sábado, 20 de março de 2010

Guiné 63/74 - P6029: Memória dos lugares (76): Prestei o meu serviço na Guiné (Albino Silva)

Sou o Albino Silva, Soldado Maqueiro N.º 011004/67, CCS/BCAÇ 2845, Teixeira Pinto, 1968/70), com a Caderneta limpa

PRESTEI MEU SERVIÇO NA GUINÉ

Prestei meu Serviço na Guiné, desde Maio de 1968 a Abril de 1970, e pertenci ao BCaç 2845, sediado em Teixeira Pinto. Pertenci à CCS, Armados para a Paz.

As restantes Companhias Operacionais eram: CCaç 2366, Periquito Atrevido; CCaç 2367 Vampiros, e CCaç 2368 Feras.

Considero bastante positivo o meu desempenho como Soldado Maqueiro, exercendo o meu serviço na Enfermaria em Teixeira Pinto, juntamente com mais elementos do Serviço de Saúde, então comandados pelo Dr. Maymon Martins, que era Alferes Miliciano.

Raramente tínhamos descanso já que havia muita tropa, pois além da CCS, havia ainda um Pelotão da CCaç 2313, um Pelotão de Panhards, Caop, Páras, Fuzas e Comandos, e outros que por lá passavam quando iam e vinham de Bissau ou outros destinos.

Por isso mesmo havia consultas diárias para o Médico, de segunda a sexta-feira que começavam sempre às 9 horas da manhã e terminavam só quando toda a tropa estivesse atendida. Consultava-se ainda os civis do Canchungo pelo que acabávamos o nosso trabalho entre as 12 e as 13 horas.

Depois do almoço, a partir das 14 horas, faziam-se os tratamentos, servíamos as receitas médicas que não tivessem sido despachadadas na parte da manhã, e havia ainda o controlo dos doentes internados na Enfermaria. Levava-se assim o dia inteiro com intenso trabalho, basta que em média eram aplicadas 300 injecções por dia.

O Médico, militar aplicado, era incansável não só pelo atendimento aos militares, mas também à população civil, já que da parte da tarde e diariamente, consultava no Hospital Civil, onde executava pequenas cirurgias. Estava sempre disponível e operacional quando havia feridos e outros doentes na nossa tropa, porque de imediato se juntava a nós, e foram algumas as vezes que se socorreram militares feridos que lá davam entrada. Alguns chegavam mortos como aconteceu infelizmente algumas vezes.

Teixeira Pinto> Enfermaria e Maternidade

Mas o 011004/67 continuava sendo útil, porque sempre que algum trabalho baseado em pinturas surgisse, lá vinha o Capitão Queiroz ter comigo, ora para pintar a Cantina da CCS, a Messe de Sargentos e Comando, o que diga-se em abono da verdade, era difícil, pelas altas temperaturas que se faziam sentir, mas eu lá estava obedecendo ao Capitão Queiroz, e até caprichava no trabalho que ia fazendo, pintando os símbolos das Companhias do Batalhão, mapas, e ainda de outras companhias. Assim também ia bebendo umas bazucas por conta da Cantina e do Capitão.

Juntamente comigo arrastei o carpinteiro da Companhia, para com os barris fazer mesas e cadeiras, e ainda tabuleiros de damas e jogos de dominós. Tudo ia resolvendo extra Especialidade, mas com grande sacrifício.

Fui um bom militar para o meu Comandante de Batalhão, Ten. Coronel Aristides Pinheiro, bem como para o Capitão Queiroz, Dr. Maymon Martins, porque também na casa onde ele morava e pertencente ao Serviço de Saúde, eu executei trabalhos.

Continuava sendo um militar exemplar, embora os louvores fossem para quem nada fazia, porque para além destes serviços ainda fazia, a pedido do Furriel Enfermeiro, requisições de medicamentos a Bissau, que depois tinha de conferir.
Ainda me recordo do truque que usava, ao querer ter um determinado medicamento, tinha de pedir 10 iguais.

O tempo ia passando e o 011004/67 tinha que fazer ainda guardas e reforços ao Quartel, que confesso me fazia sentir algum receio, especialmente quando estava de reforço ao Fortim situado na rotunda de Teixeira Pinto, que era muito perigoso. Nessa rotunda havia a estrada para o Pelundo, Jolmete, Ponte Alferes Nunes, Bachile, e ainda para Có ou Cacheu, e por isso durante a noite se ouviam movimentos, até porque sabia que ali tão perto das tabancas havia inimigos que se preparavam para uns assaltos a casas comerciais, como chegou a acontecer, mas também para roubarem gado e haveres da própria população.

Teixeira Pinto> Fortim no Centro da Vila

O mesmo receio tive nas inúmeras vezes que fiz guardas à Central Eléctrica, esta bem junto à Igreja de Teixeira Pinto, já que nas traseiras era a tabanca, com bastante movimento até altas horas da noite, havendo ainda para piorar a situação pouca iluminação, sendo mesmo escuro a uma distância de 50 metros.
Valia a concentração e ser jovem para aguentar toda a noite sem descansar e com dores no pescoço de tanto olhar para todas as direcções, sempre de G3 nas mãos, porque com o barulho dos motores, que eram dois de marca Lister, não se ouvia mais nenhum ruído.

Esses serviços eram duros de se fazer mas tive de os suportar, por mais que uma vez, felizmente sem haver estragos.

Passados treze meses de Guiné comecei a alinhar com os Sapadores da Companhia, na guarda à Ponte Alferes Nunes entre Teixeira Pinto e o Bachile, sobre o Rio Costa.
Havia no lado esquerdo da Ponte um Fortim com 6 metros de altura, com cobertura com chapas zincadas onduladas, como se aquilo protegesse alguma coisa em caso de ataque.
A Ponte, de madeira, tinha sido reconstruída porque a primeira, também em madeira, tinha sido destruída.
Nesse serviço nunca tive qualquer receio porque também estávamos bem armados e nunca tinha havido nada de anormal.

Ponte Alferes Nunes entre Teixeira Pinto e Bachile

Sei que após o Batalhão deixar a Guiné, algum tempo depois, a Ponte foi reconstruída novamente, desta feita em ferro, como aliás já a vi em fotos de outros camaradas.
Entre a Ponte Alferes Nunes e o Bachile participei em picagens de estrada com um Pelotão da CCaç 2313, quando se faziam escoltas de reabastecimento ao Bachile, onde estava um Pelotão da Companhia 2368 do meu Batalhão.

Na mesma estrada, com a CCaç 2313 do Capitão Penim, andei na capinagem, quando o General Spínola assim o exigiu, pois era uma estrada onde havia muitas emboscadas, a partir do Bachile e até ao Cacheu. Nalgumas delas estive envolvido, durante os reabastecimentos ao Cacheu, quando se chegavam a fazer duas escoltas por dia.

Lembro que cheguei à Guiné no dia 6 de Maio de 1968 e o General Spínola no dia 12 do mesmo mês. Mais que uma vez estive junto a ele em Teixeira Pinto, e numa delas com os malogrados Majores Pereira da Silva, Passos Ramos e Magalhães Osório, que também eram meus amigos. Cheguei a beber algumas bazucas pagas por eles, quando à Enfermaria se dirigiam em busca de mésinho para levarem à tabanca para os (amigos) que mais tarde os viriam a assassinar, em 20 de Abril de 1970, à saída do Pelundo em direcção a Jolmete, estava já eu a chegar a casa de regresso.

Continuava eu sendo um bom militar pois com um Pelotão da CCaç 2368 e da 2313 saía em missões e a ração de combate, levando comigo o repelente já que em três dias tínhamos que suportar tantos mosquitos vindo das águas podres das bolanhas, as quais muitas vezes as atravessei debaixo de intenso calor e com o cantil vazio.

Era doloroso para quem não estava habituado, mas nunca senti receio, porque sabia que andava com camaradas que estavam habituados a andar no mato e enfrentarem situações difíceis como chegaram a ter.
Com eles sentia-me bem e todos me ajudavam, porque indo eu armado como eles, ainda levava a Bolsa de Enfermeiro carregada com medicamentos mais algumas garrafas de soro penduradas em mim mesmo, pois tudo poderia acontecer e tudo seria útil.

Pernoitei algumas vezes entre as matas perto de tabancas, ouvindo os nativos na conversa até altas horas da madrugada. Cheguei a ver em picadas, em direcção às tabancas, inimigos com armas nas mãos, passando a escassos metros de nós. Nem sinal dávamos de nossa presença pelo facto de ser tarde e nunca sabermos quantos elementos eram e o armamento que usavam. Assim se juntavam com a restante população.

Fui útil e cumpri meu dever, até na acção psicológica, protegido pelos camaradas daquelas Companhias, prestava assistência à população que vivia nas tabancas, não só aqueles que vinham ao meu encontro, (ali era Doutor) mas também ia eu às tabancas consultar mulher grande, homem grande, incapacitados de andar com a velhice e bajudas.

Era mais um dos trabalhos que desempenhava sempre com a mesma aplicação e esforço, mas sentia-me compensado por aquela gente, que me oferecia uns frangos e, quando mais não tinham, laranjas, que põe vezes eram boas para matar a sede, quando mais nada havia.

