sábado, 15 de agosto de 2009

Guiné 63/74 - P4825: Fichas de Unidades (4): História do CART 6251/73 (José Martins)

1. O nosso Camarada-de-armas Aníbal Amaral da CART 6251/73, Cumeré e Mansabá (1974), dirigiu ao Luís Graça o seguinte apelo em 30JUL2009:

Caro Luís Graça,

Recorro ao camarada (deixe-me tratá-lo assim), para lhe pedir o que agora, e não me questione porquê, começa a ser importante para mim. Rever camaradas da minha Companhia, confraternizar e reviver os momentos que passamos juntos naquela terra, que embora pobre quando comparada com Angola ou Moçambique, tinha algo de mágico que não podemos esquecer.

Tenho agora 56 anos e há já alguns meses que tento encontrar os meus camaradas de Companhia.

Até hoje todos os esforços foram em vão.

Frequentei na recruta o CSM nas Caldas da Rainha, tirei a especialidade de transmissões de Infantaria, em Tavira, e em Abril de 1974 embarquei no Niassa integrado na Cart 6251/73, saídos da RAP V. N. Gaia. Foi noticiada a nossa saída de Lisboa, no Niassa, por causa do engenho que explodiu a bordo aquando da partida. Chegamos a Bissau a 15/04/74. Depois de algumas semanas no Cumeré, fomos para Mansabá, substituir uma Companhia de Caçadores que agora não recordo, mas que tenho presente tinha já ultrapassado o tempo dito “normal” de comissão.

Até regressarmos, em Outubro 1974 de novo no Niassa, entregamos inúmeros aquartelamentos às tropas do PAIGC.

Na procura dos meus camaradas, já me indicaram a Cart 6251 mas de 72 – Os Galos de Catió. Mas não era essa a minha Companhia. Se bem recordo, Catió era de facto o nosso destino, mas quando chegamos a Bissau, Catió já estava nas mãos do IN.

O meu nº. mecanográfico era 028313/73. Se me puder fornecer alguma sugestão para tentar chegar à fala com camaradas desta m/Companhia, fico-lhe muito grato. Adorava puder rever aquela malta.

Aníbal Amaral
Ex-Furriel Mil. de Transmissões de Infantaria,
E-mail: anibalamaral1952@gmail.com

2. Como já vem sendo habitual nestas solicitações, o nosso primeiro passo para tentar ajudar este nosso Camarada, foi solicitar ao José Martins - nosso prestável e eficaz “municiador” de Fichas das Unidades -, os dados que forem possíveis reunir, sobre a CART 6251/73, de modo a que outros elementos desta companhia, possam, ao eventualmente lerem este poste, desde logo, identifiquem-se com a mesma e poderem contactar o Aníbal Amaral.

3. Breve apresentação do nosso Camarada José Martins:

(ex-Fur Mil Trms da CCAÇ 5 - Os Gatos Pretos -, Canjadude, 1968/70)
Matéria consultada para a sua pesquisa:
Resenha Histórica Militar das Campanhas de Africa
Volume 7º - Tomo II – Fichas das Unidades.

4. Agradecendo, desde já, a sua amigável e prestável colaboração ao José Martins, que, em casos anteriores muito tem ajudado a obter bons resultados, apresentamos seguir os resultados da sua melhor pesquisa, devidamente adaptada e condensada:

Companhia de Artilharia nº 6251/73

A Companhia de Artilharia nº 6251/73 foi mobilizada no Regimento de Artilharia Pesada nº 2, na Serra do Pilar, em Vila nova de Gaia.

Em 11 de Abril de 1974 embarca em Lisboa, rumo à Guiné, chegando a Bissau em 17 desse mesmo mês.

Foi para o Centro de Instrução Militar, em Cumeré, onde iniciou a Instrução de Aperfeiçoamento Operacional a 21 de Abril de 1974. A instrução é interrompida, tendo a subunidade seguido para Mansabá, assumindo a responsabilidade do subsector substituindo a Companhia de Artilharia nº 3567, passando a integrar o dispositivo de manobra do Batalhão de Caçadores nº 4610/72 e posteriormente do Batalhão de Cavalaria nº 8320/73.

Depois de efectuar a entrega do aquartelamento de Mansabá ao PAIGC, em 03 de Setembro de 1974, esteve temporariamente em Nhacra, donde seguiu para o subsector de Safim, onde rendeu em 10 de Setembro de 1974 a Companhia de Cavalaria nº 8355/73, ficando integrada no dispositivo do COMBIS – Comando de Bissau, deslocando forças para o destacamento de Capunga.

Procede à entrega, ao PAIGC, do aquartelamento de Safim em 12 de Setembro de 1974, recolhendo a subunidade a Capunga, que entrega em 27 de Setembro de 1974, ficando a aguardar embarque até 03 de Outubro de 1974, data em que regressa.

© José Marcelino Martins – 13 de Maio de 2009

Um abraço,
José Martins

5. Resta-nos aguardar que o pessoal desta CART, ao tomar conhecimento desta mensagem contacte o Aníbal Amaral, para o e-mail indicado, ou recorra à nossa sempre disponível ajuda.
_____________
Notas de M.R.:

Vd. último poste da série em:

Guiné 63/74 - P4824: (Ex)citações (39): "Ainda estás pouco lixado, pá?"

1. Mensagem de J. Mexia Alves (*), ex-Alf Mil da CART 3492 (Xitole / Ponte dos Fulas), Pel Caç Nat 52 (Ponte Rio Udunduma, Mato Cão) e CCAÇ 15 (Mansoa), com data de 14 de Agosto de 2009:

Caros camarigos editores

Aqui vai um textozinho assim como que de Verão, que os meus camarigos farão o favor de julgar da pertinência de publicação.

Como sempre agradeço que me acusem a recepção do mesmo.

Um abraço camarigo do
Joaquim Mexia Alves


As práticas do tipo: “Ainda estás pouco lixado, pá”!

Algures aqui na Tabanca, li recentemente um texto que me fez lembrar uma prática em voga na Guiné e que eu sempre considerei um erro, mas que era infelizmente muito usada por vários comandantes.

Consistia essa dita prática, quase como se fosse uma NEP, em mandar o pessoal mais difícil, mais punido, mais insurrecto, para os sítios mais difíceis e complicados, os chamados buracos.

Assim, aqueles que esses comandantes não conseguiam ou não queriam disciplinar nas suas Companhias ou sedes de Batalhão, enviavam-nos para os que já sofriam as estopinhas em lugares isolados e degradados, como um castigo, que acabava muitas vezes por castigar os que já estavam castigados pelas condições em que viviam.

Isso aconteceu-me no Mato Cão uma ou duas vezes, por exemplo.

Ou seja, não chegava um gajo já estar nas piores condições, mas ainda se mandavam para lá os problemas difíceis de tratar, assim como se aqueles destacamentos ou quartéis fossem uma colónia penitenciária.

Lembro-me que assim que chegaram ao Mato Cão, tive com os insurrectos, uma conversa franca e objectiva, com umas ameaças a preceito, e acabei por não ter mais problemas.

Mas a verdade, quer queiramos quer não, é que o castigo que era dado a esse pessoal, acabava muitas vezes por se transformar em dores de cabeça para aqueles que já as tinham que chegassem.

E os senhores comandantes ficavam mais descansadinhos nos seus sítios, e os outros… que se lixassem!!!
__________

Notas de CV:

(*) Vd. poste de 5 de Agosto de 2009 > Guiné 63/74 - P4781: Também quero homenagear os nossos picadores (J. Mexia Alves)

Vd. último poste da série de 11 de Agosto de 2009 > Guiné 63/74 - P4813: (Ex)citações (38): Resposta a J. Mexia Alves (A.J. Pereira da Costa)

Guiné 63/74 - P4823: Viagem à volta das minhas memórias (Luís Faria) (18): Dias em Binar - 3

1. Mensagem de Luís Faria, ex-Fur Mil Inf MA da CCAÇ 2791, Bula e Teixeira Pinto, 1970/72, com data de 11 de Agosto de 2009:

Amigo Vinhal

Após uma temporada em que me não me foi possível escrevinhar nada, segue agora mais uma “Viagem …” que publicarás se assim o entenderes.

Dei uma vista de olhos pelo blogue, que me pareceu reflectir o tempo em que estamos…em Férias!

Para todos os que as desfrutam… que lhes sejam retemperadoras de espírito e rejuvenescedoras de saúde.

Um abraço
Luís Faria


Dias em Binar - 3
Esta pequena povoação situava-se, como já tive ocasião de escrever, a uma dúzia de quilómetros de Bula, na estrada para Bissorã.

Assim, na proximidade a Norte havia as perigosas matas a que por inclusão chamo de Choquemone (Jundum, Dungor, Choquemone, Madelife) e mais a Norte o Infaíde. Mais para Nordeste seriam as de Biambe (?).

Vem isto ao caso de o Jorge Picado, em comentário ao Poste 4619 ter ficado surpreendido por eu dizer ser um lugar tranquilo onde tínhamos passado uma espécie de férias, estando nas proximidades do Biambe IN.

Na verdade estávamos bastante próximos das matas a que chamo Choquemone (logo a norte de Binar), região de Cacheu. As do Biambe julgo que eram mais para Nordeste, já no Oio, mais próximas de Bissorã.

Como já disse, toda aquela zona de matas para Norte era muito perigosa, e como tal muito patrulhada e onde se sucediam Operações por variados agrupamentos de tropa, inclusive Especial .

Não devemos esquecer o extenso campo de minas na lateral da estrada para S. Vicente, conjugado com as emboscadas e patrulhamentos feitos 24 sobre 24 horas nos pontos de passagem, o que condicionava e muito as movimentações IN naquelas paragens.

Também havia no aldeamento, a tropa Africana (CCaç 17), que teria a sua actividade normal de patrulhamentos e operações na zona.

Talvez também por estas razões, durante aquele mês e meio não tenhamos tido problemas, para além do já descrito ataque de RPG e morteiros na pista de aviação, onde tínhamos postos permanentes de vigilância.


O “Instalazza”

Nesta pista, coube-me experimentar e fazer o respectivo relatório da utilidade de uma nova arma (granada) “Instalazza" (?), com fins, ao que o Capitão me informou, a ser eventualmente usada pelas nossas tropas. O meu parecer foi favorável e pelo menos a nossa Companhia passou a usá-la por sistema.

