sábado, 26 de janeiro de 2008

Guiné 63/74 - P2482: Guileje: Simpósio Internacional (1 a 7 de Março de 2008) (12): Notas soltas a quatro mãos (Luís Graça / Pepito)


Guiné-Bissau > Bissau > Video Clip (5 m 39 ss), Grupo Furkuntunda > Djunta Mon - TVKlele

Fonte: © You Tube > TVKlele (com a devida vénia...).

Há um comentário a este videoclipe, de Manuel Feiro, que merece ser repproduzido: BRAVO!!! Furkuntunda está de parabéns!!! Força, continuem a enriquecer a nossa música e cultura, com trabalhos como este, vindo da raiz do nosso folclore. Esperamos por mais e muito mais. Obrigado, porque músicas assim é que nos fazem, nós da diáspora, regressar em pensamento à nossa saudosa Guiné. Nô djunta mon dê, nô kumpo nô Guiné, ke nô kiri tchiu nan e ke kata sai di nô corçon.
Abraços e força sempre!


E eu acrescentei estes comentários:

(i) Quem disse que a Guiné-Bissau não tem futuro ? Estes jovens, estes músicos, são a prova da grande vitalidade, engenho, alegria, criatividade, espontaneidade, vontade de vencer o círculo vicioso da pobreza, do povo da Guiné...

(ii) Eu acredito nos jovens, criativos, deste país-irmão; eu acredito na mulheres, empreendedoras e corajosas; acredito ainda na força telúrica e na generosidade dos homens (e mulheres) que lutaram, com as armas na mão e com as ideias e os valores na cabeça, para que a Guiné-Bissau fosse livre e independente, justa e fraterna, e que os guineenses tivessem a paz, a liberdade, a justiça, a dignidade a que têm direito, no seio da África e do resto do mundo globalizado

(iii) Fazendo a ponte com o passado, não ignorando nem escamoteando os marcos (de sinal mais e menos) do passado, bem como as raízes da guineidade, e construindo a estrada do futuro, que eu só desejo que seja tão grande, larga e fecunda como os rios míticos desta terra, do Cumbijã ao Cacheu, do Geba ao Corubal... (LG)



Amigos e Camaradas da Guiné: Divulguem a cultura da Guiné-Bissau, comprem os seus produtos, a começar pelos seus produtos culturais, por exemplo, a sua música, os CD dos seus músicos !... Mas, para já, eu gostava de saber onde poder encontrar e comprar, em Lisboa, este CD do Grupo Furkuntunda (...ou Levanta Poeira) (LG)


Guiné-Bissau > AD-Acção para o Desenvolvimento > Foto da Semana > 23 de Setembro de 2007

"A Banda de Música Furkuntunda, que significa levanta poeira, acaba de lançar o seu primeiro álbum de músicas, com um grande sucesso na camada juvenil da Guiné-Bissau.

Trata-se de um Grupo constituído por jovens do Bairro de Quelélé, que se foram afirmando de forma crescente pela qualidade da sua música e pelas diferentes coreografias que apresentam durante os seus espectáculos, com base em temas da cultura tradicional".


Foto e legenda: AD - Acção para o Desenvolvimento (2007) (com a devida vénia...)



Ontem troquei com o Pepitpo uma série de notas (soltas) sobre o Simpósio... Aqui vão elas, numa escrita a quatro mãos. As respostas ou os comentários do Pepito vão em itálico (a azul escuro, a bold)

Pepito:

1. A notícia [sobre o lançamento oficial e público do Simpósio] já está na blogosfera...Obrigado pelas fotos.

2. Utilizei ontem também os 'retratos' dos antigos guerrilheiros do PAIGC... São rostos muitos expressivos... Espero encontrá-los em Guileje ou em Bissau, pelo menos alguns... Diz-me se todos estiveram na batalha de Guileje...

Todos estiveram, uns na operação de reconhecimento, mas a maioria na batalha.


3. Queria dar os parabéns ao(s) teu(s) fotógrafos(s) (e operadores de DVD), mas não sei os nomes... Diz-me quem são, para lhes atribuir os créditos fotográficos...É uma justa homenagem.

Estou em dívida contigo: vou mandar a lista do núcleo duro e agora esta que pedes.


4. Quanto às tuas bebidas, elas vão fazer um enorme sucesso. Confirma a minha definição de 'pó de pila'... Achei uma maravilha de humor (africano)... Cá na terra também usamos, na gíria da noite, expressões desse tipo, para os cocktails nos bares e discotecas (em geral, muito sexistas e machistas)... Não consegui perceber qual é a composição... Mas o segredo é a alma do negócio... Julgo que são sumos de frutas vossas...

Olha que não há nenhum segredo. Cada sumo tem a sua composição: cabaceira, tamarindo, farroba, etc, tudo frutos silvestres. O "pó di pila" é exactamente uma aposta nos dois sentidos da palavra: um é o que tu estás a pensar (por isso leva gengibre!!!!!) e o outro refere-se ao pau do pilão...

5. Sou fã do Grupo de Teatro Os Fidalgos. Viu-os em cena no Teatro Dona Maria, em Lisboa, em meados de 2007....Vai ser outro sucesso o teu sarau cultural...

6. Devias mandar para a Lusa a notícia do Lançamento Oficial do Simpósio, se é que não o fizeste... É importante a cobertura mediática para o evento... Gostei do cartaz: Guiné-Bissau, terra de história e de cultura... Vou protestar contra a RTP-África e mandar um reparo à RDP-África...

Tens toda a razão, vou meter a Lusa nisto.

7. Há um camarada, nosso, tertuliano que está a caminho de Bissau: tu conhece-lo bem, é o meu/nosso amigo Xico Allen... Vai com o Fernado, do Clube de Caça do Saltinho... Partiu no mesmo dia em que saiu do Portyo o Padre Almiro Mendes... Deves ter lido a nossa notícia... O Xico voltará depois para partir, de novo, noi Porto, na grande caravana do dia 21 de Fevereiro... Espero que ele chegue bem e te dê um abraço da nossa Tabanca Grande...

Claro que ele será bem vindo, como sempre .


8. Vou fazer um apelo para recolha de objectos, documenntos, fotografias, etc. que possam ter interesse para o teu/nosso museu de Guiledje...

Era formidável!

9. Quero ver se também incentivo a participação de mais malta no fórum do Simpósio (que, diga-se, não é muito amigável, a página está lenta...). Ontem deixei lá um comentário (por lapso, repetido)... Quem é o editor da página ? Está aí ? É alguém de vocês ?

Hoje fica actualizado

10. Boa continuação dos trabalhos. Toma cuidado contigo. Delega... Olha o stresse, que também mata...Luís.

A repercussão do Simpósio está ser extraordinária, cá e aí. Ontem recebi a confirmação da vinda de mais 4 Gringos.

PS - Amigos e camaradas que vão ao Simpósio:

Recados/informações importantes do Pepito:

(i) No nosso site têm estado a sair novas fotos no diorama e notícias nas "informações úteis". Dos militares que virão ao Simposio, alguns não nos mandaram as respectivas companhias. Podes pedir-lhes que dêm essa informação?

(ii) Informa-me se os companheiros que vêm de carro entram por S.Domingos. No caso afirmativo, eles devem passar a saber que a AD dispõe de instalações de acolhimento (alojamento) que eles poderão utilizar gratuitamente. Devem no entanto dizer a data em que por lá passam.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2008

Guiné 63/74 - P2481: Guileje: Simpósio Internacional (1 a 7 de Março de 2008) (11): Malan Camará... e a maldição dos 3 G + 1 J (Manuel Rebocho)

Guiné > Região de Tombali > Cantanhez > Cachambas Balantas, próximo de Jemberém (hoje, ois guineenses dizem e escrevem Iemberém)> CCP 123 / BCP 12 (1972/74) >12 de Fevereiro de 1973 > O Cabo Álvaro, o militar à esquerda na fotografia, pouco depois da captura do mais prestigiado chefe da Guerrilha no Cantanhez, o Comandante de Bigrupo Malan Camará, ferido por um disparo de Sneb (1), "que eu próprio mandei disparar" (Manuel Rebocho).


Foto: Costa Ferreira (gentilmente cedida pelo Manuel Rebocho) (2007).


Malan Camará, um antigo guerrilheiro do PAIGC, que operou na zona do Cantanhez, um dos convidados especiais do Simpósio Internacional de Guiledje. No âmbito do Projecto Guiledje, foi entrevistado pelas equipas de investigadores da AD - Acção para o Desenvolvimento (que gravaram o seu depoimento em DVD). O Manuel Rebocho quer saber se é o mesmo Malan Camará, da foto de cima, ferido e capturado pelo seu Grupo de Combate da CCP 123 / BCP 12, em 12 Fevereiro de 1973. Acontece que Malan é um nome vulgar, entre fulas e mandingas, e Camará é também um apelido muito frequente entre os fulas... Na CCAÇ 12 (Bambadinca, 1969/71) tínhamos vários Malan e vários Camará, embora nenhum Malan Camará (que julgo ser nome de mandinga) (LG).

