sábado, 11 de fevereiro de 2012

Guiné 63/74 - P9473: Situação Militar no TO da Guiné no ano de 1974: Relatório da 2ª REP/QG/CTIG: Transcrição, adaptação e digitalização de Luís Gonçalves Vaz (Parte VII): pp. 25/36

p. 25


p. 26

p. 27

p. 28

p. 29




p. 30




p. 31

p. 32

p. 33


p. 34

p. 35



p. 36

Reprodução das páginas 25 a 36 do relatório da 2ª rep/CC/FAG, publicado em  28 de fevereiro de 1975, e na altura classificado como "Secreto".

Digitalização do documento: Luís Gonçalves Vaz (2012) / Edição das imagens: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné (2012)


1. Continuação da publicação do relatório da 2ª Rep/CTIG, sobre a situação político-militar em 1974, documento esse que está a ser amavelmente digitalizado pelo Luís Gonçalves Vaz, membro da nossa Tabanca Grande [, foto à direita ], a partir de um exemplar, original,  pertencente ao arquivo pessoal de seu pai, cor cav CEM Henrique Gonçalves Vaz, último Chefe do Estado-Maior do CTIG (1973/74), entretanto falecido em 2001.


A publicação integral foi-nos sugerida pelo nosso colaborador, camarada e amigo José Manuel Dinis, de modo a poder dar a todos os nossos leitores, e em especial aos camaradas que estavam no TO da Guiné nesta época, a oportunidade de confrontarem o seu conhecimento empírico da situação com a descrição e a análise que é feita pela 2ª Rep do Comando-Chefe/FAG.

Esta iniciativa tem tido, em geral, boa aceitação por parte dos nossos leitores que se interessam pelo período terminal da guerra no TO da Guiné, quer lá tenham estado ou não nessa altura. Não implica, naturalmente por parte dos editores de blogue, qualquer tomada de posição a favor ou contra o conteúdo, o rigor, a importância, ou o interesse - do ponto de vista historiográfico - deste documento. 

Recorde-se que o relatório, datado de 28 de Fevereiro de 1975, é assinado pelo chefe da 2ª Rep do CC/FAG [, Comando Chefe das Forças Armadas da Guiné, comando unificado criado em 17 de Agosto de 1974], o maj inf Tito José Barroso Capela (de quem diz o Luís Vaz ser ainda hoje vivo, com o posto de major general reformado).


Dá-se início hoje à publicação da segunda  parte do relatório (que tem 74 páginas), relativa ao ponto B (Período de 25Abr74 até 15Out74), das pp. 26 a 36.

Índice do relatório


A. Período até 25Abr74
1. Situação em 25Abr74

a. Generalidades (pp.1/2)

b. Situação política externa:
(1) PAIGC e organizações internacionais (pp. 2/5)
(2) Países limítrofes (pp. 5/8)
(3) O reconhecimento internacional do “Estado da G/B em 25Abr74 (pp.8/9).


c. Situação interna:
1. Situação militar.
(a) Actividade do PAIGC (pp. 10/12)
(b) Síntese da atividade do PAIGC e suas consequências (pp.13/15)
(c) Análise da actividade de guerrilha (pp. 16/18)
(d) Dispositivo geral do PAIGC e objetivos (pp. 18/19)
(e) Potencial de combate do PAIG (pp.19/20)
(f) Possibilidades do PAIGC e evolução provável da situação (p. 21)


2. Situação político-administrativa (pp. 22/24).


B. Período de 25Abr74 a 15Out74

2. Evolução da situação após 25Abr74


a. Generalidades (pp. 25/26)
b. Situação política externa (pp. 26/28)
(1) PAIGC (pp. 29/32)
(2) Organizações internacionais (pp. 32/34)
(3) Países africanos (pp. 34/35)
(4) Outros países (pp. 35/36)

[Continua]
_________________
 
Nota do editor:
 
(*) Últimos postes da série:

6 de fevereiro de 2012 > Guiné 63/74 – P9…: Situação Militar no TO da Guiné no ano de 1974: Relatório da 2ª REP/QG/CTIG: Transcrição, adaptação e digitalização de Luís Gonçalves Vaz (Parte VI): pp. 22/25

4 de fevereiro de 2012 > Guiné 63/74 - P9443: Situação Militar no TO da Guiné no ano de 1974: Relatório da 2ª REP/QG/CTIG: Transcrição, adaptação e digitalização de Luís Gonçalves Vaz (Parte V): pp. 10/21

31 de Janeiro de 2012 > Guiné 63/74 - P9424: Situação Militar no TO da Guiné no ano de 1974: Relatório da 2ª REP/QG/CTIG: Transcrição, adaptação e digitalização de Luís Gonçalves Vaz (Parte IV): pp. 1/9

Guiné 63/74 - P9472: Humor de caserna (24): Um tiro no cu (Joaquim Mexia Alves)

1. Mensagem do nosso camarada Joaquim Mexia Alves*, ex-Alf Mil Op Esp/Ranger da CART 3492/BART 3873, (Xitole/Ponte dos Fulas); Pel Caç Nat 52, (Ponte Rio Udunduma, Mato Cão) e CCAÇ 15 (Mansoa), 1971/73, com data de 10 de Fevereiro de 2012:

Meus caros camarigos
Já há muito que nada envio para a Tabanca Grande, por isso aqui vai uma história humorística, que me contaram na Guiné.

Como sempre fica à vossa disposição para a publicarem ou não.

Um abraço camarigo do
Joaquim Mexia Alves


UM TIRO NO CU!

Contava-se pela Mansoa do meu tempo, a história de que numa emboscada a uma Companhia de açorianos, (julgo que esteve uma no Polibaque), um dos militares levou um tiro no “traseiro”.

O homem do rádio, ao pedir a evacuação dizia com todas as letras do seu vocabulário, que o seu camarada tinha levado um tiro no cu!

Só que, com a pronúncia açoriana, o sujeito do outro lado não havia maneira de perceber em que sítio o militar tinha sido ferido, até que o açoriano, já cansado e chateado respondeu aos gritos:

- No charlie uniforme, porra, no charlie uniforme!!!

Se é verdade ou não, não sei que não estava lá para testemunhar, mas relato-a aqui como me contaram esta história então!

Monte Real, 10 de Fevereiro de 2012
____________

Notas de CV:

(*) Vd. poste de 28 de Dezembro de 2011 > Guiné 63/74 - P9280: (Ex)citações (168): A Tabanca Grande, onde todos se reunem à volta da fogueira das memórias (Joaquim Mexia Alves)

Vd. último poste da série de 26 de Outubro de 2011 > Guiné 63/74 - P8951: Humor de caserna (23): Uma insubordinação do c... ou uma viagem pelo polissémico país do c...!!!

