sábado, 5 de julho de 2014

Guiné 63/74 - P13367: História do BART 3873 (Bambadinca, 1972/74) (António Duarte): Parte I: Distribuição da população e dispositivo das NT e do IN no setor L1


Guiné > Zona leste > Setor L1 > Bambadinca > 1970 > Uma excelente foto aérea do quartel e posto adminidtrativo de Bambadinca, tirada de heli AL III, do lado da pista (e do campo de futebol)... Ao fundo, vê-se uma parte da extensa bolonha de Bambadinca.

Foto: © Humberto Reis (2006). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem: L.G.]











1. O António Duarte, ex-fur mil da CART 3493 / BART 3873, Mansambo, Fá Mandinga, Cobumba e Bissau, 1972/74), esteve também na CCAÇ 12 (em 1973/74) [foto atual à esquerda,].

O António Duarte é um membro sénior da nossa Tabanca Grande, acompanha-nos, pelo menos, desde 11/5/2006,  mas sempre com grande discrição.  Economista, é quadro superior bancário, refoirmado, e tem participado ativamenmte, nos últimos tempos,  na formação de quadros bancários em Angola. Encontrámo-nos  em novembro passado no aeroporto de Lisboa a caminho de Luanda, onde fomos no mesmo avião da TAP.

Teve a gentileza de me mandar uma cópia, em pdf, da história do BART 3873 (Bambadinca, 1972/74), que veio render o BART 2917 (Bambadinca, 1970/72), o qual por sua vez substituiu o primeiro batalhão ao qual o pessoal da CCAÇ 12  esteve adido como subunidade de intervenção (BCAÇ 2852, Bambadinca, 1968/70).

Temos trocado  impressões um com o outro  não só  sobre a "nossa" CCAÇ 12 (, ele pertenceu à 3ª geração de quadros da CCAÇ 12, de 1973/74, de rendição individual, e eu à primeira, 1969/71) como sobre o BART 3873.  O António Duarte participou em operações como a Op Trampolim Mágico. Comprometeu-se, há dias,  a escrever alguns apontamentos sobre esta dramática operação, logo que venha de Luanda para onde parte este sábado.

Da história desta unidade, o BART 3873,  vamos selecionar e publicar alguns excertos com informação relevante não só para os camaradas (e são muitos!) que estiveram no importante setor L1 (a porta de entrada da zona leste) como para os muitos mais que por lá passaram, vindos de LDG (de Bissau até ao Xime ou até Bambadinca) a caminho dos restantes setores do leste: L2 (Bafatá), L3 (Nova Lamego), L4 (Piche), L5 (Galomaro) e  L6 (Pirada).(LG)


2. BART 3873 (Bambadinca, 1972/74) > História da Unidade > Cap II > pp. 1-7 + mapas 1, 2, 3 e 4










sexta-feira, 4 de julho de 2014

Guiné 63/74 - P13366: Agenda cultural (331): Lançamento do livro "Guiné-Bissau, um país adiado - Crónicas na pátria de Cabral", do jornalista Manuel Vitorino, dia 10 de Julho de 2014, pelas 18h00, na Fundação Calouste Gulbenkian

Lançamento do livro "Guiné-Bissau, um país adiado - Crónicas na pátria de Cabral", do jornalista Manuel Vitorino*, dia 10 de Julho de 2014, pelas 18h00 na Fundação Calouste Gulbenkian.
A apresentação da obra estará a cargo de Francisco George, Director Geral da Direcção Geral de Saúde.



(*) - Manuel Vitorino foi Fur Mil na 2.ª CCAÇ / BCAÇ 4518/73, Cancolim, 1973/74.
____________

Nota do editor

Último poste da série de 1 DE JULHO DE 2014 > Guiné 63/74 - P13354: Agenda cultural (330): Atenção, Viriatos, ao lançamento, no dia 9, às 17h30, no Salão Nobre da CM Lisboa, do livro inédito, "As Viríadas", a epopeia portuguesa setecentista escrita pelo médico Isaac Samuda (Lisboa,1681 - Londres, 1729)

Guiné 63/74 - P13365: Em busca de... (245): Francisco Neto, ex-1.º Cabo Art do 15.º Pel Art (Guileje e Gadamael, 1973) (Luís Paiva)

1. Mensagem do nosso camarada Luís Paiva (ex-Fur Mil Art 15.º Pel Art, Guileje e Gadamael, 1972/73):

Caro Luís Graça:
Muito grato ficaria que me ajudassem a localizar um ex-combatente que dá pelo nome de Francisco Neto e que desempenhou funções de artilharia, como cabo, em Guileje, no 15.º Pelart, antes da retirada daquele aquartelamento em 1973.

Posteriormente à retirada de Guileje em 1973, aínda esteve em Gadamael, mas depois dos dramáticos acontecimentos ocorridos neste segundo aquartelamento, perdi-lhe a pista e nunca mais soube nada dele.
Durante vários anos pensei que tinha sido uma das vítimas mortais de um dos ataques do PAIGC a Gadamael mas um outro cabo, o Oliveira, do 15.º PELART afiança que ele não faleceu, embora também não saiba o paradeiro dele.

