sábado, 25 de janeiro de 2014

Guiné 63/74 - P12634: A cidade ou vila que eu mais amei ou odiei, no meu tempo de tropa, antes de ser mobilizado para o CTIG (11): Figueira da Foz... ou dois anos inesquecíveis na Princesa do Mondego (Vasco Pires)

1. Mensagem do nosso camarada Vasco Pires (ex-Alf Mil Art.ª, CMDT do 23.º Pel Art, Gadamael, 1970/72) com data de 19 de Janeiro de 2014:

Caríssimos,
Cordiais saudações.

Depois da "Máfrica" de tantos de nós, veio a EPA em Vendas Novas, menos alunos (cerca de 40), o que trouxe melhor tratamento, depois da Especialidade, mais um estágio de um mês ou pouco mais.
Na EPA havia dois pelotões, um de PCT e outro de IOL, e se não me falha a memória com entre 30 e 40 alunos somados os dois.

O "Jornal da Caserna" informou que quem ficasse nos primeiros lugares duma lista conjunta não iria para África, como era costume.
Depois do estágio, já Aspirantes, o que frustou a comissão de recepção, que esperava Soldados-Cadetes, terceiro ou quarto lugar no Curso, lá fui eu mais o Conceição, quarto ou quinto lugar, planeando como seriam os nossos dois anos de "guerra" à beira do Atlântico, mas do Atlântico Norte.

RAP 3, vários Alferes e Aspirantes mais velhos, confirmavam a tese de que os primeiros colocados não seriam mobilizados. Normalmente os mais novos dariam instrução até chegar nova turma. Logo nos primeiros dias, no bar, o Coronel Comandante falou que o responsável pela messe não iria continuar, precisava de um voluntário, como ninguém se manifestou, e eu na hora era o único dos novos presente, perguntou:
O nosso Aspirante não quer assumir?

Na hora entendi que era mais que um convite, e falei rapidamente:
- Claro meu Comandante!

Afinal não foi tão mau; o cozinheiro tinha trabalhado num restaurante da Mealhada, e tinha uma boa equipa, fazia as compras diárias no mercado, ficando para mim tão somente as compras do atacado. O único contratempo surgiu quando o Comandante me chamou para dar os "parabéns", pois, como ele tinha recebido em casa no almoço uma fruta estragada, era sinal de que todos os oficiais eram tratados igualmente.

Era um Coronel da velha guarda, à beira da reforma, que usava o humor no lugar da "porrada". Baixa temporada, fácil de alugar apartamento com vista para o mar, pois havia farta oferta; lembrem que ainda éramos Portugueses pobres num Portugal pobre, não éramos ainda nem Europeus nem ricos.

Figueira da Foz

Figueira da Foz, perto de casa, e de Coimbra minha segunda casa. Era Inverno, contudo, ainda tinha o Casino aberto diariamente. Melhor impossível!!! Só era preciso fazer o planeamento da "guerra" para os próximos dois anos, à beira do Atlântico Norte.
O alvo agora era outro: bandos de loiríssimas turistas nórdicas, ávidas de sol e agitação. Amigos e família, unanimemente me felicitavam, e diziam, ou pensavam, que era um hmem de sorte ou tinha uma grande "cunha", aceitava com bom humor todas as piadas, pois, tudo estava correndo acima de qualquer espectativa.

Já estava me preparando para fazer admissão noutra Faculdade, assim aproveitaria ainda mais esses tempos de sorte. Lamentavelmente, o acima descrito era apenas um exercício de "wishful tinking", a dura realide começou a emergir quando o oitavo colocado foi mobilizado, e a fantasia desmoronou quando o Conceição, primeiro colocado depois de mim foi chamado.

A Princesa afinal era outra... a PRINCESA DO RIO SAPO!!!

Forte abraço a todos
Vasco Pires
____________

Nota do editor

Último poste da série de 24 DE JANEIRO DE 2014 > Guiné 63/74 - P12630: A cidade ou vila que eu mais amei ou odiei, no meu tempo de tropa, antes de ser mobilizado para o CTIG (10): Coimbra, Porto, Abrantes, com passagem por Santa Margarida (Juvenal Amado)

Guiné 63/74 - P12633: Bom ou mau tempo na bolanha (43): Todos tivemos um "Torres" (Tony Borié)

Quadragésimo terceiro episódio da série Bom ou mau tempo na bolanha, do nosso camarada Tony Borié, ex-1.º Cabo Operador Cripto do Cmd Agru 16, Mansoa, 1964/66.




Acedendo à sugestão do “comandante” Luís e, inspirando-me no texto do companheiro Carlos Vinhal, onde no meu comentário digo que me fez lembrar a mim, “A cidade ou vila que mais amei ou odiei no tempo da tropa”, pois cá vão algumas das minhas recordações, que fui buscar ao meu, que já considero “quase bom”, arquivo militar, que vou constituindo, com a ajuda de alguns familiares da nova geração que tinham em seu poder alguma informação da minha vida militar, que por ficou em casa de meus pais e que sabendo que nesta altura da minha vida, onde o tempo sempre sobra, uma das minhas “ocupações” é ir reconstituindo e partilhando com os meus companheiros combatentes. Claro que muitos de vocês me inspiram e ajudam com a vossa preciosa informação, que talvez sem quererem, fazem voltar à minha memória os meus tempos e lugares de passagem, quando usava aquela farda cinzenta, feita de pano grosso, e tinha que andar quase sempre com os botões apertados, quer fizesse frio ou calor!


De acordo com o que está escrito na minha caderneta militar, cuja cópia da folha partilho convosco, “assentei praça” no Regimento de Infantaria 10, em Aveiro, no Quartel de Sá, que era aquele próximo da estação do caminho de ferro. Passei uns meses de instrução, ouvindo bazófias de uns militares instrutores, um pouco arrogantes, dizendo que tínhamos que saber “matar outra pessoa, na perfeição” e que não podíamos ser mais aqueles filhos queridos da mãe e do pai, tínhamos que ser fortes e arrogantes, matar o inimigo, fuzilá-lo!
Neste quartel, cujas instalações eram umas antigas “cavalariças”, sem o mínimo de condições para alojar pessoas, mas que suportei bem, pois eram meses de verão e não estava muito longe de casa, mas não guardo boas recordações.



Tal como o Carlos diz, um dia meteram-nos num comboio especial, que quando passou por Aveiro, já vinha com muitos companheiros nas mesmas condições, com destino ao sul, onde depois de duas paragens, uma em Coimbra e outra creio que no Entroncamento, nos largou em Santa Apolónia em Lisboa.

Eu e mais uns tantos fomos para o Regimento de Artilharia de Costa, na Trafaria, donde guardo algumas boas e outras más, as boas eram o conforto dos “Primos de Lisboa”, de quem já vos falei por diversas vezes, e de um “sargento porreiro”, com o estômago que sobressaía, apertado com cinto muito largo ao fundo da barriga, que nos levava para debaixo de uns pinheiros, com vista para o rio Tejo, e nos dizia, depois de beber qualquer líquido que tirava de uma contenda que guardava dentro da camisa, que nos queria a todos educar de maneira a que a nossa bandeira era o nossa Pátria e a nossa mãe, e que nos devíamos sentir bem pensando assim, pois o nosso País era o nosso orgulho!
As más, eram as corridas, caminhadas e exercícios na beira do rio Tejo, orientadas por um militar que tinha regressado de uma comissão em Angola, e diziam que tinha sido campeão de maratona.

No final da instrução para operador cripto, onde me classifiquei em terceiro lugar, portanto aprendi tudo o que o “sargento porreiro” me explicava, nos intervalos da sua bebida e, como estão a ver fui um bom militar, sempre cumpridor, absorvendo toda a instrução. Devido à minha boa classificação, não fui logo mobilizado para o então Ultramar, como os meus companheiros de curso, que pouco tempo estiveram na então Metrópole, como tal atravessei o rio Tejo, onde se estava a construir uma ponte, que diziam que era a maior e mais linda da Europa, obra do Estado Novo, segundo as informações do meu “sargento porreiro”, fui outra vez de comboio, agora para a cidade de Évora, para o Quartel General, onde trabalhava umas horas por dia, passando o resto do tempo a caminhar em redor das muralhas, parando aqui e ali, subindo e descendo escadarias, por entre ruas estreitas, acabando quase sempre, numa “tasca” que existia ao lado de uma padaria, debaixo dos arcos, próximo da Praça do Geraldo, onde me deliciava a ouvir histórias de touros e touradas, de cavalos importantes, de homens já com idade, que não se separavam do copo com vinho, que sempre estava na sua frente.

Aqui tive um companheiro que era oriundo da aldeia de Susana, onde passava alguns fins de semana, caminhando pelos campos, comendo queijo de ovelha, carne de porco frita, parecia rojões, sopas de coentros com muito pão.
Évora era a minha cidade favorita, sem qualquer dúvida, apesar de estar longe da minha aldeia na Beira Litoral onde regressei, creio por duas vezes e, tal como o Carlos diz, tomei o comboio para o Barreiro, onde envio a foto dos bilhetes, que agora recuperados, guardo religiosamente entre outros e, se repararem bem, os preços marcados são diferentes, um é só meio bilhete, o tal com os descontos, que não me lembro, se viajei num comboio especial ou se, no outro caso não mostrei a identificação de militar, o que acho estranho não o ter feito, mas o preço é diferente.



