sábado, 23 de abril de 2016

Guiné 63/74 - P16003: Tabanca Grande (486): Fernando Andrade Sousa, ex-1º cabo aux enf, CCAÇ 12 (Contuboel e Bambadinca, 1969/71)... Valoroso, leal, afável, dedicado e corajoso... Vive na Trofa e vai fazer uma festa de arromba, no dia 30 de maio, ao perfazer 70 aninhos de vida... É o nosso grã-tabanqueiro nº 714



Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > CCAÇ 12 (1969/71) > A equipa de futebol de onze... Da esquerda para a direita: primeira fila:

 (i)  Luciano Pereira de Silva (1º cabo at inf, 4º Gr Comb, natural de São Mamede do Coronado, Trofa, emigrado em França);

(ii) Francisco Magalhães Moreira, capitão da equipa  (alf mil op esp, cmdt do 1º Gr Comb, Santo Tirso);

(iii) António Manuel Carlão (alf mil at inf, cmdt do 2º Gr Comb, destacado depois para a equipa do reordenamento de Nhabijões; vive em Fão, Ermesinde, onde explora um restaurante);

(iv) Abílio Soares (1º cabo  at inf, da 3ª secção (comandado pelo fur mil Branquinho) do 1º Gr Comb (vivia em Lisboa, terá sido morto há muitos anos em circunstâncias misteriosas);

(v) Arlindo Teixeira Roda (fur mil at inf, 3º Gr Comb, natural de Pousos, Leiria, vive em Setúbal); 

na segunda fila, de pé: 

(vi) guarda-redes João Rito Marques (1º cabo quarteleiro, ou Manutenção de Material; vive no Souto, Sabugal);

(vii) Fernando Andrade de Sousa (1º cabo aux enf, vive na Trofa);

(viii) Arménio Monteiro da Fonseca (sold at inf, natural da Campanhã, vive no Porto); 
(ix) Eduardo Veríssimo de Sousa Tavares (1º cabo escriturário, vivia em Miranda do Douro, faleceu em 29 de agosto de 2015] (*);

(x) Manuel Alberto Faria Branco (1º cabo at inf, 2º Gr Comb; vive na Póvoa do Varzim, e é grande amigo do Fernando Sousa);

e (xi)  Ernesto A. M. Rocha, 1º cabo at inf, 4º Gr Comb, que veio substituir o 1º cabo at inf António Pinto, também evacuado para o HMDIC; morada atual desconhecida,   [Vd. composição orgânica da CCAÇ 25690 / CCAÇ 12].


Guiné > Zona Leste > Sector L1 > Bambadinca > CCAÇ 12 (1969/71) > A valorosa equipa de futebol da CCAÇ 12, que disputou campeonatos em Bafatá... Da esquerda para a direita, na primeira fila:

(i)  Gabriel Çonçalves (1º cabo cripto, vive em Lisboa), 

(ii)  Francisco Moreira (alf mil op esp, cmdt do 1º Gr Comb, vive em Santo Tirso); 

(iii) Arlindo Roda (fur mil at inf,. do 3º Gr Comb, vive em Setúbal);

(iv)  Arménio Fonseca (sold at inf, 1º Gr Comb, vive no Porto);

(v) e o guarda-redes, João Rito Marques (o 1º cabo quarteleiro, vive no Souto, Sabugal); 

e na  segunda fila: 

(vi)  Fernando Sousa (1º cabo aux enf, vive na Trofa),

(vii) Luciano Pereira de Silva (1º cabo at inf, 4º Gr Comb, natural de São Mamede do Coronado, Trofa, emigrado em França); 

(viii) Fernando B. Gonçalves (1º cabo aux enf, que veio substituir o 1º cabo aux  José M. Sousa Faleiro, evacuado logo no início para o Hospital Militar de Doenças Infecto-Contagiosas;  morada atual desconmhecida)

(ix)  Alcino Carvalho Braga  (sold cond auto; vive em Lisboa) 

(xi) Manuel Alberto Faria Branco (1º cabo at inf, 2º Gr Comb; vive na Póvoa do Varzim)

(xi)  e o António Manuel Martins  Branquinho (fur mil at inf, 1º Gr Comb; falecido, vivia em Évora).

Fotos: © Arlindo Roda (2010). Todos os direitos reservados


Leiria > Monte Real > Palace Hotel Monte Real (Termas de Monte Real) > XI Encontro Nacional da Tabanca Grande > 16 de abril de 2016 > Três bambadinquenses: da esquerda para a direita, o Fernando Andrade de Sousa (Trofa), o José Armando Almeida (Albergaria a Velha) e o José Fernando Almeida (Óbidos)... O Sousa foi 1º cabo aux enf, na CCAÇ 12 (1969/71), e é a primeira vez que vem ao nosso encontro. É hoje apresentado formalmente à Tabanca Grande, como o membro nº 714.

Foto: © Luís Graça (2016). Todos os direitos reservados


1.  Finalmente o valoroso, leal, afável, dedicado e corajoso Fernando Andrade Sousa, ex-1º cabo aux enf, da CCAÇ 2590/ CCAÇ 12 (Contuboel e Bambadinca, maio 1969/março 1971), entra formalmente para a nossa Tabanca Grande.

Encontrámo-nos, na última vez, em Monte Real, por ocasião do XI Encontro Nacional da Tabanca Grande, em 16 de abril último.  Vive na Trofa e vai fazer 70 anos no próximo dia 30 de maio. Diz que, na ocasião, vai haver festa de arromba, e promete fazer uma exposição com suas 600 e tal fotografias dos todos os convívios que tem organizado e em que tem participado (,não falhou um, desde 1994, em Fão, Esposende, quando o revi, depois do nosso regresso a casa, em março de 1971).

Era e continua a ser um camarada voluntarioso, tendo feito parte da comissão organizadoras dos convívios da malta de Bambandinca (CCS/CAÇ 2852, e subunidades adidas, 1968/71):  em 1999 (Resende), 2002 (Póvoa do Varzim), Trofa (2006) e Trofa (2015).

Das várias operações onde a malta da CCAÇ 12 apanhou porrada da grossa, lembra-se, nomeadamente da primeira, de Madina Xaquilo (24/7/1969), que foi o seu batismo de fogo, e do Poindom/Ponta do Inglês (em 26/11/1970) (Op Abencerragem Candente, seis mortos e 9 feridos graves).

Felizmente  já tem um endereço de email para podermos comunicar, se bem que ainda não esteja muito à vontade com as TIC (tecnologias da informação e comunicação), como acontece com muitos camaradas da nossa geração. Tem já página no Facebook.


2. Quando da realização do encontro na Trofa, em 2006 onde estiveram reunidos, na casa do Fernando, 65 convivas (!),  nossos camaradas da CCAÇ 12 (Bambadinca, 1969/71) e da CCS / BCAÇ 2852 (Bambadinca, 1968/70), eu telefonei-lhe, depois do almoço, a dar-lhe os parabéns pelo evento (**)...

Com muita pena minha, à última hora, não me foi possível dar lá um salto, já que tinha previsto com antecedência ir até à casa que tenho na região, não muito longe, no Douro Litoral (Candoz, Paredes de Viadores, Marco de Canavezes)...

Do outro lado do país, no norte, no Minho, o Fernando era um homem feliz!.. E continua a ser o mesmo, dez anos depois, um minhoto dos quatro costados, com a  cultura da hospitalidade... O Sousa, um dos nossos maqueiros (que termo tão injusto, depreciativo, usado no nosso tempo, para estes nossos anjos da guarda, os homens do soro que salvaram algumas vidas nas matas do Xime!).

