sábado, 2 de junho de 2007

Guiné 63/74 - P1808: Propaganda do PAIGC e subtilezas do crioulo ou vir ao Fundão e 'pôr a cereja no cimo do bolo' (Fernando Barata / Luís Graça)




Guiné > Panfleto propaganda do PAIGC, escrito em crioulo (frente e verso). Sem data.

Fotos: © Carlos Vinhal (2006). Direitos reservados.

1. Mensagem do Fernando Barata, ex-Alf Mil Fernando Barata, da CCAÇ 2700 (Dulombi, 1970/72):

Caro Luís

No Post 1346 é abordada propaganda do PAIGC, escrita em crioulo (1). Na tradução do texto para português, o Mário Dias ("assessor principal para as questões étnico-linguísticas da Guiné e tradutor oficial da nossa tertúlia") teve dificuldade na tradução da frase: "i ca ta pembi na ragas". Falei com alguém que fala crioulo e me deu a seguinte tradução: "não se traz ao colo".

Aquele abraço

Fernando Barata
_______________

Não aceitem que colonialista tuga vos agache (esconda?) atrás dos seus

quartéis, porque todo aquele que se agacha (baixa; esconde) i ca ta pembi

na ragas! [não sei traduzir esta frase] não aceitem receber armas da mão do

colonialista tuga, porque todo aquele que pegar arma do inimigo contra nós,

é inimigo da nossa terra, é inimigo do nosso povo! Não aceitem mais escutar

as mentiras dos colonialistas, porque querem–vos mansos e submetidos

debaixo do seu cativeiro, com vossas mulheres e vossos filhos!


(Tradução do Mário Dias)

2. Comentário do L.G.:

Obrigado, Fernando. Vejo que és um membro da nossa tertúlia, crítico, atento, solícito e proactivo...Infelizmente poucos de nós sabem crioulo. O teu contributo é precioso. Saúdo-te, daqui, da terra das cerejas, o Fundão, onde me encontro e onde tenho uma irmã, que é enfermeira. E, como prova de que este mundo (incluindo a blogosfera) é pequeno, dou-te o exemplo do Torcato Mendonça, membro da nossa tertúlia, ex-Alf Mil da CART 2339 (Mansambo, 1968/69), marafado sulista, com genes algarvios e alentejanos. Ontem tinha-lhe dito que ia passar pela terra (adoptiva) dele, onde casou, teve filhos e foi autarca (ou ainda é, pelo menos, presidente da Assembleia Municipal)... E que talvez pudéssemos dar dois dedos de conversa, por volta das 10h...

Hoje, justamente por volta das 10,30h, ao chegar de Lisboa, com meia hora de atraso, e ao atravessar, de carro, a zona histórica do Fundão, dou de caras com ele, a descer o passeio, de óculos escuros, com os jornais de fim-de-semana debaixo do braço... Belíssima coincidência, pretexto para logo ali o abraçar e matar saudades, e darmos umas voltas pela cidade da Cova da Beira... No final, deu-me mais um CD-Riom com mais estórias de Mansambo e fotos falantes...

Fernando, Torcato, Mário e demais tertulianos: tenham um belo fim de semana... A festa da cereja aqui só será nos dias 15 e 16 de Junho. Este ano a cereja está atrasada e escasseia, quiçá por culpa das malditas mudanças climatéricas que já nos atormenta, de Lisba a Bissau, de Nova Iorque a Pequim... Em suma, volto a Lisboa a salivar como o cão do Pavlov... Na terra da melhor cereja do mundo, tenho que me contentar com o que há (no mercado, que é pouco e fraco)... Em contrapartida, o Fernando acaba de me pôr a cereja (linguística) que faltava no cimo do bolo do Mário Dias. Digam-me lá se esta tertúlia não é a melhor do mundo, capaz até de fazer inveja ao Fundão, capital mundial da cereja ? Uma tertúlia, ou melhor, um sítio virtual na blogosfera, onde há sempre alguém capaz de 'pôr a cereja em cima do bolo', mesmo em ano de má colheita. (LG).
__________

Nota de L.G.:

(1) Vd. post de 7 de Dezembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1346: PAIGC (1): Propaganda: morte aos colonialistas portugueses e seus cachorros de dois pés (Carlos Vinhal / Mário Dias / Luís Graça)

sexta-feira, 1 de junho de 2007

Guiné 63/74 - P1807: António Graça de Abreu na Feira do Livro para autografar o seu Diário: Porto, dia 2 de Junho; Lisboa, dia 10

Capa do Livro Diário da Guiné - Lama, Sangue e Água Pura, de António Graça de Abreu. Lisboa: Guerra e Paz, Editores. 2007.

Foto: Guerra e Paz Editores, SA (2007) (com a devida vénia...)

1. Mensagem do nosso camarada António Graça de Abreu (1):

Meu caro Luís Graça ou Carlos Vinhal:

Peço-vos o favor de inserirem o meu texto no blogue, ou talvez enviarem-no àquele pessoal nosso que tem e-mail e está na vossa lista, com uma relativa urgência. Luís, ainda tens por aí uns textos meus e fotografias que não publicaste, mas não é importante.
Um abraço

Feira do Livro 2007 > Porto e Lisboa

No próximo sábado, dia 2 de Junho, vou estar no Porto, na Feira do Livro, pavilhão Rosa Mota, pavilhão 4, a partir das 17 horas para autografar o meu livrinho Diário da Guiné, Lama, Sangue e Água Pura.

No domingo 10 de Junho, Dia de Portugal, estarei na feira do livro de Lisboa, ali no parque Eduardo VII, também para autografar o meu Diário, a partir das 17 horas no pavilhão da minha editora, a Guerra e Paz, não sei qual o número do pavilhão.

O livro vai de 23 Junho de 1972 a 20 Abril de 1974, com o meu testemunho da presença num CAOP 1 (Comando de Agrupamento Operacional) em Teixeira Pinto (Canchungo), Mansoa e Cufar (2).

Saudações a todos os tertulianos, companheiros de armas por terras da Guiné.

António Graça de Abreu
_____________´

Nota de L.G.:

(1) O nosso camarada António Graça de Abreu nasceu no Porto (em 1947), licenciou-se em Filologia Germânica e é Mestre em História pela Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa. Entre 1977 e 1983 leccionou Língua e Cultura Portuguesa nas Universidades de Pequim e Shanghai. Tem onze livros publicados na área da Sinologia, da poesia e dos estudos luso-chineses. Vive no Estoril. É actualmente professor, na Escola de Ensino Secundário José Saramago, em Mafra.

Traduziu para português O Pavilhão do Ocidente (1985), teatro clássico chinês, e os Poemas de Li Bai (1990) - Prémio Nacional de Tradução 1990 , além dos Poemas de Bai Juyi (1991) e Poemas de Wang Wei (1993). É autor de China de Jade (1997), China de Seda (2001), Terra de Musgo e Alegria (2005) e China de Lótus (2006) e co-autor de Sinica Lusitana, vol. I e II, (2000 e 2003).

Escreveu a biografia de D. Frei Alexandre de Gouveia, Bispo de Pequim, (1751-1808), Lisboa, Universidade Católica, 2004.

Pertenceu, entre 1996 e 2002, à direcção da European Association of Chinese Studies (Heidelberg e Oxford).

Como alferes miliciano, teve uma visão privilegiada da escalada da guerra da Guiné, entre 1972 a 1974, a partir do CAOP 1 a que pertenceu (Teixeira Pinto ou Canchungo, Mansoa e Cufar). Dessa sua exoperiência, do seu diário e dos mais de 300 aerogramas que escreveu, resultou o seu 12º livro, Diário da Guiné - Lama, Sangue e Água Pura, lançado em 2007. (Lisboa: Guerra e Paz, Editores. 2007. ISBN: 9789898014344. Preço: € 22. O preço na Feira do Livro deve ser, no mínimo, 20% inferior). 20.Quais são os seus heróis?

Na resposta a um pergunta sobre os seus heróis, do famoso questionário de Proust, conduzido pelo PEN Clube Poprtuguês de que é sócio, o António respondeu:
- Os soldados que morreram a meu lado na guerra da Guiné.

Li Bai, poeta chinês do Séc. VIII (701-762), é um dos seus poetas preferidos, a par de Camões e de Wang Wei. É casado c om uma chinesa, de quem tem um filho. A mulher da sua vida não é, pois, a mesma a quem escreveu centenas de aerogramas quando estava na Guiné. Tive o grato prazer de o conhecer pessoalmente em 28 de Abril de 2007, no Pombal, no 2º encontro da nossa tertúlia. Disse-me que não desejava voltar à escrita sobre a guerra da Guiné.

Desejamos-lhes os melhores sucessos editoriais para o seu livro, onde é feita uma simpática referência ao nosso blogue.

No sítio da editora, pode ler-se algumas observações críticas feitas ao livro e ao seu autor, por parte de Ramiro Santos, que pertenceu à 35ª Companhia de Comandos, que estava integrada no CAOP 1, e que esteve em Teixeira Pinto na mesma altura do Alf Mil Abreu. Veja-se também a resposta do autor. Enfim, não são propriamente questões de fundo, mas sim dados factuais ou até questões de lana caprina...

(2) Vd. posts de:

5 de Fevereiro de 2007 > Guiné 63/74 - P1498: Novo membro da nossa tertúlia: António Graça de Abreu... Da China com Amor

6 de Fevereiro de 2007 > Guiné 63/74 - P1499: A guerra em directo em Cufar: 'Porra, estamos a embrulhar' (António Graça de Abreu)

27 de Fevereiro de 2007 > Guiné 63/74 - P1552: Lançamento do livro 'Diário da Guiné, sangue, lama e água pura' (António Graça de Abreu)

16 de Março de 2007 > Guiné 63/74 - P1601: Dois anos depois: relembrando os três majores do CAOP 1, assassinados pelo PAIGC em 1970 (António Graça de Abreu)

17 de Abril de 2007 > Guiné 63/74 - P1668: In Memoriam do piloto aviador Baltazar da Silva e de outros portugueses com asas de pássaro (António da Graça Abreu / Luís Graça)

Guiné 63/74 - P1806: Operação Macaréu à Vista (Beja Santos) (48): Junho de 1969: Missirá em estado de sítio


Guiné > Zona leste > Sector L1 > Bambadinca > Missirá > Pel Caç Nat 52 > 28 de Maio de 1969 > Aerograma enviado pelo Beja Santos à sua noiva, Maria Cristina Allen, logo a seguir ao ataque do PAIGC a Bambadinca, sede do sector L1 da Zona Leste (1). O aerograma, que tem a data do correio de 31 de Maio de 1969, dá pormenores do ataque e confirma a ida (temerária) do Beja Santos com um grupo de voluntários em socorro de Finete (que se julgava estar a ser atacada nessa noite) e depois, possivelmente, já pela manhã, a sua visita a Bambadinca, ainda não refeita do susto. Passo a transcrever (LG):

(...) "Mas foi Bambadinca que foi atacada! Julguei delirar, impossível! Mas lá fomos a toda a velocidade pela bolanha [de Finete] fora até ao cais, onde já nos esperavam três tanques ligeiros do Machado [, coamdnate do Pel Rec Daimler]; após travessia com lodo até à cintura, lá chegámos à área desvastada, onde os meus camaradas iam dando pormenores da refrega.