No Barreiro tomava o barco para Lisboa, caminhava até à rotunda do aeroporto, esperando, junto de muitos companheiros, boleia para o norte, o que naquele tempo era muito fácil.
Também vos mostro outra relíquia, que é uma cópia de um bilhete para ir ao cinema em Évora. Como a “puta” da minha classificação era boa no curso de operador cripto, mandaram-me fazer serviço no Estado Maior do Exército, em Lisboa, mais propriamente em Santa Apolónia, onde trabalhava uma a duas horas por dia, em mensagem vindas das então províncias ultramarinas. Por ali fui ficando, tendo como alojamento o quartel do Depósito Geral de Adidos em Belém, onde era um “fórrobodó”, com entradas e saídas de militares diferentes quase todos os dias, onde eu arranjava sempre umas autorizações, das quais também reparto com vocês uma cópia, para fugir do quartel e ir para casa dos “Primos de Lisboa”.



Em Lisboa, tirando a paisagem da beira do rio Tejo, em frente à Trafaria, junto do Mosteiro dos Jerónimos ou Torre de Belém, onde passava horas e horas sentado nos bancos que por lá havia, lendo quase sempre um jornal desportivo, não gostava daquela confusão. Tenho um segredo passado lá no Mosteiro dos Jerónimos, no qual eu colaborei, pois toda a acção foi do Torres, que também era um companheiro do norte com quem andava sempre. Hoje tenho duas sensações dessa aventura, orgulho e um pouco de vergonha, pois tudo passou assim:
Era manhã, havia um casamento, nós estávamos vestidos à civil, com os sapatos muito bem engraxados, claro, jovens com um corpo onde sobressaíam alguns músculos de dentro de uma camisa de manga curta, e vai daí juntámo-nos aos convidados, assistimos a toda a cerimónia do casamento, o Torres ia falando com alguns deles e no final seguimos no carro de um casal. O Torres sempre dizendo coisas do noivo, pronunciando o seu nome, pois tinha-o ouvido durante a cerimónia, e lá fomos para uma quinta na região de Sintra, onde não faltava comida. Tal foi o descaramento do Torres, que a certa altura andou a dançar com a noiva!
Para completar, quando nos despedimos, ele pediu uma garrafa de champanhe para o caminho, e sem dar por nada, estávamos os dois à boleia para Lisboa, já um pouco tontos com a bebida, e com uma garrafa de champanhe nas mãos!


O Torres era um ano mais velho, acabou por ir para Angola, a troco de uma quantia em dinheiro, no lugar de um militar que estava mobilizado, cujos pais tinham alguns recursos financeiros. Escrevemo-nos por algum tempo, lembrando sempre esta aventura, acabando por ficar em Angola, no final da sua comissão, dizendo que Angola era o melhor país do mundo.

A seguir foi a minha mobilização para a então província da Guiné, onde fui fazer parte do Agrupamento 16, que foi organizado pelo Regimento de Infantaria, na Amadora, onde estive a aguardar embarque, fazendo “cabos de dia”, “cabos do rancho”, “cabos de limpeza à parada”, “cabos de guarda”, cabos de tudo, o que outros não queriam fazer, às vezes até era “sargento dia”, pois era tudo militares mobilizados que aguardavam embarque e desapareciam o mais que podiam do quartel, e do qual não tenho recordações, nem boas nem más.

Uns anos depois, já na vida civil, quando ia da minha aldeia do Vale do Ninho D’Águia até ao Santuário de Fátima, sempre caminhando, cumprindo uma promessa da mãe Joana, já lá perto, passando numa povoação que se chama Casais, entrei numa taberna e encontrei um companheiro que se dirigiu a mim e me deu um abraço. Disse-me que estava casado, que tinha um filho, um lindo menino, que fez questão que eu visse, e que me agradecia, pois tudo isto tinha acontecido porque eu lhe tinha “limpo” o número na formatura do recolher, dando-lhe “dispensas” ou facilitando-lhe a vida de qualquer outra maneira num desses dias, para ele se encontrar com a noiva que se tinha deslocado da sua aldeia e estava numa pensão na Amadora, fazendo-lhe companhia, enquanto esperava o seu embarque para Angola.

Tony Borie,
Janeiro de 2014
____________

Nota do editor

Último poste da série de 11 DE JANEIRO DE 2014 > Guiné 63/74 - P12571: Bom ou mau tempo na bolanha (42): O navio Uíge (Tony Borié)

Guiné 63/74 - P12632: O segredo de... (16): Ricardo Almeida (ex-1.º cabo, CCAÇ 2548 / BCAÇ 2879, Farim, K3 / Saliquinhedim, Cuntima e Jumbembem, 1969/71): Como arranjei uma madrinha de guerra, como lhe ganhei afeição e amor, e como por causa da minha terrível doença fui obrigado a tomar uma dramática de decisão de ruptura... A carta de amor pungente que ela me escreveu, em resposta...

1. Mensagem, com data de 12 do corrente, do nosso camarada Ricardo Almeida [, ex-1.ºcabo, CCAÇ 2548/BCAÇ 2879, Farim, K3 / Saliquinhedim, Cuntima e Jumbembem, 1969/71]


Boa tarde,   Luís,   com um abraço.

Dando seguimento à solicitação de segredos guardados enquanto combatentes... Com alguma relutância, amargura e muita tristeza que me vai consumindo a alma, divulgo como o destino se encarregou de torturar-me, enquanto tiver vida para recordar.

Esta recordação que nunca apago da mente nem do coração, reporta-se a uma madrinha de guerra à qual devo gratidão eterna pelo apoio moral e psicológico que me deu enquanto combatente, doente com uma moléstia terrível, redundando isto num amor fraterno, solidário e muito apego à vida que ela me transmitia tanto nas cartas que me escrevia, como depois pessoalmente, como quando trocámos promessas de vida em comum e casamento, testemunhado no interior duma capela pelo santo que lá existia e que parecia concordar com a nossa decisão. 

Hoje vou-lhe pedindo perdão no silêncio dos meus silêncios, pela atitude que tomei, enquanto ela espera por mim,  cumprindo a promessa de nunca ter a seu lado outro amor na sua vida. Hoje, ao refletir na minha atitude, só encontro uma explicação: a moléstia de que eu padecia e os médicos dizerem-me que era muito grave, levaram-me assim a proceder. O meu raciocínio parava no tempo,  os pensamentos atropelavam-se,  levando-me muitas vezes a devaneios e loucuras.

Como poderia eu cumprir a promessa se não tinha a certeza se ficaria bom e capaz de constituir família, submeter-me a internamentos e não ter meios para angariar subsistência familiar? Por isso tomei aquela atitude da qual ainda não saí nem voltarei a sair enquanto respirar. Então surge no meu cérebro o clique do rompimento,  dando-lhe a primeira sapatada tão violenta e demolidora que até eu chorei ao reler o que lhe escrevi. 

Toda a história tem um princípio e um fim e a minha não é diferente: sou do [BCAÇ] 2879 e da [CCAÇ] 2548 sediado em Farim,  sendo que a dita companhia subdividia-se em pelotões que, por sua vez,  eram colocados em vários sectores,  sendo o meu, o  terceiro [pelotão],  colocado no K3. Certo dia ao regressar duma patrulha tive a ideia de escrever vários aerogramas, com os seguintes dizeres: 

( Ao carteiro da terra tal:) À  primeira moça que encontrar o desconhecido; levando como remetente, um coração triste no mato o desiludido. 

Dos ditos [aerogramas] só um foi respondido. Vejamos o que dizia:

(...) Foi-me entregue no dia 22/10 de 69 um aerograma que li com atenção e regozijo-me ser sua madrinha de guerra apesar de saber que não me era dirigido. Mas, no entanto,  se deseja uma madrinha e não se importa em ser eu, responda-me de novo. (...)

Então a esse aerograma sucederam-se mais, dando origem a que ganhasse afeição e  amor a essa jovem. Já no HMDIC [ Hospital Militar de Doenças Infecto Contagiosas, ou Hospital Militar de Belém] ]e com as hemoptises [, expectorações de sangue,]  por companhia,  tentei escrever-lhe para dar-lhe a notícia que me encontrava em Lisboa mas fui aconselhado a não fazê-lo,  devido ao meu estado debilitado e agora alguns aerogramas eram-me remetidos pelo SPM 6118. 

Até que, debaixo do meu estado febril, consegui articular algumas palavras ao soldado ali de serviço, o que ele acedeu de bom grado. A partir daí desenrolam-se as viagens e consequentemente as visitas quase diárias. Perdura na minha mente, na primeira ou segunda visita, ter uma hemoptise tão violenta que o sangue espirrou sem o poder conter e ela, com a mão na minha cabeça, dando-me alento e coragem para não desanimar,  que tudo se comporia.