Guiné 63/74 - P9471: Blogoterapia (198): À Tabanca Grande, em primeiro lugar e a todos os que se lembraram de mim e também aos outros que todos os dias se abraçam no blogue (José Brás)

1. Mensagem do nosso camarada José Brás (ex-Fur Mil, CCAÇ 1622, Aldeia Formosa e Mejo, 1966/68) que ontem festejou o seu aniversário natalício:


...à Tabanca Grande, em primeiro lugar e a todos os que se lembraram de mim e também aos outros que todos os dias se abraçam no blogue.

Bem, camaradas, como muitas vezes dizemos, não tenho palavras.
E quando isto se diz, o dito mascara apenas um desejo grande de dizer numa só palavra, a emoção toda que nos enche em momentos como este.

Infelizmente, apesar da riqueza do português, construído por séculos de paixões, cruzamentos de povos em terras e nos mares, temperado por especiarias e frutos quentes de Áfricas e de Brasis, infelizmente, digo, não tem palavra que apenas em si consiga fazer o retrato do sentimento que me alegra a noite.

Sem tal palavra, partilho convosco um poema que postei no meu mural do Facebook esta manhã, e as reacções que sobre ele, amigas, me quiseram dar como abraço.

Talvez que nada tenha a ver com a nossa Tabanca mas o abraço cabe sempre entre nós, sobretudo porque "quem dá o que tem..." e isto tenho e vos dou como a minha alegria de hoje.

Obrigado a todos
Abraços
José Brás

PS
Entre o que diz o Luís, há uma coisa em que não concordo "vinho, mulheres e tabaco, põem um homem fraco". Vinho, vá que não vá, se for demais; tabaco, sim, de caras; mulheres? Não poderia a melhor criatura de Deus na Terra, causar a homem, senão, coragem e força.


O RIO E O MAR

...e grito por dentro da saudade
um rio que extravasa a minha foz
na verdade morrendo de teu mar

...e grito saciado em teu corpo
se inteira te tenho em meu sonho
no esplendor maior do verbo amar

...e grito a voz rouca do desejo
de almejar só o que não vejo
nem alcançar sequer a tua flor

...e grito da sede que me dás
e da sede que sei que não te dou
em ti nem noite sou nem alvor

...e veste-me com teu corpo de ternura
desnuda no por dentro dos meus rios
mergulha no sal deste mar bravo
e manso restarei sentindo-te no toque
a pele e os frutos que me adentram
pelos olhos e mãos e alma pura
faz-me teu...
...e cala-me!


Jose Manuel Moreira Cancela, Ana Mascarenhas, Rita Ferreira Leite e 8 outras pessoas gostam disto.

Déborah Pereira Lindo!!! bjs
Lininha Cbo maravilha

Mary Burnay Bello ?...um rio q extravasa a minha foz...bom dia mon ami :-)

José Brás Obrigado, Mary, Lininha, Déborah...e digo-o a esta hora porque hoje vou comemorar o meu aniversário numa festa de rechina (a quem adivinhar o que é, dou prémio). Não digo quantos são porque são dois algarismos que, juntos, representam uma malandrice. Por acaso até gosto muito de malandrices (lol)

Déborah Pereira rsrs...Faça com todo o prazer o que verdadeiramente gostas. Vejo que faz aniversário um dia após o meu...Seja feliz e com toda a tua sensibilidade a flor da pele! Tenha um belo dia!! bjs

Mary Burnay Bello Ah ah parabens e goza o 2 digitos :-)

José Brás Mas ninguém sabe o que é rechina

Mary Burnay Bello Sopas de pao e gomos d laranja. Venha o premio :-)

José Brás ?...e a parte do porco da matança, onde está? mas pronto, é uma resposta acima do 10. tem prémio. Caracóis?

José Brás Déborah. Provavelmente você não vai gostar de ouvir. O mesmo que serrabulho. No campo, nesta altura, as famílias matam o seu porco. Para almoço é frita a carne das miudezas num caldo com sangue do animal e depois migam-se pequenas e finas fatias de pão caseiro para o fundo do prato e deita-se a carne com o caldo.

Déborah Pereira nossa José, realmente não é um prato a meu gosto muito agradável...Mas deve se ter gosto por aí, enfim...Um bom proveito! Por favor, para este tipo de prato não me convide, até porque não gosto de carne de porco...rsrsr bjs

Mary Burnay Bello Yessss :-)

Irene Rijo Lindo, Zé! Beijos

Delmira Fernandes ?

Julia Brito maravilhaaaaaaaaaa

Tera Sá Saudades dessa escrita que adentra os sentidos

Ana Galego so podia sair de ti, amigo. Maravilhoso. bj

José Brás Então, Déborah, aí a Casa da Feijoada não é consigo, nem uma boa cabidela de galinha que aí tem outro nome. Talvez uma boa muqueca ou um camarão na muranga. Por mim, teho boa boca e bato qualquer um, você é que escolhe

José Brás Julinha, obrigado e bom tempo aí em Angra. beijo

José Brás Saudades dessas noites de despique Norte/Sul, Tera, mesmo com esta geografia todo pelo meio. Beijo.

José Brás Irene. Sei que gostas de porco, salvo seja. Não sei se aguentarias um bom serrabulho. um beijo, sim, imagino

José Brás Mary... Yessss :-), caracóis, coirates na melhor tasca de Vila Franca, cabidela, pezinhos de coentrada, lampreia, coisas todas deste povo maluco, cruzado por tantos povos, bárbaros e cultos, tantas paixões e um paladar que sintetiza isso tudo, que faz caretas em gentes de fora e tanta luxúria nos inspira

Déborah Pereira Bem a muqueca é a especialidade....Muito proveitoso e com bastante camarão...Muito mais sofisticado! ;-) bjs

José Brás vamo nisso? um dia destes, ou uma spoa Leão Veloso na rua do Ouvidor

Déborah Pereira rsrs....;-))

José Brás Conheces a Sopa Leão Veloso, Deborah?

Déborah Pereira Olha, já ouvi falar...não sei se lembro o que se tem dentro...
José Brás É a melhor sopa de peixe que comi em toda a minha vida. e tenho uma vida que já comeu muita sopa de peixe

Déborah Pereira ah...claro que conheço é que chamamos aqui no Rio de Caldo de peixe...Talvez 'Caldeirada'....são apenas nomenclaturas diferentes...é uma delícia, realmente.

José Brás caldeiradas, ensopados, bouillabaise...

Déborah Pereira sim...diversos nomes....O que fica é a essência de cada prato que é o precioso do paladar..