Eu sabia que nem todos os nativos eram contra nós, pois mesmo no Quartel em Teixeira Pinto, não havia vez nenhuma que aquelas mulheres e bajudas quando fossem para a bolanha ao peixe, ostras, camarão, etc, não passassem pela Enfermaria e lá deixassem alguma coisa para mim, tudo pela forma como eu os tratava.

Lembro que em toda a minha comissão, nunca da minha G3 saiu um tiro, porque felizmente para mim nunca necessitei. Recordo-me de uma vez que fui ajudar os básicos da cozinha a recolher lenha em viaturas lá para os lados de Calequisse e Caió, perto de uma tabanca, de vir alguém ao meu encontro porque me conhecia, não só para me cumprimentar, mas também para pedir mésinho.

Cumpri meu dever e terminei a comissão com o orgulho de ter servido minha Pátria.

Durante aquela guerra ganhei muitos amigos que ainda hoje conservo, e recordamos ano após ano as peripécias vividas. Fico sempre triste quando sei que de um ano para o outro houve uma alguma baixa.
Desde sempre e ainda hoje procuro camaradas quer do Batalhão quer de outras Companhias, em especial da CCaç 2313.

Sinto o orgulho do meu dever cumprido.

Para a nossa Tabanca Grande,
Albino Silva
CCS/BCaç 2845
Teixeira Pinto
__________

Notas de CV:

(*) Vd. poste de 2 de Março de 2010 > Guiné 63/74 - P5918: Blogpoesia (66): Querida Pátria (Albino Silva)

Vd. último poste da série de 19 de Março de 2010 > Guiné 63/74 – P6021: Memória dos lugares (71): Recordações de Bambadinca (Armandino Alves, 1º Cabo Aux Enf, CCAÇ 1589 (Beli, Fá Mandinga, Madina do Boé, 1966/68)

Guiné 63/74 - P6028: A propósito do Dia do Pai... e da história do Esq Rec Fox 3431 (Bafatá, 1971/73)

1. Encontrei, num blogue (*), uma referência a um convívio, em 2005, do pessoal do Esquadrão de Reconhecimento Fox 3431. Interessou-me por duas razões: (i) não temos ninguém do Esq Rec Fox 3431, que foi comandado pelo Cap Cav Botelho, o mesmo que terá alegadamente entrado pelo Senegal dentro com as suas Chaimites, algures em 1972 (**); (ii) ontem foi dia do pai, e achei bonito ler estas palavras do filho de um camarada nosso, condutor de chaimite: "(...)  adorei ter estado presente naquele almoço, este seria apenas o primeiro, pois farei sempre questão de acompanhar o meu pai, que é o meu ídolo, o meu exemplo a seguir!"...


Com a devida vénia (ao Luígi a quem peço também "emprestadas" as duas imagens aqui reproduzidas, e eventualmente que nos leve até ao seu pai, nosso camarada, para saber mais sobre a história desta unidade de cavalaria), passo  a transcrever :

Recuando um pouco no tempo até ao dia 07 de Maio de 2005, tive a oportunidade de estar presente num almoço convívio entre Ex-combatentes que fizeram parte do Esquadrão de Reconhecimento Fox 3431 que partiu de Lisboa a 25 de Agosto de 1971 com destino à Guiné, mais precisamente a Bafatá. Este constituía a reserva móvel do agrupamento Leste. Está organizado em Comando e três Pelotões de reconhecimento, o meu pai fizera parte do 1º Pelotão denominado “Os Barbudos” onde era condutor.

A Missão consistia em acções de reconhecimento e vigilância, patrulhamento frequentes, escoltas a colunas-auto.

No dia 4 de Outubro de 1973, após 25 meses de Comissão na então Província Portuguesa da Guiné, regressa finalmente à Metrópole o Esquadrão de Reconhecimento Fox 3431.

32 anos depois da chegada a Portugal e após já se realizarem vários almoços convívio, finalmente o Sérgio Marques conseguiu entrar em contacto com o meu pai, informando-o da existência do almoço convívio, estes realizam-se sempre no primeiro sábado do mês de Maio.

Eu,  juntamente com a minha mãe e o meu irmão,  fiz questão de estar presente com o meu pai no almoço.

Foi extraordinário ver que,  após 32 anos sem se verem ainda se conheciam…Fez-me lembrar um pouco o que se passa com as pessoas que cresceram comigo no futebol, embora no caso deles a relação ainda seja mais marcante, afinal de contas eles eram uma equipa que lutava pela sobrevivência e não em ganhar jogos…

Posso dizer que adorei ter estado presente naquele almoço, este seria apenas o primeiro, pois farei sempre questão de acompanhar o meu pai, que é o meu ídolo, o meu exemplo a seguir! (*)

___________

Notas de L.G.:

(*) Fonte: Blogue > Love is the higher Law: This is my lifestory revisited by myself >  5 de Agosto de 2008 > Esquadrão de Reconhecimento Fox 3431

Perfil completo do autor, Luigi, 32, Lisboa

(**) Vd. poste de 19 de Março de 2010 > Guiné 63/74 - P6022: Fajonquito do meu tempo (José Cortes, CCAÇ 3549, 1972/74) (4): Ainda o caso do Cap Patrício que foi, por castigo, para a CCAÇ 15, Mansoa, e do comandante do Esq Rec Fox de Bafatá que invadiu o Senegal com as chaimites

Comentário do Jorge Picado:


(...) Das Fichas das Unidades na Guiné, consta o Esq Rec 2640 (NOV69/SET71) colocado em Bafatá e cujo Cmdt era o Cap Cav Fernando Monteiro Vouga e este ERec 2640 foi substituido em Bafatá pelo ERec 3431 (SET71/JUN73) que teve como 1.º Cmdt o Cap Cav Manuel Eduardo Alves Botelho e depois o Cap Cav José Rafael Lopes Saraiva.


Por sua vez o ERec 8840/72 foi colocado em Bafatá em ABR73 e rendeu o ERec 3431 em JUN73. Tinha como Cmdt o Cap Cav Francisco X. Silveira Montenegro Carvalhais e não tem HU, enquanto os outros 2 têm. (...)

Guiné 63/74 - P6027: Os Marados de Gadamael (Daniel Matos) (3): Os dias da batalha de Guidaje - Antecedentes à nossa chegada

1. Terceira parte do relato da Batalha de Guidaje, de autoria do nosso camarada Daniel Matos (ex-Fur Mil da CCaç 3518, Gadamael, 1972/74), enviado ao nosso Blogue em 6 de Março de 2010:



Os Marados de Gadamael
e os dias da
Batalha de Guidaje



Parte III


Daniel de Matos


Os Dias da Batalha


Antecedentes à nossa chegada


Realmente, o cenário não é dado a optimismos. Sabemos que a 8 de Maio o PAICG começou o cerco. Logo nesse dia Guidaje esteve cinco vezes debaixo de fogo (num total de duas horas de fogacho). Uma coluna escoltada por uma companhia do exército (BCaç 4512) e por Fuzileiros, que também partira de Farim, accionou um mina anticarro. Pelo menos um “fuzo” da DFE-7, que estava a socorrer um camarada, perdeu uma perna. Sofreram uma dúzia de feridos na emboscada que os encurralou e obrigou a recuar. Dizem-nos que o PAIGC dispõe de um forte e bem treinado efectivo a muito poucos quilómetros dali, dentro do Senegal, estimado em seis a sete centenas de guerrilheiros com grande formação e treino militares. Conhecendo a estratégia do IN para isolar/envolver a região, o tenente-coronel António Valadares Correia de Campos, transfere-se neste dia, conjuntamente com todo o comando do COP3, de Bigene para Guidaje.

Reforçados com duas esquadras do DFE-4, vindas de Ganturé, os mesmos homens voltaram no dia seguinte (9 de Maio) e foram sobressaltados com nova emboscada, ainda de maior envergadura! Os camaradas milicianos que em Farim me alojaram no seu quarto (e, creio, que também aos furriéis Machado e Ângelo Silva), contaram durante a noite que o pessoal só tinha aguentado as quatro a cinco horas que esteve debaixo de fogo por ser portador de um abastecimento extraordinário de granadas para morteiretes. Assim, enquanto os pequenos prato-base não se enterraram no solo e os canos dos morteiros não se derreteram nem lhes derreteram as mãos, foram-se aguentando e respondendo ao fogo. Mas não conseguiram evitar pesadas baixas, entre as quais, quatro mortes, uma vintena de feridos, oito deles com gravidade, deixando também pelo caminho quatro viaturas destruídas e não conseguindo, mais uma vez, chegar ao destino. De notar que, no mesmo dia e quase em simultâneo, Guidaje “lerpou” mais quatro vezes, o que demonstra a grande concentração de guerrilheiros que o IN tem na região…

Mais três flagelações se abateram sobre o casario de Guidaje a 10 de Maio. No mesmo dia tenta-se romper o cerco. Uma avultada força, dirigida pelo tenente-coronel António Vaz Antunes (comandante do batalhão de Farim) inicia nova operação que envolve distintas unidades: dois grupos da CCaç 14, dois grupos de combate da 38.ª de Comandos, uma secção do pelotão de Morteiros 4247, um grupo da companhia eventual de Cuntima, três grupos do BCaç 4512, dois deles de Nema e o terceiro de Jumbembém. Mas a coluna também consente um morto (o soldado Manuel Geraldes, precisamente de Jumbembém, cujo corpo foi dilacerado por efeito do rebentamento da mina em que caiu), e dois feridos, que seguiam atrás dele. Impedidos por dezenas de abatises, (árvores de bom porte serradas, de troncos tombados, atravessando a picada, escassos quilómetros depois de Binta), mais uma vez não chegaram ao objectivo.

