sábado, 29 de novembro de 2008

Guiné 63/74 - P3542: Memórias literárias da Guerra Colonial (11): Cristóvão de Aguiar na Biblioteca-Museu República. (José Martins)

1. Mensagem do José Martins

Dia 27 de Novembro de 2008

Como habitualmente, ao início do dia de trabalho, abri a caixa de mensagens do meu mail pessoal e encontrei uma mensagem do Cristóvão de Aguiar:

Caro Camarada José Martins:

Fico-lhe agradecido pelas referências elogiosas que tem feito ao meu livro "Braço Tatuado". É sempre agradável saber que alguém lê com acuidade um livro que nos pertence e foi escrito com sangue e muito suor.

Quanto ao número 666, claro que não existe nenhuma Companhia com tal número. Foi inventado por mim. Por duas razões. A primeira, porque, tratando-se de um livro de ficção, não gostaria de identificar a Companhia de Caçadores onde fui Alferes.

Segunda, o número 666 é o número da Besta do Apocalipse, livro bíblico, que reflecte o caos, a guerra, e outros males que irão acontecer à Humanidade. Daí o adjectivo apocalíptico que se emprega na nossa língua para significar o que ficou dito. Deste modo, aproveitei a deixa para caracterizar a situação infernal em que estávamos metidos, identificando os comandantes como Besta 1 e Besta 2, etc...

Engana-se quem pensar que 'Braço Tatuado' é um relato fiel de uma guerra. Essa matéria pertence aos historiadores. Ao ficcionista apenas compete tornar o seu texto plausível, isto é, fazer crer ao leitor que determinado acontecimento se não ocorreu na realidade poderia tê-lo sido.

A ficção é uma mentira para se acentuar uma verdade. Por isso, os nomes, no meu livro, são inventados, determinadas ocorrências lá narradas são, por vezes, uma mistura de vários acontecimentos, as personagens têm traços de várias pessoas que conheci, e assim por diante. Não foi meu intuito fazer história nem relatar o que na realidade aconteceu, mas tão-só tornar plausível (que poderia ter acontecido) as ocorrências em que eu e tantos outros nos vimos embrulhados. De qualquer modo, não se cria a partir do nada, mas a partir de uma realidade que se viveu ou desviveu. Quantas vezes um escritor descreve a realidade tal qual ela é (o que também não é fácil, porque entram factores subjectivos) e depois de vertida em texto ninguém acredita...

Ora, a missão do escritor é fazer que o leitor acredite piamente no que foi escrito, mas que para isso tenha a realidade de ser torcida para parecer verdadeira. Mentir em ficção não é pecado, mas, sim, uma virtude... Claro que a sua investigação é muito meritória, mas os factos apurados pertencem a outra esfera, não a literária propriamente dita.

Ao menos fiquei a saber datas, nomes de operações de que já não me lembrava. O que me ficou gravado foi outra coisa muito pior, e esta pertence a outro reino...

Os meus agradecimentos
e um abraço do
Cristóvão de Aguiar


À tarde, pelas 19 horas estava na BMRR – Espaço Grandella em amena cavaqueira com o Cristóvão de Aguiar e o Alberto Branquinho, recebidos pelo sempre simpático José Paulo Sousa.

Quando se deu inicio à “conversa”, pois que na sala se encontravam, além do conferencista e o anfitrião, os bloguistas Alberto Branquinho e José Martins, uma senhora que, vim a saber, ser açoriana e ter ido com o propósito de conhecer pessoalmente o Aguiar, um amigo dele que, nos idos anos da guerra se encontrava num seminário a estudar, e o nosso camarada Nuno Roque da Silveira, autor do livro “Um outro lado da guerra” e primeiro conferencista destes encontros. Posteriormente chegou uma senhora, que lecciona no ISCTE.

A sessão iniciou-se com a exposição do Cristóvão de Aguiar (texto abaixo).


GUERRA COLONIAL

Sou um dos milhares de cidadãos portugueses que pertencem à chamada geração da Guerra Colonial. Estive tentado a escrever o verbo no pretérito, mas, como tantos outros camaradas meus, ainda sofro, e sofrerei, as sequelas psicológicas que, durante os quase dois anos da minha estada no inferno da então chamada província portuguesa da Guiné, para sempre me machucaram a mente e o íntimo. Assim, a geração da Guerra Colonial só terminará quando o último ex-combatente cerrar os olhos ao mundo… Depois, talvez essa geração destruída, fique registada, em nota de pé-de-página, num capítulo da História do século XX português…

Existem, porém, milhares de outros que tiveram menos fortuna e continuam a padecer violentamente: os chamados deficientes das Forças Armadas – mutilados, cegos, doentes do foro psiquiátrico e orgânico… Muitos deles viram as suas vidas familiares desmanchadas, tornando-se em seres viventes cuja vida pouco sentido tem. E há ainda os milhares que tombaram na mata ao serviço de uma pátria apodrecida por um regime que, durante mais de quarenta anos, constituiu uma nódoa e uma desonra histórica.

Como escreveu um conterrâneo meu, já falecido, companheiro de República em Coimbra e camarada na Guiné, José Noronha Bretão (1), num livrinho intitulado "Três Tristes Tempos e o Regresso do Melro Preto". Passo a citar:

Esperávamos em silêncio
mastigando a memória das coisas
e a Morte claramente apercebida
aguardava o seu quinhão

Pensávamos:

Cada coice de Mauser no ombro
é uma carícia da Pátria agradecida.

Puta de Pátria que agradece aos coices.

De ambos os lados da barricada, a guerra colonial foi intensamente cruel e ainda está a sê-lo para muitas centenas, ou milhares, que por lá andaram a esmigalhar os melhores anos da juventude. Isto de se falar em terrorismo apenas do lado dos guerrilheiros tem muito que se lhe diga. As nossas tropas também o praticavam em grande escala e com muito engenho e sadismo. Sobre tudo isso, porém, era expressamente proibido falar. Havia ouvidos atentos à escuta, e existia medo, ignorância, e a censura a compor o resto do ramalhete, torcendo a verdade para construir a mentira oficial.

Nem sequer havia guerra, afirmavam os donos e cabecilhas do regime. Andávamos tão-só em missão de vigilância nas províncias ultramari­ nas, flageladas pelos chamados “turras”, e que, como se devem lembrar, constituíam (as tais províncias) o prolongamento natural da pátria, que ia do Minho a Timor, refrão patrioteiro, que então se entoava e que alguns ainda gostariam de continuar a solfejar.

Havia, pois, uma mantilha de silêncio caída sobre o que ocorria nas três frentes de batalha. Pouco ou nada se sabia. As razões são múltiplas e não serão despiciendas as que já apontei: censura, medo, vigilância da PIDE, desinteresse do povo em geral, que só lhe importava como passavam os familiares que por lá combatiam – adeus, até ao meu regresso – e, quanto à esmagadora maioria dos soldados, não sabiam, nem queriam saber, das razões que os haviam levado a ir matar e esfolar negros para um Continente que, segundo lhes martelaram desde a catequese da escola primária, constituía um património tão português como as suas aldeias da Metrópole – “Angola é nossa”- tocavam as bandas regimentais, nas cerimónias militares, por vezes acompanhadas por um coro de vozes tremelicantes de patriotismo…

Havia quem estivesse a par das causas da situação bélica em África: Intelectuais esclarecidos e muitos dos oficiais milicianos, saídos das Universidades directamente para as fileiras, alguns por castigo por terem intervindo activamente nas crises académicas de 62 e 69; os que haviam desertado antes que fosse demasiado tarde e seguissem para as cadeias políticas do regime; outros ainda que, mesmo na clandestinidade ou em plena guerra colonial, procuravam passar informações de todas as maneiras e feitios, que viriam a constituir matéria importante para a rádio “Voz da Liberdade”, aos microfones da qual Manuel Alegre desempenhou um papel relevante de informação e formação.

O silêncio, porém, era a regra e prolongou-se em demasia. Ninguém, por mais ousado politicamente, se atrevia, em público, a falar de guerra colonial. A primeira vez que ouvi gritar “abaixo a guerra colonial” foi numa Assembleia Magna da Academia de Coimbra, cuja ordem do dia era a greve académica que se realizou depois com tal êxito, que havia de abalar o regime. Mas, o estudante que deu aquele grito de alma, sincero e lancinante, foi depois admoestado pelos próprios companheiros, por ter dado razões aos elementos da DGS, infiltrados entre a multidão estudantil e que nos acompanhavam na gritaria de vivas e morras, para que ninguém desconfiasse da sua presença, o que não era muito difícil...

Até onde chegava a censura interior! Os jovens de hoje não poderão compreender essa atitude de uma prudência tal, que poderia, facilmente, confundir-se com cobardia…

Foi na poesia, e ainda durante no regime salazarista, que a guerra colonial principiou a ser “cantada” e denunciada. Os dois primeiros poemas conhecidos sobre a guerra colonial foram publicados por Fernando Assis Pacheco, no seu livro "Cuidar dos Vivos".

A seguir, Manuel Alegre e a sua "Praça da Canção", um dos mais sérios casos editoriais que neste país jamais aconteceram. A PIDE, como lhe competia por ofício, “vocação e amor à pátria”, ainda tentou retirar a obra do mercado, mas já não chegou a tempo. Esgotara-se num ápice. Mas não tardou que corresse, copiado à mão, por esse país fora. Outro livro do mesmo autor, com a guerra em fundo: "o Canto e as Armas"…

Uma das maneiras de escapar à censura, que, por vezes, e felizmente, se mostrava estúpida, era escrever ou poetar sobre a guerra colonial como se fosse a do Vietname ou de Hiroshima, trocando-se as voltas aos vigilantes da ordem e dos bons costumes morais, cívicos e políticos...

A editora tomarense Nova Realidade publicou antes de 74 vários livros considerados à época perigosos: "Cantares", de José Afonso; "o Canto e as Armas", de Manuel Alegre; "Hiroshyshima" e Vietname", duas antologias, cujos poemas se referiam, nas entrelinhas, à guerra colonial portuguesa…

Tenho dado tratos de polé ao pensamento a ver se consigo deslindar as razões por que, logo após a Revolução do 25 de Abril, e já com as colónias tornadas países independentes, se continuou a silenciar a guerra colonial e os seus efeitos traumáticos que ela exerceu sobre milhares de jovens portugueses. Dir-se-ia que tudo ficou encarcerado no seio das famílias que tiveram seus filhos e parentes a combater e voltaram, que morreram ou ficaram mutilados. Talvez o medo, que ainda se não desvanecera por completo, seja uma das razões; quem sabe se o pudor de falar sobre uma ferida ainda não sarada; quiçá a explosão da festa revolucionária, após a qual se silenciaram as armas, ou ainda o facto de a Guerra Colonial ter sido travada contra o regime português e não contra o seu povo, dando deste modo uma achega para o êxito da Revolução de Abril… São causas possíveis, mas que estão longe de explicar tudo. Um dia há-de saber-se, ou se calhar não, pelo menos na sua real profundidade…

Cristóvão de Aguiar

O texto aqui apresentado foi lido, em versão mais ampla,na Biblioteca-Museu da República e da Resistência/Espaço Grandella, em 27 de Novembro de 2008, seguido de um aceso debate entre os presentes.

