sábado, 1 de dezembro de 2007

Guiné 63/74 - P2321: Humor de caserna (3): Hino de Gandembel: hino de guerra ou música pimba ? (Manuel Trindade)

Guiné-Bissau > Região de Tombali > POnte Balana > Novembro de 2000 > Um tuga, um homem de calças na mão...na Ponte Balana, antigo destacamento de Gandembel, ao tempo da CCAÇ 2317 (Abril de 1968/Janeiro de 1969). O motivo foi um ataque de... formigas carnívoiras!

Foto: © Albano Costa (2006) (1)


1. Chegou até nós através da Caixa de Correio do Beja Santos... É uma apreciação humorística, bem humorada, irreverente, quiçá iconoclástica, do Hino de Gandembel, ou pelo menos de uma das suas versões musicais... O Beja Santos e o seu amigo ou colega de trabalho, o amanuense Manuel Trindade, não levam porventura a mal que a mensagem (em princípio, privada) seja partilhada a nível da caserna ou até da Tabanca Grande...

Ora aqui está uma questão apropriada para o feriado (patriótico) de hoje, primeiro de Dezembro (e para a próxima sondagem): O Hino de Gandembel (2) não era esperado que fosse algo de muito guerreiro, feroz, marcial ? Se sim, a versão que nos chega, não passa de uma paródia da guerra, tipo guerra [de 1908] do Raul Solnado (3)...

Eis a opinião do Manuel Trindade, que presumimos ser um assíduo leitor/visitante do nosso blogue... Embora ele seja um paisano, e um jovem - comparado connosco, os cotas que fizeram a guerra da Guiné, e a avaliar pelo estilo da sua escrita : escreve k7pirata em vez de cassete pirata - a sua intervenção merece, pela irreverência, frescura, verve e originalidade, um tratamento aparte na nossa caserna... Vai para a secção, não dos Perdidos & Achados, mas do Humor (4)... Além disso, com os agradecimentos dos editores.

Naturalmente que gostaríamos, a seguir, de ouvir a opinião dos guerreiros de Gandembel/Balana, a começar pelo nosso venerando Idálio Reis...

2. Mensagem de Manuel Trindade:

Dr. Beja Santos,

Pensava que ia ouvir um hino (2) e sai-me uma coisa quase pimba... pimba.

A coisa poderia estar numa “k7pirata” e poderia passar no bailarico da colectividade.
Gostei das alusões ao feijão e coisas afins, conectado com wc (white chapel), que em Gandembel talvez não fosse tão branca quanto isso, se é que era branca...

No entanto existem pistas na letra que permitem estabelecer uma conexão entre feijão, wc, morteirada e canhoada, o que deixa antever problemas de...flatulência.

Ainda por cima o intérprete fala em abrigos de madeira (nos clássicos filmes norte-americanos dos “rapazes da vaca” o abrigo de madeira distava uns metros da habitação, salvaguardando-a dos efeitos... da feijoada).

Ainda pensei que no final teríamos um grito bélico, másculo (um exercício do tipo da selecção de râguebi da neozelandesa), do género: urra, urra/Gandembel/ao turra/arrancar a pele... Mas não! A coisa em vez de terminar com a dignidade que se impõe, termina em desfalecimento, ou seja o som vai baixando até deixar de se ouvir.

Dr. Beja Santos, impõe-se um novo hino para Gandembel. Espero que não leve a mal este exercício deste pobre amanuense.

Um abraço,

Manuel Fidalgo

Centro Europeu do Consumidor
Direcção-Geral do Consumidor
Lisboa
______

Notas dos editores:

(1) Vd. post e 6 de Junho de 2006 > Guiné 63/74 - P850: O Álbum fotográfico do Albano Costa (2): a Ponte Balana (Gandembel)

(2) Vd. post de 1 de Dezembro de 2007 > Guiné 63/74 - P2319: Hino de Gandembel: interpretação de António Almeida (CCAÇ 2317, Gandembel/Balana, 1968/69)

(3) Vd. os seguintes posts:

Raul Solnado, Wikipédia

SPA - Sociedade Portuguesa de Autores > As mil faces de Raul Solnado > As gargalhadas que ganharam a guerra, entrevista de Raul Solnado, por Artur Queiroz

(...) "Raul Solnado é um actor de mil faces mas foi com as gargalhadas que se impôs como uma figura mítica do espectáculo. E quando a guerra colonial era sagrada e indiscutível, ele pôs Portugal a rir-se de uma guerra sem sentido, uma rábula que foi o seu maior êxito de sempre." (...)


A - Foi por isso que em plena guerra colonial pôs Portugal a rir à gargalhada com a sua versão da guerra?


RS - Aquela rábula tem um início anterior à guerra. Eu fui a Madrid e vi o Miguel Gila representar o texto. Fiquei logo apaixonado pela rábula porque o non sense é o tipo de humor que mais me toca.Comprei o disco, traduzi o texto mas guardei-o, não por temer a censura mas porque tinha dúvidas que as pessoas gostassem daquilo.


A - E quando é que a sua guerra saiu da gaveta?


RS - Foi já no início da guerra em Angola. Eu fui com o Humberto Madeira - um cómico fabuloso - à quermesse do Nacional da Madeira, na Quinta da Vigia, um sítio lindíssimo onde agora está instalado o Governo Regional. Num mês fizemos 45 espectáculos e lá para o fim sentimos que era preciso refrescar o repertório. Disse ao Humberto Madeira que gostava de fazer a guerra, talvez as pessoas gostassem. Ele apoiou-me e avancei. Nessa noite o público riu-se tanto que pediu bis. Foi ali que começou o sucesso da minha guerra...


A - Quais eram as suas dúvidas em relação ao texto?


RS - Não era em relação ao texto, mas ao gosto do público, hoje as pessoas riem melhor que naquela altura. Eu não sabia se um texto non sense ia funcionar. Os cómicos têm sempre essa dúvida. Uma piada leva duas horas a ser construída e depois desaparece como um fósforo. É ao contrário dos cantores que quanto mais cantam um tema, mais ele se populariza e ganha notoriedade.


A - A estória da sua ida à guerra começou na Madeira e depois alastrou a que palcos?


RS - Mal cheguei a Lisboa fui fazer um espectáculo no ringue de patinagem de Oeiras e o êxito foi igual ao da Madeira. Na altura ia fazer a revista "Bate o Pé" e fiquei com a certeza de que a rábula não ia falhar.


A - Mas aí já tinha que submeter o texto à comissão de censura...


RS - Pois, e era uma censura visual e de texto, por isso eu tinha um grande receio que não passasse. O Nelson de Barros, grande jornalista e o maior autor de revistas que conheci, disse-me que mandávamos o texto como sendo para o personagem Cantinflas, uma rábula que tinha feito no teatro Apolo. Quando o texto veio aprovado, ninguém queria acreditar. O problema era a censura visual.


A - Como funcionava essa comissão de censura visual?


RS - No ensaio geral, cinco ou seis censores viam o espectáculo. Depois diziam que era preciso tapar um umbigo, descer umas saias, coisas assim. No Carnaval só se podia dizer merda uma vez por sessão. Como eu não ia vestido de Cantinflas, estava receoso que a rábula fosse cortada. Mas estes textos de non sense têm de ser bem compreendidos, caso contrário não funcionam. E eu disse aquilo a uma velocidade tal que nem eu próprio percebi o que dizia. Os censores também não perceberam e, no final, um deles disse-me que estava tudo aprovado mas deu-me um conselho: olhe lá, não faça aquilo da guerra, não tem piada nenhuma! E eu disse-lhe que era obrigado a fazer mas que então só fazia aquilo na estreia. Como já sabia o que vinha a seguir, pedi à Valentim de Carvalho que gravasse aquilo na estreia e lançasse o disco. Depois era impossível travar a rábula. Os censores ficaram baralhados com o Cantinflas! (...)

(4) Vd. post de:

26 de Novembro de 2007 > Guiné 63/74 - P2304: Humor de caserna (2): Welcome to Mansambo, a melhor colónia de férias do ano de 1968 (Torcato Mendonça / Luís Graça)

23 de Outubro de 2007 > Guiné 63/74 - P2205: Humor de caserna (1): A sopa nossa de cada dia nos dai hoje (Luís Graça / António Lobo Antunes)

Guiné 63/74 - P2320: Massacre do Chão Manjaco (12): O resgate dos corpos (Virgínio Briote)

Fotografia dos três majores e do alferes miliciano, portugueses, vítimas mortais, em 20 de Abril de 1970, do chamado Massacre do Chão Manjaco. Com eles, morreram também três guineenses, ao serviço das NT (1).

Fotos: © Afonso M. F. Sousa (2007). Direitos reservados.


1. Nota do co-editor Virgínio Briote:

Falamos da guerra da Guiné, não pela visão e habilidade dos historiadores, mas pelos olhos, pelas mãos, pelos poros do suor que escorria por nós abaixo como água, pelas veias do sangue de quem por lá passou.
Não é "poesia". Quem deixa aqui os seus relatos, escreve sobre o que passou e o que viu. Por outras palavras, quem por aqui vai escrevendo é o historiador de si próprio.

Ainda a propósito do Caso dos Majores no chão Manjaco (1), transcrevemos na íntegra o relatório (na altura classificado como secreto) da operação sobre o resgate dos corpos. É mais uma achega para a "reconstituição do puzzle das nossas memórias".

A cópia do relatório, em papel, foi-me enviada pelo correio, sem o endereço do remetente. Ponderada a oportunidade da sua publicação pública e não me parecendo, neste caso, que o interesse público seja de menor interesse por um facto ocorrido há quase 40 anos, optei pela transcrição do referido documento.

Sei que ainda é doloroso falar deste episódio horrível da guerra da Guiné, porque há familiares (vivos) dos nossos camaradas que morreram naquelas matas, mas infelizmente para eles - e para todos nós - os pormenores macabros do seu fim já são sobejamente conhecidos, são do domínio público. Recordo que o nosso camarada Afonso M. F. Sousa organizou, para todos nós, um completíssimo dossiê sobre O Massacre do Chão Manjaco. E obteve inclusivamente o depoimento (oral) do ex-Fur Mil Lino, da CCAÇ 2585 / BCAÇ 2884, um dos homens que integra o Grupo de Combate que ainda na noite de 20 de Abril de 1970 parte, do destacamento de Jolmete, para uma missão de reconhecimento, junto à estrada Jolmete-Pelundo.

Mais uma vez, e em especial neste dia, 1 de Dezembro, que tem ainda um grande significado patriótico para todos os portugueses, queremos honrar a memória destes nossos compatriotas, que foram brilhantes e corajosos militares, e convencermo-nos que a sua morte não foi de todo inglória e inútil...