José Brás Na Cabaça Grande, na Rua do Ouvidor, era uma maravilha

Déborah Pereira Mas hoje tem em regiões praianas onde moro, com um toque muito mais especial...Na rua do Ouvidor, hoje já não há mais estas especialidades...POis tornou-se muito comercial o local e hoje encontra-se mais os pratos básicos... já mt coisa mudou por aqui...as regiões praianas onde moro, principalmente, são glamurosas e ficaram com um requinte que não deixa a desejar o que no passado foi...
____________

Notas de CV:

(*) Vd. poste de 10 de Fevereiro de 2012 > Guiné 63/74 - P9467: Parabéns a você (380): José Brás, ex-Fur Mil TRMS da CCAÇ 1622 (Guiné, 1966/68)

Vd. último poste da série de 21 de Janeiro de 2012 > Guiné 63/74 - P9382: Blogoterapia (197): Recordações da CCS/BCAÇ 1911 (Mafalda e Armando Ramos)

Guiné 63/74 - P9470: Blogues da nossa blogosfera (49): CCAÇ 4641 (Mansoa e Ilondé, 1973/74) do nosso camarada José Fialho, ex-1.º Cabo Radiotelegrafista da CCAÇ 4641/72







1. É o blogue da CCAÇ 4641 (Mansoa e Ilondé, 1973/74), criado e editado pelo 1º cabo radiotelegrafista  José Fialho, um alentejano dos quatros costados que vive em Portimão. Como ele diz o seu perfil, no Blogger, "sou daqueles, que enquanto não me entalar, vou colocando por estes espaços sem teias nem peias aquilo que sou". O blogue foi criado em 2007, tem cerca de 3 dezenas de postes...

Desta companhia só temos um representante na nossa Tabanca Grande: o Vitor Caseiro, recém-chegado.  Mas eles ainda apanharam lá, em Mansoa, o nosso camarigo Joaquim Mexia Alves, ex-Alf Mil Op Esp, CCAÇ 15... Do dia 6 de março de 2010,  há um poste em, que se conta uma história que mete ao barulho o nosso Mexia Alves. Vale a pena reproduzi-la aqui, com a devida vénia:


1. Mexia Alves, por José Fialho > Sábado, 6 de Março de 2010

Mexia Alves... Hoje ao vaguear pela grande estrada da informação, na tentativa de ouvir uns faduchos, dei de caras com este vídeo que me trouxe de imediato à memória a nossa passagem por Mansoa, Guiné.

Mexia Alves, pelas mais variadas razões, era do tipo de indivíduo que não passava despercebido. Um belo dia, do alto do seu elevado porte, patente (alferes) e vozeirão…tentou identificar um grupo que fora de horas cantava alentejano, perguntando quem era o mais graduado.

Como pensávamos que fosse para apanharmos uma porrada, éramos todos soldados rasos…como é óbvio, não conseguiu identificar ninguém. Fazendo parte do tal grupo, passados uns dias dou de caras com o Alferes Mexias e, como não gosto de trazer coisas mal resolvidas, pergunto:
- Alferes, afinal o que queria do grupo??? - Responde ele:
- O nosso Alferes [ou tenente]  médico faz anos e gostava que vocês fossem à festa para animarmos aquilo…- Resposta pronta:
 - Fazem parte do grupo, eu (o Fialho) , o Raposo, e... [outros que agora já não me recordo].

Combinámos, no dia marcado lá estávamos e o resto é fácil de adivinhar: muita comida, bebida às carradas até que o nosso amigo Raposo já estava cheio até aos olhos e necessitava de mijar. A cantina onde tudo se passou, era a cantina que ficava em frente do escritório da nossa Companhia. Como habitual, existiam valas para o caso de ataque nos protegermos, essas valas eram circundadas por garrafas de cerveja com o gargalo enterrado.

Conto este pormenor para se perceber o que quero contar a seguir. O Raposo estava tão bêbado que, não conseguindo passar a vala, sentou-se e começou a mijar sentado, mas a magana era tal que caiu para o lado e bateu com a cabeça de lado numa das garrafas que por azar estava partido.

Como é obvio, uma ferida enorme, os médicos e enfermeiros em plena festa - bêbados??? Hummm …não acredito -, tinham de tratar do desgraçado. Resumindo, o Raposo foi cozido, ficou com uma cicatriz tipo, bola de futebol das antigas, ao Fialho calhou-lhe segurar na caixa das compressas e, passado o susto tudo ficou bem, apesar do Raposo dar pinotes ao ser cozido a frio.

A haver culpados… só podiam ser um, o Mexia Alves, porque se não nos desassossega o nosso amigo Raposo, já falecido, não tinha mijado sentado e tão pouco tinha caído para o lado. Mexia Alves, obrigado por nos teres desassossegado, porque sem ti não tinha esta história para contar 36 anos depois. Se passares por aqui e te recordares de alguma coisa, deixa aqui o teu testemunho.


2. Segue-se um comentário, àquele poste,  do J. Mexia Alves, com data de 9 de março de 2010:

Meu caro Fialho:  Obrigado por esta tua mensagem. Confesso que tenho uma vaga ideia desta história mas que não sei se foi provocada pela leitura ou por realmente me lembrar. Não tenho dúvidas que seria uma atitude minha! Disso não tenho dúvidas! O médico não era um individuo "gordo", que era julgo eu de Guimarães, talvez Ferreira, e tinha uma pequena Honda? Se era esse, era realmente um indivíduo excepcional com quem eu me dava muito bem. Lembro-me por exemplo que o Alferes Mendes que estava comigo na CCaç 15, tocava clarinete. Essa cantina seria a da CCaç 15?

Confesso que o meu período de Mansoa é aquele que mais dificuldade tenho de recordar, muito provavelmente porque, estando em fim de comissão, a minha cabeça já estava "aos caídos", depois de uma temporada de quase 9 meses no destacamento de Mato Cão.

Quando vires que há o almoço do blogue do Luís Graça e, se puderes, inscreve-te, (sou eu que organizo), e assim podemos lembrar-nos de todo esse período.Virei visitar o teu blogue de quando em vez.Abraço amigo do Joaquim Mexia Alves.

3. Comentário do José Fialho > 9 de Março de 2010 09:23

Caro Mexia Alves, nada melhor que um Domingo à tarde meio chuvoso para recordar as nossas peripécias em Mansoa. Escreveste tu que: “Confesso que tenho uma vaga ideia desta história mas que não sei se foi provocada pela leitura ou por realmente me lembrar.” E eu,  se escrevi o que escrevi, foi porque um belo dia a deambular pelo meu Alentejo profundo na descoberta de azeite, azeite daquele de lagar, fiz tudo bem feito menos ter levado vasilhame apropriado para transportar o azeite, isto antes da existência da ASAE, agora em vez de azeite tens óleo de beterraba, por aí… mas voltando ao azeite, indicaram-me uma lojeca ao cimo da rua, isto em Beringel, onde vendiam os garrafões que necessitava.

