sábado, 10 de junho de 2017

Guiné 61/74 - P17453: (De) Caras (77): O "contrabando" da... ternura ou como o "fiel amigo", o bacalhau, chegava à Bambadinca, ao Tony Levezinho, utilizando uma vasta rede de intermediários, do navio-tanque da Sacor à Casa Fialho - Parte II




"António Eugénio da Silva Levezinho nasce a 24 de Novembro de 1947, em Lisboa. Do pai, António Levezinho, herda o nome e a vontade de "vestir a camisola" pela Sacor. Seu pai era o funcionário número 27 da Sacor, onde entrou como electricista em 1954. É com orgulho que refere: "Já não fui o primeiro Levezinho a entrar para a Sacor, porque o meu pai é contemporâneo ao primeiro dia de existência da Sacor e contribuiu com as suas capacidades e competências para a construção da Refinaria de Lisboa." Com 5 anos apenas, ia já à refinaria onde o porteiro, impecavelmente bem vestido, perguntava: "Vem ver o paizinho?" Desde essa altura que entende esta empresa como uma segunda casa. É aqui que, em 1968, é abraçado pelo petróleo como escriturário aspirante. Na Sacor faz todo o seu percurso profissional, em Aprovisionamento e Exportação, até chegar a director-adjunto, em 1990." 

(Fonte: Vidas Galp Museu Virtual > Família > {1967] Anrtónio Levezinho, com a devida vénia. Segundo o Tony Levezinho, o pai começou por trabalhar, em 1940, numa das empresas que estava a construir a refinaria da Sacor. E entrou a seguir para a Sacor. Quando se reformou já era o funcionário nº 1 e não o 27).


1. Mensagem do Tony Levezinho, ex-fur mil at inf, CCAÇ 12 (Bambadinca, 1969/71):

 Olá,  Luis

Tal como o prometido, aqui segue um pequeno texto, o qual, tanto quanto a memória me permite, tenta corresponder ao teu desafio (*)

Sabes que,  em "open space",  não me é particularmente grato falar na 1ª pessoa. Contudo, acho que neste caso, tinha que ser mesmo assim.

Agradecimentos, entre amigos são dispensáveis. No entanto, quero que saibas do meu reconhecimento pela tua referência ao meu pai, a qual, sei que é genuína.

Um grande Abraço e um Beijinho para a Alice.

Tony

P.S. - Na Net encontras um site,  Galp Vidas -Museu Virtual. Já na primeira década de 2000 (talvez 2005/6) fui convidado pela Galp para participar, no contexto da minha área (Aprovisionamento e Exportação). Se tiveres algum interesse...


2. A OPERAÇÃO “BACALHAU COM TODOS” 

por Tony Levezinho


O Bacalhau, mais do que um produto gastronómico comum à mesa portuguesa é, sem dúvida, uma herança cultural de gerações.

Fazendo honras, como nunca, ao seu título de “Fiel Amigo”,  foi companheiro de muitos de nós com a frequência possível, mas sempre com a virtude de confortar o estômago e de mitigar quer as saudades que sentíamos das nossas famílias, quer as vicissitudes e incertezas do nosso dia-a-dia.

Concretamente, acerca do Contrabando de Ternura, tal como o meu querido amigo Luis Graça lhe chama, aqui vão os contornos principais do esquema que fazia funcionar esta “rede de contrabando”, a operar a partir do Continente, sempre com o objetivo de nos fazer sentir um pouco mais próximos dos nossos locais de origem, de onde (ainda hoje não percebo bem porquê) nos tiraram.

Na empresa onde trabalhei, a Sacor (depois de abril,  integrou a Petrogal, que hoje pertence ao grupo Gal),  tive a sorte de ter um colega que por acaso também se chamava António Levezinho, pessoa muito estimada naquela organização, na altura, um dos poucos ainda no ativo, desde a sua fundação [. Chegaria a ser o nº 1, na altura em que se reformou.]

Acresce que este colega era o meu pai. Assim se justifica (ainda mais) a sua iniciativa de usar as boas relações que tinha com todos os setores da companhia para, junto da Sacor Marítima, empresa armadora do grupo (existe ainda hoje com a mesma designação) assegurar que os pacotes com o “precioso miminho” chegavam ao Parque de Armazenagem de Combustíveis de Bandim, em Bissau.
Para o efeito, os navios envolvidos neste tráfego eram o  “SACOR”, o “ROCAS”, o “CIDLA” ou o “BANDIM”, aqui apresentados, pela mesma ordem:







Chegada a mercadoria à Guiné, era então a vez de entrar em ação o chefe do parque da Sacor, o senhor Daniel Brazão, com quem ainda viria a trabalhar em Lisboa, após o meu regresso. Este cúmplice providenciava no sentido de que as encomendas com o "fiel amigo" fossem entregues na Casa Fialho, casa comercial à boa maneira colonial e com grande implantação no território, a qual, a partir da sua casa-mãe em Bissau, se encarregava de as fazer seguir até à sucursal de Bafatá, onde eu próprio ou alguém a meu pedido as recolhia, logo que possível.


O porquê do envolvimento da Casa Fialho nesta “liga de boas vontades”? [Não tenho a certeza se a foto à esquerda à da Casa Fialho ou da Casa Pintozinho em Bissau... Foi o TOny que ma mandou, sem legenda. LG]

Simplesmente porque o seu dono, o senhor Sérgio Fialho, era o líder de uma família abastada de uma aldeia chamada Sobrena, no concelho do Cadaval, onde uma tia minha (irmã do meu pai) vivia, por se ter casado com um natural daquela localidade.

Depois desta confidência sobre os detalhes de como funcionava, no terreno, a operação “Bacalhau Com Todos”, dou comigo a pensar se não será excessiva a fidelidade que atribuímos ao Bacalhau, a ponto de o tratarmos como o “Fiel Amigo”.

Da minha parte, garanto, a fidelidade é absoluta para com o Bacalhau, qualquer que seja a maneira como ele se apresente no prato.

Um Abraço Amigo

Tony Levezinho
(CCaç.12 - Bambadinca, 1969/71)

08/jun./2017

[Imagens enviadas pelo Tony Levezinho]



Guiné > Zona Leste > Setor L1 > Estrada Bambadinca-Xime > Ponte do Rio Udunduma >  Destacamento da CCAÇ 12 > 1970 > 2º Grupo de Combate >  Era um ponto estratégico esta ponte. Dormíamos em buracos. De dia, davam-se ums mergilhos, apanhava-se peixe à linha ou à granada, fazíamos uns petiscos...mesmo sem cozinha. O almoço e a janta vinham de Bambadinca. O Tony Levezinho deve ter comido aqui, com o seu pessoal, uns postinhas de bacalhau assado na brasa.

Na foto, o Tony e o Humberto estão sentados na manjedoura... Era ali, protegidos da canícula, que tomavámos em conjunto as nossas refeições, escrevíamos as nossas cartas e aerogramas, jogávamos à lerpa, bebíamos um copo, matávamos o tédio...O dia acabava cedo, mal o sol de punha. O Tony, à esquerda, segura  uma granada de LGFog, calibre 3.7. Também à esquerda, de pé, em segundo plano o saudoso 1º cabo José Marques Alves (1947-2013).


Foto: © Humberto Reis (2006). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]



3. Comentário do editor LG:

Tony, obrigado!... Tenho mesmo que te agradecer em nome da Tabanca Grande. Seria uma pena que esta história ficasse só no baú da memória... e acabasse por se perder!

Por outro lado, ninguém vai ter lata de pôr em causa ou contestar o esquema que o pai Levezinho arranjou para te fazer chegar o "fiel amigo"... Na realidade, este esquema é centenário e tipicamente português...Um amigo faz sempre um jeitinho a um amigo, e para mais quando a causa era "nobre".. 

