sábado, 18 de agosto de 2012

Guiné 63/74 - P10276: Notas de leitura (393): Sobre a Guiné e Outras Ideias, Revista Vida Mundial de 16 de Julho de 1971 (José Manuel Matos Dinis)

1. Mensagem do nosso camarada José Manuel Matos Dinis (ex-Fur Mil da CCAÇ 2679, Bajocunda, 1970/71), com data de 15 de Agosto de 2012:

Caríssimo Carlos,
Na senda da última mensagem que enviei, e transcrevia uma reportagem sobre a revisão constitucional e a questão ultramarina, editada pela Vida Mundial, em 16/VII/71, encaminho hoje uma caixa da mesma edição subordinada ao título "Sobre a Guiné e Outras Ideias", que, curiosamente, parece revelar importantes desenvolvimentos sobre a política portuguesa na época: por um lado, o general Spínola que usava com mestria os meios de informação, e era praticamente visita diária dos lares portugueses onde pontificava o aparelho de televisão, não só explanava novos conceitos sobre as relações do ultramar com a metrópole, como já tinha em marcha uma base de apoio para voos mais altos na estrutura da república, um e outros a adequarem-se rapidamente à filosofia dos "novos ventos" que varriam a África, particularmente em relação aos territórios sob administração portuguesa, nalguns casos com inflexões bastante acentuadas; por outro lado, esses conceitos representavam um corte abissal relativamente à apatia política de Salazar no que toca ao ultramar, e que morrera em 27 de Julho de 1970, depois de quase dois anos de enfermidade, do que resultava um cisma na maneira de pensar a política ultramarina.
As resoluções, no entanto, nunca foram claras e rápidas, pelo que não se chegou a formatar um novo projecto de relações de Portugal com as colónias, salvo no que respeita à desejada Zona do Escudo, e ao Projecto de Sines, que, afinal, poderiam constituir mais um estertor da autonomia administrativa e financeira das então designadas Províncias Ultramarinas.
Mas a política em Portugal tem sido cheia de incongruências.

Carlos, para ti e para o Tabancal, vai...
Aquele abraço
JD


SOBRE A GUINÉ E OUTRAS IDEIAS

Vida Mundial, em 16/VII/71

No debate dos problemas ultramarinos não deixou de se citar a acção que o general Spínola tem desenvolvido na Guiné. O deputado Maximiliano Fernandes considerou de realistas e clarividentes as directrizes traçadas por aquele governador, dizendo que elas teriam uma grande oportunidade, se aplicadas com fins semelhantes em Moçambique. E exaltou o empenho do governador António de Spínola em "acelerar a formação de "élites", por forma a permitir aos guinéus um acesso cada vez maior, não só às estruturas privadas do desenvolvimento económico, como até aos quadros superiores da administração provincial, aos seus orgãos legislativos e aos seus serviços, caminhando assim para uma Guiné administrada fundamentalmente por guinéus". Tais afirmações mereceram o inteiro aplauso de grande sector da Câmara, evidenciando-se as atitudes assumidas na sequência da intervenção do referido deputado, pelo dr. Barreto de Lara e pelo prof. Pinto Machado, declarando este: "Já que se refere ao sr. governador da Guiné, e porque tenho procurado estar a par, objectivamente, da sua acção, eu queria declarar aqui a minha profunda admiração pela extraordinária obra de autêntica unidade nacional - essa é que é obra de autêntica unidade nacional - que ele está a realizar nessa província e que, oxalá, efectivamente se realize nas restantes e até aqui nesta província lusitana".

O voto do deputado Pinto Machado foi apoiado por muitos pares, sendo de assinalar as considerações que lhe juntou o dr. Barreto Lara, que, na discussão constitucional relativa às alterações respeitantes ao Ultramar, teve papel muito destacado, em virtude do qual manteve apaixonante diálogo com alguns deputados. O dr Ulisses Cortês, que nesse debate defendeu uma posição de harmonia com os princípios que tem seguido, concordou, em princípio, com a exaltação do governo do general António de Spínola, embora vincasse que não podia deixar de tornar "extensiva a homenagem a todos os governadores do Ultramar".

Enquanto decorria o debate da Assembleia Nacional, o dr. José Pequito Rebelo, que foi destacado dirigente integralista, publicava no semanário monárquico "O Debate" uma série de artigos sobre a Constituição, a propósito da reforma, defendendo neles uma política integracionista e o total povoamento do Ultramar. Num desses artigos ("A verdadeira constituinte", saído no dia 26 de Junho), o articulista escrevia, ao justificar os pontos de vista que tem desenvolvido: "Enfraquecida a unidade nacional (referia-se às alterações dedicadas ao Ultramar), tenderia a descentralização administrativa a transformar-se em independência política, que, aliás, no seu limite, seria uma pseudo-independência, depressa caída na órbita dos imperialismos neocolonialistas".

Por outro lado, na véspera de partir para Angola e Moçambique, numa viagem que enquadraria também uma visita oficial ao Malawi, o actual Ministro do Ultramar, prof. Silva Cunha, respondia a muitas afirmações relativas à política ultramarina, produzidas na Assembleia Nacional e fora dela. Assim, depois de uma interpretação sobre os dados históricos da presença portuguesa em África, acentuava que "no momento presente tem de dar-se mais um passo para o desenvolvimento (o das províncias ultramarinas), aliás, na linha das reformas promulgadas há cerca de oito anos, pois é necessário adaptar o sistema vigente às novas situações, criadas pelo acelerar da evolução registada neste período". E proclamava: "É esta uma verdade tão evidente que nem sei como possa contestar-se quando sem preconceitos nem erros de observação, motivados pela ignorância das realidades ou pelo preconceito, pela paixão ou pela ambição políticas, se analisa a situação das províncias ultramarinas. Por isso, é difícil compreender certas atitudes de alguns poucos que atacam o Governo, esgrimindo com falsos argumentos colhidos numa especiosa e errada interpretação da História, invocando supostas ameaças à unidade nacional e facilitando assim a acção dos verdadeiros inimigos da Pátria na sua integral dimensão (...). Vivemos uma hora em que não se admitem hesitações nem dúvidas, em que não se pode contemporizar com comodismos ou interesses comodistas, nem com manobras ou doutrinas que diminuam a autoridade do Estado (...)".
____________

Notas de CV:

(*) Vd. poste de 8 de Agosto de 2012 > Guiné 63/74 - P10241: Notas de leitura (389): O Ultramar e a revisão constitucional de 1971, Revista Vida Mundial de 16 de Julho de 1971 (José Manuel Matos Dinis)

Vd. último poste da série de 17 de Agosto de 2012 > Guiné 63/74 - P10274: Notas de leitura (392): "África, Frente e Verso", por Urbano Bettencourt (Mário Beja Santos)

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Guiné 63/74 - P10275: Blogoterapia (213): Amizades encontradas nas bolanhas e matas do nosso Blogue (José da Câmara)

Santuário de Fátima
Foto de Carlos Vinhal


1. Mensagem do nosso camarada José da Câmara (ex-Fur Mil da CCAÇ 3327 e Pel Caç Nat 56, Brá, Bachile e Teixeira Pinto, 1971/73), contando-nos o seu encontro com o outro nosso camarada Juvenal Amado, aquando da sua estada no Continente para participar no convívio da sua Companhia:

 

Amizades encontradas nas bolanhas e matas do nosso blogue

A noite silenciosa, estrelada, dera lugar a uma manhã sorridente, de temperatura amena, no todo esplendoroso, convidativa para as visitas que importava fazer.

Estávamos ali para isso!

Eu e aminha esposa, o José Pinto e os casais Cruz e Picanço, deixámos a Residencial D. Amélia, dirigida por um ex-combatente na Guerra do Ultramar, em direção ao Santuário de Fátima.

Ali, naquele majestoso recinto, o silêncio que se sentia no meio daquele mar de gentes que se movimenta em constantes vagas, foi quebrado por uma voz que soou divina, celestial, milagrosa. Alguém chamava pelo meu nome.

- É o José Câmara?

Na minha frente, um jovem sorridente, irradiando simpatia, aguardava pela minha resposta. Apanhado pela surpresa daquela voz, desconhecida para mim, mas reconhecendo o meu anfitrião por foto do blogue, respondi:
- Sim, sou! E você é o Amado Juvenal.

O José Câmara com o Juvenal Amado
(Foto de Juvenal Amado)

Só então me apercebi que havia trocado o nome dele, mas isso não era importante. As palavras até estavam a mais. Lá no alto, o Sol sorridente testemunhava aquele abraço prolongado, porventura um daqueles milagres que guardarei como uma das belas relíquias desta minha visita ao Santuário.

Não tivemos tempo para grandes conversas. Mas foi possível falar um pouco dos encantos e desencantos das nossas vidas, da tese escolar que ele me ofereceu, a qual me encantou pela nobreza de sentimentos e sacrifícios de vida ali estampados e, naturalmente, do nosso blogue.

No abraço de despedida, o Juvenal, magistralmente, resumia a nossa conversa com uma grande verdade:
- José, se eu não puder falar com os amigos com quem poderei falar?