Entro na loja, meio despassarado como sempre e… e de imediatos caí nos braços do nosso amigo Raposo, o tal da bebedeira medonha que,  mesmo a mijar sentado,  caiu para o lado e deu origem à historia contada [acima]. Ele fez o favor de me contar o que se lembrava e eu fui-lhe recordando,  já que ele, bêbado como é obvio, não se lembrava do pormenor. Dai, a história ter alguma veracidade…

A cantina não sei se era a da CCaç 15, era uma cantina que ficava entre duas casernas e em frente aos escritórios da CCaç 4641, a minha companhia. O nome Mendes como a mota Honda diz-me alguma coisa, mas também não sei se o Médico era este. Sabes que mais??? Ser velho é uma merda, eheheheh. Mexia, um grande abraço e vai escrevendo alguma coisa. Ao Raposo, onde quer que esteja,  um GRANDE bem HAJA.

4. O Zé Fialho (que  ainda não é nosso tabanqueiro, mas fica desde já convidado), está a seguir, além do nosso blogue,  um outro blogue da CCAÇ 4641, editado pelos camaradas J. Magalhães, L. Almeida e  A. Fernandes, a quem saudamos.

É um blogue sobretudo para arquivo e divulgação de fotos. Tomamos a liberdade de reproduzir duas,  de Infandre:


________________

Nota do editor:

Último poste da série > 20 de dezembro de 2011 > Guiné 63/74 - P9242: Blogues da nossa blogosfera (48): O sítio do Ministério da Defesa Nacional: Encerramento, pela ADFA, da evocação dos 50 anos do início da guerra colonial...

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Guiné 63/74 - P9470: Notas de leitura (332): Quatro obras de autores africanos com interesse para a história recente de Cabo Verde e da Guiné-Bissau (Nelson Herbert)

1. Mensagem do nosso tertuliano Nelson Herbert*, jornalista na Voz da América, enviada ao nosso Blogue no dia 7 de Fevereiro de 2012:

Caros bloguistas
Mudando de tema, deixo aqui algumas sugestões de leitura... uma vez que muito se tem referenciado as quase inexistentes publicações e obras da autoria de nacionalistas africanos e claro retratando essa fase histórica... a guerra colonial, do ultramar, de independência ou de libertação!

E cá ficam algumas sugestões... umas recentes, acabadinhas de se darem à estampa, outras (outra !) nem tanto, mas pela sua temática, interessa!



1 - "Testemunho" de Filinto Barros. Nacionalista guineense, que actuou na clandestinidade, deixa nesse seu "Testemunho" a sua percepção e reflexão sobre alguns dos acontecimentos... entenda-se conflitos e guerras intestinas no interior do PAIGC e que acabariam por marcar de forma sangrenta o período da pós independência da Guiné.

Polémica e controversa a obra (publicação póstuma... já que o autor faleceu em finais do ano passado e o livro foi lançado em Dezembro de 2011) de um pouco mais de 100 páginas retrata a leitura que Barros fez das intrigas palacianas que marcaram o pré e o pós golpe de 14 de Novembro, grande parte delas, diga-se, trazida de arrasto pelo PAIGC da guerrilha travada nas matas da Guiné.

Do pós 14 de Novembro, o golpe de destitui Luís Cabral do poder, a guerra civil de 1998/99, passando pelo polémico II congresso do PAIGC de 1992 aos fuzilamentos dos oficiais balantas alegadamente envolvidos na 'intentona" de Outubro de 1994, em o "Testemunho", fazendo jus ao titulo, Filinto Barros, tido como próximo do ex-presidente Nino Vieira, ensaia por outro lado, de acordo com os críticos da obra, um gesto que o “iliba” de alegadas responsabilidades directas em alguns dos acontecimentos que marcaram a história recente da Guiné.

Cite-se a titulo de exemplo o caso 17 de Outubro, a do fuzilamento do membros do oficialato balanta das Forças Armadas, em que na qualidade de membro de conselho de estado, fora na altura chamado a pronunciar-se sobre o “perdão” da pena de morte aplicada a um grupo de ex-guerrilheiros e dirigentes nacionais, então desavindos com Nino Vieira.

O livro, diga-se entretanto em abono da verdade pode ter o dom de atiçar a reacção dos demais históricos do PAIGC (entenda-se sobreviventes), já que alguns dos referenciados pelas ásperas criticas do autor, tal como Barros deixaram de fazer parte de há muito do mundo dos vivos !


2 - “Um Demorado Olhar Sobre Cabo Verde“ de Jorge Querido. Nesta obra, este engenheiro de formação, um ex-antigo funcionário colonial, nacionalista cabo-verdiano, por sinal o responsável máximo das estruturas clandestinas do então PAIGC nas ilhas de Cabo Verde, explica as relações entre Amílcar Cabral e os seus lugares-tenentes, o recrutamento dos combatentes cabo-verdianos e as crispações nas selvas guineenses.

Na obra, escreve Jorge Querido que não se vislumbrava “como poderia o cabo-verdiano envolver-se na luta de libertação, integrado numa organização nacionalista africana, sem que antes tivesse tomado consciência de que a sua "cabo-verdianidade" continha uma fundamental dimensão africana, que os colonialistas, apesar da política de assimilação adoptada, não conseguiram destruir.”

Tem-se como inquestionável, que o despertar de qualquer povo submetido a longa dominação estrangeira é, antes de mais, cultural. Em Cabo Verde, no entanto, os principais movimentos de cariz popular que marcaram a primeira metade do século XX, começando pelos “Claridosos” apontavam, quase todos, na direcção da Europa - escreve ainda Jorge Querido.

No seu “Um Demorado Olhar Sobre Cabo Verde“ Jorge Querido disserta igualmente sobre as razões que terão levado Cabral a associar duas populações na mesma luta, o autor avança várias explicações: teria pesado o facto de Cabral ser filho de cabo-verdianos nascido na Guiné? Teria sido influenciado pelo facto de só em Cabo Verde, pelo nível de escolarização da população, ser possível encontrar o número mínimo de quadros necessário? Ou teria admitido que Cabo Verde, por ser um pequeno arquipélago com pouca população só poderia ascender à independência se fosse "arrastado" por outra colónia como a Guiné?

Em “Um Demorado Olhar Sobre Cabo Verde”, o autor aborda igualmente a polémica questão da luta armada naquelas ilhas atlânticas, tal como chegou a ser preconizada pelo PAIGC.