"Os rebeldes vieram pela pista de aviação e cemitério, atacaram o quartel frente à porta de armas, a tabanca fula [Bambadincazinha,], onde o Almeida [, comandante do Pel Caç Nat 63,] tem a sua tropa nativa, começou a ser incendiada, enquanto as morteiradas caíam na central eléctrica, residência de oficiais e sargentos.

"Todos, que nunca sonharam ser possível um tal arrojo, encheram-se de pânico, e vieram para a a parada onde desataram a fazer fogo desnorteado, e só um milagre salvou os resultados trágicos. Os abrigos encheram-se, mas ninguém fazia fogo. Só o Capitão Neves se pôs no morteiro, e a tropa do Almeida repeliu os rebeldes que já avançavam para a residência de oficiais. E lá retirarm quando o pesado morteiro de Bambadinca começou a fazer os seus estragos. Muitos quartos esburacados, tectos desfeitos. Crises de histeria entre a filharada e mulheres de oficiais e sargentos.

"Com a nossa chegada, só aquela espontaneidade possível em actos de guerra - abraços, a rapaziada negra dando aso ao seu contentamento por não ter havido mortos nem feridos graves. Só o apontador do morteiro do Almeida, que de manhã estivera em Finete, enquanto fôramos a Chicri, foi atingido , mas sem consequências de maior" (...).

Fotos: © Beja Santos / Luís Graça & Camaradas da Guiné (2007). Direitos reservados.

Caro Luís, aqui vai folhetim da semana, com o texto revisto. Toma esta como a versão definitiva. Reenvio-te uma fotografia do furriel Pires. Sexta feira 18, reencontrarei o Augusto e o Calado para falarmos da flagelação de Bambadinca a 14 de Junho. Voltarei ao teu contacto a partir de 14. Os livros aqui referidos seguem pelo correio. Quando tiveres um período mais brando no teu trabalho, não te esqueças que me prometeste as cartas de Bambadinca/Mansambo/Xitole e Bambadinca/Xime. Adeus e até ao meu regresso, Mário.

48ª Parte da série Operação Macaréu à Vista, da autoria de Beja Santos (ex-alf mil, comandante do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70) (2). Texto enviado a 9 de Maio de 2007. Subtítulos do editor do blogue.

A noite em que Missirá viveu em estado de sítio, por Beja Santos


O Pires sugeriu que o nosso encontro se realizasse na Livraria Barata, na Avenida de Roma, em Lisboa, pelas 18 horas. Foi mais pontual do que eu, o que deu para eu me ir aproximando e medir as transformações operadas neste camarada da guerra, de quem me despedira em 1970.

Ainda nos encontrámos uma vez a seguir ao 25 de Abril, numa récita da ópera La Bohéme, no Coliseu dos Recreios, mas não pudémos conversar. O Pires, que depois do Saiegh e do Casanova foi o furriel a quem devo mais atenções, mantém o seu sorriso doce, modos calmos, voz ponderada mas o rosto está marcado por uma exaustão patológica (virei a saber que teve um enfarte, há mais de 10 anos).


O reencontro com o Furriel Pires

Escrevera-lhe a pedir esta reunião, explicando-lhe taxativamente que gostava de ter a sua ajuda, nomeadamente para os acontecimentos de Junho de 69 em diante. Rememorou episódios depois de me ter advertido que tudo estava esfumado e com pouca sequência.

Chegara a Bissau em Janeiro desse ano, vindo no Alfredo da Silva. Estivera uns meses em Bissau até que foi informado que ia partir para Missirá. Tinham-lhe dito que era uma zona calma. Chegado a Bambadinca, talvez para o praxarem, a informação passou a ter um sentido totalmente oposto . O que mais o chocara fora a falta de informação sobre usos e costumes, o tipo de guerra, as melhores respostas para conviver com a população civil, a total ausência de informação cultural, religiosa ou etnográfica.

Lembrava-se dos episódios da flagelação de 17 de Julho, da brutalidade da época das chuvas, da dureza dos nossos abastecimentos, dos bidões a rolar de Missirá para a fonte de Cancumba e desta para o balneário de Missirá, dos macacos cães a roubarem a batata doce e os agricultores aos gritos. Trazia algumas fotografias, e de repente vejo-o perto do poço cuja construção tinha vindo a ser adiada desde a visita do Capitão Neves, em Fevereiro. O régulo Malã tinha dúvidas se era possível captar água no centro de Missirá. Depois, descobriu-se um especialista em fazer poços e lá para Maio arranjou-se uma verba, o especialista veio do Cossé, era um mandinga que se sentava com as pernas cruzadas, começava a cavar à volta dele, tirava terra e voltava a cavar, desbastou , foi fazendo buracos dentro de um círculo onde formou paredes e que eram o seu suporte para subir e descer enquanto fazia o poço. Até que um dia que nos avisou que havia água a 5 metros de profundidade. O poço nunca foi muito utilizado e curiosamente ficou danificado na flagelação de 17 de Julho.


Um mês de Junho de 1969, a ferro e fogo

Eu procurava intervir e fazer perguntas, em muitos casos havia o bloqueio de "não me recordo" ou "não sei se estava lá". Não, não se lembrava daquela noite em que eu ficara angustiado com doze soldados mais inválidos que sãos e uma população civil armada de Mauser, à espera do pior, depois de ter ouvido fogo para lá de Finete e ter esperado horas em vão pela vinda da coluna comandada pelo Casanova. Vale a pena contar.

O mês de Junho foi vivido a ferro e fogo em todo o sector L1 [da Zona Leste] : emboscadas, ataques brutais a tabancas em autodefesa, minas, operações com e sem contacto, flagelações nas operações de desmatelação, de Xime a Amedalai, do Xitole à Ponte dos Fulas, obuses sobre Mansambo, a surpresa e o pavor do fogo a todos tocou.

A 4, a meio da manhã, o Pimbas saiu de surpresa de um helicóptero e veio ver o andamento dos trabalhos, creio que por imposição do Felgas. Será a sua derradeira visita a Missirá Aproveitou para desabafar:
- Olha, ficas a saber que devo ter os dias contados aqui. A toda a hora recebo questionários de Bafatá, o Felgas fala-me com rispidez, acusa-me de inoperância. Sei que não vou aguentar esta pressão. Pá, faz as tuas emboscadas nocturnas, vai a Mato de Cão, não me peças mais tropa que não tenho, vamos dividir o mal pelas aldeias, mantém o quartel limpo para evitares novas reprimendas e aproveito para te agradecer teres ido naquela noite de flagelação a Bambadinca.

A 14, Bambadinca voltaria a ser flagelada durante alguns minutos e a partir daí o Pimbas não voltou a ter descanso e acabaria por ser punido. É por essa altura que nasceu a peregrina ideia de fazer o destacamento no rio de Udunduma, um buraco onde havia uns abrigos mal amanhados, umas valas, e nada para fazer já que a tropa ali sediada não podia abandonar, fosse em que circunstâncias fosse, a posição defensiva.

Em Missirá, com cada vez gente mais doente, íamos à Aldeia do Cuor para vigiar o que se passava do lado de lá em Bissaque, já que o roubo de vacas passara a ser denunciado por gente de Mero em Bambadinca.

Mato de Cão, escrevi eu, passa a ser uma penitência duas vezes ao dia, o que obriga a duas colunas de 15/20 homens cada e a fazer com que metade de Finete esteja permanentemente a circular pelas picadas de Malandim até Gambaná, encontrando-se com os elementos de Missirá. O Geba, pelas minhas contas, está a escoar toda a mancarra do Leste e a trazer cada vez mais munições e armamento pesado.

É no meio deste pesadelo de fogo que se ouve no fim da tarde pela madrugada fora, de gente que vai carregada de malária para os reforços, de colchões que aparecem a boiar nos abrigos depois de dias seguidos de intempérie, que pelas 10 de manhã o Casanova à frente de uma coluna vai buscar arroz para uma esfomeada população civil. Antes destas partidas, fazíamos as contas até uma ginástica impossível de garantir contigentes em Finete e Missirá, gente em Mato de Cão e mais alguma gente a aprovisionar o Cuor. Seriam 6 da manhã quando negociei os horários:
- Fico aqui com doze homens nas obras, nos postos de sentinela estarão civis, vocês regressam o mais tardar pelas 5, eu parto para Mato de Cão às 8 da noite , os doze que ficam irão para uma emboscada não mais de duas horas, no regresso irão também fazer reforço. Que ninguém saia de Finete, entrega esta carta ao Bacari Soncó, regressarei de Mato de Cão ao amanhecer e ele partirá para novo patrulhamento pelo meio dia. Não quero confusões nos horários.

Passaram-se as cinco e as seis da tarde, anoitece e ouve-se fogo de canhões sem recuo, morteiros e bazucas, há quem diga que é Amedalai, talvez Demba Taco, talvez o Xime, a serem flagelados . Não será Finete? Não estará o Casanova a defender Finete? O escuro sepulcral esbate todas as formas, obriga a tomar decisões urgentes, extraordinárias. Convoco o chefe de tabanca Mussá Mané que me ouve atónito: até chegar a coluna de Finete, as mulheres e as crianças vão para os abrigos; a partir dos 16 anos, todos os homens pegarão nas suas Mausers e estarão nos postos de vigia, levem toda a comida que possam, ninguém está autorizado a voltar às cubatas; os doze militares disponíveis, caçadores nativos e milícias, são distribuídos pelas metralhadoras, recebem dilagramas, vão para os morteiros. O régulo aparece e faz perguntas. Eu respondo:
-Estamos em estado de sítio, não sei se vai haver ataque, até acredito que nada aconteça, mas o pior seria não estarmos precavidos. Conto que me vai ajudar, ninguém dorme até chegar a coluna de Finete.

E assim aconteceu e se viveu a noite mais insólita de Missirá, com o choro de crianças, os civis a bombear petromaxes , um soldado a dormitar junto do morteiro enquanto outro vigiava, o Teixeira a fazer perguntas para Bambadinca, mensagens sem resposta. Ninguém sabia da coluna de Finete, não havia pormenores sobre as flagelações, no meio dos equívocos já me perguntavam se Missirá fora atacada, pediam-me para não sair.

A coluna de Finete chegou às 8 da manhã e encontrou uma população barricada e ensonada. Como África é África, tudo acabou às gargalhadas, já que havia uma explicação plausível para o Casanova não ter saído de Finete. A coluna estava pronta para sair pelas 5 da tarde, altura em que se ouviram tiros de obus no Xime e pensou-se que havia uma grupo rebelde a cambar o Geba perto de Mato de Cão ou Enxalé. Fizeram-se contas e pensou-se que era a vez de Finete ser atacada. Por isso a coluna permanecera até ao amanhecer, à espera do pior. Ouvi tudo a cair de sono, fui tomar banho e parti para Finete. Rezei a todos os santos para que nunca mais voltasse a ter uma experiência como esta.