Foto: Guiledje - Simpósio Internacional (2007) (com a devida vénia...).


1. Texto do nosso camarada Manuel Rebocho, ex-sargento paraquedista da CCP 123 / BCP 12 (Guiné, Maio de 1972/Julho de 1974), hoje Sargento-Mor Pára-quedista, na Reserva, e doutorado pela Universidade de Évora em Sociologia da Paz e dos Conflitos (tese de doutoramento: "A formação das elites militares portuguesas entre 1900 e 1975") (2).


Amigos Luís Graça e Pepito:

Na sequência da publicação, no nosso blogue, de algumas fotografias, de antigos guerrilheiros do PAICG, verifiquei, particularmente, a de Malan Camará (3). Enviei um e-mail para o Pepito solicitando a gravação das declarações de Malam Camará.

O Pepito respondeu-me, de imediato dizendo:

“Conto passar por Portugal no final de Março e nessa altura dar-te-ia a gravação da entrevista do Malan Camará. Vou pedir que me façam uma gravação em DVD.
abraço
pepito”


No meu mail não especifiquei a razão do meu interesse. O que eu pretendo saber é se o Malam Camará que surge no blogue, é o mesmo que está na fotografia em anexo, a qual consta na minha obra de doutoramento.

No blogue diz o Pepito hoje, dia 25 de Janeiro de 2008, referindo-se à apresentação pública do Simpósio sobre Guiledje:

“Como o assunto era relativo à História e Cultura, a televisão nacional e a RTP África, sempre mais preocupadas em dar relevo a outras questões mais relevantes como o narcotráfico e a presença da AL-QAEDA, primaram pela ausência. Critérios....”

Naturalmente que é assim, e assim será no futuro, pois não te esqueças que as histórias são sempre contadas pelos vencedores. E, nem os vencedores (PAIGC), nem os heróis portugueses, de Guiledje e Gadamael, integram “a classe de poder em Portugal”. Nota, que classe de poder não significa classe no poder, são classes diferentes.

As discussões que envolvam Guiledje, Gandamael Porto e Guidaje (os três G’s, como define o nosso amigo Leopoldo Amado) e ainda Jemberém, que eu lhe acrescento, não interessam àqueles que se consideram “os donos do 25 de Abril” e que, a partir de méritos que não são seus, se constituem na classe de poder em Portugal.

Só uma pequena achega para ilustrar um pouco esta ideia que é científica, pois resulta da minha tese de doutoramento, na qual me foi atribuída a classificação máxima.

Na sequência do abandono de Guiledje, em que as tropas portuguesas fugiram para Gadamael Porto, no dia 22 de Maio de 1973, ficaram instalados neste último Destacamento cerca de 600 homens, 4 companhias, o equivalente a 1 Batalhão, a que correspondia 1 Tenente-Coronel, 2 Majores e 4 Capitães. No entanto, aqueles homens eram comandados apenas por dois Capitães, e estes milicianos, naturalmente.

Os capitães milicianos foram feridos e evacuados no dia 30 de Maio de 1973, do que resultou que aquelas 4 companhias, ou aquele amontoado de militares portugueses, ficassem tão só sob o comando de um Alferes miliciano, ou de ninguém, para ser mais preciso.

Ao mesmo tempo, em Jemberém, que fica a cerca de 18 km a oeste de Gadamael Porto, no coração do Cantanhez, como sabemos, estavam colocadas duas companhias, também elas, comandadas por um Alferes miliciano (já nem os Capitães milicianos queriam estar nas zonas de combate, sobrava já tudo para os Alferes milicianos).

Se a guerra tivesse continuado, só lá ficavam os Soldados, estou certo. Como afirmo na minha tese de doutoramento, os Oficiais de carreira fugiram literalmente das zonas de combate.

No dia 22 de Maio de 1973, o dia da fuga de Guiledje, Spínola enviou uma nota ao Ministro do Ultramar, dizendo que não tinha meios para continuar a guerra. Em resposta, o governo fez publicar, no dia 13 de Julho seguinte, o Decreto-Lei n.º 353/73, onde determinava uma nova metodologia de formar Capitães, o que desagradou aos Capitães da Academia, que se viam recambiados para o mato, onde eles não queriam estar.

Para combater esta decisão, que não lhe agradava, revoltaram-se contra quem os formou e lhe atribuiu o estatuto que possuíam. Afirmando-se então, que tal revolta, tinha origens em princípios democráticos, o que não era verdade.

Por tudo isto, há que silenciar estes 4 nomes, [(Guiledje, Gandamael Porto, Guidaje (onde estava colocada uma Companhia de nativos, a 19.ª, cujos graduados eram europeus milicianos, e onde a vergonha ainda foi maior) e Jamberém] que eu não apago da minha memória, mas que, como disse, incomodam a classe de poder.

Portanto, meu amigo Pepito, não estranhes e conta só com o silêncio. Mas nem tudo será mau, contas com muitos amigos e com o nosso blogue que não se cala.

Percebeste um pouco da minha mágoa em não estar no “teu/nosso Simpósio”, mas também percebeste porque não posso.

Nota:

Se o Malan Camará das duas fotografias é o mesmo, posso adiantar-te que o ferimento lhe foi provocado no dia 12 de Fevereiro de 1973, nas Cachambas Balantas, próximo de Jemberém (4), por um disparo de Sneb, que eu próprio mandei disparar – era ele, ou eu e os meus homens – foi assim a guerra, que só a conheceu quem a fez.

Malan Camará, ou os homens sob o seu comando, mataram-me um soldado, o Azinheirinha, e feriram gravemente o Alferes, razão pela qual assumi o comando do pelotão.

Mas como vês, ou se pode ver, Malam Camará foi tratado e evacuado de helicóptero para o Hospital Militar de Bissau, onde foi bem tratado. E não foi evacuado por engano, eu pedi uma quarta aterragem de helicóptero, dizendo expressamente que era para evacuar um elemento IN ferido. O General Spínola, que estivera no local falando connosco, ouviu as comunicações rádio e não se opôs, o que permite que eu afirme que este género de humanidade era assumido pela mais alta hierarquia. (*)

Hoje, os que fugiram da guerra, para o ar condicionado, dizem de Spínola “cobras e lagartos”, mas têm mais defeitos do que ele, enquanto o não assemelham nas virtudes.

A guerra em que eu participei, foi uma guerra violenta, mas humana, dentro do possível claro. Não a do ar condicionado nem a da violência gratuita.

Um grande abraço aos dois

E que o nosso Simpósio seja um sucesso

Manuel Rebocho

________________

Notas de L.G.:

(*) Bold da responsabilidade do editor

(1) SNEB: rocket antipessoal, de calibre 37 mm, que equipava o T-6 e que também era usado pelos pára-quedistas (e depois, por outras forças) como LGFog.

(2) Vd. postes do Manuel Rebocho:

14 de Junho de 2006 > Guiné 63/74 - P877: Nós, os que não fazemos parte da história oficial desta guerra (Manuel Rebocho)

"(...) tomei contacto com o vosso/nosso blogue, através do então Furriel Miliciano José Casimiro Carvalho, da CCAV 8350 (a que abandonou Guileje, em 22 de Maio de 1973), o grande herói de Gadamael Porto, que, não obstante isso, também não faz parte da história oficial da Guerra da Guiné"(...).

28 de Junho de 2006 > Guiné 63/74 - P919: Vamos trasladar os restos mortais dos nossos camaradas, enterrados em Guidage, em Maio de 1973 (Manuel Rebocho)

21 de Setembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1099: O cemitério militar de Guidaje (Manuel Rebocho, paraquedista)

4 de Outubro de 2006 > Guiné 63/74 - P1150: Carta a Pedro Lauret: A actuação do NRP Orion na evacuação das NT e da população de Guileje, em 1973 (Manuel Rebocho)

5 de Outubro de 2006 > Guiné 63/74 - P1151: Resposta ao Manuel Rebocho: O papel do Orion na batalha de Guileje/Gadamael (Pedro Lauret)

17 de Outubro de 2006 > Guiné 63/74 - P1187: Guidaje: soldado paraquedista Lourenço... deixado para trás (Manuel Rebocho).

22 de Janeiro de 2007 > Guiné 63/74 - P1453: Ninguém fica para trás: uma nobre missão do nosso camarada ex-paraquedista Manuel Rebocho

(3) Vd. poste de 24 de Janeiro de 2008 > Guiné 63/74 - P2478: Guileje: Simpósio Internacional (1 a 7 de Março de 2008) (9): Inimigos de ontem, amigos de hoje

(4) O Victor Tavares, que pertenceu à CCP 121 / BCP 12, camarada do mesmo batalhão e da mesma arma do Manuel Rebocho (CCP 123 / BCP 12) , já referiu o mesmo episódio, mas as datas não batem certo. Ele diz que quem capturou o Malan Camará foi a sua unidade, a CCP 121, em 22 de Dezembro de 1972. Será o mesmo Malan Camará ? Trata-se de um nome vulgar, mas também já é muita coincidência...