Compreendi a nobreza daquela frase. Por isso e não só, ao abandonar aquele recinto, levava a certeza que um dia gostaria de voltar a encontrar o Juvenal.

José Câmara
____________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 10 de Julho de 2012 > Guiné 63/74 - P10137: Blogoterapia (212): Veterano, nostágico ?... Sim, ai quem me dera ter outra vez vinte anos... mas saber o que sei hoje (António J. Pereira da Costa, cor art ref)

Guiné 63/74 - P10274: Notas de leitura (392): "África, Frente e Verso", por Urbano Bettencourt (Mário Beja Santos)

1. Mensagem de Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, Comandante do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70) com data de 22 de Junho de 2012:

Queridos amigos,
Já tínhamos José Martins Garcia, Álamo Oliveira e Cristóvão Aguiar, como contributos açorianos de primeira água para a literatura da guerra colonial.
Faz todo o sentido realçar esta “antologia” organizada de recordações que vão dos tempos de guerra à quase atualidade, Urbano Bettencourt será muito bem vindo ao nosso blogue, sente-se neste livro que ainda há muita coisa para contar, em poesia ou narrativa ou até mesmo notas avulsas, há que saudar mais esta achega açoriana, tão singular.

Um abraço do
Mário


África, frente e verso, por Urbano Bettencourt

Beja Santos

Autor de cerca de dúzia e meia de títulos relacionados com poesia, narrativa e ensaio, muito centrado no estudo das literaturas insulares, Urbano Bettencourt esteve na Guiné nos últimos anos da guerra, uma Guiné que ele foi polvilhando de referências em diferentes publicações, de 1972 à quase atualidade, e que agora decidiu agregar sob o título “África, frente e verso” (Publiçor, 2012). E, na verdade, sai um retrato acabado, atravessado por uma espessa melancolia, uma saudade por vezes descontrolada e muitos apontamentos sobre a dor e a morte. E há também o júbilo quando a guerra termina e ele assiste a esse termo no próprio teatro de operações. Como regista no poema intitulado “Situação”: “aqui nasceram os desastres/ os remotos e côncavos desastres/ do tempo fronteira violada/ aqui em maio se escreveu partida/ pátria aventura/ uma rosa vermelha em cada boca/ aqui também em maio se escreveu/ morte mágoa vértice de saudade”.

Dirá igualmente no poema intitulado “13 de junho de 1974”: “quebrado o espanto/ o medo o ódio a mágoa-mor/ as espingardas floriram cravos/ na madrugada dum tempo a vir”. Porque não houve logo a paz depois do 25 de Abril, como ele relatará no texto “(im)próprio de Maio”: “No 1º de Maio de 1974, a época seca aproximava-se angustiadamente do fim na Guiné-Bissau. As buganvílias floresciam sob uma intensa camada de poeira alaranjada. E não havia cravos. À noite, o PAIGC lançou um ataque maciço de artilharia contra Bissorã, cobrando-nos com juros altos o facto de ter sido através da sua rádio oficial que, durante o dia 25 de Abril, fôramos sabendo notícias da revolução em Lisboa. O nosso 25 de Abril só chegaria, aliás a 13 de Junho. Nesse dia, uma unidade de combate do PAIGC apresentou-se na pista de aviação, sob um rigoroso aparato militar que daria lugar ao convívio com a população e com a tropa portuguesa e a africana que combatia do lado português. Era o reencontro de um povo consigo mesmo. E descobríamos, enfim, que o inimigo, esse outro de cada um de nós, tinha um rosto e um corpo tangível, era possível fitarmo-nos diretamente, sem o filtro do ódio e da raiva, sem a mira interposta das Kalashes e das G3. Nesse dia 13, Cabá Santiago (comandante de uma companhia de milícia pró-portuguesas) deixou-se fotografar ao lado do seu homólogo do PAIGC e de alguns combatentes. Deveria haver nesta foto mais alguns sorrisos, para lá de um ou outro esboço que parece morto à nascença e em contraste com as fotos em que militares, combatentes e população se misturam em convivência? Talvez, mas este é o ponto de vista (o meu) de quem, naquele momento, via a história a partir de um terceiro ângulo, apesar de tudo já em distanciação, afinal, esta pose que não disfarça algum constrangimento era já um prenúncio do que estava para acontecer. O Cabá seria assassinado após a independência, um dos muitos e muitos guineenses que tiveram o mesmo destino”.

Ler “África, frente e verso” obriga a uma saudável ginástica de saltar entre a vivência contada praticamente em direto (são os poemas e textos escritos durante a guerra) onde se fala da raiva, da mágoa e do cansaço, do nosso querido amor que não veio até à guerra, da noite de natal passada lá num ermo (o natal escorre de saudade pelos olhos do soldado/ agarrado à breda remuniciada), o tempo pasmado, do rebentar das bombas, o registo dos mortos, por exemplo; muito mais tarde, reconstrói-se esta ou aquela cena do quotidiano da guerra, por exemplo, um patrulhamento, a distribuição das rações, a revista do armamento e então um grupo parte dentro da noite fechada a chapinhar na lama, como o autor recorda: “E eis-te de novo na lama, arrastas-te agora através da bolanha com cheiro a água estagnada e enfrentas a única imbatível força aérea dos mosquitos, o lodo sobe até aos joelhos, suga-te as botas com os seus braços e ventosas de polvo, quando o sol se empinar há de secar a lama e caminharás dentro de umas calças de adobe, mas isso virá mais tarde”; e há a permanente memória dilacerada, que tem cheiros, sons, o amargor das perdas irreparáveis e quanto mais irreparáveis são encaradas as perdas dilaceram mais fundo, neste caso o autor lembra o Jaime Sousa que era amigo do Marques, o Marques andava inquieto, o Sousa procurava contemporizar e subitamente uma flagelação alterou tudo, um amigo partiu na devastação: “De súbito há um estrondo violento e demasiado próximo, os estilhaços e o cascalho provocam um ruído de chuva na superfície dos bidões, uma nuvem áspera passa pela pele, sem dar tempo de proteger os olhos e os ouvidos, vozes dispersas ecoam no interior do brusco nevoeiro morno. Ao aproximar-se, o Sousa sentiu o cheiro forte a terra fresca e a pólvora. E quando conseguiu romper o círculo humano que se formara, pôde ver a imensa cratera aberta pela granada. A lanterna do enfermeiro projeta um clarão trémulo sobre formas irreais. Um pouco à frente, o Marques, estendido no chão, pernas desfeitas, o ventre rasgado e a exposto ao pasmo dos vivos. Tudo acabava ali, sem glória nem dignidade, mesmo a de um espaço de recato onde cada um pudesse acompanhar o Marques nessa velada antes da última viagem. Eles têm 20 anos e continuam imóveis, suspensos de uma palavra que os arranque a essa zona de névoas movediças em que flutuam. A madrugada vai longa. Os restos do Marques estão embrulhados num pedaço de lona, à espera que ao primeiro clarão do dia o piquete venha buscá-los e os leve para a companhia. Aqui e ali, ainda o sussurro de conversas arrastadas”.

O escritor assume que há recordações esvaídas, corpos difusos, esqueceram-se os sobrevivos. Mas o tempo africano, dentre deste grande espaço de esquecimento, mantém-se firme nos sentidos, como ele recorda o bafo que o envolveu quando chegou a Bissalanca, com águas paradas, humidade, terra encharcada, lama salobra, é este o íntimo cheiro de África que se irá guardar para lá de tudo, “mesmo quando a memória dos lugares, dos corpos e do sangue se for diluindo na espessura dos dias”. Não terá sido por acaso que ele escreveu “remuniciar o tempo”, são palpitações, estados de alma muito pouco serenos, nunca mais se esqueceram aquelas chuvas e tornados, os caminhos lodosos, há uma vincada lembrança de quem eles eram, irreverentes e até lúbricos, como ele regista: “Tinham 20 anos e alguns séculos,/ conheciam as artes do fogo/ um léxico elementar aliterante sem cotação/ nas bancas onde se contabilizam passados/ e memórias: / coronha, culatra, cunhete,/ cabaço, catota, e outras que teriam aqui voz e praça,/ não fora o decoro que o poema adota”.