Passou um ano desde que desfilei no 10 de Junho no Terreiro do Paço

O meu estado de saúde não melhorou desde que o David Payne me pediu para repousar e eu desobedeci. O correio em chamas da minha família deixa altas colunas de fumo na minha ala. Sei que não posso contar com mais tropa e que esta época das chuvas está a deixar muita gente enfermiça. Consulto amigos, escrevo e peço conselhos: devo casar por procuração, deixar a Cristina em Bissau, à espera de uma transferência para um território mais pacífico? Não posso tomar decisões de ir a Lisboa, ainda não recebi o veredicto ao meu recurso. É uma época em que escrevo pedaços de diário num aerograma, adormecendo a meio, deixando frases ininteligíveis com que devo assustar quem me lê do outro lado do oceano.

Passou um ano desde que desfilei no 10 de Junho, no Terreiro do Paço. Sente-se que a guerra está a conhecer uma nova evolução e nós impotentes. Os vermes do cansaço, os gestos automatizados, as viaturas atascadas, as colunas de víveres com transporte a tiracolo, é o que recordo deste tempo dominado pelos tornados, chuvas torrenciais, soldados e civis à porta da enfermaria de Bambadinca, um PAIGC que instalou a supremacia da surpresa. Vou ainda tentar reagir.

Para a semana, ainda sem saber que em breve haverá modificações na constituição dos sectores e que Enxalé sairá do sector de Mansoa e passará para o sector de Bambadinca, meto-me à estrada e regresso a esse Enxalé donde os meus soldados partiram para Missirá, em 1966 . Não há sinal de qualquer reacção à emboscada de Sinchã Corubal. No fim do mês, farei uma viagem relâmpago a Bissau para ir testemunhar a favor de Ieró Djaló. Consola-me ler no aerograma que vieram algumas toneladas de materiais e que o Serifo Candé ficou a tomar conta do gerador. Haverá ainda uma pequena flagelação, mas será a partir de Julho que o bigrupo de Madina/Belel irá estar presente na evolução da nossa guerra. É o que por ora vos tenho para contar, relembrando com calafrios os segundos, minutos e horas daquela noite de estado de sítio.

O Leproso, um conto do Miguel Torga cuja leitura me marcará durante décadas

Exausto , procurei releituras ou leituras aligeiradas. A minha mãe emprestou-me Novos Contos da Montanha, uma edição de 1945. Até então Torga para mim era A Criação do Mundo e os Bichos. Comove a grandiosidade destes relatos onde a paisagem rural predomina, entre pedras, barrocos e pastoreio, uma religiosidade trágica, relatos de contrabando, ajustes de contas à facada e a tiro de zagalote.

Capa, da autoria de Victor Palla, do livro de Miguel Torga, Novos Contos da Montanha, Coimbra Editora, 1945.

Foto: © Beja Santos / Luís Graça & Camaradas da Guiné (2007). Direitos reservados.


Mas destes contos um vai ficar, impressivo, a boiar na memória e entrará em funções décadas mais tarde. Trata-se de "O Leproso". Durante uma cava, Julião fez a corte a Margarida que o trata por "leproso dos infernos". De uma horrível inquietação passou-se mesmo à condenação como Torga descreve:

"Havia muito que qualquer coisa em si medrava como o morrão nas espigas por amadurar. Cresciam-lhe na cara gomos de carne dura, insensível e vermelha...". Votado ao abandono, ninguém quer saber do Julião, todos fogem dele, imagem da peste. Confirmada a doença, resta-lhe ainda uma última esperança, um remédio que o livre da sua cruz. Então toma banho em azeite, cheio de fé olhando os pés transformados em patorras, os caroços no peito, sôfregos como cogumelos numa podridão. Depois, agarrou na vasilha e revendeu o azeite em que se banhara a um comerciante que por sua vezo passou para a população. Um dia soube-se tudo e instalou-se o terror no povoado:

"Ficavam como petrificados no mesmo sítio, invadidos de nojo, agoniados, a deitar contas à última almotolia que tinham comprado. E no fim, quando a dura certeza se lhes impunha, queriam arrancar o estômago, purificar-se daquela peçonha, vomitar no mesmo instante a lepra que já sentiam no sangue".

Mais tarde, quando precisei de um texto que falasse de terrores alimentares foi a este "O Leproso" que recorri, lido a horas desencontradas no novo abrigo de Missirá. Releio igualmente Ficções de Jorge Luís Borges, mas confesso que estes caudais de cultura, prodigiosamente redigidos, deslumbram mas parecem ser alimento de pouca dura. Mal sei eu que este Borges vai permanecer um grande companheiro, um mestre insuperável que ajuda a tornar mais simples as complexas maquinações do conhecimento.

Em Bafatá encontrei Mickey Spillane e o seu mais fogoso cavaleiro andante, Mike Hammer. Em O Reverso do Espelho este detective digno dos livros da série negra é confrontado com um génio criminoso, uma criança obrigada a crescer e usada à exposição do seu génio até saltar todas as fronteiras da perversidade. Nesta época, o gráfico da Colecção Vampiro é o pintor Lima de Freitas que nos deixa neste livro a marca do seu talento.

Capa, da autoria do pintor Lima de Freitas, do romance policial de Mickey Spillane, O reverso do espelho. Lisboa: Livros do Brasil, s/d. (Colecção Vampiro, 235).

Foto: © Beja Santos / Luís Graça & Camaradas da Guiné (2007). Direitos reservados.


Antes de adormecer, escrevo a 11 de Junho à Cristina:

"Peço-te o favor de visitares a D. Alzira Pimentel Bastos, a mulher do meu Comandante, que se encontra em Lisboa a cuidar da sua octogenária sogra. A morada é Rua Ponta Delgada, 65, 2º esq, telefone 44033. Chove agora muito, as trovoadas voltaram, há formigas e bicharada que nos obriga constantemente a levantar de noite. Tenho tantas saudades tuas!".

_________

Nota de L.G.:

(1) vd. post de 25 de Maio de 2007 > Guiné 63/74 - P1786: Operação Macaréu à Vista (Beja Santos) (47): Finete já está a arder ? Ou o ataque a Bambadinca, a 28 de Maio de 1969

quinta-feira, 31 de maio de 2007

Guiné 63/74 - P1805: In memoriam (1): Adeus, Zé Neto (1929-2007) (José Martins, Humberto Reis, Luís Graça, Virgínio Briote e outros)

Guiné > Rio Corubal > Saltinho > 1969> As férias do pessoal da CART 1613, enquanto aguardava, em Colibuia e Cumbijã, a indicação do seu teatro de operações... No foto vemos o acrobático e já famoso salto do então sargento Neto... Em 29 de Maio de 2007, o capitão reformado José Neto deu o seu último salto mortal... Nascido em Leiria, em 1929, era uma atleta e um apaixonado pela vida... e por Macau e pela Guiné... Foi também um homem determinado, um homem que se fez a ele próprio, com trabalho, estudo e abnegação... (LG)

Foto: © José Neto (2007). Direitos reservados.

O Zé Neto (1929-2007) é a nossa primeira baixa na tertúlia. E logo ele que, com tanta esperança e afinco, e o nosso solidário apoio, se meteu na sua útima guerra, a guerra contra o cigarro, aos 77 anos. Os seus últimos quatro meses de doença, já este ano, foram dolorosos e penosos para ele e para a família. Morreu no dia 29 de Maio de 2007, anets da meia-noite.

Hoje a família e os amigos disseram-lhe o último adeus, no cemitério dos Olivais. O Virgínio Briote esteve no funeral e representou-nos a todos. Na véspera, alguns de nós já lhe tinham prestado a última homenagem, velando o seu corpo: eu, o Humberto Reis, o José Martins passámos pela Igreja de São João de Deus... Creio que outros cmaradas também por lá passaram: o Nuno Rubim, o Helder Sousa...

Conhececemos pessoalmente a viúva, um das suas três filhas e dois dos seus quatro netos, a Leo e o Afonso. É uma menina de oiro e é um menino de ouro, dois netos de que o avô nos falava no nosso blogue. Certamente que dos outros dois ele também tinha orgulho, mas não tivemos ocasião de estar com eles.

Vimos também gente que privou com o Zé Neto, nas mais variadas situações profissionais, desde Macau à guarda fiscal. Transmitimos à família o nosso apreço pelo Zé e o nosso pesar pelo seu desaparecimento. Em nome de todos, do pessoal do nosso blogue, Luís Graça & Camaradas da Guiné.

Aproveitamos hoje para publicitar, aqui, mensagens dos nossos camaradas de tertúlia que nos têm chegado. É a nossa maneira, pública, original mas sincera, de lhe dizer adeus e lhe testemunhar a nossa saudade. Zé, a tua memória e os escritos ficarão connosco. Vê como te escreveram palavras bonitas e sentidas, parta ti, que eras o nosso patriarca, o homem grande, como te chamou o Pipo. E podes ficar descansado: terás sempre o teu cantinho nesta generosa e magnífica tertúlia de amigos e camaradas da Guiné. (LG)
_____________________

José Martins

Caros amigos [mensagem dirigida à família]:

Recebi a notícia. Sinto a vossa dor, e se vos pode servir de alguma coisa, também vos acompanho na dor.

Conheci o Zé, permitam-me a forma como me exprimo, e apenas alguns momentos bastaram para se cimentar uma amizade que, creio, tambem era recíproca.

Mais um partiu, quiçá, para preparar a nossa chegada.

Não deixem perder a memória do vosso pai ou avô. É a maior homenagem que se lhe pode prestar. Para mim, perdurará na minha amizade.


José Martins
_________________________

Virgínio Briote

Caro Luís,

Acontecimentos importantes esta semana na nossa tertúlia. O doutoramento do Leopoldo Amado e a morte do José Neto. Ao 1º não fui, com muita pena minha. E bem gostaria de lá ter estado. Para ver todo o trabalho do doutorado e para vos ver e abraçar, ao J. Tunes, António Santos, José Martins (que belo trabalho tem desenvolvido este nosso camarada, desenterrar e ajudar a pôr no sítio tanto tijolo) e ao Hugo Moura Ferreira.

Infelizmente estive presente no velório do José ainda ontem e hoje assisti ao ofício fúnebre. Procurando alguém conhecido, encostado por ali, ainda vi que tinha assinado a presença o Helder Santos que não tive oportunidade de procurar, porque entretanto fui abordado por uma senhora que me disse ser a viúva. Respondi que era da tertúlia do foranada, um blogue de ex-combatentes da Guerra da Guiné. Que conhecia e que viu logo que eu devia ser do blogue. Chamou a neta Leonor, inconsolável.

E pronto, como se diz agora, ali fiquei até à saída de cena do José Neto.
Um abraço,

vb
_________________________

A. Marques Lopes


Até breve, Zé Neto!

A minha companhia, quando fui para a Guiné, tinha o lema "Sem Temor". Já o tinha antes, quando nos disseram que íamos para Timor. À última da hora diseram-nos que, afinal, tínhamos de ir para a Guiné. Durante a viagem no Ana Mafalda, os alferes reuniram e decidiram que havia que mudar de lema e que devia ser "Sem Timor". E logo pensámos na morte que nos esperava. E lá ficaram alguns: os alferes Fernandes e Peixoto, o capitão Guimarães, o furriel Canadas e vários cabos e soldados... que morreram "sem temor" porque "sem Timor". Glória e recordação permanente ao seu sacrifício. Outros foram morrendo, entretanto.