Segundo informações do Oliveira ele teria estado há muitos anos a desempenhar funções como bombeiro no quartel de Bombeiros de Fafe, mas nenhum de nós ali conseguiu (se a memória não me falha existem ali duas corporações de Bombeiros) descobrir alguém que o conheça; e se ele ali esteve já foi há algumas décadas e o pessoal mais novo que ali se encontra não o conhece nem ouviu falar dele!

Agradeço antecipadamente todas as informações que possam levar-nos até ele.

Saudações cordiais.
Luís Paiva
ex-furriel do 15º PELART
Guileje (1972/1973) e
Gadamael (1973)
____________

Nota do editor

Último poste da série de 15 DE MAIO DE 2014 > Guiné 63/74 - P13144: Em busca de... (244): José Moreira, ex-Fur Mil da CCAÇ 1438 (Buba e Quinhamel, 1965/67), procura os seus camaradas continentais

Guiné 63/74 - P13364: Notas de leitura (608): "África" - Literatura-Arte e Cultura - Os Djumbai (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 30 de Dezembro de 2013:

Queridos amigos,
De há muito que a cultura oral fascina os estudiosos guineenses. Logo Marcelino Marques de Barros, um pároco guineense, de elevadíssima cultura, que chegou a ser vigário-geral da Guiné e sócio correspondente da Sociedade de Geografia de Lisboa, deixou o primeiro acervo de lendas e adivinhas, mais tarde Benjamim Pinto Bull, na sua tese de doutoramento na Sorbonne debruçou-se sobre a filosofia do crioulo na Guiné-Bissau e procedeu a um importante levantamento das adivinhas e a sua estrutura, evidenciando o papel que é a oralidade e o crioulo têm na cultura popular. Estas adivinhas são um dos esteios que marcam a diferença da cultura guineense face aos países limítrofes, é uma das marcas de água da sua identidade.

Um abraço do
Mário


Os “Djumbai”

Beja Santos

Na segunda metade dos anos 70, o escritor Manuel Ferreira dirigiu a revista África, de saudosa memória. No seu número 6, correspondente ao último trimestre de 1979, foi publicado um ensaio assinado por Teresa Montenegro/Carlos de Morais que questiona o vigor da cultural popular oral na Guiné-Bissau. De forma preambular, os autores recordam a importância das narrativas comunitárias e o desempenho que cabe nessa oralidade aos “homens grandes”; ainda sob essa forma preambular, é também observada a importância da floresta imensa e ancestral e o papel que ocupa na cultural oral, pois é nesse espaço temeroso que se desenvolvem vários deuses que falam com as serpentes, por ali vagueiam espíritos errantes, é na floresta que decorre o fanado, o que significa que ali os jovens se transformam em adultos, à volta da floresta decorre o centro nevrálgico da economia guineense. É dentro deste enquadramento que os autores põem em cena os “djumbai”, reuniões informais de convívio onde estão presentes homens, mulheres e crianças de todas as idades, atravessadas por uma dinâmica da comunicação onde têm lugar os relatos, canções, adivinhas, comentários, etc., e que é sustentada e dirigida por intervenções de gente de todas as idades.

Os “djumbai” acontecem ao crepúsculo, trata-se de contar, cantar e ouvir histórias, tudo na noite fechada ou na noite estrelada, é aqui que o convívio noturno eclode com toda a sua magia. É nestas reuniões informais que vão surgir as adivinhas, uma síntese que encerra o enigma e propõe um jogo: a descoberta desse enigma.

Os autores escrevem textualmente: “Dos elementos propostos parte-se para a descoberta e chega-se à chave do enigma através de um exercício de reflexão e imaginação que assenta nos dados da adivinha, que contêm e transmitem o essencial da situação proposta. A síntese apresentada à assistência pode assumir a forma do absurdo, do insólito ou invocar sons conhecidos. Uma mesma adivinha pode também admitir mais do que uma resposta e a uma mesma resposta pode chegar-se através de formulações diferentes (…) Sendo a descoberta a sua finalidade, as adivinhas estão permanentemente a veicular conhecimentos, conhecimentos úteis que correspondem às necessidades do meio em que circulam e que são apreendidos em completa participação e liberdade”.

Os autores escreveram um livro sobre as adivinhas que se intitula «‘N sta li, ‘n sta lá» (estou cá e estou lá). Estar simultaneamente em mais de um sítio, viajando no tempo e no espaço sem deixar de estar de algum modo.

Aportam igualmente dois elementos explicativos para a força deste jogo em que as adivinhas desempenham um papel primordial na vida comunitária: o crioulo e a oralidade. Obviamente que a comunicação dentro da tabanca é para ser apreendida por uma ou mais etnias, daí o uso da língua veicular, o crioulo que ainda não é um sistema de escrita. Escrito este ensaio em finais da década de 1970, era já candente a argumentação utilizada para a análise destas adivinhas:
“Numa sociedade onde apenas agora se começam a distribuir livros e cadernos às crianças e a prática escrita se encontra quase ausente mas, em contrapartida, se encontra há muito tempo perfeitamente generalizado o estatuto de produtor cultural a todos os seus elementos e existem, instituídas, estruturas de transmissão e troca, a oralidade ocupa uma dimensão cultural central.
É neste lugar que surge a adivinha como uma síntese capaz de reter e transmitir sem esforço a experiência útil, propor uma onomatopeia breve para o lugar de uma longa descrição ou sondar uma dimensão que está para lá das aparências.
Afirmando de forma mais aberta (interrogando) e arriscando-se a terminar o seu ciclo no próprio instante em que se conta (ou canta), já que a imaginação, a liberdade e o prazer de algumas pessoas em diálogo destroem adivinhas, partem histórias ao meio e acrescentam ditos com toda a naturalidade quando se reúnem para criar e transmitir a própria cultura”.

