sábado, 30 de junho de 2012

Guiné 63/74 - P10095: Os nossos seres, saberes e lazeres (46): Não trocaria por nada aquele tempo de comissão na Guiné (António Melo)

1. Mensagem do nosso camarada António Melo, ex-1.º Cabo Rec Inf, BCAÇ 2930, Catió e QG, Bissau, (1972/74), com data de 24 de Junho de 2012:

Caro amigo Carlos Vinhal
Um abraço

Aqui estou de novo para responder ao email em que me perguntas por onde ando, e na verdade nem eu sei bem onde vivo pois há muitos anos, mais propriamente desde 1980, que tenho a minha residência em Espanha.

Com a crise que Espanha está a atravessar e pela dificuldade em arranjar trabalho, em 2009 resolvi vir para França porque me faltavam cinco anos para me reformar. Assim posso reformar-me com a pensão completa.

Por isso mesmo, agora e até meados de 2015, estou a viver nos Alpes franceses, mais propriamente em Chambery, mas logo que me reforme vou regressar a Espanha, Badajoz, onde tenho a minha casa.
[...]
Se entretanto a vida me permitir tentarei ir a algum dos convívios que o blogue organiza, porque tenho muita vontade de estar com pessoas que como eu sabem o que foram para nós aqueles anos de juventude, de incerteza, de angústia, de sofrimento e de camaradagem. Contudo, passados todos estes anos e depois de ter visto o que vi e passado o que passei, não trocaria por nada aquele tempo de comissão na Guiné, porque posso dizer que foram enriquecedores para a minha vida.

Conhecer novas gentes, novas culturas, novos mundos, novas formas de viver, melhores ou piores, não está em causa, para mim foi uma mais valia; conhecer o diferente e hoje saber dar valor àquilo que tenho, por muito pouco que seja, e que para aquela gente seria o paraíso terrestre, embora eu ainda me lamente, mas enfim deixemos isso para outro momento.

Quanto ao que me perguntas, se depois do arranjo que tens que dar aos meus textos eles traduzem o que eu quero expressar, digo-te que fielmente transmites aquilo que eu quero dizer, sem mudar uma virgula.
Obrigado pelo teu tempo e paciência.

De momento ficarei por aqui e prometo para a próxima uma dessas historias, não tão agradáveis como o que já escrevi até agora, passadas em Catió mas que graças à sorte que sempre me acompanhou tiveram sempre um final feliz, e por isso posso contá-las.

Para todos os que integram o blogue um abraço forte e para ti especialmente
António Melo


2. Nota de CV:

Esta mensagem do nosso camarada António Melo é resposta a uma que lhe enviei perguntando se estava emigrado, e onde em caso afirmativo. Deduzi que o nosso camarada estaria na diáspora pelo seu português sem acentos, teclado não adaptado à língua portuguesa, e pelo modo como se expressa, onde se adivinha a influência do castelhano. A minha curiosidade mais se acentuou porque o seu endereço está no Hotmail.fr, logo em França.

Pelo exposto, estamos perante um camarada que como muitos da nossa geração se aventuraram por esse mundo fora, no caso do António Melo, praticamente porta-com-porta com Portugal. Curioso o seu percurso em Espanha e recurso a França onde está a completar o tempo necessário para ter direito a uma pensão de reforma completa, que desejamos seja compensatória após tantos anos de labuta.

Curioso o facto de apesar de ter a sua residência permanente paredes-meias com o nosso rectângulo, Badajoz, por lá preferir ficar, ao que se supõe, até ao fim dos seus dias.

Caro António, dar-nos-ias uma alegria muito grande se um dia conseguisses comparecer num dos nossos convívios anuais. Quem sabe, um dia o farás a partir de Badajoz.

Conta com a nossa disponibilidade para, como fazemos com outros camaradas, acentuar o teus textos e dar um jeito ao teu castelhano.

Desejamos que até 2015 tudo te corra pelo melhor e completes o tempo que te falta para teres direito ao merecido descanso.

Recebe um grande abraço em nome da tertúlia.
Carlos Vinhal
____________

Notas de CV:

(*) Vd. poste de 6 de Abril de 2012 > Guiné 63/74 – P9711: Tabanca Grande (328): António Augusto Vieira de Melo, ex-1.º Cabo Rec Inf do BCAÇ 2930, Catió e Quartel General, Bissau (1972/74)

Vd. último poste da série de 15 de Junho de 2012 > Guiné 63/74 - P10037: Os nossos seres, saberes e lazeres (45): Para breve o lançamento do livro "Palavras de um defunto... antes de o ser", por Mário Tito (Mário Serra de Oliveira)

Guiné 63/74 - P10094: A minha CCAÇ 12 (25): Setembro de 1970: Levando 50 toneladas de arroz às populações da área do Xitole/Saltinho, e aguardando o macaréu no Rio Xaianga (Luís Graça)



Guiné > Zona leste > Setor L1 (Bambadinca) > CCS/BART 2917 ( 1970/72) > O Fur Mil Op Esp, do Pel Rec Inf, CCS/BART 2917, no espaldão do Mort 81... Nessa época, Bambadinca não tinha artilharia (só no Xime).





Guiné > Zona leste > Setor L1 (Bambadinca) > CCS/BART 2917 ( 1970/72) > Pessoal do  Pel Rec Inf (?), CCS/BART 2917, algures a atravessar uma bolanha (ou uma lala).



Guiné > Zona leste > Setor L1 (Bambadinca) > CCS/BART 2917 ( 1970/72) > O Fur Mil Op Esp, do Pel Rec Inf, CCS/BART 2917, de costas, algures, numa coluna logística (?).


Guiné > Zona leste > Setor L1 (Bambadinca) > CCS/BART 2917 ( 1970/72) > Uma tabanca  fula, algures no setor, não identificada, mas presumivelmente do regulado de Badora.


Guiné > Zona leste > Setor L1 (Bambadinca) > CCS/BART 2917 ( 1970/72) >  Estrada Bambadinca -Mansambo - Xitole - Saltinho (?)


Guiné > Zona leste > Setor L1 (Bambadinca) > CCS/BART 2917 ( 1970/72) >  Máquinas da TECNIL na abertura da estrada Bambadinca- Xime.




Guiné > Zona leste > Setor L1 (Bambadinca) > CCS/BART 2917 ( 1970/72) >  Máquina da TECNIL  abrindo clareiras na mata...



Guiné > Zona leste > Setor L1 (Bambadinca) > CCS/BART 2917 ( 1970/72) >   Abertura da estrada Bambadinca- Xime, nas imediações de Bambadinca  (ou, melhor, do reordenamento de Bambadincazinha)


Guiné > Zona leste > Setor L1 (Bambadinca) > CCS/BART 2917 ( 1970/72) >  O Rio Geba ou Xaianga...

Guiné > Zona leste > Setor L1 (Bambadinca) > CCS/BART 2917 ( 1970/72) >   Uma das raras fotos do fenómeno do macaréu, no delta do Rio Geba...
  






Imagens de diapositivos digitalizados. Álbum do Benjamim Durães, ex-fur mil op es, Pel Rec Info, CCS / BART 2917 (1970/72). Edição e legendagem: L.G.


Fotos: © Benjamim Durães (2010) / Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné. Todos os direitos reservados.



A. Continuação da série A Minha CCAÇ 12 (*), por Luís Graça [, foto acima, Bambadinca, 1970]


...


 


Fonte: Excertos de CCAÇ 12: história da unidade. Bambadinca, 1971, mimeog., pp. 39-40

Sobre este mês (em que a CCAÇ 2590/CCAÇ 12 perfazia 16 meses de comissão), pode ainda ler-se o seguinte na história do BART 2917 (p. 62, do ficheiro da autoria do Benjamim Durães, num total de 182 pp., em formato  
pdf):


 03.SETEMBRO.70: 

Um grupo IN estimado em cerca de 50 elementos abriu fogo; pelas 08H15, de Mort 82, LGFog e armas automáticas, contra o aquartelamento do Xime durante cerca de 15 minutos. 

As NT sofreram um ferido muito ligeiro. Houve um outro ferido ligeiro na população.

09.SETEMBRO.70:

Um Grupo de Combate da CART 2716 [, Xitole], que fazia a segurança a uma coluna de reabastecimento vinda de Bambadinca, detectou e levantou uma mina anti-pessoal reforçada com 7 kg de trotil, entre a Ponte do Rio Jagarajá e a Ponte do Rio Pulon em [XIME 7B1-63].

14.SETEMBRO.70:

Efetuou-se o 2º reabastecimento de arroz para as populações da área do Xitole – Saltinho, sem qualquer incidente.

