.

A data da partida ficou marcada para 5 de Abril às 07H00. A ideia é chegarmos um dia antes dos participantes no Rali por via aérea, que irão a 14 de Abril (ou para podermos estar nessa data em Bissau, no caso de haver algum atraso pelo caminho), e que são:

(i) Carlos Marques dos Santos, de Coimbra,
(ii) Casimiro e Ernesto, do Porto,
(iii) António Almeida e um camarada DFA, o José Clímaco Saagum, soldado do 1.º Pelotão da Cart 2339 ferido, em 19 de Setembro de 1968 (segundo informação do Carlos Marques dos Santos)" (...).

O Carlos Marques dos Santos desistiu, por razões de saúde, pelo que o grupo que se vai juntar aos que viajaram por terra (Allen, Marques Lopes, etc.) ficou reduzido a quatro (o Almeida não conhece os dois camaradas do Porto).

Guiné 63/74 - P688: Reflexão de Jorge Cabral (Pel Caç Nat 63): recordar ou esquecer a Guiné? E qual delas?

Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Estrada Finte-Missirá > 1970 > O Humberto Reis e outros camaradas da CCAÇ 12 kexaminem o estado em que ficou a viatura (Unimog 404) em seguia o Alf Mil Beja Santos, comandante do Pel Caç Nat 52, quando accionou uam mina anticarro. O Pel Caç Nat 52 foi depois substituído pelo Pel Caç Nat 63, comandado pelo Alf Mil Cabral, até então destacado em Fá Mandinga.

Arquivo de Humberto Reis (ex-furriel miliciano de operações especiais, CCAÇ 12, Bambadinca, 1969/71)

© Humberto Reis (2006).


Texto de Jorge Cabral (ex-Alferes Miliciano de Artilharia, comandante do Pel Caç Nat 63, destacado em Fá Mandinga e depois em Missirá, Sector L1 - Bambadinca, Zona Leste, 1969/71).

Caro Amigo, Companheiro e Camarada,

Atarefado pelo exercício de duas profissões exigentes [advogado e professor universitário], guardei um fim-de-semana inteiro para me pôr em dia, face à avalanche de material recordatório do teu/nosso blogue.

Fiel ao meu único propósito tertuliano – relato de vividos, gozados e ridículos episódios – a leitura de tantas e tão válidas intervenções tem-me porém obrigado a reflectir.

Reflectir sobre a guerra, mas talvez principalmente sobre nós próprios de então e de hoje. Porque lembramos o que lembramos? Que significou esse tempo nas nossas vidas? Sentimos saudades? Recordar ou esquecer a Guiné?

As nossas experiências foram diferentes. Cada um de nós, guardou uma memória única, de acordo com o meio onde esteve integrado e as características da própria personalidade (o Missirá do Beja Santos não foi o meu Missirá…)(1).

Tivesse eu pertencido a uma companhia, ou batalhão, e outras seriam as minhas lembranças…

Mas não, pertenci à tropa mais macaca de todas – um pelotão de caçadores nativos. Os meus soldados faziam a guerra desde o início. Muitos tinham mais de quarenta anos e viviam em companhia das mulheres, dos filhos, das cabras, das galinhas… Com eles qualquer quartel se transformava em Tabanca.

No meio, nós, os brancos, todos mobilizados em rendição individual, coexistindo sempre velhinhos e periquitos, encaixados como peças num puzzle já existente, caíamos de surpresa, sem qualquer preparação, num universo desconhecido.

Por mim, apresentei-me às 14 horas em Bambadinca, tendo o Alferes substituído partido às 18. Pelas 22 horas, o Comandante mandou-me sair para Ponta Coli [,na estrada Bambadinca-Xime], entre Amedalai e Xime] por via de uma qualquer flagelação. Lá fui atrás do pelotão apanhar invólucros.

Com esses homens vivi vinte e sete meses, em Destacamentos no meio do mato, sem energia eléctrica, comendo conservas… A maior parte dos meus amigos brancos foram soldados, o pastor transmontano, o vidreiro da Marinha Grande, o picheleiro do Porto, com os quais eu, jovem universitário, diletante antifascista, com pretensões intelectuais, conheci o Portugal real, da ignorância e da miséria.

Em Missirá habitavam cerca de 150 pessoas (população, milícias, mulheres, filhos e familiares). Comandante responsável, eu, pacífica criatura, cinéfilo militante, leitor de Ionesco (2), recitador de Prévert (3), escrevinhador de versos, sonhador de radiosos amanhãs que afinal nunca chegaram…

Claro que atravessei o espelho, e afundei-me no meio cultural envolvente, quando era suposto ser eu o colonizador…
- Alfero bem cume!- convidavam as mulheres que viviam no meu abrigo, e lá fazia eu uma bola de arroz que metia à boca.

- Alfero Cabral murri - choravam mães diante dos seus bebés mortos, aos quais tinham dado o meu nome.

Comi macaco, onça, cobra, crocodilo, mastiguei cola. Frequentei curandeiros e feiticeiros. Jejuei durante trinta dias, preparando-me para falar com os mortos. Ouvi estórias incríveis, mas também as contei.

Essa é a Guiné, que quero guardar na memória. E dessa gostei e gosto. Dos chefes militares, dos tiros, dos mortos que sofri, das minas que vi pisar, da angústia e do medo, dos crimes e da violência que presenciei, não falarei.

Por isso Amigo, continuarei a escrever estórias, convicto de que o humor também faz parte da História.

Grande, Grande Abraço
Jorge

PS1 – Falei muitas vezes com o senhor Teófilo. Penso que não era, nem Turra, nem Pide. Apenas um bom e lúcido Homem.

PS2 – Op Boga Destemida (4): é certo, também lá estive. Afinal na Guiné, não fui apenas consertador de catotas (5)…

PS3 – A estória que hoje remeto, não aconteceu na Guiné, mas sim em Lisboa. Ao longo de todos estes anos, constituiu sempre para mim uma alegria encontrar camaradas. Já deparei com alguns em péssimas situações. Doentes, presos, sem abrigo. A todos considero, dever solidariedade.
_____________

Notas de L.G.

(1) Alferes Miliciano Beja Santos foi o comandante do Pel Caç Nat 52, estando estado nomeadamente em Missirá (1968/70).

(2) Eugène Ionesco (19003-1994), escritor francês,de origem romena, um dos maiores dramaturgos do Século XX (autor, por exemplo, de A Cantora Careca, 1949 ou o Rinoceronte, 1960).

(3)Jacques Prévert (1900-1977): Um dos mais notáveis e admirados poetas do Séc. XX, de língua francesa. O seu libvrod e poemas Paroles, editado em 1945, foi um verdadeiro best-seller pós-guerra. È também um dos meus poetas preferidos.

(4)Vd. pots de 9d e Abril de 2006 > Guiné 63/74 - DCLXXXVIII: Violenta emboscada em L (Op Boga Destemida, CCAÇ 12, CART 2520 e Pel Caç Nat 63, em Gundagué Beafada, Fevereiro de 1970)

(...) "A fim de bater a área do Baio/Buruntoni foi planeada a Op Boga Destemida em que tomaram parte 3 Gr Comb da CCAÇ 12 (Dest A) e forças da CART 2520, reforçadas com o Pel Caç Nat 63 (Dest B)" (...).

