sexta-feira, 25 de abril de 2008

Guiné 63/74 - P2795: Tabanca Grande (65): Amilcar Ramos, ex-Fur Mil, BAA 7040, Nova Lamego (1972/74)



Amilcar Ramos
Ex-Fur Mil
BAA 7040
Nova Lamego (Gabu)
1972/74



1. Em 24 de Abril de 1974, recebi esta mensagem do nosso novo camarada Amilcar Ramos

Amigo Vinhal

Depois daquele almoço/II Encontro ex-combatentes na Guiné do concelho de Matosinhos no qual estive presente e onde se relembraram tempos de Guiné, quero saudar-te e solicitar minha inscrição na TERTÚLIA/TABANCA GRANDE.

Amilcar Ramos, ex-furriel mil, BAA 7040, Nova Lamego (Gabu), 1972/74,
Residência - Retaxo/Castelo Branco,
contactos: amilcar-ramos@sapo.pt, amilcar_ramos@hotmail.com
Telemóvel - 965311768.

Anexos: foto 1972 - foto 2008 - Foto 09Fev74 (Obtida quartel em NLamego: ambulância capturada IN pelo grupo Marcelino da Mata).

Um abraço
Amilcar Ramos


Foto 1> Nova Lamego> Amilcar Ramos sentado na ambulância que o Grupo de Marcelino da Mata capturou ao PAIGC (1)



Foto 2> Matosinhos 12 de Abril de 2008> Amilcar Ramos e o seu amigo João Moreira, no II Encontro dos ex-combatentes da Guiné do Concelho de Matosinhos


2. Neste mesmo dia foi enviada resposta ao Amilcar

Caro Amilcar Ramos
Foi com a maior alegria que recebi a tua mensagem com o desejo de aderir à nossa Tabanca Grande ou Caserna Virtual, também assim chamada.

Conhecemo-nos no passado dia 12, em Matosinhos, graças ao nosso comum amigo João Moreira.

Em diálogo contigo, apercebi-me de que és uma pessoa solidária e preocupada com os problemas que afligem alguns dos nossos camaradas menos afortunados com o destino que a guerra lhes proporcionou. Ficaste extremamente apreensivo com o problema do nosso camarada Batista, que todos esperamos venha a ter um desfecho favorável que é reconhecer o seu estatuto de ex-prisioneiro de guerra.

Quero em nome de todos os tertulianos dar-te as boas vindas.

Como digo a todos os quantos entram de novo, e vão sendo muitos felizmente, queremos que sejas participativo começando por contar um pouco da história da tua Unidade. Posteriormente conta-nos algumas estórias de situações que de algum modo te marcaram, em acções de guerra ou não. Aceitamos fotografias devidamente legendadas para ilustrar essas estórias.

Os teus trabalhos devem ser endereçados preferencialmente para luisgracaecamaradasdaguine@gmail.com e se quiseres, em complemento, para os endereços dos editores.

Tudo serve para aumentar este manancial de informação que queremos deixar para memória futura.

Parafraseando o nosso Editor Luís Graça, Não deixes que sejam os outros a contar a tua história por ti.

Em nome da malta vai para ti um abraço de boas vindas.
Carlos Vinhal

3. Comentário de C.V.

Caro Amilcar, no mail que te mandei esqueci-me de falar no próximo encontro da Tertúlia do nosso Blogue. Se quiseres aparecer só tens que te inscrever. Todos os editores e alguns camaradas, com as respectivas famílias, vão confraternizar no dia 17 de Maio em Monte Real.

No Poste 2770 poderás ver as últimas novidades quanto a inscrições, programa e preços.
____________________

Nota dos editores:

(1) Vd. poste de 23 de Maio de 2007> Guiné 63/74 - P1781: Ambulância do PAIGC, de fabrico soviético, capturada pelo Marcelino da Mata, em Copá (A. Santos)

quinta-feira, 24 de abril de 2008

Guiné 63/74 - P2794: Poemário do José Manuel (10): Ao Albuquerque, morto numa mina antipessoal em Abril de 1973

Guiné > Região de Tombali > Mampatá > CART 6250 (1972/74) > Vista aérea da tabanca e do aquartelamento de Mampatá.

Foto e poema: © José Manuel (2008). Direitos reservados (1).

Ao Albuquerque (*)

O teu sangue não manchou
só a terra onde caiste
apagou o futuro e
os filhos que não terás
causou dor
nos que te perderam
despertou loucuras
em noites perdidas
a recordar-te
o teu sangue vertido
marcará para sempre
bem fundo, dentro de nós
prometo não mais chorar
quero rir por ti
quero viver por ti
quero gritar ao mundo
como foi inutil o teu sacrificio
assim nunca serás esquecido.

Mampatá 1973
josema
__________

Nota do autor:

(*) Albuquerque era um soldado do 3º grupo de combate. A segunda baixa da nossa companhia em Abril de 1973. Vítima de uma mina antipessoal quando o seu grupo procedia à picagem na frente de trabalhos da estrada [Quebo-Salancaur] que a Engenharia estava a abrir. Todos os dias se fazia a picagem até à frente de trabalhos, foram detectadas dezenas de minas antipessoal e anticarro. Era um trabalho que aqueles homens faziam com muito rigor e segurança, e que correu bem até aquele dia. Albuquerque era um jovem alegre, quase sem barba, ainda hoje o vejo na vespera de Natal de 1972 a tourear uma cabra entre os arames farpados de Mampatá. O Furriel Vieira um dos Furriéis do 3º. grupo assistiu também à cena pois já o ouvi num dos nossos encontros referir-se a ela.

Luís: Se vieres neste fim de semana [, cá acima], na Sexta às 8 horas estou a iniciar uma caminhada da Régua ao Marão, com mais 130 caminheiros que acaba num almoço lá na serra, hoje mesmo vou fazer o reconhecimento do percurso, que é duma beleza e paz impressionantes. O resto do fim de semana estou em casa, o meu contacto é 916651640. Um abraço, jose manuel.
__________

Nota de L.G.:

(1) Vd. poste de 19 de Abril de 2008 > Guiné 63/74 - P2776: Poemário do José Manuel (9): Nós e os outros, as duas faces da guerra

Guiné 63/74 - P2793: Uma semana inolvidável na pátria de Cabral (29/2 a 7/3/2008) (Luís Graça) (15): Salvemos o Cantanhez (I)

Guiné-Bisssau > Região de Tombali > Sector de Bedanda > Cananima > 2 de Março de 2008 > Era domingo, para nós, participantes do Simpósio Internacional de Guiledje, de visita ao sul do país... mas não para o pescador, que precisa de remendar as redes e ir à pesca... A região de Tombali, com pouco mais de 3700 km2 (o que representa cerca de 10,3% do território da Guiné) e pouco mais de 90 mil habitantes (7,1% do total) tem grandes potencialidades, devido ao seu património ambiental e cultural, ainda insuficientemente conhecido e valorizado pelos próprios guineenses. A jóia da coroa é o massiço florestal do Cantanhez e os dois rios principais que o atravessam, o Cumbijã e o Cacine.

Guiné-Bisssau > Região de Tombali > Sector de Bedanda > Cananima > 2 de Março de 2008 > Aqui não há praias de areia fina... Cananima é uma praia fluvial e um aldeia piscatória. Gente de vários pontos, desde os Bijagós até à Guiné-Conacri, vêm para aqui trabalhar na actividade piscatória. No entanto, é preciso saber gerir os recursos do rio e do mar com sabedoria... A sobre-exploração de certas espécies pode ser um desastre... Por outro aldo, as infra-estrututuras de apoio à pesca são precárias ou inexistentes.

Guiné-Bisssau > Região de Tombali > Sector de Bedanda > Cananima > 2 de Março de 2008 > No estaleiro naval artesanal, de Cananima, também se constroem barcos, segundo os modelos tradicionais. A matéria-prima, a madeira, é abundante. Abate-se uma árvore centenária para fazer uma piroga. Felizmente, as pirogas não são feitas em série. E hoje há, também felizmente, restrições ao abate de árvores no Cantanhez. O problema são, muitas vezes, os projectos megalómanos e inconsistentes, que acabam por morrer na praia, como estas embarcações.
Guiné-Bisssau > Região de Tombali > Sector de Bedanda > Cananima > 2 de Março de 2008 > Uma típica paisagem de tarrafe, na margem dierita do Rio Cacine, onde almoçámos, numa tarde domingueira, antes do início dos trabalhos do Simpósio Internacional de Guileje, cuja inauguração oficial seria no dia seguinte à tarde, em Bissau, no Hotel Palace, um hotel moderníssimo, de cinco estrelas... Mas eu preferi as cinco estrelas de Iemberém e de Cananima...

Guiné-Bisssau > Região de Tombali > Sector de Bedanda > Cananima > 2 de Março de 2008 > Do outro aldo do rio, fica Cacine, que tem muito que contar, aos nossos camaradas do exército e da marinha... Alguns deles ficaram por aqui, enterrados e abandonados... A guerra e as suas memórias estão por todo o lado, não nos largam.


Guiné-Bisssau > Região de Tombali > Sector de Bedanda > Cananima > 2 de Março de 2008 > Antes de nós, no tempo da guerra, poucos tugas se poderão ter gabado de ter feito um piquenique tão agradável, tão calmo, tão saboroso, tão fraterno como o nosso... Aqui, nesta praia fluvial, frente a Cacine...


Guiné-Bisssau > Região de Tombali > Sector de Bedanda > Cananima > 2 de Março de 2008 > A areia não é fina, as águas não são azuis, nem a paisagem é a mais bela do mundo, mas tudo depende dos olhos com que se olha, dos ouvidos com que se ouvem, das emoções com que se capta o instante, o eféremo, o diferente...

Guiné-Bisssau > Região de Tombali > Sector de Bedanda > Cananima > 2 de Março de 2008 > É preciso salvar o Cantanhez, dando uma chance às crianças de Tombali. Projectos como o ecoturismo, ou o turismo de natureza, podem vir a ser um factor dinamizador de mudanças, a nível local e regional.

Guiné-Bisssau > Região de Tombali > Sector de Bedanda > Cananima > 2 de Março de 2008 > Esta criança, felizmente, já não conheceu a guerra, e sobreviveu com sucesso ao 365º dia... Uma em cada crianças na Guiné morre antes de antingir um ano. O sorriso tímido (e ao mesmo desafiador) desta criança desarma-nos, perturba-nos, interpela-nos: o que é que fizeste hoje por mim ?

