terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Guiné 61/74 - P17008: Efemérides (243): Acontecimentos no mês de Janeiro, entre 1963 e 1974, na Guiné (António Tavares, ex-Fur Mil SAM)



1. Mensagem do nosso camarada António Tavares (ex-Fur Mil SAM da CCS/BCAÇ 2912, Galomaro, 1970/72), datada de 30 de Janeiro de 2017:

Camarigos,
Neste Janeiro de 2017, recordemos

OS PRINCIPAIS ACONTECIMENTOS DE OUTROS JANEIROS, no Comando Territorial Independente da Guiné:

Em Janeiro de 1960 Amílcar Cabral abandona definitivamente Lisboa para encabeçar a luta de libertação nacional da Guiné.

1963.01.09 - Inauguração, no Centro Nacional de Transmissões, em Lisboa, da ligação pela rádio e teleimpressor com os Serviços Militares da Guiné.

1963.01.23 - Início da luta armada na Guiné, com um ataque ao quartel de Tite, no Sul da Guiné, pelo PAIGC.

1964.01.05 - Ataque do PAIGC a Mansabá, no Morés, com implantação de minas na estrada Mansabá-Mansoa, uma das quais foi accionada por uma autometralhadora Fox.

1964.01.14 - Início da Operação Tridente na ilha de Como, no Sul da Guiné, que se prolonga por mais de dois meses. Nesta operação, que durou 71 dias, Portugal mobilizou cerca de 1200 homens, do Exército, Marinha e Força Aérea.

1964.01.28 - O PAIGC implanta minas na estrada Mansabá-Bissorã e na estrada Bissorã-Olossato.

1965.01.01 - Primeira emissão de uma Emissora de Rádio do PAIGC. O PAIGC dispunha da Rádio Libertação, que era a emissora do partido e, a nível internacional, dispunha do apoio da Rádio Conacri, Rádio Pequim, Rádio Praga, Rádio Gana e Rádio Cairo, que emitiam várias horas em português.

1966.01.03 - Amílcar Cabral teve diversos encontros com Fidel Castro em Havana. Foi a partir desta data que se iniciou a ajuda cubana ao PAIGC, fornecendo assessoria militar e ajuda médica.

1966.01.04 - Criação do Serviço Postal Militar, através do Decreto-Lei n.º 46 826, constituído por um número com quatro algarismos. O oito (- - - 8) era o último número atribuído ao CTI da Guiné.

1966.01.22 - Ataque de guerrilheiros do PAIGC a Fulacunda, Sul de Bissau, apoiado com morteiros 82 mm e foguetes de 122 mm, causando 13 feridos.

1968.01.03 - A PIDE referia nos seus relatórios desinteligências graves entre Amílcar Cabral e Malam Sanhá, Mamadu Djassi e Oto, que se tinham recolhido a Conacri. A acusação que faziam a Cabral era a do favorecimento aos cabo-verdianos.

1968.01.10 - Ataque simultâneo do PAIGC à Lancha de Fiscalização Grande (LDG) Hydra e ao quartel de Cacine no rio Cacheu.

1968.01.11 - Emboscada a uma coluna portuguesa na estrada Guileje-Gadamael-Porto causando um morto e oito feridos à força portuguesa.

1968.01.24 - Ataque do PAIGC a aviões T-6 e Fiat G-91 com metralhadora antiaérea na região de Cafal Balanta – Cantanhez-Sul.

1968.01.31 - Ataque do PAIGC ao quartel de Buba, no Sul, provocando sete feridos e grandes destruições. O ataque foi acompanhado pelo capitão cubano Peralta. Este seria capturado em 16.11.1969  no corredor de Guileje por forças Paraquedistas, durante a operação Jove.

1969.01.21 - Operação Grande Colheita na zona de Bigene, nos “corredores” Talicó e Sambuiá.

1970.01.05 - Reunião entre o PAIGC e o Governo do Senegal para resolver a crise existente em Casamança.

1971.01.01 - O PAIGC entrega um cabo e três soldados desertores do Exército Português ao Crescente Vermelho da Argélia. O PAIGC encaminhava habitualmente os prisioneiros portugueses para Argel através do Crescente Vermelho.

1972.01.13 - Forças portuguesas capturaram duas rampas de foguetões do PAIGC, na região de Aldeia Formosa.

1972.01.24 - Golpe de mão de guerrilheiros do PAIGC, comandados por Queba Sambu, a Catió, fazendo prisioneiros dois militares portugueses.

1972.01.27 - Convite formal do PAIGC ao Conselho de Segurança da ONU para enviar uma delegação às “áreas libertadas da Guiné”.

1973.01.08 - Amílcar Cabral anunciou que o Estado da Guiné-Bissau seria proclamado em 1973. Esta promessa foi feita no final da mensagem de Ano Novo lida por Amílcar Cabral na rádio de Libertação, a emissora do PAIGC.

1973.01.20 - Assassínio de Amílcar Cabral, em Conacri.

1973.01.27 - Mensagem de exortação dos dirigentes do PAIGC aos combatentes, na sequência da morte de Amílcar Cabral, assinada por Aristides Pereira, Luís Cabral, Chico Mendes, Victor Saúde Maria, Silvino da Luz e Paulo Correia.

1973.01.28 – Continuação da reocupação do Cantanhez.

1974.01.01 - Fim da Operação Galáxia Vermelha no Cantanhez, a primeira grande operação do comando de Bettencourt Rodrigues.

1974.01.03 - Flagelação do PAIGC a Canquelifá com mais de 100 foguetões de 122mm e 50 granadas de morteiro durante mais de 10 horas.

1974.01.06 - Ataque do PAIGC a Canquelifá com 50 foguetões de 122mm durante três horas e a Buruntuma durante 50 minutos com 30 foguetões de 122 mm.