A título de esclarecimento, publica-se uma página com adivinhas em crioulo e em português.

____________

Nota do editor

Último poste da série de 1 DE JULHO DE 2014 Guiné 63/74 - P13352: Notas de leitura (607): Livro de memórias de guerra, de António Ramalho de Almeida, médico pneumologista, do Porto, ex-alf mil, GG, Bissau, 1964/66

Guiné 63/74 - P13363: 10º aniversário do nosso blogue (24): Ernersto Duarte [ex-fur mil, CCAÇ 1421/BCAÇ 1857, Mansabá, 1965/67]


1. Mensaem, de 1 do corrente,  do nosso grã-tabanquerio Ernetso Duarte  [ex-fur mil. CCAÇ 1421/BCAÇ 1857, Mansabá, 1965/67],


Data: 1 de Julho de 2014 às 23:11

Assunto: Blogue eterno

 
Luís

Boa noite

Eu tinha que assinalar o aniversário do blogue ! (*) Claro que eu sou um escritor de buscas em caixote ! Mas com todo o respeito e máxima consideração, estas duas linhas !



Meio perdido, 
mas ainda não totalmente ingrato, 
não esqueço de todo, tudo !
O blogue, para mim, foi algo de bom, 
terá sempre um lugar na minha alma confusa ou louca !
À minha maneira, 

mas mesmo assim não podia deixar de assinalar aqui,  
Blogue, que fizeste mais um ano, 
parabéns !

Pois é, Blogue, fizeste mais um ano, 
já és crescidinho,
 já percebes na plenitude quais os problemas, 
quais as maleitas, 
que apresentam os teus fieis seguidores !

De uma maneira geral, foram uns sonhadores,
onharam que o seu país um dia gostaria deles, 
das pessoas, como eles gostaram e gostam dele, 
mas não foi assim, ´
foi um sonho, 
e como a diferença de sonho a pesadelo é pequena !

Tudo desaparecerá mas tu Blogue serás eterno, já és eterno !

Não são meus, são de um soldado que morreu há muitos anos, 
talvez já os conheças, 
mas em memória dos que partiram mais cedo, 
dos que foram partindo, 
dos que irão partir, 
deixo-os à tua guarda, 
com a certeza que os guardarás na tua eternidade, ~
com a dignidade que merecem !

O dia terminou
O Sol foi-se dos lagos
Das colinas e do céu
Tudo está bem
Descansa com segurança
Deus está próximo
Desaparecendo a luz
Escurece a vista
E uma estrela embeleza o céu
Brilhando luminosa de longe
Se aproximando cai a noite
Graças e louvores para
Os nossos dias
Debaixo do Sol
Debaixo das estrelas
Debaixo do céu
Enquanto caminhamos
Isso nós sabemos
Deus está próximo


Desculpa, Blogue, 
eu queria assinalar o teu crescimento, tão importante para tantos
que com a G3 nas mãos sonharam !
Não encontrei melhor maneira !
A sinceridade é a mesma !
Até à eternidade !

Um grande abraço

Ernesto Duarte

_________

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Guiné 63/74 - P13362: Convívios (610): Encontro do pessoal das CCAÇs 3326, 3327 e 3328, a levar a efeito no próximo dia 26 de Julho de 2014 na Quinta do Paúl, Ortigosa (José Câmara)

1. Em mensagem de hoje, 3 de Junho de 2014, o nosso camarada José da Câmara (ex-Fur Mil da CCAÇ 3327 e Pel Caç Nat 56, Brá, Bachile e Teixeira Pinto, 1971/73), enviou-nos o anúncio do próximo Convívio do pessoal das CCAÇs 3326, 3327 e 3328, a levar a efeito no próximo dia 26 de Julho de 2014 na Quinta do Paúl, Ortigosa.


AS CCAÇ

 3327 
(Mata dos Madeiros, Destacamentos de Teixeira Pinto, Tite e Bissássema)

3326 
(Mampatá) 

3328 
(Bula) 

vão realizar um convívio de saudade entre os militares daquelas unidades mobilizadas pelo BII17, Angra do Heroísmo.