Guiné-Bisssau > Região de Tombali > Sector de Bedanda > Cananima > 2 de Março de 2008 > A diversidade étnico-linguístico e cultural da Guiné-Bissau, em geral, e do Tombai, em particular, não deve ser vista como uma obstáculo, mas sim como um factor potenciador da cidadania e do desenvolvimento... Os demónios étnicos não podem é dormir descansados na Caixinha de Pandora... Combatem-se com as armas da saúde, da educação, da democracia, da integração, do desenvolvimento económico, social e cultural... Esta criança tem de ter sentir orgulho na terra onde nasceu, e onde vive...

Guiné-Bisssau > Região de Tombali > Sector de Bedanda > Cananima > 2 de Março de 2008 > O inconfundível barrete vermelho, tradicional, dos balantas. Com Kumba Ialá, tornou-se um ícone. Os balanta foram a principal base de apoio do PAIGC. Têm também hoje um peso considerável (excessivo, para alguns analistas e observadores da situação político-militar) na estrutura das Forças Armadas. Amílcar Cabral falava, com particular simpatia, da sociedade balanta, horizontal, sem classes... Alguns mitos ou estereótipos foram-se construíndo, à volta do grupo étnico e social dos balantas, uns pela etnografia colonial, outros pela análise marxista. Como se o balanta fosse aqui o representante do bom selvagem do Rousseau...




Guiné-Bissau > Região de Tombali > Cananime > 2 de Março de 2008 > Dança de boas vindas aos participantes do Simpósio Internacional de Guileje. Se os meus rudimentares conhecimentos etnográficos da Guiné não me atraiçoam, trata-se de um grupo de dançarinos balantas, misto, composto por rapazes e raparigas. Há uma energia telúrica e uma alegria vital nos seus cantares e nas suas danças, que eu nunca encontrei, no tempo da guerra, por exemplo, em Nhabijões, , que era um um importante aglomerado populacional balanta (e com alguns mandingas), junto ao Rio Geba, entre Bambadinca e Xime. Os balantas de Nhabijões nunca poderiam sentir-se felizes e livres, sob a dupla tutela dos fulas e dos tugas...

Fostos e vídeo (1' 21''): © Luís Graça (2008). Direitos reservados. Vídeo alojado em: You Tube >Nhabijoes



Guiné-Bissau > Mapa do sector de Bedanda que, juntamente com o sector de Cacine, alberga as matas do Cantanhez, um espaço que é urgente preservar, salvaguardar, proteger e potenciar, numa perspectiva de desenvolvimento integrado e sustentado... A verde assinala-se o trajecto que os participantes do Simpósio Internacional de Guileje fizeram no fim de semana de 1 e 2 de Março de 2008, na sua visita ao Cantanhez... A vermelho assinalam-se algumas das localidades por onde passámos e onde parámos: Balana, Guileje, Mejo, Imberem (passámos aqui duas noites)...

Vindos do Acampamento de Osvaldo Vieira (1), onde passámos uam parte da manhã de domingo, fomos almoçar a uma praia piscatória, deslumbrante... Do almoço (de peixe galo - gato ? - pescado nas águas do Rio Cacine (que em rigor é um braço de mar, como todos os outros, com a excepção do Rio Corubal - falarei em próxima crónica. Agora, deixem-me saborear este pedaço de paraíso que ainda existe na terra e na Guiné: O Cantanhez...Tenho pudor em falar de paraíso, num terra que as estatísticas dizem ser um dos mais pobres do mundo... O paraíso não existe, é uma utopia que os homens criaram. Falemos então de um sítio, na crosta terrestre, que ainda é capaz de nos encantar, em que nos sentimos em harmomia com os homens, com os bichos, com a floresta, com a água, com o ar...


Fonte: Brito (2007) (com a devida vénia...)




22 de Abril, Dia Mundial da Terra


(...) Em Abril, tomem por favor boa nota do sete,
na vossa agenda-planning de executivos,
porque é Dia Mundial da Saúde.
E um semana depois
o Dia da Conservação do Solo (15),
bem como do pobre Índio (19)
e do paupérrimo ou depauperado Planeta Terra (22),
finalizando a maratona das comemorações
no Dia da Educação (28),
tão pouco ou nada ambiental…

Não sei explicar se o Índio
é o que está em vias de extinção
ou o Índio, escalpelizado, morto e enterrado,
depois da chegada ao Novo Mundo
do idiota que acreditava ter chegado à Índia
e que hoje tem nome de praças
e estatuária pomposa
por tudo o que são cidades hispânicas.(...)

Luís Graça > Blogue Fora Nada... e Vão Dois

5 de Novembro de 2007 > Blogantologia(s) II - (59): Hoje é dia mundial de qualquer coisa...


O nosso camarada Juvenal Amado veio, gentilmente, (re)lembrar-nos que ontem foi o Dia Mundial da Terra, criado em 1970 a partir da ideia do norte-americano John McConnell, que a apresentou, na conferência da UNESCO sobre o Ambiente. «Só temos esta Terra para vivermos e sermos felizes»...

E mais: só há uma terra, só um mar, só há uma floresta, só há uma espécie humana, só há uma raça, o Homo Sapiens Sapiens. Talvez por isso valha a pena evocar aqui a nossa (sem paternalismos, saudosismos...) Guiné-Bissau, um pequeno país da África Ocidental, com o qual temos particulares afinidades, pela história, pela língua ... Mesmo se apenas 70 e poucos mil falam e escrevem o português que nos une e às vezes nos separa...

Falemos, pois, dessa terra (vermelha, verde, negra...) que se chama Guiné-Bissau. E duma parcela dessa terra que se chama Tombali, Região de Tombali, onde outrora travámos feros e feios combates... Voltámos lá, em missão de paz e de amizade, nos princípios de Março de 2008. E vimos coisas bonitas, até promessas de futuro.

Pessoalmente, descobri (ou entrevi) o Cantanhez, que era no meu tempo de soldado um topónimo que se pronunciava com um misto de respeito e de temor. Tomei conhecimento de projectos de desenvolvimento para a rehgião do Tombali, e que passariam também por essa coisa nova que se chama ecoturismo, e que se calhar para os guineenses é mais um palavrão que entra por um ouvido e sai por outro. Conversa de e para as elites. Enfim, li - se bem que ainda por alto - uma brochura de Brígida Rocha Brito (40 anos de idade, especialista em estudos africanos, socióloga, doutorada pelo ISCTE) e em que ela apresenta o seu estudo das potencialidades e dos constrangimentos do ecoturismo na Região de Tomnbali.

É um trabalho que me despertou a atenção e o interesse, elaborada no âmbito do projecto U' Anan (Construir o Desenvolvimento Comunitário Sustentável na Região de Tombali: Ecoturismmo e Cidadania, ONG - PVD/2004/095-097). E edição, em Abril de 2007, é da responsabilidade da ONG portuguesa, Instituto Valle Flor, um dos parceiros privilegiados da AD - Acção para o Desenvolvimento.

Independentemente de uma leitura mais aprofundada e mais crítica deste relatório, e das suas principais conclusões e recomendações (2), apetece-me hoje transcrever apenas - com a devida vénia à editora e à autora, que é uma apaixonada de África (veja-se o seu blogue África de Todos os Sonhos) - alguns excertos. Por razões de economia e de legibilidade bloguísticas, cortei as referências bibliográficas e adaptei as notas de pé de página. Nalguns casos cortei um ou outro páragrafo. Eliminei também quadros e figuras. Espero que a autora me perdoe a ousadia. Em nome do comum paixão pelo Cantanhez. Não tenho o prazer de conhecer, pessoalmente, a minha colega de academia (é professora e investigadora no ISCTE, onde também eume licenciei em sociologia). Mas aproveito para a cumprimentar, dar-lhe os parabéns e oferecer este espaço para... blogar connosco. L.G.


II. O Turismo na região de Tombali
por Brígida Rocha Brito


A região de Tombali dista de Bissau em cerca de 250 Km, localizando-se a sul da Guiné-Bissau, concretamente a sul e sudoeste, fazendo fronteira com o norte da Guiné Conacri e sendo parcialmente rodeada pelo oceano atlântico (...). A região é constituída por 3.736,5 Km2, correspondendo a 10,3% do total do território nacional, destacando-se por ser uma zona fronteiriça dominada, do ponto de vista ambiental, por uma área florestal de grande densidade (…), rica em biodiversidade de fauna e de flora, definida como uma das últimas florestas primárias a nível mundial e considerada o ícone da luta pela independência.

Administrativamente, a região subdivide-se em sectores, sendo privilegiados no Estudo os de Bedanda e Cacine, já que são os que estão mais directamente relacionados com o Projecto Ecoturístico (…). Os dois sectores destacam-se devido ao enquadramento pelo conjunto dos Matos que constituem as Floresta de Cantanhez, sendo limitados por dois grandes rios, Cacine e Cumbidjan, fazendo fronteira com o Oceano Atlântico, e sendo dotados de diversidade étnica e cultural.

As características ambientais da região evidenciam especificidades únicas resultantes da densidade florestal e do estado de preservação dos espaços naturais, que em parte têm beneficiado da distância e do isolamento em relação aos principais centros urbanos, nomeadamente da capital.

Do ponto de vista turístico, a região apresenta um conjunto alargado de potencialidades que, no decorrer da missão, foram identificadas, estando contudo em “estado bruto”, requerendo uma acção planeada e concertada no sentido da valorização dos aspectos chave para o ecoturismo, nomeadamente relativos à preservação ambiental, à protecção de espécies ameaçadas e à dinamização das práticas e dos traços culturais característicos das comunidades residentes.

Contudo, em Tombali, evidenciam-se alguns constrangimentos que, se não forem controlados e minimizados, podem ser condicionantes, limitando a implementação do Projecto. Neste contexto, destacam-se factores estruturais, que são comuns a todo o País e que requerem uma intervenção global de âmbito nacional por ultrapassarem a acção do Projecto U'Anan, e factores conjunturais, que podem ser minimizados através da adopção de medidas estratégicas sectoriais direccionadas e enquadradas por um planeamento adequado.

Guiné-Bisssau > Região de Tombali > Sector de Bedanda > Em pleno coração do Cantanhez > 2 de Março de 2008 > Um dos jovens guias ecoturísticos, recentemente formados, no âmbito do projecto U'Anan.