Revisão e fixação do texto: vb
__________

SECRETO

COMANDO TERRITORIAL INDEPENDENTE DA GUINÉ
COMANDO DO AGRUPAMENTO OPERACIONAL

Directiva Nº 1

1.SITUAÇÃO

-Situação Geral:

A definida por Sua Ex.ª o General Comandante-chefe na última reunião de comandos.

-Situação Particular:

Os elementos do CAOP têm desenvolvido intensa acção psicológica sobre os comandos dos grupos IN no chão Manjaco o que tudo levará a crer que possa conduzir a fins positivos no concernente à sua apresentação.

2. MISSÃO

Os Exmºs Majores CEM Passos Ramos, de Art Pereira da Silva, de Inf Magalhães Osório e Alf Mil Cav Joaquim Mosca, acompanhados dos nativos Mamadu Lamine Djuare, Patrão da Costa e Aliu Sissé, efectuam na Estrada Pelundo-Jolmete uma reunião com chefes do grupo IN do chão Manjaco em cumprimento de ordem verbal superiormente recebida.

Duração provável da Missão: das 12h00 às 21h00 de 20 de Abril.

Quartel em Teixeira Pinto, 19 de Abril de 1970.

O Comandante, Intº

Romão Loureiro
Ten Cor
__________

Batalhão de Caçadores nº 2884
Companhia de Caçadores nº 2586

RELATÓRIO DA ACÇÃO RECOLHA MISSÃO ESPECIAL
Realizada em 21 Abril de 1970 na Região Pelundo Jolmete

Referências: Carta 1/50.000 Pelundo

1. Situação

Situação Geral:

- A definida por Sua Ex.ª o General Comandante-chefe na última reunião de comandos.

Situação Particular:

- Desde 7 de Feveiro de 1970 não houve contactos com armas entre as NT e o IN.
- O CAOP tem desenvolvido intensa acção psicológica sobre elementos IN que tudo levaria a crer conduziriam a fins positivos.

2. Missão

- A Companhia de Caçadores 2586 (-) recebeu a missão de patrulhar a estrada Pelundo-Jolmete.
- Detectar a presença de duas viaturas tipo Jeep que se deviam encontrar nessa área.
- Detectar vestígios da presença do IN e de sete entidades (NT e colaboradores).

3. Força executante

a) Comandante: Cap Inf Eugénio Baptista Neves

b) Comandantes das subunidades: Alf Mil Carlos A. Vasconcelos Miranda

c) Meios: Dois grupos de combate (48 homens no total); Três viaturas Unimog 404; uma viatura Unimog 411.

d) Articulação da força

Durante o percurso auto um Gr Comb ocupou duas viaturas tipo 404 e o outro Gr as duas viaturas restantes. O Comandante da força seguia na primeira viatura e o Comandante do Gr Comb na penúltima.

Na coluna apeada, o Gr Comb a duas secções seguia na frente, uma secção de cada lado da estrada e fora dela, a outra secção seguia nos intervalos das viaturas. As duas secções de reforço seguiam na retaguarda.

O Comandante da força deslocava-se em segundo lugar num dos lados da estrada e o Comandante do Gr Comb em primeiro lugar do outro lado (justifica-se esta disposição com os dois comandantes na frente para que todos os vestígios fossem detectados e analisados).

Alterações à Organização Regulamentar

1) Pessoal: Nada
2) Armamento: o orgânico
3) Equipamento: o orgânico
4) Munições: dotação normal. Nas viaturas seguiam 50 granadas de morteiro 60, 30 granadas de LGFog, 3 cunhetes de GMO, 2 de GMD e 5 cunhetes 7,62m/m.
5) Material especial: picas para detecção de minas, cordas, catanas e machados
6) Transmissões: dois ER-AVP 1
7) Viaturas: três Unimogs 404 e um 411 (dois com guincho)
8) Diversos: Nenhum pessoal nativo tomou parte na acção.

4. Planos estabelecidos para a acção

Desde que o Cmtd da Companhia recebeu a ordem para efectuar o patrulhamento, cerca das 1h30 doo dia 21 até às 1h50 a que a coluna saiu, foram feitos os seguintes planos:

Deslocamento auto até Changalene (Pelundo 2F8). A viatura da frente com luzes nos médios para permitir observar qualquer vestígio. As restantes de luzes apagadas.
A partir daí a coluna apeada deslocar-se-ia com duas secções na frente tanto quanto possível fora da estrada mas de maneira a poder detectar qualquer vestígio que nela existisse.
Seguiriam depois as viaturas com luzes apagadas, escoltadas por uma secção; e, por último, seguiriam as restantes duas secções.

Presumia-se que qualquer vestígio ou indício fosse encontrado até Pelundo 5 a 9.
Se nada de anormal tivesse acontecido, a coluna deslocar-se-ia até Jolmete. Em caso de surgir qualquer incidente seria tomada a decisão na altura que as circunstâncias impusessem.
Em caso de necessidade esta coluna seria apoiada por forças de Jolmete e de Teixeira Pinto.

Devido ao pouco tempo disponível não foram feitos outros planos e todas as ordens posteriores seriam dadas pela rádio pelo comandante do CAOP, presente em Pelundo e as decisões tomadas em face dos acontecimentos.

5. Desenrolar da acção

A coluna-auto saiu de Pelundo em 21 de Abril às 1h50, em viaturas auto. A estrada Pelundo-Jolmete estava cheia de pó e os rastos deixados pelos pneus das viaturas das colunas anteriores estavam bem marcados.

cópia do Anexo A

Em Pelundo 2F7 (ver anexo A) estava marcado um trilho transversal ao eixo da estrada. Depois de examinado, verificou-se ter sido deixado pela população de Pelundo.

A partir desse ponto, a coluna tomou o dispositivo previsto para o deslocamento apeado. Os trilhos dos Jeeps eram nítidos no pó. A coluna passou a deslocar-se com a máxima precaução, mas com andamento em boa velocidade. A noite estava clara e permitia ver qualquer indício suspeito.

Sempre em boa velocidade, a coluna atingiu o ponto Pelundo 5 A 9 (ver anexo A) que era o local onde terminava a zona marcada para a reunião. Nada fora encontrado. Os vestígios dos rodados continuavam. Os Exmos Comandantes do CAOP e Batalhão eram informados dos pontos que a coluna ia atingindo. Tomaram-se mais precauções sem prejuízo da velocidade, a noite tornara-se escura, sendo difícil distinguir um objecto médio a mais de três metros.

A coluna foi avançando e em Pelundo 6 C 9 35, o alferes Miranda que seguia no lado direito da estrada, viu que os trilhos dos Jeeps se afastavam do meio da via e se dirigiam para a mata.
A coluna parou instantaneamente a fim de permitir examinar em pormenor o terreno e imediatamente o Comandante da coluna distinguiu um vulto que lhe pareceu ser um Jeep.

Todo o pessoal tomou posições para resistir a uma possível emboscada. Os motores foram parados. Noite escura. Silêncio. Não restam dúvidas, são mesmo os Jeeps. Nada se move. Tudo é silêncio e escuridão. São quatro horas e dez minutos. É necessário esperar que comece a clarear. O silêncio pode ser uma armadilha.
Os Exmos Comandantes do CAOP e Batalhão são informados do achado e que se vai esperar pelo raiar da manhã. A tensão aumenta. Cinco horas. Começa a clarear.

O comandante da coluna deixa o pessoal todo instalado, entrega o comando ao alferes Miranda e aproxima-se das viaturas com a máxima cautela. A escuridão ainda é grande, os pés são apoiados com a máxima cautela e em lugares onde se procurou minas.
De repente bate-se numa coisa mole. É um corpo estendido. Parece ser o do Exmo Major Passos Ramos (era o do alferes Mosca). Ao lado outro, era o do Exmo Major Pereira da Silva. Não restam dúvidas, dois estão mortos. Dos outros nada se sabe. Informa-se Pelundo via rádio.

A tensão nos homens diminui, aumenta o assombro. Os homens encaram os factos com serenidade. Mais claridade. O Comandante da coluna procurou em volta e descobriu mais quatro vultos. Estão mortos.

É informado Pelundo. Os homens estão assombrados mas calmos. Mantêm-se nos seus lugares. São informados do achado. Começa a ver-se bem e surge a cena macabra e horrível. Os corpos estão mutilados e todos apresentam tiros na nuca, cortes de catana e punhal.

Os homens são informados e mantêm-se serenos e na expectativa. Pensam que o tiroteio vai começar. Ninguém acredita que não seja uma cilada. Monta-se a segurança circular e começam as viaturas a ser retiradas. Uma tem os dois pneus do lado esquerdo furados de balas. Procuram-se armadilhas e nada é encontrado.

A primeira viatura MG-93-55, com os pneus furados, é trazida para a estrada. Novo achado e desta vez mais macabro. O nativo Lamine (o que dele resta) está no lugar antes ocupado pela viatura. Tiro na nuca, muito mutilado.

Retira-se a segunda viatura para a estrada. Os corpos são carregados num Unimog.
A coluna está pronta a regressar. Em todos os rostos, uma decisão firme, lábios mordidos.

A visão anterior era demasiado horrível. São cerca de sete horas. Dois helicópteros sobrevoam a zona. Monta-se segurança, um deles aterra. Dele sai Sua Excelência o General Comandante-chefe, o Excelentíssimo Comandante do CAOP, Ten Cor Romão Loureiro, o Excelentíssimo Major P. Costa e o capitão Almeida Bruno. Examinam o local e partem.

Às 7h10 a coluna põe-se em movimento agora com dois Jeeps a reboque. O dispositivo é o mesmo da aproximação. A coluna chega ao quartel cerca das 9h00.

6. Resultados obtidos

Foram recuperados os corpos:

- Exmo Major CEM 50275711 Raul Ernesto Mesquita Costa Passos Ramos
- Exmo Major Inf 50972511 Alberto Fernão Magalhães Osório
- Exmo Major Art 50692711 Joaquim Pereira da Silva
- Sr Alf Mil Cav 19516168 Joaquim João Almeida Mosca
- Nativo Mamadu Lamine Djuare
- Nativo Aliu Sissé
- Nativo Patrão da Costa

Foram ainda recuperadas duas viaturas [ilegivel]. Desconhece-se qual o material e documentos capturados pelo IN.

7. Serviços: nada a assinalar

8. Apoios: nada a assinalar

9. Ensinamentos colhidos

A Companhia foi posta à prova no cumprimento da missão que lhe foi dada. Soube reagir com calma e serenidade à macabra cena de ver sete cadáveres mutilados, quando esta cena não estaria na imaginação do mais pessimista. Crê-se que esta calma e serenidade é fruto da mentalização e da preparação da Companhia e ainda de na altura todos os militares irem sendo informados, com verdade, dos acontecimentos que se estavam a viver.