Tem aqui sido escrito vezes sem conta que estes sexagenários estão a sair do silêncio e a desatar as línguas. Algumas das melhores peças literárias têm conhecido publicação desde a viragem do século. Isto para augurar que há muito a esperar ainda de escritores como Urbano Bettencourt, eles poderão ainda vir a surpreender-nos com outras memórias de África, outros contributos valiosos que ajudem a triunfar esta lusofonia sem barreiras que se herdou de uma guerra colonial onde já não é necessário mentir, como mentíamos nos nossos aerogramas.
____________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 13 de Agosto de 2012 > Guiné 63/74 - P10258: Notas de leitura (391): A Identidade Cultural do Povo Balanta, de Padre Salvatori Cammilleri (Mário Beja Santos)

Guiné 63/74 - P10273: O Nosso Livro de Visitas (144): Nasce Biblioteca Pública em Bissau, graças ao trabalho da ONGD 'Afectos com Letras' (António Bernardo, CCS/BART 2920, Bafatá, 1970/72)



Cartaz da campanha "Vamos Fazer uma Biblioteca na Guiné-Bissau".  Fonte: ONGD Afectos com Letras, sediada em Pombal


1. Mensagem do nosso leitor (e camarada)  António Bernardo:

De: António Bernardo [antoniobernardo.faro@gmail.com]

Data: 14 de Agosto de 2012 18:26
Assunto: Biblioteca Pública em Bissau

Caros Luís Graça e Carlos Vinhal,

Sou leitor do blogue que administram, embora não registado. Caso seja do vosso desconhecimento, informo da chegada a Bissau, no passado dia 13, de voluntários da ONG 'Afectos com Letras', com o objectivo de ajudar a criar uma biblioteca pública em Bissau.

Aguardo 'luz verde' do ministro da educação da República da Guiné-Bissau para que em Bafatá seja também criada uma biblioteca ou sala de leitura.

Para confirmação da informação que vos presto, queiram consultar o Diário de Notícias (2012-08-10) "Biblioteca nasce com 13 mil livros levados de Portugal" ou Bissau Digital, clicar em últimas notícias e ler em "7. Guiné-Bissau: ONGD portuguesa cria biblioteca pública em Bissau"

Com os melhores cumprimentos,
António Bernardo
CCS/BART 2920 [Bafatá, 1970/72]

2. Comentário de LG:

Sê bem vindo, camarada. Não sei se estás ligado à ONGD "Afectos com Letras", de qualquer modo aqui fica registado o teu interesse em criar também, em Bafatá, uma biblioteca ou sala de leitura. Como tu, temos muitos camaradas, grã-tabanqueiros, que passaram, por Bafatá,  alguns dos quais provavelmente poderão querer associar-se à tua iniciativa, apoiá-la ou no mínimo acompanhar o seu desenvolvimento. Dá-nos mais informações sobre esse projeto.

Ficas, por outro lado, e desde já, convidado a integrar a nossa Tabanca Grande, e a falar-nos do teu tempo  como militar da CCS/BART 2920 (1970772). Trata-se, de resto, de uma unidade de que temos muito pouca ou nenhuma informação. Cordiais saudações. LG

______________

Nota do editor:

Último poste da série > 20 de julho de 2012 > Guiné 63/74 - P10176: O Nosso Livro de Visitas (143): Gama Carvalho, ex-fur mil cav, 2ª C/BCAV 8323 (Piche, Buruntuma e Piche, 1973/74), aceita o nosso convite para se tornar grã-tabanqueiro...

Guiné 63/74 - P10272: Parabéns a você (458): José Manuel Cancela, ex-Soldado Apontador de Metralhadora da CCAÇ 2382 (Guiné, 1968/70)

Para aceder aos postes do nosso camarada José Manuel Cancela, clicar aqui
____________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 10 de Agosto de 2012 > Guiné 63/74 - P10245: Parabéns a você (454): Alberto Nascimento, ex-Sold Cond Auto da CCAÇ 84 (Guiné, 1961/63) e Tomás Carneiro, ex-1.º Cabo Cond Auto da CCAÇ 4745 (Guiné, 1973/74)

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Guiné 63/74 - P10271: Convívios (465): Almoço mensal do pessoal da Tabanca dos Melros, dia 11 de Agosto de 2012 (Carlos Vinhal / Jorge Teixeira - Portojo)

1. No passado Sábado, dia 11 de Agosto de 2012, apesar de estarmos em pleno Agosto, mês de eleição para gozo de férias, aconteceu mais um convívio mensal da Tabanca dos Melros.

O local foi o habitual, a Quinta dos Choupos, e o Restaurante, o Choupal dos Melros do nosso camarada Gil Moutinho, Fur Mil Pilav, que sobrevoou os céus da Guiné aos comandos dos T6 da FAP.

Segue-se, com a devida vénia, a reportagem fotográfica de Jorge Teixeira (Portojo) com selecção de fotos da responsabilidade do editor deste Blogue, a partir do poste publicado pelo nosso camarada  no Blogue da Tabanca dos Melros.


Momento em que o camarada Carlos Silva apresenta a nova bandeira da Tabanca dos Melros, ao que me apercebi feita por uma menina de Gondomar.

Nesta foto, da esquerda para a direita: Sucio (filho), Fernando Súcio do Pel Mort 4275, Silva da Cart 1689 e Vinhal da CART 2732.

O Paulo às voltas com as carnes, enfrentado o calor das brasas, apesar da "brasa" que se fazia sentir

A mesa já com as Entradas

O pessoal ao ataque antes que se acabassem as munições.

De quem será este prato que chamou a atenção do Jorge?

Que bem se estava à sombra daquela ramada, já com as uvas bem pintadas como se pode ver  na foto.

Pormenor da mesa, sector norte, onde não se discutia a guerra, antes as virtualidades do Benfica e as (des)virtualidades do FCP. Para variar, diz o editor.

Já na digestão, em amena cavaqueira: Carlos Silva, Antero Santos (que não almoçou), Gil Moutinho (o nosso anfitrião) e Carlos Vinhal

Fotos de Jorge Teixeira (Portojo)
Legendas de Carlos Vinhal

Nesta foto o camarada José Ferreira da Silva e o seu editor Carlos Vinhal

Um recanto da Quinta dos Choupos onde não falta espaço para desfrutar a natureza e apreciar maquinaria antiga utilizada na agricultura. Neste momento, por decisão do nosso camarada Gil Moutinho, o Restaurante Choupal dos Melros apenas abre ao público e serve à lista ao domingo ao almoço, dedicando-se mais à organização de eventos e convívios.

Fotos e legendas de Carlos Vinhal
____________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 14 de Agosto de 2012 > Guiné 63/74 - P10261: Convívios (464): Tabanca de São Martinho do Porto, sábado, 11 de agosto de 2012 (Parte III)

Guiné 63/74 - P10270: Recortes de imprensa (56): Notícias do Centro, 14 de agosto de 2012: 'Afectos com Letras' instala biblioteca pública na Guiné com 13 mil livros


1. Recorte de imprensa enviado pelo nosso camarada Carlos Pinheiro, sempre atento ao que se passa na Guiné-Bissau

 De: Carlos Pinheiro [ carlosrpinheiro@gmail.com ]

Data: 14 de Agosto de 2012 14:11

Assunto: "Afectos com Letras" instala biblioteca pública na Guiné com 13 mil livros




 14 de agosto de 2012:

 "Afectos com Letras" instala biblioteca pública na Guiné com 13 mil livros



Um grupo de voluntários da organização não governamental "Afectos com Letras" estão em Bissau para instalar a Biblioteca Pública local, levando na bagagem 13 mil livros.

Segundo Joana Benzinho, presidente daquela associação, com sede em Pombal, nas próximas três semanas os voluntários irão "instalar estantes e organizar livros recolhidos em Portugal desde finais de Março". "Nas últimas duas semanas de Julho, funcionários da Rede de Bibliotecas de Pombal ajudaram na catalogação do fundo documental que foi entretanto enviado para a capital guineense", acrescenta.

Aquela Biblioteca será acolhida nas instalações do Instituto Politécnico Benhoblô, no qual será ainda criado um espaço multimédia, com computadores doados pela empresa portuguesa, com sede em Matosinhos, JP Sá Couto, com o objectivo de proporcionar aos leitores o acesso a um maior número de livros e publicações disponíveis nas diversas bibliotecas online.

Segundo Joana Benzinho, a "Afectos com Letras" espera alargar a iniciativa a outras regiões da Guiné-Bissau, nomeadamente às Ilhas dos Bijagós, democratizando "o mais possível" o acesso à leitura e à cultura naquele País.

Criada em Setembro de 2009, a Afectos com Letras – Associação para o Desenvolvimento pela Formação, Saúde e Educação tem como missão a melhoria das condições de vida das crianças da Guiné-Bissau.

Desde a sua constituição que tem desenvolvido um conjunto vasto de projectos como o co-financiamento da construção da Escola de Djoló que abriu em Outubro de 2010 com 120 alunos, o projecto Baobá que consiste no apadrinhamento individual de crianças ou de turmas daquela escola, a construção de um furo com painéis solares que fornece água e luz à escola, assim como o pagamento do salário de três professores.

A dinamização de campanhas como "Um livro para a Guiné Bissau", que levou centenas de livros até várias escolas guineenses, "Um brinquedo para a Guiné Bissau", bem como a elaboração e edição de uma brochura sobre nutrição infantil, são outras das iniciativas levadas a efeito.

A Afectos com Letras co-financiou, ainda, uma creche em Varela, destinada a 70 crianças, assumindo, também, o pagamento das duas professoras e três auxiliares.

Por outro lado, tem organizado diversas missões solidárias que levam até à Guiné profissionais de distintas áreas como dentistas, médicos, psicólogos, professores ou nutricionistas entre outros, com o objectivo de ajudar as populações, dar consultas, formação, entre outras.