Guiné-Bisssau > Região de Tombali > No coração do Cantanhez > 2 de Março de 2008 > Logótipo do projecto U'Anan, estampado na T-shirt de um dos jovens guias ecoturísticos. O dari (chimpanzé), espécie em vias de extinção em África, é o ex-libris do Cantanhez.


Fotos: ©
Luís Graça (2008). Direitos reservados.


1. Identificação das principais potencialidades

Apesar da relativa instabilidade político-governativa que pode naturalmente influenciar a dinamização do sector do turismo, as relações entre as Organizações promotoras do Projecto e as Instituições, nacionais e internacionais, vocacionadas para o planeamento ambiental, preservação de áreas protegidas e conservação de espécies, são de grande entendimento, havendo lugar para o estabelecimento de parcerias. Estes são os casos do Instituto da Biodiversidade e das Áreas Protegidas (IBAP) e da União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN).

No contexto das potencialidades regionais e locais, ou factores perspectivados como positivos, foram identificados três tipos principais: as especificidades ambientais; os elementos culturais; os factores históricos e de pendor nacionalista.

Por um lado, os factores tipológicos, entendidos isoladamente ou de forma conjugada, são considerados como determinantes na construção e no reforço das identidades comunitárias; por outro, para a prática do turismo, são elementos apelativos e dinamizadores de diferentes segmentos: Turismo de Natureza ou Ecoturismo; Turismo Étnico; Turismo Cultural e Turismo Científico.

1.1. As particularidades ambientais

Tal como acontece na maioria do território guineense, na região de Tombali o clima é caracteristicamente tropical húmido, evidenciando-se duas estações principais, a seca (entre Novembro e Maio) e a estação das chuvas (entre Junho e Outubro). O principal factor diferenciador no que respeita ao clima é que no sul a intensidade das chuvas é maior do que em qualquer outra região, podendo atingir níveis de precipitação na ordem dos 2.000 a 2.500 mm anuais, com temperaturas médias entre os 28º e os 31º (…).

Se a acção humana de exploração e utilização de recursos for planeada e controlada, verifica-se uma tendência para a renovação do manto florestal com carácter espontâneo, em resultado das condições climatéricas, traduzidas na intensidade e nos elevados níveis pluviométricos anuais associados ao calor.

A região de Tombali é caracterizada por uma mancha florestal de grandes dimensões, com cerca de 650 Km2 (…) denominada de Floresta de Cantanhez (a), que consiste num agrupamento de catorze áreas florestais densas e húmidas, habitualmente referenciadas como Matos.

Actualmente existe a proposta de alteração do estatuto para área protegida, com a criação de um Parque Natural, envolvendo três sectores da região, Bedanda, Cacine e Quebo, perfazendo um total de 1.067 Km2 (…).

Os matos são caracterizados pela densidade típica da floresta tropical, sendo considerada como uma das últimas florestas primárias pelo estado de preservação e de manutenção do ecossistema, resultado da fraca penetração humana, tornando-a num habitat privilegiado para a vida de numerosas espécies de flora e de fauna.

No que respeita à flora, destacam-se as árvores de grande porte, centenárias, muitas vezes identificadas como sagradas e locais de culto, de inspiração e de aconselhamento junto do “irã”, a entidade sobrenatural, tanto venerada como temida. Entre a multiplicidade de espécies arbóreas (b) existentes, referenciam-se como observáveis a Tagara, o Manpataz e o Poilão. O interesse turístico da Floresta de Cantanhez consiste na possibilidade de, no decurso das actividades e das visitas, observar a diversidade biológica que coexiste de forma equilibrada: árvores de grandes dimensões; árvores de médio porte; arbustos .

Também no que respeita à fauna, a região é rica em diversidade, encontrando-se diferentes espécies de grandes mamíferos (c), cefalofos, ungulados, primatas (d), aves (e), répteis (f), peixes e insectos (g), de entre os quais algumas estão ameaçadas ou em risco, pelo que têm estatuto reconhecido de espécie protegida. A maioria destes animais reveste interesse turístico, existindo, a nível internacional, mercado potencial por segmentos. Contudo, a observação nem sempre é facilitada visto que os animais a viverem em habitat natural são fugidios, o que também evidencia o estado ainda virgem do parque florestal.

Paralelamente, a acção conjugada do IBAP, da IUCN e da AD tem viabilizado a demarcação das áreas através da colocação de placas indicativas em algumas áreas, com classificação de “corredores de animais” (…), de forma a facilitar a identificação tanto das zonas como das espécies mais importantes. Nos Matos de Cantanhez, existem sete corredores, dos quais dois são transfronteiriços, cruzando o sul da Guiné-Bissau com o norte da Guiné Conacri, e delimitam áreas prioritárias de passagem de grandes mamíferos, como o elefante africano, o búfalo da floresta e a gazela pintada. Estas são acções que, do ponto de vista ecoturístico, representam uma mais-valia importante por evidenciarem preocupação com a preservação espacial e com a conservação de espécies ameaçadas.

Por outro lado, todos os Matos estão também identificados com placas indicativas do início e do fim de cada área, o que permite ao turista um acompanhamento dos percursos, a distinção dos Matos a partir da identificação das características florestais e a valorização do conhecimento sobre os locais de passagem e de visita. Além de ser fundamental para a prossecução das actividades do ecoturismo, esta sinalética representa um esforço na sensibilização das comunidades no sentido da identificação de locais “intocáveis” porque protegidos, ou seja onde é proibido desflorestar, provocar o abate de árvores, proceder a queimadas ou capturar os animais referenciados como protegidos.

As Floresta de Cantanhez são caracteristicamente fechadas e de difícil penetração, mas não representam o único tipo de paisagem ambiental que caracteriza a região, já que se encontram, de forma intercalada, áreas de savana arbórea e herbácea, e com maior importância mangal ou tarrafes, rios, estuários e paisagem fluvial, costa marítima e, com menor destaque, praias.

Toda a região é caracterizada pela existência de cursos de água, sob a forma de grandes e pequenos rios, afluentes e braços fluviais que penetram para o interior das áreas florestadas (…). Os principais rios são o Cacine e o Cumbidjan, qualquer um navegável em pequenas embarcações, desde que pouco fundas, devido à existência de grandes flutuações na quantidade de água em resultado da variação das marés e à existência de bancos de areia que conferem pouca profundidade aos cursos fluviais. Proliferam ainda os pequenos rios afluentes dos principais, como o Balana e o Balanazinho, o Gadamael, o Bendungo, o Cachadeba e o Gaduar, revestindo contudo menor importância.

O meio fluvial é particular do ponto de vista paisagístico já que apresenta uma estrutura diferenciada da que caracteriza a floresta, mas também por ser rico em flora e fauna. Do ponto de vista turístico, este é um meio de grande valor porque, além de propiciar a realização de actividades diferenciadas e complementares às florestais, de observação de animais e de contemplação, representa uma possibilidade alternativa e acrescida de acesso e de transporte, estabelecendo a ponte com outras localidades.

Contudo, não é aconselhada a utilização das águas dos rios para banhos ou natação, devido à existência de crocodilos, que mesmo que não visíveis se tornam perigosos pondo em risco a segurança. As águas dos rios sendo turvas e barrentas, e as areias lodosas, não favorecem a prática balnear em meio fluvial, mas proporcionam o desenvolvimento de práticas ecoturísticas.

Os rios são assim uma forte potencialidade para o turismo de contemplação de paisagens e de observação de animais como aves, nomeadamente grupos de pelicanos, e espécies migratórias, dada a proximidade e a facilidade de acesso para a Ilha de Melo e Ilha dos Pássaros, situados na foz do rio Cacine.

Por fim, a região de Tombali, em particular na zona oeste dos sectores de Bedanda e de Cacine, pelo contacto com o Oceano Atlântico, é marcada pela proximidade em relação ao sul do arquipélago dos Bijagós, nomeadamente no que respeita ao Parque Natural Marinho de João Vieira e Poilão.

Esta coincidência geográfica de elementos naturais de reconhecida importância, e que revestem interesse turístico, evidencia a possibilidade de estabelecer ligações entre o meio florestal, propiciada pelos Matos de Cantanhez, o meio fluvial, favorecida pelos rios e inúmeros cursos de água, e o meio marinho, em que se destacam espécies diferenciadas, tais como os cetáceos e as tartarugas marinhas. Por outro lado, está favorecida a complementaridade entre meio continental e insular, viabilizando o desenvolvimento de actividades diferenciadas tendentes à preservação ambiental e à conservação de espécies. (...)

pp. 31-35

(Continua)

__________

Notas da autora, BRB:

(a) É comum entender estas áreas como florestas sagradas, dotadas de pontos específicos e identificáveis por guias locais, como fontes sagradas, árvores sagradas ou simplesmente zonas referenciadas e que os animistas acreditam que têm poderes, realizando práticas de veneração.

(b) Podem ainda referir-se outras espécies como pau veludo, pau miséria, malagueta preta, lianas lenhosas, figueira estranguladora, líquenes.

(c) Os grandes mamíferos que podem ser observados são os elefantes, os búfalos da floresta, as gazelas, e mais raros os felinos como a onça pintada, vulgarmente conhecida como leopardo.

(d) Os primatas são comuns e apresentam diversidade: chimpanzé, babuíno ou macaco cão e colobus ou macaco fidalgo e preto.

(e) As aves apresentam grande diversidade: garças, picanço, abelharuco, pica-peixe, calao grande, pica-pau, cotovia, andorinha, melro, pardal, entre outras.

(f) Os principais répteis terrestres são a cobra preta, cuspideira ou bida, a cobra tutu, a cobra verde, da palmeira ou kakuba, a cobra vermelha e a jibóia ou irã seco. Nos rios pode encontrar-se crocodilo ou lagarto preto e no mar tartarugas marinhas.

(g) Os insectos com maior interesse turístico e que podem ser enquadrados nas potencialidades ambientais são a borboleta, que existe na região em quantidade, destacando-se pelas cores, e as térmites ou baga baga, devido às construções de terra. Por outro lado, existem abelhas associadas à actividade da apicultura.


_____

Notas de L.G.