“Um Demorado Olhar Sobre Cabo Verde“ de Jorge Querido, pelo papel desempenhado pelo autor na implantação no PAIGC naquele arquipélago atlântico, diríamos nós um testemunho de leitura obrigatória e ao entendimento e contextualização do próprio pensamento estratégico de Amílcar Cabral... o de “união” de dois povos numa luta travada nas matas da Guiné.


3 - "Aristides Pereira, Minha vida, nossa história", do jornalista cabo-verdiano José Vicente Lopes aborda a vida do primeiro Presidente da República e ex-companheiro de Amílcar Cabral na luta pela independência de Cabo Verde e Guiné-Bissau.

O livro-entrevista, que narra a história de Aristides Pereira desde o seu nascimento na ilha da Boavista, em 1923, até à sua morte, em Setembro de 2011, em Portugal, recentemente lançado na cidade da Praia, por algumas das revelações contidas e atendendo o facto de alguns dos visados, serem “camaradas do partido” ainda vivos, tem estado a suscitar um certo desconforto nas hostes paicevistas (e ex-paigecistas) em Cabo Verde.

O livro, de 496 páginas, traz detalhes dos anos passados por Aristides Pereira na Guiné-Bissau e em Conakry, até chegar à luta armada, onde conviveu com Amílcar Cabral, a morte do líder, a negociação para a independência de Cabo Verde e os 15 anos que esteve à frente dos destinos do arquipélago.


4 - “La Verite du Ministre –Dix Ans Dans Les Geoles de Sekou Toure” do conacri-guineense Alpha-Abdoulaye Diallo, não sendo de todo um livro recente (original em francês - desconhece-se tradução para uma outra língua), não deixa entretanto de se impor como uma das incontornáveis obras para o entendimento de aspectos fulcrais da história da Guiné-Bissau, nomeadamente a Operação Mar Verde, a da invasão militar portuguesa à Guiné-Conacry e sua repercussão na tirania que viria a marcar o regime de Sekou Touré, assim como o assassinato de Amílcar Cabral, a 20 de Janeiro de 1973, em Conacri.

Num rápido olhar sobre a biografia deste autor e antigo governante guineense, destaca-se o facto de Alpha Abdoulaye Diallo ter dedicado toda a sua carreira politica ao estado guineense e ao regime de Sekou Touré, onde exerceu varias funções, nomeadamente a de secretario de estado dos negócios estrangeiros, chefe da delegação da Guiné e nas Nações Unidas, passando pela pasta de secretário de estado da Juventude, desportos e da cultura popular, na qualidade da qual seria detido em 1971, no rescaldo da operação Mar Verde, a da agressão militar portuguesa a Guine Conacry a 22 de Novembro de 1970. Diga-se, acontecimento que para o autor acabaria por contribuir, ante o clima de desconfiança e de intriguismo politico que se implantou em Conacri para a tirania do regime de Sekou Touré.

Treze ministros fuzilados e outros tantos condenados a “morte lenta” nas tenebrosas celas de Camp Boiro, o “gulag” do regime de Sekou Touré.
Sobre este campo de horrores e de morte lenta realce-se o facto dos então guinéus “capturados” na sequência da Operação Mar Verde, terem passado por ele, antes da morte por fuzilamento !!!

"La Verite du Ministre - Dix Ans Dans Les Geoles de Sekou Toure” não deixa de se constituir no primeiro testemunho em livro, legado por uma das vitimas desse ignóbil período da história da Guiné-Conacri.

(fontes: obras em epigrafe, A semana.cv, Expresso das ilhas.cv, PNN)

PS: As fotos das capas dos livros em questão, estão “attached” ao email enviado ao editor do blogue”.
Deixo entretanto a tarefa da recensão critica a tais obras ao "kota" Mário Beja Santos.

Mantenhas
____________

Notas de CV:

(*) Vd. poste de 26 de Janeiro de 2012 > Guiné 63/74 – P9401: Memória dos lugares (171): A minha Bissau, nas vésperas do 25 de Abril de 1974 (Nelson Herbert)

Vd. último poste da série de 10 de Fevereiro de 2012 > Guiné 63/74 - P9468: Notas de leitura (331): O Boletim Geral do Ultramar (2) (Mário Beja Santos)

Guiné 63/74 - P9469: O Mundo é Pequeno e a nossa Tabanca... é Grande (51): Dois amigos, Paulo Santiago, aguedense, e Vasco Pires, anadiense​, reencontra​m-se, no blogue, ao fim de 50 anos!

1. Comentário, de 9 do corrente, do Paulo Santiago (ex-Alf Mil do Pel Caç Nat 53, Saltinho, 1970/72) ao poste P9461* (depois de saber que o Vasco Pires, antigo comandante do 23º Pel Art, Gadamael, 1970/72, a viver no Brasil, é natural de Levira, Vilarinho do Bairro, Anadia, com "infância e parte da juventude em Anadia, no Colégio Nacional" onde foi os dois foram contemporâneos):

Foi um "clic" ao ler Vasco Pires. Há muitos anos atrás, alguém me disse que estavas no estrangeiro, e que estiveras na Guiné, não imaginava que tinha coincidido com a minha estadia.

Tu eras filho do professor Pires que era colega do meu pai, viemos de bicicleta, desde Anadia, a uma festa aqui em Aguada, estás lembrado?

Este blogue, criado pelo L. Graça, é na verdade um grande ponto de encontro.

Não tenho ideia de te ter encontrado após a minha saída do Colégio, e ida para ERA [, Escola de Regentes Agrícolas,] de Coimbra, e, sendo assim, não trocávamos palavras há quase cinquenta (50) anos... Impressionante!!!

Continuo a andar lá para os lados de Anadia... Estou velho (estamos) mas vou à Moita treinar rugby com os Veteranos do Moita-Rugby Clube da Bairrada... Há quem diga que tenho uma "pancada", mas vou-me sentindo bem.

Não imaginas o bem que foi ter-te encontrado aqui, neste blogue, ao fim de tantos anos... gostei e fiquei sensibilizado pelo "encontro". Nesta fase da vida, as velhas recordações são um bálsamo.