(...) 22 de Dezembro de 1972: captura do comandante do bigrupo de Malan Camará

Dia 22 de dezembro, o primeiro bigrupo da CCP 121 parte para mais um patrulhamento desta vez com destino as Caxambas Balantas, depois de andadas algumas horas atravessando matas, bolanhas e rios alguns de difícil passagem derivado ao imenso lamaçal e arvoredo rasteiro ou Tarrafo aonde nos enterrávamos até à cintura e por vezes mais a cima, tendo que ser ajudados pelos camaradas que mais rapidamente chegavam a margem segura.

(...) Referenciámos três pessoas desarmadas que seguiram o seu destino. Aqui montámos uma emboscada. Passados cerca de 10 minutos aparece uma mulher com uma criança as costas também no mesmo sentido. Poucos minutos passaram e aparecem pela mesma picada mas no sentido inverso 4 Guerrilheiros armados. Quando estes se aproximavam dos nossos homens da frente , estes abriram fogo abatendo de imediato 2 guerrilheiros ferindo os outros dois, tendo um deles conseguido fugir. Capturámos o outro, sendo ele o comandante de bigrupo de Simbeli, Malan Camará. (...)


Vd. poste de 15 de Agosto de 2007 > Guiné 63/74 - P2051: Os pára-quedistas no mítico Cantanhez: Operação Tigre Poderoso (II parte) (Victor Tavares, CCP 121 / BCP 12)

Guiné 63/74 - P2480: Operação Macaréu à Vista - Parte II (Beja Santos) (17): Cartas de Bambadinca, Dezembro de 1969

Moçambique > 1969 > O Alf Mil Carlos Sampaio, o grande amigo de Beja Santos, com quem se correspondia regularmente. Os dois tinham projectos para a vida civil, como por exemplo criar uma editora livreira. O Carlos nasceu em Anadia, a 19 de Novembro de 1946 e morreu, em combate, em Moçambique, em Nambude, em 2 de Fevereiro de 1970 (1) (LG).

Foto: © Beja Santos (2008). Direitos reservados.


Texto enviado pelo nosso camarada Beja Santos (ex-Alf Mil, comandante do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), em 27 de Novembro de 2007:

Luís,

Aqui vai novo episódio. Não sei como vai ser, mas este novo livro deverá estar pronto até Julho, não sei se tenho saúde para tanto. Os dois livros citados seguem hoje pelo correio. Muito obrigado pelo acolhimentro que deste aos pedidos de imagens do Círculo de Leitores. Estou convencido que aquela imagem do Humberto, na travessia da bolanha bem aguada, vai dar uma capa fabulosa. Segue igualmente uma fotografia do José Braga Chaves, referido neste episódio.

Um abraço,
Mário


Operação Macaréu à Vista - Parte II > Episódio XVII > Cartas de um militar de além-mar em África para aquém em Portugal e outras paragens em África
por Beja Santos (2)

(i) Para Cristina Allen

Meu adorado Amor,

Mal recebi as tuas notícias, e porque tinha que ir buscar o correio a Bafatá, fui de novo à administração tratar da procuração onde faltava o nome e idade dos teus pais (já enviei por correio a procuração anterior, que ficou sem efeito). Confirmo com muita tristeza que não terei direito a férias em 1970, pelo que teremos que decidir o casamento por procuração, aguardando o meu regresso para a cerimónia religiosa.

Lembro-te que continuo sem descanso, Dezembro é sempre um mês com mais medidas de segurança, sobretudo junto ao Natal e ao Ano Novo. Não vejo circunstância, pois, para pensar em casarmo-nos aqui. Vamos esperar serenamente o desenrolar dos acontecimentos.

Pouco mais posso adiantar sobre o meu futuro do que aquilo que já sabes: esta penosa intervenção com idas às tabancas, emboscadas nocturnas, patrulhas, períodos nos Nhabijões e no tal local horrível de que te falei, a ponte de Udunduma. Além disso, temos as operações. Participei há dias numa operação na região de Mansambo a que puseram o nome de Lua Nova. Tu estarás porventura esquecida mas logo a seguir à operação Anda Cá, em Fevereiro, fomos a Mansambo, pouco antes de eu ir a Bissau. O objectivo era bater uma área onde os guerrilheiros tinham feito um santuário e que foi destruído pela aviação. Como sempre acontece na guerrilha, aproveitando-se das dificuldades naturais, sobretudo da floresta galeria que é muito comum naquelas áreas, eles voltaram de novo a instalar-se relativamente perto de Mansambo, supondo-se que em Biro e Galoiel, onde tínhamos estado em Fevereiro. Antes de fazermos esta operação, tinham lá estado forças helitransportadas que destruíram um acampamento em Biro e capturaram material.

O comando de Bambadinca decidiu que voltássemos a Biro para confirmar se os guerrilheiros tinham voltado. Falei-te há algum tempo que tínhamos ido fazer uma coluna de reabastecimento ao Xitole. A natureza ali não é particularmente bela, excepto quando nos aproximamos do Corubal. Disseram-me que os rápidos de Cusselinta são um deslumbramento, penso que para a semana teremos nova coluna de reabastecimento e iremos até ao Saltinho, e então terei a oportunidade de confirmar se esses rápidos são tão impressionantes como dizem.

Bom, os guerrilheiros podem atacar a estrada Bambadinca-Mansambo-Xitole mais facilmente se conseguirem ter bases avançadas nesta região que se chama Bissari. Saímos a 12 de Bambadinca, fomos até Samba Juli, até aí não é preciso picar, mais à frente um pelotão de milícias e um grupo de combate de Mansambo patrulharam a estrada e chegámos ao quartel a meio da tarde. Lá encontrei o capitão Neves e o Jorge Cabral, o irmão da tua colega Suzete, que está em Fá, povoação não muito longe de Mero e Santa Helena. Saímos de Bambadinca com dois grupos de combate de uma companhia de caçadores africanos. Tivemos um grande sofrimento com o frio, para quem não acredita que não há frio em África, seria bom que tivesse vindo connosco. Lá tivemos emboscados perto do Galoiel que assaltámos ao amanhecer.

Não te sei explicar a sensação de visitar um local que tu sabes que já teve vida, e até recentemente: os vimes e o colmo bem disfarçados sob a floresta serrada, os caminhos que estavam bem batidos, sem nenhum capim no seu interior, as marcas dos refúgios das armas pesadas, os restos das fogueiras. Transidos pelo frio mas muito tensos, lá percorremos todo o antigo acampamento onde não há vislumbre dos grupos que partem de Galo Corubal terem voltado.

Nós não temos ilusões, é tudo uma questão de tempo, logo que eles estejam reforçados hão-de regressar, já te escrevi a dizer que eles estão a fazer muita pressão à volta de Bambadinca, atacam as tabancas, raptam, exigem comida, sempre que podem recrutam guerrilheiros. Regressámos sem problemas mas eu vou demorar a esquecer esta emboscada com um cacimbo de rachar os ossos.

Guiné > SPM 3778 > 5 de Dezembro de 1968 > Envelope de carta estampilhada, enviada pelo Alf Mil Beja Santos, do Pel Caç Nat 52 (Missirá, 1968/69), à sua noiva Maria Cristina Allen. Na época, o custo em selos uma carta por via aérea (?) não era barato: 2$50...

Foto: © Beja Santos (2008). Direitos reservados.


Obrigado pelas notícias que me dás do Alcino, também a minha Mãe já me tinha dito que ele está pouco falador e recupera lentamente. Fiquei também a saber que o Jolá Indjai está a tratar da sua tuberculose num sanatório embora fale que quer voltar rapidamente. Sentimo-nos muito orgulhosos com as notícias que recebemos de que o Mamadu Camará, Adulai Djaló e Mamadu Djau vão ser condecorados, o processo do Cherno ainda está a ser analisado. O nome desta condecoração é Cruz de Guerra, por heroísmo em combate.

Estou nas lonas, nomearam-me gerente de messe, o que veio introduzir mais actividades como as de comprar chávenas, queijo e conservas para os meus exigentes clientes de bar. Confesso-te que não sei como vou recuperar energia, as insónias persistem e eu às vezes tenho medo de me esgotar. Recebe muitos beijinhos de quem vive sempre saudoso de ti.