(1) Vd. poste de 12 de Abril de 2008 >
Guiné 63/74 - P2752: Uma semana inolvidável na pátria de Cabral (29/2 a 7/3/2008) (Luís Graça) (14): Acampamento Osvaldo Vieira (II)


(2) Esta publicação está disponível, em formato.pdf, no sítio do Instituto Marquês de Valle Flôr :

ESTUDO DAS POTENCIALIDADES E DOS CONSTRANGIMENTOS DO ECOTURISMO NA REGIÃO DE TOMBALI

quarta-feira, 23 de abril de 2008

Guiné 63/74 - P2792: Dando a mão à palmatória (9): O Cap Jorge Picado foi CMDT da CART 2732 (Carlos Vinhal)




Jorge Picado,
ex-Cap Mil,
CCAÇ 2589 e CART 2732,
Guiné 1970/72



1. No dia 20 de Abril de 2008, o nosso novo camarada Jorge Picado cumpria a formalidade do envio das fotos da praxe para a fotogaleria do nosso Blogue.

De acordo com as normas, anexo envio 1 foto da Guiné, para que o Carlos Vinhal identifique alguns dos camaradas da CART2732.

Enviarei mais 2, uma de cada vez.

Estou procurando alguns esclarecimentos para responder ao solicitado sobre a Emboscada do Infandre.





Foto 1> Bissau> O ex-Cap Mil Jorge Picado em frente ao HM 241


2. No próprio dia 20 era enviada resposta

Caro camarada Jorge Picado

Bem-vindo ao nosso Blogue.

Li com atenção o que escreveu sobre o seu percurso na Guiné. Teve cá uma actividade e peras.

Com respeito à sua passagem por Mansabá, com muito pesar meu, não tenho ideia da sua presença na minha CART 2732.

Estive ausente de férias na Metrópole entre 15 de Fevereiro e mais ou menos 23 de Março de 1971.

Após a minha chegada tive uma actividade operacional muito intensa com uma série de Operações para os lados de Farim. Não sei se participou em alguma. Por outro lado, por motivos que mais tarde poderei aflorar, eu não aparecia na Secretaria da Companhia.

O CMDT da CART 2732 era na altura, e desde o dia 7 de Outubro de 1971, o Cap Alberto Pinto Catalão que deu baixa ao HM241 de Bissau sucessivamente em Fevereiro, Março e Junho de 1971.

Em Agosto de 1971 foi evacuado definitivamente para o HMP de Lisboa, em boa hora, porque aquela alminha não gostava de mim nem um bocadinho e acabaria por me dar uma porrada.

Já agora, para ter uma ideia de quantos comandantes tivemos, vou enumerá-los.

1.º - Cap Prego Gamado que deu baixa ao HMP antes do embarcarmos no Funchal com destino à Guiné.
2.º - Já em Mansabá (17ABR70), herdámos o Cap Carreto Maia que transitou da Companhia que ali substituímos, por lhe faltarem uns meses para acabar a Comissão.
3.º - Em JUL70 chegou o Cap José Maria Belo (de boa memória) que acabou por ser evacuado para o HMP com graves problemas de pele.
4.º - Em OUT70 chegou o famoso Cap Alberto Pinto Catalão (meu inimigo de estimação) que andou sempre a correr para o HM241 até conseguir ser definitivamente evacuado para Lisboa.
Terá sido num destes intervalos que o senhor comandou a CART 2732?
5.º - Finalmente em OUT71 chegou o Cap Mil Santos Caeiro que aguentou até ao nosso regresso em MAR72.

Se bem se deve lembrar, quando esteve em Mansabá havia muita confusão pois estávamos a construir a estrada do Bironque até ao K3. Tinha sido activado em Novembro de 1970 o COP 6 que teve entre vários comandantes o então Major Correia de Campos, já o senhor andaria por sítios bem mais complicados.

Não estaria o Jorge afecto ao COP 6 e comandado esporadicamente a CART 2732?

A História da Unidade CART 2732 não faz menção ao seu comando.

Foto 2> Mansabá, 13 de Abril de 1971> Festa de batizado da filha do senhor José Leal e da dona Olinda (?).
OBS:-Fotografia enviada por Jorge Picado, onde entre outros se encontra este vosso co-editor


Com respeito à foto que mandou, tirada no dia 13 de Abril de 1971 num almoço oferecido pelo senhor José Leal, no dia do batizado da sua filhota, vou dizer quem está nela.

As pessoas estão numeradas.

1 - Eu mesmo, o Fur Mil Vinhal (à civil) (CART 2732)
2 - O Alf Mil Bento, meu comandate de pelotão (CART 2732)
3 - O Alf Mil Médico, Rolando (se não me engano no nome)
4 - Fur Mil Enf Marques (CART 2732)
5 - Chefe de Posto (Autoridade Civil de Mansabá)
6 - Senhor José Leal (nosso anfitrião)
7 - Alf Mil Op Esp Rodrigues (CART 2732)
8 - Alf Mil Casal (Que comandava a Companhia nos intervalos em que não tínhamos Capitão)
Finalmente o Jorge está entre o senhor José Leal e o Alferes Casal.

Outro assunto.
Uma vez que foi Cap Mil, há-de explicar-nos como foi apanhado a laço para fazer a comissão na Guiné. Temos um caso semelhante ao seu, o ex-Cap Mil Ferreira Neto da CART 2340, que já com família constituída foi lá parar, depois de ter feito o serviço normal obrigatório uns anos antes por cá.
(...)
Um abraço com votos de muita saúde do,
Carlos Vinhal


3. Na mesma data Jorge Picado respondia

Finalmente encontrámo-nos. Os Alferes Bento e Casal eram aqueles de quem sabia os nomes e recordava-os. Também fomos mandados a pé a Fátima (1) à procura dum célebre Morteiro 82 no dia 29 de Março de 1971, precisamente com os 2 Pelotões do Casal e do Bento reforçados com 2 secções de Mil.ª, juntamente com 1 Pelotão (?) de Páras que a certa altura se separou de nós, para contornara bolanha a partir de Berecodim, pelo Sul, seguindo nós pelo Norte.

Possivelmente o Carlos também foi.

Tenho cópia do relatório de acção "Urtiga Negra" do Agr. A, que seria aquele que eu comandava.

Nem calcula os tratatos de imaginação que fiz, sem conseguir chegar a uma decisão para decifrar a leitura das coordenadas de modo a localizá-las numa fotocópia da carta que consegui. Binta 8H8-74 e Binta 8I0-79!

Eu não fui colocado no COP 6. Fui colocado na CART, graças às artimanhas desse tal Catalão, de cujo nome não mais me esqueci. Posso acrescentar como se deu tal conhecimento.

Encontrando-me em Bissau desde a manhã do dia 15 de Fevereiro de 1971, depois de ter deixado a coluna do BCAÇ 2885 no desvio para o Cumuré, onde não entrei, fiquei aboletado, não sei se era este o termo usado, nas instalações do Clube de Oficiais, junto ao QG em Santa Luzia, a aguardar futura colocação.

No quarto onde pernoitava apareceu igualmente para pernoitar o Cap Catalão, que já conhecia, visto que, desde 27 de Novembro de 1970 fui colocado em Cutia, para efectuar a protecção das colunas para Mansabá, que se destinavam aos trabalhos de asfaltamento da estrada para Farim (ou melhor até ao rio Cacheu).

Efectuei 23 escoltas e tenho algumas recordações, como o Carlos se deve lembrar, pelo menos do dia 28 de Dezembro de 1970 (2), segunda-feira depois do Natal... mas voltemos ao Catalão que era do QP.

Tinha vindo para consultas ao HM, no intuito, como me confessou, de se livrar de Mansabá. Todos os dias por volta da hora do almoço, encontrávamo-nos no quarto, para uma banhoca antes do dito e depois dele regressar do HM e eu da minha visita ao QG para saber o meu futuro, perguntando-me ele:
- Então já tem colocação? - e a minha resposta era - Não.

Animava-me dizendo saber que havia vagas em Bissau, enquanto as suas diligências iam dando frutos... não sei se uma licença para tratamento...

O pior foi no dia 5 de Março, uma má sexta-feira, quando no QG me informaram que tinha sido colocado no DA, além do QO, indo em Diligência para a CART 2732 substituir, durante o seu impedimento o respectivo Comandante.

Iam-me caíndo os ditos cujos aos pés ao receber logo a respectiva ordem de marcha que me meteram nas mãos, para que não houvesse dúvidas. E eu que já tinha em perspectiva uma ida para o CAOP 1, que era bem melhor... nem calcula o que mentalmente lhe chamei...

Ao chegar ao quarto e perante a cena do costume, quase sem o encarar respondi-lhe: - Fui colocado na CART 2732. Sigo amanhã para Mansoa.
Desapareceu, nunca mais o vi, porque nessa noite não foi dormir ao quarto...
Como vê, também esse nome não me deixa saudades.

Quanto ao meu funcionalismo público, posso dizer-lhe que já era dos antigos Serviços Agrícolas, quando fui caçado para fazer de Capitão e já tinha os meus 4 filhos!

Um abraço e igualmente muita saúde.
Jorge Picado


4. Em 21 de Abril nova mensagem para o Jorge Picado

Caro Jorge
Afinal temos mais em comum do que eu sonhava. Na verdade também participei na operação em 29 de Março de 1971, chegado há poucos dias de férias da Metrópole.

Curioso que o Jorge e o Catalão se tenham cruzado antes da sua nomeação para a CART 2732.

Segundo o que consta na História da CART 2732, no dia 29MAR71 - 2 GCOMB reforçados com 2 SEC MIL/PEL MIL 253, em BINTA 8H8-74, contactaram com GR IN com cerca de 10 elementos. NT reagiram com fogo de armas automáticas, dilagramas e morteiro 60, pondo os elementos IN em fuga para SW, sofrendo 2 mortos confirmados. Capturada 1 Mauser, 3 granadas de Canhão S/R B-10 e destruído 1 celeiro com cerca de 300Kg de milho.
As NT foram flageladas com morteiro 82 sem consequências. (Acção Urtiga Negra).

Acontece que as granadas de canhão S/R capturadas, foram inspeccionadas por mim antes que alguém lhe mexesse, não fosse, estarem armadilhadas.

Já agora, lembre-me se foi sob o seu comando e se foi nesta operação que se passou este caso.

Era já tarde alta, estávamos completamente estourados, quem comandava incluído, até porque era um pouco mais velho que nós, e o Comandante da Operação que de avioneta dirigia a Acção, queria que nós fossemos ainda a determinado objectivo. Lembro-me que o nosso capitão, que eu não conhecia muito bem, ter desobedecido terminantemente às ordens de quem lá de cima não compreendia que naquela altura estávamos completamente esgotados, e ter-se dirigido para o K3 onde nos mataram a sede que nos atormentava há longas horas.