O Alberto Branquinho na assistência.

O Cristóvão de Aguiar na sua comunicação.

Creio que com o texto de apresentação, aliado ao mail que teve a amabilidade de me enviar, creio que passamos a compreender melhor, toda a trama passada ao redor de um 'Braço Tatuado'.

Não quero deixar de acrescentar que Cristóvão de Aguiar é um homem de verbo fácil, preciso e conciso.

Deu mostras de um bom amigo e camarada, mas também notei que, ainda, sofre os problemas que adquiriu, como tantos de nós, na guerra, isto, porque a página tantas disse, mais ou menos isto: “Vamos acabar. Basta de falar em Guerra”.

José Martins
28/Novembro/2008

___________

Notas de vb:

1. Julgo estar a referir-se ao alf mil António José Orlando Bretão que, segundo consta na História do BCav 490, se apresentou em 19 de Dezembro de 1963 e foi destinado à CCav 488/BCav 490 , em substituição do alf mil António N. Coelho Brasil (ferido em combate em 08Out63).


Subalternos, como se dizia então, da CCav 488, em Jumbembem, talvez em finais de 1964, princípios de 65. Dos que me lembro e que não voltei a ver desde 1965, ainda recordo (da esqª para a dirª) o alf Carvalho (o "fotógrafo" da CCav 488 e já agora do BCav 490), o 2º embora o rosto me seja familiar perdi o nome, o alf Bretão (Terceirense, se a memória não me falha), o Dr Franco (um médico que deixou muito boas recordações não só junto dos miltares da CCav 488 mas também da população de Jumbembem), outro alf que recordo a cara vagamente e do nome nem pensar e o alf Armor Pires Mota, hoje escritor de obra reconhecida. Foto extraída do blogue do Carlos Silva, a quem devemos a obrigação de reconhecer o enorme esforço que tem feito para reconstituir a nossa Memória. Tenho fotos do Bretão e da CCav 488, mas ainda não as consegui localizar....


2. Artigo relacionado em

Guiné 63/74 - P3541: 28 Novembro de 1968: Vão-se os nervos e a vontade de mijar...(Torcato Mendonça, CArt 2339, Mansambo, 1968/69).

1. Mensagem do Torcato Mendonça:

Meus Estimáveis Editores

Há 40 anos atrás, este e muitos outros militares de empréstimo, mais dois profissionais(um com um ataque de hemorroidal; outro com um cisco numa perninha) andaram por terras distantes, pertença do nosso glorioso império, a fazerem e a fazerem-lhes tropelias.

Apareceu na memória. Melhor, perguntei que dia é hoje? É vinte e oito? É, hoje é vintôito...e recordei...daí passei o anexo, muitas horas depois ao papel. Gaita à tecla. Aí vai o meu vinte oito de Novembro, quarenta anos atrás.

Bom fim de semana.

Abraços do TM

Novembro, 28: quarenta anos atrás.

por Torcato Mendonça

A noite a fugir. Barulho habitual da preparação de mais uma “operação”, olhares vazios, gestos de autómatos, rostos fechados, a última trinca no pão ou bolacha a ser engolida a custo.

Pressente-se o levantar do dia, ajeitam-se uniformes, armas e munições. Formatura para rápida revista, as perguntas sempre iguais e a inevitável resposta – pronto.

Vão-se os nervos e a vontade de mijar, vai-se o sentir da vida. Já seguem em “bicha de pirilau”, guias e picadores à frente, o resto da maralha, nos sítios certos, atrás.

A madrugada a vir, as sombras a tomarem formas de homens e da mata. Olhares mais atentos, armas mais aconchegadas, marcham, entrando e saindo do trilho já bem conhecido.

Param de quando em vez, posicionam melhor o material, olham mapas, bússola e relógio, alguns ainda mijam. Olham, com olhos tamanho de cabaças a tudo quererem ver e olham-se, entre eles e, por sinais, dizem tudo.

O objectivo era perto do aquartelamento deles. Demasiado perto, demasiado incómodo para lá estar. Até afrontava. Agora iam lá partir, destruir, aniquilar tudo o que bulisse.

Raios. Puta de vida a destes homens, quase ainda meninos. Ou já velhos?

Seguem atentos, rostos fechados, silêncios a nada quebrarem. Sabiam a possível localização do objectivo, as sentinelas adiantadas e as cautelas com o trilho armadilhado ou não. Iam sempre em frente, repetindo os mesmos procedimentos. Mais uma paragem, breve consulta e mudança de Grupo a ir à frente. O acampamento inimigo devia estar perto. Progressão ainda mais cuidada, os ruídos da mata a manterem-se, sinal que iam bem. De repente, de forma inesperada tudo se precipita, parece que o apocalipse aí estava: rebentamentos, tiros, gritos. O inferno ali á mão.

Param. O inimigo reage e, conhecendo o trilho, faz bastante fogo e manda algumas morteiradas a tentar acertar. Chuva de folhas a tombarem da mata serrada. Continua forte o tiroteio. Em redor daquele local, quilómetros em redor não existem seres humanos. Ali há feras, somente feras em luta terminal. Tentam reagir os detrás mas era difícil. Esperam.
- Deite-se, deite-se meu Alferes grita o Sargento do outro Grupo.
- Espere porra. Vê se mandas morteiradas por ali. Tu, uma bazucada além, mas longe. Merda assim não dá. Pára.

De repente um estoiro, o rebentamento de uma morteirada In, sente a terra a bater-lhe, o sopro a levar o quico. Cabrões, filhos de puta…
- Estou ferido - grita o Sargento.
- Calma caraças. Isso não é nada porra.

Acalma e pára o tiroteio. Os do assalto regressam, o Seco do Xime à frente, o resto atrás com três ou quatro feridos.

Fomos vistos pela sentinela. Gritou tuga, tuga pela última vez. O resto foi com as bazukas, a MG e o habitual… partiu-se aquilo tudo…os tipos aguentaram porque tinham lá mulheres e putos…diz-me o Manuel.
- Enfermeiro, trate aqui do nosso Sargento.
- Isto tem que ficar no relatório - diz o Sargento.
- O quê?
- O ferimento, meu Alferes, o ferimento…
- Fo...que merda esta. Está bem. Mas não é comigo. Aguentem isto que vou lá atrás saber o que querem fazer.

Dois oficiais já tinham decidido.
- Objectivo destruído. Os tipos foram-se. Temos feridos. Regressamos com eles. Pedimos evacuação se piorarem.

Respondeu:
- Vou lá ver aquela merda. Quero…
- Não. Não há nada para destruir mais ou pilhar. Cobre a retirada e agora passas para o fim da malta.
- Tudo bem, levem os feridos….

Voltou para junto do Grupo. Regressaram calmamente, devagar, um ou outro problema aqui ou acolá. Talvez duas horas depois entraram no aquartelamento.
- Então o que se passou para este atraso, questionava o Capitão. Tinha ficado de cama devido a doença “dolorosa”. Ouvimos tiros.
- Viemos a cobrir a retirada sem pressas. Depois dizem lá pelo Alentejo: as cadelas apressadas têm os filhos cegos, sem ofensa para ninguém.
- O pessoal da outra Companhia já saiu. Você e o outro Alferes vão amanhã ao Batalhão, têm umas questões a resolver.

Foi. Primeiro apresentou-se o outro Alferes ao Major de Operações e ao Comandante de Batalhão. Enquanto esperava bebeu um ou dois uísques no bar.
- Logo de manhã nosso alferes? - Dizia o Capitão.
- O uísque? Não estou doente meu Capitão. Limpa a bicharada…

Entrou na sala, pouco depois, onde estava o Major e o Tenente-coronel, com um bigode de galã dos anos quarenta.
- Viu se ficou tudo destruído?
- Não meu Comandante.
- Porquê?
- Cumpro ordens.Depois de responder ao nosso Major vá ter comigo.

O Major escreveu algumas palavras num papel, levantou o olhar para ele e disse:
- Vemo-nos à hora do almoço.

Saiu e foi falar com o Comandante.
- Não gostei, Alferes.
Olhou aquele “guerreiro de parada” por quem tinha estima e respeito. Esperou.
- Não diz nada?
- Não meu Comandante.

Um mês depois o Comandante, no dia que fazia 51 anos, foi ver e constatar a destruição feita a 28 de Novembro.

E já passaram, ou fazem hoje, quarenta anos.

Ah o ferimento do Sargento ficou no relatório...precisava...coisas...
__________


Notas de vb:

1. Torcato Mendonça foi Alf Mil da CArt 2339, Mansambo, 1968/69.

2. Artigos do Autor em

28 de Novembro de 2008 > Guiné 63/74 - P3538: Estórias de Mansambo II (Torcato Mendonça, CArt 2339) (2): De Évora a Mansambo...instrução, viagem...Adeus ao meu País.

Guiné 63/74 - P3540: Tabanca Grande (101): Joaquim Pinheiro da Silva, CCAÇ 3566 "Os Metralhas" (Empada e Catió, 1972/74)



UM ABRAÇO QUE ATRAVESSOU O OCEANO ATLÂNTICO

1. Mensagem de Joaquim Pinheiro da Silva, da CCAÇ 3566, Os Metralhas, com data de 25 de Novembro de 2008

Assunto: Cumprindo o desejo do falecido marido

Amigo Luís Graça
Desculpe mandar este e-mail em duplicado... porém neste, anexo duas fotos.

Penso que vale a pena o registo... Uma amizade que nasceu na tropa.

Estive na Guiné entre 1972 e 1974 na CCaç 3566 "Os Metralhas". Como aconteceu com todos nós, sempre temos um companheiro especial... alguém com quem partilhamos nossos momentos de alegria, de tristeza... enfim, um companheiro de todos os dias.

Após terminar a tropa, regressei ao Brasil, país onde eu vivia anteriormente.

Após alguns anos no anonimato, graças ao trabalho constante de um ex-companheiro da nossa Companhia, o Xico Allen, que se empenhou em tentar localizar os antigos combatenttes d´Os Metalhas, fui localizado aqui na cidade de São Paulo. Após o que, mantive contacto com alguns dos meus antigos camaradas de farda, inclusivé com o meu mais fiel companheiro de mato e de paródias, o António Joaquim Rosa Gonçalves, apelidado de Alentejano, que Deus chamou prematuramente para perto de si.

O que quero dizer (e para que todos saibam), é que o Alentejano, devido ao alto grau de amizade que tinhamos, programou, ele e a esposa Maria Clarinda, virem ao Brasil para me reverem O Brasuca, apelido pelo qual eu era conhecido, mas infelizmente ele partiu.

Dito pela esposa dele, Maria Clarinda, três dias antes de falecer, ele teve algumas melhoras, e a Maria Clarinda disse-lhe que assim que tivesse alta, tratariam de tudo para cá virem.

Ele, pressentindo o fim, pediu à esposa que caso não sobrevivesse, ela lhe prometesse que tão logo pudesse, cumprisse o seu desejo, de abraçar o Brasuca.

