sábado, 23 de fevereiro de 2013

Guiné 63/74 - P11143: Para que a memória não se perca (1): Histórias da dobragem do século XIX para o século XX (José Martins)



1. Iniciamos hoje a publicação de mais um trabalho de pesquisa e compilação do nosso camarada José Martins (ex-Fur Mil Trms da CCAÇ 5, Gatos Pretos, Canjadude, 1968/70), desta feita sobre a História da Guiné na dobragem do Século XIX para o Século XX, que se irá prolongar por quatro postes. Este trabalho foi enviado ao nosso Blogue em mensagem de 13 de Fevereiro de 2013.



Para que a memória se não perca…

Histórias da dobragem do século XIX para o século XX (1)

Brasão da Guiné Portuguesa 
Foto: Portal UTW 

Mesmo muito antes de ser a nossa vez de partir para a Guiné, muitos antes de nascermos e nascerem os nossos pais, talvez, os nossos avós ainda não tivessem nascido, já na Guiné se batalhava, fruto das decisões da Conferência de Berlim, reunião em que Portugal esteve presente e marcou, indelevelmente, uma época e marcaria uma “viagem de não retorno” que só viria a terminar com uma revolução gerada no seio das Forças Armadas que avançaram, primeiro a “dar tempo aos políticos” para uma solução negociada que fracassou, por indecisão politica.

As “palavras” que se seguem são reflexo, como todos os combatentes sabem, retiradas de relatórios, que não mencionam o “sangue, suor e lágrimas” daqueles que “estando no fio da navalha” não deixaram de honrar a seu juramento à Bandeira das Quinas, quer fossem africanos quer fossem europeus.

O Tenente-coronel Bello de Almeida deixou, no seu livro "MEIO SÉCULO DE LUTAS NO ULTRAMAR", muitos “apontamentos” retirados de vários relatórios de várias operações e de vários pontos do Império Português, que aqui se resumem, no que respeita à Guiné. Esta é mais que uma forma de os combatentes honrarem os seus pares, que lutaram num espaço que meio século depois, vieram a palmilhar.
No caso da “nossa Guiné”, abrange o período de 1871 a 1919.

Convém referir aos menos avisados que, até 1937, só existiam duas classes: “Oficiais” e “Praças” sendo que, “Praça de Pré”, era a designação geral para os postos dos sargentos, cabos e soldados.

Nota:
• Ao créditos do texto devem ser atribuídos ao Tenente-coronel Bello de Almeida, que realizou um grande trabalho, porque teve necessidade de consultar centenas, para não dizer milhares de páginas, manuscritas por diversos copistas e de diversas sensibilidades, que além de abrangerem 50 anos da nossa história, referiam-se a todas as colónias portuguesas, não só as de África – Angola, Guiné e Moçambique - mas também da Índia, Macau e Timor. O trabalho foi realizado para uma edição da Sociedade de Geografia de Lisboa, na comemoração da semana das colónias, em 1937.

• Os créditos fotográficos ficam a dever-se, na maior parte, ao fotógrafo José Henriques de Mello, filho de Vítor José de Mello, baptizado em Lisboa em Santos-o-Velho, e de Maria José Henriques de Melo, baptizada na Igreja de Nossa Senhora da Conceição, na ilha cabo-verdiana do Fogo. Sendo José de Mello um entusiasta da fotografia, acompanhou a força expedicionária de Infantaria 13, de Vila Real, na sua ida à Guiné, tendo havido uma colaboração com o jornal O Século que, alem do Jornal publicava o semanário Ilustração Portuguesa. De notar que à época, o equipamento fotográfico era pesado e de difícil manuseamento, para mais em ambiente de guerra. José de Mello esteve na Guiné em 1907 e 1908.

© Imagem: História da Guine, de Américo Campos (2012)

Sublevação do Cacheu em 1871
Os povos do Cacheu sublevam-se e o governador, Capitão Teles Caldeira, manda organizar uma força de Caçadores nº 1 e auxiliares nativos, comandadas pelo Capitão J. A. Marques, tendo a cooperação de navios da Armada, atacando e arrasando a povoação. Foram louvados o Capitão J. A. Marques e o Alferes J. J. Figueiredo

Defesa da Praça de Buba em 1 de Fevereiro de 1880
No primeiro dia de Fevereiro, a praça de Buba foi atacada por inúmeros fulas, tentando conquistar a praça. Dispondo de uma força pequenas, só foi possível evitar a tomada da localidade, com a colaboração da população civil, entre eles alguns civis franceses. Foram louvados os Alferes Manuel Pedro dos Santos, comandante da praça, e os civis César Medina e Henri Galembert.

Operações Militares em Buba em 1882
Em Julho de 1882, na região de Buba, a gente de Manadé-Paté praticou actos rebeldes e devastações na zona. Uma força comandada pelo Tenente-coronel Francisco José da Rosa, foi ao Furreá para castigar os desmandos, tendo destruído várias tabancas, estando entre elas a de Elgui do régulo Bakar-Quidali, que os indígenas julgavam ser segura e inexpugnável. Acabaram por pedir a paz e terem sido obrigados a pagar indemnizações e a pagar despesas de guerra.

Operações em Cacanda em 1884
O Tenente-coronel Eusébio Catela do Vale foi incumbido de organizar uma coluna para se bater contra o gentio de Cacanda, que se havia rebelado contra o governo provincial em fins de Junho de 1884. Conseguiu desaloja-los do seu acampamento, levando-os a internar-se na floresta, onde foram também batidos.

A Conferência de Berlim, que havia de mudar o conceito de “descoberta” no conceito de “ocupação”, o que gerou a “corrida a África”. 
© Foto: http://pt.wikipedia.org/wiki/Confer%C3%AAncia_de_Berlim

Operações Militares em Geba em 1886 
O filho do régulo Umbuco, em 19 de Junho de 1986, seguido de cerca de 500 fulas, atacou tabancas no território de Sancoria, que estavam guarnecidas por gente de Mussá-Molo. Como represália, este régulo, atacou as populações das imediações do Presídio de Geba, que nada tinham a ver com o que havia acontecido. Para punir estes ataques, o chefe do Presídio organizou uma força de cerca de 200 homens e atacou as tabancas do régulo Umbuco, pondo em fuga os seus defensores, mas não conseguindo consolidar a paz na zona. Assim, recolheu ao presídio e organizou nova força, composta por cerca de 80 militares de 1ª linha e de cerca de 4500 auxiliares das etnias beafadas, mandingas e fulas fiéis. Apesar das operações terem sido realizadas em plena época das chuvas, e quem passou pela Guiné sabe das dificuldades que essa época apresenta, a força atacou as posições fortificadas de Massá-Molo em Fancá, tendo vencido este régulo infringindo-lhe uma derrota e retirando-lhe a “lenda de invencibilidade”.
Distinguiram-se nesta operação o Tenente do Quadro Colonial e Chefe do Presídio de Geba, Tenente Francisco António Marques Geraldes, que foi promovido, por distinção, ao posto de Capitão e atribuída a Condecoração com a Ordem Militar da Torre e Espada, ao Alferes Manuel do Amaral Gomes de Araújo. Foram louvados os negociantes Agostinho Pinto, Domingues Gomes de Araújo, Estevam de Pina Araújo, António Santy, Joaquim António da Costa e Manuel de Barros, assim como os Grumetes João Mendes, João Lopes e Cristóvão e António Pereira.

Operações Militares em Geba em 1889
Corrain, régulo de Canadú propagandeava a sua desobediência ao Governador da Guiné Joaquim da Graça Correia e Lança e às restantes autoridades provinciais, pelo que foi ordenada a prisão do régulo e dos seus conselheiros.
Mesmo com o régulo preso, as suas gentes iniciaram hostilidades de grande violência, obrigando o governador a suspender as garantias na região de Geba, em 12 de Junho de 1889, e organizar uma coluna para bater os revoltosos.
Sob o comando do Capitão António José Machado, e com os subalternos Tenente Joaquim António Pereira e o Alferes Afonso Sebastião Casqueiro, à frente de praças de Caçadores nº 1 e da bateria da artilharia da Guiné assim como de irregulares fulas e mandingas, dominaram os rebeldes.

Diligência Policial em Buba em 19 de Junho de 1890
O Alferes João Moreira do Carmo recebe a incumbência, do comandante militar da praça de Buba, para intimar o régulo Mamadi-Paté, de Furriá, a prestar informações acerca de uma ocorrência, mas o régulo só não se recusou a prestar as informações solicitadas, como tentou matar o oficial. Perante esta tentativa, um 2º Sargento e um soldado, ao tentarem frustrar o acto, foram feridos por Mamadi-Paté que estava muito excitado. Outras praças, perante a tentativa de agressão, abateram o régulo a tiro.
Dado o alarme, foi destacada para o local uma força sob o comando do Tenente Policarpo Augusto da Silva, que dominou os indígenas de Furriá, que pretendiam vingar a morte do seu régulo. Pela sua rápida e enérgica acção, foi louvado o Tenente Policarpo Augusto da Silva.

Operações militares na Circunscrição de Geba, entre 7 de Dezembro de 1890 e 11 de Março de 1891 
Os fulas da região de Geba, sabendo que os papeis se encontravam em escaramuças e ataques à fortaleza de Bissau, ocupando as tropas, resolveram colocar em causa a autoridade portuguesa.
Um dos principais chefes fulas, o régulo Mali-Boiá, auxiliado por outros régulos faz ataques as populações, amigas dos portugueses, e tentam expulsar de Ganadú o régulo Sambol-Serandim, nosso amigo e aliado.
Para evitar a alastramento da rebelião, o Governador mandou organizar uma expedição com as forças disponíveis da guarnição e de irregulares que, com o auxilio das guarnições das canhoneiras “Rio Ave”, “Flecha” e “Zagaia”, castigaram os revoltosos em combates sangrentos nas povoações de Jaladú, Denadú, não conseguindo prender o régulo Mali-Boiá, que conseguiu fugir. A força foi comandada pelo Capitão Zacarias de Sousa Lage.