Se lembram, era uma espécie de pequeno míssil com uma coroa circular dentada na frente, com aletas direccionais estabilizadoras na extremidade oposta e era lançado pela G3, do mesmo modo que o velhinho, perigoso mas útil e devastador dilagrama.

Após muitos lançamentos verifiquei, no meu entender, que era uma arma simples, fiável e que podia ser utilizada num leque alargado de situações já que podia ser usada em tiro horizontal directo a distâncias suficientes em emboscadas, a par e por vezes, apesar da menor carga explosiva, até com vantagem sobre os lança-roquetes e bazucas, dado não ter necessidade de municiador, para além de não fazer cone de propulsão no lançamento, que se não houvesse atenção podia causar queimaduras aos próximos, menos atentos e até incêndio no capim.

Podia funcionar como um mini RPG, (arma que eu mais temia!) quando dirigida às árvores e arbustos, dado ao que me parece recordar, os estilhaços serem direccionados na perpendicular ao eixo.

Em tiro indirecto, funcionava como o morteiro, com menor poder explosivo, mas com a vantagem de eventualmente não desaparecer na bolanha, pois podia ser disparada ao ombro, da coxa e até em tiro instintivo, sem quaisquer problemas. O coice era relativamente pequeno.

Tinha um senão, como o dilagrama que não substituía: a possibilidade, por falta de atenção ou precipitação, de o disparar com bala não própria. Mesmo nesse caso os estragos no pessoal seriam menores já que os estilhaços eram direccionados e não em todas as direcções, como no dilagrama.

Assim, como disse, o meu parecer foi favorável e pelo menos a nossa Companhia passou a usá-la por sistema e ao que me lembro, não tive conhecimento de acidentes com esta arma, ao contrário dos dilagramas, bazucas e até lança-roquetes.


O Turra

Uma manhã, a quebrar o marasmo rotineiro, somos presenteados com um dos turras ao vivo, que andavam a gamar na noite, lá por Pache.

Alertado pela população, o Fur Castro e alguma gericada, (como ele dizia), do 1.º Grupo, conseguiu apanhá-lo, tendo-o pelos vistos amarrado ao poste da Bandeira, onde passou a resto da noite sob vigilância, a par de algum interrogatório amador e talvez de umas amigáveis solhas, digo eu, para afugentar o mosquitame!!

Levado para Binar, por lá ficou à espera de transporte, não recordo se para Bula ou Bissau, para interrogatório apropriado, penso.

Na sala contígua à messe, sentado num banco e amarrado, lá esteve o homem durante um par de horas, provocando a curiosidade da rapaziada em ver de perto e ao vivo um turra, como se de um ser diferente de outro qualquer Planeta se tratasse.

Ao que recordo não aparentava medo ou receio até, antes demonstrando no olhar, laivos de altivez!

O Pessoal aproximava-se, mirava-o e remirava-o, ia mandando umas bocas e fazendo as considerações que achavam sobre a proveniência, a belicosidade, o físico, o olhar… enfim!

Os graduados claro, também entraram na festa e à vez ou ao monte, era ver quem mais e melhor o interrogava, com maior ou menor meiguice verbal, fazendo-lhe as perguntas mais díspares. Também não havia de faltar a foto tirada pelo Fur TRMS Lourenço (Metralhinha) com a sua Asai-Pentax (?), pois interrogatório sem documentação fotográfica para a posteridade (?) não era razoável nem lógico!!?

É nesta altura que me aproximo para também testar os meus dotes de inquiridor.

Adoptando um ar e tom incisivos, para não dizer agressivos, começo o interrogatório e ao fim de meia dúzia de respostas… saio disparado, pouco tendo faltado para ter passado a inquisidor!! A minha cabeça era um turbilhão de perguntas e imagens. Tinha de contar até cem ou mil para voltar ao meu estado normal! Normalmente costumava até dez, ser suficiente!!

Tempo depois, mais calmo, quis voltar para tentar clarificar alguns onde? como? porquês? e obter certezas, o que infelizmente já não foi possível, pois o desgraçado teve que seguir viagem, deixando-me ainda hoje com teorias sem confirmação!

Pelos vistos o rapaz conhecia-me de Ponta Matar e já me tinha tido em mira…duas vezes!!!

A todos um abraço
Luís Faria
__________

Notas de CV:

Vd. último poste da série de 8 de Julho de 2009 > Guiné 63/74 - P4657: Viagem à volta das minhas memórias (Luís Faria) (17): Dias em Binar -2

Guiné 63/74 - P4822: Tabanca Grande (171): Joaquim Gomes Soares, ex-1.º Cabo da CCAÇ 2317/BCAÇ 2835, Gandembel e Ponte Balana (1968/69)

1. Mensagem de Joaquim Gomes Soares, ex-1.º Cabo da CCAÇ 2317/BCAÇ2835, com data de 9 de Agosto de 2009:

Mais um sobrevivente de Gandembel/Ponte Balana, Joaquim Gomes Soares, 1.º Cabo do 4.º Pelotão da CCAÇ 2317/BCAÇ 2835.

Fico muito contente de poder entrar neste blogue de Luís Graça & Camaradas da Guiné.

Como deves reparar sou o 4.º tertuliano da CCAÇ 2317 a fazer parte deste grande grupo de ex-combatentes da Guiné e de Gandembel. Depois do Idálio Reis, agora também o Manuel Oliveira, o qual aproveito esta oportunidade para os saudar.

Tenho poucos conhecimentos de informática mas este pouco que sei foi o bastante para poder pesquisar e encontrar temas relacionados com a Guiné neste blogue e em boa hora poder divulgar muito do que há para dizer de Gandembel.

Os nossos tertulianos Idálio Reis e Manuel Oliveira já o disseram aqui, eu sou o que ao longo de 26 anos organiza o almoço de convívio da CCAÇ 2317 com a ajuda muito especial do ex-alferes Reis.

Por hoje chega, aproveito para enviar a todos os responsáveis desta tertúlia muito especialmente ao seu fundador Luís Graça um abraço, assim como a todos os meus irmãos da 2317.

Para me contactarem, deixo aqui os meus dados:

E-MAIL: joaquim.gomes.soares@hotmail.com

Telefones: 225 361 952 e 936 831 517


2. Caro camarada Joaquim Soares

Ainda bem que vieste reforçar o efectivo da CCAÇ 2317. Sê bem-vindo a esta caserna virtual que fica à tua disposição receber e publicar as tuas histórias e as tuas fotografias.

Se o ex-Alf Mil Idálio Reis dedicou já muitas páginas escritas e fotos à vossa Companhia, publicadas neste Blogue, tu poderás contribuir para aumentar ainda mais o conhecimento da história da 2317.

Como princípio da tua colaboração no Blogue, vou publicar as fotos que mandaste na tua mensagem de apresentação.


O simbolo do respeito

A hora da chegada e da despedida

A ponte Balana antes de cair

O capitão Barroso Moura (O fugitivo)

Depois de Gandembel

Mais um dos treinos para o festival

Manuseamento do morteiro 120

Material apreendido

Para qualquer dos lados que fossemos era mau

Quando a ponte-Balána caíu

Treino para o festival da canção de Gandembel

Fotos e legendas: © Joaquim Soares (2009). Direitos reservados
Fotos editadas por CV

__________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 6 de Agosto de 2009 > Guiné 63/74 - P4787: Tabanca Grande (170): Carlos Adrião Geraldes, ex-Alf Mil da CART 676, Bissau, Pirada, Bajocunda e Paúnca (1964/66)

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Guiné 63/74 - P4821: Cartas (Carlos Geraldes) (1): Apresentação e Prólogo

1. Vamos apresentar nesta série algumas cartas que Carlos Geraldes (ex-Alf Mil da CART 676, Pirada, Bajocunda e Paúnca, 1964/66), escreveu ao longo da sua comissão. Uma espécie de diário com todas as emoções do momento, de boa disposição, situações menos agradáveis, enfim, tudo aquilo por que todos mais ou menos passámos e que alguns conseguiram registar quase no momento.

A série terá duas partes, a primeira coincidente com a permanência da Unidade em Bissau, entre Maio e Outubro de 1964 e uma segunda com a permanência da CART 676 no mato.

Em pararalelo continuaremos com a série "Gavetas da Memória".


Apresentação:

Nas décadas de 60 e 70, em Portugal do séc. XX, houve a Guerra Colonial.
Primeiro em Angola, depois na Guiné e Moçambique.

O Império tinha acabado. Os povos subjugados reclamavam a independência.
Os nossos governantes, cegos como toupeiras, obrigavam o povo a mais um sacrifício inútil, enviando milhares e milhares de jovens para um destino inglório, premiado muitas vezes com a morte ou com alguma incapacidade atroz para o resto da vida.

Pertenci também a uma dessas levas. Em 1964, interrompendo uma carreira universitária de pouco êxito, fui enviado para a Guiné, como oficial miliciano, depois de treinado à pressa para uma actuação militar anti-guerrilha, que iria desbaratar um inimigo que não respeitava os nossos valores ancestrais (de roubo, violação e massacre?).

Como todos os outros tratei de me defender o melhor que podia, e regressar são e salvo para casa, para junto dos meus, procurando ser sempre, no entanto, o mais justo e compreensivo possível, para com aqueles que, supostamente, teria de combater e derrotar.

Durante dois anos, mais precisamente 23 meses (ou 90 semanas), fui escrevendo cartas e aerogramas para os familiares, que agora, passados quarenta anos, vim ainda reencontrar, miraculosamente intactos. Escolhi 62 dessas missivas contendo relatos que não dissessem respeito apenas aos casos familiares mais particulares, às saudades por exemplo, mas que contivessem algo mais, relatos breves de uma experiência de vida. Apesar do perigo da Censura, que na época pairava ameaçadora sobre as nossas cabeças, eu ia arriscando nessas cartas, em contar, mais ou menos veladamente, o que ia acontecendo e observando nos terrenos da guerra.
Além do mais, o sortilégio de Africa está também aí, retratado de alguma maneira.

