sábado, 4 de agosto de 2012

Guiné 63/74 - P10228: Tabanca Grande (353): Humberto Martins Nunes, ex-Alf Mil Art.ª, CMDT do 23.º Pel Art.ª (Gadamael Porto e Cuntima, 1972/74)

1. Mensagem do nosso camarada e novo tertuliano Humberto Martins Nunes (ex-Alf Mil Art.ª, CMDT do 23.º PelArt,  Gadamael Porto e Cuntima, 1972/74, com data de 3 de Agosto de 2012):

Caro Luís
Finalmente, depois de muitos meses de leitura do magnífico instrumento que criaram para evocar/relembrar os tempos que passámos na Guiné, consegui escrever alguma coisa sobre a minha estadia e poder juntar-me à Tabanca.
Aqui vai, portanto, a minha “história”.

Um abraço
Humberto Nunes


2. APRESENTAÇÃO:

Humberto Martins Nunes
Alferes Miliciano de Artilharia
Comandante do 23.º PELART
Chegada à Guiné – 15 de Julho de 1972
Partida da Guiné e chegada à Metrópole - 9 de Junho de1974
Nascimento - 27/4/1949
Morador em Bobadela-Loures e Marinha Grande
Casado – Um filho
Engenheiro Técnico - Reformado – Trabalhei na Sorefame/Adtranz/Bombardier desde 1975 até ao seu fim na Amadora–Junho de 2004
e-mail: humbertomnunes@netcabo.pt

Locais de permanência:
Gadamael Porto – de Julho de 1972 a Abril de 1973
Cuntima – de Maio de 1973 a Junho de 1974


3. A MINHA HISTÓRIA

Cheguei a Bissau, em rendição individual, no dia 15 de Julho de 1972 como Alferes Miliciano de Artilharia.

Durante a apresentação ao comandante do GA7, com mais três camaradas que viajaram comigo num Boeing 707 dos TAM, o comandante deu-nos a prelecção habitual em relação à nossa missão e indicou-nos os quatro locais para onde iríamos. A escolha seria feita por sorteio porque havia uns considerados maus e outros piores.

Num intervalo da prelecção, um dos camaradas perguntou: "meu comandante quando é que podemos ir de férias"? Esta pergunta, aparentemente pacífica, “azedou” o ambiente e, a partir desse momento, o comandante zangou-se, a conversa acabou e o sorteio também. Um vai para Gadamael (o meu caso), outro para ??, outro para ??....... e podem sair.

Assim começou – mal – a minha estadia na Guiné. Após uns dias de curso de reciclagem/aprendizagem sobre obuses, uma avioneta DO27 levou-me de Bissau até Catió, ponto de escala e estadia de três dias. Comigo viajou o Alferes Trindade que eu ia substituir e que se encontrava em Bissau nessa altura.

Outro DO27 levou-nos ao destino final Gadamael Porto. Aqui encontrei o 23.º Pelotão de Artilharia com três obuses 10,5 , a CCAÇ 3518 e o Pelotão de Reconhecimento Fox. Em relação ao que me tinham indicado - Gadamael era um “buraco” – considero que os meses que estive em Gadamael foram relativamente calmos.

Uns batimentos de zona com os obuses e 3 ataques com morteiros do PAIGC, sem quaisquer consequências físicas para o pessoal, foram as actividades que podem ser consideradas de guerra. Uns jogos de futebol entre Artilharia, CCAÇ (vários pelotões) e o Pelotão Fox proporcionaram bons momentos de descontracção mas com cada um a querer ganhar.

Para variar de desporto organizou-se um Rali, dentro do aquartelamento, em que as viaturas concorrentes eram as ”mais indicadas” para esta modalidade: Unimog, Berliet, GMC e o jipe do capitão Manuel Nunes Sousa. Como era lógico, tudo apontava para a vitória do capitão mas, quando deixou o motor do jipe ir-se abaixo, logo apareceram alguns “ajudantes amigos inocentes” para empurrá- lo e voltar a pegar. (o empurrão era normalmente a chave de ignição do Jipe) Foi uma pena o Regulamento ( feito com malandrice) não permitir empurrões....!!!

Em Março de 1973 “assistimos” à queda do primeiro Fiat sobre a zona de Guileje: vimos chegar dois e pouco depois já só víamos um, sem imaginar o que tinha acontecido.

Em 1973 acompanhei a chegada da CCAÇ 4743 e a partida da CCAÇ 3518 que, aparentemente, ía para uma zona boa como compensação da estadia em Gadamael. Afinal, essa compensação teve o efeito contrário, já que foi então que aconteceram as perdas de vidas de alguns camaradas.

Em Abril de 1973, recebi a indicação de que o Pelotão – material e guarnição - iria ser transferido para Cuntima.

A princípio houve alguma sensação de desagrado, já que, apesar do local não ser propriamente um campo de férias, estavamos habituados, conhecíamos nos mapas os locais onde as nossas tropas faziam o reconhecimento nas matas e onde o PAIGC tinha os seus corredores de passagem e os momentos de guerra propriamente vividos estavam longe do que era previsto.

No entanto, quando passados apenas 15/20 dias da nossa partida, Gadamael se transformou, em conjunto com Guileje e Guidage, num dos mais terríficos locais da Guiné, com dezenas de mortos e feridos verificámos que tínhamos tido a sorte que, infelizmente, não tiveram muitos dos camaradas que lá ficaram.

A viagem de Gadamael para Cacine foi feita em duas LDM. Uma vez que o braço do rio que banhava Gadamael estava sujeito às marés, só havia cerca de 2 horas para efectuar o carregamento dos obuses, granadas, do pessoal e de todos os seus pertences que eram constituídos por roupa e outros objectos pessoais, patos, cabras, galinhas, coisas inimagináveis. No que respeitava ao pessoal do pelotão oriundo da Guiné – cerca de 15 pessoas – no fundo, era o transporte de todas as suas vidas já que as suas mulheres e filhos viviam ali no quartel.

No meio de uma confusão indescritível, lá se conseguiu fazer o carregamento e, com a água do rio já a fugir, as LDM iniciaram a viagem até Cacine onde estivemos cinco dias a aguardar a chegada de transporte para Bissau. Uma LDG levou-nos até Bissau, com um desvio e uma paragem de duas horas junto à Ilha de Bubaque, zona onde dezenas de golfinhos nos saudaram.

Quando saímos de Gadamael, o aquartelamento ficou sem a protecção da Artilharia, uma vez que os obuses 14 que iriam substituir os 10,5 se encontravam em Cacine à espera de transporte. Além disso, as dimensões dos espaldões de protecção dos obuses 10,5 não permitiam que os mesmos servissem para os obuses 14 com uma envergadura bastante maior.

Chegados a Bissau, os obuses e granadas foram entregues no GA7.

Após alguns dias em Bissau a aguardar a formação de uma coluna para Farim, partimos com destino a Cuntima/Colina do Norte.

Em Farim, seis dias de estadia à espera de coluna para Cuntima, notavam-se já os efeitos dos ataques em Guidage.

A viagem de Farim para Cuntima, feita numa picada muito concorrida pelo PAIGC e muito minada, foi feita com alguma ansiedade já que o pessoal do pelotão não estava habituado a deslocações deste tipo. Após paragem em Jumbembem lá seguimos para Cuntima

O Pelotão de Artilharia aqui destacado tinha dois obuses 10,5 e o 3.º estava destacado em Jumbembem “à guarda” de um dos furriéis.

A calma foi alterada algumas vezes quando umas dezenas de morteiradas caíram no interior do quartel mas apenas causaram susto e danos materiais. No entanto, um ataque com foguetões deu origem a vários feridos, um deles muito grave. A noite impediu que a evacuação daquele se fizesse porque os hélis já não voavam. Nessa noite, a messe, que tinha o tecto mais ou menos reforçado, transformou-se em enfermaria. A mesa de refeições serviu de cama onde foi montado o melhor dispositivo possível para tratar o ferido. A imagem de montes de ligaduras ensanguentadas em conjunto com as emoções e ansiedade devidas aos acontecimentos daquela noite foi o momento mais marcante da “minha guerra”.

A evacuação, feita na manhã seguinte, já não deu para salvar aquela vida.

Chega o 25 de Abril de 1974. Ouvimos qualquer coisa sobre o que se estava a passar na Metrópole mas as notícias eram muito vagas.

Quando acabou o prazo previsto da minha estadia, preparei as malas e, assim que o meu substituto chegou, “saltei” para um heli que levava o correio. A viagem até Bissau, feita rente ao chão para evitar os mísseis – a guerra ainda não tinha terminado totalmente – foi bastante emocionante.

Cheguei a Bissau, era sábado de manhã, e ao saber que o transporte para a Metrópole poderia demorar muito, fui a correr à TAP, comprei um bilhete para Lisboa para o dia seguinte 9/6/74. Corri em seguida para o QG, onde todo o pessoal estava já a sair para o fim de semana, para obter os documentos de “libertação”. A última assinatura, a do 2-º Comandante – Spínola estava em Lisboa - foi o último acto militar. Ao chegar a casa provoquei uma agradável surpresa já que não tinha avisado ninguém.