DIA 26 de Julho de 2014, pelas 10:30 Horas da manhã

LOCAL - Quinta do Paúl
Estrada Nacional, 109 (Paúl)
2425-741 Ortigosa
Leiria – Portugal

Para mais informações sobre o local contactar: www.quintadopaul.com


EMENTA

APERITIVOS
Martini / Porto Seco / Moscatel / Ricard
Vinhos Quinta do Paúl / Sumo de Laranja / Água
Rissóis / Pastelinhos de Bacalhau / Croquetes / Tiras de Potas
Nugget's de Peixe / Argolas de Lulas / Caprichos do Mar / Empadinhas de Frango
Churrasdquinhois (Lentrisca / Morcela de Arroz / Chouriço) c/Selecção de Pão Rústico / Broa
Tapas de Queijo c/Presunto
Pastelaria Mi niatura / Selecção de Frutos Secos / Frutas Frescas

SOPA
Sopa de Legumes

PEIXE
Lombinhos de Bacalhau c/Cebolada
Servido c/Ninhos de Puré e Legumes Salteados

CARNE
Lombinho de Porco Preto Coberto c/Laranja
Servido c/Batatinha Assada e Salada Mista c/Manga

SOBREMESAS
Mouse de Chocolate / Pudim Caseiro / Doce de Amêndoa / Fruta Laminada

BEBIDAS
Vinho Quinta do Paúl (Tinto / Branco)
Vinho Verde Arca Nova / Lambrusco Rosé
Águas / Refrigerantes / Cerveja / Café
Macieira / Bagaceira / Croft / Moscatel / V. Porto / Whisky Novo
Bolo + Espumante Natural Bruto

Preço: 27.50 Euros p/Pessoa

Para mais informações e marcação de lugares contactar:
João Cruz: 937 232 794 ou 967 070 680 (casapintocruz@sapo.pt)
Victor Costa: 969 223 548 (victorcostasmor@gmail.com)
José Câmara: (jcamara301@aol.com)
____________

Nota do editor

Último poste da série de 28 DE JUNHO DE 2014 > Guiné 63/74 - P13343: Convívios (609): XXIX Encontro do pessoal da CART 3494 (Xime e Mansambo, 1971/74), realizado no passado dia 7 de Junho de 2014 em S. Pedro de Moel (Sousa de Castro)

Guiné 63/74 - P13361: A cidade ou vila que eu mais amei ou odiei, no meu tempo de tropa, antes de ser mobilizado para o CTIG (30); Mafra, a EPI, 1967: "Aquele Convento de Mafra era sem dúvida uma fábrica de oficiais"...(Paulo Raposo, ex-alf mil inf, CCAÇ 2405 / BCAÇ 2852, Mansoa e Dulombi, 1968/70)


Mafra > EPI (Escola Prática de Infantaria) > 2º incorporação de 1967 > Cerimónia do Juramento de Bandeira > Desfile dos novos militares onde se integrava o Paulo Raposo, frente ao Convento de Mafra, "a garande fábrica de oficiais"
Foto ( e legenda) : © Paulo Raposo (2006). Todos os direitos reservados [Edição:_ LG]


1. O meu testemunho (Paulo Raposo, CCAÇ 2405, 
1968/70) - I Parte: Mafra (*)



[ Foto à direita: Paulo Enes Lage Raposo, Alferes Miliciano de Infantaria, com a especialidade de Minas e Armadilhas, CCAÇ 2405, pertencente ao BCAÇ 2852 (Guiné, Zona Leste, Setor L1, Bambadinca, 1968/70); a CCAÇ 2405 passou por Mansoa, sendo depois colocada em  Galomaro e Dulombi; perdeu 17 militares na travessia do Rio Corubal, na sequência da retirada de Madina do Boé, Op Mabecos Bravios, 6 de fevereiro de 1969; o Paulo Raposo foi o organizador do nosso  I Encontro Nacional, em 15 de outubro de 2006, na Quinta da Ameira, Ameira, Montemor-O-Novo.]



Entrei para a E.P.I, no Convento de Mafra,  como soldado cadete, na 2ª incorporação do ano de 1967, mais precisamente no dia 10 de Abril. Escolhi esta incorporação para não apanhar os rigores do inverno dentro daquele grande Convento.

O choque da entrada foi grande, passar de civil a militar não é fácil. Após a entrada, só podiamos sair depois de saber marchar, conhecer as patentes e saber fazer a continência.

Aquela primeira semana parecia que nunca mais acabava.

Na parte de trás do Convento, na grande parada, formava-se o Batalhão de Instrução. O seu comandante era o major Rocha, que passava o tempo a dizer:
– Comigo não há figos.

 Devia estar apanhado pelo clima de África nalguma Comissão de serviço que lá devia ter feito. Encontrei-o mais tarde na Messe de Bissau e logo Ihe perguntei:
–  Então, meu major, não há figos?
–  Comigo não há – respondeu ele de seguida.

O comandante da companhia era o capitão Ferro, com quem nunca mais me cruzei. O adjunto do comandante era o irrequieto  ten Garcia Lopes, a quemn voltei a encontrar na Guiné a comandar uma companhia de Comandos. O nosso instrutor era um rapaz da nossa idade, o alferes Leonel de Carvalho, sempre muito aprumado. Vi-o na televisão já como coronel, a comandar as forças militares que estavam na ponte 25 de Abril, aquando do grande bloqueio de 1994. Coitado, deve ter passado por situações muito desagradáveis.

Uma vez passada a primeira impressão entramos na rotina de um quartel. Há horas para tudo, no fundo também nos educa e auto-disciplina.

Recordo aqui alguns momentos que me custaram bastante.

O primeiro foi a dor que me causou, nos tímpanos, o estampido que a G3 dava quando fazia fogo. Até nos habituarmos, aqueles primeiros momentos passados na carreira de tiro eram dolorosos.