Foi debaixo deste sentimento que tomei a decisão de tudo acabar ali,   deixando-a livre para governar a sua vida,  uma vez que era jovem e poderia arranjar um companheiro que lhe desse alguma segurança pela vida fora. Tal não veio a acontecer, conforme o acima relatado. Então,  já me podendo soerguer na cama,  escrevo-lhe a célebre carta:

(...) Hoje desprezo-me a mim próprio por tê-la conhecido e deixar que as coisas tomassem o nefasto rumo.  (...) 

só peço que ao receberes
esta carta afinal
tenhas o que mereceres
pois não te desejo mal.
Peço-te unicamente
que me dês o que é meu
por eu não ser coerente,
sofres tu e sofro eu.
Não sei se isso para ti
ainda tem significado,
creio que já sugeri
que tudo isso é passado.
Da minha parte acabei,
não voltes a pedir-me amor
pois de ti já nada sei,
já não alimento essa dor.
Eu não queria conhecer-te
na menina que amei.
pois já não quero rever-te,
reconheço que me enganei.
Peço desculpa se ofendo
mas não é minha intenção
porque eu isto revendo
só torturo o coração.
Já sofri muito, o bastante,
quando deixei de te amar.
hoje sou homem constante,
já nem quero recordar.
De certo vais estranhar
esta carta assim escrita,
pois não é para admirar,
meu coração já não grita.
Jurei à vida indiscreta
por ti, por mim e por mais
que esta coisa é certa,
de nos vermos nunca mais!
Se hoje estás arrependida,
tu mesma foste a culpada
por não saberes que a vida
só por si é já amada.
Agora para terminar
peço-te um grande favor,
esquece que está a acabar
o nosso sedento amor.
Vou terminando a final,
esperando que me escrevas,
pois não te levo a mal
o que digas ou o que pensas.

Interpretando a carta à sua maneira, a resposta [dela]  era a seguinte:

(...) Meu amor,  desejo em primeiro a tua saúde. Rik, recebi onde vi tudo quanto me dizias. Então estás assim tão desanimado! Nem tens mais confiança em minhas orações, porquê,  Rik? Se eu te amava agora mais do que nunca te amo,  com mais fervor, visto que sofres tanto. Não me interessa; não me importo esperar por ti dois ou três anos , quero casar contigo mesmo assim; nada me importa do que digam ou do que possam dizer; mais uma vez te digo que não quero perder-te por nada, não te quero trocar por ninguém. Quando comecei a namorar-te,  portanto quando te aceitei namoro, já te encontravas no hospital, já te encontravas também doente; por isso, tentei sempre dar-te coragem, calma e continuo a fazê-lo,  meu amor. Fizeste-me chorar amargamente como nunca tinha chorado em toda a minha vida e continuo a fazê-lo. Cada vez que penso no que me dizias na tua carta e quereres dar fim a tudo...

Mas eu ainda não o fiz, ainda não pus fim nem vou fazê-lo a tudo isto, ao nosso amor. Deixares-me assim sem quê nem para quê, que tristeza; nunca supus isso de ti.

Rik se me abandonas assim desta maneira, eu dou cabo de mim! Porei fim á minha vida ou adoecerei, quem sabe? Não quero mais homem nenhum; amo-te e amar-te-ei até ao fim da minha vida; até à hora da minha morte que talvez seja mais rápido do que todos pensam.

Eu que só quero a felicidade de todos e ela, para mim,  não vêm; ela não quer nada comigo. Não me queres amar mais ou então nunca me amaste; terás outro alguém que tirou o meu lugar no teu coração? Preferia que me dissesses se é isso que aconteceu! Mas se não aconteceu e se é por estares doente, acredita em mim esperarei por ti o tempo que for necessário. Quero-te tal qual como és; sabes que o amor não escolha a saúde ou a doença; o amor é uma coisa tão forte que não olha a nada disso; amo-te e é tudo.

Ricardo,  amar-te-ei sempre...

Se eu era incansável a pedir a Deus por ti, hoje mais do que nunca o faço porque sei como te encontras. Mas hás-de curar-te felizmente. Há tantos assim! Ou não é verdade? Muitos ainda em pior estado que tu! Não desanimes e pede a Deus por ti e por mim. Ele nos há-de ajudar, Ele te há-de curar, Ele é bom e nunca nos abandona,  pelo contrário, nós é que o abandonámos,  nos. esquecemos Dele. Vamos então orar-Lhe por ti, não queiras sofrer mais nem fazeres-me sofrer assim. O amor,  a Paz,  é tudo tão lindo! Mas eu quero sofrer também contigo.

Oh se eu pudesse dar a vida pela tua saúde, acredita que o faria; porque sabia que iria dar saúde àquele que tanto amo e que só ele para mim existe. Disse-te mais que uma vez que se algum dia me deixasses que não queria mais homem algum e continuo a dizê-lo constantemente até quando Deus quiser.
Quero sofrer neste mundo e alcançar a vida eterna; ir para junto dos seus anjos.

Teus pais, teus irmãos e o resto da tua família sabem de tudo isto? Da tua doença e da tua conduta para comigo? E que me queres deixar assim tão repentinamente? Diz-me; escreve-me sempre nem que sejam só como amigos.

Mas tu para mim és o meu primeiro amor e continuarás a sê-lo,  o meu único amor,  quero saber sempre noticias tuas. Agora uma coisa que te peço,  que te suplico-te, Rricardo: nunca me amaste, pois não? Eu não era a mulher que tu supunhas encontrar? uma moça simples,  simples de mais. Se não me amavas porque não me disseste logo? Então porque me beijaste? Preferia que isso nunca tivesse acontecido. Mas eu pressentia o que me poderia acontecer; lembras-te quando te disse que não devias beijar-me! Então porque quiseste saber tudo à cerca de mim e da minha família? Agora sei que quiseste fazê-lo para saberes como eram!

Disse-te tantas vezes que o amor está acima de tudo isto. Achas que procedes bem com essa tua atitude? E porque não me achas mais a mulher escolhida por Deus e por o destino? Só eu estou no mundo para receber tudo isto mas, apesar de tudo,  continuo a amar-te e amar-te-ei sempre. Quem sabe se até com isto tudo e de tanto pensar, eu irei também para junto de ti? Doente, sim; não achas que é caso para isso? Tu, se continuasses a amar-me,  pensas que me interessava se as tuas melhoras fossem a pior? Que me importava que dissessem que eu amava um homem morto,  como tu lhe chamas? Não, Ricardo, nunca teria boca para renunciar ao amor dum homem que lutou por mim, pela Pátria, por nós todos. Quero ver-te curado, quero ver-te feliz porque tu merece-lo ser. Se é que não me enganaste,  claro! Mas nunca supus isso de ti. Dizias que nunca esquecerias a minha amizade mas esqueceste o meu amor,  a coisa mais valiosa que te dei. Esqueceste tudo isso; mas pronto, faz o que quiseres.

Mas fica sabendo que nunca deixarei de te amar. Cada vez que penso nisto nem sei para o que me dá... Tirar-me já do mundo mas isso era um pecado que Deus não me perdoaria, por isso estarei aí chorando horas esquecidas, e prostrada de joelhos toda a noite, velando pela tua saúde e pelo teu bem estar nesse hospital. Não sou assim tão má e dura como pensas porque, como sabes, Deus perdoou a quem o matou,  Ricardo. Porque não fazemos o mesmo?

Perguntas-me se quero as minhas fotografias, então é porque já estás cansado de vê-las. Ou não as podes ter contigo? Oferecidas com o pensamento em ti,  ao homem que veio despertar meu coração para o amor e, agora, o deixa ou deixou tão triste, tão escuro e tão magoado. Mas, enfim, vocês,  homens, não pensam, não sabem, o quanto isto custa sofrer por amor e morrer.

Jesus morreu pelo amor dos homens, pelos nossos pecados e eu morrerei de amor por aquele que ia considerar meu marido.

Por hoje está tudo e peço-te, chorando,  que me dês sempre noticias, quer onde te encontres e como te encontres. Envio um beijo ao homem da minha vida. Mais uma vez te peço que me dês sempre notícias, sejam elas quais forem,  e estás perdoado por tudo. Chorando loucamente por quem não me ama mais ou nunca me amou,  te digo,  por último, que sempre detestei a mentira,  disse-to tantas vezes! Perdoa,  se estou a ofender-te.

Com o coração destroçado termino.
Para a eternidade. (...)
______________

Nota do editor:

Último poste da série > 23 de janeiro de 2014 > Guiné 63/74 - P12627: O segredo de... (15): Processo concluído (Augusto Silva Santos)

Guiné 63/74 - P12631: Inquérito online: "Muito sinceramente, não gostaria de morrer, sem um dia ainda poder voltar à Guiné"... Resultados preliminares (n=153): 2/3 dos respondentes (n=103) gostariam de poder visitar a Guiné-Bissau... Um em cada cinco dos votantes já lá voltou...



Guiné-Bissau > Região de Tombali > Parque Nacional de Cantanhez > Iemberém > 9 Dezembro de 2009 > 15h50 > Macaco fidalgo vermelho (ou fatango, em crioulo). Nome científico: Procolobus badius. Um  primata que vive na Guiné-Bissau e que a maior parte de nós nunca viu, durante a guerra colonial... O sul do pais (e em particular as florestas do Cantanheze) também é menos conhecido por muitos de nós que fizemos a guerra colonial. Para além da "viagem de saudade", há muitas coisas na Guiné-Bissau por descobrir...

Foto: © João Graça (2009). Todos os direitos reservados.


1. Mensagem enviada, ontem, a todos os membros da Tabanca Grande, extensível hoje a todos os demais amigos e camaradas da Guiné que nos leem:

A partir do dia 23 do corente, e até ao dia 30, está a decorrer uma sondagem, para a qual peço a vossa melhor atenção.

Cada um de vocês pode votar uma única vez (mas também pode mudar o voto até ao encerramento da sondagem). A questão que desta vez vos ponho é a seguinte (Trata-se de uma proposição que não é falsa nem verdadeira, serve apenas para cada um manifestar a sua opinião,discordando ou concordando,em maior ou menor grau):


"MUITO SINCERAMENTE, NÃO GOSTARIA DE MORRER, SEM UM DIA AINDA PODER VOLTAR À GUINÉ"...