(Muitos anos depois, em conversa com o primeiro-cabo guineense Fati, atirador do lança-granadas foguete Instalaza de 8,9cm, (mais conhecido por bazuca), e que ficou ferido neste combate, tive a oportunidade de aquilatar o volume do fogo inimigo e a incapacidade de reacção ofensiva do pessoal da sua unidade para sair por cima neste combate).

Ao mesmo tempo, vindos no sentido inverso com a intenção de proteger o itinerário a norte, um efectivo da CCaç 19 saiu de Guidaje e a curta distância do mesmo local experimentou cinco contactos com o IN, de que resultaram mais oito mortos e nove feridos para as NT. A situação aqui foi mais grave porque, rareando as munições para ripostar ao fogo, tiveram de bater em retirada e deixar no mato os corpos de três mortos, não os conseguindo recuperar.

Guidaje > Maio de 1973 > Cadáveres de soldados africanos da CCAÇ 19, abandonados no campo de batalha.
Foto: © Amilcar Mendes (2006). Direitos reservados


No relatório desta acção, o seu comandante descreve assim a violência do contacto de fogo: "...em relação às NT, o IN estava de frente, dos dois lados da picada, e foi impossível fazer uma reacção conveniente pelo fogo. A primeira sessão pelo fogo causou-nos imediatamente três mortos (...) o IN voltou à carga com maior ímpeto, mas as NT já estavam preparadas para o receber e aqui teve as primeiras baixas. Estando um cabo gravemente ferido com um estilhaço no pescoço, o soldado auxiliar de enfermeiro correu para junto dele a fim de o socorrer. Estando ajoelhado a seu lado foi atingido por uma rajada que lhe provocou a morte. Começavam a escassear as munições e foi dada ordem para fazer fogo de precisão, tanto quanto possível. Quando o fogo parou por escassos segundos um dos furriéis tentou chegar junto dos mortos para recuperar os corpos. Quando se levantava para realizar esta acção, pela terceira vez o IN atacou as nossas posições. Notando a impossibilidade de recuperar os corpos dos mortos e porque a falta de munições era quase total, o comandante viu-se coagido a ordenar a retirada... " (in sítio do BCaç 4512).

A 11 de Maio, os 2.º e 4.º grupos da 38.ª companhia de comandos, que no dia 9 se tinha deslocado de Mansoa para Farim integrando uma coluna de abastecimento, avança com a mesma coluna e um pelotão da guarnição de Binta em direcção a Guidaje, levando na frente sapadores que vão analisar as crateras abertas pelas minas rebentadas anteriormente e orientar a picagem a efectuar durante o percurso. A marcha é, por isso, extremamente lenta (cada dois quilómetros demoram cerca de uma hora a percorrer), esperando-se que as minas que vão sendo detectadas na frente da coluna sejam feitas explodir. Deparam-se com um grupo de viaturas desventradas e há também diversos cadáveres pelo chão, muitos já “bicados” por djugudés (abutres, também “jagudis”). Há novas abatises espalhadas a dificultar a progressão. A CCaç 19 sai de Guidaje e vem ao encontro destes homens, mas ao passar por uma ponte é atacada. Não tem grandes condições de reagir e pede apoio aéreo. Passados quarenta minutos chegam dois Fiat G-91 que, no entanto, e apesar dos apelos constantes via rádio, se recusam a abrir fogo porque as forças em presença estarão demasiado próximas. Contam-se muitas baixas neste confronto. Também entre os comandos as coisas não correm bem: ao ouvirem os rebentamentos e o tiroteio da emboscada os homens saltam das viaturas. Um deles, – o primeiro-cabo Filipe, – acciona uma mina A/P e perde um pé. Mais adiante apanham do chão o cadáver dum soldado que também caíra numa mina e ficou irreconhecível, embrulham-no num poncho e levam-no sobre o estrado de um Unimog. No local da emboscada da CCaç 19 o cenário é dantesco, com inúmeros cadáveres espalhados pela picada fora e nas imediações. Ao cabo de mais de 10 horas de marcha, esgotados, atingem Guidaje já no lusco-fusco, refugiam-se nas valas, agachados, e pouco depois o quartel é flagelado, o que aconteceu mais algumas vezes durante essa noite. Já nos primeiros raios solares de 12 de Maio, durante uma flagelação de foguetes 122 e morteiros 82, o soldado comando José Luís Inácio Raimundo é atingido nas valas e morre nesse instante. Finalmente, uma coluna de reabastecimento constituída pelos Destacamentos de Fuzileiros Especiais n.º 3 e n.º 4 logrou chegar a Guidaje.

Comandados pelo capitão Alves Jesus, os fuzileiros do DFE-4 tentam caminhar para Farim, e daí regressar a Ganturé no dia 13. Levam consigo viaturas carregadas de populares. Morre o soldado condutor Ludgero Rodrigues da Silva, da CCS do BCaç 4512. Sofrem uma emboscada, permanecem uma hora debaixo de fogo e são obrigados a regressar. No sentido contrário também uma coluna de reabastecimento tinha saído de Farim, mas não logrou avançar além do Cufeu. Passa mais uma noite e, a 14 de Maio, um forte rebentamento atinge com um estilhaço fatal um grumete do DFE-7. Esta manhã poisa no canto mais recuado da parada um “héli”. Transporta um caixão para levar o corpo do infeliz fuzileiro.

Cópia do título de caixa alta do jornal Público, "O inferno de Guidje", 5 de Novembro de 1995

Estiveram na Guiné, nos anos da guerra, vinte e seis destacamentos de fuzileiros especiais (dois dos quais, africanos) e onze companhias de fuzileiros navais. No total, estas unidades sofreram oitenta e seis mortos, cinquenta e cinco deles, em combate.

A alvorada seguinte, de terça-feira, começa a clarear. Em abono da verdade, neste tempo, pouco ou nada nos importa saber em que dia da semana estamos! Para quê, se os dias correm todos enjoativa e implacavelmente iguais?

Talvez só os domingos de futebol se safassem, caso pudéssemos ouvir os relatos que a Emissora Oficial da Guiné transmitia em directo: “atenção amigo ouvinte, constituição da equipa do Benfica: José Henrique; Artur, Humberto, Messias e Adolfo; Jaime Graça e Toni; e na linha avançada temos Nené, Jordão, Eusébio e Simões”. E quando o locutor se esganiçava e gritava «golo!» as casernas também explodiam, mas de alegria! De certa vez o escritor António Lobo Antunes (autor que começou a sua carreira literária publicando grandes livros sobre a guerra colonial) contou mais ou menos isto: um golo do Benfica fazia parar a guerra, interrompia os combates, pois de um lado e de outro das trincheiras, à mesma hora, estava toda a gente a vibrar.

Com efeito, muitas pessoas que admirávamos eram oposicionistas do regime e mesmo, encapotada ou clandestinamente, simpatizantes e militantes dos movimentos de libertação nacional. Já se falava de Hilário, um dos melhores defesas de sempre do futebol do Sporting como provável simpatizante da FRELIMO, e, como ele, os benfiquistas Coluna, e até de Eusébio, (figura, no entanto, cujo prestígio foi aproveitado pela propaganda do salazarismo e do marcelismo) e havia outros, por exemplo, no atletismo do SLB, como Barceló de Carvalho (que é o cantor angolano Bonga) velocista e recordista nacional durante vários anos, ou o também recordista nacional e cantor angolano Rui Mingas, cujas cantigas (dois LP’s e vários “singles” gravados desde 1969) não enganavam ninguém nem escondiam a óbvia simpatia pelo MPLA e pelas suas causas. Antes da incorporação no serviço militar obrigatório assisti, com o meu amigo de infância Cipriano Simões, ao lançamento de um dos seus discos, no estúdio da Rádio Renascença, em directo. Suponho que era o “long-play” que incluía o extraordinário tema Monangamba, da autoria do poeta e intelectual António Jacinto, um branco angolano que não regateava as origens do musseque luandense, e que por se meter em “aventuras” apanhou muito mais do que uma dúzia de anos de Tarrafal. Nessa noite (programa “Tempo ZIP”?) eu estava muito longe de imaginar que um par de anos mais tarde teria o privilégio de contar com o António Jacinto como um grande amigo e cuja morte viria a deixar-me profundamente triste e a empobrecer as literaturas de expressão portuguesa. Quanto a Mingas, é nos anos 60/70 uma espécie de cantor oficial da Casa de Estudantes do Império, – ao Arco Cego, em Lisboa, – conhecido “coio” de africanos do chamado reviralho, pejado de amigos dos “terroristas”, mas onde, malgrado a contínua perseguição da PIDE, se divulgam e publicam peças literárias do melhor que existe em língua portuguesa, sobretudo na poesia. O desporto e a cultura criam laços que unem muitos combatentes de ambos os lados da guerra. O comandante N’Dalu (António dos Santos França, que já como ministro e Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas Populares de Angola vim também a conhecer pessoalmente), estudou em Coimbra e, antes de fugir do país para ir ter formação militar, suponho que na Argélia e mais tarde em países do leste europeu), granjeou amigos e adeptos a jogar na Académica, onde era conhecido por “França”.