15.SETEMBRO.70:

Um Grupo de Combate da CART 2714 [, Mansambo], quando se deslocava afim de fazer a segurança a uma coluna vinda de Bambadinca  (3º reabastecimento de arroz num total de 50 toneladas), seria emboscado por um grupo IN, simultaneamente ao acionamento de uma mina A/P reforçada na Estrada entre Mansambo e Ponte do Rio Timinco em [XIME 8B2-74], escassos minutos antes da coluna Bambadinca – Xitole passar. O accionamento da mina causou a morte a um picador (Mussa Baldé) e feriu gravemente outro.
___________
Mortos do Ultramara > TO da Guiné > 15 de setembro de 1970
Apelido  Nome  Posto  Ramo  Teatro de operações  Data  Motivo  
BALDÉ MUSSÁ BALDÉ SoldExércitoGuiné15/09/1970  Combate  
ApelidoNomePostoRamoTeatro de operaçõesDataMotivo


___________

Um Gr Comb da CCAÇ 12 que seguia na testa da coluna procedeu depois ao reconhecimento da área, tendo detectado 30 abrigos individuais e a posição dum Mort 82, a 1 Km de estrada.

18.SETEMBRO.70: 

Grupo IN de efectivo não estimado abriu fogo, pelas 16H30, de Mort 82, LGFog e armas automáticas sobre o aquartelamento do Xime sem consequência para as NT e população.

Um grupo IN estimado em cerca de 10 elementos abriu fogo da PONTA VARELA, de PM, LROCK e MORT 82 sobre os barcos Badora e Manuel Barbosa,  de [XIME 3D4-52], tendo causado um morto (mulher) e 2 feridos muito ligeiros, todos da população.

21.SETEMBRO.70: 

Quando uma Secção do Grupo de Combate destacado no Enxalé [, CART 2715,] se dirigia de Porto Velho para o aquartelamento, pelas 19H00, e a cerca de 50 metros deste, a viatura avariou-se tendo então o pessoal que nela seguia começado a empurrá-la nos poucos metros que faltavam, acionando então uma mina conjugada com uma emboscada da qual as NT tiveram 3 feridos graves e a perda de diverso material. 

Simultaneamente um outro grupo IN com 200 homens vindos da base de Madina, começou a flagelar o aquartelamento com Mort 82, LGFog e armas automáticas sem consequências para as NT, que reagindo com Mort 81  e artilharia do Xime  [, CART 2715 + 20º PEL ART / GAC 7, 10,5 cm, ] puseram o IN em fuga com vários mortos e feridos confirmados pelos numerosos rastos de sangue, ligaduras, algodão e frascos de soro vazios abandonados.

Notícias posteriores de diversas origens admitiam ter morrido nessa acção o Comissário Político António do grupo de André e pertencente ao acampamento Ide Sará.

24.SETEMBRO.70

Grupo IN de efetivo não estimado abriu fogo de Can s/r, Mort 82, LGF e armas automáticas sobre o aquartelamento do Xime. A flagelação inimiga não causou quaisquer espécies de danos, nem materiais pessoais.

29.SETEMBRO.70

Inicia-se a Acção Gruta com 2 Grupos de Combate da CCAÇ 12 que consiste de uma patrulha de reconhecimento entre Finete e São Belchior. Foram reconhecidos entre Saliquinhé e São Belchior vestígios deixados pelo IN após a última ação contra as NT aquarteladas em Enxalé.




Guiné > Zona Leste > Croquis do Sector L1 (Bambadinca) > 1969/71 (vd. Sinais e legendas).

___________

Nota do editor:


Guiné 63/74 - P10093: In Memoriam (120): Cor inf ref e escritor Joaquim Evónio Rodrigues de Vasconcelos (Funchal, 1938 - Lisboa, 2012), comandante das CCAÇ 727 (1964/66) e CCAÇ 2316 (1968/69) (António Costa / Carlos Vinhal)


1. O nosso camarada António José Pereira da Costa mandou-nos, ontem, a seguinte necrológica:

Recebi, através da Ordem Nacional dos Escritores, do Brasil, a notícia que passo a resumir:

Faleceu, em 23 Junho de 2012, em Lisboa, o coronel de Infantaria reformado Joaquim Evónio Rodrigues de Vasconcelos [, imagem à esquerda, por cortesia da página Joaquim Evónio].

Comandou a CCaç 727 (Canquelifá) (Out 64 / Ago 66) e, em 1968, quando comandava a CCaç 2316, foi gravemente ferido em combate na área de Mejo/Guileje.

Militar, ginasta e desportista, após o seu ferimento, dedicou-se à poesia, à escrita.

Nascido em 1938, no Funchal, era director do núcleo da Ordem Nacional de Escritores, em Portugal, desenvolvendo um trabalho muito meritório na recolha de obras de poetas, artistas e escritores locais.

Grande cultor da língua, profundo conhecedor do nosso vernáculo, era um exigente revisor de provas de poesia e literatura em geral. Um verdadeiro intelectual e um talentos diseur de poesia.

Creio que poderá ter interesse a notícia para o pessoal das duas CCaç que comandou.

Um Abraço do
António J. P. Costa





Página pessoal do escritor e nosso camarada Joaquim Evónio (1938-2012), Varandas das Estrelícias.


2. O nosso co-editor Carlos Vinhal fez um resumo do seu CV como escritor:

Nasceu no Funchal, Madeira, Portugal, 1938.

Obras mais recentes: publicou "Sombra em Clave de Sol" (contos) (Universitária Ed. Lisboa, 1999, esgostado) e "Esboços Pessoanos" (poemas sobre desenhos de José Jorge Soares) (Ceres Editora, Lda., Ponte de Lima, 1994).

Foi membro da Associação Portuguesa de Escritores (APE), da Associação Portuguesa de Poetas (APP), do Instituto Açoriano de Cultura (IAC), da União Lusófona das Letras e das Artes (ULLA) e eera sócio honorário da Ordem Nacional dos Escritores do Brasil (ONE). Comendador da Ordem Heráldica da Paz Universal. Agraciado pelo Parlamento para a Segurança e Paz Mundial com a Medalha de Ouro d' O Pacificador da ONU Sérgio Vieira de Melo.

Geriu, desde Fevereiro de 2004, a página pessoal na Net Varanda das Estrelícias - Uma Ponte sobre os Oceanos, onde promoveu a difusão da língua e cultura lusófonas, recebendo colaboração de diversos artistas, poetas e escritores.


Notas sobre:

(i) CCaç 727 (1964/66): Foi mobiliza pelo RI 16. Partiu para o TO da Guiné em 6/10/1964e regressou em 7/8/66. Passou por Bissau, Nova Lamego. Canquelifá, Piche (. Só teve um comandante, o Cap Inf Joaquim Evónio Rodrigues de Vasconcelos

(ii) CCaç 2316 / BCAÇ 2835 (Bissau, Nova Lamego, 1968/69). Unidade de mobilização: RI 15. Partida: 17/1/68. Regresso: 4/12/69. Localização: Bissau, Bula, Mejo, Guileje, Gadamael, Bissau.


Teve vários comandantes: cap inf Joaquim Evónio Rodrigues de Vasconcelos; cap Inf António Jacques Favre Castelo Branco Ferreira: cap art Octávio Manuel Barbosa Henriques; cap cav José Maria Félix de Morais.

Guiné 63/74 - P10092: No passado dia 28 de Maio os Estados Unidos comemoraram o Memorial Day, honrando assim os seus heróis

1. Embora um pouco desfasado no tempo, por sugestão da nossa amiga tertuliana Filomena Sampaio, deixamos aqui, para ler com calma no fim de semana, este artigo de autoria do jornalista Eurico Mendes.



Memorial Day

Esta segunda-feira, 28 de maio, os EUA comemoraram o Memorial Day (Dia da Memória), honrando os seus militares mortos na guerra. Assinalado a primeira vez em 1860 com o nome de Decoration Day e honrando os soldados da União mortos na Guerra Civil, o Memorial Day é dedicado hoje aos mortos de todas as guerras e feriado nacional desde 1971, numa espécie do Dia dos Fiéis Defuntos em Portugal, que pouco se preocupa com os seus veteranos vivos, quanto mais mortos e não tem nenhum feriado semelhante.

Da Guerra da Independência à atual Guerra do Afeganistão, muitos portugueses ou seus descendentes pegaram em armas pelos EUA e alguns figuram na lista dos 1.529.230 mortos que os EUA sofreram até hoje na guerra. Na Murtosa, distrito de Aveiro, estão por exemplo sepultados três filhos da terra mortos em guerras dos EUA: Manuel Evaristo, II Guerra Mundial; Manuel Branco, Guerra da Coreia e Jack Rebelo, Vietname.

Logo na primeira guerra, a Guerra da Independência também conhecida como Revolução Americana (1775-1783), morreram portugueses.