O segundo foi o lançamento de uma granada de mão, também na carreira de tiro. Só olhar para a granada me metia medo, quanto mais agarrá-la, tirar-lhe a cavilha e lancá-la.

Foi o ten Garcia Lopes que me acompanhou. Disse-me:
– Agarra a granada com a mão direita, tira a cavilha de segurança com a esquerda e lança-a; vê onde a granada cai e depois é que te metes no buraco.

Assim foi, mas não foi fácil.

O terceiro foi o campo de obstáculos que havia na Tapada Real, a que chamávamos a Aldeia dos Macacos. Havia dois obstáculos que eram difíceis de vencer. No fundo, o propósito era o de nos libertar dos medos e de nos vencermos a nós próprios.

Um deles era o salto ao galho. Este obstáculo era constituído por uma plataforma que ficava elevada a uns três metres do chão. À frente da plataforma, a uma distância de um ou dois metros, estava um poste que tinha no topo um galho. Tínhamos, portanto, de nos lançarmos para o galho. Se falhássemos, caíamos, agarrados ou não, ao poste.

O outro obstáculo era o pórtico. Era constituído por uma vigas que faziam um quadrado, que tinha uma largura de 40 cm e estava a uma altura do chão de 6 metros. Tínhamos de subir por uma corda, trepar para a viga, fazer o perímetro e descer pela mesma e única via.

Outro era o trabalho de estrada. Uma vez por semana fazíamos este exercício: íamos a correr de Mafra ao João Franco, no Sobreiro, e regressávamos. As subidas eram feitas em passo rápido, o resto do percurso a correr, com as belas botas que nos enchiam os pés de bolhas, mais os 3,9 kg da G3 que levávamos às costas.

O dia da Infantaria é o dia 15 de Agosto. Este dia representa a vitória da Infantaria (rainha de todas as batalhas) no célebre quadrado da Batalha de Aljubarrota, em 1385, realizado por D. Nuno Alvares Pereira. Naquele momento, D. Nuno implorou a protecção de Nossa Senhora. Em seu louvor foi construído o Mosteiro da Batalha.

Durante a batalha, D. Nuno e os soldados passaram tanta sede naqueles dias de Agosto, que, simbolicamente, D. Nuno mandou lá colocar uma bilha com água que está junto a uma pequena capela, para mais ninguém ter sede naquele local.

Esta vitória representa também e acima de tudo a força de vontade popular (Infantaria) contra a aristocracia espanhola (Cavalaria) e, de um certo modo, também contra a aristocracia portuguesa vendida aos espanhóis.

Foi feito um convite aos cadetes para irem até Fátima pelo dia 13 de Agosto. Fomos alguns. Fardados como cadetes, acompanhámos o andor de Nossa Senhora. Terminada a cerimónia fomos todos dormir para casa de um rapaz, nosso colega, que tinha a sua quinta perto de Ourém. Uns dormiram em camas e outros no chão.

Foi uma noite passada cheia de alegria, com o José Megre a animar o serão, a contar as suas histórias das corridas de automóvel, por que tinha passado em Inglaterra. É um excelente contador de histórias.

Tudo se passou. Aquele Convento de Mafra era sem dúvida uma fábrica de Oficiais. (**)

Paulo Raposo
______________

Notas do editor:

(*) Extratos de: Raposo, P. E. L. (1997) - O meu testemunho e visão da guerra de África.[Montemor-o-Novo, Herdade da Ameira]. Documento policopiado. Dezembro de 1997. pp. 4-7. Reproduzido na I Série do blogue, em poste de 12 de abril de 2006.

Guiné 63/74 - P13360: Manuscrito(s) (Luís Graça) (34): Aerograma para a Sophia que me emprestou o Livro Sexto, quando o T/T Niassa me levou para longe da minha praia



Foto: © Luís Graça (2011)


Aerograma para a Sophia 
que me emprestou o Livro Sexto,
quando o T/T Niassa me levou 
para longe da minha praia


Poderei não suportar o dia 
em que o mar se retirar 
da minha praia.

Poderei adoecer,
ou até mesmo morrer,
se me tirarem o mar
da minha rua, 
da minha porta.

E o pôr do sol
sobre a linha do horizonte da minha janela.
E o cheiro a maresia
no meu almofariz de cheiros.
E a tua estrela,
que na noite da guerra se recorta.
E as neblinas matinais
lavando os meus olhos.

Não sei se conseguiria fazer o luto
da morte do mar que já foi meu,
que já foi nosso.
Emigrarei para o hemisfério sul
quando me tirarem o mar do norte,
o mar do Serro,
as Berlengas ao fundo,
o meu querido mês de agosto,
o vento nos canaviais
na Praia do Paimogo.

Posso amar as tuas montanhas
e as tuas albufeiras
e as tuas florestas de castanheiros e carvalhos,
a gente rude e franca do norte,
mas preciso de regressar ao sul,
de vez em quando,
para respirar como as baleias.

Um exército de lapas
move-se de rocha em rocha
como sinal premonitório
da transmigração do mar.