Composição da força:
• Comando e Estado-maior: 2 oficiais e dois soldados ordenanças;
• Marinha de Guerra: canhoneira Rio Ave e lanchas canhoneiras Flecha e Zagaia, com as respectivas guarnições;
• Bateria de Artilharia da Guiné: 2 oficiais e 28 cabos e soldados e 1 corneteiro;
• Batalhão de Caçadores nº 1: 1 oficial, 2 sargentos, 104 cabos e soldados e 3 corneteiros;
• Destacamento de Bissau: 1 oficial, 1 sargento, 1 corneteiro e 27 cabos e soldados;
• Guarnição do Presídio de Geba: 1 oficial, 2 sargentos, 118 cabos e soldados;
• Serviço de Saúde: 1 oficial, 2 sargentos e três soldados
• 1200 Auxiliares indígenas (grumetes e gentes de Tigili e Sambol Serandi), e
• 30 Civis europeus voluntários.

Foram louvados os seguintes oficiais, praças e civis: 
Marinha de Guerra:
• 1ºs Tenentes Cristiano Sousa Barcelos, Filipe dos Santos Nunes e Policarpo José de Azevedo; 2ºs Tenentes Álvaro Herculano da Cunha, João Baptista Ferreira, António Ernesto da Fonseca Rodrigues, Jorge Fradezo Salazar Moscoso, Benjamim Paiva Curado e Hopfer Xavier Clemente Gomes; Aspirantes António da Câmara Melo Cabral, Henrique Augusto Metzner, António Rafael da Rocha Rodrigues Bastos, José Maria da Silva Estrela, Raul Correia de Bettencourt Furtado e Flávio Monteiro da Fonseca; Facultativo [médico] Dr. Benévolo Luiz da Fonseca; 1º Tenente Administração João Pedro de Andrade Martins; Aspirantes Administração João Gregório Fernandes e José Pereira Diniz; Maquinistas Júlio José dos Santos, António Januário da Silva, Artur Iria Rosa e Francisco Pereira; 2º Marinheiro Porfírio Pereira; Chegador Elísio.

© Mapa da Guiné Portuguesa – inicio da 2ª metade do Século XX (D.R.)

Exército de Terra:
• Capitães Zacarias de Sousa Lage e Heitor Alberto de Azevedo; Tenentes António Jorge de Lucena (morto) e Eduardo Augusto Perfelim; Alferes Gonçalves e António Caetano; Facultativo [médico] Dr. Luiz Caetano Sant’Ana Álvares; 2ºs Sargentos António Maria dos Santos, Francisco Monteiro Barbosa, Camilo Lima da Costa, Máximo José da Costa, Francisco de Barros Cardoso, José Carlos de Almeida, Belmiro Ernesto Duarte Silva; 1º Cabos José Augusto, António Ramos e José Pacheco; Soldados António Ramos, José Leocádio Lança, Bartolomeu Morais Pinheiro, João Maria, Teodoro Mendes, Manuel Afonso, João António, Manuel de Sousa Pedro, Gonçalo Gomes e Félix Agostinho.

Civis Combatentes:
• Zuzimo Morato (juiz); Nicolau Bernardino Monteiro e César da Silva Gonçalves (funcionários da Alfândega); Domingos Gomes de Araújo (ferido mortalmente), João Cabral Avelino, João José Rodrigues Pereira, Luiz de Araújo Ribeiro, Henrique Augusto da Silva e Remecilio de Carvalho (negociantes); Francisco José Rodrigues, António Rodrigues Afonso Santy, Justino Correia, Lino Cardoso, Clarimundo Barbosa Martins, Joaquim da Costa, João Rosa, Nicolau José Timas, Estevão de Pina Araújo, José Duarte Ribeiro, Fidélio José Mendes, Salomão José Monteiro, Pedro da Silva Morais, Luís Cabral de Brito, Maurício Rodrigues Quaresma, Domingos da Silva, Tomé Vieira, Henrique Pegado Gomes, Nicolau Bernardino Monteiro, Rufino Pereira Barreto, João Cabral Avelino e João José Rodrigues Pereira (diversas profissões).

Chefes de guerra indígenas:
• Galona, chefe de mandingas e beafadas; Sambel-Sirandy, régulo de Ganadú e seu irmão Gambú.

Civis não combatentes, valiosos auxiliares da coluna:
• Gentil Maffrá e Benjamim Potin (Franceses); Otto Schacht (Alemão); José Sebastião Sena e Ricardo Barbosa Vicente (Portugueses)

Oficiais da bateria de artilharia da Guiné 
© Foto: José Henrique de Mello

Defesa da Praça de Bissau e sortida sobre Antim e Bandim em Março e Abril de 1891
No mês de Fevereiro de 1891, na ilha de Bissau, havia fortes indícios de uma revolta mas o Governador, Augusto Rogério Gonçalves dos Santos, não queria ser apanhado de surpresa, pelo que mandou reunir em Bissau o Batalhão de Caçadores nº 1 e a Bateria de Artilharia da Província.
O gentio inicia diversos ataques à fortaleza, que origina um alerta permanente, não só pela guarnição da praça, mas também das guarnições das canhoneiras “Zagaia” e “Flecha” que cruzavam fogos com a artilharia da praça.
Para “aliviar a pressão” colocada pelas forças atacantes, a 19 de Abril, sob o comando do Capitão Joaquim António Carmo de Azevedo foi organizada uma coluna composta por 1 oficial e doze praças de artilharia, com uma boca de fogo de 7 c, e uma pequena peça de marinha; 120 praças de infantaria com 8 oficiais e de um oficial de infantaria que se voluntariou. A alguns auxiliares indígenas que acompanhavam a força, foi destinado o flanqueamento e a exploração do terreno.
A força dirigiu-se a Antim e, sem tomar as devidas precauções de segurança e mesmo sem a força de exploração ter avançado previamente, entrou na povoação sendo recebida a tiro pelos habitantes que se encontravam emboscados, sendo a coluna envolvida por grande numero de defensores.
Perante a superioridade dos defensores da tabanca e a fuga precipitada de auxiliares e alguns soldados indígenas, a coluna não tem outra forma de evitar uma chacina, decide retirar, não sem ter sofrido vários mortos e feridos. Da praça de Bissau saiu uma coluna de socorro, composta por oficiais, praças e moradores, sob o comando do Capitão.

Tombaram na operação os seguintes oficiais:
• Capitão Joaquim António Carmo de Azevedo, Capitão Heitor Nozolinho de Azevedo e Alferes José Honorato Moreira

Embarque de auxiliares num batelão 
© Foto: José Henrique de Mello

Foram louvados os seguintes oficiais, praças e civis:
• Capitão de Cavalaria Caetano Alberto da Costa Pessoa; Tenentes Pedro Rogério Leite e Júlio César Barata Feio; Alferes José de Pina, Miguel Lourenço de Carvalho Peres, Carlos Ribeiro Nogueira Ferrão, Manuel de Almeida; os Soldados da Policia de Cabo Verde Pedro Fernandes e Apolinário dos Ramos; e o Farmacêutico Militar Justiniano de Sousa Gonzaga.

(Continua)

Guiné 63/74 - P11142: Viagem à volta das minhas memórias (Luís Faria) (59): "Está na mala", azimute: "peluda"

 


1. Em mensagem do dia 13 de Fevereiro de 2013, o nosso camarada Luís Faria (ex-Fur Mil Inf MA da CCAÇ 2791, Bula e Teixeira Pinto, 1970/72) enviou-nos mais este episódio para a sua série.




Viagem à volta das minhas memórias (59) 

“ESTÁ NA MALA”

Azimute: “PELUDA”

CUMERÉ, derradeiro estacionamento da FORÇA que aguardava regresso à Metrópole, depois de honroso e meritório desempenho que se deveu à generalidade dos seus Homens, a quem pertenci de parte inteira e com orgulho, muito orgulho.

Acabados os “trabalhos” que me prenderam por Bula e tendo a sonhada pré-peluda “ido pelo cano”, creio que na antevéspera de embarcarmos nos TAM rumo à PELUDA acabei por me reunir à minha CCAÇ 2791, que havia já tempo aguardava embarque no Cumeré.

Destas instalações não me recordo absolutamente nada, talvez pelas poucas horas que por lá estive, divididas ainda por uma ida a Bissau para umas poucas compritas de última hora.

Mal pareceria regressar a casa de mãos a abanar, já que nem a roupa civil ou militar traria. À excepção da camisa e calça número dois, respectiva boina e cinturão personalizado que traria vestido na viagem de regresso à metrópole e do famigerado pólo “Lacoste” azul-marinho (ex-pertença do Fur. Trms. Lourenço e que por birra mútua lhe andei a pagar durante a comissão inteira, até ao último dia) todos os meus pertences tinha já ficado por Bula, ofertados. Só o meu lenço vermelho, as minhas botas “mineiras” e o meu camuflado de mato - espécie de amuletos da sorte e da vida - ficaram já no Cumeré com o Sá, Fur. ”Pira” por quem senti amizade logo aos primeiros contactos e que achei merecedor do “legado”. (Posteriormente foi incorporado, creio não errar, na CCAÇ 13 onde teria passado por momentos complicados e viveu a transição. Ao fim de trinta anos de o procurar, reencontramo-nos e a partir daí, volta e meia, a par de mais uma dúzia de Companheiros juntamo-nos numas petiscadas, em convívio saboroso.)

Assim e no final da ida às compras, como o patacão se foi esgotando noutros bens “mais prementes e essenciais” … os “recuerdos“ ficaram pelas intenções e acabei por só comprar uma “Gillette” para a barba, já que teria de a desfazer à maneira no dia seguinte, para embarque que se efectuou pela tarde num Boeing dos TAM.

Da viagem ficou-me na lembrança o servirem vinho num canecão em alumínio e a chegada a Figo Maduro onde um personagem entrou de aspersor nas mãos, borrifando a cabine com uma bomba tipo “Sheltox”, como que a desinfestar-nos (bem sei, Vinhal, bem sei que não era a nós) enquanto na “montra elevada exterior” familiares e amigos expectantes e ávidos de reconhecimento aguardavam que colocássemos os pés em terra.

Depois foi o embarque nas viaturas rumo ao RAL 1,onde de entre outros procedimentos se acertaram contas (recordo que ainda recebi algum dinheiro) e se deu por findo o nosso contributo militar à Pátria, ficando desde esse momento e por mais uns bons anos obrigatoriamente disponíveis para novo “chamamento” em caso de necessidade. Íamos pois passar à chamada disponibilidade.