Eis que ao escrever esta mensagem, tenho aqui atrás de mim, na cidade de Itanhaém /SP, a Maria Clarinda, 9 anos após o falecimento do Alentejano.

Foi emocionante a sua chegada ao aeroporto! Entre lágrimas, dela, minhas e de minha esposa, ela exclamava em voz alta:

- Agora posso morrer descansada, consegui realizar o desejo do meu marido.

Estou escrevendo isto, como forma de agradecimento à esposa do meu amigo/irmão, que não mediu esforços para concretizar o desejo de seu amado marido, e para que todos o saibam e valorizem esses laços de amizade que contraímos no tempo de tropa, que criam raizes para o resto da vida.

Sei que o Alentejano está noutro patamar, mas sua presença será perpétua entre nós.

Um bem haja a todos os antigos companheiros de farda, independente de patente ou arma.

Um obrigado especial ao Xico Allen, porque sem ele não teria tido estes momentos de tanta alegria.

Joaquim Pinheiro da Silva - O Brasuca
CCaç 3566 "Os Metralhas"
GUINÉ 72/74


Eu e a Maria Clarinda no alto de um prédio no centro de São Paulo

Na casa de meu filho... Maria Clarinda, eu, minha esposa, meu filho Fabiano e nora Raquel


2. Comentário de CV

Graças à iniciativa do Xico Allen de tentar reunir Os Metralhas da CCAÇ 3566, o Rosa Gonçalves, nos seus últimos anos de vida, e o Joaquim Pinheiro (O Brasuca), voltaram a contactar-se.

Quis o destino que não fosse possível trocarem um abraço de reencontro, mas mais uma vez é um familiar que cumpre um desejo não realizado em vida, desta feita uma viúva que se desloca ao Brasil, para em nome de seu marido, abraçar um camarada de guerra que tinha como irmão, laço este que perdurará até à morte do último.

Os nossos parabéns à D. Maria Clarinda pelo seu gesto.

Ao nosso camarada Joaquim Pinheiro, desejamos as maiores felicidades por terras do Brasil. Sempre que queiras, caro Joaquim, dá notícias.

Um abraço da Tertúlia.
CV
_________

Notas de CV:

Vd. postes de:

16 de Dezembro de 2005 > Guiné 63/74 - CCCLXXVI: O Xico de Empada, grande amigo dos guinéus (Albano Costa)

15 de Maio de 2006 > Guiné 63/74 - DCCLIV: Que maravilha de trabalho (Joaquim Pinheiro, CCAÇ 3566, Empada/Catió, 1972/74)

7 de Setembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1054: Agradecimento da viúva do Rosa Gonçalves (CCAÇ 3566, Os Metralhas, Empada/Catió, 1972/74)

19 de Setembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1087: Rosa Gonçalves, o alentejano (CCAÇ 3566, Os Metralhas, Empada, 1972) (Quim Pinheiro)

27 de Novembro de 2006 > Guiné 63/74 - P1320: Humor de caserna (1): O soldado paga com sangue a fama do capitão (Maria Gonçalves, viúva de Rosa Gonçalves, CCAÇ 3566)

Vd. último poste da série de 28 de Novembro de 2008 > Guiné 63/74 - P3539: Tabanca Grande (100): Carlos Filipe Coelho, Radiomontador da CCS/BCAÇ 3872, Galomaro 1971/74

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Guiné 63/74 - P3539: Tabanca Grande (100): Carlos Filipe Coelho, Radiomontador da CCS/BCAÇ 3872, Galomaro 1971/74



Carlos Filipe Coelho, Radiomontador da CCS/BCAÇ 3872, Galomaro, 1971/74

1. Mensagem de Carlos Filipe Coelho, com data de 28 de Novembro de 2008


Caros Srs e Amigos.
Em Dezembro de 2005, contactei o Blog. Ver por favor o Post com a data de 31 Dezembro 2005 (*).

Contactei mais uma ou outra vez, entretanto acontecimentos graves com a saúde de minha esposa me tiraram todo o tempo e agora tenho-o todo do mundo infelizmente.

Recentemente o meu ex-camarada Juvenal, Post 3067 (**), teve a gentileza de escrever sobre a minha pessoa, o que provocou o entusiasmo para participar (embora o meu espólio de recordação seja reduzido) de qualquer forma... estou cá.

Assim sendo gostaria que os amigos me considerassem tertuliano do nosso Blog Camaradas da Guiné.

Envio esta foto actualíssima (7 meses) e para outra militar, poderão talvez extrair do post 3067 com algum pequeno redimensionamento.

Obrigado pela atenção. E bom trabalho (de preferencia pouco complicado)

2. Recordando o Poste CDIV da primeira série

Chamo-me Carlos Filipe, fui radiomontador, formei Batalhão em 20 de Novembro de 1971 em Abrantes.
O Batalhão de Caçadores 3872 desembarcou em Bissau no dia 24 Dezembro de 1971.
A minha CCS ficou sediada em Galomaro, mas antes estive aproximadamente um mês no QG em Bissau.
Depois fiz o velho percurso do rio Geba, e depois estrada, do Xime… até Galomaro.
Claro que ainda tenho recordações de Dulombi, Cancolim, Bafatá, Bambadinca, Saltinho, Sete Fontes (fonte de água para abastecimento), Bolama (onde passei as minhas “férias”)...



3. Recordando o poste 3067:

O longo abraço
Tem cuidado, deixa essas conversas para a Metrópole. O africano veio fazer queixa de ti.

Por Juvenal Amado

(**) - Em dada altura que o Filipe, assistiu à saída de camaradas para os postos avançados e patrulha nocturna, desatou a fazer barulho e a protestar contra o facto.

O barulho chegou aos ouvidos do Comandante, que mandou averiguar o que se passava. Dessa vez o anjo protector chamou-se Dr. Pereira Coelho, que abraçando-o, disse-lhe ao ouvido que se fingisse bêbado e assim o salvou.

Por vezes o Filipe, era mal compreendido e se não vejamos o episódio das bajudas;

Ao fim da tarde, os soldados iam ter com as lavadeiras, que se acercavam do destacamento. Eram momentos em que os soldados, davam por vezes largas a alguma falta de respeito para com as lavadeiras. Alguns por graça e para as ouvir dizer de uma enfiada só, todos os palavrões que conheciam em português e no seu dialecto. Apalpavam-nas e diziam-lhe que não lhes pagavam, por elas lhes terem partido os botões todos, ao lavarem as camisas como hábito, batendo com as ditas em pedras pois sabão, era coisa que não entrava nos seus apetrechos.

Tínhamos chegado a Galomaro, quando o Filipe se insurgiu contra uma dessas cenas, que verdade se diga não eram muito dignificantes, pois algumas bajudas eram muito novas. Resultado foi ele se envolver em briga, com um dos participantes dessa tertúlia, indo parar ao chão com o estalo que recebeu.



Carlos Filipe com a sua lavadeira

Carlos Filipe, em Galomaro, no exercício das suas funções.


4. Comentário de CV

Caro Carlos Filipe
Obrigado por contactares de novo connosco.

Lamentamos profundamente a adversidade que te atingiu recentemente. A vida reserva-nos esta provação, que mais tarde ou mais cedo toca a todos. Em nome da Tabanca Grande, transmito-te a nossa solidariedade e aliamo-nos à tua dor.

Falando de nós e do Blogue, vamos combinar que aqui não há senhore nem você. Na Tabanca, como deves saber, tratamo-nos todos por tu como verdadeiros camaradas que somos.

Agora desafio-te a contar-nos mais algumas coisas da tua vida militar, especialmente, quando, como e onde foste ferido, acontecimento que te levou ao Hospital Militar.
Em nome da Tertúlia dou-te as boas-vindas, esperando que contribuamos para ocupar o teu tempo o mais possível.

Um abraço
Carlos Vinhal
____________

Notas de CV:

(*) Vd. poste de 31 Dezembro 2005
Guiné 63/74 - CDIV: Batalhão de Caçadores 3872 (Galomaro, 1971/74)

(**) Vd. poste de 17 de Julho de 2008 > Guiné 63/74 - P3067: Estórias do Juvenal Amado (12): O longo abraço (Juvenal Amado)

Vd. último poste da série de 27 de Novembro > Guiné 63/74 - P3526: Tabanca Grande (99): Manuel Moreira, ex-1.º Cabo Mec Auto da CART 1746, Ponta do Inglês e Xime, 1967/69

Guiné 63/74 - P3538: Estórias de Mansambo II (Torcato Mendonça, CArt 2339) (2): De Évora a Mansambo... instrução, viagem... Adeus ao meu País


Estórias de Mansambo






Torcato Mendonça
ex-Alf Mil
CArt 2339
Mansambo, 1968/69





2 - Instrução, embarque e viagem até á GUINÉ da CArt 2339

2 -1 - O 2º GrComb

Concentração em Évora

RAL 3, Setembro de 1967, local de concentração dos graduados da Companhia Independente 2339.
Dias depois chegariam os soldados, a maioria saída da recruta, para receberem a especialidade de atiradores. As outras especialidades seriam dadas noutras Unidades Militares e mesmo no RAL.
Nos primeiros dias as habituais reuniões de graduados, a constituição de grupos para ministrar a instrução e outros assuntos.
Os Cabos Milicianos escolhiam os aspirantes para a formação dos quatro pelotões de instrução. O meu era, devido á classificação, o 2º Grupo. Fui escolhido pelos futuros Furriéis – Rei, Rodrigues e Sousa. Todos tínhamos tirado, na mesma altura e local, Vendas Novas, a especialidade: Atirador de Artilharia.
O Comandante de instrução fora um Capitão, a puxar forte por nós pensando, talvez assim, preparar “melhor” os graduados para a defesa do Império. Certo é que ficamos a perceber mais de equipas de cinco, sentido de punho fechado e “coisas de comando” do que secções de nove elementos, pelotões e outras. Misturaram-se, durante a instrução dada á Companhia, os conhecimentos adquiridos e saiu algo de jeito.
Vieram os soldados, foram integrados nos vários grupos, creio que de forma aleatória, ou mais pelo conhecimento, que tinham entre eles, da recruta ou vida civil.
Eram quase todos homens do Norte. O meu grupo tinha só dois alentejanos. Todos os outros eram do Porto, Póvoa, Lousada, etc.
Com os graduados era metade, metade: O Alferes era algarvio, criado no Alentejo e um Furriel natural de Vila do Bispo, algarvio portanto. Os outros dois Furriéis eram da zona do Porto.