Bolas, estávamos em guerra, e longe de casa, e o teu velho devia ter uma coração de manteiga... Daí me ter ocorrido a expressão "contrabando de ternura"... O que ele organizou foi apenas uma rede de suporte social informal que funcionou às mil maravilhas, com 5 mil quilómetros de comprimento, Bafatá, Bambadinca)... E repara: nem tu nem o teu pai lesaram ninguém, muito menos a companhia... A "encomendinha" chegava sempre a bom porto, graças a um série de boas vontades... Um esquema bonito, perfeito, bem português... (E que eu saiba, nunca  houve reclamações: o teu/nosso "fiel amigo" não se perdia nas águas do Geba, como o da Intendência...).

Agora diz-me outra coisa: sempre tiveste jeito para a cozinha e acho que davas um grande "chef" se te metesses por aí... Em Bambadinca chegaste a meter o bedelho na cozinha das  messes ? [A cozinha era comum à messe de oficiais e à messe de sargentos]. Quem fazia os petiscos ?

Continuo a gostar de bacalhau de todas as maneiras e feitios... Ontem a Alice fez um belo bacalhau, receita meio nortenha, metade dela,   para uns alemãos de Münster... e eu contei-lhes a história do "Maria da Glória", miseravelmente afundado pelo U-94...do 1º tenente Otto Ites, em 5/6/1942... Adoraram o bacalhau... E sobre o nazismo têm um discurso inatacável: os alemães eram todos nazis, filhos, pais, avós, até ao Hitler... Um sistema totalitário a que a judia alemã Hanna Arendt  (1906-1975) chamou o "mal absoluto"... Em conversa, entre brancos, tinta  e uma aguardente velha para acabar em beleza, concluímos que o filho da mãe do Salazar até foi um ditador "ligh"... Terá sido ?

Eu discordo: afinal, cada povo tem afinal o ditador que merece... O nosso, por exemplo, não queria que os portugueses soubessem que os "nossos amigos alemães" eram capazes de fazer tiro ao alvo contra os nossos valentes pescadores e marinheiros que, no meio da maior batalha marítima de todos os tempos, se esgueiravam até à Terra Nova e à Gronelândia para pescar o "fiel amigo".

Um xicoração, Luís


4. Resposta do Tony Levezinho, com data de 8 do corrente:

Luis
Confirmo o gosto pela cozinha que ainda hoje exercito com prazer, mas em Bambadinca não me lembro de ter entrado na cozinha de qualquer das messes.
Curiosamente, lembro-me de preparar alguns petiscos, mas não recordo em que circunstâncias.

Guiné 61/74 - P17452: Parabéns a você (1270): Alcides Silva, ex-1.º Cabo Estofador do BART 2913 (Guiné, 1967/69)

____________

Nota do editor

Último poste da série de 9 de Junho de 2017 > Guiné 61/74 - P17448: Parabéns a você (1269): Ernesto Duarte, Fur Mil Inf da CCAÇ 1421 (Guiné, 1965/67)

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Guiné 61/74 - P17451: (De) Caras (76): O "contrabando" da... ternura ou como o "fiel amigo", o bacalhau, chegava à Bambadinca, ao Tony Levezinho, utilizando uma vasta rede de intermediários, do navio-tanque da Sacor à Casa Fialho - Parte I


Guiné > Zona Leste > Setor L1 > Bambadinca > CCAÇ 12 (1969/71)  > 1970 > Furriéis milicianos Tony  Levezinho e [Luís Graça] Henriques, à civil... Dois amigos para a vida...


Foto: © António Levezinho (2006). Todos os direitos reservados. [Edição e legendagem: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné]



1. Já aqui recordámos, neste blogue de antigos combatentes, a importância que tinha, no TO da Guiné, durante a guerra colonial, a presença do "fiel amigo" (*)... 

Para suprir as falhas da Intendência, eram as nossas próprias famílias que nos faziam chegar, aos aquartelamentos no mato, remessas do tão desejado bacalhau... sobretudo nas datas mais festivas e simbólicas, como o Natal ou o nosso dia de anos.

O "fiel amigo" vinha às postas, devidamente embalado, seco, salgado, e de preferência era do "especial", com a altura de 4 dedos... E ainda o João Alves, que é de Torrres Vedras,  não tinha inventado o "bacalhau demolhado, ultracongelado,  pronto a cozinhar",,, (A Riberalves aparecereá só em 1985, muito depois de ele vir da Guiné, onde estava quando aconteceu o 25 de abril) (*).

Estou-me a lembrar, isso sim, de um dos amigos que fiz, para a vida, o Tony Levezinho, meu camarada da CCAÇ 12, e um dos membros seniores da nossa Tabanca Grande, tal como o Humberto Reis (**).

É um gentleman, o Tony Levezinho,  tal como o pai, que eu ainda tive o privilégio de conhecer pessoalmente na sua casa da Amadora, nos primeiros anos da década de 1970, depois do regresso do inferno...  Pai e filho trabalharam na Sacor (mais tarde Petrogal, hoje Galp)... Quando o pai Levezinho se reformou era simplesmente o empregado nº 1 (!).

O Tony chegou mesmo a chefe de divisão (o que não era fácil a um self-made man como ele, numa empresa de engenheiros). Reformado, vive hoje com a sua querida Isabel na Tabanca,,,  da Ponta de Sagres - Martinhal...

Apesar da sua modéstia, o Tony foi (e continou a ser, mesmo depois de reformado da Galp) um perito na arte do import-export do petróleo e seus derivados... Mas, se eu evoquei aqui o seu nome, foi para contar o seguinte, a título de (in)confidência: graças às suas ligações à Sacor, nunca nos faltava o "fiel amigo" à mesa, em Bambadinca...

O bacalhau e outras iguarias chegavam-nos à Guiné, a Bisssau e depois a Bafatá e a Bambadinca, regularmente, transportado no navio-tanque da Sacor até Bissau e depois,  "à boa maneira portuguesa", encaminhado até ao seu destino final... A verdade é que o pai Levezinho nunca se esquecia do filho Levezinho e dos seus amigos e camaradas de Bambadinca...

Eu tenho que ter aqui um pensamento de grande ternura e gratidão para com esse homem, o pai Levezinho, que foi um dos nossos bons irãs poisados nos poilões de Bambadinca: o bacalhau que chegava ao Tony Levezinho, periodicamente, através do navio-tanque da Sacor ( ... e da Casa Fialho, no percurso final, de Bissau a Bafatá), não era comido às escondidas, sozinho, mas sim generosa e festivamente partilhado pelos amigos e camaradas mais próximos...

 E devo acrescentar que, se não nos matava a malvada (que era muita, aos 22 anos, e para quem palmilhava léguas e léguas pelos matos e bolanhas da Guiné), foi um suplemento de alma, e seguramente ajudou-nos a sobreviver e a regressar a casa, ainda com mais ganas de continuar a viver e a amar as coisas boas da vida, de que o "fiel amigo" fazia (e continua a fazer) parte,,,

2. Ao  escrever o poste P17440 (**) sobre uma efeméride ligada à história da pesca do bacalhau, de repente lembrei-me desta história do Tony Levezinho e do seu pai, e as remessas do "fiel amigo" que nos chegavam a Bambadinca através do navio-tanque da Sacor e, depois, da Casa Fialho...

Mas faltavan-me detalhes importantes, pelo que desafiei-o, no passado dia 7, nestes termos: "Tony, tens que me contar, agora por escrito, como é que se processava esse 'contrabando'... de ternura!"...

Embora ele não goste de falar de si, na primeira pessoa do singular, e nomeadaemente em público, logo na volta do correio, ele deu-me uma resposta afirmativa: "Viva Luis: apesar de já teres dito quase tudo, vou preparar um pequeno texto para corresponder ao teu desafio. Até já. Um Abraço .Tony".

