sábado, 15 de agosto de 2015

Guiné 63/74 - P15007: Convívios (702): Almoço comemorativo dos 50 anos do regresso da Guiné, do pessoal da CART 564, dia 3 de Outubro de 2015, em Paramos/Espinho (Leopoldo Correia)

1. Em mensagem do dia 14 de Agosto de 2015, o nosso camarada Leopoldo Correia (ex-Fur Mil da CART 564, Nhacra, Quinhamel, Binar,Teixeira Pinto, Encheia e Mansoa, 1963/65), mandou-nos a notícia do Almoço/Convívio comemorativo dos 50 anos do regresso a casa da sua unidade.


ALMOÇO/CONVÍVIO COMEMORATIVO DOS 50 ANOS DO REGRESSO DA GUINÉ DA CART 564

DIA 3 DE OUTUBRO DE 2015, EM PARAMOS


Caros camaradas
Mais uma vez "toca a reunir", desta feita para comemorar os 50 anos do regresso da Guiné a casa. 
São muitos anos e cada vez vamos sendo menos, mas as recordações não se apagam. 
Gostaria de contar com a presença do maior número possível de elementos, no dia 3 de Outubro, no mesmo restaurante "Casarão do Emigrante", junto ao Regimento de Engenharia de Paramos.

O preço é de 16 euros e vamos procurar variar um pouco a ementa.

Marcações até ao dia 25 de Setembro para os telefones: 964 024 918 ou 227 330 800.

Américo Loureiro
____________

Nota do editor

Último poste da série de 13 de agosto de 2015 > Guiné 63/74 - P14997: Convívios (701) 1º encontro da tabanca de Ferrel, 12 de agosto de 2015 - Parte I: ex-dois alferes milicianos do mesmo batalhão, o BCAÇ 619 (Catió, 1964/66) reencontram-se e abraçam-se meio século depois

Guiné 63/74 - P15006: 3 anos nas Forças Armadas (Tibério Borges, ex-Alf Mil Inf MA da CCAÇ 2726) (5): Invasão a Conakry e, Entre Cacine e Cameconde

1. Parte V de "3 anos nas Forças Armadas", série do nosso camarada Tibério Borges (ex-Alf Mil Inf MA da CCAÇ 2726, Cacine, Cameconde, Gadamael e Bedanda, 1970/72).


3 anos nas Forças Armadas (5)

Invasão à Guiné Konakry

Estava eu de férias em S. Miguel quando ao ler os jornais comecei a ver toda a literatura Salazarista. Histórias rocambolescas. Eu que estava despolitizado, achei ridículo. Eu que estava na Guiné e nada daquilo condizia com a realidade.

Ao regressar a Cacine estava o grupo de comandos africanos que tinha tomado parte na operação. Segundo diziam eles, esperava-se retaliação por parte de Konakry. O que é certo é que o tempo se foi passando e nada aconteceu. Segundo contaram, a operação foi nocturna, em barcos. Não destruíram os Migs, libertaram os militares prisioneiros portugueses mas deixaram lá um pelotão que fugiu para se aliar as tropas de Sekou, e não apanharam Amílcar Cabral. As informações que o General Spínola possuía saíram algumas incertas mas na generalidade foram bem sucedidos.

A Operação Mar Verde é uma acção singular entre todas as realizadas durante a guerra, nos três teatros de operações. Na clássica divisão dos manuais militares, que consideram três grandes grupos de operações - convencionais, especiais e irregulares -, ela pertence ao grupo das irregulares, e foi neste âmbito a de maior envergadura, complexidade e impacte internacional.

Foi realizada para obter efeitos políticos directos através da execução de um golpe de Estado em país estrangeiro, a Guiné-Conacri, por militares portugueses a actuarem com uniformes e equipamentos das forças desse país e em conjunto com elementos estrangeiros oposicionistas ao Governo, prevendo a eliminação de um chefe de Estado, Sekou Touré.

Como escreve o comandante da operação, o capitão-tenente da Marinha Portuguesa Alpoim Calvão, no seu livro "De Conacri ao MDLP", que constitui a base de informações que sobre ela se conhece, a proposta que fez ao Comandante-Chefe das Forças Armadas da Guiné tinha por objectivo principal a execução de um golpe de Estado na Guiné-Conacri, sendo os objectivos secundários a captura do líder do PAIGC, Amílcar Cabral, e a libertação dos militares portugueses prisioneiros que se encontravam em Conacry.

A operação, que nunca foi assumida por Portugal, aproveitou a existência de oposicionistas ao regime de Sekou Touré, disponíveis para participarem numa acção deste género, e visou a instalação, em Conacri, de um regime mais favorável às posições portuguesas. Para atingir este fim, foram equacionadas duas alternativas, uma prevendo a instalação no território da Guiné-Bissau de bases a partir das quais esses oposicionistas pudessem realizar acções de guerrilha no seu país, e a outra considerando o lançamento de uma operação rápida e decisiva. A análise de vantagens e inconvenientes levou os autores da proposta a optar pela segunda alternativa.

Seguiu-se um período de preparação essencialmente de âmbito político e das informações estratégicas, que envolveu o Governo de Lisboa, o Governo da Guiné e os serviços de informações de vários países, com a participação decisiva da DGS.

Por fim, realizou-se a operação militar propriamente dita, com o planeamento, a reunião dos meios, o gizar da manobra e a execução.

Este Comando às refeições comia um peixe grande inteiro e uma terrina de arroz.


Entre Cacine e Cameconde

O patrulhamento diário entre Cacine e Cameconde, passando pela Tabanca Nova, era uma tarefa diária de um dos dois pelotões sediados em Cacine. Esta tarefa abrangia todos os quatro pelotões ao dar-se a rotação mensal de Cacine para Cameconde. O maior perigo era transformar esta obrigação em rotina. Normalmente o perigo aparece durante a rotina e como tal era preciso estar sempre alerta.

O pelotão de milícias era o primeiro neste trajecto pois a picagem da rota estava à sua responsabilidade. Saíam da aldeia, onde moravam, mais cedo do que o pelotão de soldados que depois da formatura tomavam os seus lugares quer nos Unimogs ou Daimlers, quer na GMC que ia com lastro de sacos de areia, não fosse alguma mina rebentar.

A situação estratégica de Cacine era favorável a não acontecer algo de grave a não ser por flagelações e mesmo assim ficava fora do alcance das armas da altura. Aquela zona mais aberta no terreno estreitava para além da Tabanca nova, predominando uma floresta densa e intransponível. No meio duma floresta densa abria-se um círculo no qual residia o destacamento de Cameconde. Este era a defesa da retaguarda de Cacine que virada para o rio tinha como defesa natural as águas. Para entrar em Cacine pela retaguarda teria que se passar por Cameconde que numa hipótese de ataque a Cacine as hostes inimigas ficariam encurraladas. Esta deve ter sido a razão mais forte de Cacine nunca ter sido atacado.




Tabanca Nova ou Aldeia Nova

Entre Cacine e Cameconde existia um pequeno aldeamento que foi denominado Aldeia Nova em virtude da política do General Spínola albergar toda a população em novos modelos de tabancas. Estas eram feitas de blocos, palha misturada com barro ou terra, cobertas com chapas de zinco. Muitos nativos depois cobriram o zinco com a cobertura das suas tão naturais palhotas pois o calor em chapa de zinco dava para esturrar.

Nesta localidade fazíamos sempre uma breve paragem. Aconteceu numa dessas paragens que o soldado que ia na GMC tendo por responsabilidade a metralhadora Browning disparou uma rajada que por sorte não apanhou ninguém.




Cameconde

Cameconde era o último reduto do Sul da Guiné. Para além de Cameconde ficavam uns trilhos que iam dar a terras fora do nosso controlo (Cacoca ou Quitafine). Este destacamento já ficava ao alcance dos morteiros dos turras e como tal ao anoitecer chegava a hora “sexual”. Banho tomado, ouvido à escuta e todos os dias era esta tensão do ser ou não atacado à morteirada. Este destacamento possuía bons abrigos, feitos de betão ou cimento armado, uma boa camada de areia por cima e com troncos de árvores o que de certa forma dava para proteger de granadas que viessem a cair em cima.
Este destacamento ficava no meio do mato numa clareira aberta mesmo para implantar tropas neste ponto estratégico. Num ângulo do trilho que vinha da aldeia nova e que se desviava para o interior, Cameconde era uma autêntica prisão no meio da floresta. A guerra morava nesta zona.
Os patrulhamentos faziam-se no trilho que dava para além de Cameconde. Tudo era verde, um verde bonito, com as mais diversas aves a chilrear, bonitas, com os bandos de macacos que repentinamente nos assustavam e que ao longe pareciam cães a ladrar.
No início todos os ruídos eram estranhos mas aos poucos fomo-nos habituando ao mundo que nos rodeava. Lembro-me uma vez que ao ver um bando de macacos empoleirados nas árvores atirei um tiro acertando na mão dum deles. Toda a gente se atirou para o chão. E como gostava de desvendar fomos sempre em frente até uma zona em que ouvimos gente a falar. Segundo o comandante das milícias era uma aldeia que ficava ali.