(ii) Para Ruy Cinatti

Obrigado pela sua carta, obrigado pelos livros do Erich Maria Remarque e do Francis Ponge. Fico-lhe também a dever a atenção de ter ido visitar ao Hospital da Estrela os meus amigos Fodé, Paulo e Casanova. Desculpe andar arredio da escrita, não consigo habituar-me a este ritmo, não é um problema de caminhadas mais ou menos longas ou operações muito duras. É o ritmo, o viver separado dos meus homens, num estranho quartel onde há um porto importante, de onde partem colunas militares para outras regiões do Leste, a diversidade de tarefas deste patrulhas e emboscadas, vigiar estradas, ir buscar correio, acompanhar trabalhos de um reordenamento de populações que vivem junto ao rio Geba e, claro está, participar nas operações.

Neste lapso de tempo em que não lhe escrevi fui numa coluna ao Xitole, o comandante arranjou-me aqui uma historieta com uma professora gentil e de idade indefinida, a verdade é que até a fiquei a estimar e ela prometeu-me dar-me informações sobre a história do regulado do Cuor antes da guerra. Antes de começar a escrever estar carta, fui chamado ao major de operações que me informou que a partir de amanhã à tarde descansamos um dia pois vamos fazer uma operação numa região do Xime que se chama o Buruntoni, que envolve bastante risco. E à volta do Natal vou para um pseudodestacamento que se chama a ponte de Udunduma para proteger a estrada de Xime-Bambadinca.

O Carlos Sampaio escreveu-me da região de Cabo Delgado, há muitas minas e emboscadas, nesta região do Norte de Moçambique a guerra não dá tréguas. Sinto-o muito triste e vou hoje responder-lhe à carta que me escreveu na semana passada. Como V. é um grande poeta quero dizer-lhe que a capela do quartel do Xitole me tocou muito, pedi protecção a uma cruz em bissilão antes de partir para a estrada que me trouxe de novo a Bambadinca. E ontem, no regresso de Mansambo, parei junto de um poilão à entrada da estrada de Moricanhe onde vi um pedaço de camisa a flutuar ao vento e um dos meus soldados disse-me que aquela roupa está colada com carne e sangue, é o resto de um milícia que se volatilizou quando picava a estrada e foi atingido por um fornilho.

Não querendo abusar da sua generosidade, peço-lhe que visite o cabo Alcino Barbosa que está nos serviços de ortopedia da Estrela. Aproximando-se o Natal, louvo os meus amigos mais queridos, por quem cantam anjos e serafins, desejo-lhe toda a paz, todas as bençãos de Deus e agradeço-lhe todo o bem que me faz e aos quem mais estimo.


(iii) Para Carlos Sampaio

Meu querido Carlos,

Gostei muito que me tivesses escrito mas estou apreensivo com as dificuldades que atravessas. Vejo bem que essa tua guerra não é muito melhor que a minha, mas chocou-me que tenhas escrito dizendo que destruíste todos os teus quadros e praticamente todos os teus poemas, quando estivestes em férias. Para estes há remédio, ficaram cópias e tu não podes entrar em nossas casas. Quero só lembrar-te que deixei ao cuidado da minha Mãe aquele quadrinho que pintaste na Anadia e a quem eu chamo “A noite de Águeda”, em homenagem a toda a noite em que andámos de bicicleta, aproveitando o luar e petiscando nas tasquinhas. Bom seria que não te esquecesses dos projectos que teremos em comum, quando a guerra acabar: nós vamos ser editores, Carlos, escolher os autores, lançar obras de acordo com um bonito projecto editorial.

Vá, não esmoreças, não deixes de fazer poesia, escreve-me um pouco mais, tu não imaginas o contentamento que tenho quando chegam as tuas cartas, a surpresa dos livros que me mandas. Um abraço muito grande, desculpa acabar aqui, vou jantar e depois partimos para uma emboscada a escassos quilómetros de Bambadinca, mas prometo escrever mais antes do Natal, que Deus te acompanhe sempre.


(iv) Para José Braga Chaves

Soldadão e amigo,

Recebi carta da tua irmã que quer estudar enfermagem e também tive notícias da Lúcia de Fátima, muito saudosa de ti. Obrigado pela tua fotografia, tens que me explicar que arma é aquela que pões à ilharga e para que é que precisas da faca de mato ao ombro. Já não estou na região de Missirá, agora estou na sede de batalhão, onde não me consigo aclimatar, são afazeres e obrigações que não matam mas moem. Tanto posso emboscar ou patrulhar como partir subitamente para uma operação ou ficar num destacamento para impedir que os guerrilheiros avancem sobre Bambadinca. Sempre dormi bem, mesmo a vida duríssima que levei em Missirá não me impediu de ter energia, coisa que aqui não consigo e começo a sentir muitas preocupações com as insónias, quero evitar comprimidos para dormir. Mas o médico já me avisou, se isto continuar tenho que ir fazer uma curta cura de sono.

Desejo-te umas boas férias em Lourenço de Marques e fica prometido que vou ao teu casamento, quando a guerra acabar para nós. Muitas felicidades, despeço-me aqui, faço votos para que tenhas um Natal feliz, e agora vou escrever para os Açores.


(v) Para Marino Teves

Meu inesquecível Marino,

Foi tão bom receber as suas orações, saber que não me esqueceu, que todos vós, aí nos Açores, estão em cuidado comigo. Ora quem está em falta sou eu. Nunca lhe agradeci esse admirável romance que é Por Quem os Sinos Dobram, de Ernest Hemingway. Li e reli este drama pungente sobre a Guerra Civil de Espanha, nunca mais vou esquecer Robert Jordan, Maria, Pilar, Anselmo, Pablo e tantos outros combatentes. O que me cativa em Hemingway é essa característica de documentário e narrativa tão humanas, a singeleza das frases, a autenticidade dos diálogos. Documentário por que temos ali a crueldade da guerra, os fuzilamentos, o ódio dos fascistas pelos republicanos e vice-versa, ele recorre a expressões duras, a imagens compactas mas elucidativas. Por exemplo, quando ele se refere à pureza de sentimentos que desaparece nos sobreviventes e nos vencedores a propósito da defesa de uma posição e da verdadeira camaradagem, a dureza da disciplina:

Capa do famoso romance sobre a Guerra Civil Espanhola (1936/39), de Ernest Hemingway, Por quem Os Sinos Dobram. Lisboa: Livros do Brasil, s/d. (Colecção Dois Mundos, 24). Capa de Bernardo Marques.

Foto: © Luís Graça & Camaradas da Guiné (2008). Direitos reservados.

“Sob os obuses os homens acovardavam-se e fugiam, e ele viu esses homens a serem fuzilados e abandonados à beira dos caminhos, sem que ninguém se preocupasse com eles se não para lhes tirar os cartuchos e tudo o que tivessem que valesse alguma coisa. Tirar os cartuchos, as botas e os casacos de couro, era coisa normal. Tirar os valores era apenas realista, o meio de impedir que os anarquistas o fizessem”.

Como se recordará, a missão de Roberto Jordan é de dinamitar uma ponte para impedir a progressão dos exércitos fascistas, quando o general Golz ordenar. Roberto vive num acampamento com os partisans, algures não muito longe de Segovia, é aí que nasce a sua relação com Maria, aí que vem ao de cimo todas as memórias da sua América, as razões da sua luta, são inesquecíveis as suas recordações no Hotel Gaylord, onde encontra Karkov e Kachkine. Jordan é o Inglés para os seus camaradas espanhóis.

Meu querido Marino, a mensagem de Jordan/Hemingway quando vai morrer depois de ter dinamitado a ponte é eloquente, como numa oração ele recorda que o seu combate foi a certeza da sua vida, o mundo é belo e merece que se lute por ele, dói-lhe deixá-lo. Jordan teve uma vida boa, lamenta não poder transmitir o pouco que aprendeu, questiona quem é que aceita melhor este momento de morrer, a religião conforta muito e morrer só é mau quando demora muito tempo e faz sofrer tanto que nos oprima. Serenamente, ele aguarda a passagem do tenente Berrendo para o matar. Agora percebo bem a citação que Hemingway faz de John Donne: “E não me perguntes por quem os sinos dobram; eles dobram por ti”.

Neste preciso instante, estou cheio de saudades do Natal de 1967. Lembro a emoção com que vocês participaram na organização da festa de Natal nos Arrifes, arranjámos lembranças para todos os meus soldados marienses que ficaram retidos em S. Miguel. Fui numa Ford Canadá até à Ribeirinha, com serrotes e machados para cortar ramos de araucária, a finalidade era forrarmos as paredes de uma garagem onde se ia realizar a festa de Natal. No regresso houve um curto-circuito na Ford Canadá mas ao amanhecer entrámos triunfalmente nos Arrifes, ali se montou o presépio com o vosso lindo Menino Jesus, houve cânticos ensaiados pelo padre Agostinho e depois percorremos as ruas dos Arrifes a saudar a população.