É esse texto que vai ser publicado na II Parte, em poste a seguir. (***)

_________________

Notas de leitura;

(*) Vd. Riberalves > Quem somos

(...) "A Riberalves produz 30 mil toneladas de bacalhau por ano, o equivalente a cerca de 8% a 10% de todo o bacalhau pescado no mundo. A capacidade produtiva da empresa conheceu um forte impulso a partir do ano 2000, após o investimento na unidade industrial da Moita, transformada naquela que é hoje a maior unidade mundial a operar exclusivamente no sector do bacalhau. Nesta unidade a Riberalves tem implementada tecnologia própria, desenvolvida para assegurar a produção do Bacalhau Demolhado Ultracongelado – Pronto a Cozinhar, uma categoria de produto que pela sua qualidade e carácter prático, tem vindo a permitir reinventar o consumo do “fiel amigo” e apontar a novos mercados".(,,,)

Vd, também Riberalves > Vídeos > Vídeo institucional 30 anos

(**) Vd. poste de 7 de junho de 2017 > Guiné 61/74 - P17440: Efemérides (256): Faz agora 75 anos que foi afundado a oeste da Gronelândia o lugre bacalhoeiro ilhavense "Maria da Glória" por um submarino alemão... Dada o forte simbolismo da data, foi já proposta a Assembleia da República a instituição do dia 5 de junho como "O Dia Nacional do Bacalhau"...


(***) Último poste da série > 8 de junho de 2017 > Guiné 61/74 - P17447: (De) Caras (75): Fausto Teixeira ou Fausto da Silva Teixeira, um dos primeiros militantes comunistas a ser deportado para a Guiné, em 1925, dono de modernas serrações mecânicas (Fá Mandinga, Banjara...) a partir de 1928, exportador de madeiras tropicais, colono próspero e respeitável em 1947, um dos primeiros a ter telefone em Bafatá, amigo de Amílcar Cabral, tendo inclusive ajudado o Luís Cabral a fugir para o Senegal, em 1960..."Quem foi, afinal, o meu avô?", pergunta o neto Fausto Luís Teixeira (nascido em Ponte Nova, Bafatá, onde viveu até aos três anos)...

Guiné 61/74 - P17450: Convívios (809): Encontro do pessoal da CCAV 2748/BCAV 2922, levado a efeito no passado dia 3 de Junho de 2017, em Almeirim (Francisco Palma)


COMPANHIA DE CAVALARIA 2748

COMBATENTES DA GUINÉ 70-72 

47 Anos da Partida de Lisboa e 45 do regresso de Bissau 

Levou a efeito mais um encontro, este ano no dia 03 de Junho em Almeirim, registando 75 presenças, onde foi um sem fim expressões de alegria e revivência do passado com alegrias, tristezas e até emoções, mas principalmente de alegria pelo reencontro e convívio.











Reportagem enviada pelo nosso camarada Francisco Palma (ex-Soldado Condutor Auto Rodas da CCAV 2748 / BCAV 2922, Canquelifá, 1970/72), nesta foto em primeiro plano,
____________

Nota do editor

Último poste da série de 7 de junho de 2017 > Guiné 61/74 - P17444: Convívios (808): Encontro de RANGERS, alguns antigos combatentes na Guiné. Homens que cruzaram as suas vidas com a guerra colonial. (José Saúde)

Guiné 61/74 - P17449: Notas de leitura (966): Anuário da Província da Guiné, ano de 1925 - Um documento histórico incontornável (2) (Beja Santos)



1. Mensagem do nosso camarada Mário Beja Santos (ex-Alf Mil, CMDT do Pel Caç Nat 52, Missirá e Bambadinca, 1968/70), com data de 12 de Fevereiro de 2016:

Queridos amigos,
Que ninguém espere encontrar aqui uma caraterização das etnias guineenses com o rigor antropológico e etnológico. Tudo aqui é observação de quem pensa que está a falar de primitivos, gente que precisa de ser civilizada, aculturada. Não que falte algum rigor em certas apreciações, mas neste documento o autor não esconde que fala de civilizado para indígena, os pobres coitados têm costumes bizarros, a cultura do branco ainda não os moldou para a cidadania. Só décadas depois é que o olhar do cientista se despiu de preconceitos raciais.

Um abraço do
Mário


Um documento histórico incontornável: Anuário da Província da Guiné, ano de 1925 (2)(*)

Beja Santos

Estes anuários tinham a apresentação de um mostruário do território, dos seus transportes, da natureza da sua administração, fazia-se uma incursão pela cidades e vilas e depois passava-se para as atividades económicas, neste tempo ainda se falava pouco do turismo mas fazia-se sempre menção da fauna e flora, eram requisitos obrigatórios do feitiço africano; e por último, mostrava-se um pouco da história da pacificação e referiam-se os usos e costumes dos indígenas.

Deixei exatamente para este texto a descrição do anuário sobre as etnias existentes na Guiné. Não se perca de vista estamos em 1925 e a antropologia e a etnologia ainda não são consideradas ciências. De acordo com o anuário, na Guiné Portuguesa o tipo de raça dominante é o negro e o negroide e o hamita cruzado. Segue-se um pálido resumo dessas raças, os usos e costumes e o autor adverte que não há intuitos “de que nos tomem por senhores doutores no assunto”.

Fulas – a sua índole é boa, se bem que de feitio concentrado. Pouco robustos em geral, são bastante atreitos a doenças. Quase todos praticam a tatuagem, nos lábios, as mulheres e os homens no rosto. Devido a esta prática absurda, acontece vermos tipos de mulheres verdadeiramente cativantes, prejudicados em absoluto pela deformação dos beiços. O Fula usa lavar-se, mas nem todos empregam o sabão, por ser crença entre eles que tal emprego faz diminuir a virilidade. São supersticiosos à sua maneira. Logo que lhes morre um filho ou parente mudam em regra de povoação, transportando para longe os seus penates. Têm a vaidade de que são grandes progenitores.

Mandingas – têm boa índole, são alegres, expansivos, hospitaleiros e obedientes. São atraídos pelo comércio e a agricultura. Têm duas castas: a dos ferreiros e a dos sapateiros, não podem juntar-se com castas diferentes. Têm os Mandingas também a sua autoridade religiosa que denominam almarne (penso que o autor confundiu, a palavra própria é almani). Ele é ao mesmo tempo conselheiro político, goza de muito prestígio. É curioso como se transmitem entre eles as heranças: por morte do pai herdam os irmãos, começando pelo mais novo que tenha família. Os filhos e as mulheres fazem parte do legado, e neste caso elas ficam sendo pertença do herdeiro. Quando este tem mulheres a mais, a mulher herdada pode passar para o outro irmão, desde que ela concorde, e dividem-se os filhos entre os irmãos.

Felupes – são bem constituídos, robustos, musculados, sadios e resistentes. Quando novos e solteiros, usam várias contas nas pernas e diversas penas na cabeça. Quanto a trabalhar, não se matam muito, apenas produzem o suficiente para comer e pagar o seu imposto. Só depois dos 20 anos é que se casam e não se divorciam, separam-se do modo mais simples quando não se dão bem. Crêem em Deus e nos espíritos malignos.

Papéis – são muito vivos e espertos, musculosos e resistentes. Quase todos de caráter concentrado. Têm um costume interessante: deformar os dentes, tornando-os pontiagudos. Exímios montadores de bois ou de vacas, é costume passarem nos caminhos a trote, ou a galope. No que respeita a bebidas, apreciam o álcool e o vinho de palma. As raparigas Papéis, logo que nascem são pedidas em casamento por qualquer homem, que desde logo tem que auxiliar o pai dando-lhe aguardente e trabalhando na sua lavoura. Uma vez chegadas à idade 10 ou 12 anos, vão as raparigas para casa das mães dos seus futuros maridos e só se juntam com estes depois de atingida a puberdade.

Manjacos – são considerados como uma divisão dos Papéis, com que se assemelham fisicamente e até pelos costumes. Náuticos por temperamento, são os que mais contingente fornecem para o pessoal de embarcações. A mulher Manjaca é ordinariamente esbelta e agradável. Adora os lenços de cores vivas e ornamenta-se, como os ídolos, de bizarros colares de pontas e manilas. Os Manjacos constituem uma população densa e obedecem aos régulos, que são senhores absolutos.