Consoante a Rapaziada entrava na “peluda”, a maioria desaparecia rápido da vista, não dando tempo a despedidas ou quaisquer trocas de informações. Salvo excepções, queríamos era ir ter com quem nos aguardava lá ou e em casa. Aquele passado recente era para começar a esquecer (?!). “Estava na mala”! Vida nova começava a despontar!

Pelo que me toca e lembro, aguardavam-me alguns familiares, para além da já minha noiva e futuro sogro (italiano) que, talvez por ter sido veterano da guerra da Abissínia, me deitou a mão à camisa nº 2 que vestia, estraçalhando-ma, fazendo com que a única peça de roupa que trazia na maleta, o “bendito” pólo azul “Lacoste”, viesse a recompletar a roupagem na ida à “Churrasqueira do Campo Grande” para uma jantarada de boas vindas.

(Foto LF) Quadro-recordação

Tinham-se passado vinte e quatro longos meses vividos em terras sob desígnio da Bandeira Nacional a que prestáramos um juramento que cumprimos da melhor maneira que soubemos e conseguimos, usando as nossas capacidades humanas físicas e psicológicas para ultrapassar o dia-a-dia nas suas incertezas, nos seus receios e medos, no cansaço, nas saudades…, apoiando-nos na Fé e na Esperança, na amizade e na camaradagem, na confiança e na disciplina.

Foram meses de vivências que rápida e extemporaneamente levou rapazes a transformarem-se em homens de juventude interrompida e futuro incerto, que se apoiavam entre si como verdadeiros Camaradas de armas no cumprimento do dever e na persecução do objectivo sobrevivência.

Também meses de ganhos em Amizades desinteressadas, melhor dizendo desinteresseiras, que prevalecem até aos dias de hoje e que parecem renovar-se a cada reencontro mais ou menos intervalado no tempo (que alguns imbecis apodam depreciativamente “… de saudosistas decrépitos…!?”), onde também se recordam e por vezes parece reviverem-se momentos de situações boas e más, que por um ou outro motivo ficaram retidos nas nossas memórias e que se complementam, eventualmente formando perspectivas mais abrangentes do que foi vivido em conjunto.

A força da vida levou-nos por caminhos diversos mas deixou-nos ligados por elos que de novo se unem, remoçando-se nestes reencontros que só pecaram a meu ver, por norma tardios, já que poderiam ter contribuído mais cedo para eventuais expurgos de “fantasmas” psicológicos inibidores de uma vida mais sã.

Luís Faria
____________

Nota do editor:

Vd. último poste da série de 13 DE NOVEMBRO DE 2012 > Guiné 63/74 - P10662: Viagem à volta das minhas memórias (Luís Faria) (58): Bula - Pré-peluda

Guiné 63/74 - P11141: Do Ninho D'Águia até África (53): Comando de Agrupamento 16 (Tony Borié)

1. Quinquagésimo terceiro episódio da série "Do Ninho de D'Águia até África", de autoria do nosso camarada Tony Borié (ex-1.º Cabo Operador Cripto do Cmd Agru 16, Mansoa, 1964/66), iniciada no Poste P10177:


DO NINHO D'ÁGUIA ATÉ ÁFRICA - 53


O Cifra já falou do comando a que pertencia em diversos textos, mas agora que se aproxima da fase final da primeira parte das suas memórias, vai apresentar uma foto desse comando, não em muito boas condições, pois toda a documentação da sua estadia no conflito, resumia-se a alguns apontamentos num diário, onde um pouco mais tarde de lá estar, e vendo o volume que o conflito tomava, com todas aqueles companheiros que regressavam feridos, alguns nem regressavam, iam mortos, embrulhados no camuflado sujo com o seu próprio sangue, para a capital da província, então aí, começou a apontar algumas datas de casos que o Cifra pensava que tinham alguma importância. Escrevia, escrevia, depois riscava, fazendo sobressair algumas partes, mas numa linguagem rude, própria do local e dos amigos que compunham o seu grupo inseparável, eram quase sempre relatos escritos em cima do joelho, a quente e à pressa, tendo sempre receio que ao outro dia se esquecesse, tudo isto junto com a sua memória, que passado quase cinquenta anos, com um pouco de paz, vai lembrando. Umas memórias trazem outras, e como alguém já disse, normalmente um COMBATENTE, tem “memória de elefante”, porque passou por momentos diferentes da normal vida de um ser humano.



Naquela idade ninguém esquece uma explosão, um amigo ferido por estilhaços, um amigo que morreu com balas no corpo, a terra vermelha do chão da Guiné, a água turva de lama dos canais, bolanhas e rios, o calor húmido e abafado, meses e meses seguidos comendo peixe e arroz da bolanha, a amizade de companheiros que sofriam juntos, as agruras de uma guerra horrorosa, dois anos vestidos com a mesma roupa e da mesma cor, enfim, todas aquelas pequenas, e às vezes grandes coisas, que por lá passavam no dia a dia.

O Cifra quando deixou o serviço militar emigrou e algumas fotos ficaram no seu querido e nunca esquecido Portugal, quando muitos anos depois foi por elas, que até eram muitas, já não existiam, algumas, os seus familiares da segunda geração tinham-nas em suas casas, em muito fraco estado, mas o Cifra recuperou o melhor que pôde, e são essas que vai mostrando aos seus amigos companheiros combatentes, e hoje vai tentar mostrar o Agrupamento 16, do qual, com bastante mágoa, ainda nenhum companheiro apareceu até hoje, a dizer alô.


O Agrupamento 16, o Cifra acredita que derivado ao desenvolvimento do conflito, foi o primeiro comando a sair da capital da província e a instalar-se no interior, numa zona onde esse mesmo conflito aumentava, pois a zona do Oio, e quase toda a zona norte, era onde os guerrilheiros começaram por instalar-se, construindo as suas “casas mato”, criando os seus corredores de abastecimento, fazendo o recrutamento do seu pessoal, e como tal aparece no interior, portanto fora da capital, em pleno cenário de guerra, um comando que não tinha armas, composto quase por militares graduados, mas que infelizmente dava ordens para matar.

Construiu-se um aquartelamento, criaram-se diferentes gabinetes, as forças de acção foram chegando e o comando do Agrupamento distribuía essas forças pelos diferentes cenários de guerra, de acordo com a acção dos guerrilheiros, sendo que a maior parte das ordens vinha do centro de operações da capital, mas o Agrupamento 16, além de fazer o esquema, com todos os detalhes e organização de todas as operações na sua zona de acção, é que determinava quem ia combater na zona tal ou era destacado para a zona onde ainda havia alguma paz.

____________

Nota do editor:

Vd. último poste da série de 19 DE FEVEREIRO DE 2013 > Guiné 63/74 - P11120: Do Ninho D'Águia até África (52): A máquina fotográfica (Tony Borié)

Guiné 63/74 - P11140: O que é feito de ti, camarada ? (1): Jorge Canhão, Oeiras (ex-fur mil at inf da 3ª CCAÇ/BCAÇ 4612/72, Mansoa e Gadamael, 1972/74)

1. Comentário ao poste 11055, de 4 do corrente, assinado pelo editor L.G., e dirigido ao nosso camarada Jorge Canhão [, foto à direita, em junho de 19690, na LDG, a caminho de Gadamael] , e de quem não tínhamos notícias há uns largos meses.

Recorde-se que ele foi fur mil at inf da 3ª CCAÇ/BCAÇ 4612/72 (Mansoa e Gadamael, 1972/74). Vamos, entretanto, dar início a uma nova série  [, O que é feito de ti, camaradas ?], em que se procura saber de novas de camaradas que, por uma razão ou outra, têm andado arredios da nossa Tabanca Grande...

O que é feito de ti,  camarada ?...Estás em boa forma ? Tenho estado a publicar estas fotos tuas que me chegaram através do Agostinho Gaspar... São uma preciosidade. Preciso que as comentes. E já agora, que comentes também o apontamento do AGA, no seu "Diário da Guiné" (Mansoa, 19/5/1973)...

Diz-me se vocês (3ª companhia) sofreram algum ataque ou flagelação em Gadamael, entre 18 de junho e 13 de julho de 1973... Tens ideia de quando é que foi o último ataque ? A tua companhia só levava um alferes, o Rocha ? Tu comandavas o 2º pelotão ? E o Gonçalves, furriel, outro ? Em que consistiu o vosso reforço ? Saíram para o mato ?... De que altura são os principais estragos ? Qual foi a extensão dos estragos, na tabanca e no quartel ?... O que é "o pelotão do ronco" ? ...

Um alfa bravo. Tens os meus contactos (casa, gabinete e telemóvel)

2. Resposta, por mail,  do Jorge Canhão, com data de 19 do corrente:

 Camarada Luís Graça:

(i) Desculpa-me de só agora ter paciência para te responder ao mail que enviaste, mas a situação principal é uma certa calanzice.

Mas também tem a ver com a saúde, pois nos fins de Outubro, tive de ser operado, embora tudo tenha corrido bem... Estou a fazer tratamentos, ainda a meio... A recuperação está a ir de vento em popa, ou não fosse eu um canhão, que dispara...dispara....mas devagarinho.

Espero estar no almoço de 22 de junho, [da Tabanca Grande, em Monte Real,] mas só mais lá para a frente é que terei a certeza.

(ii) Sobre as outras questões,  penso que o maior ataque que sofremos foi num dia da santos populares, embora não saiba a data certa,  estou a tentar saber: foi de 4 a 5 horas, aliás já o documentei no blogue e o camarada Agostinho Gaspar também o fez.

Sobre o comando da companhia: éramos comandados pelo capitão Salgado, militar do quadro; havia vários alferes e furriéis; não sei se nessa altura era eu o comandante de 3º pelotão, porque embora tivesse alferes (o Maia), quando ele se ausentava de férias, ou tinha que  ir a Bissau, ou até substituir o comandante de companhia (pois era o mais "antigo" da companhia), era eu que o substituía (, também pro antiguidade). Esteve em Gadamael quase toda a companhia.S erá uma das coisas que no próximo encontro da companhia (em Outubro) tentarei clarificar.