(5) Vd. post de 17 de Abril de 2005 > Guiné 63/74 - DCXXXIX: Estórias cabralianas (7): Alfero poi catota noba

(...) "Espalhada a minha fama, acorreram noivas de todo o lado. Ponderei mesmo montar um gabinete especializado, tendo chegado a escrever um folheto publicitário a informar que Alfero poi catota noba, dam trezbintim".

Guiné 63/74 - P687: Do Porto a Bissau (7): a 200 km da fronteira da 'nossa terra' (Albano Costa)

Notícias da última hora (11 de Abril de 2006, 23h33), enviadas pelo Albano (que está a vibrar, à distância, com esta viagem que ele não pôde, desta vez, fazer):

Caro amigo LG:

Estive a falar com quase todos os mosqueteiros, por volta das 21 horas, estavam desde as quatro horas da tarde nas boxes, já no hotel que fica a 200 km da nossa Guiné. Contam, se tudo correr bem, chegar a Bissau para almoçar [no dia de hoje, 12 de Abril].

Disseram-me eles que apanharam muito calor, o tal, o verdadeiro, porque na noite anterior [10 de Abril] ainda se queixaram de um pouco fresco, os elementos é obra...

Ainda não tiveram uma discussão, também era melhor: sempre levam uma menina e têm de ter respeito... O Armindo está radiante com a aventura, mas sempre foi dizendo que é cansativo, mas que vale a pena...

E mais não, isso vai ficar para o Marques Lopes, muito bem disposto, contar as estórias e são muitas e que estórias mas só quem não conhece Àfrica é que fica admirado.

Eu julgo que amanhã [ hoje, 12 de Abril] já vamos ter mais fotos e os primeiros relatos da viagem contados pelos próprios.

Um abraço,
Albano

Guiné 63/74 - P686: O meu testemunho (Paulo Raposo, CCAÇ 2405, 1968/70) (1): Mafra

Mafra > Escola Prática de Infantaria (EPI) > 1968 > Cerimónia do Juramento de Bandeira > Desfile dos novos militares, onde se integrava o Paulo Raposo, frente ao Convento de Mafra.

© Paulo Raposo (2006)


O Paulo Enes Lage Raposo foi Alferes Miliciano de Infantaria, com a especialidade de Minas e Armadilhas, na CCAÇ 2405, pertencente ao BCAÇ 2852 (Guiné, Zona Leste, Sector L1, Bambadinca, 1968/70).

Durante a sua comissão, passou esteve em Mansoa e sobretudo na zona leste (Galomaro e Dulombi), a sul de Bafatá.

A sua companhia perdeu 17 militares na travessia do Rio Corubal, na sequência da retirada de Madina do Boé (1).

O Paulo mandou-me, já há um mês e tal, um documento policopiado, de 65 páginas, com o seu "testemunho e visão da Guerra de África", mais concretamente sobre a história da sua vida militar, desde a sua incorporação, como soldado cadete, em Abril de 1967, na Escola Prática de Infantaria, em Mafra, até à sua mobilização para a Guiné, como Alferes Miliciano da CCAÇ 2405, onde teve como camaradas os membros da nossa tertúlia Rui Felício e Victor David (2). Esta unidade partiu para a Guiné em Julho de 1968. O Paulo regressou passou à vida civil "ao fim de 37 meses de tropa".

O Paulo teve a gentileza de me escrever as seguintes palavras no exemplar que me ofereceu: "Como testemunho de gratidão pela tertúlia que proporcionaste na Net. Com amizade. Paulo Enes Lage Raposo. Março 2006".

O Paulo não esconde que tem uma visão própia da "guerra de África" (pp. 55-65), que não coincide (nem tem que coincidir) com a minha mas que eu respeito. Essa, é de resto, a regra nº 1 da nossa tertúlia. Escreveu ele, em papel timbrado da Herdade da Ameira (Montemor-o-Novo):

"Meu caro Luís: Junto te envio uma cópia do escrito que fiz [, em Dezembro de 1977, ] da minha/nossa vivência na Guiné.

"Tenho poucos mas bons amigos, mas os de África são especiais.

"Quanto à estratégia global que nos envolveu na guerra em África, vou apenas deixar-te um aperitivo. A guerra do Vietname tinha como objectivo puxar as forças americanas para o Pacífico e fechá-las lá. Como ? Com Allende no Chile, com os sandinistas no Panamá e com a Fretilin em Timor. Assim a União Soviética avançaria atItalicé alcançar um porto de águas quentes.

"Um abraço amigo. Paulo Lage Raposo".

Começamos hoje a divulgar o essencial de O meu testemunho, do Paulo Raposo. Agradecemos-lhe a gentileza da sua oferta e a autorização para publicitar o seu testemunho, de interesse documental para a nossa tertúlia e atépara os nossos amigos e visitantes. Começamos justamente pela sua passagem por Mafra. Os nossos camaradas que foram alferes milicianos irão, por certo, rever-se nesta evocação dos velhos tempos da Escola Prática de Infantaria de Mafra.


O meu testemunho (Paulo Raposo, CCAÇ 24005, 1968/70) - I Parte: Mafra

Extractos de: Raposo, P. E. L. (1997) - O meu testemunho e visão da guerra de África.[Montemor-o-Novo, Herdade da Ameira]. Documento policopiado. Dezembro de 1997. pp. 4-7.


Entrei para o Convento de Mafra - E.P.I., como soldado Cadete, na 2ª incorporação do ano de 1967, mais precisamente no dia 10 de Abril. Escolhi esta incorporação para não apanhar os rigores do inverno dentro daquele grande Convento.

O choque da entrada foi grande, passar de civil a militar não é fácil. Após a entrada, só podiamos sair depois de saber marchar, conhecer as patentes e saber fazer a continência.

Aquela primeira semana parecia que nunca mais acabava.

Na parte de trás do Convento, na grande parada, formava-se o Batalhão de Instrução. O seu Comandante era o Major Rocha, que passava o tempo a dizer:
- Comigo não há figos. - Devia estar apanhado pelo clima de África nalguma Comissão de serviço que lá devia ter feito.

Encontrei-o mais tarde na Messe de Bissau e logo Ihe perguntei:
- Então, meu Major, não há figos?
- Comigo não há - respondeu ele de seguida.

O Comandante da companhia era o Capitão Ferro, com quem nunca mais me cruzei. O adjunto do Comandante era o irrequieto Ten. Garcia Lopes, a quemn voltei a encontrar na Guiné a comandar uma companhia de Comandos.

O nosso instrutor era um rapaz da nossa idade, o Alferes Leonel de Carvalho, sempre muito aprumado. Vi-o na televisão já como coronel, a comandar as forças militares que estavam na ponte 25 de Abril, aquando do grande bloqueio de 1994. Coitado, deve ter passado por situações muito desagradáveis.

Uma vez passada a primeira impressão entramos na rotina de um quartel. Há horas para tudo, no fundo também nos educa e auto-disciplina.

Recordo aqui alguns momentos que me custaram bastante.


O primeiro foi a dor que me causou, nos tímpanos, o estampido que a G3 dava quando fazia fogo. Até nos habituarmos, aqueles primeiros momentos passados na carreira de tiro eram dolorosos.