Ainda hoje escrevi ao José Braga Chaves, mas esqueci-me de recordar esta história. Lembro-me dos meninos que iam comer as sobras do rancho, o que me doía era a sua alegria espontânea no meio daquela terra de verdura que me lembrava a Suíça. Mudei de quartel mas não mudei de trabalhos. Como estamos no Natal, não vos canso mais com as minhas atribulações. Hossanas para todos vós, a minha gratidão é enorme e beijo-vos muito. Deus permita que vos possa visitar em breve.

Lisboa > s/d > O Mário Beja Santos, com a senhora sua mãe.

Foto: © Beja Santos (2008). Direitos reservados.


(vi) Para Ângela Carlota Gonçalves Beja

Minha querida Mãezinha,

Agradeço-lhe muito as visitas que faz aos meus feridos. Gosto muito de receber os seus postais e de saber que viaja mesmo cheia de dores com as suas artroses. Olho para o calendário e vejo que dentro de oito, nove meses nos iremos reencontrar. Não lhe quero esconder que estou profundamente exausto e contínuo a não compreender porque é que me diz coisas tão duras nas suas cartas.

Deu-me satisfação ter recebido os livros que me mandou, aproveito logo os policiais para meter no bolso do camuflado e ler aos poucos, nas colunas de transporte ou nas pausas. Achei interessante O caso da Fotografia Misteriosa, de Erle Stanley Gardner. Desta vez Perry Mason confronta-se com um cliente muito inteligente e astuto J. R. Bradbury que lhe vem pedir que contacte Frank Patton, um aldrabão que contratava jovens bonitas para uma empresa cinematográfica à procura de novas beldades. Patton enganava tudo e todos, desaparecia de um local e reaparecia noutro. Agora estava em Nova Iorque, era preciso metê-lo na cadeia ou então obrigá-lo a indemnizar uma rapariga, vítima da sua última maquinação, fazendo Patton confessar a sua intenção fraudulenta. Inicia-se a investigação, Mason descobre Patton assassinado, todas as pistas apontam para um médico que gosta da jovem enganada pelo agiota assassinado.

Capa do romance policial deErle Stanley Grardner, O Caso da Fotografia Misteriosa. Livros do Brasil: Lisboa, 1948. (Colecção Vampiro, 16). Capa de Cândido Costa Pinto.

Foto: © Luís Graça & Camaradas da Guiné (2008). Direitos reservados.


A dedução de Perry Mason, e estou em crer que o seu diálogo com J. R. Bradbury no desenlace final, vai passar à história da literatura policial. Confesso-lhe estar muito cansado, aproxima-se o Natal, redobram as medidas de segurança, não paramos um só dia, felizmente que tenho um excelente relacionamento com todos os meus camaradas de Bambadinca.

Vou amanhã a Bafatá enviar-lhe as suas lembranças de Natal. Nós aqui não faremos festa, haverá um rancho melhorado, não sei onde passarei o Natal com os meus soldados. Prometo escrever em breve, tenho muitas saudades tuas, às vezes vou até ao cais de Bambadinca e olha de lá longe até Finete e junto as recordações todas, há momentos de tristeza mas é a quase certeza de que em breve os vou rever que me mantém cheio de vida e optimismo.

Despeço-me escrevendo uma homenagem para si:

“Guardo toda a tua memória, minha querida Mãe, dentro desta caixa com atilhos onde as palavras gravitam o meu ego coral: Missirá, helicóptero, não posso mais, um ferido às costas, a derradeira saudação. Daqui remete fulano tal, SPM 3778. O meu nome não existe ou melhor está desfigurado e transformado noutros como sejam: Cibo, Adulai, Alcino, Cherno ou Teixeira. Isto passa-se porque estou em África e o meu nome renova-se noutros, neste fasto onde me cerco de espelhos voláteis. Às vezes escrevo cheio de raiva, retalho, esventro e entrego à pira os meus soluços, a minha solidão, a minha coabitação, a escrita torna-se pássaro, sol posto, sol coado, tabaco agridoce. Em todos esses momentos cinzelo o teu nome e amo-te sem medir as distâncias, comprovando que o nosso sangue é espesso e que tu és luar textual”.

Um grande beijinho e até amanhã.

____________

Notas de L.G.:

(1) Vd. postes de:

21 de Julho de 2007 > Guiné 63/74 - P1979: Da Guiné a Moçambique, era (também) assim que comunicávamos a nossa dor (Beja Santos)

11 de Junho de 2007 > Guiné 63/74 - P1833: Operação Macaréu à Vista (Beja Santos) (49): Cartas de além-mar em África para aquém-mar em Portugal (4)

(2) Vd. poste de 18 de Janeiro de 2008 > Guiné 63/74 - P2449: Operação Macaréu à Vista - Parte II (Beja Santos) (16): Aqueles dias cinzentos e nómadas de Bambadinca em Dezembro

Guiné 63/74 - P2479: Guileje: Simpósio Internacional (1 a 7 de Março de 2008) (10): Lançamento oficial, ignorado pela RTP-África

Guiné-Bissau > Bissau > Universidade Colinas do Boé > 24 de Janeiro de 2008 > Cerimónia de lançamento oficial do Simpósio Internacional de Guileje > Mesa, presidida pela Ministra dos Combatentes da Liberdade da Pátria, Isabel Buscardini.

1. Mensagem, com data de ontem, do nosso amigo Pepito, da comissão organizadora do Simpósio Internacional: Guileje na rota da Independência da Guiné-Bissau (1):

LANÇAMENTO OFICIAL DO SIMPÓSIO

Foi hoje, dia 24 de Janeiro, feita a apresentação oficial e pública do Simpósio Internacional de Guiledje.

O acto decorreu nas instalações da Universidade Colinas do Boé sob a presidência da Ministra dos Combatentes da Liberdade da Pátria, Isabel Buscardini, na presença dos Embaixadores da União Europeia, de Portugal, da Guiné-Conakry, de Cuba, do Senegal, dos representantes do INEP - Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa, AD - Acção para o Desnvolvimento e Universidade Colinas de Boé, dos orgãos de comunicação social privados e comunitários, bem como de muitos jovens interessados pela História da Guiné-Bissau.

Como o assunto era relativo à História e Cultura, a televisão nacional e a RTP África, sempre mais preocupadas em dar relevo a outras questões mais relevantes como o narcotráfico e a presença da AL-QAEDA, primaram pela ausência. Critérios....

A sessão começou com a apresentação de um conjunto de slides evocativos de Guiledje, das companhias portuguesas que por lá passaram, dos combatentes do PAIGC e do Quartel antes e depois do assalto final.

O Grupo Os Fidalgos apresentaram um excelente conjunto de músicas guineenses, algumas das quais serão repetidas no Sarau Cultural que ocorrerá durante o Simpósio [Vd. programa no sítio ofical do Simpósio].

Guiné-Bissau > Bissau > Universidade Colinas do Boé > 24 de Janeiro de 2008 > Cerimónia de lançamento oficial do Simpósio Internacional de Guileje > Dois momentos da actuação do Grupo Teatral Os Fidalgos ( 2).

Seguiram-se as diversas intervenções dos promotores e patrocinadores (3) que realçaram a importância do Simpósio como contributo para a reconciliação nacional à volta de valores fundamentais como a Independência e a figura impar de Amílcar Cabral, a aproximação ainda maior dos guineenses e portugueses, os ensinamentos da Luta para esta nova fase de desenvolvimento e o facto de ser a primeira vez na história que antigos povos que se confrontaram de armas na mão se vão encontrar de forma fraternal para abordar o seu passado comum.

Todos consideraram que o Simpósio irá contribuir para a criação de uma nova imagem da Guiné-Bissau, um país de HISTÓRIA e CULTURA.



Guiné-Bissau > Bissau > Universidade Colinas do Boé > 24 de Janeiro de 2008 > Cerimónia de lançamento oficial do Simpósio Internacional de Guileje > Dois aspectos da assistência

A finalizar, procedeu-se a uma breve degustação de algumas bebidas feitas com aromas silvestres e que serão consumidas durante o Simpósio, tendo três delas ganho o primeiro combate: Grad, Pó di Pila e Patchanga.


Guiné-Bissau > Bissau > Universidade Colinas do Boé > 24 de Janeiro de 2008 > Cerimónia de lançamento oficial do Simpósio Internacional de Guileje> Três bebidas, de produção artesanal, premiadas...

Repare-se no nome das bebidas, associadas ao armamento do PAIGC: Grad, Pó di Pila e Patchanga. Recorde-se que: (i) o Grad, ou Graad, ou Jacto do Povo, era o Foguetão 122 mm; (ii) a Patchanga era a famosa irritante 'costureirinha' (segundo a designação dos 'tugas'), a Pistola-Metralhadora SHPAGIN Cal 7,62 mm M-941 (PPSH), de origem soviética; (iii) O Pó de Pila deveria ser o Lança Granadas-Foguete PANCEROVKA P-27 (também conhecido, na giría dos guerrilheiros do PAIGC, como Bazuca Bichan, Lança Grande, Pau de Pila)(4). (LG).