Em Maio último, a associação promoveu uma outra missão solidária, focalizada no Hospital Simão Mendes, também naquele país guineense, ao qual entregou diverso material médico-cirúrgico e outros bens, como produtos alimentares para a confecção das refeições aos doentes internados.

Orlando Cardoso | Diário de Leiria | Diário de Coimbra
_____________

Nota do editor:

Último poste da série > 6 de agosto de 2012 >  Guiné 63/74 - P10232: Recortes de imprensa (55): Os 50 anos da guerra colonial, a saúde publica e a lusofonia (Editorial, Revista Portugal de Saúde Pública, 2011; 29(1): 1-2) (Luís Graça)

Guiné 63/74 - P10269: CCAÇ 3325, Cobras de Guileje (1971/73): Parte II (Orlando Silva)



 Guiné > Região de Tombali > Guileje > CCAÇ 3325 > 5  de fevereiro de 1971 > Foto nº 7 > Pista de Guileje com algumas visitas militares: à direita, o Alf Rodrigues, Alf Cristina, o Capº Parracho ao centro e o Alf Almeida, com dois pilotos e com o nosso Guia Abdulai Jaló. [Segundo informação do nosso camarada António Martins de Matos, os dois pilotos são o ten cor pilav Almeida Brito e o maj pilava Pedroso de Almeida, e o DO-27 é o 3499].



 Guiné > Região de Tombali > Guileje > CCAÇ 3325 > 5 de fevereiro de 1971 > Foto nº 8 > Pista de Guileje com algumas visitas militares: à porta de armas, podemos ver da direita para a esquerda, o Alf Cunha, eu, o Cap Parracho ao centro, o Alf Cristina e o Alf Almeida, com alguns Oficiais Superiorers de Bissau.





 Guiné > Região de Tombali > Guileje > CCAÇ 3325 > 1971 > Foto nº 6 > Uma Caserna/Abrigo acabada de construir



 Guiné > Região de Tombali > Guileje > CCAÇ 3325 > 1971 > Foto nº 5 > Croquis do aquartelamento de Guileje (1971)

Fotos: © Orlando Silva (2009). Todos os direitos reservados.



1. Continuação da publicação da história da CCAÇ 3325, que esteve eem Guileje, de janeiero a dezembro de 1971, reproduzida aqui com a devida autorização do autor, José Orlando Almeida e Silva, ex-alf mil, residente em Aveiro (*)

CHEGADA A BISSAU – 26 de janeiro de 1971

Cabe aqui referir como aspecto altamente desmoralizante, a “propaganda” negativa de Guileje, que foi feita por elementos das Forças Armadas, inclusivamente por Oficiais, durante o único dia de estadia da Companhia em Bissau, logo que o navio atracou, sem qualquer conhecimento da região e das dificuldades que nos esperavam. De realçar que, tendo chegado num dia à noite, e sem qualquer experiência de combate, fomos enviados no segundo dia para o pior Quartel de toda a Guerra Colonial.

O comando notou, por isso, uma quebra nítida entre a disposição de toda a sua tropa um dia antes e um dia depois da chegada a Bissau, unicamente pelas razões apontadas, perdendo-se assim,  num dia, um trabalho de moralização de meses, obrigando a novo esforço no mesmo sentido, notando-se no entanto que se tinha perdido parte da confiança e alegria anteriores, o que só o tempo havia de voltar a dar. Podia afirmar-se que o IN não precisava de fazer acção psicológica neste aspecto, pois tinha quem a fizesse embora inconscientemente.

GUILEJE – 30 de janeiro de 1971


Como comandante do 2º Grupo de Combate dos Cobras de Guileje, e após ter lido o artigo publicado no jornal Correio da Manhã,  de 25/02/2008, não posso, em homenagem a todos os mortos e feridos, e a todos aqueles que não têm voz que os defenda, calar a revolta que me vai na alma. 

Porque sofremos em silêncio desde 1972 (regresso da Guiné), sem que a verdadeira história do Ultramar Português se fizesse, mais não fosse por homenagem a todos os mortos (que não se podem defender) e a todos os feridos que, como já disse, não são ouvidos por ninguém (só o são pelos seus familiares, que muito têm sofrido com isso), e porque sentimos na pele os rigores, a dureza, os sacrifícios e a dor, motivados pelo árduo cumprimento da n/missão militar e patriótica em Guileje, desde Janeiro/1971, tenho obrigatoriamente que corrigir os factos, e as afirmações de pessoas que, no desempenho das suas funções, e tendo abandonado (fugindo) o nosso Aquartelamento, vieram mais tarde afirmar que tinham sido obrigados a fazê-lo por estarem a ser atacados por todos os lados. NÃO É VERDADE!

A verdade é que os combatentes do PAIGC, como não vissem qualquer reacção às suas flagelações ao Quartel, começaram a aproximar-se lentamente, até que, ao fim de três dias, como viram que não havia nenhuma reacção (a população abandonou com as tropas), entraram à vontade no mesmo. Quem não souber o que aquilo era, até pode acreditar. Agora quem sabe, quem passou pelas mesmas situações mas trabalhou e não virou as costas, esses, apesar do sofrimento, sentem-se tristes com esta situação.

A minha introdução explica tudo isto. O aproveitamento pessoal de situações que o povo desconhece (inclui os Média), e a deturpação dos factos por vergonha da verdade. Mas ao calar, estávamos a ser cúmplices do que se tem afirmado, e estávamos a deixar que meia dúzia de pessoas ridicularizassem e envergonhassem uma mão cheia de Militares que se orgulham de ter defendido com honra as cores da Bandeira Nacional.

A confirmar o que acabo de dizer, basta assistir àquela novela que um Jornalista Português realizou e apresentou e está a apresentar em episódios na Televisão, filmado à volta da Guiné, Angola e Moçambique, mas entrevistando quase somente pessoas que tudo fizeram para ridicularizar de todas as formas a actuação dos Portugueses no Ultramar. Bem sabemos que aquele trabalho não foi feito por ignorância, mas sim direccionado para fins políticos.

E a sua intenção é “ocultar e disfarçar a cobardia de todos os Portugueses, que, arrastados pela degradação de valores que referi, julgam que ser democrático é criticar a História de Portugal e os Portugueses.”

Para demonstrar que não somos iguais, vou falar um pouco sobre a nossa actuação no TO da Guiné e mais propriamente em Guileje: Companhia Independente de Caçadores 3325 – Cobras  de Guileje

OFICIAIS E SARGENTOS


Oficiais:

Capitão Jorge [Saraiva] PARRACHO (hoje Coronel do Exército) – Comandante - Mafra
Alferes Adriano CUNHA (hoje Coronel da GNR) – 1º Grupo – Vila Real
Alferes Almeida e SILVA – 2º Grupo - Aveiro
Alferes Alberto ALMEIDA – 3º Grupo - Estarreja
Alferes Escalera RODRIGUES – 4º Grupo - Lisboa

Neste aquartelamento existia também um pelotão de Artilharia, comandado pelo Alferes Cristina – Portimão;  e um médico permanente: Alferes Acácio Bacelar (Dr) - Oeiras

Furriéis Milicianos:

Marreiro António – 1º Grupo
Maximiano Sousa – 1º Grupo
Bernardino Vale - 2º Grupo (Falecido em 16 de fevereiro de /1971)
Plácido Silva – 2º Grupo
Artur Pimenta – 2º Grupo
Manuel Oliveira – 3º Grupo (Falecido em 18 de abril de 1971)
Mário Prada – 3º Grupo
Acácio Barosa – 3º Grupo (Transferido para outra Unidade)
António Fragoeiro – 3º Grupo
João Noronha – 4º Grupo (minas e armadilhas)
Manuel Ferreira – 4º Grupo
António Bragança (2º Sargento) – 4º Grupo
Carlos Oliveira – 4º Grupo
Júlio Sequeira –Transmissões (Falecido em 17 de maio de 1971)
Alexandre Agra – Transmissões
Artur Alfama – Vaguemestre
José Jorge – Mecânico Auto
Luis Tomé – Enfermeiro


AQUARTELAMENTO

Vd. Foto nº 5, acima

–   Casernas/Abrigo
–  Caserna/Abrigo dos Oficiais
–   Secretaria/Depósito de Géneros e Secretaria
–  Bar dos Soldados/Enfermaria/Gabinete Médico
E
–  Comando/Alojamento do Comandante e Bar de Oficiais
–  Bar dos Sargentos
–  Transmossões
–   Capela
–  Messe
J – Cozha/Padaria
Escola
–  Paiol
M – Motor/Gerador
N – Abrigos de Morteiro 10,7
O – Campo de Futebol/Pista de Aviação
P – Heli-Porto
Q – Trilho para Gadamael por onde fugiu Coutinho Lima
R – Caminho de Garrafas feito pela C.Caç. 3325 (fotos 11/15/16)
–   Monumento aos Mortos feito pela C.Caç.3325 (fotos 13/14)
T – Avioneta que reconstruímos c/palmeira e lona (fotos 4/9/10)
X – Abrigo das Peças de Artilharia 11,4 (foto 19)

Sobre a Caserna/Abrigo (A) situada junto ao Abrigo dos Oficiais, estavam marcadas todas as direcções das Bases de Fogos do IN.