4. MEMÓRIAS FOTOGRÁFICAS:


Cuntima > A minha 2.ª suite > 1.ª porta à esquerda

Cuntima > As casas dos Artilheiros

Cuntima > Obús à espera de acção

Cuntima > Alf Mil Soares (de costas), Alf Mil Martins, Alf Mil Ferreira e eu


5. COMENTÁRIO DE CV:

Caro camarada Humberto Nunes, bem-vindo e muito obrigado por acreditares no nosso projecto.
O nosso Blogue está a caminho dos 9 anos de existência, e com muito orgulho que recebemos, ainda hoje, os camaradas que se nos dirigem com a vontade de pertencer a esta já grande família de ex-combatentes da Guiné, onde também colaboram pessoas que de alguma maneira se sentem ligadas àquela terra ou a quem por lá fez a guerra.

A partir de hoje contamos com a tua colaboração em memórias ou fotos, ou ainda comentando o que por aqui se vai escrevendo.

Sobre Gadamael muito já foi escrito nesta página, basta clicares, por exemplo, nos marcadores Gadamael e Memórias da CCAÇ 798 para acederes aos diversos postes existentes.

Deves ter conhecido o nosso camarada Daniel Matos, ex-Fur Mil, recentemente falecido, que nos deixou um excelente contributo ("Os Marados de Gadamael") sobre a sua Companhia, CCAÇ 3518, a que fazes referência na tua apresentação.

As fotos que mandaste e que hoje não foram publicadas, sê-lo-ão brevemente na série "Memória dos Lugares". Se tiveres outras que gostasses de ver publicadas, manda para mim.

Antes de terminar crê-nos ao teu dispor para qualquer esclarecimento adicional.
Recebe um abraço de boas-vindas em nome da tertúlia e dos editores.

O teu camarada e novo amigo
Carlos Vinhal
____________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 1 de Agosto de 2012 > Guiné 63/74 - P10217: Tabanca Grande (352): Ricardo Marques de Almeida, ex-1.º Cabo da CCAÇ 2548/BCAÇ 2879 (Farim, K3, Cuntima e Jumbembem, 1969/71)

Guiné 63/74 - P10227: Blogpoesia (196): Na Grande Rota Caminho do Atlântico (GR11 - E9), a Praia do Paimogo da minha infância... (Luís Graça)



Lourinhã  > Praia de Paimogo > 28 de julho de 2012 > Uma maré de algas vermelhas...

Vídeo (2' 07''): © Luís Graça (2012). Alojado em You Tube > Nhabijoes







Lourinhã > Vimeiro > Monumento comemorativo e centro de interpretação da Batalha do Vimeiro > Azulejo alusivo ao desembarque das tropas luso-britânicas, na Praia de Paimogo, em 19 de Junho de 1808... A batalha do Vimeiro desenrolou-se em 21 de Agosto de 1808. Azulejo desenhado e pintado à mão por Salvador (2000).

Foto: © Luís Graça (2011). Todos os direitos reservados.


Paimogo da Minha Infância
por Luís Graça

Não preciso de ser geólogo
Para te amar,
Ó Praia de Paimogo
Da minha infância.

Nem de ser paleontólogo
Para desenhar na areia
As peugadas da tua errância
De dinossauro do Jurássico Superior (1).

Nem muito menos biólogo ou sociólogo
Para te conhecer aí onde
Se alimenta o recolector-caçador,
E o polvo, o povo, se esconde
Nas marés vivas de lua cheia (2).

Fugi de terramotos e tempestades,
Procurei abrigo na tua enseada,
Domei as ondas e o vento,
Desfiz mitos,
Adorei divindades,
Esculpi a esfinge alada
Que guarda a porta do teu templo.

Andei na pesca ao candeio,
Fui pescador de lagosta,
Camponês, jornaleiro, camarada,
Andarilho de costa a costa,
Negociante de peixe, almocreve,
Apanhador de algas, caçador submarino,
Amigo do fado e da boémia,
Poeta, pirata e frade,
Mulher e fêmea,
Viúva de vivo e de morto,
Zé-Ninguém, cidadão clandestino.

Vim da Bretanha em barcos a vapor,
Fui avieiro nos meses longos de verão,
Fenício, cartaginês, romano e moçárabe,
Português do mundo em cada porto (3).

Armei navios, enriqueci, trafiquei,
De escravos fui senhor,
E dono de engenhos nos Brasis.
Embarcadiço e capitão do norte,
Aventureiro e explorador colonial,
Bandeirante, garimpeiro,
Prostituta e proxeneta,
E até de príncipes fui conselheiro.

Carreguei vinho nos barris
Da nossa Nau Catrineta,
Para a corte russa, imperial;
Naufraguei em ilhas longínquas, polinésias,
Adubei as minhas terras
Com o limo do mar dos sargaços;
Fiz o meu ninho de ave de rapina
No alto das tuas falésias,
Fui presa e predador,
Dos contrabandistas segui os passos,
Lavrei o mar, semeei a morte;
Sobrevivi a mil e uma guerras,
E os meus mortos enterrei
Nas tuas areias.

Vigiei o mar, o céu e a terra
Do alto setecentista do teu forte (4);
Tive visões, vi monstros e sereias,
Fugi das garras dos terópodes,
Escapei dos mandíbulas dos crocodilos,
Lutei contra muitas outras feras,
Fiz a paz e a guerra,
Da vida conheci todo os estilos,
Fui condenado às galeras
E quase devorado por gastrópodes,
Peguei de caras o minotauro,
Estive cativo do mouro
Nas longínquas Mauritânias,
Choquei os teus ovos de dinossauro,
Construí castros, citânias,
Andei à deriva dos continentes,
Sobrevivi à fome e à peste,
Andei a monte, fugi a salto,
Lutei pela liberdade,
Pela lei e pela grei gritei bem alto,
De norte a sul, de leste a oeste,
E a pátria te defendi,
Contra todos os invasores.

A verdade, a verdade,
É que cobiçada por muitas gentes,
Desejada por muitos senhores,
Nunca nenhuma armada invencível te venceu,
Ó Praia de Paimogo da minha infância.
Se te perdeste,
Se alguma vez te perdeste,
Foi só por amores.

Quando eu era criança,
Quando eu tive a sorte de ser criança
Como diria o Fernando Pessoa,
As sardinhas voltavam sempre,
Em frágeis cardumes de prata e luar,
À praia onde haviam desovado.

Quando eu era menino e moço,
No tempo em que ainda partiam soldados
Para a Índia, para Goa,
Havia uma princesa, moura, encantada,
Numa das tuas grutas submarinas;
O corpo coberto de ágar-ágar,
Era fonte de água pura, quente e doce,
Donde bebiam os ofegantes cavalos alados,
Com as suas enormes narinas.

E o vento, a nortada,
Nas velas dos barcos e dos moínhos,
Falavam-me da tragédia antiga,
Mas ainda viva,
Da filha do teu capitão
Que se havia matado do alto da arriba,
Dizem que por amor e solidão.

No antigo reino mouro,
E depois franco e fero, da Lourinhã,
Também os búzios me diziam
Que à noite as luzinhas,
A sul das Ilhas Berlengas,
Eram as alminhas
Dos que morriam
No mar, sem sepultura cristã.

Pobres náufragos,
Marinheiros, pescadores,
Poetas loucos, errantes, noctívagos,
Imigrantes clandestinos,
Corsários, contrabandistas, pecadores,
À deriva, sem um ui nem um ai,
Agarrados às tábuas do barco Deus é Pai (5).

Hoje não acredito mais
Nessas lendas das alminhas
Que eu ouvia aos ceguinhos das feiras,
Vendedores de letras de fado
E do Borda-d’Água:
Afinal essas luzinhas,
Lá longe e ali tão perto,
São apenas as traineiras
Ao largo do Mar do Serro,
Atrás dos cardumes de sardinhas.

© Luís Graça (2005-2012)
____________________

Notas de L.G.:

(1) A região do Oeste (e em particular o concelho da Lourinhã) é rica em vestígios paleontológicos dos dinossauros do Jurássico Superior (c. 150 milhões de anos). Em 1993, foi descoberto na zona de Paimogo aquilo que viria a ser considerado o maior ninho de ovos de dinossauro do mundo. Segundo o jovem paleontólogo e meu amigo, o Doutor Octávio Mateus, a jazida de Paimogo tem cerca de 120 ovos. “Existem ovos ou cascas de ovos mais antigos, mas o ninho de Paimogo é a mais antiga estrutura de nidificação. É o único com embriões na Europa e possui os mais antigos ossos com embriões do mundo (150 milhões de anos)”. Além disso, misturados com os ovos de dinossauro, “descobriram-se três ovos de crocodilo, os mais antigos do mundo". Essa ocorrência, conclui o jovem cientista lourinhanense, "permite-nos pensar numa relação de comensalismo entre dinossauros e crocodilos durante o Jurássico”.