Os que ficámos temos a vantagem de deixar mais recordaçãoes. Além dos camaradas de guerra, nunca nos esquecemos uns dos outros,. há as mulheres e os filhos, que, embora não compreendendo totalmente (só compreende por completo quem viveu por completo as mesmas situações), nos procuraram aceitar e entender, com sacrifício e amor.

Meu amigo Zé Neto, lá, no "assento etéreo onde subiste" ( e estás lá com certeza, porque, se não, vou desacreditar totalmente), tens a recordação dos teus familiares e dos teus amigos, incluindo os deste blogue "noveforanadaevaotres", nome fuleiro, invulgar... mas com gente fixe que gosta de ti.

Um grande abraço, Zé Neto, e até breve.

A. Marques Lopes
_________________________

J.Vacas de Carvalho

O Talmude diz-nos que o nascimento e a morte são como uma viagem de barco. Quando nascemos ou quando partimos, não sabemos como vai ser a vida ou a viagem. Pode ser calma, com muitos amigos, boa familia ou tempestuosa. Vamos enfrentar dificuldades?. Vamos ser homens honestos ou canalhas?. Então, quando nascemos vamos chorar, porque não sabemos o que vida ou a viagem nos virá trazer.

Mas quando a viagem chega ao fim, e temos orgulho nela, como é o caso do Zé Neto, então vamos rir, vamos beber um copo, porque quando se chega ao fim de uma grande viagem, com a dignidade do Zé, com a amizade e o amor que ele partilhava com os amigos e com a família , então, valeu a pena fazer a viagem, valeu a pena viver.

Tenho uma cerveja fresca que vou beber por ele e pela família. Zé Neto, valeu a pena, fazer a viagem como tu a fizeste.

Um abraço

Zé Luis
_________________________

Carlos Vinhal

O Comboio da Vida!...

Camaradas: Por coincidência chegou hoje ao meu computador este trabalho de alguém que interpreta a vida assim...

O nosso Zé Neto será sempre chamado em cada Formatura do nosso Pelotão.
Carlos Vinhal

___________________________________

Nuno Rubim

Querida Amiga Leonor:

É com profunda consternação que recebi a infaustosa notícia, não obstante estar preparado para ela.

Peço-lhe que transmita à família, especialmente à sua Avó, os meus sentidos pêsames e a minha solidariedade neste difíceis momentos. Espero estar presente no velório.

Um gande abraço
Nuno Rubim
_________________________

Sousa de Castro

É a lei da vida, por muito que nos custe, temos de ser fortes para enfrentar situações como esta que acaba de ocorrer. Nesta hora de profunda tristeza para a família e também para toda a tertúlia, apresento condolências à família do Zé Neto. Que descanse em Paz.

Sousa de Castro
_________________________

Idálio Reis

Neta Leonor, a minha mensagem de há dias, provavelmente já não foi do teu conhecinento nem do teu avô (*).

Toda a tua família perde um ente querido. Também vamos sentir a sua falta na nossa tertúlia. Deixará sempre uma lacuna difícil de preencher.

Nesta hora de manifesto pesar, curvo-me em silêncio à perenidade do Homem grande que foi o companheiro Zé Neto.

Sentidas condolências do Idálio Reis.

* May 25, 2007 8:09 PM > Subject: Oh meu grande Zé Neto!

Tomo conhecimento que o antigo camarada de guerra José Neto porventura debate-se com uma das mais duras batalhas com que actualmente está confrontado.

O determinismo da lei da vida prega-nos, de quando em vez, contrariedades de monta, como que armadilhas dolorosas. E somos tão insignificantes para contrariar tais vicissitudes.

O Zé Neto foi um dos homens que me impulsionou a escrever a história da minha Companhia, porque ele a viveu enquanto esteve em Guileje, e reconheceu como poucos essa fase dramática da nossa vivência naquela fatídica zona, deixando bem espelhado pela força da sua escrita o que Gandembel representou no contexto da guerra que se travava então naqueles tempos.

Desejo muito ardentemente que consiga sobrepujar esta fase crucial, da forma como ele merece.

À sua família, a minha solidariedade, pedindo-lhe que lhe transmita este meu recado. Com votos de rápidas melhoras, cordialmente Idálio Reis.
__________________________

Benito Neves

Luís,

Não tive o prazer de conhecer pessoalmente o Zé Neto, mas pelos seus escritos também vamos criando as nossas afinidades, admiração e respeito. A notícia que hoje recebemos provocou o mesmo sentimento que tive quando, na Guiné, vi cair outros camaradas: revolta e tristeza perante a impotência para vencer esta, como outras batalhas.

Que descanse em paz!

Agradeço-te que apresentes, em meu nome, os meus sentidos pêsames a toda a família.

Benito Neves
_________________________

Manuel Lema Santos

Prezada Leonor,

Não conheci pessoalmente o seu Avô. Mesmo no blogue não tenho antiguidade suficiente e as circunstâncias da vida não me proporcionaram o conhecimento desse Camarada.

Embora tenhamos partilhado, na Guiné, o ano de 1967 e parte de 1968, ramos diferentes das Forças Armadas - estive na Marinha - tornavam impossível vencer a distância física entre Gadamael, onde chegávamos e Guileje, onde o seu Avô esteve.
Mesmo como ilustres desconhecidos, a identidade adquirida foi a mesma e
indelevelmente gravada no espírito - Guiné.

Curvo-me, em silêncio, na sentida homenagem ao Marido, Pai, Avô, Homem e também Militar, num até breve.

Manuel Lema Santos
_______________________

José Teixeira

Querido Camarada e amigo Zé Neto:

Cruzamo-nos esporadicamente no campo de batalha em Buba. Pisamos o mesmo tchão. Vivemos as mesmas angústias. Tive opotunidade de dialogar contigo e receber de ti amáveis palavras de conforto sobre o meu simples trabalho de descrever a quente algum do tempo que vivi a contra gosto, numa guerra que não queria, para que os vindouros pudessem conhecer a verdadeira história.

Acolheste-me neste blogue com carinho e afecto, quando eu timidamente fazia passar as minhas estórias. Agora vejo-te partir para o eterno aquartelamento sem no mínimo te poder abraçar.

Deixa-me chorar um pouco, pois foi um pouco de mim, de nós todos, que partiu, mas fica. Fica na minha memória. Esta classe em extinção ficou mais pobre, ou talvez mais rica, quem sabe !
_________

Texto do José Neto, capitão (reformado), o patriarca da nossa tertúlia: era o Sargento da CART 1613, em Guileje, tendo feito uma comissão entre 1967 e 1968. Seguido da minha resposta.

Tenho acompanhado com interesse especial o Diário do José Teixeira por uma simples razão: Eu estava em Buba, com a CART 1613 (Os Lenços Verdes) quando a companhia dele [a CCAÇ 2381] lá desembarcou. Éramos a companhia de apoio ao novo Batalhão (BCAÇ 2835),"dita" em descanso depois de onze meses em Guileje.

A flagelação de 22 de Julho ao quartel de Buba que ele descreve foi "realmente uma brincadeira", pois foi efectuada a partir do outro lado do rio e dali "até com uma fisga se acertava no cu dum cozinheiro", mas não acertaram uma. Fraca pontaria? Não sei.

Desse evento guardo dois momentos hilariantes: (i) um capitão do comando do Batalhão (morreu há dias,Coronel) envergando um colete anti-balas vermelho que fazia parte do seu enxoval, acachapado numa vala e a guinchar como um desalmado; (ii) e a sessão fotográfica dos "maçaricos" (Comandantes incluídos) junto dos invólucros canelados de transporte das granadas que o IN lá deixou.
________

Agora é a minha vez de saudar o Zé Neto e dizer-lhe que tem uma grande memória. Gostava de lhe dizer que os muçulmanos que têm dois traços na face e que lhe é colocada ao nascer, numa espécie de baptizado muito gira,em que em cheguei a participar, são "Fula Futas" ,ou seja um grupo Fula proveniente da região famosa do interior de África - Futa Jalon, que se entrosou com os Fulas e os Mandingas na Guiné.

Posso também informr que a partir de Agosto de 1968, acabaram-se as colunas de Buba para Quebo, pela estrada de Cumbijá. Aliás nessa data as povoações de Cumbijá e Colibuia estavam abandonadas. A sua população tinha sido evacuada para Mampatá. Era zona demasiado "quente" para ser transitada. Na penúltima coluna que se fez por lá, tive o meu baptismo de fogo em coluna, tivemos um morto e dois feridos por mina e duas ferozes emboscadas, as tais dos dois bi-grupos.

Na última , em que não participei, sei que as emboscadas foram violentas e o que nois salvou foi o grupo de Comandos africanos estacionados em Quebo, que avançaram para o IN de peito aberto - o tal encontro em que trouxeram como trofeus as orehas dos IN mortos.

As ligações para Gadamael Porto, via Buba também estavam encerradas e a estrada de Buba para Fulacunda intransitável, pois a meio do caminho havia o campo IN de Sare Tuto, que tive o preazer de visitar recentemente e ter o meu último e agradável encontro com antigos Guerrilheiros, como já foi também noticiado.

Um abraço

______________

Querido Zé: Que o Criador te acolha como tu soubeste acolher este amigo, no blogue. Gostei de te conhecer, tanto quanto gostaria que ainda estivesses no nosso meio.
Descansa em paz

J.Teixeira

Guiné 63/74 - P1804: Rumo a Fulacunda, de Rui Ferreira: Em defesa do bom nome dos velhos comandos (João Parreira)



Emblemas do Grupos de Comandos Fantasmas (1965/66) e Apaches ( 1966) .

Fotos: Tantas Vidas, blogue de Virgínio Briote (com a devida vénia).


1. Texto do João Parreira, ex-furriel miliciano comando dos Grupos de Comandos Os Fantasmas e Os Apaches (1965/66) (1).


Caro Camarada de Tertúlia, Coronel Rui Alexandrino Ferreira,

Sobre o seu livro Rumo a Fulacunda (2), extremamente interessante e elucidativo - e como tal faço votos para que sejam vendidos muitos exemplares - gostaria, se me permite, e por me parecer pertinente, fazer apenas algumas considerações, caso contrário não ficaria bem com a minha consciência (3). Para isso vou transcrevo algumas, breves, partes do livro.


Estive nos Comandos em Brá, oficialmente desde 11 de Fevereiro de 1965 (excepto entre 21 de Fevereiro e 14 de Março de 1965) no Grupo Fantasmas (1º. Curso) e, depois da sua extinção, no Apaches (2º. Curso).

Fiquei neste grupo também até à sua extinção uma vez que em 30 de Junho de 1966 chegou a Brá a 3ª Companhia de Comandos que recebeu instrução em Lamego, no CIOE, e foi mobilizada no RAL 1.

Ainda foi ministrado na Guiné um 3º Curso que terminou a 28 de Abril de 1966, ou seja 2 meses antes de chegar a 3ª CCmds, e no qual participaram 14 soldados, quatro 1ºs. Cabos, o Fur Jorge Ázera e o 2º Sgto Galileu Cordeiro.

Fiquei em Brá até 11 de Agosto de 1996, tendo regressado à Metrópole em 13 do mesmo mês.