Nesse ano, na Trofa, identifiquei 4 bons camaradas da CCAÇ 12, os furriéis Humberto Reis, o António Fernando Marques, e o Joaquim Fernandes,  mais o Sousa da Trofa, o nosso valente cabo enfermeiro... O Marques, o Fernandes e o Sousa são totalistas dos encontros da malta de Bambadinca. não falharam um, desde 1994.

Eram, então, para mim os quatro magníficos da CCAÇ 12, a quem eu aproveitei para prestar a minha homenagem, atribuindo-lhes, simbolicamente,  a Ordem da Torre e Espada, do Valor, da Amizade e da Camaradagem (, sendo eu, pomposamente, o presidente honorífico das ordens honoríficas portuguesas)...

Por tudo isto e muito mais, o Fernando Andrade Sousa tem, de há muito um lugar cativo, à sombra do poilão da nossa Tabanca Grande... Ele sabe qual é o nº do lugar: o 714 (***)... Espero que ele esteja connosco (ou com nós, como se diz no Norte) por muitos e bons anos. E nós com ele, pois claro! LG



Óbidos > Restaurante A Lareira > 22/5/2010 > 16º Convívio do Pessoal de Bambadinca 1968/71 > o Arménio Fonseca, o Humberto Reis e o João Rito Marques (o nosso Cabo Quarteleiro), todos da CCAÇ 12 (1969/71)...

O Arménio e o João, não os via há 40 anos! Fiquei feliz por os rever. E aproveito para revelar um segredo: foi o Arménio que, em grande parte, me inspirou na criação da figura do Campanhã (vd. poste de 13 de Setembro de 2005 > Guiné 63/74 - P168: A galeria dos meus heróis (1): o Campanhã (Luís Graça) que prometo reeditar, e que ele seguramente nunca terá lido)...




Óbidos > Restaurante A Lareira > 22/5/2010 > 16º Convívio do Pessoal de Bambadinca 1968/71 > Visionando as fotos do Arlindo T. Roda (que me chegaram finalmente, por mão do Benjamim Durães, ex-Fur Mil, Pel Rec Info, CCS / BART 2917, 1970/72 > Da esquerda para a direita: o Marques, o Fernando Andrade Sousa, o Joaquim Fernandes e a companheira deste (que conheci o ano passado, em Castro Daire).



Óbidos > Restaurante A Lareira > 22/5/2010 > 16º Convívio do Pessoal de Bambadinca 1968/71 > Quatro camaradas da CCAÇ 12 > Da esquerda para a direita: João Gonçalves Ramos (ex-sold radiotelegrafista), o José Manuel P.  Quadrado (ex-1º cabo ap armas pesadas inf), o Fernando Sousa (ex-1º cabo aux enf) e o Adélio Monteiro (organizador do encontro do ano passado, o 15º, em Castro Daire, e que era sold cond auto).


Fotos (e lengendas): © Luís Graça (2010). Todos os direitos reservados




Foto A

Esposende > Fão > 1994 > A primeira vez que me reencontrei com a malta de Bambadinca (1968/70), incluindo os meus camaradas da CCAÇ 12, e outras subunidades adidas ao comando do BCAÇ 2852 (1968/70).

Na foto A, estão alguns camaradas que participaram comigo na Op Pato Rufia, 7 de Setembro de 1969, agora aqui evocada... Não tenho a veleidade de ter boa memória, mesmo assim arrisco uma legenda: na primeira fila, da esquerda para a direita:

(i) Fur Mil MAR Joaquim Moreira Gomes [, vivia no Porto, na altura ];

(ii)  sold cond auto Diniz Giblot Dalot [, empresário, vive em Aljubarrota, Prazeres];

(iii) um antigo escriturário da CCS/ BART 2917 (morava em Fão, Esposende) e cujo nome não me lembro,

Na segunda fila de pé, da esquerda para a direita:

(iv) Fernando Carvalho Taco Calado, Alf Mil Trms, CCS/BCAÇ 2852;

(v) Alf Mil Manutenção Ismael Quitério Augusto, CCS/BCAÇ 2852;

(vi) Fur Mil António Eugénio Silva Levezinho [, Tony para os amigos, reformado da Petrogal, vive em Martingal, Sagres, Vila do Bispo];

(vii) Capitão Inf Carlos Alberto Machado Brito [, Cor Ref, vive em Braga, passou pela GNR];

(viii) camarada, de óculos escuros,  que não sei identificar [, diz-me o Fernando Andrade Sousa que se trata do Pinto dos Santos, ex-furriel mil de Operações e Informações, CCS do BCAÇ 2852, natural de Resende];

(ix) major Cunha Ribeiro, mais conhecido por "major elétrico", 2º comandante do BCAÇ 2852, e que teve em Banbadinca, na rampa de acesso ao quartel um grave acidente com o seu jipe);

(x) Fur Mil Op Esp Humberto Simões dos Reis [, engenheiro técnico, vive Alfragide / Amadora; na foto, escondido, de óculos escuros];

(xi) outro camarada de cujo nome não me lembro.




Foto B


Da esquerda para a direita:

aa primeira fila:

(i) Alf Mil Inf António Manuel Carlão [,casado com a Helena, comerciante, vive em Fão, Esposende];

(ii) Fur Mil Arlindo Teixeira Roda [, natural de Pousos, Leiria; professor em Setúbal; damista, grande jogador de king e de lerpa, no nosso tempo, a par do Humberto Reis];

(iii)  Fur Mil Armas Pesadas Inf Luís Manuel da Graça Henriques [, prof univ., fundador deste blogue, vive em Alfragide / Amadora];

Na segunda fila, de pé,

(iv) Alf Mil Cav José Luís Vacas de Carvalho, Pel Rec Daimler 2206;

(v) Alf Mil Inf Mário Beja Santos, comandante do Pel Caç Nat 52 (Missirá e Bambadinca, 1968/70);

(vi) Fur Mil António Fernando R. Marques [, natural de Abrantes, vive em Cascais, empresário reformado];

(vii) Manuel Monteiro Valente (de bigode e de perfil, ex-1º Cabo, 1º Gr Comb, CCAÇ 12, apontador de dilagrama);

(viii) Abel Maria Rodrigues (hoje bancário reformado, ex-Alf Mil, 3º Gr Comb, CCAÇ 12);

(ix) Alf Mil Op Esp Francisco Magalhães Moreira [, vive em Santo Tirso].



Foto C

Da esquerda para a direita:

na 1ª fila;

(i) Arménio Monteiro Fonseca (taxista, no Porto, da empresa Invictus, táxi nº 69, mais conhecido no nosso tempo como o "vermelhinha");

(ii) Fur Mil José Luís Vieira de Sousa [, natural do Funchal, onde vive, agente de seguros]...

Na segunda fila, de pé,


(iii) Fur Mil Joaquim Augusto Matos Fernandes [, de óculos escuros, engenheiro técnico, vive no Barreiro];

(iv) 1º Cabo Carlos Alberto Alves Galvão [, o homem que foi ferido duas vezes numa operação, vive na Covilhã];

(v)   Fernando Andrade  Sousa (ex-1º Cabo Aux Enf, CCAÇ 12, vive na Trofa);

e, por fim, (vi)  2º Sarg Inf Alberto Martins Videira [, vive ou vivia em Vila Real].