Já na Guiné houve mudanças. O Sousa (Fernando Luís, desportista e professor conhecido) foi ao segundo ou terceiro mês para a 3ª ou 5ª de Comandos. Ficou nos Comandos, mudando de Companhia, até ao fim da comissão. Não perdeu o contacto connosco e regressamos juntos. Foi substituído pelo Sérgio, natural de Angola. Estudou e trabalhava na zona do Porto. O Rei, ficou sempre, felizmente, no grupo a corrermos Guiné fora.
O Rodrigues, algarvio, foi ferido com alguma gravidade na Lança Afiada. Evacuado para Bissau, teve que ficar a tirar estilhaços até ao fim da comissão. Nunca foi substituído por razões óbvias. Regressou connosco. Parece viver no Algarve a tentar esquecer aquele tempo. Óptimo se o conseguir.
Infelizmente não regressaram três militares do 2º Grupo. Dois porque morreram e outro por ferimentos e doença, o Pimenta. O Bessa morreu em combate e o Casadinho por acidente, em Bissau, já no fim da comissão.
Um outro devia ter sido evacuado mas nunca o foi.
Ainda em Évora, o grupo adoptou o nome de "Panteras Negras". No fim da instrução diária, ao destroçar, havia sempre o grito: Panteras e batimento forte com o pé esquerdo. Hoje, penso nisso e interrogo-me: Porquê?
Mas estes relatos, estas estórias para reproduzirem, o mais fielmente possível o que se passou têm, tanto quanto possível, ser vistas com os “olhos” de outrora. Era um grupo, a procurar união, a mais ou a melhor preparação para “ a guerra colonial”, um espírito próprio e coeso. Não procurava ser melhor, pior ou diferente dos outros. Tinha, isso sim a auto estima, a vontade de contribuir para uma Companhia unida, onde todos fossem solidários com todos e os Viriatos fossem um conjunto forte e coeso. Parece-me que isso foi conseguido. Creio mesmo que se mantém até hoje.

Ordem de embarque

Terminada a instrução, depois de curtas férias aparece a ordem de embarque. Numa gélida manhã de Janeiro, que certamente ninguém esquece devido aos gritos, choros e ao dramatismo de uma despedida, para muitos a ser vivida como final, embarcámos no Ana Mafalda, rumo á Guiné.
Ao quinto dia aportámos, por horas, em Cabo Verde. No dia seguinte, aí estava a Guiné.
Fizémos o treino operacional no Xime. A 1ª operação ao Galo Corubal.
Caímos em emboscadas e montámos outras; flagelaram e tentaram assaltar o nosso aquartelamento muitas vezes, assaltámos e destruímos alguns do IN; detectámos e rebentámos minas, deixámos outras para os adversários; apreendemos material ao IN, construímos tabancas em autodefesa, sentimos a vida a esfumar-se e a voltar, vimos morrerem camaradas nossos – brancos e negros ou, se preferirem, metropolitanos e guineenses – deixámos um dos nossos ser apanhado. Matámos e apanhámos adversários nossos. Foi uma campanha dura, violenta, desgastante e demasiado longa.
Nunca o Grupo ou a Companhia sentiu o peso da derrota.
No fim éramos homens bem diferentes, amadurecidos ou precocemente envelhecidos. Em tão pouco tempo amámos e odiámos, fomos humilhados e ofendidos, trataram-nos e tratamos outros, justa e injustamente, vimos, sentimos e vivemos situações dispensáveis, para gentes civilizadas.
Regressámos. Despedimo-nos, aos poucos, num fim de tarde e princípio de noite de Dezembro, novamente, de onde, cerca de dois anos antes havíamos saído: Évora.
Partimos por esse País fora, á procura da Vida interrompida. Só que antes já tinha partido o melhor da nossa juventude, o tempo perdido, as transformações em nós operadas, a visão da violência sofrida. Aos poucos recuperamos, talvez ou certamente nem todos o tenham conseguido. Mas certamente tentámos esquecer e viver outras vidas.
Voltámos a encontrar-nos, creio que em 1991, num restaurante da cidade de Aveiro no habitual almoço convívio. Emocionámo-nos. Todos os anos se repetiram os almoços em convívio-terapia. Só voltei, há dois anos a Évora. Julgava ser uma despedida. Ainda por cá estou e talvez volte um dia. Gosto demasiado da malta.
Mas sinto muito a despedida, a falta de brancos e negros que já partiram…e algo de “raiva surda” por certo passado… aos poucos passa…aos poucos encontrarei certamente a paz ou o saber esquecer e perdoar… talvez não…talvez sim…talvez alguém leve os meus fantasmas…

2 – 2 - Breve síntese, desde a formação e instrução em Évora, á Comissão na Guiné e finalmente o regresso. Parece estar tudo dito. Mas não está. Só focar mais dois ou três pontos: a instrução, a preparação e o embarque, a viagem.

Assim:

- A instrução foi em Évora e arredores, tendo o RAL3 por base. Procurou ser a mais consentânea com a guerra que nos esperava, com os conhecimentos adquiridos e com os homens que formavam cada pelotão. A Guiné, o destino não desejado, estava sempre presente. Era muito pouco tempo para ministrar uma instrução adequada.
Carência de meios postos á disposição, alguma falta de conhecimentos dos graduados (excepto dois ou três Sargentos do Q.P., com anteriores comissões) e os militares, os instruendos da especialidade que, uma breve recruta, não tinha sido suficiente para lhes dar a devida preparação para a especialidade.
Tínhamos a vantagem, muitas vezes isso é esquecido, da qualidade do homem português. A origem, da maioria daqueles homens era camponesa, trabalhadora da construção civil ou dos têxteis, a darem duro desde tenra idade. A rusticidade deles, o hábito á dureza da vida era uma enorme vantagem. Alguns eram homens que nunca tinham sido crianças. Outros já eram casados e pais de filhos. Muitos não eram bons ginastas, devido á dureza dos músculos travar a flexibilidade ou a dificuldade na coordenação motora. Relembro três casos: um que não era capaz de saltar o muro de terceira. Não me atrevo, dizia ele. Foi excelente combatente. Outro, casado e camponês, foi o “ bazokeiro” do Grupo. Ao segundo mês de comissão recebeu a noticia que era pai de uma menina. Nunca a conheceu. Faleceu pouco antes do embarque e num acidente em Bissau. Era a brutalidade daquela guerra. O terceiro caso é sobre a dignidade de um homem. Já na Guiné recebeu a noticia que ia ser pai, só que não tinha casado com a mulher a quem prometera, certamente depois do regresso, casar. Assim que pode, não eram permitidas férias ao segundo ou terceiro mês, veio para casar. Era esta, felizmente, a massa humana do segundo Grupo. Estes três casos podemos estendê-los a todo o grupo ou à Companhia.
Com a determinação de todos decorreu bem a especialidade, para alguns um pouco dura mas foi útil em combate. Não sei se ensinei mais ou se aprendi mais. As duas certamente e, volvidos estes anos recordo-os todos como amigos e camaradas.
Terminou a especialidade depois de uma semana de campo.
Antes de um merecido período de férias, veio a notícia do destino: Guiné.

Preparação para o embarque

- A preparação e o embarque tinham que ser feitas com certo cuidado. A notícia da ida para a Guiné, não foi recebida com entusiasmo pela maioria. Até os Militares do Q.P., estranharam nova ida para lá, pois a última fora lá passada.
As praças receberam o fardamento, meteram-no em dois sacos cilíndricos, também fornecidos, puseram-nos ás costas e foram de férias. Passaram o Natal e o Ano Novo em casa e apresentaram-se nos primeiros dias de Janeiro. Os graduados receberam um subsídio, creio que foi isso, e foram ao Casão Militar comprar o fardamento apropriado. Se bem me lembro, o 1º Sargento Clemente ou outro, Silva ou Moura Gomes, fizeram uma listagem e fui com ela ao Casão. Comprei a mala mais feia que encontrei – cinzenta e de plástico duro – e meti lá todo o material constante da lista. Mais tarde em minha casa foi, tanta e esquisita roupagem, posta á medida. Curiosamente até certos pormenores os Profissionais nos indicaram.

Embarque

Passaram rápidas as férias e, no dia indicado, parti para Évora. Não tinha a certeza do dia de embarque. Para a Guiné partiram antes de nós um Oficial e um Sargento. Nós iríamos depois. Não me recordo o dia da apresentação ao certo. Sei que tivemos duas baixas; um alferes que espatifou um pé e o furriel mecânico que, talvez devido ao calor e excesso de humidade guineenses, preferiu a Europa ou a América. Gostos…Os restantes apresentaram-se todos.
Esperámos pelo embarque, adiado pelo menos uma vez. Um dia soubemos: embarque a 14 de Janeiro. Telefonei para casa e pedi a meu pai para ninguém ir a Lisboa. Despedidas não.
No dia 12 recebi a ordem de ir, no dia seguinte para Lisboa tratar do embarque. O resto da Companhia iria depois.
Vestido á civil, roupa militar num saco, a restante entregue para me levarem para Lisboa, na madrugada de um sábado dia treze, aí estou eu a embarcar no comboio em Évora para, poucas horas depois estar em Lisboa. Ida á residencial habitual, telefonar ao Furriel Whanon, que já estava em Lisboa, combinar encontro, vestir a farda e aí vamos nós ver o barco. Lembro-me, a cara de espanto do dono e pessoal conhecido da residencial. Eram meus conhecidos pois, essa e menos outra ali na Braamcamp, eram os meus poisos habituais. Não sabiam que eu era militar. Figurava nos arquivos como estudante. Que é isto? Dizia o Senhor Manuel. Vou para a Guiné amanhã de madrugada. Fiquemos por aqui. Fui e vim, o meu poiso continuou, por muitos anos, a ser lá. Boa gente. Já desapareceu a residencial e o Parque…
Lá fui, com o Furriel Whanon ver o barco. Ou por estar maré vazia, ou porque o barco era pequeno, quando olhei para o "Ana Mafalda" pensei ser uma traineira. Papéis tratados e o resto do dia e noite por minha conta. Passou-se. Às cinco ou seis da madrugada estava eu na Estação Sul Sueste á espera do resto da Companhia. Chegaram, entraram rapidamente nos camiões militares e rumámos ao Cais da Rocha. De noite todos os gatos são pardos ou não dão nas vistas…
Embarque: o reboliço da carga do material, a formatura para um estúpido desfile, os cumprimentos de um membro do Governo (?), não recordo bem, e uma pausa antes do embarque, para as despedidas dos familiares.
Assisti então a uma situação incrível pelo seu dramatismo. Não descrevo pois não seria capaz. As famílias em atroz sofrimento, os militares igualmente, o choro, o grito, que, de tantos que eram, pareciam um só e deixaram-me arrasado. Foi dada ordem de embarque e muitos tiveram que ser “empurrados” até ao barco. Perto do meio-dia afastava-se o barco lentamente e os acenos, de ambos os lados, os gritos e choros mantiveram-se. Indescritível. Penso que só quem embarcou assim consegue recordar todo aquele dramatismo.


Viagem

Deixei as malas no camarote e vim até à amurada. Ali estive, não sei quanto tempo a pensar, a ver o meu País a afastar-se. Ainda o Cabo São Vicente se via ao longe, senti o Rodrigues, Furriel do meu Grupo, ao pé de mim. Disse-me: será que voltamos a ver o nosso Algarve? (lembras-te camarada? Não me deves ler… tentas esquecer…tens esse direito). Respondi-lhe: eu vejo e você também. Com “ganas”e a raiva do não querer estar ali. Porquê? Porque não devia estar ali! Não era guerra minha e devia acabar o curso. Além disso tinha 22 anos e queria viver…mas já estava transformado…
Continuou a viagem, com enjoos de alguns e os dias a escorrerem devagar. Na terça dia 16, ao longe as luzes das Canárias e na madrugada de sexta dia 19, aí estavam o porto de Pedra Lume, Ilha do Sal, Cabo Verde. Carga e descarga de material e nova largada rumo a Bissau.

cont.