Sobre o comentário do camarada Arménio Estorninho,  respeitante à  foto em que estou na LDG e em que eu digo que foi tirada  Buba, bom, limiteu-me a referir o  que me disseram. Quando a companhia saiu de Bissau a caminho de Cacine/Gadamael, a LDG fez um desvio para levar mantimentos. Mais que isto não sei

Abraços

3. Resposta  de L.G.: 

Jorge: Força para ti!... Precisas de muita coragem... E isso é meia cura. Foi o Agostinho que me alertou para a tua situação, dizendo-me que estavas a convalescer. Infelizmente vamos ter que saber viver, cada vez mais, com a(s) doença(s), e nomeadamente a(s) crónica(s)... É o preço por vivermos cada mais... Felizmente também que cada vez mais estas merdas  são curáveis... Quero-te dar um grande abraço no dia 22 de junho, se não for antes. Um beijinho para a tua Maria de Lurdes.  Já sei se inscreveram. Fico feliz por isso. É um grande sinal  de esperança, de força, de coragem e de companheirismo. Luís.

Guiné 63/74 - P11139: Memória dos lugares (217): Cameconde, Cacoca, Sangonhá e Ganturé, em 1968, ao tempo da CART 1692 (António J. Pereira da Costa)

Foto nº 1 - Guiné-Bissau > Região de Tombali > Setor de Cacine >  Cacoca > CART 1692 (1968/69) > " Um do nossos condutores, o  António Andrade Júnior,  que, por opção, 'viviam'  em Cameconde. O outro era o Alcides Pereira de Lima (Unimog 404), de quem não sabemos nada".(*) 

A CART 640, a que se refere o monumento, foi mobilizada pelo RAP 2, partiu para o TO da Guiné em 25/2/1964 e regressou em 27/1/66. Passou por Bissau, Farim, Sangonha, Cacoca e Bissau. Comandante(s): Cap art Carlos Alberto Matos Gueifão; e cap art José Eduardo Martinho  Garcia Leandro.


Foto (e legenda): © António J. Pereira da Costa (2013). Todos os direitos reservados [Edição: LG]


 1. O nosso camarada António José Pereira da Costa (Cor art ref, ex-alferes de art na CART 1692/BART 1914, Cacine, 1968/69; e ex-cap e cmdt das CART 3494/BART 3873, Xime e Mansambo, e CART 3567, Mansabá, 1972/74). descreveu assim estes três sítios, com o rigor do geógrafo e o sentimento do etnógrafo:

(i) Só tenho fotos de Cacine e de Cameconde (*). A Ganturé nunca fui. A Sangonhá umas três ou quatro vezes e duas a Gadamael.

Tenho fotos de uma coluna ao limite do sector na estrada Cameconde-Sangonhá, quando fomos levantar três abatizes que o IN ali colocou. Em 26 de outubro de 1968 realizámos uma coluna pela estrada Cameconde - Ganturé para retirar três abatizes que o IN tinha colocado (um mangueiro e dois bisslões) e oito minas PMD - 6. Uma rebentou na roda traseira de um Unimog 404,  a penúltima viatura da coluna.

Foto nº 2

Numa das fotos [, nº 2,]   estou eu junto à traseira do Unimog no momento em que mudava o pneu.

Foto nº 3

Noutra foto [, nº 3]: eu, o João Almeida, encostados à Daimler do Pel Rec, e à direita da foto, o soldado Lameira que já nos deixou. Dos outros não me recordo do nome.


Foto nº 4

O João Almeida (o "Alce") levanta uma mina PMD-6 que estava logo ali. [, Foto nº 4].


Fotos do álbum do António J. Pereira da Costa, que era na CCaltura alferes QP da CART 1692/BART 1914 (Cacine, Cameconde, Sangonhá e Cacoca, 1967/69).

Fotos (e legendas): © António J. Pereira da Costa (2013). Todos os direitos reservados [Edição: LG]


(ii) Afinal tenho esta foto de um elemento da CArt 1692 em Cacoca [ Foto nº 1].  É o António Andrade Júnior, um dos condutores que, por opção, "viviam" em Cameconde. O outro era o Alcides Pereira de Lima (Unimog 404), de quem não sabemos nada.

Este também tinha a seu cargo a manutenção do motor da luz em Cameconde. Tinha por alcunha "O Cauteleiro", tal como seu pai a tivera. Os filhos dele já foram a um encontro da CArt para conhecerem os camaradas do pai que faleceu cedo.

[Informação fornecida por email em 21/2/2013]

(iii) Memória de Cacoca (**)

(...) Em 1968, Cacoca era um daqueles lugares onde parecia não haver guerra. Dependente da Companhia sediada em Sangonhá, era um destacamento de nível Gr Comb, resumindo-se a uma pequena tabanca com pouco mais de duzentos habitantes.

O quartel era um pequeno recinto, quase um quintal, com uma vivenda de alvenaria, tipo colonial, ao centro. Nessa vivenda tinha funcionado uma daquelas lojas que só existiam ou ainda existem em África. Um daqueles estabelecimentos onde era possível comprar livros do Erskine Caldwel ou pregos de meia-galeota; garrafas de vinho verde ou pilhas para lanterna; panos com que as mulheres se cobriam ou tabaco americano que não se encontrava em Lisboa, enfim tudo ou quase tudo...

A loja ou “cantina” pertencera a um comerciante europeu a quem chamavam o Toneca e que, naquela altura, já só tinha estabelecimento em Cacine, onde vivia sem família, encarnando a figura do “lançado” no sertão. Tinha tido mais uma loja em Sangonhá, da qual se desfizera, e outra em Campeane que fora saqueada, logo no início da guerra. 

O Toneca era um homem só, longe dos seus que, ao que parece, andavam ali por Leiria. Aviava-nos com uma lenta eficácia, desencantando o que lhe pedíamos nas prateleiras junto ao tecto, ou no mais recôndito da arrecadação. Raramente falhava. À noite, a loja era um misto de tasca e café, onde se podia “meter uns copos”, ao balcão, ou tomar ar, em duas ou três mesas colocadas no alpendre. Um daqueles alpendres elevados e altos, tão frequentes, circundando as casas de um só piso. Assim teria sido também a loja de Cacoca que agora era uma instalação multiusos, misto de alojamento para pessoal, posto de socorros, posto de rádio, talvez depósito de géneros... etc., etc... e etc...

Não tenho memória de que tenha sido atacada com armas pesadas ou “ao arame”, com armas ligeiras, embora se situasse a cerca de 2 km da fronteira. Nunca mais esquecerei o meu primeiro contacto com essa casa onde, quando entrei para falar com o alferes que comandava o destacamento, se ouvia, num gira-discos a pilhas, o Gianny Morandi a cantar (bem alto) o “Non son degno di te”. 

A “máquina de fazer barulho” pertencia ao cabo maqueiro que, momentos depois discorria, em voz bastante alta, sobre os "Operacionais”, como ele, versus os “CêCê-Ésses”, que eram os outros. Via-se claramente que era um operacional pelo modo expedito como remendara um rasgão enorme nos fundilhos das calças do camuflado, recorrendo a um emplastro de adesivo daqueles com orifícios circulares, para a pele respirar... Expedientes de campanha ou o velho “desenrascanço dos portugueses”,  sempre presente aqui, ali ou em qualquer outro lado.

Quem viesse de Cacine, ao chegar ao “Cruzamento”, virava à direita e seguia paralelamente a uma pista de aterragem de terra batida (pouco operativa, na altura). O terreno era aberto e deixava ver, ao longe, a vivenda, emergindo da tabanca, cujos telhados de capim e cibe formavam uma espécie de arranjo floral de plantas secas à volta de uma flor ainda com viço. À direita e à esquerda a vegetação era densa, com todos os tons do espectro do verde, mas onde surgiam outros tons: de cinzento, de castanho e – para quem olhasse com vagar e detalhe – em salpicos mal semeados, de vermelho e amarelo.

A CArt 1692, à qual eu agora pertencia, guarnecia Cacine, mas antes tinha andado pelo sector de Sangonhá e Cacoca, e o Duarte – alferes da minha companhia, ex-seminarista como outros houve – assegurava que por ali era possível caçar pombos verdes e outras bichezas comestíveis que se manifestavam com certa abundância.

A população de Cacoca dava-se bem com os soldados e parecia haver uma certa amizade entre os jovens militares e os habitantes, independentemente das suas idades. Fiquei com a ideia de que a população colaborava na vivência da tropa de modo espontâneo e franco. A actividade operacional resumia-se a garantir a possibilidade de comunicar com a sede da Companhia. (...)


Segundo o nosso camarada Nuno Rubim, parece que também houve uma guarnição militar, nossa, em Gadamael Fronteira. E sobre Ganturé (não confundir com Ganturé, no Rio Cacheu), ele diz-nos que esteve lá iinstalado um Pel Rec ou um Gr Comb desde fev/Mmar 1964 até jul 69, pelo menos. Sangonhá terá sido abandonado, por decisão do Com-Chefe, em meados ou em finais de 1968, tal como Cacoca, segundo informação do António J. Pereira da Costa.




Guiné > Região de Tombali > Sangonhá, a sul de Gadamael -Porto > s/d > Vista aérea do destacamento e da sua pista de aviação. Este destacamento deverá ter sido abandonado pelas NT em finais de 1968 (O destacamento de Mejo foi evacuado em 28 de Janeiro de 1969, na mesma data de Gandembel e de Balana.  Em 6 de Janeiro de 1969, o PAIGC lançou um poderoso ataque contra Ganturé, a partir de Sangonhá. A FAP ripostou, provocando 36 mortos e muitos mortos. Foto de autor desconhecido. Álbum fotográfico Guiledje Virtual, do nossos parceiro guineense, a ONG AD - Acção para o Desenvolvimento.

Foto: © AD - Acção para o Desenvolvimento  (2007). [Editada por L.G.].


(iv) O abandono de Cacoca e Sangonhá (**)

(...) A chegada do General Spínola à Guiné alterou profundamente a condução da guerra e as visitas que realizou a todos os aquartelamentos, por diminutos que fossem, ouvindo os “residentes”, como nunca tinham sido ouvidos, causaram boa impressão, embora constituíssem, para quem expunha os problemas, como que uma espécie de exame prático das soluções adoptadas.

Havia chegado há pouco tempo quando foi a Cacine e eu assisti a uma conversa com o capitão Veiga da Fonseca em que pretendeu saber, naquele sector, quais as posições que deveriam ser abandonadas, se pretendesse recuperar tropa “de quadrícula” para dispor de mais unidades “de intervenção”. 