O segundo foi o lançamento de uma granada de mão, também na carreira de tiro. Só olhar para a granada me metia medo, quanto mais agarrá-la, tirar-lhe a cavilha e lancá-la.

Foi o Ten. Garcia Lopes que me acompanhou. Disse-me:
- Agarra a granada com a mão direita, tira a cavilha de segurança com a esquerda e lança-a; vê onde a granada cai e depois é que te metes no buraco.

Assim foi, mas não foi fácil.

O terceiro foi o campo de obstáculos que havia na Tapada Real, a que chamávamos a Aldeia dos Macacos. Havia dois obstáculos que eram difíceis de vencer. No fundo, o propósito era o de nos libertar dos medos e de nos vencermos a nos próprios.


© Paulo Raposo (2006)

Um deles era o salto ao galho. Este obstáculo era constituído por uma plataforma que ficava elevada a uns três metres do chão. A

frente da plataforma, a uma distância de um ou dois metros, estava um poste que tinha no topo um galho. Tínhamos, portanto, de nos lançarmos para o galho. Se falhássemos, caíamos, agarrados ou não, ao poste.

O outro obstáculo era o pórtico. Era constituído por uma vigas que faziam um quadrado, que tinha uma largura de 40 cm e estava a uma altura do chão de 6 metros. Tínhamos de subir por uma corda, trepar para a viga, fazer o perímetro e descer pela mesma e única via.

Outro era o trabalho de estrada. Uma vez por semana fazíamos este exercício: íamos a correr de Mafra ao João Franco, no Sobreiro, e regressávamos. As subidas eram feitas em passo rápido, o resto do percurso a correr, com as belas botas que nos enchiam os pés de bolhas, mais os 3,9 kg da G3 que levávamos às costas.

O dia da Infantaria é o dia 15 de Agosto. Este dia representa a vitória da Infantaria (rainha de todas as batalhas) no célebre quadrado da Batalha de Aljubarrota, em 1385, realizado por D. Nuno Alvares Pereira. Naquele momento, D. Nuno implorou a protecção de Nossa Senhora. Em seu louvor foi construído o Mosteiro da Batalha.

Durante a batalha, D. Nuno e os soldados passaram tanta sede naqueles dias de Agosto, que, simbolicamente, D. Nuno mandou lá colocar uma bilha com água que está junto a uma pequena capela, para mais ninguém ter sede naquele local.

Esta vitória representa também e acima de tudo a força de vontade popular (Infantaria) contra a aristocracia espanhola (Cavalaria) e, de um certo modo, também contra a aristocracia portuguesa vendida aos espanhóis.

Foi feito um convite aos cadetes para irem ate Fátima pelo dia 13 de Agosto. Fomos alguns. Fardados como cadetes, acompanhámos o andor de Nossa Senhora. Terminada a cerimónia fomos todos dormir para casa de um rapaz nosso colega, que tinha a sua quinta perto de Ourém. Uns dormiram em camas e outros no chão.

Foi uma noite passada cheia de alegria, com o José Megre a animar o serão, a contar as suas histórias das corridas de automóvel, por que tinha passado em Inglaterra. É um excelente contador de Histórias.

Tudo se passou. Aquele Convento de Mafra era sem dúvida uma fábrica de Oficiais.


(Continua)

_____

Nota de L.G.

(1)Vd. post de 3 de Fevereiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDXCV: Madina do Boé: 37º aniversário do desastre de Cheche (José Martins)

(2) Vd. posts de:

12 de Fevereiro de 2006 > Guiné 63/74 - DXXV: Paulo Raposo e Rui Felício, dois novos camaradas (CCAÇ 2405, Galomaro, 1968/70)

16 de Março de 2006 > Guiné 63/74 - DCXXXIV: Victor David, CCAÇ 2405 (Dulombi, 1968/70)

terça-feira, 11 de abril de 2006

Guiné 63/74 - P685: Cancioneiro da Cavalaria de Bafatá (Radiotelegrafista Tavares) (4): Lavantamento de rancho

Cancioneiro do Esquadrão de Reconhecimento Fox 2640 (Bafatá (1969/71).

Autor das letras: José Luís Tavares.

Recolha: Manuel Mata, ex-1º cabo apontador de Carros de Combate M 47.

Levantamento de rancho no R.C. 8

Dizem mal do regimento
Mas isto não é nada mal,
Há sempre duas refeições
Como é habitual.

Ontem à refeição da tarde,
É caso para relembrar,
Puseram-nos batatas cruas
Que nem as podíamos esmagar.

Isto acvonteceu ontem,
À refeição do meio-dia,
Vimos que não podia ser,
Fizémos queixa ao Oficial-Dia.

O Oficial-Dia chegou,
A fazer-se muito valente
E para livrar responsabilidades
Foi dar parte ao Comandante.

O Comandante chegou e disse,
Cheio de força e mania:
"Vós sois do R. C. 8,
Soldados de cavalaria".

Eu estava cheio de fome,
A cair quadse morto,
E ele, ainda por cima,
Desafiou-nos para o sôco.

Ai, triste da nossa vida,
Ai, pobres de nós, coitados,
Com a barriga a dar horas,
Ainda somos desafiados.

Nós ouvimos o discurso,
Contentes e satisfeitos,
Bem lhe olhámos para os ombros
Mas tinha uma larga e dois estreitos (1).

Eram já três da tarde
Quando o discurso acabava,
Eu olhei para o meu ombro
E tinha a platina sem nada.

Voltou as costas, foi-se embora,
Cheio de nervos e a tremer,
Virou-se para nós e disse:
"Isto não volte a aconteceer".

Não sejam tão desordeiros,
Que isto não pode continuar,
E deu ordens ao Oficial-Dia (2)
Para nos mandar destroçar.

Tudo isto é verdade,
Sem exagero nem mania,
Se nos dessem sempre bife,
Nada disto acontecia.

Visado pela censura em 27-10-69.

Tavares - Radiotelegarfista
______

Nota de L.G.
(1) Galões correspondentes ao posto de tenente-coronel

Nota do autor dos versos:
(2) O Oficial-Dia era o Alferes Caturra

Guiné 63/74 - P684: Panfleto de propaganda, em crioulo, do PAIGC: Irmãos...(1970) (Manuel Mata / Mário Dias)

Guiné > Zona Leste > Bafatá > 1970 > Panfleto de propaganda do PAIGC, escrito em crioulo. Cópia de exemplar oferecido ao Manuel Mata pelo seu amigo, o comerciante Sr. Teófilo, dono do Café Teófilo, e um deportado político no início dos anos 30, conhecido pelas suas simpatias para com o PAIGC, aos olhos dos tugas... © Manuel Mata (2006) (1)


IRMÃOS,

Para além de todas as canseiras
que já passastes e continuais ainda a passar,

Há já sete anos que vós sofreis sem razão,
muitos de vós perderam a vida sem razão,
porque aceitaram ouvir as aldrabices dos tugas
e dos seus cães!

Já há sete anos que os tugas vos prometeram
que a guerra estava prestes a acabar,
mas até agora ainda não,
e mais se escondem por detrás de vós nas tabancas,
porque a nossa força não pára de crescer,
como vós dais conta!