Da tripulação do primeiro navio da Continental Navy precursora da US Navy, o Bonhome Richard que o rei Louis XIV de França ofereceu aos nacionalistas, faziam parte 28 portugueses recrutados por John Paul Jones no porto francês de L’Orient e onze morreram no histórico combate com o navio inglês Serapis. A história guarda também o nome de Joseph Diaz (José Dias), baleeiro que se fixou em 1770 na localidade de Tisbury, ilha de Martha’s Vineyard, vindo provavelmente dos Açores. Casou em 1780 com uma rapariga da terra e aderiu à causa revolucionária. Capturado pelos ingleses em 1780, foi mandado para Inglaterra, mas foi libertado e regressou à ilha em dezembro desse ano; voltou a cair prisioneiro em 1781 e desta vez morreu a bordo do navio inglês Jersey. Uma das primeiras baixas da Guerra da Independência foi Francis Salvador ou Francisco Salvador, nascido em 1747 em Londres, numa rica família judaica portuguesa oriunda de Tomar e que escapara à Inquisição fugindo para a Holanda e depois para Inglaterra.

O bisavô de Francisco, José Salvador, foi diretor da Companhia das Indias e adquiriu por duas mil libras 405 km2 de terras na Carolina do Sul, que o bisneto veio ocupar em 1773. A mulher de Francis, Sarah Salvador era também uma das herdeiras dos 810 km2 de terras da família Mendes da Costa. O jovem luso-descendente foi eleito deputado pelo distrito 96 ao Congresso Provincial (independentista) e morreu em 31 de julho de 1776 em combate com os índios Cherokees, que os ingleses tinham armado para fazerem frente aos colonos.

Salvador cavalgou a Carolina do Sul a alertar os colonos dos ataques dos índios e ficaria por isso conhecido como o Paul Revere do sul. Em Charleston foi descerrada há anos uma placa a lembrar que Francis Salvador foi o primeiro judeu a exercer um cargo político no território que viria a tornar-se os EUA e o primeiro luso-descendente, acrescente-se.

Na Guerra Civil (1861-1865), quando 11 estados do sul tentaram separar-se dos Estados Unidos da América e formar a sua própria união com o nome de Estados Confederados da América e cujo ministro da Defesa, Judah Benjamin, descendia de portugueses. Ao tempo, viviam nos EUA mais de 4.000 portugueses e um número maior de descendentes e muitos combateram dos dois lados.

A União sofreu 140.414 mortes e os Confederados 72.524 e alguns foram portugueses. Nesse tempo viviam na Louisiana algumas centenas de açorianos contratados para trabalhar nas plantações de açúcar e muitos combateram pelos Confederados. Em New York e do lado da União, seguindo o exemplo dos irlandeses, que formaram a Brigada Irlandesa, dos polacos com a Legião Polaca e dos italianos com a Legião Garibaldi, espanhóis e portugueses formaram a companhia Caçadores Espanhóis.

A Medalha de Honra do Congresso, o maior reconhecimento que um militar pode receber por feitos em combate, foi atribuída a um luso-descendente combatente da Guerra Civil, o cabo Joseph H. de Castro, do 19º Regimento de Massachusetts e natural de Boston, onde viviam ao tempo 500 portugueses. Distinguiu-se na batalha de Gettysburg, Pensilvânia, a 3 de julho de 1863. O soldado Frances Silva, nascido a 8 de Maio de 1876 em Hayward, CA, é outro luso-descendente Medalha de Honra. Era tripulante do USS Newark e teve comportamento heróico entre 28 de junho e 18 de agosto de 1900, durante a célebre Revolução Boxer, em Pequim.

Na I Guerra Mundial (1914-1918), perderam a vida 20.000 americanos e a primeira morte foi o luso-americano Walter Goulart, de New Bedford, onde existe um pequeno monumento em sua memória.

Na II Guerra Mundial (1939-1946), que provocou a morte de 292.000 americanos, perderam a vida dezenas de luso-americanos, um dos quais Charles Braga, a 7 de Dezembro de 1941, no ataque japonês a Pearl Harbor. Foi o primeiro residente de Fall River morto na guerra e dá hoje o nome à Ponte Braga sobre o rio Taunton.

Dois luso-descendentes mereceram a Medalha de Honra durante a II Guerra Mundial: o soldado Harold Gonsalves, da Califórnia, morto em combate a 15 de abril de 1945, em Okinawa e o paraquedista George Peters, de Cranston, Rhode Island.

Caso curioso o do sargento Harry B. Queen, de Onset, MA, cuja mãe, Mae Ávila, era filha de imigrantes açorianos. A 25 de janeiro de 1944, um bombardeiro B-24 pilotado por Queen desapareceu quando voava da China para a Índia e os oito tripulantes foram considerados desaparecidos em combate. Contudo, em 2007, decorridos 63 anos, os destroços do avião e os restos mortais dos tripulantes foram encontrados.

Na Guerra da Coreia (1953-1957), morreram 50.000 americanos, um dos quais o sargento Leroy A. Mendonça, natural de Honolulu e de ascendência portuguesa e filipina. Morreu a 4 de julho de 1951. Ficou a proteger a retirada de um pelotão e, até chegar a sua hora, abateu 37 inimigos.

Na Guerra do Vietname (ou Guerra Americana, segundo os vietnamitas), morreram mais de 58.000 americanos e só de Massachusetts e Rhode Island há 53 nomes portugueses no Vietnam Veterans Memorial existente em Washington. Um é o soldado Ralph Ellis Dias, nascido em 1950, em Shelocta, PA e detentor da Medalha de Honra do Congresso e várias Purple Heart. Alistou-se nos Marines em 1967, seguiu para o Vietname em 1969 e morreu em combate a 12 de novembro desse ano, na província de Quang Nam.

Nas modernas guerrras dos EUA no Médio Oriente tivemos a Operation Freedom 2001, com uma baixa portuguesa, Miguel Rosa; e Operation Freedom 2003, com quatro: Arlindo Almeida, David Botelho, Andrew Cunha e Diane N. Lopes. Os EUA estão presentemente empenhados em conflitos no Iraque (onde sofreram 4.474 mortes) e no Afeganistão (2.853 mortes). No Afeganistão morreram os seguintes luso-descendentes: Christopher Luis Mendonça, Jorge Oliveira, Carlos A. Aparício, Rafael P. Arruda, Anthony J. Rosa, Ethan Gonçalo, Francisco Jackson, Joaquim Vaz Rebelo, Scott Andrews, Robert Barrett e Chad Gonsalves. No Iraque, morreram Michael Arruda, Michael Andrade, Joseph M. Câmara, Charles Caldwell, Peter Gerald Enos, Todd Nunes, Brian Oliveira, Scott C. Rose, Humberto Timóteo e David Marques Vicente.

O cabo marine David Marques Vicente, 25 anos, integrava o 2º Batalhão da 1º Divisão de Marines. Foi morto em 2003 e está sepultado em Methuen, MA, onde nasceu e residem os pais, naturais de Lisboa. Dias antes do funeral, um familiar do malogrado jovem deslocou-se a New Bedford e pediu ao então cônsul de Portugal, Fernando Teles Fazendeiro, uma bandeira portuguesa para Vicente a levar no caixão. Embora tenha dado a vida pelos EUA, David Vicente levou a bandeira portuguesa no caixão.

Com a devida vénia ao jornalista Eurico Mendes do jornal de língua portuguesa dos Estados Unidos Portuguese Times

Guiné 63/74 - P10091: Parabéns a você (443): Manuel Maia, ex-Fur Mil da 2.ª CCAÇ/BCAÇ 4610/72 (Guiné, 1972/74)

Para aceder aos postes e belos poemas em sextilhas do nosso camarada Manuel Maia, clicar aqui
____________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 29 de Junho de 2012 > Guiné 63/74 - P10086: Parabéns a você (439): José Firmino, ex-Soldado da CCAÇ 2585/BCAÇ 2884 (Guiné, 1969/71) e Santos Oliveira, ex-Fur Mil do Pel Mort 912 (Guiné, 1964/66)

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Guiné 63/74 - P10090: Blogues da nossa blogosfera (50): A página do camarada Carlos Silva, "Guerra na Guiné 63/74" está de novo operacional


Depois de ultrapassados os problemas técnicos que davam como perigoso o sítio do nosso camarada Carlos Silva, o mesmo pode desde já ser acedido sem receio de contaminar os respectivos equipamentos informáticos.

Podem entrar em www.carlosilva-guine.com e sem medo navegar na extensa informação ali alojada. É que para além da História do BCAÇ 2879 (Farim, 1969/1971) encontrarão textos e fotos referentes a outras Unidades e localidades do TO da Guiné.

Ao Carlos Silva desejamos as maiores felicidades e que nunca mais passe por uma situação semelhante porque causa sempre alguma descredibilidade e receio a quem quer aceder.

Aqui fica a nossa colaboração e solidariedade bloguista.