Há 9 hipóteses de resposta. Só se pode assinalar uma:

1. Discordo totalmente
2. Discordo em parte
3, Discordo
4. Não discordo nem concordo [é-me indiferente / não tenho opinião]
5. Concordo
6. Concordo em parte
7. Concordo totalmente
8. Não aplicável, já lá voltei uma vez
9. Não aplicável, já lá voltei mais do que uma vez.


Observações:  Quem já voltou uma vez à Guiné assinalará a resposta "Não aplicável, já lá voltei uma vez". 

A sondagem, "on line"/ em linha, está disponível no nosso blogue, na coluna do lado esquerdo, ao canto superior esquerdo... Por favor, não respondam por mail, mas sim no sítio certo... que é justamente aqui, no nosso blogue:

http://blogueforanadaevaotres.blogspot.pt/


Um alfabravo pela vossa participação e interesse. Luís Graça, editor.


2. Já houve até às 23 horas de ontem 153 respostas,  o que é, desde já, um verdadeiro recorde, em termos de participação em sondagens, quando ainda faltam 5 dias para o encerramento da votação. Os resultados preliminiares são os seguintes:

Não ou Não sei > 19 (13%)
Sim > 103 (67%)
Não aplicável, já lá voltei uma ou mais vezes 31 (20%)
Total= 153 (100%)

LG

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Guiné 63/74 - P12630: A cidade ou vila que eu mais amei ou odiei, no meu tempo de tropa, antes de ser mobilizado para o CTIG (10): Coimbra, Porto, Abrantes, com passagem por Santa Margarida (Juvenal Amado)

1. Mensagem do nosso camarada Juvenal Amado (ex-1.º Cabo Condutor da CCS/BCAÇ 3872, Galomaro, 1971/74), com data de 20 de Janeiro de 2014:

Em pouco tempo conheci vários quartéis e outras tantas localidades.
Passei pelo Trem Auto na Av de Berna onde fiz psicotécnicos e por conseguinte tive o primeiro contacto com a vida militar.

Passado meses recebo a ordem de marcha para o CICA-4 que funcionava no mosteiro de Santa Clara de Coimbra. Aí fiz a recruta.
Além do aprender a conduzir, manuseamento de armas, mecânica auto, o conhecer os postos da hierarquia, também aí descobri a prepotência por vezes a irracionalidade militar, quanto ao aprumo das botas de instrução e barbas. As botas acabavam por ser as únicas peças de fardamento de instrução que tinham que andar sempre impecáveis, o resto podia andar enlameado até à cabeça.
Para isso trazíamos sempre no bolso uma lata de pomada e uma pequena escova.

As barbas eram refeitas duas e três vezes ao dia até serem várias as crostas de lesões provocadas pelas laminas de barbear. A juntar a isto, a instrução também passava por formaturas a qualquer hora da noite, instrução nocturna quando menos esperávamos e as formaturas por dá cá aquela palha, duravam eternidades com castigos e flexões à mistura. E cheguei a dormir vestido antecipando o castigo, que às tantas da madrugada nos era cobrado.

Éramos obrigados a saltar da cama com estivéssemos vestidos, para como popularmente se diz “não ser apanhado com as calças na mão”. Não me posso esquecer das enormes ratazanas no refeitório, quando aparecíamos de repente para a faxina, e das duas doses daquela malvada injecção que nos davam sobre a omoplata, que fez muitos caírem redondos no chão.

Mas, as saídas à cidade e a sua beleza faziam esquecer a volta de 180 graus que dava a nossa vida após a incorporação. Era e é uma cidade lindíssima cheia de história e nomes sonantes da nossa cultura. A sua universidade, as repúblicas e a vida dos estudantes que davam movimento aos lugares que nós visitávamos, em especial locais dos copos e paródias.

Aí aprendi muita coisa para além do que era suposto aprender. Aprendi a não tentar sair do quartel quando estava à porta de armas um certo sargento que nos fazia voltar para trás vezes sem conta, sem nos dizer o porquê. Também onde era a rua direita e a desenrascar-me, a evitar os sítios onde a policia militar fazia luxo em nos provocar. Ao sair do café ou do comboio, o simples facto de aparecer um bocadinho de fralda da camisa, era uma carga de trabalhos com esses senhores.



Vistas da cidade de Coimbra

Após a recruta jurei bandeira e ala que faz tarde para o RI6, da belíssima cidade do Porto. Aí a instituição castrense parecia que se regia por outro RDM. Era tempo da especialidade. Para além das marchas forçadas, instrução de armamento e instrução já com Berliets, ninguém chateava.
À noite íamos para a cidade, bebíamos um fino, às vezes comíamos uma francesinha ou íamos comer à cantina, ao pé do Palácio da Justiça, por uma ninharia e sempre melhor que o rancho.
Praça da Batalha, Av dos Aliados e Palácio de Cristal, eram passeios apetecidos para ver as belezas que transitavam nos passeios e entravam e saíam dos lugares públicos.
Aí retomei amizades antigas e conheci alguns camaradas, longe de saber que ia com eles para a Guiné. Também esse tempo acabou e nessa mesma noite fui metido num comboio direito a Abrantes ao RI6.


Vista da Cidade do Porto 

Foto do sítio PPortodosMuseus (reproduzida com com a devida vénia...)

Abrantes foi um sítio complicado, aí não conhecia ninguém. Quando cheguei não tinha cama e dormia numa cama vaga de um camarada que estivesse de reforço. Escusado será dizer-se que não me despia e dormia em cima da manta. Não raras as vezes o soldado saía de serviço e eu, tinha que ir procurar outra cama vaga.
Entretanto os dias passavam-se a fazer o que os outros não queriam fazer. Por exemplo mudar os pneus aos carros enormes da II Grande Guerra como GMC e Canadá-Ford, em que as borrachas ressequidas eram descoladas à força de cunhas e marretas. Os parafusos das jantes eram do estilo mais quebrar que torcer.
Resumindo aquilo era mais para chatear do que nos preparar para o que íamos encontrar, uma vez mobilizados. A cidade era um “valha-me Deus" ou "Deus nos acuda”,  não tinha nada para ver e se não fosse aquela ideia de sair dos muros do quartel, acabaríamos por nos limitarmos a jogar às cartas, beber, fumar e ver alguma revista de pouca roupa, que passava de mão em mão.

O facto de não ter cama nem cacifo, acabou por ditar a sorte do meu saco com roupa civil, que deve ter servido ao tipo que o roubou, para passear em Luanda, pois desapareceu na noite que transportamos um batalhão para Angola.

Panorâmica de Abrantes

Foto da internete, com a devida vénia ao seu autor

Um dia ou dois após, recebo ordem de marcha para Santa Margarida, onde me apresentei no CIME, que era então comandado pelo coronel Maçanita.
Aí tudo se conjugou para eu odiar o destacamento.
Em Novembro fazia um frio de rachar e as várias tentativas para me ser distribuído mais um cobertor foram infrutíferas, obrigando-me assim a dormir completamente fardado.
Também nessa altura uma circular obrigou-nos a fazer preparação física todas as manhãs antes do pequeno almoço. Estava tudo coberto de geada e nós a corrermos, a fazer flexões sem encostarmos o peito à relva, com temperaturas próximas do negativo, pois por essas paragens o tempo não brinca. Mas o supremo sacrifício era para sair de lá e vir a casa de fim de semana.

O CIME era o único destacamento que não fornecia transporte para a estação que ficava uns quilómetros fora do campo militar. Depois tínhamos que apanhar comboio até o Entroncamento, seguidamente apanhar o comboio para a linha do Oeste, que chegava ao Valado dos Frades às tantas da noite, quando já não havia autocarro dos Claras para transportar a malta para Alcobaça ou para onde quer que fosse.
Aí fazia-se uma “vaquinha” para o táxi e lá chegávamos todos mais ao menos ao destino. Mas regressar era ainda pior.
Tínhamos que sair de casa logo após o almoço de Domingo para apanharmos o especial para militares em Santarém até ao Entroncamento e aí apanhar o comboio do “Século 19” até Santa Margarida. Chegávamos tardíssimo com uns quilómetros para fazer a pé, ou então nunca chegávamos dentro do período da licença. Nem é bom pensar nisso.
Odiei e não me custa admitir que fiquei contente quando fui mobilizado, pois aquilo era terrível e não havia forma de melhorar. Está claro que quando soube que era para Guiné, não fiquei tão contente assim.

Voltei a Abrantes com a sina lida quanto ao destino que me calhara, mas acabei por passar bons momentos de camaradagem com os indivíduos do Pelotão de Reconhecimento, com os quais tinha vindo do Porto.

Depois Angra do Heroísmo, mar calmo, peixes voadores, Madeira e logo a seguir o horizonte em fogo cada dia mais perto. Desembarcámos e fomos depositados no Cumeré.
Fui entretanto escalado para receber treino todo-o-terreno com Berliet em Bissau. Fui parar a umas instalações atrás do QG onde passei praticamente um mês. Estava lá quando se deram os graves incidentes entre a PM e os Comandos Africanos, que não aceitavam, para não variar, na maior parte das vezes,  a autoridade para além das próprias leis por que se regiam.