10. Diversos

cópia do Anexo B

Como se verifica pelo croqui do local (Anexo B) os corpos foram encontrados em dois grupos distintos. Num, os Excelentíssimos Majores Passos Ramos, Osório e os nativos Aliu Sissé e Patrão da Costa. No outro, o Excelentíssimo Major Pereira da Silva e o Senhor Alferes Mosca.O nativo Lamine parece não fazer parte de nenhum dos grupos.

Todos os corpos se encontravam de costas (face voltada para o céu) e estendidos, com excepção do nativo Lamine que se encontrava de bruços e enrolado sobre ele mesmo.
Os Excelentíssimos Majores Passos Ramos, Osório e Pereira da Silva, Sr Alferes Mosca e o nativo Patrão da Costa apresentavam o aspecto de não se terem apercebido de nada de anormal até ao momento de serem assassinados. O nativo Aliu Sissé apresentava um aspecto misto de terror e assombro, como se uns momentos antes de ser assassinado tivesse visto alguém que era seu inimigo e perigoso.

O nativo Lamine deve ter-se apercebido de que algo de anormal se ia passar pois deve ter fugido para debaixo de uma viatura, onde foi morto. A viatura apresenta diversos impactos. Nesse lugar foi depois mutilado.

As viaturas já se encontravam na posição em que foram encontradas pois uma delas (dois pneus furados) dificilmente se deslocaria sem deixar qualquer marca e estas não existiam.

Não foram vistos sinais de luta. Com excepção do nativo Lamine e do Excelentíssimo Major Passos Ramos, desconhece-se como foi morto, se com um tiro que lhe arrancou a parte posterior do crânio, se com uma catanada que lhe separaria a mesma região. Neste caso, a sua morte levaria mais tempo e o seu aspecto seria de mais sofrimento.
Julga-se também que todos foram assassinados no local em que se encontravam devido ao sangue existente no chão.

A não existência de sinais de luta e de nenhum, com excepção do nativo Lamine, ter tentado fugir leva a supor que não teriam sido mortos pelas pessoas com quem possivelmente conversavam.

O grupo assassino deve ter surgido de repente e assim se explicaria o aspecto do Aliu Sissé e a fuga do Lamine. Provavelmente retirou na direcção ESE.

Desconhece-se se houve outros mortos. A havê-los foram levados do local. Calcula-se que o morticínio bárbaro e inqualificável se tenha dado cerca das 16h00 do dia 20.

DISTINGUIRAM-SE

Todos os elementos da Companhia que tomaram parte na acção e dentre eles:

- CCAÇ 2586 1º Cabo António José da Silva
- CCAÇ 2586 Soldado José Pinto de Sousa
- CCS Soldado António Manuel Duarte Cardoso

Para os quais foram apresentadas propostas de louvor.

DISTRIBUIÇÃO

Exemplares 1 e 2 / Rep/OPER
3 / 1ª Rep
4 / 2ª Rep
5, 6 e 7 / CAOP
8 / BCAÇ 2884
9 e 10 / CCAÇ 2686 (Arqº)
11 e 12 / Processos de Pensão de Sangue

O Comandante de Companhia
Eugénio Baptista Neves
Cap Inf
___________________

(1) Nota do co-editor vb:

1) Vd. posts de:17 de Janeiro de 2007 > Guiné 63/74 - P1436: Dossiê O Massacre do Chão Manjaco (Afonso M.F.Sousa) (1): Perguntas e respostas

18 de Janeiro de 2007 > Guiné 63/74 - P1445: Dossiê O Massacre do Chão Manjaco (Afonso M.F.Sousa) (2): O papel da CCAÇ 2586 (Júlio Rocha)

19 de Janeiro de 2007 > Guiné 63/74 - P1446: Dossiê O Massacre do Chão Manjaco (Afonso M. F. Sousa) (3): O depoimento do 1º sargento da CCAÇ 2586, João Godinho

27 de Janeiro de 2007 > Guiné 63/74 - P1465: Dossiê O Massacre do Chão Manjaco (Afonso M.F. Sousa) (4): Os majores foram temerários e corajosos (João Tunes)

6 de Fevereiro de 2007 > Guiné 63/74 - P1500: Dossiê O Massacre do Chão Manjaco (Afonso M.F. Sousa) (5): Homenagem ao Ten-Cor J. Pereira da Silva (Galegos, Penafiel)

8 de Fevereiro de 2007 > Guiné 63/74 - P1503: Dossiê O Massacre do Chão Manjaco (Afonso M.F. Sousa) (6): Fotografia dos três majores (Sousa de Castro)

12 de Fevereiro de 2007 > Guiné 63/74 - P1519: Dossiê O Massacre do Chão Manjaco (Afonso M.F. Sousa) (7): Extractos da entrevista de Ramalho Eanes ao 'Expresso'

25 de Fevereiro de 2007 >Guiné 63/74 - P1549: Dossiê O Massacre do Chão Manjaco (Afonso M.F. Sousa) (8): O contexto político-militar (Leopoldo Amado) - Parte I

6 de Março de 2007 > Guiné 63/74 - P1566: Dossiê O Massacre do Chão Manjaco (Afonso M.F. Sousa) (9): O contexto político-militar (Leopoldo Amado) - Parte II

17 de Março de 2007 > Guiné 63/74 - P1603: Dossiê O Massacre do Chão Manjaco (Afonso M.F. Sousa) (10): O contexto político-militar (Leopoldo Amado) - Parte III (Fim)

(2) Vd. post de 27 de Julho de 2007 > Guiné 63/74 - P2004: Dossiê O Massacre do Chão Manjaco (Afonso M.F. Sousa) (Anexo A): Depoimento de Fur Mil Lino, CCAÇ 2585 (Jolmete, 970)

Guiné 63/74 - P2319: Hino de Gandembel: interpretação de António Almeida (CCAÇ 2317, Gandembel/Balana, 1968/69)



Hino de Gandembel cantado por António Almeida, que reside ma Maia, ex-soldado da CCAÇ 2317 ( Gandembel / Balana , 1968/69), com acompanhamento musical de um amigo (1). Vídeo: 2 m 42 s. Alojado no You Tube > Nhabijoes.

Vídeo: © António Almeida / Luís Graça & Camaradas da Guiné (2007). Direitos reservados.

Nota dos editores: um especial agradecimento a:

(i) ao António Almeida que teve a pachorra, a disponibilidade e a generosidade de gravar, num pequeno estúdio de um amigo ou conhecido lá da terra (Maia), esta versão do Hino de Gambendel, para o nosso blogue, e que ele de resto costuma cantar nos convívios da CCAÇ 2317; naturalmente que o António, embora não tendo neste momento endereço de email, já está inscrito na porta de entrada da nossa Tabanca Grande;

(ii) ao Idálio Reis, que de há muito é a figura de referência dos homens-toupeiras, o verdadeiro capitão do desse navio-fantasma que ainda hoje navega pelos rios e braços de mar do sul da Guiné, com os sobrevieventes e os órfãos de Gandembel/Balana... e que nos enviou, pelo correio, o CD-ROM com as duas versões do António Almeida;

(iii) ao Rui Gonçalves, filho do nosso camarada Gabriel Gonçalves (ex-CCAÇ 12, Bambadinca, 1969/71), que mais uma vez nos fez a conversão do ficheiro áudio e colocou-o em vídeo, à nossa disposição, no You Tube, na nossa conta Nhabijoes); ao Rui, fazemos questão, desde já, de o considerar como mais um amigo da Guiné, mais um membro da nossa Tabanca Grande... É o Rui, os nossos filhos e os outros filhos dos nossos camaradas, que fazem a ponte geracional, pondendo colmatar as lacunas das nossas memórias e levá-las para além da nossa morte física... Por isso, nós costumamos aqui dizer "Filho(a) de um camarada nosso, nosso(a) camarada é"...

Hino de Gandembel


Ó Gandembel das morteiradas,
Dos abrigos de madeira
Onde nós, pobres soldados,
Imitamos a toupeira.

- Meu Alferes, uma saída! -
Tudo começa a correr.
- Não é pr’aqui, é pr’ponte! (i),
Logo se ouve dizer.

Refrão

Ó Gandembel,
És alvo das canhoadas,
Verilaites (ii) e morteiradas.
Ó Gandembel,
Refúgio de vampiros,
Onde se liga o rádio
Ao som de estrondos e tiros.

A comida principal
É arroz, massa e feijão.
P’ra se ir ao dabliucê (ii)
É preciso protecção.

Gandembel, encantador,
És um campo de nudismo,
Onde o fogo de artifício
É feito p’lo terrorismo.

Refrão

Ó Gandembel,
És alvo das canhoadas,
Verilaites (ii) e morteiradas.
Ó Gandembel,
Refúgio de vampiros,
Onde se liga o rádio
Ao som de estrondos e tiros.

Temos por v’zinhos Balana (i),
Do outro lado o Guileje,
E ao som das canhoadas
Só a Gê-Três (iv) te protege.

Bebida, diz que nem pó,
Só chocolate ou leitinho;
Patacão, diz que não há,
Acontece o mesmo ao vinho!

Refrão

Ó Gandembel,
És alvo das canhoadas,
Verilaites (ii) e morteiradas.
Ó Gandembel,
Refúgio de vampiros,
Onde se liga o rádio
Ao som de estrondos e tiros.


Recolha: José Teixeira / Revisão e fixação de texto: L.G.

(i) A famosa ponte sobre o Rio Balana, destacamento da CCAÇ 2317 (que estava em Gandembel, Abr 68/Jan 69)
(ii) Verylights
(iii) WC, casa de banho
(iv) A espingarda automática G-3, usada pelas NT.

________

Nota de L.G.:

(1) Vd. posts de:
22 de Novembro de 2007 > Guiné 63/74 - P2295: Hino de Gandembel, cantado no almoço da mini-tertúlia de Matosinhos (A. Marques Lopes / Carlos Vinhal)

4 de Outubro de 2007 > Guiné 63/74 - P2153: Hino de Gandembel: talvez a mais popular canção entre as NT no ano de 1969 (José Teixeira)

4 de Outubro de 2007 > Guiné 63/74 - P2152: Hino de Gandembel, hoje um hino de alegria (Idálio Reis / Gabriel Gonçalves)

3 de Outubro de 2007 > Guiné 63/74 - P2150: O Hino de Gandembel, cantado pelo GG [Gabriel Gonçalves], o baladeiro da CCAÇ 12 (Bambadinca, 1969/71)

3 de Outubro de 2007 > Guiné 63/74 - P2149: Hino de Gandembel: Quem foi o autor da letra ? (José Teixeira / Idálio Reis)

26 de Setembro de 2006 Guiné 63/74 - P2133: Guileje: Simpósio Internacional (1-7 de Março de 2008)(4): Hino de Gandembel, quem se lembra da música ? (Pepito / Luís Graça)

sexta-feira, 30 de novembro de 2007

Guiné 63/74 - P2318: Notas de leitura (4): Na apresentação de Guerra, Paz e Fuzilamento dos Guerreiros: Guiné 1970/80 (Virgínio Briote)

Capa do último livro de Manuel António Bernardo (1)

1. Texto do co-editor vb:

Teve lugar ontem, no Palácio da Independência em Lisboa, a apresentação oficial do livro Guerra, Paz e Fuzilamentos dos Guerreiros, Guiné 1970/1980, do Coronel Manuel António Bernardo.