Pelo Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné
Carlos Vinhal
____________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 1 de Fevereiro de 2012 > Guiné 63/74 - P9470: Blogues da nossa blogosfera (49): CCAÇ 4641 (Mansoa e Ilondé, 1973/74)

Guiné 63/74 - P10089: Patronos e Padroeiros (José Martins) (30): Brigada de Intervenção - Infante D. Pedro, 1.º Duque de Coimbra




1. Em mensagem do dia 24 de Junho de 2012, o nosso camarada José Marcelino Martins (ex-Fur Mil Trms da CCAÇ 5, Gatos Pretos, Canjadude, 1968/70), enviou-nos mais um trabalho para a série Patronos e Padroeiros.






Patronos e Padroeiros XXX

Patrono da Brigada de Intervenção

Infante D. Pedro, 1.º Duque de Coimbra

O Painel dos Cavaleiros, no políptico de S. Vicente, que se pensa representar os quatro filhos mais novos de D. João I. D. Pedro, com o cinto da Jarreteira cruzado no peito (à direita da foto). 
© Foto Wikipédia, com a devida vénia.


Infante D. Pedro

Filho de D. João I e de D. Filipa de Lencastre, nasceu em 1392, sendo o quarto de nove filhos, dos quais apenas seis chegaram à idade adulta, ficando na história como “Ínclita Geração”. Recebeu esmerada educação, tendo em conta que na altura, os nobres eram pouco mais que analfabetos, se não o fossem na maior parte.

O Infante D. Pedro, assim como os irmãos Duarte e Henrique, acompanharam o pai e rei, na expedição e conquista de Ceuta, tendo a praça moura sido tomada no dia 22 de Agosto de 1415. No dia seguinte, e após a sagração da Mesquita à Fé Católica, foram armados cavaleiros os três príncipes e, outorgado os títulos de duque, sendo D. Pedro o 1.º Duque de Coimbra e D. Henrique o 1.º Duque de Viseu.

Devido às muitas viagens que fez ao estrangeiro, também ficou conhecido como o Príncipe das Sete Partidas, tendo recebido, por vontade do imperador Segismundo da Hungria, o feudo de Treviso, assim como o integrou na “Ordem do Dragão” conhecida pela sigla D.E.S.I.R. (Draconis Equitas Societas Imperatur et Regis). Foi investido, também como cavaleiro, por Henrique IV de Inglaterra, seu tio, na Ordem da Jarreteira.

Em 1429 casa com D. Isabel de Aragão, condessa de Urgel, de cujo casamento nasceram seis filhos.

Quando D. Duarte morre, em 9 de Setembro de 1438, o príncipe D. Afonso, seu filho e herdeiro da coroa, ainda é menor, tendo deixado a indicação de que a regência seria exercida por D. Leonor, Infanta de Aragão e rainha-mãe. Tal decisão não obteve consenso, pelo que, de imediato, os seus opositores se manifestaram por serem de opinião que qualquer um dos tios, irmãos do falecido D. Duarte, seriam mais capazes.

Foram convocadas Cortes, que se iniciaram em 20 de Dezembro de 1439, que veio a declarar o Infante D. Pedro “Regedor e Defensor do Reino” assim como tutor e curador do futuro rei.

A decisão é bem aceite pela burguesia e pelos mercadores, mas contestada pela aristocracia, encabeçada pelo conde de Barcelos, meio-irmão de D. Pedro que, insinuando-se junto do futuro rei, com o beneplácito da rainha viúva, conseguindo que o jovem o considerasse o seu tio preferido.

O Infante D. Pedro, indiferente a estas intrigas, dedica-se aos negócios do reino tornando o país mais próspero, dando importância aos assuntos do mar, concedendo subsídios, para fomentar o estudo e exploração do oceano. Numa atitude conciliatória, D. Pedro constitui o ducado de Bragança, tornando seu meio-irmão D. Afonso, o seu primeiro Duque.

A 9 de Junho de 1448, ao atingir a maioridade, D. Pedro entrega a governação ao seu sobrinho D. Afonso V. É nesta altura que se nota a influência que D. Afonso, 1.º Duque de Bragança tem sobre o rei. Em 15 de Setembro, o rei anula todos os éditos do antigo regente D. Pedro, que se retira para Coimbra.

No ano seguinte, 1449, o Infante D. Pedro, duque de Coimbra, é declarado rebelde pelo rei, com base em factos que se viriam a provar serem falsos.

A instabilidade instalada no reino, dá origem a uma guerra civil entre os dois partidos. D. Pedro resolve avançar sobre Lisboa, tendo parte do seu exército deixado Coimbra em 5 de Maio de 1449, vindo a reforçar as suas forças nas imediações da actual vila da Batalha, chegando à Castanheira em 17, acampando junto ao ribeiro de Alfarrobeira, em Vialonga, a 18 desse mês. Sabedor de que o povo de Lisboa não estava a seu favor, resolve não continuar a marcha sobre Lisboa.

Entretanto, D. Afonso, no dia 16, parte de Santarém para travar o avanço das forças do seu tio e ex-regente. O recontro entre os dois exércitos dá-se em Vialonga no dia 20 de Maio de 1449, no que ficou conhecido como a Batalha de Alfarrobeira. É nesta batalha que D. Pedro encontra a morte em combate, mas, a hipótese de ter sido assassinado nunca foi descartada.

Pelo que fez pelo país, Luís Vaz de Camões refere-se a D. Pedro na estrofe XXXVII do canto VIII dos Lusíadas:

"Olha cá dois infantes, Pedro e Henrique, 
Progénie generosa de Joane: 
Aquele faz que fama ilustre fique 
Dele em Germânia, com que a morte engane; 
Este, que ela nos mares o publique 
Por seu descobridor, e desengane 
De Ceita a Maura túmida vaidade, 
Primeiro entrando as portas da cidade.”

donde foi retirada a Divisa da Brigada de Intervenção, de cuja unidade o Infante D. Pedro é o Patrono.


Brigada de Intervenção

Criada pelo Decreto-Lei n.º 61/2006 de 21 de Março, no âmbito da organização prevista na Lei Orgânica do Exército, sendo uma unidade da Força Operacional Permanente do Exército Português.

Na génese desta unidade está a Brigada de Forças Especiais, tendo o Comando e Estado Maior sediado no Forte do Bom Sucesso, em Lisboa, e transformada em Brigada Ligeira em 1 de Junho de 1992, sendo transferida para o Forte do Alto do Duque em 1 de Setembro de 1992 até 1 de Julho de 1993, data em que foi transferida para Coimbra, para as actuais instalações, onde esteve o Convento das Eremitas de Santo Agostinho de Sant’Ana e, mais recentemente, o Quartel General da Região Militar Centro.

Desde 1998, com a denominação de Brigada Ligeira de Intervenção e, mais tarde, como Brigada de Intervenção, aprontou militares para diversas Missões de Paz em diversos países em que Portugal participou.

Herdeira da história e tradições das suas antecessoras, por despacho do Presidente da Republica de 3 de Junho de 2005, o seu Estandarte Nacional ostenta a Medalha de Serviço distintos, Grau Ouro.

Tem como Divisa “Que fama ilustre fique” e o Infante D. Pedro, como Patrono.

José Marcelino Martins
24 de Junho de 2012
____________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 27 de Junho de 2012 > Guiné 63/74 - P10082: Patronos e Padroeiros (José Martins) (29): D. Fernando de Portugal - O Infante Santo

Guiné 63/74 - P10088: Notas de leitura (374): Obra Escolhidas de Amílcar Cabral (2) (Mário Beja Santos)

1. Mensagem de Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, Comandante do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70) com data de 15 de Maio de 2012:

Queridos amigos,
Se dúvidas houvesse quanto ao talento transbordante de Amílcar Cabral como ativista, diplomata e estratega, bastava ler estes dois volumes selecionados por um amigo muito querido e outro grande ideólogo, o angolano Mário Pinto Andrade.
Temos aqui uma seleção das principais peças em alocuções, mensagens, palavras de ordem, relatórios, memorandos, discursos, curtas peças de circunstância.
Todos estes textos têm em comum a luminosidade, a coerência, a acessibilidade da comunicação. À distância de décadas mostram, se também necessário fosse, a dimensão do estadista revolucionário.
Neste momento só está à venda a antologia preparada por António Duarte Silva.