Ficou sempre gravado profundamente na minha vivência. Marca que nunca mais se desvanecerá da minha memória. Por isso achei que era quase uma inconsciência, uma leviandade até, deixar esquecer estas, embora ingénuas, transcrições de um mundo que atravessou a minha vida, e talvez também, a de muitos outros jovens que, naquela época, viveram e sofreram a Guerra Colonial. Não pretendo fazer literatura, apenas quero deixar, com uns rabiscos toscos, um relato mais ou menos fiel do que naquela época vi, vivi e senti, perturbado por vezes, talvez, por uma falta de maturidade, própria de quem ainda é jovem demais, para poder ajuizar correctamente situações tão intensas, num cenário tão gigantesco

No entanto gostaria de fazer algumas ressalvas:

Alguns poderão pensar que estas Cartas dão uma visão demasiado branda do que foi de facto a guerra na Guiné. Mas a explicação é sucinta: nas cartas e aerogramas, que ia enviando de lá, era quase inevitável escamotear, adoçar, a realidade nua e crua para poupar a família de medos e angústias desnecessárias e prematuras. O perigo, o medo, o pavor da morte súbita, existia mesmo em cada momento ali vivido, a milhares de quilómetros de casa, mas para quê fazer com que a família, também o sentisse? Assim, de imediato, talvez fosse melhor disfarçar, tentar dar uma ideia que se tratava de mais uma drôle de guerre, umas férias forçadas é certo, mas que acabariam por vir a ser apenas recordações de um período memorável da nossa juventude.

Além disso as Cartas são também o reflexo da vivência de um privilegiado, um oficial miliciano que embora sofrendo as agruras da guerra como qualquer militar, sofreu-as certamente com outra suavidade do que a de um simples soldado, este sim, obrigado a conviver quase sempre com a mais abjecta das condições humanas. Embora as carências sentidas fossem muito distintas, tanto físicas como intelectuais, isso não invalida que a dimensão moral deste testemunho não seja, na verdade, muito menos pertinente, embora também, não menos importante.

Depois a nossa compreensão, dos factos e das coisas, é também embotada pela distância no tempo. O que agora lemos, foi o que eu senti e escrevi à quarenta anos atrás, num mundo totalmente diferente, um mundo em que não havia computadores pessoais, telemóveis e muitas outras coisas tão banais nos dias de hoje. O entendimento do mundo era muito diferente, não havia o que agora chamamos de conceito da aldeia global.

Tudo era medido, analisado e compreendido à nossa pequena escala, à escala do nosso corpo, da nossa casa, da nossa família, da nossa rua, da nossa pequena cidadezinha de província, do nosso país semi-rural e quase analfabeto.

Mas, mesmo assim, aqui fica como um testemunho, ou apenas um relato, talvez ingénuo, mas realista, do fim da aventura africana, que na década de 60, ficou gravada a sangue e fogo na nossa memória, nos modelou o carácter e nos fez crescer mais depressa.

Viana do Castelo, 2005
Carlos A. Geraldes

P.S. Evidentemente que todos os nomes das personagens (europeias) são pseudónimos.


Prólogo

(Excerto de uma carta escrita, durante uma longa marcha efectuada pelos contrafortes da Serra de Sintra, nos exercícios finais do Curso de Oficiais Milicianos realizado de Agosto a Dezembro na Escola Prática de Infantaria de Mafra)

Silveira, 12 Dez 1963Aproveito agora para vos escrever.
Esta carta esteve para ser começada em Manchôa, Torres Vedras, mas aconteceu que o tempo que calculei para esperar pela emboscada foi muito menor e tive de largar a escrita precipitadamente, para agarrar na espingarda.

A guerra tem andado boa, apesar de eu andar estafado dos pés. Já estamos no fim de quinta-feira e quase tudo me parece impossível. O tempo voa!

A nossa primeira etapa foi até Encarnação, uma vila ao norte de Mafra. Acampámos num pinhal e choveu durante toda a noite. As tendas, improvisadas com quatro panos de tenda do equipamento individual, mal davam para nos abrigarem. Ficámos com os pés de fora! E como dormimos com as botas calçadas, para que estas não ficassem ensopadas com a chuva, remediámos a situação embrulhando-as com mantas. Mesmo assim quase não se pregou olho toda a noite a segurar na tenda para que esta não fugisse com a fúria do vento e da chuva.

Levantámo-nos de madrugada e depois de uma trôpega fila para uma caneca de café a ferver temperado com um golo de aguardente, fizemo-nos de novo ao caminho. Só parámos às cinco e meia da tarde, perto de Torres Vedras, nas termas dos Cucos, onde ficámos acantonados, distribuídos por alguns pavilhões vazios.

Apesar de agora ficarmos deitados em esteiras espalhadas pelo chão, a coisa foi muito melhor que na noite anterior. No dia seguinte, mais descansados, fizeram-nos percorrer montes e vales por mais de 30 quilómetros. Nunca chafurdei em tanta lama junta! As botas metem água por todos os lados e até já mudei de meias uma vez. Creio que ainda hoje voltarei a mudar. Passaremos a noite em Silveira em alojamentos que ainda não conheço, arranjados pelo abade da freguesia.
(Um magnífico palheiro cheio de palha seca e quentinha que nos transportou ao Paraíso…)

Presentemente estou a escrever-vos sentado atrás de um canavial, onde estou com outros camaradas, a preparar uma emboscada ao pelotão que nos tem seguido até aqui. Só existem duas balas (de madeira, claro!) para realizar o simulacro e vou ser eu quem vai dar um dos tiros.
Por todo o lado, em que temos passado, é uma festa para a miudagem que, até fogem da escola para nos ver, meter conversa e correr atrás de nós.
E se não fosse uma água-pé que, pelo caminho, uns camponeses nos ofereceram, creio que não teríamos chegado até aqui tão animados
Amanhã teremos um percurso menor e portanto um maior descanso.


(O tempo decorrido entre esta carta e a anterior, foi passado principalmente no Quartel do antigo RAP 2 em V.N. de Gaia, onde fui colocado após a conclusão do curso de oficiais milicianos, com a patente de Aspirante a Oficial. Aí dei instrução a um pelotão de recrutas, integrado numa Companhia Independente destinada a embarcar para… Moçambique, Namaacha, destino que depois não se cumpriu para grande aflição nossa. Os altos mandatários da Nação começavam já a manobrar febrilmente os peões sobre o tabuleiro de jogo, sem que se vislumbrassem resultados concretos. A juventude de um povo servia de carne para canhão…)

A bordo do “Uíge” – 12 Maio 1964
Em Lisboa não vi ninguém da família e, por conseguinte, não vi também ninguém de quem me despedir.
Chegámos a Lisboa de comboio por volta das oito horas da manhã. Meteram-nos logo em camionetas e levaram-nos para o cais de embarque em Alcântara. O barco é o "Uíge" como já sabem e vai servir apenas para o transporte das tropas. Mais de mil soldados, contando connosco, tudo com destino… à Guiné.

Sim, vamos para a Guiné e isso era a outra coisa que tinha para vos dizer e que, tinha mantido em segredo. Afinal já não vamos para Moçambique como estava prometido de início. À última hora mobilizaram-nos para a Guiné, como aditamento aos soldados enviados agora para lá.

A viagem de navio vai demorar seis dias, sem escala em qualquer porto de mar. Só de vez em quando é que passa por nós outra embarcação lá muito ao longe.
Os oficiais vão todos instalados nos camarotes de 1.ª classe. Eu e o Cardoso ocupamos um, com quarto de banho privativo, ar condicionado, ventoinha, etc., todos os requintes de conforto, mesmo junto ao camarote do comandante do navio. As refeições são excelentes e constituem, por assim dizer, uma ansiada quebra na rotina diária. À noite há cinema ao ar livre, pois o navio é tão pequeno que nem sequer tem uma sala de cinema. Os filmes são, quase todos, comédias ligeiras e dois deles, já os tinha visto há dois ou três anos.

O gira-discos não funciona porque, com a pressa, nem me lembrei de comprar as pilhas. Mas não faz mal porque há altifalantes espalhados por todo o convés sempre a vomitar música estridente.

Nos dois primeiros dias enjoei um bocado, mas agora ando perfeitamente à vontade. Gosto imenso da vida no mar. Sabendo ocupar o tempo não há vida melhor. Logo que desembarque enviar-vos-ei esta carta, para que não estejam mais aflitos. Estou bem, não me falta nada e, principalmente, estou cheio de boa disposição. De todos nós, sou até o mais bem-disposto. Veremos depois.
Digam ao Zé que ele havia de gostar de fazer esta viagem e conhecer estas paragens. Ainda hoje vi peixes voadores formidáveis.

CG
__________

Nota de CV:

Vd. poste de apresentação de 6 de Agosto de 2009 > Guiné 63/74 - P4787: Tabanca Grande (170): Carlos Adrião Geraldes, ex-Alf Mil da CART 676, Bissau, Pirada, Bajocunda e Paúnca (1964/66)

Guiné 63/74 - P4820: Notas de leitura (15): As memórias do inferno de Abel Rei (Parte II) (Luís Graça)



Guiné > Região do Oio > Bissá e Porto Gole > CART 1661 1967/68) > Imagens do destacamento de Bissá, no tempo em que lá esteve o Abel Rei, com o o 3º Gr Comb... Na foto de baixoi, tirada em Porto Gole, o Abel Rei está escrever algumas linhas do seu diário, mais transformado em livro.

Foto: © Abel Rei (2002). Direitos reservados


Abel de Jesus Carreira Rei – Entre o Paraíso e o Inferno: De Fá a Bissá: Memórias da Guiné, 1967/1968. Prefácio do Ten Gen Júlio Faria de Oliveira. Edição de autor. 2002. 171 pp. (Execução gráfica: Tipografia Lousanense, Lousã. 2002).


Notas de leitura > II Parte (*)

por Luís Graça



A morte do Capitão de 2ª Linha, o balanta Abna Na Onça, em Bissá

Entretanto, alguns dias depois da ocupação de Bissá, em 7/4/67, que passou a ser um destacamento, guarnecido por um pelotão (-) da CART 1661 e uma companhia (-) da Polícia Administrativa de Porto Gole, o dia 15 de Abril de 1967 seria um “dia trágico”: um ataque do PAIGC a Bissá, de duas horas, na noite de 14 para 15 de Abril de 1967, fizera sete mortos e cinco feridos . Na sequência deste desastre, o destacamento foi abandonado…

Pela primeira vez o autor não esconde que lhe vieram “as lágrimas aos olhos” (p. 69). A tragédia abatera-se sobre Bissá e Porto Gole:

“Houve choro de todos, com gritos e desmaios das mulheres, como que adivinhando o que aconteceu, entraram de rompante, dentro do destacamento, numa altura em que procedíamos à pesagem de peixe frecso, chegado do rio… Tinha morrido um capitão de 2ª linha, mais seis nativos, todos da Polícia Administrativa, e todos eles com as famílias cá na Tabanca de Porto Gole. Morria o homem em quem se tinham fortes esperanças para acabar com a guerrilha inimiga na zona – o capitão Abna Na Onça por ser corajoso e respeitado por negros e brancos”.