Acordando depois de uma noite protegido com o mosquiteiro e a ventoinha ao fundo da cama e por dentro do mosquiteiro, tal era o calor. Muitas vezes acordava repentinamente com a ventoinha a bater-me nos pés. Outras vezes acordava com os pés fora do mosquiteiro e cheios de mosquitos. Sei que tomava os meus comprimidos e nunca apanhei doenças tropicais.


O corte do cabelo era obrigatório e para isso havia barbeiro na companhia. Cercados, sem nada para fazer, as brincadeiras faziam parte do dia a dia. Imitar o barbeiro era uma delas.



Como nem sempre a cerveja sabia bem, dependia do momento, antes de sair para um patrulhamento colocava no congelador do frigorífico, que trabalhava a petróleo, umas três latas de leite, vindos da Holanda.



Em Cameconde havia a artilharia pesada, o obus 14, um meio essencial na nossa defesa e que segundo informações que tínhamos metia muito respeito ao outro lado da barricada. Atingia uma distância muito boa e para bater zonas mais perto dispúnhamos do morteiro 80 e 60, cujas granadas varriam a zona periférica do destacamento. Para colocar a granada no obus 14 eram normalmente dois homens que o faziam. Era um rebuçado com 45 kg. Estas armas de artilharia estavam protegidas com bidões cheios de terra ou areia.
Na nossa companhia os diversos sectores, artilharia, Daimler e companhia que englobava comunicações, mecânica e pelotões, eram independentes na rendição. Evidentemente todos sob o comando do capitão.






Como tinha a especialidade de minas e armadilhas, o paiol estava por minha conta. A requisição de munições era feita na medida das necessidades, com antecedência. Ao chegar a Cacine havia muitas munições fora de prazo e já com ferrugem pelo que adquiri novo material. Com o material velho comecei a minar Cameconde, um nada dentro da floresta.

E chegou a nossa vez de sermos rendidos.

(Continua)

Texto e fotos: © Tibério Borges
____________

Nota do editor

Poste anterior da série de 5 de agosto de 2015 > Guiné 63/74 - P14974: 3 anos nas Forças Armadas (Tibério Borges, ex-Alf Mil Inf MA da CCAÇ 2726) (4): Cacine

Guiné 63/74 - P15005: História do BART 3873 (Bambadinca, 1972/74) (António Duarte): Parte XXVI: março de 1974: regresso a casa 27 meses depois...

1. Continuação da publicação da História do BART 3873 (que esteve colocado na zona leste, no Setor L1, Bambadinca, 1972/74), a partir de cópia digitalizada da História da Unidade, em formato pdf, gentilmente disponibilizada pelo António Duarte (*)


[António Duarte, ex-fur mil da CART 3493, a Companhia do BART 3873, que esteve em Mansambo, Fá Mandinga, Cobumba e Bissau, 1972-1974; foi transferido para a CCAC 12 (em novembro de 1972, e onde esteve em rendição individual até março de 1974); economista, bancário reformado, formador, com larga experiência em Angola; foto atual à esquerda].



O destaque do mês de março de 1974 (cap II, p. 89) vai para:o fim da comissão do BART 3873, no setor L1,  e sua partida para Bissau, de LDG, em 8 de março. Acerimónia de despedida teve lugar no quartel do Depósito de Adidos em 21. No início de abril, o pessoal começou a regressar à metrópole atravaés dos TAM - Transportes Aéreos Militares. Vinte e sete meses depois da partida (que fora em finais de 1971)...

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Guiné 63/74 - P15004: O segredo de... (24): Segredo desvendado (Domingos Gonçalves, ex-Alf Mil da CCAÇ 1546)

1. Mensagem do nosso camarada Domingos Gonçalves, (ex-Alf Mil da CCAÇ 1546/BCAÇ 1887, Nova Lamego, Fá Mandinga e Binta, 1966/68) com data de 8 de Agosto de 2015:


Segredo desvendado*

Num certo dia, quando estávamos quase em fim de comissão, depois do jantar o capitão chamou-me, e disse-me:
- Mande preparar o pelotão para, pelas sete horas de amanhã, escoltar uma coluna de viaturas, para Farim.
- Qual a finalidade? - Perguntei-lhe.
- Trazer um envelope, com oitenta contos, para pagamento ao pessoal nativo.

De imediato tomei as medidas necessárias para que no amanhecer do dia seguinte tudo estivesse pronto para ir a Farim.
Acontecia que as lanchas da Marinha, que patrulhavam o rio Cacheu, acostavam muitas vezes no cais de Binta. Foi o que aconteceu naquela noite. Como tinha um bom relacionamento com os marinheiros, fui jogar cartas para uma das lanchas.

Em conversa normal, disse ao patrão da lancha que na manhã seguinte ia a Farim.
- Que vão lá fazer? - Perguntou-me.
- Buscar o dinheiro para pagar ao pessoal nativo. - Respondi-lhe.
- Se é só isso, - continuou ele ., nós damos-te boleia.

Aproveitei a disponibilidade dos marinheiros e combinei aparecer no cais, às sete horas do dia seguinte. Entretanto, avisei os furriéis no sentido de manter o pelotão pronto para sair, mas que isso talvez não fosse necessário.
Quando regressei, para dormir, o capitão não estava. Esfreguei as mãos de contente, pois não se podia queixar, ou acusar-me de não lhe ter dito.

Às sete da manhã, quando fui para o cais, ele dormia. Esfreguei de novo as mãos. Entrei na lancha, pelas nove horas levantei o dinheiro na secretaria do batalhão, e regressei a Binta, todo satisfeito, ao leme da lancha, feito turista.

Desembarquei, agradeci a gentileza aos marinheiros, e entreguei o dinheiro ao sargento da companhia. O capitão continuava a dormir.

Entretanto, o sargento mandou chamar os caçadores nativos, para proceder ao respectivo pagamento. O espaço onde funcionava a secretaria ficava ao lado do quarto do capitão. Quando chegaram para receber, os nativos fizeram barulho, e o capitão acordou, mas mal disposto.

Ainda em trajes menores, abriu a porta do gabinete e foi perguntar ao sargento:
- Mas que barulho é este? O que se passa aqui?
- Não se passa nada. Estou a pagar a este pessoal.

Sempre com voz exaltada continuou:
- O Gonçalves já chegou?
- Já, meu capitão. - Respondeu-lhe. Já me entregou o dinheiro.
- É um irresponsável. Não picou a estrada.

E mandou-me chamar.
Quando estava, já, na presença dele, vociferou um palavrão, e disse-me:
- É um irresponsável. Não picou a estrada.
- Não foi necessário. Fui a Farim, na lancha da Marinha.
- Não foi pela estrada?
- Não. Arranjei boleia.
- Desobedeceu a uma ordem! Isso é grave!
- Pois desobedeci. Mas a companhia tem falta de gasolina, e eu poupei.lhe algumas dezenas de litros. E poupei o pessoal, que anda cansado, até doente. Mais, a mais, no rio ainda não há minas.
- Vou dar-lhe uma porrada.

Naquele momento, a conversa ficou encerrada.
Ainda nesse dia, o sargento veio ter comigo, dizendo-me:
- Olhe que o capitão vai mesmo dar-lhe uma porrada.
- A sério?
- Sim, a sério. Já me pediu o RDM, para ver o castigo a aplicar.

Naquela altura, quase no fim da comissão, uma porrada era algo complicado. No entanto, disse ao sargento:
- Diga-lhe que eu até esfreguei as mãos, de contente, quando me falou no assunto. A tal porrada, não vai ser um castigo, mas sim um prémio.
- Um prémio?
- Sim, um prémio. Não terei mais de o aturar. Quer prémio melhor?

Não sei se o sargento trocou com o capitão mais alguma conversa, sobre o assunto. O certo é que os dias foram passando, e acabei por não sofrer porrada nenhuma.
____________

Notas do editor

(*) Outro segredo de Domingos Gonçalves no poste de 7 de agosto de 2015 > Guiné 63/74 - P14981: O segredo de... (22): O problema não eram os pecados, - os nossos segredos -. O problema acontecia quando quem mandava em nós desvendava os pecados (Domingos Gonçalves)

Último poste da série de 10 de agosto de 2015 > Guiné 63/74 - P14991: O segredo de... (23): Histórias escondidas com o rabo de fora (Mário Vitorino Gaspar)

Guiné 63/74 - P15003: Notas de leitura (747): “A Epopeia da LDM 302”, por A. Vassalo, em BD, Edições Culturais da Marinha, 2011 (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 1 de Setembro de 2014:

Queridos amigos,
Não deve haver história mais rocambolesca de uma lancha da Armada como a 302 que A. Vassalo descreve com vivacidade e grande didatismo.
Primeiro, contextualiza a guerra e revela quais as unidades da esquadrilha de lanchas na Guiné. A 302 entra em cena, parece afundar-se, os seus marinheiros revelam heroísmo, recuperada volta a atividade e incendeia-se, será novamente rebocada até Ganturé. Recuperada, não voltará ao rio Cacheu, estará operacional no rio Grande de Buba.
Nesta sua nova área de atuação, virá novamente a ser atacada, na foz do rio Uajá. Irá ser desmantelada depois de toda esta saga em Novembro de 1972.
A. Vassalo homenageou tocantemente uma lancha e quem nela combateu, pena é que esta BD não tenha mais notoriedade e possa ser facilmente adquirida.