Vasco, recebe um grande abraço
Paulo Santiago

PS:- O meu mail consta na "lista dos camaradas da Guiné", aqui no blogue: pja.paulo@gmail.com


2. Comentário dos editores:

Vasco: Mais uma razão (fortíssima) para entrares para este blogue... Como costumamos dizer, o Mundo é Pequeno e a nossa Tabanca... é Grande. Ficamos muito felizes por vocês dois se (re)encontrarem aqui...
Um abração.
____________

Notas do editor:

(*) Vd. poste de 8 de Fevereiro de 2012 > Guiné 63/74 - P9461: Camaradas da diáspora (10): Vasco Pires, ex-comandante do 23º Pel Art (Gadamael, 1970/72): saiu de Portugal em 1972

Vd. último poste da série de 8 de Fevereiro de 2012 > Guiné 63/74 - P9456: O Mundo é Pequeno e a nossa Tabanca... é Grande (50): Em busca do Joaquim Fernandes (ex-Fur Mil, CCAÇ 2590 / CCAÇ 12, Bambadinca, 1969/71), meu camarada da recruta e da especialidade do CISMI, Tavira (Eduardo Estrela, ex-Fur Mil, CCAÇ 2592 / CCAÇ 14, Cuntima, 1969/71)

Guiné 63/74 - P9468: Notas de leitura (331): O Boletim Geral do Ultramar (2) (Mário Beja Santos)

1. Mensagem de Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, Comandante do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 31 de Janeiro de 2012:

Queridos amigos,
Não é de esperar uma surpresa retumbante da leitura das revistas oficiosas, no que toca à torrente informativa em tempos de guerra da Guiné. Fica-se com a sensação que, até ao limite, se pretendeu sugerir que todos aqueles atos perpetrados por bandoleiros não careciam mais de que enérgicas respostas de policiamento. É graças à reação senegalesa que se fica a saber, por comunicados do Ministério dos Negócios Estrangeiros que há combates na região Norte, até então, quem lesse os comunicados de imprensa acreditaria que a situação só era delicada no Sul. Mas a comunicação irá mudar graças aos serviços de imagem montados no tempo de Spínola, como se verá.

Um abraço do
Mário


A guerra da Guiné no Boletim Geral do Ultramar (2)

Beja Santos

O Boletim da Agência-Geral do Ultramar era inequivocamente um órgão propagandístico da responsabilidade do Ministério do Ultramar, acolhia relatos das viagens presidenciais, reproduzia na íntegra os discursos de Salazar, as alocuções ministeriais, incluía artigos apologéticos e carreava larga informação de todas as parcelas do Império. Esta leitura de tal publicação justifica-se para entender como é que o boletim acompanhou desde 1961 a erupção dos conflitos, exclusivamente na Guiné. Nesta incursão, e na sequência do registo efetuado dos acontecimentos até aos finais de 1963, dar-se-á uma síntese dos eventos entre 1964 e 1966.

No noticiário do número referente a Janeiro/Fevereiro de 1964, informa-se que Mamadou Saliou Diallo, natural da República da Guiné, de etnia Fula, chefe do posto aduaneiro de Kandika, com a sua mulher, um filho menor e uma sobrinha, apresentou-se recentemente às autoridades portuguesas pedindo asilo no território. No número seguinte, reportado a Março/Abril, fala-se da inauguração da ponte sobre o rio Mansoa: mede cerca de 150 metros e custou 5.577 contos. O Governo da Província autorizou que a ponte fosse aberta ao trânsito. Situada sobre o rio Mansoa, e junto da vila do mesmo nome, o comprimento da ponte distribui-se por um tramo com 47 metros de vão. A sua faixa de rodagem tem 7 metros.

No número de Maio/Junho dá-se a saber que foi nomeado novo Governador da Guiné, Brigadeiro Arnaldo Schulz. No ato de posse, Peixoto Correia, o Ministro do Ultramar, começou por dizer: “Disse-se durante longos anos que a Guiné era o território de África mais bem administrado”. Adiante, esclarece-se o tipo de subversão existente: “Modificou-se o ambiente de tranquilidade que constituía exemplo. Efetivamente, desde meados de 1961, mas mais ativamente desde fins de 1962, que grupos de terroristas originários do exterior têm provocado em alguns pontos, sobretudo no Sul, incidentes de certa gravidade com o fim de aliciarem pelo terror a gente autóctone e de desarticular a estrutura administrativa e a vida económica da Província (…) O Governo decidiu reorganizar a administração e o comando das forças, concentrando na mesma entidade o desempenho das funções de governador e comandante-chefe”. E até ao final do ano o Boletim-Geral do Ultramar no que toca à Guiné remete-se ao silêncio.

Em 1965, logo no primeiro número, começam a ser reproduzidos comunicados do Ministério dos Negócios Estrangeiros a rejeitar as acusações do Senegal. Logo em 8 de Fevereiro, a delegação senegalesa junto das Nações Unidas enviou uma carta em que se relatam incidentes que teriam ocorrido junto da fronteira entre o Senegal e a Guiné “dita” portuguesa. Tratar-se-ia de ataques com tiros dispersos, arremesso de granadas e a presença de soldados portugueses em território senegalês, na região de Kolda. Na resposta portuguesa, sublinhava-se que era conhecimento das autoridades senegalesas que um grupo de cerca de 400 terroristas estrangeiros tinha violado a fronteira portuguesa e atacado a aldeia de Cambaju. A população fora compelida a proteger-se, competia ao Senegal vedar o acesso aos terroristas.

Dias depois haverá nova acusação do Senegal com teor semelhante e resposta aproximada.

É curioso anotar como Salazar, no seu discurso “37 anos ao serviço da Nação” irá referir em concreto acontecimentos na região, procurando pô-los em benefício da sua política, dizendo: “Da República da Guiné afluem aos nossos mercados junto das fronteiras e aos postos médicos gentes que parecem precisar de géneros e cuidados, muito mais importantes para as populações que as armas fornecidas pelo seu governo aos terroristas que, excetuando o fruto das pilhagens, não podia tirar das suas depredações qualquer outro proveito. Das mesmas terras que chegam populações com os seus gados e outros haveres para fixar-se no nosso território da Guiné, sem que levantemos o escândalo dos refugiados que evitam a opressão e a crueldade dos governantes”.

Em Maio, renovam-se as acusações do Senegal. No número de Maio/Junho, somos informados que o jornalista inglês George Martelli, enviado especial do Daily Telegraph, referindo-se às declarações feitas em Londres pelo líder do PAIGC, em que se sugeria que aquele movimento controlava 40 % do território da Província, observou: “Amílcar Cabral ou não sabe o que diz ou é um destacado mentiroso”. Na secção de noticiário dá-se a saber que Mamadu Sambu, régulo de Empada, tinha ganho o prémio Governador da Guiné, e por essa altura dera-se a inauguração da Casa do Estivador, em Bissau.

Em Junho, dá-se uma notícia detalhada com fotografia de João Bacar Jaló, régulo de Catió, considerado um denodado combatente. Silva Cunha, o novo Ministro do Ultramar, entregou-lhe a Espada de Alferes. Incompreensivelmente, cai um novo manto de silêncio sobre a Guiné.