Alguém pensou que viria a tornar-se um elemento determinante, mesmo decisivo para a independência de Angola, por comandar e vencer a célebre batalha de Kinfangondo, contra o exército zairense de Mobutu Sese Seko que acompanhava a FNLA e um batalhão de mercenários, quarenta quilómetros a norte de Luanda, nas vésperas do 11 de Novembro de 1975? Por estas e por outras Amílcar Cabral, que considerava ser a luta armada também um acto de cultura, não se cansava de afirmar que a luta de libertação do povo da Guiné e Cabo Verde (e dos povos das outras colónias) não era uma luta contra o povo português, mas contra o regime que oprimia ambos os povos (referindo-se ao fascismo em Lisboa e ao colonialismo em África). E, também por estas e por outras, ao vermos amigos em barricadas opostas, muitos de nós começamos em plena campanha a meditar por que raio andaremos aqui aos tiros uns aos outros?
__________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 18 de Março de 2010 > Guiné 63/74 - P6014: Os Marados de Gadamael (Daniel Matos) (2): Levar a lenha e sair queimado

Guiné 63/74 - P6026: Convívios (207): Próximo convívio da Tabanca da Linha, dia 8 de Abril de 2010, no Talho do Diamantino - Quinta do Cortador (José Manuel M. Dinis)

Guiné-Bissau > Região de Tombali > Mampatá > 4 de Março de 2010 > Os nossos amigos da AD, e membros da nossa Tabanca Grande, Pepito e Domingos Fonseca, ladeados por camaradas nossos que integraram a caravana da associação Memórias e Gentes: à esquerda, o José Eduardo Alves (Leça) mais a esposa; à direita, o Delfim Santos co-fundador da Tabanca de Mosinhos... De calções, na ponta direita, está o nosso José Manuel Matos Dinis


1. Mensagem de José Manuel Matos Dinis (ex-Fur Mil da CCAÇ 2679, Bajocunda, 1970/71), com data de 18 de março de 2010:

Carlos, bom amigo,
Acabei de chegar da Guiné*, zonzo de cansaço, e com uma fominha que me levou a diligências rápidas com quem pode e decide. Falei com o Cmdt Rosales a esse propósito, que, também ele homem de apetites saudáveis, se mostrou decidido na preparação do próximo repasto da Magnífica Tabanca da Linha. Combatente experiente, raciocínio matemático, e convocou-me para uma prospecção correlativa.

Fomos desaguar no famoso Talho do Diamantino, homem da Guiné, conhecedor profundo de carnes e manjares, também ele lidador de futebóis variados e contemporâneo do Rosales no E.P.
Necessariamente o diálogo foi fácil e a combinação celebrada com um vinho da casa, enquato mordiscámos umas tapas de presunto. Nada que enganar, o mais fácil é estabelecer pontes entre os homens de boa vontade.

Assim, torna-se público que no próximo dia 8 de Abril, uma quinta-feira, no Talho do Diamatino - Quinta do Cortador, junto à saída da auto-estrada, na direcção de Cascais, entrando pelo acesso da bomba da Galp e do supermercado adjacente. Cem metros adiante situa-se o lugar da mastigação.

Ficam desde já convocados, sem direito a escusas, os primogénitos desta Magnifica Tabanca da Linha. Façam o favor de se apresentar bem ataviados, barbas aparadas e gravatas de seda de preferência, para receberem condignamente os vários aderentes ao evento, que desde já se convidam dentro do espectro da Tabanca Grande. Para estes, todavia, haverá uma limitação: têm que dar indicação de participação até ao fim do mês, que em Março calha no dia 31. Depois dessa data vai ser dificil ter direito de acesso.

As marcações poderão ser feitas para Mário Fitas, Jorge Rosales ou para mim, por mail ou telefone. O meu telemóvel para o efeito é 913 673 067.

O menú não deve comprometer, e vai obrigar cada um a esportular vinte aéreos. Constará de entradas de presunto, queijo e gambas, a que se segue uma grelhada de carnes. Depois haverá sobremesa, para todos, mas especialmente para os que ainda denotarem alguma capacidade estomacal. Haverá águas, para os mais puristas, cerveja, vinhos e coisas mais etílicas para o fim de festa.

Dada a proximidade do encontro, solicito a divulgação do evento através do blogue, por forma a que ninguém tenha a desculpa de não saber atempadamente, tendo em vista que houve diversíssimas manifestações de camaradas das redondezas, como de outros com residência mais distante, mas dispostos a conviver connosco.

A Mónica Cintra, entretanto, já informou que não poderá abrilhantar a festa, por motivos que não vêm ao caso. Teremos que ser nós, os que se apresentarem, a fazê-la.

Carlos, para ti, e para a Tabanca, vai um grande abraço deste amanuense que escreve sob o controle atento do Cmdt Rosales.
__________

Notas de CV:

(*) Vd. poste de7 de Março de 2010 > Guiné 63/74 - P5944: Notícias dos nossos amigos da AD - Bissau (11): Encontro em Mampatá, com o Leça, o Delfim Santos e o José Manuel Dinis (Pepito) 

Vd. último poste da série de 20 de Março de 2010 > Guiné 63/74 - P6024: Convívios (119): Convívio Anual da CCAÇ 2382 & CCAÇ 2381, no próximo dia 1 de Maio de 2010, em Fátima (José Teixeira)

Guiné 63/74 - P6025: V Convívio da Tabanca Grande (2): Escolhida a data de 19 de Junho de 2010 e o local, o Palace Hotel Monte Real (A Organização)

V CONVÍVIO DA TABANCA GRANDE

MONTE REAL 26 DE JUNHO DE 2010*

O V Convívio da Tabanca Grande vai realizar-se no dia 26 de Junho, pelas 13.00 horas, no Palace Hotel Monte Real****, (inaugurado há um ano), nas Termas de Monte Real. http://www.termasdemontereal.pt/



V CONVÍVIO DA TABANCA GRANDE

Será numa sala própria do Hotel, com uma grande varanda e vista para a mata e parque das Termas.


O estacionamento é amplo, quer junto ao Hotel, que junto às Termas, o que até dá para fazer a avenida das Termas a pé, num ambiente ecologicamente são.


Apenas para aguçar o apetite a Ementa será a seguinte, com o valor de 30,00€ por pessoa, tal como no ano passado:



O prazo para as inscrições terminará inexoravelmente às 24.00 horas do dia 1 de Junho.


Como chegar?

Pela A17, saída de Monte Real, direito a Monte Real, e no largo da Igreja Matriz, à direita, está o Palace Hotel Monte Real. Não tem que enganar!!!

Para aqueles que querem pernoitar, haverá as seguintes ofertas:

Palace Hotel Monte Real****


Single – 50,00€
Duplo – 60,00€

Pensão Santa Rita

Single – 35,00€
Duplo – 50,00€

Estas marcações têm de ser feitas com tempo, visto que nessa data já se está em plena Época Termal.

Pede-se aos camaradas pré-inscritos que, face à nova data apresentada, ainda não confirmaram a sua presença, o favor de o fazer o mais breve possível.

Os camaradas e amigos que tencionam ir ao Convívio e ainda não apresentaram a sua inscrição formalmente, podem fazê-lo desde já. Confiram se o vosso nome consta da lista da página do Blogue (coluna do lado esquerdo).

Todos devem mencionar se vêm ou não acompanhados, e no caso de quererem pernoitar, em que dias e onde.

Devem utilizar para efeitos de inscrição no almoço e reservas de pernoita os endereços do Mexia Alves e/ou Carlos Vinhal, para evitar dispersão de dados.
__________

Notas de CV:

(*) Em tempo
A data foi posteriormente alterada de 19 para 26 de Junho
(25 de Março de 2010)

Vd. poste de 21 de Fevereiro de 2010 > Guiné 63/74 - P5855: V Convívio da Tabanca Grande (1): Vamos escolher uma data para o evento (A organização)

Guiné 63/74 - P6024: Convívios (206): Convívio Anual da CCAÇ 2382 & CCAÇ 2381, no próximo dia 1 de Maio de 2010, em Fátima (José Teixeira)


1. O nosso Camarada José Teixeira* (ex-1.º Cabo Enfermeiro da CCAÇ 2381 - Buba, Quebo, Mampatá e Empada -, 1968/70), enviou-nos a seguinte mensagem, com data de 19 de Janeiro de 2010:


Camaradas,


Em nome da C.Caç 2381 e C.Caç2382, peço o favor de colocarem no blogue a informação sobre o nosso convívio anual, que se vai concretizar no dia 1 de Maio próximo.