Praia da Peralta,
8 de Setembro de 2007

Lisboa, v5 2 jul 2014
_______________

Nota do editor:

Último poste da série > 20 de junho de 2014 > Guiné 63/74 - P13312: Manuscritos(s) (Luís Graça) (33): Revisitar Bissau, cidade da I República, pela mão de Ana Vaz Milheiro, especialista em arquitetura e urbanismo da época colonial (Parte VI): O novo bairro da Ajuda (1965/68), um "reordenamento" na estrada para o aeroporto...

Guiné 63/74 - P13359: Op Trampolim Mágico: 26 de fevereiro de 1972: 18 Gr Comb + 2 GEMIL + CCP 123, com apoio da FAP e da Marinha, fazem desembraque anfíbio na margem direita do Rio Corubal e passam tudo a pente fino, do Fiofioli a Mansambo (Luís Dias, ex-alf mil, CCAÇ 3491, Dulombi, 1971/74)

1. No nosso último encontro, em Monte Real, no passado dia 14 de junho, em conversa com os camaradas Joaquim Mexia Alves e Juvenal Amado, veio à baila uma operação anfíbia no Rio Corubal em fevereiro de 1972, no setor L1 (Bambadinca).

O Joaquim Mexia Alves, na altura alf mil op esp na CART 3492, sediada no Xitole, participou nessa operação, juntamente com mais malta do BART 3873, cujo comando e CCS estavam sediados em Bambadinca. O Juvenal Amado mandou-me, a seguir, informação mais detalhada sobre essa operação, com nome de código Trampolim Mágico,  que aparece descrita no blogue do nosso camarada Luís Dias, Histórias da Guiné 71/74 -  A CART 3491, Dulombi. (Vd. poste de 10 de junho de 2014 > A nossa cruz de guerra).

[Foto à esquerda: Luís Dias, c. 1972/74]


Escrevi ao Luis Dias a pedir-lhe autorização para reproduzir,  no nosso blogue, o texto e as fotos que ele acabara de publicar, com vista a uma divulgação maior. Aqui vai a mensgem que tem data de 16/6/2014:

Luís: Não tenho a certeza do teu mail estar a funcionar... Há mensagens com data anterior devolvidas... Mas escrevo-te a pedir autorizaçãop para  publicar parte de um poste teu em que descreves a tua participação na Op Trampolim Mágico, juntamente com outras unidades,  incluindo a CART 3492 (Xitole), a CART 3494 (Xime), a CCAÇ 12...
Como vais tu ? Não tens dado sinais de vida... Foi o Juvenal (que faz anos amanhã) que me ajudou a chegar até aqui...

O Fiofiioli era um "mito" no meu tempo e a marinha não se atrevia a entrar no Rio Corubal, depois da Op Lança Afiada (10 dias), em março de 1969... Se tiveres mais fotos e informação, diz-me ou escreve... Vou publicar um poste sobre a Op Trampolim Mágico com o teu nome e com link para o teu blogue... Tudo isto faz parte das nossas memórias... mais ou menos doridas...

Pode ser ? Um abraço. Luis


2. A resposta do Luís Dias acaba de chegar, por intermédio do Juvenal Amado:

2 de Julho de 2014 às 21:36
Assunto: Operação Trampolim Mágico

Caro Juvenal: Fazes o favor de reencaminhar esta msg para o Luís Graça, dado que o seu endereço desapareceu do meu sistema e não sei porquê.Um abraço. Luís Dias

Amigo Luís Graça

Peço desculpa de só agora te estar a responder, mas tenho andado atarefado com aulas de formação, bem como outras actividades e confesso que não tenho tido tempo de vir ver as minhas msgs (estão em perto de 300!!!).

Podes utilizar tudo o que quiseres do blogue da minha companhia, muito em especial, o que está escrito sobre a operação Trampolim Mágico. A foto foi retirada já não sei de onde, talvez da Tabanca Grande (o blogue que tão dignamente diriges), mas não tenho referências da mesma.

Um abraço e manda sempre, Luís Dias




Guiné > Zona Leste > Croquis do Sector L1 (Bambadinca) > 1969/71 (vd. Sinais e legendas)


3. Descrição da Op Trampolim Mágico > Excerto do blogue do Luís Dias > poste de 10 de junho de 2014 > A nossa cruz de guerra.


Entre 24 de Fevereiro e 26 de Fevereiro [de 1972], o 2º GC e 3º GC da companhia [, a CART 3491, sediada em Dulombi] , participaram na Op Trampolim Mágico, na área de intervenção do BART 3873, com sede em Bambadinca, (que tinha chegado à Guiné poucos dias depois de nós - éramos todos uns "periquitos").

As NT foram agrupadas  da seguinte forma:

(i)  Grupo Castanho, formado por 4 GC da CART 3493 [ Mansambo], juntamente com o 2º e 3º GC da CCAÇ 3491 [, Dulombi];

(ii) O Grupo Laranja, formado por 4 GC da CART 3492 [, Xitole,]  reforçados por 1 GC da CCAÇ 3489 [, Cancolim,] e outro da CCAÇ 3490 [, Saltinho];

(iii) O Grupo Amarelo, formado pelos 4 GC da CART 3494 [, Xime], reforçados por 2 GC da CCAÇ 12 [, Bambadinca];

(iv) O Grupo Preto, formado pelos GEMIL 309 e 310;

(v) O Grupo Verde, formado pela CCP 123 [, BCP 12, Bissalanca, BA 12, 1972/74].