Banhuns (Brames ou Mancanhas) – não crêem na alma, nem sabem o que isso seja, mas acreditam na transmigração. Há Banhuns que se caracterizam pelas horas mortas da noite em hienas e onças para exercerem pequenas vinganças. Para os Banhuns, a mulher não é bem um ser, um farrapo desprezível, sem vontade própria, que eles negoceiam como negociariam a vaca ou uma cabra. Reconhecem que precisam dela mas não se lhe dedicam. Por este facto estão sempre prontos a tê-la em casa e a recebê-la, mesmo que saibam que os filhos que ela lhes traz não lhes pertencem. Ela lavra a mancarra, corta o chabéu (cacho de coconote), lavra o milhinho, que é uma espécie de alpista ou painço; ela prepara os terrenos, sacha e monda as culturas, colhe a mancarra e quebra o coconote.

Balantas – as suas crianças, mal nascem, são lavadas e podem chorar à vontade. Hão de esperar que as mães tenham leite. Se estas morrem em resultado do parto, ou mesmo muitos meses depois, os filhos têm também de morrer por não haver quem os amamente. Quando nascem gémeos, um é abandonado junto de qualquer montículo de bagabaga e lá morre, tomando a mãe conta do outro. Aos mancebos (blufos) tudo é permitido. Praticam a circuncisão, para eles a maior festa. Escolhem as mulheres com que hão de casar. A mulher Balanta, é em geral, infiel ao marido, o que não admira, visto este normalmente ser muito mais velho do que ela. Há entre eles um costume muito curioso: se duas famílias são inimigas, fazem as pazes trocando os filhos em casamentos.

Beafadas – são uns verdadeiros amorosos de batuques. É a mulher que trabalha; é ela que trata da apanha dos produtos, ela que põe em fio o algodão, ela que o tinge, enquanto homem descansa à sombra da árvore.

Cassangas – são considerados uma espécie de Beafadas, havendo quem neles encontrasse muitas semelhanças.

Nalus – atingindo a idade de 18 anos, podem casar e terão tantas mulheres quantas forem as irmãs que tiverem. Praticam a circuncisão. As mulheres são consideradas, em geral, como escravas, não havendo nenhum cuidado com elas quando estão grávidas, chegando até a ser espancadas pelos maridos. Entre os Nalus herdam os filhos, e na falta destes, os sobrinhos.

Bijagós – são os únicos indígenas que não praticam a circuncisão. Untam os corpos com azeite de palma e, nas ocasiões das festas, juntam a este um barro branco. São bons nadadores. Alimentam-se de macacos, ratos, jibóias, cães ou outros bichos domésticos. As suas casas, em regra, são caiadas com barro branco. Algumas têm vários desenhos informes, feitos com barro vermelho e amarelo ou com uma tinta preta. Crêem todos numa entidade suprema.

E o artigo termina assim: acrescentaremos agora que, a par do Balanta, é talvez o Fula o mais corajoso na investida, de uma intrepidez mais calma.


____________

Nota do editor

(*) Poste anterior de 5 de junho de 2017 > Guiné 61/74 - P17433: Notas de leitura (964): Anuário da Província da Guiné, ano de 1925 - Um documento histórico incontornável (1) (Beja Santos)

Último poste da série de 6 de junho de 2017 > Guiné 61/74 - P17437: Notas de leitura (965): Guiné: um rio de memórias, "alegres e doridas"... Porque regressar é preciso: "costuma(-se) dizer que tem mais dores aquele que nunca regressa completamente"... E quem o reafirma é o Luís Branquinho Crespo, que lá voltou quarenta e tal anos depois...

Guiné 61/74 - P17448: Parabéns a você (1269): Ernesto Duarte, Fur Mil Inf da CCAÇ 1421 (Guiné, 1965/67)

____________

Nota do editor

Último poste da série de 8 de Junho de 2017 > Guiné 61/74 - P17445: Parabéns a você (1268): Antero Santos, ex-Fur Mil Inf da CCAÇ 3566 e CCAÇ 18 (Guiné, 1972/74) e João Gabriel Sacôto, ex-Alf Mil Inf da CCAÇ 617 (Guiné, 1964/66)

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Guiné 61/74 - P17447: (De) Caras (75): Fausto Teixeira ou Fausto da Silva Teixeira, um dos primeiros militantes comunistas a ser deportado para a Guiné, em 1925, dono de modernas serrações mecânicas (Fá Mandinga, Banjara...) a partir de 1928, exportador de madeiras tropicais, colono próspero e respeitável em 1947, um dos primeiros a ter telefone em Bafatá, amigo de Amílcar Cabral, tendo inclusive ajudado o Luís Cabral a fugir para o Senegal, em 1960..."Quem foi, afinal, o meu avô?", pergunta o neto Fausto Luís Teixeira (nascido em Ponte Nova, Bafatá, onde viveu até aos três anos)...




Anúncio da empresa, em nome individual, "Fausto da Silva Teixeira", dono de serração mecânica de madeiras, com sede em Bafatá, publicado em Turismo - Revista de Arte, Paisagem e Costumes Portugueses, jan/fev 1956, ano XVIII, 2ª série, nº 2.


[Foto  partir de cópia pessoal pertencente ao  nosso saudoso camarada Mário Vasconcelos (1945-2017), ex-alf mil trms, CCS/BCAÇ 3872, Galomaro, COT 9 e CCS/BCAÇ 4612/72, Mansoa, e Cumeré, 1973/74] (*)



Cartão pessoal, sem data, manuscrito, de Fausto da Silva Teixeira, encontrado no Arquivo Amílcar- Cabral. Tudo indica que seria dirigido ao "caro amigo" engº agrónomo Amílcar Cabral, nascido em Baftá em 1924, com "cumprimentos à sua senhora", a engª agrónoma, sua colega de curso do ISA - Instituto Superior de Agronomia, em Lisboa,  Maria Helena [de Ataíde] Vilhena Rodrigues, transmontana de Chaves, com quem Amílcar Cabral casara em 1951, e com quem foi para a Guiné em 1952. Aqui nascerá a primeira filha do casal, Iva Cabral. Vão permanecer cerca de quatro anos na Guiné. Amílcar Cabral, encarregado pela administração da província de fazer o recenseamento agrícola,  vai percorrer a Guiné de lés a lés. Será nessa altura que conhece o Fausto Teixeira ,que devia viver em Bafatá ?... O casal adoece e tem de regressar a Lisboa. Em 1957 vão trabalhar para Angola. Mas em 1956e, 19 de setembrom, Amílcar já tinha participado na criação clandestina do PAI - Partido Africano para a Independeência, mais tarde PAIGC. O casal separa-se definitiavamente em 1966.

Este cartão deve ser, portanto, dos anos de 19652 a 1956.


Fonte: Portal Casa Comum, com a devida vénia

Instituição: Fundação Mário Soares
Pasta: 07063.036.115
Título: Cartão
Assunto: Cartão pertencente a Fausto da Silva Teixeira com nota manuscrita.
Data: s.d.
Observações: Doc. incluído no dossier intitulado Cartas de Bissau 1960-1961.
Fundo: DAC - Documentos Amílcar Cabral
Tipo Documental: Documentos

Citação:

(s.d.), "Cartão", CasaComum.org, Disponível HTTP: http://hdl.handle.net/11002/fms_dc_41709 (2017-6-8)


1. Mensagem do nosso leitor Fausto Luís Teixeira. com data de 4 do corrente:

Exºs Srs

Chamo-me Fausto Luís Teixeira, nasci em Ponte Nova, Bafatá (e vivi lá até aos 3 anos). Sou neto de Fausto da Silva Teixeira, que mal conheci, e de quem gostava saber algo mais.

Uma pergunta:
- Sabeis como ele foi parar à Guiné?