__________

Notas de vb:

1. Continuação e reescrita das Estórias de Mansambo.

2. Artigo anterior em

Guiné 63/74 - P3537: Histórias engraçadas (António Matos) (5): Formigas baga-baga...e um capitão em apuros. (António Matos)


Os Baga-Baga que também serviam de abrigos


Não tendo ainda dado uma vistoria exaustiva ao blogue (faço incursões pontuais quando o assunto me toca mais de perto ou se a curiosidade do tema a isso me leva) já notei referências ao Baga-Baga.
Na convicção de que este tipo de informação interessa como peça da imensa reportagem que aqui estamos a fazer, junto um texto, também ele "apimentado" com uma peripécia da altura, para mais agradável "digestão".

O Alferes Matos em cima de um pequeno monte de baga-baga.

Uma constante no cenário da Guiné é a existência de formações tipo arenoso mas duma consistência à prova de bala, formado pelas formigas.
À semelhança das abelhas, também aquela espécie de formiga (baga-baga) trabalha "em manada" e comandadas pela formiga mestra.
São verdadeiros exércitos deste animal estupidamente feroz (a avaliar pelas dentadas onde deixavam parte da carcaça espetada na vítima - falo do que sei!) que constroem estes formigueiros enquanto o diabo esfrega um olho pelo que, aquando da construção das estradas, a engenharia começava pela destruição desses ninhos.
Porém, não raras eram as vezes em que a estrada acabava de ser construída e já despontavam essas pragas destruidoras!
Mas não há bela sem senão e essas mesmas edificações serviram amiudadas vezes de abrigo pela sua resistência à fogachada quando nos encontrávamos debaixo de fogo.

O Alferes Matos na canal bazooca.

Um capitão em apuros

Por curiosidade vos conto que uma noite, numa progressão em direcção a Ponta Matar, com um luar altamente comprometedor, tivemos que parar durante escassos segundos para consultar a carta e eis senão quando, o capitão entra em desvairado desatino começando a despir-se sob o olhar atónito de toda a gajada.

O seu guarda-costas, o corneteiro, de seu nome Reis, foi imediatamente incumbido de o ajudar sem no entanto saber muito bem o que se estava a passar.
Finalmente percebeu-se que o capitão tinha parado exactamente em cima do trilho das amigas formigas que seguiam em bichinha pirilau à sua vida.
Escusado será dizer que o acontecido poder-nos-ia ter sido fatal tal o chavascal que estava a ser feito mesmo nas barbas do IN.

Resolvida a questão, com o capitão repleto de ferrões espetados desde os pés às virilhas, quisemos pensar que o IN foi compincha e bastou-lhe o gozo da situação para não nos atacar.
Uma vez fora da zona complicada, houve lugar ao humor ainda que os inchaços e as comichões do capitão tivessem sido de alguma gravidade e a requerer cuidados médicos.

António Matos

ex-Alf Mil da CCaç 2790

Bula 1970/72

___________

Notas de vb:

19 de Novembro de 2008 > Guiné 63/74 - P3482: Histórias engraçadas (António Matos) (4): Quando os serviços de oficial de dia passaram a ser feitos pelos oficiais da CCS...

Guiné 63/74 - P3536: Bibliografia de uma guerra (39): Nó Cego, de C. Vale Ferraz. (Cor Matos Gomes)

Nó Cego

de Carlos Vale Ferraz (Carlos Matos Gomes)

Convite para 4ª Feira, 10 de Dezembro de 2008, às 20H30, no Auditório da FNAC-Chiado, Lisboa.

Mensagem de Carlos Matos Gomes


Meu caro Luís Graça e camaradas

Com os habituais cumprimentos e reconhecimento pelo vosso trabalho que, no meu caso, se traduzem em prazer pelas lembranças e proveito pelo que aprendo, aqui me têm a enviar um convite para a sessão de lançamento do meu romance Nó Cego, que foi editado há mais de 25 anos e que entretanto amadureceu.
Embora situado em Moçambique, a guerra era a mesma e ajuda a perceber como os homens podem influenciar e determinar o modo de fazer a guerra. Neste caso com as interpretações de Kaúlza de Arriaga e de Spínola.

Mas estas são as minhas interpretações, porque o que verdadeiramente queria transmitir aos editores e a todos os membros da Tabanca é o prazer de vos convidar e de vos ter neste momento em que se falará dos tempos que a nossa geração viveu em África.

Recebam os melhores cumprimentos e um abraço de camaradagem do



Carlos Matos Gomes

__________

Notas de vb:

1. Carlos Matos Gomes

(i) Nasceu a 24 de Julho de 1946 em Vila Nova da Barquinha.
(ii) Fez os estudos secundários no Colégio Nun’Alvares de Tomar e o curso de Cavalaria da Academia Militar.
(iii) Fez três comissões, em Moçambique, Angola e Guiné, nas tropas comando.
(iv) Foi ferido e condecorado, participou em grandes e pequenas operações de guerra um pouco por toda a parte.
(v) É actualmente coronel na situação de reserva.
(vi) Paralelamente à carreira militar tem desenvolvido desde 1983, data da edição do romance «Nó Cego», uma continuada actividade literária. Como romancista, com o pseudónimo de Carlos Vale Ferraz, publicou, além do referido "Nó Cego", os romances «ASP - De Passo Trocado», «Soldadó», «Os Lobos Não Usam Coleira», adaptado ao cinema pelo realizador António-Pedro de Vasconcelos com o título «Os Imortais», «O Livro das Maravilhas», «Flamingos Dourados» e ainda este ano «Fala-me de África».
Tem sido editado pelas editoras Bertrand, Nova Nórdica, Circulo de Leitores, Editorial Notícias e Casa das Letras.
A sua obra consta das antologias de literatura portuguesa organizadas por João de Melo e foi tema da tese de doutoramento do Professor Rui Teixeira na Universidade de Colónia.
(vii) No cinema foi autor do argumento do filme «Portugal SA» do realizador Ruy Guerra, colaborou com Maria de Medeiros no filme «Capitães de Abril» e com Joaquim Leitão nos filmes «Inferno» e «20.13 – Purgatório».
(viii) Escreveu para a RTP a série «Regresso a Sizalinda», baseada no romance «Fala-me de África», a exibir proximamente e que é a primeira co-produção entre as televisões públicas de Portugal e de Angola na área de ficção.
(ix) Participou ainda na área dos áudio visual na ficção «Conta-me Uma História» de João Botelho.
(x) No âmbito da história contemporânea é co-autor, com Aniceto Afonso, das obras «Guerra Colonial» e «Portugal e a I Grande Guerra» editadas em fascículos pelo Diário de Notícias.
(xi) É co-autor, com Fernando Farinha, da obra «Repórter de Guerra», da Editorial Notícias.
(xii) É autor da obra «Nó Górdio – Moçambique 1970», da Colecção Batalhas de Portugal editada pela Tribuna da História.
(xiii) É autor de textos para a História de Portugal dirigida por João Medina para o Ediclube e da História Militar Portuguesa, dirigida por Themudo Barata e Nuno Severiano Teixeira para o Circulo de Leitores.
(xiv) Foi consultor da série de três documentários para televisão «Isto Aconteceu» produzidos por Pedro Efe e da série a “Guerra” de Joaquim Furtado.
(xv) Participou nas séries documentais da SIC e da RTP sobre o Século XX.

resumo elaborado por Luís Graça e publicado em

30 de Setembro de 2008 >
Guiné 63/74 - P3251: Em Busca de ... (41): Notícia sobre o ataque a Sedengal, em 21/12/1970 (Cor Carlos Matos Gomes)

2. Artigos relacionados em

5 de Outubro de 2008 >
Guiné 63/74 - P3272: A novíssima literatura da Guerra Colonial (Leopoldo Amado)

3. Artigos "Bibliografia de uma Guerra" em

Guiné 63/74 - P3535: Blogues da Nossa Blogosfera (8): Portal Guerra do Ultramar, do António Pires, de novo em velocidade de cruzeiro


1. Às 4h47 da manhã, o António Pires mandou-nos uma mensagem a dizer que o portal Guerra do Ultramar: Angola, Guiné e Moçambique, estava de novo on line... O que já hoje de manhã confirmámos... Foram seguramente muitas horas de sono que o António Pires (a eu...quipa do Terraweb) perdeu, para poder pôr de novo a 'máquina' em movimento... Reproduz-se aqui a sua mensagem:

Caros Antigos Combatentes, Companheiros, Camaradas e Amigos,

Depois de termos procedido à reparação de algumas 'mazelas' no sistema informático, voltámos ao nosso posto, pelo que ficamos a aguardar as vossas notícias.

Aproveitamos para agradecer a todos aqueles que expuseram nos seus blogues ou sites o nosso problema e, também, àqueles que nos escreveram ou nos telefonaram a manifestarem a sua solidariedade e nos incentivaram a continuar.

Obrigado e um Bem Hajam.

A equipa do Terraweb



Da nossa parte, resta-nos dar-lhe os parabéns e desejar que o portal entre rapidamente em velocidade de cruzeiro, em segurança. (Convém aqui lembrar que a segurança inmformática é um problema de todos nós, utentes, e não apenas dos criadores e editores de páginas e de blogues na Internet; também aqui é preciso usar camisinha, perdão, ter nos nossos computadores um bom software de segurança; no caso dos blogues, é preciso ter cuidado com o IN que usa software do tipo com adware, malware ou spyware)...

Reproduzimos a seguir mais algumas mensagens que nos chegaram, de solidariedade (*) com os camaradas do Ultramar Terraweb.

2. Mensagem do Albano Costa, com data de 26 de Novembro:

Caros Editores

Hoje levei um murro no estômago!... Mas que grande maldade!...

E eu sempre a teimar comigo mesmo, que nada era como dantes!...

Não vou discutir as razões que levaram o autor a suspender o seu, e nosso «terraweb», mas que fiquei muito defraudado, aí isso fiquei, só tenho pena que a história ainda ia no princípio, e já teve que se ir embora, lamento muito o sucedido, mas meus amigos estou esperançado que estas coisas não podem morrer assim, a história sobre a guerra (do ultramar ou colonial) vai ter de continuar, afinal andamos nela e mesmo obrigados não tivemos medo de morrer.

Desejo-vos boa saúde para todos, Albano Costa


3. Do José Martins, com data de hoje, de manhã:

Caro António Pires e restante equipa

Foi com imensa alegria que tomei conhecimento do REGRESSO DA PÁGINA.

Como te disse, telefonicamente, estou solidário contigo e com a equipa. Ainda ontem falei no caso da Ultramar.Terraweb, no encontro que houve na Biblioteca Museu Republica e Resistência sobre o livro Braço Tatuado de Cristóvao de Aguiar.