Lá recuperámos as forças, até voltarmos para Mansabá em meios auto.
Ficámos todos contentes e admiramos a coragem do nosso comandante por nos poupar a mais um esforço inútil.

Mais tarde, em 12 de Abril, integrado na Acção Urtiga XXVII, numa emboscada na Bolanha de Iribato, tivemos um contacto de que resultou a morte do milícia Sul Bissau. Quem comandava as forças era o Alf Bento.

Dias difíceis que já lá vão.

Mande a estória da sua convocatória para o curso de capitães e posterior mobilização para a Guiné.
São experiências de vida notáveis, tanto mais que já tinha família constituída.

Um abraço
Carlos

Notas de C.V.

(1) Fátima era uma tabanca ocupada pelo IN, onde cada operação era certeza de contacto e muito fogo de parte a parte. Não havia Fé que valesse nesta peregrinação.

(2) Julgo que o Jorge Picado se refere a um acontecimento insólito que foi o IN ter feito, na estrada alcatroada que ligava Mansabá a Mansoa, na zona de Mamboncó, 5 enormes buracos com cerca de 2 a 2,5 metros de diâmetro e 60 a 80 centímetros de profundidade, ao longo de 200 a 250 metros.
Estes buracos obrigavam as colunas auto a pararem naquela zona, a picar a berma por onde as viaturas tinham forçosamente de passar e a um reforço de segurança enquanto se transpunha estes obstáculos.
Verdade se diga que em pouco tempo a Engenharia Militar repôs a normalidade, procedendo à reparação da estrada.
_______________

Notas dos editores:

Vd. postes de 9 de Abril de 2008> Guiné 63/74 - P2736: Tabanca Grande (60): Apresenta-se o Jorge Picado, ilhavense, ex- Cap Mil, CCAÇ 2589, CART 2732 e CAOP 1 (1970/72)

de 10 de Abril de 2008> Guiné 63/74 - P2748: Para o estimado Jorge Picado (Afonso Sousa)

Guiné 63/74 - P2791: Álbum das Glórias (46): O distintivo da CCAÇ 2382, 1968/70 (Manuel Baptista Traquina).

A Guiné /Os Tempos de Guerra

1968/70

Companhia de Caçadores 2382

O Distintivo da Companhia




Este era o distintivo da Companhia. Continha na parte central, a figura de um militar com aspecto de veterano de guerra, já com o camuflado e botas um pouco danificados, e a sua inseparável G3.

Na mão direita segura aquilo a que chamávamos a “pica”, que não era mais que uma vareta de aço afiada e que servia como o nome indica para picar o terreno susceptível de ocultar uma mina. Na extremidade da referida "pica" encontra-se uma pequena caixa que representa uma mina anti-carro.
Sendo a CCaç 2382 uma Companhia Independente, nos quatro ângulos do distintivo encontram-se as iniciais dos comandos a que pertenceu: o primeiro é o Regimento de Infantaria 2 de Abrantes onde a companhia se formou e foi mobilizada; o segundo é o COSAF Comando Operacional de Aldeia Formosa; o terceiro, Batalhão de Caçadores 2834 ao qual a companhia esteva adida e o quarto, o COP4 (Comando Operacional nº4, sedeado em Buba).
As duas inscrições laterais poderão levantar algumas interrogações: “Por Estradas Nunca Picadas”. Esta pequena frase diz-nos que a companhia andou por locais até ali ainda não pesquisados; “Por Picadas Nunca Estradas” aqui pretende-se dizer o que foi uma realidade, que os militares andaram pelo mato por caminhos que nunca foram estradas.
Mas voltando à figura central, àquele a que chamámos “o Zé do olho vivo”, por ser uma figura mais ou menos engraçada, valeu-nos na Guiné o título da Companhia dos Palhaços.
Manuel Batista Traquina
__________
Adaptação do texto da responsabilidade de vb.

Guiné 63/74 - P2790: Quem pode ajudar a filha do nosso camarada Aliu Sada Candé? (José Teixeira)

José Teixeira
ex-1.º Cabo Enfermeiro
CCAÇ 2381
Buba, Quebo, Mampatá e Empada ,
(1968/70)



No dia 22 de Abril de 2008, recebemos esta mensagem do nosso camarada José Teixeira:

Caríssimo Luís Graça e companheiros co-editores.

Há dias enviei-vos este pedido/apelo, como ainda não recebi feedback, tomei a liberdade de insistir. Por favor informem se os outros textos que enviei vão ser publicados ou não.
Abraço Saúde paz e felicidade.

Já vos falei do Candé, de nome próprio Aliu Sada Candé, que conheci em Aldeia Formosa (Quebo) em 1968 e da sua formosa filha Cadidjatu Candé, que tive o prazer de conhecer recentemente em Guiledge como elemento da equipa do staff do Simpósio.

Acabo de receber fotocópias da Caderneta do Aliu Candé, em sequência do pedido que a Cadi me fez, para tentar obter a reforma do pai, o que não creio ser possível, mas não há como tentar.

Para melhor vos situar, junto o teor da correspondência trocada


1. Oi José!

Fiquei muita satisfeita por ter recebido a tua mensagem e por outro lado sinto muito feliz de encontrar um tio como senhor. Gostaria que o senhor mi ajuda-se a encontrar os documentos do meu pai para que eu posso fazer as papelada e a reforma? Tambem gostaria que o senhor mi arranjaste o numero telfone de Matos[ Cor Carlos Matos Gomes].

Gostei muito de ti conhecer espero que vamos continuar a corresponder, meu tio quirido.

Receba um forte abraço da tua sobrinha Cadi.


2. Cadi.

Fiquei feliz ao receber notícias tuas. Devo dizer-te que ao saber pelo Mudé Embaló já lá vão muitos anos, da forma como foi assassinado o teu pai, fiquei muito triste e revoltado.

Assim, quando te vi e soube que eras filha do Candé fiquei naturalmente feliz por te conhecer.

Eu pouco tempo convivi com ele. Estive cerca de um mês em Quebo e fiz duas colunas a Buba e uma a Gandembel. Depois fui colocado em Mampatá e nunca mais tive contacto com o Candé. Apenas retenho a imagem de um homem alto e magro, que no campo da guerra merecia o respeito dos camaradas e dos adversários pela sua coragem e determinação.

Gostava de te poder ajudar no que me pedes, mas creio bem que não vai ser fácil, até porque o teu pai já morreu há muito tempo. De qualquer modo pode-se tentar.

Para poder tentar conseguir responder-te, preciso de saber:

- O nome completo de teu pai;
- A sua história militar, isto é: em que ano se inscreveu na Milicia e em que Companhias/pelotões de milícia esteve e ou comandou;
- O posto ou função (Creio que em 1968 era Alferes de milicia e comandante de pelotão);
- Em que ano foi incorporado no exército português e que funções exerceu;
- Se possível o seu número mecanográfico do Exército Português.
- Em que quartéis esteve, durante a guerra. Sei que em 1972 estava em Quebo na CCAÇ 18
- A data da sua morte. Se possível a forma como foi assassinado.

Sei que não será fácil obter estes elementos identificativos do teu pai, mas são necessários para localizar a sua folha de serviços no Exército.
Beijo


3. Bom dia José Teixeira!
queria que o senhor mi manda-se o numero de fax porque eu tenho caderneta conpleto do meu pai ok.tchou beijssssssssssssssssssssssssssssssss



4. Minina bonito, como stá ?

Aqui tudo bem, mas muita saudade da Guiné e suas gentes.

Foi muito bom estar por aí uns dias, mas criam-se raízes, o que é bom, mas se torna doloroso logo de seguida, quando temos de vir embora para a nossa terra.

Bem, quanto ao assunto do teu pai, fico contente por teres os elementos da caderneta. Assim, torna-se mais fácil tentar alguma coisa. Podes enviar para o fax 0035122088835. Deves colocar uma folha com a seguite indicação: - Peço o favor de entregar ao José Teixeira.

Como te disse soube pelo Mudé, teu primo, algumas coisas sobre a morte do teu pai. Precisava de saber mais coisas para eventualmente se fazer uma exposição ao Ministro.

Sei que logo após a Independência foi preso, levado para a sua terra natal que suponho é Bambadinca, julgado num tribunal popular e condenado à morte por prego espetado na cabeça.

Disse-me ele também que houve uma forte mobilização da população local, com o argumento que o homem grande de Bissau ia lá passar, o que se demonstrou era falso. A população juntou-se toda, a juventude do PAIGC instrumentalizou-a (fez agitação) e deu-se um julgamento fora de todas as regras de justiça.

Apesar de tu na altura da morte ainda seres pequenina, possivelmente tens dados em teu poder que ajudarão.

Precisava de saber:
- Onde estava quando foi preso;
- Quanto tempo esteve preso;
- Se durante a prisão foi violentado;
- Onde foi julgado, se houve julgamento;
- Quem foi que o julgou, militares ou civis;
- Quais foram as acusações;
- Qual a condenação ou sentença;
- Como se processou a sentença, isto é, como morreu, onde e o que se passou a seguir.

Por favor responde ao que puderes ou souberes.
Ficando à espera da tua resposta.


5. Oi meu tio querido?

Vou dando tudo que eu sei sobre a morte do meu pai:
- Ele estava no Aldeia Furmosa (Quebo) ele tava no campo a fazer agricultura,
- Ele tava preso em Banbadinca depois foi transfirido para tchim [Xime];
- Depois da ultima visita da minha avô numca mais sabemos dele;
- Claro que foi maltratado porque não vimos o corpo dele e nen sabemos onde Foi sepoltado;
- Foi acuzado de que ele foi dos elementos a não aceitar a entrada do PAIGC;

E tudo o que eu soube sobre a morte do meu pai. Vou ti enviar a copia da cadermeta e outros documentos. Vou contando com a tua ajuda
Cadidjatu


6. Caros amigos.

Parece que eu sei mais sobre a morte do Candé do que a própria filha, ou então ela não quiz dizer tudo. Infelizmente já não posso consultar a minha fonte de origem, pois faleceu há cerca de dois anos. Sei que na altura do acontecimento, estava em Bissau a estudar. Talvez por isso tenha conseguido obter mais elementos.