Fico muito grato e deixo-vos o fraternal abraço de amizade.
José Teixeira
1º Cabo Enf da CCAÇ 2381



CONVÍVIO ANUAL
COMPª. CAÇADORES 2382 & COMPª. CAÇADORES 2381
Vamos comemorar os quarenta anos de regresso da Guiné em convívio fraterno.
Nós que partimos há quarenta anos, juntos no Niassa, pisamos o mesmo chão da Guiné e regressamos no mesmo barco, vamo-nos encontrar de novo para reviver com alegria e esperança o nosso regresso.

DATA: 1 de Maio de 2010
LOCAL: Restaurante Rosa
Grutas de Santo António
Telef. 249841443
Porto de Mós (Fátima)
Saída da A1 Torres Novas, ou Fátima, em direcção a Mira Daire. Coordenadas por GPS: 39º32’’2.6’ N – 8º44’’26.7W
- PONTO DE ENCONTRO: Grutas de Santo António – 10.00 Horas
- HORÁRIO DO ALMOÇO: 12.30 Horas.

ESTE ANO VAMOS TER A PRESENÇA DO SR. GENERAL CARLOS AZEREDO
(O Major Azeredo que esteve connosco em Aldeia Formosa)

Aos que nunca vieram e aos que por razões pessoais têm vindo a faltar, pedimos encarecidamente que dêem notícias para que se possa beber um copo à sua saúde.

Por favor confirma a tua presença, até ao dia 25 de Abril, para:
  • C.Caç 2381- José Teixeira – Telm. 966238626 jteixei@msn.com
  • C.Caç 2382 - Manuel Traquina -Telf.241107046 ou Joaquim Vieira Lopes - Telf.912206301.
    traquinamanuel@sapo.pt
Contamos contigo
Manuel Traquina e José Teixeira
___________
Nota de M.R.:

Vd. último poste da série em:

Guiné 63/74 - P6023: FAP (49): Saudável Convívio, na BA12, Bissalanca, em 1968, entre malta dos 3 ramos das Forças Armadas (Vitor Oliveira)

1. O nosso Camarada Vitor Oliveira (ex-1.º Cabo Melec da FAP - BA 12, 1967/69), enviou-nos em 17 de Março de 2010, a seguinte mensagem:

Camaradas,

Envio fotos do convívio na B A 12, no ano de 1968, entre rapaziada da marinha, exército e força aérea.

Na maioria são alentejanos que eram amigos do Machado (electricista da força aérea) e que tinha a “mania” que era fotógrafo, onde nasceu, em Évora.

Os Camaradas de barbas penso que eram da malta das lanchas. Os outros, eram furriéis creio que dos Adidos.


Vamos lá ver se aparece alguém, aqui no blogue, a reconhecer-se entre esta excelente e divertida rapaziada.

Deste pessoal só me lembro do Abel
O que está ao fogão era furriel do exército

O Abel e os de barba (lógico que eram da marinha)
O Machado não aparece nesta foto porque era o fotógrafo de serviço
Aqui estão mais dois furriéis (o Abel e eu), o outro Camarada era meu colega mas não lembro do nome dele

O Machado é o que está há esquerda

Um grande abraço,
Vítor Oliveira
1º Cabo Melec 1ª66 (Pichas)

Emblema de colecção: © Carlos Coutinho (2009). Direitos reservados.
___________
Nota de M.R.:

Vd. último poste da série em:

27 de Fevereiro de 2010 > Guiné 63/74 - P5902: FAP (48): A guerra Páras-Fuzos, vista por um fuzileiro (Rui Ferrão)

sexta-feira, 19 de março de 2010

Guiné 63/74 - P6022: Fajonquito do meu tempo (José Cortes, CCAÇ 3549, 1972/74) (4): Ainda o caso do Cap Patrício que foi, por castigo, para a CCAÇ 15, Mansoa, e do comandante do Esq Rec Fox de Bafatá que invadiu o Senegal com as chaimites

1. Pergunta o José Bebiano, em 6 docorrente, ao José Cortes:


Responde-me lá. Quem é o furriel que está ao meu lado? (*)

Não sabia que o meu substituto tinha falecido. Recordei-me que era de Fátima, mas o nome nem pó?! Morreu de paludismo? Enquanto por lá estive não tive conhecimento  de qualquer morte desse tipo. Grande azar.

O Capitão José Eduardo [Patrício]  faleceu em 2008! Morreu novo. Por que foi transferido para Mansoa? Castigo? Dava-me muito bem com ele. Não tinha nada a haver com o falecido cmdt da CART 2742,  Carlos Borges de Figueiredo (**).

Estou com o meu neto mais novo ao colo, Iánis, não me deixa escrever.

Vou procurar mais alguma foto que te diga algo. Depois logo envio. Cumprimentos. E o FCPorto com o empate de hoje já foi... e o meu Belenenses tb.

Cumprimentos. José Bebiano.

2. Resposta do José Cortes [ foto acima, em Fajonquito], na volta do correio:

Assunto: Mais recordações de Fajonquito

 Caro amigo:

O furriel que está ao teu lado, chama-se Tendeiro, ele saíu da companhia para outra zona que não me lembro qual. Nunca mais o vimos, mas na pesquisa que fizemos para encontrar camaradas, quando começamos a organizar o nosso encontro anual, soubemos que mora na Reboleira Sul - Amadora e que trabalha na companhia de seguros AXA.

Com respeito ao Cap Patrocínio, foi para Mansoa por castigo. Certa noite saíu do aquartelamento com 10 militares e o grupo do Mamadú Senegal Baldé, que era o Comandante do Pelotão de Milicia, sem passar cavaco a ninguém,  como era habitual,   e entrou pelo Senegal, matando dois guerrilheiros, e exibindo depois em Bafatá o espólio que trouxe da emboscada, duas Kalas, duas bicicletas e livros.

Isto para o comandante de batalhão era manga de ronco, ele gramava o Patrocínio à brava e depois causou inveja nos outro oficiais.

O comandante do Esquadão de Cavalaria de Bafatá (***), depois disso, e num almoço em Pirada, concerteza com a cabeça quente, arrancou com as Chaimites Senegal dentro. Na primeira aldeia que encontrou estava estacionado um grupo de militares Senegaleses e ele toca a disparar, matou uma série de gente e aquilo deu buraco em Bissau e não só.

Isto, salvo erro,  foi em Janeiro de 1973, altura em que mataram o Amílcar Cabral. No inquérito que foi levantado ao Capitão de  de Cavalaria, foi referido o acto do Patrocínio e o castigo foi este ir para Mansoa, para a CCAÇ 15, companhia de africanos,  onde só os graduado é que eram brancos.

Ainda o vi uma vez na 5ª Rep. Já separado da mulher, pois ele tinha-a levado para Mansoa, mas ela só lá esteve 15 dias com o filho,  aquilo era embrulhar todos os dias e ela foi-se embora.

Quando ele saíu da companhia mandaram um Capitão velho que só lá esteve dois dias.

Depois o Spínola foi lá graduar o alferes São Pedro.  Depois falo-te sobre isso.

Um Abraço.

José Cortes
______________

Notas de L.G.:

(*) Vd. poste de 11 de Março de 2010 > Guiné 63/74 - P5972: Fajonquito do meu tempo (José Cortes, CCAÇ 3549, 1972/74) (3): O Cap Patrício, a CCAÇ 15, dois casos de insubordinação e ainda o Cherno Baldé

(**) 7 de Março de 2010 > Guiné 63/74 - P5946: Fajonquito do meu tempo (José Cortes, CCAÇ 3549, 1972/74) (2): Evocando o Sold Almeida e o Fur Alcino, da CART 2742, que morreram, mais o Cap Figueiredo e o Alf Félix, na tragédia do domingo de Páscoa de 1972

(***) Não temos elementos para identificar este Esq Rec Fox, estacionado em Bafatá no início de 1973. Pode ser o Esq Rec Fox 8840 (Bafatá, 1973/74), ou até o anterior (1971/73), que de momento não sei qual é... Há dois camaradas que, embora ainda não sendo membros da nossa Tabanca Grande, têm histórias para contar e vontade de o fazer...


(...) Sou ex-militar do Esquadrão de Reconhecimento Fox 8840. Estive lá no início de 1973 até perto do fim do ano de 1974.

Tenho histórias a contar como vocês contam as vossas. Tivemos lá dos maiores atentados registados até essa data. Lamento principalmente o meu ex-capitão e comandante Carvalhais do Esquadrão de Cavalaria 8840 (hoje coronel) nada registar na Internet.

Não vos conheço mas gostaria de ter contacto convosco para vocês conhecerem o meu Esquadrão e recordarmos por onde e como passamos. (...)

(...) Carmindo Pereira Bento
Restaurante Ângulo-Real
2425-022 Monte-Real- Leiria. (...)

Vd. também poste de 19 de Fevereiro de 2010 > Guiné 63/74 - P5843: O Nosso Livro de Visitas (83): António Carlos Ferreira, ex-Fur Mil Mortágua, Esq Rec Fox 8840 (Bafatá, 1973/74)

(...) António Carlos Ferreira (ex-furriel Mortágua)
Proprietário da Adega Típica 
A Pharmácia,
Rua Brasil 81/85
Coimbra
E-mail:
adegapharmacia@gmail.com
telm: 917213076 / telef  239 404 609 (...)