Um abraço do
Mário


A Epopeia da LDM 302

Beja Santos

A. Vassalo é um nome já conhecido dentro da nossa confraria, em termos de BD relacionada com a guerra da Guiné é mesmo um nome proeminente que dispomos. Publicado pelas Edições Culturais da Marinha em 2011, a BD “A Epopeia da LDM 302” não desiludirá os aficionados e mesmo de quem gosta de história. O blogue dos especialistas da Base Aérea 12, sempre atentos ao que se publica sobre o nosso território de bolanhas e lalas, já tinha dado notícia pormenorizada que, com a devida vénia, aqui se reproduz:

“A LDM 302 foi aumentada ao efetivo dos navios da Armada em 18 de Janeiro de 1964. Chegou à Guiné Bissau a bordo de um navio da Marinha Mercante. Era seu patrão de então o marinheiro de manobra n.º 2156, Aristides Lopes. Após um curto período de adestramento da guarnição, foi atribuída ao DFE 2, ao qual competia a fiscalização da zona do rio Geba. De 9 a 11 de Abril, pela primeira vez, em conjunto com a LDM 101, 201, LFG Escorpião, LFP Canopus e os DFE’s 8 e 9, foi incluída numa missão de apoio e transporte de fuzileiros, levada a cabo no rio Cumbijã.

Em 22 de Abril, conheceu o batismo de fogo. Frente a Jabadá quando, em conjunto com mais três LDM’s procedia a um desembarque de fuzileiros, o inimigo tentou opor-se com fogo de armas ligeiras, mas não conseguiu evitar o desembarque.

No dia 22 de Julho, foi atacada pela segunda vez, desta feita no rio Cacheu, em Porto de Coco. O inimigo, emboscado nas margens, utilizou metralhadoras pesadas e morteiros, sem consequências. Durante o resto do ano de 1964, tomou parte em várias operações do rio Geba e recolheu ao Serviço de Assistência Oficinal, para benfeitorias, protegeu-se com chapa balística a casa do leme e o escudo da peça Oerlinkon de 20mm.

1965 veio a revelar-se para a LDM 302 um ano muito duro. No dia 4 de Fevereiro, em frente de Tambato Mandinga, no rio Cacheu, foi violentamente atacada mas margens com morteiros e metralhadoras ligeiras, sofrendo trinta impactos no costado e superestruturas. A lancha foi atingida e com o patrão gravemente ferido ficou sem leme, entrando pelo tarrafo da margem norte. Os ramos vergaram de imediato e, de seguida, ao recuperarem a posição normal, projetaram LDM que recuou, ficando à deriva. A lancha metia água e afundava-se rapidamente de popa. Sentindo, de todo, que o navio estava perdido, os artilheiros viram-se forçados a abandonar a peça, tentando então o telegrafista socorrer o patrão. Fez um esforço para o por de pé mas foi de todo impossível. Fora atingido em cheio, estava quase cortado em dois.

O inimigo deixou de fazer fogo. O telegrafista, o mais antigo depois do patrão, assumiu o comando e deu ordem para abandonar a lancha. Arriaram então o bote de borracha, colocaram lá dentro o patrão, nessa altura já morto, os papéis de bordo e uma G3, dirigiram-se para a margem e esconderam-se no tarrafo. Era imperioso ir alguém a Bigene, o aquartelamento do Exército mais próximo, situado a cerca de 3 quilómetros e regressar com socorros. Sendo os restantes elementos novos na guarnição e o telegrafista o único conhecedor da zona, empunhou a arma e foi ele próprio, conseguindo lá chegar coberto de lama e sem percalço pelo caminho. Entretanto, a LDM 304, que navegava não longe do local, alertada pela ruído das explosões, dirigiu-se ao local, deparando, para espanto da guarnição, com uma lancha totalmente afundada. Passaram-lhe um cabo de reboque e seguiram rio abaixo, avistando pouco depois os sobreviventes que embarcaram. Mas nesse dia a má sorte acompanhava a LDM 302. Ao aportarem a Ganturé, local escolhido para encalhar a lancha, o artilheiro Carvalho, que saltara do bote para a 302, a fim de manobrar os cabos de reboque, caiu à água e nunca mais foi visto.

A LDM 302 seria rapidamente recuperada e voltaria a navegar. No dia 4 de Outubro, no rio Armada, um afluente do Cacheu, em missão de transporte de forças terrestres, foi atacada das margens, resultando dez feridos ligeiros. Novamente, em 28 de Outubro, a leste de Farim, na margem do Cacheu, foi alvejada sem consequências. Foi de relativa tranquilidade 1966. Trágico viria a revelar-se o ano de 1967. A 19 de Dezembro, pelas onze horas, a 302 descia o rio Cacheu, margens de tarrafo denso a entranhar-se pelo rio. No leme, o patrão, marinheiro de manobra Domingos Lopes Medeiros; nos seus postos, junto à Oerlinkon, os marinheiros artilheiros Manuel Luís Lourenço e Silva e Manuel Santana Carvalho; no posto telefonia, o marinheiro telegrafista Joaquim Claudino da Silva; e na MG 42 o marinheiro fogueiro Manuel Fernando Seabra Nogueira. A lancha deixara para trás uma das muitas curvas sinuosas do rio e passava frente à clareira de Tancroal. Subitamente, observaram-se fumos na margem sul à boca de peças e, quase de seguida, fortes rebentamentos. O navio estremeceu violentamente e os motores paravam. Estavam sob violentíssimo ataque de canhão sem recuo, lança-granadas foguetes e ainda metralhadoras”.



Página alusiva ao ataque que a 302 sofreu em Porto Coco, em 19 de Dezembro de 1967, em que tudo parecia acabado

Confronto no rio Cacheu em 19 de Junho de 1969, incêndio na 302. Resta dizer que no dia 27 de Junho de 1972, a 302 passou à situação de desarmamento, parar ser abatida em 30 e Novembro desse ano. Acabava assim a saga de uma lancha que foi uma autêntica Fénix Renascida.
____________

Nota do editor

Último poste da série de > 10 de agosto de 2015 > Guiné 63/74 - P14990: Notas de leitura (746): O “Ericeira”: nos primórdios da BD sobre a guerra colonial (Mário Beja Santos)

Guiné 63/74 - P15002: Blogpoesia (419): as romarias do Portugal profundo que teima em não morrer...(J. L. Mendes Gomes)


Marco de Canaveses > Paredes de Viadores > Candoz > Quinta de Candoz  > Girassol, símbolo do nosso querido mês de agosto, o mês das festas do Portugal profundo que ainda teima em não morrer... Os mais velhos, nas aldeias do interior, queixam-se de que os mais novos não querem mais saber das tradições populares...


Foto (e legenda): © Luís Graça (2015). Todos os direitos reservados




O poeta J. L. Mendes Gomes,
ex-alf mil, CCAÇ 728,
Cachil, Catió e Bissau, 1964/66;
autor de Baladas de Berlim
 [Lisboa, Chiado Editora, 2013, 229 pp.]
Romarias

por J. L. Mendes Gomes


Em Agosto multiplicam-se as        
               [festas pelo meu País.
Há foguetes.
Se estreiam roupas.
Fazem-se farnéis
e, pela sombra fresca,
sobe-se aos montes.
Fazem-se festadas.
Toca-se viola.
Dançam as moças,
estremecem-lhe os seios,
mostram as pernas.
à rapaziada.

Até os pedintes,
de mão estendida,
expõem as chagas,
morrem de esperança.
Há o sermão de entrada.
Das boas vindas.
Um prégador distinto.
E, pelas tendas de pano,
serve-se o vinho,
caneca ou canada.

Tanta alegria brilhando nos olhos.
E a pequenada corre atrevida,
ao meio da mata,
no foguetório.
Buscam as canas
para o papagaio.
Na procissão, passam andores,
nos ombros bem firmes
da rapaziada.
Chovem flores.
Há rosmaninho.
Anjinhos que choram,
vão de mão dada.
E os corações batem tão quentes.
Se enlaçam as famílias.
É dia de festa!...