E sobre a importância deste aliado, balanta, das autoridades portuguesas, acrescenta o Abel Rei: “Um homem que, desde o início da guerra, vinha enfrentando, com máxima inteligência, aqueles que o fizeram sofrer, matando-lhe toda a família; perseguindo [o Inimigo], matando, capturando armas. Este foi o seu fim, só porque estava do nosso lado". (15/4/67, Porto Gole, pp. 69/70).

Em 20 de Abril de 1967, uma força, comandada pelo próprio Cap da CART 1661, e composta pelo 1º Gr Comb e pelo Pel Caç Nat 53, partiram para Bissá, com a intenção de reocupar o destacamento, que na altura pertencia ao sector do BCAÇ 1888 (Bambadinca).


No Inferno de Bissá

Em 13 de Maio de 1967, o Abel (integrado no seu Gr Comb, o 3º) é destacado para Bissá (onde permanece 15 dias).

É “um destacamento composto por oito casernas-abrigos, vedado com arame farpado e iluminado com (…) petromaxes” (14/5/67, Bissá, p. 84)…

E acrescenta o autor:

“Está cercado por tabancas cujos habitantes são de raça balanta, das quais foram queimadas as mais próxmas para melhor defesa do mesmo. Fica rodeado de bolanhas (terrenos planos cobertos de capim) a nascente, sul e poente, e matas pelo norte – o ponto mais perigoso, e pelo qual os turras têm possibilidades de nos atacar. Há imensas árvores, e de grande porte, que foram deixadas mesmo dentro do aquartelamento”…

A força ali destacada era composta por um grupo de combate da CART 1661 e duas secções de polícia administrativa. “Está cá uma secção de sapadores que, além de vedarem o destacamento e armadilharem o s pontos mais estratégicos, fizeram um forno para cozer o pão, e estão a fazer um refeitório e cozinha” (pp. 84/85).

A fonte de abastecimento de água é um charco: “Pelas cinco horas, vou habitualmente tomar banho, a uma poça com água da cor de barro, acinzentada, mas que constitui a nossa única base para limpeza, e também onde vamos buscar água para beber” (17/5/67, Bissá, p. 87).

Há uma hostilidade passiva por parte da população local, agravada pela atitude de suspeição dos militares portugueses em relação aos balantas: (…) “Fui apanhar alguns mangos, e dar os bons dias a quatro bajudas (…) que andavam a carregar com feixes de palha à cabeça, mas que se limitaram a olhar-me com curiosidade, não respondendo nada!”… Comentário (ingénuo) do autor: “Não entendo como é que a nossa cultura, que há meio milhar de anos se espalhou por estas terras, nunca os ensinou a falar a nossa língua?!” (18/5/67, Bissá, p. 88).

No dia seguinte, numa coluna de duas viaturas a Porto Gole, para ir buscar o correio e levar um “soldado castigado” para a sede do comando da companhia, o Abel e os seus camaradas encontram treze bajudas e dois homens: “Estavam munidos de catanas e machados” (…) e “quando nos viram, largaram logo a fugir (sendo o mais natural que tivessem ido fazer algum ‘serviço’ aos turras). Fizemos um cerco, e apanhámos o ‘bom pessoal’ (termo usado em relação aos civis nativos, que jogam com os dois lados) – que disse andar à lenha! (…).

Em Setembro de 1967, o Abel voltou para Bissá com o seu Gr Comb. No dia 3 há um primeiro contacto com o IN que faz uma flagelação a um tabanca das proximidades, Funcor, em pleno dia, às 14h… Os de Bissá respondem com morteiro 81/ mm; o PAIGC riposta com morteiro 60/mm (p. 105). A 6 de Setembro, uma força da guerrilha (estimada, com evidente exagero, em 180 elementos, segundo a história da unidade, citada pelo Abel), entra na tabanca de Bissá e flagela o destacamento. Há uma baixa mortal, confirmada, entre os atacantes, sendo enterrado dentro do arame farpado:

“Foi a primeira vez que vi de perto, um turra fardado (embora morto!). Tratava-se de um homem forte e tipo da raça balanta” (6/9/67, Bissá, pp. 105/106). Estava equipado com uma espingarda semi-automática Simonov M21, devendo por isso ser um milícia popular do PAIGC e não propriamente um guerrilheiro das FARP (reorganizadas no final de 1967)… A 8 de Setembro há uma nova flagelação a Bissá, com morteiro 82 e armas automáticas… Aumentam as dificuldades de abastecimento do destacamento, devido à chuva, às minas e às emboscadas…

Setembro e Outubro de 1967 vão ser dois meses negros para a CART 1661. O primeiros morto da companhia devido a explosão de anti-carro, ocorre a 16 de Setembro de 1967, com oito meses de comissão, quando uma coluna auto seguia de Porto Gole para o cruzamento da estrada para Mansoa onde se iria encontrar com forças de Bissá, para entrega de géneros alimentícios.

“Balanço: quatro mortos, sendo dois brancos e dois pretos, e mais treze feridos graves; uma viatura em pedaços; e diversos materiais estragados!” (…) (16/5/67, Bissá, p. 110).

Os mortos, todos do Pel Caç Nat 54 (com excepção do condutor), foram o Fur Mil Álvaro Maria Valentim Antunes, casado, natural de Portalegre, comandante da coluna, e os soldados guineenses Mamadu Jamnca e Adulai Sissé. O condutor era o Sold da CART 1661, Manuel Pinto de Castro.

Esta ocorrência é referida pelo José Brandão, no seu livro Cronolohia da Guerra Colonial: Angola, Guiné, Miçambique, 1961-1974 (Lisboa: Prefácio, 2008, p. 165): 16/9/1967: “Morrem em combate na Guiné 4 militares do Pelotão de Caçadores 54”.

No dia seguinte ao tentar recuperar a viatura sinistrada, as forças de Porto Gole sofrem um emboscada…

A 2 de Outubro Bissá volta a ser atacada, durante três horas… Eram 9h3o quando rebentou a primeira roquetada… O Abel escrevia dentro da enfermaria, “onde durmo, e estava a ouvir rádio”…A história da unidade fala em 150 elementos IN, os quais raptaram seis elementos da população e destruíram várias moranças…

A 5 de Outubro, uma viatura saída de Porto Gole em direcção a Bissá faz accionar outra mina A/C. Balanço: 1 morto e 26 feridos. A 6, uma nova mina (desta vez incendiária!) com emboscada (por um grupo calculado em 80 elementos), junto ao local do rebentamento da mina anterior, faz 10 mortos e mais de duas dezenas de feridos, “com queimaduras, todos evacuados para a Metrópole”…

Diz-nos o Abel, em nota de rodapé, que “para estas evacuações, foi preciso um avião especial de emergência que, ao chegar a Lisboa, fez correr a notícia de que Bissau tinha sido bombardeada, simultaneamente ‘boatado’ pelo inimigo)” (p. 114).

Nesse dia, Abel estava em Bissá, fazendo contas à vida de ‘cabo vagomestre’, sem comer para dar ao pessoal… mas no dia 8/10/67 fez o balanço desta “série negra” que fez de Bissá “o pior aquartelamento” (p. 166) da Guiné, nessa época.

“Tanto na mina como na emboscada, foi precisa imediata colaboração da aviação, que desta vez chegou de pronto, vindo dois bombardeiros que ajudaram os helicópteros a localizar o acidente” (8/10/67, Bissá, p. 115).

O José Brandão, na sua Cronologia da Guerra Colonial, limita-se a referir que no dia 5/10/1967 “morrem em combate na Guiné 2 militares da CART 1661”, o 1 Cabo José Andrade Couto Pinto, natural de Santo André, Bustelo, e o Sold Manuel, natural de Lixa, Fornos. E que no dia seguinte morrem mais cinco: 1º Cabo Abel Carvalho Martins (Montalegre), 1º Cabo Antónoo Ribeiro Machado Sousa (Mato, Ataíde), Sold Artur Rodrigues Alves (Sabuzedo, Mourilhe), Sold João Pimentel Fernandes (Boi Morto, Oriz, São Miguel), Sold José Coelho do Nascimento (Cepelos)…

O Abel Rei fala em 7 mortos. A história da unidade fala em 10 mortos, algumas das mortes tendo provavelmente ocorrido já no hospital… Até na contabilidade das nossas baixas mortais na guerra colonail, há critérios divergentes…

O rol de desgraças não se fica por aqui: “(…) em Bissá, se não temos mortos, os vivos não têm que comer. Há mais de oito dias que não temos vinho, cerveja ou outros líquidos que se bebam”… Por seu turno, “o comer acabou: estando-se a comer, ora carne de vaca, ora bacalhau com pão e… água!” (p. 115/116). A 1 de Novembro de 1967, come-se peixe miúdo, “pescado nas poças da bolanha” (p. 117).

Em conlusão, Bissá “cá sabi”… A 11 de Novembro, o Abel regressa a Porto Gole, sendo rendido o seu Gr Comb. “Lá ficaram as piores recordaçõs e… um pedaço de cada um” (p. 118).


‘Apanhado pelo clima’


Com menos de 3 meses de Guiné, o autor interroga-se se não estará já “apanhado pelo clima” (25/4/67, p. 75). Os fantasmas do álcool voltam a aparecer no seu diário: “ de há uns dias para cá, tem sido bebedeira certa; não sendo ninguém prejudicado com isso, talvez só eu!”…

A 30 de Março de 1967, o Abel comemorado, como devia ser, o seu 22º aniversário de nascimento: “À noite, e depois de várias misturas, emborrachei-me” (…) (p. 59).

Porto Gole não tem ainda electricidade: em 4/4/67, o Abel passa a ficar encarregue da manutenção e reparação dos ‘petromaxes’ em serviço na tabanca. Como se não bastasse já a ‘chatice’ de ser cabo, passa também a desempenhar as funções de ‘vagomestre’ (competindo-lhe adquirir e distribuir os géneros no rancho) (12/4/67).

Não esconde a conflitualidade entre camaradas, em especial dentro da sua secção, com destaque para o relacionamento com o seu furriel: “Quem nos obriga a andar cá, não olha às ‘qualidades’ dos que comandam, e somos nós os que sofremos consequências. Esse meu registo, gostaria um dia passar uma ‘esponja’ sobre tudo isto!” (9/4/67, p. 65).