1966 irá ser também um ano parco de notícias. Ficamos a saber, no número de Março/Abril, que 16 deputados à Assembleia Nacional visitaram a Guiné. Deslocaram-se sobretudo dentro de Bissau onde viram o aparecimento de novas infraestruturas e equipamentos, viajaram até Bubaque, Bolama, Nova Lamego, Bafatá, Ilhéu do Rei, percorreram a península de Bissau, caso de Bor e Cumura. Nesse ano, Rui Patrício, então Subsecretário de Estado do Fomento Ultramarino, visitará a Guiné, ou seja Bissau, Nova Lamego e Bafatá.

Que interesse podemos atribuir à natureza informativa deste Boletim Geral do Ultramar? Era uma publicação estritamente oficiosa mas dá para o estudioso poder ler entrelinhas: será o caso das incursões em território senegalês, fica confirmado, pela natureza dos comunicados, que 1965 é o ano de viragem, Senghor finalmente apoia os ataques dentro da Guiné a partir das bases do PAIGC no Senegal. Não há comentários ao evoluir da guerra, só notícias sobre progresso. Há duas secções que devem ser consultadas no Boletim: as que se referem à leitura dos jornais e as dos comentários aos livros. A Guiné tem pouca coisa, de vez em quando há referências a artigos de O Arauto, as recensões de livros são insignificantes. Schulz deixa passar uma imagem muito ligeira, fala-se dos atos do governador, não há uma só palavra sobre os trabalhos do Comandante-Chefe. Vale a pena comparar a displicência com que Schulz tratou a sua imagem e o modo vibrante como vai ser noticiado todo o trabalho do seu sucessor. Os historiadores e investigadores doutras áreas também não podem descurar outra publicação propagandística, mas com outro cariz, a revista “Ultramar”.
____________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 6 de Fevereiro de 2012 > Guiné 63/74 - P9449: Notas de leitura (330): O Boletim Geral do Ultramar (1) (Mário Beja Santos)

Guiné 63/74 - P9467: Parabéns a você (380): José Brás, ex-Fur Mil TRMS da CCAÇ 1622 (Guiné, 1966/68)

____________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 8 de Fevereito de 2012 > Guiné 63/74 - P9458: Parabéns a você (379): Constantino (Tino) Neves, ex-1.º Cabo Escriturário da CCS/BCAÇ 2893 (Guiné, 1969/71)

quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

Guiné 63/74 - P9466: (Ex)citações (175): Contraditório, troca de ideias em liberdade (Juvenal Amado)

Paisagem de Galomaro
Foto: © Ex-Alf Mil TRMS Vasconcelos (2012) / Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné. Todos os direitos reservados


1. Mensagem do nosso camarada Juvenal Amado* (ex-1.º Cabo Condutor da CCS/BCAÇ 3872, Galomaro, 1971/74), com data de 7 de Fevereiro de 2012:

Eu não lhe chamaria discussões mas sim troca de ideias e conhecimentos.
Uns entram, outros dizem que vão sair, outros voltam a entrar mesmo antes de saírem, outros estão com pé dentro e outro fora e ameaçam que não voltarão a...

É um tipo de chantagem psicológica sobre os outros, ou para depois contarem espingardas e verem em que posição estão.
Fazem-se pressões para que não se diga, não se fale, para que ninguém escute a não ser o barulho, que causa o silêncio sobre as questões que martelam a nossa memória colectiva.
O contrário mostra vitalidade e como este blogue teimosamente sobrevive a uma morte, que é normal para este tipo de publicação.

Não percebo que os camaradas não vejam a beleza, que se consegue com todos a botarem palavra como quem planta uma flor. Bem sei que por vezes são cardos, cactos e as malditas alergias causam muita comichão.
Para que serve o direito de opinar e contraditar, se o mesmo não puder ser usado?

A pouco e pouco têm caído tabus e certezas adquiridas, por não haver documentação escrita. Sobre isso neste blogue escreveram-se milhares de palavras.
Após anos a jurar-se a pés juntos que o PAGIC não tinha artilheiros devidamente credenciados para utilizar algumas peças de artilharia, que não tinham logística motorizada, bem com blindados e por fim aviões e pilotos para os celebres MIGs, eis que aparecem testemunhos de que afinal isso era uma realidade próxima e se a guerra não tivesse acabado, os nossos soldados acabariam por provar por experiência própria, como se diz “que não se acredita em bruxas mas que as HÁ… HÁ!”

Talvez se pensasse que por serem cubanos, russos ou vietnamitas a usar as ditas armas, elas matavam menos e assim a guerra continuaria por tempo indeterminado. Que me importou saber se era guineense ou de olhos em bico, o gajo que disparou os rockets contar mim? No fim o que me interessa, foi que falhou e eu estou cá para contar.

Também se falava das enfermeiras suecas e poucos havia que não estivessem desejosos de encontrar uma. Só nos calendários é que vi algumas suecas, que não eram enfermeiras ou pelo o menos, não estavam fardadas.

Qualquer das formas a sofisticação, nunca foi impedimento para grupos de pés descalços, fazerem frente a exércitos tecnologicamente avançados e ganharem à custa de muitas vidas, mas ganharem. Que o digam os americanos na Somália e entretanto dirão no Afeganistão, onde os burros e kalaschs rivalizam com blindados e aviões de combate ultima geração. Os russos também provaram da mesma receita e os ingleses já há muito fizeram a digestão do mesmo problema que tiveram no século XIX.

O tipo de aquartelamento dos guerrilheiros também é outro pomo de discórdia. Queriam que eles tivessem campos militares assim tipo Sta. Margarida, assim pusessem de parte a mobilidade, apanágio de um exército de guerrilha e mais dizem com grande alegria, que chegavam e não estava lá ninguém. Queriam que eles estivessem à espera, editando uma guerra de posições, onde eles ficariam sempre a perder?

Quanto ao estado físico dos guerrilheiros também se sabe que era um problema cíclico consoante o tempo que andavam em campanha. Há tempos li sobre isso e houve médicos que fizeram estudos sobre o grau de falta de ferro e mais vitaminas na sua alimentação muito pobre, que conduzia a uma extrema fraqueza anémica. O problema agravava-se quando eles eram deslocados das suas zonas de naturalidade, se eram do norte e estava a combater no sul do território ou vice-versa.

Mas não nos admiremos pois em Caculim, quando tínhamos 10 meses de comissão, as doenças, o desânimo causado pelos ataques com mortos, feridos, deserções e alimentação deficiente, quase 40% da Companhia estava inoperacional. Sabe quem lá esteve e que viu pára-quedistas a reforçar a Companhia. Mais tarde estiveram lá Pelotões de Companhias independentes bem como do Dulombi. Eu fui dos que lá estive por diversas vezes.