Mafra, 1 de Agosto de 2015, 17h50m

Joaquim Luís Mendes Gomes
_______________

Nota do editor:

Último poste da série > 21 de julho de  2015 > Guiné 63/74 - P14913: Blogpoesia (418): J. L. Mendes Gomes, em mês de aniversário natalício: seleção de cinco baladas de Berlim, Roses e Mafra

Guiné 63/74 - P15001: Memória dos lugares (313): Ferrel, agora também nome de tabanca de que é régulo o nosso novo grã-tabanqueiro Joaquim Jorge... A freguesia teve centena e meia de combatentes durante a guerra colonial...

Ferrel; brasão de armas
1. A nova tabanca de Ferrel, cujo régulo é o nosso grã-tabanqueiro nº 698, Joaquim da Silva Jorge, mais conhecido por Jorge (*), fica em Ferrel, vila e sede de freguesia do concelho de Peniche.

Segundo informação do sítio da junta de freguesia local, Ferrel tem cerca de 3 mil habitantes, e mais de 2500 eleitores, ocupa uma área de 1360 ha, e confronta a norte com o oceano Atlântico, a sul com a freguesia de Atouguia da Baleia (Peniche), a nascente com o concelho de Óbidos e a poente com a freguesia de Ajuda (Peniche).

Sabemos que o nosso camarada Joaquim Jorge está escrever as memórias da sua terra... Alguns dos muitos capítulos do futuro livro estão quase fechados como o do dedicado à guerra colonial: Ferrel mandou 150 dos seus filhos para a(s) guerra(s) do ultramar! Dois deles morreram, um em combate (Henrique Ferreira da Anunciação Costa), e outro por doença (Armindo Victorino Henriques), e por sinal no TO da Guiné.
 
Outros dados:

 (i) atividades económicas: agricultura (e nomeadamente horticultura), construção civil e comércio;

(ii) padroeiro: N. Sra. da Guia;

(iii) festas e romarias: Padroeira (5 de Agosto), Bom Jesus (ao 4.º fim de semana de setembro), Santa Quitéria (último fim de semana de outubro);

(iv) património cultural e edificado: capela de Nossa Senhora da Guia (séc. XVI), em Ferrel, e capela St.º Estêvão, no Baleal;

(v) outros locais de interesse turístico: praia do Baleal e praia da Almagreira;

(vi) coletividades: Associação Recreativa Cultural Desportiva de Ferrel, Associação Rancho Folclórico "Os Camponeses da Beira-mar de Ferrel", Associação de Solidariedade Social, Associação para o Jardim-de-infância e Associação Juvenil de Ferrel.



Peniche > Ferrel > Localização > Fonte: Wikipédia (com a devida vénia)

2. História administrativa da vila e freguesia de Ferrel

Em 12 de julho de 1985 foi aprovada pela Assembleia da República a constituição da freguesia de Ferrel (que viria a ser fundada em 4 de outubro de 1985, e que até então fazia parte da freguesia da Atouguia da Baleia).

Em 22 de junho de 2011 foi aprovada pela Assembleia da República a elevação da povoação de Ferrel, no município de Peniche, à categoria de vila (Diário da República, 1.ª série — N.º 119 — 22 de Junho de 2011 Lei n.º 39/2011).

Constituída, na sua maioria, por uma população desde sempre dedicada à agricultura, Ferrel, mercê da sua privilegiada localização geográfica, banhada pelo Atlântico e com um magnífico pinhal, vê nos dias de hoje abrirem-se as portas do turismo.

A freguesia é composta pelas localidades de Ferrel, Baleal, Sol Village I, Sol Village II e Casal da Lagoa. Ferrel está situada a 5 Km da cidade de Peniche, sede de concelho.

A praia do Baleal,  descrita por Raul Brandão como "a mais bela das praias de Portugal",  é o ex-líbris da freguesia.

É desconhecida a data exacta em que as atuais terras da freguesia começaram a ser habitadas, mas supõem-se que terá ocorrido durante o início do séc. XVI. (Fonte: Junta de freguesia de Ferrel. Adaptado)


3. História e lenda de Ferrel

Há quem sugira que o primitivo lugar de Ferrel, muito perto do Baleal (na junção do istmo com o continente), tenha sido fundado por homens do mar.

Na verdade, sendo o litoral rico em pescarias, por que não admitir que um grupo de mareantes, ou pescadores, reconhecendo essa riqueza, não tenha resolvido colher as velas (ferrar) e lançar ferro (aferrar) ali defronte à antiga ilha do Baleal?

Mais tarde, possivelmente em face do assoreamento que, à semelhança do fenómeno ocorrida com Peniche, ligou a ilha ao continente, talvez que a fertilidade dos terrenos do atual Ferrel os tenha tentado mais para o interior, procurando a cultura dos campos…

Aliás, a ideia de um grupo de mareantes, lançando o grito de «ferremos aqui» como anda, em linguagem piscatória, na boca do povo, mas não estava muito longe da possível verdade.

(...) A lenda conta que, há muitos anos, um barco de espanhóis pescava na nossa costa mas perdeu-se com o forte nevoeiro que se fazia sentir.

A tripulação de barco (homens e mulheres) começaram a gritar pela Nossa Senhora das Neves que os guiasse no nevoeiro (daí a padroeira da terra ser a nossa senhora da Guia).

Ou foi o destino que assim (que se) o quis, ou a neblina tinha de passar, assim que se viram livres de perigo disseram uns para os outros:
- Ferremos aqui!

Com o passar dos anos, esta aldeia deixou de ser Ferrer, como os pescadores lhe chamavam,  para ser Ferrel, nome que ainda hoje perdura.

Ainda hoje de modo a justificar o nome da aldeia, os mais velhos afirmam que este provém do facto de haverem uns certos “antigos” que gritavam, com um tom de voz em esforço, uma expressão semelhante a: “Aferreil, aferreil”!

Fonte: Cortesia de Junta de freguesia de Ferrel 


Peniche > Vila e sede de freguesia de Ferrel > 12 de agosto de 2015 > 1º convívio da Tabanca de Ferrel, de que é regulo o Joaquim Jorge > Painel de azulejos no exterior do edifício do lavadouro público > Autoria de Gameiro Diniz, 1997 > Pormenor (1)


Peniche > Vila e sede de freguesia de Ferrel > 12 de agosto de 2015 > 1º convívio da Tabanca de Ferrel, de que é regulo o Joaquim Jorge > Painel de azulejos no exterior do edifício do lavadouro público > Autoria de Gameiro Diniz, 1997 > Pormenor (2): Legenda; "Lavando no Rio Catrina"


Peniche > Vila e sede de freguesia de Ferrel > 12 de agosto de 2015 > 1º convívio da Tabanca de Ferrel, de que é regulo o Joaquim Jorge > Painel de azulejos no exterior do edifício do lavadouro público > Autoria de Gameiro Diniz, 1997 > Conjunto


Peniche > Vila e sede de freguesia de Ferrel > 12 de agosto de 2015 > 1º convívio da Tabanca de Ferrel, de que é regulo o Joaquim Jorge > Painel de azulejos no exterior do edifício do lavadouro público > Autoria de Gameiro Diniz, 1997 > Pormenor (3):  Legenda: "Lavando no rio Tuel".


Peniche > Vila e sede de freguesia de Ferrel > 12 de agosto de 2015 > 1º convívio da Tabanca de Ferrel, de que é regulo o Joaquim Jorge > Painel de azulejos no exterior do edifício do lavadouro público > Autoria de Gameiro Diniz, 1997 > Pormenor (4):  Legenda: "Rio de Trás: depois da lavagem, é o regresso a casa".

Fotos (e legendas): © Luís Graça (2015). Todos os direitos reservados
_______________

Notas do editor:

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Guiné 63/74 - P15000: Efemérides (195): O Furriel Júlio de Lemos faleceu na Guiné no dia 12 de Agosto de 1965 (Mário Leitão, Ex-Fur Mil da Farmácia de Luanda)

Mensagem do nosso camarada António Mário Leitão, ex-Fur Mil da Farmácia Militar de Luanda, dirigida ao nosso editor Luís Graça em 12 de Agosto de 2015:

Camarada,
Envio-te uma crónica que vai ser publicada amanhã no semanário CARDEAL SARAIVA, de Ponte de Lima. Dá-lhe o tratamento que entenderes, por favor.
O mesmo trabalho foi enviado pra UTW, para mais ampla difusão.

Aproveito para te dizer que o teu blog tem sido muitíssimo útil para as minhas pesquisas para a obra que poderá chamar-se "Participação limiana na Guerra do Ultramar", em vários volumes.
O primeiro refere-se apenas aos 52 Heróis Limianos que a guerra provocou.
Darei sempre notícias sobre ela.