Em Bissá, as relações com o seu alferes, um antigo seminarista, também foram tensas: é obrigado a trabalhar de pá e pica, sob um sol escaldante (15/5/1967, Bissá, pp. 85/86).

(Continua)

____________

Nota de L.G.:


(*) 12 de Agosto de 2009 > Guiné 63/74 - P4815: Notas de leitura (14): As memórias do inferno de Abel Rei (Parte I) (Luís Graça)

Guiné 63/74 – P4819: Estórias do Zé Teixeira (38): Mataram o futuro (José Teixeira)

1. O nosso camarada José Teixeira, ex-1.º Cabo Enfermeiro da CCAÇ 2381, Buba, Quebo, Mampatá e Empada , 1968/70, enviou-nos mais uma estória em 8 de Agosto de 2009:

MATARAM O FUTURO

No dia 24 de Julho de 1968, uma mina A.C. (Anti-Carro) roubou a vida a um camarada que ia em cima da viatura de rádio a comunicar com a base em Buba. Foi o meu primeiro encontro no mato com o IN e o primeiro camarada que vi morrer sem lhe poder valer.

Nunca soube o seu nome. Apenas sei que pertencia à Companhia dos Lenços Azuis, que estava estacionada em Aldeia Formosa e nos foi buscar a Buba para de seguida partilharmos aventuras em comum durante mais de meio ano.

Do Meu Diário
Julho 1968/Buba, 26

… O primeiro ataque foi de abelhas. Eram tantas que mais pareciam uma pequena nuvem. Era ver quem mais corria a fugir da sua picada. Eu fiquei quedo como um penedo a conselho de um soldado da milícia que estava a meu lado, me arrastou para o meio de uns arbustos me mandou cruzar os braços e ficar muito quietinho.

Ele foi a “mão de Deus” que me protegeu das picadas das abelhas. Assustado e perturbado pelo zumbido à minha volta e pela cor que o meu corpo foi tomando na medida em que se fixavam à minha roupa, na cara e na cabeça.

Neste estado pude apreciar a confusão de uma fuga precipitada, um tanto hilariante de toda a gente, que protegia a coluna de viaturas naquela área. Se o IN tivesse atacado nesse momento seria um desastre total, tal foi a desorganização gerada.

Depois... veio aquela mina roubar mais uma vida e pôr duas em perigo...

Inimigo cobarde!... frente a frente não consegue atingir os seus objectivos e ataca à traição, num pequeno descuido dos picadores.

Que culpa terá aquele jovem que me morreu nas minhas mãos, que os homens não se amem?

Que culpa tenho eu?

A sua vontade de fugir à morte impressionou-me e ainda hoje parece que estou a ouvir os seus últimos e já ténues gritos de vida.

MATARAM O FUTURO

O destino, no tempo o marcou.
Aquela hora!
A mina escondida!
Aquela viatura!
A quinta que passava,
E a mina que deflagrou
Uma vida cheia de vida,
A morte a levou.
Destino cruel.
Demasiado duro.
Deixou de ser a esperança, no futuro.
Para sempre partiu,
Aquele jovem.
Cheio de saudades de um tempo,
De quem nem sequer se despediu.
Um tempo, para com garra viver,
Mas…
Ficou sem tempo, para o conhecer.
Já não vejo!
Já não vejo!
Vou morrer!
Com ténue voz.
Balbuciou.
Tremendo grito.
Eu quero viver!
E…
Ali se ficou.
Até morrer.
Sede. Muita sede.
Aquela vontade danada de viver,
E um corpo a arrefecer!
Vida.
Quase sem vida.
E eu…
Sem lhe poder valer.
Tremendo momento.
Num mundo mais pobre,
Num futuro em sofrimento.

Aldeia Formosa, 1968 – Agosto, 28

Um abraço,
Zé Teixeira
1º Cabo Enf

Foto: © Origem desconhecida (2009). Direitos reservados.
__________
Notas de M.R.:

Vd. último poste desta série em:

11 de Agosto de 2009 >
Guiné 63/74 – P4808: Estórias do Zé Teixeira (35): “A vala, salva vidas” (José Teixeira)

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

Guiné 63/74 - P4818: Dia 8 de Agosto de 2009, Lavra presta homenagem aos seus ex-combatentes (Carlos Vinhal)

No passado sábado, dia 8 de Agosto, a Freguesia de Lavra, do Concelho de Matosinhos, prestou homenagem aos mortos em campanha na Guerra Colonial que estão sepultados no cemitério local, e ao descerramento de um memorial no jardim em frente ao edifício da Junta de Freguesia, lembrando todos os Lavrenses que participaram naquela guerra.

Presidiram a estes actos, o Presidente da Junta de Freguesia de Lavra, senhor Rodolfo Maia Mesquita; Presidente da APVG (Associação Portuguesa dos Veteranos de Guerra), Prof. Doutor Augusto Jesus Oliveira Lopes Freitas e em representação do Presidente da Câmara Municipal de Matosinhos, o Dr. António Fernando Correia Pinto.

No cemitério local, no Panteão ali existente, foi descerrada um lápide com os nomes dos militares ali sepultados e depositada uma coroa de flores.

Nomes inscritos na lápide:

Fernando de Jesus Nogueira
José Gonçalves dos Santos
Albino Dias de Sousa
Manuel Azevedo Carvalho
Januário Joaquim Silva Santos
Sebastião Gomes de Matos

O sacerdote que se ocupou da parte religiosa da cerimónia, terminou com uma alocução onde salientou os malefícios da guerra, lembrando que acabada esta, os políticos bebem champanhe, enquanto os ex-combatentes são relegados ao esquecimento.

Viveram-se momentos tocantes quando se procedeu à chamada dos camaradas falecidos, ali evocados, com a assistência a responder PRESENTE. Um Bombeiro Voluntário, ali presente, interpretou o Toque de Silêncio, seguido do momento de recolhimento que a ocasião impunha.

Falaram seguidamente o Presidente da Junta de Freguesia e o Presidente da APVG, lembrando ambos o esforço que a guerra exigiu a uma geração, quase em fim de vida, a quem nunca foi feita justiça.

No jardim frontal ao edifício da Junta de Freguesia, foi descerrado e benzido um Memorial lembrando o esforço de todos os Lavrenses que participaram na Guerra Colonial. Como Memorial, convenhamos que é muito discreto, mas fica registada a iniciativa.

Seguiu-se uma cerimónia mais formal no Salão Nobre da Junta de Freguesia, sendo a Mesa da Presidência ocupada pelas mesmas entidades.

Começou por falar o Presidente da APVG que numa longa intervenção fez um historial da acção dos militares desde o princípio da guerra colonial até ao 25 de Abril, terminando, batendo na mesma tecla do esquecimento a que os ex-combatentes foram votados.

Falou das iniciativas da APVG em prol dos ex-combatentes que atravessam momentos menos bons da vida, e que são muitos. Atacados pela doença, alcoolismo, stress pós-traumático, abandono por parte da família e consequente vivência na rua, há imensos ex-combatentes muito carenciados. Tudo se faz para colmatar estas necessidades a alguém que já não sabe o rumo, nem consegue viver com normalidade.

Seguiu-se a intervenção do senhor Presidente da Junta de Lavra, que também na qualidade de ex-combatente em Angola, falou das cerimónias realizadas naquele dia e dos combatentes em geral. Retive uma frase relacionada com o esquecimento a que nos remeteram - "Se o povo anda distraído, os combatentes não". Atrevo-me a perguntar se o nosso camarada, permita-se-me este tratamento, se se referia ao Povo propriamente dito ou aos seus legítimos representantes.

Lembrou Rodolfo Mesquita os nossos camaradas sepultados por tudo quanto foi teatro de operações, em cemitérios abandonados, e cujo regresso ao chão pátrio é da mais elementar justiça.

Propôs que o dia 8 de Agosto, em Lavra, fosse doravante dedicado aos ex-combatentes Lavrenses.

Por último, o Dr. António Fernando Correia Pinto, em representação do Presidente da Câmara Municipal de Matosinhos, tomou a palavra, começando por dizer que não sendo ex-combatente, sentiu de perto, tragicamente, os efeitos da guerra colonial, na pessoa de um familiar muito chegado, que veio a falecer em resultado de sequelas contraídas como militar.

Mantendo a tónica dos oradores anteriores, salientou o esquecimento e o abandono a que os ex-combatentes foram sujeitos pela sociedade.

Seguir-se-ia uma palestra versando o tema stress pós-traumático a que já não assisti pelo aproximar da hora de almoço.

Cerimónia religiosa junto ao Panteão do cemitério de Lavra

O Panteão. Do lado esquerdo, a placa com os nomes dos militares mortos em campanha e a coroa de flores depositada momentos antes.

O Presidente da APVG no uso da palavra após o descerramento do pequeno Memorial a todos os Lavrenses ex-combatentes da Guerra Colonial

Vista do Memorial localizado no Jardim em frente do edifício da Junta de Freguesia

Pequeno e discreto, no meio do Jardim.

O Presidente da APVG no uso da palavra, no Salão Nobre da Junta de Freguesia

Pormenor da assistência, no Salão Nobre da Junta de Freguesia

Fotos: © Ribeiro Agostinho e Carlos Vinhal (2009). Direitos reservados.

Guiné 63/74 - P4817: Estórias do Mário Pinto (Mário Gualter Rodrigues Pinto) (10): Operação "Diamante Azul"


1. O nosso Camarada Mário Gualter Rodrigues Pinto, que foi Fur Mil At Art da CART 2519 - "Os morcegos de Mampatá", Buba, Aldeia Formosa e Mampatá - 1969/71, tem um blogue com estórias e missões da sua companhia, do qual nos cedeu, pronta e incondicionalmente, a extracção de algumas das mais importantes e significativas passagens, para publicarmos neste nosso blogue, no seguimento da sua série: Estórias do Mário Pinto. O endereço do blogue é: http://www.cart2519osmorcegosdemampata.blogspot.com/

2. Neste poste publicamos as ocorrências da operação “Diamante Azul”, que se realizou entre os dias 13 e 16 de Outubro de 1970, com a colaboração operacional de 2 Grupos de Combate da sua CART 2519:


Operação "DIAMANTE AZUL"

Dois grupos de combate da Cart. 2519 participaram na operação "Diamante Azul", integrando uma Companhia de Intervenção que, por sua vez, ia colaborar com uma Comp.ª de Pára-quedistas na Zona de UNAL, a Sul da Província.