Um abraço do
Mário


Obras escolhidas de Amílcar Cabral (2) 

 Beja Santos 

O segundo e último volume das obras escolhidas de Amílcar Cabral segundo a organização do seu amigo Mário Pinto de Andrade (Seara Nova, 1977), estrutura-se em cinco áreas temáticas: a mobilização política, escritos assinados muitas vezes com o nome de Abel Djassi e difundidos sob a forma de folhetos, entre 1960 e 1963; relatórios de síntese, contendo por vezes elementos secretos, dirigidos quer a instâncias do PAIGC quer a instâncias da OUA – Organização da Unidade Africana; palavras de ordem, apanhados de reflexões em torno da teoria e prática do conhecimento da guerrilha, que conheceram a publicação em Novembro de 1965; orientações de política internacional em diversas assembleias; reflexões sobre o Estado da Guiné-Bissau, em que sobressai, de forma insistente, a designação de um território nacional cujos centros urbanos teriam ocupantes estrangeiros, e em que o PAIGC se perfila como Partido – Estado. O conjunto destes documentos dá conta do talento polifacetado do líder do PAIGC: mensagens cortantes, económicas, comunicação acessível, imbuída de confiança e plena convicção. É um estilo poderoso no panfleto, no documento, no relatório, na intervenção enquanto conferencista. Como, abreviadamente, se passa em revista.

No memorando datado de 1 de Dezembro de 1960 e dirigido ao governo português, Cabral procura tirar partido do apoio internacional então disponível, criando mesmo uma ampliação genérica: “No campo internacional, temos hoje o apoio incondicional da esmagadora maioria dos povos do mundo e podemos contar com a ajuda eficaz de várias países amigos, no quadro dos princípios enunciados em Bandung, nas Conferências dos Povos Africanos e nas Conferências de Solidariedade dos povos Afro-Asiáticos. Na ONU, a resolução tomada pelo conselho de tutela em 12 de Novembro, pôs um ponto final na falsa argumentação que os legados portugueses souberam sustentar durante alguns anos em torno da natureza jurídica dos territórios ocupados por Portugal e acerca das obrigações do governo português para com os povos desses territórios. O próprio governo espanhol teve de quebrar a sua  já tradicional solidariedade para com o governo português, e este encontra-se hoje totalmente isolado, pois não tem, nas votações da ONU, senão um parceiro indesejável – o mais racista e mais colonialista de todos os governos (África do Sul)”.

Passando para os relatórios referentes à ação armada, merece logo destaque o relatório referente ao Congresso de Cassacá e a subsequente apresentação de resultados no plano político e administrativo e no plano militar. Anuncia, no plano militar: “Reorganização da luta armada, nomeadamente pela restruturação e a redistribuição das forças armadas e pela criação de comandos inter-regionais e de um órgão central de direção da luta armada (o Conselho de Guerra); - criação das Forças Armados Revolucionárias do Povo (FARP) englobando a guerrilha, as milícias e o exército popular; - extensão e multiplicação das frentes de luta que atingiram todas as regiões ainda não libertadas, transformando profundamente a fisionomia da guerra (o inimigo tem a partir de agora que se bater em todo o país); - intensificação e aumento de frequência dos nossos ataques contra os quartéis portugueses; formação de quadros militares especiais (armas pesadas, armas antiaéreas, etc.), e quadros destinados à luta armada nas ilhas de Cabo Verde); - vitórias importantes levadas a efeito pelos nossos combatentes, nomeadamente na região do Gabu, Boé, Canchungo, São Domingos e regiões contíguas, ao longo da fronteira Norte; - consolidação das nossas posições nas regiões libertadas, reforçada pela obtenção de meios mais eficazes de defesa”.

Recorde-se que estes princípios angulares foram estritamente cumpridos e anunciam o primado do poder político sobre o militar que só se irá inverter depois do golpe de 14 de Novembro de 1980. Cabral era provido de uma capacidade jornalística incontestável, era um bom panfletário e manejava perfeitamente a toada revolucionária, usando expressões como “Estamos a viver um período decisivo para libertação do nosso povo do jugo colonial português” ou “Fazendo face com coragem aos aviões portugueses e votando à derrota todas as tentativas das tropas coloniais visando recuperar o território nacional libertado, o nosso povo e os nossos combatentes infligiram ao inimigo as baixas mais pesadas sofridas até ao presente no nosso país” (isto escrito em Maio de 1968). Escrevia freneticamente relatórios para diferentes destinatários. Durante anos a fio redigiu jornais escritos num português de primeira água. As suas mensagens de Ano Novo eram documentos enquadradores, referiam resultados e apontavam metas, o mesmo se podendo dizer das mensagens que dirigia para o interior do PAIGC em datas-chave. As mensagens de 19 de Setembro de 1972 e de Ano Novo de 1973 são dois documentos de leitura obrigatória: fica-se a saber como se preparava a independência e como se previam as ações militares durante 1973.

O mesmo se dirá das palavras de ordem, documentos sucintos sempre com consignas: esperar o melhor, mas preparar-se para o pior; conhecer bem as nossas forças e as forças do inimigo; reforçar a segurança e a disciplina em todos os sectores de luta; destruir a economia do inimigo e construir a nossa própria economia. Na mensagem “Melhorar os nossos conhecimentos e defender a nossa saúde” refere a criação de escolas e a formação política dos professores, alerta para a mania de querer deixar o país para ir estudar com a ambição cega de ser doutor, lembra que os responsáveis do partido devem dar o exemplo dedicando-se seriamente ao estudo, não descurando os aconselhamentos práticos na assistência sanitária, revelando um conhecimento perfeito da realidade e dos meios disponíveis.

Quanto às relações internacionais, Mário Pinto Andrade selecionou um conjunto de textos que vão desde o início dos anos 60 quanto à participação das organizações nacionalistas das colónias portuguesas em eventos internacionais até às intervenções que Cabral proferiu na ONU, caso do importante texto que redigiu em Outubro de 1972. É preciso ler todos estes textos de Cabral para se perceber que foi ele quem pôs de pé o partido, quem o mobilizou, lhe ofereceu o verbo da motivação, são documentos que revelam, do princípio ao fim, o ideólogo, o lutador unitário, o organizador, o estratega, o diplomata e o revolucionário no quanto este termo inclui o agitador, o equilibrador de fações ou grupos, o criador de factos políticos efetivamente inovadores, suscetíveis de surpreender os camaradas e os adversários, e Mário Pinto de Andrade foi muito feliz nesta seleção de peças, Cabral escreveu de forma transbordante, é preciso lê-lo para se perceber o gigantismo do político.
____________

Nota de CV:

Vd. últimos postes da série de:

26 de Junho de 2012 > Guiné 63/74 - P10076: Notas de leitura (373): Na Kontra Ka Kontra, de Fernando Gouveia (Fernando Gouveia / René Pélissier)
e
25 de Junho de 2012 > Guiné 63/74 - P10070: Notas de leitura (372): Obra Escolhidas de Amílcar Cabral (Mário Beja Santos)

Guiné 63/74 - P10087: Caderno de notas de um Mais Velho (Antº Rosinha) (23): Esse tal de linguajar de Luanda, só foi possível ouvi-lo em 2012 na Ilha de Luanda, porque em 1961 não se deu ouvidos às catanas de Holden Roberto (UPA)

1. Comentário, de 26 do corrente, de António Rosinha [, ex-fur mil, em Angola, 1961; topógrafo da Tecnil na Guiné-Bissau, depois da independência, ] ao poste P10074:


Conheci angolanos, caboverdeanos, guineenses, com peneiras, que usavam com mais propriedade o idioma do que nós, os colon, desde o Minho ao Algarve e Ilhas.(*)


E o escritor angolano que mais tentou acrioular o idioma foi um branco, português, do interior de Portugal, que foi em criança para Luanda e foi criado e estudou com jovens dos muceques (arredores) de Luanda.

Esse escritor foi Luandino Vieira com o livro Luuanda, com dois U, o tal que ganhou um prémio que a PIDE não gostou, e mandou-o para o Tarrafal. (**)

Eu, pessoalmente,  tenho imenso orgulho de ouvir o Português falado, no Rio Grande do Sul, no Rio de Janeiro,  em Belo Horizonte, em Bissau ou em Luanda.

Penso que pouca gente se pronuncia tão abertamente como eu contra os processos de Luandino Vieira e Agostinho Neto, do MPLA, e de Amílcar Cabral, do PAIGC, e todos os que iniciaram aquela guerra contra nós,  os tugas,  colonialistas e imperialistas.

Mas não tenho dúvidas que esses portugueses representavam o tal lusotropicalismo de que às vezes se fala, e eram uns lusófilos [e lusófanos] extraordinários.

E da maneira como digo aos quatro ventos, sem complexos, que estiveram errados em iniciar aquela guerra, só porque os ventos da história mandavam, tambem digo sem complexos que têm todo o direito de usar o idioma luso, e adaptá-lo a eles,  como fizeram os brasileiros.

Pena que esteja em grande riscos de desaparecer o nosso português em certas paragens.
Cumprimentos.
Post Scriptum: 

Luís Graça, e António Costa,  esse tal de linguajar de Luanda, só foi possível ouvi-lo em 2012 na Ilha de Luanda, porque em 1961 não se deu ouvidos às catanas de Holden Roberto (UPA).

Nem chegávamos a saber quem era Amílcar Cabral.

Gostei de ouvir portugês em Guaratinguetá!