Parabéns pela vossa extraordinária generosidade, que vai deixar para os nossos descendentes um acervo gigantesco de informação sobre a Guerra do Ultramar.

Abraço para todos do
Mário Leitão
Ex-Furriel da Farmácia Militar de Luanda


************

O Furriel Júlio de Lemos morreu há 50 anos

O Furriel Júlio Lemos, no final de uma operação complicada (em que a retirada exigiu cobertura aérea de morteiros, solicitada por via rádio a um pelotão de apoio da mesma companhia de caçadores) e quando a sua unidade de combate se preparava para proceder ao atravessamento do rio Bissilon (Bissilão), afluente do Rio Louvado, na região de Tite, tomou a iniciativa de efectuar a travessia a nado, com outro camarada de Guimarães. Algo correu mal. Nunca mais foi encontrado, mesmo depois das buscas efectuadas por meios navais. Tal facto terá estado relacionado com o seu pesado equipamento e com o efeito do macaréu, verificado no momento, que agravaram as condições lodosas características daqueles rios.

(Adaptado dos testemunhos que os seus camaradas publicaram no sítio da Internet “Luís Graça e Camaradas da Guiné”)

 Ponte de Lima, 12 de Agosto de 2015

************

No dia 12 de Julho de 1965 o Furriel Júlio de Lemos Pereira Martins morreu no decurso de uma operação, desaparecendo no leito lodoso de um rio guineense. Foi precisamente há 50 anos, mas parece que foi ontem que o drama da sua morte abalou a pacatez da nossa Vila. Recordo-me da tarde em que o comércio limiano fechou meias portas em sinal de pesar, como então se fazia. Eu tinha 16 anos e vinha da Vila Morais, de um ensaio para as récitas que o Teatro Académico Limiano fazia naquele tempo, nas férias grandes. Ao passar junto do mictório que dantes existia na parede nascente do quintal do então “Asilo dos Velhos” (a escassos metros do local onde está hoje a estátua de Norton de Matos), vi um grupo anormal de pessoas junto às portas do Restaurante GAIO, propriedade de seu tio Manuel Lemos, irmão de sua mãe Maria da Conceição Lemos(1). Aproximei-me e senti pessoas a chorar, algumas convulsivamente, ao mesmo tempo que ouvi alguém dizer “o Júlio LAIPUM morreu na guerra!”.

Esta cena e o ar pesado que se respirava na Pharmacia Brito, onde não se falava de outra coisa, ficaram gravados na minha memória e fizeram-me recordar aquele rapaz do Externato Cardeal Saraiva, sete anos mais velho do que eu, que fez parte do grupo de “matulões do 5.º ano” que me baptizou em Outubro de 1958, quando eu entrei para a 4.ª classe e admissão aos liceus: Júlio de Lemos, Júlio Vilar, Henrique Ramalho, Celso Barbosa, João Carvalho, Carlos Torres (TITÁ), Horácio, Alberto “TALENTE” e outros. E foi a partir desse acontecimento que eu passei a conhecer a realidade da guerra que se travava nas províncias ultramarinas e a compreender as aflições em que minha Mãe vivia, ao pensar que o filho mais velho (meu irmão Afonso Manuel) iria às inspecções militares no ano seguinte. Numa das fotografias, Júlio Martins aparece em primeiro plano (segundo a contar da esquerda) com um grupo de estudantes do externato, tirada aos 15 anos de idade (1957).

 Furriel Júlio de Lemos

Ontem, quarta-feira, 12 de Julho, um grupo de amigos do Furriel Júlio de Lemos participou numa missa por sua alma, na Igreja Matriz. Foi um lindo momento de oração pelo descanso eterno de um Amigo de juventude que só viveu 23 anos, ao qual se seguiu uma romagem de saudade até ao Memorial dos Heróis do Ultramar, junto aos Paços do Marquês, onde lhe prestaram homenagem e depositaram flores(2).

Aqui fica para a posteridade a nostalgia que nesta hora a todos nos invade. Que os vindouros saibam que o drama da Guerra do Ultramar foi uma coisa medonha que se abateu sobre os seus intervenientes e suas famílias, e que marcou as nossas vidas para sempre. Descanso eterno para o Furriel Júlio de Lemos, da Companhia de Caçadores 797, que operou no teatro de guerra da Guiné Portuguesa!
____________

Notas:

(1) Ver a crónica “Chico LAIPUM”, no C. Saraiva n.º 4505, de 12/12/2013.

(2) Relacionadas com o Furriel Júlio de Lemos, com a sua família e com outros temas da Guerra do Ultramar, a rubrica Gente Limiana já publicou: “Andam a morrer Veteranos”, CS n.º 4390, de 17/06/2011;
“Em nome da Pátria”, CS n.º 4394, de 15/07/2011;
“Os Mancebos de 66”, CS n.º 4430, de 20/04/2012;
“O Milo e o Zé”, CS n.º 4445, de 10/08/2012;
“As inspecções militares de 1962”, CS n.º4446, de 24/08/2012;
“Encontro dos Inspeccionados de 66”, CS n. º 4447, de 31/08/2012;
“Reunião dos Apurados de 62”, CS n.º 4457, de 23/11/2012;
“Heróis esquecidos”, CS n.º 4491, de 16/08/2013;
“Não voltaram todos”, CS n.º 4492, de 23/08/2013;
“Missão cumprida”, CS n.º 4493, de 19/09/2013;
“Páginas da História Limiana”, CS n.º 4519, de 03/04/2014;
“Dia do Combatente Limiano”, CS n.º 4540, de 04/09/2014;
“Morreram tão novos!”, CS n.º 4573, de 28/06/2015;
“Foram à guerra e não voltaram”, CS n.º 4574, de 04/07/2015.

(Artigo de Mário Leitão, publicado no semanário “Cardeal Saraiva” de 13/08/2015)
(gentelimiana@gmail.com)
____________

Nota do editor

Último poste da série de 9 de julho de 2015 > Guiné 63/74 - P14854: Efemérides (194): No passado dia 20 de Junho, em São Miguel, foram inauguradas as obras de conservação e renovação do Museu Militar Militar dos Açores e impostas ao nosso camarada Carlos Cordeiro, a Medalha Comemorativa das Campanhas e a Medalha de Cobre de Comportamento Exemplar (José Câmara)

Guiné 63/74 - P14999: Nas férias do verão de 2015, mandem-nos um bate-estradas (20): Recordações "non gratas" da guerra da Guiné Operação Tridente (José Colaço)

1. Mensagem do nosso camarada José Colaço (ex-Soldado TRMS da CCAÇ 557, Cachil, Bissau e Bafatá, 1963/65), com data de 4 de Março de 2015:

Recordações da CCAÇ 557, cinquenta e cinco dias a ração de combate, cerca sessenta dias sem mudar de roupa e banho idem. Se a água era racionada para beber pensem bem no que seria em termos de higiene, excepção à secção que fazia escolta à lancha de reabastecimento de agua e géneros, que aproveitavam a ida a Catió para fazerem um pouco de higiene pessoal "e outras necessidades fisiológicas".

Mas o subsector do Cachil era de facto um mundo à parte, nunca o comandante, Tenente-Coronel Matias ou os seus oficiais, fizeram qualquer chamada de atenção para a apresentação dos militares como alguém lhe chamou "a esquálida e esgroviada" Companhia de Caçadores 557.
Outras estórias há para contar mas fico por estas duas que considero mais dignas de registo.

Abrigo "Cova do Comando" da CCAÇ 557 no Cachil. A começar da esquerda: o 1.º Cabo Enfermeiro Leiria; 1.º Cabo Rádiotelegrafista Joaquim Robalo Dias; Dr. Rogério Leitão, que já partiu; atrás o 1.º Cabo Enfermeiro António Salvador, e por último, de quico, a sair do buraco, eu, Soldado de Transmissões José Colaço. 

As barbas com cerca de 90 dias. Os cabelos já tinham levado um corte para melhor se aguentar o calor. Aquela "divisória" entre o 1.º Cabo Dias e Dr. Rogério, é uma cobra que durante a noite se lembrou de nos assaltar o abrigo e que só de manhã com a luz do dia foi detectada a um canto da cova. Foi condenada à morte pela catana de um milícia. 
 
Foto tirada antes da nossa retirada do Cachil, na saída do aquartelamento para o cais. A partir da esquerda: 1.º Cabo Mecânico Burrica, que também já nos deixou, o tal Cabo que deu lixa de água ao Furriel Santos Oliveira para recuperar o tubo do morteiro 81 danificado por uma granada que ficou encravada na noite de 16/11/1964; segue-se o Condutor Russo (por ser louro); eu, José Colaço, e o 1.º Cabo Operador Cripto Bernardino Lourenço Valadas.