Sete anos chegam para entenderdes
como nada pode parar o nosso ataque
contra os inimigos do nosso povo,
inimigos da independência da nossa terra

IRMÃOS,

Saiam dos lugares onde os tugas põem quartel,
porque as balas não têm olhos! (2)
Deixai os estrangeiros exploradores colonialistas
a sós com as suas dificuldades!
Vem e junta-te aos teus irmãos!

VIVA P. A. I. G. C.!

Morte aos estrangeiros tugas, e aos seus cachorros de dois pés.


Tradução do crioulo:
© Mário Dias (2006)
__________

Nota de L.G.:

(1) Vd. post de 2 de Abril de 2006 > Guiné 63/74 - DCLXXII: Esquadrão de Reconhecimento Fox 2640 (Manuel Mata) (5): Foguetões 122 mm no Gabu

Nota do tradutor (M.D.):

(2) ... pabia bála ca ten udju dé! > dé! é uma partícula de realce, sem tradução em português, e que expressa como que um sério aviso.

Guiné 63/74 - P683: Notícias do Zé Teixeira: da Ponderosa (CCAÇ 616) a Gandembel (CCAÇ 2317)

Bom Dia, caríssimo.

Logo de manhã para dar três notícias:

1ª Os nossos aventureiros já estão em Touba ( que eu conheço), no Senegal. Devem entrar ainda hoje na Guiné, ou amanhã de manhã.

2ª A Ana Ferreira diz que o pai esteve na tabanca Ponderosa, cujo nome nome verdadeiron não conhece. Pois bem, trata-se da Tabanca de UALADA.

Houve uma Companhia que em memória da célebre série da TV Bonanza fez um pórtico com o nome RANCHO DA PONDEROSA e este vingou, ficando a ser conhecida por todo o branco como Ponderosa.Em 1969 a Tabanca estava deserta. Tinha sido abandonada e a população recolhida em Empada. Como tinha um bolanha muito produtiva, a população ia todos os dias para lá trabalhar nos campos de arroz e a minha Companhia fazia deslocar 2 Secções para o local, no sentido de proteger a população. Algumas das fotos que te enviei (Em cima de um bagabaga) foi tirada lá.Vou ver se consigo um foto que já vi, com o pórtico do Ranco da Ponderosa.

3º Dando seguimento ao apelo do Pepito. Contactei o ex-Alferes Reis da CCAÇ de Guilhege/Gandembel. Esta Companhia foi a mártir de Gandembel de que já falei no Blogue. Só estiveram 2 meses em Guileje. E tiveram 2 mortos. O Resto da comissão foi passada em Gandembel e Buba, onde tive o prazer de conviver com tão boa gente.

O Reis tem como intenção, logo que passe à reforma, escrever sobre a Guiné. Claro que o desafiei a visitar o Blogue e entrar para a Tertúlia.

Esperemos que aceite o meu desafio, pois tem muito que contar (1).

Um abraço e até sempre
J.Teixeira
___________

Nota de L.G.

(1) O Zé Neto (vejam o post anterior) diz que armámos para aqui uma grande confusão com as CCAÇ 2317 e 2316… A 2317 é a de Gandembel, embora tenha passado por Guileje uns tempos… A confusão, involuntária, foi provocada por uma notícia do Jorge Santos sobre o 23º convívio desta unidade, em Fátima (contacto: Soares > tel. 93 683 15 17 e 22 200 02 00) que ele recolheu do ponto de encontro da ADFA – Associação dos Deficientes das Forças Armadas). De facto, aqui a CCAÇ 2317 aparece como sendo de 1967/68.

Acabei de telefonar ao Soares (que me remeteu para o alferes Reis, que comandou a unidade): ele confirmou que a CCAÇ 2317 é de 1968/70 e que foram eles que construíram o quartel de Gandembel… Disse-me também que alguém já lhe tinha ligado para ele anteriormente. (Sei agora que foi o Zé Teixeira). O homem não tem e-mail. Falei-lhe do nosso blogue… A propósito, voltei a publicar o famoso hino de Gandembel (recolha do Zé Teixeira)…Adoraria que o Reis nos contasse as peripécias deles lá por Gandembel...

Guiné 63/74 - P682: Confusão acerca da CCAÇ 2317 (Gandembel, 1968/69) e da CCAÇ 2316 (Guileje, 1968/69) (Zé Neto)

Texto do Zé Neto, que mudou de endereço de e-mail e que estoicamente deixou de fumar há umas semanas atrás, para bem da saúde dele e da alegria geral da caserna...

Meus amigos:

Deve haver uma enorme confusão sobre a CCAÇ 2317. Esta companhia, comandada pelo Cap. Barroso de Moura, esteve na área de Guileje em 1968/69 e não 1967/68,. como vem referido em blogue anterior.

Propriamente na tabanca de Guileje (ou Guiledje) apenas esteve de 20 de Março a 8 de Abril [de 1968]. Nesta data seguiu para a heróica e desastrosa aventura de Gandembel que consta dos meus escritos anteriores (1) (2). A sua irmã CCAÇ 2316 é que ficou estabelecida em Guilege. (Notem Guile...para todos os gostos).

Por agora é tudo, não esquecendo o meu agradecimento pelas muitas mensagens de "força, Zé; resiste ao cigarro" que tu, Luis, desencadeaste na malta do blogue.

Abraça-vos o velho Zé Neto.

___________

Nota de L.G.

(1) Vd. post de 25 de Fevereiro de 2006 > Guiné 63/74 - DLXXXV: Memórias de Guileje (1967/68) (Zé Neto) (Fim): o descanso em Buba

(2) Vd. post de 30 de Dezembro de 2005 > Guiné 63/74 - CDII: O Hino de Gandembel

Hino a Gandembel
Gandembel das morteiradas,
Dos abrigos de madeira
Onde nós, pobres soldados,
Imitamos a toupeira.

- Meu Alferes, uma saída!
Tudo começa a correr.
- Não é pr’aqui, é pr’ponte!,
Logo se ouve dizer.

Oh!, Gandembel,
És alvo das canhoadas,
Verilaites (i) e morteiradas.
Oh!, Gandembel,
Refúgio de vampiros,
Onde se ligam os rádios
Ao som de estrondos e tiros.

A comida principal
É arroz, massa e feijão.
P’ra se ir ao dabliucê (ii)
É preciso protecção.

Gandembel, encantador,
És um campo de nudismo,
Onde o fogo de artifício
É feito p’lo terrorismo.

Temos por v’zinhos Balana (iii),
Do outro lado o Guilleje,
E ao som das canhoadas
Só a Gê-Três (iv) te protege.

Bebida, diz que nem pó,
Só chocolate ou leitinho;
Patacão, diz que não há,
Acontece o mesmo ao vinho!

Recolha: José Teixeira / Revisão de texto: L.G.

(i) Verylights
(ii) WC
(iii) A famosa ponte Balana
(iv) A espingarda automática G-3

Guiné 63/74 - P681: Cancioneiro da Cavalaria de Bafatá (Radiotelegrafista Tavares) (3): O Hotel do RC 8

Cancioneiro do Esquadrão de Reconhecimento Fox 2640 (Bafatá (1969/71). Autor das letras: José Luís Tavares. Recolha: Manuel Mata, ex-1º cabo apontador de Carros de Combate M 47 (1).


Hotel do R.C. 8 - Castelo Branco (2)(3)

De certo falo verdade,
Sem exagero nem mania,
Derivado ao fraco trato
Aqui em cavalaria.