Outras questões sobre a actividade do Candé se põe eu gostava de aferir:
Quando o conheci em Quebo - Julho de 1968 - usava galões de alferes, dizia-se "alfero de 2ª linha" (milicia) e comandava um temível pelotão de milícias - Grupo de Caçadores Nativos "Relâmpago"

Sobre esse grupo escrevi no "Meu Diário"

Aldeia Formosa, 9 de Agosto de 1968

...Um pelotão de milícia de Aldeia Formosa foi bater a zona de Mampatá (estrada de Colibuia/Bolola), para confundir o IN (enquanto a coluna de Buba, na qual eu me incluia, fazia o trajecto pela estrada de Nhala, sem incidentes) e sofreu dois mortos e três feridos.

Trouxe orelhas de vários IN, mortos durante o combate. É horrível, Senhor... dois mortos e três feridos e... orelhas de vários IN mortos.

Alguns, foi a sangue frio, segundo dizem, depois de serem descobertos com ferimentos que os impediam de fugir. Tudo isto é guerra, enquanto uns estavam na rectaguarda feridos, outros, autênticas feras, procuravam IN, irmãos de raça, para os assassinarem.

Os homens não ouvem a voz de Deus, abafam a tua voz com o matraquear das armas. Matar pessoas, porquê? ... E aquele corte de orelhas, vitorioso!?... Como se fosse um animal! E se fosse, quem deu ao homem tal direito?!...


Note-se que tanto quanto me foi dito pelo enfermeiro da CCAÇ 1792 - Os Lenços Azuís - o "alfero" Candé e seus homens arrancaram de peito aberto para o Inimigo, para forçar o cerco em que estavam a ser submetidos.

Verifico pela Caderneta que o Candé era soldado do Exército Português desde Maio de 1966, chegando a alferes graduado do Exército Português.

Que caminhada! Talvez o Mário Dias o conheça e possa desmistificar um pouco.

Uma dúvida se me põe e para a qual queria a vossa ajuda ou dos bloguistas mais conhecedores. Tal situação era possível? Ou seja, Nativo, Soldado do Exército em serviço na milicia local com o posto de Alferes?

O seu curriculum militar demonstra uma carreira militar bem cheia, pelo que possivelmente é conhecido por alguns dos bloguistas. Talvez se consiga mais alguma luz sobre este homem que segundo consta morreu da forma mais inglória, "ai dos vencidos".

A razão que me leva a voltar ao Candé, é o seguinte:

A Cadi pretende obter os direitos de reforma do pai. Será que algum dos bloguistas tem conhecimentos que possam ajudar a pequena?

Eu, francamente, não sei por onde possa pegar, no sentido de a ajudar, no mínimo a esclarecê-la.

Aqui fica o apelo.

Junto cópias da caderneta.

Fraternal abraço.
Zé Teixeira





Foto 1> Registo de Apresentações e Disponibilidade




Foto 2> Registo Criminal e Disciplinar




Foto 3> Promoções e Colocações




Foto 4> Prémios, Condecorações e Louvores




Foto 5> Habilitações




Foto 6> Foto de família com Castro Neves




Foto 7> Foto de Aliu Sada Candé




Foto 8> Candé com amigos em Lisboa - Prémio Governador



Foto 9> Avó com Castro Neves




Foto 10> Aliu Sada Candé com Castro Neves



7. Comentário de C.V.

Face ao apresentado, o nosso bom camarada José Teixeira está perante um problema de difícil resolução, tanto mais que a maioria dos elementos necessários para tratamento do processo se encontram em Lisboa.

Tendo o camarada Aliu sido assassinado há já muito tempo, pelos vistos com todos os requintes de malvadez e selvajaria, reconstruir todo o processo é tarefa gigante.

Deixamos no entanto no ar o pedido de ajuda a quem por localização geográfica mais favorável, por se mexer melhor nos meandros da burocracia, por disponibilidade de tempo e por último, mas não menos importante, por ser solidário, possa dar uma ajuda ao Zé Teixeira que tem um coração enorme e um amor aos nossos irmãos guineenses como raramente se vê.

Adivinha-se a quantidade de ex-combatentes guineenses, angolanos e moçambicanos, nossos camaradas, que foram assassinados a sangue frio por represália a atitudes menos correctas tidas em campanha.

Mas... Quem nunca pecou que atire a primeira pedra.
_________________

Nota de C.V.:

(1) Vd. poste de 1 de Abril de 2008> Guiné 63/74 - P2710: Os filhos dos que lutaram ao nosso lado (José Teixeira)

Guiné 63/74 - P2789: Notas de leitura (9): Costa Gomes: uma biografia rigorosa de um militar prestigiado e ponderado (Beja Santos)


Título: Marechal Costa Gomes: No Centro da Tempestade.
Autor: Luís Nuno Rodrigues.
Editora: A Esfera do Livro, Lisboa.
Ano: 2008.
Colecção: História Biográfica
Preço: c. 27 €
Nº páginas: 408 + 24 extratextos
Encadernação: Cartonado

COSTA GOMES,O MARECHAL QUE NOS AJUDOU A FUNDAR ESTA REPÚBLICA
por Beja Santos

Os seus detractores chamaram-lhe "Chico Rolha" ou "O Cortiça" mas também o "Agente dos Vermelhos". No entanto, foi a figura decisiva de uma revolução, a última que tivemos no século passado, que moderou sem nunca ter tido aspirações a ser revolucionário.

Foi indiscutivelmente o oficial general mais prestigiado e brilhante das Forças Armadas Portuguesas no século XX, mas nunca deixou de pensar como um civil, sem, contudo, ter deixado em momentos decisivos de agir como o garante da dignidade dos militares. É considerado uma figura modelar ao nível da estratégia, sobretudo em Moçambique e Angola, mas previu que não havia solução militar para os conflitos armados nos três teatros de guerra. Quando, em Agosto de 1973, Caetano sugeriu o abandono discreto da província da Guiné, reagiu desfavoravelmente, lembrado da tragédia de Goa.

Homem da matemática, nunca escondendo a sua formação católica, esteve no centro dos acontecimentos políticos e militares entre 1974 e 1976. Suscitou invejas, ódios, acusações e, logo que possível, muitos políticos que tanto lhe deviam, tudo fizeram para procurar apagar ou distorcer a marca indelével que ele deixou na História de Portugal.

Marechal Costa Gomes, no centro da tempestade é a biografia que lhe consagrou Luís Nuno Rodrigues, um relato rigoroso e muito acessível da trajectória de um militar-político, que indiscutivelmente conseguiu conter as tensões extremadas do Verão Quente de 1975, evitando o perigo da guerra civil e manobrando com êxito para que se viesse a fundar o regime democrático em Portugal (A Esfera dos Livros, 2008) (1).

Francisco da Costa Gomes tornou-se presidente da República quando António de Spínola renunciou ao cargo, em 30 de Setembro de 1974, em consequência de uma prolongada tensão com as forças do MFA, sobretudo a sua Comissão Coordenadora, e depois de uma tentativa falhada em criar uma onda de simpatia para o seu projecto autocrático.

Tratando-se de uma biografia, o autor descreve as principais etapas da educação e formação do presidente da república: o Colégio Militar, os seus primeiros passos na carreira militar, a sua missão em Macau (etapa fundamental para o prestígio que granjeou na hierarquia), depois a sua passagem pela NATO, a sua nomeação como Subsecretário de Estado do Exército, onde teve um papel capital na reorganização das forças ultramarinas, nos finais dos anos 50 e início dos anos 60. Teve igualmente um papel discreto nos acontecimentos do pronunciamento militar conhecido por "Abrilada" ou "Golpe Botelho Moniz", em Abril de 1961.

Afastado do poder, foi "recuperado" quando eclodiu em todo o seu fragor a guerra colonial, a seguir a 1965: segundo-comandante da Região Militar de Moçambique, de 1965 a 1967, e depois seu comandante até 1969, tendo indiscutivelmente travado o esforço militar da FRELIMO; em 1970 parte para Angola onde exerceu as funções de comandante da Região Militar e onde vai permanecer até meados de 1972, conseguindo assinaláveis sucessos na modernização do dispositivo militar, atraindo e formando tropas locais, reduzindo a guerra de guerrilhas a quase nada. Em Setembro de 1972 foi nomeado chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas.

A partir de 1973, quando estala o conflito entre o Governo de Marcelo Caetano e os capitães do Quadro Permanente, Costa Gomes aparece como defensor dos interesses destes oficiais, ouvindo-os e alertando os ministros do Exército e da Defesa para as razões do descontentamento. Criado o Movimento das Forças Armadas, Costa Gomes foi o general mais votado para surgir como líder do Movimento. Enquanto Spínola se mantém activo e acolhe regularmente um grupo de oficiais, Costa Gomes deliberou manter o seu distanciamento.

Luís Nuno Rodrigues escreve com documentação segura tudo quanto se vai passar ao nível das relações militares com Marcelo Caetano até ao 25 de Abril de 1974: a amizade entre Spínola e Costa Gomes e as suas carreiras diferenciadas, em que pesou o princípio do desmoronamento do teatro da Guiné, em 1973, e que revela a contingência do colapso militar. Costa Gomes visita a Guiné nesse momento crítico e propõe a redução da área efectivamente ocupada, proposta recebida desfavoravelmente por Spínola. Spínola pede a demissão de governador e comandante-chefe das Forças Armadas da Guiné e é substituído.
A leitura de Marcelo Caetano, como se disse acima, ainda era mais drástica, pois propunha o acantonamento das Forças Armadas à península de Bissau, o que também não foi aceite, já que parecia configurar-se como uma manobra aparentada com o desastre da Índia, com a consequente hipótese de haver acusação de cobardia militar.

A autorização da publicação do livro de Spínola, Portugal e o Futuro, foi o detonador para as movimentações militares, até então circunscritas às reuniões clandestinas dos jovens oficiais. Caetano entrega o poder a Spínola no convento do Carmo, mas não houve equívoco no que os militares pensavam da personalidade de Costa Gomes, incapaz de um acto impulsivo e nunca tentado para o poder pessoal.

Enquanto Spínola se emaranha na formação do 1º Governo e nas tensões da descolonização, Costa Gomes viaja pelas províncias ultramarinas e constata que não há margem de manobra para continuar as guerras, em qualquer dos teatros de operações. O conflito de Spínola/MFA é indisfarçável após a queda do primeiro Governo Provisório. A relação entre os dois oficiais generais é de progressivo afastamento, embora, mesmo depois do 28 de Setembro tenham mantido um recíproco bom trato. O 11 de Março mudou tudo.