Um abraço
Colaço
____________

Último poste da série de 12 de Agosto de 2015 > Guiné 63/74 - P14994: Nas férias do verão de 2015, mandem-nos um bate-estradas (19): Festa de Ferrel, 2015 - a burricada... Afinal, o que é faz correr o/a burro/a, a cenoura ou o chicote?... E hoje há sardinhada na nova tabanca de Ferrel, organização do régulo Joaquim Jorge, coadjuvado pelo régulo da tabanca de Porto Dinheiro, Eduardo Jorge Ferreira... De Lisboa vem expressamente o João Sacôto (Luís Graça)

Guiné 63/74 - P14998: Guiné, Ir e Voltar (Virgínio Briote, ex-Alf Mil Comando) (X Parte): Barro, Bigene; Bigene, Barro

1. Parte X de "Guiné, Ir e Voltar", enviado no dia 10 de Agosto de 2015, pelo nosso camarada Virgínio Briote, ex-Alf Mil da CCAV 489, Cuntima e Alf Mil Comando, CMDT do Grupo Diabólicos, Brá; 1965/67.


GUINÉ, IR E VOLTAR - X

Barro, Bigene

Isto por aqui estava tudo calmo. Agora parece que chegou a nossa vez, parece não, chegou mesmo. Isto é complicado, o nosso governo tenta manter esta merda sob controlo, estamos aqui quê, 15, 20 mil gajos, não? Não é pela Guiné, claro, esta terra não tem nada, por outro lado é preciso ver, os soviéticos querem manter o Salazar sob pressão, estás a ver, dispersão de esforços, para a malta não se concentrar em Angola, petróleo, diamantes, madeira e tal, a Guiné é água e mosquitos, fazem-me a vida num inferno, os filhos da puta picam-me até dentro dos lençóis, grandes cabrões, aqui não há mais nada, é ou não é?
É pá, falam da ONU, a ONU é outro buraco, dali não sai nada para nós, pá, o Johnsson está atolado no Vietname, os Américas nem a cabeça podem pôr de fora, caladinhos que nem cucos, votam a nosso favor nas coisas de merda, votam contra nós nas outras, querem lá saber da malta!
E Barro, o que é Barro? Um buraco, num buracão que é a Guiné, correcto?
Mas nada de grandes problemas, mais ou menos calmaria até à semana passada, percebes? Agora, aquela bronca de Farim, é que foi o caraças! Está aqui a malta metida, meia dúzia de gatos-pingados, ainda por cima meias-fodas, que não têm onde cair mortos, a ver se o tempo passa, agora chegam vocês, só me faltava mais esta!
Mas qual ajuda, qual merda! Vocês montam aqui as barracadas e tal, e depois é como os enxames de abelhas, abanam a árvore, as putas das abelhas, dá-lhes não sei o quê, parecem stukas a cair em cima de nós, e depois como é?
Depois vocês vão para o quentinho, para Bissau não é, p'rás cabo-verdianas, para o meio da coxas delas, lençoizinhos brancos que elas gostam, mosquiteiro e tudo, não é, que eu bem sei, também passei por Bissau, ainda me lembro, que é que julgas, a malta aqui nem o padeiro vê, há que tempos que já nem me lembro, ó pá, aqui só tropa, mais nada!
Ouviste, desculpa lá, cabo-verdianas, pois, obrigado, agora estou sempre a lembrar-me é da mão, sim é com esta, sou canhoto, porquê importas-te? Ah bem, era só o que me faltava vir agora um guerrilheiro de Bissau dizer-me para mudar de mão, nem a professora, a D.ª Eugénia, lá de Vinhais, boa senhora, coitada, aquilo é que era uma professora, agora já não há disso, o que é que estava a dizer, ah já sei, olha que nem a D.ª Eugénia, coitada da senhora, se cansou de falar à minha mãe, não me puxavam as orelhas, qual quê, amarravam-se a elas, foda-se, estás a ver como ficaram, espera aí, acabo já, de que é que estávamos a falar, ah a mão, claro já me lembro, estou a dizer-te, amigo, nem a D.ª Eugénia conseguiu mudar-me a mão, ouviste?
Ainda há bocadinho, antes de vocês chegarem, dei com uma revista, ai nossa senhora, uma revista qualquer, sei lá, qual Playboy qual quê, essas ficam todas em Bissau nas mãos do ar condicionado e tal, espera aí, já sei, Estúdio ou Studio, agora não tenho bem a certeza pá, era uma revista de cinema, a Ava Gardner, uma artista, sabes quem é? Sentada num banco alto, ai nossa senhora, não vais acreditar, umas pernas, o vestido um bocadinho acima, os joelhos à mostra, quando fui à sentina, baixei as calças pá, não sei como, sai-me o pau virado p'ra cima, quase encostado ao umbigo, não acreditas? Estás a rir-te, pá? Não acreditas?
Desculpa, amigo, agora a sério, desculpa pá, estavas a falar de quê? Estou meio zuca, não repares pá! Não era só eu que estava a falar, desculpa lá, mas tens que ver, estou aqui há não sei quanto tempo, há dias que não falo, há dias em que só falo comigo! Espera aí, o que é que eu estava a dizer? Ah, sim! Então, vocês levantam a caça, põem-se na alheta, depois é que é o caraças, nós é que vamos apanhar com os cagalhões em cima, foda-se, fodam-se todos mas é!
Não é trovoada, não! Não ouves, porra? Ouvidos de Bissau, claro, é só carros, não têm ouvidos para outra coisa. Aqui em Barro não há surdos, ouvimos tudo!

Pouco mais de um metro e meio, cabelo farto dos lados mais que em cima, bigode farfalhudo, Toilas, o alferes Toilas como era conhecido, comandava aquele destacamento com uma garrafa de Vat 69 mesmo à mão. O outro ao lado, numa esteira presa aos pilares da casa onde estava alojada a inteligência deste posto avançado, Barro, na fronteira norte com o Senegal.
Do quarto ao lado, onde funcionava o posto rádio, o radiotelegrafista a gritar, Bigene está a ser atacado!

************

Bigene, Barro

Em Bigene bebia-se bem, capitão à cabeça. Ou comando ou não comando, o comandante à rasca com as palavras.
Não fico nem mais uma noite neste quarto, daqui a bocado, ponho-me na alheta. Ou acordava com os arrotos ou com as idas do capitão ao quarto de banho, amarrado às paredes, vómitos, água do autoclismo.

Estremunhado, parecem estrondos! O barulho da locomotiva na cama ao lado entrara em velocidade de cruzeiro. Rebentamentos? Ai são, são, calças enfiadas, botas sem meias, p'rá rua já!
Clarões para os lados de Barro. Um espectáculo magnífico e assustador, tal e qual como vira uma vez, quando numa noite de um Agosto longínquo, regressava das festas da Agonia em Viana.
Galgou as duas escadas para a sala do rádio, o telegrafista de serviço na cama, a sono solto. Não se passa nada aqui, o rádio aflito a chamar, não se calava nem o militar acordava. A pé, baixinho, só para os ouvidos do radiotelegrafista. Um pulo, o coração dele também pelos vistos, ligação estabelecida, finalmente! Barro à morteirada, há meia hora pelo menos, temos feridos.
Pessoal cá fora, todos com os olhos para Barro. Chamou o Valente, falaram à parte, outra vez para o quarto. Pepsodent, cuecas e meias no saco, água na cara, porta fora.

Para Barro, margens da picada, em coluna por um, bem espaçados, a 1.ª equipa à frente, destacada uns 50 metros, cuidados mais ainda que os habituais. Uma madrugada fresca, boa para andar. À medida que iam andando, os rebentamentos iam espaçando, até que deixaram de se ouvir.
Chegados a dois ou três quilómetros da povoação, meteram-se para dentro da mata, e deixaram-se estar ali até o dia começar a clarear. Quando voltaram à estrada, um dos homens da frente chamou a atenção para o que lhe parecia ser um papel, pregado numa árvore. Duas folhas dactilografadas, tudo em maiúsculas.

"Chamais bandidos aos que lutam pela sua terra e pela liberdade do seu povo. Vós bem sabeis contudo, que verdadeiros bandidos, são vosso patrão Salazar e a camarilha de ladrões que roubam o bom povo português, mandando os jovens da vossa pátria morrer ingloriamente por uma causa injusta e por isso de antemão perdida.
Sabeis que vossas mães, noivas, irmãos e amigos choram de dor pelos vossos camaradas que morrem neste país que não é o vosso, longe da vossa pátria e da vossa família. Os nossos chefes não estão no chão francês, estão dentro do nosso país!
Vós sois escravos de um tirano, de um velho caótico de 75 anos, peru vaidoso, que demonstrando claro desprezo pelas gerações modernas do vosso país, em conferência concedida ao chefe do "Bureau da Reuter", nas Nações Unidas, declarou que gostaria de se demitir das funções que ocupa mas que não o poderia fazer pela necessidade de dirigir a política portuguesa em África. O vosso patrão considera-se o único homem em Portugal com valor para dirigir o vosso país!
Nós não passamos fome!
Nós não passamos frio!
Porque estamos na nossa terra e a lutar pela nossa pátria.
Na vossa pátria milhares de vossos compatriotas passam fome e toda a miséria possível, vendo-se obrigados a imigrar clandestinamente para o estrangeiro para não morrerem de fome. Só para a França fugiram nestes dois últimos anos mais de cinquenta mil operários, conforme declarações oficiais francesas.
O nível de vida do vosso povo é o mais baixo da Europa e um dos mais baixos do Mundo! A tropa não vai embora?
Sim, infelizmente para vós, muitos ficam!
Não voltarão mais aos seus lares, não voltarão mais ao convívio dos seus, jamais voltarão a receber os carinhos dos pais, das esposas, dos amigos.
Ainda estais a tempo de ir pelo vosso próprio pé!"