Hoje que é Segunda-feira
E como mais nada não há,
É feijão à Castelo Branco
Com toucinho à moda de cá.

À Terça-feira é melhor
Mas de certo não é mau,
Batatas mal temperadas
E com peixe bacalhau.

À Quarta-feira, isso então
É que não vale mesmo nada,
Dão-nos então feijão crú,
Misturado com dobrada.

À Quinta-feira, que delícia,
Aquilo até mete medo,
Põem-nos arroz mal cozido
Com chouriço do vermelho.

À Sexta-feira não digo nada
É para nós um segredo
E então, para variar,
Dão-nos batatas com sebo.

Ao Sábado, que é fim de semana,
Eu digo e volto a dizer,
Fazem um rancho tão bom
Que nem se pode comer.

Ao Domingo é dia grande
E as comidas sempre fracas,
Dão-nos então arroz de frango
Com as asas e as patas.

Há água todos os dias
Que até é um regalo
E o pão sempre fresco,
Cozido o ano pasasdo.

E pronto, cheguei ao fim,
Acabei, vou terminar,
Não me falem mais em Rancho
Que estou quase a vomitar.

Tudo se passa no quartel
E ainda esta me resta,
Que o que dão melhor é a água
E mesmo essa não presta.

Já morri, não sou poeta,
De escrever cansei a mão,
De muitas quadras que eu fiz
Ainda estas aqui estão.

Visadas pela censura em 10-10-69
Tavares - Radiotelegrafista

____________

Notas de L.G.

(1) Vd. pots de 2 de Março de 2006 > Guiné 63/74 - DXCVII: Esquadrão de Reconhecimento Fox 2640 (Bafatá, 1969/71) (Manuel Mata) (1)

O convívio anual do Esq Rec Fox 2640, este ano, vai realizar-se no dia 30 de Abril, em Pombal. Contactos: Manuel Mata > Tel. 245 996 260 / 939 344 816; José Tavares > Tel> 214 685 597 /965 119 117.

(2) R.C. = Regimento de Cavalaria

(3) Vd. posts anteriores:

31 de Março de 2006 > Guiné 63/74 - DCLXVI: Cancioneiro da Cavalaria de Bafatá (Radiotelegrafista Tavares) (2): Piche, BART 2857

31 de Março de 2006 > Guiné 63/74 - DCLXV: Cancioneiro da Cavalaria de Bafatá (Radiotelegrafista Tavares) (1): Obras em Piche

segunda-feira, 10 de abril de 2006

Guiné 63/74 - P680: Tu Português de Portugal, eu Português de Guiné (José Teixeira)

Guiné-Bissau > Saltinho > 2005 > O Zé deixou amigos que ele reencontrou trinta e cinco anos depois... Como, por exemplo, a viúva Régulo Sambel, de Contabane, e a mulher do seu filho (aqui na foto). Foi uma viagem de saudade que não deu, este ano, para repetir, como ele pretendia.

© José Teixeira (2006),


O Zé Teixeira foi ao baú da memória buscar mais um texto que nos manda, para o blogue... É um sentida e belíssima evocação da sua viagem à Guiné, em 2005, escrita, para matar saudades, enquanto vai seguindo a par e passo, pelo mapa, a viagem de 2006 dos nossos camaradas e amigos do Norte...


VOLTAR À GUINÉ É RE-VIVER UM PASSADO NO PRESENTE

Como já sabem, tive recentemente o privilégio de, após 35 anos de separação, voltar à Guiné e reencontrar velhos amigos, companheiros de aventuras de guerra e sofrimento. Reconhecemo-nos. Chamaram os outros amigos comuns de outrora, apresentaram-me as mulheres, os filhos, os netos, os amigos (alguns combatentes da outra banda) e confraternizámos.

Recordámos tantos momentos juntos. Recordámos pessoas que já partiram. Perguntaram por companheiros (ainda sabiam os nomes) que nunca mais viram. As lágrimas saltaram teimosamente enquanto o coração rejubilava por um momento tão grandioso.

Para ilustrar o que afirmo vou tentar descrever o diálogo com a Dadá, que localizei em Sinchã Sambel (Saltinho). Ouço uma voz atrás de mim:
- Tissera, tu lembra Aliu de Mampatá ?

Olho e reparo numa mulher linda dos seus sessenta, bem vestida de sorriso rasgado.
Não a reconheci como sendo a lindíssima Dadá, que conheci em Mampatá em 1968.
- Sim lembro: Aliu Baldé, Chefe de Tabanca e Alferes de Mílicia. Sei que já morreu há muito tempo (1).
- Tu lembra Hamadú, milícia de Mampatá, filho do Régulo Sambel de Contabane ? - Conheci vários Hamadú.
- Minha marido e chefe de Tabanca de Sinchã Sambel.
-Tu Lembra da Filha de Aliu, a Dadá ?
- És tu ?
- Sim. Eu mesmo. (Colámo-nos num longo e fraternal abraço, deixámos que o coração falasse)
- Minha filha, meus neto, tudo gente de mim !

A alegria e o orgulho em me apresentar a família. De seguida foi vestir o mais bonito vestido, “pra tira foto cum Tissera”.

Correu a chamar a sogra, ainda viva, mulher do Régulo Sambel de Contabane (1). Esta velhinha de cabelos brancos abraçou-se a mim a soluçar e só sabia dizer:
- Branco e na volta ! branco e na volta ! - Por mais que lhe dissesse que agora só lá íamos para ver amigos e matar saudades, ela insistia:
- Branco e na volta !

O tempo livre que tive, passei-o na Tabanca a conviver. Sentia-me em casa. Toda a gente me chamava para papea um pouco. Alguns antigos milícias em Mampatá e em Aldeia Formosa, agora, a viver nesta Tabanca, vieram ter comigo, apresentavam-me a família. Falavam-me de outros cujos rostos já se tinham esvanecido da minha memória. Relembravam aventuras comuns. Queriam ficar no postal (fotografia) para eu trazer, de recordação.

A marcha do tempo não perdoa, bem pelo contrário. Desta vez, contrariamente aos anos de guerra, foi rápida de mais. Tive de regressar. A partida foi dolorosa. Quando me fui despedir, soube que no dia seguinte (o da minha partida) vinham pessoas de Mampatá para estar comigo. Tive pena e prometi a mim mesmo lá voltar.

Regressei à Guiné para recordar. Rever amigos e espantar fantasmas. À partida pensava que arrumava a Guiné do meu pensamento. Agora, a Guiné está-me no coração. É a minha segunda pátria, tal como ouvi por lá:
- Tu Português de Portugal. Eu Português de Guiné.

Zé Teixeira (1)
_____________

(1) Vd. post de 14 de Março de 2006 > Guiné 63/74 - DCXXVI: O meu diário (Zé Teixeira) (fim): Confesso que vi e vivi

Guiné 63/74 - P679: Apelo ao pessoal da CCAÇ 2317 (Guileje, 1967/68)

Guiné-Bissau > Guileje > 1998 > Restos do aquartelamento, abandonado pelas NT em 22 de Maio de 1973.