(2) Em Agosto de 2005 foi lançado um livro interessante sobre  , da autoria da bióloga marinha Ana Silva, natural do concelho da Lourinhã. Esta actividade, embora complementar (da agricultura, da pesca, etc.), ainda hoje é um dos traços da identidade cultural das gentes ribeirinhas deste concelho. A edição do livro é da Câmara Municipal da Lourinhã (2005).

(3) A presença humana em Paimogo está documentada por vestígios arqueológicos, remontando pelo menos ao Calcolítico. A região da Lourinhã também foi habitada por povos como os iberos, os fenícios, os gregos, os túrdulos e os cartagineses. A passagem mais marcante foi, todavia, a dos romanos e, depois, a dos mouros. Na reconquista destas terras, D. Afonso Henriques foi ajudado por cavaleiros francos (isto é, oriundos da antiga Gália), entre eles D. Jordão, que irá ser o primeiro donatário da Lourinhã (Cipriano, 2001. 17-25).

(4) O Forte de Paimogo, construído em 1674, construído durante a regência do príncipe D. Pedro, futuro rei D. Pedro II, “fazia parte de uma linha defensiva da costa portuguesa, que começava na Praça Forte da vila de Peniche e estendia até ao Forte de São Francisco de Xabregas, na cidade de Lisboa” (Cipriano, 2001.143). Classificado como imóvel de interesse público pelo Decreto nº 41191, de 18 de Julho de 1955,  esteve em estado de ruína durante anos, tendo sido objeto há uns anos de uma intervenção de recuperação pela Câmara Municipal da Lourinhã.

(5) O concelho da Lourinhã também tem a sua quota-parte na história trágico-marítima deste país. Cipriano (2001. 261-262) refere a ocorrência, de 1968 a 2000, de seis naufrágios de barcos de pesca onde morreram três dezenas de filhos da terra, com especial destaque para as gentes de Ribamar (fora outros acidentes de trabalho mortais, cujo número se desconhece).

Um desses naufrágios foi o do barco Deus é Pai, em 26 de Março de 1971, no Mar do Serro, ao largo do Cabo Carvoeiro. Os restantes foram os do Certa (15 de Maio de 1968), Altar de Deus (6 de Novembro de 1982), Arca de Deus (17 de Fevereiro de 1993), Amor de Filhos (25 de Julho de 1994) e Orca II (antigo Porto Dinheiro) (19 de Julho de 2000). Entre estes homens há parentes meus, da grande família Maçarico, de Ribamar, donde era oriunda a minha bisavó paterna, Maria Augusta (nascida em 1864).

Referência bibliográfica:

Cipriano, Rui Marques (2001) – Vamos falar da Lourinhã. Lourinhã: Câmara Municipal da Lourinhã.

Sitografia:

 Lusodinos - Dinossauros de Portugal

Museu da Lourinhã







Infografias: Painel informativo da Rede Natura Oeste, Praia da Areia Branca... A Grande Rota Caminho do Atlântico - Rede Natura Oeste (GR 11 - E9), numa extensão de cerca de 70 km, vai da Praia da Assenta Sul (Torres Vedras) até ao Cabo Carvoeiro (Peniche), incluindo as minhas praias  favoritas no concelho Lourinhã, entre as quais está o Paimogo.... Reprodução com a devida vénia, a partir de fotos de L.G.

___________________

Último poste da série > 3 de agosto de 2012 >  Guiné 63/74 - P10223: Blogpoesia (195): Ah, ladrão e No ambiente de uma tasca (José Manuel M. Dinis)

Guiné 63/74 - P10226: Estórias dos Fidalgos de Jol (Augusto S. Santos) (7): Os "cubanos"

1. Primeira estória, de mais uma série de três, dos Fidalgos de Jol, enviada pelo nosso camarada Augusto Silva Santos (ex-Fur Mil da CCAÇ 3306/BCAÇ 3833, Pelundo, Có e Jolmete, 1971/73), em mensagem do dia 2 de Agosto de 2012:

Camarada e Amigo Carlos Vinhal,
Depois do teu desafio e, após rebuscar no meu baú das memórias e do contacto com um ex-camarada, atrevo-me a contar mais 3 Estórias dos Fidalgos do Jol, nem todas com um final feliz, mas com a suficiente dose de insólito e humor que, passados todos estes anos, ainda mais divertidas se tornam.
Nos ficheiros anexos envio-te a primeira destas três estórias e mais algumas fotos, que obviamente deixo ao teu critério a possível publicação.

Mais uma vez recebe um grande e forte abraço, e muito obrigado por toda a preciosa colaboração.
Augusto Silva Santos


ESTÓRIAS DOS FIDALGOS DE JOL (7)

Os “Cubanos”

Já perto do final da comissão do BCaç 3833 (Out1972), o então Comandante do CAOP1 sito em Teixeira Pinto, mais propriamente o Coronel Paraquedista Rafael Durão, determinou que se realizasse uma acção conjunta a nível das três Companhias operacionais, ou seja, a 3306 de Jolmete, a 3307 do Pelundo, e a 3308 de Có. Foi estabelecido um plano por forma a que os respectivos Grupos de Combate se encontrassem em determinado ponto, mais propriamente onde confinava a zona de actuação definida para cada uma delas, sendo o vértice uma extensa bolanha.

Já perto do ponto de encontro em questão na região de Catafe e, mais ou menos à hora combinada, foi tentando por nós (Grupo de Jolmete) o contacto via rádio, com vista a apurarmos em que posição se encontraria cada um dos Grupos, para que a aproximação (reconhecimento) se realizasse dentro da máxima segurança.

É nessa altura que somos alertados pelo Grupo de Có, de que estariam a avistar movimentação do que suponham ser um bigrupo do inimigo, comandado por “Cubanos”, pelo que perante tal alerta, parámos de imediato a nossa progressão e tomámos posição de emboscada, aguardando melhor informação sobre a posição do tal grupo de guerrilheiros.

Talvez cerca de um ou dois minutos depois, somos informados da eventualidade de termos sido detectados, visto que o inimigo estava a emboscar, pelo que a nossa progressão se deveria fazer com o máximo cuidado, tendo-se inclusive ponderado se não seria melhor solicitar apoio aéreo para bater a zona, tendo em conta ser um grupo com muitos elementos e, dada a extensão da bolanha, ser difícil aos Grupos de Có e Pelundo chegarem rapidamente até nós para fazer um possível envolvimento, sem serem também detectados.

Porque a posição assinalada pelos camaradas de Có, era coincidente com aquela em que nos encontrávamos, questionámos de imediato se algo de errado não se estaria a passar, e sugerimos que um dos elementos do nosso Grupo se assomasse até à orla da mata com a tela de sinalização usada para o apoio aéreo, para nos identificarmos. Escusado será dizer que rapidamente se chegou à conclusão de que o grupo supostamente do inimigo era afinal o nosso, que seguia na frente com boa parte dos elementos do Pelotão de Milícias, e afinal os “Cubanos” não eram mais do que eu e o outro Furriel que estaríamos a tentar orientar o decorrer da acção.

Importar salientar que a bolanha em questão era de facto muito larga e extensa, e a distância entre os nossos Grupos não permitia no imediato uma melhor identificação do pessoal, além de que parte da confusão foi originada pelo facto de, tanto eu como o outro Furriel, estarmos na altura a usar não os nossos tradicionais quicos, mas sim bonés não convencionais. Eu estava com um boné de xadrez com pompom, que me tinha sido oferecido por um Cabo apontador da bazuca, o qual lhe havia sido trazido por emigrante amigo em França, e o outro Furriel com um chapéu improvisado feito de folhas de palmeira, para se proteger do sol intenso.

Até então o dito boné (com o qual tenho algumas fotos) funcionou para mim como um amuleto, mas até ao final da comissão não voltei a usá-lo, não fosse o diabo tecê-las. Para “Cubano”, bastou um dia.

Curiosamente havia de devolvê-lo 30 anos depois ao seu antigo e primeiro proprietário, aquando de um dos encontros da nossa Companhia, em que este acontecimento acabou por ser recordado com algum gozo.

Este é um dos muitos episódios ocorridos em cenários idênticos que, não só por mera sorte mas também com responsabilidade, acabou por ter um final feliz. Por fim ainda brincámos com a situação, mas nem quero imaginar as consequências graves que poderiam ter ocorrido, se por acaso os outros Grupos ou a aviação (que não chegou a ser solicitada) tivesse aberto fogo sobre nós.

Jolmete, Janeiro de 1972 > Na tabanca

Jolmete, Março de 1972 > Entrada do Quartel

Jolmete, Maio de 1972 > Interior do meu abrigo

Jolmete, Junho de 1972 > Entrada do meu abrigo

Jolmete, Julho de 1972 > Trilhos de Gel

Jolmete, Agosto de 1972 > Regresso da Bolanha de Gel

Jolmete, Agosto de 1972 > Boné do Cubano
____________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 26 de Julho de 2012 > Guiné 63/74 - P10197: Estórias dos Fidalgos de Jol (Augusto S. Santos) (6): Cabo Bigodes, o homem-macaco

Guiné 63/74 - P10225: Do Ninho D'Águia até África (4): No aquartelamento, quase em final de construção (Tony Borié, ex-1.º Cabo Op Cripo, Cmd Agrup 16, Mansoa, 1964/66)

Aquartelamento de Mansoa

Foto: © César Dias. Todo os direitos reservados


1. Continuação da publicação de Do Ninho de D'Águia até África, de autoria do nosso camarada Tony Borié (ex-1.º Cabo Op Cripto, Cmd Agrup 16, Mansoa, 1964/66). iniciada no Poste P10177. O Tony Borié, natural de Águeda, vive nos EUA, Flórida, há 40 anos.