Uma bela manhã zarpamos de LDG para o Leste, rio Geba acima com destino a Galomaro.
Xime, Bambadinca, Bafatá, Nova Lamego, Buruntuma, Saltinho, Dulombi e Cancolim, foram sítios que visitei.

 Rua principal de Bafatá

Cancolim, 1973 - Durante as chuvas - Trinta dias de isolamento e algumas pontes levadas pelas águas quando os ribeiros se transformaram em rios revoltos.

Dulombi - TCor José Maria de Castro e Lemos, Comandante do BCAÇ 3872, após a retirada desse destacamento

Nuns demorei-me mais que noutros, mas não quero deixar de escrever algo sobre Cancolim.
Este destacamento onde esteve a CCAÇ 3489 foi um dos sítios mais difíceis onde pernoitei muitas vezes. Os problemas psicológicos, os mortos e feridos, as deserções, a má alimentação, tudo se conjugava para que fosse um sítio a evitar. Mas tinha lá muitos amigos e era sempre com alguma preocupação que me vinha de lá embora. Esta Companhia, várias vezes reforçada com para-quedistas e posteriormente com pelotões da 3491, após a retração desta do Dulombi, veio a equilibra-se após o meio da comissão, conseguindo segurar a zona que estava na sua jurisdição, felizmente sem mais problemas para além dos já tinha suportado.

Um abraço
Juvenal Amado
____________

Nota do editor

Último poste da série de 23 DE JANEIRO DE 2014 > Guiné 63/74 - P12628: A cidade ou vila que eu mais amei ou odiei, no meu tempo de tropa, antes de ser mobilizado para o CTIG (9): Mafra e Porto, como em casa (Fernando Gouveia)

Guiné 63/74 - P12629: Notas de leitura (556): "Soldadó", por Carlos Vale Ferraz (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 26 de Agosto de 2013:

Queridos amigos,
É facto que a paródia, a gargalhada e o dito inconveniente deixam de pé atrás todos aqueles que entendem que a guerra é um assunto muito sério, insuscetível de dichotes e paródias.
Facto é que a gargalhada saudável não se deixa impressionar por esses espíritos que exigem uma associação clara e perfeita entre a geografia da guerra e a panóplia de virtudes militares.
“Soldadó” é uma gema literária da literatura de guerra, sente-se quando se lê ou relê que já não se compadece com o figurino temporal, é uma derrisão que pertence ao melhor que a literatura de guerra produziu entre nós.

Um abraço do
Mário


Relendo uma obra-prima: Soldadó, por Carlos Vale Ferraz

Beja Santos

A derrisão, a chacota, o divertimento quase ilimitado em torno da guerra é uma permanente tentação literária. Perante o tratamento sério, a agitação de valores, o discurso sobre a bravura, o heroísmo, a plena abnegação de si, o escritor que se pauta pelo burlesco, a chalaça, a paródia e o chocarreiro modela a trama narrativa como se virasse a guerra do avesso, e quanto maior é a inspiração e o talento a prosa comediante torna-se plausível, o leitor é tomado por um humor cáustico e, no final, sabe bem medir as consequências da carga metafórica de tudo quanto leu. Quando lemos aqui no blogue o Jorge Cabral ou o Alberto Branquinho, dois alquimistas do riso, ficamos com a noção de que a gargalhada é o perfeito contraluz para estes teatros de guerra onde tudo corre ao contrário e a valentia tem outro significado.

Vem este apontamento para localizar “Soldadó”, de Carlos Vale Ferraz, ao que sei a sua única incursão pela graça fértil, esfuziante (Editorial Notícias, 1997). A contracapa é esclarecedora: “Soldadó é um militar destacado para África, em plena guerra colonial. Pouco dotado de inteligência e obediente que nem um cão, Soldadó sente-se às mil maravilhas nas suas funções militares. De um combate misterioso que ninguém sabe ao certo como começou, Soldadó foi o único ferido. Abre-se um inquérito para tentar esclarecer os factos ocorridos. É neste inquérito que os sargentos vão contando ao comandante encarregado do relatório a história incrível de Soldadó – o seu nascimento em cabeça seca, a sua incursão na vida militar, a viagem para África a bordo do Niassa, as suas funções militares em África. Com muito humor, são também relatados pitorescos e caricatos acontecimentos militares, pondo em causa toda a instituição militar e, muito particularmente, a guerra colonial”. É literatura tão universal quanto “Lugar de Massacre”, de José Martins Garcia, outro monumento literário, já com dois doutoramentos à sua custa, e de aqui já se fez referência. É certo que o autor transfere toda esta pirotecnia, todo este humor em fogo preso para Moçambique, mas cabe ali qualquer teatro de operações.

O nosso herói chama-se Fergusinho do Ó, não sabia ler nem escrever, era básico, mas não havia ninguém mais disponível do que ele: cangalheiro, sacristão, fiel de armazém, projecionista de filmes pornográficos, estivador e até piloto e guarda-costas de cíclicas excursões de prostitutas, vindas para animar os infortunados guerreiros.

Tudo se passa em Mueleka, um comandante recém-chegado promove uma reunião para apreciar o insólito caso do Soldadó. É este processo delirante que se vai desenovelando como portentosa comédia de costumes de corporação militar. Estão presentes o tenente-coronel, comandante de Mueleka, o segundo comandante e mais uma data de gente, como é o caso do narrador. O comandante quer tudo em pratos limpos, ao capitão Gorgulho cabe as primícias, Fergusinho do Ó nasceu em Cabeça Seca, terra de hereges, lá no ermo nortenho. O Soldadó foi apurado para as fileiras se bem que completamente blindado de inteligência, coube-lhe como escola o Regimento de Infantaria 13. Ficou demonstrado que não lhe podiam entregar uma G3, o Soldadó, por artes mágicas, disparava em todas as direções, só a boa sorte evitou acidentes mortais, foi assim que o reclassificaram em soldado básico, não sentiu qualquer pesar, depois foi mobilizado para a guerra.

Passo a passo, o Soldadó aparece associado a peripécias descomunais: durante uma missa campal deitou no cálice da consagração bagaço da intendência, o capelão contorcia-se de sufocação, com a goela em chamas. O tenente-coronel mais congestionado fica com a descrição das gentes de Cabeça Seca, a chegada das putas de Kampuka e a missão do Soldadó em receber as verbas pela prestação de serviço, controlando os tempos da mesma. A trama narrativa é uma delícia e não deixa desfalecer o leitor, à volta daquele tenente-coronel desfilam oficiais e sargentos de vária ordem, cada um é mais hílare que o outro, a facécia seguinte é mais divertida e descomposta que a anterior. Os testemunhos prosseguem, é preciso descobrir-se como é que o Soldadó está prestes a acabar a segunda comissão em Mueleka, querem fazer do Soldadó um herói e acabam por descobrir esta terrível irregularidade que em termos de justiça militar vai custar uns bons castigos a uma certa hierarquia negligente.

O Soldadó impôs-se, não há missão em que não se revele imprescindível e não dê bom andamento ao serviço, já zelou pelas meninas que visitam regularmente o quartel, foi cangalheiro, é exemplar como fiel de armazém, eis senão quando uma visita à habitação do Soldadó revelou algo de surpreendente: aqui se descobriram fios de ouro e de prata, carteiras todas limpas de dinheiro, algumas contendo fotografias de familiares, enfim, coisas que o soldado achara um desperdício irem para o fundo da terra numa urna de pinho, havia até mesmo dinheiro enrolado em notas o que indiciava que o Soldadó também descobrira as delícias com as meninas vindas de Kampuka. E não menos impressionante foi descobrir-se uma metralhadora HK, uma caixa de cinco dúzias de granadas de mão, uma G3, uma faca de mato e uns binóculos que ninguém soube como tinham ali ido parar. Acontece que este material terá tido muita utilidade quando começou um misterioso ataque a Mueleka, saiu do quarto, disparou infatigavelmente até ser ferido por um estilhaço.

Aquele ato veio mesmo a calhar, Mueleka estava nesse dia a ser visitada pelos altos comandos, aquele herói dava jeito, ainda por cima o general tinha ouvido o farto fogachal, o comandante viu ali a boa circunstância para conquistar uma medalha. Iniciado o processo para a condecoração, descobre-se que o soldado anda por ali há quase duas comissões, desaparecera a nota de substituição, ninguém deu por nada quanto à falta de rendição do Soldadó. Voltara-se o feitiço contra o feiticeiro. Quem fez o relatório do foguetório descobriu que este fora uma brincadeira combinada entre a companhia de caçadores e a artilharia para assustar o general e os oficiais do Estado-maior. O comandante tudo ouvia, já com os olhos revirados e exigiu que constasse que a guarnição de Mueleka sofrera um violento ataque do inimigo, do qual resultara um ferido e danos em instalações. E foi perentório, quem afirmasse o contrário iria a tribunal militar por traição. Atendendo ao tempo de serviço, disseram-lhe que iria rapidamente para casa, ele opôs-se: “Meu alferes, eu fico cá e o exército escusa de mandar vir outro soldado da metrópole para me substituir!”. Quis o destino cruel que a história, até agora pícara, tivesse um desfecho truculento, mesmo o comportamento dos soldados obedientes é imprevisível, e depois do que aconteceu o comando, oficiais e sargentos estavam radiantes, não percebiam a dor daquele Soldadó que se afeiçoara, de alma e coração, a Mueleka.