© Xico Allen (2005)

Texto do director executivo da AD - Acção para o Desenvolvimento (Bissau):

Tive conhecimento, através do Blogue-fora-nada, que o pessoal que pertenceu à CCAÇ 2317 (Guiledje, 1967/68) se prepara para a sua reunião de convívio anual, a realizar no dia 3 de Junho próximo, em Fátima (Contacto: Soares > Tel. 936 831 517 ou 222 000 200)

Sucede que a Acção para o Desenvolvimento (AD) é uma organização não-governamental guineense que está a promover a Iniciativa de Guiledje que visa recuperar aquele local, recolhendo testemunhos de um lado e de outro, com o objectivo de transformar aquele ex-quartel num local histórico onde se poderá ter acesso à memória de então e também para aqueles que desejem voltar com as famílias poderem fazer ecoturismo na Mata de Cantanhez (onde há chimpanzés, búfalos e elefantes).

Temos recebido excelente colaboração de outras Companhias que por lá passaram em termos de envio de relatórios, fotos e testemunhos.

Gostariamos de saber se da parte da vossa Companhia haverá também essa disponibilidade (1).

Nós temos uma organização portuguesa que é nossa parceira, o Instituto Marquês Valle Flôr, que poderá fazer a ponte, ou então eu próprio que normalmente vou a Portugal em Julho-Agosto, poderei entrar directamente em contacto com quem queira colaborar.

Para os que estiverem mais interessados em conhecer esta Iniciativa, poderão ir ao site da nossa organização: www.adbissau.org

Cumprimentos a todos.

Carlos Scharwz (Pepito)
Director Executivo da AD
________

Nota de L.G.

(1) Sobre a CCAÇ 2317 (Guileje, 1967/68), vd. os seguintes posts:

23 de Janeiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDLXXIII: Memórias de Guileje (1967/68) (Zé Neto)(4): os azares dos sargentos

(...) "Um dos ataques deu-se quando já lá se encontrava a CCAÇ 2317 que, em princípio, nos ia substituir. Nós, como é natural, transmitimos aos novatos a experiência acumulada de como safar o pêlo quando havia festivais. Só que o manual não previa a situação caricata que se passou" (...).

30 de Janeiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDLXXXVI: O meu diário (José Teixeira, enfermeiro, CCAÇ 2381) (10): Abril/Maio de 1969, 'Senhora, nem Tu me salvaste!"

(...) "Buba, 5 de Maio 1969 :

"Outro domingo inesquecível. Foi o Miguel como poderia ter sido outro. Pisou uma antipessoal e ficou sem o pé esquerdo e com a perna toda esfacelada.

"Saíram de madrugada, com destio a Nhala, levar mantimentos. Depois da curva do Vilaça detectaram três minas A/P. Os nossos homens puseram-se em posição de defesa e o Sapador preparou-se para as levantar, quando o Miguel se decide avançar um pouco e pisa uma terceira que estava dissimulada junto a um tronco de palmeira. O IN que estava emboscado no local a assistir ao levantamento abriu fogo de imediato, mas nada mais aconteceu de grave.

"Rapidamente assistido pelo Catarino debaixo de fogo, o Miguel foi transportado em seguida para Buba, de onde o heli o levou até Bissau, enquanto a coluna seguia o seu destino, detectando-se mais duas minas e uma armadilha de tropeçar e um cemitério (em cenário) com pedidos para voltarmos para a Metrópole, deixando o povo da Guiné gerir o seu destino e ameaças de morte em que o falso cemitério era o exemplo do que nos esperava se continuassemos a fazer guerra. A CCAÇ 2317 ficou no local a levantar um campo de 38 minas antipessoais" (...).

14 de Fevereiro de 2006 > Guiné 63/74 - DXXXIV: Memórias de Guileje (1967/68) (Zé Neto) (8): Gazela com chouriço à moda do Celestino

(...) "O ano de 1968 entrou com uma novidade. O esforço sobre o corredor de Guilege diminuiu de intensidade e a actividade operacional concentrou-se mais para a zona da fronteira, com a prioridade de manter seguro o itinerário Gadamael Porto – Guilege. Estavam para chegar as CAÇ 2316 e 2317 que iam acantonar, em condições precárias, no Mejo e em Guilege com vista a qualquer acção em grande que estava no segredo dos Deuses de Bissau" (...).

Guiné 63/74- P678: Do Porto a Bissau (6): Atravessando o deserto do Sahará (Albano e Hugo Costa)




As primeiras imagens do norte de África. De baixo para cima: (i) o Hugo; (ii) uma paragem para desentorpecer as pernas; (iii) o Manuel Costa e o Armindo Pereira junto a uma manada de camelos; (iv) um pequeno percalço e a solidariedade dos viajantes do deserto.

Créditos fotográficos: © Hugo Costa (2006)


1. Notícias dos nossos amigos e camaradas que vão a caminho da Guiné. Fonte: Albano Costa (sábado, 8 de Abril de 2004, 23h58; fotos: domingo, 9 de Abril, 21h32).

Caro amigo LG

Mais um dia se passou, e mais uns quilómetros foram percorridos na viagem dos nossos amigos e camaradas até à Guine-Bissau. Neste momento [sábado, à noite] estão a jantar num hotel (não sei o nome) a 70 km da fronteira com a Mauritânia.

A comitiva tem-se portado bem. O jipe ficou preso na areia mas com um pouco de sacrifício lá saiu, e a aventura - como eles dizem - continua a bom ritmo e com muita alegria. Já falei com todos os elementos e todos estão a gostar.

Eles esperam, amanhã domingo, chegar próximo da fronteira ou até já ao Senegal, tudo vai depender dos imprevistos que possam surjir ou não. Segundo a opinião do Allen, e se tudo correr - como esperam(os) - lá para quarta-feira estarão na Guiné-Bissau.

Já os informei, a conselho do Paulo Salgado, a não tentar atravessar Casamança e entrar por S. Domingos que seria melhor e mais rápido...Eles devem evitar Casamança e entrar por Pirada, Gabú, Bafatá e então finalmente chegar a Bissau, aonde estão o Paulo e Conceição Salgado prontos para os receber e os informar do que for possível (Estive a falar ao telefone com eles, mas já deu para entender que são pessoas muitos afáveis).

A história da viagem, essa será depois contado pelo Marques Lopes e restantes elementos. Eles vão enviar fotos logo que saiam do deserto e consigam uma ligação à Net [o que veio a acontecer no domingo].

Um abraço, Albano Costa

2. Também a Zélia, mulher do Allen e mãe da Inês, me telefonou no sábado à noite, de Lisboa, do bairro de São Miguel onde estava de visita a familiares (Aproveitou a vinda de um irmão, que veio ver o desafio de futebol Sporting-Porto). Dei-me boas notícias do pessoal, apesar do pequeno percalço do jipe que se enterrou na areia... Espero poder estar com ela e o Albano, no Porto, nas próximas miniférias da Páscoa. Agardeço-lhe a gentileza de me ter telefonado. Infelizmente eu estava em viagem para Lisboa e ela esperava regressar ao Porto ainda de madrugada... Para os nossos morcões que a esta hora já devem estar no Senegal, a vitória do Porto sobre o Sporting deve ter sido a melhor notícia que receberam no deserto... Julgo que não há nenhum sportinguista infiltrado na comitiva...