_______________

Notas do editor:

(*) Último poste da série > 15 de maio de 2012 > Guiné 63/74 - P9904: Caderno de notas de um Mais Velho (Antº Rosinha) (22): Havia mais "PALOP" (entendimentos) antes das independências




Sítio Lusofonia, "uma plataforma de apoio ao estudo da lusofonia no mundo"... Além de verbetes sobre diversos autores e literaturas africanos lusófonas, também apresenta um valiosos glossário africano, de A a Z, com vocábulos lusófonos, de diversas origens: (A) Angola, (C) Cabo Verde, (G) Guiné-Bissau, (M) Moçambique, (S) São Tomé e Príncipe, (Ge) Geral. Há termos comuns: por exemplo, Balaio (cesto), Bué, Cipaio, Maca, Mais Velho,  (M)bunda (nádega), Muxima (coração), etc.  de origem angolana, mas que se usam também na Guiné-Bissau e/ou em Portugal. Outros são de origem geral: Bazar (fugir), piripiri, Puto (Portugal), Xingar (chatear)...

 (**) Excerto de Vida e Obra de Luandino Vieira:

(...) José Vieira Mateus da Graça, conhecido por Luandino Vieira, nasceu a 4 de Maio de 1935, em Vila Nova de Ourém, tendo ido viver para Angola aos três anos com os pais.

Cidadão angolano pela sua participação no movimento de libertação nacional,  escolheu o nome de Luandino como homenagem a Luanda e contribuiu para o nascimento das República Popular de Angola. Fez os estudos primários e secundários em Luanda, tornando-se depois gerente comercial para garantir o seu sustento.

Acusado de ligações políticas com o Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) foi preso em 1959 pela PIDE (Polícia Internacional de Defesa do Estado), no âmbito do que ficou conhecido como "processo dos 50". 

Em 1961 voltou a ser preso pela PIDE, tendo sido condenado a 14 anos de prisão e a medidas de segurança. Em 1964 foi transferido para o campo de concentração do Tarrafal (Cabo Verde), onde passou oito anos, tendo sido libertado em 1972, em regime de residência vigiada, passando a viver em Lisboa.

Entre outros prémios literários, Luandino Vieira venceu o Grande Prémio de Novelística da Sociedade Portuguesa de Escritores (1965), o Prémio Sociedade Cultural de Angola (1961), o da Casa do Império dos Estudantes - Lisboa (1963) e o da Associação de Naturais de Angola (1963).

A partir de 1972, e já a residir em Lisboa, Luandino Vieira iniciou a publicação da sua obra, na grande maioria escrita nas prisões por onde passou.

Regressou a Luanda em 1975, onde exerceu cargos directivos no MPLA e foi presidente da Radiotelevisão Popular de Angola. Membro fundador da União dos Escritores Angolanos - cuja condição sempre reivindicou, apesar de ter nascido em Portugal - exerceu funções de secretário-geral deste organismo desde a sua fundação a 10 de Dezembro de 1975 até 1992. (...)

Entretanto, foi-lhe atribuído em 2006 o Prémio Camões, o maior galardão literário para a língua portuguesa, que recusou "por motivos íntimos e pessoais", segundo o que alegou num comunicado de imprensa. Sabe-se por entrevistas dadas sobretudo ao Jornal de Letras Artes & Ideias que não aceitou o prémio por se considerar um escritor morto e que como tal o Prémio deveria ser entregue a alguém que continuasse a produzir. Tal facto veio-se alterar, pois O livros dos rios é um novo romance de Luandino Vieira (o primeiro de uma trilogia intitulada De rios velhos e guerrilheiros) editado pela Editorial Caminho em Novembro de 2006. (...).

Guiné 63/74 - P10086: Parabéns a você (442): José Firmino, ex-Soldado da CCAÇ 2585/BCAÇ 2884 (Guiné, 1969/71) e Santos Oliveira, ex-Fur Mil do Pel Mort 912 (Guiné, 1964/66)

Para aceder aos postes dos nossos camaradas José Firmino e Santos Oliveira, clicar nos respectivos nomes
____________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 27 de Junho de 2012 > Guiné 63/74 - P10078: Parabéns a você (438): Vítor Caseiro, ex- Fur Mil da CCAÇ 4641/72 (Guiné, 1973/74)

quinta-feira, 28 de junho de 2012

Guiné 63/74 - P10085. Agenda cultural (208): Lançamento do livro PIASHEB, edição dos Médicos do Mundo, na FNAC Colombo, Lisboa, 6ª feira, dia 29 de junho, às 19h (Sousa de Castro)



Capa do livro PIASHEB, fotografia de Alexandre Costa e Fabrice Demoulin, edição da Associação Médicos do Mundo (2012).


1. Notícia que nos chega, hoje, por intermédio do nosso camarada Sousa de Castro, o nosso grã-tabanqueiro nº 2:

Assunto: Médicos do Mundo na Guiné Bissau - Lançamento do livro PIASHEB, na FNAC Colombo, Lisboa, dia 29 de junho de 2012, 6ª feira, 19 h

A Associação Médicos do Mundo(MdM) tem a honra de convidar todos os seus amigos para o evento de lançamento do livro PIASHEB, um projecto que teve início em 2007 na Guiné Bissau. O Projecto PIASHEB [Projecto Integrado de Água, Saneamento e Higiene nas Escolas de Biombo], tem como objectivo promover uma intervenção integrada de água, saneamento e higiene nas escolas da região do Biombo – Guiné Bissau, beneficiando indirectamente cerca de 91.000 pessoas e directamente a comunidade educativa de 14 escolas públicas (cerca de 39.000 pessoas).

O lançamento do livro PIASHEB terá lugar dia 29 de Junho, entre as 19h e as 20h30 na FNAC do COLOMBO em Lisboa.

Este livro reúne as imagens, testemunhos e o balanço da intervenção desta Associação, ao longo de cinco anos, naquele país. Os Médicos do Mundo contaram com o precioso espólio fotográfico dos voluntários Alexandre Costa e Fabrice Demoulin.

Mais informações sobre o evento, disponíveis na página da associação Médicos do Mundo.

____________

Nota do editor:

Último poste da série 27 de junho de 2012 > Guiné 63/74 - P10079: Agenda Cultural (207): Apresentação do livro "Em Bicos de Pés e de Olhos em Bico - Vivências e Convivências entre Chineses e Portugueses", dia 29 de Junho, pelas 18 horas no Museu do Oriente

Guiné 63/74 - P10084: Antologia (76): Vida e morte da gloriosa LDM 302, a cuja heróica guarnição pertenceu o marinheiro fogueiro Ludgero Henriques de Oliveira, natural da Lourinhã, condecorado com a Cruz de Guerra em 1968 (Manuel Lema Santos / Luís Graça)

A. O lourinhanense Ludgero Henriques de Oliveira morreu recentemente. 

De morte inesperada, na sequência de um internamento hospitalar. Aos 64 anos. E sem tempo de me poder contar, direito, tim por tim, as suas andanças pelos rios e braços de mar da Guiné, a bordo da LDM 302.

Eu sabia vagamente que ele pertencera à guarnição de uma LDM, que fora atacada no Cacheu, e que desse ataque resultaram baixas, tendo o navio sido afundado. Ele vivia na Lourinhã. Era sargento chefe reformado da Armada, com uma brilhante folha de serviços. Via-o com frequência. Éramos vizinhos, e mais do que isso, amigos e colegas de escola. Nascemos no mesmo ano, 1947, com uma diferença de 2 meses, eu em janeiro, a 29, ele em março, a 26...

Fiquei inconsolável ao saber, tardiamente, da sua morte. Há dias passei pelo cemitério local, hábito que não tinha e que agora passei a ter na sequência da morte recente do meu pai, Luís Henriques. Estive na campa do Ludgero, e prometi a mim mesmo que falaria dele no nosso blogue... Ele era a modéstia em pessoa. Nunca me disse, por exemplo, que sido condecorado com a Cruz de Guerra, em 1968... Mas tinha muito orgulho na farda da Marinha...

E que melhor homenagem lhe poderia eu prestar do que reproduzir, com a devida vénia, estes dois postes do nosso camarada Manuel Lema Santos, originalmente publicados na sua página Reserva Naval, um sítio incontornável na Net, onde se honra a nossa marinha e os nossos marinheiros ?

A epopeia da LDM 302 e dos seus bravos marinheiros merece ser melhor conhecida de todos nós. Na altura do ataque de 19 de dezembro de 1968 bem como no de 10 de junho de 1968, o Ludgero fazia parte da sua guarnição como maquinista fogueiro. São factos que eu só agora vim a saber. E quero partilhá-los com os amigos e camaradas da Guiné, que acompanham o nosso blogue bem como com os meus conterrâneos e ainda a família do meu amigo, em especial o seu filho e os seus irmãos, bem como a mãe do seu filho, Maria Teresa Henriques, natural da Atalaia.