Mais uma vez saúdo o regresso da página que agrega, não só TODOS OS COMBATENTES, mas tambem os amigos da verdade.

Força e em frente.

Um abraço

José Martins


________

Nota de L.G.:

(*) Vd. postes anteriores:

24 de Novembro de 2008 > Guiné 63/74 - P3513: Blogues da nossa blogosfera (5): Quem quer calar o portal Guerra do Ultramar ? (José Martins / Luís Graça)

26 de Novembro de 2008 >Guiné 63/74 - P3523: Blogues da Nossa Blogosfera (6): Solidários com o portal Guerra do Ultramar, do António Pires

27 de Novembro de 2008 >Guiné 63/74 - P3530: Blogues da Nossa Blogosfera (7): Intervalo na democracia, já?...(António Matos)

Guiné 63/74 - P3534: Braima Galissá, grande representante da cultura guineense na diáspora (1): Didjiu e tocador de kora



Lisboa, Museu da Farmácia, 11 de Novembro de 2008. Cerimónia de lançamento do livro Diário da Guiné: 1969-1970: O Tigre Vadio, da autoria do nosso camarada Mário Beja Santos (Lisboa: Círculo de Leitores, e Temas & Debates, 2008, 440 pp.).

Excerto da actuação do mestre Braima Galissá, guineense, mandinga do Gabu, nascido em 1964, a viver em Portugal desde 1998, tocador de kora, e cantor (didjiu). Reprodução autorizada pelo mestre a quem dirigi um convite para integrar a nossa Tabanca Grande. (LG)

Vídeo: © Luís Graça (2008). Direitos reservados. Vídeo (3' 50'') alojado em: You Tube >Nhabijoes.

(No caso de dificuldade de visionamento do vídeo, clicar em watch in high quality).



Filho, neto, bisneto e tetraneto de tocadores de kora, um instrumento inventado no Gabu pelo seu tetravô, o mestre Braima Galissá vive na diáspora, em Portugal, onde tem sido, nos últimos dez anos, um generoso, competente e empenhado defensor da cultura musical mandinga.

Da sua página, oficiosa, na Net, consta que o José Braima Galissá foi compositor do Ballet Nacional da Guiné-Bissau, responsável instrumental do mini Ballet Nacional e professor de Kora na Escola Nacional de Música José Carlos Schwarz durante 11 anos. Já participou em actividades culturais em vários países. Fugido da guerra civil de 1998, está em Portugal desde então, executando vários projectos culturais.

Braima Galissá nasceu em 1964, no Gabú, no Leste da Guiné-Bissau, capital do antigo império do Gabú que por sua vez sucedeu ao antigo império do Mali.

Começou a aprender o Kora com 5 anos de idade pela mão do seu pai, também ele músico, tocador de kora e didjiu, uma profissão que é hereditária, de acordo com a tradição mandinga. Em meados de 1979 iniciou a sua carreira, primeiramente cm os pioneiros Abel Djassi. Com eles teve acesso à escola e com eles participou em acampamentos da juventude na Guiné e no estrangeiro, tendo então portunidade de conhecer outras culturas. Deixou a casa do pai, e por isso foi para Bissau onde se dedicou ao estudo da música.

"O Kora envolve misticismo e simbologia. É o instrumento que o acompanha nos espectáculos e é o suporte principal do género musical que interpreta. Desde que começou a actuar em público houve um momento que o marcou, que foi quando com mais 11 crianças estava a representar a Guiné-Bissau num acampamento em Cabo-Verde em 1979. As pessoas gostaram porque o kora nunca tinha chegado ao arquipélago. As pessoas seguiam-no por todo o lado, faziam-no perguntas sobre o instrumento, queriam tocá-lo, queriam saber tudo. Nessa altura apercebeu-se do 'peso' do Kora. A partir daquele momento em Cabo-verde decidiu que devia continuar nessa vida. Nos anos seguintes participou em vários eventos."

(Continua)

Contactos do artista:

(i) Telefone: 938325723 / 964660125

(ii) Email: braimagalissa@gmail.com

(iii) Endereço postal:

José Braima Galissá
Rua Cidade de Manchester nº6 - cv
1170-100 Lisboa

Guiné 63/74 - P3533: (Ex)citações (7): A reciclagem das garrafas de cerveja na Ponta do Inglês (José Nunes / Manuel Moreira)

Guiné-Bissau > Bissau > Abril de 2006 > Viagem Porto-Bissau > Humor (negro): Um dari [chimpanzé do Cantanhez] , em cativeiro, numa aula prática sobre reciclagem do lixo...

Foto: © Hugo Costa / Albano Costa (2006). Direitos reservados

Quem disse que a fome e a sede, aos vinte anos, não eram boas conselheiras ? Na Ponta do Inglês, o melhor soldado do mundo (que era o nosso, pois claro!) reciclava tudo, a começar pela garrafa da cerveja, a bazuca mais desejada do mundo, e que vinha de lancha. E ainda não se falava, nesse tempo e nesse lugar, em crise energética, economia do lixo, ecologia, ecopontos, economia sustentável, e por aí fora... (Se calhar queriam uma estância balnear, não?!).

Na Ponta do Inglês (que nada tinha a ver com o Ultimato Inglês de 1890!), nada se perdia, tudo se transformava... Claro que eram todos voluntários e patriotas, os rapazes que heroicamente defendiam a Ponta do Inglês, na Foz do Corubal... Eram gajos com brio, porra! Tugas dum carago!



1. "Ponta do Inglês, local onde estive 2 a 3 horas, o tempo da maré... Na altura a iluminação do quartel era feita com garrafas de cerveja, cheias de petróleo, e o alarme era as ditas quase juntas para tilintarem e darem o alarme, só que os macacos davam p'ra se agarrar ao arame farpado e tilintar as garrafas... Pelo sim pelo não, o melhor era uma rajada"

José Nunes,
ex 1º Cabo Mec Electri Centrais
Beng 447
1968/70

Comentário de 27 de Novembro de 2008 ao poste do memso dia > Guiné 63/74 - P3526: Tabanca Grande (99): Manuel Moreira, ex-1.º Cabo Mec Auto da CART 1746, Ponta do Inglês e Xime, 1967/69

2. Da Canção da Fome:

(...) Quando o nosso coração bole,
Passamos tardes ao Sol
Junto ao Rio, a esperar
De cerveja p'ra beber
E batatas p'ra comer
Que na lancha hão-de chegar.



Poste de 27 de Novembro de 2008 > Guiné 63/74 - P3526: Tabanca Grande (99): Manuel Moreira, ex-1.º Cabo Mec Auto da CART 1746, Ponta do Inglês e Xime, 1967/69




3. (...) "Se não queriam ir que não fossem, mas não venham, agora velhos, lamentarem-se e quase pedir desculpa por terem sido soldados... Tenham brio, porra!"

Jorge Fernandes


Extracto de poste de 27 de Novembro de 2008 > Guiné 63/74 - P3529: Controvérsias (13): Se não queriam ir que não fossem...(V. Briote)

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Guiné 63/74 - P3532: O Nosso Livro de Visitas (47): Rogério Pereira, filho do 1º Cabo Manobra Jorge António Pereira, morto em combate na Guiné em 1973

1. Mensagem de Rogério Pereira, filho do nosso camarada Jorge António Pereira, Cabo Manobra, que morreu no dia 5 de Agosto de 1973 a bordo da LDM 113, durante um ataque IN a esta embarcação.

Boa tarde,
Antes de mais um grande bem haja pelo V/blog que vou seguir de perto no futuro (http://rogerio-pereira.blogspot.com/).



Chamo-me Rogério Pereira, natural de Peniche e a viver em Angra do Heroísmo e sou filho do patrão da LDG, Cabo Manobra, citado no post Guiné 63/74 - P1665: Operação Larga Agora, Tancroal, Cacheu, local maldito para a Marinha (Parte I) (Lema Santos) do V/camarada Manuel Lema Santos.

Ao ler o seguinte excerto do post:

- Em 5 de Agosto de 1973 as LDM 113 e 412, navegando em comboio de Ganturé para Farim, foram emboscadas violentamente no Tancroal com armamento diverso incluindo RPG. A LDM 113, que ocupava a 2.ª posição na coluna, foi atingida por RPG em cheio no sector de ré, zona da cabine, toldo e convés. O patrão, Cabo M, teve morte quase imediata e o Mar C (telegrafista), gravemente ferido, veio a falecer no Hospital Militar de Bissau. Depois de reagirem aportaram a Bigene

foi com emoção que senti que o meu pai morreu entre amigos e homens de coragem cuja memória a Pátria deve honrar.

O meu pai, Jorge António Pereira, Patrão da LDG, Cabo Manobra n.º 2404, era natural do Bombarral e vivia em Peniche onde tinha servido na Capitania local.

Obrigado.


2. Comentário de CV

Caro Rogério
Muito obrigado pelo seu contacto

Apesar da mágoa por ter perdido o seu pai, sente-se que tem orgulho na forma como ele faleceu. Perdeu a vida no cumprimento do seu dever de militar e honrou a farda da Marinha que vestia.

As missões impostas às Unidades da Marinha de Guerra, que navegavam nos sinuosos rios da Guiné, eram muito perigosas. Não raras vezes aconteceram ataques, com baixas nos nossos valorosos homens da Armada. Eles foram o garante dos reabastecimentos de víveres e armamento de Norte a Sul da Guiné, quer navegando nos grandes rios, quer em pequenos cursos de água, com o perigo espreitando a cada curva. Muitas vidas dos militares do Exército, em missão de quadrícula em locais onde não era possível o abastecimento por terra, dependiam da valentia e da coragem dos seus camaradas da Marinha.

Estamos orgulhosos pelo seu pai e solidário com a sua dor de filho.

Disponha do nosso Blogue sempre que queira e considere-se desde já nosso amigo. Parafraseando o nosso tertuliano José Martins, os filhos dos nossos camaradas, nossos filhos são.

Receba um abraço da Tertúlia
Carlos Vinhal
Co-editor
______________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 26 de Novembro de 2008 > Guiné 63/74 - P3524: O Nosso Livro de Visitas (46): A. Paulo, Pel Caç 953, Guiné, 1964/66

Guiné 63/74 - P3531: Controvérsias (14): PAIGC/FLING, Tite/São Domingos...(Carlos Silva)

Quando começou a Luta de Libertação?



Início da Guerra Colonial – Guerra do Ultramar [Guiné]
Início da Luta Armada – Início da Luta pela Libertação da Pátria [Guiné]
Início da Luta Armada pela Independência dos Territórios Ultramarinos da Guiné e Cabo Verde


As expressões referidas em epígrafe em minha modesta opinião e salvo o devido respeito, que é muito, por opiniões contrárias, consubstanciam ou podem traduzir vários sentidos ou interpretações, que neste momento, me dispenso de desenvolver.

Não sou Historiador e nem tenho formação académica na área de História e desconheço quais os factos relevantes que os Historiadores lançam ou irão lançar mão, neste caso concreto para qualificar o início da luta armada do povo da Guiné e Cabo Verde que conduziu à Independência destes dois territórios.