Chegados a 31 de janeiro de 1971 a Guilege, onde fomos render a CCAÇ 2617 que acabava a sua comissão neste Aquartelamento e ia ser transferida para Quinhamel, efectuámos uma sobreposição de 16 dias, realizando-se em 7 de Fevereiro a transmissão do Comando e daí a transferência da responsabilidade da Zona. [A CCAÇ 2617, os Magriços de Guileje, estiveram em Guileje de março de 1970 a fevereiro de 1971, L.G.]


A CCAÇ 3325 recebeu como reforço o 5º Pelotão de Artilharia pertencente à GA 7 que já se encontrava do antecedente em Guileje, comandado pelo Alferes Cristina.

Era uma zona particularmente difícil, com sérios problemas em todos os aspectos, onde a iniciativa pertencia de um modo geral ao inimigo, dado o grande potencial em efectivos e os meios que dispunha na região, dentro e fora do Território Nacional, e, pelo seu isolamento, Guileje só podia ter auxílio em caso de necessidade e rapidamente, através do apoio aéreo, e mesmo esse, só durante o dia.


O Inimigo circulava com um certo à vontade dentro da zona ou nas suas proximidades, utilizando inclusive viaturas no Corredor de Guileje, para as suas deslocações e transporte de material.
Procurou-se por isso, dentro dos condicionalismos impostos e dentro do princípio da economia de meios, ir progressivamente alargando as áreas de acção nas patrulhas que se iam realizando, podendo garantir-se,  ao fim de 3 meses, que não havia inimigo instalado na zona, o que se podia considerar excelente.


Nas primeiras flagelações sofridas, o pessoal reagiu bem de um modo geral e com calma, sem atropelos, nunca evidenciando sinais de pânico, embora logo no dia seguinte à nossa chegada a Guileje, tivéssemos sofrido uma flagelação com Morteiros 120 mm perfurante e Foguetões 122 mm.
A preocupação constante do comando era, a partir dessa altura,  a mentalização das tropas e a ocupação do tempo livre.

Para o nosso reabastecimento, existia unicamente uma picada entre Gadamael e Guileje, só utilizável após a época das chuvas e da intensa desminagem. Convém assinalar que estivemos isolados sem reabastecimento por terra durante 5 meses e meio. Até ovos nos foram lançados de pára-quedas.


Durante o mês de Março [de 1971] os reabastecimentos faltaram, ficando a tropa cerca de 15 dias a alimentar-se exclusivamente de pão e conservas. Também faltou a gasolina durante 8 dias, o que se reflectiu na actividade operacional, pois o pessoal teve de ser todo empregue no transporte a braço de água e lenha.

Todo o pessoal se encontrava bem instalado em abrigos-caserna (alguns em conclusão) à prova de 120 perfurante, com excepção de um Grupo, pois estava ainda a ser construido a caserna/abrigo que lhes era destinado (Foto nº 6).

A actividade da Companhia visava evitar que o IN se instalasse dentro da nossa Zona de Acção, procurando o contacto com ele, e criar-lhes insegurança para se evitarem flagelações frequentes ao Quartel, tanto pela execução frequente (diária) de acções, como utilizando a Artilharia e os Morteiros Pesados para bater a zona, e ainda manter o itinerário de reabastecimento livre. A Artilharia tinha instaladas 3 peças (Obus 11,4).

No dia 2 de Fevereiro de 1971, fomos visitados por Sua Exa, o General Comandante-Chefe António Spínola. No Brifing que se seguiu com todos os Oficiais, Sexa o General Spínola afirmou que, apesar de termos sido enviados para esta zona de guerra, e da inexperiência em combate, pois tratava-se de uma Companhia nova, confiava plenamente nas nossas tropas. Disse também, que iria acompanhar de perto a nossa actividade militar, pois iríamos enfrentar uma zona muito difícil.

Está mais que provado, de facto, que era a zona mais difícil de toda a Guerra do Ultramar.

No dia 5 de Fevereiro de 1971, fomos visitados pelo Comandante-Adjunto, Brigadeiro José Luís Ramires, e pelo Chefe e alguns Oficiais da Repartição de Operações do Comando Chefe. (Fotos nºs  7 e 8).

(Continua)

______________

Nota do editor:

Último poste da série > 14 de agosto de 2012 > Guiné 63/74 - P10264: CCAÇ 3325, Cobras de Guileje (1971/73): Parte I (Orlando Silva)

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Guiné 63/74 - P10268: Viagem à volta das minhas memórias (Luís Faria) (55): Bula - A guerra das minas (5) - Um jogo de "apanhadinha"

1. Mensagem do nosso camarada Luís Faria (ex-Fur Mil Inf MA da CCAÇ 2791, Bula e Teixeira Pinto, 1970/72), com data de 8 de Agosto de 2012:

Amigo Carlos
Envio-te mais um troço de “Viagem…”que, como sempre, foca e retrata o mais fielmente possível a realidade de momentos e pormenores talvez subjectivos, que não foram e julgo não serão esquecidos, neste caso talvez não tanto pelo acontecimento em si mas pelo insólito (?) das envolventes. Costuma dizer-se que …”não lembra (va) ao diabo”? Pois neste caso… pelo visto, lembrou!

Como julgo que andas por “férias aos bocados” como eu, cá te mando o meu abraço com amizade e votos de saúde e bem-estar.
Para a Rapaziada atabancada um outro abraço e tudo de bom.
Luís Faria


Vista parcial do Quartel de Bula

Viagem à volta das minhas memórias (55)

Bula - guerra das minas (5)

Um jogo de “apanhadinha”

Creio que nenhum dos “Eleitos” gostava e muito menos queria, abandonar a procura de uma mina e dá-la como detonada ou perdida sem esgotar, em seu entender, todas as hipóteses viáveis de a encontrar e neutralizar. Muitas vezes acontecia andar-se tempos infindos à procura de um desses engenhos deslocalizado, situação potencialmente perigosa que obrigava a redobrados cuidados e domínio sobre emoções. Nesse espaço de tempo podia ser relativamente fácil acontecerem estados de espírito que iam do desânimo ao eufórico. A meu ver, nestas e noutras situações o autocontrolo e descanso eram essenciais na ajuda à prevenção do desastre.

Disse no (P9850 de 4 de Maio) …Nos ”cú de boi” era bom tomarem-se estas precauções preventivas, eu tomava-as, pois uma das coisas passíveis de acontecer e que não queria, seria por exemplo, exasperado pelo esforço e ao mesmo tempo contente por ter conseguido encontrá-la e levantá-la, agarrar na mina e “fungá-la” no chão ou no caixote de recolha acompanhada talvez dum “cabrona f.d.p.” ainda por cima sem antes a neutralizar, ou pinchar em cima dela a chamar-lhe nomes feios, dar-lhe uma biqueirada à guarda-redes… exagero o que digo ?… pois será, mas aconteceu!

Estávamos ao que me parece recordar, já para finais do campo quando num jogo de “apanhadinha” andavam uma “italiana” fugida e escondida e atrás dela procurando-a sem descanso e resultado, um Furriel “Eleito” que ia gastando o tempo, esgotando a paciência e julgo que a serenidade também. Expressões caserneiras na certa iam sendo sibiladas, maneira fácil e normal de aliviar alguma tensão acumulada, enquanto a busca continuava e se ia prolongando pelo tempo.

A dada altura é bem audível a quem trabalhava nas proximidades, manifestações de entusiasmo e regozijo fazendo com que “vizinhos” como eu desviassem o olhar e atenção para o que se estava a passar e lhe visse na mão a “italiana” finalmente apanhada e a expressão de contentamento vitorioso e de “dever cumprido” estampada no rosto.

Sol de pouca dura para este amante da bola, escalabitano e por isso mesmo alcunhado de Santarém, já que de imediato e surpreendentemente, atira a mina ao ar e acompanhado de algo como um “cabrona” bem sonoro, desfere-lhe uma biqueirada à guarda-redes!

O “BUMM …” é em simultâneo e o Santarém cai por terra.

A mina era de sopro, plástica e não teria sido neutralizada . A pouca sorte ajudou, dadas e a meu ver , as poucas (?) probabilidades de acertar no percutor, como julguei ter acontecido. Ninguém mais se feriu, a não ser psicologicamente.

Ajudo a levá-lo para a estrada para receber os primeiros cuidados médicos. A perna estraçalhada daquele jeito não é bom nem fácil de se ver. Os odores misturam-se e as moscas vindas do nada e atraídas aparecem como que a querer coreografar pela negativa mais uma tragédia em cena.

Lívido e calmo pelo menos aparentemente, não se lhe ouve praticamente um queixume, um gemido. A dada altura diz com serenidade e com um meio sorriso que recordo, como que aceitando sem revolta o resultado de um acto da sua e só sua responsabilidade(?!):

(quase sic) “…nunca mais vou poder jogar futebol!...”