Foto (e legenda): © Luís Graça (2010). Todos os direitos reservados

(**) Vd. poste de 29 de maio de  2006 > Guiné 63/74 - P815: Ao Fernando Sousa: Sei que estás em festa, pá (Luís Graça)

(***)Ultimo poste da série > 19 de abril de 2016 > Guiné 63/74 - P15992: Tabanca Grande (485): Completando o processo de adesão do António Osório, que vive em Vila Nova de Gaia: foi fur mil rec inf, CCS/QG/CTIG (Bissau, Cacine, Gadamael, Cameconde, 1970/72)

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Guiné 63/74 -. P16002: Em busca de... (264): Memórias e fotos, nomeadamente, precisam-se dos camaradas de Torre de Moncorvo mortos no TO da Guiné, para homenagem que está a ser organizada pelo Agrupamento Escolar dr. Ramiro Salgado: António Augusto Gil, António dos Santos Mano, Francisco António Cordeiro, Luciano Augusto Paula, Manuel Joaquim Fernandes, Serafim Fernandes dos Santos e Victor Paulo Vasconcelos Lourenço (Armando Gonçalves, professor)


Guiné-Bissau > Região de Tombali > Guileje > Núcleo Museológico Memória de Guiledje > c. 2011 > Memorial à CCAV 8350, "Piratas de Guileje" (1972/1974) e ao alf mil cav Victor Paulo Vasconcelos Lourenço, morto por acidente em 5/3/1973.  Natural de Torre de Moncorvo, está o Lourenço sepultado na Caparica. Foi uma das 9 baixas mortais da companhia também por "Piratas de Guileje" e um dos 75 alferes que perdeu a vida no CTIG.

Foto: © Carlos Afeitos (2013). Todos os direitos reservados





1. Mensagem de Armando Gonçalves, professor do Agrupamento de Escolas dr. Ramiro Salgado, de Torre de Moncorvo (*):


Data: 21 de abril de 2016 às 12:31
Assunto: Re: Furriel Miliciano António dos Santos Mano


Dr. Luís Graça,

Agradeço imensamente as diligências efectuadas. Sem dúvida, este trabalho só com o auxílio de muita gente se consegue concretizar.

E estas informações de João Crisóstomo [sobre o António dos Santos Mano] (*) são preciosas, preciosa é também a foto. De forma que lhe pedi autorização para poder divulgar o texto e a imagem, tal como já havia feito com os textos de Hélder Sousa, José Casimiro Carvalho e Manuel Augusto Reis sobre o relato da morte de Victor Paulo Vasconcelos Lourenço.

Não querendo abusar, remeto-lhe a lista dos soldados mortos na Guiné,  já enviada ao Sr. Carlos Vinhal, na eventualidade de aparecer um camarada, uma informação um   relato sobre os mesmos. [nome, posto, unidade, data da morte] (**)

António Augusto Gil  | sold ser , CCS / BCAV 1905, 29/5/67

António dos Santos Mano | fur mil at inf op esp, CCAÇ 1439, 6/10/1965

Francisco António Cordeiro | sold rt, CART 3567 / BCAÇ 4612, 21/51973

Luciano Augusto Paula | sold at, CART 2743 / BART 2920,  27/10/1971

Manuel Joaquim Fernandes |  sold art, CART 1486 / BCAÇ 1857, 23/3/1966

Serafim Fernandes dos Santos |  sold pa, CVd AT1, 29/1/1973

Victor Paulo Vasconcelos Lourenço | alf mil cav, CCAV 8350 / COP 5, 573/1973

Atentamente,
Armando Gonçalves

____________

Guiné 63/74 - P16001: Nota de leitura (832): “A descolonização da Guiné-Bissau e o movimento dos capitães”, por Jorge Sales Golias, Edições Colibri, 2016 (1) (Mário Beja Santos)

1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 19 de Abril de 2016:

Queridos amigos,
Atenda-se ao que Carlos de Matos Gomes escreve no prefácio desta narrativa que possui os requisitos para fazer parte da investigação histórica indispensável:
"Os relatos das reuniões de militares na Guiné desmontam pela base as calúnias que por vezes surgem sob a forma de interpretações históricas, atribuindo à contestação dos militares que roubaram a ditadura a uma mera e mesquinha motivação corporativa. O livro de Jorge Golias expõe a desonestidade desses adeptos do antigo regime e do colonialismo".
Em boa hora Jorge Sales Golias passou a escrito e deu sequência a factos históricos que a generalidade do povo português, e mormente as novas gerações precisam de conhecer para clara certidão da verdade de um teatro de operações que se encaminhava para uma tragédia do tipo de Índia.

Um abraço do
Mário


A descolonização na Guiné-Bissau e o movimento dos capitães (1)

Beja Santos

Oportunidade única de conhecer pela boca de um dos seus protagonistas o que foi o processo de descolonização da Guiné encetado formalmente a 26 de Abril de 1974, com a tomada do poder pelo núcleo do MFA da Guiné. A narrativa é de um capitão de Operações de Transmissões que acompanhou a génese do MFA da Guiné e terá um papel preponderante nos acontecimentos que antecedem o reconhecimento da independência da República da Guiné-Bissau: “A descolonização da Guiné-Bissau e o movimento dos capitães”, por Jorge Sales Golias, Edições Colibri, 2016.

Jorge Sales Golias chega a Bissau em Junho de 1972, viaja na companhia do Capitão Miliciano José Manuel Barroso, jornalista do “República”, que irá desempenhar relações de funções públicas no Gabinete do General Spínola e do Capitão (Comando) Carlos de Matos Gomes que ia para a sua terceira comissão. Ficará colocado no Agrupamento de Transmissões, explica-nos as suas missões, a sua relação com o Comandante do Agrupamento Tenente-Coronel Mateus da Silva, outra figura preponderante no 26 de Abril de 1974 em Bissau e período seguinte. Em pinceladas grossas, descreve a situação militar na Guiné, ao tempo da sua comissão: a reocupação do Cantanhez, a perda da supremacia aérea, os acontecimentos de Guidage, Guileje e Gadamael e o estado de desmoralização das tropas, cada vez mais acantonadas aos seus destacamentos. Com detalhe, menciona a reunião dos Altos Comandos de 15 de Maio de 1973 e a perceção de tragédia que lhe está subjacente.

A narrativa inflete para a origem do Movimento dos Capitães, reuniões que passam a ter lugar a partir do final do ano de 1972 e que têm o seu pico alto em 12 de Agosto de 1973 quando se discute, no Clube de Oficiais de Bissau, o decreto-lei n.º 353/73, reunião que dá lugar a outra e pela primeira vez ouve-se a palavra revolução, a 28 de Agosto surge uma carta que irá recolher 52 assinaturas, aquela que, segundo o autor é a carta fundadora do Movimento dos Capitães. Os contactos extravasam para Lisboa, e depois para o país. Alguns dos subscritores da carta dos 52 passam a participar nas reuniões na metrópole. Começa a evoluir-se para um golpe de Estado que apeie Marcello Caetano e derrube o seu regime. O MFA da Guiné, por sua conta e risco, preparou o Plano B do MFA, no caso de falhar o golpe em Lisboa, seria a vez dos militares em Bissau.

Em 25 de Abril, os serviços de escuta das Transmissões trouxeram as primeiras notícias pelas 5 de manhã, começam então em Bissau reuniões no Batalhão de Caçadores Paraquedistas, estão presentes o seu Comandante e oficiais de outras Unidades, como Raúl Folques, Matos Gomes, Zacarias Saiegh, Sosua Pinto, Pessoa Brandão. À tarde delineiam-se os planos de operações para controlar todos os pontos sensíveis e chegar à fala com o Governador Bettencourt Rodrigues e outras figuras preponderantes das Forças Armadas. Sabe-se que Bettencourt Rodrigues não só não reconheceu a Junta de Salvação Nacional como deu instruções à PIDE para seguir os movimentos dos oficiais do MFA.