Muito obrigado
Cordial e atentamente

Fausto Luís Teixeira


2. Resposta do editor:

Obrigado, Fausto, pelo seu contacto. Do seu  avô, Fausto da Silva Teixeira ou Fausto Teixeira, sabemos pouco:

(i) seria um dos primeiros  militantes do PCP - Partido Comunista Português [, fundado a 6 de março de 1921] s ser deportado  para a Guiné, em junho de 1925, ainda portanto no tempo da I República (1910-1926),  juntamente com outros camaradas (Alexandre José dos Santos, Ferreira da Silva e Manuel Tavares, tendo este último, barbeiro de profissão,  morrido logo a seguir, já na Guiné, de doença) (*);

(ii) estabeleceu-se no leste da Guiné, onde terá fundado, em 1928, em Fá Mandinga, circunscrição (equivalente a concelho) de Bafatá, uma "serração mecânica de madeira", como se deduz do anúncio comercial publicado em Turismo - Revista de Arte, Paisagem e Costumes Portugueses, jan/fev 1956, ano XVIII, 2ª série, nº 2 e de uma notícia da agência Lusitânia, publicada no "Diário de Lisboa", de  9/2/1947;

(iii) devia ser um colono próspero e respeitável, ao ponte de a sua serração, em Fá Mandintga, entre Bafatá e Bambadinca, ter tido a honra de ser visitada pelo subsecretário de Estadod as Colónias, engº Rui Sá Carneiro, e comitiva, no dia 7/2/1947 (***):

(iii) terá sido dos primeiros moradores de Bafatá a ter telefone (o nº 10); tinha igualmente endereço telegráfico e caixa postal, o que era importante para u7ma "exportadoer de madeiras tropicais":

(iv) tinha, além disso, uma outra serração em Banjara, abandonada depois da guerra,mas cujas instalações eeram conhecidas das NT (***);

(v) terá conhecido  o engº agrónomo Amílcar Cabral e a esposa, portuguesa, Maria Helena,  logo quando o casal se estabeleceu na Guiné, no início dos anos 50, a avaliar por um cartão pessoal, manuscrito, de que encontrámos cópia digilitalizada no portal Casa Comum / Fundação Mário Soares, e que reproduzimos acima:

(vi)  devia ser, no mínimo, simpatizante da luta nacionalista encabeçada por Amílcar Cabarl ao ponte de ter ajudado o seu meio-irmão, Luís Cabral, a fugir da Guiné, em 1960, conforme testemunho do próprio Luís Cabral, no seu livro de memórias, "Crónica da Libertação" (Lisboa: Lisboa, O Jornal, 1984), citado pelo nosso camarada A. Marques Lopes (***);

(vii) mais concretamente, levou Luís Cabtalm,  no seu "Peugeot 203 pintado de cor azul forte" desde as Oficinas Navais do porto de Bissau até perto da sua serração [Banjara ou outra mais a norte ?], de onde Luís Cabral seguiu a pé até a uma aldeia senegalesa, passando por Fajonquito...

(viii) terá, mais tarde, sido identificado, seguido, vigiado e eventualmente preso pela PIDE [, que só abriu uma delegação em Bissau em 1954]... ou então, com a guerra, a empresa deve ter falido (é o que se deduz da homenagem que Luís Cabral lhe faz: "um velho democrata que amou profundamente a liberdade, lutou por ela e acabou por ser vencido pelas forças da repressão e do mal") (***).

O neto Fausto Luís Teixeira, nascido em Ponte Nova, em Bafatá (não diz em que ano, talvez em finais de 1950 ou princípios de 1960) pode agora cruzar esta informação com as memórias da família...

Um representante legal da família pode inclusive ir  ao Arquivo Nacional da Torre do Tombo, em Lisboa, para consultar a  eventual informação constante do arquivo da PIDE, incluindo o da Delegação da Guiné (1956/74), respeitante ao seu familiar Fausto Teixeira ou Fausto da Silva Teixeira. (****)

Disponha sempre, caro Fausto,  do nosso blogue como fonte de informação e conhecimento.  Um abraço do editopr Luís Graça


______________

Notas do editor [, repo0nsável também pleos itálicos, negritos e realces a amarelos]:

(*) Vd. poste de 22 de janeiro de 2015 > Guiné 63/74 - P14173: Historiografia da presença portuguesa em África (52): Revista de Turismo, jan-fev 1956, número especial dedicado à então província portuguesa da Guiné: anúncios de casas comerciais - Parte IV (Mário Vasconcelos): Há, pelo menos, 6 comerciantes libaneses em Bafatá: Jamil Heneni, Toufic Mohamed, Rachid Said, Fouad Faur, Salim Hassan ElAwar e irmão

(**) Vd. Casanova, José - O Partido na História - Os primeiros comunistas presos, Partido Comunista Português: Organização Regional de Lisboa.

(...) O último registo conhecido de prisões (e, no caso concreto, também de deportações – as primeiras de que há notícia) de membros do PCP no tempo da 1ª República é de 1925: em Junho desse ano são deportados para a Guiné, sem julgamento, os militantes comunistas Alexandre José dos Santos, Fausto Teixeira, Ferreira da Silva e Manuel Tavares. Este último, barbeiro de profissão, era membro do Secretariado da Comuna n º 1 «Tibério Graco», do Beato e Olivais (Lisboa) e viria a morrer, após dois meses de deportação, vítima dos rigores do clima tropical e da falta de assistência médica. Terá sido, muito provavelmente, o primeiro de uma longa lista de militantes comunistas assassinados nas prisões. (...)

(***) Vd. poste de 19 de maio de 2017 > Guiné 61/74 - P17377: Historiografia da presença portuguesa em África (76): Subsecretário de Estado das Colónias em visita triunfal à Guiné, de 27/1 a 24/2/1947 - Parte V: De regresso, de Bafatá a Bissau, sexta-feira. 7 de fevereiro, com passagem por Fá (Mandinga), Bambadinca, Xitole e Porto Gole


(..) às 8h30 desse dia [7 de de fevereiro de 1947, o subsecretário de Estado] despede-se de Bafatá e segue em cortejo automóvel até Fá (Mandinga) onde visita a serração mecânica do português, o "madeireiro" Fausto da Silva Teixeira, radicado na colónia há 20 anos; (no nosso tempo, meu e do "alfero Cabral", em 1969/71, já não havia vestígios desta serração mecânica, e muito menos do Fausto da Silva Teixeira)" (...)


(***) Vd. poste dwe 31 de março de 2009 > Guiné 63/74 - P4115: Os Bu...rakos em que vivemos (1): Banjara, CART 1690 (Parte I) (António Moreira/Alfredo Reis/A. Marques Lopes)


(...) O nosso camarada Fernando Chapouto sabe também como era Banjara. «Banjara fica situada a cerca de 40 Km de Geba e a cerca de 20 Km de Mansabá, na estrada Bissau/Bafatá. Fica no coração da mata do Oio, e teve, antes da guerra colonial, uma unidade industrial de serração de madeiras.
Pertencia, durante a guerra, à área de actuação da Companhia de Geba, do Batalhão de Bafatá.


(...) [Cabe aqui um parêntesis para dizer que aquela serração em Banjara pertenceu ao português Fausto Teixeira:

"Antifascista desde a sua juventude, via-se no comportamento de Fausto Teixeira toda a história de um velho democrata que amou profundamente a liberdade, lutou por ela e acabou por ser vencido pelas forças da repressão e do mal. No entusiasmo e dedicação que pôs no cumprimento desta arriscada missão, sentia-se todo o seu orgulho em poder participar na luta que então travávamos, também pela liberdade, contra os mesmos inimigos".  

Isto diz Luís Cabral no seu livro Crónica da Libertação, aí referindo também que a missão do Fausto Teixeira foi ajudá-lo na sua fuga para o Senegal, em 1960, levando-o no seu "Peugeot 203 pintado de cor azul forte" desde as Oficinas Navais do porto de Bissau até perto da sua serração, de onde Luís Cabral seguiu a pé até a uma aldeia senegalesa, passando por Fajonquito.] (...)