O nosso Batalhão – o BArt 1896 – tinha, então, seis Companhias no terreno – Cacine e Cameconde, Sangonhá e Cacoca, Gadamael e Ganturé, Guileje, Mejo e Gadembel e Ponte do Balana (acabados de construir) – e, obviamente, a CCS sediada em Buba. O capitão respondeu-lhe que, para não perder o controlo da estrada para Guileje e depois Mejo, não deveria abandonar nenhuma posição, mas se a ideia era aquela, então que abandonasse Cacoca e Sangonhá. 

A decisão veio alguns dias depois e passámos a “fazer sector” com a unidade de Gadamael. Os quartéis de Cacoca e Sangonhá foram simplesmente abandonados e a população aceitou bem a decisão (pareceu-me, pelo menos,) e repartiu-se, segundo as suas afinidades e desejos, entre Gadamael e Cacine, o que levou à realização de mais de 30 colunas em 20 dias, com as viaturas ajoujadas de carga e passageiros. Transportámos tudo o que se podia mover. Com os homens, mulheres e crianças, seguiram as mobílias, as roupas e os alimentos, os animais domésticos e até os telhados das casas (capim e as rachas de cibe). Uma autêntica migração realizada prioritariamente para Cacine, onde havia mais recursos, espaço e melhor protecção contra as actividades dos guerrilheiros. 

(...) Por volta de Março ou Abril de 1968, começámos a abrir à esquerda da estrada, como quem vai para Cameconde, uma área desmatada, com cerca de 50 metros de largura destinada a evitar que o inimigo conseguisse instalar-se a curta distância da estrada. Já tinha havido e voltou a haver, depois da nossa saída, emboscadas às colunas que iam de Cacine a Cameconde.

Aqueles 8 quilómetros de estrada eram diariamente percorridos: todas as manhãs e nos dois sentidos, por um pelotão de milícia, e pela coluna auto que saía e retornava a Cacine, sem horários marcados. A população colaborava diariamente, com mais ou menos vontade, nos trabalhos de desmatação com o objectivo de criar uma área de terreno cultivável e sob a vigilância de um grupo de combate, lá ia, formada em linha, cortando e abatendo tudo o que fosse vegetação. (..:) 

O mais insólito sucedeu no dia em que fomos atacados da ponta Cabascane. Devido às suas luzes, Cacine referenciava-se bem de longe e os serventes do PAIGC estavam inspirados, naquele fim de tarde. Por isso, algumas morteiradas caíram dentro do quartel. A flagelação teve lugar imediatamente antes do jantar, na altura em que, na varanda da vivenda que servia de messe, estávamos a apanhar fresco e beber um aperitivo. Cada um fugiu para o seu sítio e o gravador Akai do capitão continuou a tocar indiferente à flagelação. Era um gravador de fitas, com duas colunas grandes que davam um som óptimo (para o tempo). A mesa onde comíamos estava colocada a um canto da casa (um sítio bastante seguro) e o PIDE, sem lugar definido em caso de ataque, acabou por entrar em casa e esconder-se debaixo da mesa. Dali gritava para que alguém lhe “apagasse a música”. Porém, ninguém voltou atrás para essa tarefa. Depois do ataque, ao jantar, explicava que “não se deve brincar com a providência” e que aquela música, no meio das explosões, o enervara sobremaneira. Daí a sua respiração ainda resfolegante...

(...) As casas para a população de Cacoca e Sangonhá foram construídas, na área da antiga “Missão do Sono”, então desactivada pela erradicação da doença. O auxílio muito empenhado do pessoal da companhia foi essencial e foi a primeira vez que vi casas cuja construção começou pelo telhado. Tudo começava com a construção de uma estrutura que suportava o telhado. Depois, este ia sendo construído e coberto de capim. Por fim, eram as paredes que resultavam de um espécie de rede de paus mais curtos e espetados no solo que faziam ângulos de rectos com outros mais compridos dispostos na horizontal. No recticulado que assim se formava iam sendo colocadas, pela face interior, “chapadas” de lama que, secando, iam constituindo as paredes das habitações. (...)

O quartel de Cacoca ficou incluído no nosso sector e, de vez em quando íamos para aqueles lados. Até para que o IN não o tomasse como seu. Como era um ponto bem marcado no terreno e observável desde “o cruzamento” utilizámo-lo uma vez numa regulação de precisão de fogos de artilharia, com observação terrestre. (...)


Guiné > Região de Tombali > Sangonhá > CCAÇ 1621 (1966/68) > 1968 > Picada de Sangonhá para Cacine. A CCAÇ 1621, que esteve antes em Cufar e Cachil, terminou a sua comissão em Sangonhá, em 1968. O aquartelamento de Sangonhá deve ter sido abandonado pelas NT em meados ou em finais de 1968. Os guerrilheiros do PAIGC fora, massacrados pela FAP,  em 6 de Janeiro de 1969, quando atacavam Ganturé, a partir da antiga pista de Sangonhá. Terão tido 36 mortos, e muitos feridos.(***).

Foto (e legendas): ©  Hugo Moura Ferreira  (2006). Todos os direitos reservados [Edição: LG]
___________

Notas do editor:

(*) Último poste da série > 22 de fevereiro de 2013 > Guiné 63/74 - P11133: Memória dos lugares (215): Cameconde (António J. Pereira da Costa, CART 1962, 1968/69) / Manuel Ribeiro , CART 6552/72, 1973/74, a companhia do célebre Lemos, do FC Porto que marcou 4 golos ao Benfica, em 31/1/1971)

(**) Reprodução parcial do poste de 18 de Junho de 2010 > Guiné 63/74 - P6614: A minha guerra a petróleo (ex-Cap Art Pereira da Costa) (3): Gente de Cacoca e outros

(***) Vd. postes de:

 25 de fevereiro de 2008 > Guiné 63/74 - P2579: Álbum Fotográfico do Hugo Moura Ferreira (3): Em Sangonhá, a sul de Gadamael, com a CCAÇ 1621 (1968)

(...) Depois de estar em Cufar e Cachil, a CCAÇ1621 foi terminar a comissão em Sangonhá, que ficava a sul de Gadamael-Porto. O aquartelamento (e a tabanca) terá sido abandonado pelas NT em finais de 1968.

Fotos que foram cedidas por antigos camaradas de armas ao Hugo Moura Ferreira , entre eles o ex-Fur Mil Correia Pinto, e que nos foram enviadas em Julho de 2006, na sequência do Convívio anual do pessoal da CCAÇ 1621, em 2 de Julho de 2006.

O Hugo esteve na Guiné de Novembro de 1966 a Novembro de 1968, como Alf Mil Inf, primeiro na CCAÇ 1621, em Cufar e Cachil (de Novembro de 1966 a Junho de 1967), e depois na CCAÇ 6, em Bedanda (de Julho de 1967 a Julho de 1968). O Hugo já não acompanhoua a companhia, com destino a Sangonhá, por ter sido transferido para Bedanda (CCAÇ 6 - antiga 4ª Companhia de Caçadores) . A grande maioria do pessoal desta unidade era do Minho e Trás-os-Montes. O Hugo esteve pela primeira vez com eles, no convívio de 2 de Julho de 2006 . (,,,)

23 de Fevereiro de 2008 >Guiné 63/74 - P2574: Estórias de Guileje (9): O massacre de Sangonhá, pela Força Aérea, em 6 de Janeiro de 1969 (José Rocha)

(,,,) No dia 6 de Janeiro de 1969, cerca das 8 horas da manhã as forças do PAIGC, estacionadas na antiga pista do quartel abandonado de Sangonhá, iniciaram um ataque bastante cerrado com armas pesadas ao Destacamento de Ganturé, tendo caído algumas granadas no interior do mesmo.

O pessoal do destacamento [de Ganturé] respondeu com morteiro 81 e 60, mas o ataque continuava. Então pediram apoio a Gadamael, que reagiu com mesmo tipo de armamento e, se a memória não me falha, também com o obus 8,8 [, ou peça de artilharia 11,4 ?].
Mesmo assim a festa não parava e então pediu-se o apoio aéreo, que surgiu, composto por dois Fiat. Pediram-nos a localização provável de onde estávamos a ser atacados, e que sinalizámos com granadas de fumo, disparadas pelo morteiro 81. Dirigiram-se para essa zona e de imediato começámos a ouvir rajadas - eram de anti-aérea - e nós perguntámos aos pilotos se eram eles que estavam a fazer fogo, tendo-nos respondido que não! Então numa conversa entre ambos os pilotos, ouvimos um deles dizer ao outro "senti qualquer coisa no meu aparelho"! E comunicaram-nos que iam regressar a Bissau.

Passado algum tempo regressaram 4 Fiat e mais tarde 2 T-6 e uma DO [- Dornier 27]. Entraram pelo lado de Cacine e de imediato iniciaram o lançamento de bombas, cuja explosão era perfeitamente audível e sentida através de fortes tremores do solo. (Estávamos a uma distância de cerca de 6/8 Kms em linha recta).

A operação terminou cerca das 13 horas. Na tentativa de sabermos exctamente o que tinha acontecido, eu e o Rodrigues (ex-Alferes Miliciano) reunimos um grupo razoável de voluntários, e pedimos ao Capitão para nos deslocarmos ao local, mas a nossa pretensão não teve acolhimento. Apanhámos um grande balde de água fria!

Somente no dia 9 [de Janeiro de 1969, três dias depois], com apoio aéreo, é que fomos ao local. No percurso encontrámos carretéis de fio telefónico com uma extensão de cerca de 4/5 kms, abrigos individuais ao lado da estrada, e, na antiga pista [ de Sangonhá], armas destruídas e pedaços de corpos de negros e brancos e 13 sepulturas. Uns dias depois tivemos a informação de 36 mortos confirmados e muitos feridos.

O aspecto do local era medonho! A terra, cuja cor natural é avermelhada, tinha a cor cinza! O intenso cheiro a putrefacção! Os abutres (jagudis) às dezenas! As árvores queimadas! Enfim. (...).