Fotos: © Pepito / AD- Acção para o Desenvolvimento (2008). Direitos reservados. (Texto e fotos editados por L.G.)

__________

Notas de L.G.:

(1) Vd. último poste desta série:

24 de Janeiro de 2008 > Guiné 63/74 - P2478: Guileje: Simpósio Internacional (1 a 7 de Março de 2008) (9): Inimigos de ontem, amigos de hoje

(2) Este grupo de teatro tem um blogue próprio, um "sítio que aborda a cultura na Guiné Bissau", e que se chama justamente Os Fidalgos. Animam também o Centro de Intercâmbio Teatral de Bissau, que é uma parceria com a AD - Acção para o Desenvolvimento (do nosso Pepito) e a Cena Lusófona.

Em meados de 2007 tive o privilégio de assistir, no Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa, ao espectáculo apresentado por este grupo, com a peça Namanha Makbunhe (escrita a partir da obra-prima Macbeth, de William Shakespeare).

Vd. também poste de 10 de Junho de 2007 > Guiné 63/74 - P1831: Macbeth em África ou Namanha Makbunhe no Teatro da Trindade, com os Fidalgos, grupo de teatro de Bissau (Beja Santos)

(3) Promotores:

Acção para Desenvolvimento (AD)
Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa (INEP)
Universidade Colinas do Boé (UCB)

Patrocionadores:

Governo da Guiné-Bissau
União Europeia
Instituto Português de Apoio ao Desenvolvimento (IPAD)
Instituto Marquês de Valle Flôr

Comissão de Honra:

Presidente da República da Guiné-Bissau, General João Bernardo Vieira
Dr. Francisco Benante, Presidente da Assembleia Nacional Popular da Guiné-Bissau
Dr. Martinho N’Dafa Cabi, Primeiro-Ministro da Guiné-Bissau
Doutor Nuno Severiano Teixeira, Ministro da Defesa de Portugal
Doutor João Cravinho, Secretário de Estado da Cooperação Internacional de Portugal
Prof Doutor Patrick Chabal, docente da King’s College, Londres, Grã-Bretanha
Prof Doutor Luís Moita, Vice-Reitor da Universidade Autónoma de Lisboa, Portugal
Dr. Óscar Oramas, Ex-Embaixador de Cuba na Republica da Guiné-Conakry.
Prof Doutor João Medina, Professor Catedrático da Universidade de Lisboa, Portugal
Flora Gomes, Cineasta guineense
Prof Doutor Peter Mendy, docente no Rhoad Islands College, Boston, USA.

Links > Outros Sites

Luís Graça & Camaradas da Guiné

Xitole

(4) Vd. poste de 27 de Junho de 2007 > Guiné 63/74 - P1890: PAIGC: Gíria revolucionária... ou como os guerrilheiros designavam o seu armamento (A. Marques Lopes)

quinta-feira, 24 de janeiro de 2008

Guiné 63/74 - P2478: Guileje: Simpósio Internacional (1 a 7 de Março de 2008) (9): Inimigos de ontem, amigos de hoje

Mesna Tchude Nhanga

Idrissa Cumpom

Dauda Cassamá

Quissif Na Mboto

Cusna Sambé

Bacar Cassamá

Alficene Mané

Malan Djassi

Queba Djassi

Marcos da Silva


Malan Camará

Caldeira Mendes

Cadjali Cissé

Bion Na Biahatchiba

Laminé Camará

Eis alguns dos Antigos Guerrilheiros do PAIGC, que operaram na região sul, tendo alguns deles participado no cerco e ocupação de Guiledje, de 18 a 22 de Maio de 1973 (Op Amílcar Cabral). No âmbito do Projecto Guiledje, equipas de investigadores da AD - Acção para o Desenvolvimento entrevistaram-nos, gravaram e filmaram os seus depoimentos, em DVD. São também convidados especiais do Simpósio Internacional de Guiledje. Vamos ter, os tugas que lá forem, oportunidade de confraternizar com eles.

Olhando para estes rostos, alguns dos quais precocemente envelhecidos por uma vida duríssima (anos e anos de guerrilha pura e dura, a que se somaram as não menos penalizantes condições de vida e de trabalho num novo país independente, em construção), eu só consigo descortinar serenidade, sabedoria, coragem, experiência de vida... Talvez orgulho pela missão (cumprida), orgulho por terem sido protagonistas da sua própria história... Talvez (aqui e ali, e é preciso adivinhar) alguma desilusão, algum desencanto, algum desapontamento pelo rumo dos acontecimentos que nos escapam, pelos amanhãs que não cantaram (ou não cantaram para todos, para a grande maioria do povo)... Mas não vejo ódio, nem agressividade, nem ressentimento...

Foram homens, idealistas e generosos, que eram tão jovens como nós, e que amavam a sua terra como nós amamos a nossa, oriundos de diferentes comunidades e grupos, partilhando diferentes credos (animistas, muçulmanos, cristãos...), reunidos sob a mesma bandeira, e que, como combatentes, foram bons, determinados, abnegados, corajosos...

Também tiveram sorte no campo de batalha, que a sorte protege os audazes (como dizem os nossos comandos): hoje estão vivos; mas muitos milhares dos seus camaradas pagaram, com o sacrifício da sua própria vida, a sua opção pela luta de libertação... Estão vivos, mas não tiraram benefícios pessoais por ter sido guerrilheiros do PAIGC, combatentes da liberdade ou heróis vivos, aos olhos dos seus filhos, parentes, amigos, vizinhos...

Muitos voltaram a ser camponeses, um ou outro seguiu a pobre carreira de armas, outros quiçá já tiveram inclusive de sair do seu país, por motivos políticos, económicos ou outros... Que as revoluções também, aqui como noutros lados, costumam tragar muitos dos que as fazem...

Homens que ontem eram o IN, eram nossos inimigos (não individualmente, mas como exército, como máquina, como entidade mítica; porque estávamos, objectivamente, de um lado e de outro do campo de batalha, empunhando uns a Kalash e outros a G3...); homens que hoje queremos que sejam nossos amigos e até irmãos; homens que, no mínimo, merecem o nosso respeito, senão mesmo a nossa admiração... Há sempre em todas as guerras uma estranha cumplicidade entre combatentes de um lado e de outro...

Oxalá possam, todos estes antigos guerrilheiros do PAIGC, viver o que resta das suas vidas em paz, em segurança, em dignidade... E espero poder encontrar alguns deles em Guileje e dar-lhes um abraço do tamanho do Cumbijã, ou do Geba, ou do Corubal, ou do Cacheu, rios míticos de uma Guiné que também nos pertence um bocadinho, ou de algum modo... Quanto mais não seja, pela simples razão de que lá deixámos dois dos nossos verdes anos... (LG)


Fotos: Guiledje - Simpósio Internacional (2007) (fotos editadas por L.G).. Com a devida vénia... Parabéns ao(s) fotógrafo(s) da AD.

Guiné 63/74 - P2477: História do BCAÇ 2879, 1969/71: De Abrantes a Farim: O Batalhão dos Cobras (3) (Carlos Silva)

Continuamos a transcrever a História do BCaç 2879.

Depois da formação do Batalhão e da viagem rumo à Guiné, publicamos hoje a chegada a Bissau, com as impressões que a cidade deixou ao nosso Camarada Carlos Silva, ex-Furr Mil do Batalhão e hoje um ilustre advogado, há mais de vinte anos a defender causas de ex-combatentes brancos e negros.
vb
__________

Bissau-Breve descrição

Durante a estadia que foram de alguns dias na Amura e no Quartel dos Adidos, sediado nos arredores da cidade e a caminho do aeroporto de Bissalanca, sempre que surgia uma oportunidade e tínhamos possibilidade, apanhávamos boleia nas viaturas militares e lá íamos dar uma passeata até à baixa, onde éramos matraqueados com o célebre cantarolar de pelos mais velhos de “salta periquito, salta periquito, a velhice vai no metrópole”…




1969 – Vista aérea de Bissau e do ilhéu do Rei

Podemos caracterizar Bissau como uma cidade bastante bonita, simpática e alegre, plantada à beira mar, praticamente plana, com declives pouco acentuados, aliás, na Guiné o relevo é pouco acentuado.

Dotada de boas avenidas e ruas transversais, bastante arborizada com mangueiros, cajueiros, a ponciana, espécie de acácia que embeleza a urbe na época da floração, etc.

É de salientar a avenida principal, Av. da República, que parte da zona ribeirinha do Cais do Pidjiguiti até à Praça do Império, onde se situa o Palácio do Governador da Província.
A avenida marginal, lindíssima, repleta de palmeiras e coqueiros, passando pelo jardim junto à Fortaleza de S. José da Amura.