É uma novela espantosa, este “Soldadó”, pela arquitetura da irreverência, pela graça transbordante, pela galeria de gente pícara. Não dá para entender o silêncio à volta desta obra-prima, tão necessitada está de reedição.
____________

Nota do editor

Último poste da série de 22 DE JANEIRO DE 2014 > Guiné 63/74 - P12622: Notas de leitura (555): “Magrheb/Machrek – Olhares luso-marroquinos sobre a Primavera Árabe”, por Raul M. Braga Pires (Francisco Henriques da Silva)

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Guiné 63/74 - P12628: A cidade ou vila que eu mais amei ou odiei, no meu tempo de tropa, antes de ser mobilizado para o CTIG (9): Mafra e Porto, como em casa (Fernando Gouveia)

Convento de Mafra 
Foto tirada da NET, com a devida vénia


1. Mensagem do nosso camarada Fernando Gouveia (ex-Alf Mil Rec Inf, CMD AGR 2957, Bafatá, 1968/70), com data de 19 de Janeiro de 2014:

Carlos:
Não contava escrever sob este tema “A cidade ou vila que eu mais amei ou odiei, no meu tempo de tropa, antes de ser mobilizado para o CTIG", porém depois de tu contares a tua viagem de comboio para as Caldas não posso deixar de contar a minha para Mafra.

Para melhor se compreender o meu estado de espírito quando, pela primeira vez dei de caras com aquele mostrengo do Convento, vou começar um pouco antes e contar um episódio passado comigo que, a meu ver, predestinou toda a sorte que tive em relação à tropa e à guerra.

Estava eu no RI6 no Porto a dar a minha terceira ou quarta recruta quando fui escalado para “levar”, num comboio especial, uns duzentos soldados a Sta. Margarida, com destino à então guerra colonial. O comboio saiu de Campanhã cerca da meia noite e iria chegar, ao destino, de madrugada.
Em determinada altura, ainda noite escura, já perto de Sta. Margarida o comboio parou e assim esteve largos minutos.

Como “chefe daquela guerra” achei que algo se estaria a passar, relacionado com o transporte dos mancebos. No intuito de saber, junto do maquinista, o porquê de o comboio não andar, desci à linha.
Vindo de dentro da carruagem iluminada, com a escuridão da noite não via nada lá fora. Com os meus vinte e poucos anos, ginasticado como andava, não estive com meias medidas. Mesmo sem ver, saltei do estribo para o que eu julgava ser a berma da linha.

Acontece que o comboio estava parado em cima de uma ponte, daquelas que não têm passadiço, mas só uns ferros de onde em onde. Quando senti que por baixo era o ”vazio”, numa atitude instintiva estiquei-me e acabei por ficar preso com uma mão num ferro e um pé noutro. Uns cinquenta metros lá em baixo ainda pude ver a Lua reflectida nas águas do rio.

Com os músculos doridos, icei-me para o estribo da porta, entrei na carruagem e fui sentar-me no meu lugar, sem ninguém se ter apercebido do que me tinha acontecido. Imagine-se o que seria aquela “tropa” chegar ao destino sem Comandante, guias de marcha, etc.
Enquanto não encontrassem o corpo, não tenho dúvidas que levantariam um auto do caso de um Aspirante que teria desertado.

Ponte, das que não têm passadiço. (esta, no vale do Douro)

Depois disso, e não sendo minimamente supersticioso, entendi que na guerra que se avizinhava tudo me iria correr bem, o que efectivamente aconteceu.

Para chegar ao impacto que Mafra teve para mim, onde estive seis meses a fazer a recruta e a especialidade, tenho que começar um pouco atrás.

Fui à inspecção em Bragança. Estava atento aos editais das incorporações, mas como entretanto tive que vir com a minha família para o Porto, deixei lá uma pessoa encarregada de ir vendo esses editais. Azar. O meu nome não foi visto, nem por mim nem pela tal pessoa.

Descansado da vida, continuei os meus estudos no Porto.
Passado cerca de um ano recebo uma contrafé da polícia.
Às nove da noite e pensando que se trataria possivelmente de uma multa de trânsito fui à Esquadra. Lá chegado entreguei o papel ao graduado de serviço. Ele olha para o papel, olha para mim e como que explode: O senhor está lixado, foi dado como refractário e tem que se apresentar imediatamente em Mafra, onde já se devia ter apresentado há cerca de um ano.

As guerras estavam a decorrer. Muita coisa passou pela minha cabeça. Refractário igual a desertor, despromoção dum possível curso de oficiais, presídio militar e tudo o que se possa imaginar.
Com esse estado de espírito, no dia seguinte às sete da manhã estava a caminho de Mafra, de mala aviada. O percurso foi em parte o que o Carlos Vinhal descreveu para as Caldas, só que o meu era mais longo.
Do Porto até Alfarelos, para apanhar a linha do Oeste e no meu caso com destino à Malveira, onde soube que teria de apanhar um táxi para me levar finalmente a Mafra.

Cheguei a Mafra cerca das cinco da tarde e, deprimido como ia, pensei que naquele dia, já não me iam receber, atender, ou o que fosse. De mala na mão entrei por onde me indicaram ser a porta de armas, pensando que não ia sair dali tão cedo, e dirigi-me à secretaria.
Entrei para um gabinete onde estava um Capitão com idade de general. Este pegou no papel que me tinham dado na polícia e vendo o ar de aterrorizado com que eu estava disse-me:
- Tenha calma que nada lhe vai acontecer pois é só fazer um requerimento a pedir o levantamento da nota de refractário.

Depois de lhe entregar o requerimento ele só disse:
- Agora vai-se embora e espera que o chamem novamente.

Nesse dia e a essas horas já não consegui sair de Mafra. Hotéis e pensões não havia.
Consegui que uma velhinha me alugasse um quarto e, no dia seguinte, estava a caminho do Porto para prosseguir os meus estudos.

Vieram a chamar-me para a tropa passado mais um ano e entretanto fiz mais um ano do meu curso. Durante o tempo que estive em Mafra ainda fui ao Porto fazer algumas cadeiras e no regresso, agora de noite, para não faltar à instrução, ao chegar à Malveira, por volta das cinco da manhã tinha que ir acordar o taxista, a sua casa, para me levar a Mafra.

Em relação à povoação de Mafra pouco direi pois como todos os fins de semana ia ao Porto pouco deambulei por lá. Tinham-me dito que a Biblioteca do Convento era um bom local para se estudar, mas nunca cheguei a saber onde era, como também nunca soube onde eram os chuveiros de água quente. Até no segundo dia de estadia tive que pedir que me ajudassem a encontrar a caserna, tal era a monstruosidade do edifício, aliada à simetria provocada pelo claustro central e aos muitos pisos.

Parte da Biblioteca. (foto tirada da NET, com a devida vénia)

Em conclusão, Mafra para mim nem foi boa nem má, talvez indiferente.
O Porto, o outro local onde estive, no RI6, antes de ir para a Guiné, foi como estar em casa. 

Abraços.
Fernando Gouveia
____________

Nota do editor

Último poste da série de 22 DE JANEIRO DE 2014 > Guiné 63/74 - P12623: A cidade ou vila que eu mais amei ou odiei, no meu tempo de tropa, antes de ser mobilizado para o CTIG (8): Beja, Mafra, Évora e Cachil (José Colaço)

Guiné 63/74 - P12627: O segredo de... (15): Processo concluído (Augusto Silva Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Augusto Silva Santos (ex-Fur Mil da CCAÇ 3306/BCAÇ 3833, Pelundo, Có e Jolmete, 1971/73), com data de 21 de Janeiro de 2014:

Olá Camarada e Amigo Carlos Vinhal!
Antes de mais, espero que esteja tudo bem contigo e que tenhas começado da melhor forma este início de ano.
Depois de mais algum tempo de ausência destas lides, aqui estou eu de volta. Desta feita porém, confesso que é com alguma dificuldade que o faço, e só após alguma reflexão ganhei coragem para o fazer, tendo em conta que o meu relato se enquadra no tema "O Segredo de...", já de si "complicado" por poder ferir algumas susceptibilidade. Mas olha, aqui vai (não quero deixar de partilhar convosco este meu segredo), deixando ao vosso critério a possível publicação do texto que envio em anexo, juntamente com duas fotos do tempo da minha passagem pelo Depósito de Adidos em Brá, para possível ilustração o mesmo.

Um Grande e Forte Abraço
Augusto Silva Santos


“O segredo de…”

Processo concluído

Depois de ter lido o recente poste do camarada António Graça de Abreu sobre esta série e, de igualmente ter consultado alguns dos postes anteriores sobre este mesmo tema por influência do que o Luís Graça escreveu, ganhei coragem para partilhar convosco algo que menos de meia dúzia de pessoas até hoje tomaram conhecimento.

No meu tempo de Guiné, mais propriamente aquando da minha passagem pela Secção de Justiça do Depósito de Adidos em Brá no ano de 1973, procedi a algo que, na altura a ser descoberto, no mínimo constituiria matéria do foro do direito penal militar, mas do qual ainda hoje não me arrependo por considerar que, em consciência, procedi de forma a aliviar um sofrimento desnecessário de um camarada.

A única situação que ainda me pode causar algum arrependimento, relaciona-se com o facto de ter traído a confiança do Chefe da Secção de Justiça, pessoa com idade para ser meu pai, que em mim confiava e que na realidade me tratava como um filho. Mantinha com ele uma relação muito franca e cordial, daí ainda hoje o meu constrangimento.