Da vasta bibliografia que possuo e li sobre a Guiné, Guerra da Guiné, Guerra Colonial, cerca de 200 livros, jornais, revistas e filmes que tenho visto na TV e em DVDs, sempre ouvi, li e vi referências que o início da luta armada pelo PAIGC que conduziu à independência daqueles dois territórios, iniciou-se com o ataque ao Aquartelamento de TITE, em 23 de Janeiro de 1963, levado a efeito pelos guerrilheiros nacionalistas, data invocada em todos os meios de comunicação referidos, sendo que, alguns fazem breves referências a tais acontecimentos, não desenvolvendo algo sobre os factos que ali se passaram, a não ser a data em que efectivamente teve lugar o início da luta armada levada a efeito pelo PAIGC.

Ataque ao Aquartelamento de Tite – 23-01-1963

Algumas Referências Bibliográficas

Sobre o começo das hostilidades ou início da luta armada pelo PAIGC em 23-01-1963 com o ataque ao Aquartelamento de Tite, situado no Centro-Sul da Guiné, por estranho que pareça, não encontramos qualquer narração escrita de forma desenvolvida sobre os factos que se passaram, quer do lado português, quer do lado do movimento nacionalista.

Da bibliografia aqui indicada, apenas se encontram breves referências alusivas a tão importante facto histórico no seguinte sentido:

1 - "... Em Janeiro de 1963, foi a sede do Batalhão atacada com armas automáticas e de repetição e granadas de mão. Deste ataque resultou 1 morto e 1 ferido das NT e 8 mortos confirmados e vários feridos graves IN. Depois deste ataque foram intensificados os patrulhamentos de que resultou a morte de Papa Leite, elemento IN que actuava na área e que facultou a recolha de valiosíssimos elementos da Ordem de Batalha IN..."

In, Carta de 7-07-1981 do Ten Cor Manuel José Morgado, enviada ao Director do Arquivo Histórico Militar, em resposta ao assunto " História das Unidades".

Resumo da Actividade do BCaç nº 237/BCaç nº 599 - Maio de 1963 a Maio de 1965 [Caixa nº 123 - 2ª Div/4ª Sec., do AHM]

2 - A propósito da detenção de alguns dirigentes do PAIGC em Conakry, por alegado contrabando de armas, diz Luís Cabral:

“... O Aristides respondeu em poucas palavras, justificando o nosso acto pelo interesse da luta comum e pedindo-lhe [ao Ministro da Defesa da República da Guiné-Conakry, Keita Fode] que transmitisse o nosso reconhecimento ao presidente pela sua fraterna compreensão. Quanto ao regresso do Amílcar, falando com toda a franqueza, não acreditávamos que ela pudesse ter lugar antes da nossa libertação, mesmo com a mensagem.

"Era lógico que ele fosse aconselhado a reflectir muito sobre a questão pois, se havia razões para estarmos ainda detidos, essas razões seriam certamente mais válidas em relação a ele, como primeiro dirigente do Partido.

"Entretanto, nas diferentes zonas do interior do país, ao tomarem conhecimento da nossa detenção, os combatentes decidiram juntar o pouco material de que dispunham e agir prontamente contra as posições colonialistas, onde isso fosse possível.
A 23 de Janeiro era realizado o primeiro ataque das forças nacionalistas do PAIGC, contra o quartel de Tite, sede administrativa da circunscrição de Fulacunda...”


In, Cabral, Luís – Crónica da Libertação, O jornal, 1ª edição 1984, pág. 144

3 – “…Malogradas as tentativas pacificas, só restaria a luta armada e, após uma declaração de Amilcar Cabral à Imprensa, em Dacar, de 26 de Agosto de 1962, verificou-se o ataque de guerrilheiros ao quartel de Tite, a 23 de Janeiro de 1963…
No caso do Senegal, conquanto inicialmente o seu apoio se evidenciasse mais favorável à FLING, Léopold Sédar Senghor viria a transferi-lo para o PAIGC…”

In, Sambu, Queba, TenCoronel – Dos Fuzilamentos ao caso das Bombas da Embaixada da Guiné, Edições Referendo, 1989, pág 18

4 - "... 23 Janeiro de 1963 - O PAIGC assalta o quartel de Tite e inicia a guerra na Guiné.

"Cabral tentou ainda fazer-se ouvir, com apelos ao diálogo, mas é pelo efeito das armas que a minúscula Guiné se torna a segunda frente de contra-ataque português...."


In Antunes, José Freire, A Guerra de África 1961-1974, volume 1, Temas & Debates, Outubro de 1996, pág. 34.

5 - António E. Duarte Silva, citando Amílcar Cabral "O Desenvolvimento..." Cit. Obras...Vol. II, pág.37, sobre este facto salienta:

"...b) O início da luta armada

"A luta armada de libertação nacional começou efectivamente em 23 de Janeiro de 1963 com o ataque, por uma centena de guerrilheiros ao quartel de Tite, na margem sul do Rio Geba, onde estava instalado o comando de um batalhão português:

"(...) vindos das florestas, das zonas pantanosas e das tabancas distantes surgiam então os combatentes do nosso partido. Não vinham mais com as mãos vazias. Vinham armados com material eficiente, com uma coragem e uma disciplina a toda a prova, assim como do conhecimento das condições concretas e dos objectivos da nossa luta e, como sempre, com o apoio incondicional do nosso povo. (...)

"Em Julho de 1963 a guerra atingiu as florestas de Oio, a norte do Geba, de modo que, ao chegar-se ao final de Agosto de 1963, a situação na enorme região que abrange Bissorã, Binar, Encheia, Mansoa, Mansabã e Olassato, não era muito diferente da existente em grande parte do sul da Província: populações fugidas, tabancas abandonadas ou destruídas, estradas obstruídas, a vida administrativa e actividade comercial profundamente afectada"...


In Silva, António E. Duarte, A Independência da Guiné-Bissau e a Descolonização Portuguesa, Edições Afrontamento, Março de 1997, pág. 47

6 - "... Na Guiné, as acções de guerrilha foram iniciadas pelo PAIGC em Janeiro de 1963, com um ataque ao quartel de Tite, a Sul de Bissau, junto ao rio Corubal [1], embora outras pequenas acções tivessem ocorrido antes. As operações estenderam-se rapidamente a quase todo o território, em contínuo crescendo de intensidade, que exigiu o empenhamento de efectivos portugueses cada vez mais numerosos..."

In Afonso, Aniceto, Gomes, Carlos Matos, Guerra Colonial - Angola, Guiné, Moçambique - Ed. Diário de Notícias, em fascículos.

[1] - Lapso dos Autores, porquanto, Tite situa-se a poucos quilómetros da margem esquerda do rio Geba. Enquanto o rio Corubal é um afluente da margem esquerda do rio Geba e desagua próximo das povoações de Ganjaurá, Ganturé e Ponta do Inglês, situadas a Norte de Fulacunda.


7 - "... O Partido procurou, deste modo, responder às reivindicações destes estratos, que pretendiam ascender a um patamar superior na hierarquia social. A mobilização dos camponeses iniciou-se após os acontecimentos do Pidjiguiti, altura em que foi decidida a preparação para a luta armada.

"O primeiro ataque armado eclodiu a 23 de Janeiro de 1963, contra as instalações de um aquartelamento das Forças Armadas Portuguesas, em Tite..."


In Pinto, Jorge, Paulo, Manuel, Duarte, Paula - Guiné Nô Pintcha! - Para uma análise Socio-económica da Guiné-Bissau, Edições Universitárias Lusófonas, Outubro de 1999, pág. 33

8 - "... Em 23 de Janeiro de 1963, o PAIGC desencadeia a luta armada na Guiné-Bissau. Três dias depois, o governo de Salazar fixa os vencimentos dos elementos das Forças Armadas em serviço nas Províncias Ultramarinas.....

"23 de Janeiro de 1963 - Início da luta armada, com ataque ao Quartel de Tite, no Sul da Guiné-Bissau. Chegam a Conakry os primeiros recrutas a fim de receberem treino militar..."


In Cabral, Amílcar - Sou um simples africano, Fundação Mário Soares, 2000, págs. 32 e 83.

9 - “ ... A Guiné apresentava características diferentes. De acordo com o censo de 1960, a sua população era de aproximadamente 500.000 habitantes, cerca de dez vezes menos do que a de Angola, estando concentrada no delta costeiro ocidental e dividida em vinte e oito grupos etnolinguísticos distintos. O PAIGC [Partido Africano para a Independência da Guiné e Cabo Verde], fundado em Lisboa em 1956, arrancou para a luta armada em 23 de Janeiro de 1963 com um ataque ao Quartel de Tite.

"O seu líder era Amílcar Cabral, engenheiro agrónomo licenciado em Lisboa e aí convertido à doutrina marxista-leninista.

"As condições topográficas da província e o apoio de Conakry aos terroristas do PAIGC fizeram da guerrilha da Guiné a mais dura de todas as que se travaram nas frentes do Ultramar. Afectado por convulsões internas [como as que originaram o assassínio de Cabral em 1973], sem nunca ter conseguido resolver o problema da rivalidade existente entre guinéus e cabo-verdianos, o PAIGC, em 1974 e ao invés do que proclama a versão oficial estava disposto a entender-se com os portugueses e a abandonar o mato...”


In, Santos, Bruno Oliveira – Histórias Secretas da PIDE/DGS, Nova Arrancada, 2ª edi. 2000, pág. 93

10 - "... O primeiro ataque armado eclodiu a 23 de Janeiro de 1963, contra as instalações de um aquartelamento das Forças Armadas Portuguesa, em Tite..."

In Atlas da Lusofonia, 1º Vol. – Guiné-Bissau, Ed. Instituto Português da Conjuntura Estratégica e do Instituto Geográfico do Exército, Maio 2001, pág. 25

11 – "... Instalados nos territórios estrangeiros limítrofes, os atacantes preparados e armados por potências interessadas em expulsar os portugueses de África, à sombra da bandeira da independência, sob o lema da 'África para os africanos', passaram a realizar acções violentas com a continuidade, na Guiné, desde 23Set63, [ataque ao aquartelamento de Tite] {aqui, a data está errada e para a qual já alertei a Comissão…} e na sequência de alguns ataques esporádicos, o primeiro dos quais levado a efeito na noite de 20 para 21 de Julho de 1961, em S. Domingos por iniciativa do Movimento para a Libertação da Guiné [MLG], antecessor do PAIGC na luta pela independência do Território… “

………
"....Bat Caç nº 237 - Síntese da Actividade Operacional

Após o início das primeiras acções contra as NT, com o ataque ao aquartelamento de Tite, em 23 Janeiro de 1963, comandou e coordenou a actividade operacional das suas forças numa série de acções ofensivas nas áreas do Quitifane, Cantanhez, Quinara e Jabadá - Gã Chiquinho."