As ruas perpendiculares umas às outras, tem uma extensão enorme, como por exemplo a célebre Estrada de Sta. Luzia que parte da Fortaleza da Amura, e vai até onde ficava situado o Quartel-general. Nesta estrada situa-se o Hospital Civil Central.

As casas térreas, com a sua traça típica da época colonial e rodeadas de lindíssimos jardins, sempre bem tratados. Apenas se via um ou outro prédio de dois ou três andares, tal como aquele onde estavam instalados os serviços da TAP. Portanto, não destoavam do restante casario, enquadrando-se na cidade de forma harmoniosa.

Praticamente, com o início, por trás do Palácio do Governador, estendia-se até ao Quartel-General o célebre bairro designado por Pilum ou Pilão.

A cidade estava dotada de boas infra-estruturas escolares, Liceu Honório Barreto, hospitalares, Hospital Central – após a independência da Guiné passou a designar-se por Hospital Simão Mendes em homenagem a um combatente responsável pela área da saúde do PAIGC e que morreu em combate (1) e Hospital Militar, considerado um dos melhores hospitais da África Ocidental, desportivas, tais como o Estádio do Sport e Benfica de Bissau e outras, o Hotel Portugal e o Grande Hotel, pensões etc.

Infelizmente devido à guerra, havia muito movimento na cidade, pelo facto de ali se concentrarem milhares de militares. Os que ali estavam colocados, cumprindo a sua comissão até ao fim e os que estavam por lá em trânsito, ora aquando da sua chegada à Guiné, ali teriam de aguardar por transporte a fim de serem colocados nas suas respectivas zonas de intervenção no interior, ora quando aguardavam pela hora do embarque de regresso para a Metrópole.

Havia muito movimento devido à circulação constante das viaturas militares, na cidade, e, entre esta e as Unidades instaladas na periferia, a caminho do aeroporto, assim como se via uma grande circulação de viaturas civis.

Existia muita actividade comercial e de restauração. Na baixa, as lojas estavam completamente cheias; Casa Gouveia, Ultramarina, Pinto, Taufik Saad, Mercado Central etc. Os militares compravam tudo e mais alguma coisa. Desde roncos (2) para levarem para as suas famílias, namoradas e amigos, passando pela compra de máquinas fotográficas, aparelhagem, gravadores Akai, gira-discos, ventoinhas Termozeta, whisky, tapetes com motivos orientais, carpetes, arcas de cânfora, enfim, um mundo de objectos.

Nos restaurantes e cervejarias verificava-se um ambiente de frenesim constante, essencialmente com os militares. Os clientes não deixavam os empregados de mesa descansarem um minuto. Ora pedindo mariscada com aquele molho picante, gindungo, que sabor! Ora pedindo ostras, quentinhas a sair do forno, que maravilha! Bem regadas com cerveja grande bazucas, fantas, coca-cola, whisky, gin, etc., pois o calor apertava e a sede também, pelo que, havia uma grande necessidade de refrescar as gargantas sequiosas.

Deste modo, quer durante o dia, quer à noite, a rapaziada passava o tempo de lazer na cervejaria Sol Mar ou na esplanada do Bento, mais conhecida pelo Q.G, onde se saboreava o cair violáceo da tarde sob as acácias, numa amena cavaqueira, bebendo umas bazucas, apreciando a passagem de modelos multicoloridos das guineenses e de algumas europeias, ou ainda na mais recente e mais moderna cervejaria O Pelicano (3), situado na marginal, mais cosmopolita, onde à noite se podia desfrutar duma esplêndida vista para o cais e para o Ilhéu do Rei, experimentando os sabores, quer da comida guineense, ostras ou camarão com gindungo, chabéu, moqueca, caldo de mancarra, acompanhado dumas imperiais, bebendo um bom whisky, um refrescante gin tónico ou misturas destas bebidas alcoólicas com coca-cola que ainda não era conhecida na Metrópole e onde também se podia comer um bom bife com ovo a cavalo.

Os mais atrevidos davam uma saltada até ao Pilão (Cupilão ou Pilum) ver o desfile da moda feminina, aproveitando para satisfazer os prazeres da carne, não descurando a segurança, mantendo sempre um camarada de sentinela, ou então iam até à boite, designada pomposamente por Chez Toi, onde paravam as meninas da Metrópole.


Bissau, 1969 > Praça do Império e Palácio do Governador


Bissau, 1969 > Avenida da República: Casa Gouveia (à esquerda); Palácio da Justiça (à direita)


Bissau, Praça do Império,1969 > Monumento ao Esforço da Raça.

Bissau, 1969 > Praça do Império: Monumento ao Esforço da Raça, Palácio ao fundo.



Bissau, 1969 > Ponte Cais e Ihéu do Rei no Estuário do Rio Geba.


Bissau, 1969 > Av Marginal, com os seus belos coqueiros, Ponte Cais e Ihéu do Rei.




Bissau, 1969 > Av Marginal

Fotos: Carlos Silva

__________

Notas de Carlos Silva:

(1) Cabral, Luís, Crónica da Libertação – Edição “ O Jornal “ 1984, pág.

(2) Roncos -Objectos de missanga, amuletos etc. A palavra poderia também significar êxitos ou triunfos.

(3) O postal pode ver-se in Loureiro, João – Livro de Postais Antigos da Guiné, postal 102, pág. 66

__________

Nota de vb:

Fotos da responsabilidade de Carlos Silva e postal in Loureiro, João – Livro de Postais Antigos da Guiné, postal 102, pág. 66.

vd artigos de

20 de Janeiro de 2008 > Guiné 63/74 - P2464: História do BCAÇ 2879, 1969/71: De Abrantes a Farim: O Batalhão dos Cobras (2) (Carlos Silva)

15 de Janeiro de 2008 > Guiné 63/74 - P2440: História do BCAÇ 2879, 1969/71: De Abrantes para Farim : O Batalhão dos Cobras (1) (Carlos Silva)

Guiné 63/74 - P2476: Ser solidário (2): Notícias do Almiro Mendes e do Xico Allen na rota do Dakar, a caminho de Bissau (Álvaro Basto)

Matosinhos > 23 de Janeiro de 2008 > Minitertúlia de Matosinhos > Depois do almoço das Quartas-Feiras na Casa Teresa, a rapaziada disponível foi dar uma ajuda a preparar os 31 pacotes de dádivas que seguirão em breve para a Guiné, em contentor. Na foto, que foi tirada pelo A. Marques Lopes, reconheço mais três elementos da nossa Tabanca Grande (peço desculpa por não reconhecer os restantes): o David Guimarães (de pé, em primeiro plano, no lado direito); o Álvaro Basto, sentado, ao lado do António Pimentel (que está vestido de camisola azul); e, ao fundo, de pé, o Zé Teixeira. Alguns destes camaradas (o Álvaro, o Pimentel, o Teixeira, por exemplo) partirão em breve, de jipe, para Guiné-Bissau, num caravana de sete jipes e uma carrinha, devendo chegar a Bissau a 29 de Fevereiro de 2008. A eles se juntará, entretanto, de novo em Matosinhos, o Xico Allen, o nosso globetrotter... Boa viagem, camaradas! (LG)

Foto: © Álvaro Basto (2008). Direitos reservados.

1. Mensagem, de ontem, do Álvaro Basto, da minitertúlia de Matosinhos, que veio acompanhada de um vídeo (2 m 14s) com a notícia, dada no Primeiro Jornal da SIC, de 21 de Janeiro último, da viagem de jipe do Padre Almiro Mendes (1), já aqui referida no nosso blogue (2):

Luís:

A notícia está na SIC On Line pelo que penso que constitui domínio público mas, como dizes e bem, com estes gajos nunca se sabe (3).

Estive a ler as condições gerais de utilização mas não vi nada que referisse direitos de autor nas notícias publicadas.



De facto, o nosso camarada Xico Allen vai noutro carro (no do Fernando do Saltinho) mas tinha combinado com o Padre Almiro fazerem a viagem juntos, já que iriam sair no mesmo dia e percorrer o mesmo itinerário.

Falámos com o Xico hoje de manhã (a minitertúlia de Matosinhos reunida no seu habitual almoço das quartas feiras) e ele ia já a atravessar o Atlas em direcção ao sul de Marrocos. Acho que o Sr. Padre tem o pé pesado e abre que se farta... está protegido pelos santos da sua devoção. O pior é que por lá, o catolicismo não tem grande implantação como é sabido. Mas, para já, está tudo a correr bem.

Só a título de curiosidade, hoje estivemos a preparar 31 pacotes de dádivas para fazermos embarcar no contentor da Associação Memórias e Gentes de Coimbra que o vai despachar em breve para ser aberto aquando da nossa chegada a Bissau, prevista para 29 de Fevereiro próximo.