Do período de 1969/71, temos o nosso camarada António da Costa Maria, que esteve em no Esq Rec Fox entre Nov 1969 e Out 1971... Receberam Chaimites  no final de 1970 ou princípios de 1971





Guiné 63/74 – P6021: Memória dos lugares (75): Recordações de Bambadinca (Armandino Alves, 1º Cabo Aux Enf, CCAÇ 1589 (Beli, Fá Mandinga, Madina do Boé, 1966/68)


1. O nosso Camarada Armandino Alves (ex-1º Cabo Auxiliar de Enfermagem na CCAÇ 1589 - Beli, Fá Mandinga e Madina do Boé -, 1966/68), enviou-nos uma mensagem, em 16 de Março, que a seguir publicamos:

Camaradas,


Para conhecimento do Pessoal da Tabanca, queria informar que até Março de 68, no rio Geba com acesso a partidas para Bissau por via fluvial, só existia um cais acostável, em Bambadinca.


Quando havia operações no Enxalé, ou Porto Gole, as LDG ou as LDM ficavam no meio do rio para não encalharem. Se a maré baixava enquanto descarregavam o pessoal e os seus equipamentos, ficavam lá paradas até que ela subisse novamente.

O transporte entre a LDM e a margem era feito por uma ou duas pirogas, que levavam cerca de oito homens cada uma, e que eram literalmente empurradas por um ou dois nativos, pois a profundidade do rio era pouca e a água dava-lhes pelo peito.

Nas zonas mais fundas, as pirogas eram empurradas com o auxílio de varas, que eram cravadas no fundo do rio e impulsionadas à força de braços.

Das pirogas para terra é que eram elas. As margens estavam cobertas por um lodo de cor cinza clarinho, que espelhava os raios do sol.

Éramos avisados para descalçar as botas, amarrar os cordões e pendurá-las ao pescoço, arregaçarmos as calças, ou tirá-las, e para transportarmos a arma acima da cabeça.

Para os primeiros a desembarcar a missão nem era muito má, mas para os últimos, a lama depois de revolvida, era um autêntico calvário. Para movimentarmos as pernas, quanto mais nos mexíamos mais nos enterrávamos pelo lodo abaixo.

Ainda havia pessoal do destacamento que nos atirava cordas para nos içarem, mas com uma mão ocupada com a G3, só nos ficava a outra para nos agarrarmos.

E depois para limparmos aquela lama pegajosa agarrada às pernas?!... Não havia água que chegasse.

Por isso não se admirem de ninguém até essa data falar no cais do Xime. Ele não existia.

Assim como a estrada Bambadinca/Bafatá, que só começou a ser alargada e asfaltada em Jan/Fev 68, pois até aí era uma estrada de terra batida onde não se conseguiam cruzar duas viaturas (GMC ou Mercedes).

Um Abraço,
Armandino Alves
1º Cabo Aux Enf CCAÇ 1589 (1966/68)
____________
Nota de M.R.:

Vd. último poste da série em:

11 DE MARÇO DE 2010 >

Guiné 63/74 - P6020: Núcleo Museológico Memória de Guiledje (16): Um dia de ronco, um lugar de (re)encontros, uma janela de oportunidades (Parte I)


Guiné-Bissau > Região de Tombali > Guileje > 20 de Janeiro de 2010 > Inauguração do Núcleo Museológico de Guiledje > Chegada do Presidente da República, Malam Sanhá Bacai, com a esposa  (à sua esquerda) e o primeiro ministro, Carlos Gomes Júnior, atrás (à sua direita)... Embora esteja de perfil,  reconhecemos, de imediato,  de lado direito, cumprimentando o Presidente, o nosso amigo Domingos Fonseca, quadro técnico da AD, responsável do Núcleo Museológico  (*) e membro da Tabanca Grande.




Guiné-Bissau > Região de Tombali > Guileje > 20 de Janeiro de 2010 > Inauguração do Núcleo Museológico de Guiledje  (**) > O Primeiro Ministro, Carlos Gomes Júnior, Cadoco, entre a multidão.



Guiné-Bissau > Região de Tombali > Guileje > 20 de Janeiro de 2010 > Inauguração do Núcleo Museológico de Guiledje > Intervenção do Primeiro Ministro. Carlos Gomes Júnior (Cadogo, como é conhecido na sua terra) acaba de realizar uma visita oficial a Portugal, de quatro dias, que inclui uma deslocação, ontem,  ao Porto onde  o PM se encontrou com crianças guineenses, internadas no serviço de pediatria do hospital de São João.

Em entrevista à Rádio Renascença, o chefe do Governo guineense analisou "alguns aspectos da vida do país, como a investigação em curso na justiça à morte do Presidente Nino Vieira e do ex-chefe do Estado Maior das Forças Armadas Tagme Na Waie. 'Há uma comissão de inquérito que está a seguir o processo e temos a garantia das Nações Unidas que vamos ter uma investigação isenta e transparente', disse"... Nas suas preocupações, também está "o combate ao narcotráfico no país".

O PM guineense, de visita a Portugal,  também tem, como objectivo,  "desenvolver várias parcerias, sobretudo na área económica"...

Os nossos camaradas da Tabanca de Matosinhos ainda se organizaram para poder enviar uma delegação ao jantar que foi organizado, ontem, no Porto... Por razões logísticas, acabaram por não poder comparecer. Em contrapartida, tencionavam estar presentes na recepção à Comunidade Guineense que vive no Norte.

Em Maio próximo, o ministro português dos Negócios Estrangeiros irá visitar a Guiné-Bissau,  acompanhado de delegação de empresários portugueses. Tem-se em vista  dar continuidade aos contactos que estão ser feito esta semana no âmbito desta visita do PM guineense que chegou a ser considerado o delfim de 'Nino' Vieira até ao conflito de 1998. 

Carlos Gomes Júnior nasceu em Bolama em 1949. Antes de entrar na política, e chegar a dirigente máximo do PAIGC,  foi um empresário e gestor de sucesso.  Não participou na luta armada como combatente. Gosta de futebol, do Benfica e de Portugal, onde estudou. Conheci, há dois anos, o seu velho pai, Carlos Domingos Gomes, Cadogo Velho, cuja história de vida está para publicar no nosso blogue (tenho nas minhas mãos um texto policopiado que ele me deu em Bissau, por ocasião do Seminário Internacional de Guiledje, 1-7 de Março de 2008).
 
 
Guiné-Bissau > Região de Tombali > Guileje > 20 de Janeiro de 2010 > Inauguração do Núcleo Museológico de Guiledje > Intervenção do Embaixador da União Europeia na Guiné-Bissau, Franco Nulli.
 
 



Guiné-Bissau > Região de Tombali > Guileje > 20 de Janeiro de 2010 > Inauguração do Núcleo Museológico de Guiledje > Isabel Miranda, a poresidente da AD - Acção para o Desenvolvimento, promotora da iniciativa.  Um pequeno excerto do seu discurso, já aqui transcrito, em poste anterior (***):

" (...) O Museu 'Memória de Guiledje' é, antes de tudo, uma homenagem à geração de Cabral, a todos os que com o seu exemplo escreveram uma das mais belas páginas da nossa História. Mas é também um lugar de confluência de rios anteriormente desencontrados que hoje procuram um caminho comum.

"Encontro com os militares portugueses, aqueles que, embora em campo oposto, aprendemos a respeitar pela sua coragem e capacidade militar numa luta de longa duração e que, afinal, partilham os mesmos sentimentos de amor pela Guiné-Bissau e pelo seu povo, pela sua humildade, dignidade, valentia e determinação, os quais sempre souberam distinguir o povo português do regime colonial que a ambos oprimia" (...)



 
 
Guiné-Bissau > Região de Tombali > Guileje > 20 de Janeiro de 2010 > Inauguração do Núcleo Museológico de Guiledje > Em primeiro plano, à direita, o régulo de Guiledje, Umaru Djaló; a seu lado, o Dr. Alfredo Caldeira, da Fundação Mário Soares, que deu apoio técnico ao projecto museológico.




Guiné-Bissau > Região de Tombali > Guileje > 20 de Janeiro de 2010 > Inauguração do Núcleo Museológico de Guiledje > Dois oficiais portugueses  que , presumo,  integram integram a Missão da União Europeia para Reforma do Sector de Defesa e Segurança da Guiné-Bissau.
 

Guiné-Bissau > Região de Tombali > Guileje > 20 de Janeiro de 2010 > Inauguração do Núcleo Museológico de Guiledje > A nossa representante na cerimónia, Júlia Neto, viúva do nosso camarada José Neto (1929-2007), em conversa com a combatente do PAIGC Francisca Pereira, sob o olhar do nosso amigo Pepito.

 
 
Guiné-Bissau > Região de Tombali > Guileje > 20 de Janeiro de 2010 > Inauguração do Núcleo Museológico de Guiledje > Aspecto da Tribuna de honra... O embaixador portuguê, António Ricoca Freire,  é o 5º  a contar da esquerda, estando ao lado do embaixador da UE.