Que a terra te seja leve, meu amigo e camarada!... E que a gente da nossa terra saiba cultivar a tua memória e a memória dos nossos antepassados que têm o mar no seu ADN !

Luís Graça
___________________



Guiné > Região do Cacheu > Carta de Binta (1954) (Escala 1/50 mil) > A perigosa passagem do Rio Cacheu, em Porto Coco, frente à clareira de Tancroal, de má memória para os nossos marinheiros.


B. Reserva Naval > 28 de novembro de 2008 > A epopeia da LDM 302 na Guiné 

(Parte I) [Excerto]


por Manuel Lema Santos 

19 de Dezembro de 1967 – O ataque e afundamento da lancha


A LDM 302, de que apenas o casco veio dos EUA em 1963, foi adaptada nos estaleiros da Argibay, onde permaneceu para esse efeito de 9 de Outubro desse ano a fins de Janeiro do ano seguinte.

Foi aumentada ao efectivo das navios da Armada em 18 de Janeiro de 1964.

Chegou à Guiné, Bissau, a bordo de um navio da Marinha Mercante, na manhã de 23 de Fevereiro desse ano. Era seu patrão de então o marinheiro de manobra n.º 2156, Aristides Lopes.

Após um curto período de adestramento da guarnição, foi atribuída ao Destacamento de Fuzileiros Especiais nº 2 – DFE 2, ao qual competia a fiscalização da zona do rio Geba tendo aí iniciado intensa vida operacional.

Efectuou um primeiro cruzeiro de fiscalização naquele rio, em 18 de Março [de 1964], sem que nada de anormal tivesse ocorrido, o que poderia ser interpretado como bom augúrio naquele teatro de guerra.

De 9 a 11 de Abril, pela primeira vez, em conjunto com a LDM 101, 201, LFG Escorpião, LFP Canopus e os DFE 8 e 9, foi incluída numa missão de apoio de fogo e transporte de fuzileiros, a operação “Tenaz”, levada a cabo no rio Cumbijã.

Em 22 de Abril o baptismo de fogo. Frente a Jabadá quando, em conjunto com mais três LDM procedia a um desembarque de fuzileiros, o inimigo tentou opor-se com fogo de armas ligeiras mas não conseguiu evitar o desembarque.

No dia 22 de Julho, foi atacada pela segunda vez, desta feita no rio Cacheu, em Porto de Côco. O inimigo, emboscado nas margens, utlizou metralhadoras pesadas e morteiro, sem consequências.

Durante o resto do ano de 1964 tomou parte em várias operações no rio Geba e recolheu ao SAO – Serviço de Assitência Oficinal, onde foi submetida a alterações no poço, procedendo-se à instalação de uma cozinha e alojamentos para a guarnição. Foram também protegidos com chapa balística a casa do leme e o escudo da peça Oerlinkon de 20 mm.

A partir de então ficou com possibilidades de alojar permanentemente a guarnição, como viria a revelar-se indispensável.

1965 veio a revelar-se para a LDM 302 um ano muito duro. Continuando a desempenhar denodadamente missões de fiscalização, escoltas a comboios de barcaças mercantes, transporte de tropas e apoio de fogo, no dia 4 de Fevereiro, em frente de Tambato Mandinga, no rio Cacheu, foi violentamente atacada das margens com morteiros e metralhadoras ligeiras, sofrendo 30 impactos no costado e superestuturas. Não houve baixas na guarnição para o que muito contribuiu, certamente, a sua pronta e valorosa reacção.

No dia 4 de Outubro, no rio Armada, um afluente do Cacheu, em missão de transporte de forças terrestres, foi atacada das margens com metralhadoras ligeiras e granadas de mão, resultando 10 feridos ligeiros entre os militares embarcados.

Novamente, em 28 de Outubro, a leste de Farim, na margem do Cacheu, foi alvejada sem consequências com tiros de espingarda, durante uma operação de desembarque de fuzileiros.

Foi de relativa tranquilidade o ano de 1966 dado que, apesar de ter estado sempre no Cacheu no cumprimento das missões que lhe foram atribuídas, não teve qualquer contacto de fogo directo. Mercê do seu constante vaivém nos rios da zona, tornara-se já perfil conhecido e respeitada pelo inimigo.

Trágico viria a revelar-se o ano de 1967, ainda que pelo escoar do tempo se assemelhasse ao anterior, aparentemente tranquilo. Chegara-se a meados de Dezembro sem qualquer acção hostil e apenas no dia 16, em violenta acção do inimigo contra Binta, auxiliou com eficácia as forças terrestres na defesa daquele aquartelamento.

Não viriam aqueles seis homens de guarnição a terminar assim o ano quando, a 19 de Dezembro, pelas 11:00, a “302” descia o rio Cacheu, em postos de combate, calor já a apertar, margens de tarrafo denso a entranhar-se pelo rio.

No leme, (i) o patrão, marinheiro de manobra Domingos Lopes Medeiros;

(ii) nos seus postos, junto à Oerlinkon, os marinheiros artilheiros Manuel Luís Lourenço e Silva e Manuel Santana Carvalho;

(iii) no posto de fonia, o marinheiro telegrafista Joaquim Claudino da Silva;

(iv) na MG 42 o marinheiro fogueiro Manuel Fernando Seabra Nogueira:

(v) e junto aos artilheiros, pronto a acorrer onde necessário fosse, o marinheiro fogueiro Ludgero Henriques de Oliveira, de serviço aos motores, comandados da casa do leme.

A lancha deixara para trás uma das muitas curvas sinuosas do rio e passava frente à clareira do Tancroal [, vd. carta de Binta], com a guarnição em redobrada atenção pelo comprovado perigo que representava, pelo historial anterior de ataques já desferidos contra diversas unidades navais.

Subitamente, observaram-se fumos na margem sul à boca de peças e, quase de seguida, fortes rebentamentos. O navio estremeceu violentamente e os motores pararam. Estavam sob violentíssimo ataque de canhão sem recuo, lança-granadas foguetes e ainda metralhadoras, pesadas e ligeiras.

A lancha atingida e com o patrão gravemente ferido ficou sem leme, entrando pelo tarrafo da margem Norte. Os ramos vergaram de imediato e, de seguida, ao recuperarem a posição normal, projectaram a LDM que recuou, ficando à deriva.

A lancha metia água e afundava-se rapidamente de popa. A inclinação era já muito grande e os artilheiros, com água pelo peito, ainda faziam fogo por cima do tecto da casa do leme com grande dificuldade. O posto de fonia, atingido por um estilhaço de granada, tinha ficado destruído e o patrão, moribundo, jazia caído sem que alguém lhe pudesse sequer acudir no momento.

Sentido, de todo, que o navio estava perdido, os artilheiros viram-se forçados a abandonar a peça tentando então o telegrafista socorrer o patrão. Fez um esforço para o por de pé mas foi-lhe de todo impossível. Atingido em cheio estava quase cortado em dois, pelas costas, com as vísceras de fora.

Inexplicavelmente, o inimigo deixou de fazer fogo. O telegrafista [, Joaquim Claudino da Silva], o mais antigo depois do patrão, assumiu o comando e deu ordem para abandonar a lancha. Arriaram então o bote de borracha, colocaram lá dentro, o patrão, nessa altura já morto, os papéis de bordo e uma G3, dirigiram-se para a margem e esconderam-se no tarrafo. Fora de água, a lancha tinha apenas parte da porta de abater.

Era imperioso alguém ir a Bigene, o aquartelamento do Exército mais próximo, situado a cerca de três quilómetros e regressar com socorros. Sendo os restantes elementos novos na guarnição e o telegrafista o único conhecedor da zona, empunhou a arma e foi ele próprio, conseguindo lá chegar coberto de lama e sem percalços pelo caminho.

Entretanto, a LDM 304, que navegava não longe do local, alertada pelo ruído das explosões e tiros da “302”, dirigiu-se ao local deparando, para espanto da guarnição, com uma lancha totalmente afundada, sem ninguém à vista.

Passaram-lhe um cabo de reboque e seguiram rio abaixo, avistando pouco depois os sobreviventes que embarcaram e relataram o sucedido.

Mas nesse dia a má sorte acompanhava a LDM 302. Ao aportarem a Ganturé, local escolhido para encalhar a lancha, em águas poucos profundas para poder ser recuperada, o artilheiro Carvalho, que saltara do bote para a “302” a fim de manobrar os cabos de reboque, caiu à água e nunca mais foi visto, não obstante os porfiados esforços dos seus camaradas, soldados e nativos de terra que tinham acorrido ao local.

Tudo tinha sido muito rápido, com consequências trágicas em escassos vinte minutos de duração, num combate desigual para a guarnição, que enfrentou o inimigo com perda de vidas mas com exemplar determinação, abnegação e estoicismo.