Guiné 63/74 - P11138: Parabéns a você (538): José Carlos Pimentel, ex-Soldado TRMS da CCAÇ 2401/BCAÇ 2851 (Guiné, 1968/70)

____________

Nota do editor:

Vd. último poste da série de 17 DE FEVEREIRO DE 2013 > Guiné 63/74 - P11103: Parabéns a você (537): António Carvalho, ex-Fur Mil Enf da CART 6250 (Guiné, 1972/74) e Fernando Chapouto, ex-Fur Mil da CCAÇ 1426 (Guiné, 1965/67)

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Guiné 63/74 - P11137: Memória dos lugares (216): Olossato, anos 60, no princípio era assim (3) (José Augusto Ribeiro)

1. Terceira série de fotos do Olossato que o nosso camarada José Augusto Ribeiro (ex-Fur Mil da CART 566, Cabo Verde (Ilha do Sal,  Outubro de 1963 a Julho de 196464) e Guiné (Olossato) (Julho de 1964 a Outubro de 1965), nos enviou em mensagem do dia 13 de Fevereiro de 2013.


MEMÓRIA DOS LUGARES

OLOSSATO - O princípio (3)


Foto 96 > O saudoso Alferes Louro

Foto 97 > Olossato, vista aérea > A-Caserna; B-Sargentos; C-Oficiais; D-Refeitório; E-Administração; F-Posto médico

Foto 99 > Sem legenda

Foto 101 > Sem legenda

Foto 102 > Sem legenda

Foto 103 > Sem legenda

Foto 104 > Sem legenda

Foto 110 > Sem legenda

Foto 111 > Sem legenda

Foto 112 > Sem legenda

Foto 117 > Sem legenda

Foto 118 > Sem legenda

Foto 119 > Sem legenda

Foto 120 > Sem legenda

Fotos: © José Augusto Ribeiro (2013). Direitos reservados
____________

Notas do editor:

Vd. poste anterior de > 19 DE JANEIRO DE 2013 > Guiné 63/74 - P10964: Memória dos lugares (206): Olossato, anos 60, no princípio era assim (2) (José Augusto Ribeiro)

Vd. último poste da série > 22 de fevereiro de 2013 > Guiné 63/74 - P11133: Memória dos lugares (215): Cameconde (António J. Pereira da Costa, CART 1962, 1968/69) / Manuel Ribeiro , CART 6552/72, 1973/74, a companhia do célebre Lemos, do FC Porto que marcou 4 golos ao Benfica, em 31/1/1971)

Guiné 63/74 - P11136: Convívios (493): A magnífica Tabanca da Linha vai reunir no próximo dia 7 de Março em Alcabideche (José Manuel M. Dinis)

1. Mensagem do nosso camarada José Manuel Matos Dinis (ex-Fur Mil da CCAÇ 2679, Bajocunda, 1970/71), com data de 20 de Fevereiro de 2013: 

A magnífica Tabanca da Linha 

Convocatória 

Hoje de tarde, ainda não tinha chegado a casa após um almoço com amigos, e tocou o telemóvel.
Estou! - omito o sim, desde que um comercial começou a usar a expressão - e do outro lado apresentou-se o Senhor Comandante Rosales. Homem delicado e preocupado com os amigos, começou por querer saber de mim, se estou bem, se... se... se... e se podia vir ao meu encontro. Respondi que sim, que estava mesmo a chegar. Preparei uma garrafa de tinto, e quando ligava o computador, Sua Exa. tocou à campainha.

Trazia uma garrafa do vinho da sua produção, e quando atravessou a porta, mandou-me providenciar por copos e pão. Acrescentei um bocado de queijo de ovelha, enquanto Sua Exa. revelava alguma impaciência.

- Éh pá, ando assim há alguns dias, algo ansioso, sabes como é! Estive no Couço com o Zé Dias e o Castro (o que jogou no Belenenses, totalmente desconhecido das novas gerações), que me ajudaram na preparação do vinho. Olha que é puro, não levou químicos, nada. Prova lá! - E serviu-me do seu vinho, que jorrou da garrafa e fazia uma sugestiva espuma enquanto crescia no copo de cristal. Serviu-se de seguida, tirou uma fatia de pão e outra de queijo, e atirou-se com apetite aparente. Também provei, apesar de não estar com vontade. O vinho tem paladar a uva; castelão, segundo o produtor; um travo a grainha; treze graus, depois de aguado - a única coisa que levou, mas pouca, e alguma adstringência que proporciona um suave final de boca.

Para além desta prova forçada, que revela uma grande vaidade na consideração que manifesta por mim, o Senhor Comandante vinha principalmente - o tempo aliviou, senão teria vindo sobretudo - para me incumbir de novo encontro da Magnífica Tabanca da Linha.

Ficou decidido o dia 7 de Março, a primeira quinta-feira desse mês. Quanto ao local, o senhor Comandante considera que a Adega Camponesa, no Cabreiro, em Alcabideche, reúne boas condições para o efeito, não só pelo preço sensato (previsivelmente 15,20), como também pelas ementas disponíveis, e ainda pelo amplo parque de estacionamento.

Assim, peço a todos os "habitués", e ainda aos que têm manifestado interesse na participação num encontro connosco, que façam as vossas inscrições, ora por mail, ora pelos telefones 913 673 067 (Dinis), e 914 421 882 (Rosales).

Sem formalidades, serão todos bem vindos, e espera-se uma tarde de bom convívio.
JD
____________

Nota do editor:

Vd. último poste da série de 20 DE FEVEREIRO DE 2013 > Guiné 63/74 - P11123: Convívios (492): Encontro do pessoal da CCAÇ 2464 (Guiné, 1969/70), dia 27 de Abril de 2013 em Rio Maior (António Nobre)

Guiné 63/74 - P11135: Histórias e memórias de Belmiro Tavares (38): O Carinhas

1. Em mensagem do dia 6 de Fevereiro de 2013, o nosso camarada Belmiro Tavares (ex-Alf Mil, CCAÇ 675, QuinhamelBinta e Farim, 1964/66), enviou-nos mais uma memória do seu tempo de estudante.

HISTÓRIAS E MEMÓRIAS DE BELMIRO TAVARES

38 - O Carinhas

(1ª parte)

Algumas figuras mais ou menos castiças passaram pelo COA, como não poderia deixar de ser. Existem casos semelhantes em todos os estabelecimentos de ensino; o nosso não foi exceção – não podia sê-lo.

Hoje, o Carinhas, de seu nome completo, Adelino Carinhas Pinto, é o alvo escolhido da nossa escrita. Não nos move qualquer outra intenção que não seja narrar assuntos verídicos ocorridos, durante alguns anos. Nenhum, entre tantos alunos, poderia pretender ser “levado” ao colo durante a sua permanência no COA, pois não haveria braços (nem abraços) para todos – absolutamente impossível!

O Carinhas não terá frequentado o COA durante mais de três anos (creio) mas é certamente um elemento marcante, até pelo seu nome pouco ou nada vulgar; não é, porém, do seu nome que vamos tratar.

O pai do Carinhas era natural de Sever do Vouga e era ali que o Adelino passava alguns fins-de-semana e as férias em casa da tia, irmã de seu pai, durante os anos em que frequentou o COA, e terá continuado.

O progenitor terá “emigrado” para Angola, onde casou com uma senhora nativa. Notava-se claramente que nas veias do Carinhas corria um pouco de “sangue quente” africano; a avaliar pela aparência, a mãe, no entanto, não seria mulata, talvez até nem fosse mesmo uma “cabrita pura”. A sua débil ascendência africana não era tão notória assim.

Quem estudou as “leis de Mendel” – creio que na Biologia do então 3º ciclo – poderá fornecer uma achega mais abalizada (que não a minha) que não enveredei por essa via.

O Carinhas era alto, um tanto esguio, sempre pronto, pelo menos quando acompanhado e desafiado, a entrar pela mini asneira; resposta sempre pronta na ponta da língua, (o pobre podia ir sem esmola, mas não ia sem resposta); era um brincalhão nato; apesar de tudo não deixava de ser um bom rapaz, amigo do seu amigo e também um bom aluno (bem acima da média), pois no 2º ano dispensou de oral e não foi tangencialmente.

Terá entrado no COA em 1955, e no ano seguinte concluiu o 2º ano, integrado numa célebre turma em que 54% dos alunos dispensaram da oral - caso extraordinário. É a prova evidente da elevada qualidade daqueles alunos, mas acima de tudo, da superior eficácia do ensino ministrado no COA já que, nesse ano, a média nacional de dispensados rondou os 20%. A ninguém poderá restar dúvidas!

Terá abandonado o COA no fim do 3º ano, transferindo-se, vá lá saber-se porquê, para o Colégio de Albergaria-a-Velha, vila um pouco a sul de Oliveira de Azeméis, onde continuou os estudos por mais algum tempo – não sei até quando. Consta que teve uma abundante sequência de empregos; que eu saiba, passou pelos CTT, jornalismo, taxista, entre outros, mas parece que nunca terá ocupado por largo tempo qualquer dos cargos.

A história que hoje vamos narrar ocorreu num domingo ao fim da tarde; o Tó Zé e/ou Zé Beto, os filhos dos nossos saudosos diretores, poderão dar, certamente, uma prestante ajuda, pois, o que vai ser contado, ocorreu no dia em os seus avós de Santiago, os pais do Sr. Almeida, comemoraram 50 anos de casados, as bodas de ouro; o banquete teve lugar no COA, mais precisamente, no recém-construído ginásio. Creio que era um dia de inverno e havia por ali muitos convidados, gente estranha para nós. Posso mesmo afirmar que havia no ginásio muitos lugares sentados, segundo tive oportunidade de observar pessoalmente, in loco, como mais à frente se verá.

Durante a tarde desse dia (Domingo) alguns alunos internos saíram do COA, dirigindo-se ao jardim da Vila, para mudar de ares, lavar os olhos e dar umas voltas, vulgo “fazer picadeiro”! A dado momento, o grupo de que o Carinhas fazia parte cruzou com outro grupo – rapazes e raparigas – que não seriam, pelo menos na sua maioria, alunos do COA; uma das moças ia com certeza “bem acompanhada” por um rapaz que os alunos do COA desconheciam. Sem que ninguém se apercebesse que algo de anormal acontecera, o Carinhas caiu desamparado no solo como se fulminado por um violento raio… do qual ninguém se deu conta e que não deixou qualquer rasto… pois o hipotético raio não existiu mesmo.