 

Guiné-Bissau > Região de Tombali > Guileje > 20 de Janeiro de 2010 > Inauguração do Núcleo Museológico de Guiledje > A população local, em dia de ronco... Estima-se em 4 mil o número de pessoas que se deslocaram a Guileje, vindas de muitos lados, para assistirem a esta cerimónia.


Fotos: © Pepito / AD - Acção para o Desenvolvimento (2010). Direitos reservados (Lgendas: Pepito e Luís Graça)

____________

Notas de L.G.:

(*) Vd. último poste da série >   5 de Fevereiro de 2010 > Guiné 63/74 - P5770: Núcleo Museológico Memória de Guiledje (15): Um visita virtual (Parte II)
 

(...) "O Museu 'Memória de Guiledje' é, antes de tudo, uma homenagem à geração de Cabral, a todos os que com o seu exemplo escreveram uma das mais belas páginas da nossa História. Mas é também um lugar de confluência de rios anteriormente desencontrados que hoje procuram um caminho comum.

"Encontro com os militares portugueses, aqueles que, embora em campo oposto, aprendemos a respeitar pela sua coragem e capacidade militar numa luta de longa duração e que, afinal, partilham os mesmos sentimentos de amor pela Guiné-Bissau e pelo seu povo, pela sua humildade, dignidade, valentia e determinação, os quais sempre souberam distinguir o povo português do regime colonial que a ambos oprimia .

"Hoje, em liberdade, reencontramo-nos com emoção, com vontade de juntar memórias, recordações, encontros e desencontros, voltar a caminhar juntos num caminho de respeito e progresso.

"Saudamos a presença da Srª Julia Neto, esposa do capitão José Neto que tanto amou este canto e que tanto contribuiu para que o Museu 'Memória de Guiledje'  fosse um êxito. Poucos dias antes de falecer, deixou-nos o seu desejo mais profundo: 'hei-de voltar a Guiledje', disse. A sua esposa, Srª Julia Neto, está hoje entre nós para realizar esta sua última vontade. Através dela saudamos todos os militares portugueses das 12 companhias que passaram por Guiledje e que quiseram deixar um pouco das suas recordações (aerogramas, fotografias, filmes, contos e narrativas).

"Saudamos por fim os nossos irmãos internacionalistas cubanos que verteram o seu sangue e suor nesta Pátria de Combatentes valorosos e, na pessoa dos hoje aqui presentes, saudamos todo um povo que prossegue a sua gesta de solidariedade para com a GB nos domínios da saúde, educação e desenvolvimento do nosso país". (...)

quinta-feira, 18 de março de 2010

Guiné 63/74 – P6019: Actividade da CART 3494 do BART 3873 (3): Parte 3 (Sousa de Castro)

1. O nosso Camarada Sousa de Castro (*), que foi 1º Cabo Radiotelegrafista da CART 3494/BART 3873, Xime e Mansambo, 1971/74, enviou-nos a terceira parte da actividade desenvolvida pela sua Companhia, com data de 17 de Março de 2010, dando continuidade às mensagens publicadas nos postes P5965 e P5986:


ACTIVIDADE DA CART 3494
DO BART 3873 NO TEATRO DE O. P. GUINÉ (3)


DEZEMBRO1971/ABRIL 1974
Este texto foi elaborado a partir do livro:

BART 3873 “HISTÓRIA DA UNIDADE”
CART 3492 – CART 3493 – CART 3494
NA GUERRA CONSTRUINDO A PAZ
(autor desconhecido)

2º FASCÍCULO

MAIO 1972

12. SITUAÇÃO GERAL

- A actividade do IN não se incrementou. O próprio Aquartelamento do XIME não sofreu ataques ou flagelações o que indica retorno a uma relativa tranquilidade.

Sobre a população por nós controlada não se registou alteração, ou seja, persiste colaborante. Na dominada pelo P.A.I.G.C. ela continua a ser alvo de uma forte doutrinação e mentalização políticas em MINA e GALO-CORUBAL, porém é admissível a fragmentação da unidade população/Partido.

A intenção do inimigo crê-se que devem ser coincidentes com a do trimestre pretérito.

13. TERRENO

- As modificações continuam a ser as provenientes da capinagem, desmatação e queimadas para protecção das NT tanto ofensiva como defensivamente.


Note-se que os habitantes das tabancas procedem igualmente para benefício de si mesmos.


14. INIMIGO

a) Sub-Sector do XIME

- De harmonia com a correspondência retirada a MÁRIO MENDES (aniquilado pela CCAÇ12), o IN planeava nova acção na estrada XIME-BAMBADINCA, o que nos leva a concluir que no futuro acções deste teor venham a ser cometidas, pois que a suceder seria a segunda vez no espaço de 02 meses.

b) Conclusões

- Denotou-se um recrudescimento da actividade guerrilheira no tocante à colocação de minas, o prolongamento da sua actividade no Sub-Sector de BAMBADINCA e o aspecto saliente do pressionamento gorado do tráfego entre XIME-BAMBADINCA.

15. NOSSAS TROPAS

a) Acções e Operações mais importantes

- Para além dos patrulhamentos habituais, emboscadas nocturnas, seguranças descontínuas, picagens de itinerários etc., não houve neste mês nenhuma operação relevante em que a CART 3494 estivesse envolvida.

3º FASCÍCULO

JUNHO 1972

16. SITUAÇÂO GERAL

-A flagelação do XIME e o ataque de AMADALAI confirmam a vontade do IN obstar o tráfego da estrada XIME-BAMBADINCA.

Enquanto isso, a tentativa frustrada de golpe de mão ao Aquartelamento do XITOLE comprovam, porventura, maior agressividade da guerrilha.

De resto a situação manteve-se nos moldes constantes do período anterior.

17. TERRENO

- Assinala-se o início da estação das «chuvas» e a transformação da natureza como consequência adveniente.

18. INIMIGO

a) Sub-Sector do XIME

- A Auto-Defesa de AMEDALAI foi atacada durante 05 minutos sem resultados.

Em 26JUN72, pelas 20,30 horas o Quartel e a Tabanca do XIME, em repetição do que se disse na primeira alínea, foram uma vez mais flagelados e desta feita igualmente sem consequências para a população e nossas tropas.

Nota: No ponto atrás referido, tenho anotado num livrinho, que neste dia pelas 20,30 Horas, houve tentativa de golpe de mão junto ao arame farpado tendo a Artilharia reagido eficazmente, provocando ao IN 16 mortos e 04 feridos. Sem consequências para as nossas forças.


b) Conclusões

- O XIME não escapou à regularidade de figurar como objectivo número 1 do P.A.I.G.C. em todo sector L1 o que explica pela posição estratégica ocupada pelo citado Aquartelamento.

A ineficácia das iniciativas adversárias continua a ser praticamente norma.

A sede do BART 3873, decorridos já 05 meses, não teve qualquer ataque ou flagelação o que se percebe pelo cordão protector que a rodeia a dificultar, ou a impedir mesmo, a retirada da força atacante.

19. NOSSAS TROPAS

a) Acções e Operações mais importantes

- Acção «GARO3» com patrulhamento e emboscada por 03 GRCOMB da CART 3494 e apoio de Heli-Canhão. Desencadeou-se na área entre MADINA COLHIDO e GUDAGUÉ BEAFADA sem ter visto ou sentido o IN.

- Acção «GUARDEAR 1» a 03 GRCOMB da CART 3493, 02 GRCOMB da CART 3494, PEL’S MIL 241, 242, e 243, GEMIL’S 309 e 310, 04 GRCOMB da CCAÇ 12, PEL REC DAIMLER 3085, 01 PEL da CCS/BART 3873, PEL’S CAÇ NAT 52, 54 e 63 e PEL MIL 201, a fim de estabelecer a segurança afastada a BAMBADINCA, aquando da visita de SUA EXA O GOVERNADOR E COMANDANTE-CHEFE. Servia de apoio aéreo 01 Heli-Canhão.

Não houve contactos nem se observaram vestígios inimigos.

- Operação «ACHA CAMINHO» de 30 de Maio a 02 de Junho, a 03 GRCOMB da CCAÇ 12 e 02 GRCOMB da CART 3494 os quais realizaram patrulhamentos e emboscadas na região entre TAIBATÁ-CHICAMEL-GUNDAGUÉ FUTA-FULA e GUNDAGUÉ BEAFADA. O apoio aéreo esteve a cargo de 01 Heli-Canhão, não se registando consequências.

Uma emboscada empreendida pelo PEL CAÇ NAT 63 na estrada FINETE-MISSIRÁ provocou ao inimigo 01 morto, 01 ferido e 01 prisioneiro.

b) Conclusões

Sublinha-se a ausência de contactos com a guerrilha, bem como a sua inactividade no tocante às nossas colunas de reabastecimento, ao invés do que seria de esperar neste domínio da logística.