Vd. também poste de 28 de julho de 2005 > Guiné 63/74 - P128: Bibliografia de uma guerra (10): Segredos do PAIGC (Marques Lopes)

(****) Último poste da série >  2 de junho de 2017 > Guiné 61/74 - P17424: (De) Caras (74): Almoço-convívio anual de 'Os Lacraus', CART 2479 / CART 11 (Contuboel, Nova Lamego, Piche, Paunca, 1969-1970/71... Em Mem Martins, Sintra, em 27/5/2017... Para o ano será na Nazaré (Valdemar Queiroz)

Guiné 61/74 - P17446: Agenda Cultural (565): Convite para a apresentação de livros da colecção Fim do Império, a levar a efeito no próximo dia 11 de Junho, pelas 15h00, no Auditório da Feira do Livro de Lisboa (Manuel Barão da Cunha)



C O N V I T E


____________

Nota do editor

Último poste da série de 2 de junho de 2017 > Guiné 61/74 - P17423: Agenda Cultural (564): Há Arraial da Mouraria, 10ª edição: atuação da banda musical portuguesa "Melech Mechaya", sexta-feira, dia 2 de junho, às 19h00, no Largo da Rosa, Mouraria, Lisboa

Guiné 61/74 - P17445: Parabéns a você (1268): Antero Santos, ex-Fur Mil Inf da CCAÇ 3566 e CCAÇ 18 (Guiné, 1972/74) e João Gabriel Sacôto, ex-Alf Mil Inf da CCAÇ 617 (Guiné, 1964/66)


____________

Nota do editor

Último poste da série de 7 de Junho de 2017 > Guiné 61/74 - P17439: Parabéns a você (1267): Ernesto Marques, ex-Soldado TRMS Inf da CCAÇ 3306 (Guiné, 1971/73)

quarta-feira, 7 de junho de 2017

Guiné 61/74 - P17444: Convívios (808): Encontro de RANGERS, alguns antigos combatentes na Guiné. Homens que cruzaram as suas vidas com a guerra colonial. (José Saúde)



1. O nosso Camarada José Saúde, ex-Fur Mil Op Esp/RANGER da CCS do BART 6523 (Nova Lamego, Gabu) - 1973/74, enviou-nos a seguinte mensagem. 

Encontro de RANGERS, alguns antigos combatentes na Guiné


Homens que cruzaram as suas vidas com a guerra colonial 
Sábado, 3 de junho de 2017, Restaurante Praxedes, Setúbal, um dia que ficará, com certeza, selado com lacre substancialmente consistente no baú das recordações de antigos RANGERS, cujo destino militar foi frequentarem o 1º Curso de Operações Especiais/Ranger no já distante ano de 1973. 

Foi enorme a maré de emoções. Visualizámos silhuetas humanas que o tempo ousou alterar. Uns com falta (já muita) de cabelo; outros com ele já esbranquiçado; pesos corporais a mais registados em balanças que teimam em não regredir inquestionáveis verdades consumadas; rostos transformados pelo ónus de uma vida que já vai longa, restando porém a certeza que ainda por cá continuamos, felizmente, como seres viventes. 

Recordámos os velhos tempos, dissecámos constantes conversas onde a temática assentou, evidentemente, na dureza militar com a qual nos confrontámos durante o ciclo de uma especialidade que muito nos ajudou a crescer como homens e, claro, como militares. 

Camaradas que cruzaram as suas vidas com a guerra colonial. Entrosaram-se convicções pessoais com estadias em Angola, Moçambique e Guiné. Falou-se da guerra e, logicamente, de Lamego, melhor, de Penude com a sua mítica Serra das Meadas, bíblia sagrada para a comunidade ranger. 

À tona da conversa surgiram, como é absolutamente admissível, as operações levadas a cabo por terras durienses. Falou-se da “Largada”, das “24 horas de Lamego”, da “Dureza 11”, do “Calvário”, enfim, um rol de inestimáveis contratempos que nos preparam para uma peleja que ditava ordem e sobretudo precaução. 

Curioso foi o detentor do encontro ter sido proporcionado pelo camarada, ex-Alferes Miliciano Alberto Grácio, que conheceu os meandros da guerra em solo guineense. O ranger Grácio pertenceu ao BCAÇ 4615, sediado em Teixeira Pinto, e cruzou os anos de 1973/1974, sendo também ele um dos militares que conheceram a guerra e a paz.

Por razões, creio que óbvias, não me vou alargar com a narrativa, direi, de forma sucinta, que em Setúbal, num almoço servido maravilhosamente pelo camarada ranger Praxedes, reencontraram-se condiscípulos de tropa, ou seja, rangers que cruzaram os mesmos espaços em Penude e que não se viam há 44 anos. 

A brilhante ideia do Grácio colheu excelentes opiniões, ficando a certeza que para o ano o nosso almoço (mancebos do 1º turno de 1973) será por terras nortenhas. 

Como nota de rodapé é justo mencionar que fizeram questão em marcar presença três dos nossos instrutores: os então Aspirantes Milicianos Jacob (um Alferes que conheceu o conteúdo da guerra na Guiné) e o Seixal, assim como o Cabo Miliciano Peixoto.

Valeu a pena!... 




Um abraço, camaradas

José Saúde
Fur Mil Op Esp/RANGER da CCS do BART 6523

Mini-guião de colecção particular: © Carlos Coutinho (2011). Direitos reservados.
___________ 
Nota de M.R.: 

Vd. último poste desta série em: 

7 DE JUNHO DE 2017 > Guiné 61/74 - P17442: Convívios (807): XIII Convívio da Companhia de Artilharia 1742 (OS PANTERAS), levado a efeito no passado dia 27 de Maio de 2017 em Ribeirão, Famalicão (Abel Santos, ex-Soldado Atirador)

Guiné 61/74 - P17443: Falsificações da história (3): o ataque a Bambadinca em 28/5/1969: nós estávamos lá !...e esta é a nossa versão dos acontecimentos (Fernando Calado, ex-alf mil trms / Ismael Augusto, ex-alf mil manut, CCS / BCAÇ 2852, Bambadinca, 1968/70)


Guiné > Zona Leste > Setor L1 > Bambadinca > CCS/BCAÇ 2852 (1968/70) > O fur mil José Carlos Lopes, o homem dos reabastecimentos, posando ao lado da temível Browning, 12.7, um metralhadora pesada que podia varrer toda a pista de aviação.

Era uma arma devastadora, com uma cadência de 500 disparos por minuto, e com um alcance à superfície de 1500 metros. Pesava cerca de 45 kg. Principal função: defesa de ponto. Era também usada pela Marinha.

Foto: © José Carlos Lopes (2013). Todos os direitos reservados. (Edição e legendagem: Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné)



Lisboa > Casa do Alentejo > 26 de outubro de 2013 >
Em primeiro plano,  o Fernando Calado, e atrás
o Ismael Augus
Ataque / flagelação a Bambadinca na noite de 29/5/1969

por Fernando Calado & Ismael Augusto


INTRODUÇÃO

Como todos sabem, o decurso do tempo permite interpretações que, frequentemente, deturpam os factos e conduzem às chamadas “falsidades históricas” que, de acordo com os historiadores mais exigentes, caracterizam a história da humanidade.

Assim, assumimos que esta é a nossa versão do ataque/flagelação a Bambadinca que ocorreu há 48 anos e alguns dias, cerca das 0 horas e 30 minutos do dia 28 de Maio de 1969.

Assumimos ainda que, em termos de informação precisa dos factos, somos detentores de algumas vantagens relativamente aos autores de outras versões (que respeitamos) e que são as seguintes:

- Estivemos lá antes, durante e depois da flagelação.

- Como em qualquer outro contacto de fogo, vivemos cada minuto com muita intensidade, o que permitiu armazenar na memória próxima ou na memória remota a maioria dos detalhes ocorridos.

- As responsabilidades próprias das funções que desempenhámos permitiram, no próprio dia e nos dias seguintes, ter acesso a informação privilegiada.