O Carinhas ficou inanimado no meio daquela rapaziada abismada e atónita; ninguém vislumbrou uma saída prática para pôr termo àquela situação embaraçosa e até potencialmente perigosa. Houve a costumeira confusão própria de casos semelhantes; todos se empurravam para dar uma olhadela ao sinistrado mas ninguém se lembrou sequer de chamar os bombeiros… do nosso caríssimo professor Santos.

Entre os alunos ali presentes havia dois jovens severenses: Eugénio Bastos e Valdemar Coutinho. Por serem conterrâneos, colegas e bons amigos do “sinistrado”, deliberadamente assumiram o encargo (fardo bastante pesado) de “levar” o Carinhas para o COA. Solícitos e corajosos, levantaram a custo “aquele corpo morto” (salvo seja), apoiaram os braços do “doente” sobre os seus robustos ombros jovens e, literalmente arrastaram-no” para o colégio.

Recordo aquela imagem meio caricata, quase cómica, se o caso não fosse sério. O Carinhas era bem mais alto que os acólicos e os pés dele rojavam mais de 1 metro atrás dos amigos auxiliadores. O Carinhas sem prestar qualquer ajuda aos amigos e voluntários (continuava a não dar visíveis sinais de vida) para diminuir o esforço inaudito dos dois companheiros, permitia, inconscientemente, que o arrastassem para lugar seguro.

Assim entraram, já extenuados, no salão de estudo. Os alunos ali presentes rodearam-no, ansiosos por informações sobre o acidentado e acerca do que tinha acontecido. O doente ficou estendido no estrado; havia ali um sobretudo velho e sem dono que, à falta de melhor, serviu de almofada àquela “cabecinha tonta”.

De repente, o Carinhas abocanhou aquele casacão (que lhe servia para apoiar a cabeça) e, agitando freneticamente a cabeça para um e outro lado, fez o dito casacão voar sobre si como se dum delicado lenço se tratasse. De vez em quando, autenticamente “urrava” como qualquer animal feroz.

Alguém se apressou a descer até ao ginásio para avisar os nossos diretores do que estava a passar-se; ali se comemoravam as bodas de ouro dos pais do Sr. Almeida. O Sr. Dr. Matos, o nosso médico, era uma dos convivas e, logo que foi informado, galgou as escadas até ao salão onde se encontrava o “doente” para prestar rápida assistência médica e medicamentosa ao nosso colega que de vez em quando, dava sinais de profunda agitação. Tirou da sua maleta uma seringa e logo lhe aplicou uma daquelas injeções milagrosas. Em breve, o Carinhas deu sinais claros de acalmia mas logo, ainda inconsciente, tinha novos acessos de fúria, ficando profundamente agitado, qual parida leoa à qual “roubaram os filhos enquanto ela alimento lhes buscara”.

A srª Dª Maria Adília, sempre atenta e cuidadosa, ouvido o parecer do médico, ordenou que o paciente fosse transportado para um quarto na zona dos seus aposentos.

Mais uma tarefa complicada de executar que foi conseguida com sucesso total devido à solícita colaboração de vários alunos. A Srª Diretora entendeu que o Carinhas necessitava de acompanhamento que na camarata não poderia ter. Não sei como nem porquê (nunca soube) o Armando Figueiredo e eu fomos incumbidos de acompanhar, vigiar e apoiar o Carinhas naquele quarto por tempo indeterminado; entendeu-se que, no mínimo, ali permaneceríamos até ao fim da festa.

Um pouco mais tarde, o Carinhas, devidamente bem aconchegado na sua nova cama, com a voz ainda muito “arrastada”, tartamudeou, compassadamente: luz!... Luz!

Logo um de nós se abeirou do interruptor e... Fez-se luz!

Ele repetiu: luz!... Luz! Um de nós desligou imediatamente a corrente elétrica!

O Carinhas, porém, com iluminação ou às escuras, com a língua entaramelada, ia repetindo: luz!... Luz!…

O Dr. Matos compareceu no local para se certificar da evolução do estado do “doente”; permaneceu ali durante largos minutos e aconselhou que a iluminação continuasse desligada pelo menos até o Carinhas ficar suficientemente calmo.

Entretanto, alguns colegas passaram também pelo local a fim de colher informação sobre a evolução do estado do companheiro e amigo; estavam todos preocupados… e não era para menos.

Na conversa com as visitas (alunos) recebemos certas informações que se manifestaram cruciais para “ligar as pontas” da estória que se desenrolaria à volta do eixo principal – entendíamos nós – que seria aquele pedido insistente de “luz” quer as lâmpadas estivessem acesas ou apagadas.

Entretanto passou a hora do jantar e ninguém se preocupou se nós, os vigilantes de serviço, estávamos ou não devidamente alimentados; nós éramos jovens de muito alimento – eu falo por mim! Nós porém não nos inquietámos: em primeiro lugar, porque o jantar, como de costume, seria massa de meada guisada com carne, e por tradição ou qualquer outro motivo, ninguém caía de amores por aquele prato; em segundo lugar porque entretanto descortinámos uma saída airosa para saciar o nosso apetite de jovens.

Sem colocar em causa a vigilância ao doente, um de cada vez descia ao piso de baixo onde a funcionava uma cozinha “improvisada” para a festa daquele dia e solicitámos encarecidamente ao pessoal de serviço que nos aconchegasse a “barriguinha”.

Cada um comia no local que lhe era apresentado e levava alimento, também para o outro que continuava de atalaia, no tal aposento.

Com os estômagos minimamente bem compostos – a quantidade, qualidade e variedade dos alimentos ingeridos superavam largamente a quantidade usualmente necessária para satisfazer os nossos estômagos sempre ávidos de alimento – iniciámos a exploração do “filão” que nos havia sido proporcionado pelas informações soltas e desconexas que nos haviam sido prestadas pelos nossos colegas que por ali passaram.

Muito calmamente iniciámos uma profícua conversa com o nosso “doente”. Meio adormecido e com a língua, ainda encortiçada, o Carinhas foi taramelando palavras mais ou menos soltas e que nós fomos encadeando entre si e as informações de que já dispúnhamos, com maior ou menor dificuldade; continuámos a arrancar dele palavras a saca-rolhas, autenticamente, e assim apanhámos o enredo completo do que tinha acontecido e que havia causado aquele atroz sofrimento ao Carinhas e enorme preocupação aos colegas e diretores.

Com a necessária segurança – e pequena margem de erro – concluímos: o Carinhas caiu de amores – paixão puramente platónica – por uma moça que vivia do outro lado da avenida, num prédio em cujo rés-do-chão havia uma oficina onde reparavam, vendiam e alugavam velocípedes (o tal veículo em que a besta puxa sentada!). Segundo apurámos, a tal moça chamava-se Maria da Luz e não tinha conhecimento da tal paixão tão “assolapada” no jovem coração avantajado do Carinhas. Eis o motivo por que ele clamava, tão insistentemente por Luz! (Aqui já era Luz!).

O Carinhas logo que viu, inesperadamente a sua “amada” idolatrada, no jardim “pendurada “num outro rapaz (que não ele próprio) ficou desvairado… caiu desamparado no solo como se fulminado por um raio. A Maria da Luz não sabia que era o alvo de tão profunda e doentia paixão. Já depois da meia-noite, o Carinhas dormia repousadamente como qualquer anjo papudo; apareceu a Srª Dª Maria Adília que logo quis saber novidades sobre o estado do “doente”… e se tínhamos jantado.

À 2ª pergunta logo respondemos negativamente; quanto à 1ª narrámos, com os pormenores possíveis, o que, com paciência de santo, havíamos “decifrado”.

Ela manifestou o seu contentamento pelo nosso trabalho “detectivesco” e convidou-nos a segui-la até ao ginásio; já não havia lá qualquer convidado. “Descobriu” algumas mesas, baixando as pontas das toalhas e ordenou que comêssemos o que quiséssemos de tudo o que ali havia – e eram muitas a iguarias ali à mão de semear.

Bem comidos e bem bebidos – naqueles bons velhos tempos, os jovens até bebiam vinho, e nós tivemos direito, também a espumante – a srª diretora continuava ávida por mais minudências; agradeceu a nossa proveitosa e exaustiva colaboração e decidiu que não nos levantássemos às 6h30, como os outros alunos; apenas devíamos comparecer ao pequeno-almoço – às 8:45 – a que se seguiam as habituais aulas.

Um inesquecível fim de domingo!


(2ª Parte) 

 Como atrás foi dito, o Carinhas transferiu-se para o Colégio de Albergaria-a-Velha, provavelmente no fim do 3º ano. Um amigo comum (meu conterrâneo) que o acompanhou na nova escola contou-me algumas peripécias mais ou menos disparatadas, um pouco trágicas ou cómicas, segundo o ponto de vista dos intervenientes em que o Carinhas, por vontade própria, tomou parte.

Alguns companheiros falavam de cortes de cabelo à “Rosa Coutinho”; o Carinhas, logo se manifestou disponível para rapar a cabeça, com navalha de barba, caso os colegas lhe entregassem uma determinada quantia em dinheiro vivo. Os colegas conseguiram juntar as moedas solicitadas (não sei qual o montante) e de seguida o Carinhas “barbeou” a cabeça. Dada a sua estatura, as feições e a cor de pele, o Carinhas ficou com ares de autêntico palhaço ou mesmo pior que isso. Na noite seguinte, os colegas que perderam a aposta decidiram tornar a situação ainda mais cómica – era a hora da vingança, que sempre se serve… fria.

Comparam um frasco de tintura de iodo e, munidos de penas de galinha para servirem de pincel, enquanto o Carinhas dormia a sono solto, besuntaram a sua cabeça já descabelada; ele ficou com um aspeto quase pavoroso – terrível vingança!

Os alunos internos deslocaram-se às instalações sanitárias para a higiene matinal. Ao verem o Carinhas naquele estado deplorável, todos riram desalmadamente da nova e real aparência do colega. Quando se apercebeu que era ele próprio o alvo de tanta chacota, o Carinhas espumava de raiva; urrava furiosamente; virou fera! Comentou o meu informador: “se, naquela hora, ele imaginasse quem tinham sido os autores de tão severa “vingança” (foram vários), o Carinhas mataria um, tal era o seu estado de fúria; ele parecia um touro indómito, bramando! Saudações colegiais!