Na manhã de 26, estes militares do MFA Guiné dirigem-se à Amura e entram no gabinete do Governador e Comandante-Chefe. Ocorre uma altercação que envolveu o Brigadeiro Leitão Marques, mas tudo acaba corretamente, fazem-se detenções formais e o Tenente-Coronel Eduardo Mateus da Silva é convidado pelo MFA da Guiné para encarregado do Governo, o Comodoro Almeida Brandão só aceitou desempenhar as funções de Comandante-Chefe. Jorge Sales Golias é nomeado Chefe de Gabinete de Mateus da Silva. Entra-se em conversações com os representantes da sociedade civil, procede-se à libertação de presos políticos, tiveram lugar alguns desacatos tanto em Bissau como no interior, caso de assaltos a casas comerciais. Procede-se à primeira organização de estruturas de apoio ao Governo até que em 7 de Maio o Tenente-Coronel Carlos Fabião foi designado por Spínola para novo encarregado do governo. Traz instruções precisas de Spínola: negociar o cessar-fogo; tratar o PAIGC como um partido igual aos outros; promover um referendo com vista a uma solução federativa. Mas Carlos Fabião apercebe-se rapidamente que tudo mudara, no contexto internacional, na evolução da guerra, no próprio estado de espírito das Forças Armadas Portuguesas. A especificidade do MFA na Guiné garante a sua presença na estrutura executiva do Governo, Mateus da Silva vai a Lisboa com uma agenda que inclui em todos os pontos entrar em negociações com o PAIGC. Spínola revela-se dramático, vai criando a sua própria agenda, pensa mesmo ir a Bissau a um Congresso do Povo, seria aclamado e subverteria os propósitos de independência do PAIGC. Enquanto tudo isto ocorre, a diplomacia move-se em Dakar, Londres e Argel, as nossas tropas começam a conviver com as forças do PAIGC, logo em 19 de Maio o Capitão Silva Ramalho, da Companhia de Sare Bacar, convive com as forças de Quemo Mané, é patente uma grande desorientação entre os comissários políticos e os comandantes militares do PAIGC.

É um período de intensos boatos, de reagrupamento de forças políticas, conflitos de trabalho, de greves. É neste contexto que se institucionaliza o MFA na Guiné e Jorge Sales Golias pormenoriza a orgânica da Estruturação Democrática do MFA.

Encetam-se conversações com as forças do PAIGC, disciplinam-se os relacionamentos hierárquicos, travam-se exageros e radicalismos. As tensões políticas metropolitanas refletem-se na Guiné-Bissau entre moderação e extrema-esquerda. No centro político estava o Alferes Miliciano João Ferreira do Amaral, na extrema-esquerda o Alferes Miliciano Celso Cruzeiro, dinamizador do Movimento para a Paz que reivindica à cabeça o cessar-fogo imediato, sem condições. Sales Golias comenta: “Oportunistas que na altura eram mais revolucionários do que os capitães do MFA. Consequência de o MFA na metrópole não ter ainda definido as linhas principais de atuação e estar dependente da vontade de Spínola e do governo”.

E em 1 de Julho de 1974 realizou-se a primeira Assembleia-Geral do MFA na Guiné. O ponto alto da Assembleia foi a aprovação por aclamação de uma moção em que se apelava para o Governo português reconhecer a República da Guiné-Bissau, para que se reatassem as negociações com o PAIGC, após o impasse de Argel, e apelava-se para que os militares portugueses encarassem a sua presença atual e futura na Guiné como forma de prestar a sua cooperação desinteressada ao povo da Guiné.

(Continua)
____________

Nota do editor

Último poste da série de 18 de abril de 2016 Guiné 63/74 - P15987: Nota de leitura (831): “As guerras coloniais portuguesas e a invenção da História”, por Luís Quintais, Imprensa de Ciências Sociais, 2000 (Mário Beja Santos)

Guiné 63/74 - P16000: XI Encontro Nacional da Tabanca Grande, Palace Hotel de Monte Real, 16 de Abril de 2016 (14): Fotos de Juvenal Amado - Parte II: Entre a grande euforia do (re)encontro e a pequena depressão pré (ou pós ?) - prandial...


Leiria > Monte Real > Palace Hotel Monte Real (Termas de Monte Real) > XI Encontro Nacional da Tabanca Grande > 16 de abril de 2016 > Inconfundível, o "herói de Gadamael"... J. Casimiro Carvalho, da Maia. "Ranger", parece estar a gritar: "A Pátria deve-me uma medalha!"... Ou não será: "Tirem-me daqui!"... Ou ainda: "Estou vivo e salvo! O blogue tirou-me dos traumas da guerra!"....


Leiria > Monte Real > Palace Hotel Monte Real (Termas de Monte Real) > XI Encontro Nacional da Tabanca Grande > 16 de abril de 2016 > Da esquerda para a direita: Ernestino Caniço, Manuel Joaquim, Armando Pires e Paulo Santiago...


Leiria > Monte Real > Palace Hotel Monte Real (Termas de Monte Real) > XI Encontro Nacional da Tabanca Grande > 16 de abril de 2016 >  Zé Rodrigues, o da direita


Leiria > Monte Real > Palace Hotel Monte Real (Termas de Monte Real) > XI Encontro Nacional da Tabanca Grande > 16 de abril de 2016 > Manuel Resende, o fotógrafo, à direita


Leiria > Monte Real > Palace Hotel Monte Real (Termas de Monte Real) > XI Encontro Nacional da Tabanca Grande > 16 de abril de 2016 > Da direita para a esquerda: Victor Tavares, António Faneco, Mário Gaspar e C. Martins


Leiria > Monte Real > Palace Hotel Monte Real (Termas de Monte Real) > XI Encontro Nacional da Tabanca Grande > 16 de abril de 2016 > Rogé Guerreiro (Cascais) e Rui Pedro Silva (Lisboa)


Leiria > Monte Real > Palace Hotel Monte Real (Termas de Monte Real) > XI Encontro Nacional da Tabanca Grande > 16 de abril de 2016 > Hélder Sousa e Belarmino Sardinha (BS)


Leiria > Monte Real > Palace Hotel Monte Real (Termas de Monte Real) > XI Encontro Nacional da Tabanca Grande > 16 de abril de 2016 > Miguel Pessoa e BS


Leiria > Monte Real > Palace Hotel Monte Real (Termas de Monte Real) > XI Encontro Nacional da Tabanca Grande > 16 de abril de 2016 >  As esposas, do Joaquim Peixoto (ao centro) e do José Cancela (à direita)...


Leiria > Monte Real > Palace Hotel Monte Real (Termas de Monte Real) > XI Encontro Nacional da Tabanca Grande > 16 de abril de 2016 > Pois que viva a Tabanca Pequena e gente que lá "vive"!


Leiria > Monte Real > Palace Hotel Monte Real (Termas de Monte Real) > XI Encontro Nacional da Tabanca Grande > 16 de abril de 2016 > Manuel Gonçalves (, que andou por Aldei Formosa), Francisco Baptista e Luís Graça


Leiria > Monte Real > Palace Hotel Monte Real (Termas de Monte Real) > XI Encontro Nacional da Tabanca Grande > 16 de abril de 2016 > Carlos Vinhal, Luís Graça, Joaquim Mexia Alves e Miguel Pessoa: a comissão organizador.