VERSÂO OFICIAL

O Sitrep (situation report) refere, no capítulo “Actividade em Maio de 1969”, subcapítulo “Actividade do In”, apenas o seguinte:

“Em 280025, um Gr. IN de mais de 100 elementos flagelou com 3 CAN S/R, Mort82, LGF, ML, MP e PM, durante 40 minutos, o aquartelamento de Bambadinca, causando 2 feridos ligeiros”.

É interessante verificar que os relatórios referiam com grande desenvolvimento e detalhe as operações das nossas tropas, sendo que as operações do inimigo eram descritas de uma forma breve e sucinta.

A NOSSA VERSÃO

Bambadinca era considerado um local de difícil acesso militar por parte do PAIGC já que o quartel se situava num pequeno planalto no topo da povoação e, numa grande extensão, rodeado de bolanhas. Todavia, era um alvo apetecido do ponto de vista político-militar, uma vez que o seu porto do rio Geba constituía a maior plataforma de abastecimento logístico e militar a todo o leste da Guiné (Em Maio de 1969 a estrada para o Xime era ainda de terra batida com emboscadas frequentes, com especial frequência em Ponta Coli).

Nesse âmbito,  Bambadinca garantia a maioria dos abastecimentos, tanto de combustíveis e munições a vários aquartelamentos, para além de outros bens, sendo por isso um local por onde terão passado muitos dos nossos camaradas sediados em aquartelamentos da Zona Leste.

As tropas do PAIGC tinham aumentado as suas acções de combate com manifesta tendência para flagelação de aquartelamentos.

O Comandante do Batalhão,  tenente-coronel Manuel Maria Pimentel Basto, s tinha sido transferido por razões disciplinares e tinha sido substituído interinamente pelo tenente-coronel Álvaro Nuno Lemos de Fontoura ausente em Bissau na data da flagelação. Já antes, tinha sido transferido o 2º. Comandante Major Manuel Domingues Duarte Bispo (por razões de saúde). A responsabilidade de comando nesse dia pertencia ao Major Viriato Amílcar Pires da Silva.

É neste contexto que  aconteceu o ataque de 28 de Maio e que provocou enquanto durou (cerca de 40 a 50 minutos) uma grande desorientação inicial na maioria dos militares presentes que não tinham grande experiência operacional.

Nas circunstâncias vividas todas as possibilidades se colocavam, inclusive a da possível tentativa dos guerrilheiros do PAIGC assaltarem as instalações.

Durante o ataque percebemos que estavam a ser utilizadas diferentes tipos de armas, designadamente os canhões sem recuo,  instalados nas proximidades da pomposamente designada e assinalada em todos os mapas da Guiné como pista de aviação (na direção do Xime) e não muito distante da periferia do quartel. Nessa pista pousavam os helicópteros e aterravam com dificuldade os monomotores militares conhecidos por DO’s, e também alguns monomotores civis (a pista servia também esporadicamente de campo de futebol)

Foram também utilizadas as célebres “costureirinhas” (PPSh 41) que tinham um forte impacto psicológico já que parecia que estavam a disparar apenas a alguns metros.

Foram ainda utilizados alguns morteiros de calibre 82, tendo algumas das granadas atingido o
aquartelamento, nomeadamente o telhado de um quarto do edifício dos sargentos, as traseiras dos quartos dos oficiais (fotografia do blogue) e outros locais, mas sem danos de maior, com exceção de dois feridos ligeiros.

Alguns invólucros das munições utilizadas já foram objeto de uma fotografia apresentada no blogue.

Para sua defesa estavam habitualmente estacionados em Bambadinca dois obuses de grande calibre, que por razões operacionais algumas vezes eram deslocados para outros aquartelamentos. Foi o que sucedeu na noite da flagelação.

Por outro lado, constatou-se que pelotão de morteiros só teve possibilidade de reagir com algum atraso.

As armas ligeiras fizeram quase todo o trabalho, bem como uma Browning 12,7 mm, que ajudou um pouco á festa estava colocada junto ao abrigo, que ficava próximo do topo da pista e encravado entre a central elétrica e dezenas de bidons de combustível e lubrificantes colocados numa vala muito próxima. Apenas três ou quatro que estavam mais perto da superfície foram atingidos. Felizmente, mas não por acaso, eram de lubrificantes.

Bambadinca, como já referimos e na sua componente de grande base logística, era plenamente conhecida pelo PAIGC, bastando lembrar que o aquartelamento era atravessado pela única estrada que ligava a povoação a todas as outras situadas a sul.

Em condições muito provisórias, mas por períodos muito curtos, eram armazenados em Bambadinca, dezenas de bidões  de combustível e de lubrificantes e muito raramente também largas quantidades de munições de todo o tipo e para todo o tipo de armas em uso no exército português.

Era, portanto, visível para quem com alguma frequência ali passasse, a chegada massiva de materiais e a sua permanência, dentro do aquartelamento.

Percebemos no final do ataque,  que a missão do grupo do PAIGC era proceder à flagelação e sair rapidamente, uma vez que os guerrilheiros naquele local ficariam expostos logo que a noite clareasse e a retirada seria difícil.

Se além de outros objetivos, conseguissem atingir pelo menos parte dos materiais em trânsito tanto melhor e, se por acaso, esses tivessem sido alguns de entre as dezenas de bidões de gasolina e gasóleo que ali estavam naquela noite, a história seria outra.

Parece ficar claro que a operação do PAIGC foi bem pensada já que se tratava de atingir um objetivo muito importante, que consistia em atacar a sede de um Batalhão que, naquela zona e como se disse, era uma base de interesse estratégico do ponto de vista militar e logístico.

Isso não invalida a realidade de uma flagelação muito intensa ao longo de todo o período em que decorreu.

Não foi por falta de munições nem de vontade, que o PAIGC não causou danos profundos.

É necessário ter em conta que do ponto de vista militar o aquartelamento ficava no vértice mais a sul da zona Fula que importava a todo o custo manter sem perturbações de maior. Fragilizar Bambadinca, seria, não só do ponto de vista estritamente militar, mas também psicológico, um trunfo de importância significativa no já frágil xadrez em que nos movíamos.

Por volta das 4h30/05h00 (quando começou a alvorecer), comandados pelo capitão Neves, criou-se um pequeno grupo que se deslocou em reconhecimento à zona que se estendia de Bambadinca até á primeira bolanha a caminho do Xime. Não havia vestígios que indiciassem que alguém do PAIGC tivesse sido atingido. O material recuperado teve apenas valor simbólico e parte, como se referiu, já foi apresentado no blogue (invólucros de munições).

Ficámos, no entanto, a perceber como foi montada no terreno a operação. Se serviu como informação útil para outras situações é matéria que desconhecemos.

Parece, no entanto, poder concluir que a sorte e a ineficácia se juntaram de ambos os lados

Pouco tempo depois chegou de helicóptero o comandante de Batalhão,  tenente coronel Lemos Fontoura.




Guiné-Bissau > Região de Bafatá > Bambadinca > 3 de Março de 2008 > O antigo quartel das NT > Edifíco dos quartos e messes de oficiais e sargentos, ao tempo da CCS/BCAÇ 2852, 1968/70; CCAÇ 12, 1969/71, e CCS/BART 2917, 1970/72)... No regresso a Bissau, depois de uma visita ao sul, à região do Cantanhez, no ãmbito do Simpósio Internacional de Guiledje (1-7 de Março de 2008), eu e o Nuno Rubim , fizemos um pequeno desvio para visitar Bambadinca... Os militares ali instalados foram minimamente corteses connosco, e não se opuseram a que tirássemos fotos às instalações, já muito degradadas...


Fotos (e legendas): © Luís Graça (2008). Todos os direitos reservados


O OUTRO LADO

Em Junho de 1995, eu, Ismael Augusto, desloquei-me á Guiné Bissau ao serviço da RTP para se proceder à inauguração do emissor da RTP África que tínhamos instalado em Nhacra.