Antes de ingressar no primeiro deles, de livre vontade, fui operacional da CART 730, onde fui colocado em 1964 após ter terminado com aproveitamento o treino físico do Curso de Operações Especiais (no CMEF) em Mafra e depois no CIOE em Penude (Lamego), e que na altura era referido como rangers.


1) Voltando ao livro, diz Rui Alexandrino Ferreira, na página 107: “Num à parte, para melhor compreensão da situação, refiro ter a dita Companhia de Comandos uma péssima fama entre a tropa macaca (era assim que estes se referiam às Companhias normais)".

1a) No que concerne à frade "para melhor compreensão da situação..... péssima fama", perdou-me o meu pensamento, mas não posso deixar de levar em conta que este nome depreciativo péssima foi muito provavelmente inventado para denegrir o bom nome dos Comandos e satisfazer eventuais ódios ocultos de meia dúzia de iluminados no contexto da Guiné.

Digo isto, salvo melhor opinião, porque tendo percorrido praticamente toda aquela Província, como é óbvio, e estado em contacto directo com imensas Companhias com as quais fizemos várias operações, nunca nenhum elemento dos meus Grupos sentiu qualquer inimizade, muito bem pelo contrário, pois não raras vezes foram enviados para reforçar Companhias que eram mais atingidas pelo IN.

1b) Tropa macaca: desconheço quem criou ou pôs a correr aquele nome, se é que de facto existiu; no entanto posso assegurar-lhe, se é que isso vale alguma coisa, que durante o período atrás referido, e como é natural, confraternizei em Bissau não só com camaradas doGrupos, desde alferes a soldados, como também de outras Unidades não só do Exército como da Marinha e da Força Aérea.

Nesses contactos nunca ouvi ninguém dos Grupos referir-se ou mencionar a tropa, que afinal éramos todos nós, como tropa macaca.

No que concerne aos outros dois ramos [, a Marinha e a Força Aérea,], nunca ouvi, igualmente, referirem-se ao Exército com aquele nome. Também em contacto directo nos aquartelamentos ou no mato com as imensas Companhias que nos fizeram ao longo do tempo a cobertura de ida e regresso, nunca ouvi no meu tempo, repito, qualquer elemento dos Grupos referirem-se a qualquer camarada do Exército como Vocês são tropa macaca;


2) Logo a seguir o autor do livro mencion: “Corria à boca cheia que num daqueles bambúrrios da sorte que acontecem uma vez na vida teve a dita cuja, a taluda, ou seja a inacreditável ajuda do acaso, ao dar de caras com uma mal protegida mas muito bem aprovisionada arrecadação turra, cheia de material de guerra” (página 107).

2a) Na realidade, quando às 19H00 se partiu para essa operação, a mesma estava devidamente referenciada e não a dita cuja, a taluda, ou seja a inacreditável ajuda do acaso, ao dar de caras...

2b) e, na mesma linha, com uma "mal protegida"... A informação emanada das Chefias Militares era que a referida base era composta por 80 homens bem armados ("mal protegida" ?).

De tal maneira estava a base mal protegida, como é mencionado, que o IN infligiu ao grupo, composto de 22 elementos, um morto, dois feridos graves que foram evacuados de heli para o Hospital de Bissau e mais 6 feridos ligeiros.

Tal como o Senhor Coronel, também fui ferido em combate não duas mas três vezes, tendo numa delas sido evacuado.

3) Seguidamente refere: “Guardadas, em recato, umas dezenas de armas que ali existiam, teriam entregue só uma parte e a partir de então, passou o Tenente Saraiva que a comandava e que foi no seguimento da Comissão promovido por distinção a Capitão, a afirmar alto e bom som, na messe de Oficiais, em Bissau que iria sair para o mato e só de lá regressava quando capturasse determinada quantidade de armamento, promessa que religiosamente cumpria” (página 107).


3a) “Guardadas em recato, umas dezenas de armas .....entregue só uma parte”... Acho muito difícil e pouco provável que o tenha feito sem o conhecimento dos elementos do Grupo, por outro lado como as transportaria escondidas, e onde as guardaria em recato e, por conseguinte sózinho, umas dezenas de armas: no armário do quarto, debaixo da cama, no QG, numa palhota secreta, em que lugar ?


3b)... “e a partir de então, passou o Tenente Saraiva que a comandava e que foi no seguimento da Comissão promovido por distinção a Capitão” (...) (página 107).

Para esse efeito o referido oficial deslocou-se a Portugal no dia 10 de Junho de 1965 (e foi também condecorado) tendo depois regressado à Guiné.

3c) “Afirmar alto e bom som, na messe Oficiais, em Bissau, que iria sair para o mato e só de lá
regressava quando capturasse determinada quantidade de armamento, promessa que religiosamente cumpria” (págima 107).

Parece-me injusto que na messe dos Oficiais lhe tenham posto na boca estas afirmações uma vez que nunca poderia satisfazer a promessa que religiosamente cumpria uma vez que o Grupo não efectuou mais operações em virtude de, pouco tempo depois, ter sido extinto.

Infelizmente, desde há 5 anos que o referido Oficial não se encontra no mundo dos vivos.

Respeitosos cumprimentos do tertuliano João Parreira

2. Comentário do editor do blogue:

João e Rui:

Estas questões do bom nome e da honra (do indivíduo ou do seu grupo de pertença), são deveras delicadas... Mas eu concordo que se venha a terreiro defender a memória dos camaradas com quem se conviveu e com quem se lutou... Acho bonito que o João venha defender a memória do seu camarada Saraiva, tanto mais que ele já não está cá, neste vale de lágrimas, para se defender...

Escusado será dizer que eu acho bem que que se cultive, no nosso blogue, o espírito crítico, a defesa da verdade ou valores como a liberdade de pensamento e de expressão... A regra é: podemos discordar, saudavelmente, uns dos outros, sem que isso descambe num conflito patogénico, disruptivo, disfuncional...

Em matéria de opiniões, cada um tem as suas e deve defendê-las, com elegância, inteligência, bom gosto, bom senso, etc. Já a verdade dos factos é um princípio fundamental do nosso blogue... A menos que se trate de textos ficcionados, devemos ser intransigentes neste ponto. É claro que hoje a memória pode atraiçoar-nos... E memso no passado, é bom não esquever que tínhamos uma visão parcelar das coisas... Quantas vezes não emprenhámos pelos ouvidos!

É claro que o livro do Rui, muito interessante e de leitura apaixonante em muitas das suas partes, foi concebido e elaborado num contexto que nada tem a ver com o nosso blogue ou a nossa tertúlia. É um livro, de memórias, está no mercado livreiro, está nas bibliotecas, pertence agora aos leitores e ao público...

É, de resto, nessa qualidade de leitor que o João aqui vem, a terreiro, pôr os pontos nos ii em relação dois ou três parágrafos referentes a um Grupo de Comandos. Se ele tiver razão, o Rui poderá ainda ir corrigir os parágrafos em causa (página 107), na 3ª edição, que eu espero esteja para breve... Mas o autor é sempre soberano...

Fiquem, os dois, com o meu apreço e a minha amizade. L.G.

PS - O João esqueceu-se que, entre camaradas, nesta caserna virtual, tratamo-nos todos por tu...

___________

Notas de L.G.:


(1) Vd. post anteriores do (ou referentes ao) João Parreira:

3 de Dezembro de 2005 > Guiné 63/74- CCCXXX: Velhos comandos de Brá: Parreira, o últimos dos três mosqueteiros

6 de Dezembro de 2005 > Guiné 63/74 - CCCXLI: O 'puto' Parreira, do grupo de comandos Apaches (1965/66)

20 de Março de 2006 > Guiné 63/74 - DCXLIII: Com a CART 730 em Bissorã e Olossato (1965) (João Parreira)

12 de Junho de 2006 > Guiné 63/74 - P868: Diabruras dos comandos (João Parreira)

13 de Dezembro de 2005 > Guiné 63/74 - CCCLXIII: O baile dos finalistas do Liceu de Bissau de 1965 (João Parreira)

23 de Maio de 2006 > Guiné 63/74 - DCCLXXXIV: Lista dos comandos africanos (1ª, 2ª e 3ª CCmds) executados pelo PAIGC (João Parreira)

19 de Dezembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1381: Feliz Natal, Próspero Ano Novo, Adeus e Até ao Meu regresso (6): comandos de Brá em 1965, crime e castigo (João S. Parreira)

20 de Dezembro de 2006> Guiné 63/74 - P1384: Com o Alferes Comando Saraiva e com o médico e cantor Luiz Goes em Madina do Boé (António de Figueiredo Pinto)

21 de Dezembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1389: Testemunhos sobre o Marcelino da Mata a pedido de sua filha Irene (5): Comandos A. Mendes & João S. Parreira

6 de Janeiro de 2007 > Guiné 63/74 - P1405: Antologia (56): Marcelino da Mata, o último guerreiro do Império (João Parreira)

4 de Fevereiro de 2007 > Guiné 63/74 - P1493: Estórias de Madina do Boé (António Pinto) (2): Eu e o Furriel Comando João Parreira

12 de Março de 2007 > Guiné 63/74 - P1584: Um choro no mato e as (des)venturas de um futuro comando em Bissorã (João Parreira)

29 de Abril de 2007 > Guiné 63/74: P1710: Tertúlia: Encontro de Pombal (2): Saudades (João Parreira / António Pinto / Vitor Junqueira)


(2) Vd. post de 17 de Novembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1285: Bibliografia de uma guerra (14): Rumo a Fulacunda, um best seller, de Rui Alexandrino Ferreira (Luís Graça)


(3) Vd. também a apreciação crítica do Virgínio Briote, ex-Alf Mil Comando :

1 de Maio de 2007 > Guiné 63/74 - P1718: Lendo de um fôlego o livro do Rui Ferreira, Rumo a Fulacunda (Virgínio Briote)

(...) "Do resto, emites algumas opiniões generalizadas sobre os cmds, opiniões a que tens evidentemente todo o direito. "Que corria à boca cheia que num bambúrrio de sorte....", que entraram numa arrecadação, coisa e tal, e que aquilo durou até ao fim da comissão...E perguntas-te a ti próprio se terá sido verdade. "Actuações terrivelmente confrangedoras..." "E se operacionalmente não era aquela CCmds um valor efectivo nem o podia ser nunca, pois ...., mal preparados..." Opiniões.

"A CCmds actuou de Jun 64 a Jun 66. Os efectivos rondaram os 200 homens. Tiveram 12 mortos e 19 feridos. Cerca de 70 armas capturadas, para falar só de armas. Foram estes os resultados. Não são opiniões.

"Àparte esta questão, repito, caro Rui, tive muito gosto em ler o livro. Rever aquelas terras, página a página, os nomes dos intervenientes quase todos meus conhecidos, foi uma leitura muito interessante.Caro Rui Ferreira, um grande abraço e até um dia destes" (...).