Foram entrando devagar em Barro, povoação fantasma. Ouviam risadas de alguns nativos que se iam apagando à medida que os iam vendo, fechavam a cara, ficavam a olhar para eles.

Barro. 
Foto: © A. Marques Lopes, in Luís Graça e camaradas da Guiné.

Uma loja de uma família libanesa, daquelas que vendem arroz, agulhas de coser, frigoríficos, panos, mancarra, o que havia, sentado cá fora, cara de infeliz, chávena de café na mão, o Toilas a olhar para ele.
Calmaria em Barro era uma vez. Por acaso até estava acordado, foi um estrondo a abrir, só queria que ouvisses, não, trovoada não, pá, vai gozar com o caraças, um estrondo mesmo em cima de nós, merdas a partirem-se. Não tive dúvidas, só gritei, é malta, p'rós abrigos!
Sei lá que horas eram, nem me lembrei de olhar para o relógio. Do lado do rio não, fogo foi só daquele lado, do lado do Senegal. Respondemos pois, ai não, à morteirada para não ficarmos atrás e umas bazucadas de brinde. Para onde?
P’ráqueles lados. Queres ver as marcas dos balázios dos gajos? Uma vintena de passos dados, lá estavam as paredes da pequena casa que servia de posto de comando de Barro crivada de furos.
Não, ainda não saímos daqui, o Toilas, agitado. Como é que havíamos de os perseguir, que porra!
Temos cabrito para logo! E temos mais ali, para ocasiões especiais, como esta é que espero que não! Não pode ser tudo mau, não é? Quando voltais a sair? Esta noite não, porra! E o capitão, meteu-se muito nos copos? Aquele gajo já veio bêbado da metrópole, é um profissional do mergulho!

Cabrito arrumado com cerveja, a lua e o sono misturados, num momento parou tudo. Estás a ouvir, outra vez, ouviste? Filhos da mãe, os gajos outra vez! É Bigene, o telegrafista, como se os outros não ouvissem.
Outra vez para Bigene, a mesma caminhada, quase as mesmas horas, procedimentos idênticos. Só o barulho de helis para os lados de Bigene é que foi diferente. À entrada da povoação flagelada nessa noite, os nativos remexiam no chão, nos buracos frescos e, ou não os viam a chegar ou então faziam de conta.
Ar de apardalados, caras desanimadas, uma noite infernal. O capitão, decidido, tinha pedido apoio a Farim. Chegara há momentos uma equipa médica e mais um pide. E havia mais gente dentro das cadeias improvisadas.
Bigene estava a ser atacada de fora, mas também de dentro, as trajectórias das balas, da casa do administrador e de outras casas também, para o edifício onde os oficiais dormiam, não lhes deixavam dúvidas.
Militares num magote, a uma centena de metros além do arame farpado, rodeavam dois tipos brancos com ar de polícias e um desgraçado, àquela distância parecia cabo-verdiano, no meio deles.
São os pides que estão a interrogar o administrador do posto! Está farto de enfardar, toda a maralha já molhou a sopa no gajo, um soldado para outros que corriam para lá, no meio de grande agitação.
Diga lá, senhor Sony, como combinaram então o ataque? Recapitulando, o senhor veio até aqui, esperou junto a esta árvore o Ramos, não foi? E depois, abra lá essa cloaca, conte tudo, que a gente não sai daqui sem o senhor contar tudo, não é?
O desgraçado com marcas de sangue fresco na cara, nos braços, nas costas, os olhos exaustos! Até bocados de pele e carne lhe faltavam!
É guerra, é guerra, um militar inflamado!
O espectáculo continuava, sem intervalos, agora com mais gente, população local também, todos num magote, numa agitação ainda maior.
Um dia para esquecer, ou para não esquecer nunca mais!
O grupo tinha o regresso a Bissau marcado para dois ou três dias depois, por via marítima. No dia seguinte, ao alvorecer, partiriam para Barro, onde aguardariam instruções sobre a data e hora exactas de embarque. Durmo com o grupo na “arrecadação”.

A mulher do chefe de posto, de vestido preto sem mangas, o gabinete do capitão, o tipo a levantar-se, beijo na mão, o sentar elegante e digno dela, o capitão a passar a mão pela careca, olhos de uísque, a porta a fechar-se com estrondo, o coração aos pulos, a querer abrir a porta, não abria, a maçaneta soltou-se com a força, a mão com a maçaneta aos murros na porta, capitão, capitão, não!

Acordou sobressaltado, os estrondos enormes lá longe, outra vez Barro, toda a gente a pé, a correr para a rua, o mesmo espectáculo.

Os ataques às povoações de Barro e Bigene, fisicamente não os tinham apanhado, nunca souberam nem como nem porquê, coincidências apenas.
Alguém alvitrara que as mudanças constantes terão sido um motivo, outros que talvez o IN estivesse a jogar ao gato e ao rato. Chegaram a sair aí pelas três ou quatro da tarde, fizeram grandes desvios pelo mato para disfarçar, dispuseram-se em frente a Barro uma vez e outra em Bigene, aguardaram emboscados noite fora até o Sol nascer, que os guerrilheiros flagelassem para tentar apanhá-los na retirada, eufóricos como costumavam mostrar-se quando não tinham baixas.
Nunca aconteceu. Emboscadas, patrulhamentos, nem um contacto.
Donde vêem eles? De Sano, toda a gente falava em Sano. É de lá que os gajos vêem, é um acampamento grande!
Onde fica isso, o que é que há lá, algum guia para nos levar? Uma noite destas vamos lá acordá-los. Nem penses, comigo não contes, só com uma ordem de operações na mão, arrumara definitivo o Toilas, com um cigarro a cair da boca.

E, na noite desse dia em que chegaram a Barro, prepararam-se para irem a Sano, ao Senegal, sem mais informações a não ser os caminhos que os guias de Barro conheciam. Era o 1.º dia de Dezembro, uma data festiva. O Toilas a insistir, esta noite não pode ser, hoje até é feriado! Toilas, é uma noite muito conveniente.
Um incidente à partida, invulgar para os costumes deles. O sargento Valente pegou-lhe num braço e afastaram-se uns metros.
Estamos com um problema na equipa do Black. O Bacar Jassi recusa-se a levar o lança-rockets e as munições.
Como? Recusa-se? Sempre foi assim, desde sempre, outros carregaram sempre com o material, porque não quer, porque é que o Black não consegue que ele entenda?
Que é muito peso, só quer levar 4 munições, os outros que levem as restantes!
Cheira-me a esturro, Valente, não pode ser, o Albino leva a MG, as fitas, mais de 10 quilos!
Foi ter com o Jassi, ouviu-lhe as razões, uma birra muito estranha.
Os rockets vão, contigo ou com outros, Jassi!
Não posso, meu alferes!
Algemas nas mãos, enfiaram-no num galinheiro com suspeitos apanhados nos últimos dias, arame farpado à volta, enquanto o grupo se aprestava para sair. Um comando estar preso com turras, o Jassi1 a chorar, aos gritos!
Tudo pronto para a saída, duas secções do pelotão do Toilas incluído, e o Valente outra vez, que o Bacar Jassi queria falar com o comandante do grupo. Jassi achava ter razão, que era peso a mais, que na instrução o alferes sempre dissera para pensarem com a cabeça, mas que estava pronto para cumprir a ordem e pedir desculpa.
Enquanto o resto do grupo aguardava que o sargento Valente soltasse o Jassi, o grupo começou a sair de Barro equipa por equipa. Duas ou três centenas de metros adiante, aguardaram que o grupo se recompusesse e puseram-se a caminho, os dois guias à frente, o Jamanca logo a seguir e o grupo todo atrás.
Cerca de uma hora depois arrancou a tropa de Barro, iria ficar instalada a cerca de um quilómetro de Sano. Uma noite boa para andar, lua fraca, noite seca, um pouco fresca.
Aí pelas quatro horas viram luzes, ouviram galos, estavam perto de uma povoação, os guias a dizerem que Sano era em frente, aquelas casas que se recortavam ao fundo. Fizeram o que deviam, colaram-se ao chão, em linha, bem separados. Curvado, percorreu o grupo, parelha por parelha, tudo em ordem.
Estamos em Sano, parece não haver dúvidas, Valente.
Pois, uma povoação no Senegal, se calhar só civis, guerrilheiros o que se sabe até agora é só conversa, mais nada, histórias que têm um acampamento aqui nesta zona. Isto aqui à nossa frente é uma povoação, galos a cantarem, é melhor pensar bem, não? E o meu alferes nem ordem escrita tem!
Mais de meia hora a mirarem Sano. Ok, Valente, não vamos fazer nada2. Civis lá dentro, amanhã o Shenghor, o Touré3, os N’Krumahs4 todos, um barulho danado na ONU, o Salazar furioso, inquéritos, mais chatice, ninguém nos mandou entrar no Senegal, é, vamos mas é dar meia volta, decidiu algo contrariado.
Foi o que fizeram, não sem um perguntar, então, e os rockets voltam outra vez? E outro, nem um aviso deixamos? Achas que é preciso, o furriel Azevedo a cortar.