Em apoio: 1 parelha de Fiats G91, 1 parelha de T-6, 2 Hélios e 1 Héli-canhão e a artilharia de uma LDG.

Os grupos Castanho e Laranja foram embarcados em LDG e desceram o Rio Geba, onde passaram o dia, desembarcando em Porto Gole, ao fim da tarde e onde pernoitaram.

No dia seguinte, embarcámos de novo e lançados a todo o "vapor" fizemos um desembarque na Ponta Luís Dias (tem o nome de um dos alferes da nossa companhia, mas não tem nada a ver com ele) e em Tabacuta, sob o bombardeamento da aviação e da artilharia da LDG e com a presença no terreno do Comandante-Chefe, General António de Spínola.

Efectuámos acções de ataque a aldeias dominadas pelo IN, atravessando as matas do Fiofioli até Mansambo.

Dada o número das nossas forças os guerrilheiros foram fugindo, deixando para trás as mulheres, as crianças e os velhos, efectuando flagelações à distância, em especial de noite, para tentar nos localizar.

Nesta operação, em que estavam envolvidos batalhões recém-chegados à Guiné, houve momentos, em especial no Grupo Castanho, em virtude de termos ficado parados muito tempo ao sol (a excepção foram os nossos dois GC, que eram os últimos da coluna e que, ao nos apercebemos que iríamos ficar ali muito tempo saímos do sol, procurando abrigo na sombra das árvores) que poderiam ter dado em desgraça, face à falta de água, originando muitas evacuações por cansaço, insolação e desidratação.

A operação que implicou muitos meios não obteve os êxitos esperados, para além da destruição de locais do IN, da apreensão de diverso material e de documentação e da recuperação de população (32 pessoas) e foi mais um meio de mostrar ao IN a nossa presença na zona onde eles estavam implantados.



Porto Gole, onde existia um Padrão dos Descobrimentos portugueses e onde bebemos a cerveja que nos soube melhor, depois de um dia no meio do Rio Geba, dentro da LDG. [Foto de João Martins, reproduzida no Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné. Com a devida vénia.]



Lancha LDG utilizada pelo agrupamento Castanho e Laranja, na Op Trampolim Mágico. Em pé e do lado dto (a olhar para a foto), o Alf Luís Dias. Fopto de Luís Dias (2014).



Zona de mato denso onde estavam diversas palhotas que serviam de refúgio a elementos do PAIGC e população que os apoiava e que foram destruídas pela nossa passagem. Foto de Luís Dias (2014).

Texto e fotos (a preto e barnco):  ©  Luís Dias (2014). Todos os direitos reservados.
 ________________

Nota do editor:

Vd. postes sobre a Op Lança Afiada

Guiné 63/74 - P13358: Parabéns a você (758): António Nobre, ex-Fur Mil Inf da CCAÇ 2464 (Guiné, 1969/70)

____________

Nota do editor

Último poste da série de Guiné 63/74 - P13351: Parabéns a você (757): Silvério Lobo, ex-Soldado Mec Auto do BCAÇ 3852 (Guiné, 1971/73)

quarta-feira, 2 de julho de 2014

Guiné 63/74 - P13357: (Ex)citações (235): A 'Máfrica' (EPI, Mafra) dos nossos verdes anos (Vasco Pires, camarada da diáspora lusitana no Brasil; ex-alf mil art, cmdt do 23.º Pel Art, Gadamael, 1970/72)

1. Comentário do nosso camarada Vasco Pires (ex-Alf Mil Art.ª, cmdt do 23.º Pel Art, Gadamael, 1970/72) (*)


Sim, a metáfora é minha, aliás, a citação.

Vamos lá, então, explicar para os mais apressados.

Muitos de nós - inclusive eu - vínhamos da Academia Coimbrã, em um momento de "clivagem", na segunda metade da década de 60 do século passado.

Mafra: Convento... Fonte desconhecida
Só para relembrar: Barricadas de Paris, De Gaulle  voa para Baden-Baden para se encontrar com Massu, Guerra do Vietname, Universidade de Kent 70...

Então, "Máfrica" exprimia a reação,  de jovens inocentes e provincianos que se julgavam na vanguarda da modernidade e pensavam que iam mudar o mundo, à disciplina militar, reforçada, por ser num curso acelerado [, o COM].(**)

No meu caso, o impacto foi "amortecido", pois dormia e comia fora do quartel [, EPI].

Quanto a juízos de valor, nada tenho contra quem os faz, todavia, eu  procuro não fazê-los. (***)

forte abraço a todos
Vasco Pires
_______________

Notas do editor:

(*) Vd. poste de 2 de julho de 2014 > Guiné 63/74 - P13355: Mafra, EPI, COM: Instruções para os instruendos (Mário Vasconcelos): IV (e última) Parte: A Máfricacomo "instituição totalitária", no sentido sociológico forte do termo...