3. No dia 6 de Abril, o Paulo Salgado mandou a seguinte mensagem ao Albano:

Caríssimo Albano:

Cá espero por ti (não percebi se tu vens ou não) e pelo resto da malta. Agora, algumas ideias:

(i) O teu filho que não se preocupe, pode utilizar o meu computador para o que for necessário, inclusive mandar mensagens. Só tem que trazer a ligação dele ao computador.

(ii) Quando chegardes, eu acompanho-vos à GuinéTelecom para adquirirdes um cartão e aplicá-lo no telemóvel - custa pouco. Mas tem que estar desbloqueado o telemóvel que trouxerem. Depois há zonas donde se pode falar para Portugal. Ou então compra-se noutra central - AREEBA, em vez da Telecom.

(iii) Desaconselho vivamente, fortemente, a passagem por S. Domingos. A coisa lá ainda não acabou, está preta! Nada de expor a perigos que podem acontecer.Sugiro uma volta maior, por Gabu, no Leste, para fugirem à zona de Casamance. Onde ouviste essa de os civis estrangeiros estarem "imunizados"?

Ao dispor. Podes ligar-me para 00245 - 720 40 25 ou 00245 720 4011 (este é da minha Mulher).

Mantenhas, Paulo Salgado.

domingo, 9 de abril de 2006

Guiné 63/74 - P677: Violenta emboscada em L (Op Boga Destemida, CCAÇ 12, CART 2520 e Pel Caç Nat 63, em Gundagué Beafada, Fevereiro de 1970) (Luís Graça)

Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Fporças da CCAÇ 12, mais concretamente o 2º Gr Comb da CCAÇ 12, na estrada para Mansambo.

Arquivo pessoal de Humberto Reis (ex-furriel miliciano de operações especiais, CCAÇ 12, Bambadinca, 1969/71).

© Humberto Reis (2006).


Extractos de:

História da CCAÇ. 12: Guiné 1969/71. Bambadinca: Companhia de Caçadores 12. 1971. Capítulo II. 26-28.

(Documento policopiado, elaborado pelo ex-furriel miliciano Henriques, com a colaboração e a cumplicidade de muita gente, a começar pelo sargento Piça, mandado classificar como reservado pelo comandante da unidade, Capitão Brito, e distribuído, à sua revelia, aos quadros metropolitanos, na véspera da sua rendição individual, em finais de Fevereiro e princípios de Março de 1971... Não creio que tenha sido nenhum crime de alta traição ou de lesa-pátria... A sua divulgação é, pelo contrário, uma homenagem a todos os combatentes, de um lado e de outro) (LG).


(8) Fevereiro de 1970:

(8.1) Uma emboscada em L as HT (Op Boga Destemida)


As declarações dos prisioneiros Jomel Nanquitande (capturado em Satecuta durante a Op Navalha Polida) (1) e Festa Na Lona (capturado em Ponta do Inglês durante a Op Safira Única)(2) trouxeram os seguintes elementos sobre o acampamento IN do Baio/Buruntoni:

(i) Localização: Xime 2D-81;

(ii) A vegetação à volta do acampamento e nas imediações do Rio Buruntoni é do tipo floresta tropical, composta por árvores de grande porte;

(iii) Efectivos: 30 elementos;

(iv) A população sob o controle IN é numerosa na área, havendo uma tabanca cerca de 150 metros a SE do acampamento;

(v) Armamento: 1 morteiro 60, 5 bazucas (RPG), 4 metralhadoras ligeiras e armas automáticas;

(vi) Chefes: Ponhe, Xito Mané, Tchuda Ada;

(vii) Segurança: 1 sentinela para norte, a cerca de 100 metros do acampamento;

(viii) Diariamente, pelas 0h [ilegível], sai uma patrulha de 15 elementos fortemente armados que reconhece a área para norte até ao Rio Buruntoni. Há aqui uma cambança sobre troncos de árvore;

(ix) Devido à intensa actividade das NT que levou à captura do vários elementos conhecedores da região, é de admitir que o IN se encontre alertado e até mesmo reforçado;

A fim de bater a área do Baio/Buruntoni foi planeada a Op Boga Destemida em que tomaram parte 3 Gr Comb da CCAÇ 12 (Dest A) e forças da CART 2520, reforçadas com o Pel Caç Nat 63 (Dest B) (3).

Desenrolar da acção:

Em 8 de Fevereiro de 1970, pelas 9.00h, os 2 Dest saíram do Xime, seguindo por Madina Colhido e Gundagué Beafada até próximo de Darsalame Baio onde se emboscaram.

Da parte da tarde, 2 Gr Comb reconheceram com os prisioneiros o local de cambança do Rio Buruntoni, tendo encontrado uma ponte de rachas de cibe, soltas, com uma extensão de 20 metros, que oferecia pouca segurança, obrigando a travessia a efectuar-se somente de dia e muito lentamente, contrariamente ao que estava previsto.
Os 2 Gr Comb regressaram ao local da emboscada tendo depois os 2 Dest seguido para perto do rio onde pernoitaram. O PCV, em face do reconhecimento da cambança, ordenou que a travessia se fizesse ao amanhecer.

Em 9 de Fevereiro, pelas 5.30h, iniciou-se a cambança que demorou cerca de uma hora.
Durante a travessia, o 1s Cabo Galvão ( 3º Gr Comb da CCAÇ 12) caiu, ficando lesionado na coxa direita, o que impossibilitava de prosseguir. De forma que teve de ficar o 3º Gr Comb do Dest A emboscado junto a cambança.

Como fossem encontrados trilhos e o prisioneiro Festa informasse que o acampamento distava cerca de meia hora, os 2 Dest separam-se, tendo o Dest B seguindo ao longo do Rio Buruntoni e montado urna linha de emboscada a oeste da região indicada como sendo a do acampamento IN.

O Dest A progrediu com o prisioneiro Festa em direcção ao objectivo, tendo passado por um acampamento com vestígios de abandono recente. Depois de progredir mais de 2 horas na direcção sul, e como o prisioneiro continuasse a dizer que era longe, contradizendo-se, o Dest A que só dispunha de 2 Gr Comb, entrou em ligação com o Dest B a fim de tomar uma decisão face à situação.

E de referir que o PCV ainda não aparecera visto que a respectiva DO-27 tivera de ir cumprir uma missão de evacuação outro sector. De modo que foi decidido pelos CMDT dos Dest regressar ao Xime.

Quando ia ao encontro do Dest B, o 1º e 2º Gr Comb do Dest A foram flagelados à distância com metralhadora e lança-rockets. Era evidente que o IN tentava localizar as NT através do reconhecimento pelo fogo.

Cerca das 11.30h, o PCV sobrevoou a zona, quando o Dest B, já feita a cambança, armadilhava o local onde havia vestígios recentes do IN.

Em marcha lenta, devido ao transporte do ferido em maca, os 2 Dest seguiram o trilho de Darsalame Baio-Gundagué Beafada, através do capim alto.
Próximo da antiga tabanca beafada, cerca das 13h, as NT sofreriam uma violenta emboscada montada em L e com grande poder de fogo, especialmente de lança-rockets. A secção que ia na vanguarda do Dest B ficou praticamente fora de combate, tendo sido gravemente feridos, entre outros, o respectivo comandante e a praça encarregada da segurança do prisioneiro Jomel Nanquitande que, aproveitando a confusão, conseguiu fugir, embora algemado e muito provavelmente ferido.