Regressaram a Brá todos enlameados, por fora e por dentro. A guerra era para ser feita sem alardes, com inteligência. Havia que preservar o grupo de tarefas inúteis, de algumas guerras que uns escritores de relatórios gostavam de desenhar, para depois realçarem no papel a intrepidez da acção, a argúcia do ataque, os resultados brilhantes, que em vários casos só eles viram. Quem os lia no QG, achava uma autêntica felicidade, tanto fogaréu, ataques tão violentos, tantas baixas no In e a NT sem uma beliscadura, ou então uns feridos ligeiros só.
Várias vezes ouvira apartes deste tipo, das bocas de pessoal das 2.ª e 3.ª Rep., em pleno QG em Bissau.

Já à noitinha em Brá, tão exausto que se deitara só para matar saudades da cama, antes de tomar um bom banho, a cara ainda preta de carvão e suor, a voz do Vilaça, com a corda toda, a contar histórias de Bissau, ficara colado ao colchão como um íman, a noite toda.
Quando abriu os olhos viu os dentes brancos do Sany, sentado a olhar para ele. Estava sem calças, sem botas, sem meias, em cuecas só. Sem dar por nada, o Sany tirara-lhe a roupa toda mal chegou pela manhãzinha. Saco arrumado no canto, o quarto outra vez um brinco.
Infamara Sany, herança do capitão Saraiva, era um tipo raro na Guiné daqueles tempos. Uma dedicação tão treinada que incomodava. Em frente do Sany nem se arriscava a tirar a camisa. Quando ia pegar nela outra vez, já tinha ido para lavar. Botas a reluzir, fardas lavadas a cheirar a Tide, engomadas que era um regalo, o quarto a brilhar, nunca em casa alguma em que estivera antes, vira tanta coisa tão limpa ao mesmo tempo!
____________

Notas:
1 - Bacar Jassi nasceu em Fulacunda, em 7 Janeiro 1944. Foi incorporado em 13 Set. 1964. Tenente da 3.ª CCmds Africanos em 1974. Fuzilado no Cumeré em data não apurada.
2 - 01/12/65, Op. "Soquete", base de Sano, zona de Barro-Bigene. Apoio do BArt 733. Com a base/aldeamento à vista, bem dentro do território do Senegal, foi decidido não atacar.
3 - Sékou Touré, Presidente da República da Guiné-Conacry
4 - Kwame Nkrumah foi Presidente do Ghana de 1960 a 1966

(Continua)
____________

Nota do editor

Poste anterior da série de 6 de agosto de 2015 > Guiné 63/74 - P14975: Guiné, Ir e Voltar (Virgínio Briote, ex-Alf Mil Comando) (IX Parte): Mais dois lugares è mesa; Bomba em Farim e Rumo a Barro

Guiné 63/74 - P14997: Convívios (701): 1º encontro da tabanca de Ferrel, 12 de agosto de 2015 - Parte I: ex-dois alferes milicianos do mesmo batalhão, o BCAÇ 619 (Catió, 1964/66) reencontram-se e abraçam-se meio século depois


Tabanca de Ferrel > 12 de agosto de 2015 > 1º Convívio >  A prova de que o Mundo é Pequeno e a nossa Tabanca...é Grande: dois camaradas, alferes milicianos, do BCAÇ 619 (Catió, 1964/66) encontram-se ao fim de meio século: do lado esquerdo, o João Sacôto (CCAÇ 617), acompanhado da esposa; do lado direito, o régulo da tabanca, o Joaquim Jorge (CCAÇ 616)... Mas houve mais surpresas, que relataremos na parte II...



Tabanca de Ferrel > 12 de agosto de 2015 > 1º Convívio >  Junto ao popular Riclé Bar, os dois camaradas que possibilitaram este reencontro: o Joaquim Jorge e o Eduardo Jorge, um "veteraníssimo" da guerra da Guiné (ex-al mil, CCAÇ 616, Empada, 1964/66) e um "pira" (ex-alf mil, PA, Bissalanca, BA 12, 1973/74)... 

O Riclé Bar, hoje gerido pela filha do Joaquim Jorge, foi fundado pelo nosso camarada, uma figura popular da terra, que é um exemplo extraordinário de "empreendedorismo social"... O nosso convívio foi realizado nas instalações do Jardim de Infância de Ferrel, uma IPSS, em cuja fundação e gestão está envolvido, inevitavelmente, o nome do nosso camarada, que passa a partir de hoje a fazer parte da Tabanca Grande,  "de jurte" e "de facto", com o nº 698... Quanto ao Eduardo Jorge, é o nosso conhecido régulo da Tabanca de Porto Dinheiro, um homem sempre pronto para qualquer missão...


Tabanca de Ferrel > 12 de agosto de 2015 > 1º Convívio > O João Sacôto, comandante da TAP reformado, e que veio propositadamente de Lisboa para dar um alfabravo caloroso ao seu antigo camarada de batalhão, estava encantado para a capacidade de empatia dos camaradas da Guiné: 50 anos são 50 anos,  de separação e de distância, mas ao fim de 5 minutos a velha camaradagem, amizade e cumplicidade vêm ao de cima... 

Os dois, o João e o Joaquim, só estiveram juntos em três ou quatro momentos; não sei se em Mafra, depois na formação do batalhão, na partida para Bissau, no T/T Quanza, em Bissau, e no regresso a casa... 

Depois cada um seguiu as suas vidas...  O Joaquim Jorge, profissionalmente, foi prospetor bancário, foi autarca, esteve à frente do Núcleo de Peniche da Liga dos Combatentes, liderou a luta dos ferralejos contra a tentativa de implantação de uma central nuclear na sua terra, em 1976, enfim, é um lider associativo e comunitário estimado e respeitado... Em Ferrel, na brincadeira, chamam-lhe o "dono disto tudo"... 



Tabanca de Ferrel > 12 de agosto de 2015 > 1º Convívio >  O Joaquim Jorge é um ferralejo dos quatros costados, embora tenha um avô ou bisavô paterno de origem minhota (veio de Ponte de Lima para o sul, tentar a sua sorte, com um irmão, que se instalou no concelho da Lourinhã). 

Nesta foto, vemos em primeiro plano o Joaquim Jorge junto ao monumento aos combatentes da guerra do ultramar, naturais da freguesia (que foi criada em 1985,  desanexada da freguesia de Atouguia da Baleia)... Ferrel (que incluiu a famosa praia do Baleal) deu à Pátria centena e meia de combatentes durante a guerra colonial ou do ultramar. Dois morreram na Guiné, um em combate e  outro por doença.



Tabanca de Ferrel > 12 de agosto de 2015 > 1º Convívio >  Monumento aos combatentes da guerra do ultramar, erigido em 2008, ao tempo em que, se não erro, o Joaquim Jorge era o presidente da junta de freguesia de Ferrel.



Tabanca de Ferrel > 12 de agosto de 2015 > 1º Convívio >  Monumento aos combatentes da guerra do ultramar, erigido em 2008 > Lápide à memória do Henrique Ferreira da Anunciação Costa, sold at CCAV 2487 / BCAV 2868, morto em combate no decurso da Op Ostra Amarga (18/10/1969, Bula). está sepultado no cemitério da sua terra. É um dos raros camaradas cuja agonia foi gravada em vídeo (por uma equipa de televisão francesa).

(Continua)

Fotos (e legendas): © Luís Graça (2015). Todos os direitos reservados
_________________

Nota do editor:

Último poste da série > 2 de agosto de 2015 > Guiné 63/74 - P14961: Convívios (700): Encontro do pessoal da CART 1659 (Gadamael - 1967/68), a levar a efeito no dia 26 de Setembro de 2015, na Batalha (Mário Vitorino Gaspar)