Foram agraciados com a Cruz de Guerra na cerimónia anual do 10 de Junho, no Terreiro do Paço, estando os já ausentes representados pelas suas famílias.

A LDM 302 seria rapidamente recuperada e voltaria a navegar!
(continua)

mls [Manuel Lema Santos] [...]


Cinco homens da guarnição que sofreu o último ataque [, 18 de fevereiro de 1969,], da esquerda para a direita: Mar CM Paquete, Cabo M Inácio, Mar A Correia, Mar CM Nogueira e Mar CE Martins (o penúltimo estava presente em três ataques à lancha e o último, no segundo e terceiro ataques). Foto da Revista da Armada, reproduzida com a devida vénia.



A LDM 302 navegando no Cacheu, junto ao tarrafo da margem. Legenda; A – Poço(resguardado com chapa balística); B – Peça Oerlinkon; C – Tarrafo; D – Casa do leme; E – Bote de borracha; F – Porta de abater; G – WC. Foto da Revista da Armada, reproduzida com a devida vénia.

Fotos: © Manuel Lema Santos (2008). Todos os direitos reservados.

C. Reserva Naval > 2 de dezembro de 2008 > A epopeia da LDM 302 na Guiné 

(Parte II) [Excerto]


por Manuel Lema Santos

Novo ataque e incêndio da lancha em 10 de Junho de 1968

No dia seguinte, a 20 de Dezembro [de 1967], equipas do SAO - Serviço de Assistência Oficinal e da secção de mergulhadores sapadores, rumaram para Ganturé embarcadas na LFG “Sagitário” com a finalidade de procederem ao salvamento da LDM 302. Aquela unidade naval, conjuntamente com a LFP Canopus, garantiram apoio próximo e também escolta ao rebocador “Diana".

Reposta a lancha a flutuar e ainda sob escolta da mesma LFG, foi rebocada para Bissau, onde subiu o plano inclinado no dia 23. Os trabalhos de reparação prolongaram-se até 6 de Janeiro do ano seguinte [, 1968].

Dia de alegria e também de orgulho para toda a equipa, foi aquele em que a LDM 302 içou à popa a bandeira nacional e recomeçou a navegar com nova guarnição, pronta para outras missões.

Entendeu o Comando da Esquadrilha de Lanchas que deveria regressar ao rio Cacheu, agora integrada na organização operacional do dispositivo de contra-penetração ali montado, a Operação Via Láctea, que viria a manter-se até final de 1971.

Seis meses depois do primeiro afundamento e exactamente no mesmo local, Porto de Coco, Tancroal, no dia 10 de Junho, descendo também o Cacheu, foi novamente atacada com canhão sem recuo, lança-granadas foguete, morteiros, metralhadoras pesadas e armas ligeiras, numa dura demonstração de poder de fogo do inimigo.

Apesar da reacção imediata da LDM 305, comandada pelo cabo de manobra Lobo que navegava nas suas águas, logo aos primeiros disparos do inimigo foi atingido mortalmente por uma munição de lança-granadas foguete o grumete artilheiro António Manuel. Outro projéctil idêntico atingiu o escudo da Oerlinkon, fragmentando-se em numerosos estilhaços que feriram com gravidade, no tronco e nas pernas, o marinheiro artilheiro Manuel Luís Lourenço da Silva.

Mesmo ferido, continuou o artilheiro a fazer fogo sobre o inimigo, até que uma granada de morteiro deflagrou no poço da lancha, ateando um incêndio que se propagou à cobertura do poço e ao bote de borracha, provocando tal fumarada que o forçou a abandonar o posto da peça.

Ajudado pelo marinheiro fogueiro Ludgero Henriques de Oliveira, lançou o bote à água, fazendo o mesmo com o depósito de gasolina, pelo perigo que constituía. Colocaram o camarada já sem vida à popa, a salvo das chamas, voltando seguidamente à peça e continuando a fazer fogo até calar o inimigo.

O incêndio já tinha tomado proporções alarmantes estendendo-se a toda a lancha e o patrão, cabo de manobra Francisco Pereira da Silva, resolveu abicar à margem Norte. Saltaram então para a água e nadaram para terra conseguindo atingir o tarrafe.

A LDM 305, que não fora atingida, aproximou-se do local, embarcou todos os elementos e seguiu para Ganturé, onde o patrão da lancha, em estado de choque e o marinheiro artilheiro ferido, foram evacuados de avião juntamente com o corpo do artilheiro morto em combate.

No dia seguinte, a “302” que continuava a arder, foi rebocada pela “305” para Ganturé, onde mais uma vez a equipa SAO e uma equipa de mergulhadores sapadores, com guarda montada por um destacamento de fuzileiros especiais a conseguiram repor em condições de ser rebocada para Bissau.

Apoio próximo dado pelas LFP Canopus e LFG Orion, tendo esta última procedido ao reboque da lancha até Barro, continuado depois pelo rebocador Diana até Bissau, com escolta daquela LFG.

Além dos elementos referidos, faziam igualmente parte da guarnição da LDM 302 o marinheiro telegrafista António Marques Martins e o marinheiro fogueiro Manuel Fernando Seabra Nogueira.


... e novamente recuperada, já não voltou ao Cacheu!

Em 26 de Julho voltou a subir o plano inclinado donde saíra quinze dias antes, mantendo-se ali em reparações até 10 de Novembro [de 1968], data de aprontamento para regressar às habituais fainas.

Sabido que, na generalidade dos casos, os marinheiros são supersticiosos, não seria de estranhar que as guarnições da LDM 302 fossem sedimentando a convicção de que a lancha não se dava bem com os ares do Cacheu.

Compreensivelmente, o Comando da Esquadrilha de Lanchas decidiu-se pelo não regresso da lancha àquele rio, atribuindo-a à TU4*, conjunto de unidades navais encarregadas de manter o dispositivo de contra-penetração no rio Grande de Buba e com as mesmas missões de sempre, ou seja, transporte de forças de desembarque, apoio de fogo em operaçoes militares e escoltas a combóios mercantes além de outras acções.

Já em 1969, pelas 11:30 horas do dia 18 de Fevereiro, quando navegava em missão de fiscalização, frente à foz do rio Uajá, afluente do rio Grande de Buba, foi atacada violentamente da margem esquerda com canhão sem recuo, lança-granadas foguetes e ainda metralhadoras ligeiras e pesadas.

Logo aos primeiros disparos, a cobertura da lancha ficou parcialmente destruída e foi ferido com gravidade o marinheiro artilheiro Dimas de Sousa Correia que, mesmo perdendo muito sangue, se manteve no seu posto de combate, disparando ainda quatro carregadores da Oerlinkon sobre o inimigo.

Talvez o seu sacrifício tenha evitado piores consequências ainda que, mesmo assim, registassem ferimentos ligeiros o marinheiro telegrafista, já mencionado em ocasião anterior, e o marinheiro fogueiro Custódio Mestre Paquete.

Houve igualmente um princípio de incêndio, originado por estilhaços dum projéctil de lança-granadas foguete que atingiu a cobertura do poço, mas foi rapidamente extinto.

O patrão da lancha era o cabo de manobra Manuel António Inácio, e ainda fazia parte da guarnição o marinheiro fogueiro Nogueira, numa prova evidente e confirmando o popular ditado de que não há duas sem três...

Depois de evacuados e substituídos os elementos da guarnição referidos neste combate, a LDM 302 continuou a cumprir as habituais missões no rio Grande de Buba.

Até ao final da sua vida operacional, nunca mais foi atacada a gloriosa e nobre LDM 302. Passou à situação de desarmamento em 27 de Julho de 1972, tendo sido abatida ao efectivo dos navios da Armada em 30 de Novembro desse mesmo ano.

Notável historial de uma pequena unidade da Marinha de Guerra, a roçar a ficção ou o lendário, não tivessem sido reais os combates travados e as baixas sofridas. Os elementos das sucessivas guarnições, sem excepção, honraram ao mais alto nível um dever pátrio, no cumprimento das missões de que foram incumbidos, pagando alguns deles com a vida, a dedicação, a determinação e o estoicismo.

Estarão sempre presentes na nossa memória! [...]

Fontes:

Arquivo de Marinha,
Revista da Armada nº 129 de Julho 1982,
Setenta e Cinco Anos no Mar, da Comissão Cultural de Marinha,
Anuário da Reserva Naval, de Adelino Rodrigues da Costa e Manuel Pinto Machado Fuzileiros - Factos e Feitos na Guerra de África. de Luís Sanchez de Baêna

mls [Manuel Lema Santos]
_________________

Nota do editor:

Último poste da série > 5 de novembro de 2011 > Guiné 63/74 - P9000: Antologia (75): Tarrafo, crónica de guerra, de Armor Pires Mota, 1ª ed, 1965 (8): Ilha do Como, 15 de Março de 1964: E Deus desceu à guerra para a paz (Último episódio)...