Fotos: © Juvenal Amado (2016). Todos os direitos reservados

1. Dizem que uma imagem vale mais do que mil palavras...  O que é bom, ou conveniente para  o editor quando lhe dá a preguiça: não tem que legendar... E depois já na tropa se dizia, "quem não sabe ler, que veja os bonecos"...

No meio do tabancal, salva-se o Belarmino Sardinha (que veio com a família, a esposa Antonieta, a filha Ana, o genro Pedro  e o neto!)... E, claro, as nossas caras metades, queridas bajudas, e as restantes famílias e os nossos amigos...  O resto (nós, os ex-combatentes), é uma "cambada de apanhados"... "Apanhados do clima" era a curiosa expressão que usávamos  na Guiné... Nunca ninguém conseguiu trocar isso  por miúdos... Afinal, o que era um "apanhado"? ... Enfim, "entre a grande euforia do (re)encontro e a pequena depressão pós-pandrial", não fica mal... Pós ou pré ? Não vejo comida, os pratos estão vazios... Mas as barriguinhas já estão atestadas cm os aperitivos...

Para o ano há mais, se a Tabanca Grande quiser.
______________

Nota do editor:

Último poste da série > 21 de abril de  2016 > Guiné 63/74 - P15997: XI Encontro Nacional da Tabanca Grande, Palace Hotel de Monte Real, 16 de Abril de 2016 (13): Fotos de Juvenal Amado - Parte I: Gente com estilo...

quinta-feira, 21 de abril de 2016

Guiné 63/74 - P15999: In Memoriam (254): Nina Amado (1932-2016), Mãe do nosso camarada e amigo Juvenal Amado, falecida no passado dia 13 de Abril

1. Mensagem do nosso camarada Juvenal Amado (ex-1.º Cabo Condutor Auto Rodas da CCS/BCAÇ 3872, Galomaro, 1971/74), com data de 15 de Abril de 2016, com um poema homenageando a memória de sua Mãe, falecida no passado dia 13, dias antes do nosso Encontro Nacional:

Carlos e Luís e restantes camaradas 
Ao longo dos anos em que participo neste nesta, tertúlia aprendi a sentir os camaradas como família. 
Assim dando resposta a muitos, que me foram perguntando pela saúde da minha mãe, venho cumprir a dolorosa obrigação de informar do seu falecimento no dia 13 de Abril. 
A foto é a minha mãe o meu pai jovens, que é assim que os quero recordar para sempre. 

Obrigado
Juvenal Amado

IN MEMORIAM

NITA AMADO - 1932-2016

Os Pais do Juvenal - Nátio e Nita Amado


O TEU PERFUME PARA NÓS SERÁ ETERNO

Os anos passaram sobre o teu olhar
Viste-nos crescer
Foste a nossa sombra protectora.
Cavaram-se no teu rosto as rugas
Olhavas para nós expectante
Os teus olhos falavam suplicantes

Não sei te lembravas
Nós saltávamos para tua cama,
regressávamos ao ninho do teu colo,
repartíamos alegria com beijos e risos.
O nossos risos de crianças ainda ecoam
Como fomos felizes sobe o teu olhar!

Foram dolosos os últimos anos
Definhaste
Como uma flor com o caule cortado,
foste-te despedindo de nós
suavemente .

Os cravos floriram e tu não viste,
não fomos capazes de parar o tempo
Ontem num gesto derradeiro
Acompanhámos-te,
depositámos-te na terra,
Para trás ficou um rasto de luz,
só habitas no nosso coração
Mas o teu perfume,
para nós será eterno.

Nita Sacadura Amado.
3 de Dezembro de 1932 - 13 de Abril de 2016

************

Comentário do editor

Para o camarada Juvenal Amado, e demais familiares, vão as nossas mais sentidas condolências pelo falecimento da senhora Dona Nina Amado. 
Ele não quis que se publicasse a notícia da morte da senhora sua mãe antes do nosso Encontro. Aqueles que souberam da notícia antes, tiveram a oportunidade de lhe dar um abraço solidário em Monte Real.
____________

Nota do editor

Último poste da série de 21 de abril de 2016 Guiné 63/74 - P15998: In Memoriam (253): António dos Santos Mano (Larinho, Torre de Moncorvo, 1943 - Estrada Missirá-Enxalé, 1966), fur mil op esp, CCAÇ 1439 (Enxalé, Missirá e Porto Gole, 1965/67) (Armando Gonçalves / Júlio Martins Pereira / Henrique Matos / João Crisóstomo)

Guiné 63/74 - P15998: In Memoriam (253): António dos Santos Mano (Larinho, Torre de Moncorvo, 1943 - Estrada Missirá-Enxalé, 1966), fur mil op esp, CCAÇ 1439 (Enxalé, Missirá e Porto Gole, 1965/67) (Armando Gonçalves / Júlio Martins Pereira / Henrique Matos / João Crisóstomo)


Guiné > Zona Leste> Setor L1 > Bambadinca >  CCAÇ 1439 (Enxalé, Missirá, Porto Gole, 1965/67) > O meio, o furriel de transmissões, à direita de costas, o capitão Pires e à esquerda o fur mil op esp António dos Santos Mano, que irá morrer em 6/10/1966, na sequência de uma mina  A/C, na estrada Missirá-Enxale.


Foto: © João Crisóstomo  (2015) Todos os direitos reservados.  




Guiné > Zona Leste> Setor L1 > Bambadinca > Estrada Enxalé-Missirá > Sítio do Mato Cão > 6 de outubro de 1966 > Cratera povocada por uma mina A/C cuja explosão provocou a morte do soldado Manuel Pacheco Pereira Junior, da CCaç 1439 [Enxalé, Missirá e Porto Gole, 1965/67]. Era natural de São Miguel, Açores. Os restos mortais (cerca de 3 kg) ficaram no cemitério de Bambadinca, talhão militar, fileira 2, campa 1, Guiné-Bissau.

 Henrique Matos reviu a sua versão inicial em relação o que ocorreu nesse dia 6/10/66:

(i)  a primeirra mina, na coluna Missirá-Enxalé, [ comandada pelo af ml Luís Zagallo],  causou a morte do Fur Mano [, decepou-lhe  a perna,  acabando por morrer por falta de assistência];

(ii) há uma  2.ª min,  na coluna que foi em socorro,  a partir do Enxalé,  comandada pelo [alf mil João] Crisóstomo, tendo neste caso causado a morte do Manuel Pacheco;

(iii) "foram os únicos mortos e, se a memória não me falha, não houve feridos com muita gravidade".

Foto (e legenda): © Henrique Matos (2008). Todos os direitos reservados.



Adicionar lAntónio dos Santos Mano (194-1966).
Foto de João Crisóstomo [c. 1965/66]

1. Do nosso leitor Armando Gonçalves, professor do Agrupamento Escolar dr. Ramiro Salgado, de Torre de Moncorvo:


Data: 20 de abril de 2016 às 13:26

Assunto: Furriel Miliciano António dos Santos Mano


Sr. Luís Graça


Sou professor da Escola dr. Ramiro Salgado, de Torre de Moncorvo e pretendemos fazer uma homenagem aos soldados mortos no Ultramar. Pelo facto todas as informações são importantes. Tenho estado em contacto como sr. Carlos Vinhal, José Casimiro Carvalho e, principalmente, Manuel Augusto Reis.