Guiné 63/74 - P1803: Tabanca Grande (9): António Bartolomeu, ex-Fur Mil da CCAÇ 2592 / CCAÇ 14 (Bolama, Contuboel, Aldeia Formosa, Cuntima, 1969/71)



Guiné > Zona Leste > Contuboel > CCAÇ 2592/CCAÇ 14 (1969/71) > O Fur Mil António Bartolomeu, que esteve a dar instrução de especialidade a um pelotão de mandingas, na mesma altura (Junho/Julho de 1969) em que estávamos a formar a CCAÇ 12, uma das unidades da nova força africana (1) (LG)

Foto: © António Bartolomeu (2007). Todos os direitos reservados.


1. Mensagem do António Bartolomeu, novo membro da nossa tertúlia

Caro Luís Graça (eu tratava-te por Henriques em Contuboel):

Fala o ex-furriel Bartolomeu, da Companhia de Caçadores 2592 que deu origem à CCAÇ 14.

A minha companhia foi para Bolama para formar a CCAÇ 14, só o meu pelotão é que foi par Contuboel na mesma LDG em que vocês [, CCAÇ 2590 / CCAÇ 12,] (2) foram até ao Xime, e depois em coluna Xime, Bambadinca, Bafatá e Contuboel. A CCAÇ 11 já estava em Contuboel (3).

Aí formámos um pelotão de Mandingas que eram da zona de Nova Lamego, durante 2 meses (Junho e Julho de 1969).



Guiné > Zona Leste > Contuboel > JUnho ou Julho de 1969 > "Junto á caserna dos furriéis, fazendo a higiene oral... O primeiro da esquerda sou eu, o Bartolomeu, com pessoal da CCAÇ 11. Lá atrás parece ser o Branquinho"...

Foto: © António Bartolomeu (2007). Todos os direitos reservados.


Depois vocês, [a CCAÇ 2590/CCAÇ 12,] foram para Bambadinca, a CCAÇ 11 para a zona de Nova Lamego (Buruntuma ou Piche, se não me engano) e o meu pelotão foi para a Aldeia Formosa 4 meses, depois regressámos à companhia, em Bolama.

De Bolama seguimos para o sector de Farim, destacamento de Cuntima até ao fim da comissão. Esta povoação ficava (e fica) a 1 Km da fronteira com o Senegal.


Lembras-te do ex-furriel Dores, o gajo das anedotas, que era do meu pelotão ? Era o máximo, nunca mais parava.

Eu tenho consultado o teu site desde o princípio, lembro-me da malta, dos ex-furriéis da tua companhia. Quando viemos da Guiné fui visitar o Marques (4), ao Anexo do Hospital da Estrela. Não estava bem, não, ainda bem que agora está catita.

Bem, não te chateio mais, vão aí umas fotos para avivares a memória.

Um grande abraço do amigo Bartolomeu.

Diz se recebeste bem as fotos.

2. Resposta do editor do blogue:

Bartolomeu:

Não imaginas a alegria que me dás, por te reencontrar, a ti e à malta da tua CCAÇ 2592, futura CCAÇ 14... Que saudades desses tempos de Contuboel, em que fomos dar instrução aos nossos queridos nharros que nem português falavam!…



Guiné > Zona Leste > Contuboel > CCAÇ 2590 / CCAÇ 14 > Junho ou Julho de 1969 > O Bartolomeu "recuperando de um ataque de paludismo, foi do caraças" (AB)...

Foto: © António Bartolomeu (2007). Todos os direitos reservados.

Foram os meus melhores momentos da Guiné, os únicos em que fiz Férias & Turismo, em que me esqueci que estava na guerra e vinha para fazer uma guerra… Contuboel representou para nós - creio que para nós todos - a maravilhada descoberta da África, d@ african@s, da Guiné, d@s fulas, d@s mandingas… Foi um tempo maravilhoso, intenso e veloz (5)… Depois fomos lançados às feras… Ainda em farda nº 3, tivemos o nosso baptismo de fogo em finais de Junho, em Madina Xaquili (6)…

As recordações são sempre (re)construções: pelo teu apelido, já não ia lá, mas ao ver a tua chapa, sem pêra, acendeu-se uma luzinha cá na minha base de dados… Do Dores e das suas anedotas, tenho uma vaga ideia, mas não estou a ver-lhe a cara

Quanto a ti, por que é que não apareceste mais cedo, meu malandro ? Até à data, fora o pessoal da minha CCAÇ 2590/CCAÇ 12 (o Levezinho, o Reis, o Marques, o Fernandes, o Sousa, o Martins, o Piça…), eu só tinha reencontrado o Renato Monteiro, da CCAÇ 11, mais antigo que nós em Contuboel (3)…

Tens uma foto dele, comigo, numa passeio, em canoa, pelo Rio Geba, no mesmo dia em que ele ia morrendo, depois de um mergulho, junto ao açude da ponte de madeira (que se ver ao fundo, na foto)… Ando em papos de aranha para descobrir quem nos tirou aquela mágica foto… De qualquer modo, lembras-te do Monteiro ? Talvez não, éramos os dois um bocado a puxar para o intelectual, sem desprimor…

Olha: vou de imediato patrocinar a tua entrada para a nossa tertúlia ou tabanca grande o teu nome vai aparecer na lista dos amigos e camaradas da Guiné (coluna do lado esquerdo do blogue)… As tuas fotos, em formato.bmp, chegaram bem, mas são pesadas, precisam de ser editadas… Não sei se terei tempo este fim de semana… Por ti e pela malta de Contuboel, farei um forcing… Diz-me só onde vives e o que fazes: pela foto actual, estás com óptimo aspecto… Manda-me também o teu contacto telefónico… Vou-te pôr também na nossa lista de e-mails… Fico à espera de estórias de Contuboel, essa terra maravilhosa sobre a qual temos falado tão pouco no nosso blogue (5)…

Um grande abraço do Henriques.

PS – Usa também os meus endereços de e-mail pessoais (casa e trabalho).

_________

Notas de L.G.:

(1) Vd. post de 2 de Abril de 2007 > Guiné 63/74 - P1640: A africanização da guerra (A. Marques Lopes)

CCAÇ 11

Foi contituída em Junho de 1972 (por alteração da designação da CART11). Foi extinta em Agosto de 1974. Era formada por quadros metropolitanos e pessoal natural da Guiné, de etnia fula. A CART 11 tinha sido formada em Janeiro de 1970 por alteração da designaçãoda CART 2479. Era composta por quadros metropolitanos e pessoal da Guiné de etnia fula.

CCAÇ 12

Alteração, em Junho de 1970, da designação da CCAÇ 2590 (que chegou à Guiné em finais de Maio de 1969, nio Niassa, juntamente om outras companhias independenets como CCAÇ 2591, do Carlos Fortunato, que irá dar origem à CCAÇ 13, e a CCAÇ 2592, do António Bartolomeu, futura CCAÇ 14. Foi extinta em Agosto de 1974. Era formada por quadros metropolitanos e pessoal natural da Guiné, de etnia fula, da zona leste (administração de Bafatá). A actual Região de Bafatá da Guiné-Bissau inclui toda a zona leste (Baftá e Gabu).

CCAÇ 14 

Constituída em Janeiro de 1970, por alteração da designação daCCAÇ 2592. Foi estinta em Setembro de 1974. Era formada por quadros metropolitanos e pessoal natural da Guiné, das etnias mandinga e manjaca, com um pelotão de etnia felupe.

(2) A CCAÇ 2590/CCAÇ 12 foi também formada em Contuboel, a nordeste de Bafatá. A recruta do pessoal africana doi dada pela CART 2479. A especialidade foi já dada pela CCAÇ 2590 (quadros metropolitanos). Esteve como unidade de intervenção na Zona Leste, no Sector L1, em Bambadinca (até 1973) e depois no Xime, até ao fim da guerra.

Há numerosíssimos posts, no nosso blogue, com referência a esta unidade, que esteve ao serviço do comando de três batalhões: BCAÇ 2851 (1968/70), BART 2917 (1970/72) e BART 3873 (1972/74). E já foram identificadas "três gerações" de quadros metropolitanos da CCAÇ 12 (1969/71, 1971/73, 1973/74).

(3) A CCAÇ 11 (recruta, instrução de especialidade e IAO) foi formada em Contuboel.

Sobre esta unidade formada a partir da CART 11/CART 2479, há já também diversos posts (uma parte dos quais da autoria do meu amigo Renato Monteiro):

23 de Junho de 2006 > Guiné 63/74 - P899: Diga se me ouve, escuto! (Renato Monteiro)

23 de Junho de 2006 > Guiné 63/74 - P898: Saudades do meu amigo Renato Monteiro (CART 2479/CART 11, Contuboel, Maio/Junho de 1969)

28 de Julho de 2006 > Guiné 63/74 - P1001: Estórias de Contuboel (i): recepção dos instruendos (Renato Monteiro, CART 2479 / CART 11, 1969)

30 de Julho de 2006 > Guiné 63/74 - P1005: Estórias de Contuboel (ii): segundo pelotão (Renato Monteiro, CART 2479 / CART 11, 1969)

1 de Agosto de 2006 > Guiné 63/74 - P1015: CART 2479, CART 11 e CCAÇ 11 (Zona Leste, Gabu, subsector de Paunca)

2 de Agosto de 2006 > Guiné 63/74 - P1017: Estórias de Contuboel (iii): Paraíso, roncos e anjinhos (Renato Monteiro, CART 2479 / CART 11, 1969)

4 de Agosto de 2006 > Guiné 63/74 - P1026: Estórias de Contuboel (iv): Idades sem lembrança (Renato Monteiro, CART 2479 / CART 11, 1969)

4 de Agosto de 2006 > Guiné 63/74 - P1027: Estórias de Contuboel (V): Bajudas ou a imitação do paraíso celestial (Renato Monteiro, CART 2479 / CART 11, 1969)
19 de Março de 2007 > Guiné 63/74 - P1612: Relembrando, com saudade, os nossos soldados fulas da CART 11 (Renato Monteiro / João Moleiro)

25 de Março de 2007 > Guiné 63/74 - P1625: José Casimiro Carvalho, dos Piratas de Guileje (CCAV 8350) aos Lacraus de Paunca (CCAÇ 11)

(4) Fur Mil At Inf António Marques, gravemente ferido numa mina anticarro, em 13 de Janeiro de 1971, já no final da comissão (Maio de 1969/Março de 1971). Teve uma longa convalescença no HMP (Estrela, Lisboa). Vd. posts de:

2 de Dezembro de 2005 > Guiné 63/74 - CCCXXIX: E de súbito uma explosão (Luís Graça)

23 de Setembro de 2005 > Guiné 63/74 - CCV: 1 morto e 6 feridos graves aos 20 meses (CCAÇ 12, Janeiro de 1971) (Luís Graça)

(5) Vd. post de 28 de Junho de 2005 > Guiné 63/74 - LXXXVI: No 'oásis de paz' de Contuboel (Junho de 1969) (Luís Graça)

(6) Vd. post de 29 de Junho de 2005 > Guiné 69/71 - LXXXVIII: O baptismo de fogo da CCAÇ 12, em farda nº 3, em Madina Xaquili (Julho de 1969) (Luís Graça)

quarta-feira, 30 de maio de 2007

Guiné 63/74 - P1802: Zé Neto (1929-2007): In Memoriam: Morreu um Homem Grande, adeus, amigo, adeus, meu capitão ! (Pepito)

Lisboa > Julho de 2005 > "Casa do nosso amigo comum, António Júlio Estácio... Foto tirada no dia em que conheci o Zé Neto. Ele a mostrar-me o seu álbum, que é de nós todos".