(continua)

Um abraço Amigo,
Sousa de Castro
1º Cabo Radiotelegrafista da CART 3494/BART 3873

Documentos: © Sousa de Castro (2009). Direitos reservados.
___________
Nota de M.R.:

Vd. último poste desta série em:

13 de Março de 2010 > Guiné 63/74 – P5986: Actividade da CART 3494 do BART 3873 (2): Parte 2 (Sousa de Castro)

Guiné 63/74 - P6018: Memórias e histórias minhas (José da Câmara) (15): Um erro de periquitos e o piar dos nossos camaradas

1. Mensagem de José Câmara (ex-Fur Mil da CCAÇ 3327 e Pel Caç Nat 56, Guiné, 1971/73), com data de 15 de Março de 2010:

Caro Carlos Vinhal,
Junto encontrarás mais um pedacinho das minhas memórias.
Apesar do dilúvio que se faz sentir lá fora, espero que chegue sequinho.

Um abraço amigo para ti e para os camaradas,
José Câmara


Memórias e histórias minhas (15)
Um erro de periquitos que nos valeu o piar dos nossos próprios camaradas
Nos primeiros dias que passámos na Mata dos Madeiros, o render das outras forças que faziam parte da segurança à estrada constituía, sempre, novidade. Porque aquelas forças eram velhinhas, e porque, entre elas, havia açorianos conhecidos e amigos de longa data de alguns dos militares da CCaç 3327.

O tempo de rendição não era muito, mas tudo servia para uma pequena cavaqueira e troca de impressões, e das últimas novidades das terrinhas que nos viram nascer. Para além disso, esse tempo também dava para observar, dentro do possível, o armamento que essas forças utilizavam, como o dispunham no seu xadrez e a forma como depois progrediam na mata.

A CCmds 26 contava nas suas fileiras com um alferes açoriano (esqueci o seu nome), natural de São Jorge; já o protagonismo da CCaç 2791 ia para o Fur Mil Chaves, natural de Santa Maria, e no DFE 13, o Jorge Sousa, natural de Santa Cruz das Flores, e hoje a morar em Stoughton, Massachuetts, EUA, era o preferido dos florenses. Nos Pára-quedistas não havia açorianos. Os tempos de Tavira também deixaram conhecidos entre os furriéis.

Para a minha curiosidade contribuía, como factor mais importante, o facto de muitas vezes ter ouvido, em Tavira e mesmo na Ilha Terceira e em Santa Margarida, que o que nos ensinavam tinha pouca praticabilidade no teatro da guerra. Nada melhor que a imagem para satisfazer a minha curiosidade, e ali era possível observá-la a diferentes níveis.

O 4.° GComb era comandado pelo Alf Mil Francisco João Magalhães (Brunhoso, Mogadouro).
1.ª Secção - Fur Mil Manuel Lopes Daniel (A-dos-Cunhados) - Met GM42 e Mort 60
2. ª Secção - Fur Mil José A. S. Câmara (Fazenda, Lajes, Flores) - Met HK21 e Dilagramas
3.ª Secção - Luís José Vargem Pinto (Norinha, Silves) - Lança-Granadas e Dilagramas


A força da CCaç 2791, uma unidade de infantaria, era a menos apetrechada em armamento, e a que melhor se podía comparar com a CCaç 3327. O seu armamento era o normal de uma companhia de infantaria, sendo a G3 a arma mais utilizada; o dilagrama e o instalazer davam cobertura à falta de lança-granadas. Já os Comandos primavam pelo uso de armamento apreendido aos turras (uso do palavreado de então e seria descabido usar outra linguagem neste escrito). Os Fuzileiros Especiais faziam das MG42 o seu armamento por excelência, e era evidente que se armavam para a luta curta ou de corpo a corpo, tal era a profusão de granadas de mão e punhais que carregavam. Os pára-quedistas, com as suas G3 de coronha rebatível, impressionavam pela forma como fardavam e pela disciplina, ao ponto de, ainda hoje, estar sem saber se eles se preparavam para a guerra ou para uma cerimónia em parada.

Das minhas observações o que mais me chamou a atenção, como sendo diferente do que aprendera na recruta e especialidade, foi a forma rápida e firme como todas aquelas forças penetravam e davam início à sua progressão na mata. Eram tropas experientes, calejadas pelo sofrimento de muitas emboscadas, assaltos, rebentamento de minas e mortes.

Com essas pequenas observações, fui-me preparando para a minha grande primeira saída, que teria lugar pelas 11 horas do Sábado de Aleluia, em 1971.

Apesar de todos os cuidados que foram tomados para essa saída, a dois grupos de combate, foi cometido um erro tremendo, um erro de periquitos que poderia ter tido consequências catastróficas.

Encarei os meus homens para os últimos conselhos. E tremi!

A 2.ª Secção do 4.° GComb. Da esquerda para direita, na frente: Cabo José Leonardes (Topo, S. Jorge), Cabo António F. Silva (Chão Frio, P. Almoxarife, Faia), Magno Silva (Guadalupe, Graciosa), José F. Serpa (Ponte, Fajã Grande, Flores), Emanuel A. Cardoso da Silva (Castelo Branco, Faial). Pela mesma ordem, em pé: José Ramiro Serpa (Costa, Lajedo, Flores), João Lourenço A. Ventura (Fajãnzinha, Flores), José A. S. Câmara , Cmdt de Secção (Fazenda, Lajes, Flores), António Silvestre Júnior (Urzelina, S. Jorge), José Cristiano Arruda Massa (Arrifes, S. Miguel)

Sim, pela primeira vez tremi com medo. Não da guerra, mas da morte possível. Não da minha, mas de um daqueles moços tão meninos quanto eu. Foi por esse medo horroroso de poder vir a perder um soldado para a morte, que comecei a tomar a consciência que o possível sucesso dos meus homens, a sobrevivência, seria tanto maior quanto maior fosse o grau de disciplina baseada no respeito, na lealdade, na camaradagem e na amizade entre todos nós. O reconhecimento colectivo dos poderes de cada um desses predicados não era mais que o perfeito reconhecimento consciente entre comandos e comandados. Essa foi a minha mensagem.

Na minha Secção sempre houve esse reconhecimento, razão pela qual, ainda hoje, sinto um respeito enorme por aqueles meninos que tive o previlégio de comandar.

José Câmara em patrulha na Mata dos Madeiros. Também se reconhece o Cabo José Leonardes.

Demos início à nossa saída. Rapidamente entrámos na mata em direcção à antiga estrada Teixeira Pinto-Cacheu. Ao longo daquela estrada, procurámos por vestígios de infiltração IN de ou para a Mata do Balenguerez.

A meio da tarde demos algum descanso às pernas, confortámos o estômago com a ração de combate, a terceira em cinco dias, e aguardámos pelo fim da tarde, altura em que reiniciámos o nosso patrulhamento, ao mesmo tempo que procurávamos um lugar apropriado, junto da estrada velha, para embuscar durante a noite.

Cada Secção era responsável por manter dois sentinelas em alerta constante. Por princípio e consciência integrei-me na rotação, muito contra a vontade dos soldados da minha Secção que disseram não ser necessário.

Com o raiar dos primeiros alvores da manhã levantámos a emboscada e demos início ao patrulhamento matinal, ao mesmo tempo que nos aproximávamos do acampamento, onde deveríamos entrar cerca das 08:00 Horas.

De tanto andar sem encontrarmos o acampamento, apercebemo-nos que estavamos perdidos. A mata densa e difícil não deixava perceber onde estávamos. Tínhamos a consciência que tínhamos passsado à cabeça da estrada, e inflitrado a zona de acção da outra força de intervenção. Para além disso, também nos apercebemos que tínhamos cometido outro erro grave, um erro de periquito: a bússola e o mapa com os pontos de apoio e reconhecimento tinham ficado no acampamento. Este foi alertado via rádio.

Retrocedemos em direcção à antiga estrada, pedindo ao Sagrado Coração de Maria que não déssemos de caras com a outra força de intervenção. As consequências poderiam ser desastrosas.

José Câmara numa das suas visitas habituais, fosse à partida ou à chegada da mata. Este pequeno recanto da Mata dos Madeiros era, em boa verdade, o único lugar que transpirava paz.

De novo na estrada velha, obliquámos à direita e entrámos no acampamento cerca de quatro horas mais tarde que o previsto. A nossa entrada foi saudada com um grande insulto: o piar dos outros dois grupos de combate que aguardavama nossa chegada para sairem. E tinham todo o direito. Já podiam considerar-se velhinhos, a avaliar por esta ser a sua segunda saída...

A 13 de Abril de 1971 escrevi à minha madrinha de guerra. Fiz uma pequena referência sobre este assunto:

... A Vida é durinha por aqui; pelo menos para mim, que já não estava habituado a trabalhos forçados. Saio de dois em dois dias para o mato.

No Sábado de Aleluia saí às 11 horas e regressei no Domingo de Páscoa.

Andámos quatro horas perdidos; foi o nosso FOLAR DE PÁSCOA. Mas tudo acabou em bem.

O resto do dia foi bom. Tivemos “jantarada especial"...


Foi um folar de Páscoa diferente. Para não esquecer. Mas houve mais.

O nosso Domingo de Páscoa de 1971 acabaria com uma cerimónia de casamento em plena Mata dos Madeiros.

José Câmara
__________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 12 de Março de 2010 > Guiné 63/74 - P5979: Memórias e histórias minhas (José da Câmara) (14): O acampamento na Mata dos Madeiros: um buraco no meio do nada