Desta feita, procuro saber informações de António dos Santos Mano, verifiquei que há camaradas dessa companhia [, a CCAÇ 1439].

Nasceu no Larinho, a 25 de junho de 1943;

Filho de Manuel dos Santos Mano e de Clementina do Nascimento Ferreira;

Posto: Furriel Miliciano Atirador Operações Especiais 01595964;

BII 19 (Batalhão Independente de Infantaria 19-Funchal)

Companhia de Caçadores 1439 / Batalhão de Caçadores 1888

Embarque a 2 de agosto de 1965;

Causa da morte: combate.

Faleceu em Enxalé, província da Guiné, pelas 7 horas e 30 minutos do dia 6 de outubro de 1966

Local de sepultura: freguesia natural


Precisava de saber das suas funções, qual a sua área de ação e em que circunstâncias se deu a sua morte.


Grato pela atenção,

Armando Manuel Lopes Gonçalves

Telemóvel (...) 966844876


2. Nota do editor:

O Mano era fur mil op esp. Temos dois postes sobre as circunstâncias em que morreu... Aliás, temos duas versões, de camaradas que lhe estavam próximos: José Martins Pereira, nosso grã-tabanqueiro nº 635 (,  natural de Paredes, vive em Campo, Valongo), e que era  sold trms, da CCAÇ 1439, estando destacado em Missirá, com o Gr Com do alf mil Luís Zagallo, de que fazia parte o fur mil op esp Mano (*).   Outra versão é do Henrique Matos, ex-alf mil, cmdt do Pel Caç Nat 52 (qu estava no Enxalé) (**).

Segundo o portal  Ultramar Terraweb, o António dos Santos Manos é dos um 29 mortos, na guerra colonial, naturais do concelho de Torrre de Moncorvo.  Vamos naturalmente ajudar o professor Armando Gonçalves, os seus alunos e a sua escola a fazer a justa homenagem, 50 anos depois, a este nosso bravo camarada que deu o melhor de si, a sua vida, morrendo aos 23 anos, em circunstâncias que imaginanos horrorosas: com a perna decepada, esvaiu-se em sangue, sem assistência médica... (***).

O João Crisóstomo (que vive em Nova Iorque desde 1975) acaba de nos mandar um depoimento sobre esse dia fatídico para a sua  antiga companhia,  CCAÇ 1439 [Enxalé, Missirá e Porto Gole, 1965/67], ... Nesse dia, na 2ª mina, ele perdeu um dos seus homens, o Manuel Pacheco Pereira Junior, quando iam em socorro do Gr Comb do Luís Zagallo. É dele a única que temos com o infortunado camarada António dos Santos Mano. Esperemos por outros contributos dos nossos leitores, camaradas nomeadamente desse tempo e dessa companhia.



Algarve > Faro > Julho de 2015 > "Vilma e eu encontramo-nos [,da esquerda parta a direita,] 

com o Chico, Henrique Matos, Teixeira e Viegas".



[Recorde-se que o Henrique Matos, açoriano a viver no Algarve, foi alf mil, cmdt do Pel Caç Nat 52 (Enxalé, 1966/68),e que o José António Viegas, algarvio, foi fur mil do Pel Caç Nat 54 (Enxalé e Ilha das Galinhas, 1966/68). Os três são membros da nossa Tabanca Grande. Nesse mesma nao e mês o o novaiorquino João Crisóstomo e a sua esposa Vilma foram à Madeira. O João teve ocasião de estar com o pessoal da CCAÇ 1439, "uma companhia toda madeirense (com exceção dos graduados e especialistas; o Antonino Freitas era o único alferes madeirense)"]

Foto: © João Crisóstomo  (2015) Todos os direitos reservados.  




Guiné > Zona leste > Carta de Bambadinca (1955)  > Escala 1/50 mil  >  Estrada Missirá-Enxalé > Local provável do rebentamento da mina A/C que provocou a morte , em 6/10/1966, do fu rmil op esp Mano, a cerca de 800 metros a sul do cruzamento para Canturé e Finete, antes do Mato Cão, na margem direita do Rio Geba Estreito. A sede do batalhão era em Bambadinca. A CCAÇ  1439 estava em Enxalé, com destacamentos em Missirá (a nordeste do Enxalé) e em Porto Gole (a oeste de Enxalé)  junto ao R Geba. Em frente ao Enxalé, na margem, esquerda o R Geba ficava o Xime.

Infogravura: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné (2016).

3. Resposta imedidata,  de hoje, de João Crisóstomo, a partir de Nova Iorque onde reside desde 1975:




Caro Luís Graça, Armando e demais camaradas,

Não poderei ajudar muito, já que não tenho muita confiança na minha memória; de vez em quando verifico ter as coisas baralhadas, pois a minha memória por vezes parece lembrar duma maneira e verifico que outros dão um relato diferente do que me parece lembrar. Mas, dentro do que posso, aqui vai o que relembro.

Aqui envio uma foto ( a única que tenho em que sou capaz de identificar sem qualquer dúvida o furriel Mano). Não sou capaz de lembrar o nome do “operação” nem a data, mas recordo-me bem das circunstâncias: andávamos no mato e o Capitão Pires, comandante da CCAÇ 1439 (, de costas, no canto direito da foto; era ele mesmo que estava a comandar esta operação no mato), a certa altura concluiu que estávamos "perdidos",l  sem saber para onde seguir, pois os próprios !"guias" discutiam e não davam com o caminho. 

Foi talvez mesmo a única vez que me lembro que eu vi o nosso Capitão Pires "desnorteado". Mandou parar a coluna e chamou o furriel de comunicações para contactar os “bombardeiros” [, T 6,] para ver se conseguíamos deles a nossa posição e a direção a seguir. E eu resolvi tirar a foto ao furriel de transmissões, quando este tentava montar o rádio de transmissões ; ( já não me recordo do nome dele, mas talvez alguém o reconheça e identifique; só sei que,assim me disseram,ele continuou na tropa depois da companhia ter voltado a Portugal): o furriel Mano é o segundo do lado esquerdo da foto.

Posso confirmar o que o Henrique diz, como a versão, segunda a minha memória, mais de acordo com o que aconteceu: "Em relação às minas de 6/10/66 em Mato Cão, aqui vai um resumo: a 1.ª na coluna Missirá-Enxalé causou a morte do Fur Mano; a 2.ª na coluna que foi em socorro a partir do Enxalé comandada pelo Crisóstomo, tendo neste caso causado a morte do Manuel Pacheco. Foram os únicos mortos e se a memória não falha, não houve feridos com muita gravidade. Também lá fui de seguida como já relatei anteriormente."

Não me recordo dos detalhes da morte do furriel Mano, a não ser pelo que me contaram e que é mais ou menos o que está descrito. Devo esclarecer/confirmar o desenrolar cronológico do acontecido de que o primeiro a sofrer a mina foi a coluna do Zagalo; a companhia, sob o comando do Capitão Pires tinha acabado de chegar do mato; a “malta” estava toda estafada e o capitão Pires depois de saber que o Zagalo tinha sofrido uma mina, com baixas - não sabíamos detalhes - e precisava de ajuda,  disse-me, sabendo bem que estávamos todos estafados, para juntar todos os que tinham ficado no quartel (pessoal de serviços) e “pedir” voluntários para ir em socorro de Zagalo.