Do Ninho D'Águia até África (4)

No aquartelamento, quase em final de construção

Neste aquartelamento, todos trabalham, ou pelo menos tentam estar ocupados.

Mesmo depois de completas, as principais instalações, havia sempre coisas a improvisar. -sePor exemplo, com a madeira das caixas de munições faziam-se mesas e secretárias, que se usavam para escrever os aerogramas e as cartas para a família e as madrinhas de guerra.

Plantavam pequenas árvores e flores, em alguns locais desertos, que ainda não tinham construção e cada um era proprietário do seu pequeno jardim, que cuidava, e trocavam plantas entre uns e outros.

Chegou a haver uma pequena rivalidade entre o Setúbal e o Trinta e Seis, cada qual tinha o seu jardim, qual deles o mais bonito. O Trinta e Seis era um soldado telegrafista que não sabia quem lhe lhe tinha posto a alcunha, mas todos diziam que era pela estatura do corpo, pois era baixo e forte, mesmo muito baixo e forte, e diziam que era o conjunto de números derivado de uma dúzia. Por exemplo, o corpo inteiro eram doze, metade eram seis, um quarto eram três, e no conjunto dos números, começando por baixo, dava três mais seis, e como ele era baixo e forte, juntaram os números três mais seis e deu no sugestivo nome de Trinta e Seis. Era muito popular entre os militares e conhecido pelo Trinta e Seis.

O Curvas, soldado atirador, alto e refilão, que andava sempre contrariado, não acatava ordens, queria mandar e todos diziam que devia ser general, tinha este nome porque como era alto e magro, caminhava sempre curvado para o lado da frente, por tal motivo ficou a chamar-se o Curvas. Além de andar sempre contrariado, tinha uma linguagem reles, e quando por aquela área passava, dizia:
- Que grande porcaria! Parecem parvos, as flores não servem para comer! Qualquer dia arraso isto tudo!

Com os barris de vinho vazios faziam excelentes cadeiras de encosto e lindos vazos, onde nasciam flores e até pequenas palmeiras. Havia os mais habilidosos que construíam lindas gaiolas para piriquitos, outros pássaros exóticos e macacos bebés.

Os macacos,  depois de conhecerem bem o dono, que os trata e lhes dá de comer, não mais abandonam essa pessoa. Dentro do aquartelamento, debaixo de uma grande árvore, a que chamavam a Mangueira do Setúbal, de quem já aqui falámos, havia um autêntico jardim zoológico, tal era o número de gaiolas com pássaros exóticos e macacos. Todos tinham o seu dono, que os tratava, e perdiam horas na sua companhia.

Alguns andavam a passeá-los pelo aquartelamento, e não raro era o caso em que os traziam para a vila, em especial para a sede o clube de futebol, como por exemplo o Setúbal, que chegou a ter dois macacos, um já adulto e outro bebé, e um periquito. Andava de periquito ao ombro e um macaco a cavalo no outro, isto a passear na vila e, tanto o periquito como os macacos, faziam o que ele mandava, parecia como no circo.

Se algum militar era transferido para outro cenário de guerra, levava o animal com ele. Quando uma coluna militar passava pelo aquartelamento, faziam parte dessa coluna militares, civis, macacos e periquitos, entre outras coisas. Esse zoo, no aquartelamento, ajudava na segurança. Se alguém estranho penetrasse no aquartelamento, pela calada da noite, os primeiros a fazerem barulho eram os macacos.

Havia uma árvore de pequena estatura, mas muito florida, que nasceu junto a um pequeno pântano, que existia dentro do aquartelamento, ao fundo, mais a oeste, que pela manhã se cobria de periquitos e outras aves exóticas, muito coloridas. Um furriel miliciano do pelotão de morteiros todos os dias ia lá colocar comida em cima de um tampão de um barril de vinho vazio, onde os pássaros iam comer e se empurravam uns aos outros, pois cobriam completamente o tampão do barril, ao que o furriel, dizia:
- Esta árvore é a minha gaiola, de periquitos.

Quando criança, na sua aldeia no vale do Ninho d’Águia, o Cifra tinha um cão rafeiro, amarelado, que dormia com ele aos pés da cama, feita de colchão de palha de centeio, das terras altas do pinhal. Pela manhã, ao passar o comboio das seis e meia, que apitava, o Cifra, ainda criança, abria os olhos, passava a manga da camisola pelo nariz, limpando algum ranho, camisola essa já bastante coçada, pois já tinha sido do irmão mais velho que depois a passou para o irmão do meio e que finalmente lhe veio parar ao corpo, tocava com o pé no cão piloto, que compreendia o sinal, e logo se levantava, e dando ao rabo, em sinal de alegria, vinha na sua frente, sentar-se na lareira, onde a mãe Joana já preparava o café de chicória, que com umas côdeas de broa amolecidas, e um pouco de leite de cabra, era o seu pequeno-almoço, que repartia com o cão piloto.

Lembrando toda esta cena, não tardou muito tempo que não tivesse também o seu macaco, um pouco maior, era uma raça a que os naturais chamavam “macaco cão”. Depois de alguns meses de convívio, já fazia algumas habilidades. Alguns até diziam que era mais inteligente que o Curvas, o tal soldado atirador, alto e refilão. O macaco que obedecia ao Cifra, deitava-se, sentava-se, dava a mão, fazia cambalhota, abria a boca, mostrando os dentes e saltava. Era uma cópia do que o Cifra fez quando foi “às sortes”, no quartel da cidade, onde lhe fizeram a inspecção militar, antes de ser incorporado no exército de Portugal. Esse macaco chamava-se Piloto em homenagem ao seu querido Piloto.

Mas voltando ao aquartelamento, enquanto decorriam os trabalhos da sua construção, algumas vezes, durante a noite, o Cifra e os seus companheiros eram flagelados do lado sul, onde havia matas, por granadas de morteiro, seguidos de rajadas de metralhadora, e quando em vez tiros de pistola.

Ninguém sabia porquê, mas até aquela data nunca acertaram no aquartelamento. Voavam granadas de morteiro, que quase sempre vinham cair no que nós chamávamos campo de aviação, no tal terreno plano próximo da aldeia, com casas cobertas de colmo. Pela manhã, era normal sairem diversas secções de combate, ou até mesmo pelotões completos, a fazer incursões no interior das matas. Este conjunto de militares era sempre acompanhado por uns tantos africanos que, pelo menos, mostravam que eram fiéis aos militares, serviam de guias e tradutores, passavam em certas áreas, visitavam aldeias, pediam identificação a alguns naturais, verificavam se havia algo de suspeito e faziam algumas perguntas quando suspeitavam de algo.

Quase sempre por onde passavam não viam ninguém, só talvez pessoas já de uma certa idade, mesmo velhas, a trabalharem nos pântanos do arroz, e crianças, mesmo crianças, com menos de dez anos, a guardarem algum gado, como se fossem pastores.

Quando os militares andavam em patrulha, por essas áreas, se por qualquer circunstância encontrassem um jovem, tanto fazia ser homem ou mulher, que aparentasse idade entre os quinze e os trinta anos, mais ou menos, e não tivesse identificação, ficava nesse momento com o rótulo de guerrilheiro e era aprisionado e trazido para o aquartelamento, como fosse guerrilheiro das forças de libertação, para ser interrogado. Este era o sistema e as ordens que na altura havia.

Os guerrilheiros que compunham os diversos grupos de combate, que queriam a independência, da dita província e a quem o governo de Portugal chamava “terroristas”, embora ainda não tivessem muita experiência de combate, sabiam o que faziam, sabiam estar no terreno. Talvez avisados, precaviam-se e desapareciam dessas áreas. Dava a entender que sabiam o sistema como actuavam os militares.

No aquartelamento dizia-se que aqueles ataques esporádicos, que o aquartelamento sofria, eram só para os militares saberem que eles andavam por ali, e que existiam.

Ninguém sabe se era essa a verdade. Contudo, raro era o dia em que as nossas forças, no regresso ao aquartelamento, traziam de volta prisioneiros, ou qualquer outra informação. Pelo contrário vinham exaustos e com cara de sofrimento.

Num desses ataques, o Curvas, o tal soldado atirador, alto e refilão, que andava sempre contrariado e não acatava ordens, que queria mandar e todos diziam que devia ser general, sai sozinho do aquartelamento, por uma parte onde ainda não havia arame farpado, para o lado das matas, com a G3 em punho, aos tiros, de peito aberto, gritando:
 - Venham cá, filhos da puta!. Turras da merda!. Eu vou matá-los a todos!