Conforme já mencionei em poste anterior, o facto de estar colocado no Depósito de Adidos, obrigava a que periodicamente fosse escalado para fazer Sargento de Dia à Casa de Reclusão Militar igualmente sita em Brá, tendo num desses serviços tomado conhecimento de que um Soldado Condutor do meu ex-BCaç 3833, mais propriamente da CCaç 3307, e que a mim se dirigiu, se encontrava detido há já seis meses, pelo facto de numa das suas últimas deslocações do Pelundo para Bissau numa coluna de reabastecimento, na estrada perto de Có, ter atropelado mortalmente um guineense, na sequência do qual lhe foi movido um processo. Depois do Batalhão ter regressado à metrópole em Dezembro de 1972, aquele mesmo processo transitou para a Secção de Justiça do Depósito de Adidos, na qual eu exercia então a função de escrivão.

O Soldado em questão encontrava-se numa situação delicada e sem perspectivas de o processo ter um fim breve e favorável a seu rápido regresso à metrópole, primeiro porque a vítima se tratava de alguém importante na tabanca onde habitava, e depois porque os testemunhos sobre como o atropelamento se havia dado há bastantes meses atrás, eram algo contraditórios relativamente às pessoas inquiridas. Os militares então ouvidos disseram que a culpa havia sido do guineense que atravessou a estrada de repente e entre as viaturas que constituíam a coluna, sem ter dado tempo a uma travagem, e os testemunhos dos guineenses então também inquiridos, diziam que a viatura conduzida pelo Soldado em questão seguia em excesso de velocidade e que nem havia tentado uma travagem. O Condutor que comigo várias vezes falou sobre o assunto, garantia-me que o infeliz se havia atravessado entre a viatura por si conduzida e a que seguia na sua frente a curta distância, facto que não permitiu que o tivesse avistado a tempo de travar, pelo que não se considerava culpado do atropelamento.

O processo continuava a arrastar-se sem fim à vista, embora o já mencionado Oficial de Justiça, de alguma forma por mim “pressionado”, já tivesse manifestado a intenção de dar conclusão ao mesmo após o seu regresso de férias à metrópole, o que representava a prisão efectiva do infeliz Soldado, no mínimo por mais dois meses. Aproveitando a ausência do Oficial em questão em gozo de férias, procedi ao “crime” de dar o processo como concluído e remetido o mesmo para despacho, falsificando a assinatura do Capitão. Desta forma, passado poucos dias o Soldado saiu da situação absurda de recluso, tendo o seu regresso à metrópole sido uma realidade passado pouco tempo.

Importa salientar que os processos na Secção de Justiça eram tantos que o Capitão (felizmente para mim) nunca mais se lembrou daquele, e que o Soldado em questão apenas tomou conhecimento que eu havia pedido para que a conclusão do seu processo fosse célere, e nunca da situação atrás relatada.

Apelo à compreensão de todos os camaradas por esta minha atitude tomada em tempo de guerra e em circunstâncias então vividas, e apenas levada a cabo com o intuito de auxiliar um camarada alegadamente inocente. Se o nosso camarada Joaquim Luís Fernandes que, tal como eu, prestou serviço naquela Secção de Justiça, ler este meu relato, espero igualmente a sua compreensão.



____________

Nota do editor

Último poste da série de 5 DE JANEIRO DE 2014 > Guiné 63/74 - P12545: O segredo de... (14): António Graça de Abreu (,ex-alf mil, CAOP1, Canchungo, Mansoa e Cufar, 1972/74): Também fiz o curso de Minas e Armadilhas, em Tancos, ainda em 1971... E até sonhei um dia em ser... bombista!

Guiné 63/74 - P12626: Memória dos lugares (262): Ponte do Rio Udunduma: os 'dias felizes' do Humberto Reis e do Tony Levezinho, 2º Gr Comb, CCAÇ 12 (1969/71) (Texto de L.G. / Fotos de H.R.)



Guiné > Zona leste > Setor L1 > Estrada Bambadinca- Xime > Ponte Rio Udunduma > 1970 >

A estrada Xime (à direita) - Bambadinca (à esquerda), com a respectiva ponte. Vísivel também o troço da nova estrada que estava em construção, a cargo da empresa Tecnil, e que implicou a construção de uma nova ponte. Na empresa Tecnil, irá trabalhar mais tarde, como "cooperante, o nosso amigo e camarada António Rosinha, entre 1979 e 1993. Esta estrada ficará alcatroada e pronta em princípios de 1972, se não erro (LG).

Foto: © Humberto Reis (2006). Todos os direitos reservados



Guiné-Bissau > Região de Bafatá > Estrada Xime - Bambadinca > 1997 : Ponte (velha) do Rio Udunduma. Em 1969/71, no tempo da CCAÇ 12, a segurança desta ponte, construída em 1952, era de importância estratégica para toda a região leste. Ficava a 4 km de Bambadinca e a 7 do Xime. No ataque em força, a Bambadinca, em na noite de 28 para 29 de Maio de 1969, os guerrilheiros do PAIGC tentara dinamitá-la. Embora parcialmente destruída (era de bom cimento armado e resistiu...), continuou operacional. Já sabemos que a partir daí passou a ser defendida permanentemente por uma força a nível de pelotão, a cargo das unidades do BCAÇ 2852. A primeira subunidade a ir para lá, a nível de Gr Comb, foi a CART 2339 (Mansambo, 1968/69) (*).

A partir de 16 de Dezembro de 1969 a segurança permanente passou a ser feita pelos Gr Comb da CCAÇ 12 e pelo Pel Caç Nat  53 (Bambadinca). Havia apenas abrigos individuais, extremamente precários: bidões de areia com cobertura de chapa de zinco, e valas comunicando entre os abrigos individuais.

Foto: © Humberto Reis (2005) (com a colaboração do Braima Samá, professor em Bambadinca). Todos os direitos reservados.




Guiné > Zona leste > Setor L1 > Estrada Bambadinca-Xime > Ponte do Rio Udunduma > Destacamento da CCAÇ 12 >  2º Grupo de Combate > 1970 >

O Humberto, à ré, mais soldado de transmissões,  à proa, treinando as suas perícias na difícil modalidade da canoagem local...  "Era o António Dias Santos, de alcunha, não sei porquê, O Bacalhau.  Quando estava em Bambadinca normalmente andava pela tabanca ao cheiro das bajudas e quase sempre com uma varinha na mão a imitar um pingalim.   Há uns [ largos] anos, quando organizei um dos primeiros almoços da rapaziada, procurei na lista telefónica o nome dele na zona da Régua, pois sabia que ele tinha sido funcionário da CP e que morava ali. Descobri-o, mas quando falei com a senhora é que fiquei a saber que ela já era viúva do Bacalhau" (HR)

Foto: © Humberto Reis (2006). Todos os direitos reservados


1. Comentava há uns largos (**), ainda na I Série (abril de 2004/maio de 2006) o Jorge Cabral, com uma ponta de fina ironia, que nós éramos demasiado sérios e que escrevíamos de maneira sofrida,  como se a guerra (da Guine) ainda não tivesse acabado para nós. Os nossos relatos eram  dramáticos. As nossas memórias estavan carregadas da tensão dos dias, do cansaço dos meses e do silêncio dos anos.

Se calhar o Jorge até tinha  razão. Pelo menos, alguma razão. Os nossos sentimentos eram em 2006 (e continuam a ser)  contraditórios. Alguns de nós conseguem ter (ou mostrar) uma visão mais diurna e positiva da Guiné do tempo da guerra. São capazes de se encantar com as imagens e as recordações da Guiné. Alguns conseguiram até lá voltar e fazer as pazes com os jagudis ou os sinistros fantasmas que os perseguiam.

Uma parte de nós (não há estatíticas...) voltaram lá. Outros ainda querem lá voltar, antes de morrer (nem que seja de canadianas!...)  ou andam a arranjar coragem para fazer a viagem de retorno, divididos entre uma certa imagem mítica do passado e o medo (traumático) do desencanto e do pesadelo dos dias de hoje.

Enfim, outros continuarão a ter uma visão mais noturna e negativa dos acontecimentos que os marcaram: as emboscadas, as minas, os ataques,  as flagelações, a morte, a dor, o sofrimento, a solidão, a angústia, os mosquitos, a fome, a sede, o absurdo da guerra que fomos obrigados a fazer...

Já deixámos, porém, aqui sobejas provas do nosso bom humor, já aqui contámos estórias, mais pícaras, mais divertidas ou mais banais, tentando dar cor, cheiro e sabor àqueles 700 ou mais dias das nossas vidas que passámos na Guiné... O próprio Jorge deu o exemplo, deliciando-nos com as suas pequenas estórias que eu chamei cabralianas... O Jorge sempre teve uma maneira muito própria, desalinhada, talvez até marginal, de ser e de estar na tropa e, por extensõa, na guerra... O nosso convívio era esporádico mas foi o suficiente para eu o sinalizar como uma das figuras impagáveis que passaram por Bambadinca...

Tens razão, Jorge. Nem todos os dias eram sofridos, dramáticos, tensos, esgotantes... Nem todos os dias eram de vida ou de morte... Também houve dias ou tardes ou manhãs, calmos, poéticos, bem dispostos e até felizes. Por exemplo, os dias que passávamos no destacamento da Ponte do Rio Udunduma (e tu em Fá Mandinga).  Udunduma e nºão Unduma, como eu comecei a escrever, na I Série, dando origem a um erro sistemático...