Presentes na mesa, o Presidente da Associação de Comandos, Dr. Lobo do Amaral, o Dr. Nuno de Carvalho, representante da Editora Prefácio, o General Ricardo Durão e o Sargento Monteiro, do Exército Português, natural da Guiné. Na assistência, entre muitos outras figuras conhecidas, encontrava-se o Coronel Raul Folques, que foi Comandante do Batalhão de Comandos Africanos.

O Capitão Folques, até então 2º Comandante do Batalhão de Comandos, a receber das mãos de Spinola os galões de Major do Almeida Bruno. Uma cerimónia original. Foto do livro acima. Com a devida vénia aos Coroneis Bernardo e Raul Folques e ao General Almeida Bruno.


Abriu a sessão o Presidente da Associação de Comandos que aludiu ao simbolismo da sessão se efectuar no Palácio da Independência. O representante da Prefácio falou do trabalho que a Editora tem vindo a desenvolver na escrita da História Militar.

O General Ricardo Durão, em breves palavras, falou do seu conhecimento da Guiné, resultante de duas comissões militares. Destacou a importância do actual debate sobre a Guerra do Ultramar, porque, disse, a Guerra nos territórios ultramarinos faz parte da História de Portugal.

Abordou alguns aspectos relacionados sobre a acção que se desenvolveu em Teixeira Pinto, no chão Manjaco. Uma história ainda com sombras.

Começou por referir a velha questão de fundo entre os militantes do PAIGC. Que muitos guineenses militantes do PAIGC diziam serem eles os soldados e os cabo-verdianos os comandantes. E que esta controvérsia se manteve até ao golpe militar de Nino Vieira que destituiu Luís Cabral.

O "caso do chão Manjaco", como veio a ser conhecido, disse o General Ricardo Durão, começou por uma iniciativa pessoal do Major Pereira da Silva, o responsável da Acção Psicológica do CAOP, então comandado pelo Coronel Alcínio Ribeiro.

Diz o General que o CAOP, sob o ponto de vista militar, estava na ofensiva e a controlar com eficácia as acções armadas da guerrilha. Que vários guerrilheiros tinham sido aprisionados e que foi através deles que o Major Pereira da Silva deu início a esta história. Das conversas que com eles foi mantendo, o Major Pereira da Silva ficou com um importante conhecimento de como o PAIGC estava organizado na zona.

Daqui até ao primeiro contacto com um bi-grupo da guerrilha não passou muito tempo. Este episódio, segundo o General Durão, contou com a participação de um soldado que, a remos, o transportou para a outra margem do rio.
- Esperas aqui, o máximo 2 horas. Se eu não aparecer vai-te embora.

A estratégia passava por convencer os interlocutores que a guerra não tinha fim, ninguém iria ganhar ou perder, iria prolongar-se por anos e anos, com grandes sofrimentos para todos e, especialmente para o Povo Guineense. Viu alguma receptividade da parte dos interlocutores e decidiu prosseguir.

Ao longo de todo o "caso do chão Manjaco" efectuaram-se 13 ou 14 reuniões com os elementos do PAIGC. Com avanços e recuos, promessas foram adiantadas, como os guerrilheiros virem a ser integrados nas Forças Armadas e até um desfile conjunto em Bissau chegou a ser falado, com uma mal disfarçada satisfação dos guerrilheiros.
- Tudo bem, mas os senhores militares são majores e Lisboa, o que diz?
- Lisboa aceita o que for decidido entre todos - responderam.

E para reforçar o peso das negociações, o General Spínola apareceu numa dessas reuniões, para surpresa dos guerrilheiros, que o cumprimentaram militarmente, tratando-o por meu General.

Entretanto a guerra no chão Manjaco estava parada, uma espécie de tréguas estava tacitamente aceite por ambas as partes. As patrulhas, de um lado e do outro, eram feitas sem carácter ofensivo. E que esse aspecto mereceu algumas reflexões, não só das nossas chefias militares como da direcção do PAIGC.

Spínola reuniu em Bissau todos os Comandantes do Batalhão, expondo-lhes a situação e os progressos que estavam a ocorrer na zona de Teixeira Pinto. A paragem das hostilidades estava a facilitar o reagrupamento das famílias e prosseguiam, com mais entusiasmo ainda, os esforços para melhorar as infra-estruturas locais.

Spínola não parava. Deslocou-se a Cap Skiring para um encontro com Shengor. Nessa reunião foi ventilada a hipótese de Amílcar Cabral estar presente numa próxima reunião. Um mês depois de Cap Skiring, Amílcar Cabral foi assassinado. Os executores foram logo a correr ter com Sékou Touré, a dar conta do sucedido. Foram executados a seguir e o resto da história já é bem conhecida, remata este assunto o General Ricardo Durão.

Da parte do PAIGC, a questão que se estava a viver no chão Manjaco teve um seguimento diferente. Luís Cabral estava muito surpreendido com a evolução dos acontecimentos. Não havendo relato de actividades operacionais desencadeadas pela guerrilha, foi enviado para o local um Comissário Político do PAIGC, para se inteirar do que se estava a passar.

Na altura em que o Comissário Político do PAIGC se deslocou para a zona estava agendada a 13ª ou 14ª reunião entre os majores e os elementos da guerrilha. Na véspera desse encontro, Passos Ramos jantou em Bissau, em casa de Ricardo Durão. Entusiasmado, a certa altura manifestou a esperança de assistir brevemente em Bissau a um grande desfile com os guerrilheiros integrados.
O Comissário Político esteve presente nesse encontro, mas André Gomes, o Chefe da Região Militar não apareceu (será fuzilado, mais tarde, pelo PAIGC).
Foi nesse encontro que os majores, o alferes e os acompanhantes guineense foram assassinados.

- Porquê ?- pergunta Ricardo Durão. - Não seria um ronco muito maior se os tivessem aprisionado?

Perguntas que, quase 40 anos depois, continuam à espera de resposta.
__________

Nota de vb:

(1) Vd. post de, 28 de Novembro de 2007 > Guiné 63/74 - P2308: Notas de leitura (3): Guerra, Paz e Fuzilamento dos Guerreiros: Guiné, de Manuel Amaro Bernardo (Jorge Santos)

Guiné 63/74 - P2317: Operação Macaréu à Vista - Parte II (Beja Santos) (11): O fantasma de Infali Soncó

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Guiné > Mapa com a localização de Samba Nhanta no regulado do Cuor, a norte de Bambadinca. Esta localidade não consta da carta de 1955, de Bambadinca. Comentário de Beja Santos: "Samba Nhanta era a residência dos régulos do Cuor. Aqui, as tropas portuguesas procuraram capturar o régulo Infali, que fugiu para o Oio, em 1907. Penso que se tratava de Sansão, onde Infali está sepultado. Missirá era a cerca de 4 km, a caminho do Gambiel".
Este mapa vem no livro de João Barreto, História da Guiné, 1418-1918. Lisboa: 1938 (p. 280). Será interessante analisá-lo e compará-lo com o conhecimento que nós tínhamos, do terreno, durante o período da guerra colonial (1963/74). Só para nos limitarmos à bacia hidrográfica dos Rios Geba e Corubal, ou seja, à Zona Leste, as povoações mais importantes (do ponto de vista étnico, demográfico, político e económico...) seriam Góli (Porto Gole ), São Belchior, Samba Nhanta, Geba, Bafatá e Coiada na margem direita do Rio Geba; Xime e Bambadinca, na margem esquerda; Xitole, Contabane e Cadé, ao longo do Rio Corubal... Curiosa também é a segregação étnico-espacial, por chão: papéis (Bissau), Balantas (Góli), Oincas (Beafadas (Buba), Fulas Pretos (Bambadinca/Bafatá/Gabu), Mandingas (Farim), etc...(LG)

Foto: © Beja Santos (2007). Direitos reservados.


Cópia da capa do livro de João Barreto, História da Guiné, 1418-1918. Prefácio do Coronel Leite de Magalhães. Lisboa: 1938 (Imprensa Beleza). 452 pp. (Existe na rede de Bibliotecas Municipais de Lisboa).

Foto: © Beja Santos (2007). Direitos reservados.

Texto enviado, em 16 de Outubro último, pelo Beja Santos (ex-alf mil, comandante do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70).

(i) Luis, Ainda vou rever, mas o essencial está aqui. Os livros seguem pelo correio. Ainda não propus data para o nosso almoço, pois estou atolado em papel, acredita. Um grande abraço do Mário.

(ii) Luis, não é ser perfeccionista mas o texto que te enviei estava carregado de besteiras. Vê se as imagens que te mandei esta manhã são adequadas (...). Recebe um abraço do Mário.


Operação Macaréu à Vista - Parte II (11) > O fantasma de Infali Soncó: De uma conversa sobre aves com Lânsana Soncó até uma ida ao dentista

por Beja Santos


(i) Aves do céu: Águia, pato, catchecalerom, jabatutu, jagudi, choca...

Acordei de supetão com o crocitar de uma choca, e julguei que tudo me parecia um pesadelo, com os gritos angustiados dos feridos da mina anticarro de Canturé. Sentei-me na cama naquele quarto do Quartel-General, em Bissau, a lucidez, aos farrapos foi recuperada e perguntei-me:
-Tens a certeza que ouviste uma choca, não é puro delírio?.

Lembrei-me então de uma conversa havida com Lânsana Soncó, com registo no meu caderninho viajante. Tinha pedido uma hora ao tempo precioso do padre de Missirá, ele nem pestanejou quando lhe propus que o tema para o nosso chá fosse aves. Com a serenidade e a discrição do costume, Lânsana começou pelas águias. Vendo a minha surpresa, e com a tradução do Benjamim Lopes da Costa, perguntou-me se eu nunca tinha visto em Mato de Cão as águias a apanhar peixe grande no Geba. Confuso, lembrava-me do que me pareciam umas gaivotas em voo rasante ou mergulhando em voo picado. Lânsana foi terminante:
- São águias, vivem em pontos altos, também atacam pequenos animais na mata.