Era assim o homem, não obedecia e fazia o que queria. Por acaso não lhe aconteceu nada e regressou ao aquartelamento, pelo mesmo sítio, com a cara vermelha e coberto de suor, deitando saliva pelos lábios, com os olhos vidrados, talvez de fúria.

O tal capitão, que diziam que partia tudo à bofetada, estava lá, viu toda esta cena, na frente de todos, mas nem se aproximou do Curvas, e diziam que a partir desse momento deixou de bater nos soldados.

O Curvas pertencia ao pelotão de morteiros e era amigo do Trinta e Seis, pois só o Trinta e Seis lhe dava ordens e o acalmava.

(Continua)
____________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 31 de Julho de 2012 > Guiné 63/74 - P10212: Do Ninho d'Águia até África (3): Uma pausa para reflectir, guerra é guerra (Tony Borié, ex-1.º Cabo Op Cripo, Cmd Agrup 16, Mansoa, 1964/66)

Guiné 63/74 - P10224: Parabéns a você (454): José Nunes, ex-1.º Cabo Mec Electricista do BENG 447 e Rui A. Ferreira, Ten-Cor Reformado

Para aceder aos postes dos nossos camaradas José Nunes e Rui A. Ferreira, clicar nos seus nomes
____________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 31 de Julho de 2012 > Guiné 63/74 - P10211: Parabéns a você (450): Manuel Augusto Reis, ex-Alf Mil da CCAV 8350 (Guiné, 1972/74)

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Guiné 63/74 - P10223: Blogpoesia (195): Ah, ladrão e No ambiente de uma tasca (José Manuel M. Dinis)

1. Mensagem do nosso camarada José Manuel Matos Dinis (ex-Fur Mil da CCAÇ 2679, Bajocunda, 1970/71), com data de 2 de Agosto de 2012:

Olá Carlos,
Depois da minha apoteótica estreia na condição de poeta, em virtude dos improváveis comentários de três consagrados versejadores, decidi enviar mais dois belos exemplares da minha obra, que são a demonstração clara de que passei ao lado de uma grande carreira artística.
Naturalmente, de tão soberbos, os meus poemas não obedecem a regras, não mostram respeito pela métrica, nem têm que rimar. São o que são: devaneios pelo género.

Para evitares riscos de desconsideração pública, alerto para a eventual conveniência de não os publicares.

Um grande abraço
JD


2. MAIS POESIA DE BAJOCUNDA

Como já antes referi, a minha Companhia não teve autonomia financeira e administrativa durante os primeiros seis meses, pelo que, sendo este poema (Ah, ladrão!) um libelo em relação ao Capitão Trapinhos e a dois sargentos, é necessário excluir deste conjunto o competente Sarg. José Vieira de Sousa, que foi requisitado para Bissau durante aquele período, e constituiu uma perda significativa, bem como o Sarg. Rui Luz, um indivíduo muito simpático e camarada, que manteve um relacionamento de alto nível e educação. Nas minhas notas o poema também se lembra do Silva, um comerciante local.


AH, LADRÃO!

Oh África, Oh África!...
Porque é que és tão quente?
Se soubesses como 
A malta se escalda,
Se ao menos tivesses gêlo, 
Ai África!

E os abastecimentos? 
Coca-cola, Fanta, Sumol, 
Cerveja "pequinina"... 
A cerveja grande deve 
Pagar portagem: subiu para 7,50. 
Whisky, gin, água tónica...

Mas nem o mar,
Nem o rio,
Nem a bolanha,
Não têm fresco.

A coluna vai na picada,
Os lenços não chegam,
P'ra cobrirem da poeira.
À noite o IN ataca,
A malta precipita-se
Na vala.
A temperatura sobe
Aos muitos graus,
Estilhaça!

Se ao menos tivesses gelo!
Sandes de presunto = 10 paus.
Sandes de fiambre = 8 paus.
Sandes de mortadela = 6 paus.
Ah, ladrão!

Bajocunda, 1971


NO AMBIENTE DE UMA TASCA

No ambiente de uma tasca,
Falavam dois velhos varões,
Da falta de culto e do rasca,
Que são dos rufiões.

Mas eis que se levanta um bêbado,
- Alto lá meus senhores!
Dito isto não se conteve:
- Parto-vos as fuças sem muitas dores.

Os barões acabrunhados,
Da manifesta desigualdade,
Foram-se dali muito revoltados,
Que a vingança não tem idades,
Eles serão espezinhados,
Para evitar outras veleidades.

Bajocunda, 1971

OBS: Não sei a que propósito escrevi isto, provavelmente influenciado por alguma notícia que me provocou indignação.
____________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 29 de Julho de 2012 > Guiné 63/74 - P10204: Blogpoesia (194): Lá longe a Pátria e Quando o Estado morrer (José Manuel M. Dinis)

Guiné 63/74 - P10222: O Mundo é pequeno e a nossa Tabanca... é Grande (59): Catió, a emigração em Espanha e o nosso Blogue unem dois camaradas (António Melo / Manuel Pinheiro)

1. Mensagem do nosso camarada António Melo* (ex-1.º Cabo Rec Inf, BCAÇ 2930, Catió e QG, Bissau, 1972/74), com data de 1 de Agosto de 2012:

Hoje estando eu sentado diante do meu ordenador lembrei-me de contar-te uma história bonita que se passou com dois loucos ex-combatentes da Guiné que se conheceram através do blogue e por haverem estado os dois em Catió.

Por certo no mesmo batalhão mas em datas diferentes, esses dois loucos são o Manuel Dias Pinheiro ex-1.º Cabo Radiotelegrafista e o António Melo ex-1.º Cabo Rec Inf, como te deves recordar, foste tu quem nos puseste em contacto depois do pedido do Manuel, do meu email e eu com muito gosto lhe respondi.

Daí em diante temos trocado varia correspondência, eu ao ler o que me contava convidei-o a fazer parte do nosso blogue, ele se me escapou, te garanto que é bom rapaz mas se me escapa com muita habilidade, mas te asseguro que este terá que fazer parte do nosso blogue. Depois de vária correspondência trocada já acertamos que iremos a um almoço do blogue para nos conhecermos pessoalmente visto que neste momento estamos bem longe um do outro, eu em França e ele em Espanha e não nos é muito fácil encontrarmos porque nos separa mil e duzentos quilómetros mas como te digo este vai cair.

Carlos à parte te mandarei um extracto de um email que ele me mandou para que tu com a tua paciência e amabilidade componhas este email porque te digo não tenho impressora para poder compor.

Carlos agora também quero através deste blogue pôr em apertos o Manuel e convidá-lo a juntar-se a esta família que é o blogue e como agora o convite é publico quero ver se esse louco da colina dá o nega ao meu convite.

Gracias
Manuel




2. Primeira mensagem do nosso camarada Manuel Dias Pinheiro, ex-1.º Cabo Radiotelegrafista, enviada ao nosso tertuliano António Melo:

Um amigo que nunca mentiu

Se me recordo da viagem para Catió!!!

Te conto uma história muito grande e assim não estás aborrecido tu e eu.

Assentei praça no RI8 em Braga no dia 28 de Julho de 1969. Aí fiz a instrução e no dia 28 de Setembro do mesmo ano fui para o Porto para o Regimento de Transmissões na Arca d'Água, aí estive fazendo a especialidade de radiotelegrafista até ao dia 22/2/1970. Passei ao Regimento de Transmissões, fui promovido a 1.º Cabo e aí fiz um estágio muito bom, onde fazia de Cabo Dia e algum Cabo de Reforço. Como já tinha muito tempo pensava que já não ia à guerra, mas a notícia chegou no dia 25/6/1970, o 1.º Cabo Radiotelegrafista NM 114485/69 vai para a Guiné. Embarquei no Uíge no dia 18/07/1970 e chegou o periquito à Guiné no dia 24/07/1970. Como ia em rendição individual fui no porão da mercadoria, bom depões de dois dias de viagem chegou o pior o enjoo mas tudo passou.

Chegando a Bissau lá fomos para o Quartel General a que o Agrupamento de Transmissões estava adido, só mais tarde já no ano 1973 tinha as suas instalações próprias. Chegando a Bissau me dão uma folha para preencher na qual havia uma pergunta, se tinha algum familiar na Guiné, como tinha um primo, diz o Manuel: tenho um primo! Então havia um colega que estava esperando transporte para Catió, esse já não foi para Catió e foi o Manuel, tendo o outro ido para Piche. Quando chegou o dia de ir para Catió lá fui por mar, deram-me então uma ração de combate mas não água. Ia com os marinheiros e mais embarcações de civis, esses senhores marinheiros bebendo as suas cervejas e comendo a sua boa comida e o pobre do Manuel olhando para eles que nem sequer perguntaram se queria água ou comida.