Foto: © Pepito / AD - Acção para o Desenvolvimento (2007). Direitos reservados

1. Mensagem do Pepito:

Luís:

Depois de regressar de Lisboa, abria todos os dias o meu computador e respirava de aliívio quando não via um email teu...como o de hoje (1).

Dizia para mim: O Zé Neto venceu mais um dia.

Diz-se que devemos estar preparados. Mas quem se prepara para a morte de um amigo?
Peço-te o favor de enviar aos nossos amigos do Blogue o que escrevi e envio em anexo.

abraços

2. Mensagem do Pepeito aos Amigos Tertulianos:

Prendi-me de amizade pelo Capitão Zé Neto já lá vão 2 anos, quando um amigo comum, o António Júlio Estácio, que o conheceu em Macau, fez questão de mo apresentar.

Começava a Iniciativa de Guiledje a dar os seus primeiros passos e as dúvidas históricas [eram] muitas.

Pelo álbum de fotografias que logo me disponibilizou, comecei a conhecer melhor o homem que, por detrás de uma figura austera e séria, tinha um coração enorme e que amava as coisas simples da vida como aquelas que viveu em Guiledje.

Tive o privilégio de o ouvir falar dos amigos que cá deixou, do Viegas, criança abandonada que ele salvou durante um bombardeamento cobrindo-o com o seu próprio corpo, um dos seus grandes amores da vida. Da Fatumata, sua lavadeira que me perguntava sempre quando é que o Capitão Neto ia voltar e eu a dar-lhe o recado: “Oh Capitão, olhe que à sua custa como uma galinha cada vez que lá passo. Imagino como os seus amigos o irão receber...”. E o sorriso de saudade a abrir-se no seu rosto sério.

Falou-me frequentemente com orgulho da esposa, da força que ela lhe tinha sempre transmitido quando ele estava em Guiledje e do quanto isso tinha sido determinante para ele.

Chamou-me a atenção para a eventual dificuldade em obter água de um furo que pretendíamos fazer em Guiledje. Partilhámos vários meses e em conjunto esta incerteza. Por isso, foi ele o primeiro a saber que já “corria água em Guiledje”. Respondeu-me de imediato a dizer “olhe que essa frase soa-me como poesia...”

Recordo a última vez que estivemos juntos, há duas semanas, no Hospital Militar, acarinhado pela esposa e família, o Nuno Rubim e eu, no momento da despedida, quando prendendo com força e determinação a sua mão à minha, me disse e repetiu duas vezes: “hei-de voltar a Guiledje”.

Lembro a emoção que se apoderou de mim, por lhe ter sempre prometido esta viagem de regresso e pelos poucos meses que faltavam para se concretizar.

Tanta coisa para contar e uma angústia enorme que me sufoca. Como nós guineenses dizemos, perdemos hoje um Homem Grande.

Aceita, Zé Neto, esta lágrima que me corre pela face.

Adeus, Amigo. Adeus, Meu Capitão.

Pepito

__________

Notas de L.G.:

(1) Vd. post de 30 de Maio de 2007 > Guiné 63/74 - P1801: Capitão José Neto (CART 1613, Guileje, 1967/68), a última batalha

(2) Acabei de mandar à tertúlia a seguinte mensagem:

Amigos & camaradas: O funeral do nosso camarada é amanhã às 16h, no cemitério dos Olivais. O corpo estará em câmara ardente na Igreja de São João de Deus, Praça de Londres, Lisboa, a partir das 16h30. Aqui vai uma pequena biográfica que encontrei sobre ele no portal Projecto Memória Macaense, onde enconteri pelo menos um escrito seu (sobre o Restaurante Cecília.


José A.S. Neto, ou, simplesmente Zé Neto, como diz ser mais conhecido entre os amigos macaenses, nasceu em Leiria em 1929.

Desembarcou em Macau como praça de Artilharia, em Setembro de 1951. No Colégio Dom Bosco, completou dois cursos de habilitação literária e cursou o inglês por um ano no Saint John´s School.

Durante a permanência em Macau, foi promovido a Furriel e a 2° Sargento. Tem uma filha nascida em Macau, no Hospital São Rafael, em Agosto de 1960, do casamento com uma metropolitana, ocorrido também na cidade do Santo Nome de Deus.

Após 10 anos, em Dezembro de 1961, deixou Macau. Com muita saudade, diz “trouxe Macau no coração, pelo muito que lhe fiquei a dever”.

Antes da reforma como Capitão, ainda fez três comissões em África, em Cabinda, Guiné e Angola, conseguindo ainda completar o Curso de Oficiais do Exército em 1973.

O Zé Neto também escreve para o Boletim da Casa de Macau – Portugal

Guiné 63/74 - P1801: In Memoriam: Capitão José Neto (CART 1613, Guileje, 1967/68), a última batalha

1. Mensagem da Leonor [Léo Neto], neta do Zé Neto, com data de hoje, enviada às 7h29. Assunto: Notícias tristes.

Caros amigos: É com enorme dor que vos escrevo para comunicar o falecimento do meu querido avô, Zé Neto. Ainda não sei grandes pormenores, pois soube ontem por volta das 23.45h e a minha mãe foi de seguida para casa da minha avó e passou lá a noite. Não sei se me será possível comunicar-vos via e-mail outros detalhes como o velório e funeral, sendo assim deixo-vos o meu contacto telefónico que estará à vossa inteira disposição: 937317762.Um abraço, Leonor.

2. Mensagem do editor do blogue (que acaba de circular pela nossa tertúlia, por e-mail):

Amigos e camaradas:

O camarada Zé Neto faleceu esta noite, no Hospital Militar. Enfrentou com coragem este difícil período da sua vida mas perdeu a sua última batalha, a mais terrível de todos que enfrentou, a batalha contra o cancro do pulmão... A sua neta, Leonor, deu-me a notícía, a mim e a mais alguns camaradas, logo de manhã... Ela tem 17 anos e está desolada... Tinha uma belíssima relação com o avô. Mas aos 17 anos é difícil perceber e aceitar a morte de um ente querido.

O Zé estava em grande sofrimento. Foram quatro meses de luta, desigual. A viúva acaba também de me telefonar. Esteve com ele até cerca das 23h. O Zé morrreu às 23.45h, em pleno sono. O corpo vai ser cremado, possivelmente amanhã. O velório é na Igreja de São João de Deus, à Praça de Londres. Espero lá poder ir, logo à noite.

Façamos um minuto de silêncio à memória do primeiro membro da nossa tertúlia que nos deixa, pelas leis imperativas da vida. O Zé era o nosso patriarca. Estive com ele apenas uma vez, na minha escola. Almoçámos juntos, eu, o Nuno Rubim e o Pepito (O PIpo, como ele carinhosamente o chamava). De resto, contactámos-nos durante um ano por e-amail e por telefone. A Guiné aproximou-nos e tornou-nos amigos...

E o seu contributo, em termos de blogue, foi reconhecidamente importante para o trabalho de reconstituição da memória de Guileje que está a ser feito pelo Pepito, pelo Nuno Rubim e por outros camaradas, também com a nossa participação. Os seus escritos e as fotos começaram por dar visibilidade a Guileje. Ele também tinha muito apreço pelo Pepito e pelo projecto de Guileje. É também uma notícia triste, esta, para os nossos amigos da Guiné-Bissau.

Em jeito de pequena homenagem, irei republicar as suas memórias de Guileje, originamente publicadas na anterior versão, menos amigável, do nosso blogue, entre 10 de Janeiro e 25 de Fevereiro de 2006 (num total de 10 posts) (1)... Vou aproveitar para divulgar mais fotos do seu álbum de Guileje, a partir dos seus slides (graças às diligências do nosso Albano Costa, foi melhorada a qualidade destas fotos, que inicialmente ficaram muito azuladas).

O Zé era um homem que se integrava muito bem, no seio das comunidades em que vivia. E Guileje foi um exemplo disso: ele também achava que havia mais vida para além da tropa, da burocracia e da guerra... Era, além disso, um homem com grande sentido de humor, com sentido de justiça e com coragem, física e moral...

Como muitos homens da sua geração e da sua classe socioprofissional, fumava muito... Não sei quantas comissões de serviço terá feito no Ultramar... Sei que esteve em Macau, de que falava com saudade...

Quando conseguiu deixar de fumar, começaram a surgir os seus problemas de saúde... Andava irritado, como qualquer ex-fumador... Mas conseguiu, com a sua enorme força de vontae, deixar o cigarro de vez... Infelizmente, tarde de mais... Recordo-me da penúltima vez que lhe falei, ao telefone, já numa fase mais avançada da doença:
- Então, Zé, como vai isso ?
- Olha, entregue aos médicos, que agora me querem tirar um pulmão... Estão aqui reunidos em junta médica...
- Tu és forte e ainda vais vencer essa batalha.
- Eu quero é viver, mesmo com um pulmão a menos...
- Pois...
- Sabes, fui estúpido...Quando era novo, vendia saúde... Lembras-me da minha fotografia no Saltinho ? Eu era um atleta... Mas cheguei a fumar cinco maços!... A gente pensa que a doença só acontece aos outros... – rematava ele, sem mágoa, com lucidez, com coragem, e ainda com esperança.

Grande Zé, até sempre! Privei pouco tempo contigo, mas gostei de te conhecer. Vamos ter saudades tuas. Mas não te esqueceremos, na blogosfera e fora dela... Tens uma neta fantástica que vai pôr em ordem os teus escritos e cultivar a tua memória.


Luís Graça & Camararadas da Guiné


PS – Leonor: Um beijinho muito grande dos camaradas do teu querido avô. Um abraço também para o teu primo Afonso. Tens o nosso blogue para escrever, se te apetecer. Ou para publicar outras coisas do teu avô... Tu podes continuar a representá-lo, na nossa tertúlia, colmatando de algum modo o tremendo e difícil vazio que fica sempre com a morte de alguém que nos é querido... Dá também um beijinho nosso à tua mãe, e às tuas duas tias, bem como à tua avó que muito sofreu nestes últimos quatro meses...

Com os melhores cumprimentos, Leonor Neto.



Guiné > Região de Tombali > Guileje > CART 1613 (1967/68) > O 2º sargento Neto, que fazia as funções de 1º sargento da companhia, fotogrado junto a um abrigo e à viatura blindada Fox.

Foto: © Zé Neto / AD - Acção para o Desenvolvimento (2007). Direitos reservados .


4. Resposta à Leonor, por e-mail de 14 de Maio último:


Leonor: O seu avô é o mais velho de todos nós, membros desta caserna virtual, tertúlia ou tabanca grande, como queira... Formamos um grupo de amigos e camaradas que hoje já são, também, velhos amigos e conhecidos...



Guiné > Região de Tombali > Guileje > CART 1613 (1967/68) > O Zé Neto fotografado entre os putos da tabanca.

Foto: © Zé Neto / AD - Acção para o Desenvolvimento (2007). Direitos reservados .