Registei sem convicção, ele passou para os patos, lembrava-me muito bem dos patos bravos que via nos patrulhamentos a grasnar nas águas das bolanhas, em frente a Mero e Santa Helena. Depois falou no catchecalerom, um pássaro muito falador que se encontra na floresta densa na época seca, lembrou igualmente o jabatutu, o pássaro que faz um ninho muito resistente, tão resistente que suporta as queimadas das bolanhas.

Perguntou-me a seguir se eu já tinha visto ao pé o jagudi, a ave de rapina que aparece mal cheira o sangue. Fiquei hirto, as recordações foram para a flagelação de 19 de Julho deste ano, quando ao amanhecer topámos com dois guerrilheiros mortalmente ensanguentados, entre a fonte de Cancumba e aos cajueiros de Malã, frente à porta de armas de Missirá. Lânsana sentenciou:
-Mesmo os animais feridos são suas presas, atacam e matam, pois ficam bêbedos com o cheiro do sangue.

E por fim falou das chocas, que ele disse que eu conhecia bem. Admirado, perguntei-lhe como é que ele sabia como é que eu conhecia bem as chocas. -Nosso alfero, são aqueles pássaros com um piar muito triste, malhados de castanho, que vê nas nossas hortas a esgravatar o amendoim”.

Trouxe o caderninho para Bissau, ontem consultei-o, talvez esteja aí a origem deste sonho com as chocas.

Levanto-me e arranjo-me a custo, só a vista é que melhorou, dou-me bem com os novos óculos, o tímpano continua dormente, embora lateje menos, ainda claudico com o joelho inchado, e hoje vou a medo à primeira consulta ao dentista. Sim, a medo, pois ouvi a gritaria dos pacientes quando marquei a consulta, vi os militares a sair do consultório a segurar pensos e com ar de sofrimento, fiquei com a impressão que ia direito a um barbeiro da Idade Média. E assim foi. Sentei-me na cadeira do carniceiro e se tinha um joelho inchado saí dali com a cara num bolo. Mal abri a boca, atafulhou-me todo o espaço com algodões e leu-me a sina:
-Tem aqui um molar podre, tenho que o extrair, os molares costumam dar que fazer, volta cá dentro de dois dias para extrair um siso todo infectado.

Ainda tentei balbuciar se o molar não podia ser tratado e conservado até Lisboa, se perguntei o homem da bata branca não largou a carranca dura que era a máscara do seu rosto, veio a injecção e depois o alicate parecia que me arrancava a maxila. Recebo ordens para me apresentar de novo na sala de matança dentro de dois dias, ao amanhecer, para ter o dia inteiro para penar.


(ii) Onde tomo conhecimento das tropelias de Infali Soncó


Saí dali aos tombos e com uma carteira de comprimidos na mão. Lá me deram boleia até o centro de Bissau, fui até ao café Avenida onde fiquei a bochechar água Perrier. A andar devagar, lá me dirigi outra vez à casa Taufik Saad para comprar mais banda desenhada, desta vez Les Legions Perdues , de Jacques Martin, continuando o herói a ser Alix.

É ali num passeio à frente que vejo um vendedor de livros usados e acabo por comprar a História de Guiné, 1418-1918, de João Barreto. Sentado no gabinete fresco da biblioteca do Centro de Estudos da Guiné Portuguesa, antes de começar as consultas dos livros e revistas que ontem foram postos de parte por um amável funcionário, folheio o livro do Dr. João Barreto.

Um subtítulo “Derrota dos régulos do Cuor e Badora” chama-me imediatamente a atenção. Estamos em 1907, no tempo do governador Muzanty e das revoltas contra o imposto de palhota. O livro trata Infali Soncó como régulo biafare, o que não era verdade pois os Soncó são mandingas. Infali rebelara-se de conivência com Boncó, régulo de Badora, e com os apoios dos régulos do Corubal, Cossé, Gussorá, Xime, Forreá e Gabu, pelo menos.

O plano de Infali era impedir a navegação do rio Geba e cortar as relações comerciais com Bissau. O régulo prometia libertar a região do imposto de palhota e estabelecer relações com os centros comerciais franceses do interior. Barreto escreve:

Este Infali Soncó foi um dos elementos mais perniciosos que teve a Guiné, não tanto pelo seu poder militar como pela sua extraordinária duplicidade e engenho com que soube enganar as nossas autoridades durante muitos anos.
~
Infali fora nomeado régulo do Cuor depois de um régulo de nome Galona. Nas campanhas do Oio de 1897 e de 1903, Infali abstivera-se de auxiliar as forças portuguesas, à sorrelfa ia, no entanto, ajudando os revoltosos. Sentindo-se desacreditado em Bolama, Infali lança a sua sublevação. O tenente Fortes foi a Sambel Nhanta, tabanca do régulo, onde foi agredido e preso, bem como o alferes Baeta. Bolama responde e envia a lancha-canhonheira Cacheu e uma força comandada pelo chefe de estado-maior. A 1 de Dezembro de 1907, os homens de Infali são rechaçados.

Passados três meses, logo que chegaram forças expedicionárias enviadas da Metrópole e de Moçambique, constitui-se uma coluna de operações comandada pelo governador Muzanty com o objectivo de castigar este régulo. Em 1 de Abril avançam sobre Canturé e depois Sambel Nhanta, mas a tabanca do régulo que estava abandonada. Continuando a sua acção, as forças expedicionárias, tomam Madina. A seguir, o contingente permanece em Caranquecunda. Os outros régulos, perante a fuga de Infali, tratam de enviar emissários protestando a sua obediência às autoridades portuguesas.

Estou deliciado com a descoberta. Conheço todas estas povoações menos Sambel Nhanta que, pelas minhas contas, deve ser Sansão, que sempre ouvi dizer que fora a tabanca de Infali. Tenho aqui uma boa matéria para uma conversa com Lânsana, aliás é importante saber como é que se portou Infali com Teixeira Pinto, vejo aqui que em 1913 o régulo do Cuor é Abdul Injai, o que me desorienta. Vou um pouco mais atrás, às guerras do Oio, em 1897, para perceber o papel de Infali Soncó, e, segundo diz João Barreto, houve um acto de traição por parte dos régulos Infali Soncó e Mamadu Paté, isto a par da pouca valentia dos oincas. Estou eu a combater no Cuor ao lado de Malã, o neto de Infali, e depara-se esta história pouco abonatória de um guerreiro que fez a vida negra às autoridades de Bolama (*) durante mais de vinte anos!

E passo para as leituras que são o propósito desta minha visita. Primeiro, a Índole Guerreira dos Guinéus, pelo Coronel Jorge Velez Caroço. Escreve ele:

As qualidades guerreiras das raças indígenas da Guiné persistem inalteráveis, fulas e mandingas apresentam-se sempre para defenderem o domínio e prestígio das autoridades portugueses, perante qualquer manifestação de rebeldia de outras raças, em qualquer ponto da colónia, vindo enquadrar-se nos contigentes das forças regulares do Governo.

E mais adiante, já falando dos anos vinte deste século, ele refere:
-Não era de estranhar que tendo a colónia uma área de 36000 Km, só metade estivesse sujeita à nossa soberania.

Mudo de leitura, agora folheio África Ocidental, notícias e considerações, por Francisco Travassos Valdez:
Os vendedores do mercado de Bissau fazem comércio de arroz, frutas, galinhas, legumes, leite, ovos, porcos e vinho de palma. Os compradores trocam por objectos de que vêm munidos, que são geralmente aguardente, bandas de tecido grosseiro de algodão, barras de ferro, folhas de espada, pólvora e tabaco em folha. Às vezes admitem também algum patacão, como se chama à nossa antiga e incómoda moeda de quarenta réis que aqueles negros reservam unicamente para a manufactura dos seus grosseiros artefactos.

Falando de Bissau, ele escreve o seguinte:

Considerada em si, aquela praça, formada de quatro frentes abaluartadas, traçadas sobre um quadrado de 100 metros proximamente de lado, com muralhas de 10 a 12 metros de elevação sobre o fosso que a circunda, não passa de uma pequena povoação mal aninhada, com algumas casas palhoças, outras de barro, e bem poucas de sólida construção... Acresce ainda não haver ali facultativo algum nem botica regularmente sortida. Também não se encontra em Bissau um hospital que mereça semelhante nome, pois aquilo a que dão este nome é apenas uma casa indecente, escura e húmida, a que por tais circunstâncias melhor cabe o epíteto de cemitério.

As leituras são estimulantes, sinto-me cansado, mesmo com a boca a saber a sangue estou cheio de fome, vou à procura de uma sopa. Está um sol cru, as palmeiras estão sujas com a falta de chuva, a laterite agarra-se às paredes das casas. Não é a primeira vez que abalo em direcção ao cais do Pidjiquiti, tal o fascínio do bulício dos pescadores e estivadores, o peixe que chega e parte nas canastras das vendedoras.

Capa do romance de José Gomes Ferreira, Aventuras Maravilhosas de João Sem medo. Lisboa: Portugália Editora, 1963 (Contemporânea, 48).

(iii) Por companhia, o João Sem Medo

Vim acompanhado das Aventuras Maravilhosas de João Sem Medo, de José Gomes Ferreira, mais uma oferta do meu Padrinho, ele nunca deixou de mimosear depois dos incêndios de Missirá.

"É um romance irónico, passado num mundo fantástico de símbolos, sonhos e pesadelos e escrito por um homem bem acordado”, assim definiu José Gomes Ferreira esta obra altamente codificada, onde se mistura o romance, a poesia, a fábula e a moral.

João vivia em Chora-Que-Logo-Bebes, estranha aldeia aninhada perto de uma espécie de Parque de Reserva de Entes Fantásticos. Aquela gente vivia a choramingar, entregues a canções de cemitério ganidas por cantores trajados de luto. João não aguentou mais e partiu, saltando o Muro que circundava aquela terra de tristeza. Vai conhecer fadas, magos, duendes, monstros, colinas de cristal, animais mecânicos, gramofones com asas, oásis da felicidade verde, um príncipe com orelhas de burro, uma cidade confusa, e até a princesa n.º 46734.

Como em todas as histórias de encantar, o herói desemburra-se, ultrapassa todos os obstáculos até regressar à sua terra onde se vive sempre a chorar ou a lamentar. Ele ainda tenta organizar uma conspiração contra as lágrimas mal choradas, mas ninguém o quer ouvir. Lendo-o, recordo-me do final do soberbo romance do José Cardoso Pires, O Delfim:

"... Então, João Sem Medo, provisoriamente, sempre provisoriamente, vendo tantos olhos a chorar... montou uma fábrica de lenços e enriqueceu. (Ah! Mas um dia, um dia!...). Um belo romance sobre o inconformismo, uma fantasia deliciosa contra as rotinas no nosso País.