Lá fomos, a água entrava por um lado e saía pelo outro e eu dizendo: estou "feito", aonde vim parar. Seguindo com a viagem, chegámos já à tardinha. Pararam os motores quando entrámos nas bolanhas, agarraram as metralhadoras e eu como parvo olhando para eles e pensando: isto é guerra! Mas lá chegámos na paz de Cristo. O transporte esperando e lá cheguei a Catió. Perguntei pelo meu culpado primo que de imediato me deu um grande abraço, chorando. Fomos beber umas bazucas, depois de ter passado tanta sede até já tinha vontade de beber. Deu-se a casualidade que a minha tia tinha mandado uma caixa com umas garrafinhas de vinho, uns salpicões e outras coisas. Dizia a minha Tia que tinha uma alma muito grande, e assim foi, o destino é grande e nunca fujas a ele.

À minha Maria só menti uma vez, foi quando lhe disse que casava com ela, e até essa mentira foi mentira porque casei com ela quando vim de ferias em julho de 1971. Casámos e volvi a cumprir o meu dever para com a pátria. Por coincidência hoje faço 41 anos de casado e cinco de noivos, uma vida. Como se aguenta?

Quanto às fotos não te preocupes que destas tenho muitas e mais fortes, assim prepara-te mas na condição de não fazeres coisas mal feitas.

********************

3. Segunda mensagem de Manuel Pinheiro a António Melo:

Baseando-me na tua publicação no blog de Luís Graça decidi juntar a parte dois que é a mais triste.

Depois de chegar a Catió e encontrar-me com o meu primo António Rodrigues do Bat 2865 e tomarmos umas bazucas, dirigi-me à minha residência temporária que era o Posto de Rádio dos Telegrafistas do Agrupamento de Transmissões. Depois da apresentação feita, com os meus camaradas que eram: o Soldado Tino de Tomar, o 1.º Cabo Pinto Costa que era do Porto e eu o ex-1.º Cabo Radiotelegrafista, nesse dia não fiz serviço mas no seguinte comecei alinhar com os meus turnos correspondentes. Todos tiveram a sorte de regressar, assim começou o primeiro, o Tino depois o Costa, e como sempre uns regressam e outros vão e assim foi chegou o ex-Furriel Nelson Batalha, o Soldado João e o Soldado Miranda que era casado e tinha uma filha e, passado pouco tempo chegou o Soldado Neto que era de Almada.

Vão passando os dias e de pronto chegam as más noticias, em Dezembro chega um telegrama para o Soldado Miranda, com a triste noticia que havia falecido a filha, me recordo perfeitamente era o seu turno e quando abriu o telegrama começou chorando e eu também, mas como era guerra o que fiz foi agarrar a chave de Morse e como um valente transmitindo. Os dias foram passando e vais olvidando mais!

Com o tempo as coisas vão a pior porque em Janeiro chega um telegrama para mim, quando o abri partiu-se-me o coração, dizia que havia morto a minha Mãe. Já éramos dois mas como se diz não há dois sem três. O que virá depois? E assim foi, chegou o dia 14/04/1971 em que sofremos um grande ataque, no qual ficou ferido o ex-Furriel Batalha, o Neto e o João foram evacuados para Bissau nessa mesma noite. Ficamos os dois pobres, o Miranda e eu, foram tempos de muita amargura e tristeza, como éramos só os dois tocou-me chefiar o Posto de Rádio. Fazíamos turnos de 4 em 4 horas até que uns meses mais tarde chegaram dois soldados Alentejanos sem nenhuma ideia.

Como o tempo foi passando chegou também um Furriel e já estávamos todos. Entretanto em Junho fui a Bissau por motivo da morte da minha falecida Mãe e marquei as minhas queridas e desejadas férias porque tinha a minha bajuda em Portugal, desejosa da minha chegada. Assim foram os tristes dias da Guiné. Quando regressei de férias já fiquei em Bissau, era outra vida, quando comíamos as travessas de ostras e as bazucas dava gosto, tirando os maus momentos, deixam saudades esses tempos e esses aninhos que tínhamos.

Vou enviar uma foto do Posto de Rádio de Catió.

Catió - Posto de Rádio, 20 de Maio de 1971

Um grande abraço até breve
O amigo
Manuel Gomes


4. Notas do editor:

- Tentei manter a redacção o mais próximo possível com o original, emendando apenas alguns erros de português, próprios de quem há tantos anos faz vida fora de Portugal. As nossas homenagens a estes bravos camaradas que lutaram a vida inteira, primeiro na guerra e depois na paz.

- Como ambos estão ligados à nossa vizinha Espanha, como emigrantes, aplicam alguns termos que tentei manter desde que se compreenda o sentido das frases. Alguns tive que substituir.

- Removi algumas expressões mais "violentas" em vernáculo e adjectivos dirigidos a pessoas e instituições porque o autor não escreveu este texto para ser tornado público e podia não os ter escrito nesta condição.

- Caro Manuel Pinheiro, seguindo a sugestão do camarada António Melo, fica feito publicamente o convite para te juntares a nós, integrando esta Tabanca Grande. Manda uma foto do teu tempo de militar e outra actual, tipo passe de preferência, e serás apresentado como membro desta caserna virtual.
____________

Notas de CV:

(*) Vd. poste de 30 de Junho de 2012 > Guiné 63/74 - P10095: Os nossos seres, saberes e lazeres (46): Não trocaria por nada aquele tempo de comissão na Guiné (António Melo)

Vd. último poste da série de 25 de Junho de 2012 > Guiné 63/74 - P10072: O Mundo é pequeno e a nossa Tabanca... é Grande (58): O reencontro, 38 anos depois, de dois camaradas da Ponte Caium, o Cristina e o Pinto, 3º Gr Comb, CCAÇ 3546, Piche, 1972/74 (Cristina Silva, Funchal)

Guiné 63/74 - P10221: Notas de leitura (387): Aristides Pereira, Minha Vida, Nossa História, entrevistas de José Vicente Lopes (1) (Mário Beja Santos)

1. Mensagem de Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, Comandante do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70) com data de 18 de Junho de 2012:

Queridos amigos,
Graças à proverbial solicitude do António Duarte Silva, li estas importantíssimas memórias de Aristides Pereira, tanto quanto sei encerram as suas últimas declarações sobre a formação e a vida do PAIGC durante a luta armada.
Ao contrário do seu livro “Uma luta, um partido, dois países”, onde dissimulou muita coisa, aqui não se deixou de intimidar pelos enredos africanos, dá a sua versão dos acontecimentos, desde o que ele pensar ter sido o pensamento de Cabral até o que coligava a força que o executou em 20 de Abril de 1973. E não se intimida a falar do fator cabo-verdiano nos diferentes momentos desta longuíssima entrevista.

Um abraço do
Mário


Aristides Pereira, Minha Vida, Nossa História (1)

Beja Santos

“Aristides Pereira, Minha Vida, Nossa História”, entrevistas dirigidas por José Vicente Lopes (Spleen Edições, Cidade da Praia, 2012) é uma obra de consulta obrigatória para o estudo do PAIGC. Aristides Pereira foi o número 2 na hierarquia do partido até ao assassinato de Amílcar Cabral. Devotou-se ao aparelho e à sua logística, do princípio da luta até à hora da independência da Guiné, terá sido porventura a pessoa que mais tempo conviveu com Amílcar Cabral. Em muito estas entrevistas excedem o seu livro “Uma luta, um partido, dois países”, memórias encerradas no formalismo das conveniências de quem procurava silenciar os gravíssimos diferendos que dilaceravam o PAIGC e que assumiram formas violentas na morte de Cabral e no golpe de Estado de 14 de Novembro de 1980. Aqui, o dirigente do PAIGC, mesmo cuidando da prudência, mesmo polindo as expressões, chama os bois pelos nomes, põe fim a certos tabus mantidos pelo seu cuidado silêncio. A entrevista é orientada por uma figura de relevo da cultura cabo-verdiana, José Vicente Lopes, autor de vários livros a que oportunamente se fará referência.

Não cabe aqui focar aspetos da infância e adolescência ou tomar em conta a sua atividade como dirigente cabo-verdiano e presidente do país. Este livro, explica o entrevistador, é o resultado de 30 ou mais horas de conversa, repartidas em mais de duas dezenas de sessões, feitas na sua maior parte entre Março e Junho de 2003. O que nos importa realçar é este Aristides Pereira de quem Basil Davidson descreveu como alter-ego de Cabral. Aristides chega à Guiné em 1948, prestou provas em Bissau e seguiu para Bafatá. Fala do seu dia-a-dia e da sua evacuação com o início de tuberculose. Regressa depois à Guiné e é colocado em Bolama. Nas perguntas e respostas começa-se a falar às escâncaras em antigo cabo-verdianismo. É sintomático que a Aristides referindo-se a José Lacerda, delegado do porto de Bolama ele fala da sua antipatia aos cabo-verdianos assim: “Nessa altura, o que era considerado elite da Guiné era o quadro administrativo. Administradores, chefes de posto entre outras funções, eram quase todos ocupados por cabo-verdianos (…) Os assimilados da Guiné tinham uma vantagem sobre nós, cabo-verdianos. Era gente que tinha familiares no Senegal ou na Guiné-Conacri, de modo que tinham conhecimento do que se estava a passar em África. O nosso processo político e cultural é diferente. A nossa elite estava virada para a Europa, mais precisamente para Portugal. A elite guineense estava mais informada”.