(**) Vd. também:

1 de fevereiro de  2014 > Guiné 63/74 - P12662: A cidade ou vila que eu mais amei ou odiei, no meu tempo de tropa, antes de ser mobilizado para o CTIG (15): Mafra, Tavira, Caldas, Santarém, Vendas Novas..., nos tornaram vítimas e agentes (Vasco Pires)


...(...) O processo começava aí: "Máfrica", Vendas Novas, Tavira, Caldas da Rainha... E lá íamos nós, mais ou menos convencidos e eficientes agentes, enquadrar outros mais, pelos quartéis de Portugal e de África. Mafra e Tavira, eram o início de um processo de inserção no sistema de muitos milhares, que a propaganda chegou a fazer pensar, que estavam "dilatando a Fé e o Império". 

Mafra, Tavira, Caldas, Santarém, Vendas Novas..., nos tornaram vítimas e agentes. (...)



16 de outubro de 2012 > Guiné 63/74 - P10535: Fantasmas ...e realidades do fundo do baú (Vasco Pires) (2): Como fui parar a Gadamael, por acção do meu pai e reacção do 'Paizinho' 

(...) Meu avô materno era filho de comerciante, e como seus irmãos emigrou para o Brasil, e ao contrário deles voltou a Portugal, no fim da primeira década do século XX, casou com uma professora, que era duma família profundamente ultramontana, originaria da Madeira.

A minha infância e adolescência foi passada em escolas da região, seguida de uma passagem de cinco anos pela efervescente cena Coimbrã da segunda metade da década de 60.

Em 69, saí desse "borbulhar" de novas ideias e atitudes, para a disciplina EPI na "Máfrica" de tantos de nós. Logo começou a minha boa sorte, de ter camaradas, subordinados e superiores que me ajudaram nesta caminhada de três anos pelos quartéis de Portugal e África.

Nesta caminhada de soldado-cadete, apareceu o Raul, que era da Mealhada, professor, com família constituida, e lá rumávamos todo Domingo para Mafra. O Raul era um gordo bem humorado, que fazia todos os exercícios como qualquer atleta, mas comer do rancho já era pedir muito, logo tratou de desarranchar e alugar apartamento, e lá fui eu "no vácuo". E assim foi-se amortecendo o choque da irreverência da Academia Coimbrã, com a disciplina do quartel.

Onde quer que estejas, Raul, o meu muito obrigado! (...) 


Guiné 63/74 - P13356: IX Encontro Nacional da Tabanca Grande (44): uma seleção de fotos do Jorge Canhão...



IX Encontro Nacional da Tabanca Grande > Palace Hotel Monte Real > 14 de junho de 2014 > Mais uma foto de família.O encontro juntou 145 participantes. E o próximo, o 10º, já está marcado para 18/4/2015.


IX Encontro Nacional da Tabanca Grande > Palace Hotel Monte Real > 14 de junho de 2014 > Uma aspeto parcial da esplanada, antes dos aperitivos. Devido ao calor, os aperitivos foram servidos no interior.


IX Encontro Nacional da Tabanca Grande > Palace Hotel Monte Real > 14 de junho de 2014 > Aspeto parcial da sala onde se tomaram os aperitivos.


IX Encontro Nacional da Tabanca Grande > Palace Hotel Monte Real > 14 de junho de 2014 > Ao centro, Jorge Picado (Ílçhavo) e  o J. Casimiro Carvalho (Maia)... À esquerda, o David Guimarães (Espinho).


IX Encontro Nacional da Tabanca Grande > Palace Hotel Monte Real > 14 de junho de 2014 > Em primeiro plano, o Fernando Súcio (Vila Real) que se fartou de tirar fotos mas não mandou nenhuma para a organização...


IX Encontro Nacional da Tabanca Grande > Palace Hotel Monte Real > 14 de junho de 2014 > O J. Casimiro Carvalho e o Alexandre Coutinho e Lima


IX Encontro Nacional da Tabanca Grande > Palace Hotel Monte Real > 14 de junho de 2014 > As "nossas caras lindas"; da direita para a esquerda, a Giselda, a Maria de Lurdes (esposa do fotógrafo), a Gina e Lígia (de costas)



IX Encontro Nacional da Tabanca Grande > Palace Hotel Monte Real > 14 de junho de 2014 > A comissão organizadora: da esquerda para a direita, J. Mexia Alves, Carlos Vinhal, Luís Graça e Miguel Pessoa.


IX Encontro Nacional da Tabanca Grande > Palace Hotel Monte Real > 14 de junho de 2014 > Aspeto parcial de alçgumas meses na sala de almoço


IX Encontro Nacional da Tabanca Grande > Palace Hotel Monte Real > 14 de junho de 2014 > Um aspeto parcial do almoço, com o Joaquim Peixoto (Penafiel), em primeiro plano, de perfil

I
IX Encontro Nacional da Tabanca Grande > Palace Hotel Monte Real > 14 de junho de 2014 > O J. Casimiro Carvalho (Maia) e o Agostinho Gaspar (Leiria), mais um outro camarada, de pé,. ao meio, que não sei identificar


IX Encontro Nacional da Tabanca Grande > Palace Hotel Monte Real > 14 de junho de 2014 > O "régulo" da Magnífica Tabanca da Linha, Jorge Rosales, e o seu "secrtário geral", Zé Manel Dinis.. Dois grã-tabanqueiros de Cascais...


Fotos: © Jorge Canhão (2014). Todos os direitos reservados. {[Edição e legendagem: LG]
_______________