(iv) Registo de encontros e desencontros

Janto em casa do Cruz Filipe e falamos novamente do estado de saúde do Casanova. Ele insiste:
-Não viva em estado de culpa. Não se pode atender a tudo, mas não o iludo, ele vai demorar anos a reestruturar-se.

Vê-me combalido, leva-me ao QG onde adormeço a deliciar-me com as aventuras de Alix, primeiro convertido em gladiador, depois escutando a história de Agérix, o seu compatriota gaulês que lhe fala da espada de Brennus que os aliados de Pompeu procuram descobrir para tramar Júlio César, o herói das Gálias. Não deixa de me fascinar o bom desenho, o rigor das reconstituições, a congruência dos diálogos, o apuro cromático que me recorda Hergé.

No dia seguinte, vou até Brá onde reencontro o Emílio Rosa no batalhão de engenharia, e a quem meto o meu último empenho de materiais para Missirá e Finete. Tal como combinara, volto aos correios e informo a Cristina sobre as últimas consultas no hospital e, inadvertidamente, devo ter-lhe provocado falsas esperanças quando lhe referi um encontro com um professor de Bissau que prometera trabalho para ela, ainda no presente ano lectivo. Ela insiste em saber se eu vou ficar em Bissau e eu não falto à verdade:
-Logo que tenha os dentes arranjados, regresso imediatamente pois a qualquer momento seremos transferidos para Bambadinca.

A Cristina fala também de Bambadinca como uma possibilidade, pois conversara ao telefone com a Isabel Payne [, mulher do Alf Mil Médico David Payne], que estivera umas semanas na sede do batalhão[, BCAÇ 2852]. Descubro que tenho aqui assunto para explicar à Cristina que não é aceitável convidar uma mulher a viver o sobressalto das flagelações a Bambadinca.

Na Casa Gouveia compro chá e vou ao mercado com a lista na mão para satisfazer os pedidos dos meus soldados. A partir de agora e até jantar com Saiegh ando a cheirar a especiarias. Durante a tarde, procuro encontrar o Botelho de Melo, o meu milagroso oftalmologista, para lhe dizer que espero partir amanhã logo após a consulta do dentista, mas escreverei logo que saiba quando vier a Bissau.

O encontro com o Saiegh é muito agradável, tão agradável que vamos a pé pela estrada de Santa Luzia, onde nos despedimos prometendo eu uma visita a Fá, dentro de semanas. Tal nunca veio a acontecer, estou a despedir-me do Saiegh pela última vez, guardo o seu sorriso e a sinceridade da sua estima, tudo me vem à lembrança no dia em que soube do seu fuzilamento, oito anos depois (2).

De manhã, apresento-me ao meu carrasco que me arranca não sem brutalidade um siso, que vai removendo aos bocados, atulhando-me de algodão e desinfectante. Um jipe conduz-me ao Quartel General, tenho sorte há ainda lugar no Dakota que partirá no princípio da tarde para Bafatá. Com uma maleta e um saco de especiarias mais um saco com livros e a cara inchada pelas atrocidades do dentista, desembarco em Bafatá, levam-me até Galomaro, no Cossé, espero mais uma boleia, à noite janto e durmo em Bambadinca. Finete fora atacada na noite passada, o Reis conta-me que foi uma flagelação sem consequências. Inconscientemente ou não, peço que me levem aos cais para eu ver Finete, como a estivesse a abraçar.

O mês está a findar. De 1 a 14 de Novembro, Missirá conhecerá três flagelações, um fogo ligeiro e muito pouco destruidor. A 14, o Pel Caç Nat 52 parte para Bambadinca, ainda vou ficar três dias em Missirá. Vou viver a quinzena do adeus. Só lá regressarei em Fevereiro, a caminho da mais sangrenta das minhas operações, a Tigre Vadio. O nome parecia ser uma homenagem a um tigre que tinha deixado Missirá e que vivia na errância, aos baldões da sorte.

___________

Notas de L.G.:

(1) Vd. post de 23 de Novembro de 2007 > Guiné 63/74 - P2299: Operação Macaréu à Vista - Parte II (Beja Santos) (10): O meu amigo açoriano de Bissau
(2) Vd., entre outros, alguns dos nossos posts om referências ao Saiegh, de origem sírio-libanesa, que foi foi furriel miliciano do Pel Caç Nat 52 e depois Alferes e Capitão dos Comandos Africanos; foi fuzilado já depois da indepência da Guiné-Bissau.
19 de Agosto de 2006 > Guiné 63/74 - P1038: Operação Macaréu à Vista (Beja Santos) (6): Entre o Geba e o Oio, falando do Saiegh e dos meus livros

Guiné 63/74 - P2316: E as Nossas Palmas Vão Para... (2): Os que lutam, na Guiné-Bissau, contra a Mutilação Genital Feminina (MGF)

Guiné > Zona Leste > Cidade de Bafatá > Finais de 1969 > Vista aérea da mesquita de Bafatá. A Zona Leste da Guiné (região de Bafatá e Gabu) é aquela onde se pratica mais a Mutilação Genital Feminina (MGF)... As populações islamizadas representam quase metade dos guineenses.


Arquivo pessoal de Humberto Reis (ex-furriel miliciano de operações especiais, CCAÇ 12, Bambadinca, 1969/71).

Foto: © Humberto Reis (2006). Direitos reservados


1. Mensagem, de 20 de Novembro, que nos chegou de Matosinhos, enviada pelo A. Marques Lopes, um tertuliano sempre atento ao que se passa na nossa Guiné-Bissau... Aproveitamos para daqui saudar aqueles e aquelas que na Guiné-Bissau lutam contra a MGF que é uma prática indefensável, mesmo à luz do relativismo cultural... (LG).


(i) Assunto: Presidente do parlamento da Guiné-Bissau quer aprovação de legislação contra a Mutilação Genital Feminina (MGF) (1)


Bissau, 19/11

O presidente da Assembleia Nacional da Guiné-Bissau, Francisco Benante, disse hoje que quer ver aprovada pelos deputados a legislação que combate a MGF, prática que tem vindo a aumentar no país.

"É uma prática retrógrada que é preciso banir da nossa sociedade, por ser
atentatória à dignidade das nossas crianças e raparigas" - declarou Francisco
Benante, na abertura da primeira sessão parlamentar do ano legislativo de
2007/08.

Para a segunda figura do Estado Guineense, a MGF "é uma prática que não tem nada com os imperativos religiosos". Francisco Benante prometeu provocar o debate sobre a questão na sessão parlamentar do próximo mês de Fevereiro.

A prática da MGF na Guiné-Bissau tem vindo a aumentar, segundo um estudo realizado por uma organização não-governamental (ONG), a Plan, que é guineense. Esse estudo abrangeu várias tabancas do país e as conclusões referem que as motivações e as razões que têm levado ao aumento da prática da MGF teriam a ver com uma falsa interpretação do Islão... Para alguns dignatários religiosos, a MGF seria um "passo necessário para [a rapariga] se tornar muçulmano".

"As raparigas muçulmanas têm ser mutiladas antes dos seis anos de idade, caso contrário não podem praticar a religião e a família será responsável pelo pecado", refere o estudo da Plan. A verdade é que a MGF não está mencionada no Corão, e não é portanto uma obrigação religiosa para os crentes.

Ainda segundo o estudo supracitado, a MGF não só está a aumentar como é praticada em crianças com cada vez menos idade...

O Unicef estima que 2.000 jovens são fanadas, anualmente, no país, e que entre 250 a 500 mil mulheres sofrem as consequências médicas e psicológicas da MGF. De entre os problemas que preocupam as autoridades e os profissionais de saúde, umd eles é o risco da transmissão do vírus do HIV/Sida, quando as fanatecas usam a mesma faca em várias cerimónias do fanado... Por outro lado, as lesões provocadas nos órgãos genitais da mulher facilitam a transmissão do vírus do HIV/Sida no futuro.

O governo quer criminalizar a prática da MGF, ressuscitando um projeto de lei que proíbia o fanado com multas e pena de prisão, elaborado, em 2001, pelo Instituto da Mulher e da Criança (IMC), de parceria com organizações de direitos humanos.

"Sem querer ofender a religião ou a cultura de uma ou outra etnia, temos de envolver todos os atores sociais e políticos" disse recentemente Adelina Na Tamba, ministra da Solidariedade Social, Família e Luta contra a Pobreza.

(ii) O fanado alternativo

Na Guiné-Bissau, as férias escolares - que vão de Julho a Setembro - são a época alta das fanatecas, as mulheres grandes que vivem e dependem do fanado. É nesse período do ano que as famílias guineenses enviam as filhas para ser iniciadas pelas fanatecas.

A organização não-governamental Sinim Mira Nassiquê (em língua mandinga, Nós Pensamos no Futuro) , convocou na primeira semana de Agosto de 2007, na capital, Bissau, um encontro com fanatecas e activistas para reflexão sobre os perigos do fanado sobre a saúde feminina, incluindo o risco de contrair o HIV/Sida.

Entre 2000 e 2004, a Sinim Mira Nassiquê notabilizou-se por ter tentado ensaiar, no país, a experiência do fanado alternativo, em que as raparigas eram levadas para o mato para conhecer a tradição e ser submetidas aos ritos de iniciação ou de passagem (da infância para a puberdade), sendo todavia poupadas à cruel e perigosa MGF. O fanado alternativo não se cosneguiu impor, face às pressões corporativas das fanatecas, ao lóbi religioso islâmico e ao peso dos líderes tradicionais

A MGF é praticada especialmente na Zona Leste, nas regiões de Gabu e Bafatá, por algumas das três dezenas de etnias da Guiné-Bissau, e nomadamente por todas as etnias islamizadas (fulas, mandingas, beafadas, saracolés, cassangas e mansoncas), que representa cerca de 46% da população. Entre os fulas, que representam 23 por cento da população, o procedimento consiste na excisão do clítoris e dos lábios da vagina. Os beafadas e os mandingas limitam-se à excisão clitoriana. Entre os bijagós, que são animistas, faz-se uma iniciação ritual, com tatuagens, mas sem MGF.