Devido ao dispositivo da emboscada, quase todos os Gr Com foram atingidos pelo fogo de armas automáticas e lança-rockets (testa e meio da co¬luna) e mort 60 (retaguarda).

Devido à reacção das NT, o IN retirou na direcção de Poindon e Ponta Varela, tendo ateado o fogo ao capim para evitar a sua perseguição. O incêndio lançaria sobre as NT um enxame de abelhas, obrigando-as a fugir para uma mata próxima onde se trataram os feridos.

Em resultado da acção fulminante do IN, as NT sofreriam 1 morto e 7 feridos entre graves e ligeiros (urn dos quais viria a falecer mais tarde), sendo 2 da CCAÇ 12 (1º Cabo Galvão, do 3º Gr Comb, e Soldado Samba Camará, do 29 Gr Comb).

Feito o reconhecimento, não foi encontrado o prisioneiro. Apesar do incêndio provocado pelo fogo pegado ao capim, ainda se conseguiu recuperar parte do material abandonado. Levados os feridos para Gundagué Beafada, donde foram heli-evacuados, as NT retiraram para o Xime, protegidas por heli-canhão e T-6, tendo chegado ao aquartelamento por volta das 17h.

Após esta operação o IN manifestar-se-ia de novo em 12 de Fevereiro (atacando uma embarcação em Ponta Varela, do que resultaram baixas civis) e flagelando também na região de Ponta Varela forças da CART 2520 durante a Op Tango Variado).

____________

Notas de L.G.

(1) Vd. post de 7 de Março de 2006 > Guiné 63/74 - DCXII: Assalto ao destacamento IN de Seco Braima, na margem direita do Rio Corubal (Janeiro de 1970, CCAÇ 12, CAÇ 2404, CART 2413)

(...) "O prisioneiro, de nome Jomel Nanquitande, foi deixado para trás pelos seus companheiros, que no entanto recuperaram a sua arma. O seu ferimento não era grave, aos olhos de um tuga. Após uma semana de recuperação e de interrogatórios, o Jomel seria obrigado pelas NT a participar como guia para um assalto de mão ao acampamento IN de Ponta Varela que conhecia bem [, a sudoeste do Xime, na direcção de Madina Colhido]: Op Borboleta Destemida (...)".

(2) Vd. pots de 19 de Março de 2006 > Guiné 63/74 - DCXLI: Ponta do Inglês, Janeiro de 1970 (CCAÇ 12 e CART 2520): capturados 15 elementos da população e um guerrilheiro armado

(...) "Seguindo um dos trilhos, avistou-se um homem desarmado que seguia em direcção contrárias às NT. Capturado, informou que ia recolher vinho de palma, que a tabanca ficava próxima, que não havia elementos armados e que a maior parte da população estava àquela hora a trabalhar na bolanha.

"Feita a aproximação com envolvimento, capturaram-se mais 2 homens, 5 mulheres e 6 crianças. Um dos homens capturados disse chamar-se Festa Na Lona, de etnia Balanta, estar alí a passar férias e pertencer a uma unidade combatente do Gabu. Foi-lhe apreendido uma pistola Tokarev (7,62, m/ 1933) e vários documentos" (...).

(3) O comandante do Pel Caç Nat 63 era, nesta época, o Alf Mil Art Jorge Cabral: vd. post 17 de Dezembro de 2005 > Guiné 63/74 - CCCLXXXII: Vocês não tenham medo, não fujam, sou o Cabral (Fá, 1969/71)

Guiné 63/74 - P676: A ternura dos sessenta (Paulo Raposo)

O Paulo Raposo, alferes miliciano de infantaria da CCAÇ 2405, a bordo do Uíge, a caminho da Guiné (1968)

©Paulo Raposo (2006)


Caro Luís

Comove-me profundamente as intervenções dos filhos dos nossos camaradas, Homens que fizeram a Guerra.

Só consigo falar da Guerra sempre na brincadeira, pois se fôr a sério cria-me amargura.

A passagem pela Guiné marcou-me muito, fomos uns Heróis, pois só com a G3 e ração de combate aguentámos 13 anos de guerra.

Em vez do país se enaltecer pelos filhos que tem, parece que andamos envergonhados pela nossa abnegação e grande generosidade.

Caro Luís, já que temos a informação de todos os documentários sobre a Guerra de África, faço a pergunta:
- Não podemos nós montar os filmes em CD em episódios ou por província para mostrar às gerações futuras aquilo por que nós passamos?

Camões até pode vir a ser um bom negócio.

Vai um quebra costelas do

Paulo Lage Raposo
Alf. Mil. Inf.
BCAÇ 2852
CCAÇ 2405
Guiné 68/70


Comentário de L.G.:

Paulo:

Respondo à tua pergunta com outra pergunto: o que faremos nós com este blogue ? Olha, para já vamos... blogando, rindo e chorando... Vejo, com muito agrado , que a rapaziada do nosso tempo se recusa a ser infoexcluída e já está a construir os seus próprios blogues ou sítios na Net relacionados com a sua experiência na Guiné... O último exemplo, para além da nossa amiga Ana Ferreira, que criou o seu próprio espaço na blogosfera, foi o Zé Teixeira, autor do sítio Os Maioriais de Empada (História da CCAÇ 2381).

Guiné 63/74 - P675: Cabo 14: pergunto-me se ele alguma vez regressou, de facto (Ana Ferreira)

Guiné > O 1.º Cabo n.º 2514, Fernando das Neves Ferreira, CCAÇ 616, do BCAÇ 619, Bissau, Empada, Pirada, Bigene, Ilha do Como, Bafatá, 1964/66).

© Ana Ferreira (2006)

Texto da Ana Ferreira, Braga:

Agradeço-lhe imenso as suas palavras de apoio e aceito com muito prazer o convite para integrar a tertúlia. Sinto-me um pouco como uma intrusa, mas sei também que a partilha de memórias e de sentimentos há muito me fez entrar no vosso mundo.

Tenho uma longa tarefa pela frente... o livro que meu pai insistia que deveria escrever, vai ter um eco remoto neste blog que iniciei.

O tempo é sempre pouco, mas a perseverança não.

Como já sabe o meu pai esteve na Guiné de 64 a 66, mais exactamante de oito de Janeiro de 1964 a três de Fevereiro de 1966, partindo de Lisboa, onde vivia. Julgo que o quartel onde se encontrava era o da Amadora. Não tinha nenhuma especialidade, era apenas atirador, mas terei que confirmar nos documentos que ainda restam .

Pelos remetentes que encontrei nos aerogramas vejo que percorreu um pouco toda a Guiné: Bissau, Empada, Pirada, Bigene, Ilha do Como (que pelas suas descrições, terá sido um dos piores sítios), Ponderosa, embora, não seja este o verdadeiro nome, ignoro qual seja, Bafatá e mais alguns de certeza, pois sei que já não me lembro com exactidão de tudo o que me contou.

Bolanhas, G3 carregadas em braços no ar, queimada de aldeias, tabancas destruidas, estadias surrealistas e fugas do hospital de Bissau .... Castigos, louvores, viagens prometidas e desprometidas à metrópole, a guia de marcha, o embarque e o regresso. Mas pergunto-me se alguma vez regressou, de facto.

Saudações,
Ana Ferreira,
Braga
Blogue> Cabo14Guine