Refere-se ao despertar político e à constituição de movimentos e partidos que praticamente não tiveram continuidade. Mais adiante, fala-se no gueto cabo-verdiano, que ele define assim: “Não havia convivência com os guineenses, sobretudo os da cidade. Não só havia a desconfiança do guineense assimilado em relação a nós, cabo-verdianos, havia um sentimento de superioridade em relação aos guineenses”. Amílcar Cabral chega à Guiné em 1952, Amílcar começa por se rodear de um grupo de cabo-verdianos que se alargou aos guineenses. Amílcar regressa a Lisboa e é depois do massacre do Pidjiquiti que o PAIGC levanta voo, em Setembro de 1959. Cabral considera que a luta pela independência percorrera caminhos errados, não se podia atuar na cidade mas no campo. E todos, por diferentes vias, partem para a clandestinidade. Em 1960, Aristides chega a Conacri, onde também o MPLA assentava os seus arraiais. São as vicissitudes do recrutamento, a necessidade de vencer muitos preconceitos sobre o PAIGC em Conacri, começam a chegar armas via Marrocos, os movimentos rivais não param de intrigar, descreve as reticências por parte de Senghor e chegamos a Agosto de 1962, quando o PAIGC declara a luta armada: “Cabral agiu de acordo com o plano traçado, que era a mobilização, a conscientização das massas e a organização, como devia ser, das nossas forças. Ele dividiu o território da Guiné em zonas e espaços controlados por determinados responsáveis, principalmente os estagiários que tinham estado na China: Osvaldo Vieira, Rui Djassi, Nino Vieira, Chico Mendes… eles iam fazendo esse trabalho e tinham instruções sobre que ações desencadear, que eram puramente de guerrilha, isto é, desassossego do inimigo. Depois, começa a implementação das bases de guerrilha, no interior, com gente que tinha passado pelo Lar de Conacri. Tinham noções de como falar com as populações, como também alguma preparação militar. Se bem que ainda eram coisas rudimentares, porque não tínhamos grandes armas. Com o estabelecimento das bases, os chefes de base e os guerrilheiros, começam finalmente as primeiras ações com o ataque ao quartel de Tite. Os guerrilheiros atacam e de imediato procuram-se esconder na floresta”.

Aristides Pereira não esconde que a importância da ilha do Como fora inflacionada pelo PAIGC, fizera-se tanta propaganda sobre o domínio do território que as autoridades portuguesas desenvolveram uma formidável operação que não resolveu coisa nenhuma. Ao tempo da batalha do Como ocorre o congresso de Cassacá: “Cabral, sempre com a visão dele, aproveitou para fazer uma das coisas mais importantes que tivemos na luta, que foi a criação do exército, as FARP (…) Além da estruturação das Forças Armadas, é também em Cassacá que aparece a ideia da administração das zonas sob o nosso controlo”. Com subtileza, Cabral institui o controlo político sobre o controlo militar que só desaparecerá com o golpe de Nino Vieira. Especula-se muito sobre o terão sido as conversas entre Amílcar e Che Guevara, certo e seguro Guevara não gostou muito do que viu em África e nunca escondeu que o único líder de gabarito que encontrou tinha sido Amílcar Cabral.

Confrontado com a pergunta de que só estava a falar da Guiné e quase nada sobre Cabo Verde, Aristides responde sem equívoco de que viam Cabo Verde como uma missão impossível, a geografia nada facilitava, havia muita hostilidade nas colónias cabo-verdianas, a começar pelos EUA, os cabo-verdianos de Dakar eram ferozmente contra, mesmo quando Pedro Pires chegou a Dakar cedo houve uma grande desmobilização.

O fator Spínola vai provocar uma tormenta no PAIGC. Vivia-se uma situação de impasse. Por essa altura um dirigente vietnamita expressou o seguinte ponto de vista: “Vocês, do ponto de vista de guerrilha, já fizeram tudo, já conseguiram fixar o inimigo no terreno; agora, ou vocês têm condições de preparar gente e ter material apropriado para desalojar o inimigo dos campos fortificados ou então a guerra vai ficar num impasse e isso é extremamente arriscado, porque eles, com outros meios, poderão chamar as populações para o seu lado”. Spínola trouxe a africanização da guerra, acelerou as operações com forças aerotransportadas e o helicanhão tornou-se no instrumento de guerra mais temível pelo PAIGC. Comenta a situação: “Tivemos revezes bastante sérios nessa altura. Havia gente desesperada, pensando que tudo estava perdido”. A resposta foi criar bases mais maleáveis. A sorte também jogou a favor do PAIGC, havia falta de tudo e foi nessa altura que os suecos passaram a mandar mantimentos, medicamentos e camiões. As populações à volta das bases passaram a dispor nos armazéns do povo de artigos de qualidade superior.

(Continua)
____________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 30 de Julho de 2012 > Guiné 63/74 - P10208: Notas de leitura (386): O 25 de Abril e o Conselho de Estado - A Questão das Actas, por Maria José Tiscar Santiago (Mário Beja Santos)

Guiné 63/74 - P10220: Os nossos últimos seis meses (de 25abr74 a 15out74) (12): Os primeiros encontros, em Bissorã, com o inimigo de ontem (Henrique Cerqueira, ex-fur mil, CCAÇ 13, 1973/74)



Foto nº 3


Foto nº 3A


Foto nº 2A


Foto nº 2B


Foto nº 1A


Foto nº 1C


Foto nº 1B



Foto nº 4


Guiné > Região do Oio > Bissorã > CCAÇ 13 (169/74) > 1974 > Os primeiros (re)encontros, pacíficos, entre as NT e os guerrilheiros do PAIGC (fotos, 1, 2 e 3). Na foto nº 4, vê-se em primeiro plano o Henrique Cerqueiro, saindo em patrulhamento com um Gr Comb da CCAÇ 13. Recorde-se que o Cerqueira esteve, como fur mil, no TO da Guiné, desde finais de Novembro de1972 até inícios de julho de 1974, primeiro na 3ª CCAÇ / BCAÇ 4610/72 e depois na CCAÇ 13. Fotos editadas por L.G.

Fotos: © Henrique Cerqueira (2012) / Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné. Todos os direitos reservados.




1. Mensagem de Henrique Cerqueira [, foto atual, à direita], de 27 de julho pp.:

Olá, camarada Luís Graça:

 Tal como prometido envio em anexo algumas das fotos que relembra o glorioso dia do primeiro encontro com as tropas do PAIGC em Bissorã e após 25 de Abril. Creio eu que foi em meados ou finais de Maio de 1974.


Como entenderás,  as fotos são pouco reveladoras para outras pessoas, pois que a principal imagem é aquela que nos fica gravada na memória. No entanto a foto mais reveladora dos tais "presentes " é a foto nº 3, em que se vê quatro" ciclistas" em direção ao mato, ou seja em direção ao Olossato e no sentido inverso,  
no sentido Olossato / Bissorã. já vem a nossa coluna de reabastecimento. Nota que os "ciclistas" têm quico na cabeça porque a malta se fartou de trocar bonés uns com os outros. 

Nas fotos nºs 1 e 2,  tens uma mistura de soldados meus, da CCAÇ13,  com combatentes do PAIGC. Na foto nº 1 A,  ao alto está em primeiro  plano o dito chefe da guerrilha que incrivelmente não decorei o seu nome e que era um bom comunicador e, para além disso,  falava fluentemente o português, pois que,  segundo ele, tinha tirado o curso de Regente Agrícola em Santarém.

Foi este homem que primeiro se destacou no contacto comigo,  como comandante de coluna no ponto de encontro da estrada do Olossato. Começou por falar primeiro em Balanta para os meus homens me traduzirem quais as suas intenções, tradução essa feita pelo homem da minha inteira confiança e que se chama(va) Branquinho, o tal que hoje é chefe de tabanca em Nhamate (isto segundo li no portal do Carlos Fortunato,  numa das suas idas a Bissorã com ajudas de diversos materiais e realização de sessões de formação no domínio da agricultura).

Já agora acrescentei a foto nº 4, pois que andei muitíssimos dias e semanas como comandante de grupo e embora fosse olhado de "esguelha" por alguns dos meus superiores (que até me acusaram de ter pouco espírito militar), nunca me poderão acusar de ter sido incumpridor e mau soldado,  mesmo tendo ao mesmo tempo a minha atenção virada para a família que estava lá comigo (mulher e filho). Sempre saí para patrulhamentos ou outras operações,  tivesse ou não mais graduados no grupo. 

Esta fota nº 4 foi tirada num Domingo,  ao fim da tarde quando saíamos para o mato para fazermos proteção durante a noite à periferia do aquartelamento.

Bom, meu amigo Luís Graça, as lembranças quando aparecem são comos as cerejas e daí o melhor é para já pôr um travão e guardar outras para a próxima, okay ?!


Um grande abraço e um bom dia para ti.