A Companhia de Intervenção, foi então constituída por dois grupos de combate da Cart. 2519 de MAMPATÁ, um grupo de combate da Cart. 2521 estacionada em ALDEIA FORMOSA e um grupo de combate da C.Caç. 2615 do B.Caç. 2892. Tinha como Comandante de Companhia, o Cap. Marques da Cart. 2873 aquartelada em EMPADA.

OBJECTIVO PRINCIPAL - Tentar impedir a fuga do IN enquanto em SAMBASÓ a Comp.ª de Pára-quedistas, fazia uma batida no intuito de capturar elementos IN e o respectivo material que, segundo notícia, tentava passar para o QUIMARA.
Dia 13 - Cerca das 12h00 foi formada a companhia em ALDEIA FORMOSA, ficando à ordem do Batalhão, a fim de, em qualquer momento, ser helitransportada para o local da operação.
Dia 14 - Cerca das 07h00 foi transmitida pelo Comandante da Comp.ª aos Comandantes dos Grupos de Combate, a missão a cumprir.

Cerca das 08h00, do Aeródromo de ALDEIA FORMOSA, foram helitransportados para a região de SAMBASÓ onde, até cerca das 15h00 estiveram emboscados, enquanto a Comp.ª de Pára-quedistas procedia à batida. Após ter sido feita a batida, a Comp.ª de Intervenção deslocou-se para SAMBASÓ a fim de ser evacuada.

Em SAMBASÓ as tropas Pára-quedistas durante a batida, verificaram que o IN deixara vestígios de presença e passagem no local, dois dias antes.Em SAMBASÓ, as forças da Comp.ª de Intervenção capturaram um elemento IN armado com espingarda "SIMONOV", que confirmou ter passado ali dois dias antes em direcção a BUBA, sempre a corta-mato, numa coluna de cerca de 40 elementos.

Não devia tratar-se de coluna de reabastecimento mas sim de um grupo armado.

Em SAMBASÓ as nossas forças capturaram ao IN, 4 granadas de Morteiro 82, 10 granadas de Canhão s/recuo, 1 mina A/C (Anti-Carro), outro material diverso e documentos.

Cerca das 17h00 o Comandante da Comp.ª recebeu nova missão.
Visitar, no dia seguinte, as povoações controladas pelo IN de LENGUEL e NHACOBÁ.

Pelas 18h00, as NT foram helitransportadas para perto de LENGUEL onde pernoitaram.

Dia 15 - As NT, em progressão pela mata no Sul da Província, entraram nas povoações de LENGUEL e NHACOBÁ.

A população ao pressentir as NT pôs-se em fuga. Entretanto em NHACOBÁ as NT capturaram 7 elementos do IN.

Recebeu, também, a visita do General ANTÓNIO SPÍNOLA que na qualidade de COM-CHEFE das FORÇAS ARMADAS da GUINÉ ali se deslocou helitransportado, para pessoalmente se inteirar da operação.

O Comandante da Comp.ª recebeu então nova missão.

Emboscar num trilho IN na Zona de SALANQUEL, para onde foi helitransportada a Comp.ª cerca das 17h00. Nesta Zona se pernoitou e no dia seguinte emboscou-se sobre o trilho, enquanto as tropas Pára-quedistas procediam a uma batida. Não se registou aqui qualquer contacto com o IN, tendo cessado a operação no dia 16 pelas 17hoo, hora que as NT foram evacuadas para BUBA.

É de realçar o entusiasmo e boa vontade com que todos os elementos das NT se empenharam nesta operação, em que a falta de água obrigou as NT a um sofrimento quase insuportável.

Nota: Este resumo biográfico foi retirado da nossa História da Unidade.
Um abraço,
Mário Pinto
Fur Mil At Art

Fotos: © Mário Pinto (2009). Direitos reservados.

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Guiné 63/74 - P4816: Memórias do Chico, menino e moço (Cherno Baldé) (12): E se o Algássimo tivesse razão ?

1. Continuação da publicação das memórias do Cherno Baldé, menino e moço em Fajonquito (1970/75), hoje quadro superior da administração pública da República da Guiné-Bissau (*):


Ambientes e ambiguidades > Algássimo, o visionário


Quando finalmente saía do quartel, a noite, encontrava o Algássimo Djaló à minha espera, ele gostava da sopa (entenda-se comida do quartel) que trazia metida em latas de conservas de tomate. Não podia entrar dentro do quartel, por ordens do seu pai, de princípios rígidos e ortodoxos como todos os seus conterraneos de Futa-Djalon que em tudo se comportavam como perpétuos emigrantes e nunca se integravam nas comunidades locais consideradas de nível inferior, religiosamente falando.

O Algássimo queria viver como uma criança normal da sua idade mas vivia quase numa clausura. Nao podia frequentar nem a escola, nem o quartel, nem os locais de festa, de baile, de futebol, nada, nada. Ele podia, sim, procurar lenha seca nos arredores da aldeia para a fogueira da noite onde passavam, ele e mais outros rapazes da mesma comunidade, horas a fio, a repetir alguns sons escritos em árabe arcaico numa tábua de madeira cujos significados nem o próprio mestre sabia. Era esta a faceta da religião que alguns religiosos, sobretudo Futa-fulas, nos queriam ensinar. Tempo perdido (**).

Mais tarde o Algássimo, por iniciativa própria, acabaria por entrar no quartel e também frequentar a escola mas com meios próprios pois o pai, na impossibilidade de o impedir, tinha sido peromptório:
- Queres ir para a escola dos brancos, então, vai!..Mas nãoe peças nada e nãso me contes nada porque não te dou nada e não quero saber de nada pois o seitan será o teu companheiro no inferno.

O Algássimo foi e ficou, do satanás não viu nem os rastos. O pai, este, acabaria mais tarde, por falecer, doidinho da Silva.

Pela idade, experiência e ansiedade que ele tinha acumulado, rapidamente galgou os escalões do ensino e por pouco não me ultrapassava de classe. Foi nessa altura que, também eu, animal livre, resolvi encarar com alguma seriedade a escola, e consegui, finalmente, aguentar-me na sala, sentado, aquelas duas horas que me pareciam uma eternidade.

Mais tarde ele tirava conclusões interessantes das suas observações sobre aquela época, em Fajonquito, a sua entrada no quartel, os soldados portugueses, o ambiente do refeitório geral e a escola onde curiosamente o professor era um Sanhá que queria dizer mandinga ou um beafada islamizado. Disse-me uma vez:
- O melhor e o pior que aprendi com estes brancos, durante a minha permanência entre eles, e que depois continuou em diferentes lugares e circunstâncias, foi o espírito sempre presente da irreverência e da insubmissão, o sentido da busca, da insatisfação permanente, do questionamento sobre o que parece evidente, da insaciável curiosidade e coragem de ultrapassar limites, da revolta, da reviravolta... Com eles nenhuma situação é imutável e a mudança é uma constante. Enquanto continuarem a liderar, o mundo nao terá sossego.

Este espírito irreverente e mutante, este paradigma filosófico de mudança em permanência, se quiserem, é, na opinião do Algássimo, "a maior força e quiçá, também, a maior fraqueza do Homem branco, europeu, que está constantemente a pôr em questão as suas próprias verdades ainda agora conquistadas e reconhecidas mas insuficientemente amadurecidas".

Continuando ainda sobre o mesmo assunto, dizia que, na sua opinião, "o tumulto materialista e a incongruência lógica do mundo em que vivemos hoje nasceram desse posicionamento ambíguo do homem europeu que prolonga a vida mas também a sua agonia nas incertezas que engendra sobre o amanhã que está por vir mas cujo porvir já está hipotecado nas bolsas de valor de Londres e Nova Iorque".

O meu amigo Algássimo, temeroso ou grande visiánario, não conseguiu aguentar o período após independência, nãoo, ainda aguentou uns seis anos, até 1980, altura em que, tendo emigrado para Portugal, com o falecimento do pai, voltou e decidiu mudar-se para o Senegal.

Antes de partir, estando eu nessa altura em Bissau a terminar o liceu, disse-me claramente que não podia continuar na Guiné-Bissau porque, segundo ele, esta seria, durante muito tempo, a terra dos outros. Perguntou-me ele:
- Você não ouviu as cantigas deles ?...

Ele referia-se a uma cantiga em crioulo que dizia assim: Kim ki tem terra? Anós ki tem terra. kim ki na labráá...? kim ki na furtáá...? etc. E a sonoridade da música nao colocava quaisquer margens de duvidas sobre as suas origens étnicas.

Na sua opinião, a Guiné-Bissau tinha poucas probabilidades de sucesso porque em vez do bom pastor o gado tinha sido entreque aos lobos, vestidos com pele de ovelhas. Em vez de pessoas instruídas e com experiência na administração do Estado eram pessoas iletradas, quase analfabetas, que dirigiam e controlavam a vida económica e política do pais.
- Assim não vamos a sítio nenhum - arrematava.

Verdade ou mentira a opinião é dele e no que me concerne, sem capacidade de visionar o futuro, e tendo acreditado e abraçado firmemente a visão e os ideais de Amilcar Cabral sobre a necessidade da luta pela afirmação do homem africano, do terceiro mundo, de um mundo mais justo, de progresso, paz e fraternidade, voltei alegremente dos estudos e estou ainda aqui na esperança de ver se aparece a luz ao fundo do túnel.

Mas a questão é, de algum tempo para cá, recorrente e.... inevitável:
- E se o Algássimo tinha razão?...

___________

Notas de L.G.:

(*) Vd. último poste da série > 10 de Agosto de 2009 > Guiné 63/74 - P4806: Memórias do Chico, menino e moço (Cherno Baldé) (11): Filho da p... de barrote queimado...... Ou as sobras do rancho

(**) Vd. poste de 23 de Julho de 2008 > Guiné 63/74 - P3089: Antropologia (7): As tabuinhas das escolas corânicas: tradutor de árabe, precisa-se (A. Santos / Luís Graça)

Guiné 63/74 - P4815: Notas de leitura (14): As memórias do inferno de Abel Rei (Parte I) (Luís Graça)

Capa do livro de Abel Rei, ex-1º Cabo da CART 1661 (Fá, Enxalé, Porto Gole, 1967/68).

Contra capa do livro, com selos da Guiné da época colonial...