Eu, pessoalmente, não guardo lá grandes memórias dos dias em que era obrigado a lá ficar. De dia, sempre lia e escrevia...Não havia mais nada para fazer, a não ser estar ali... À noite, aquilo era um pesadelo, por causa dos mosquistos e demais bicharada... Já o Humberto, a avaliar pelas suas fotos, soube tirar partido da situação: por exemplo, pescava, que era uma coisa que eu não sabia fazer... E tomar banho, nem pensar: eu tinha medo, que me pelava, da bilharziose...

Enfim, a recordação mais nítida que tenho é a de 3  de fevereiro de  1971 quando o Spínola  passou por lá e nos cumprimentou,  de visita aos trabalhos da estrada Bambadinca-Xime (***)... Três semanas atrás, tinha saltado com a GMC numa mina, ali perto... Agora levava uma piçada de um dos coronéis da comitiva do Com-Chefe,  a mês e meio de regressar a casa... Mas a tropa era assim mesmo, e a guerra ainda pior: quem se lixava era sempre o mexilhão... (LG)

PS1 - Mas não sejamos injustos em relação ao resort da ponte do Rio Udunduma: afinal, enquanto lá estávamos, não andávamos a foder o coirão nas matas do Xime e do Corubal, na guerra do gato e do rato. (****).

PS2 - Já agora lembro os nossos amigos e camaradas Carlos Marques dos Santos (CMS) e Jorge Araújo quem, em épocas diferentes, conheceram esta estância turística... Ainda recentemenete o CMS  nso veio l
lembrar o seu estatuto de... dinossauro, em mail de 15 do corrente:

[...] Ácerca da ponte do Udunduma não se esqueçam cá do DINOSSAURO. Em 29 de maio eu estava lá com tendas de 3 panos da 2ª guerra mundial. Fomos nós que fomos defender Bambadinca. Os primeiros. É história, não estória. Quanto a mim uma farsa,  o ataque [de 28 de maio de 1969]. Vi passar a tua companhia [CCAÇ 2590/CCAÇ 12] em princípios de junho [2 de junho], como vi passar outros. Luxos como os que foram vistos no blogue já não são do meu tempo. Estava na PELUDA. Um Abraço. CMS. [...]




Guiné > Zona Leste > Setor  L1 > Estrada Bambadinca-Xime > Ponte do Rio Udunduma > Destacamento da CCAÇ 12 >  2º Grupo de Combate > 1970 >

O Humberto Reis,  ranger, fotogénico...Passados mais de meio ano, ainda eram visíveis os sinais da tentativa de destruição da ponte,. na noye de 28 de maio de 1969, aquando do ataque a Bambadinca.



Guiné > Zona Leste > Setor  L1 > Estrada Bambadinca-Xime > Ponte do Rio Udunduma > Destacamento da CCAÇ 12 >  2º Grupo de Combate > 1970


O Tony (Levezinho) e o Humberto sentados na manjedoura... Era ali, protegidos da canícula, que tomavámos em conjunto as nossas refeições, escrevíamos as nossas cartas e aerogramas, jogávamos à lerpa, bebíamos um copo, matávamos o tédio...O Tony (Levezinho), à esquerda, segurando uma granada LGFog de 3.7.  Também à esquerda, de pé, em segundo plano o saudoso 1º cabo José Marques Alves (1947-2013).



Guiné > Zona Leste > Setor  L1 > Estrada Bambadinca-Xime > Ponte do Rio Udunduma > Destacamento da CCAÇ 12 >  2º Grupo de Combate > 1970

Crianças ou adolescentes, provavelmente de Amedalai, a tabanca mais próxima da ponte, divertem-se, dando saltos para a água, sob a supervisão de um dos nosso militares.,




Guiné > Zona leste > Setor L1 > Estrada Bambadinca-Xime  >   Ponte do Rio Udunduma > Destacamento da CCAÇ 12 >  2º Grupo de Combate > 1970 >

Pesca à linha, banho à fula, um dia descontraído de canoa...

 

Guiné > Rio Udunduma > Destacamento da CCAÇ 12, 2º Grupo de Combate > 1970 > Da esquerda para a direita:

O soldado Arménio e os furriéis milicianos Humberto Reis e Tony Levezinho, em concurso de pesca..

Fotos: © Humberto Reis (2006). Todos os direitos reservados  [Edição e legendagem complementar: L.G.]
_______

Notas do editor:

(*) Vd,. I Série > poste do Carlos Marques dos Santos, de 4 de Janeiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDXIX: Os Solitários da CART 2339 na Ponte do Rio Udunduma e em Fá

(...) "Em 28 de Maio de 1969 ouvimos rebentamentos para aqueles lados e pensámos ser na tabanca Moricanhe. Afinal, para nosso espanto, era mesmo em Bambadinca, sede do Batalhão.

"Dia 29, pela 05.30 da manhã, seguimos para reforço da sede de Batalhão. 15 dias. Salvo erro com o Pel Caç Nat 63 estivemos em tendas (panos de tenda com botões), em vigília constante, àquela que era uma passagem importante [,a ponte sobre o Rio Undunduma, na estrada Xime-Bambadinca]" (...).

(**) Vd.  I Série > poste de 4 de fevereiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDXCVIII: Os dias felizes na ponte do Rio Udunduma (CCAÇ 12) (Humberto Reis / Luís Graça)


(***)  Vd  I Série > poste de Luís Graça, de 3 de Janeiro de 2006 > Guiné 63/74 - CDXVI: Herr Spínola na ponte do Rio Udunduma

(...) "Ponte do Rio Udunduma, 3 de Fevereiro de 1971:

De visita aos trabalhos da estrada Bambadinca-Xime, esteve aqui de passagem, com uma matilha de cães grandes atrás, Sexa General António de Spínola, Governador-Geral e Comandante-Chefe (vulgo, o Homem Grande). Eu gosto mais de chamar-lhe Herr Spínola, tout court. De monóculo, luvas pretas e pingalim, dá-me sempre a impressão de ser um fantasma da II Guerra Mundial, um sobrevivente da Wermacht nazi

(...).Cumprimentou-me mecanicamente. Eu devia ter um aspecto miserável. Eu e os meus nharros, vivendo como bichos em valas protegidas por bidões de areia e chapa de zinco. O coronel (?) que vinha atrás do General chamou-me depois à parte e ordenou-me que, no regresso a Bambadinca, cortasse o cabelo e a barba"...


(****) Último poste da série > 22 de janeiro de 2014 > Guiné 63/74 - P12620: Memória dos lugares (261): Bachile, 1973/74 (Duarte Cunha)

Guiné 63/74 - P12625: Roteiro de Bafatá, a doce, tranquila e bela princesa do Geba (Fernando Gouveia) (16): Foto aérea, nº 4 (Humberto Reis)


Foto nº 4


Foto nº 4 A


Foto nº 4 B


Foto nº 4 C


Foto nº 4 D

Guiné > Zona leste > Região de Bafatá > Bafatá > c. 1969/71 > Foto nº 4 > Vista aérea, do álbum do fur mil op esp Humberto Reis, CCAÇ 12 (Bambadinca, 1969/71). Foto tirada de helicóptero.

Foto: © Humberto Reis (2006).Todos os direitos reservados. [Edição: L.G.]


Humberto Reis
Foto aérea nº 4 (Humberto Reis, foto  à esquerda, Pombal,  2007) > Legendas de Fernando Gouveia

1 – Tabanca da Ponte Nova.

2 – Parte colonial da cidade.

3 – Rio Geba

Fernando Gouveia
4 – Rio Colufe [, afluente do Rio Geba]

5 – Tabanca do Nema.

6 – Casas ao longo da estrada para Bambadinca [a sudoeste].

7 – Parte da Tabanca da Rocha.

8 – Igreja.

1. Continuação da publicação do "roteiro de Bafatá", organizado pelo 
Fernando Gouveia[, ex-alf mil rec inf, Cmd Agr 2957, Bafatá, 1968/70; autor do romance autor do romance Na Kontra Ka Kontra, Porto, edição de autor, 2011; arquiteto, residente no Porto].
___________________

Nota do editor:

Últimos dois postes da série >

14 de janeiro de 2014 > Guiné 63/74 - P12585: Roteiro de Bafatá, a doce, tranquila e bela princesa do Geba (Fernando Gouveia) (14): Foto aérea, nº 3 (Humberto Reis)

17 de janeiro de 2014 > Guiné 63/74 - P12595: Roteiro de Bafatá, a doce, tranquila e bela princesa do Geba (Fernando Gouveia) (15): O cinema local e a figura lendária do seu guardião, o Canjajá Mané... E, a propósito, relembre-se o documentário, já em DVD, "Bafatá Filme Clube", do realizador Silas Tiny, com fotografia de Marta Pessoa (Lisboa, Real Ficção, 2012, 78')

Guiné 63/74 - P12624: Parabéns a você (682): Augusto Silva Santos, ex-Fur Mil Inf da CCAÇ 3306 (Guiné, 1971/73); Francisco Godinho, ex-Fur Mil Inf da CCAÇ 2753 (Guiné, 1970/72) e José Albino, ex-Fur Mil Art do Pel Mort 2117 e BAC 1 (Guiné, 1969/71)

____________

Nota do editor

Último poste da série de 22 de Janeiro de 2014 > Guiné 63/74 - P12619: Parabéns a você (681): Rogério Freire, ex-Alf Mil Art MA da CART 1525 (Guiné, 1966/67)