Henrique Cerqueira 



2. Comentário de L.G.:


Estas fotos do nosso camarada Henrique Cerqueira foram tiradas em Bissorã, em finais de maio ou princípios de junho de 1974, documentando os primeiros encontros das NT com o PAIGC, o "inimigo de ontem". Incitei-o a mandar estas fotos do seu álbum. Provavelmente elas nunca seriam publicadas, se o Henrique não vencesse a barreira do receio de ser criticado pelos seus pares, sobretudo os seus camaradas mais velhos que não passaram por esta situação, o processo de transição, de negociação e de paz a seguir ao 25 de abril. 


Estas fotos não são fáceis de justificar, enquadrar, contextualizar, legendar... Estamos longe de um confraternização entre antigos inimigos, os rostos ainda estão crispados, de um lado e do outro são homens calejados na luta, e não podemos saber o que se passa nas suas cabeças... A foto do comandante do bigrupo, em primeiro plano, é notável. Alguns dos nossos leitores virão, de imediato, lembrar que o antigo regente agrícola de Santarém é possivelmente o mesmo que mandou executar ou executou, meses mais tarde (em outubro de 1974),  o Cabá Santiago e outros guineenses que colaboraram com as NT... 


No entanto, estas fotos "já não nos pertencem", já não são do   Henrique nem sequer do blogue... Pertencem à História. Muitos camaradas que estiveram no TO da Guiné, nesta altura, no pós 25 de abril de 1974, têm fotos destas, tiradas com o antigo inimigo contra o qual combateram... Mas mostram relutância em partilhá-lhas, em público. Aplaudo a franqueza e o espírito de colaboração bloguístico do Henrique. Ele é credor do meu apreço. Estes encontros aconteceram, e estão documentados. Por toda a parte da Guiné. O que aconteceu depois é outra história, e infelizmente há pouca informação de arquivo sobre os ajustes de contas, no pós-independência. Fixemo-nos neste momento, que foi de esperança para todos ou quase todos os protagonistas.  Era o fim da guerra ou o princípio do fim da guerra. A verdade é que há milhares de fotos destas no silêncio dos nossos álbuns e a maior parte delas irão um dia parar ao caixote do lixo. LG
_________________

Nota do editor:

 Último poste da série > 24 de julho de 2012 > Guiné 63/74 - P10189: Os nossos últimos seis meses (de 25abr74 a 15out74) (11): Dos planos de evacuação do território aos graves acontecimentos de Bissorã, em junho de 1974 (Paulo Reis, jornalista, freelancer / Luís Gonçalves Vaz)

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Guiné 63/74 - P10219: Bibliografia de uma guerra (59): Prece de um Combatente - Nos Trilhos e Trincheiras da Guerra Colonial, de Manuel Luís Rodrigues Sousa

1. Mensagem do nosso camarada Manuel Sousa* (ex-Soldado da 2.ª CCAÇ/BCAÇ 4512, Jumbembem, 1972/74, actualmente Sargento-Ajudante da GNR na situação de Reforma), com data de 27 de Julho de 2012:

Envio para todos os meus contactos o link que suporta o livro que acabei de editar, em situação de pré venda na livraria online de www.sitiodolivro.pt.

Em breve estará à venda quer neste site, quer na livraria "Leya na Barata", na Av. de Roma, nº 11, Lisboa.

Vejam a apresentação do livro. Oportunamente, em breve, enviar-vos-ei uma apresentação mais detalhada do livro em pps.

http://www.sitiodolivro.pt/pt/livro/prece-de-um-combatente/9789892030685/

Cumprimentos
Manuel Sousa

********************

2. "PRECE DE UM COMBATENTE - Nos Trilhos e Trincheiras da Guerra Colonial"

Sinopse

Pela Pátria…

· Fomos arrancados ao convívio dos entes queridos, interrompendo e adiando promissores projectos de vida;

· Vivemos a pungente despedida do zarpar lento de um navio, pejado à proa de lenços brancos a acenar para outros que se agitavam no cais, pairando a incerteza de, um dia, podermos ali voltar;

· Aportámos em terras de África, cujo clima nos causticou a pele e nos tornou pasto fácil para turbilhões de insaciáveis insectos;

· Estreitámos relações com as populações nativas e as suas crianças que, no dia a dia, nos surpreendiam com os seus rituais, a sua cultura;

· Não resistimos à beleza das bajudas, (raparigas) vivendo com elas romances de “amor em tempo de guerra”;

· Calcorreámos trilhos e picadas, ora sob poeira asfixiante e calor intenso, ora sob chuvas tropicais diluvianas;

· Transpusemos linhas de água e pantanosas bolanhas que quase nos submergiam;

· Passámos fome e sede, bebendo, muitas vezes, a água insalubre das bolanhas;

· Fomos acometidos de doenças tropicais;

· Vimos rebentar minas sob viaturas e companheiros de armas, as quais deixavam rasto de destruição e de morte;

· Rastejámos e irrompemos sob o fogo intenso inimigo, debaixo do arrepiante sibilar das balas e dos estilhaços das granadas, ora a atacarmos, ora a defendermos;

· Como toupeiras impregnadas de pó ou de lama, abrigámo-nos do fogo inimigo nas labirínticas trincheiras dos quartéis, defendendo essas nossas posições;

· Vimos companheiros no campo de batalha a agonizar, balbuciando as últimas palavras que guardamos na alma como fiéis depositários;

· Disparámos para não morrermos;

· Pairaram sobre nós vorazes abutres, atraídos pelo sangue que nos jorrava da carne rasgada;

· Honrámos o nome dos companheiros que tombaram em combate, gravando-os de forma indelével em singelos monumentos, autênticas obras d’arte disseminadas no chão colonial africano;

· Sofremos mazelas físicas e psicológicas que nos vão acompanhar durante o resto da vida;

· Tivemos saudades que desfiámos em longas missivas na troca de correspondência com os familiares, namoradas e madrinhas de guerra, além do célebre “adeus até ao meu regresso”, difundido através da Rádio Televisão Portuguesa na quadra natalícia;

· Fomos irreverentes, brigámos, brincámos, rimos, cantámos e chorámos;

· Finalmente chegámos de regresso ao cais onde ternos abraços de saudade nos cingiram, contrastando com o drama daqueles que não tiveram a mesma ventura de abraçar os nossos companheiros, em cujo navio os seus lugares vieram vazios.

· Enfim, com sublime abnegação, tudo isto foi, por ela,

…LUTAR!


Ficha Técnica:

Editora: Edição do Autor
Colecção:
Data de Publicação: 08-2012
Encadernação: Capa mole - 398 páginas
Idioma: Português
ISBN: 9789892030685
Dimensões do livro: 149 x 210 mm
Capa / Paginação: Marco Martins / Paulo Resende
Depósito Legal: 343300/12

(Com a devida vénia a Sítio do Livro)
____________

Notas de CV:

(*) Vd. poste de 21 de Maio de 2011 > Guiné 63/74 - P8310: As Nossas Madrinhas de Guerra (5): Avé-Maria do Soldado (Manuel Sousa)

Vd. último poste da série de 22 de Dezembro de 2011 > Guiné 63/74 - P9250: Bibliografia de uma guerra (58): Pequenas partes do Lugares de Passagem aqui juntas com algum sentido (José Brás)

Guiné 63/74 - P10218: Passatempos de verão: Hoje quem faz de editor é o nosso leitor (5): O baú do Zé Martins (Parte I): recortes de imprensa sobre a inauguração das lápides com os nomes dos militares mortos ao serviço de Portugal, junto ao Forte do Bom Sucesso, em 5 de fevereiro de 2000


Folheto do Ministério da Defesa convidando a população a assistir á cerimónia de inauguração das lápides com os nomes dos militares que morreram ao serviço de Portugal, a realizar dia 5 de fevereiro de 2000, em Lisboa, junto ao Monumento aos Combatentes do Ultramar...


















Expresso, 5 de fevereiro de 2000










Jornal de Notícias, 6 de fevereiro de 2000


1. O nosso muito querido amigo, camarada e colaborador permanente José Martins [, foto à direita,] foi ao seu baú desenterrar a sua coleção de recortes de imprensa e outros documentos relativos à guerra do ultramar e aos antigos combatentes.  Das cerca de 4 dezenas de imagens digitalizadas que nos mandou, no âmbito do dossiê Monumento aos Combatentes do Ultramar, selecionámos estas... 

Por estes documentos percebe-se que o Monumento aos Combatentes do Ultramar é cronologicamente anterior às lápides com os nomes dos nossos camaradas mortos entre 1958 e 1974, na guerra do ultramar... O mural foi inaugurado em 2000. O monumento, da autoria de Carlos Guerreiro e Batista Barros, é de 1994. 

Agradecemos a sua gentileza. É também mais um contributo para o nosso Passatempo de Verão... Boa continuação de férias, para os nossos estimados leitores... que não ficam dispensados de nos visitar todos os dias... (Luís Graça,  a banhos, na Praia da Areia Branca).
___________

Nota do editor:

Último poste da série >  1 de agosto de 2012 > Guiné 63/74 - P10215: Guiné 63/74 - P10215: Passatempos de verão: Hoje quem faz de editor é o nosso leitor (4): O soldado tranquilo, o soldado silencioso...