1974.01.07 - Emboscada do PAIGC na estrada Bajocunda-Copá.

1974.01.07 - Operação Minotauro, na zona de Canquelifá, tendo uma força do recrutamento local interceptado um grupo do PAIGC com 50 elementos, causando-lhe 22 mortos confirmados.

1974.01.07 - Disparos de mísseis Strela contra dois aviões Fiat G-91 em Bedanda.

1974.01.08 – O PAIGC destruiu com cargas explosivas o pontão na estrada Pirada-Bajocunda sobre o rio Mael Jaube.

1974.01.09 – O PAIGC atacou com RPG e armas automáticas quatro helicópteros e um heli-canhão em operações na região de Canquelifá.

1974.01.20 - Ataques do PAIGC a várias guarnições militares no Sul da Guiné para celebrar o 1.º aniversário da morte de Amílcar Cabral.

1974.01.21 - Primeira acção do PAIGC na cidade de Bissau, com lançamento de engenhos explosivos contra autocarros da Força Aérea.

1974.01.26 – Assinatura de um contrato para fornecimento a Portugal de mísseis Antiaéreos Crotale, destinados à defesa antiaérea dos pontos sensíveis na Guiné.

1974.01.28 – O PAIGC lança dois engenhos explosivos num café de Bissau frequentado por militares portugueses.

1974.01.31 - Novo ataque do PAIGC a Canquelifá, próximo da fronteira do Senegal com 50 foguetões de 122mm durante duas horas. Um avião militar português Fiat G-91 foi abatido com um míssil Strela a sul de Canquelifá. O piloto ejectou-se e foi recuperado na povoação de Dunane no dia seguinte.

Fonte:  Os Anos da Guerra Colonial, 1961-1975, de Aniceto Afonso e Carlos de Matos Gomes (Quidnovi II, Matosinhos, 2010, 832 pp.).

Abraço
António Tavares
Foz do Douro, Domingo 29 de Janeiro de 2017
____________

Nota do editor

Último poste da série de 9 de janeiro de 2017 > Guiné 61/74 - P16938: Efemérides (242): Homenagem a Vitor Manuel Parreira Caetano (Mário Pinto, ex-fur mil at art da CART 2519 - "Os Morcegos de Mampatá", Buba, Aldeia Formosa e Mampatá, 1969/71)

4 comentários:

Tabanca Grande disse...

Obrigado, Tavares, pela iniciativa... Já agora, era interessante continuares, mês a mês... E podes abrir esta série à participação ativa dos camaradas que nos leem...Há muitas efemérides em janeiro, de 1961 a 1974, que podem e ser aqui lembradasm, registadas, divulgadas...

Por exemplo, o meu camarada e amigo António Marques, da CCAÇ 12, nunca se esquece do fatídico dia 13 de janeiro de 1971: à saídfa do reordenamento de Nhabijões, a escassos quilómetros de Bambadinca, caímos juntos numa potente mina A/C, com as nossas duas secções...

E duas horas antes tinha explodido, no mesmo sítio, uma outra anticarro, matando um dos nossos, o condutor... Houve duas dezenas de feridoa, entre graves e ligeiros... O Marques esteve dois anos no hospital... Eu fui mais sortudo, ia à frente, na mesma viatura (uma GMC daquelas do tempo da guerra da Coreia)...

"Petite histoire", pequena história ?... Certo, mas a história com H grande alimenta-se das pequenas histórias como esta... tal como os grandes rios se alimentam dos mais pequenos, seus afluentes...

Um abraço. Luis

José Marcelino Martins disse...

Parabéns pela iniciativa.
Já sabes a "trabalhera" que vai dar?

Mas vale sempre a pena.

Anónimo disse...

Caros amigos,

Quero chamar a atencao do Luis Graca e do Jorge Araujo sobre a data de 1968/01/03, na listagem do Antonio Tavares e o surgimento do nome de Malam Sanha, o mesmo que esteve no ataque ao quartel de Tite em 1963, com o grupo de Arafam Mane (Ndjamba).

De notar que desde 1968 ja era conotado com o grupo dos nacionalistas guineenses. Em meados de 1975 integrou um grupo de combatentes destacados para Cabo-Verde donde regressaria para liderar um grupo de contestatarios que nao concordavam com a forma como os dois paises estavam sendo dirigidos, mais tarde seriam liquidados nos arredores de Bissau (entre 1976/77), um caso muito pouco falado, na altura.

Com um abraco amigo,

Cherno Balde

António José Pereira da Costa disse...

Olá Camarada

O ataque que relatas a Cacine, em 1968 ocorreu, em 10FEV e não em 10JAN.
Tratou-se de um ataque a Cacine vindo de Sul, da ponta Canabem ou na Ponta Cabascane.
Casualmente a LGF estava ancorada em frente de Cacine. Picou as amarras e "foi-se a eles" em tiro directo com a peça de vante, uma peça AA de 4 cm. Nesse tempo as LGF e as LFP iam rotativamente a Cacine e patrulhavam os rios daquela área.

Na antevéspera (08FEV) tínhamos tido um ataque idêntico que deu dois feridos, ambos recuperados: uma para a CArt. 1692 e outro para os serviços auxiliares em Bissau.
Eram os serventes do morteiro. Saíram da caserna a correr e queriam abrigar-se debaixo de GMC que deveria estar ali parada, só que, a coluna tinha ido a Cameconde e a viatura não estava lá. Uma canhoada acertou no mangueiro que ali havia e cuspiu metralha sobre eles. Com o cap. Albuquerque Gonçalves da 5.ª CCmds fiz fogo de morteiro e ao fim de 15 minutos o ataque cessou.

Um Ab.
António J. P. Costa