_______________

Fonte: Adapt. por L.G., de:

Angola Press - 19 de Novembro de 2007

Agência de Notícias da Aids - 19 de Novembro de 2007

PlusNews - Notícias e análises sobre HIV-SIDA em África Bissau, 10 de Agosto de 2007 > GUINÉ-BISSAU: Alunas em férias, fanatecas ao trabalho

_________________

Nota de L.G.:

(1) Vd. posts de:

25 de Setembro de 2007 > Guiné 63/74 - P2131: Mutilação Genital Feminina: É crime, diz explicitamente o novo Código Penal (A. Marques Lopes / Luís Graça)

10 de Março de 2007 > Guiné 63/74 - P1580: Fanado ou Mutilação Genital Feminina: Mulher e direitos humanos: ontem e hoje (Luís Graça / Jorge Cabral)

15 de Maio de 2006 > Guiné 63/74 - DCCLVI: Conferência sobre a Mutilação Genital Feminina (Luís Graça)

14 de Maio de 2006 > Guiné 63/74 - DCCLVII: A festa do fanado ou a cruel Mutilação Genital Feminina (Jorge Cabral)

3 de Fevereiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDXCVII: Memórias de Guileje (1967/68) (Zé Neto)(5): ecumenismo e festa do fanado

4 de Maio de 2005 > Guiné 69/71 - XII: O silêncio dos tugas face à MGF (Mutilação Genital Feminina)

quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Guiné 63/74 - P2315: Catió: A morança que poderá ter sido a da nossa Pami Na Dondo, a Guerrilheira (Victor Condeço)

Guiné> Região de Tombali > Catió > CCS do BART 1913 (Catió 1967/69) > Álbum fotogáfico de Victor Condeço > Catió - Vila > Foto 41> "Pode muito bem representar (era estrada para a pista que atravessava a Tabanca Balanta) o sítio onde por certo foi a morança do Pan Na Ufna e da sua filha Pami".

Foto e legenda: © Victor Condeço (2007). Direitos reservados.


1. Mensagem de Victor Condeço (ex-fur mil da CCS do BART 1913, Catió, 1967/69)(1), com data de 23 de Novembro:

Luís, desculpa só agora responder.

A tua sugestão surpreendeu-me (2), nunca pensei que as minhas fotos tivessem algo de interessante para merecerem ser expostas.

Mas, se reconheces nelas algum interesse, tens liberdade absoluta para fazer uso delas como te aprouver, (como aliás já te tinha dito quando as enviei).

Das fotos que estão em teu poder, tenho os negativos, excepto de 3, porque não foram tiradas por mim, eram fotos do batalhão anterior ao meu. Por sinal são as do quartel e que estão coloridas á mão e a da vista da Vila a bordo da Dornier, em tons cinza acastanhado.

Guiné > Região de Tombali > Cufar > Foto 7 > Fevereirto de 1968 > Pista de Cufar topo do lado do aquartelamento (Operação Ciclone I, envolvendo forças pára-quedistas do BCP 12).

Foto e legendas: © Víctor Condeço (2007). Direitos reservados.


Já vi que iniciaste a publicação de A Guerrilheira, do Mário Fitas, tenho mais fotos que podem servir para a ilustração, são fotos de meios aéreos na pista de Cufar durante a operação Ciclone I dos paraquedistas do BCP 12 em Caboxanque, ocorrida em 15 de Fevereiro de 1968.

Eu estava em diligência em Cufar nessa semana, fazendo inspecção e revisão ao armamento (1).

Vou enviá-las por mail pois não são muitas. Aproveitarás as que entenderes.

Relativamente à hipótese da exposição conjunta, por mim não vejo qualquer inconveniente, se a Fundação [Mário Soares] aceitar, fica ao teu critério e do Mário [Fitas] (2).

Sou por natureza pouco dado a expor-me, mas não me importo de que as fotos que eu tenho seja mostradas, por isso tens luz verde para tratares do assunto.

Já li o livro do Mário (3) e gostei imenso, para quem como eu conheceu Catió e Cufar, não me custou nada, ver as personagens movimentando-se no cenário onde a história se desenrola.

Luís e Mário, a foto acima reproduzida pode muito bem representar (era a estrada para a pista que atravessava a Tabanca Balanta) o sítio onde por certo foi a morança do Pan Na Ufna e da sua filha Pami.

Já antes o disse ao Mário e volto a afirmar:
- Obrigado e parabéns pelo teu excelente trabalho!

Mário, li também a tua mensagem ao Luís, onde me agradeces, nada tens de agradecer, as minhas fotos é que ficam valorizadas com o teu excelente texto.

Um abração para ambos

Victor Condeço

PS:- Em outro mail vou enviar as fotos que referi.

__________

Notas de L.G.:

(1) Vd. post de 3 de Dezembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1335: Um mecânico de armamento para a nossa companhia (Victor Condeço, CCS/BART 1913, Catió)

(2) Mensagem do editor do blogue: "Victor: Mantem-se de pé a ideia de negociarmos, com a Fundação Mário Soares, uma exposição das tuas fotos... Em 2008. Tens óptimas fotos que merecem ser partilhadas. Estás nessa ? Luís".

(3) Vd. posts de:

28 de Novembro de 2007 > Guiné 63/74 - P2307: Pami Na Dondo, a Guerrilheira, de Mário Vicente (3) - Parte II: A formação político-militar (Mário Fitas)

23 de Novembro de 2007 > Guiné 63/74 - P2298: Pami Na Dondo, a Guerrilheira, de Mário Vicente (2) - Parte I: O balanta Pan Na Ufna e a sua filha (Mário Fitas)

21 de Novembro de 2007 > Guiné 63/74 - P2293: Pami Na Dondo, a Guerrilheira, de Mário Vicente (1): Os bastidores de um romance (Luís Graça / Mário Fitas)

Guiné 63/74 - P2314: Exibição do filme As Duas Faces da Guerra (2): Coimbra, 4 de Dezembro, 14h30, auditório da FE/UC (Fernando Barata)

Lisboa > Fundação Mário Soares > A jornalista e cineasta portuguesa Diana Andringa, co-realizadora do filme As Duas Faces da Guerra (Portugal/Guiné-Bissau, 2007), fotografada na inauguração da exposição fotográfica do Américo Estanqueiro (1).

Foto: © Luís Graça & Camaradas da Guiné (2007). Direitos reservados.


1. Mensagem (urgentíssima) do nosso amigo e camarada conimbricense Fernando Barata, que em tempos foi um brioso Alf Mil da CCAÇ 2700 (Dulombi, 1970/72) (e continua a ser, hoje como Tenente miliciano da reserva da Pátria...):

Críssimos:

Pedia-vos a divulgação do documento que abaixo se insere, já que o tempo urge.

Para o Luís e Virgínio imagino que seria uma violência virem de Lisboa a Coimbra (abdicava do meu tempo de antena a vosso favor) mas seria um prazer do tamanho do Mundo ter-vos por cá.

Agora, para ti Carlos: de Leça a Coimbra é já ali e acredita que só para ouvir o Pezarat, todos os passos valem a pena (bem como a Diana).

Aquele abraço
F. Barata


2. Sessão de cinema em Coimbra, dia 4 de Dezembro, seguida de debate

As Duas Faces da Guerra
Um filme de Diana Andringa e Flora Gomes


4 de Dezembro de 2007, 14:30,
Auditório da Faculdade de Economia
da Universidade de Coimbra

Apresentação

As Duas Faces da Guerra, documentário rodado na Guiné-Bissau, Cabo Verde e Portugal e que integra um conjunto de entrevistas e depoimentos de pessoas que viveram o período da guerra colonial/luta de libertação na Guiné-Bissau, dando o mote para um debate em torno dos temas da reconciliação, memória histórica e pós-conflito.


Comentários e debate com…

Diana Andringa
Pedro Pezarat Correia
Fernando Barata
Sílvia Roque


Organização:

Núcleo de Estudos para a Paz
do Centro de Estudos Sociais
da Universidade de Coimbra
_________

Notas dos editores:

(1) Vd. post de 12 de Novembro de 2007 > Guiné 63/74 - P2260: Álbum das Glórias (33): Inauguração da exposição de fotografia do Américo Estanqueiro, hoje, na Fundação Mário Soares

(2) Vd. post de 13 de Novembro de 2007 > Guiné 63/74 - P2262: Exibição do filme As Duas Faces da Guerra (1): Castro Verde (16/11) e Coimbra (4/12) (Diana Andringa / Fernando Barata)

Guiné 63/74 - P2313: Estórias de Cufar (2): A marmelada também curava (ex-1º Cabo Enf Salvador, CCAÇ 4740, 1972/74)

1. Texto do António Manuel Salvador, ex-1.º Cabo Enfermeiro, CCAÇ 4740, Os Leões de Cufar, Cufar (1972/74) (*), que trabalha hoje na KML, no aeroporto de Amesterdão, e que de vez em quando dá um salçto até cá, e vem arejar a sua casa em Penafirme, Torres Vedras, donde há dias me telefonou, desejando Boa Natal para a toda Tabanca Grande (LG):


Amigo Luís Graça:

Cá estou de novo para te contar o tal problema da marmelada, a tal que, como todos sabem, fazia parte da caixinha mágica que se levava para o mato, ou seja, o tubinho de marmelada que compunha a famosa ração de combate ...

Estórias de Cufar (2) > A Marmelada Também Cura? (**)
Um belo dia em que fomos fazer segurança todo o dia e toda noite, houve um colega que não queria passar a noite no mato, pelo que se fez de doente com dores nas costas... Os outros amigos açorianos disseram-em em surdina que o que ele queria era ir para dentro, ou seja, para o destacamento e dormir descansado o resto da noite...
Lá se arranjou a maneira de o levarmos até ao fundo da pista. Aí o transmissoes mandou uma mensagem, para se tratar da evacuação... Mas antes disso, e como ele se fazia de doente sem estar, eu tive que lhe tratar da saúde e vai daí tirei a marmelada mágica e esfreguei-lha nas costas.
Ao princípio escorregava bem mas para o fim já estava difícel devido ao facto de ele ter muito pêlo nas costas... Bom, ele lá foi evacuado para dentro mas disse-lhe para no dia seguinte ir ao médico.
Pelos vistos, não foi. O Dr. Moita, ao saberque tinha vindo um doente, quis saber quem era e lá vai o Alf Mil Médico à tabanca ver o doente... Perguntou-lhe se ele estava melhor e ele disse que sim, que tinha menos dores... A seguir, o médico, claro, perguntou quem é que tinha tratado dele e ele disse que tinha sido o Salvador, com uma pomada que tinha no saco da enfermagem.
É óbvio que o médico sabia perfeitamente que nós não tínhamos nada disso e mandou o rapaz voltar-se na cama e viu o que se passava: o que lá estava era a tal marmelada, já meia desfeita...
O que aconteceu a seguir foi o médico ir à minha procura porque isto tinha sido um dia antes, à noite, e no outro dia de manhã já nós tínhamos vindo do mato. Lá estava eu ainda na cama e o Dr. Moita, com aquele seu ar calmo, perguntou-me o que tinha eu feito ao doente... Eu a rir-me, comentei que não me passaria pela cabeça que o Dr. Moita fosse expressamente à tabanca ver o ocorrido... Enfim, avisou-me que aquilo não se fazia e que o rapaz podia não gostar do que eu lhe tinha feito...