Interveniente no drama e talvez emocionado perante o espectáculo, o Enfermeiro pareceu-me hesitar na procura do melhor sitio na perna onde espetar a agulha para administrar a injecção (morfina?) e julgando que ele estava com receio de causar dor(?) falo-lhe, à minha maneira, mais ou menos assim:
- Espete em qualquer sitio… ele não vai sentir nada!

É evacuado com destino ao aquartelamento donde seguirá para Bissau. Acompanho-o na ambulância, o que virá a influenciar e alterar o meu dia-a-dia durante tempo e levará a fazer-me uma pergunta que até hoje continua, e na certa continuará, sem resposta! Talvez me venha a referir a este assunto mais tarde, a ver vamos!

Nunca mais soube nada deste homem de têmpera, espero que a vida lhe tenha sorrido e que possa ter dado e ainda dar umas biqueiradas na bola, jogo de que ele gostava!

Luís Faria

Foto: © Victor Garcia  (2009). Todos os direitos reservados.
____________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 5 de Julho de 2012 > Guiné 63/74 - P10117: Viagem à volta das minhas memórias (Luís Faria) (54): Bula - A guerra das minas (4) - Imprevistos

Guiné 63/74 - P10267: Tabanca Grande (354): Joaquim Cruz, ex-Soldado Condutor-Auto da CCS/BCAÇ 4512 (Farim, 1972/74)

1. Mensagem do nosso camarada e novo tertuliano Joaquim Cruz (ex-Soldado Condutor Auto-Rodas da CCS/BCAÇ 4512, Farim, 1972/74), com data de 7 de Agosto de 2012:

Bom tarde caro camarada Luís Graça
Começo por te dizer que já há bastante tempo que sou um frequentador muito assíduo do blogue.
Depois de muito ler sobre tudo o que se escreveu e se continua a escrever sobre a guerra do ultramar, em especial com o relacionado com a Guiné e sobretudo com o fatídico cerco a Guidaje no qual eu também estive envolvido, pois fiz parte da segunda coluna que conseguiu furar o cerco no dia 10 de Maio de 1973. Como isso não bastasse, em Janeiro de 1974 voltei para lá para colaborar na construção de uma nova picada.

Depois de algumas hesitações, finalmente decidi apresentar-vos um resumo do que ali vivi durante a comissão de serviço, mas antes de entrar nesse período permitam-me que recue uns meses atrás para tentar explicar como o destino, a má sorte ou o que lhes queiramos chamar não permitiu que a minha comissão na Guiné tivesse sido bem diferente do que veio a suceder...


MEMÓRIAS QUE O TEMPO NÃO CONSEGUE APAGAR (1)

Depois ter feito os psicotécnicos no CICA 3 em Elvas, passados uns meses sou chamado para assentar praça no dia 7 de Agosto de 1972 no CICA 2 na Figueira da Foz.

Feita a recruta, eu e pouco mais de uma dúzia de mancebos recebemos guia de marcha para nos apresentarmos no RAP 3 que ficava ali a pouco mais de uma centena de metros, fomos a pé sem qualquer superior a acompanhar-nos e coube-me a mim inclusive transportar debaixo do braço um enorme envelope que continha os documentos respeitantes à nossa transferência. Ai juntamo-nos a mais umas largas dezenas de recrutas que entretanto tinham chegado dos diversos CICAS dispersos pelo país, e demos início à especialidade.

Quando estávamos sensivelmente a meio da especialidade, fomos informados do destino que nos estava reservado, portanto não havia escapatória possível, estávamos todos mobilizados para o ultramar, e os que não iam para a Guiné seguiriam para Moçambique.

Terminada a especialidade, recebemos guia de marcha para o R15 em Tomar onde o BCAÇ 4512 já se encontrava em formação com destino à Guiné. Dos condutores destinados ao Batalhão, quatro de nós tínhamos sido escolhidos para a promoção a cabo, portanto seria um por cada Companhia, tendo sido eu um dos escolhidos para a promoção (assim consta na caderneta militar) e em sorte sou colocado na CCS. Dadas as informações que tinha de quem já vivera essas experiências, para começo não estava de todo mal, já que em princípio me safava às constantes e perigosas colunas com as indesejáveis minas sempre à espreita, pois para além dos serviços inerentes a um cabo condutor sediado na sede do batalhão, estava-me reservado o lugar de fiel do armazém do fardamento e sempre receberia mais uns trocos ao fim do mês.

Quis o destino que tudo saísse ao contrário, então, eu e os restantes três elementos escolhidos para cabos nas restantes Companhias do Batalhão, por não termos tempo de tropa suficiente, pelo menos esta foi a informação que nos chegou, fomos substituídos por Cabos já com algum tempo de tropa, também com o prejuízo destes que já não contavam com tal má sorte.

Embarcámos no dia 6 de Dezembro de 1972, e um dia depois ou seja no dia 7, completámos 4 meses de tropa (usando um provérbio popular isto foi de atar e pôr ao fumeiro).

Cais de Alcântara e a triste despedida dos familiares

Já no Uíge em pleno oceano a caminho da Guiné

Envio um forte abraço a todos os ex-camaradas
Joaquim Cruz

(Continua)

* * * * *

2. Comentário de CV:

Caro camarada Joaquim Cruz, bem-vindo à Tabanca Grande e a esta tertúlia de ex-combatentes da Guiné.

Finalmente saiu a tua apresentação e o início da publicação de um trabalho que enviaste, subordinado ao tema "Memórias que o tempo não consegue apagar", que como combinámos terá seguimento em próximos postes, já que é muito extenso.

Dei uma vista de olhos ao trabalho, profusamente ilustrado com as tuas fotos legendadas, devidamente integradas no texto. Parabéns.

Posto isto, resta-me deixar-te um abraço de boas-vindas em nome da tertúlia, editores e demais camaradas que zelam para que este Blogue continue activo e interessante.

Recebe um abraço do camarada e novo amigo
Carlos Vinhal
____________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 4 de Agosto de 2012 > Guiné 63/74 - P10228: Tabanca Grande (353): Humberto Martins Nunes, ex-Alf Mil Art.ª, CMDT do 23.º Pel Art.ª (Gadamael Porto e Cuntima, 1972/74)

Guiné 63/74 - P10266: Bibliografia de uma guerra (63): Uma foto de 1972 que documenta a visita da Cilinha a Cufar (Armando Faria)



1. A propósito do Power Point (enviado à tertúlia) elaborado pelo camarada Manuel Sousa para apresentação do seu livro "Prece de um Combatente - Nos Trilhos e Trincheiras da Guerra Colonial", recebemos a seguinte mensagem do nosso camarada Armando Faria (ex-Fur Mil Inf Minas e Armadilhas da CCAÇ 4740, Cufar, 1972/74):

Boa noite camarada.
Nem sempre é possível e fácil estar presente com alguma informação em tempo útil, mas face a esta mensagem apraz-me aqui um comentário.

A foto inicial da apresentação do livro deste camarada* onde está bem visível a Cilinha em visita, o local é CUFAR e foi de visita à CCAÇ 4740 que lá esteve estacionada de Julho de 1972 a Julho de 1974 e ao pessoal do CAOP na zona de CUFAR.

Ao lado da Cilinha nas suas costas e mesmo junto a ela sou eu, ex-Furriel Armando Faria da CCAÇ 4740, então de bigode à boa maneira militar.

Isto é só e apenas por curiosidade.

Parabéns ao autor e a todos aqueles que continuam a recordar/exorcizar momentos que teimam em ficar, nos seguem nos dias que passam e perseguem no sono que teima em não vir.

Um abraço a todos e não deixem de visitar a nossa pagina em: http://ccac4740.com/


Cumprimentos,
Armando da Silva Faria
Ex-Fur Mil da CCAÇ4740
Cufar/Guiné
1972/74
e-mail: asfaria.seguros@sapo.pt
____________

Nota de CV:

(*) Vd. poste de 2 de Agosto de 2012 > Guiné 63/74 - P10219: Bibliografia de uma guerra (59): Prece de um Combatente - Nos Trilhos e Trincheiras da Guerra Colonial, de Manuel Luís Rodrigues Sousa

Vd. último poste da série de 12 de Agosto de 2012 > Guiné 63/74 - P10255: Bibliografia de uma guerra (62): Primeiro Capítulo do próximo livro "Quebo", de Rui Alexandrino Ferreira (3): Primeira parte do depoimento do Major General Pezarat Correia (2)

Guiné 63/74 - P10265: Cartas do meu avô (17): Décima terceira: O pior estava para vir: parte I: o cancro da próstata!... (J. L. Mendes Gomes, ex-Alf Mil, CCAÇ 728, Bissau, Cachil e Catió, 1964/66)

A. Continuação da publicação da série Cartas do meu avô, da autoria de J.L. Mendes Gomes, membro do nosso blogue, jurista, reformado da Caixa Geral de Depósitos, ex-Alf Mil da CCAÇ 728, que esteve na região de Tombali (Cachil e Catió) e em Bissau, nos anos de 1964/66. 