In Estado-Maior do Exército - Comissão para o Estudo das Campanhas de África - Resenha Histórico-Militar das Campanhas de África [1961-1974] - 7º Volume - Fichas das Unidades - Tomo II - Guiné, 1ª edição, Lisboa 2002 - p. 6 e 40

Posto isto, relativamente aos Postes nº 3294, 3298 e 3308 relativos ao ataque a Tite em 23-01-1963; Postes 3459 e 3492, CCaç 84 em Defesa de Guidage, Bigene, 1961; Poste 3503, Comentário de Santos Oliveira, e Post 3514, posição do nosso Camarada Mário Dias, publicados no Blogue, em que ressaltam os entendimentos destes Camaradas sobre o [início da guerra na Guiné??..] parece-me de salientar principalmente o seguinte:

Carlos Silva

1 – Parece que é aceite pela opinião pública em geral [portugueses, guineenses e cabo-verdianos] que o início das hostilidades pelo PAIGC que conduziram à independência dos dois territórios, tiveram lugar com o ataque ao Aquartelamento de Tite em 23 de Janeiro de 1963, para findarem apenas após atingido o seu objectivo principal, a independência alcançada após o 25 de Abril de 1974.

S. Domingos

2 – O nosso camarada Mário Dias no Poste 3514 diz que "...é falso. O PAIGC pretende os louros de ter iniciado o que se passou a designar por luta de libertação. Mas não foi assim. Em Julho de 1961, a FLING (Frente de Libertação e Independência da Guiné, liderada por François Mendy e sediada no Senegal) atacou com armas de fogo o quartel de S.Domingos onde se encontrava instalada parte (julgo que apenas um pelotão) da Companhia de Caçadores 5, destacada na Guiné…

(...) "Foi um ataque deliberado a um quartel e a uma unidade militar feito por um movimento que também lutava pela independência mas cuja existência o PAIGC procura ignorar e até negar….

(...) "Falei com alguns dos militares pertencentes a essa unidade destacada em S.Domingos e um furriel…

(...) "Quanto à posterior ocorrência de incidentes em Guidaje, conforme já relatei, não me recordo deles e, por isso, nada posso acrescentar…]"


Carlos Silva

O Mário tem a sua razão, depende da perspectiva de interpretação que cada um de nós dê à referida expressão.

Pois se a mesma significar um sentido global, então a Luta de Libertação não começou em 1961, mas, com certeza, começou após a ocupação do território ou a partir de outras campanhas, como por exemplo foi o caso no tempo de Teixeira Pinto, creio que em 1912 ou 1913 contra os revoltosos do Oio.

Carlos Silva


3 - Contudo, é de salientar o que é referido pela Comissão de História das Campanhas de África 1961-1974 “…e na sequência de alguns ataques esporádicos, o primeiro dos quais levado a efeito na noite de 20 para 21 de Julho de 1961, em S. Domingos por iniciativa do Movimento para a Libertação da Guiné [MLG], antecessor do PAIGC na luta pela independência do Território… “

vd ponto 11 das Referências Bibliográficas.

Daqui resultam informações contraditórias.

A Comissão, refere que o ataque que se verificou em S. Domingos é da iniciativa do MLG, antecessor do PAIGC…, embora eu, de momento, não me recorde de ter lido algo sobre este MLG e que o mesmo tivesse reivindicado tal ataque - o que tenho lido é sobre o MING -Movimento para a Independência da Guiné, fundado por Amilcar Cabral e Rafael Barbosa, e não li em parte alguma a reivindicação por este Movimento relativamente ao citado ataque.

O Mário refere-se à FLING - Frente de Libertação e Independência da Guiné, liderada por François Mendy e sediada no Senegal, como sendo quem efectuou o ataque.

Efectivamente eu não sei quem efectuou o ataque e desconheço, de momento, para além destas duas, outra qualquer referência a tal facto, ficando agora na dúvida. - Quanto às datas do ataque parecem ser coincidentes no que se refere ao mês e ano.

Bigene e Guidaje

4 – […Quanto à posterior ocorrência de incidentes em Guidaje, conforme já relatei, não me recordo deles e, por isso, nada posso acrescentar…], isto dito pelo Mário.

Carlos Silva

Eu também nunca ouvi falar sobre estes incidentes naquela localidade, assim como em Bigene, segundo vem referido no Poste 3459 do Alberto Nascimento [que não presenciou os factos] que diz:

“…Agora era só meter no saco o estritamente necessário para uso pessoal e desandar para Farim porque tinha havido um ataque em Bigene….

"…e toca a correr para Bigene, onde passámos a noite à espera “que o assassino voltasse ao local do crime”, mas como não voltou, de manhã cedo voltámos a Farim…

"…Estávamos a começar a entrar na rotina militar, quando se deu um ataque a Guidaje e lá fomos nós ver os prejuízos…

"É óbvio que nos limitámos a verificar as marcas deixadas pelos tiros que dispararam, a olhar para o armazém de mancarra parcialmente queimado e a conversar com alguns habitantes, após o que o comando da coluna decidiu, ao fim da tarde, regressar a Farim" (...).


Carlos Silva

Enfim, não há notícias de mortos, feridos, se eram muitos ou poucos os guerrilheiros, quais os estragos causados, porque não avançou para lá o mencionado Esq ou Pel de Cavalaria estacionado em Farim, não há registos militares elaborados por essa Unidade, etc, etc…

Poste 3492

“… a ida para Farim e o recebimento da G3 são um dado que está absolutamente correcto, seja qual fôr a data convencionada para o início da história da guerra na Guiné"…

Carlos Silva

Provavelmente serão estes ataques a que a dita Comissão se refere quando menciona “…e na sequência de alguns ataques esporádicos"!...

5 - Do atrás exposto verificámos:

A ausência de outras referências e outros testemunhos, pelo menos, ao nível do Blogue, embora daquilo que li e vi, como já disse, não registei qualquer alusão a estes factos.

Um lapso de tempo de ano e meio que vai de Julho de 1961 a Janeiro de 1963, sem se ouvir contar que houvesse continuidade de escaramuças.

6 – Prosseguindo, continuação do Poste 3459

“ 3. Comentário de L.G.:

"…Em terceiro lugar, os acontecimentos que tu nos relatas, obrigam-nos a rever a história da guerra da Guiné. Afinal, a guerra não começou em Tite, em 23 de Janeiro de 1963. Essa é a lenda que nos contam os camaradas do PAIGC, e que os historiógrafos (guineenses, portugueses e outros) tendem a reproduzir... tal como nós, aqui no blogue.

"Pelo que tu nos contas, já usavas G3 em meados de 1961, em substituição da velhinha Mauser. E devias também usar capacete de aço! Imagino o suplício, com aquela torreira toda... Esta é, de facto, uma história da velhice mais velha! Portanto, em meados de 1961, os camaradas - possivelmente gente da FLING, e não do PAIGC - já andavam aos tiros aos nossos comerciantes e aos seus armazéns de mancarra, lá na região do Cacheu , na fronteira com o Senegal, em Bigene e em Guidaje….”


Carlos Silva

7 – Donde, embora respeite a opinião do nosso Camarada Luís Graça, não comungo da mesma, com o fundamento no relato de apenas dois camaradas, quando afirma “... obrigam-nos a rever a história da guerra da Guiné. Afinal, a guerra não começou em Tite, em 23 de Janeiro de 1963. Essa é a lenda que nos contam os camaradas do PAIGC, e que os historiógrafos (guineenses, portugueses e outros) tendem a reproduzir... tal como nós, aqui no blogue... ”

8 – Porquanto, nesse sentido, tal como atrás referi, se considerarmos esses ataques esporádicos de Julho de 1961, como refere a Comissão e sem qualquer continuação, então poderemos considerar que o início da luta da libertação ou a guerra da Guiné, como lhe queiram chamar, remonta à época da sua ocupação... ou às campanhas de Teixeira Pinto, etc., etc.

9 - Tenho para mim, como facto assente, público e notório que o início da luta armada levada a efeito pelo PAIGC e que conduziu à independência dos dois territórios aqui mencionados, iniciou-se com o ataque ao Aquartelamento de Tite, em 23 de Janeiro de 1963, efectuado por guerrilheiros nacionalistas pertencentes àquele Partido, sem qualquer interrupção até atingirem o seu objectivo, a independência, que veio a concretizar-se após o 25 de Abril de 1974.

10 – Seria bom que outros Camaradas, presentes na Guiné em 1961 e posteriormente, conhecedores de elementos comprovativos destes factos relevantes para a História Contemporânea dos nossos Países, dessem a conhecer por qualquer meio sobre o que sabem ou presenciaram.

Aqui deixo o repto

Carlos Silva

Ex-Fur Mil CCaç 2548/Bat Caç 2879
Massamá, 26 de Novembro de 2008

________

Notas de vb:

1. O nosso muito obrigado por este contributo do Carlos Silva, nosso ilustre camarada e jurista e que mantém um blogue com muita informação pouco conhecida.

2. Em referência ao artigo publicado em

25 de Novembro de 2008 > Guiné 63/74 - P3514: Controvérsias (12): A G3, a FLING, o PAIGC, o Pdjiguiti, São Domingos, Tite e outras lendas (Mário Dias)

Guiné 63/74 - P3530: Blogues da Nossa Blogosfera (7): Intervalo na democracia, já?...(António Matos)

Já estaremos no período de 6 meses de intervalo da democracia ?

António Matos

ex-Alf Mil da CCaç 2790

Bula 1970/722





Cheguei a uma altura em que consigo discernir algumas tendências no blogue ainda que o tempo seja curto para daí tirar ilações.


Já percebemos que há dúvidas quanto ao início da guerra na Guiné (1961 ou 63?) porquanto algumas acções de flagelação assim são consideradas por uns enquanto outros as intitulam como verdadeiro pontapé de saída nas hostilidades.
Serve de curiosidade histórica.

A questão das G3, legais ou ilegais, com guia de remessa para a fiscalização verificar, alemãs ou portuguesas, de coronha de madeira ou de plástico, enfim de curiosidade histórica incontornável.
A procura de camaradas esquecidos ou desaparecidos e postos na rota dum resgate moral; a temática de guerra ganha ou guerra perdida, tem igualmente animado as hostes.
Paralelamente, tenho notado a derivação mais ou menos evidente do que me pareceu ser o leitmotiv deste espaço - as estórias da guerra vividas por cada um de nós e aqui transcritas para memória futura.
Nesse sentido já foram publicitados outros blogues (concorrência?) e nem sempre sobre a temática Guiné 63/74 o que me leva a dizer-vos que também rascunho umas palavras para o Já percebemos que há escritores e poetas oriundos dos mais variados pelotões; relatos trágico-cómicos de notável qualidade literária; palavras sentidas de emoção comovente; Solidariedades transmitidas e com desejo de chegarem aos ouvidos certos.
Mas, agora aparece um post - o P3513 - que não chego a percebê-lo por evidente falta de pormenores ainda que dê a entender que algo se assemelha a uma coisa chamada de censura e que julgávamos arredada dos nossos dias.
Já houve quem preconizasse um intervalo de 6 meses na democracia e, com o teor daquele post, espero que não tenha começado esse período!
__________

Notas de vb:

1. Refª ao artigo de

2. Artigo do António Matos em