Ele, o doente, nunca soube se era pomada ou marmelada... O amigo Moreira - era o seu apelido - só soube qual era o produto uns dias antes de a gente embarcar para os Açores, na viagem de regresso... A resposta dele:
- Eu queria era ir para dentro, não queria dar de comer ao mosquito...

E foi assim que se passou esa estória... Daqui envio um forte abraco a todos os camaradas da CCAÇ 4740, os Leões de Cufar (1972/74), bem como a todos os tertulianos do blogue, com viotso de que tenham um Feliz Natal e um Ano Novo melhor!
São os votos sinceros do Salvador e Família.

_________

Notas dos editores:

Guiné 63/74 - P2312: Tabanca Grande (43): Hugo Guerra, ex-Alf Mil, Pel Caç Nat 55 e 50 (Gandembel, Ponte Balana, Chamarra e S. Domingos, 1968/70)

Hugo Guerra, ex-Alf Mil, hoje Coronel DFA, Pel Caç Nat 55 e Pel Caç Nat 50 (Gandembel, Ponte Balana, Chamarra e S. Domingos, 1968/70)










1. Mensagem do nosso camarada Hugo Guerra, em 24 de Novembro de 2007, para Luís Graça

Ainda e sempre Gandembel

Caro camarada e, desde já amigo, Luís Graça

Chamo-me Hugo Guerra, nasci em Estremoz em Abril de 1945 e estudei na Escola de Regentes Agrícolas de Évora onde acabei o meu curso em 1964.

Em Agosto de 1968, sem perceber bem como (depois hei-de contar), estava no Ana Mafalda a caminho da Guiné em rendição individual e, como a sorte nunca me bafejou, quando desembarquei já tinha guia de marcha para Gandembel onde fui comandar o Pel Caç Nat 55 que estava adstrito à CCaç 2317 [, Gandembel/Balana, 1968/69].

Passei por Aldeia Formosa, num heli, e aterrei, ainda em Agosto, em Gandembel.

Passei a maior parte do tempo em Ponte Balana e estava lá quando fechámos a porta em Janeiro de 1969 (1).

Nessa altura, e porque a sorte continuava alheia à minha odisseia, fiquei num destacamento logo a seguir, de nome Chamarra.

A CCAÇ 2317 foi para Buba e mais tarde foram acabar a sua martirizada comissão em território menos hostil.

Eu tive, mais tarde, uma passagem rápida por S. Domingos no comando do Pel Caç Nat 50 mas o suficiente para ficar ferido com o rebentamento duma anti-pessoal, salvo erro a 13 de Março de 1970.

Sou hoje DFA e Coronel.

Este é o meu primeiro contacto para ser admitido na tertúlia que acompanho há bastante tempo, mas sempre de longe porque os fantasmas ainda me provocam grandes pesadelos.

Qualquer dia farei uns relatos complementares aos do [Idálio] Reis sobre o inferno do Corredor de Guiledge onde fiz algumas incursões com uma Companhia de Páras que aceitaram levar o periquito para ver como era.

As fotos que junto foram tiradas nos seguintes locais:


(i) à esquerda, com uma granada ao cinto e toalha ao
ombro e sabonete na mão, ia tomar banho num regato
perto de Gandembel;

(ii à direita, junto ao paiol onde dormíamos em Ponte Balana;





(iii) à esquerda estou na Chamarra com um Alferes
que fui substituir;


(iv) à direita, em S.Domingos, com o 1º Cabo Celeiro
que ficou gravemente ferido no mesmo rebentamento que eu.

Por agora é tudo.
Se não tiver muitos pesadelos, esta noite prometo voltar. Moro em Lisboa e o meu contacto de email é: guerra68@tele2.pt e o Telemóvel 960085289.

Talvez nos encontremos em Março com o Pepito, de quem sou amigo e que me convidou; vamos ver se consigo ir.

Um abraço do
Hugo Guerra

2. Comentário de Carlos Vinhal:

Caro Hugo Guerra

Em nome do Luís Graça, Virgínio Briote, meu e de todos os tertulianos do Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné, quero dar-te as boas vindas à Tabanca Grande.

Pelo que nos contas, foste um dos companheiros bafejados pela pouca sorte, ao seres apanhado pela arma mais traiçoeira que qualquer um dos lados de uma guerra pode utilizar, uma mina, contra o seu antagonista.

Estás connosco, o que é pelo menos um sinal de que estarás bem, neste momento, e pronto para nos dar a conhecer as tuas experiências. De um modo geral todos temos recordações mais ou menos pesadas, em termos psicológicos, dependendo do que cada viu, viveu e sofreu, mas se é verdade que falar nelas contribui para uma certa descarga emocional, falemos pois então.

Ninguém, a não ser outro camarada, pode entender e compreender o que vai no nosso interior. Para isso existe este blogue, para que cada um, à sua maneira, faça a sua catarse ao mesmo tempo que contribui com o seu testemunho para a História da Guerra Colonial que queremos deixar aos nossos vindouros.

A partir de agora estás mais acompanhado. Participa.

Recebe um abraço de boas vindas de todos os tertulianos.

___________

Nota de CV:

(1) Vd. post de 10 de Outubro de 2007 > Guiné 63/74 - P2172: Fotobiografia da CCAÇ 2317 (1968/69) (Idálio Reis) (11): Em Buba e depois no Gabu, fomos gente feliz... sem lágrimas (Fim)

quarta-feira, 28 de novembro de 2007

Guiné 63/74 - P2311: Vamos expor o Álbum Fotográfico dos homens-toupeiras de Gandembel ? (António Almeida / Idálio Reis / Luís Graça)

Guiné > Região de Tombali > Gandembel / Balana >CCAÇ 2317 (1968/69) > Gandembel: A antiaérea que era pressuposto proteger o pessoal contra eventuais ataques ... dos Migs russos da República da Guiné-Conacri.


Guiné > Região de Tombali > Gandembel / Balana >CCAÇ 2317 (1968/69) > Gandembel: Depois do duro trabalho de pá e pica, um banho reconfortante... nos bidões de gasóleo.


Guiné > Região de Tombali > Gandembel / Balana >CCAÇ 2317 (1968/69) > Gandembel: Gosse, gosse, tica a erguer a casa que se faz noite...


Guiné > Região de Tombali > Gandembel / Balana >CCAÇ 2317 (1968/69) > Gandembel: Vista da porta de armas.

Guiné > Região de Tombali > Gandembel / Balana >CCAÇ 2317 (1968/69) > Gandembel: vista geral do aquartelamento; ao fundo os abrigos dos homens-toupeiras...

Fotos cedidos pelo António Almeida, o interpetre do Hino de Gandembel, soldado da CCAÇ 2317 (Gandembel/Balana, 1968/69) (1). Enviadas pelo Zé Teixeira, também conhecido, entre os escuteiros de Matosinhos, como o Esquilo Sorridente (2). Legendas: AA/LG.

1. Mensagem do editor L.G., de 13 de Novembro de 2007:

Idálio, querido amigo e camarada:

Em conversa ontem com o Dr. Alfredo Caldeira, marido da Diana Andringa e responsável pelos arquivos da Fundação Mário Soares, ele mostrou-se muito receptivo à minha sugestão de se poder realizar outras exposições a partir do espólio fotográfico de alguns membros da nossa tertúlia: falei-lhe em especial do teu álbum - que eu considero fabuloso - sobre Gandembel / Balana (1)… Eles têm equipamento sofisticado, recuperam-te as fotos (a partir de negativos ou de cópias), fazem ampliações / posters, montam-te uma belíssima exposição… Ficarás sempre com os originais… Ganharíamos todos… Que dizes à ideia ?

Como já leste, seguramente, no nosso blogue ontem foi inaugurada a exposição do Américo Estanqueiro, um ex-Fur Mil da CCAÇ 2700, Dulombi/Galomaro (1970/72)… O Estanqueiro era, na época, um fotógrafo de casamentos e baptizados – sem desprimor… Ganhou uns cobres a bater chapas para o pessoal da companhia… Mas a guerra deles não teve nada a ver com tua… Além disso, mandou destruir os cerca de 6 mil negativos que fez na Guiné… Ficou só com cópias, algumas em mau estado…

Já agora, que máquina usavas, onde mandavas revelar as fotos ? Tens negativos ? …

Para ti, e para a malta da tua companhia, também era bom… Que me dizes ? Pondera essa hipótese.

2. Resposta do Idálio Reis, com data de 27 de Novembro:

Meu caro Luís:

Um efémero hiato, resultante de tratamento termal em S. Pedro do Sul, afastou-me do outlook express. Tenho de começar a fazer uma remodelação no meu equipamento informático, pois sinto que o que possuo começa a ficar bastante restritivo.

Quanto à questão que me afloras, as fotos que fui endereçando para o Blogue, também teve a colaboração especial de 2 companheiros, ainda que a alíquota maior seja a minha. Consegui dar-lhes alguns retoques a todas as que te enviei. Mas procurei as que melhor se integram, e foram quase todas.

Entretanto, muitas se perderam. Sabes que no buraco de Gandembel, até as revelações se tornavam complicadas. E tinha (ainda a tenho) uma bela máquina KONICA, que um antigo companheiro de Coimbra, que encontrei em Bissau (eu estava chegando, ele regressava), ma ven(deu) por um resto de moeda portuguesa. Tinha sido o comandante de um pelotão de auto-metralhadoras.

Há cerca de 2 anos, um cancro na laringe vitimou-o, quando estava prestes a acabar o seu exercício de juiz de direito. Grande homem este António José Pires Condesso, de Fermentelos - Águeda.

Quanto às fotos, o essencial está no Blogue, restando muitas poucas para preparar convenientemente, e que te farei enviar.

Agradecimentos pela tua lembrança, que não obsta a que se escolham algumas para figurarem, eventualmente, na Fundação Mário Soares. Dia 4 de Dezembro, lá estarei na minha cidade[, Coimbra], para ver o filme do Flora Gomes/Diana Andringa (3).

Um cordial abraço do Idálio Reis
____________

Notas de L.G.:



(2) Vd. post de 22 de Novembro de 2007 < Guiné 63/74 - P2295: Hino de Gandembel, cantado no almoço da mini-tertúlia de Matosinhos (A. Marques Lopes / Carlos Vinhal)

(3) Vd. post de 13 de Novembro de 2007 > Guiné 63/74 - P2262: Exibição do filme As Duas Faces da Guerra (1): Castro Verde (16/11) e Coimbra (4/12) (Diana Andringa / Fernando Barata)