Eu juntei o primeiro,  o meu pelotão,  e disse-lhes que antes de falar com o resto da companhia queria saber primeiro com quantos eu podia contar do meu pelotão. E todos sem excepçao se prontificaram a ir comigo…

Um dos soldados do meu pelotão era o Manuel (o único açoreano da companhia); sofremos uma mina e na altura até pensamos que tinhamos tido sorte, pois “não tinha havido baixas”. Só demos pela falta do Manuel Açoreano, quando de manhã no rol de chamada o Manuel não respondeu e começamos a perguntar se alguém sabia onde ele estava. Foi nesse momento que alguém disse que a ultima vez que tinha visto o Manuel ele estava no Unimog que ia na coluna de socorro ao Zagalo e era o Unimog  que tinha ido pelos ares quando a mina rebentou. Conforme descrito e confirmado depois, ele havia sido "literalmenet pulverizado por uma mina" .

E sem querer estar a ensinar o Padre nosso ao vigário, pois é natural que até tenha sido isso a primeira coisa que fizeram: com certeza que há-de haver, nos arquivos das Forças Armadas, informação de todos os que foram vítimas das guerras ultramarinas… e informação de nomes completos, datas , unidades a que pertenciam etc. Com esses dados será depois muito mais fácil encontrar quem possa dar mais detalhes sobre esses nossos camaradas, cuja memória em boa hora vocês se propõem lembrar e honrar.

Se alguém me quiser contactar por favor usem o email e mandem-me o vosso contacto telefónico que eu terei muito gosto em lhes ligar; eu sei que para voçês ligarem para mim fica caro ( quando vou a Portugal tenho de estar sempre com cuidado ao ligar para fora…) mas por outro lado custa-me muito pouco ligar daqui dos USA para a Europa. Portanto, se quiserem,  e eu terei muito gosto, deem-me os vossos contactos telefônicos, eu sou pouco de “facebooks” e coisas assim. Quando tenho tempo (ainda ando sempre envolvido em coisas que me exigem muito tempo, basta fazer o Googgle com o meu nome e podem verificar o que digo) ainda vejo alguns blogues, como é o caso do nosso Luis Graça e camaradas da Guiné.  Mas fora disso,... só mesmo o telefone e email.

Entretanto, deixem-me dizer que foi uma surpresa muito gratificante saber da vossa iniciativa. E por isso é com admiração, direi mesmo gratidão,  que a todos envio um grande abraço.

João Crisóstomo
Alferes Miliciano, CCAÇ 1439

 ________________

Notas do editor:

(*) Vd. poste de 10 de maio de 2008 > Guiné 63/74 - P2830: Aqueles que nem no caixão regressaram (4): O Açoriano, da CCAÇ 1439, desintegrado por uma mina (Henrique Matos)

(...) No dia 6 de Outubro de 1966 numa coluna [da CCAÇ 1439] que saiu do Enxalé para reabastecimento de Missirá (sorte minha, porque não foi a minha vez de a comandar) e no fatídico lugar de Mato Cão, o soldado Manuel Pacheco Pereira Júnior, mais conhecido pelo Açoriano pois era o único natural dos Açores naquela companhia que era de madeirenses, foi literalmenet pulverizado por uma mina A/C.

Quando digo pulverizado é o termo que melhor descreve a situação, pois sou um dos que andou à procura de restos do corpo e apenas encontrámos pequenos fragmentos de ossos com que fizemos um embrulho que pesava poucos quilos. Tem a sua campa em Bambadinca, como se pode ver na relação do Marques Lopes. A G3 dele nunca mais se viu, pensando-se que terá voado para o Geba que passa a não muitos metros de distância. (...)

(...) Mas a tragédia não acaba aqui. A coluna foi descarregar a Missirá e regressou a abrir, isto é, o mais depressa que podia andar e sem picar. Então muito próximo do mesmo local outra mina A/C tirou a vida ao fur mil ranger António dos Santos Mano, que vinha ao lado do condutor mas com uma perna para o lado de fora do assento. E foi isso que lhe causou a morte, pois a perna foi decepada e não houve forma de o salvar. Nessa noite foi preciso acalmar muita gente no Enxalé,  pois a companhia, [a CCAÇ 1439,] só tinha tido uma baixa até essa ocasião e já ia a caminho de 15 meses de comissão. (...)



[Júlio Martins Pereira, sold trms, CCAÇ 1439, Enxalé, Missirá e Porto Giole, 1965/67, foto à esquerda]

(...) De Bambadinca fomos para o Enxalé e daqui uns foram para Missirá e outros para Porto Gole. Eu fui para Missirá, no pelotão comandado pelo já falecido alferes [Luís] Zagallo. Na ocasião a morada no continente do alf Zagallo era na Rua das Janelas Verdes, em Lisboa. 

No dia 6 de outubro de 1966, por volta das 7 horas da manhã, íamos nós de Missirá a caminho do Enxalé em coluna com um jipe e um unimogue, íamos buscar alimentos e outros produtos pró pessoal. Depois de passar o cruzamento que dava para Finete, aproximadamente, 800 metros à frente havia uma poça d’água. O jipe que ia na frente desviou-se, nesse jipe ia o motorista, o alf Zagallo, o enfermeiro e mais dois soldados. A seguir ia o unimogue que não se desviou da poça d’água e aí rebentou a mina. Na frente, no unimogue, ia o furriel Mano, de pé, do lado esquerdo do condutor e ao lado deste mais 2 ou 3 soldados, na parte de trás. Nos bancos laterais onde eu ia, iam os bancos completos.

Rebentada a mina, eis que alguns de nós tal como eu, encontrámo-nos dentro daquela cratera, cheia de lodo e gasóleo. Nós, sem armas, os mais conscientes ainda conseguímos gatinhar para encontrar armas para nos defendermos de qualquer eventualidade, no meio de toda aquela gritaria, todos aqueles berros, os choros, todos aqueles, mortos e feridos... Apesar de tudo só ouvimos lá longe uma rajada de costureirinha, a querer dizer-nos algo sobre o que nos tinha acontecido...

Como não houve mais nenhuma reação, demos início à procura e recolha dos nossos mortos e feridos. Estes encontravam-se espalhados, quer no capim encharcado de cacimbo (orvalho noturno), quer nos destroços do unimogue que ficou virado em sentido contrário e retirado da cratera.

Ainda hoje me lembro de ter retirado um camarada nosso, pegá-lo por baixo dos braços e encostá-lo ao taipal para que outros o pusessem no chão. Era preciso retirá-los daquele sofrimento e acalmá-los e procurar todos os outros.

Entretanto o jipe onde ia o alf Zagallo volta para trá. Passado aquele tempo de possível reação [do IN ], entretanto, eu já tinha ido procurar os meus/nossos companheiros, quando fui ter com o alf Zagalo, e lhe disse onde estavam alguns dos nossos mortos e feridos, incluindo o furriel Mano, todo esventrado, esfacelado, só a carne dava sinais porque ainda estava quente. 

A partir daqui começamos a recolher os restos dos mortos, e a pô-los no fundo do jipe, por cima os feridos mais graves, a estes amarrámos ligaduras do enfermeiro para que não caíssem com o andamento do jipe, que ia transformado num autêntico carro de horrores.

Iniciada a marcha de retorno, esta na direção de Finete, fui eu, então a pé, desde o local da mina até Finete. A correr, sozinho com a arma em bandoleira para pedir socorro, uma vez aí, no cimo daquela grande bolanha, frente a Bambadinca. 