Como se pode ver pela foto anexa os ajudantes formavam um belo grupo, até o David Guimarães e o Marques Lopes (ficou a tirara a foto) apareceram para dar uma mãozinha. Serviu para se fazer a digestão das sardinhas e da feijoada de búzios da Casa Teresa em Matosinhos.

Um abraço grande
Alvaro Basto

2. Comentário de L.G.:

Álvaro: Vamos acompanhar a viagem do Xico Allen, do Almiro Mendes e demais camaradas e amigos da Guiné através do nosso blogue... Vai-nos dando notícias... O A. Marques Lopes pode dar-te uma ajuda... Aqui há muita malta, no sul, que gostaria de poder estar no vosso lugar ou ao vosso lado... Preparem-se bem para a viagem Porto-Bissau, que é já daqui a menos de um mês. Preparem-se bem, física, mental e espiritualmente... Vocês são uns cotas de uns morcões que merecem o nosso respeito... Um abraço para ti e para o teu velhote (que presumo esteja já no Brasil). Luís
_______

Notas de L.G.:

(1) Notícia da SIC On Line, de 21 de Janeiro de 2008:

Mais de 3 mil quilómetros para doar jipe a missionários

Padre, mecânico e duas enfermeiras viajam até à Guiné-Bissau

Um padre do Porto iniciou hoje uma viagem que não é só de fé. Almiro Mendes partiu para a Guiné-Bissau onde vai entregar um jipe, essencial para o trabalho dos missionários. Em Lisboa, um mecânico e duas enfermeiras juntam-se à comitiva.

Num jipe que vai fazer muita estrada, milhares de quilómetros, mais exactamente 3.352 quilómetros do Porto até Bissau, vão muitas coisas.

Por detrás da aventura está uma missão colectiva, que ultrapassou os limites da paróquia. E uma imensa vontade de regressar à Guiné-Bissau.

Em Lisboa, um outro jipe e mais três pessoas, um mecânico e duas enfermeiras, juntam-se à comitiva.

A viagem até Bissau deve demorar 8 a 10 dias. A aventura vai passar por Espanha, Gibraltar, Marrocos, Mauritânia, Senegal e Gambia.

(2) Vd. poste de 21 de Janeiro de 2008 > Guiné 63/74 - P2466: Ser Solidário (1): Pe. Almiro Mendes, Pároco da freguesia de Ramalde, Porto, partiu hoje de jipe, para a Guiné-Bissau

(3) Pedido anterior de esclarecimento do editor L.G.:

Álvaro: (i) Gostaria de inserir o vídeo , com a tua autorização, no blogue, mas não sei se os gajos da SIC vão refilar (Não podes ser tu a pedir a autorização ? )...Uma das nossas normas (que noutros sítios não se respeita) é o respeito pelos direitos de autor...Podíamos publicar este excerto, com um comentário teu, um enquadramento...

(ii) O Xico Allen: foi ou não foi nesta caravana ?

Um abraço. LG

Guiné 63/74 - P2475: Memória dos lugares (4): Bambadinca, 2006 (Rui Fernandes / Virgínio Briote)

Guiné-Bissau > Região do Cacheu > Varela > 2007 > Antigo restaurante e café, hoje em ruínas. O painel Luta Felupe é da autoria do artista guineense Augusto Trigo, que vive em Portugal. O painel foi restaurado, digitalmente, pelo Rui Fernandes. A foto é do próprio Rui Fernandes, que a cedeu à AD.

Foto: © Rui Fernandes (2007). Direitos reservados

Memória dos lugares (4) > Rui Fernandes, um Amigo da Guiné

1. Quando publicámos um poste sobre o Pintor Guineense Augusto Trigo, o Rui Fernandes escreveu-nos dando conta da satisfação ao ler o artigo sobre o autor de várias pinturas e painéis da Guiné, algumas das quais se encontram no seu país natal.

Na altura cometemos um lapso. Incluímos as fotos de algumas dessas obras sem fazermos menção ao autor. Tinha sido o Rui Fernandes, o autor das mesmas, que as cedeu à AD-Bissau, de onde as retirámos (1).

O Rui Fernandes não foi combatente. Esteve na Guiné, em missão profissional, entre 2003 e 2006, e nas horas vagas conseguiu recuperar digitalmente um mural do Augusto Trigo, que se encontra em Varela, num edifício abandonado e em adiantado estado de degradação.

Na mensagem que então nos enviou, o Rui, sabendo que entre os nossos leitores existem profissionais de muitos ramos, incentivava a nossa tertúlia a, numa próxima ida à Guiné, verificar da possibilidade em o recuperar.



Guiné-Bissau > Região do Cacheu > Varela > 2007 > Antigo restaurante e café, hoje em ruínas. O painel Luta Felupe é da autoria do artista guineense Augusto Trigo, que vive em Portugal. A foto é de Rui Fernandes.

Foto: © Rui Fernandes (2007). Direitos reservados

Nos cerca de três anos que lá permaneceu o Rui percorreu toda a região administrativa de Bafatá (Zona Leste) e visitou outras regiões do restante território.

“Percorri muitos dos locais por onde os ex-combatentes andaram, contactei com vários guineenses que pertenceram à nossa tropa. (…) de tabanca em tabanca os nossos guias normalmente eram ex-militares, porque eram os únicos que falavam português.

"Cada tabanca falava o seu dialecto e na região eram vários e mesmo o crioulo dificilmente era falado, apenas nas cidades e vilas maiores. Em muitos dos locais os "velhotes" diziam: 'há mais de trinta anos que não vejo um branco' e alguns ficavam a olhar para a bandeira colada no carro com espanto/alegria.

"Quase todos os ex-militares tinham escrito num papelito os nomes dos superiores, as moradas e por vezes o telefone, é marcante.

"Quando podia ler o vosso blogue tentava depois fazer a ponte onde estava a passar com a vossa vivência naquele local.

"Ainda neste momento vou lendo diariamente e acabo por descobrir material sobre vivências passadas em locais por onde andei na restante Guiné. Hoje mesmo, antes de ver o seu mail, fui ao link do artigo P2463 sobre a retirada de Madina.”
(...)



2. O Rui Fernandes voltou ao nosso contacto, enviando-nos algumas fotos do seu espólio recente, tiradas aquando da sua estadia na Guiné-Bissau.

Vamos então revisitar lugares que muitos de nós fizeram seus, nos afastados anos da Guerra da Guiné (2).

Os lugares de muitos de nós > Revisitar Bambadinca (I)




Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > 1970 > Vista aérea do aquartelamento, tirada no sentido leste-oeste, ou seja, do lado da grande bolanha de Bambadinca (vd. mapa da região).

Foto: Humbero Reis (2005)

Foto 1 > No P2431 vem uma fotografia da escola de Bambadinca (1997), ou "o que resta da antiga escola…." Na verdade em 2003 já não era este o aspecto, pois foi recuperada. A foto acima é de 2006. O telhado é que ficou em zinco (Bambadinca, 2006).

Foto 2 > Mesmo à esquerda da escola e que se vê mal nesta foto (2006).

Foto 3 > A antiga casa do administrador de posto (Bambadinca, 2006)


Foto 4 > A casa que foi do Administrador de Posto (Bambadinca, 2006).

Foto 5 > A 3ª casa, junto à estrada (Bambadinca, 2006).

Fotos 6 > A 3ª casa, junto à estrada (Bambadinca, 2006).

Foto 7 > A capela e, ao lado, a antiga secretaria da CCAÇ 12 (1969/71).

Foto 8 > Vd. Referências nº 12 (pelotão de Morteiros), nº13 (Capela), nº14 (Secretaria) da foto aérea. Estas instalações pertencem hoje à Missão Católica (Bambadinca, 2006).

Foto 9. Crianças cantando o Hino Nacional enquanto é hasteada a bandeira antes das aulas (Bambadinca, 2006).


Fotos: © Rui Fernandes (2008). Direitos reservados.
__________

Notas de vb:

(1) Vd posts de :

25 de Outubro de 2007> Guiné 63/74 – P2213: Dando a mão à palmatória (2): Rui Fernandes, o fotógrafo do pintor Augusto Trigo (Virgínio Briote)

14 de Outubro de 2007> Guiné 63/74 - P2177: Artistas guineenses (1): Augusto Trigo, nascido em 1938, em Bolama

(2) Tenho trocado algumas mensagens com o Rui Fernandes a propósito destas imagens. Agradecer publicamente a disponibilidade dele é justo, mas não é tudo. É marcante (usando a expressão dele acima, quando fala das populações quando o viam) o sentimento que transmite quando fala daquelas gentes e dos seus lugares. Quem fala assim da Guiné, de uma maneira tão Amiga, permitam que fale em nome da tertúlia, nosso Amigo é. E é como amigo da Guiné e dos guineenses, que o convidamos a integrar a nossa Tabanca Grande.