Guiné > Região do Oio > Porto Gole > CART 1661 1967/68) > Desembarque de tropas, na praia de Porto Gole.

Foto: © Abel Rei (2002). Direitos reservados


Abel de Jesus Carreira Rei – Entre o Paraíso e o Inferno: De Fá a Bissá: Memórias da Guiné, 196/1968. Prefácio do Ten Gen Júlio Faria de Oliveira. Edição de autor. 2002. 171 pp. (Execução gráfica: Tipografia Lousanense, Lousã. 2002).


Notas de leitura > I Parte (*)
por Luís Graça


“Esta é a história verdadeira que eu escrevi; não a história que eu gostaria de escrever”, alerta-nos o autor à guisa de preâmbulo. Pessoalmente, confidenciou-me que foi também a história possível. Conheci o autor por ocasião do nosso IV Encontro Nacional, na Quinta do Paul, Ortigosa, Monte Real, no passado dia 20 de Junho.

O livro é a transposição do seu diário, ou das notas que diariamente ia passando para o papel, durante a sua comissão de serviço na Guiné. Diz-me que é o livro possível porque, pelo meio, havia a figura da PIDE, que ele nunca cita, e de cuja existência nem sequer se suspeita, mas que se sabia ser poderosa e omnipresente, levando à autocensura (tanto dos aerogramas como dos próprios diários que alguns de nós, secretamente, iam escrevinhando)…

Por outro lado, há notas de rodapé, retiradas da História da Unidade, a CART 1661, a que o autor só teve acesso em 1995, através de um exemplar que lhe foi facultado por um camarada açoriano.

E quem é o autor ?

Abel Rei nasceu ainda durante a II Guerra Mundial, em 30 de Março de 1945, na freguesia de Maceira, concelho de Leiria. O pai era operário vidreiro. A família mudou-se para o concelho da Marinha Grande, O Abel começou a trabalhar bem cedo numa mercearia local, mal acabada a escola primária, aos dez anos. Aos quinze era serralheiro civil.

É bem possível que, ainda antes da tropa, o Abel Rei, nascido e criado em meio operário e, em princípio, politizado como o da Marinha Grande, tivesse já as suas dúvidas sobre a legitimidade e a viabilidade da guerra do ultramar/guerra colonial. No seu diário, porém, em nenhuma ocasião o dá a entender, a não ser quando confessa que não se despediu de ninguém, da família e dos amigos, tendo querido “sofrer sozinho: por não saber explicar o que vinha fazer, para onde, e porquê” (p. 22).

Mobilizado para a Guiné, serviu na CART 1661, que passou por Fá Mandinga, Enxalé, Bissá e Porto Gole. Partiu em 1 de Fevereiro de 1967 e regressou em 19 de Novembro de 1968. A companhia teve três comandantes: Cap Mil Art Luís Vassalo Namorado Rosa, Alf Mil Art Fernando António de Sá e Cap Art Manuel Jorge Dias de Sousa Figueiredo.

Depois da tropa, o Abel voltou a estudar, tendo completado o Curso Geral de Mecânica da Escola Industrial.

Citando o prefácio do Ten Gen Ref Júlio Faria de Oliveira, presidente da Direcção Central da Liga dos Combatentes, “ainda bem que o antigo combatente Abel Rei escreveu esta história verdadeira, a qual, em minha opinião, é extremamente interessante e duvido que aquela, que ele gostaria de ter escrito, fosse ainda melhor” (p. 17).

Em geral, são notas diárias, de um, dois ou três parágrafos, que o Abel Rei foi redigindo num caderninho que sempre o acompanhava. A primeira tem a data de 1/2/67 (partida do T/T Uíge, do cais da Rocha Conde de Óbidos) e a última data de 19/11/68 (regresso à Metrópole, também no mesmo navio).

Ao todo, são 178 registos diários, em pouco mais de 21 meses de comissão, mais de metade das quais (53,4%) correspondem aos quatro primeiros meses (de Fevereiro a Maio de 1967). De Junho até ao final do ano, escreveu apenas, em média, 4 vezes por mês… No segundo ano (Jan-Nov 1968), o ritmo da escrita, certamente por cansaço, saturação ou quebra de disciplina, baixou ainda mais: um pouco mais de 3 registos por mês, embora mais extensos, ocupando 4 dezenas de páginas (de 126 a 166) (Vd. Gráfico a seguir).






A escrita é simples, chã, cingida aos factos do quotidiano ao autor, Abel Rei, 1º Cabo da CART 1661, 3º Grupo de Combate. O autor procura ser objectivo e assertivo. As notas de rodopé confirmam, a posteriori, a veracidade e a precisão dos seus apontamentos. Em geral, procura não emitir opiniões ou falar dos seus sentimentos. Há algumas excepções quando, por exemplo, explica a razão por que decidiu escrever um diário secreto:

(…) “Quando parti de casa, com a mochila às costas e uma mala vermelha com as minhas coisas, deslocando-me a pé para o comboio que me levaria a Lisboa, e ao passar o pinhal, donde ainda avistava o meu lugar onde cresci, olhei para trás e despedi-me do meu povoado, dizendo para comigo: até breve!

“Estas foram as despedidas possíveis, pois não tive coragem de dizer absolutamente nada a ninguém antes de partir. Quis sofrer sozinho: por não saber explicar o que vinha fazer, para onde, e porquê ?

“ Espero apagar a minha solidão, escrevendo o meu dia a dia enquanto Deus me der forças e saúde para tal”
(4/5/1967 – Navio Uíge, pp. 21/22).

É pena a edição do livro não ter tido revisão de texto. Para além de alguns erros de ortografia e gramática, a pontuação poderia e deveria ser corrigida e melhorada.

Um título enganador


O inferno? Seguramente, para o Abel e os seus camaradas, o inferno foi Porto Gole, Bissá, Enxalé, pela dureza das condições de vida, nos dias de paz e nos dias de guerra… Paraíso ? Não sei se o autor se refere à breve estadia, no início da comissão, em Fá Mandinga, onde a guerra só se antevia ou pressentia, ao longe… Há também momentos, de alguma felicidade, passados em Porto Gole, à beira rio, ajudando a esquecer as praias atlânticas da infância e da adolescência do autor (Praia da Vieira, São Pedro de Moel…).

A 7 de Fevereiro de 1967 o autor segue com os seus camaradas da CART 1661, a caminho de Fá (Mandinga), em LDG, rio Geba acima… até Bambadinca. Chegados na véspera a Bissau, os militares foram directamente transbordados para a LDG, sem terem posto um pé em terra firme.

O autor escreve que se levantaram às 3 da manhã. Chegaram a Bambadinca às 13h. Dali seguiram em coluna auto para Fá (Mandinga). Comeram a primeira refeição quente às 10h das noite. Parece, pois, poder concluir-se que a viagem da LGD, até Bambadinca, terá levado no mínimo 6 a 7 horas. No meu tempo (1969/71), já não tenho ideia das LDG subirem o Geba Estreito até Bambadinca. Em geral, ficavam no Xime, donde se seguia em coluna auto para as todas as principais localidades da zona leste (Bambadinca, Bafatá, Nova Lamego, Piche, Contuboel, Galomaro, etc.).

Em (que tem "a melhor água da província") não se vê a guerra (de perto), mas “sonha-se com ela” (12/2/67).

Chega, entretanto, o primeiro correio da família e os primeiros jornais da terra (16/2/67). A 18, começa o treino operacional da CART 1661 cujos grupos de combate seguem para o Xime, onde está sediada a CCAÇ 1550 (subunidade que esteve em Farim e Xime, de 20/4/66 a 17/1/68).

Sobre a estrada Xime-Bambadinca, escreve o autor:

“O percurso é péssimo e perigoso. Costuma ser muitas vezes armadilhado com minas pelo inimigo, mesmo perto do quartel, contando-se já vários mortos e viaturas destruídas. O chão é picado cuidadosamente em todo o percurso e todos os dias” (20/2/67, p. 30). Aqui, no hall de entrada da Zona Leste, eis a guerra que já se sente ou pressente…

A 23/2/67, o Abel Rei tem o seu primeiro contacto com a guerra. A tabanca fula, em autodefesa, de Dembataco (minha velha conhecida…) tinha sido atacada e incendiadas algumas moranças. Há dois mortos entre a população: uma mulher e uma bajuda. O ataque foi repelido, apenas com mausers, que estavam distribuídas à população civil e às milícias (23/2/67).

A 24/2/67, o 3º Gr Comb, do Abel Rei, segue para a Enxalé, de LDM (Lancha de Desembarque Média). Está aqui aquartelada a CCAÇ 1439, madeirense (que passará por Xime, Bambadinca, Enxalé e Fá, durante a sua comissão, de 2/8/65 a 18/4/67). No dia seguinte, vai até Porto Gole, buscar “homens vindos de uma operação, que tinha começado oito dias antes, nas matas do Sará, e onde estiveram com mais companhias, batendo a zona, que é povoada de forte terrorismo” (sic)…

(É curioso, o autor nunca se refere explicitamente ao PAIGC, não usa sequer termos como guerrilha ou guerrilheiros, fala explicitamente em inimigo, elementos inimigos, turras, terroristas, de acordo com a designação da época, em que era comandante-chefe e governador geral da Guiné o Gen Arnaldo Schulz, um militar que não estava preparado para a guerra de guerrilha, dando primazia à reconquista e controlo do território em vez da luta político-militar e a acção psicossocial junto das populações, sob duplo controlo ou vivendo em áreas que o PAIGC considerava como “libertadas”).

Ficamos a saber que nesta mata [de Sará] foi capturado “um importante hospital militar” (…), “composto do mais moderno equipamemnto, e duma variedade extraordinária de medicamentos” (25/2/67, p. 34).


O baptismo de fogo


Um mês depois, temos as primeiras referências à comida que se come na guerra: ”Comemos uma mal confeccionada refeição, de arroz com ervilhas e sardinhas de conversa, regada com o já célebre vinho baptizado” (Enxalé, 4/3/67)… Mas também à água, o precioso líquido que costuma ser bebido “com comprimidos e filtrado”… Desta vez, depois de uma duríssima operação de Porto Gole (partida às 3h da madrugada) a Bissá (chegada às 7h30) com a missão de comprar gado aos nativos, com regresso a Enxalé, às 16h:
“A água (…) bebeu-se por todos, sofregamente, sem olhar a limpeza e origem. Bebia-se todo o líquido que nos aparecia, quer nas poças do terreno, ou nos poucos cursos de água, fosse ele da cor que fosse!” (5/3/67, pp. 39/40).