O comandante das tropas aí aquarteladas [, em Finete], depois de me ouvir, mandou 4 soldados [africanos] acompanharem-me até Bambadinca [, sede do batalhão,], para pedir socorro, mas ao mesmo tempo começam a emitir mensagens para o interior da bolanha no sentido de avisarem, a muita população que ali estava a trabalhar, que tinha rebentado uma mina ali perto. E estes, em debandada, encaminham-se para o rio Geba para fugirem para Bambadinca a bordo. Claro, das canoas, aí tive de pedir que retirassem cinco elementos da população para que eu e os meus quatro camaradas que me acompanhavam pudéssemos chegar ao batalhão que aí estava aquartelado [, em Bambadinca].

Dali fui pedir apoio a Bissau para virem os helicópteros, e também à minha companhia, CCAÇ 1439. Prá companhia fui eu que fiz o ponto da situação. Ali, o comando do batalhão fornece-me um rádio para que eu pudesse comunicar com os helicópteros e as respetivas frequências para uma boa comunicação.

Entretanto quando eu e os 4 soldados pretos iniciámos a marcha de regresso a Finete em plena bolanha e já com o roncar dos helicópteros, e eu a sintonizá-los no meu rádio, eis que ouço um forte rebentamento e logo peço aos pilotos dos hélios que se possível passassem pela zona de Mato Cão, pois que o rebentamento ouvido instantes atrás podia ter a ver com a CCAÇ 1439 que vinha em nosso socorro. 

Infelizmente veio logo a seguir a confirmação dos pilotos dos hélios, que era verdade, a CCAÇ 1439 tinha tido no dia 6 de outubro de 1966 duas minas, as duas não muito longe uma da outra... Aí em Finete ainda consegui falar com os pilotos dos hélios, aquando das evacuações da 1ª mina, a quem pedi que comunicassem a Bissau a pedir evacuação rápida para o pessoal que estava em Mato Cão, na 2ª mina.

A quantidade de soldados mortos e feridos não sei ao certo, só procurando nos arquivos do BII 19, no Funchal. Digo eu, ou então o capitão, comandante da companhia, ou o alf Freitas ou o alf [João] Crisóstomo, ou o 1º [sargento] da secretaria ou o [1º cabo ] cripto, tantos, tantos outros que podem confirmar tudo isto. (...)


(***) Último poste da série > 12 de abril de  2016 > Guiné 63/74 - P15966: In Memoriam (252): Júlio Rafael Moreira Assis (1948-2016), ex-Soldado Radiotelegrafista da CCS/BART 2917 (Bambadinca, 1970/72) (Benjamim Durães)

Guiné 63/74 - P15997: XI Encontro Nacional da Tabanca Grande, Palace Hotel de Monte Real, 16 de Abril de 2016 (13): Fotos de Juvenal Amado - Parte I: Gente com estilo...


Leiria > Monte Real > Palace Hotel Monte Real (Termas de Monte Real) > XI Encontro Nacional da Tabanca Grande > 16 de abril de 2016 > O Bando do Café Progresso (1): o Jorge Teixeira (Portojo) e o  David Guimarães à frente do pelotão...


Leiria > Monte Real > Palace Hotel Monte Real (Termas de Monte Real) > XI Encontro Nacional da Tabanca Grande > 16 de abril de 2016 > O Bando do Café Progresso (2): Jorge Teixeira, o chefe do bando, o José Ferreira de Catió, o Jorge Teixeira (Portojo) e o David Guimarães, todos em primeiro plano. Atrás o Jorge Peixoto.


Leiria > Monte Real > Palace Hotel Monte Real (Termas de Monte Real) > XI Encontro Nacional da Tabanca Grande > 16 de abril de 2016 > O Bando do Café Progresso (3): a vida é super...


Leiria > Monte Real > Palace Hotel Monte Real (Termas de Monte Real) > XI Encontro Nacional da Tabanca Grande > 16 de abril de 2016 > O Bando do Café Progresso (4): um intruso (?), o "herói de Gadamael"... Ao lado, o António Tavares, tabanqueiro da tabanca do Bando do Café Pogressso...  A bajuda que está a espreitar pela vidraça não entra no filme...


Leiria > Monte Real > Palace Hotel Monte Real (Termas de Monte Real) > XI Encontro Nacional da Tabanca Grande > 16 de abril de 2016 > Manuel Lima Santos, Carlos Vinhal, Victor Tavares e Giselda Pessoa


Leiria > Monte Real > Palace Hotel Monte Real (Termas de Monte Real) > XI Encontro Nacional da Tabanca Grande > 16 de abril de 2016 > Abel Santos (Buruntuma)


Leiria > Monte Real > Palace Hotel Monte Real (Termas de Monte Real) > XI Encontro Nacional da Tabanca Grande > 16 de abril de 2016 > Gina e António Fernando Marques, um casal magnífico da Magnífica Tabanca da Linha


Leiria > Monte Real > Palace Hotel Monte Real (Termas de Monte Real) > XI Encontro Nacional da Tabanca Grande > 16 de abril de 2016 > O Zé Manel Cancela e o Zé Manel Lopes, com ares de empresários...


Leiria > Monte Real > Palace Hotel Monte Real (Termas de Monte Real) > XI Encontro Nacional da Tabanca Grande > 16 de abril de 2016 > Da esquerda para a direita, António Pimentel, um camarada que não identifico, o Francisco Silva e o JERO...


Leiria > Monte Real > Palace Hotel Monte Real (Termas de Monte Real) > XI Encontro Nacional da Tabanca Grande > 16 de abril de 2016 > Da direita para a esquerda: o nosso fadista Armando Pires, o  Fernando Andrade Sousa (nosso grã-tabanqueiro nº 714) mais a esposa e o António F. Marques


Leiria > Monte Real > Palace Hotel Monte Real (Termas de Monte Real) > XI Encontro Nacional da Tabanca Grande > 16 de abril de 2016 > Jorge Canhão, Maria de Lurdes, António Martins de Matos e JERO.

Fotos: © Juvenal  Amado  (2016). Todos os direitos reservados


1. Outro bom, surpreendentemente bom fotógrafo da Tabanca Grande!... O nosso Juvenal Amado, que não é apenas um camarada com talento para a escrita!... Não sei se "a tropa fez dele uma homem", não é pergunta que se faça a alguém que, depois da tropa, andou na guerra, e teve a sorte de voltar para contar como foi... É um bom camarada e um melhor amigo, natural de Alcobaça, terra abençoada por Deus e pelos seus monges... Obrigado, Juvenal, pela teu livro, obrigado pelas tuas fotos do nosso XI Encontro Nacional... Considero-as uma prenda de aniversário, o blogu8e faz 12 anos de existência a 23 de abril.
___________

Nota do editor:

Último poste da série > 20 de abril 2016 > Guiné 63/74 - P15993: XI Encontro Nacional da Tabanca Grande, Palace Hotel de Monte Real, 16 de Abril de 2016 (12): Quando o mundo é pequeno em Monte Real e  todos cabem na Tabanca Grande...

Guiné 63/74 - P15996: Parabéns a você (1068): António Branquinho, ex-Fur Mil Inf do Pel Caç Nat 63 (Guiné, 1969/71)

____________

Nota do editor

Último poste da série de 19 de Abril de 2016 Guiné 63/74 - P15988: Parabéns a você (1066): Augusto Vilaça, ex-Fur Mil Art da CART 1692 (Guiné, 1967/69); Leão Varela, ex-Alf Mil Inf da CCAÇ 1566 (Guiné, 1966/68) e Victor Barata, ex-1.º Cabo Especialista MMA - DO 27 da BA 12 (Guiné, 1971/73)