As cartas, num total de 13, foram escritas em Berlim, onde vivem três dos netos, entre 5 de março e 5 de abril de 2012. (*) 

B. DÉCIMA TERCEIRA CARTA > O Pior estava para vir…

I – Clínica de Coimbra


As mulheres têm as suas maleitas….os homens não lhes ficam atrás.


Andava eu na minha habitual vistoria ao físico, pesando toda a gama de índices de saúde ou falta dela, quando, para além do colesterol e ácido úrico, já controlados, dou de caras com uma estúpida subida do PSA. – Olá!...Aqui há gato…ou lobo à espreita!...

Há que repetir.

Ainda mais alto tocaram as sinetas. Há que fazer uma biópsia…Estávamos em fins de Julho. Com tudo marcado para seguirmos com o neto João para o mar azul do golfo de Rosas, ali ao pé de Perpignan…tínhamos ficado escravizados pela doçura daquelas praias quando estávamos na sabática da minha mulher…

O resultado veio parar-nos às mãos antes de partir.
 –  Não. Não vamos abrir o envelope. Dê lá para onde der!...

Foi a decisão. E bem tomada. Regalámo-nos com uns ricos quinze dias de férias na Costa Brava. Tudo se perderia se eu tivesse aberto a carta.
Quando viemos, fomos religiosamente mostrar os resultados ao especialista. 

A notícia caíu como um pedregulho sobre as nossas cabeças: um cancro na próstata!...Nem mais. Não acontece só aos outros.. Ainda há bem pouco tempo, o nosso amigo Ramalhosa, dono do parque de campismo de Vilar de Mouros tinha dolorosamente entrado nos céus…com a mesma sentença. Ficamos ambos aturdidos.

Uma réstea de esperança refulgia ainda bem cá dentro de mim. –  Não acredito que Deus me queira levar já!...Ainda me falta muito para fazer. –  Isto agora, só vai operando ou com radioterapia.- disse friamente e sem mais delongas o médico.

Num instante, a cabeça rodopiou umas dezenas de vezes, à procura duma saída. Lembrei-me logo do meu velho amigo Dr. Nolasco. Que me pôs fino da cabeça quando, de Lisboa, arribei a Aveiro, com comprimidos para dormir e para trabalhar… Telefonei-lhe sem olhar a que horas eram. Aflito.
 –  Ó Dr. Nolasco! Aconteceu-me isto assim… assim…

Do lado de lá senti logo total solidariedade.
–  Leia-me lá o que diz o relatório…

Li-o pausadamente. Ele ouviu e gritou, de imediato: – Você desta vez safou-se. Não se aflija, Dr. Gomes. Vamos arranjar-lhe um colega que o vai safar…Isso ainda está muito verde. Eu logo à noite dou-lhe o seu contacto.

Rejubilei. E acreditei seguramente nele, mais uma vez. –  Dr. Dionísio Duarte. Especialista dessa matéria. Dá consultas em vários sítios. Inclusive em Lisboa, onde você está. – telefonou ele como prometera.

Na sexta-feira seguinte ali fui. Ao Saldanha. Uma sala de espera cheia de gente. Tive de aguardar até ao fim. Era já bem noite quando fui chamado.

Dou com uma pessoa muito mais novo do que eu. À porta aberta. De bata branca. Cumprimenta-me afável. Sem sombras de artifícios ou quaiquer habituais representações…Convida-me a sentar. –  Então que é que o traz por aqui?
Passei-lhe os exames. Leu. E de imediato, repetiu o que o Dr. Nolasco me tinha dito. – O Senhor acordou a tempo. Parabéns…Vamos dar cabo dele. Ainda está muito tenro...e limitado ao interior da glândula e, por fora não sinais
 Então que há que fazer? –perguntei.
 – Há duas vias a seguir em alternativa: Ou se tira tudo ou se bombardeia o bicho…com uma técnica nova, das 'sementinhas'  radioactivas… assim se chamam. A questão está só no custo e nas consequências. A primeira é radical mas poderá ficar impotente e incontinente… a segunda resolve tudo na mesma e o Senhor fica melhor do que antes… 
–  Então está escolhido caminho. A segunda. Custe lá o que custar. – acrescentei eu, sem hesitação.
–  As 'sementes' têm de se mandar vir da América e depois é um só dia de internamento. Em Coimbra. Se for no hospital temos de aguardar vaga. Aí um mês e meio.

Se for na clínica particular onde vou, é dum dia para o outro, mal tenhamos as ditas. O custo, com tudo incluído, é X…Garanto que ninguém lhe faz mais barato. 

Ele já minha tinha exposto detalhadamente a sua filosofia de ser médico. Não andava nisso para enriquecer. Andava, apenas, e só., pelo gosto de fazer bem. Claro que tinha de viver do que recebia. Mas nada para enriquecer.

A sua sinceridade foi fulminante em convencer-me de que não havia ali qualquer basófia. Era mesmo aquilo que dizia.

E assim foi de facto. No dia quatro de Agosto de 2010, entrei na clínica pela manhazinha. À hora ele apareceu. Risonho e descontraído, como quem vai exterminar uma fera, sem qualquer dúvida ou temor de não conseguir.

Foi uma manhã de trabalho atento por ele uma equipa médica. Anestesiado, parcialmente, não sentia nada.
 –  Já está…disse-me ele calmamente e feliz pelo trabalho que fizeram. Agora vai recuperar a sensibilidade…vai ter uma certa dificuldade em urinar…uma certa dor ao acordar das pernas. Amanhã vai poder ir para sua casa. As 'sementinhas' agora vão fazer o resto. Vão liquidar de vez, as células negras que lá estão…no espaço de seis meses. E nós cá estamos depois…

A seguir, foi ter com a minha mulher no corredor e serenou-a completamente.

Já decorreu cerca de ano e meio. Tudo está passar-se como o que disse.

(Continua)


Fonte: Infografia: Próstata normal e aumento da próstata / Hiperplasia benígna da próstata (HBP)... 

Cortesia do Portal de Oncologia Português do qual se retira também, por ser de interesse público, os
números do cancro da próstata (LG):

(i) Em Portugal, o cancro da próstata é o tipo de cancro mais frequente no homem - existem aproximadamente 4.000 casos novos;

(ii) Causa aproximadamente 1.800 mortes;

(iii) É responsável por cerca de 10% da mortalidade por cancro;

(iv) Estima-se que 1 em cada 6 homens terá diagnóstico de cancro da próstata ao longo da sua vida;

(v) 1 em cada 35 virá a falecer desta doença;
(vi) Com os dados actuais e considerando todos os casos de cancro da próstata, estima-se que a sobrevivência ao fim de cinco anos após o diagnóstico é de quase 100%... aos 10 anos de 93% ... e aos 15 anos de 76%;

(vii) De referir que estes dados são obtidos com os tratamentos disponíveis nos últimos 15 anos e se atendermos à evolução dos novos tratamentos, espera-se que estes dados venham a melhorar no futuro próximo.

Vd. também sítes recomendados pela Associação Portuguesa de Doentes da Próstata.
____________

Nota do editor:

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Guiné 63/74 - P10264: CCAÇ 3325, Cobras de Guileje (1971/73): Parte I (Orlando Silva)





Fotos nºs. 2/3/4- Estado do Quartel aquando da nossa chegada. Vedação a reconstruir, Caserna-Abrigo em construção e uma DO-27 caída junto à pista.

Fotos: © Orlando Silva (2009). Todos os direitos reservados.

1. Mensagem do nosso leitor (e camarada) Orlando Silva:


De: José Orlando Silva [ orlandosilva1948@hotmail.com ]
Data: 8 de Agosto de 2012 00:35
Assunto: Fotos sobre Guileje


Caro amigo,

Antes de mais, gostaria de informar que autorizo a mostragem/publicação de todas as fotos existentes no meu blogue (http://guileje3325-vamos falar verdade).

Tenho muito mais que poderei enviar, no entanto, receio ferir algumas pessoas que têm emitido opiniões menos de acordo com a verdade, no terreno, pois algumas dessas fotos vêm de alguma forma, contrariar algumas afirmações mais fantasiosas.
No entanto... Já por diversas vezes afirmei, que o que me/nos move, é simplesmente contar a verdade sobre Guileje. Nada mais. Tem-se falado muito, mas na maior parte das vezes com pouca verdade, e sem ouvir as vivências dos outros. Tem de ser dada a palavra a quem pensa de forma contrária, pois viveram o mesmo local, a mesma guerra, e que, por terem trabalhado de forma diferente, foram bem sucedidos. Isto não é crime.

Sabemos que as situações se podem tornar diferentes, dependendo da forma como cada um actua. Agora generalizar a actuação de alguns como sendo a única verdade, isso não concordamos.