De regresso a Fá (“a capital do sossego”), o 1º Cabo Abel Rei recebe o primeiro patacão, 613 pesos da Guiné, “menos cento e tal que o vencimento normal” (8/3/67, p. 42).

O dia 12 de Março de 1967 foi “histórico” para o Abel, dia “em que as ouvi cantar por cima da minha cabeça”… (‘As’ são as balas do inimigo)… Foi o seu baptismo de fogo, na região do Poindon, no âmbito da Op Granada, operação conjunta com a CART 1550… “As NT foram emboscadas duas vezes pelo IN, sem consequências” (p. 46).

Poindon (ou Poidon) tornou-se, no Sector L1 (Bambadinca), um nome mítico, para as tropas portugueses: era inevitável haver contacto com o IN sempre que se lá ia… Na época, ainda havia o destacamento de Ponta do Inglês, na Foz do Corubal, posteriormente abandonado (creio que em Novembro de 1968, já sob o consulado de Spínola, que tomaria posse, em 2 de Maio desse ano, do cargo de Com-Chefe e Governador-Geral).

Ao fim de mês e meio de Guiné, o Abel começa a queixar-se dos primeiros problemas de saúde: é-lhe extraída uma matacanha da sola do pé, “tendo sofrido intensas dores, ao ponto de trincar a boina” (14/3/67, p. 47). Três dias depois queixava-se dos intestinos e dos dentes. Fica a aguardar vez para uma consulta externa no Hospital Militar de Bissau… “Assim éramos enganados e mantidos como operacionais (…). Estas consultas não chegaram jamais a ser efectivadas” (…) (17/3/67, pp. 48/49). O Abel já ter que aprender a viver com as mazelas do corpo e da alma…

Op Guindaste, uma atribulada ida ao Buruntoni (Xime)

De 19 a 21 de Março de 1967, há uma detalhada referência a uma operação ao Buruntoni (e não Burontoni), a sul do Xime (pp. 49-53).

Eis o que diz, em resumo, a história da unidade: A 19, a companhia realiza, em conjunto com a CCAÇ 1550, a Op Guindaste na zona do Buruntoni. “Destruída uma casa de mato, feitos 8 mortos confirmados e capturado o seguinte armamento: 1 pistola-metralhadora PPHS, 1 pistola COSKA, 3 carregores vários, centenas de munições e outros materiais”… Regresso a Fá em 21…

Vejamos o que escreveu o 1º Cabo Abel Rei, no seu diário:

Era domingo de Ramos, o 19 de Março de 1967. O pessoal levantou-se cedo, tomou um “ligeiro pequeno almoço”, seguindo depois em viatura auto para Bambadinca e estrada do Xitole. Alguns quilómetros depois, seguiram a pé, “durante mais de duas horas”, até Dembataco, a aldeia atacada em 23/2/67. “Lá almoçámos ração de combate (…). O apetite era pouco, começando desde esse momento a ser alimentado a água” (p. 50).

À uma da tarde, as NT partem para o objectivo, “por intermináveis picadas da mata, sob um calor escaldante, com a sede e o cansaço a apertar” (….). Fazem uma paragem às 6h30, já noite. Pernoitam no local. Retomam, ao nascer do dia, a marcha para o Buruntoni, aonde chegam por volta das 11h. A água já se tinha acabado no dia anterior…

Às 11 e picos, há um contacto com “elementos inimigos, numa casa de mato” (…), “causando-lhes mortos (oito confirmados), e fugindo os restantes apavorados pela nossa chegada inesperada”... Foi capturado diverso material (incluindo “uma pistola metralhadora pesada e uma ligeira”).
Segue-se a descrição da retirada, a 20 de Março de 1967:

“Retirámos, deixando tudo em chamas, em passo acelerado, tendo alguns desmaiado, em parte devido ao calor, mas também por falta de água, contando-se entre eles o nosso capitão e um sargento.

“Quando tornámos a passar pelo riacho, que sabíamos existir, parecíamos que estávamos loucos, procurando a água com ânsia, mesmo com ela quase preta, do calcar dos pés. Lá estivemos mais de uma hora, para abalarmos depois, bastante mais frescos, a caminho de Dembataco, aonde chegámos às sete da noite”
(p. 51).

Nova corrida (“louca”) para o abastecimento de água e uma clara prova de solidariedade entre camaradas, para mais oriundos da mesma terra: “(…) eram sempre duas rações que tinha de arranjar, a minha e a do meu colega Saraiva, dos Moínhos de Carvide [, freguesia de Monte Redondo, concelho de Leiria], que vinha completamente abatido, e o qual ajudei nas últimas horas de marcha, amparando-o e trazendo o seu equipamento” (p. 51).

Na estrada Xitole-Bambadinca (provavelmente próximo do sítio onde mais tarde, em Maio de 1968, a CART 2339 do Torcato Mendonça e do Carlos Marques dos Santos irá erguer o campo fortificado de Mansambo, segundo a designaçºão do PAIGC), era esperado haver viaturas para levar o pessoal no regresso aos aquartelamentos, o que não aconteceu:

“Partimos aos tombos até Bambadinca, onde chegámos à meia-noite, e foram só os teimosos do meu grupo de combate, os outros lá ficaram a aguardar as viaturas”… Lá chegados, voltaram atrás, “a fazer segurança às viaturas, que iam buscar os nossos colegas, que entretanto se tinham posto a caminho por ser perigosa a sua permanência no local onde ficaram” (p. 52). Chegaram por fim a Bambadinca, já no dia seguinte, 22, à 1 da manhã…


Comentário do autor:

“Esta foi sem dúvida uma prova de resistência, superior às minhas capacidades, de que aguentei bem, muito embora na parte final tivesse que acabar estourado fisicamente, pois foram mais de dezassete horas consecutivas, em andamento sob um escaldante clima tropical, no qual vi cair homens mais fortes do que eu” (p. 52)…

Segundo o Abel Rei, não houve apoio aéreo, devido a problemas de transmissões, tornando por isso a Op Guindaste ainda mais penosa para as NT.


Fá, o repouso do guerreiro

De novo em , o autor saboreia o descanso do guerreiro:

“ (…) A ventoínha, mesmo por cima da minha cabeça, gira, dando voltas sem fim, refrescando o ambiente e alimentando-o de mosquitos. O tempo está fresco, lá fora o luar lembra, juntamente com o firmamento celeste, o nosso luar de Agosto: ah!, como saberia bem recordar uma chegada familiar, com as alfaias às costas, duma fresca e saudável campina” (23/3/67, p. 54).

Ficamos a saber que em Fá Mandinga há uma pequena biblioteca, e que o autor tem bons hábitos de leitura:

“Para melhor passar o tempo, levantei alguns livros da nossa pequena biblioteca – eu, além dum dicionário e um prontuário de Português, trouxe mais de uma dúzia de livros, os quais já devorei” (p. 54).

Durante a guerra, Fá Mandinga funcionou como uma espécie de Centro de Instrução Militar (foilá que se formou a 1ª Companhia de Comandos Africana, no meu tempo), a par de Contuboel e de Bolama, três localidades durante muito tempo poupadas pela guerra. Em Fá havia, antes do início guerra, uma estação de desenvolvimento agrário onde se dizia (ao que parece, erradamente) ter trabalhado o Eng. Agrónomo Amílcar Cabral.


Em Porto Gole, com saudades do mar

Dia 26 de Março de 1967, “domingo e Páscoa”, a CART 1661 parte para o Enxalé onde vai render a CCAÇ 1439 que terminava a sua comissão (2/8/65 – 18/4/67). Uma secção do 2º Gr Comb, a que pertence o Abel segue, por seu turno, para Porto Gole. Da guarnição faz parte também o Pel Caç Nat 54. O 3º Gr Comb ocupa, por sua vez, o destacamento de Missirá.

Em Porto Gole, o Abel tem a ilusão de reviver o mar da sua terra: “Pela noite, antes de me ir deitar, fui dar uma vista de olhos pela margem do Rio Geba, revivendo ilusoriamente o nosso já saudoso mar” (27/3/67, Porto Gole, p. 56). Um mês depois arranja coragem para tomar o seu primeiro banho no Rio Geba, matando “saudades do mar” (sic) (1/5/67, p. 78).

Há também pequenos apontamentos sobre o quotidiano da população local, balanta, que se dedica, com muita destreza, à recolha de crustáceos na margem do rio:

“As mulheres nativas, a poucos metros, apanham os chamados ‘cacres’ (espécie de caranguejos) (…), existentes nas margens lodosas. São aos milhares, e ao sentirem aproximar-se alguém, correm a refugiar-se , em buracos feitos por eles, e onde se abrigam das marés. As mulheres, de tanga, andam de um lado para o outro, enterradas em lama, quase até ao ventre, e enfiando as mãos no lodo até chegarem ao fundo dos buracos, agarrando-os, aos quais partem um membro e vão pondo em tigelas” (5/5/67, Porto Gole, pp. 80/81)…

Em Porto Gole, onde há alguma abundância de peixe, o autor terá ainda oportunidade de conhecer o fenómeno do macaréu no Rio Gebal, o qual “chega a virar pequenas embarcações de mercadorias, que os nativos movimentam ao longo do seu curso, e que, ao deslocar-se para a nascente, arrasta um enorme ruído das águas revoltas” (20/4/67, p. 75).

A 31 de Março, a CART 1661 actuou conjuntamente com a CCAÇ 1589, na Op Rorodes, na zona de Mantém. Houve contacto com o IN, mas não se registaram baixas. Regresso a 2 de Abril, também dramático, com homens esgotados e desidratados, transportados em maca…

“Desde que vou a operações, foi a primeira vez que eu fiquei exausto, sem forças nas pernas, e com a garganta seca! Como não podíamos mais, só nos restou esperar e aguardar, até que finalmente lá chegou uma viatura com água, que nos levou até Porto Gole, onde chegámos às duas da tarde” (p. 61)….

A CCAÇ 1589 pertencia ao BCAÇ 1894 (tendo passado, de 30/7/66 a 9/5/68, por Bissau, Fá, Nova Lamego, Fá, Madina do Boé, Bissau).


(Continua)

____________

Nota de L.G.:

(*) V d. último poste desta série > 2 de Agosto de 2009 > Guiné 63/74 - P4766: Notas de leitura (13): "Os Anos da Guerra Colonial" e as suas incorrecções (António Dâmaso)