Nomeado presidente da República, Costa Gomes colocou a descolonização como o principal problema que se punha ao país, continuou um bom relacionamento com o MFA, apaziguou conflitos levantados ao nível da sua ala radical, é um período de inúmeros encontros internacionais com políticos das principais áreas de decisão, sobretudo na Europa e Estados Unidos.

A sua voz e a sua serenidade revelaram-se da maior importância perante o acumular de preocupações com a degradação da situação interna. Com efeito, a partir de Outubro e Novembro de 1974 vive-se numa atmosfera de permanente sobressalto, de golpismo, de crescimento de utopias, de tensões entre o PS e o PCP até se chegar ao 11 de Março de 1975, onde a postura de Costa Gomes foi decisiva para a manutenção das propostas iniciais do MFA quanto a eleições e à formação de uma Assembleia Constituinte.

Assim se chega ao Verão Quente e o autor vai destacando ao longo desses meses determinantes as declarações de Costa Gomes que evidenciam um pensamento firme quanto à manutenção do pluralismo partidário. Lendo à distância dos anos estas declarações, é incontestável uma deliberada postura de Costa Gomes, pautada por uma elevada cautela na redução dos conflitos num período em que o PS e o PPD saíram do Governo, em que se forma o V Governo Provisório, em que os boatos de todos os matizes proliferam no país, em que se estabelece uma ponte aérea para retirar os fugitivos de Angola, em que toda a gente de manifestava a qualquer hora do dia e da noite e em que o MFA se cindia em grupos cada vez mais irredutíveis.

Assim se chegou ao 25 de Novembro, talvez o ponto culminante da ágil capacidade de manobra de Costa Gomes, bem sucedido em travar os confrontos militares e políticos. A documentação invocada por Luís Nuno Rodrigues é de inexcedível importância, e é base irrefutável do papel desempenhado por Costa Gomes.

Trata-se de uma biografia marcada pela elegância das atitudes do biografado, escusando-se a destacar a mesquinhez dos políticos que tudo fizeram para a apoucar o papel de Costa Gomes na consolidação do processo democrático, ou as manobras para o impedir de continuar a servir Portugal, ele que possuía tantos talentos e que inclusivamente ganhara prestígio na cena internacional.

Luís Nuno Rodrigues ganhou a aposta em relançar o mais prestigiado militar português do século XX no seu papel de presidente da República naqueles momentos tão conturbados que se viveram entre 1974 e 1976. O que esta biografia deixa em suspenso é saber como e quando Portugal irá reconhecer na plenitude o papel desempenhado por Costa Gomes na fundação da nossa República.

__________

Nota dos editores:

(1) Vd. poste de 16 de Abril de 2008 > Guiné 63/74 - P2765: Convite (4): Lançamento do livro Marechal Costa Gomes no Centro da Tempestade (Esfera dos Livros, Lisboa)

terça-feira, 22 de abril de 2008

Guiné 63/74 - P2788: Tabanca Grande (64): Apresenta-se Sá Fernandes, ex-Alf Mil da CART 3521 e Pel Caç Nat 52 (Guiné 1971/73)



António Sá Fernandes
ex-Alf Mil
CART 3521 e Pel Caç Nat 52
Guiné 1971/73 (3)




1. Recebemos do nosso novo tertuliano, Sá Fernandes (1), uma mensagem com as fotos da praxe, mais algumas de seu tempo de tropa, sem legendas.

Veio ainda uma foto mais recente com uma belíssima paisagem que presumo ser do Minho ou Trás-os-Montes.

Caro Carlos Vinhal:

Creio não conhecer-te; porém e com o intuito de entrar no blogue junto envio umas fotos.

Já sabem que o que diz o Mexia Alves é verdade, ou seja: fui ocupar o lugar dele do Pel Caç Nat 52, vindo da CART 3521 que embarcou no Niassa em Dezembro de 1971, com o BART 3853, salvo erro.

Um abração

Sá Fernandes

Foto 1> Sem legenda, mas dá ideia de um Pelotão de Cadetes do COM


Foto 2> Foto tirada em Bolama


Foto 3> Foto tirada a bordo de uma LDG a caminho de Piche ou Bolama


Foto 4> Foto tirada em Verdoejo, Valença, com a Galiza ao longe

Fotos: © Sá Fernandes (2008). Direitos reservados. (2)


2. Caro Sá Fernandes estás oficialmente apresentado à tertúlia.

A partir de agora poderás enviar os teus textos e as fotografias, sempre acompanhadas das respectivas legendas, não te esqueças.

Recebe um abraço em nome malta.
C.V.
______________

Notas dos editores:

(1) Vd. postes de 18 de Abril de 2008> Guiné 63/74 - P2774: O Nosso Livro de Visitas (13): António de Sá Fernandes, ex-Alf Mil da CART 3521 (Guiné 1969/73)

de 20 de Abril> Guiné 63/74 - P2780: Tabanca Grande (63): Que seja bem vindo o Sá Fernandes, que me substituiu no comando do Pel Caç Nat 52 (Joaquim Mexia Alves)

(2) Fotografias legendas em 23 de Abril de 2008

(3) O nosso camarada por lapso, informou ter estado na Guiné entre 1969/73, quando queria dizer 1971/73

Guiné 63/74 - P2787: Ninguém Fica para Trás: Grande Reportagem SIC/Visão (5): Guidaje cercada por mil homens do PAIGC ? (A. Marques Lopes)

Guiné > PAIGC> 1971 > Na organização militar, a Frente (correspondente à organização civil Inter-Região) estava dividida em Regiões, por sua vez divididas em Sectores; cada um destes escalões era dotado de um comando militar próprio com forças próprias.

No caso da Frente São Domingos / Sambuiá, onde actuava o 3º Corpo do Exército, havia duas Regiões: o sector de São Domingos actuava contra as nossas forças em São Domingos, Susana e Ingoré; e o sector de Sambuiá encarregava-se de Barro, Bigene, Guidaje, Farim...

Imagem ©
A. Marques Lopes (2008). Direitos reservados



1. Esclarecimento do nosso assessor militar para as questões de instrução, táctica e logística do PAIGC, o coronel DFA reformado, A. Marques Lopes, tertuliano de gema e da primeira geração:

Não me admiro que estivessem 1.000 homens na altura do cerco de Guidage (1). O 3.º Corpo do Exército foi um dos grupos. Mas havia mais na zona. O Supintrep 31, de 13 de Fevereiro de 1971, dá nota de um deles, o da Frente S. Domingos/Sambuiá (vd. imagens acima e a seguir).

Guiné > PAIGC > 1971 > O PAIGC tinha o território dividido nas seguintes frentes: Frente São Domingos / Sambuiá; Frente Bafatá-Gabu (Norte); Frente Canchungo-Biambe; Frente Morés-Nhacra; Frente Quínara; Frente Xitole-Bafatá; Frente Bafatá-Gabu (Sul); Frente Catió; Frente BUba-Quitafine... Neste mapa também se indicam as principais regiões... Fonte: Supintrep, nº 31, 13 de Fevereiro de 1971.

Imagem: ©
A. Marques Lopes (2008). Direitos reservados

Na avaliação do potencial humano das FARP [- Forças Armadas Revolucionárias do Povo], o Supintrep 31 parte da seguinte base numérica:

BIGRUPO - 44
BIGRUPO REFORÇADO - 70
GRUPO DE ARTILHARIA - 50
GRUPO DE MORTEIROS 82 - 23
GRUPO DE CANHÕES S/R - 23
GRUPO DE FOGUETÕES 122 - 16
PELOTÃO DE ANTI-AÉREAS - 16
GRUPO DE MORTEIROS 120 - 40
GRUPO DE COMANDOS - 50
GRUPO ESP. DE BAZOOKAS - 20

Na organização militar, a FRENTE (correspondente à organização civil INTER-REGIÃO) é dividida em REGIÕES, por sua vez divididas em SECTORES; cada um destes escalões é dotado de um comando militar próprio com forças próprias.

É, pois, natural que se tivessem juntado alguns Sectores da Frente S. Domingos / Sambuiá e da Frente Bafatá/ Gabu(Norte) e mais os das bases de apoio no Senegal. O total daquela base de cálculo soma 352. Tirando o pelotão de anti-aéreas (levaram os Strella...) dá 336.

Devem ter ido a Guidage vários bigrupos e vários grupos de morteiros 82, de canhões sem-recuo, de foguetões, de morteiros 120... Penso eu de que.

A. Marques Lopes

2. Extractos do artigo do João Afonso, ex-Fur Mil, do 3.º Grupo de Combate da CCAV 3420 (1971/73), que foi comandado pelo Cap Salgueiro Maia:

(...) "Em Maio de 1973, Guidage e Guilege constituíram a prova mais dura a que as Forças Armadas Portuguesas foram sujeitas nos três Teatros de Operações (Angola, Moçambique e Guiné). Para aliviar a pressão sobre Guidage, preparou-se um ataque à base inimiga de Kumbamory, situada a 4/6 km da linha de fronteira do Senegal, tendo em vista desarticular o IN e, se possível, destruir a Base, provocando o maior numero possível de baixas.

"No início de Maio de 1973 a Guarnição de Guidage era constituída pela CCAÇ 19 e pelo Pelotão de Artilharia 24, equipado com Obuses 10,5 e estava sob o Comando do COP3 com sede em Bigene. Do lado Português, Guidage em termos de efectivos teria cerca de 200 homens, na maioria recrutados na Província que, com os seus familiares, viviam numa pequena aldeia junto ao Quartel.

"Do lado PAIGC estimava-se que o número de elementos se situava entre os 650 e os 700 homens, comandados por Francisco Mendes (Chico Te) e pelo Comissário Político Manuel Santos [, Manecas, de nome de guerra].

"As Forças do PAIGC tinham uma das suas bases em Kumbamory podendo fazer reabastecimentos por viatura a partir de Zinguichor, Yeran ou Kolda, permitindo assim manter o cerco a Guidage por largo período de tempo. O PAIGC mantinha na Zona as seguintes forças:

- Corpo de Exército com 4 Bigrupos de Infantaria e uma Bateria também de infantaria;
- Corpo de Exército com 5 Bigrupos de Infantaria e um grupo de Foguetes com 4 rampas de lançamento;
- 3 Bigrupos de Infantaria, um grupo de Reconhecimento e uma bateria de Artilharia deslocada da Zona Leste;
- Um Pelotão de Morteiros 120 mm;
- Um Grupo Especial de Sapadores.