Integrava na altura a comitiva do Ministro da Presidência, Dr. Marques Mendes, que também tinha como missão anunciar o apoio a instalação de um emissor em Bafatá, juntamente com um outro destinado á televisão da Guiné Bissau.

Acompanhei-os num almoço realizado no empreendimento português construído no Capé (próximo de Bafatá) e a seguir desliguei-me da comitiva que regressava a Bissau e fui com um colega da RTP a Bambadinca.

Já com a nova estrada para o Xime construída, o acesso ao aquartelamento era feito pela antiga porta de armas que ficava junto á pista.

A custo convenci o dono da viatura, que por casualidade era do Xitole e tinha sido milícia na nossa zona, que queria entrar pela velha rampa, já quase inoperacional mas ainda transitável. Foi por aí que retornei a Bambadinca, percorrendo o caminho de sempre.

As emoções e as lembranças que me atingiram não são o objeto deste pequeno testemunho, apenas quero sublinhar o estado de alguma degradação das instalações, apesar de uma parte continuar em perfeito funcionamento, nomeadamente as que serviam a zona dos sargentos e oficiais e o comando do batalhão.

Refiro isto porque Bambadinca era então (1995) um posto da polícia.

Dirigiu-se a mim um jovem tenente, que com alguma desconfiança me perguntou o que queria dali.

Disse-lhe que apenas pretendia tirar algumas fotografias (para quem não sabe, ao tempo, era expressamente proibido tirar fotografias a postos militares ou militarizados. Tinha a meu lado um exemplo vivo disso mesmo. O colega e amigo da RTP que me acompanhou tinha sido detido cerca de um ano antes junto a Nhacra por fotografar inadvertidamente um posto de polícia não identificado).

A resposta veio rápida:
- Não pode, pá.

Tentei convence-lo explicando as razões que me levaram á Guiné, a futura televisão em Bafatá, a presença do Ministro das Comunicações (salvo o erro) da Guiné-Bissau, que nos tinha acompanhado (seria fuzilado pouco tempo depois na sequência de um dos vários golpes militares de que a Guiné foi fértil), mas nada disso o demoveu.

Fotografias,  não.

Entretanto enquanto a conversa decorria á sombra duma acácia, que recordamos como pequenas árvores mas já atingiam então um porte razoável, aproximou-se um civil, mais velho, que ouvia a conversa com interesse.

Aí e perante as negativas continuadas disse ao tenente:
- Sabe porque é que eu insisti em tirar as fotografias? Porque fui militar aqui em Bambadinca no período de 68/70.

Nessa altura o homem mais velho perguntou.
- O que é que fazias?

Lá lhe expliquei sucintamente. Sorriu e disse-me: Podes tirar todas as fotografias que quiseres e visitar todas as instalações.

Mas antes foi a minha vez de perguntar o porquê da mudança.

Então contou-me que tinha sido e ainda era quadro do PAIGC, comandante no tempo da guerra e comandado um bigrupo (ou grupo) no ataque a Bambadinca a 28 de Maio de 1969.

Depois afirmou:
- Fomos militares, estivemos em lados diferentes, mas hoje já podemos ser amigos.

A conversa que se seguiu foi longa, interessante e cheia de detalhes mas, o grande resumo foi este:
- Naquela noite de 28 de Maio de 69 ficamos muito preocupados, esperávamos uma grande reação e ela não acontecia. Esperamos a resposta dos obuses e ela não vinha. Nem os morteiros reagiam. Instalou-se a desconfiança e pensamos que teriam saído tropas do quartel para nos cercarem.

Não fazemos quaisquer comentários. O que dissemos anteriormente explica tudo isto.

Grande abraço a todos os grã-tabanqueiros e amigos de sempre.


Fernando Calado e Ismael Augusto

Lisboa, 07.06.17

Fotos do arquivo do Blogue Luís Graça & Camaradas da Guiné (2017)

________________

Nota do editor:

Último poste da série > 31 de maio de 2017 > Guiné 61/74 - P17417: Falsificações da história (2): o ataque a Bambadinca em 28/5/1969: eu estava lá !... e vou enviar em breve um texto conjunto com o Fernando Calado com a nossa versão dos acontecimentos (Ismael Augusto, ex-alf mil manut, CCS/BCAÇ 2852, Bambadinca, 1968/70)

Guiné 61/74 - P17442: Convívios (807): XIII Convívio da Companhia de Artilharia 1742 (OS PANTERAS), levado a efeito no passado dia 27 de Maio de 2017 em Ribeirão, Famalicão (Abel Santos, ex-Soldado Atirador)



1. Em mensagem do dia 2 de Junho de 2017, o nosso camarada Abel Santos (ex-Soldado Atirador da CART 1742 - "Os Panteras" - Nova Lamego e Buruntuma, 1967/69) enviou-nos o rescaldo do XIII Encontro da sua Unidade, levado a efeito no passado dia 27 de Maio em Ribeirão, Famalicão.


XIII Convívio da Companhia de Artilharia 1742 
(OS PANTERAS

Nova Lamego e Buruntuma  (1967/69)


No passado sábado, dia 27 de Maio, mais uma vez a CART 1742 se reuniu para mais um convívio que coincidiu com o 50.º aniversário da partida para terras de África, onde foi colocada na antiga Província da Guiné Portuguesa, no sector Leste (L 4), Nova Lamego. Meio século vivido com muitas experiências, ao lado de quem mais gostamos e sempre nos acompanhou.

O dia do nosso encontro anual é o momento próprio e sempre esperado, para podermos celebrar com um abraço forte e sincero, a beleza da amizade que o tempo nunca apagará.

O ponto de encontro foi junto do Museu da Guerra Colonial, situado no Lago Discount, em Ribeirão Vila Nova de Famalicão. Ali a malta foi recebida pelo responsável, Alferes Silva, que nos proporcionou uma visita guiada ao Museu, onde fomos surpreendidos com o espólio que apresenta aos visitantes. A visita foi precedida pelo hastear da Bandeira Nacional acompanhada pelo Hino Português.

Uma vez no interior, foi prestada homenagem com deposição de uma coroa de flores, junto ao painel onde se encontram inscritos os nomes de camaradas mortos no Ultramar.

Depois da visita ao Museu, a Companhia deslocou-se para o centro da Vila de Ribeirão, mais propriamente para Igreja local, onde foi celebrada a Eucaristia em sufrágio de todos os camaradas falecidos.
As cerimónias no exterior terminaram junto ao monumento dos Veteranos de Guerra, onde fomos recebidos pelo Presidente do Núcleo de Ribeirão, senhor José Ferreira dos Santos que se associou à homenagem prestada aos combatentes da Vila de Ribeirão, com a deposição de uma coroa de flores e guardado um minuto silêncio.

Terminadas as cerimónias no exterior, passámos para outra não menos importante no interior do Restaurante Casa do Lindo, o almoço/convívio.

Foi mais um dia de convívio salutar que demonstrou o fervor castrense daquela malta.

Seguem-se algumas fotos do acontecimento.


Hastear da Bandeira Nacional

Assistindo à palestra sobre o espólio do Museu

José Araújo e Abel Santos

Mural dos mortos

O Pároco de Ribeirão na durante a celebração eucarística

Da esquerda para a direita: Araújo; Mendes; Ferreira dos Santos, Presidente do Núcleo de Ribeirão e Abel Santos

O Presidente do Núcleo de Ribeirão Ferreira dos Santos e Abílio Machado

Foto de grupo

Abel, Ferreira dos Santos, Mendes e Araújo

Presidente do Núcleo de Ribeirão discursando

Entrega dos certificados de presença

Abel Santos recebendo o certificado de presença.
____________

Nota do editor

Último posteda série de 4 de junho de 2017 > Guiné 61/74 - P17429: Convívios (806): Reencontro de companheiros ex-combatentes da 2.ª Companhia do BCAÇ 4512/72, Jumbembém e Farim, levado a efeito no passado dia 27 de Maio, em Fátima (Manuel Luís R. Sousa)