Não querendo voltar ao mesmo, uma coisa era certa, se não resolvemos o problema enquanto tínhamos alguns créditos internacionais, de 1973 em diante, com o Mundo de costas voltadas à espera que fôssemos corridos, não estou a ver como é tomaríamos as rédeas do assunto para passar à ofensiva militar.

Quanto à situação actual, só constato que um homem armado nunca é bom dialogante nem governante, porque o facto de estar armado, baralha-lhe o discernimento e mais tarde ou mais cedo não resistirá a dar um tiro em alguém.

Termino contando uma pequena mas verdadeira estória que talvez mostre que não vale a pena ignorarmos factos, pois eles mais tarde ou mais cedo voltam.

Quando eu era criança eu não gostava de favas, de couves, de peixe, de gordura da carne etc. o meu pai sem desprimor para ninguém, era um homem muito sábio mesmo só com a 3ª classe, dizia invariavelmente, “põe na borda do prato”. No fim de eu comer o que gostava, ele juntava tudo o que estava na borda do prato e fazia-me comer o que não gostava a frio.
Só me fez isso uma ou duas vezes, porque cedo aprendi com a experiência.

Agora gosto mais de aprender a ouvir, do que erradamente, escolher o que gosto de ouvir.

Um abraço
JA

Dulombi > Soldados portugueses do nosso batalhão e guerrilheiros do PAIGC. Felizmente a guerra tinha acabado
Foto: © Luís Dias (2012) / Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné. Todos os direitos reservados
____________

Notas de CV:

(*) Vd. poste de 8 de Janeiro de 2012 > Guiné 63/74 - P9332: Blogoterapia (196): Lembras-te? (Juvenal Amado)

Vd. último poste da série de 9 de Fevereiro de 2012 > Guiné 63/74 – P9465: (Ex)citações (174): A mágoa de, no meu País, os bravos, os vivos e os mortos, não terem o reconhecimento e o respeito do seu sacrifício, que merecem (Rui Dias Moreira)

Guiné 63/74 – P9465: (Ex)citações (174): A mágoa de, no meu País, os bravos, os vivos e os mortos, não terem o reconhecimento e o respeito do seu sacrifício, que merecem (Rui Dias Moreira)

1. Mensagem de Rui Dias Moreira, sobrinho do nosso camarada Fernando Maria Teixeira Dias (na foto), Fur SAM da CART 1746, morto na emboscada de 14 de Novembro de 1968 em Ponta Coli:

Caro Luis Graça:
Começo mais uma vez, por renovar os meus agradecimentos pelo seu tempo e pelo seu cuidado. Li com alguma emoção, o poste (*) que fez o favor de me enviar e aproveito para lhe dizer que já tenho autorização para lhe enviar imagens do tio Fernando, tendo também ficado a saber que existe alguma correspondência do tio Fernando que nunca ninguém leu (penso que chegou posteriormente à sua morte) e que minha tia quer que eu fique "fiel depositário" da mesma.

Gostava também de lhe transmitir que, com alguma surpresa da minha parte, toda a família aprovou e gostou da minha iniciativa, mesmo a geração mais nova, e pedem as minhas tias e minha mãe (com quem discuti pessoalmente o assunto) que lhe agradeça a si desta vez em seu nome.

Como não sei se posso escrever no blogue, gostava no entanto, de clarificar um pouco os motivos que me levaram a contactá-lo e o meu subsequente pedido de ajuda.

Nas minhas andanças pelo mundo trabalhei no início dos anos oitenta, durante algum tempo, como estagiário num banco suíço (Swiss Bank Corporation, entretanto fundido com o UBS) em Londres e algures no mês de Novembro todos os meus companheiros vieram trabalhar com uma papoila vermelha na lapela. Não percebendo o significado, tive que indagar do mesmo, ao que o meu chefe de mesa (eu trabalhava como corretor estagiário) me informou detalhadamente (ao mesmo tempo que mandava desencantar uma papoila para a minha lapela), com uma enorme abrangência histórica e com a fleuma que lhe era peculiar, do significado do "Poppy Day".

No meu íntimo ficou muita mágoa, alguma revolta e até inveja do respeito que via uma Nação, como um bloco, sem excepções, sem considerações políticas, porque desnecessárias, expressar aos combatentes que por ela tinham lutado. Anos mais tarde já casado e com um filho, tive necessidade de me deslocar aos EUA para operar o meu filho mais velho ao coração, no Texas Children Hospital, em Houston. Como o aperto emocional era grande os meus cunhados que são ambos médicos, na altura no Baylor's College of Medicine também em Houston, decidiram depois da convalescença do meu filho Diogo organizar uma viagem a Austin, onde mais uma vez pasmei; em frente ao Capitólio da capital do Texas existe um memorial que honra os combatentes da guerra da secessão com pormenores da bravura, mortos de ambos os lados, chegando ao pormenor de descrever a desproporção das forças beligerantes; e um outro memorial com a última ordem de batalha dos lendários Texas Rangers a quem várias unidades de forças especiais pediram o nome emprestado.

E foi assim que no meu íntimo, estes e outros exemplos de agradecimento e respeito que fui guardando durante o meu percurso de vida, deixavam sempre uma mágoa; no meu País, os bravos tinham-no sido de igual forma, o reconhecimento e o respeito do seu sacrifício, de vivos e mortos, não.

Desculpe, deixei correr um pouco o pensamento, alonguei-me muito e estarei a maçá-lo, mas queria fundamentar devidamente a minha motivação. Vou por vezes a Lisboa por motivos profissionais, ou ver o meu filho mais novo jogar e gostaria, se fosse possível e os seus afazeres o permitirem, de o conhecer pessoalmente, combinando o encontro com a devida antecedência. Até lá os meus agradecimentos.

Um abraço
Rui Dias Moreira
____________

Notas do Editor:

Vd. postes de:

4 de Fevereiro de 2012 Guiné 63/74 - P9442: In Memoriam (108): Fur Mil SAM Fernando Maria Teixeira Dias, da CART 1746, morto na emboscada de 14 de Novembro de 1968, perto da Ponta Coli, Xime (Manuel Moreira / Rui Dias Moreira)
e
(*) 5 de Fevereiro de 2012 > Guiné 63/74 - P9446: Ainda a emboscada de Ponta Coli, Xime, no dia 14/11/1968, em que morreu o Fur Mil SAM Fernando Dias e que fez 10 feridos graves entre o pessoal da CART 1746 (Bissorã e Xime, 1968/69)

Vd. último poste da série de 6 de Fevereiro de 2012 > Guiné 63/74 - P9448: (Ex)citações (173): Ralis com zebros no Rio Cacine...petas sobre o obus 14 enfiadas a jornalista da BBC em Gadamael (C. Martins, cmdt do Pel Art, Gadamael, 1973/74)