"O isolamento de Guidage iniciou-se com o abate de um avião T6, duas DO-27 e um Fiat G91 e o cerco terrestre acentuou-se em 8 de Maio quando uma coluna que partiu de Farim, escoltada por forças do Batalhão de Caçadores 4512, accionou uma mina e foi emboscada sofrendo 12 feridos" (...) (2).
__________

Notas dos editores:

(1) Vds. poste de 22 de Abril de 2008 > Guiné 63/74 - P2785: Ninguém Fica Para Trás: Grande Reportagem SIC/VIsão (3): Sabemos ao menos quem foram e onde estão ? (Luís Graça)

(2) 3 de Fevereiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDXCVI: Salgueiro Maia e os seus bravos da CCAV 3420 (Guidage, Maio/Junho de 1973) (José Afonso)

Guiné 63/74 - P2786: Ninguém Fica para Trás: Grande Reportagem SIC/Visão (4): Fiquei bastante comovido mas mais confortado (Albano Costa)



Guiné-Bissau > Região de Cacheu > Guidaje (ou Guidage, os nossos cartógrafos usavam as duas grafias, um delas certamente por lapso; de qualquer modo, a confusão linguística está lançada: é como Guileje, Guilege ou Guiledje... Vednha a ratificação do acordo ortográfico!) > Novembro de 2000 > Bolanha do Cufeu > Belíssimas imagens do Albano Costa, tiradas no seu regresso àquela terra e aquele chão, que ele ama tanto... O Albano fez uma comissão relativamente tranquila em Guidaje, depois de passados os trágicos acontecimentos de Maio de 1973. O nosso amigo e camarada de Guifões, Matosinhos, onde exerce a sua actividade de fotógrafo profissional, pertenceu à CCAÇ 4150 (1973/74). Mais fotografias de Guidage (bem como dos antigos destacamentos de Bigene e de Binta) podem ser vistos aqui.

Estas fotos da bolanha onde os pára-quedistas da CCP 121 conheceram o dia mais negroi das suas vida (se acordo com o testemunho do Victor Tavares), contrastam também com as imagens brutais de corpos abandonados e viaturas calacinadas já aqui também publicadas pelo ex-1º Cabo Comando Amílcar Mendes, da 38ª CCmds (2).

Fotos: ©
Albano Costa (2008). Direitos reservados.

1. Mensagem do Albano Costa:

Assunto - Exumação dos mortos de Guidage

Caros Editor e co-editores:

Finalmente, quase ao fim de 35 anos os nossos mortos deixaram Guidage (1), terra que reteve oito meses da minha juventude, foi o tempo que permaneci naquele bocado de terra, oito foram os mortos da metrópole que lá ficaram este tempo todo, mas morreram lá muitos mais (2).

Guidage não fica a quilómetros, como foi dito na peça mas, sim, faz fronteira com o Senegal, era e é uma terra de ninguém aonde não existia comércio nenhum (e em Novembro de 2000 quando lá voltei, não vi sinais nenhuns de desenvolvimento).



Guiné > Região do Cacheu > Guidaje > CCAÇ 4150 (1973/74) > Planta do quartel, posterior a Maio de 1973.

Imagem: ©
Albano Costa (2008). Direitos reservados.



Estavamos isolados de tudo e de todos. É que na peça mistura-se imagens de Guidage e Farim e, para quem não conhece, julga que em Guidage até passa um rio, mas o rio que se vê, é o rio Cacheu, em Farim.

Estive a ver bastante comovido a reportagem da exumação dos mortos, confesso que me saiu um peso de cima de mim, quando abandonei aquele espaço já depois do 25 de Abril, ficou sempre no meu pensamento, será que alguma dia estes nossos colegas - que eu não os conheci - serão entregues aos seus familiares ?!...

Ainda bem, que isso vai acontecer, mas também gostaria de ver os restantes cinco, que a família fosse informada pela Liga, se estavam interessados em reaver os seus familiares, a exemplo do Gabriel Ferreira Telo, da Madeira. Como diz a sua irmã e como se vê na peça, irá ser um momento muito feliz para a sua família, quando isso acontecer.... Mas será que os familiares dos restantes quatro não tem os mesmos direitos, será que eles não estavam a lutar pelos mesmos ideais da altura, será que o país não se está a perceber que os seus filhos não estão a ser tratados por igual?...

Gostaria de ver a Liga dos Combatentes fazer um esforço para que o Geraldes, o Ferreira, o Machado e o Jerónimo pudessem ter o mesmo destino, assim como todos os que sucumbiram em defesa da Pátria... E muitos vou pensar, mais um lirico, pois é, só quem lá deixou um seu famíliar é que tem o direito de pensar se vale ou não vale a pena!.... Deu para sentir como as famílias vão ficar, por ver que, com o regresso de seus filhos, vão poder finalmente fazer o luto.

Ainda bem que a Conceição Maia (irmã do Vitoriano) e o Manuel Rebocho mexeram com o mundo pára-quedista e deram sentido à palavra de ordem Ninguém fica para trás... Foi bom ver, ouvir e sentir, além dos três pára-quedistas, valeu a pena por eles, pode ser que outros os vão seguir, quer queiram quer não queiram, é uma justiça que se faz aos nossos compatriotas que não tiveram a sorte de voltar com vida.

Guiné > Guidaje > Maio de 1973 > Croquis do plano de operações da Op Ametista Real, planeada e executada sob o comando do Ten Cor Almeida Bruno, para pôr fim ao cerco de Guidaje. Foi uma das mais curtas, sangrentas e brutais batalhas travadas durante a guerra da Guiné. Acabou por aliviar a pressão sobre Guidaje. Tratou-se de uma operação em solo senegalês, tendo como objectivo a destruição da base de Kumbamory, o que foi conseguido na manhã de 20 de Maio de 1973. O número de baixas foi elevado para ambos os lados: 67 mortos, do lado do PAIGC (que sofreu, além disso, a destruição de 22 depósitos de material de guerra); 25 mortos, do nosso lado (incluindo 2 alferes), e 25 feridos graves (incluindo 3 oficiais e 7 sargentos). A operação (o assalto à base do PAIGC) foi executada exclusivamente pelo Batalhão de Comandos Africanos, comandados por "quatro oficiais europeus" (sic): o tenente-coronel Almeida Bruno e os seus três comandantes de agrupamento, os capitães Raúl Folques (que ficaria gravemente ferido) e Matos Gomes e o capitão pára-quedista António Ramos (este último comandando o agrupamento a que ficou adstrito o grupo especial comandado pelo Alferes Marcelino da Mata) (3).

Documento fornecido ao Albano Costa pelo José Afonso (ex-furriel miliciano da CCAV 3420, de que era comandante o capitão Salgueiro Maia, e que já em fim de comissão, em Bissau, foi enviada em socorro de Guidaje). O José Afonso é membro da nossa tertúlia e mora no Fundão (4).

Imagem: ©
Albano Costa (2008). Direitos reservados.

Envio umas fotos que são da Bolanha do Cufeu, no tempo das chuvas, o mesmo sítio, onde o Cor Calheiros está a explicar à irmã do Vitoriano como foi o acidente da sua morte, eu que atravessei muitas vezes aquele local sei muito bem a tensão que era quando a nossa tropa tinha que atravessá-lo para vir a Binta e voltar novamente a Guidage. Quando lá voltei, ao passar no local, passado muitos anos para rever aquele torrão, toda a tensão veio de novo ao de cima.

Albano Costa
_________

Notas dos editores:

(1) Vd. poste anterior desta série:

22 de Abril de 2008 > Guiné 63/74 - P2785: Ninguém Fica Para Trás: Grande Reportagem SIC/VIsão (3): Sabemos ao menos quem foram e onde estão ? (Luís Graça)

(2) Vd. postes do Amílcar Mendes:

2 de Novembro de 2005 > Guiné 63/74 - CCLXV: Apresenta-se o 1º Cabo Comando Mendes (38ª CCmds, 1972/74)

27 de Setembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1123: Um espectáculo macabro na bolanha de Cufeu, em 1973 (A. Mendes, 38ª Companhia de Comandos)

22 de Outubro de 2006 > Guiné 63/74 - P1199: A vida de um comando (A. Mendes, 38ª CCmds) (1): Sete anos de serviço

22 de Outubro de 2006 > Guiné 63/74 - P1200: A vida de um comando (A. Mendes, 38ª CCmds) (2): Um dia de Natal na mata de Caboiana-Churo )

22 de Outubro de 2006 > Guiné 63/74 - P1201: A vida de um comando (A. Mendes, 38ª CCmds) (3): De Farim a Guidaje: a picada do inferno (I parte)

23 de Outubro de 2006 > Guiné 63/74 - P1203: A vida de um comando (A. Mendes, 38ª CCmds) (4): De Farim a Guidaje: a picada do inferno (II Parte)

23 de Outubro de 2006 > Guiné 63/74 - P1205: A vida de um comando (A. Mendes, 38ª CCmds) (5): uma noite, nas valas de Guidaje

24 de Outubro de 2006 > Guiné 63/74 - P1207: Guidaje, Maio/Junho de 1973: a 38ª CCmds, na História da Unidade (A. Mendes)

24 de Outubro de 006 > Guiné 63/74 - P1210: A vida de um comando (A. Mendes, 38ª CCmds) (6): Guidaje ? Nunca mais!...

30 de Outubro de 2006 > Guiné 63/74 - P1223: Soldado Comando Raimundo, natural da Chamusca, morto em Guidaje: Presente! (A. Mendes, 38ª CCmds)

4 de Abril de 2008 > Guiné 63/74 - P2719: Guidaje, Maio de 1973: Só na bolanha de Cufeu, contámos 15 cadáveres de camaradas nossos (Amílcar Mendes)

24 de Outubro de 006 > Guiné 63/74 - P1210: A vida de um comando (A. Mendes, 38ª CCmds) (6): Guidaje ? Nunca mais!...

(3) Vd. posts de:

16 de Agosto de 2005 > Guiné 63/74 - CLXXV: Antologia (16): Op Ametista Real (Senegal, 1973) (João Almeida Bruno)

26 de Novembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1316: A participação dos paraquedistas na Operação Ametista Real: assalto à base de Kumbamory, Senegal (Victor Tavares, CCP 121)

(4) Vd. poste de 3 de Fevereiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDXCVI: Salgueiro Maia e os seus bravos da CCAV 3420 (Guidage, Maio/Junho de 1973) (José Afonso)