Todos apreciámos, muito, o contributo do seu avô para a preservação da memória de Guileje... Publicámos o seu diário, divertimo-nos com os seus apontamentos bem humorados sobre as misérias e grandezas dos seus camaradas de armas, admirámos a sua frontalidade, invejámos a sua juventude de espírito... Com os melhores cumprimentos, Leonor Neto.

Falo do passado, por que ele há meses que já não escreve para o blogue... Conheci-o depois, pessoalmente. Teve a gentileza de visitar-me ao meu local de trabalho, no verão passado, juntamente com o coronel Nuno Rubim e o Eng. Carlos Schwarz (Pepito), todos irmanados no mesmo entusiasmo, o Projecto Guileje.

E de vez em quando eu telefonava-lhe. Apoiei-o bastante quando decidiu deixar de fumar... Infelizmente demasiado tarde. Aqui ficam alguns excertos de mensagens que trocámos (em dois deles, fala dos netos com ternura, incluindo a Leonor). A última vez que lhe falei disse:

- Zé, travaste muitas batalhas, não serás desta que te vais deixar ir abaixo...

Senti-o bem agarrado à vida... Quero ver se o visito no Hospital Militar... Infelizmente esta semana vou estar fora, na Madeira, em trabalho... Leonor: Vá estando em contacto comigo/connosco...

Um beijinho grande para si, força para a sua mãe, tias, avó e primos. Luís Graça



5. Excertos de e-mails do e para o Zé Neto (selecção de L.G.)


Zé Neto > 8/1/06 > Memórias de Guilege >
"Meu caro Luis: Depois de muito meditar cheguei à conclusão de que, pelo menos tu, mereces a minha confiança para partillhar contigo uma parte muito significativa das memórias da minha vida militar.


"São trinta e três páginas retiradas (e ampliadas) das 265 que fui escrevendo ao correr da pena para responder a milhentas perguntas que o meu neto Afonso, um jovem de 17 anos, que pensava que o avô materno andou em África só a matar pretos enquanto que o paterno, médico branco de Angola, matava leões sentado numa esplanada de Nova Lisboa (Huambo). Coisas de família...

"Já cedi este modesto trabalho à AD do Pepito e conto não o fazer mais, por enquanto. É, como já te disse, uma perspectiva um tanto diferente dos relatos do blogue, mas é assim que sei contar as minhas angústias e sucessos. Diz qualquer coisa. Até breve. Um abraço do patriarca Zé Neto”.


Guiné > Região de Tombali > Guileje > CART 1613 (1967/68) > Um aspecto do interior da tabanca.

Foto: © Zé Neto / AD - Acção para o Desenvolvimento (2007). Direitos reservados .



Luís Graça > 8/1/06 > Memórias de Guilege >

“Já recebi o teu texto, acabo de fazer uma primeira leitura em diagonal, fiquei entusiasmo... Peço autorização de divulgá-lo no nosso blogue para que os meus netos, quando os tiver, também possam ter o privilégio, como os teus, de conhecer o grande homem e militar que tu és, bem como as misérias e as grandezas dos tugas e dos turras em terras da Gioné...

"É um magnífico documento que deves partilhar com os teus ex-camaradas e amigos da Guiné... Dás-me autorização para publicar isto, em quatro ou cinco partes ? Um grande abraço. Luís”.

Zé Neto > 9/1/06 > Memórias de Guilege

“Meu caro Luis: Concordo com a tua sugestão. Não quero ofender o homenzinho Santana. Mesmo se tiveres de fazer arranjos, confio na tua técnica avançada para a coisa sair decente. Avança !!!

“Acabei de ler a odisseia do Pepito a contar-nos as prepotências dos novos sobas de S. Domingos. O Pepito, com quem conversei demoradamente quando fomos apresentados pelo seu colega, conterrâneo e condiscípulo Estácio, tem um espírito puro de mais para enfrentar os viciados que nós, portugueses, lá deixamos, infelizmente. Isto a brincar... Aos ingénuos africanos basta pendurar-lhes no peito e nos ombros uns emblemas dourados, bem polidos, para termos um ditador em potência. Era a nossa técnica!

“Vou a seguir consolar o nosso Pepito. Até breve. Zé Neto”.


Luís Graça > 10/1/06 > Memórias de Guileje >
“Zé, obrigado, pela tua confiança em mim... Vou fazer o melhor que sei, fica descansado, que vais ficar bem na fotografia...

"Quanto à Guiné-Bissau e o que lá se passa hoje: não devemos interferir nos assuntos internos dos guineenses, mas também não podemos deixar passar em claro tudo o que tiver a ver com violação de direitos e garantias dos cidadãos... A Guiné-Bissau vai conquistar o deu direito a ser um país respeitado no concerto das Nações, mas para isso o Estado, o poder político, vai ter que garantir o respeito pelos direitos humanos dos guineenses... Este assunto ultrapassa a esfera do nosso blogue: se nos pusermnos a discutir política (a nossa e a dos outros...), a tertúlia desfaz-se... O que não quer dizer que não possamos exercer alguma influência, individualmente, como cidadãos e amigos da Guiné. Um abraço. Luís”.


Zé Neto > 12/1/06 > As malditas formigas pretas do José Teixeira >
“Luis: A minha intenção era ficar aqui caladinho no meu canto para não entupir a formidável sequência de factos das campanhas da Guiné. (Creio que estamos a construir um monumento histórico e inédito). Mas o José Teixeira tem o condão de me despertar recordações dispersas, pois fala de sítios por onde andei. Admiro-o muito” (…).

Zé Neto > 10/1/06 > Envio de foto >
“Luís: Falaste em eu não ficar mal na fotografia e lembrei-me que ainda nbinguém, no blogue, conhece a minha cara. Do tempo da Guiné não tenho, por enquanto, porque, como já disse, estão todas em Leiria [ na Escola Supetrior de Educação de Leiria,]para digitalizar. Das recentes tenho para aqui umas, mais engravatado, menos retocado, mas escolhi esta que é mais retrato do que foto que a minha neta Leonor captou e usa no ecrã do telelé. Guarda aí até virem as outras. Um abraço do Zé Neto”


Luís > 10/1/06 > Envio de foto >

“Zé: Estás todo janota... Já percebi que és um sortudo, tens uns netos amorosos... Comecei hoje a publicar as tuas memórias de Guileje (eu escrevo Guileje e não Guilege, como tu, ou Guiledje, como o Pepito; Guileje de acordo com a grafia usada pelos Serviços Cartográficos do Exército” (...).


Zé Neto > 14/1/06 > Gato escondido com o rabo de fora >

“Luís: Estive agora a ver a segunda parte das minhas memórias de Guilege e... falhou o nosso compromisso. Estava combinado que não apareceria o nome do Santana, mas sim S., porém deixaste escapar a verdade no parágrafo : O Santana lá foi vendendo uns quilos de de farinha... Emenda lá isso por favor. Um abraço do Zé Neto”.

Guiné > Região de Tombali > Guileje > CART 1613 (1967/68) > A Maria de Guileje,a lavadeira... (Luís: E a propósito vou meter uma cunha para meteres a minha lavadeira, Maria (não é o nome dela, mas eu baptizava todas as minhas lavadeiras com este nome por comodidade de comunicação e elas gostavam. A de Colibuia já não queria ser tratada de outra maneira). A Maria de Guileje é a que está rigorosamente vestida com trajo local e com um guarda-sol verde que eu lhe ofereci. Pode ser?"... Zé: Eu acho que troquei as tuas Marias e nunca cheguei a colocar no blogue a foto da verdadeira Maria de Guileje, toda vaidosa com o o seu chapéu verde, oferecido pelo senhor sargento da companhia... Desculpa o lapso. Aqui fica a Maria para a história"... (Luís:

Foto: © Zé Neto / AD - Acção para o Desenvolvimento (2007). Direitos reservados .




Zé Neto > 14/2/06 > Notícias >

“Meu caro Luís: Amanhã às 10h00 vou estar com o Pepito no Instituto Marquês Valle Flôr, Rua de S. Nicolau, 105, para uma sessão de trabalho com o arquitecto que está a colaborar na reconstituição do Quartel e Tabanca de Guileje. Entretanto espero combinar com o Pepito um encontro entre nós os três, ou quatro, ou cinco. Quem aparecer é benvindo.

“Estou a gostar da tua inserção dos meus slides no blogue. E a propósito vou meter uma cunha para meteres a minha lavadeira, Maria (não é o nome dela, mas eu baptizava todas as minhas lavadeiras com este nome por comodidade de comunicação e elas gostavam. A de Colibuia já não queria ser tratada de outra maneira). A Maria de Guileje é a que está rigorosamente vestida com trajo local e com um guarda-sol verde que eu lhe ofereci. Pode ser? Um abração e até breve. Zé Neto”

Zé Neto > 10/4/06 > Mudança de e-mail >

"Luís: O meu Endereço mudou porque passei para a Clix o mês passado. Julgava que tinhas recebido a mensagem que enviei a todos os meus correspondentes. Falhou... Mas não foi só a tua. Ando muito chocho com a falta dos cigarros e não tenho cabeça para nada. Mas hei-de conseguir!!! Um abraço do Zé Neto".

Zé Neto > 11/4/06 > Apelo do Pipo >

“Por agora é tudo, não esquecendo o meu agradecimento pelas muitas mensagens de força Zé, resiste ao cigarro que tu, Luis, desencadeaste na malta do blogue. Abraça-vos o velho Zé Neto”.


Zé Neto > 22/5/06 > Gandembel >

“Meu caro Luís: Não. Não desapareci. Apenas hibernei para vencer o tabágico vício. E estou a conseguir. Vou a caminho do quarto mês sem cigarro. Mas o assunto é a chegada do Idálio Reis ao blogue” (...).

_________


Notas de L.G.:

(1) Vd. posts de:

10 de Janeiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDXXXVII: Memórias de Guileje (1967/68) (Zé Neto) (1): Prelúdio(s)

13 de Janeiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDXLVII: Memórias de Guileje (1967/68) (Zé Neto) (2): Ordem de marcha

21 de Janeiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDLXVII: Memórias de Guileje (1967/68) (Zé Neto) (3): Dauda, o Viegas

23 de Janeiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDLXXIII: Memórias de Guileje (1967/68) (Zé Neto)(4): os azares dos sargentos

3 de Fevereiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDXCVII: Memórias de Guileje (1967/68) (Zé Neto)(5): ecumenismo e festa do fanado

8 de Fevereiro de 2006 > Guiné 63/74 - DVII: Memórias de Guileje (1967/68) (Zé Neto)(6): dos Lordes e das bestas

11 de Fevereiro de 2006 > Guiné 63/74 - DXXI: Memórias de Guileje (Zé Neto, 1967/68) (7): Francesinho e Cavaco, o belo e o monstro

14 de Fevereiro de 2006 > Guiné 63/74 - DXXXIV: Memórias de Guileje (1967/68) (Zé Neto) (8): Gazela com chouriço à moda do Celestino

16 de Fevereiro de 2006 > Guiné 63/74 - DXLIV: Memórias de Guileje (1967/68) (Zé Neto) (9): a Operação Bola de Fogo

25 de Fevereiro de 2006 > Guiné 63/74 - DLXXXV: Memórias de Guileje (1967/68) (Zé Neto) (Fim): o descanso em Buba