Respeitamos todas as opiniões. Gostaríamos no entanto, que fossem ouvidas as pessoas mais avalizadas para falar de Guileje: o Coronel Parracho, o nosso "mui digno" Comandante. Qualquer um dos outros (Oficial, Sargento ou Praça), comungam da mesma verdade. E este nosso Comandante da CCaç 3325 é a pessoa que melhor pode enriquecer o debate sobre Guileje, quer pela sua seriedade civil e militar,  competência superiormente comprovada e registada, frontalidade e por ser extremamente defensor da ética militar. 

Um abraço por hoje.
Orlando Silva - Aveiro

 2. CCAÇ 3325, Cobras de Guileje, 1971/73 > Introdução

Como ex-Alferes Miliciano da Companhia Independente de Caçadores 3325, Cobras de Guileje, que em 1971 ajudou a defender Guileje, e ouvindo constantemente comentários e reportagens de pessoas que ignoram totalmente o que foi a Guerra do Ultramar, nomeadamente da nossa Zona de Acção de Guileje, não posso deixar de colocar, com verdade, algumas questões a todas as pessoas minimamente inteligentes deste País.

Muito se fala das dificuldades que os nossos soldados passaram no cumprimento das suas missões. É verdade, e é preciso reafirmá-lo repetidamente: “o facto de termos de nos ausentar da protecção e companhia da família, pais, namoradas, esposas, e filhos, principalmente, o clima tropical doentio, a alimentação, a manutenção de uma vida sã, são algumas delas”.

Uma forma de as esquecer um pouco, é manter o tempo ocupado. Para isso, temos o trabalho de reconstrução/construção de Casernas/Abrigos, novos postes de iluminação à volta do Quartel, colocação de novo arame farpado, capinagem constante à volta do Quartel e da Pista de Aviação, limpeza da zona das bolanhas onde nos fornecemos nos poços a céu aberto de água para cozinhar e tomar banho (que nunca é pura e na época das chuvas é barrenta), a recolha de pedra numa pedreira para essas construções, etc. (ver fotos do antes e após o nosso trabalho).

Para complicar e aumentar todos estes problemas, temos a actividade operacional. Tornou-se norma desta Companhia, a realização de patrulhamento constante, sem dia nem hora, percorrendo todos os locais da nossa Zona de Intervenção, por forma a surpreender o IN (a nossa ZI era comandada pelo Nino Vieira) e mantê-lo afastado do Quartel.

Procurámos no dia a dia, percorrer todos os trilhos conhecidos, e verificar se apareciam alguns novos. Paralelamente, tentámos encontrar e armadilhar todas as bases de fogos do IN. Sempre que o quartel de Guileje era flagelado, no dia seguinte íamos procurar essa base armadilhando-a de imediato.

Tentámos, pois, fazer sempre o melhor no cumprimento da nossa missão e com o mínimo de custos pessoais. É verdade que a nossa acção teve custos humanos, sim, e em memória desses heróis, limitamo-nos a respeitar a sua memória de uma forma sã, pois já nos basta o que sofremos.

O maior prémio que recebemos no final da comissão de serviço, consistiu no facto de podermos sentir a satisfação pelo dever cumprido.

Coloco aqui duas questões:

- Será que, para se fazer um juízo correcto, e informar devidamente o povo Português, não seria aconselhável ouvirem outras pessoas (nomeadamente o Coronel Parracho), que tendo cumprido galhardamente a sua missão neste Quartel como Comandante da Companhia de Caçadores 3325 – “Cobras de Guileje”, alargou a Zona de Acção até ao seu limite? E essa Zona era comandada pelo Nino Vieira;

- Por último, porque será que nas reportagens mostradas nas televisões, só se realçam as actuações dos nosso adversários combatentes do PAIGC, denegrindo a actuação das nossas tropas?

NOTA:

Chamo ainda a atenção para o seguinte: Neste País, ainda não foi contada a verdadeira história do Ultramar Português por falta de coragem patriótica dos nossos governantes. Não foi também contada a verdade sobre o assassínio de Sá Carneiro, embora todos saibam. Não foi dita a verdade aos Portugueses e aos Estrangeiros, sobre quem matou o Dr. Amílcar Cabral. Que não foram os Portugueses, isso não, pois o próprio General Spínola estava em negociações/conversações com ele.

(Continua)




Página de rosto do blogue do Orlando Silva, ex-alf mil da CCAÇ 3325, que esteve em Guileje, de janeiro a dezembro de 1971.


3. Comentário do editor:

Meu caro Orlando: Interpreto a tua mensagem como sendo uma manifestação de interesse e de vontade em integrar esta nossa Tabanca  Grande sob cujo poilão, simbólico, se abriga um crescente número de camaradas que estiveram no TO da Guiné, entre 1961 e 1974. Agradeço.-te do fundo coração a tua generosidade, permitindo-nos reproduzir as tuas fotos (e as respetivas legendas, o mesmo é dizer o texto que publicaste no primeiro e único poste do teu blogue, com data de 21 de dezembro de 2009).

Com a tua autorização vamos publicar, por partes,  esse texto, relativo à história da tua companhia, bem como as respetivas fotos  em formato extra-grande. Ganhamos todos, dada a audiência do nosso blogue. Ganhas tu, com a tua versão sobre Guileje do teu tempo, ganham todos os "cobras de Guileje" que deram o melhor do seu esforço para defender aquela posição estratégica que era o quartel de Guileje, servindo de tampão ao corredor do mesmo nome, ganham todos aqueles camaradas que passaram por Guileje, e enfim ganhamos todos nós, teus camaradas, com o teu depoimento.

Gostaria que, na volta do correio, me confirmasses a aceitação do meu convite, da tua parte. Como mandam as regras do nosso blogue (publicadas na coluna do lado esquerdo), deves-me mandar também uma tua foto atual, digitalizada. Sei que vives em Aveiro. Falas-nos um pouco mais de ti, do que fizeste, do que tens feito. Um Alfa Bravo do Luís Graça

PS - Sobre o teu capitão, Jorge Parracho, temos ainda poucas  referências... assim como sobre a tua CCAÇ 3325... A aceitares o nosso convite, serás o primeiro grã-tabanqueiro dessa subunidade,l o que é também uma honra para nós.

Guiné 63/74 - P10263: In Memoriam (124): Dia 24 de Agosto de 2012, em Valbom - Pinhel, homenagem póstuma a José António Mata da CART 6250, falecido em Bolama no dia 10 de Julho de 1972 (José Manuel Lopes)

1. Mensagem do nosso camarada José Manuel Lopes (ex-Fur Mil da CART 6250/72, Mampatá, 1972/74) com data de 14 de Agosto de 2012:

Bom dia Carlos Vinhal
Se fosse possível pedia que fosse publicado no Blog.

A minha Companhia, a Cart 6250/72, "Os Unidos de Mampatá", homenageou todos aqueles que caíram na Guiné. Falta cumprir a promessa com o José António Mata, natural da aldeia de Valbom, Concelho de Pinhel.

O José António faleceu no dia 10 de Julho de 1972, juntamente com o Alferes Figueiredo, de Viseu.
Deixou a mulher grávida duma filha que nunca veio a conhecer.
A mulher emigrou para Paris, onde a sua filha cresceu e ainda vive. Conseguimos o seu contacto e falamos-lhe da nossa intenção de homenagear o seu pai. A sua reação foi comovente, pois com a voz carregada de emoção me disse que ficaria muito feliz e que isso a ajudaria a preencher um vazio que sempre a angustiou, o não ter conhecido o Pai. Referiu ainda que estava ansiosa por conhecer os camaradas do pai, pois talvez pudesse ver em cada um deles um pouco do pai que nunca conheceu.

Emigrante em Paris desde criança, nem todos os anos vem a Portugal, mas este ano está cá, telefonou-me, aguarda a nossa visita e a tão tardia homenagem ao JOSÉ ANTÓNIO MATA.

Só foi possível encontrar uma data, o dia 24 de Agosto (Sexta-feira), assim, quem puder estar presente será pelas 15 horas no cemitério de Valbom (Pinhel).

Será colocada uma lápide com um poema:

Gostava de vos falar
dos esquecidos
dos heróis que a história
não narra
que as viúvas choraram
mas já não recordam
daqueles
que nem tempo tiveram
para ter filhos
que os amassem
descendentes
que os lembrassem
daqueles que nunca
tiveram o dia do pai
vítimas de guerras
que não inventaram
em tempo que já lá vai
falar deles é prevenir
de guerras que possam vir
geradas pela ambição
dos que nunca morrerão
num campo de batalha.

Alguém sugeriu que seria bonito cada um levar uma recordação para a filha do José António. Eu levarei uma caixa do meu vinho, o Carvalho um ramo de flores, quem tiver uma foto do Mata seria uma optima prenda, um doce regional, etc,etc.

A todos os Unidos um abraço e aos que puderem ir, até ao dia 24.

O ponto de encontro poderá ser em Pinhel, num restaurante que se encontra depois da Zona Industrial à saida para Valbom.
____________

Nota de CV:

Vd. último poste da série de 7 de Agosto de 2012 > Guiné 63/74 - P10235: In Memoriam (123): Com a morte do Senhor Coronel Fernando Cavaleiro estou de luto, estamos todos de luto (Maria Teresa Almeida)