PS – há meses que tenho tentado contactar o Carinhas Pinto por telemóvel, mas ele nunca atende. Não sei o paradeiro dele; o telefone chama mas ninguém atende.

Saudações Colegiais
Belmiro Tavares
Fevereiro 2013
____________

Nota do editor:

Vd. último poste da série de 18 DE FEVEREIRO DE 2013 > Guiné 63/74 - P11113: Histórias e memórias de Belmiro Tavares (37): A "ida ao toco"

Guiné 63/74 - P11134: Notas de leitura (459): "Olhares Sobre Guiné e Cabo Verde", organização de Manuel Barão da Cunha e José Castanho (2) (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 3 de Janeiro de 2013:

Queridos amigos,
Para todos os efeitos, vale a pena ler estes “Olhares sobre a Guiné”.
Desta feita, temos os contributos dos coronéis Raul Folques, Moura Calheiros e Mira Vaz sobre as atividades dos Comandos e do BCP 12.
Segue-se o consistente dossiê da Marinha, elaborado com muito apuro, a Marinha sente legítimo orgulho pela multiplicidade de operações desde o apoio logístico e levantamentos hidrográficos, fiscalização das vias fluviais e a intervenção dos seus Fuzileiros.
Temos aqui um excelente resumo de consulta obrigatória nos tempos vindouros.

Um abraço do
Mário


Olhares sobre Guiné e Cabo Verde (2)

Beja Santos

“Olhares sobre Guiné e Cabo Verde” é o mais recente volume da coleção Fim do Império, teve como organizadores Manuel Barão da Cunha e José Castanho Paes, DG Edições e Caminhos Romanos, 2012. Colaboraram neste volume cerca de 30 autores que se debruçaram sobre matérias díspares em que o pano de fundo foi a guerra vista fundamentalmente por militares dos três ramos das Forças Armadas. No texto anterior deu-se primazia a atividades terrestres desenvolvidas pelas forças em quadrícula, agora pretende-se destacar a intervenção dos Comandos e do Batalhão de Caçadores Para-quedistas nº12 (BCP12).

Coube ao coronel Raul Folques, que comandou o Batalhão de Comandos da Guiné sumarizar as atividades dos Comandos Guineenses, dando voz a Gabriel José Haik, é como se este estivesse a contar a história de todos os comandos africanos, uma viagem de recordações em que se dá relevo a três operações de indiscutível importância: a Ametista Real, com assalto ao aquartelamento de Cumbamori, a Galáxia Vermelha, em que foi desarticulado o dispositivo inimigo no Cantanhez, e a Neve Gelada, em que conseguiu aliviar a pressão que o inimigo mantinha sobre a guarnição de Canquelifá, quase no termo da guerra.

Muito está escrito sobre a Ametista Real, que decorreu em Maio de 1973, ao tempo em que as forças do PAIGC tinham cercado completamente Guidage. São descritos com detalhe os terríveis combates, que chegaram a ter corpo-a-corpo, em que se temeu sempre a ameaça dos mísseis Strela, e conclui: “Nesta ação, os homens do Agrupamento Centauro, experientes, ardorosos, combatidos e muito calejados, correram risco excessivos, mantendo-se em combate com pertinácia, até à quase exaustão física e à míngua de munições, à chegada a Guidage, se contavam, para cada comando mais abonado, pelos dedos das mãos”.

A Galáxia Vermelha foi lançada na região do Cantanhez Sul, entre 22 de Dezembro de 1973 e 1 de Janeiro de 1974, envolveu quatro companheiros de comandos com reforço com três destacamentos de Fuzileiros, teve apoio de fogo de três pelotões de artilharia e o apoio do Agrupamento AR, seis helicópteros, dois Fiat e um avião DO27 a missão era a de reconhecer, desarticular e destruir as organizações inimigas em Cachamba Balanta, Cachamba Sosso, Cabanta e Darsalame e aliviar a pressão sobre o eixo Cadique-Jemberem e guarnições da região. Embocadas não faltaram, inclusive no dia de Natal. Todos os objetivos da missão foram alcançados.

A Neve Gelada decorreu de 2 a 31 de Março de 1974, o PAIGC tinha montado uma ofensiva sobre Canquelifá, bombardeando-a diariamente com fogo pesado e morteiros 120mm, canhões sem recuo e foguetões, o que levou a guarnição ao limite da resistência física e psíquica. A missão que coube ao Batalhão de Comandos foi a de desarticular os elementos inimigos da região, garantindo a consolidação da posição de Canquelifá. Constituíram-se três agrupamentos que se lançaram sobre a base de fogos do inimigo, este deu uma boa réplica ao assalto, quando retirou o inimigo deixou 26 mortes no terreno, a região foi sujeita a uma batida após a recolha de material deixado pelo inimigo, desde três morteiros de 120mm completos até uma espingarda automática AK 47, a missão foi integralmente cumprida, pois o inimigo foi desarticulado, deixou ser capturado importante material e Canquelifá deixou de estar pressionada.

Raul Folques, a voz de Patrício Haik, deplora a forma como os Comandos Guineenses foram deixados à deriva: “Fomos enganados, manipulados, alguns comprados e, finalmente, abandonados e vendidos”.

Coube aos coronéis Moura Calheiros e Mira Vaz dissertarem sobre o BCP12. Voltando um pouco atrás, é lembrado que quando começou a luta armada havia um pelotão no Aeródromo Base nº 2, em Janeiro de 1964 chegou o segundo pelotão de para-quedistas que interveio na Operação Tridente. Como a situação em geral se deteriorou, o comandante-chefe solicitou ao Ministro da Defesa-Nacional a colocação de uma companhia de para-quedistas. No final de 1966 foram lançadas as primeiras ações simultâneas de heliassalto. Nesse ano foi criado o BCP12, com duas companhias operacionais, com os números 121 e 122. Faz-se um inventário breve das intervenções, com especial destaque aos que tiveram lugar na região Sul. Em Maio de 1968, Spínola assume as funções de comandante-chefe, de imediato reduziu a autonomia operacional à Armada e à Força Aérea, alterou o dispositivo das forças militares no terreno, visando a concentração de meios humanos. O BCP12 passou a intervir mais em missões de reforço de tropas de quadrícula e menos em heliassaltos. Nos finais de Junho de 1969, chegou à Guiné a CCP 123, novamente se inventariam as operações em que participaram as diferentes companhias. Recorda-se a Operação Muralha Quimérica, desenvolvida na região Unal-Guileje, na altura em que se pretendia mostrar aos membros da delegação da ONU a existência de regiões libertadas. Destruiu-se uma Loja do Povo e um hospital, e foram abatidos 30 guerrilheiros e capturados 17. Os para-quedistas participaram ativamente numa das maiores, mais complexas e mais bem-sucedidas operações, reocupação do Cantanhez, quebrou-se o mito da invencibilidade de que o PAIGC aí gozava. É esmiuçada a Operação Grande Empresa cujo sucesso irá ser abandonado depois do cerco de Guidage, do cerco de Guileje e o do ataque brutal a Gadamael-Porto, bem como devido ao aparecimento dos mísseis terra-ar na Guiné. Em Gadamael, as três companhias do BCP12 irão arrostar a fúria de um inimigo altamente apetrechado, aguentou e fez retroceder um inimigo que parecia contar com o abandono de Gadamael. E escreve-se, em jeito de conclusão: “ O BCP12 foi uma unidade fundamental na conduta da guerra na Guiné. Pode mesmo afirmar-se que a leitura da história do BCP12 nos dá uma perceção muito aproximada dos acontecimentos mais importantes ocorridos na guerra, na Guiné, e da forma como esta evoluiu ao longo do tempo”.

E assim chegamos à secção mais coesa, dedicada à Marinha da Guiné. Recorda-se o papel preponderante desempenhado pela Marinha, dada a configuração geográfica do território. Enumera-se as lanchas existentes e como, ao longo da guerra, cresceu a dotação de meios com uma fragata, um navio hidrográfico, mais lanchas de desembarque, sete destacamentos de Fuzileiros, três dos quais basicamente de recrutamento local, bem como um destacamento de mergulhadores sapadores. Em síntese, o papel da Marinha revelou-se determinante no apoio logístico (reabastecimento de forças terrestres de quadrícula), levantamentos hidrográficos, fiscalização das vias fluviais, forças de intervenção que podiam trabalhar isolada ou conjuntamente com o Exército e a Força Aérea, não esquecendo a importância das comunicações, em que as estações radionavais asseguravam as ligações quer entre eles próprios quer com os centros de comunicações do comando-chefe. Descreve-se com alguma minúcia o apoio logístico e naval e as guerras dos rios, a sua colaboração com unidades do Exército. De igual modo são pormenorizadas as operações de fiscalização e o controlo das vias fluviais e o desempenho das lanchas de fiscalização e desembarque, ao longo da guerra. Conta-se a história de uma lancha mártir, a LDM 302, ativa logo em 1964, foi atacada violentamente em Fevereiro de 1965, alvejada em Setembro seguinte, em Dezembro de 1967 foi violentamente atacada com canhão sem recuo, RPG7, metralhadoras pesadas e ligeiras, frente a Porto Coco (rio Cacheu). Depois de muitas peripécias, a lancha acabaria por se afundar. Uma equipa e alguns mergulhadores puseram-na a flutuar e em Junho do ano seguinte estava recuperada. Quase no mesmo local do primeiro afundamento voltou a ser duramente atacada, uma outra lancha recolheu todos os elementos da guarnição, isto quando o incêndio se tinha propagado por toda a lancha. Novamente recuperada, recomeçou a sua missão de fiscalização em Novembro de 1968. Em Fevereiro de 1969 foi duramente atingida na foz do rio Uajá (um dos afluentes do rio Grande de Buba). Foi abatida em finais de Novembro de 1972, até aí esteve no ativo.

(Continua)
____________

Notas do editor

(*) Vd. poste anterior de 18 DE FEVEREIRO DE 2013 > Guiné 63/74 - P11111: Notas de leitura (457): "Olhares Sobre Guiné e Cabo Verde", organização de Manuel Barão da Cunha e José Castanho (1) (Mário Beja Santos)

Vd. último poste da série de 19 DE FEVEREIRO DE 2013 > Guiné 63/74 - P11115: Notas de leitura (458): Consequências Jurídico-Constitucionais do Conflito Político-Militar da Guiné-Bissau (Francisco Henriques da Silva)